História e Filosofia da Matemática e da Educação Matemática. Lívia Lopes Azevedo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História e Filosofia da Matemática e da Educação Matemática. Lívia Lopes Azevedo"

Transcrição

1 História e Filosofia da Matemática e da Educação Matemática Lívia Lopes Azevedo

2 O que é matemática? Segundo Boyer, (...) uma atividade intelectual altamente sofisticada, que não é fácil de definir, mas boa parte do que hoje se chama matemática deriva de ideias que originalmente estavam centradas nos conceitos de números, grandezas e formas. Definições antiquadras da matemática como ciência do número e grandezas já não são mais validas; mas sugerem as origens dos diversos ramos da matemática. Noções primitivas relacionadas com o conceito de número, grandezas e formas podem ser encontradas nos primeiros tempos da raça humana, e vislumbres de noções matemáticas se encontram em formas de vida que podem datar de milhões de anos antes da humanidade (Boyer, 1996)

3 A capacidade matemática é exclusivamente humana???? Como se originou a matemática? Percepções da natureza Elementos da vida diária do homem As noções primitivas de número, grandeza e forma podiam estar mais relacionadas com contrastes do que semelhança Diferença entre um e muitos (um lobo e muitos) Desigualdade de tamanhos (um peixe e uma baleia) Diferença de formas (lua redonda e pinheiro retilíneo)

4 De onde surgiu a matemática? Gradualmente deve ter surgido, da massa de experiências caóticas, a realização de que há analogias: e dessa percepção de semelhanças em número e forma nasceram a ciência e a matemática. (Boyer, 1996) As diferenças parecem indicar semelhanças - relação de unicidade - correspondência de pares - percepção de propriedades e regularidades A ideia do que hoje chamamos de número, representa um grande passo no caminho para a matemática moderna.

5 Então, como surgiu a matemática?? A matemática foi construída de forma gradual e por vários povos, no desenvolvimento cultural do homem, talvez a anos. Ou como acreditava Platão, a matemática sempre existiu e aguardava ser descoberta E o conceito de número? Também foi um processo longo e gradual?

6 Desenvolvimento cronológico da humanidade (Boyer, 1996)

7 Evolução e cultura humana O desenvolvimento da linguagem simbólica está intimamente correlacionado à evolução do pensamento abstrato; este consiste em representar mentalmente eventos e objetos, sem que eles estejam presentes concretamente.

8 Os povos primitivos viviam daquilo que a natureza lhes davam. Mas observavam regularidades. Desde a época pré-histórica começaram a construir utensílios. Com a evolução gradual da sociedade, tornaram-se inevitáveis contagens simples. Uma tribo tinha que saber quantos eram seus membros e quantos eram seus inimigos e tornava-se necessário a um homem saber se seu rebanho estava diminuindo.

9 E provável que a maneira mais antiga de contar se baseasse em algum método de registro simples, empregando o principio da correspondência biunívoca. Para uma contagem de carneiros, por exemplo, podia-se dobrar um dedo para cada animal, ou colocar uma pedra num saco, ou fazendo-se ranhuras no barro ou numa pedra, ou produzindo-se entalhes num pedaço de madeira ou fazendo-se nos numa corda.

10 Mais tarde, desenvolveu-se um arranjo de sons vocais para registrar verbalmente o número de objetos de um grupo pequeno. E mais tarde ainda, com o aprimoramento da escrita, foram surgindo arranjos de símbolos para representar esses números. Sumérios Egípcios Esse desenvolvimento hipotético encontra respaldo em relatórios de antropólogos que estudaram povos primitivos em nossa época.

11 Os Sumérios, são considerados a civilização mais antiga da humanidade. Eles viviam na região Sul da Mesopotâmia, onde hoje se localiza o Iraque. Os Sumérios inventaram um sistema de numeração utilizando regras e símbolos para escrever os números, que eram gravados em placas de barro

12 Os Egípcios criaram a escrita hieroglífica, que utilizava desenhos para representar os números. Esses símbolos grafados em pedras, cerâmicas ou papiros que representavam agrupamentos, para representar os números. Papiro Ahmes ou Rhind Para repartir as terras às margens do Rio Nilo - Egito, por volta do ano a. C., funcionários do governo utilizavam cordas, com uma unidade de medida assinalada para fazer medições.

13 Os Gregos criaram um novo sistema numérico utilizando letras de seu alfabeto para representarem os números.

14 Os romanos utilizavam as letras maiúsculas do seu alfabeto para representar os números. Este sistema de numeração, foi utilizado em todo Ocidente por, aproximadamente, dois mil anos.

15 Os Maias, civilização que habitou a América Central, atualmente o sul do México. A base utilizada para contar era 20, e os números eram representados por gravuras. A origem desta base de contagem é o número de dedos somando os dedos das mãos e o dos pés. Os numerais são representados por símbolos compostos por pontos e barras, sendo o zero a única exceção por ser representado pelo desenho de uma concha

16 O sistema de numeração da China era decimal e os números representados por símbolos próprios da escrita chinesa encontrados em cascos e ossos de tartarugas.

17 O sistema numérico indiano, também chamado de hindu, não utilizava figuras ou letras para representar números. No início, ele era formado por nove símbolos, que representavam de um a nove. Depois, há cerca de anos atrás, eles criaram um décimo símbolo, para representar o vazio. Os primeiros conceitos de notação posicional foram desenvolvidos na Índia. O surgimento do zero e o sistema posicional a seguir...

18 Resumo dos numerais e seus povos

19 Evolução da escrita dos números

20 O que impulsiona o estudo da matemática? Acredita-se que a matemática começou a ser desenvolvida motivada pelo comércio, medições de terras para a agricultura, registro do tempo, astronomia. Depois que Babilônios e Egípcios começaram a usar aritmética e geometria em construções, astronomia e alguns cálculos financeiros, a matemática começou a se tornar um pouco mais sofisticada. E hoje???? Proposta: traçar uma linha do tempo com os principais fatos matemáticos e seus desenvolvedores. (idade antiga, média, moderna e contemporânea).

21 Ler o artigo disponível em: Discutir sobre as operações numéricas. (até pag. 14) Referencias bibliográficas: Mol, Rogério Santos, Introdução à história da matemática, Belo Horizonte : CAED-UFMG, Boyer, Carl B., Merzbach, Uta C., A história matemática, 2ª ed., Ed. Edgard Blucher Ltda, Howard Eves. Introdução à história da matemática. Campinas, Editora Unicamp, da

Uma história muito antiga. Uma história muito antiga. Uma história muito antiga 05/03/2016

Uma história muito antiga. Uma história muito antiga. Uma história muito antiga 05/03/2016 Uma história muito antiga Há muito, muito tempo... Para saber quantas ovelhas tinha, um pastor separava uma pedrinha para cada ovelha, quando as soltava para pastar. Uma história muito antiga Uma história

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Martha Salerno Monteiro IME-USP martha@ime.usp.br c Martha Salerno Monteiro, 2016 Contagem Primitiva Nosso ponto de partida: primeiros esforços do homem para sistematizar os conceitos

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ

SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ SOCIEDADE EDUCACIONAL DO AMANHÃ O SISTEMA DE NUMERAÇÃO ROMANO Diversas civilizações da Antiguidade, além da egípcia, desenvolveram seus próprios l sistemas de numeração. Alguns deles deixaram vestígios,

Leia mais

A CRIAÇÃO DOS NÚMEROS EM DIFERENTES CIVILIZAÇÕES

A CRIAÇÃO DOS NÚMEROS EM DIFERENTES CIVILIZAÇÕES A CRIAÇÃO DOS NÚMEROS EM DIFERENTES CIVILIZAÇÕES RESUMO Tatiane Buckôr Trintin Prof. Kasselandra Mattos Soares Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Licenciatura / Matemática (MAD 0491/1) Fundamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA Licenciatura em Matemática MAT1514 Matemática na Educação Básica 2º semestre 2014 TG1

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA Licenciatura em Matemática MAT1514 Matemática na Educação Básica 2º semestre 2014 TG1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA Licenciatura em Matemática MAT1514 Matemática na Educação Básica 2º semestre 2014 TG1 ATIVIDADES COM O SISTEMA BABILÔNIO DE BASE 60 A representação

Leia mais

Sistemas de numeração

Sistemas de numeração Sistemas de numeração Víctor Hugo Alvarez V. Gustavo Adolfo Moysés Alvarez Possivelmente a preocupação primordial de hominídeos foram as contagens. Mais tarde foram o registro dos valores. Os povos primitivos

Leia mais

O Á BACO. PIÇARRAS 2003/II

O Á BACO. PIÇARRAS 2003/II UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Núcleo Permanente de Educação da Univali em Piçarras Curso de Pedagogia Habilitação em Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental O Á BACO. Pesquisa apresentada

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 9: O Sistema de Numeração Hindu 25/03/2015 2 A civilização indiana tem início em 3300 a.c., com antigos centros urbanos formados nas

Leia mais

O sistema Egípcio de numeração

O sistema Egípcio de numeração Museu de Topografia Prof. Laureano Ibrahim Chaffe Departamento de Geodésia IG/UFRGS O sistema Egípcio de numeração Texto original: http://www.eb23-lousada.rcts.pt/sistnum1/recursos.htm#egípcio Ampliação

Leia mais

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14 GRUPO 5.4 MÓDULO 14 Índice 1. Representação Escrita dos Números...3 2. Operações com Números Naturais...4 2 1. REPRESENTAÇÃO ESCRITA DOS NÚMEROS Desde os primórdios da humanidade, o homem utiliza diferentes

Leia mais

Sistema de Numeração

Sistema de Numeração META: Apresentar os sistemas de numeração romano e indo-arábico. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Entender a dificuldade encontrada pelos antigos para representar quantidades.

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre 6º ANO

Conteúdo para recuperação do I Semestre 6º ANO Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 6º ANO As primeiras sociedades; Mesopotâmia. Grécia: formação e consolidação; Grécia: Organização das cidades-estados. As primeiras sociedades;

Leia mais

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI ÁREA DO CONHECIMENTO Linguagens Matemática Ciências Humanas 2 TEMA 1º Bimestre Conhecendo a nossa história. 3 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Sistemas de Numeração Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 26 de abril de 2010 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/17 Preâmbulo Computadores

Leia mais

Na figura abaixo, temos um grande número de pontos no interior do retângulo. Você consegue contá-los?

Na figura abaixo, temos um grande número de pontos no interior do retângulo. Você consegue contá-los? Aula 2 Na figura abaixo, temos um grande número de pontos no interior do retângulo. Você consegue contá-los? Tente fazer essa contagem de outros modos e registre, pelo menos, dois que você achar interessante.

Leia mais

1º período. Conhecer os algarismos que compõem o SND (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9). Diferenciar algarismos e números.

1º período. Conhecer os algarismos que compõem o SND (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9). Diferenciar algarismos e números. 1º período Os números naturais: Sistema de Numeração Decimal. (SND). Pág.30 a 32. Um pouco de história: sistema de numeração dos romanos. Pág. 33 a 35 Os números naturais. Pág. 36 e 37 Sistema de Numeração

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS NÚMEROS ATRAVÉS DAS CIVILIZAÇÕES

A EVOLUÇÃO DOS NÚMEROS ATRAVÉS DAS CIVILIZAÇÕES A EVOLUÇÃO DOS NÚMEROS ATRAVÉS DAS CIVILIZAÇÕES LOVO, Leiliane de Fátima 1 SOUZA, Luana da Silva 2 BARANECK, Elda Fátima Zampiva 3 RESUMO O presente artigo estrutura-se em torno do objetivo de descrever

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO. Introdução à Ciência da Computação ICC0001

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO. Introdução à Ciência da Computação ICC0001 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Introdução à Ciência da Computação ICC0001 2 Histórico Como surgiram os sistemas de numeração? Primeiro: As pessoas precisavam contar... Dias, rebanho, árvores e tudo mais... Segundo:

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade Unidade de Ensino: OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS ABSOLUTOS (adição e subtracção). Tempo Previsto: 3 semanas O reconhecimento do conjunto dos racionais positivos, das diferentes formas de representação

Leia mais

NÚMEROS 2. Antonio Carlos Brolezzi.

NÚMEROS 2. Antonio Carlos Brolezzi. NÚMEROS 2 Antonio Carlos Brolezzi www.ime.usp.br/~brolezzi brolezzi@usp.br Os símbolos numéricos Com o nosso sistema de numeração, usando apenas dez símbolos diferentes, podemos escrever qualquer número,

Leia mais

Aula 2 - Sistemas de Numeração

Aula 2 - Sistemas de Numeração Aula 2 - Sistemas de Numeração Marcos Guerine Universidade Federal Fluminense mguerine@ic.uff.br História Contagem de animais, intuitiva Um, dois e muitos Contagem através de pedras Numeração escrita através

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Plano da Unidade

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Plano da Unidade Unidade de Ensino: OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS ABSOLUTOS (adição e subtracção). Tempo Previsto: 3 semanas O reconhecimento do conjunto dos racionais positivos, das diferentes formas de representação

Leia mais

Exponencial: Equação e Função (Operações Básicas)

Exponencial: Equação e Função (Operações Básicas) Exponencial: Equação e Função (Operações Básicas) Profª: Helen Savi Mondo de Oliveira Setembro 2014 Um pouco sobre a história O primeiro indício do uso de equações está relacionado, aproximadamente, ao

Leia mais

Aula 2 - Sistemas de Numeração

Aula 2 - Sistemas de Numeração Aula 2 - Sistemas de Numeração Marcos A. Guerine Instituto de Computação - UFF mguerine@ic.uff.br História Contagem e controle de rebanhos Noção de quantidade intuitiva; Um, dois e muitos Montes de pedras

Leia mais

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1 Sistema de numeração 09/08/2016 1 Você já pensou sobre: Sistema de numeração a) O modo como surgiram os números? b) Como foram as primeiras formas de contagem? c) Como os números foram criados, ou, será

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FUNDAMENTOS EPISTEMOLÓGICOS DOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO EM LIVROS DIDÁTICOS Ana Cláudia Fernandes Universidade Estadual da Paraíba campus Monteiro anamatuepb@hotmail.com Tony Regy Ferreira da Silva Universidade

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES Planificação Trimestral - 1.º Ano /2016 Matemática 1.º Período 65 dias letivos

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES Planificação Trimestral - 1.º Ano /2016 Matemática 1.º Período 65 dias letivos Números naturais Correspondências um a um e comparação do número de elementos de dois conjuntos; Contagens de até vinte objetos; O conjunto vazio e o número zero; Números naturais até 9; contagens progressivas

Leia mais

HISTÓRIA DOS NÚMEROS EM QUADRINHOS: UMA ATIVIDADE NO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

HISTÓRIA DOS NÚMEROS EM QUADRINHOS: UMA ATIVIDADE NO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 13. CONEX Produto Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º Período Nº Aulas Previstas (horas) Números e Operações Números e Operações Correspondências um a um e comparação do número de elementos de dois conjuntos. Contagens Números naturais até 10. Contagens

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL Aula 1- Sistemas de Numeração. Prof.ª Msc. Patricia Pedroso Estevam Ribeiro

ELETRÔNICA DIGITAL Aula 1- Sistemas de Numeração. Prof.ª Msc. Patricia Pedroso Estevam Ribeiro ELETRÔNICA DIGITAL Aula 1- Sistemas de Numeração Prof.ª Msc. Patricia Pedroso Estevam Ribeiro Email: patriciapedrosoestevam@hotmail.com 12/08/2016 1 Critérios de avaliação Duas provas e listas de exercícios

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA MATEMÁTICA / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Matemática 3º Ano Metas / Objetivos Instrumentos de Domínios e

CURRÍCULO DA DISCIPLINA MATEMÁTICA / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Matemática 3º Ano Metas / Objetivos Instrumentos de Domínios e de Avaliação Números e Operações Números Sistema de decimal Adição e subtração Multiplicação Conhecer os numerais ordinais Contar até ao milhão Conhecer a romana Descodificar o sistema de decimal Adicionar

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Danilo Almeida Rosa Evolução da Ciência e da Matemática

Universidade Federal do Rio de Janeiro Danilo Almeida Rosa Evolução da Ciência e da Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Danilo Almeida Rosa Evolução da Ciência e da Matemática 1. Origem histórica; 2. Conceito de números; 3. Educação básica; 4. Educação deficientes visuais. O ábaco

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 6.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LECTIVO 2011/2012 Compreender a noção de volume. VOLUMES Reconhecer

Leia mais

CONTEXTO HISTÓRICO Leia e descubra que eu não vim do além

CONTEXTO HISTÓRICO Leia e descubra que eu não vim do além ESPECIALIZAÇÃO EM INSTRUMENTALIZAÇÃO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA TICA ANÁLISE DE MÉTODOS M MÁTEMÁTICOSTICOS CONTEXTO HISTÓRICO Leia e descubra que eu não vim do além Ensino de Matemá Prof. M.Sc.. Armando

Leia mais

32 Matemática. Programação anual de conteúdos

32 Matemática. Programação anual de conteúdos Programação anual de conteúdos 2 ọ ano 1 ọ volume 1. A localização espacial e os números Construção do significado dos números e identificação da sua utilização no contexto diário Representação das quantidades

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA Cristina Boeres ! Sistema de escrita para expressão de números Notação matemática! Composto por símbolos Símbolos tem significados ou

Leia mais

QUADRADOS MÁGICOS. Tânia Baier Universidade Regional de Blumenau coordenadora CAPES/PIBID/Matemática

QUADRADOS MÁGICOS. Tânia Baier Universidade Regional de Blumenau coordenadora CAPES/PIBID/Matemática QUADRADOS MÁGICOS Ana Carolina Gadotti gadotti.ana@gmail.com Samara Regina Krause samyzynha_15_16@hotmail.com Tânia Baier Universidade Regional de Blumenau coordenadora CAPES/PIBID/Matemática taniabaier@gmail.com

Leia mais

FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA. Sistemas de Numeração

FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA. Sistemas de Numeração FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA Sistemas de Numeração OBJETIVOS DA AULA Conhecer os sistemas de numeração antigos; Entender, compreender e usar um Sistema de Numeração; Relacionar os Sistemas de Numeração com

Leia mais

Sistemas de Numeração. Sistemas Decimal, Binário e Hexadecimal.

Sistemas de Numeração. Sistemas Decimal, Binário e Hexadecimal. Sistemas de Numeração Sistemas Decimal, Binário e Hexadecimal. Sistema Decimal - Origem Pré-História Como o homem pré-histórico sabia se nenhum animal se perdeu no pasto? Sistema Decimal - Origem O homem

Leia mais

HISTÓRIA. Nas vias do tempo, a trajetória humana. Prof. Alan Carlos Ghedini

HISTÓRIA. Nas vias do tempo, a trajetória humana. Prof. Alan Carlos Ghedini HISTÓRIA Nas vias do tempo, a trajetória humana Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Antes de tudo, as origens do homem A origem ou o elo perdido ainda é incerta. Há +/- 195 mil anos, no

Leia mais

Grandes Ideias RESUMO DOS CONTEÚDOS DE º ANO DA DISCIPLINA

Grandes Ideias RESUMO DOS CONTEÚDOS DE º ANO DA DISCIPLINA PÁG: 1 / Egito: Condições naturais: O Egito situa-se no nordeste de África. Fica a norte do deserto da Núbia, a este do deserto da Líbia e a oeste do deserto Arábico. Tem ainda como limites o Mar Mediterrâneo

Leia mais

Matriz Curricular 1º Ciclo. Ano Letivo: 2013 / 2014 Ano de Escolaridade: 1.º Ano Matemática

Matriz Curricular 1º Ciclo. Ano Letivo: 2013 / 2014 Ano de Escolaridade: 1.º Ano Matemática NÚMEROS E OPERAÇÕES Ano Letivo: 2013 / 2014 Ano de Escolaridade: 1.º Ano Matemática Domínio de Referência Subdomínio Objetivos Descritores 1. Contar até cem 1. Verificar que dois conjuntos têm o mesmo

Leia mais

HISTÓRIA DO PI Como se sabe

HISTÓRIA DO PI Como se sabe HISTÓRIA DO PI Como se sabe π ( pi ), é o número mais famoso da história universal, o qual recebeu um nome próprio, um nome grego, pois embora seja um número, não pode ser escrito com um número finito

Leia mais

ÁREA DO CONHECIMENTO: RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 3º ANO EF

ÁREA DO CONHECIMENTO: RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 3º ANO EF Compras com Real Aula Multimídia MT - Interface 1 - Pág. 43 Naturais e Sistema de Numeração Decimal OB001 OB002 OB003 OB004 OB005 Reconhecer e aplicar os números em diversos contextos e situaçõesproblema.

Leia mais

Conteúdo 1 - História da Escrita. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 1 - História da Escrita. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 1 - História da Escrita professor Rafael Hoffmann Pinturas das cavernas de Lascoux (15000 e 13000 a.c.) Pi Sheng Cuneiforme: 3200 a.c. Hieróglifos: 3000 a.c. Sistemas baseados em pictogramas Pictogramas

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO Matemática 1º ano Capítulo 1 Noções e conceitos Comparar e diferenciar grandezas e medidas (comprimento, massa, capacidade, tempo), estabelecendo

Leia mais

Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo

Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo Ano : 1º ano Ano letivo 2013.2014 Disciplina : MATEMÁTICA Turmas: 1º ano Professores: todos os docentes do 1º ano Números e Operações Números naturais 1- Contar até cem 1. Verificar que dois conjuntos

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

1 x 10 3 = x 10 2 = x 10 1 = x 10 0 = 8 + Total

1 x 10 3 = x 10 2 = x 10 1 = x 10 0 = 8 + Total Cursos Técnicos Habilitações Plenas Eletrônica Digital Professor Arnaldo Sistemas de Numeração Bases Numéricas - Conversões Op. Sistema de Numeração Decimal Composto pela Base 10 e pelos Símbolos ( Algarismos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 1

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 1 PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 1 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES NÚMEROS E OPERAÇÕES Contar até cem Verificar que dois conjuntos têm o mesmo número de elementos ou determinar qual dos dois é mais numeroso

Leia mais

1º Ano do Ensino Fundamental Vamos estudar para as Avaliações!!

1º Ano do Ensino Fundamental Vamos estudar para as Avaliações!! Em: 16/04/2013. 1º Ano do Ensino Fundamental Vamos estudar para as Avaliações!! Artes _ 18/04 (5ª feira). _ Noção Corporal _ As mãos (pág. 8) _ Frente e Costas (pág. 9) Ciências _ 19/04 (6ª feira). _ O

Leia mais

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações 1. A Base de Nosso Sistema Numérico Se observarmos a história, nós veremos que os primeiros números usados pelos humanos

Leia mais

Mat 9 Números Reais. . π Cláudia Maria Diegues Araújo 1/23

Mat 9 Números Reais. . π Cláudia Maria Diegues Araújo 1/23 .. 1 2... 2, 05050505050505....-3-2-10123456789101112131415161718192021222324252627282930313233343536373839404142434445464748495051525354555657585960616263646566676869707172737475767778798081828384858687888990919293949596979899100....

Leia mais

Sistemas Digitais. Prof. Valbério Gonzaga

Sistemas Digitais. Prof. Valbério Gonzaga Sistemas Digitais Prof. Valbério Gonzaga Introdução. Hoje em dia, o termo digital tornou-se parte do nosso vocabulário diário. Isso se deve a sua ampla utilização em quase todas as áreas: Computadores,

Leia mais

Arquitetura e Organização de computadores

Arquitetura e Organização de computadores Arquitetura e Organização de computadores Aula 4: Sistemas de Numeração Prof. MSc. Pedro Brandão Neto pedroobn@gmail.com Sistemas de Informação - UNDB Introdução (I) Desde os primórdios da sua história

Leia mais

AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil

AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil A Educação Infantil é considerada, como a primeira etapa da educação básica, no Brasil, a partir de 1996. Os eixos de trabalho orientados à construção

Leia mais

1 bases numéricas. capítulo

1 bases numéricas. capítulo capítulo 1 bases numéricas Os números são representados no sistema decimal, mas os computadores utilizam o sistema binário. Embora empreguem símbolos distintos, os dois sistemas formam números a partir

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O SISTEMA ANGLO DE ENSINO Prova Anglo P-02 Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O 01. B 07. B 13. D 19. D 02. D 08. D 14. C 20. D 03. A 09. C 15. D 21. D 04. C 10. A 16. B 22. B 05. C 11. C 17. C 00 06. D 12. A

Leia mais

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA I MAT 341 INTRODUÇÃO

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA I MAT 341 INTRODUÇÃO HISTÓRIA DA MATEMÁTICA I MAT 341 INTRODUÇÃO 2016 2 Antonio Carlos Brolezzi IME-USP 1. AS FONTES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA ANTIGA E MEDIEVAL Dificuldades especiais para estudar a matemática das civilizações

Leia mais

Planejamento de Curso de Matemática para a 5º serie.

Planejamento de Curso de Matemática para a 5º serie. Planejamento de Curso de Matemática para a 5º serie. 1º O conteúdo trabalhado no ano será: Obs: Todos os conteúdos antes de serem iniciados devem ter o contexto histórico passado. 1º Modulo Conjuntos:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 2º ANO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 2º ANO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO EM MATEMÁTICA 2º ANO ESCOLA ANO LETIVO PROFESSOR(A) DATA: / / NÚMERO E OPERAÇÕES identificar conceitos espaciais. Identificar a localização de pessoas e/ou objeto tendo:

Leia mais

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco.

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco. ÁBACO VERTICAL É de extrema importância que os alunos construam os conceitos de número já nas séries iniciais, a fim de que estes evoluam do concreto aos estágios de abstração. Os Parâmetros Curriculares

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

OFICINA DA PESQUISA. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: LÓGICA MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL APOSTILA 6 TEORIA DOS CONJUNTOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES 1.º CEB PLANIFICAÇÃO MENSAL - Matemática 2.º Ano /2016

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES 1.º CEB PLANIFICAÇÃO MENSAL - Matemática 2.º Ano /2016 Domínio: Geometria e Medida - NO2 Localização e orientação no espaço Direções no espaço relativamente a um observador. Voltas inteiras, meias voltas, quartos de volta, viragens à direita e à esquerda.

Leia mais

Aula 4: Bases Numéricas

Aula 4: Bases Numéricas Aula 4: Bases Numéricas Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Bases Numéricas FAC 1 / 36 Introdução e Justificativa Diego Passos (UFF)

Leia mais

APOSTILA COM MATERIAL DOURADO E SND ATÉ 99

APOSTILA COM MATERIAL DOURADO E SND ATÉ 99 ESCOLA: PROFESSOR(A): SÉRIE: ALUNO(A): APOSTILA COM MATERIAL DOURADO E SND ATÉ 99 Elaborado por Eleúzia Lins da Silva As atividades da Apostila com Material Dourado e SND até 99, possui Registro de Direito

Leia mais

Por que História? Por que História da Matemática?

Por que História? Por que História da Matemática? Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva SP Curso de Licenciatura em Matemática 3º ano História da Matemática Prof. M.Sc. Fabricio Eduardo Ferreira fabricio@fafica.br Por que História? A história

Leia mais

Caderno de Acompanhamento Progressão Aritmética e Função Afim Escola Estadual Judith Vianna. Estudante: Turma:

Caderno de Acompanhamento Progressão Aritmética e Função Afim Escola Estadual Judith Vianna. Estudante: Turma: Estudante: Turma: Sequências A natureza apresenta padrões e regularidades. Dessa forma, muitas teorias matemáticas são desenvolvidas a partir do estudo desses padrões e regularidades. Por exemplo, o estudo

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa 1º CICLO MATEMÁTICA 2º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE Grupo 1.ºCiclo. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2014/2015

DEPARTAMENTO DE Grupo 1.ºCiclo. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 110 - Grupo 1.ºCiclo Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática 2.º ano 2014/2015 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos

Leia mais

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 Resumo O aprendizado das operações fundamentais, sendo elas a adição, a subtração, a multiplicação e a divisão,

Leia mais

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Ano letivo 2015 / 16 Matriz Curricular 1º Ciclo Ano Letivo: 2015 / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Nº total de dias letivos 164 dias Nº de dias letivos 1º período - 64 dias 2º período - 52

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma base de numeração Apresentar o conceito de notação posicional

Leia mais

MATEMÁTICA - 2º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos

MATEMÁTICA - 2º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos MATEMÁTICA - 2º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Números naturais Noção de número natural Relações numéricas Sistema de numeração decimal Classificar e ordenar de acordo com um dado critério. Realizar contagens

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Visão Geral 1 2 3 4 Representações Numéricas Notação Posicional Notação Binária Conversões

Leia mais

A construção do Sistema de Numeração Decimal SND e Testagem com criança de 6 a 9 anos

A construção do Sistema de Numeração Decimal SND e Testagem com criança de 6 a 9 anos A construção do Sistema de Numeração Decimal SND e Testagem com criança de 6 a 9 anos *as idades são referências, podem variar conforme o contexto Curso Construção de jogos, materiais e atividades de Matemática

Leia mais

HARDWARE SISTEMA NUMÉRICO E CODIFICAÇÃO. Wagner de Oliveira

HARDWARE SISTEMA NUMÉRICO E CODIFICAÇÃO. Wagner de Oliveira HARDWARE SISTEMA NUMÉRICO E CODIFICAÇÃO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Sistemas de Numeração Base de um Sistema Notação Posicional Sistema Binário (Base dois) Sistema Hexadecimal (Base 16) Codificação BCD

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS. Professor: Marcelo Silva Natal - RN, agosto de 2013.

TEORIA DOS CONJUNTOS. Professor: Marcelo Silva Natal - RN, agosto de 2013. TEORIA DOS CONJUNTOS Professor: Marcelo Silva marcelo.silva@ifrn.edu.br Natal - RN, agosto de 2013. 1 INTRODUÇÃO Um funcionário do departamento de seleção de pessoal de uma indústria automobilística, analisando

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 6.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LECTIVO 2012/2013 Compreender a noção de volume. VOLUMES Reconhecer

Leia mais

Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo

Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo Ano 4º Ano letivo 2013.2014 Disciplina: Matemática Turmas: 4º ano Professores: todos os docentes do 4º

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes A A Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2 A A Aula 2.2 Conteúdo Pré-História II. 3 A A Habilidade Entender as idades

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) MATEMÁTCA DOMÍNO/ UDOMÍNO Números e Operações Números naturais OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE 1. Conhecer os numerais ordinais 2. Contar até um milhão 3.

Leia mais

Os ângulos estão sempre presentes em nossa vida e quase não nos damos conta disso. Quer ver?

Os ângulos estão sempre presentes em nossa vida e quase não nos damos conta disso. Quer ver? Se você observar um ângulo de 20 (20 graus) por uma lente que aumenta quatro vezes um objeto, qual será a amplitude (ou abertura) do ângulo visto por você através da lente? Um avião parte de uma cidade

Leia mais

Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato

Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 24 e 25/05/2011 Matemática na Educação Infantil Do concreto ao

Leia mais

AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE

AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE - 2013 2º ANO A Leitura de textos instrucionais; Percepção de que o gênero é organizado em duas partes: lista de materiais e modo de fazer; Reconhecimento da importância

Leia mais

Os Infinitos de Cantor. Série Matemática na Escola

Os Infinitos de Cantor. Série Matemática na Escola Os Infinitos de Cantor Série Matemática na Escola Objetivos 1. Abordar os temas de cardinalidade, conjuntos e subconjuntos infinitos, correspondência biunívoca; 2. Apresentar uma demonstração matemática

Leia mais

Matriz de Referência de Matemática* SAEPI Temas e seus Descritores 5º ano do Ensino Fundamental

Matriz de Referência de Matemática* SAEPI Temas e seus Descritores 5º ano do Ensino Fundamental MATEMÁTICA - 5º EF Matriz de Referência de Matemática* SAEPI Temas e seus Descritores 5º ano do Ensino Fundamental Identificar a localização/movimentação de objeto em mapas, croquis e outras representações

Leia mais

Unidade 2: Sistemas de Numeração Numerais Binários e Bases de Potência de Dois Prof. Daniel Caetano

Unidade 2: Sistemas de Numeração Numerais Binários e Bases de Potência de Dois Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: /8/ Unidade : Sistemas de Numeração Numerais Binários e Bases de Potência de Dois Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as diferentes bases numéricas,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD DGEstE/DSRN. Ano Letivo 2016/ Conteúdos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD DGEstE/DSRN. Ano Letivo 2016/ Conteúdos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD. 153000 DGEstE/DSRN Ano Letivo 2016/ 2017 1ºano Plano Curricular 1ºciclo Área: MATEMÁTICA UNIDADE 1 geometria e medida Localização e orientação no espaço

Leia mais

MATEMÁTICA 4º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Ler e representar números, pelo menos até ao milhão.

MATEMÁTICA 4º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Ler e representar números, pelo menos até ao milhão. MATEMÁTICA 4º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Números naturais Relações numéricas Múltiplos e divisores Realizar contagens progressivas e regressivas a partir de números dados. Comparar números e ordená-los em

Leia mais

EB1 de. MATEMÀTICA Nome Data / / Tarefa: Quadro da centena de milhar e quadro do milhão

EB1 de. MATEMÀTICA Nome Data / / Tarefa: Quadro da centena de milhar e quadro do milhão Tarefa: Quadro da centena de milhar e quadro do milhão Os alunos completam e exploram tabelas com números de 1000 em 1000 e de 10000 em 10000, como apoio na contagem de números até ao milhão. O quadro

Leia mais

Trabalhando com o material dourado ou similares

Trabalhando com o material dourado ou similares Essa atividade com o material dourado tem por objetivo facilitar a compreensão do aluno de forma concreta em relação ao sistema de numeração decimal. Composto por cubinhos, barrinhas e placas, esse material

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Ler e representar números até ao milhão.

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Ler e representar números até ao milhão. ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLAS do 1.ºCICLO: N.º1 de Abrantes, Alvega, Alvega/Concavada, Bemposta, Carvalhal, Mouriscas, Maria Lucília Moita, Pego e Rossio ao Sul do Tejo

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-2 tipo D-3 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 3º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 3

Leia mais

Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva SP Al Khwarizmi al-jabr

Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva SP Al Khwarizmi al-jabr Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva SP Curso de Licenciatura em Matemática 3º ano Prática de Ensino da Matemática III Prof. M.Sc. Fabricio Eduardo Ferreira fabricio@fafica.br Estudo da

Leia mais

Conteúdos das avaliações do 2º Bimestre. Vamos estudar?

Conteúdos das avaliações do 2º Bimestre. Vamos estudar? 1º Ano Ensino Fundamental Vamos estudar? 24/06 (segunda-feira) Geografia: Na escola (pág:58). Observando uma paisagem (pág:62). A convivência na escola (pág:63). 25/06(terça-feira) Ciências: A Alimentação

Leia mais

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Ensino Fundamental 2 Nome N o 6 o ano História Prof. Caco Data / / Ficha 5 OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Norberto Luiz Guarinello I. Orientações: Assinale V (verdadeiro) ou F (falso) e explique a sua

Leia mais

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE MATEMÁTICA PROVA - 3º BIMESTRE 2011 2º ANO Reconhecer e utilizar

Leia mais

MATEMÁTICA 3º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Currículo Paulo VI. Números naturais. Relações numéricas Múltiplos e divisores

MATEMÁTICA 3º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Currículo Paulo VI. Números naturais. Relações numéricas Múltiplos e divisores MATEMÁTICA 3º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Tópicos Números naturais Relações numéricas Múltiplos e divisores Novo programa de matemática Objetivos específicos Realizar contagens progressivas e regressivas a

Leia mais