O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA"

Transcrição

1 JOÃO DE CASTRO OSÓRIO O ALEM-MAR NA LITERATURA PORTUGUESA (ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS) NOVA ARRANCADA

2 ÍNDICE DAS MATÉRIAS Breve nota sobre a vida e obra de João de Castro Osório., CAPÍTULO I CONDIÇÕES HISTÓRICAS DA CRIAÇÃO ORIGINAL DA LITERATURA PORTUGUESA 1. Erro do critério europeu e necessidade de um critério histórico nacional para bem julgar a Literatura Portuguesa 9 2. Uma comparação necessária: a Grécia no Mundo Antigo e Portugal no Mundo Moderno O caso particular da influência da expansão marítima numa Literatura ainda na fase, inicial, de formação do seu génio próprio O meio geográfico ancestral. Influência da Terra extrema da Europa O Mar limite e o Mar descoberto e navegado. Uma realização voluntária Terras longínquas e sempre um além-mar. Complexa influência das novas terras e gentes descobertas A assimilação pelo amor e pelo sangue. Raiz nacional e homem universal. Possibilidade de uma nova Civilização 27 CAPÍTULO II UMA LITERATURA CRIADA EM SINCRONISMO COM A EXPANSÃO MARÍTIMA 1.0 fenómeno dos renascimentos da cultura antiga e o facto, novo, dos Descobrimentos. O verdadeiro Renascimento A reflexão sobre o passado português e a força moral do homem. A prova do martírio no início da guerra justa Razão da importância da nossa Literatura histórica. Os primeiros Cronistas dos Descobrimentos e Conquistas Além-Mar O espírito de descobrimento e o heroísmo da vida activa. As narrações dos Descobrimentos e o "Esmeraldo" de Duarte Pacheco Pereira Literatura da acção vivida. As "Cartas" de Afonso de Albuquerque 48

3 CAPITULO III A POESIA LÍRICA DA ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS 1. Delimitação da Época dos Descobrimentos e da sua última idade. Correspondência da História Geral e da História da Literatura Portuguesa O lirismo de amor, primeira oposição ao pensamento de menosprezo do mundo. O diálogo sobre a persistência da obra no mundo: Álvaro Barreto e João Gomes da Ilha Influência da expansão na Poesia sua contemporânea. O lirismo de amor e a primeira revelação do espírito novo. O amor por mulheres de estranha raça: D. João de Meneses. ; A poesia do mar no lirismo de amor: D. João Manuel e Álvaro de Brito Pestana. Lirismo de saudades da terra: Francisco de Sousa tema do regresso à terra e o da largada para além: João Roiz de Castel- -Branco e Luís da Silveira Recusa da acção e incitamento a realizá-la: Duarte da Gama e Garcia de Resende Os poemas da ausência e das despedidas: João Roiz de Sá de Meneses, João de Lucena e Diogo de Melo 68 CAPITULO IV O NASCER DA POESIA ÉPICA PORTUGUESA 1. Lirismo e Poesia. Motivos do predomínio do lirismo de amor. Três formas de Poesia: lírica, épica e dramática Poemas épicos de tema histórico. Ospoemas "à morte do Príncipe D. Afonso": D. João Manuel, Luís Anriques, Álvaro de Brito Pestana Poemas narrativos provocados pelos acontecimentos históricos. As "cartas" com novas da Corte e da expansão além-mar: Maninho da Silveira Poemas narrativos que sirvam de memória dos factos vividos. Incitamento à sua realização, por Garcia de Resende A aspiração de uma poesia épico-histórica. O poema da "Memória do seu tempo", de Garcia de Resende. O sentimento do Eclesiastes e a memória do heroísmo A consciência do destino histórico português e da guerra justa. A narração dos feitos portugueses. A primeira poesia do exotismo e um realismo poético Garcia de Resende. Uma síntese, complexa, de louvor e de condenação da sua época Fatalidade e realização humana: o culto do heroísmo vencendo o sentimento de renúncia ao mundo 91

4 CAPITULO V RAÍZES NACIONAIS DA POESIA ÉPICA PORTUGUESA 1. O problema da criação da Poesia épico-histórica portuguesa O sentimento da obra histórica vence a ideia da "caducidade e vaidade" das obras no mundo. A vida activa glorificada: Diogo Brandão e o poema à morte de D. João II Os poemas de Luís Anriques: o protesto contra a morte sem lei nem razão, e a afirmação da grandeza viva dos heróis e da Pátria Consciência de uma eternidade nacional condição de uma Poesia épico- -histórica. Poemas épicos da acção contemporânea e seus defeitos Dificuldade de elaboração de uma poesia épico-histórica. João Roiz de Sá de Meneses. A Poesia, companheira do Heroísmo. A pena e a espada O sentimento da missão universal da nossa história. O poema de Diogo Velho da Chancelaria, verdadeiro poema épico-heróico Um poema de sentimento heróico-triunfal, origem natural e espontânea, do poema épico-histórico. Exaltação da obra nacional ante a Eternidade 108 CAPÍTULO VI O REVERSO DA GRANDEZA HUMANA DA EXPANSÃO MARÍTIMA, OBSERVADA PELO GÉNIO CÓMICO 1. Reintegração de Gil Vicente na Época literária dos Descobrimentos A obra dramática de Gil Vicente e sua estreita relação com a poesia lírica dos seus contemporâneos As obras dramáticas como expressão da época e da vida histórica de um povo. A exgressão dos costumes na Farsa O "Auto da índia" não é uma sátira das consequências das Conquistas Orientais Realismo das Farsas e predomínio do génio literário sobre os intuitos do moralista. O cómico do falso heroísmo na "Farsa de Inês Pereira" 120 CAPÍTULO VII O GÉNIO SATÍRICO RECRIADO PELO JULGAMENTO DE UM ASPECTO SOCIAL DA EXPANSÃO ULTRAMARINA 1. Principal intenção satírica de Gil Vicente: a condenação da instabilidade das classes sociais O espírito conservador de Gil Vicente na crítica social Boas e más consequências sociais da expansão ultramarina e do nascer de um novo mundo. As sátiras de Álvaro de Brito Pestana e Duarte da Gama Compreensão humana da instabilidade das classes sociais e do abandono do trabalho rural 133

5 5. A visão do mundo que morria, na obra satírica de Gil Vicente O pitoresco dos negros e seu falar. A linguagem que faz a alma e dá a verdadeira raça 137 CAPITULO VIII A EXPANSÃO ULTRAMARINA E AS RAÍZES NACIONAIS DO PENSAMENTO DRAMÁTICO PORTUGUÊS 1. Influência da vida dos Descobrimentos sobre Gil Vicente. O espírito de descobrimento e o realismo português Como em Gil Vicente foi superado o pensamento do menosprezo do Mundo O pensamento do lirismo de amor e sua dramatização por Gil Vicente. Vida activa e grandeza do amor Descobrimento do Homem e da Vida. O Amor e o Heroísmo. A realização dramática do lirismo do século XV O drama simbólico do heroísmo amoroso: a "Nau de Amores". Um símbolo que provém da vida dos descobrimentos A observação, jocosa ou enternecida, dos amores por mulheres de outras raças. O Amor nas terras de além. Simbolismo e realidade Portugal, "fundado sobre amor" 153 CAPITULO IX A VISÃO ÉPICO-DRAMÁTICA DA EXPANSÃO PORTUGUESA E A PRIMEIRA OBRA DO NOVO PENSAMENTO HUMANISTA 1. A guerra justa a que são exortados os Portugueses. Síntese dos ideais da Expansão. "Lembre-vos que triunfais" O drama simbólico da grandeza de Portugal: o "Auto da Fama". Símbolo da transformação da Pátria, de província esquecida em Império triunfante A consciência da missão histórica de Portugal e o sonho do Mundo Cristão. A glória da obra portuguesa: Império da Fé e domínio do Mundo pela Civilização Ocidental Exortação ao total cumprimento da obra de dilatação da Fé e do Império. A continuidade nacional, com idêntica aspiração de glória A dramatização da vida marítima: realidade e simbolismo A política religiosa influída, ou determinada mesmo, pelo sentimento da obra da expansão ultramarina A reforma interna da Igreja como desejo dos que lutavam pela Fé. A intervenção da Bondade Suprema. O culto da Virgem Mãe Á influência da expansão marítima no próprio pensamento religioso A "Trilogia dos Autos das Barcas": síntese do mar e do além-mar a atingir, pela vitória das almas ou a sua redenção 170

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 4 PLANO GERAL DA OBRA INTRODUÇÃO UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 11 O que é a literatura? 11 Porquê História de Literatura em Portugal e não da Literatura Portuguesa? 12

Leia mais

Os Lusíadas Luís Vaz de Camões /1580

Os Lusíadas Luís Vaz de Camões /1580 Os Lusíadas 1572 Luís Vaz de Camões +- 1524/1580 Influências Grandes navegações: período dos descobrimentos (séc. XV ao XVII): financiadas pela Igreja Católica, que buscava domínio em terras distantes

Leia mais

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º Relativos ao programa dos anos transactos e do ciclo de estudos. A História da Língua Portuguesa: do indo-europeu ao português moderno. alguns processos de transformação. o mundo lusófono O Texto Dramático:

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg O TEXTO DRAMÁTICO Ridendo castigat mores (a rir se criticam os costumes) O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar),

Leia mais

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS Índice geral 3 Índice geral Módulo 9 Textos líricos POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS 12 CONTRATO DE LEITURA 14 Tábua bibliográfica, 16 FERNANDO PESSOA (ortónimo) 17 Autopsicografia,

Leia mais

Os Lusíadas Mensagem

Os Lusíadas Mensagem EDIÇÕES ASA A 369723 J. OLIVEIRA MACEDO Sob o signo do Império Os Lusíadas Mensagem LUÍS VAZ DE CAMÕES FERNANDO PESSOA Análise comparativa «O-, índice 1! Parte Os Poetas e os Poemas [11] Sumário [li] I

Leia mais

Literatura Portuguesa. Aula 02 de Literatura Portuguesa Professora Carolina Ferreira Leite

Literatura Portuguesa. Aula 02 de Literatura Portuguesa Professora Carolina Ferreira Leite Literatura Portuguesa Humanism mo séc. XV Aula 02 de Literatura Portuguesa Professora Carolina Ferreira Leite Humanismo (1434-1527) olítica, economia e sociedade: IDADE MÉDIA X RENASCIMENTO Feudalismo

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa - 9º Ano - Ano Lectivo 2009/ 201 0

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa - 9º Ano - Ano Lectivo 2009/ 201 0 1º Período (5) Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho UNIDADE 0: ACTIVIDADES INICIAIS Apresentação dos objectivos da disciplina; Planificação anual e marcação de testes; Avaliação diagnóstica. UNIDADE

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

Português 2º ano João J. Folhetim

Português 2º ano João J. Folhetim Português 2º ano João J. Folhetim Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito

Leia mais

AULA DADA, AULA ESTUDADA!!!

AULA DADA, AULA ESTUDADA!!! AULA DADA, AULA ESTUDADA!!! Expansão Marítima Embarcaremos em uma longa e perigosa viagem a bordo dos navios lusitanos e espanhóis rumo à terra das especiarias. Você vai saber quais foram os fatores das

Leia mais

Os Docentes: Luís Magalhães, Adélia Silvestre, Anabela Campos e Patrícia Lima PLANIFICAÇÃO ANUAL 10.º ANO DE ESCOLARIDADE OBJETIVOS GERAIS

Os Docentes: Luís Magalhães, Adélia Silvestre, Anabela Campos e Patrícia Lima PLANIFICAÇÃO ANUAL 10.º ANO DE ESCOLARIDADE OBJETIVOS GERAIS A planificação que se apresenta é uma adaptação da que acompanha o manual O Caminho das Palavras. Servirá de matriz a todos os professores que estão a leccionar o 10º, sendo adaptada e reajustada de acordo

Leia mais

Convento de Cristo. Património Mundial. CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola

Convento de Cristo. Património Mundial. CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola Património Mundial CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola História, características A sua importância na identidade L o c a l i z a ç ã o Património Mundial O Classificado

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série

DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série Possibilitar reflexões de cunho histórico-cultural por meio da literatura, entendendo o processo de formação desta no Brasil e no ocidente. Explorar variedades

Leia mais

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves EM VERSO E EM PROSA Prosa e Poesia: qual a diferença? A diferença

Leia mais

Vida e obra de Gil Vicente

Vida e obra de Gil Vicente Vida e obra de Gil Vicente Não existem dados concretos quanto à data e local de nascimento de Gil Vicente, mas segundo alguns estudiosos, o autor terá nascido em Guimarães, entre 1460 e 1470. Quanto à

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Castelo de S. Jorge. 15 de Setembro

Castelo de S. Jorge. 15 de Setembro Almenara de Jorge Gomes Ribeiro, com Texto e Dramaturgia de Jorge Gomes Ribeiro e João Brites, Música do Maestro Jorge Salgueiro e Coreografia de Cláudia Nóvoa, volta ao Castelo de S. Jorge na noite de

Leia mais

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43 AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21 INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37 Geografia 39 História Civil ~ 43 11PARTE - HISTÓRIA ECLESIÁSTICA - I PERÍODO.47 Os Dominicanos na Insulíndia 49 Capítulo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO BÁSICO Curso de Apoio à Família e à Comunidade DISCIPLINA: Língua Portuguesa ANO: CEF Tipo 2 (2º ano) ANO LETIVO: 2011/2012 COMPETÊNCIAS

Leia mais

Preparação para o. Exame Final Nacional. Português 10.º ano

Preparação para o. Exame Final Nacional. Português 10.º ano Preparação para o Exame Final Nacional Português 10.º ano 10 Oo Índice Parte I Conteúdos programáticos 10.º ano Preparação ao longo do ano 1. Conselhos úteis 6 1.1. Métodos e estratégias de trabalho e

Leia mais

OLÉGIO E CURSO MASTER

OLÉGIO E CURSO MASTER CORUJA CORPORATIONS PRESENTS OLÉGIO E CURSO MASTER ROMANTISMO EM PORTUGAL PROFESSOR RENATO TERTULIANO INÍCIO - 1825 - Publicação do poema narrativo Camões, de autoria de Almeida Garrett, que tem como conteúdo

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

Programa de História e Geografia de Portugal. 4º Ano

Programa de História e Geografia de Portugal. 4º Ano Programa de História e Geografia de Portugal Introdução 4º Ano É no 4º ano que os alunos aprendem, com alguma sistematização, os principais factos da História Pátria. Se o estudo dos acontecimentos e das

Leia mais

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento e Reformas 1. As imagens abaixo ilustram alguns procedimentos utilizados por um novo modo de conhecer e explicar a

Leia mais

A expansão portuguesa do século XV

A expansão portuguesa do século XV A expansão do século XV O gigante Adamastor Águas ferventes e terra plana Motivações da expansão O Motivações sociais: O Clero: expandir a fé cristã entre outros povos O Nobreza: obter recompensas

Leia mais

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação. AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2012/2013 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Panorâmica geral dos séculos XII e XIII. Observação directa Diálogo

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Portugal nos séculos XV e XVI

Portugal nos séculos XV e XVI Portugal nos séculos XV e XVI Expansão Marítima Conquista de Ceuta A passagem do Cabo Bojador Cabo da Boa Esperança Chegada à América Tratado de Tordesilhas Chegada à Índia Chegada ao Brasil Friso Cronológico

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B COMPETÊNCIAS GERAIS CG1- Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Planificação Anual GR 300 - Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Módulo 9: Textos Líricos (Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos) 30 horas (40 aulas) Objectivos de Aprendizagem -Distinguir a

Leia mais

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2014/2015 3 ºCiclo 7 ºAno 7.º Ano 1º Período Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS SUB-UNIDADE/ MÓDULO Textos narrativos / descritivos Literatura de viagens/aventuras CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Estudo dos gêneros literários

Estudo dos gêneros literários Estudo dos gêneros literários Os gêneros literários são um conjunto de obras que apresentam características semelhantes tanto em termos de forma como conteúdo. Existem três categorias básicas de gênero:

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO LÍNGUA PORTUGUESA - 9º ano 1º Período /2012

ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO LÍNGUA PORTUGUESA - 9º ano 1º Período /2012 ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO LÍNGUA PORTUGUESA - 9º ano 1º Período - 2011/2012 Total de aulas previstas 78 (aprox.) 10 aulas (uma semanal) para Oficina de CEL 12 aulas (dois blocos

Leia mais

MÓDULO N.º 1 POESIA TROVADORESCA FERNÃO LOPES

MÓDULO N.º 1 POESIA TROVADORESCA FERNÃO LOPES CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURANTE / BAR PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: PORTUGUÊS 10º9 CONTEÚDOS OBJETIVOS HORAS / TEMPOS AVALIAÇÃO MÓDULO N.º 1 POESIA TROVADORESCA FERNÃO LOPES - Cantigas

Leia mais

A Europa na época das Grandes Navegações

A Europa na época das Grandes Navegações Aula 1 e 2 A Europa na época das Grandes Navegações 1 - Século XV: O Nascimento do Mundo Moderno Setor 1621 2 - A formação do Reino de Portugal 3 - A Expansão Ultramarina Europeia Aula 1 e 2 A Europa na

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 - ESTREMOZ Competências Gerais PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2016-2017 - 10º Ano COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Leitura / Oralidade Seguir

Leia mais

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 Índice PREFÁCIO 11 CAPÍTULO 1 A PRÉ-HISTÓRIA DO TEATRO A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 CAPÍTULO 2 O TEATRO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Planificação Anual da Disciplina de Português 10º ano Cursos Profissionais Ano Letivo de 2016/2017 Manual adotado: não há manual adotado Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos

Leia mais

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar 2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa CEF Serviço de Bar CONTEÚDOS 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS 46 TEXTOS DE TEATRO - AUTO DA BARCA DO INFERNO,

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

Português 11º ano PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2016/2017

Português 11º ano PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2016/2017 OBJETIVOS GERAIS 1. Compreender textos orais de complexidade crescente e de diferentes géneros, apreciando a sua intenção e a sua eficácia comunicativas. 2. Utilizar uma expressão oral correta, fluente

Leia mais

Igreja de Hagia Sophia

Igreja de Hagia Sophia Igreja de Hagia Sophia Constantino (em 312) teve uma revelação através de um sonho onde durante uma batalha teria visto uma cruz luminosa no céu. Depois disto, a batalha teria sido vencida. Assim, adotou

Leia mais

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2015 / 2016 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período DOMÌNIO / TEMA D O contexto europeu dos séculos XII a XIV (recuperação

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

TécSimultâneasPV Praia da Vitória, Prova 1 4 x 25m Bruços 12 anos e mais novos Startlist

TécSimultâneasPV Praia da Vitória, Prova 1 4 x 25m Bruços 12 anos e mais novos Startlist Prova 1 4 x 25m Bruços 12 anos e mais novos Série 1 de 2 3 Naval Praia da Vitoria 1 Naval Praia da Vitoria NT 4 Núcleo Sportinguista 3 Núcleo Sportinguista NT 5 Núcleo Sportinguista 5 Núcleo Sportinguista

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem Conteúdos Nº de aulas previstas

Leia mais

Álvaro de Campos. Ricardo Reis. Alberto Caeiro

Álvaro de Campos. Ricardo Reis. Alberto Caeiro Entre pseudónimos, heterónimos, personagens fictícias e poetas mediúnicos contam-se 72 nomes, destes destacam-se 3 heterónimos Álvaro de Campos Ricardo Reis Alberto Caeiro Álvaro de Campos De entre todos

Leia mais

CARGA HORÁRIA TOTAL: 45h DOCENTE RESPONSÁVEL: GOLBERY DE OLIVEIRA CHAGAS AGUIAR RODRIGUES

CARGA HORÁRIA TOTAL: 45h DOCENTE RESPONSÁVEL: GOLBERY DE OLIVEIRA CHAGAS AGUIAR RODRIGUES PLANO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSO: LICENCIATURA EM LETRAS A DISTÂNCIA COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA II PRÉ-REQUISITO: LITERATURA PORTUGUESA I UNIDADE CURRICULAR:

Leia mais

Projeto Pedagógico C.A.T.L.

Projeto Pedagógico C.A.T.L. 1 Projeto Pedagógico C.A.T.L. Sala Partilha «Descobrimentos parte integrante da nossa história» Ano Letivo 2016-2017 2 Índice Página 1. Introdução 3 2. Caraterização do grupo 4 3. Organização e gestão

Leia mais

A Expansão Portuguesa. Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI

A Expansão Portuguesa. Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI A Expansão Portuguesa Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI Na Europa, as terras e povos desconhecidos surgiam em mapas, pinturas, gravuras e livros que influenciaram o pensamento europeu. A acção da

Leia mais

P de PORTUGUESA da moeda de 1920

P de PORTUGUESA da moeda de 1920 COLECÇÃO FERNANDO AMADEU ALVES PINTO 1 CENTAVO DATA 1917 2.250 180$ 1918 22.996 100$ 1920 12.535 1920 500$ P-aberto 700$ P-fechado BRONZE 19mm 1921 4.492 5.500$ 1922? RARA existem viciadas P de PORTUGUESA

Leia mais

Competências/ Objectivos Conteúdos Estrutura Cotações

Competências/ Objectivos Conteúdos Estrutura Cotações Duração da Prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância Modalidade: Escrita Leitura. detectar linhas temáticas e de sentido, relacionando os diferentes elementos constitutivos do texto;. processar a informação

Leia mais

Governo da República Portuguesa

Governo da República Portuguesa ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO CURSOS PROFISSIONAIS - 12 ºANO (Nota: 72h/ Nota: Planificação sujeita a reajustamentos, após publicação de Horário da Turma e confirmação de horas efetivamente dadas,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES 3º CICLO DISCIPLINA HISTÓRIA TURMAS A/B/C ANO: 7º ANO 2010/2011 COMPETÊNCIAS 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. A. Das Sociedades Recolectoras

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO QUESTÃO 1. Renascimento comercial e urbano. O fim das invasões bárbaras na Europa, por volta do século X, trouxe certa paz ao continente. Do período que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS 1. Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Domínios Conhecimentos e capacidades Atitudes 85% 15% - Cumprimento de regras - Participação nas

Leia mais

Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental. Módulo 1

Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental. Módulo 1 Expansão Marítima: Fatores e Ciclo Oriental Módulo 1 1. Transição do Feudalismo para o Capitalismo Expansão marítimo-comercial: um dos principais momentos de transição da Idade Média para a Idade Moderna.

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA

PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA B 55662 A. PINTO CARDOSO PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA Aguarelas de Sofia C. Macedo 291 ÍNDICE Mapa de Roma Lusitana Apresentação Introdução 6 9 11 I. PARTE AS PESSOAS E OS FACTOS I. PORTUGAL E ROMA NOS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Resolução do teste diagnóstico

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Resolução do teste diagnóstico ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL Ensino Secundário Profissional DISCIPLINA: Português ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

CONJURAÇÃO BAIANA 1798

CONJURAÇÃO BAIANA 1798 CONJURAÇÃO BAIANA 1798 CONJURAÇÃO BAIANA 1798 REVOLTA DOS ALFAIATES CONJURAÇÃO DOS BÚZIOS A República de ideal prático, Igualdade e Liberdade. Por governo democrático, independência e dignidade. Coração

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 8.º ANO DE EMRC 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir as metas abaixo indicadas, nos seguintes domínios: Religião e Experiência Religiosa Construir uma chave de

Leia mais

AUTO DA BARCA DO INFERNO A MORALIDADE EM GIL VICENTE

AUTO DA BARCA DO INFERNO A MORALIDADE EM GIL VICENTE 0 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA PORTUGUESA PROFESSORA: MARIA ELVIRA JOÃO BOSCO DA SILVA AUTO DA BARCA DO INFERNO A MORALIDADE EM GIL VICENTE FEIRA

Leia mais

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DO GAMA. (Gil Vicente)

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DO GAMA. (Gil Vicente) CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DO GAMA (Gil Vicente) AUTO DA BARCA DO INFERNO (Gil Vicente) Antes de mais nada, "auto" é uma pequena representação teatral. Originário na Idade Média, tinha de início caráter

Leia mais

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2016/2017 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Capítulo 05 * Portugal na Baixa Idade Média * A expansão comercial e marítima europeia * O período Pré-Colonial. Profª Maria Auxiliadora 1º Ano

Capítulo 05 * Portugal na Baixa Idade Média * A expansão comercial e marítima europeia * O período Pré-Colonial. Profª Maria Auxiliadora 1º Ano Capítulo 05 * Portugal na Baixa Idade Média * A expansão comercial e marítima europeia * O período Pré-Colonial Profª Maria Auxiliadora 1º Ano As Monarquias Ibéricas (Portugal / Espanha) REVOLUÇÃO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE LEITURA

PLANO NACIONAL DE LEITURA PLANO NACIONAL DE LEITURA 2016/2017 Biblioteca Escolar Objetivo Central O Plano Nacional de Leitura tem como objetivo central elevar os níveis de literacia dos portugueses e colocar o país a par dos nossos

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO LETIVO 2011/2012 5º ANO Nº DE AULAS PREVISTAS 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO LETIVO 2011/2012 5º ANO Nº DE AULAS PREVISTAS 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO LETIVO 2011/2012 5º ANO Nº DE AULAS PREVISTAS 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO 37 34 27 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO H. G. P. 5º ANO - PROPOSTA

Leia mais

DESCOBRIMENTO DO CEARAÁÁ

DESCOBRIMENTO DO CEARAÁÁ DESCOBRIMENTO DO CEARAÁÁ TRATADO DE TORDESILHAS Foi D. João II, conhecido como "Príncipe Perfeito quem bateu o pé, nas conversações com a Espanha, para estender, a nosso favor, a linha divisória que definiu

Leia mais

Metas de Aprendizagem Educação Literária

Metas de Aprendizagem Educação Literária (5.º ano) 1. Fábulas A lebre e a tartaruga, A raposa e a cegonha, O leão e o rato e A formiga e a pomba, Esopo (Manual) 2. Lendas A ilha de Timor e Os dois amigos, José Pedro Mésseder e Isabel Ramalhete

Leia mais

Literatura na Idade Média. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra

Literatura na Idade Média. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Literatura na Idade Média Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Contexto Reis, castelos, nobres cavaleiros lutando em torneios para merecer a atenção de formosas damas são alguns dos elementos

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Letras Disciplina: Literatura Portuguesa I Professor: Paula Cristina Ribeiro da Rocha de Morais Cunha Código: Carga Horária: 60 Créditos: 3

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: NATUREZA E SOCIEDADE Série: JARDIM II Educação Infantil

PLANO DE CURSO Disciplina: NATUREZA E SOCIEDADE Série: JARDIM II Educação Infantil PLANO DE CURSO Disciplina: NATUREZA E SOCIEDADE Série: JARDIM II Educação Infantil UNIDADE IV: Identidade Quem sou eu? Meu nome Gênero: menino e menina Raça (Etnia) UNIDADE V: Meio de comunicação Escrito

Leia mais

A diplomacia portuguesa, porém, nunca abriu mão da sua soberania sobre este espaço descoberto e povoado por Portugal, há mais de 500 anos.

A diplomacia portuguesa, porém, nunca abriu mão da sua soberania sobre este espaço descoberto e povoado por Portugal, há mais de 500 anos. MOBILIZAÇÃO DE MILITARES DO CONCELHO DE ANGRA DO HEROÍSMO O Arquipélago dos Açores, desde o seu achamento pelos portugueses, sempre teve, ao longo da sua história uma posição geoestratégica invejável,

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO Estudos Literários I LTE5028 Variação e Mudança Linguísticas LNG5027 Língua Alemã I *LEM5108 Introdução à Língua Italiana: noções gerais *LEM5152

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE 2014 1º ANO/1º SEMESTRE 2 aulas) Observação: Leitura e Produção de Textos I * * (LNG1050) Habilidades Básicas Integradas do Inglês: Produção

Leia mais

Cantiga dos Rei A Sant Ana Branca estais e colorada O pastor A borboleta Os coelhinhos Boa noite Acalanto de John Talbot A íbis Canção de Leonoreta

Cantiga dos Rei A Sant Ana Branca estais e colorada O pastor A borboleta Os coelhinhos Boa noite Acalanto de John Talbot A íbis Canção de Leonoreta Índice 11 Cantiga dos Reis, popular, Portugal 12 A Sant Ana, tradicional, Portugal 13 Branca estais e colorada, Gil Vicente, Portugal 14 O pastor, Eugénio de Andrade, Portugal 16 A borboleta, Odylo Costa,

Leia mais

A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA

A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA A 312 HISTÓRIA DA MARINHA PORTUGUESA A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA 1497-1499 Coordenador JOSÉ MANUEL GARCIA Autores JOSÉ MANUEL GARCIA FERNANDO GOMES PEDROSA JOSÉ MANUEL MALHÃO PEREIRA MARÍLIA DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

SUPERIOR DE LICENCIATURA EM LETRAS, COM HABILITAÇAO EM LÍNGUA PORTUGUESA, NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SUPERIOR DE LICENCIATURA EM LETRAS, COM HABILITAÇAO EM LÍNGUA PORTUGUESA, NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PLANO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSO: SUPERIOR DE LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LITERATURA BRASILEIRA I PRÉ-REQUISITO: TEORIA LITERÁRIA I UNIDADE CURRICULAR:

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA PATRÍCIA FONSECA PROF. LUIS CLÁUDIO BATISTA

ENSINO RELIGIOSO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA PATRÍCIA FONSECA PROF. LUIS CLÁUDIO BATISTA ENSINO RELIGIOSO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA PATRÍCIA FONSECA PROF. LUIS CLÁUDIO BATISTA Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 Questão 01 (1,0) As religiões orientais desenvolveram-se

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo Aula 2 Trovadorismo Escolas Literárias História da Literatura Um sistema de tendências artísticas, em vigor, na maioria das obras produzidas, numa determinada época histórica. Periodologia da Literatura

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de:

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: A herança do Mediterrâneo Antigo Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: Ensino Básico

Leia mais

Ciclo Ocidental e Consequências da Expansão Marítima. Módulo 2

Ciclo Ocidental e Consequências da Expansão Marítima. Módulo 2 Ciclo Ocidental e Consequências da Expansão Marítima Módulo 2 1. Introdução Portugal como pioneiro; Problemas internos de outros países europeus; 2. Empreendimentos Espanhóis Obstáculo político-militar:

Leia mais

HISTORIA DO TEATRO PORTUGUÊS

HISTORIA DO TEATRO PORTUGUÊS DUARTE IVO CRUZ A 369271 HISTORIA DO TEATRO PORTUGUÊS Editorial VERBO ÍNDICE GERAL PREFACIO PRIMEIRA PARTE 1193 a 1893 I - SINAIS DIFUSOS DO TEATRO PRÉ-VICENTINO Formas do Teatro medieval Teatro popular

Leia mais

Ano Letivo 2017/ Lista de manuais escolares adotados

Ano Letivo 2017/ Lista de manuais escolares adotados 1.º Ano Estudo do Meio Plim! Estudo 978-972-47-5369-0 Lília Espadinha, Maria Texto Editores, Lda. 8.54 15 do meio 1.º ano João Dimas Matemática PLIM! 978-972-47-5367-6 Henriqueta Gonçalves e Célia Mestre

Leia mais

Martinho Lutero e o novo rosto político-religioso da Europa

Martinho Lutero e o novo rosto político-religioso da Europa Martinho Lutero e o novo rosto político-religioso da Europa Colóquio Internacional 19 e 20 de Junho - Lisboa, FSCH/NOVA 22 e 23 de Junho Ribeira Grande, S. Miguel, Açores APRESENTAÇÃO As 95 teses de Martinho

Leia mais

Valéria. Literatura. Exercícios de Revisão I

Valéria. Literatura. Exercícios de Revisão I Nome: n o : 1 a E nsino: Médio S érie: T urma: Data: Prof(a): Valéria Literatura Exercícios de Revisão I Conteúdo: Humanismo (Fernão Lopes, Gil Vicente e Poesia Palaciana) Obras Literárias: Medéia e Auto

Leia mais