ENCOMENDA TRANSVERSAL REDES TEMÁTICAS SIBRATEC SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos em Produtos para a saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENCOMENDA TRANSVERSAL REDES TEMÁTICAS SIBRATEC SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos em Produtos para a saúde"

Transcrição

1 Memorial de reunião Datas: 30 e 31 de março de 2009 Local: Brasília Participantes: em lista anexada Relator: André Luiz CERTI ENCOMENDA TRANSVERSAL REDES TEMÁTICAS SIBRATEC SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos em Produtos para a saúde Dia 30/03: Momento 1: Definição da atuação de cada laboratório buscando configurar o escopo de atuação da rede como um todo. (INT) Produtos para a Saúde podem ser divididos em três subtemas básicos: 1. Artigos 2. Fármacos 3. Calibração e equipamentos Além disso, podemos considerar dois tipos de demandas: 1. das empresas, impulsionado pelo processo regulatório 2. dos órgãos reguladores (ANVISA, MS, INMETRO) Para a consideração de produtos para a Saúde, devemos atentar às abrangências das demais redes, eliminando assim, produtos como reagentes ou equipamentos de proteção. (FINEP) Há um debate grande sobre qual a delimitação do universo dessa rede. A proposta é buscar o que é possível atender atualmente. (CERTI) Devemos buscar proposta de Matriz de decisão. A segmentação pode ser possível para essa rede em termos de produto, setor, serviço e região, ficando uma matriz de cruzamento com os nomes dos laboratórios Primeira matriz considerada: Instituição / Laboratórios CCDM / UFSCAR (4 labs) Segmentação Por produto Por setor Por tipo de serviço Metais e Polímeros Análise Microestrutural Por região de atuação

2 REMATO CIENTEC (1 lab) PUC-RS LABELO (1 lab) INT (7 labs) REMATO Equipamentos Eletromédicos Equipamentos Eletromédicos calibração e ensaios Instrumental Cirúrgico Seringas e agulhas hipodérmicas Preservativos Masculinos Luvas cirúrgicas e de procedimentos Chupetas e mamadeiras Embalagens de álcool (ANVISA) e Análise de Falhas Prestador de serviços para processo de certificação INT (1 organismo de certificação) Preservativos Masculinos Luvas cirúrgicas e de procedimentos Embalagens de álcool Instituto Adolfo Lutz TECPAR (5 labs) FUCAPI (1 lab) LACEN / PE CETEC CERTI (3 labs) REMATO LAMEF URGS REMATO Produtos que exigem avaliação microbiológica (estéreis ou não) artigos médicos: Luvas, seringas, chupetas, etc - artigos médicos Água para diálise Concentrado para Diálise Seringas, agulhas, escalpes, cateteres,... Preservativos e Luvas Água para Diálise Artigos odonto-médicos hospitalares esterelidade e calibração Gás Carbônico Equipamentos e artigos médicos (calibração) Preservativos e luvas Água para diálise Concentrado para Diálise Água para diálise Material para implantes Concentrado para diálise Equipamentos médicos calibração Instrumentação cirúrgica e artigos que exigem dimensional ou superficial Artigos Médicos calibração Principalmente para ANVISA ou Vigilância Sanitária Ensaios Microbiológicos - esterelidade Ensaios Mecânicos Ensaio Químico Calibração de Equipamentos como estufas, termômetros, centrífugas Ensaios Microbiológicos

3 IPT Equipamentos médicohospitalares Artigos médicoshospitalares Equipamentos eletromédicos Calibração Medição Dimensional Ensaios em artigos (gazes, bandagens,...) ITEP Água para Diálise Química, microbiologia, toxinas,... INMETRO Equipamentos eletromédicos Próteses Auditivas Calibração e ensaios Momento 2 - Identificação de agrupamentos por produto Laboratórios - Famílias de produtos Implantes ortopédicos e odontológicos Equipamentos Eletromédicos CCDM / 1, 2, 3, 4, 5, UFSCAR 6, 7 CIENTEC 1 PUC-RS 2 LABELO 1, 2, 8, 3, 4 INT (só metálicos), 7 INT - organismo de certificação Instituto Adolfo Lutz Instrumental 1 1, 2, 3, 4, 5 Artigos odonto médicos hospitalares 1, 2, 3, 4, 5, 6 Preservativo s, luvas, embalagens de álcool Produtos para Diálise 7 1, 2, 3, 4 TECPAR 1, 5, xx 1, 2, 8, 4, 5, 9, 10, 11, 12 FUCAPI 3, 4, 5, 6 13, 14 LACEN / PE 7 1, 2, 3, 4, 5 CETEC 1 1,4 CERTI 9, 10, 11 4, 5, 7 LAMEF URGS 1, 2, 3, 4, 6, 7, 9, 10, 11, 12, 13 Próteses 1, 2, 3, 4 1, 2 1, 2, 3, 4, 5 1, 2 1, 2 IPT 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8 15 ITEP 5, 6 TOTAIS de LABS Sendo: Implantes 1. Análise química de materiais metálicos 2. Ensaios mecânicos (matéria prima em produto), estáticos e dinâmicos

4 3. Ensaios microestruturais em material metálico e dureza 4. Análise de falhas de componentes metálicos e poliméricos 5. Ensaios de matéria prima em produtos poliméricos 6. Ensaios para avaliação de cimento ósseo 7. Ensaios de corrosão 8. Análises químicas em orgânicos 9. Medições dimensionais 10. Medições de rugosidade 11. Medições de forma 12. Análise de desgaste 13. Simulação numérica Equipamentos Eletromédicos 1. Compatibilidade eletromagnética 2. Segurança em equipamentos eletromédicos (+ de 50 normas) 3. Calibração volumétrica 4. Calibração massa / balança 5. Calibração temperatura 6. Calibração de centrífugas 7. Calibração em esfignomanômetros 8. Calibrações em grandezas elétricas Instrumental 1. Caracterizações gerais e mecânicas 2. Análise química de materiais metálicos 3. Ensaios microestruturais em material metálico e dureza 4. Análise de falhas de componentes metálicos e poliméricos 5. Ensaios de corrosão Artigos 1. Ensaios mecânicos na agulha 2. Ensaios físicos e químicos em agulhas e seringas 3. Ensaios físicos, químicos e dimensionais chupeta e mamadeira (menos litosamina) 4. Ensaios físicos em luvas de latex e preservativos, ensaios dimensionais 5. Ensaios microbiológicos em luvas 6. Ensaios físicos e volumétricos em embalagens de álcool 7. Ensaios microbiológicos 8. Ensaios mecânicos em agulhas e materiais metálicos 9. Ensaios de esterelidade 10. Resíduo de óxido etileno, etileno cloridrina e etileno licol 11. Endotoxina bacteriana 12. Toxicológico in vivo 13. Ensaios químicos em mamadeiras 14. Controle de qualidade de gás carbônico (cromatográficos e físicoquímicos)

5 15. Ensaios físico-químicos e análises químicas em artigos têxteis e fio dental Produtos para diálise 1. Microbiológico portaria Concentrado para diálise microbiológico 3. Endotoxina para concentrado 4. Físico-químico para concentrado 5. Cianotoxinas 6. Água microbiológico, análise físico-química Próteses 1. Ensaios mecânicos 2. Ensaios químicos de materiais Momento 3 Discussão para formação das subredes Quais os produtos para os quais já existem certificações compulsórias? Preservativos masculinos o INT o Tecpar em estruturação Luvas Mamadeiras / chupetas Equipamentos eletromédicos Embalagem para álcool Água para a diálise não é certificação, mas tem legislação obrigatória Alguns itens na metrologia legal, ex. esfignomanômetros, tem calibração a ser considerada

6 Dia 31/03: (FINEP) Sugestão: uma das iniciativas da Rede de produtos para a saúde poderia ser um website que incluísse uma classificação de equipamentos, produtos, onde é possível encontrar laboratórios, instituições,... Um local centralizado para a demanda e oferta compartilharem padrões de informação, referências, unificação de linguagem, e suas relações com serviços e instituições. Para ampliar serviços, devemos ter o cenário plenamente caracterizado. Com isso pode-se obter contribuições da comunidade em relação às possíveis lacunas. Momento 4: Discussão das Subredes Propostas de formatação da rede (discussão do grupo). Decisão: por famílias de produtos por tipos de serviços Família de Produtos Prós Cliente procura atendimento às demandas de produto Facilidade para atuar com normalização A demanda é impulsionada pela regulamentação, que é por produto Atuação na identificação das lacunas laboratoriais Já existente a REMATO e de Eletromédicos, que poderão ser incorporadas, somando forças Contras Possibilidade de dificuldades na visualização global do potencial da rede Família de Ensaios Possível redução de ensaios duplicados dentro da rede com estímulo à complementariedade Dificuldade de venda para o mercado Votação: Por Produtos proposta escolhida!! Por Ensaios (CERTI) Proposta: Considerando, nas famílias de produtos: Famílias de produtos TOTAIS de LABS Implantes ortopédicos e odontológicos Equipamentos Eletromédicos Instrumental Artigos odonto médicos hospitalares Produtos para diálise Próteses

7 Que a formação de redes de serviços pode ser exemplificada pela figura abaixo: Núcleo Coordenador Coordenador Apoio ao Subprojeto de Implantação e Gerenciamento de Redes Lab3 Lab2 Lab1 Subprojeto2 - transversal Labn SubRede1 SubRede2 SubRede3 Subprojeto3 Por Subrede Figura 1 - configuração do modelo organizacional de redes de serviços tecnológicos, e que uma subrede deve ter no mínimo 4 instituições, sugere-se as seguintes redes: Implantes, próteses e instrumental o CCDM o INT o TECPAR o CETEC o CERTI o LAMEF Artigos odonto-médicos-hospitalares o INT o Adolfo Lutz o TECPAR o FUCAPI o LACEN o LAMEF o IPT Produtos para diálise o Adolfo Lutz o TECPAR o LACEN o CETEC o ITEP Equipamentos eletromédicos

8 o CIENTEC o LABELO o FUCAPI o CERTI o IPT o TECPAR 1 coordenador + 4 membros do núcleo coordenador, cada qual representando 1 subrede. Formação de Grupos Técnicos: Por serviços Por demanda pontual (grupos técnicos virtuais) Tipos de projetos possíveis para as redes e subredes: Integração e promoção de COMPETÊNCIAS CONFIABILIDADE COMPETITIVIDADE Figura 2 - Tipos de Projetos para uma rede de serviços tecnológicos

9 Momento 5: Determinação do Núcleo de Coordenação: Coordenação Geral: INT (Atilio Travalloni), CERTI e LABELO Segue os pré-requisitos do edital, inclusive com experiência em gestão de redes para a saúde (REMATO) Núcleo de Coordenação: (FINEP) Interessante é ter uma coordenação em âmbito regional também Subrede Implantes, Próteses e Instrumental coordenação CERTI (André Oliveira) Subrede Artigos odonto-médicos-hospitalares FUCAPI (Márcia Mesquita) Subrede de Produtos para Diálise TECPAR (Carmen Higashino) Subrede de Equipamentos eletromédicos LABELO (Rivadávia Kuwer) término do tempo

Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC. Rede de Produtos para Saúde PRODSAÚDE

Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC. Rede de Produtos para Saúde PRODSAÚDE Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC Rede de Produtos para Saúde PRODSAÚDE SIBRATEC O SIBRATEC tem por finalidade apoiar o desenvolvimento tecnológico das empresas brasileiras, por meio da promoção

Leia mais

5ª Reunião Geral da Rede PRODSAUDE 31 de agosto e 1º de setembro de 2015 Rio de Janeiro. PRODSAUDE / Sub Rede Implantes, Próteses e Instrumental

5ª Reunião Geral da Rede PRODSAUDE 31 de agosto e 1º de setembro de 2015 Rio de Janeiro. PRODSAUDE / Sub Rede Implantes, Próteses e Instrumental 31 de agosto e 1º de setembro de 2015 Rio de Janeiro PRODSAUDE / Sub Rede Implantes, Próteses e Instrumental PRODSAUDE Coordenador Sub André Rede Luiz Artigos de Oliveira Odonto (Fundação - Médico CERTI)

Leia mais

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009.

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009. Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica Brasília, 31 de março de 2009. Local: Centro de convenções Israel Pinheiro Presentes: Afonso Reguly ( LAMEF-UFRGS RS-S reguly@ufrgs.br), Gustavo Donatelli

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE TRABALHO E AMBIENTE PUCRS AMPLIAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSAIOS DA PUCRS FIBRAS ÓPTICAS - NANOMETROLOGIA EM COMPRIMENTO DE ONDA

CALIBRAÇÃO DE TRABALHO E AMBIENTE PUCRS AMPLIAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSAIOS DA PUCRS FIBRAS ÓPTICAS - NANOMETROLOGIA EM COMPRIMENTO DE ONDA &79HUGH$PDUHOR81,9(56,'$'((035(6$ 5HVXOWDGRV (GLWDO9HUGH$PDUHOR7,%),1(3&13T A FI NEP divulga o resultado do 1º período de apresentação de propostas do Edital 01/ 2002, tom ando com o base a avaliação de

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático 16

Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi realizada com os laboratórios, no âmbito

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa. VII Rio-Metrologia

Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa. VII Rio-Metrologia Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa SEBRAE/RJ Programa Bônus Metrologia Rio 04/08/2009 VII Rio-Metrologia Processos de Certificação, Acreditação e Controle Ambiental: instrumentos de

Leia mais

ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil Implantação de Sistema de Gestão segundo a Norma ABNT NBR

Leia mais

REMATO-REDE MULTICÊNTRICA DE. Dra. Iêda Caminha. Instituto Nacional de Tecnologia/INT Centro Coordenador REMATO

REMATO-REDE MULTICÊNTRICA DE. Dra. Iêda Caminha. Instituto Nacional de Tecnologia/INT Centro Coordenador REMATO REMATO-REDE MULTICÊNTRICA DE AVALIAÇÃO DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS O E SUAS NECESSIDADES METROLÓGICAS Dra. Iêda Caminha Instituto Nacional de Tecnologia/INT Centro Coordenador REMATO VII Seminário Rio-Metrologia

Leia mais

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT)

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) 01 de março de 2010 I N O ABSORÇÃO DA CULTURA DA INOVAÇÃO EI V A Ç Ã

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES

COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES 2º CIMES CONGRESSO DE INOVAÇÃO EM MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA SAÚDE COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Prof. Dr. José Carlos Teixeira de Barros Moraes Divisão de Ensaios e Calibração do

Leia mais

Carta de Serviços ao Cidadão INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA (INT)

Carta de Serviços ao Cidadão INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA (INT) APRESENTAÇÃO O Instituto Nacional de Tecnologia (INT) atende a variadas demandas relacionadas a Tecnologia e Inovação. Com sede no Rio de Janeiro, esta unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático xxxx

Ata da Reunião do Grupo Temático xxxx Ata da Reunião do Grupo Temático xxxx Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi realizada com os laboratórios, no âmbito

Leia mais

Atuação do Instituto Nacional de Tecnologia na área de Saúde. INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA www.int.gov.br

Atuação do Instituto Nacional de Tecnologia na área de Saúde. INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA www.int.gov.br Atuação do Instituto Nacional de Tecnologia na área de Saúde Dra. Iêda Caminha Instituto Nacional de Tecnologia Seminário de Inovação Tecnológica em Saúde: Desafios para a Regulação Sanitária Auditório

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Dra. Vanderléa de Souza Chefe da Divisão de Metrologia Química Objetivo principal da Metrologia Química Prover confiança

Leia mais

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD 2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009 Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD O CPqD Instituição, focada na inovação com base nas tecnologias

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático 15 Instalações Prediais e Iluminação Pública

Ata da Reunião do Grupo Temático 15 Instalações Prediais e Iluminação Pública Ata da Reunião do Grupo Temático 15 Instalações Prediais e Iluminação Pública Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Laboratório de Ultra-som (Labus) Divisão de Metrologia Acústica e de Vibrações (Diavi) Diretoria de Metrologia Científica e Industrial (Dimci) Instituto Nacional de

Leia mais

CGCRE/INMETRO. Acreditação de Laboratórios

CGCRE/INMETRO. Acreditação de Laboratórios CGCRE/INMETRO Acreditação de Laboratórios João Carlos Antunes de Souza Chefe da Divisão de Credenciamento de Laboratórios dicla@inmetro.gov.br SUMÁRIO: Otimização das Atividades de Acreditação Reestruturação

Leia mais

Visão do Acreditador. Marcos Aurelio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre / Inmetro

Visão do Acreditador. Marcos Aurelio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre / Inmetro Visão do Acreditador Marcos Aurelio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre / Inmetro Acreditação no Acordo de Barreiras Técnicas ao Comércio 6.1.1 competência técnica adequada e contínua

Leia mais

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 www.abnt.org.br 1 Quem é a ABNT? ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 Fórum Nacional de Normalização único Membro fundador

Leia mais

Esterilização por ÓXIDO DE ETILENO

Esterilização por ÓXIDO DE ETILENO Esterilização por ÓXIDO DE ETILENO Índice A confiabilidade do ETO Características físico-químicas do Óxido de Etileno Mecanismo de atuação do ETO na esterilização Misturas esterilizantes características

Leia mais

Financiamento à Inovação

Financiamento à Inovação Financiamento à Inovação Slide 1 MP1 Micro Padrão; 03/04/2008 Objetivo Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como funciona? As

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br Associação Brasileira de Esterilização - ABE Esterilização de material cirúrgico

Leia mais

Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011.

Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011. O PRESIDENTE

Leia mais

Rede Brasileira de Calibração - RBC

Rede Brasileira de Calibração - RBC Página 1 de 7 BRASIL Acesso à informação --------Site do Inmetro -------- Acreditação Nº 24 Data da Acreditação 08/10/1997 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do

Leia mais

3º ENCONTRO DE LACEN VISA ANVISA

3º ENCONTRO DE LACEN VISA ANVISA 3º ENCONTRO DE LACEN VISA ANVISA EXPERIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DE FONTES DIVERSAS PARA INVESTIMENTO NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ São Paulo, 10 a 12/12/2012 Alice M. Sakuma Adriana

Leia mais

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único Complemento de Regra de Certificação Doc: 703-CRC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Priscila Martins Pedroso Verificado por: Karen Martins Eliana T. Shimoda Lester Amaral Edilson Tsutomu Kishimoto Aprovado

Leia mais

Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1. Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO

Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1. Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1 Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO Maio de 2010 1. A ABIMO Associação Brasileira da Indústria de Artigos

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

PROJETO QUALI-H2O. Débora França de Andrade. 4 e 5 de Agosto de 2009

PROJETO QUALI-H2O. Débora França de Andrade. 4 e 5 de Agosto de 2009 RESULTADOS ALCANÇADOS NO PROJETO QUALI-H2O Débora França de Andrade VII SEMINÁRIO RIO METROLOGIA VII SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA 4 e 5 de Agosto de 2009 PARCEIROS FUNÇÕES DOS PARCEIROS Suporte e apoio gerencial.

Leia mais

NOTA TÉCNICA Assunto: Referência: Objeto Antecedentes Situação das Redes Rede SIBRATEC-ST de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia

NOTA TÉCNICA Assunto: Referência: Objeto Antecedentes Situação das Redes Rede SIBRATEC-ST de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia NOTA TÉCNICA Assunto: Situação das Redes de Serviços Tecnológicos do Sistema Brasileiro de Tecnologia SIBRATEC-ST Referência: Solicitação do Presidente do Comitê Gestor do SIBRATEC, Dr. Luiz Antonio Rodrigues

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA FABRICAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE MEIOS DE CULTURA A Laborclin, sabendo do comprometimento e preocupação que seus clientes tem com a Qualidade de suas Análises tem investido muito na melhoria de seus

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo descrever o processo de calibração de trenas de fita de aço e escalas metálicas, utilizando como padrões trenas padrão ou escalas padrão.

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 CURSO E-LEARNING REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitido a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP AÇÃO TRANSVERSAL SERVIÇOS TECNOLÓGICOS - SIBRATEC - 01/2008 Resultado Final - INSTITUIÇÕES SELECIONADAS

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP AÇÃO TRANSVERSAL SERVIÇOS TECNOLÓGICOS - SIBRATEC - 01/2008 Resultado Final - INSTITUIÇÕES SELECIONADAS A partir das instituições e laboratórios selecionados nessa fase, a próxima etapa da Chamada Pública será dedicada à estruturação das Redes Temáticas e elaboração dos projetos definitivos sob a coordenação

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 A estratégia do trabalho em rede para o fortalecimento da metrologia industrial no Estado de São Paulo Celso Scaranello Rede

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DO ALUNO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE FARMÁCIA ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DO ALUNO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE FARMÁCIA ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DO ALUNO FARMACÊUTICO GENERALISTA DETALHAMENTO PARA ESTÁGIO EM INDUSTRIA 2º. SEMESTRE DE 2009 1 COMISSÃO DE ESTÁGIO. A comissão de estágio está formada pelos

Leia mais

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Volta Redonda RJ 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como Funciona? Ambiente

Leia mais

PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008. MOD01 rev13

PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008. MOD01 rev13 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RELATÓRIO DA INTERCOMPARAÇÃO

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO DE PRODUTOS E PROJETOS EM AMBIENTE SUBTERRÂNEO. (ferramenta para a competitividade)

CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO DE PRODUTOS E PROJETOS EM AMBIENTE SUBTERRÂNEO. (ferramenta para a competitividade) CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO DE PRODUTOS E PROJETOS EM AMBIENTE SUBTERRÂNEO (ferramenta para a competitividade) 02 de outubro de 2013 Carlos Roberto dos Santos Diretoria de Engenharia e Qualidade Ambiental

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos Esta apresentação tem por objetivo passar a visão técnica da FINEP quando da avaliação dos projetos submetidos para financiamento na

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

Desafios para Fortalecer a Cultura Metrológica no Brasil

Desafios para Fortalecer a Cultura Metrológica no Brasil Desafios para Fortalecer a Cultura Metrológica no Brasil Prof. André Roberto de Sousa IFSC Campus Florianópolis Programa de Pós-graduação em Mecatrônica Metrologia e Instrumentação asousa@ifsc.edu.br ROTEIRO

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

Programa Complexo Industrial da Saúde

Programa Complexo Industrial da Saúde Programa Complexo Industrial da Saúde Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2009 Gestor: Reinaldo Guimarães Cargo: Secretário de Ciência, Tecnologia

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO PROGRAMA DE ANÁLISE DE PRODUTOS: RELATÓRIO

Leia mais

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Novo Modelo de apoio à Inovação Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Objetivos do Sistema EMBRAPII Contribuir para: Aumento do investimento privado

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 004/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Cooperação CSMIA-ABIMAQ/ IPT / POLI-USP 29 de Abril 2013 - AGRISHOW Desafios da Competitividade e Consolidação do Setor 1. A maioria

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO EM MASSA ESPECÍFICA MEDIÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 02 de

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica

Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica Coordenação de Equivalência Farmacêutica (CEFAR/GTFAR/GGMED/Anvisa) www.anvisa.gov.br Brasília, de de 201 Formulário de Solicitação

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

Metrologia Legal Aplicada ao Setor Automotivo

Metrologia Legal Aplicada ao Setor Automotivo Metrologia Legal Aplicada ao Setor Automotivo Luiz Carlos Gomes dos Santos Diretor de Metrologia Legal do Inmetro São Paulo, 27 de agosto de 2013 Fábio de Souza Lopes Eduardo Ribeiro de Oliveira Índice:

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

Noemi Cristina Hernandez

Noemi Cristina Hernandez Noemi Cristina Hernandez METROLOGISTA Metrologia, gerência de laboratorio, instrumentação, certificação/normalização QUALIFICAÇÕES Experiência de 09 anos em metrologia de fluidos, atuando em laboratório

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Eventos Adversos Queixas Técnicas - NUVIG Unidade de Tecnovigilância UTVIG e-mail: tecnovigilancia@anvisa.gov.

Núcleo de Vigilância em Eventos Adversos Queixas Técnicas - NUVIG Unidade de Tecnovigilância UTVIG e-mail: tecnovigilancia@anvisa.gov. Núcleo de Vigilância em Eventos Adversos Queixas Técnicas - NUVIG Unidade de Tecnovigilância UTVIG e-mail: tecnovigilancia@anvisa.gov.br Laboratórios credenciados pelo Instituto Nacional de Metrologia

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

OBJETIVO. Apresentar as principais atividades do Órgão Central do Sistema de Metrologia Aeroespacial SISMETRA no âmbito do Comando da Aeronáutica.

OBJETIVO. Apresentar as principais atividades do Órgão Central do Sistema de Metrologia Aeroespacial SISMETRA no âmbito do Comando da Aeronáutica. OBJETIVO Apresentar as principais atividades do Órgão Central do Sistema de Metrologia Aeroespacial SISMETRA no âmbito do Comando da Aeronáutica. ROTEIRO HISTÓRICO SISMETRA ATIVIDADES ROTEIRO HISTÓRICO

Leia mais

Sistema Lifemed de Gestão da Inovação

Sistema Lifemed de Gestão da Inovação Sistema Lifemed de Gestão da Inovação A Lifemed é uma empresa brasileira com mais de 32 anos de existência, especializada em dispositivos médicos para o setor da saúde. Está presente em mais de 1.500 hospitais

Leia mais

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria

Leia mais

Painel Setorial de Fogões e Fornos a Gás. A visão do setor produtivo sobre a regulamentação de fogões e fornos a gás

Painel Setorial de Fogões e Fornos a Gás. A visão do setor produtivo sobre a regulamentação de fogões e fornos a gás Painel Setorial de Fogões e Fornos a Gás A visão do setor produtivo sobre a regulamentação de fogões e fornos a gás Inmetro Xerém (RJ) 10 Dezembro 2014 Evolução do Programa de Fogões e Fornos a Gás.Iniciativa

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Proteção Individualnas operações com riscos* diversos ao analista e ao grupo em ambiente de trabalho EPI/DPI é considerado o equipamento ou

Leia mais

PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS

PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS RELATÓRIO TÉCNICO O conteúdo deste documento é de exclusiva responsabilidade da equipe técnica do Estudo da Demanda Nacional por Serviços Tecnológicos.

Leia mais

O iluminamento ideal é de 1000 lux (lumens por metro quadrado).

O iluminamento ideal é de 1000 lux (lumens por metro quadrado). DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA CONDIÇÕES AMBIENTAIS SISTEMAS METROLÓGICOS PADRÕES Cid Vicentini Silveira 2005 1 CONDIÇÕES AMBIENTAIS 1.1 Objetivos deste capítulo Analisar a influência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 11, inciso IV, do Regulamento da Anvisa,

Leia mais

João Carlos Guimarães Lerch

João Carlos Guimarães Lerch 13301 A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório METROLOGIA WG localizado na Rua Henrique Dias, 630, na cidade de Sapucaia do Sul - RS. Conforme critérios estabelecidos no

Leia mais

OBJETIVO DO TREINAMENTO

OBJETIVO DO TREINAMENTO NBR ISO/IEC 17025 : 2001 Requisitos gerais para competência de laboratórios rios de calibração e ensaios Eng. CESAR LEOPOLDO DE SOUZA, M. Sc (Diretor e consultor do IQM Instituto de Qualidade e Metrologia

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais