Ectoparasitas e Animais Peçonhentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ectoparasitas e Animais Peçonhentos"

Transcrição

1 Escola Técnica Aberta do Brasil Vigilância em Saúde Ectoparasitas e Animais Peçonhentos Wilson da Silva Ministério da Educação

2

3 Escola Técnica Aberta do Brasil Vigilância em Saúde Ectoparasitas e Animais Peçonhentos Wilson da Silva Montes Claros - MG 2011

4 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância Carlos Eduardo Bielschowsky Coordenadora Geral do e-tec Brasil Iracy de Almeida Gallo Ritzmann Governador do Estado de Minas Gerais Antônio Augusto Junho Anastasia Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Alberto Duque Portugal Reitor João dos Reis Canela Vice-Reitora Maria Ivete Soares de Almeida Pró-Reitora de Ensino Anete Marília Pereira Diretor de Documentação e Informações Huagner Cardoso da Silva Coordenador do Ensino Profissionalizante Edson Crisóstomo dos Santos Diretor do Centro de Educação Profissonal e Tecnólogica - CEPT Maísa Tavares de Souza Leite Diretor do Centro de Educação à Distância - CEAD Jânio Marques Dias Coordenadora do e-tec Brasil/Unimontes Rita Tavares de Mello Coordenadora Adjunta do e-tec Brasil/ CEMF/Unimontes Eliana Soares Barbosa Santos Coordenadores de Cursos: Coordenador do Curso Técnico em Agronegócio Augusto Guilherme Dias Coordenador do Curso Técnico em Comércio Carlos Alberto Meira Coordenador do Curso Técnico em Meio Ambiente Edna Helenice Almeida Coordenador do Curso Técnico em Informática Frederico Bida de Oliveira Coordenador do Curso Técnico em Vigilância em Saúde Simária de Jesus Soares Coordenador do Curso Técnico em Gestão em Saúde Zaida Ângela Marinho de Paiva Crispim Ectoparasitas e Animais Peçonhentos Elaboração Wilson da Silva Projeto Gráfico e-tec/mec Supervisão Wendell Brito Mineiro Diagramação Hugo Daniel Duarte Silva Marcos Aurélio de Almeida e Maia Impressão Gráfica RB Digital Designer Instrucional Angélica de Souza Coimbra Franco Kátia Vanelli Leonardo Guedes Oliveira Revisão Maria Ieda Almeida Muniz Patrícia Goulart Tondineli Rita de Cássia Silva Dionísio

5 AULA 1 Alfabetização Digital Apresentação e-tec Brasil/Unimontes Prezado estudante, Bem-vindo ao e-tec Brasil/Unimontes! Você faz parte de uma rede nacional pública de ensino, a Escola Técnica Aberta do Brasil, instituída pelo Decreto nº 6.301, de 12 de dezembro 2007, com o objetivo de democratizar o acesso ao ensino técnico público, na modalidade a distância. O programa é resultado de uma parceria entre o Ministério da Educação, por meio das Secretarias de Educação a Distancia (SEED) e de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC), as universidades e escola técnicas estaduais e federais. A educação a distância no nosso país, de dimensões continentais e grande diversidade regional e cultural, longe de distanciar, aproxima as pessoas ao garantir acesso à educação de qualidade, e promover o fortalecimento da formação de jovens moradores de regiões distantes, geograficamente ou economicamente, dos grandes centros. O e-tec Brasil/Unimontes leva os cursos técnicos a locais distantes das instituições de ensino e para a periferia das grandes cidades, incentivando os jovens a concluir o ensino médio. Os cursos são ofertados pelas instituições públicas de ensino e o atendimento ao estudante é realizado em escolas-polo integrantes das redes públicas municipais e estaduais. O Ministério da Educação, as instituições públicas de ensino técnico, seus servidores técnicos e professores acreditam que uma educação profissional qualificada integradora do ensino médio e educação técnica, não só é capaz de promover o cidadão com capacidades para produzir, mas também com autonomia diante das diferentes dimensões da realidade: cultural, social, familiar, esportiva, política e ética. Nós acreditamos em você! Desejamos sucesso na sua formação profissional! Ministério da Educação Janeiro de 2010 Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 3

6

7 AULA 1 Alfabetização Digital Indicação de ícones Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual. Atenção: indica pontos de maior relevância no texto. Saiba mais: oferece novas informações que enriquecem o assunto ou curiosidades e notícias recentes relacionadas ao tema estudado. Glossário: indica a definição de um termo, palavra ou expressão utilizada no texto. Mídias integradas: possibilita que os estudantes desenvolvam atividades empregando diferentes mídias: vídeos, filmes, jornais, ambiente AVEA e outras. Atividades de aprendizagem: apresenta atividades em diferentes níveis de aprendizagem para que o estudante possa realizá-las e conferir o seu domínio do tema estudado. Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 5

8

9 AULA 1 Alfabetização Digital Sumário Palavra do professor conteudista Projeto instrucional Aula 1 Ectoparasitas: conceito e pulgas Conceitos de ectoparasitas Biologia e comportamento das pulgas As espécies mais importantes na saúde pública Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 2 Ectoparasitas: pulgas Métodos de prevenção Métodos de controle mecânico Controle químico...23 Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 3 Ectoparasitas: bicho-de-pé Biologia e comportamento do bicho de pé Sintomas de Tunga penetran Métodos de prevenção Métodos de controle...29 Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 4 Ectoparasitas: piolhos da cabeça em humanos Biologia e comportamento do piolho da cabeça Sintomas de Pediculus humanus var capitis Métodos de prevenção Métodos de controle...34 Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 5 Ectoparasitas: percevejo de cama Biologia e comportamento do percevejo de cama Sintomas de Cimex lectularius Métodos de prevenção do percevejo de cama Métodos de controle...40 Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 6 Ectoparasitas: ácaros do pó doméstico Biologia e comportamento do ácaro Sintomas do ácaro da poeira Resumo Atividades de Aprendizagem Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 7

10 Aula 7 Ectoparasitas: ácaros do pó doméstico Métodos de prevenção e de controle Métodos de controle químico Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 8 Ectoparasitas: carrapatos em humanos Biologia e comportamento dos carrapatos Biologia e comportamento do carrapato da família Ixodidae.57 Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 9 Ectoparasitas: carrapatos em humanos Biologia e comportamento do carrapato da família Argasidae Espécies de carrapatos mais comuns no Brasil Doenças transmitidas pelos carrapatos, patógenos veiculados e sintomas Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 10 Ectoparasitas: carrapatos em humanos Métodos de prevenção Métodos de controle...68 Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 11 Ectoparasitas: larva migrans cutânea Biologia e comportamento da larva migrans cutânea Sintomas da larva migrans cutânea (LMC) Tratamento da larva migrans cutânea (LMC) Métodos de prevenção e controle Resumo Atividades de aprendizagem Aula 12 Animais peçonhentos Conceitos de animais peçonhentos e de animais venenosos Medidas de prevenção contra animais peçonhentos e animais. venenosos Resumo Atividades de aprendizagem Aula 13 Animais peçonhentos: Escorpiões Biologia e comportamento dos escorpiões Escorpião: vida, alimentação e hábitos Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 14 Animais peçonhentos: Escorpiões Métodos de prevenção e controle As espécies mais importantes na saúde pública Sintomas, tratamento e primeiros socorros Resumo Vigilância em Saúde

11 Atividades de Aprendizagem Aula 15 Animais peçonhentos: Aranhas Biologia e comportamento das aranhas Métodos de prevenção, controle e sintomas As espécies mais importantes na saúde pública Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 16 Animais peçonhentos: Serpentes Biologia e comportamento das serpentes Métodos de prevenção de acidentes, primeiros socorros e sinto mas As espécies mais importantes na saúde pública no Brasil Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 17 Animais peçonhentos: Lacraias Biologia e comportamento das lacraias Métodos de prevenção de acidentes e sintomas As espécies mais importantes na saúde pública Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 18 Animais peçonhentos: abelhas, vespas e formigas Biologia e comportamento das abelhas, vespas e formigas Métodos de prevenção de acidentes com abelhas, vespas e for migas, primeiros socorros e sintomas As espécies mais importantes na saúde pública no Brasil Resumo Atividades de Aprendizagem Aula 19 Animais peçonhentos: lagartas Biologia e diferenças entre borboletas e mariposas Lepidóptera: Lonomia obliqua chamada de taturana assassi.. na Acidentes com taturanas da família Saturniidae Resumo Atividades de Aprendizagem Referências Currículo do professor conteudista Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 9

12

13 AULA 1 Alfabetização Digital Palavra do professor conteudista Prezados alunos, sejam todos bem-vindos. É com grande entusiasmo que estamos iniciando a nossa disciplina: Ectoparasitas e Animais Peçonhentos. O nosso objetivo nesta disciplina é dar conhecimento a todos os alunos em Vigilância em Saúde, no módulo referente as Zoonoses, principalmente, às oriundas das ectoparasitas e dos animais peçonhentos; compreender como se deve referir às atividades de prevenção das doenças e manejo ambiental e, como as diferentes espécies de ectoparasitas e animais peçonhentos provocam acidentes aos seres humanos; mobilizar ações de prevenção e controle das zoonoses, especialmente, no ambiente domiciliar e peridomiciliar; bem como, conscientizar a população quanto à importância da limpeza em todos os espaços da comunidade e quanto às condições do terreno adequadas para que haja o controle dos ectoparasitas e dos animais peçonhentos. Apresentamos aqui uma visão abrangente da disciplina, distribuída em aulas, com vários tópicos importantes, como definição de ectoparasitas - biologia, comportamento, prevenção, controle e importância dos ectoparasitas como pulgas, bicho-de-pé, piolho da cabeça, percevejo de cama, ácaros do pó doméstico, carrapatos em humanos e larva migrans cutânea na saúde pública. Apresentamos, ainda, conceitos de animais peçonhentos e venenosos - biologia, comportamento, prevenção, controle, acidentes e importância dos animais peçonhentos como escorpiões, aranha, serpente, lacraias, abelhas, vespas, formigas e lagartas na saúde pública e outros tópicos complementares da disciplina que são imprescindíveis para sua formação. São temas que irão lhes auxiliar na sua formação profissional e pessoal. Busquei, de forma simples e resumida, contextualizar a nossa disciplina para melhor compreensão, no intuito de atingirmos os objetivos propostos. Ressaltamos que se torna necessário o conhecimento de conceitos relativos à disciplina, bem como, a interpretação de tabelas e figuras. Desejo todo o êxito na conclusão da nossa disciplina. Que o seu aprendizado eleve o seu conhecimento. Estou certo de que edificaremos, juntos, esta caminhada. Portanto, vamos começar os nossos estudos. Abraços cordiais. Prof. Wilson da Silva Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 11

14

15 AULA 1 Alfabetização Digital Projeto instrucional Disciplina: Ectoparasitas e Animais Peçonhentos (carga horária: 60 h). Ementa: Ectoparasitas e Animais Peçonhentos: saneamento básico e do meio: saneamento do ar, da água e do lixo, das habitações e dos locais de trabalho; seleção, descarte e reciclagem de lixo; epidemiologia: prevenção e controle de doenças infecto-contagiosas e infecto-parasitárias; noções sobre o método epidemiológico, métodos de investigação, tipos de estudo, conceito de risco, medidas das doenças, indicadores de saúde, análise de dados, aplicações e usos da Epidemiologia; fundamentos de saúde pública. AULA OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM MATERIAIS CARGA HORÁRIA Aula 1 Ectoparasitas: conceito e pulgas Inserir o conhecimento em ectoparasitas, biologia e comportamento das pulgas Caderno didático. 03 Aula 2 Ectoparasitas: pulgas Oferecer uma visão sobre métodos de prevenção, controle mecânico e químico das pulgas. Caderno didático. 03 Aula 3 Ectoparasitas: bicho-de-pé Conhecer a importância da biologia, comportamento, sintomas, prevenção, controle de bicho-de-pé, Tunga penetran. Caderno didático. 03 Aula 4 Ectoparasitas: piolhos da cabeça em humanos Descrever a importância da biologia, comportamento, sintomas, prevenção, controle de piolhos da cabeça, Pediculus humanus var capitis. Caderno didático. 03 Aula 5 Ectoparasitas: percevejo de cama Conhecer a importância da biologia, comportamento, sintomas, prevenção, controle do percevejo de cama, Cimex lectularius. Caderno didático. 03 Aula 6 Ectoparasitas: ácaros do pó doméstico Entender a importância da biologia, comportamento e sintomas do ácaro da poeira. Caderno didático. 03 Aula 7 Ectoparasitas: ácaros do pó doméstico Oferecer uma visão sobre métodos de prevenção e de controle do ácaro da poeira. Caderno didático. 03 Aula 8 Ectoparasitas: carrapatos em humanos Conhecer a importância da biologia, comportamento do carrapato da família Ixodidae Caderno didático. 03 Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 13

16 Aula 9 Ectoparasitas: carrapatos em humanos Entender a importância da biologia, comportamento, sintomas do carrapato da família Argasidae e outras espécies de carrapatos mais comuns no Brasil. Caderno didático. 03 Aula 10 Ectoparasitas: carrapatos em humanos Oferecer uma visão sobre métodos de prevenção e controle dos carrapatos. Caderno didático. 03 Aula 11 Ectoparasitas: larva migrans cutânea Entender a importância da biologia, comportamento, sintomas, tratamento e métodos de prevenção e controle da larva migrans cutânea. Aula 12 Animais peçonhentos Identificar os conceitos de animais peçonhentos e venenosos e medidas de prevenção. Caderno didático. 03 Aula 13 Animais peçonhentos: Escorpiões Conhecer a importância da biologia, comportamento, sintomas, vida, alimentação e hábitos do escorpião. Caderno didático. 03 Aula 14 Animais peçonhentos: Escorpiões Entender a importância dos sintomas, método de prevenção e controle das espécies escorpiões mais importantes na saúde pública. Caderno didático. 03 Aula 15 Animais peçonhentos: Aranhas Conhecer a importância da biologia, comportamento, método de prevenção, controle e espécies de aranhas mais importantes na saúde pública. Caderno didático. 03 Aula 16 Animais peçonhentos: Serpentes Descrever a importância da biologia, comportamento, prevenção, sintomas das serpentes. Caderno didático. 03 Aula 17 Animais peçonhentos: Lacraias Entender a importância da biologia, comportamento, prevenção de acidentes, primeiros socorros e sintomas das lacraias. Caderno didático. 03 Aula 18 Animais peçonhentos: abelhas, vespas e formigas Descrever a importância da biologia, comportamento, método de prevenção, controle e espécies mais importantes das abelhas, vespas e formigas. Caderno didático. 03 Aula 19 Animais peçonhentos: lagartas Conhecer a biologia e a diferença entre borboletas e mariposas, importância sobre Lonomia obliqua e acidentes com taturanas. Caderno didático. 03 Aula 20 Ectoparasitas: larva migrans cutânea Entender a importância da biologia, comportamento, sintomas, tratamento e métodos de prevenção e controle da larva migrans cutânea. 14 Vigilância em Saúde

17 AULA 1 Alfabetização Digital Aula 1 Ectoparasitas: conceito e pulgas Objetivos Inserir o conhecimento em ectoparasitas; Descrever a importância da biologia e do comportamento das pulgas; Listar as espécies mais importantes de pulgas na saúde pública. 1.1 Conceitos de ectoparasitas São indivíduos denominados por ectoparasitas ou parasitas externos os que vivem sobre o corpo do hospedeiro, no exterior do corpo do hospedeiro. Como exemplos há os carrapatos, as pulgas, os piolhos, o percevejo de cama, os ácaros, o bicho-de-pé e a larva migrans cutânea. Há outros conceitos sobre ectoparasitas, de acordo com Hopla: Ectoparasitas são organismos que habitam a pele de um outro organismo, denominado hospedeiro, por determinado período de tempo, dependendo totalmente de seus hospedeiros para sua sobrevivência, podendo ter efeito prejudicial na saúde destes.(hopla et al. 1994). 1.2 Biologia e comportamento das pulgas As pulgas são ectoparasitos que pertencem à ordem Siphonaptera, parasitando aves e mamíferos. Pequenos insetos com menos de 5 milímetros de comprimento e sem asas, possuem três pares de pernas extremamente fortes, especialmente o par posterior, que possibilitam as pulgas se movimentarem velozmente e pularem distâncias muito maiores que o comprimento de seu corpo. São achatadas, verticalmente, o que facilita seu movimento entre os pêlos ou penas do hospedeiro. As partes bucais são adaptadas para cortar a pele e sugar o sangue do hospedeiro. Os olhos são reduzidos ou mesmo ausentes. Elas possuem coloração marrom avermelhada, corpo endurecido, que é difícil de esmagar entre os dedos para matar. É importante ressaltar que as pulgas infestam locais com tranquilidade, dentro de casa ou em outros abrigos que são lugares propícios para o seu desenvolvimento. A falta de movimento facilita os processos biológicos que induzem as larvas a eclodirem dos ovos e os adultos a saírem de suas pupas. Precisamos ressaltar que as pulgas trazem desconforto com sensação de coceiras ao corpo do homem e dos animais, além de proporcionarem doenças como dermatites alérgicas e algumas doenças originadas por bacté- Caro aluno, repare como este ponto é importante. Os inseticidas são impenetráveis nos ovos e nas pupas das pulgas, ou seja, não as eliminam. Para as larvas e os adultos da pulga, os inseticidas são eficazes. Deste modo, o controle deste inseto deve ser feito por meio de medidas preventivas ou curativas (de controle) mais utilizados. Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 15

18 Caro estudante, somente o adulto das pulgas é hematófago, isto é, alimenta-se de sangue. rias, como peste bubônica, tularemia e salmonelose. Elas também transmitem vermes e viroses. Embora alguns indivíduos não sintam as picadas das pulgas, a irritação causada pelas secreções salivares delas pode se agravar em algumas pessoas. É interessante que certos indivíduos sofrem uma reação severa resultante de infecções secundárias causadas pela ação de coçar a área irritada. Por exemplo, as picadas nas pernas e no tornozelo podem, em alguns sujeitos, causar dor e, esta pode durar alguns minutos, horas ou dias, que dependerá da sensibilidade da pessoa. Contudo, em certas pessoas não acontece qualquer reação. A reação típica da picada é a formação de uma pequena mancha dura, avermelhada, com um ponto em seu centro. O ciclo biológico das pulgas abrange a fase de ovo, larva, pupa e adulto. Este ciclo é concluído aproximadamente com 30 dias, e dependerá das condições de umidade da temperatura ambiente. Pode-se afirmar sem nenhuma dúvida que a pulga fêmea, alguns dias após a fecundação, põe na superfície da pele de seu hospedeiro, comumente, cães, gatos e ratos, uma quantidade de 200 a 400 ovos por dia, esses ovos podem cair no solo com o movimento dos hospedeiros. Os ovos, quando caem no solo, podem liberar a primeira larva, no período de dois até 14 dias, dependendo das condições ambientais: umidade e temperatura. As três fases de larva que se seguem, muito pequenas, alimentam-se principalmente das fezes das pulgas adultas, que contêm sangue semidigerido. Cerca de 7 a 10 dias depois, a larva III procura um local seco com ciscos e poeira para formar um casulo, no interior do qual vai desenvolver-se a pupa. É interessante lembrar que no intervalo de sete a quatorze dias após, estará concluído, dentro do pupário, um pré-adulto completado para emergir, se as condições ambientais forem favoráveis. No entanto, em condições ambientais desfavoráveis, o pré-adulto poderá continuar no interior do casulo por um período de doze meses sem se alimentar. Assim que a pulga adulta emergir do casulo, fica faminta e começa a dar enormes saltos até atingir seu hospedeiro, um cão ou um gato (às vezes uma pessoa) onde procura sugar sangue. Depois de alimentados, machos e fêmeas podem copular tanto sobre o hospedeiro quanto no solo, reiniciando o ciclo. Os ovos das pulgas podem ser colocados sobre o hospedeiro, no chão ou em seu ninho. Eles têm uma coloração clara, formato oval e liso, como mostra a figura abaixo. Figura 1: Ciclo biológico: os ovos da pulga. Fonte: Disponível em: <http://www.casa-sem-inseto.com.br/pulgas.htm>. Acesso em: 06/08/ Vigilância em Saúde

19 As larvas das pulgas não sugam sangue, não têm pernas, nem enxergam; por isso, evitam a luz solar. Depois da eclosão, a larva alimenta-se de fezes das pulgas adultas, pêlo, penas e pele. Por este motivo, os adultos ingerem mais sangue do que precisam. Sendo assim, uma pulga pode alimentar-se de duas a três vezes ao dia e cada tempo de alimentação dura cerca de dez minutos. A hematofagia é desempenhada tanto de dia como de noite, e é essencial para que as fêmeas possam colocar seus ovos. Depois da alimentação, a pulga segrega gotículas de sangue pelo ânus, que, na maioria das vezes, vêm misturadas com as fezes. Será um sinal de que as pulgas estão presentes, quando forem encontradas essas gotículas ressecadas em roupas ou nos pêlos do animal. Figura 2: Ciclo biológico: as larvas da pulga. Fonte: Disponível em: <http://www.casa-sem-inseto.com.br/pulgas.htm>. Acesso em: 07/08/2011. É importante observar que, no ciclo de vida das pulgas, as pupas têm uma cavidade de seda fabricada pela larva de último instar, que permanecem coladas aos pêlos de animais, poeira e outras sujeiras. No período de 5 a 14 dias as pulgas adultas saem ou continuam em descanso dentro do casulo até a detecção de alguma vibração, que pode ser causada pela circulação do homem ou de algum animal quando estas se põem sobre ele. É curioso notar que o nascimento da pulga pode ser originado por barulho, vibração, calor ou pela presença de dióxido de carbono, que significa que uma fonte potencial de alimento está presente. Falando um pouco mais sobre ciclo de vida das pulgas, ressaltamos que as fêmeas adultas só conseguem colocar seus ovos após fazerem uma refeição. Já os adultos (fêmeas e machos) são capazes de sobreviver sem se alimentar num período de dois a doze meses. Às vezes, as pessoas ficam ausentes de suas residências por alguns meses e, ao retornarem, podem encontrar a casa infestada por estes insetos, principalmente, quando a casa se encontrar fechada e sem hospedeiros, principalmente, com gatos e cães. Assim que as pessoas retornam, elas são atacadas pelas pulgas que nasceram no período de ausência. Instar: é estágio de crescimento entre duas mutações (transformações) sucessivas Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 17

20 Figura 3: Ciclo biológico da pulga. Fonte: Disponível em: <http://www.casa-sem-inseto.com.br/pulgas.htm>. Acesso em: 07/08/2011. Pesquisas realizadas em condições de laboratório concluíram que Pulex irritans pode viver até 513 dias e Xenopsylla cheopis 100 dias. Estas duas espécies são extraordinárias saltadoras. Na posição vertical, elas saltam a uma altura próxima de 18 cm e na posição horizontal podem alcançar 33 cm. Falando um pouco mais sobre o comportamento das pulgas, deve- -se notar que a sua longevidade é variável e depende da espécie e também de outros fatores, como umidade e temperatura do ambiente, da atividade e do estado de nutrição delas. Portanto, algumas pesquisas apontam sobre longevidade de cada espécie desse inseto, de acordo, com o grupo de pulgas estarem alimentadas ou sem alimentos. Os resultados foram: Xenopsylla cheopis (pulga do rato): alimentada, vive 100 dias; sem alimento, 38 dias; Pulex irritans (pulga do homem): alimentada, vive 513 dias; sem alimento, 125 dias; Ctenocephalides canis (pulga do cão e do gato): alimentada, vive 234 dias; sem alimento, 58 dias. 1.3 As espécies mais importantes na saúde pública As principais pulgas domésticas são, em nosso país, Ctenocephalides felis (a pulga do gato) e Ctenocephalides canis (a pulga do cão). É interresante salientar que a Pulex irritans não é tida como a pulga do ser humano; na verdade, é uma pulga de hospedeiro indefinido, podendo sugar igualmente cães, gatos, suínos, aves, etc., sendo uma espécie que se encontra em grande parte do globo terrestre. Os roedores têm na Xenopsylla cheopis e 18 Vigilância em Saúde

21 na Xenopsylla brasiliensis seus principais ectoparasitas, transmissores potenciais da temível peste bubônica em algumas regiões do Brasil. Figura 4: A pulga do homem (Pulex irritans). Fonte: Disponível em: <http://www.protech-online.com.br/pulgas.htm>. Acesso em 08/08/2011. A pulga do gato (Ctenocephalides felis felis) tem a habilidade de transmitir doenças e alergia ao ser humano. Esta espécie agride diversos hospedeiros, entre os quais estão o homem, o cão, o rato e o gato. Já a pulga do cão (Ctenocephalides canis), mais atuante em regiões de clima frio, não é a mais frequente encontrada neste hospedeiro; muitas das vezes, o cão possui a espécie Ctenocephalides felis felis. É importante ressaltar que pulga do cão/gato (Ctenocephalides canis/felix) ataca, além do cão, também o gato e o homem, podendo picar rato e outros animais; irá substituir a Pulex irritans ao longo do tempo, tornando-se a principal inimiga do homem. Ctenocephalides canis/felix tem como principal característica possuir uma sutura (prega) dupla no segundo segmento do terceiro par de pernas. Caro aluno, observe como este ponto é importante: Pulex irritans, a pulga do homem, é uma espécie que antigamente se localizava, abundantemente, em domicílio humano; hoje, se encontra praticamente irradicada, e vem sendo substituída gradualmente pela pulga canina (Ctenocephalides canis). Figura 5: A pulga do cão/gato (Ctenocephalides canis/felix). Fonte: Disponível em: <http://www.protech-online.com.br/pulgas.htm>. Acesso em 08/ A pulga do rato (Xenopsylla cheopis) é uma espécie que se encontra na maior parte do globo terrestre e possui grande relevância para a saúde do ser humano, porque ela transmite a peste bubônica. Embora este inseto não seja uma praga doméstica, existem registros de pessoas que foram picadas por Xenopsylla cheopis, em sua casa. O rato é o principal hospedeiro desta espécie de inseto. As principais espécies de ratos que possuem X. cheopis são as ratazanas, ou rato de esgoto, o rato de telhado ou rato preto e o camundongo. X. cheopis ataca o rato e o homem. Suas peculiaridades são a presença de pêlos em seu occipício (parte superior do cefalotórax) e tamanho mais reduzido que outras espécies de pulgas. Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 19

22 Figura 6: A pulga do rato (Xenopsylla cheopis). Fonte: Disponível em: <http://www.protech-online.com.br/pulgas.htm>. Acesso em 07/08/2011. Resumo Nesta aula, você aprendeu: Conceitos de ectoparasitas; Biologia e comportamento das pulgas; As espécies mais importantes na saúde pública. Atividades de aprendizagem 1. Questão. O que é ectoparasita? Dê os exemplos. 2. Questão. Os inseticidas controlam todo estágio de vida da pulga? Justifique. 3. Questão. As pulgas precisam concluir seu ciclo de vida em aproximadamente com 30 dias. Quais são os fatores externos de que as pulgas precisam para completar seu ciclo biológico? Faça um breve comentário sobre o assunto. 20 Vigilância em Saúde

23 AULA 1 Alfabetização Digital Aula 2 Ectoparasitas: pulgas Objetivos Oferecer uma visão sobre métodos de prevenção das pulgas; Explicar o que são os métodos de controle mecânico e químico. 2.1 Métodos de prevenção É importante conservar a higiene diária dos animais domésticos e manutenção de convívio apropriado na residência humana. Além disso, é interessante colocar, continuamente, um material que pode ser um tecido ou uma toalha limpa onde animal vai dormir e, lave este material a cada semana. Agindo, assim, pode dizer que é uma forma de se prevenir invasão de pulgas, pois, os ovos que são depositados sobre o hospedeiro caem no ambiente sobre este material. Desse jeito, os ovos são periodicamente descartados. Precisamos lembrar a importância dos pisos das casas: se eles forem de tacos ou tábuas corridas, ocorrem grandes riscos de todas as frestas servirem de abrigo para pulgas, melhor maneira de evitar os abrigos é vetar as frestas dos assoalhos e rodapés, e, ainda, lavar os tapetes e capachos, periodicamente, para evitar novas infestações. Se houver tapetes ou carpetes, passar o aspirador de pó; e, se possível, colocar esses materiais ao sol durante uma hora. As casas devem ser limpas uma ou duas vezes por semana com o suprimento de um aspirador de pó. Desta maneira, evita-se o acúmulo de poeiras nos tacos, tapetes e outros ambientes. É bom passar no assoalho um tecido umedecido com querosene. Figura 7: Aspirador é um importante aliado na luta contra pulgas. Fonte: Disponível em: <http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.cpt.com.br/imagens/ enviadas/materias/materia1072/aspirador-pulga.jpg&imgrefurl=http://www.afe.com.br/noticia/1072/ eliminar-pulgas-fica-mais-facil-com-o-uso-de-aspirador-de-po&usg= OTk1WPH_iIuvSsJvdIhhnTVAwg4= &h=180&w=262&sz=12&hl=pt-br&start=65&zoom=1&tbnid=uhmorukkjh7yim:&tbnh=77&tbnw=112&ei =Q61yTrepLI--tgeCqryJCg&prev=/images%3Fq%3Dfoto%2Bde%2Bpulgas%2Bcom%2Bcontrole%26start%3D 63%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26tbm%3Disch&itbs=1>. Acesso em 09/08/2011. Ectoparasitas e Animais Peçonhentos 21 Caro aluno, repare como esse ponto é importante. Devem ser descartadas as sujeiras que estiverem dentro do filtro do aspirador, após a limpeza, em locais apropriados, pois, as larvas das pulgas têm a capacidade de eclodir dos ovos recolhidos pelo aspirador e, já as pulgas adultas são capazes de surgir de suas pupas e reinfestar o ambiente.

Manual do Professor. CONTROLE DA PEDICULOSE Um projeto educativo

Manual do Professor. CONTROLE DA PEDICULOSE Um projeto educativo Manual do Professor CONTROLE DA PEDICULOSE Um projeto educativo Professores Carlos Fernando Andrade, Luciana U. dos Santos e Ana Tereza Brandão Cecílio - Departamento de Zoologia - Instituto de Biologia

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

UMA RESPOSTA A SECO É A IDEAL A PEDICULOSE NA ESCOLA. FORMAÇÃO PARA PAIS, PROFESSORES E EDUCADORES

UMA RESPOSTA A SECO É A IDEAL A PEDICULOSE NA ESCOLA. FORMAÇÃO PARA PAIS, PROFESSORES E EDUCADORES UMA RESPOSTA A SECO É A IDEAL A PEDICULOSE NA ESCOLA. FORMAÇÃO PARA PAIS, PROFESSORES E EDUCADORES Tudo o que precisa saber e não soube a quem perguntar - O que são os piolhos? - Podemos evitá-los? - Como

Leia mais

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas.

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Artrópodes Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Todos os artrópodes possuem um exoesqueleto (esqueleto externo), uma carapaça formada

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Curso Wellington:Biologia - Reino Animal - Artrópodes - Aracnídeos - Prof Hilton Franco

Curso Wellington:Biologia - Reino Animal - Artrópodes - Aracnídeos - Prof Hilton Franco 1. Durante uma aula de campo no litoral do Paraná, um aluno fez vários comentários ao encontrar e observar uma série de organismos. Com base em seus conhecimentos sobre os seres vivos, identifique as afirmativas

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 07 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP 0 A alma da gente durante a vida, produz uma quantidade imensa

Leia mais

35 Como o berne aparece no boi?

35 Como o berne aparece no boi? A U A UL LA Como o berne aparece no boi? A criação de gado requer dos fazendeiros, entre outras coisas, o cuidado com a saúde dos animais, pois os bois são atingidos por muitas doenças. Nesta aula vamos

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE]

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE] D [DERMATOFITOSE] 2 A Dermatofitose é uma micose que acomete as camadas superficiais da pele e é causada pelos fungos dermatófitos: Microsporum canis, Microsporum gypseum e Trichophyton mentagrophytes.

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias, depois do banho, até que o cordão do umbigo seque e caia. Isso leva

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

Manejo Ecológico de Pragas

Manejo Ecológico de Pragas Manejo Ecológico de Pragas Eng. Agro. Dr. Marcel Ricardo Tanzini Diretor da Biomax Manejo Ecológico de Pragas Para assegurar que todos os processos de produção estejam de acordo com os rigorosos padrões

Leia mais

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Amanda Claudia de MACHADO, Juliane de Abreu Campos ANTÔNIO, Nayara Silva Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de

Leia mais

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato.

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. LEPTOSPIROSE - O que saber e o que fazer 1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. 2. Como se pega a leptospirose? Em situações

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Conteúdo Saúde Pública Lei 8080 de 19/09/1990; Lei 8142 de 28/12/1990; ABC do SUS Doutrinas e Princípios - Ministério da Saúde; Avanços

Leia mais

O CUIDADO DO ASPECTO EXTERIOR

O CUIDADO DO ASPECTO EXTERIOR A HIGIENE O CUIDADO DO ASPECTO EXTERIOR Não somos uma máquina qualquer! O nosso corpo pode comparar-se a uma máquina, mas é obvio que não a uma máquina qualquer. Em todo o caso, podemos dizer que pensa

Leia mais

Rato morto a mais de uma semana já em estado avançado de decomposição próximo ao bloco E.

Rato morto a mais de uma semana já em estado avançado de decomposição próximo ao bloco E. Campinas, 04 de Agosto de 2009. Universidade Estadual de Campinas Pró-Reitoria de Graduação Programa de Moradia Estudantil Att.: Professor Dr. Luis Antonio Viotto coordenador do PME Manutenção e limpeza

Leia mais

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome.

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome. OS ARTRÓPODES Prof. André Maia Apresentam pernas articuladas com juntas móveis. São triblásticos, celomados e dotados de simetria bilateral. Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa brasileira é uma doença transmitida pelo carrapato-estrela

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

Biossegurança e Controle de Infecções em Serviços de Saúde

Biossegurança e Controle de Infecções em Serviços de Saúde e-tec Brasil/CEMF/Unimontes Escola Técnica Aberta do Brasil Gerência em Saúde Biossegurança e Controle de Infecções em Serviços de Saúde Beatriz Rezende Marinho da Silveira Lauro Victor Souza de Brito

Leia mais

PROTEÇÃO TOTAL CONTRA INSETOS

PROTEÇÃO TOTAL CONTRA INSETOS PROTEÇÃO TOTAL CONTRA INSETOS SONO SEM BICO, SONO PROFUNDO Ninguém gosta da ideia de compartilhar sua cama com um visitante indesejado, e muito menos com um parasita voraz e altamente prolífico como o

Leia mais

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEQUENOS VETORES GRANDES PREJUÍZOS JOÃO MARCILIO DA SILVA REBOUÇAS RIO DE JANEIRO RJ 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PÚBLICO ALVO... 4 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

Gestão da Execução Financeira

Gestão da Execução Financeira Escola Técnica Aberta do Brasil Gerência em Saúde Gestão da Execução Financeira Geny Rodrigues Veloso Ministério da Educação Escola Técnica Aberta do Brasil Gerência em Saúde Gestão da Execução Financeira

Leia mais

Artrópodes. Conceito. Metazoários formados por anéis e com patas articuladas. Cefalotórax e abdome (ácaros, aracnídeos)

Artrópodes. Conceito. Metazoários formados por anéis e com patas articuladas. Cefalotórax e abdome (ácaros, aracnídeos) Artrópodes Conceito Metazoários formados por anéis e com patas articuladas Cefalotórax e abdome (ácaros, aracnídeos) Cabeça, tórax e abdome (insetos) 2 Classes: Aracnida aracnídeos ácaros, escorpiões e

Leia mais

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd Instalação e Uso BB ALERT ACTIVE Bed Bug Monitor BED BUGS 1 Bed Bugs são pequenos, ovais, noturnos e se alimentam do sangue de animais mamíferos, com uma forte preferência por humanos. Eles são similares

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

Por que limpar a casa?

Por que limpar a casa? A UU L AL A Por que limpar a casa? Você, dona de casa, faxineiro, empregada doméstica ou trabalhador que limpa a casa nos finais de semana, sabe o quanto é duro fazer uma boa faxina para deixar tudo limpinho,

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats.

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats. Artrópodes - O filo Arthropoda (Artrópodes) possui um número muito grande de animais, o maior grupo com espécies diferentes; - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em

Leia mais

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g.

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. TETMOSOL Sabonete sulfiram I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TETMOSOL Sabonete sulfiram APRESENTAÇÕES Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

158009.32015.72556.4678.4039841750.595

158009.32015.72556.4678.4039841750.595 158009.32015.72556.4678.4039841750.595 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2015

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Aula: 17.1 Conteúdo: Doenças relacionadas à água I

FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Aula: 17.1 Conteúdo: Doenças relacionadas à água I CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula: 17.1 Conteúdo: Doenças relacionadas à água I 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Identificar algumas

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ APÓS SER FEITA A HIGIENIZAÇÃO DO ESTOFADO ELA SERÁ VÁLIDA POR QUANTO TEMPO? Depende. O recomendado é ser efetuada a cada 6 meses, mas se animais e crianças utilizam muito os estofados esse prazo precisa

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

Série Didática Número 6

Série Didática Número 6 TATURANAS_ O Instituto Butantan, através do Laboratório de Entomologia, realiza pesquisas e identifica insetos de interesse médico que possuem veneno, como por exemplo, taturanas, abelhas e vespas. As

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 POR FAVOR, LEIA ESTE MANUAL ATENTAMENTE ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO Você acabou de adquirir um produto ETERNY, da mais alta qualidade. Agradecemos a sua

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes.

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes. A U A UL LA A vida nas cidades Atenção Leptospirose - Cresce a epidemia 43 pessoas já morreram em São Paulo A epidemia de leptospirose que assola São Paulo atingiu ontem a marca recorde de 1.003 casos

Leia mais

ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS

ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS A poeira domiciliar provoca alergia mesmo em casa bem limpa? Sim. A poeira domiciliar desencadeia crises de coriza aquosa, nariz entupido, coceira

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES DIVAL/GEVAC/NUNOR Brasília, agosto de 2015 ESCORPIÕES 1 - O que é um escorpião? O escorpião, assim como as aranhas, carrapatos, entre outros, são animais que fazem

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Projeto de Educação Ambiental

Projeto de Educação Ambiental Apresenta Projeto de Educação Ambiental A água é o recurso natural mais abundante do planeta. Porém, apenas 0,007% da água de rios e lagos é disponível para consumo, dos quais grande parte está poluída.

Leia mais

Curiosidades A Vida das Abelhas.

Curiosidades A Vida das Abelhas. Curiosidades A Vida das Abelhas. Se as abelhas desaparecessem da face da terra, a espécie humana teria somente mais 4 anos de vida. Sem abelhas não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 2. INFORMAÇÕES GERAIS:

MEMÓRIA DA REUNIÃO 2. INFORMAÇÕES GERAIS: Assunto: Reunião com os alunos da Escola Ulisses Guimarães Altamira e técnicos de saúde da Norte Energia sobre as ações preventivas na área da saúde em virtude da construção de Belo Monte. Redator: Selma

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON Curso: Introdução à Educação Digital Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica Fique de na Dengue! ATENÇÃO: A dengue é uma doença muito dolorosa, deixa

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

IVERMEC UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. COMPRIMIDOS 6 MG

IVERMEC UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. COMPRIMIDOS 6 MG IVERMEC UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. COMPRIMIDOS 6 MG Ivermec ivermectina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES IVERMEC : cartucho contendo 2 ou 4 comprimidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (CRIANÇAS

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS Ao falar de prevenção de acidentes domésticos fazemos um diferencial quanto aos acidentes no lar. Aqui vamos falar de acidentes que ocorrem ao realizar trabalhos domésticos

Leia mais

Micoses. Cuidados e Tratamentos

Micoses. Cuidados e Tratamentos Micoses Cuidados e Tratamentos Micoses Superfi ciais As micoses superficiais da pele são infecções causadas por fungos que atingem a pele, unhas e cabelos. Os fungos estão em toda parte podendo ser encontrados

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

Agora é guerra! Todos contra a dengue.

Agora é guerra! Todos contra a dengue. Agora é guerra! Todos contra a dengue. Sinal de alerta A dengue mata. Neste ano, em Minas Gerais, a doença já matou quase quatro vezes mais que no ano passado. 768 Municípios 20 Municípios Críticos 65

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Devemos ficar atentos a alguns animais que podem atuar como vetores de grande importância para a saúde de uma comunidade:

Devemos ficar atentos a alguns animais que podem atuar como vetores de grande importância para a saúde de uma comunidade: A palavra risco remete à ideia de possibilidade de perigo, ou seja, de que algo ruim pode vir a ocorrer. Para que um risco exista é necessário haver uma ameaça real e uma população (ou apenas uma pessoa)

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. A presença de pus ou de vermelhidão ao redor do umbigo sugere infecção e deve ser avaliada pelo profissional de saúde.

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

LEVERCTIN EMS S/A. Comprimido. 6 mg

LEVERCTIN EMS S/A. Comprimido. 6 mg LEVERCTIN EMS S/A Comprimido 6 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LEVERCTIN ivermectina APRESENTAÇÕES Comprimidos 6 mg: Embalagem com 2 e 4 comprimidos VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica A ABCVP (Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas) é uma entidade que congrega como associados representantes de empresas privadas

Leia mais

O controlo de Shiphonaphtera Latreille, 1825 e as acções de controlo murino. Victor Carlos Torres de Almeida

O controlo de Shiphonaphtera Latreille, 1825 e as acções de controlo murino. Victor Carlos Torres de Almeida O controlo de Shiphonaphtera Latreille, 1825 e as acções de controlo murino Victor Carlos Torres de Almeida Espécies de pulgas Espécies de pulgas que previsivelmente ocorrem na ilha da Madeira Ctenocephalides

Leia mais