UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ESTUDO DA INTERFACE DE UM PORTAL WEB COM ÊNFASE NO TRABALHO COLABORATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ESTUDO DA INTERFACE DE UM PORTAL WEB COM ÊNFASE NO TRABALHO COLABORATIVO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ESTUDO DA INTERFACE DE UM PORTAL WEB COM ÊNFASE NO TRABALHO COLABORATIVO SÃO PAULO

2 CREDELANIA APARECIDA FERREIRA MENDES ESTUDO DA INTERFACE DE UM PORTAL WEB COM ÊNFASE NO TRABALHO COLABORATIVO Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, parcial para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração Processos Midiáticos na Cultura Audiovisual, Comunicação Contemporânea da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação da ProfªDrª. Maria Ignês Carlos Magno. SÃO PAULO

3 FICHA CATALOGRÁFICA Mendes,Credelania Aparecida Ferreira O ESTUDO DE UM PORTAL WEB COM ÊNFASE NO TRABALHO COLABORATIVO /Credelania Aparecida Ferreira Mendes f.80; 30 cm. Orientador: ProfªDrªMaria Ignês Carlos Magno. Dissertação (Mestrado em Comunicação) Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Bibliografia: f.80. 1efeitos da interatividade, 2 tecnologia,3 portal,4sociabilidades, 5internet. I. Título. CDD 3

4 CREDELANIA APARECIDA FERREIRA MENDES O ESTUDO DE UM PORTAL WEB COM ÊNFASE NO TRABALHO COLABORATIVO Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, parcial para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração Processos Midiáticos na Cultura Audiovisual, Comunicação Contemporânea da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação da ProfªDrª. Maria Ignês Carlos Magno.. Profª. Drª. Maria Ignês Carlos Magno Prof. Dr. Vicente Gosciola ProfªDrªValéria Martin Valls São Paulo, de de

5 Valeu a pena Êh! Êh! Valeu a pena Êh! Êh! Sou pescador de ilusões... Dedico esta dissertação ao meu esposo Romário César Mendese e aos meus filhos Jorge Luiz Mendes e Bruno Eduardo Mendes. 5

6 AGRADECIMENTOS Esses dois anos foram muito importantes para o meu amadurecimento profissional e acadêmico; abdiquei de muitas coisas tendo como foco os meus estudos e, um fato marcante que aconteceu durante esse tempo, foi à necessidade de pedir exoneração da Prefeitura Municipal de Diadema para poder dedicar-me aos estudos, pois solicitei um pedido de afastamento de dois anos, qual me negaram. Fiquei muito triste nesse período devido ter exercido o magistério por quase dezesseis anos nessa rede, mas superei com a compreensão e ajuda da minha família, muitas vezes pensei em desistir, porém o apoio e o amor daqueles que realmente acreditaram em mim me fortaleceram. Muitas vezes duvidei da minha capacidade. Nada nesse mundo pagará o que plantei e que agora estou colhendo. Realmente valeu a pena. Quando surgiu a oportunidade de obter uma bolsa de estudos oferecida pela Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de São Paulo, me engajei em todo o processo seletivo e a conquistei. Sou imensamente grata a esta Prefeitura qual além de me apoiar financeiramente, com a bolsa de estudos, possibilitou-me aliar a minha pesquisa a minha prática pedagógica, essa base fundamental que me estimulou a ser uma pesquisadora. Sou muito grata aos professores do Programa de Mestrado da Universidade Anhembi Morumbi quais me auxiliaram a obter o conhecimento necessário para a execução desta pesquisa; também a amiga Alessandra Marota que se não tivesse telefonado para a minha casa e insistido para que efetuasse a matrícula, teria eu hoje grande arrependimento. Quero salientar o importantíssimo papel da querida Profa. Dra.Maria Ignês Carlos Magno, pelo empenho, apoio intelectual e dedicação em suas orientações. Além de grande mestra, foi de uma humildade tremenda, tratando-me com amor e respeito. Agradeço também aos meus queridos professores Dr. Rogério Ferraraz, Dr. Luiz Vadico, Dr Gelson Santana e principalmente ao professor Dr. Vicente Gosciola,o grande inspirador do meu objeto de estudo. 6

7 A base da minha formação profissional foi e ainda é a escola pública. Quero agradecer a todos os profissionais/trabalhadores/educadores do CEU EMEF Alvarenga, em especial a minha diretora Profa. Marlene Sabino Maciel, aos assistentes de direção Prof. Robson Antônio da Silva e Profa. Lígia Maria Tebexerini; as coordenadoras pedagógicas Profa. Lenira Maria de Almeida e Profa. NilcéiaAntonia de Campos; aos professores Francisco do Amparo Lopes, Lucimara Gabriel, Danilo Monteiro Regis de Oliveira e Maurely Pires Silva pelo apoio profissional e coleguismo. Ressalto a grande importância das professoras Maria Tereza Dantas e Daniela Fonseca da DRE-SA em relação a informática educativa e pelos seus grandes ensinamentos ao uso das plataformas. Não posso esquecer-me dos alunos que ansiosamente esperavam o momento de entrar no laboratório de informática para mais uma aula interativa. Por último, pela grandiosidade, é a minha família Maria Rosa de Paiva Ferreira, Benjamim de Paula Ferreira e Márcia Ferreira que tanto amor e compreensão me ofereceram durante esses dois anos de labuta pelo conhecimento. 7

8 Epígrafe Hoje, não poderia conceder demais à minha desconfiança, visto que, agora, não é tempo de agir, mas apenas de meditar e de conhecer. René Descartes 8

9 RESUMO Este estudo teve como meta investigar e refletir sobre os efeitos proporcionados pela interatividade no uso de um portal web bem como suas possibilidades comunicacionais frente à nova realidade informacional que nos foi imposta. O interesse surgiu a partir do trabalho desenvolvido no laboratório de informática educativa da CEU EMEF Alvarenga e, para a compreensão adequada do trabalho desenvolvido, houve a necessidade de aprofundamento teórico no campo da comunicação e das tecnologias atuais, em especial a Internet, qual traz novas possibilidades de contatos entre as pessoas, pondo-as em rede que supõe além da conectividade, o compartilhamento, o diálogo nas diferentes áreas do conhecimento e principalmente a inteligência coletiva. Especificamente sobre o portal, avaliou-se a sua usabilidade frente à intervenção e mediação tecnológica. Pretende-se com essa pesquisa apresentar subsídios teóricos e propor ferramentas que facilitem o acesso e o uso do portal, contribuindo para a construção de conhecimento dos usuários. Palavras-chave: Interatividade, Tecnologia, Portal, Internet, Sociabilidades. 9

10 ABSTRACT The study has as its aim the reflection and investigation of the effects of the interactivity provided by the use of a web portal as well as its communication possibilities facing the new informational reality imposed on us. The interest in finding theoretical support on issues related to interactivity and its effects happened from work developed in the educational computer lab of EMEF CEU Alvarenga and, for comprehension adequate, it was necessary a theoretical development in the field of communication and current technologies particularly the internet, which is providing new opportunities of contact among people through the internet, that assumes beyond that connectivity, the sharing, the dialogue in different areas of knowledge and especially the collective intelligence. Specifically on the web portal, we evaluated its usability against intervention and technological mediation. The intention of this research provide theoretical support and suggest tools that facilitate access and the use of the web portal, contributing to the construction of knowledge of the users. Keywords: Interactivity; Technology; Website; Internet; Sociabilities. 10

11 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1- Complexo Educacional Unificada (CEU) EMEF Alvarenga 14 FIGURA 2- Portal ThinkQuest FIGURA 3- Vale do Silício (EUA) FIGURA 4- Slogan do produto ThinkQuest da empresa Oracle FIGURA 5- Fundadores da Oracle em FIGURA 6- Página geral do ThinkQuest FIGURA 7- Alunos conectados FIGURA 8- Alunos conectados (10) FIGURA 9- Alunos conectados (7) FIGURA 10- Layout inicial do portal ThinKQuest FIGURA 11- Tags montada a partir de palavras da dissertação FIGURA 12- Primeira conta da EMEF CEU Alvarenga FIGURA 13- Recursos do portal web FIGURA 14- ThinkQuest como portal vertical FIGURA 15- Exemplo de interação entre usuários no portal ThinkQuest 44 FIGURA 16- Atividade no portal ThinkQuest FIGURA 17- Atividade no portal ThinkQuest (2) FIGURA 18- Modelo de avatares FIGURA 19- Interface do administrador FIGURA 20- Visualização dos alunos que logaram FIGURA 21- Trabalho colaborativo FIGURA 22- Trabalho colaborativo (2) FIGURA 23- Trabalho colaborativo (3) FIGURA 24- Ferramentas para criação de projetos FIGURA 25- Disposição dos computadores da EMEF CEU Alvarenga.. 59 FIGURA 26- Mediação da professora FIGURA 27- Sugestão de layout da sala de informática FIGURA 28- Encerramento do portal ThinkQuest

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ARPANET Advanced Research Projects Agency Network C.E.U. D.O.M. D.O.T.P Centro Educacional Unificado Diário Oficial do Município Diretoria de Orientação Técnica Pedagógica D.R.E.S.A Diretoria Regional de Educação de Santo Amaro E.M.E.F J.E.I.F N.T.I.C s P.M.S.P P.O.I.E S.M.E U.E Escola Municipal de Ensino Fundamental Jornada Especial Integral de Formação Novas Tecnologias de Informação e Comunicação Prefeitura Municipal de São Paulo Professor Orientador de Informática Educativa Secretaria Municipal de Educação Unidade Escolar 12

13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DA TÉCNICA À TECNOLOGIA A internet como comunicação tecnológica Um pouco da história da Internet Grupos e sociabilidades A formação de grupos e sociabilidades: conceituando ENTENDENDO A INTERATIVIDADE Interação, o melhor conceito? Mediação Usabilidade O PORTAL E SUAS FUNCIONALIDADES A Web Classificação dos portais web Características do portal ThinkQuest A criação de uma comunidade virtual com fins interativos Descrição do laboratório de informática Promoção do conhecimento CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO

14 INTRODUÇÃO É necessário ter o caos cá dentro para gerar uma estrela. Friedrich Nietzsche O surgimento da vaga para a função de POIE (Professor Orientador de Informática Educativa) no CEU EMEF Alvarenga (FIG. 1) em fevereiro de 2011, despertou o meu interesse em participar do processo de seleção apresentando um projeto para ser apreciado pelo Conselho de Escola. Antes de sair a nomeação no D.O. M, a vice-diretora da Unidade Escolar convidou-me a conhecer a sala de informática por dois dias para minha familiarização com esta e, para tal, solicitei a ajuda de um colega professor durante esse período. Figura 1- Complexo Educacional Unificada (CEU) EMEF Alvarenga Fonte: Google images. A primeira sensação que tive ao entrar na sala de informática foi assustadora, pois conciliar o proposto no projeto com a realidade vista não se igualava, havia um contraste tão grande que quase desisti sem antes começar o trabalho. A euforia inicial foi abafada com o peso da responsabilidade e organizar o laboratório a tempo 14

15 foi um ato de muita coragem e responsabilidade, pois eu devia otimizar e aperfeiçoar todo um trabalho que só estava começando. Antes de abril, não conseguimos iniciar as aulas de informática devido às chuvas que ocasionaram infiltração na sala e molharam várias máquinas e, por questão de segurança, esperamos o tempo de secagem. As primeiras turmas foram atendidas na primeira semana de abril de 2011 e eram do Ensino Fundamental Nível Um (1ª a 4ª séries). Eu ia até as suas salas, organizava as filas e os levava para o laboratório de informática. Essa rotina aparentemente simples causava-me algumas dificuldades, pois a duração de uma aula é de 45 minutos, eu perdia uns 15 minutos entre a ida e a chegada, a organização das duplas em seus computadores e a chamada. Esse transtorno inicial foi causado pela ansiedade dos alunos para utilizarem o espaço e isso me causou dificuldades em comandar, organizar estabelecer propostas de aprendizagem. Demorei muitos meses para conseguir mostrar a proposta da informática educativa para a escola e de seus principais objetivos: interdisciplinaridade e apoiar os projetos do CEU EMEF Alvarenga. Organizei um carômetro 1 e uma planilha com o nome das duplas e o número de seus respectivos computadores para um melhor aproveitamento do tempo. Iniciava a comanda e a roteiro de aula, corrigia eventuais problemas técnicos que apareciam e principalmente tentava intervir em cada dupla de maneira produtiva, devido aos alunos dessa faixa etária exigirem muito mais das orientações do professor do que os alunos maiores. No primeiro mês de aula, utilizei alguns jogos instalados nos computadores e de alguns sites educacionais. A vice-diretora da referida Unidade Escolar percebendo as minhas dificuldades, conversou com as alunas Aline Carvalho e Juliana Mendes 2 virem me auxiliar no período vespertino no Projeto aluno-monitor. Foi graças a esse movimento que conheci a importância do aluno-monitor na informática educativa, pois até então não conhecia este programa e só fui conhecê-lo melhor na primeira convocação de formação de POIE realizada pela DRESA. Nessa formação foi-me apresentado um portal que se tornou objeto de estudo dessa dissertação. O foco do meu trabalho na informática educativa é o de estimular o trabalho colaborativo, 1 Devido ao número alto de alunos que atendo no laboratório, houve a necessidade de criar esse carômetro para ajudar no reconhecimento e na organização dos alunos no uso dos computadores. 2 Nomes fictícios. 15

16 verificando quais das ferramentas tecnológicas como, por exemplo, uma plataforma web proporcionaria essa colaboração e qual a importância da interação mediada nesse ambiente tanto para o corpo discente quanto ao docente. Esta pesquisa parte do pressuposto de que a interação mediada em ambiente virtual e/ou real viabilizada pelas novas tecnologias da comunicação e informação fomentou o nascimento de práticas comunicativas e informacionais que ajudam a promover a inteligência coletiva portabilizada na rede de internet. O interesse em procurar conhecimento teórico sobre a interatividade, buscando significações e conceitos apropriados para justificarem o trabalho desenvolvido no laboratório de informática educativa deu-se através do papel mediador do professor orientador de informática educativa (POIE). A existência desse laboratório se constituiu em um dos novos dispositivos presentes nessa instituição educacional, como uma maneira de estreitar as relações ali existentes. O uso das novas tecnologias da informação e comunicação (NTIC s) é um dos aspectos importantes para a modernização das instituições escolares. Elas apresentam a possibilidade de transformar o ensino e dar mais autonomia ao usuário de diferentes hardwares e softwares. Com o advento da informática educativa e das demais tecnologias da informação e comunicação nas escolas, em todos os níveis de ensino, protagonizou outra fase na área educacional. Estávamos passando por uma fase de adaptação da escola no uso das tecnologias e em especial na utilização do portal. Justificando essa fase de adaptação, Turkle (2005, p.121) defende que: [...] o computador tornou- se algo mais do que um misto de ferramentas e espelho, temos agora a possibilidade de passar para o outro lado do espelho. Estamos a aprender a viver em mundos virtuais. (TURKLE, 2005, p.121). Nesse contexto, a presente pesquisa de natureza empírica e investigativa teve como análise as mudanças e adaptações com o uso das TIC s em virtude das potencialidades da web, necessitando em conceituar algumas terminologias que muitas vezes são de uso do senso comum. Há portais na web que por apresentarem características interativas exigem do mediador e de seus usuários uma conduta de investigação, qual possa provocar 16

17 muitas possibilidades quando atreladas a uma usabilidade adequada, por exemplo, o ThinkQuest (FIG. 2). Figura 2 Portal ThinkQuest Fonte: Assim, no primeiro capítulo foi descrito resumidamente o histórico da evolução da informática como um importante componente da comunicação sem perder de vista as reflexões de importantes estudiosos, entre eles: Álvaro Vieira Pinto, Dominique Wolton, Manuel Castells e Pierre Lévy no que concerne à técnica e à tecnologia. Também será abordada a questão da formação de grupos e comunidades à luz de Roward Rheingold, Jean Baechler, Vicente Gosciola, dentre outros. 17

18 No segundo capítulo, foi feita a descrição de um portal interativo, o ThinkQuest, caracterizando-o, avaliando a sua funcionalidade, usabilidade e eficiência. É apresentado um breve relato das experiências da mediadora/administradora no uso desse portal juntamente com a comunidade criada e a descrição do aparato tecnológico existente. O terceiro capítulo abordou conceitualmente a questão e os efeitos da interatividade enfatizando a mediada entre os usuários sob a ótica de Vicente Gosciola, Henry Jenkins, André Lemos e outros autores. Finalmente, o quarto capítulo discutiu a promoção do conhecimento com ênfase na inteligência coletiva resgatando principais ideias compatíveis com o trabalho da informática e como esse tipo de portal promove a mediação que permite e favorece a interação. A conclusão abordou as especificidades desse portal propondo alternativas práticas e tecnológicas. Essa dissertação representa todo um investimento em minha formação, baseada em grandes inquietações e desejos em aprender tendo como apoio a informática na sua vertente educativa e tecnologias adjacentes. Espero que essa pesquisa venha colaborar como um instrumental de apoio aos usos de portais com enfoque colaborativo, pois a temática abordada não se encerra nesse trabalho. 1 DA TÉCNICA À TECNOLOGIA A operação técnica é uma operação que coloca em jogo as leis verdadeiras e a realidade natural. O artificial é de causa natural. G. Simondon Para iniciarmos uma reflexão a respeito do objeto de estudo proposto, é necessário resgatarmos conceitualmente questões que compõem e originam a infraestrutura de um portal interativo. As questões referidas são ligadas à técnica e à tecnologia. O termo tecnologia tem sido usado em várias situações do cotidiano, causando várias interpretações que muitas vezes não colaboram de maneira eficaz ao seu verdadeiro significado e valor para os dias atuais. 18

19 Álvaro Vieira Pinto (2005, p ), propõe quatro significados para a tecnologia: 1) Tecnologia como a teoria, a ciência o estudo, a discussão da técnica, logus da técnica; 2) Tecnologia equivalendo como pura e simplesmente a técnica; 3) O conjunto de todas as técnicas de que dispõe uma determinada sociedade. Assim, a tecnologia é compreendida em sentido global; 4) Tecnologia com importância capital, ideologização da técnica, ou seja, a palavra tecnologia é a ideologia da técnica.. Epistemologicamente, a técnica tem um sentido produtivo, originando várias considerações teóricas por um determinado setor do conhecimento transformando-a em objeto, teorizando-a. O autor ainda nos alerta sobre a necessidade de constituir uma ciência da técnica. Existe um diálogo entre técnica, tecnologia e comunicação o que chamaremos de comunicação tecnológica (WOLTON, 1999, p.31). A comunicação tecnológica possui um pacto com a técnica e estas são produtos da sociedade e incorporadas pela cultura. As relações entre técnica, tecnologia e comunicação foram criadas, inventadas pelo movimento que os indivíduos fizeram e ainda fazem nas diferentes formas e organizações. É nesse sentido que rupturas foram provocadas e mudanças de paradigmas sobre o impacto que essa relação produziu no imaginário de uma cultura avaliando as repercussões nas esferas econômicas, sociais e educacionais. O uso de artefatos tecnológicos se tornou tão corriqueiro que muitas vezes não percebemos a sua importância em nossas atividades cotidianas. Desta forma, há uma relação de imanência entre as técnicas, as tecnologias e principalmente a do ser humano. Para Pierre Lévy (1999, p. 23): [...] discutir-se de fato, há um impacto tecnológico sobre a sociedade, lembrava que nem a sociedade é uma vítima das transformações desencadeadas pelas novas tecnologias, como tampouco sofre as influências de algo que lhe seja estranho, alienígena. As técnicas não são estrangeiras, elas fazem parte de nossas formas de ser com o mundo (LÉVY, 1999, p. 23). 19

20 Esse sentimento, sensação ou até medo ao incorporar o que é novo, no caso as tecnologias, Lemos (1999, p. 22) cita que: Alguns insistem em identificar a técnica como um inimigo, como o estrangeiro, a encarnação do racionalismo instrumental e desumanizante [...] uma instância autônoma e externa ao homem (LEMOS 1999, p. 22). Gilbert Simondon(1969, p. 61) acredita que o homem recusa em admitir a importância da técnica e da tecnologia e em compreender que o objeto técnico individualizado corresponde a dimensão humana, que o objeto técnico é um prolongamento das mãos do homem, ou um sistema protético, entrando numa espécie de dialética. A aproximação dos homens com a máquina (técnica) faz aumentar a familiaridade deste com a tecnologia, para que assim, estando mais próxima dela, a técnica torne-se naturalizada. Simondon (1969, p.7) chama esse período de relaxação, onde o objeto técnico passa a fazer parte do homem, é incorporado em seu dia-a-dia, muitas vezes sem que se tome consciência da sua onipresença. A tecnologia faz parte das relações humanas na sociedade, investiga-se e compreende-se a evolução das máquinas e essa evolução tecnológica é um agente de transformação das sociedades de diferentes formas, usos e aplicações. A cultura rege a relação do homem com a tecnologia. Partindo desse pressuposto, a potencialização dessas relações criou um grande cenário, o ambiente informático, um espaço em franca expansão que altera a noção de tempo e significados. 1.1 A internet como comunicação tecnológica O homem cria a ferramenta. A ferramenta recria o homem. Marshall McLuhan Com a propulsão da tecnologia nos anos 1960 promovida pelo setor militar estadunidense devido à Guerra Fria, os EUA impulsionaram um grande avanço tecnológico, iniciando a primeira revolução da tecnologia da informação. 20

21 Com a criação do programa ARPANET em setembro de 1969 pela agência ARPA, teve como objetivo estimular a investigação no campo da informática interativa. A construção da ARPANET justificou-se como um meio de repartir o tempo de trabalho on-line dos computadores entre os centros de informática interativa e grupos de investigação. O estabelecimento uma rede informática interativa baseou-se numa tecnologia revolucionária de transmissão de telecomunicação, o Packet Switchng, desenvolvido de forma independente por Paul Barrn e Donald Davies. O desenho de uma rede de comunicações flexíveis e descentralizada era uma proposta ao departamento de defesa para construir um sistema de comunicações militares. Ao possibilitar a ligação da ARPANET a outras redes de computadores, introduziu-se um novo conceito, a rede em redes. Em 1973, Robert Kahan da ARPA e Vince Cerf elaboraram um trabalho onde esboçavam a arquitetura básica da internet. Basearam-se nos projetos da Net Working Groups, um grupo formado nos anos 60 por diversos representantes de vários centros de informações. Para que essas redes pudessem se comunicar foram criados protocolos, o protocolo TCP. Em 1978, dividiram o TCP em duas partes e criaram o protocolo TCP/IP. Em 1983, o departamento de defesa criou a rede MIL-NET para fins militares e a ARPANET para fins investigativos. O que tornou possível a abrangência mundial da internet foi a World Wide Web, que é uma aplicação para a partilha de informações desenvolvida em 1990, pelo programador inglês Tim Berns- Lee; vale lembrar que a WWW foi criada por ele com o código aberto possibilitando a qualquer um programar e incentivar a interação. O marco mais importante na ampliação desse sistema foi poder interligar milhares de redes, iniciando o tráfego mundial de informações por meio dos computadores e não mais restrito as universidades e ao departamento militar, mas também proporcionar seu uso ao cidadão comum. Ao enfatizarmos a autoria dos indivíduos frente à descoberta e à difusão de novas tecnologias, salientamos o papel que cientistas e industriais tiveram nessa revolução tecnológica. Assim como os países europeus se destacaram durante a Revolução Industrial, constituindo-se a base das novas tecnologias informacionais, eletrônica e biológica o Japão ofereceu melhorias no processo de fabricação de produtos inovadores que foram disseminados no mundo todo e dominaram a produção dos 21

22 semicondutores. Em meados de 1990, as empresas norte-americanas lideraram e se tornaram competitivas nesse segmento. No decorrer desse período, houve uma evolução, formação de alianças e redes entre as empresas de diferentes países. As empresas norte-americanas participaram do início da revolução da década de 1970, desempenhando um importante papel de liderança e expansão que perdura até hoje. Assim, de modo globalizado, as empresas chinesas, japonesas, indianas, coreanas e europeias deram uma significativa contribuição em vários campos do saber, entre eles das telecomunicações. Neste contexto e nessa dinâmica da transformação tecnológica que vem acontecendo a Internet tornou-se o tecido das nossas vidas. (...) será alavanca de transformação para uma nova forma de sociedade em rede, e com ela para uma nova economia. (CASTELLS, 2001, p. 15). Ainda segundo Castells (2001 p. 17), a tecnologia influenciou definitivamente a forma de viver e aprender, não apenas no uso de ferramentas para se aplicar, mas processos para se desenvolver. A revolução da tecnologia alterou o sistema de comunicação e abriu espaço para a expansão e potencialização das relações sociais, alterando a noção de tempo e espaço e também vem alterando significados. 1.2 Um pouco da história da Internet Os meios de comunicação modificam o espaço e o tempo através de sua ação, assim como as relações entre as várias partes da sociedade, transformando também as ideias de comunidade. Marshall Mc Luhan O Vale do Silício tornou-se um dos principais centros mundiais de software, internet, engenharia genética e projetos de processamento de dados (CASTELLS, 2007, p.100). É importante ressaltar que o Vale do Silício foi palco da criação da Oracle e mais tarde da sua vertente educacional. O autor ainda relata que o Vale do Silício foi transformado num meio de inovação pela convergência de vários setores, envolvendo cientistas, engenheiros das principais universidades, tendo como recursos vindos do Departamento de Defesa e como liderança a Universidade de Standford. 22

23 Figura 3 Vale do Silício (EUA). Fonte: Reportagem O motor dos Estados Unidos é a inovação tecnológica, o modelo do Vale do Silício Resvista Época 22/05/2009. A Oracle foi fundada em agosto de 1977 (como vemos a imagem abaixo com o logo) e inicialmente foi chamada de Software Development Labs (SDL), uma empresa de consultoria que contava com Bob Miner (presidente), Ed Oates e Bruce Scott (engenheiros de software). Em seu primeiro projeto, Larry Ellison, um dos grandes nomes da Oracle, trabalhava na empresa para a qual a SDL prestava consultoria. 23

24 Figura 4 Slogan do produto ThinkQuest da empresa Oracle. Fonte: O engenheiro Bruce Scott é o Scott de Scott/Tiger (Tiger era o nome do gato da sua filha), usado até hoje no sistema gerenciador de banco de dados (RDBMS) desenvolvido pela empresa, Bruce foi um dos grandes colaboradores para o surgimento do software Oracle. Antes de formar a Oracle, Bob Miner foi gerente de Larry Ellison em um projeto da CIA, apelidado de Oracle. Ed Oates e Bruce Scott fizeram 90% do trabalho de dois anos (desse projeto de consultoria), no primeiro ano, de modo que tiveram o ano seguinte para trabalhar no Oracle. Ed Oates terminou os outros 10% no ano seguinte, enquanto Bob e Scott começaram a escrever o banco de dados Oracle. Quando finalizaram o trabalho decidiram que queriam ser uma empresa de produto em vez de uma empresa de consultoria. Larry resolveu fazer um acompanhamento sobre o que a IBM estava fazendo e descobriu um trabalho sobre o System/R baseado no trabalho de 1970 de Codd sobre bancos de dados relacionais. Ele descrevia a linguagem SQL, que na época era chamada SEQUEL/2. Larry levou o trabalho a Bob e Scott e perguntou se eles poderiam montá-lo; imediatamente, acharam que seria muito fácil e começaram a desenvolver o projeto. Na época Bruce Scott tinha 24 anos, Bob Miner tinha 39 anos e Larry Ellison 34 anos. 24

25 Figura 5 - Fundadores da Oracle em Fonte:http://www.businessinsider.com/whatever-happened-to-oracles-founders-in-this-iconic-photo ?op=1 Scott deixou a Oracle em 1982, depois de aproximadamente cinco anos e meio trabalhando lá. Quando saiu, eles tinham terminado a terceira versão do banco de dados. Cerca de metade do código era dele e a outra metade de Bob. Parte do código do analisador no banco de dados atual ainda pode ser de Scott. Bruce Scott fez um relato interessante que marcou a sua vida sobre uma conferência dos primeiros usuários do Oracle. Essa conferência teve a participação apenas de clientes de meados de 1982 e reuniu entre 25 a 50 pessoas. A experiência relatada por Bruce Scott no parágrafo anterior se aproxima quase literalmente da primeira experiência do portal Thinkquest no laboratório de informática da EMEF CEU Alvarenga, com um pequeno grupo de alunos monitores no mês de maio de 2010, quais eram apenas Da esquerda para a direita Ed Oates, Bruce Scott, Bob Miner e Larry Ellison. 25

26 Figura 6 - Página geral do ThinkQuest. Fonte: 1.3 Grupos e Sociabilidades Nunca pense que um pequeno grupo de indivíduos altamente dedicados não pode mudar o mundo. Na verdade, foram eles os únicos que já o fizeram. Margaret Mead - Antropóloga O referencial teórico concentra-se nos conceitos de sociabilidades e grupos com enfoque na contemporaneidade. É pertinente fazer um estudo teórico para justificar o trabalho prático de formação de grupos para o Portal Thinkquest. Todo este estudo respalda e legitima os agrupamentos realizados até então no laboratório de informática educativa. Quando recebi a incumbência em administrar um portal, o primeiro ato, depois de terem criado o meu nome de usuário e senha de administradora, foi pensar em como organizar os grupos, visto que não havia material de orientação para isto. Fui cadastrando continuamente todos os usuários, não percebi necessidade em fazer pequenos grupos, o que futuramente causaria dificuldades em organizar as turmas devido ao cadastro único iniciado em março de A lista inicial ficou muito 26

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

CONECTADOS POR UM MUNDO MELHOR WWW.PELISSARI.COM Nº11 2016

CONECTADOS POR UM MUNDO MELHOR WWW.PELISSARI.COM Nº11 2016 WWW.PELISSARI.COM Nº11 2016 EDITORIAL FIQUE POR DENTRO FIQUE POR DENTRO DE TUDO O QUE ACONTECE NA PELISSARI! Agora você pode acompanhar ainda mais de perto o nosso dia-a-dia. Confira as novidades: Formato

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA

O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA Bernadeth Rocha de Araujo bernarocha2006@yahoo.com.br Bacharel em Humanidades e Licencianda

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

TECNOLOGIAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM SAÚDE. Descritores: Tecnologia Educacional; Educação Superior; Educadores em Saúde.

TECNOLOGIAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM SAÚDE. Descritores: Tecnologia Educacional; Educação Superior; Educadores em Saúde. TECNOLOGIAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM SAÚDE Introdução: Há, cada vez mais, a necessidade de construção de tecnologias educativas que possam sensibilizar os estudantes a participarem

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Como surgiu a Internet?

Como surgiu a Internet? Como surgiu a Internet? A internet nada mais é do que a conexão de várias redes de computadores interligadas entre si. O surgimento das primeiras redes de computadores datam a época em que o planeta estava

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS A Utilização das TIC por Professores de Educação Física de Escolas Públicas da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul 1 Resumo Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra.

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. G. Weinberg 1 A ideia de qualidade é aparentemente intuitiva. Contudo, quando examinado mais longamente,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia IV Seminário Rio-Metrologia Rio de Janeiro, 20 de abril de 2006 A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais