História e Filosofia da Matemática e da Educação Matemática. Lívia Lopes Azevedo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História e Filosofia da Matemática e da Educação Matemática. Lívia Lopes Azevedo"

Transcrição

1 História e Filosofia da Matemática e da Educação Matemática Lívia Lopes Azevedo

2 O que é matemática? Segundo Boyer, (...) uma atividade intelectual altamente sofisticada, que não é fácil de definir, mas boa parte do que hoje se chama matemática deriva de ideias que originalmente estavam centradas nos conceitos de números, grandezas e formas. Definições antiquadras da matemática como ciência do número e grandezas já não são mais validas; mas sugerem as origens dos diversos ramos da matemática. Noções primitivas relacionadas com o conceito de número, grandezas e formas podem ser encontradas nos primeiros tempos da raça humana, e vislumbres de noções matemáticas se encontram em formas de vida que podem datar de milhões de anos antes da humanidade (Boyer, 1996)

3 A capacidade matemática é exclusivamente humana???? Como se originou a matemática? Percepções da natureza Elementos da vida diária do homem As noções primitivas de número, grandeza e forma podiam estar mais relacionadas com contrastes do que semelhança Diferença entre um e muitos (um lobo e muitos) Desigualdade de tamanhos (um peixe e uma baleia) Diferença de formas (lua redonda e pinheiro retilíneo)

4 De onde surgiu a matemática? Gradualmente deve ter surgido, da massa de experiências caóticas, a realização de que há analogias: e dessa percepção de semelhanças em número e forma nasceram a ciência e a matemática. (Boyer, 1996) As diferenças parecem indicar semelhanças - relação de unicidade - correspondência de pares - percepção de propriedades e regularidades A ideia do que hoje chamamos de número, representa um grande passo no caminho para a matemática moderna.

5 Então, como surgiu a matemática?? A matemática foi construída de forma gradual e por vários povos, no desenvolvimento cultural do homem, talvez a anos. Ou como acreditava Platão, a matemática sempre existiu e aguardava ser descoberta E o conceito de número? Também foi um processo longo e gradual?

6 Desenvolvimento cronológico da humanidade (Boyer, 1996)

7 Evolução e cultura humana O desenvolvimento da linguagem simbólica está intimamente correlacionado à evolução do pensamento abstrato; este consiste em representar mentalmente eventos e objetos, sem que eles estejam presentes concretamente.

8 Os povos primitivos viviam daquilo que a natureza lhes davam. Mas observavam regularidades. Desde a época pré-histórica começaram a construir utensílios. Com a evolução gradual da sociedade, tornaram-se inevitáveis contagens simples. Uma tribo tinha que saber quantos eram seus membros e quantos eram seus inimigos e tornava-se necessário a um homem saber se seu rebanho estava diminuindo.

9 E provável que a maneira mais antiga de contar se baseasse em algum método de registro simples, empregando o principio da correspondência biunívoca. Para uma contagem de carneiros, por exemplo, podia-se dobrar um dedo para cada animal, ou colocar uma pedra num saco, ou fazendo-se ranhuras no barro ou numa pedra, ou produzindo-se entalhes num pedaço de madeira ou fazendo-se nos numa corda.

10 Mais tarde, desenvolveu-se um arranjo de sons vocais para registrar verbalmente o número de objetos de um grupo pequeno. E mais tarde ainda, com o aprimoramento da escrita, foram surgindo arranjos de símbolos para representar esses números. Sumérios Egípcios Esse desenvolvimento hipotético encontra respaldo em relatórios de antropólogos que estudaram povos primitivos em nossa época.

11 Os Sumérios, são considerados a civilização mais antiga da humanidade. Eles viviam na região Sul da Mesopotâmia, onde hoje se localiza o Iraque. Os Sumérios inventaram um sistema de numeração utilizando regras e símbolos para escrever os números, que eram gravados em placas de barro

12 Os Egípcios criaram a escrita hieroglífica, que utilizava desenhos para representar os números. Esses símbolos grafados em pedras, cerâmicas ou papiros que representavam agrupamentos, para representar os números. Papiro Ahmes ou Rhind Para repartir as terras às margens do Rio Nilo - Egito, por volta do ano a. C., funcionários do governo utilizavam cordas, com uma unidade de medida assinalada para fazer medições.

13 Os Gregos criaram um novo sistema numérico utilizando letras de seu alfabeto para representarem os números.

14 Os romanos utilizavam as letras maiúsculas do seu alfabeto para representar os números. Este sistema de numeração, foi utilizado em todo Ocidente por, aproximadamente, dois mil anos.

15 Os Maias, civilização que habitou a América Central, atualmente o sul do México. A base utilizada para contar era 20, e os números eram representados por gravuras. A origem desta base de contagem é o número de dedos somando os dedos das mãos e o dos pés. Os numerais são representados por símbolos compostos por pontos e barras, sendo o zero a única exceção por ser representado pelo desenho de uma concha

16 O sistema de numeração da China era decimal e os números representados por símbolos próprios da escrita chinesa encontrados em cascos e ossos de tartarugas.

17 O sistema numérico indiano, também chamado de hindu, não utilizava figuras ou letras para representar números. No início, ele era formado por nove símbolos, que representavam de um a nove. Depois, há cerca de anos atrás, eles criaram um décimo símbolo, para representar o vazio. Os primeiros conceitos de notação posicional foram desenvolvidos na Índia. O surgimento do zero e o sistema posicional a seguir...

18 Resumo dos numerais e seus povos

19 Evolução da escrita dos números

20 O que impulsiona o estudo da matemática? Acredita-se que a matemática começou a ser desenvolvida motivada pelo comércio, medições de terras para a agricultura, registro do tempo, astronomia. Depois que Babilônios e Egípcios começaram a usar aritmética e geometria em construções, astronomia e alguns cálculos financeiros, a matemática começou a se tornar um pouco mais sofisticada. E hoje???? Proposta: traçar uma linha do tempo com os principais fatos matemáticos e seus desenvolvedores. (idade antiga, média, moderna e contemporânea).

21 Ler o artigo disponível em: Discutir sobre as operações numéricas. (até pag. 14) Referencias bibliográficas: Mol, Rogério Santos, Introdução à história da matemática, Belo Horizonte : CAED-UFMG, Boyer, Carl B., Merzbach, Uta C., A história matemática, 2ª ed., Ed. Edgard Blucher Ltda, Howard Eves. Introdução à história da matemática. Campinas, Editora Unicamp, da

Sistemas de numeração

Sistemas de numeração Sistemas de numeração Víctor Hugo Alvarez V. Gustavo Adolfo Moysés Alvarez Possivelmente a preocupação primordial de hominídeos foram as contagens. Mais tarde foram o registro dos valores. Os povos primitivos

Leia mais

A CRIAÇÃO DOS NÚMEROS EM DIFERENTES CIVILIZAÇÕES

A CRIAÇÃO DOS NÚMEROS EM DIFERENTES CIVILIZAÇÕES A CRIAÇÃO DOS NÚMEROS EM DIFERENTES CIVILIZAÇÕES RESUMO Tatiane Buckôr Trintin Prof. Kasselandra Mattos Soares Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Licenciatura / Matemática (MAD 0491/1) Fundamentos

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 9: O Sistema de Numeração Hindu 25/03/2015 2 A civilização indiana tem início em 3300 a.c., com antigos centros urbanos formados nas

Leia mais

Sistema de Numeração

Sistema de Numeração META: Apresentar os sistemas de numeração romano e indo-arábico. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Entender a dificuldade encontrada pelos antigos para representar quantidades.

Leia mais

Exponencial: Equação e Função (Operações Básicas)

Exponencial: Equação e Função (Operações Básicas) Exponencial: Equação e Função (Operações Básicas) Profª: Helen Savi Mondo de Oliveira Setembro 2014 Um pouco sobre a história O primeiro indício do uso de equações está relacionado, aproximadamente, ao

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade Unidade de Ensino: OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS ABSOLUTOS (adição e subtracção). Tempo Previsto: 3 semanas O reconhecimento do conjunto dos racionais positivos, das diferentes formas de representação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 6.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LECTIVO 2011/2012 Compreender a noção de volume. VOLUMES Reconhecer

Leia mais

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco.

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco. ÁBACO VERTICAL É de extrema importância que os alunos construam os conceitos de número já nas séries iniciais, a fim de que estes evoluam do concreto aos estágios de abstração. Os Parâmetros Curriculares

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa 1º CICLO MATEMÁTICA 2º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO

Leia mais

HISTÓRIA DOS NÚMEROS INTEIROS. Aula de Iniciação à docência ao 7º ano Micarlla Priscilla Freitas da Silva Bolsista PIBID

HISTÓRIA DOS NÚMEROS INTEIROS. Aula de Iniciação à docência ao 7º ano Micarlla Priscilla Freitas da Silva Bolsista PIBID HISTÓRIA DOS NÚMEROS INTEIROS Aula de Iniciação à docência ao 7º ano Micarlla Priscilla Freitas da Silva Bolsista PIBID Como surgiram os Números? Os números surgiram a partir da necessidade humana de:

Leia mais

Representações numéricas e bases de numeração

Representações numéricas e bases de numeração Representações numéricas e bases de numeração Objetivos Os alunos deverão ser capazes de: * Representar números na base 2 e 16 (binária e hexadecimal) * Converter representações numéricas entre si * Realizar

Leia mais

QUADRADOS MÁGICOS. Tânia Baier Universidade Regional de Blumenau coordenadora CAPES/PIBID/Matemática

QUADRADOS MÁGICOS. Tânia Baier Universidade Regional de Blumenau coordenadora CAPES/PIBID/Matemática QUADRADOS MÁGICOS Ana Carolina Gadotti gadotti.ana@gmail.com Samara Regina Krause samyzynha_15_16@hotmail.com Tânia Baier Universidade Regional de Blumenau coordenadora CAPES/PIBID/Matemática taniabaier@gmail.com

Leia mais

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Cálculo de conversão de bases para responder às questões pertinentes à execução das especificações nas configurações de sistemas, comunicação

Leia mais

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE MATEMÁTICA PROVA - 3º BIMESTRE 2011 2º ANO Reconhecer e utilizar

Leia mais

Ciclo Trigonomé trico

Ciclo Trigonomé trico Ciclo Trigonomé trico Aluno: Professores: Camila Machado, Joelson Rolino, Josiane Paccini, Rafaela Fidelis, Rafaela Nascimento. Aula 1 As origens da trigonometria Não se sabe ao certo da origem da trigonometria,

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 17: O Problema da Medida 30/04/2015 2 Contagem e medida A Aritmética auxiliou o Homem a fazer calendários, mas também a medir campos.

Leia mais

Reunião de Pais 3º ano A 2015 Professora: Renata Estagiária: Tatiane

Reunião de Pais 3º ano A 2015 Professora: Renata Estagiária: Tatiane Reunião de Pais 3º ano A 2015 Professora: Renata Estagiária: Tatiane Avaliação Relatório 1º Trimestre 3º ano 2015 Aluno(a): Professora: MATEMÁTICA Não atingiu os objetivos propostos Atingiu minimamente

Leia mais

Um Pouco de História: Sistema de Numeração dos Romanos. Valores

Um Pouco de História: Sistema de Numeração dos Romanos. Valores PROFESSOR: EQUIPE DE MATEMÁTICA BANCO DE QUESTÕES - MATEMÁTICA - 4º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Um Pouco de História: Sistema de

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS

POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS 7º ANO POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS Ângulos e triângulos Nuno Marreiros Antes de começar O Alfabeto Grego O alfabeto utilizado para escrever a Língua grega teve o seu desenvolvimento por volta

Leia mais

Conteúdos das avaliações do 2º Bimestre. Vamos estudar?

Conteúdos das avaliações do 2º Bimestre. Vamos estudar? 1º Ano Ensino Fundamental Vamos estudar? 24/06 (segunda-feira) Geografia: Na escola (pág:58). Observando uma paisagem (pág:62). A convivência na escola (pág:63). 25/06(terça-feira) Ciências: A Alimentação

Leia mais

Tomar nota das medidas abaixo utilizando régua ou a fita métrica:

Tomar nota das medidas abaixo utilizando régua ou a fita métrica: O NÚMERO DE OURO Introdução Certas formas capturam nosso olhar e mexem com nossos sentidos bem mais do que outras e, mesmo que não saibamos a princípio o que as diferenciam, temos uma sensação de harmonia,

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EDU461 Matemática I

Programa Analítico de Disciplina EDU461 Matemática I 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Educação - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 0 Períodos

Leia mais

Conteúdo: - Cidade Natal - Migração: experiências e desafios - Gênero textual: Carta - Meios de comunicação C. HUMANAS LINGUAGENS FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: - Cidade Natal - Migração: experiências e desafios - Gênero textual: Carta - Meios de comunicação C. HUMANAS LINGUAGENS FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVIDADE Conteúdo: - Cidade Natal - Migração: experiências e desafios - Gênero textual: Carta - Meios de comunicação 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Ano Letivo 2012/13 Área - Matemática 2º Ano. - Sequências

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Ano Letivo 2012/13 Área - Matemática 2º Ano. - Sequências Ver documento METAS CURRICULARES de MATEMÁTICA http://www.dgidc.min-edu.pt Números e Operações Números Naturais Operações com números naturais Regularidades - Relações numéricas composição e decomposição

Leia mais

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I 6º Olímpico Matemática I Sistema de numeração romano. Situações problema com as seis operações com números naturais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação). Expressões numéricas

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo Professor Isaac Antonio Camargo 1 1 DAS CAVERNAS PARA O MUNDO A Pintura Rupestre, assim denominada por por usar a rocha como suporte

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

Construção do esquema corporal: plano transversal (em cima/embaixo), plano frontal (frente/atrás).

Construção do esquema corporal: plano transversal (em cima/embaixo), plano frontal (frente/atrás). Matemática 2ª 1ª Ano E.F. Competências Objeto de Aprendizado Habilidades COMPETÊNCIA 1: Perceber o espaço ocupado pelo próprio corpo e por diferentes objetos, demonstrando noções de relações espaciais.

Leia mais

Geometria Métrica na Babilônia, Egito, Grécia.

Geometria Métrica na Babilônia, Egito, Grécia. Geometria Métrica na Babilônia, Egito, Grécia. Autor: Christian Fernando Cordeiro Pinheiro Disciplina de História da Matemática Universidade Federal de Alfenas Professora: Andréa Cardoso Introdução Geometria

Leia mais

Introdução a Construção Civil 1 ICCC1. Pré-História. Docente: Verônica Freitas

Introdução a Construção Civil 1 ICCC1. Pré-História. Docente: Verônica Freitas ICCC1 Docente: Verônica Freitas Origem e evolução da construção Civil - Arquitetura Sob o ponto de vista da História da Humanidade, a Construção Civil - Arquitetura está diretamente relacionada com o surgimento

Leia mais

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 3º ANO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 3º ANO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 3º ANO ESCOLA ANO LETIVO PROFESSOR(A) DATA: / / ESPAÇO E FORMA Identificar posição de pessoa e/ou objeto presentes em representações utilizando um ponto

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS Como estudado anteriormente, existem diferentes tipos de perspectiva (cônica, cavaleira e isométrica), veja a representação do cubo nas três perspectivas: Cada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO. Carga Horária: 54h Créditos: 3 Fase: 2ª

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO. Carga Horária: 54h Créditos: 3 Fase: 2ª UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO Curso: Pedagogia a Distância Departamento: Departamento de Pedagogia a Distância Disciplina:

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO SISTEMAS DE NUMERAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017

INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017 INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1. Reconhecer os usos sociais e as funções da escrita 2. Compreender diferenças entre

Leia mais

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Ano letivo 2015 / 16 Matriz Curricular 1º Ciclo Ano Letivo: 2015 / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Nº total de dias letivos 164 dias Nº de dias letivos 1º período - 64 dias 2º período - 52

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes A A Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2 A A Aula 5.2 Conteúdo As Civilizações da Mesopotâmia II 3 A A Habilidade Analisar

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 MATEMÁTICA- 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 MATEMÁTICA- 3ºANO Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região do Algarve Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017

Leia mais

EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI PIBID. Plano de aula 3 - Quadrado Mágico- abril de 2015

EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI PIBID. Plano de aula 3 - Quadrado Mágico- abril de 2015 EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI PIBID Plano de aula 3 - Quadrado Mágico- abril de 2015 Bolsistas: Mévelin Maus, Patrícia Lombelo, Natacha Subtil. Supervisora: Marlete Basso Roman Disciplina: Matemática

Leia mais

1º período. Conhecer os algarismos que compõem o SND (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9). Diferenciar algarismos e números. e vice-versa.

1º período. Conhecer os algarismos que compõem o SND (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9). Diferenciar algarismos e números. e vice-versa. 1º período Os números naturais: Sistema de Numeração Decimal. (SND) Um pouco de história: sistema de numeração dos romanos. Os números naturais Sistema de Numeração Decimal (SND). Unidades e dezenas. Unidades,

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Gestão Escolar

Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Gestão Escolar Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Gestão Escolar Gestão de Serviços Educacionais Vamos nos apresentar? Muito prazer, eu sou o Meneghel!... Gestão de Serviços Educionais... - Plano de Ensino; -

Leia mais

Conjuntos numéricos. Prof.ª: Aline Figueirêdo Nascimento

Conjuntos numéricos. Prof.ª: Aline Figueirêdo Nascimento Conjuntos numéricos Prof.ª: Aline Figueirêdo Nascimento Introdução É indiscutível que os números exercem influência marcante no dia a dia dos seres humanos. Na economia global, por exemplo, os indicadores

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS 2º ANO

JOGOS MATEMÁTICOS 2º ANO JOGOS MATEMÁTICOS 2º ANO ENCONTRE 1 Objetivos: - Realizar operações de adição e/ou subtração. - Estimular o cálculo mental. - Compor o número 1 com duas parcelas. Número de jogadores: 2 ou 4. Materiais:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS I CCINAT/SBF CIEN0017 2016.1 CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 h/a = 72 encontros PRÁT: 0 HORÁRIOS: Quinta-Feira: de 18:00 às 19:40 horas

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará- UECE. Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central. Curso: Licenciatura plena em Matemática

Universidade Estadual do Ceará- UECE. Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central. Curso: Licenciatura plena em Matemática Universidade Estadual do Ceará- UECE Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central Curso: Licenciatura plena em Matemática Os Números Naturais Autora: Luciana Magalhães Bastos Orientador:

Leia mais

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 Resumo O aprendizado das operações fundamentais, sendo elas a adição, a subtração, a multiplicação e a divisão,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) MATEMÁTCA DOMÍNO/ UDOMÍNO Números e Operações Números naturais OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE 1. Conhecer os numerais ordinais 2. Contar até um milhão 3.

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Duplicação do Cubo. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Duplicação do Cubo. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação geometria e medidas Guia do professor Experimento Duplicação do Cubo 1. 2. 3. Objetivos da unidade Experimentalmente, obter a aresta de um cubo, que possui o dobro do volume de um outro cubo de arestas

Leia mais

Conteúdos para Avaliação Diagnóstica. 2 º Ano

Conteúdos para Avaliação Diagnóstica. 2 º Ano 2 º Ano MATEMÁTICA Sistema de numeração decimal Reconhecer a utilidade dos números em nossa vida; Associar os números às suas quantidades; Identificar, ler, escrever e ordenar os números de 0 a 50; Identificar

Leia mais

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Resumo Os grandes matemáticos surgiram antes e depois de Cristo, inventando novas fórmulas, soluções e cálculos. A inteligência do homem era algo tão magnífico, que a matemática

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Conversões numéricas de base. Organização de Computadores

Conversões numéricas de base. Organização de Computadores Conversões numéricas de base Organização de Computadores Sistema de base binária O sistema binário ou de base 2 é um sistema de numeração posicional em que todas as quantidades se representam com base

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 3ª Matemática 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade BLOCO: ESPAÇO E FORMA C2. Compreender os conceitos relacionados às características, classificações e propriedades das figuras geométricas,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

5º ano do Ensino Fundamental 1º BIMESTRE EIXO: NÚMEROS E OPERAÇÕES

5º ano do Ensino Fundamental 1º BIMESTRE EIXO: NÚMEROS E OPERAÇÕES 5º ano do Ensino Fundamental 1º BIMESTRE Compor e decompor números naturais e racionais na forma decimal. Reconhecer ordens e classes numa escrita numérica. Arredondar números na precisão desejada. Ordenar

Leia mais

XXIII SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA

XXIII SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Muitos dos dispersos pitagóricos acorreram a Atenas e Zenão e Parmênides, da escola eleática, foram ao grande centro para ensinar. Zenão de Eléia, filósofo e matemático viveu por volta de (495-430 a.c.),

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA MATEMÁTICA / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Matemática 2º Ano Metas / Objetivos

CURRÍCULO DA DISCIPLINA MATEMÁTICA / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Matemática 2º Ano Metas / Objetivos de Avaliação Números e Operações Números Sistema de numeração decimal Adição e subtração Multiplicação Conhecer os numerais ordinais Contar até mil Reconhecer a paridade Descodificar o sistema de numeração

Leia mais

CONTEÚDOS DA 1ª VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM* 1ª UNIDADE (2015) - 6º ANO A/B/C

CONTEÚDOS DA 1ª VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM* 1ª UNIDADE (2015) - 6º ANO A/B/C PORTUGUÊS 1ª UNIDADE (2015) - 6º ANO A/B/C Interpretação Textual págs. 14 à 20 e 34 à 37 Linguagem ação e interação-págs 24 à 27 As variedades linguísticas págs. 41 à 48 REDAÇÃO O conto maravilhoso Narrador

Leia mais

Resumo de Aula: Notação científica kg. Potências positivas Potências negativas ,1

Resumo de Aula: Notação científica kg. Potências positivas Potências negativas ,1 Resumo de Aula: Notação científica. 1- Introdução Este resumo não trata exatamente sobre física, é sobre uma das formas que expressamos os resultados numéricos em ciências em geral (e na física em particular).

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 3º ano Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 3º ano Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 3º ano Ano Letivo 2015/2016 1º Trimestre Domínios Números e Operações Números naturais Numerais ordinais até centésimo;

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

M A T E M Á T I C A Desenho Curricular por Área

M A T E M Á T I C A Desenho Curricular por Área M A T E M Á T I C A Desenho Curricular por Área Módulo 1 Conteúdo... Habilidades e Competências... 10 unidades... Matemáticas Módulo 2 Conteúdo... Habilidades e Competências... 10 unidades... Módulo 3

Leia mais

Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo)

Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo) Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo) Objeto de avaliação Itens/Parâmetros Instrumentos Ponderação Conteúdos da Testes

Leia mais

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri Locke e Bacon Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri John Locke Locke divide o poder do governo em três poderes, cada um dos quais origina um ramo de governo: o poder legislativo (que é o fundamental),

Leia mais

Fundamentos da Matemática

Fundamentos da Matemática Fundamentos da Matemática Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 1º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 1º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 1º ANO (1º CCLO) MATEMÁTCA DOMÍNO OJETVO DECRTORE/ DE DEEMPENHO 1 Números e Contar até Operações cem Números naturais 1. Verifica sem dificuldades que dois conjuntos têm o mesmo

Leia mais

HISTÓRIA 6º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 6º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 1 O que é história? Capítulo 2 A história, o empo e o espaço? Capítulo 3 O ser humano em busca de suas origens. 1. Defina os termos: a) Fontes históricas. b) Patrimônios históricos. HISTÓRIA 6º

Leia mais

Números e Operações (NO) Álgebra (ALG) DOMÍNIO SUBDOMÍNIO OBJETIVO GERAL/DESCRITORES RECURSOS. Conhecer e aplicar propriedades dos divisores

Números e Operações (NO) Álgebra (ALG) DOMÍNIO SUBDOMÍNIO OBJETIVO GERAL/DESCRITORES RECURSOS. Conhecer e aplicar propriedades dos divisores ESCOLA BÁSICA CRISTÓVÃO FALCÃO ANO LETIVO: 2016/2017 SERVIÇO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DATA: Set 2016 ASSUNTO PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano RESPONSÁVEL: Grupo 230 DOMÍNIO SUBDOMÍNIO

Leia mais

TÓPICOS DA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO FUNDAMENTAL ( DE ACORDO COM SAEB)

TÓPICOS DA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO FUNDAMENTAL ( DE ACORDO COM SAEB) TÓPICOS DA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO FUNDAMENTAL ( DE ACORDO COM SAEB) I. PROCEDIMENTOS DE LEITURA Localizar informações explícitas em um texto. Inferir o sentido de uma palavra

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso OBJETIVO DA AULA: Reconhecer a importância da Trigonometria na compreensão de fenômenos naturais 2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E

Leia mais

Aproveitamos também para agradecer a participação das famílias em nossa primeira reunião de pais e educadores, no último dia 05 de março.

Aproveitamos também para agradecer a participação das famílias em nossa primeira reunião de pais e educadores, no último dia 05 de março. AUXILIADORA RECIFE Recife, 08 de março de 2016. Na Cruz de Cristo, está todo o amor de Deus, a sua imensa misericórdia. E este é um amor em que podemos confiar, em que podemos crer. Não há cruz, pequena

Leia mais

M A P A S G E O G R A F I A. Noções de Cartografia para estudantes do 6º Ano. Prof. José Gusmão Rodrigues

M A P A S G E O G R A F I A. Noções de Cartografia para estudantes do 6º Ano. Prof. José Gusmão Rodrigues M A P A S Noções de Cartografia para estudantes do 6º Ano G E O G R A F I A Prof. José Gusmão Rodrigues Clique com o mouse sobre o título desejado ou vá clicando enter para ver a apresentação completa

Leia mais

COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento

COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento CALENDÁRIO DAS AVALIAÇÕES GLOBAIS 2016 5º ANO B e C/MANHÃ / TARDE 1ª E T A P A CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA 1ª ETAPA 5º ANO Dia 01/04/2015 - (Sexta-feira)

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

Resolução de problemas. Meta Final 1) Compreende o problema. Meta Final 2) Concebe estratégias de resolução de problemas.

Resolução de problemas. Meta Final 1) Compreende o problema. Meta Final 2) Concebe estratégias de resolução de problemas. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA E.B 2,3 LUÍS DE CAMÕES DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PROJECTO CURRICULAR DE MATEMÁTICA - 9.º ANO - 2014/2015 Critérios de Avaliação Capacidades

Leia mais

MARÇO MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Conteúdo:

MARÇO MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Conteúdo: MARÇO Dia 01 02 03 MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Caderno Avaliação de História: 8º Anos Avaliação de Português: 6º Ano A e B Compreensão de texto; Linguagem comunicação; Fala

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA - ASPECTOS HISTÓRICOS E ATIVIDADES INVESTIGATIVAS

ANÁLISE COMBINATÓRIA - ASPECTOS HISTÓRICOS E ATIVIDADES INVESTIGATIVAS ANÁLISE COMBINATÓRIA - ASPECTOS HISTÓRICOS E ATIVIDADES INVESTIGATIVAS Aluna: Cristiane Maria Roque Vazquez Programa de Pós-Graduação no Ensino de Ciências Exatas PPGECE UFSCar (2010) Orientador: Prof.

Leia mais

Representação de Dados. José Gustavo de Souza Paiva

Representação de Dados. José Gustavo de Souza Paiva Representação de Dados José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Sistemas de Numeração Objetivo prover símbolos e convenções para representar quantidades, de forma a registrar a informação quantitativa

Leia mais

SISTEMA DE NUMERAÇÃO NA FORMAÇÃO DO ALUNO UTILIZANDO MATERIAL CONCRETO

SISTEMA DE NUMERAÇÃO NA FORMAÇÃO DO ALUNO UTILIZANDO MATERIAL CONCRETO 1 SISTEMA DE NUMERAÇÃO NA FORMAÇÃO DO ALUNO UTILIZANDO MATERIAL CONCRETO Ariana Oliveira Gomes - ariana_emanuelle@hotmail.com-uesb Christiano Santos Lima Dias - khristiano_dias@hotmail.com-uesb Evaneila

Leia mais

Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática

Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática D10 Num problema, estabelecer trocas entre cédulas e moedas do sistema monetário brasileiro, em função de seus valores. O que é? Por meio deste

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Domínios e subdomínios Metas/Objetivos Objetivos gerais 3º Ciclo Matemática 7º Ano Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Números e Operações: Números racionais Álgebra:

Leia mais

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa PLANO DE ENSINO 2016 Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa Competências e Habilidades Gerais da Disciplina Desenvolver a responsabilidade e o gosto pelo trabalho em equipe; Relacionar

Leia mais

Meu nome: Minha Professora: Minha Instituição:

Meu nome: Minha Professora: Minha Instituição: Meu nome: Minha Professora: Minha Instituição: 1. Durante as férias passadas, Gabriel, uma criança levada, viajou de férias com seus pais para um hotel fazenda na cidade de Jataí-GO. No quarto do hotel

Leia mais

O CONCEITO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS PARA OS ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O CONCEITO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS PARA OS ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O CONCEITO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS PARA OS ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT10 Erivaldo Gumercindo

Leia mais

Capítulo V Sistemas Numéricos

Capítulo V Sistemas Numéricos Capítulo V Sistemas Numéricos Introdução Em capítulos anteriores estudamos diversas funções lógicas. No próximo capítulo veremos que operações aritméticas como soma e subtração de números binários podem

Leia mais

Comunidade de Prática Virtual Inclusiva Formação de Professores

Comunidade de Prática Virtual Inclusiva Formação de Professores O Mate erial Dourado Montessor ri O material Dourado ou Montessori é constituído por cubinhos, cubão, que representam: barras, placas e Observe que o cubo é formado por 10 placas, que a placa é formada

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 1.º Período - Números naturais Números e operações Contar Estender as regras de construção dos numerais decimais para classes de grandeza indefinida; Conhecer os diferentes

Leia mais

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Astronomia Antiga Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Arqueoastronomia Arché (antigo) + Astro e Nomos (astronomia ou lei das estrelas); Monumentos megalíticos: Mega (grande)

Leia mais

MATRIZES DE REFERÊNCIA COMPETÊNCIAS E HABILIDADES QUE SERÃO AVALIADAS: ENSINO FUNDAMENTAL I ANOS INICIAIS

MATRIZES DE REFERÊNCIA COMPETÊNCIAS E HABILIDADES QUE SERÃO AVALIADAS: ENSINO FUNDAMENTAL I ANOS INICIAIS MATRIZES DE REFERÊNCIA COMPETÊNCIAS E HABILIDADES QUE SERÃO AVALIADAS: ENSINO FUNDAMENTAL I ANOS INICIAIS II. Implicações do Suporte, do Gênero e /ou do Enunciador na Compreensão do Texto Estabelecer relação

Leia mais

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE ANGRA DOS REIS DISCIPLINA: MATEMÁTICA CONTEÚDO E MÉTODO Período: 2016.2 NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES Prof. Adriano Vargas Freitas Noção de número

Leia mais

Localização e surgimento

Localização e surgimento 9 - CHINA ANTIGA Localização e surgimento Vale do Rio Amarelo (Huang Ho) Ocupado por grupos que se organizaram em pequenas aldeias Solo formado por uma argila de tom amarelado Muito fértil Atividade agrícola

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 2.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Matemática 2.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Matemática 2.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Números e Operações Conteúdos Programados Aulas Previstas Aulas Dadas Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente

Leia mais

NÚMEROS E ÁLGEBRA FUNÇÕES

NÚMEROS E ÁLGEBRA FUNÇÕES Professores: Josiane Caroline Protti Disciplina: Matemática Ano: 1º ano E Período: 1º Bimestre - Atividades com os alunos para - Atividades dos livros didáticos e - Correção das atividades na lousa e individual.

Leia mais