Selo verde: ele consolida a marca? Empreendedorismo: brasileiro inova pouco, diz pesquisa. Competitividade: Brasil cai em ranking de E mais...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Selo verde: ele consolida a marca? Empreendedorismo: brasileiro inova pouco, diz pesquisa. Competitividade: Brasil cai em ranking de 2011. E mais..."

Transcrição

1 Selo verde: ele consolida a marca? 05 Empreendedorismo: brasileiro inova pouco, diz pesquisa 09 Competitividade: Brasil cai em ranking de E mais... Tecnologia da informação 13 Investimento em inovação 17 Crescimento em Publicação do Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo IDEIES Entidade do Sistema FINDES

2 2 Análise IDEIES Carta IDEIES O setor de vestuário do Espírito Santo mostra que é um dos melhores do Brasil Caro leitor, Neste mês de julho, entre os dias 20 e 22, o setor de vestuário capixaba, que inclui a indústria têxtil, de confecções e de calçados, mostra para o Brasil sua 4ª edição do Vitória Moda Show, evento que já é referência nacional, juntamente com o São Paulo Fashion Week e o Fashion Rio. Por esse motivo, este número da revista Análise traz, em sua matéria de capa, as principais conclusões do estudo de inteligência competitiva O Setor Têxtil e de Confecções no Espírito Santo, elaborado pelo Ideies e no qual o design de moda, o desenvolvimento de produtos e o fortalecimento da marca aparecem como caminho crítico para o fortalecimento do setor no Estado. E continuando a série de matérias sobre a economia verde, destacamos a importância dos chamados selos verdes, que distinguem aqueles produtos que levam em conta a preservação do meio ambiente, situação cada vez mais exigida pelos consumidores e para a qual os empresários industriais capixabas precisam ficar atentos, priorizando a adoção de um deles para valorizar ainda mais seus produtos. Outro destaque é a Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação (PSTI), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostra que as empresas brasileiras de TI concentram sua produção em seis itens. Além disso, outra matéria que trazemos é sobre inovação nas empresas públicas federais, que fazem investimentos maiores do que empresas privadas. Também trazemos uma pesquisa, efetuada pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/PR) e o Serviço Social da Indústria (Sesi/PR), que mostra que o brasileiro empreende muito, mas inova pouco, o que pode ser um risco no médio prazo para toda a economia nacional. Uma boa notícia vem do Banco Mundial, que prevê que os países emergentes, entre eles o Brasil, serão responsáveis por mais da metade do crescimento mundial em A má notícia é que o Brasil inova muito pouco e caiu seis colocações no ranking da competitividade internacional. Esses aspectos são mostrados nas matérias sobre o estudo do Banco Mundial e pesquisas efetuadas pelo Instituto Internacional de Desenvolvimento em Administração (IMD, na sigla em inglês), em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). Boa leitura! Publicação do IDEIES jul/ago/2011 nº3 ano 01 Diretoria Plenária da FINDES /2011 Presidente Lucas Izoton Vieira 1º Vice-Presidente Sergio Rogerio de Castro 2º Vice-Presidente Ernesto Mosaner Junior 3º Vice-Presidente Aristoteles Passos Costa Neto 1º Diretor Administrativo Ademar Antônio Bragatto 2º Diretor Administrativo Tullio Samorini 3º Diretor Administrativo Francisco Xavier Mill 1º Diretor Financeiro Tharcicio Pedro Botti 2º Diretor Financeiro Flávio Sérgio Andrade Bertollo 3º Diretor Financeiro Raphael Cássaro Machado Diretores: Alejandro Duenas Alvaro José Bastos Miranda Arthur Arpini Coutinho Áureo Vianna Mameri Benízio Lázaro Carlos Augusto Lira Aguiar Edvaldo Almeida Vieira Egídio Malanquini Elcio Alves Loreto Zanotto Luciano Raizer Moura Luiz Cláudio Nogueira Muniz Luiz Rigoni Manoel de Souza Pimenta Neto Marconi Tarbes Vianna Mariluce Polido Dias Neviton Helmer Gasparini Paulo Roberto Almeida Vieira Ricardo Ribeiro Barbosa Ricardo Vescovi de Aragão Wilmar dos Santos Barroso Filho Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo - IDEIES Presidente do Sistema FINDES/CINDES Lucas Izoton Vieira Vice-Presidente Institucional para Assuntos do IDEIES Luciano Raizer Moura Gerente-Executivo do IDEIES Antonio Fernando Doria Porto Núcleo Estratégico de Conjuntura - NEC Cíntia Peterle Tavares Coordenadora Núcleo de Competitividade Industrial - NCI Marcela Moulin Brunow Freitas Coordenadora Núcleo de Inteligência Competitiva - NIC Roberta Margotto Tartaglia Coordenadora Núcleo de Defesa de Interesse - NDI Karina Goldner Fideles Biriba Coordenadora Centro Internacional de Negócios - CIN Thiago Z. Sampaio - Gerente Contatos: Endereço: Avenida Nossa Senhora da Penha, nº 2.053, Ed. Findes - 3º andar Bairro: Santa Lúcia, Vitória/ES - CEP: Telefone: (27) Produção: Doria Porto Gerente-executivo do Ideies / Telefax: (27)

3 Análise IDEIES 3 Design e etiqueta regional: fortalecimento da indústria têxtil e de confecções capixaba C onforme o estudo de inteligência competitiva O Setor Têxtil e de Confecções no Espírito Santo, elaborado pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional Industrial do Espírito Santo (Ideies), a inovação é o principal desafio que os empresários capixabas enfrentam para manterem-se competitivos no setor nacional e internacional. Para isso, priorizar investimentos voltados, principalmente, para o design de moda, o desenvolvimento de produtos e o fortalecimento da marca são fundamentais para as empresas capixabas. No mundo atual, a concorrência no setor têxtil e de confecções fica cada vez mais acirrada, principalmente com a entrada no comércio internacional de países emergentes como China e outros países asiáticos, com sua mão de obra barata, altos volumes de produção e preços irrisórios. Esse novo quadro vem afetando diretamente a indústria brasileira, em particular a capixaba, inclusive pela sobrevalorização do Real frente ao Dólar. Por isso, os empresários do setor devem ter como centro de suas estratégias o design de moda e a marca de seus produtos como alavanca para o desenvolvimento da empresa. A indústria criativa do design da moda capixaba é o norte O design de moda como indústria surgiu com a passagem da fabricação em que a mesma pessoa concebia e executava o produto para o tipo de processo em que uma projeta (concebe) e outra fabrica. Porém, só recentemente, com a incorporação da tecnologia da informação e da comunicação essa indústria deu um grande salto. Hoje, o design de moda, considerado uma das principais indústrias criativas mundiais, é de fundamental importância para um salto do setor de confecções no Espírito Santo, composto por cerca de empresas, a maioria micro e pequenas, gerando mais de 17 mil empregos diretos e com receita anual de aproximadamente R$ 500 milhões. Centromoda: um salto no design capixaba Em agosto de 2010, foi assinado um Protocolo de Intenções entre o Sesi-ES, o Senai-ES e a Superintendência dos Projetos de Polarização Industrial (Suppin), autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento (Sedes) do Governo do Espírito Santo, visando à implantação do Centro Integrado

4 4 Análise IDEIES Sesi/Senai Centromoda, no município de Vila Velha, com o objetivo de melhorar a capacidade competitiva do setor de vestuário capixaba (têxtil, confecção, calçados e acessórios). Com o Centromoda, o design de moda capixaba será privilegiado, criando oportunidades de empregos a partir da sua mão de obra qualificada e capacitada, projetando-se como um centro de moda à altura dos grandes centros nacionais e internacionais. A previsão é de que o Centromoda inicie suas atividades em Moda do Espírito Santo: a importância da marca e o ecodesign A marca é um dos maiores ativos das empresas. Elas são emblemáticas na comunicação entre produtores e consumidores, podendo indicar qualidade e sustentabilidade no atual mercado globalizado. E foram as empresas de confecção que primeiro enxergaram e passaram a utilizar as técnicas mais modernas voltadas para marcas. O Espírito Santo já possui marcas reconhecidas nacionalmente, e algumas até internacionalmente, dado o alto padrão e qualidade dos produtos confeccionados no Estado. Enfrentar a competitividade nacional e internacional para o setor de confecções capixaba pode vir de uma inovação, com foco na indústria criativa, que é a criação de marcas com foco no ecodesign. Ecodesign ou design sustentável consiste em projetar produtos que propiciem o bem-estar social com o mínimo de desperdício e prejuízo para a natureza. Para isso, o ecodesign busca reduzir o uso de matéria-prima e de recursos naturais, otimizando o aproveitamento de resíduos, reduzindo o impacto ambiental. O consumidor está cada vez mais consciente da necessidade de adquirir produtos cuja fabricação não agrida a natureza, inclusive no campo da moda. Atualmente, já existem nichos de mercado desenvolvidos a partir de tecidos orgânicos e sustentáveis. Nestes, os designers da moda estão experimentando materiais orgânicos, como algodão e lã, juntamente com bambu, lyocell (fio fabricado a partir de polpa da madeira proveniente de florestas replantáveis, produto biológico e biodegradável), fios de garrafa PET e aparas de confecções. A construção de ecomarcas capixabas, com certeza, vai turbinar a indústria têxtil e de confecções do Estado, e o Vitória Moda Show 2011 é uma grande oportunidade para isso. Vitória Moda Show: a hora da virada A moda no Espírito Santo está em um momento singular. De coadjuvantes, empresas do setor estão conquistando espaço e se destacando ao lado de marcas dos grandes centros do País, como São Paulo e Rio de Janeiro. E o Vitória Moda Show, promovido pelo Sistema Federação das Indústrias do Espírito Santo, a Câmara Setorial da Indústria de Confecção da Findes, o Ideies e parceiros, contribui com a aceleração do crescimento do setor e como ferramenta estratégica para consolidar a imagem das marcas capixabas, fortalecendo as indústrias do setor do Espírito Santo. O evento de moda capixaba difere dos demais por preocupar-se em fortalecer a importância do setor do vestuário e em estimular o seu desenvolvimento, bem como de seus profissionais, em todo o Estado, consolidando, assim, o Espírito Santo no calendário de moda nacional. Além do lançamento das coleções de alto-verão e dos desfiles das marcas, a 4ª edição do Vitória Moda Show oferecerá de 20 a 22 de julho de 2011, no Centro de Convenções de Vitória, oficinas e palestras com especialistas de renome nacional e internacional e rodada de negócios com, aproximadamente, compradores.

5 Análise IDEIES 5 Selo verde: mais uma novidade ou certeza de consolidação da marca junto aos consumidores? M uito se tem comentado sobre os chamados selos verdes, principalmente quanto a sua importância como referencial de certeza de manejo sustentável de matérias primas e produtos.no mundo, existem mais de 340 selos socioambientais, a maioria autodeclarações com baixo grau de credibilidade por parte dos consumidores. Porém, o mercado para produtos verdes é enorme. Somente no mercado internacional de produtos agrícolas certificados,o valor alcançou US$ 40 bilhões em 2008 e deverá atingir US$ 210 bilhões em 2020, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio ambiente (Pnuma). No Brasil, setores como cosméticos, têxtil, confecções, calçados, siderurgia, pneus recauchutados, gráficas, móveis e até fraldas descartáveis estão buscando adquirir o selo verde de forma padronizada. Indústrias do Espírito Santo de algum desses setores já estão adquirindo ou estão em processo de aquisição de selos verdes de forma normatizada, como é o caso de gráficas e empresas de pneus recauchutados. É importante ressaltar que tratam-se apenas dos selos verdes adquiridos de forma independente (normatizados) com base nas normas ISO e ISO (ver tipos de selos no destaque). Rotulagem ambiental A rotulagem ambiental, voltada para o mercado consumidor varejista, é uma certificação de que os produtos ou serviços vendidos são adequados ao uso e apresentam menor impacto no meio ambiente, em relação aos concorrentes disponíveis no mercado. Já a certificação ambiental é direcionada para a venda no atacado. Porém, ambas visam a contribuir com a sustentabilidade do planeta, cada vez mais defendida pelos consumidores em todo o mundo, com fortes consequências para o fortalecimento e a existência das empresas. Investir em produção limpa, dar correta destinação a resíduos potencialmente danosos ao meio ambiente e buscar meios de reduzir as emissões de carbono na atmosfera eram ações vistas como custo ou até mesmo um mal necessário. Entretanto, já foi o tempo em que a sustentabilidade era um empecilho à competitividade. Recentemente, a sustentabilidade passou a ser um valor comum às grandes empresas do mundo e também àquelas que mais atraem a atenção de grandes investidores. Atualmente, a sustentabilidade

6 6 Análise IDEIES espalha-se para todos os tamanhos de empresas, em todos os setores e por todos os países. Dentro desse novo contexto, as empresas mais competitivas serão aquelas que fazem questão de investir em meios de produção que viabilizem um crescimento saudável, sem danificar o meio ambiente. E é aqui que o selo verde começa a ser o diferencial. Porém, um problema pode desqualificar a utilização do selo verde. No Brasil, como em todos os países, a quantidade de selos verdes passa a colocar os consumidores em alerta, pois várias empresas utilizam o selo apenas como atrativo comercial, sem comprometimento efetivo com a sustentabilidade. Hoje, existem dois tipos de selos que aparecem nas embalagens dos produtos e nas propagandas: os independentes e os autorreguladores. Os primeiros são selos de instituições privadas ou estatais, de organizações não-governamentais ou associações empresariais. Os segundos são selos que as próprias empresas criam para tentar se autorregulamentar e atrair o consumidor. Os programas de rotulagem ambiental têm por objetivo: Despertar no consumidor e no setor privado a consciência e entendimento dos propósitos de um programa de rotulagem Ampliar a consciência e entendimento dos aspectos ambientais de um produto que recebe o selo verde Influenciar na escolha do consumidor ou no comportamento do fabricante Selo ABNT Qualidade Ambiental Os selos verdes no Brasil A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), representante no Brasil da Organização Internacional para a Padronização (ISO, na sigla em inglês), é a responsável pelos sistemas de gestão ambiental (ISO 14000), desenvolvendo o programa brasileiro de rotulagem ambiental ABNT - Qualidade Ambiental, desenvolvido com base nas experiências mundiais desse tipo de programa. Ele está estruturado de acordo com as versões das normas ISO (Rótulos e Declarações Ambientais - Princípios Gerais) e ISO (Rótulos e Declarações Ambientais - Rotulagem Ambiental do Tipo I - Princípios e Procedimentos) Conselho Brasileiro de Manejo Florestal (FSC) Atualmente o selo do Conselho de Manejo Florestal (FSC, na sigla em inglês) é o sistema de certificação florestal internacional de maior credibilidade em todo o mundo, atuando diretamente em 79 países. Existem no Brasil cinco certificadoras credenciadas pelo FSC. São, pelo menos, dez critérios básicos para a obtenção do selo, entre eles a manutenção de florestas e direitos das comunidades tradicionais e/ou rurais. O que certifica: as áreas e produtos de manejo florestal como toras de madeira, móveis, lenha, papel, nozes e sementes. Como é: atesta que o produto vem de um processo produtivo ecologicamente adequado, socialmente justo e economicamente viável. Dez princípios devem ser atendidos, entre eles a obediência às leis ambientais, o respeito aos direitos dos povos indígenas e a regularização fundiária. Ecocert A Ecocert Brasil realiza a certificação voltada para o mercado interno, atuando também como agente de certificação da Ecocert S/A para todos os principais mercados mundiais. O que certifica: alimentos orgânicos e cosméticos naturais ou orgânicos. Como é: os alimentos processados devem conter um mínimo de 95% de ingredientes orgânicos para serem certificados. Para ganhar um selo de cosmético orgânico, um produto deve ter ao menos 95% de ingredientes vegetais, sendo que 95% desses ingredientes devem ser orgânicos certificados, no caso de cosméticos naturais, e 50% dos insumos vegetais devem ser orgânicos. O selo Ecocert é um só, mas, por contrato com a certificadora, o fabricante é obrigado a identificar no rótulo se o produto é orgânico ou natural. Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) Permite atender ao crescimento da demanda de energia elétrica sem que a oferta seja ampliada na mesma proporção. Uma parte da demanda por eletricidade passa a ser atendida e obtida através de ações de conservação de energia. O que certifica: equipamentos eletrônicos e eletrodomésticos. Como é: o selo indica os produtos que apresentam os melhores níveis de eficiência energética dentro de cada categoria. Os equipamentos passam por rigorosos testes feitos em laboratórios credenciados no programa.

7 Análise IDEIES 7 Instituto Biodinâmica (IBD) O IBD atua em todo o Brasil e América do Sul. Tem seus fundamentos em princípios humanistas, segue a legislação trabalhista, incentivando o comprometimento social dos projetos certificados, e a legislação ambiental, promovendo a recuperação e a conservação do meio ambiente. O que certifica: alimentos, cosméticos e algodão orgânicos. Como é: além de cumprir os requisitos básicos para a produção orgânica (como fazer rotação de culturas e não usar agrotóxicos), garante que a fabricação daquele produto obedece ao Código Florestal Brasileiro e às leis trabalhistas. Os produtos industrializados devem ter, ao menos, 95% de ingredientes orgânicos certificados a água e o sal são desconsiderados tanto para cosméticos, quanto para alimentos. Programa Brasileiro de Certificação Florestal (Cerflor) O Cerflor é um sistema de certificação criado pela Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS). No Cerflor, os padrões são prescritos conforme as normas da ABNT, integradas ao Sistema Brasileiro de Avaliação e Conformidade (SBAC) e ao Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Esse programa originou-se da demanda dos produtores brasileiros pela certificação florestal, impulsionados por crescente preocupação com a conservação dos recursos naturais. O que certifica: o manejo florestal praticado pela empresa atende aos princípios e requisitos ambientais, florestais, trabalhistas, previdenciários e sociais. Como é: a sistemática adotada é semelhante ao sistema FSC. Não é o Inmetro que certifica, ele apenas credencia organismos que, voluntariamente, pretendam atuar na certificação das unidades de manejo florestal e da cadeia de custodia, de acordo com normas preestabelecidas. ENTREVISTA ROGÉRIO PEREIRA DOS SANTOS Por que as empresas associadas ao Sindibores querem se habilitar a ter um selo verde? De forma voluntária, as empresas associadas ao Sindibores querem mostrar que nossa atividade, além de contribuir para a redução de recursos de forma sustentável, também cumpre todas as exigências impostas ao nosso setor. Podendo, dessa forma, ampliar e fortalecer a competência das empresas do setor no Estado do Espírito Santo, especificamente quanto aos procedimentos de destinação de inservíveis pneumáticos, definindo métodos que sejam economicamente viáveis e legalmente corretos, fortalecendo a imagem das empresas participantes e as ações de sustentabilidade socioambiental. Qual o custo e esforço necessário para obtenção do selo verde? De forma geral, o custo é como de qualquer empresa que busca atender as exigências ambientais, por falta de incentivos governamentais os custos são ainda altos, mas o maior desafio, com certeza, é o esforço cultural. Vejo que teremos sucesso com esse projeto. O ressarcimento do esforço de consultoria ofertado pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL-ES) foi dimensionado em R$ 3.200,00 por empresa, sendo que as micro e pequenas contam com subsídio do Sebrae-ES de 80% desse valor e as médias contam com a aplicação do desconto de acordo com número de funcionários conforme tabela adotada pelo Sistema Findes. Em que consiste essa certificação e quais requisitos as empresas devem atender? O programa consiste no atendimento a requisitos extraídos da norma ISO 14001:2004, no que se refere à identificação de aspectos ambientais, requisitos legais, controle operacional, monitoramento e medição e avaliação de atendimento a requisitos legais. Ao final do desenvolvimento, as empresas serão auditadas e, se constatada, a conformidade com os requisitos, receberão certificado específico do programa. O Sindibores conhece empresas brasileiras de pneus recauchutados com selo verde ou as associadas serão pioneiras? Quando lançamos o projeto, fomos pioneiros no País, mas depois a Associação Brasileira do Segmento de Reforma de Pneus (ABR) também lançou o selo. Até onde sei existe duas ou três empresas piloto no Brasil em processo de consultoria. Finalizando o projeto no final do ano, como previsto, com certeza, seremos os pioneiros.

8 8 Análise IDEIES A ISO criou uma série de normas de rotulagem ambiental, sendo elas: Rotulagem tipo I NBR ISO 14024: Programa Selo Verde Estabelece os princípios e procedimentos para o desenvolvimento de programas de rotulagem ambiental, incluindo seleção, critérios ambientais e características funcionais dos produtos, e para avaliar e demonstrar sua conformidade. Também estabelece os procedimentos de certificação para a concessão do rótulo. Rotulagem Tipo II NBR ISO 14021: Autodeclarações ambientais Especifica os requisitos para autodeclarações ambientais, incluindo textos, símbolos e gráficos, no que se refere aos produtos. Estabelece termos selecionados em declarações ambientais e fornece qualificações para seu uso. Descreve uma metodologia de avaliação e verificação geral para autodeclarações ambientais e métodos específicos de avaliação e verificação para as declarações selecionadas nesta Norma. A figura 1 apresenta símbolos para identificação de produtos recicláveis. Figura 1 - Símbolos para identificação de produtos recicláveis Fonte: Cempre Rotulagem Tipo III ISO 14025: Inclui avaliação do ciclo de vida Ainda está sendo elaborada no âmbito da ISO. Tem alto grau de complexidade devido à inclusão da ferramenta Avaliação do Ciclo de Vida. Existe um longo caminho para que este tipo de rotulagem ganhe o mercado. As autodeclarações têm ganhado destaque no cenário brasileiro. Os símbolos mais comuns são os apresentados na figura 2. Figura 2 - Simbologia para os diversos tipos de embalagens Preserve a natureza Recicle a embalagem ENTREVISTA CRISTHINE SAMORINI A Grafitusa é a primeira empresa gráfica com o selo verde FSC. Qual é a importância da certificação para a indústria gráfica do Espírito Santo? A importância é que confirma a preocupação de nosso Estado em acompanhar as exigências e expectativas de mercado a nível nacional. Passamos a figurar dentre os Estados que possuem essa preocupação. Trazemos para o Estado um cenário atual do mercado Brasileiro. Como a cadeia de custódia pode influenciar no Estado? Com esse diferencial, conseguimos qualificar melhor a indústria gráfica no nosso Estado. A partir de uma situação como essa, os clientes passam a se preocupar mais com o tipo de prestação de serviço gráfico que estão comprando. Com o tempo, o mercado gráfico regional terá que se qualificar ainda mais para atender essa nova demanda. O resultado serão as barreiras para os papéis que entram no mercado a todo o momento e que não garante um manejo florestal responsável. Qual é o custo para adquirir o selo verde? Esse custo será repassado aos clientes? Segue uma aproximação real das despesas. Consultoria para Implantação (incluindo despesas de hotel/estadia: R$ 7.500,00. Certificação (incluindo despesas de hotel/ estadia): R$ 7.000,00. Treinamentos internos: R$ 3.200,00. Manutenção da certificação anual: R$ 2.500,00. Taxas extras: R$ 1.600,00. Esse custo não será repassado ao cliente. A gráfica já trabalhava com papel certificado. A diferença agora é que podemos certificar essa situação. O que foi necessário para a Grafitusa obter o selo verde? Como já trabalhávamos com papel certificado, não tivemos muita dificuldade. Porém, adequamos alguns processos para conseguirmos rastrear futuramente o uso do papel certificado. Fizemos treinamentos e capacitações com nossos colaboradores. O processo de certificação envolve manual e normas de procedimento.

9 Análise IDEIES 9 Brasileiro empreende muito, mas inova pouco O Brasil atingiu a Taxa de Empreendedores em Estágio Inicial (TEA, na sigla em inglês) de 17,5% em 2010, a maior desde 2002 (ver gráfico 1), porém com baixo índice de inovação, dado que 83,2% (ver quadro 1) dos empreendedores brasileiros não consideram como novo o produto ou serviço que oferece aos consumidores, e somente para 7,5% será novo para todos os consumidores (ver no destaque a definição do TEA). Esses são alguns dos resultados da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2010), elaborada no Brasil pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-PR) e o Serviço Social da Indústria (Sesi-PR), sob a coordenação internacional do Babson College, da Universidad Del Desarrollo e do Global Entrepreneurship Research Association (Gera) Evolução da taxa de empreendedores iniciais (TEA) - Brasil / ,5 12,9 13, TEA Média 2002 a ,3 11,7 Média 2002 a 2010; 13,3 12,7 12,0 15,3 Gráfico 1 17,

10 10 Análise IDEIES Empreendedores iniciais segundo conhecimento do produto ou serviço: Brasil / 2010 Quadro 1 Produto ou Serviço Proporção (%) Novo para todos 7,5 Novo para alguns 9,3 Ninguém considera novo 83,2 TOTAL 100,0 Fonte: Pesquisa GEM Brasil 2010 A Taxa de Empreendedorismo em Estágio Inicial (TEA, na sigla em ingles) é a proporção de pessoas na faixa etária entre 18 e 64 anos envolvidas em atividades empreendedoras na condição de empreendedores de negócios nascentes ou empreendedores à frente de negócios novos, ou seja, com menos de 42 meses de existência. Dentre os países que compõem os BRICs, em 2010 o Brasil teve a população mais empreendedora em estágio inicial. A China teve 14,4%, a Rússia 3,9%, enquanto a Índia não participou da pesquisa nos últimos dois anos (em 2008, a TEA da Índia foi de 11,5%). Segundo a pesquisa, considerando a população adulta brasileira de 120 milhões de pessoas, o TEA indica que 21,1 milhões de brasileiros estavam à frente de atividades empreendedoras em Em números absolutos, apenas a China possui mais empreendedores do que o Brasil. A TEA chinesa de 14,4% representa 131,7 milhões de adultos à frente de atividades empreendedoras no País. Oportunidade e necessidade A motivação para iniciar uma atividade empreendedora tem destaque especial na pesquisa porque denota a natureza do empreendimento. A pesquisa mostra que no Brasil, desde o ano de 2003, os empreendedores por oportunidade Razão oportunidade / necessidade Empreendedores iniciais e nascentes, segundo razão entre oportunidade e necessidade: Brasil Pequena Quadro Empreendedores iniciais 0,8 1,2 1,1 1,1 1,1 1,4 2,0 1,6 2,1 Empreendedores nascentes 0,7 1,1 1,3 1,7 2,3 1,7 2,6 2,9 3,1 Fonte: Pesquisa GEM Brasil 2002:2010

11 Análise IDEIES 11 são maioria, sendo que a relação oportunidade x necessidade tem sido superior a 1,4 desde o ano de 2007 (ver quadro 2). Em 2010, o Brasil superou a razão de dois empreendedores por oportunidade para cada empreendedor por necessidade (2,1). Esse valor é semelhante à média dos países que participaram do estudo em 2010, que foi de 2,2 empreendedores por oportunidade para cada um por necessidade. Analisando-se o estágio do empreendimento (nascentes ou novos), a razão é ainda maior entre os empreendedores nascentes. Desde 2004, a razão entre oportunidade e necessidade para empreendedores nascentes é superior à verificada na TEA. Em 2010, ela foi de 3,1, ou seja, para cada empreendedor iniciando seu negócio por necessidade, havia outros 3,1 que o faziam por oportunidade. Gênero Em 2010, entre os 21,1 milhões de empreendedores brasileiros, 10,7 milhões (50,7%) eram homens e 10,4 milhões (49,3%), mulheres, mantendo-se o constante equilíbrio entre gêneros (ver quadro 3). O programa de pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) é uma avaliação anual do nível nacional da atividade empreendedora. Ele teve início em 1999, com a participação de dez países, por meio de uma parceria entre a London Business School e o Babson College, dos Estados Unidos. Nesses dez anos, mais de 80 países participaram do programa, que permanece crescendo ano a ano. Atualmente, no mundo, o GEM é o maior estudo contínuo sobre a dinâmica empreendedora. As pesquisas internacionais estão no site A pesquisa nacional completa está nos sites e O processo empreendedor do GEM O GEM estuda o comportamento dos indivíduos no que tange à criação e gestão de um negócio. Outro princípio orientador da pesquisa é que o empreendedorismo é um processo. Portanto, o GEM observa as ações dos empreendedores que estão em diferentes fases do processo de criação e desenvolvimento do negócio (ver figura 1). O processo empreendedor e definições operacionais do gem Figura 1 Descontinuidade do negócio Taxa de empreendedores em estágio inicial Empreendedor potencial: Empreendedor nascente: Empreendedor de um novo negócio: Empreendedor de um negócio: Oportunidade, conhecimento e habilidades Envolvido na abertura do negócio Envolvido em um negócio próprio de até 42 meses Envolvido em um estabelecimento (mais de 42 meses) Concepção Nascimento da empresa Persistência Fonte: Pesquisa GEM Brasil 2002:2010

12 12 Análise IDEIES Principais taxas segundo setores de atividades dos empreendimentos Os dados referentes a 2010 indicam que quatro atividades representavam 63% dos setores: o comercio varejista com 25%, seguido por alojamento e alimentação (15%), atividades imobiliárias e aluguéis (13%) e indústria de transformação (10%). Ver gráfico 2. O comércio varejista está concentrado em vendas de produtos por catálogo ou correio, alimentos, bebidas e peças de vestuário. As atividades de alojamento e alimentação compreendem, principalmente, negócios como abertura de bares e restaurantes, e fornecimento de comida preparada no próprio local do empreendedor, sob encomenda. As atividades imobiliárias e aluguéis abrangem principalmente serviços de assessoria e consultoria voltada às empresas. A indústria de transformação engloba confecção de roupas e outros artigos têxteis, produtos de marcenaria e indústria alimentícia. Empreendedores iniciais segundo tipo de atividade (%): Brasil Comércio varejista Indústria de transformação Alojamento e alimentação Outras atividades de serviços coletivos Atividades imobiliárias e aluguéis Gráfico 2 Construção Transporte e armazenagem Venda e manutenção de veículos Residência com empregados Outras atividades Empreendedores iniciais segundo gênero: Brasil Pequena Gênero Quadro 3 Masculino 57,6 53,2 56,6 50,0 56,2 47,6 52,7 47,0 50,7 52,4 Feminino 42,4 46,8 43,4 50,0 43,8 52,4 47,3 53,0 49,3 47,6 Fonte: Pesquisa GEM Brasil 2002: : 2010

13 Análise IDEIES 13 Empresas brasileiras concentram atividades de tecnologia da informação em seis itens U ma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), juntamente com Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex), sobre serviços de tecnologia de informação (PSTI) para 2009 mostrou que, do total de R$ 39,4 bilhões da receita bruta de serviços e subvenções das empresas que oferecem serviços de informática no País, com 20 ou mais pessoas ocupadas, seis produtos e serviços das empresas de TI pesquisadas foram responsáveis por uma receita de R$ 27,9 bilhões, ou seja, 70,9% do total, com os três primeiros concentrando 43%: desenvolvimento e licenciamento de uso de software customizável (personalizável) próprio e desenvolvido no País (R$ 5,9 bilhões, ou 14,9% do total); consultoria em sistemas e processos em TI Principais produtos de serviços de tecnologia da informação: Brasil / 2009 Produtos de serviços Desenvolvimento e licenciamento de uso de software customizável (personalizável) próprio, desenvolvido no País Consultoria em sistemas e processos em tecnologia da informação Software sob encomenda - projeto e desenvolvimento integral ou parcial Processamento de dados (inclusive entrada de dados e gestão de banco de dados de terceiros) Receita bruta e subvenções Valor (R$ Percentual (%) milhões) , , , ,1 Suporte e manutenção de software ,4 Representação e/ou licenciamento de uso de software customizável (personalizável) desenvolvidos por terceiros, no exterior Fonte: IBGE Tabela ,4

14 14 Análise IDEIES Exportação de serviços de tecnologia da informação País Tabela 2 US$ bilhões Índia 50,0 Distribuição (%) do total de empresas de serviços de tecnologia da informação com 20 ou mais pessoas ocupadas por faixa de valor da receita: Brasil Gráfico 1 Alemanha 17,9 Estados Unidos 13,4 Reino Unido 13,0 9,0 11,1 até R$5 milhões R$5 a 10 milhões Israel 6,8 China 6,2 Canadá 5,0 Brasil 1,1 7,1 17,0 55,8 R$10 a 15 milhões R$15 a 30 milhões Mais de R$ 30 milhões Japão 1,0 Fonte: IBGE/PSTI Fonte: IBGE (R$ 5,6 bilhões, com 14,1% do total); software sob encomenda - projeto e desenvolvimento integral ou parcial (R$ 5,5 bilhões, ou seja, 14,0% do total); processamento de dados - inclusive entrada de dados e gestão de banco de dados de terceiros (R$ 4,7 bilhões, representando 12,1% do total); suporte e manutenção de software (R$ 3,3 bilhões, 8,4% do total), e representação e/ou licenciamento de uso de software customizável desenvolvidos por terceiros no exterior (R$ 2,9 bilhões, 7,4% do total da receita gerada pelas empresas pesquisadas). Ver tabela 1. Porte das empresas de TI Na abordagem por porte, as empresas com receita anual até R$ 5 milhões respondem por 55,8% do total de empresas pesquisadas, seguidas das empresas com receita anual entre R$ 5 e 10 milhões, que contribuem com 17,0% desse total (ver gráfico 1). Ressalta-se a grande concentração da receita bruta e subvenções em poucas empresas, dado que as 11,1% das que faturam mais de R$ 30 milhões respondem por 75,6% do total (ver gráfico 2). Distribuição (%) do total de receita bruta e subvenções das empresas de serviços de tecnologia da informação com 20 ou mais pessoas ocupadas, por faixa de valor da receita: Brasil Fonte: IBGE 75,6 5,0 6,0 4,2 9,2 até R$5 milhões R$5 a 10 milhões Gráfico 2 R$10 a 15 milhões R$15 a 30 milhões Mais de R$ 30 milhões

15 Análise IDEIES 15 Distribuição (%) da receita de exportação de serviçoes das empresas * de serviços de tecnologia da informação: Brasil Gráfico 3 Mais de R$ 30 milhões 88,7 de R$15 a 30 milhões 5,6 de R$10 a 15 milhões 2,6 de R$5 a 10 milhões 2,4 até R$5 milhões 0, *Empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas Fonte: IBGE Distribuição (%) da receita de exportação de serviços das empresas * de serviços de tecnologia da informação: Brasil Gráfico 4 Estados Unidos 72,7 México Mercosul Alemanha Chile 3,8 3,1 2,2 1,6 Outros países 16, *Empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas Fonte: IBGE

16 16 Análise IDEIES Exportações das empresas brasileiras de TI são baixas e também concentradas Em 2009, o setor teve uma receita de R$ 2,1 bilhões (US$ 1,1 bilhão) proveniente da exportação de serviços (5,4% do total da receita bruta e subvenções das empresas de TI pesquisadas). Comparada com outros países, foi muito pouco (ver tabela 2). As empresas de TI com receita superior a R$ 30 milhões foram responsáveis por 88,7% do total da receita de exportações das empresas do segmento (ver gráfico 3). Quanto aos produtos e serviços exportados, 55,8% do total da receita de exportação em TI vieram das empresas de desenvolvimento de programas customizáveis e 19% de desenvolvimento de programas não customizáveis. Por país, os Estados Unidos foram responsáveis por R$ 1,5 bilhão (72,7% do total). Ver gráfico 4. Segmentos de atuação das empresas Serviços foi o principal setor atendido pelas empresas de TI e responsável por 51,8% das receitas brutas, seguido pelo setor público (18,2%) e indústria (12,9%). Ver gráfico 5. Fonte: IBGE Distribuição (%) de receita bruta e subvenções das empresas* de serviços de tecnologia da informação, por segmento de atuação: Brasil ,9 5,4 18,2 11,7 18,3 55,8 10,0 Finanças Telecomunicações Outros setores Setor público Indústria Comércio Outros segmentos Gráfico 5 A Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação (PSTI) investigou, em 2009, empresas de TI com 20 ou mais pessoas ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos e serviços por elas ofertados.

17 Análise IDEIES 17 Estatais federais investem mais em inovação que empresas privadas brasileiras P ela primeira vez, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a Pesquisa de Inovação nas Empresas Estatais Federais, referente a 2008, com o objetivo de fornecer informações para a construção de indicadores das atividades de inovação das empresas estatais federais brasileiras e compará-los com os resultados da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC) de Um resumo foi divulgado no Boletim Ideies n. 24, disponível no site do Ideies: Foram pesquisadas 72 empresas estatais federais, cujos resultados mostraram que a maioria foi inovadora no triênio , principalmente através de parcerias com fornecedores e universidades. Do total das empresas estatais pesquisadas, 49 (68,1%) inovaram em produto e/ou processo, taxa de inovação maior que a apresentada pela média dos setores privados investigados na PINTEC de 2008 (38,6%). Ver gráfico 1 Atividades inovativas Enquanto para as empresas privadas a aquisição de máquinas e equipamentos (77,7%) o treinamento (59,9%) e o projeto industrial e outras preparações técnicas (37,2%) aparecem como as principais atividades inovativas na PINTEC 2008, na pesquisa das estatais federais 75,5% A Pesquisa de Inovação nas Empresas Estatais Federais, referente a 2008 foi realizada pelo IBGE, com o apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Dest), pertencente ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). A referência conceitual e metodológica da Pesquisa de Inovação nas Empresas Estatais Federais é semelhante àquela já adotada na PINTEC 2008: o Manual de Oslo, em sua terceira edição (OSLO, 2005) e, mais especificamente, o modelo proposto pela Oficina Estatística da Comunidade Europeia (Eurostat, na sigla em inglês), a versão 2008 da Community Innovation Survey (CIS 2008). O manual justifica a necessidade de expandir o conceito de inovação, incluindo as inovações não-tecnológicas, pelo fato de que muita inovação no setor de serviços e na indústria de transformação de baixa tecnologia não é apreendida de maneira adequada pelo conceito de inovação tecnológica de produto e processo (TPP). No caso da PINTEC, o IBGE concentrou-se apenas na inovação de produtos e processos, porém incorporando em seu escopo a inovação organizacional e a de marketing.

18 0 18 Análise IDEIES das empresas inovadoras atribuíram importância alta ou média ao treinamento e 71,4% à aquisição de software (ver gráfico 2). Apoio do Governo Quanto à utilização dos instrumentos de apoio do governo voltados para a inovação, 24,5% das empresas estatais federais receberam algum tipo de incentivo governamental, um pouco acima das empresas do PINTEC 2008, que foi 22,3%. O IBGE destaca que, enquanto para as empresas da PINTEC 2008 destaca-se o financiamento à compra de máquinas e equipamentos Participação percentual (%) do número de empresas que implementaram inovações, segundo tipo de inovação: Brasil Fonte: IBGE Que implementaram inovações Só em produto Só em processo Produto e processo como o principal instrumento utilizado para inovar (13,5%), nas empresas estatais federais esse percentual é de apenas 2%. Isso porque o padrão de inovação observado na PINTEC 2008, sobretudo nas empresas industriais, é de realizar a inovação 6,6 4,2 14,9 17, , ,6 Pintec 2008 sem empresas estatais e federais Empresas estatais e federais Gráfico de produto e/ou de processo primordialmente através da compra de máquinas e equipamentos. Já nas empresas estatais, os gastos da inovação são, principalmente, nas atividades de P&D (ver gráfico 3). Importância (%) das atividades inovativas realizadas: Brasil Gráfico 2 Treinamento 59,9 75,5 Aquisição de software 26,5 71,4 Aquisição de máquinas e equipamentos 67,3 77,7 Aquisição de outros conhecimentos externos 11,6 51,0 Atividades internas de Pesquisa e Desenvolvimento 11,9 42,9 Projeto Industrial e outras preparações técnicas 37,2 34,7 Pintec 2008 sem empresas estatais e federais Aquisição externa de Pesquisa e Desenvolvimento 4,2 34,7 Empresas estatais e federais Introdução das Inovações tecnológicas no mercado 18,4 30, Fonte: IBGE

19 0 0 Análise IDEIES 19 Participação(%) das empresas inovadoras que usaram programas do governo: Brasil Gráfico 3 Outros 7,2 12,2 Financiamento à compra de máquinase equipamentos utilizados para inovar 2,0 13,5 Financiamento a pesquisa e desenvolvimentoem parceria com universidades 0,9 10,2 Financiamento a pesquisa e desenvolvimentosem parceria com universidades 1,4 2,0 Subvenção econômica Incentivo fiscal da Lei da Informática Incentivo fiscal a pesquisa e desenvolvimento 0,8 2,0 1,8 2,0 1,2 6,1 Pintec 2008 sem empresas estatais e federais Empresas estatais e federais Total 22,3 24, Fonte: IBGE Participação percentual(%) das empresas inovadoras em produto ou processo e que realizaram inovações organizacionais e de marketing: Brasil Gráfico 4 Estética, desenho ou outras mudanças Conceitos / estratégias de marketing 24,5 30,6 36,3 45,4 Pintec 2008 sem empresas estatais e federais Empresas estatais e federais Relações Externas 18,9 49,0 Organização do trabalho 45,9 71,4 Técnicas de gestão ambiental 28,0 51,0 Técnicas de gestão 48,1 85, Fonte: IBGE

20 0 20 Análise IDEIES Participação percentual(%) das empresas inovadoras em produto ou processo e que realizaram inovações organizacionais e de marketing: Brasil Gráfico 5 Estética, desenho ou outras mudanças Conceitos / estratégias de marketing 0,0 5,6 19,2 29,4 Pintec 2008 sem empresas estatais e federais Empresas estatais e federais Relações externas 10,3 11,1 Organização do trabalho 21,1 18,9 Técnicas de gestão ambiental 18,3 22,2 Técnicas de gestão 23,5 38, Fonte: IBGE Inovação não tecnológica A pesquisa realizada pelo IBGE também teve a preocupação de considerar a inovação segundo uma abordagem mais ampla, que incorpora as inovações não tecnológicas. Assim, 91,8% das empresas estatais federais inovadoras em produto e/ou processo também realizaram alguma inovação organizacional e 38,8%, alguma inovação de marketing. Entre os tipos de inovações organizacionais, sobressai nas empresas estatais federais inovadoras em produto e/ou processo a inovação em técnicas de gestão (85,7%) e organização do trabalho (71,4%), porém também são observadas taxas próximas a 50% nos dois outros itens que caracterizam esse tipo de inovação: técnicas de gestão ambiental (51%) e relações externas (49%). É interessante observar que as taxas das estatais federais são sempre superiores àquelas observadas nas empresas da PINTEC 2008 (ver gráfico 4). Em relação às inovações de marketing, ocorre movimento contrário, com taxas superiores nas empresas da PINTEC 2008 em comparação com as estatais federais, dado o fato de que a maior parte dessas empresas não tem o foco no mercado. O principal destaque na Pesquisa de Inovação nas Empresas Estatais Federais foi a inovação nos conceitos e estratégias de marketing (30,6%). A análise das empresas estatais federais não inovadoras em produto e/ou processo mostra que nos quatro itens da inovação organizacional e nos dois da de marketing, as taxas são inferiores àquelas apresentadas pelas empresas inovadoras, embora a estrutura seja bem semelhante (ver gráfico 5).

Inovação como estratégia da indústria capixaba é prioridade do Sistema FINDES

Inovação como estratégia da indústria capixaba é prioridade do Sistema FINDES edição 24 Dezembro 2010 Uma publicação do Instituto de Desenvolvimento Industrial do Espírito Santo - Núcleo Estratégico de Conjuntura - NEC Brasil 38,6% das empresas inovaram Europa 52,0% das empresas

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Inovação como diferencial para MPE S. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Inovação como diferencial para MPE S. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br Inovação como diferencial para MPE S O sonho dos brasileiros (2013) A proporção dos brasileiros que deseja de ter o próprio negócio (34,6%) é superior a dos que desejam fazer carreira em empresas (18,8%)

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

assinam Protocolo de Intenções para desenvolvimento da agroindústria capixaba América Latina terá ritmo mais lento de crescimento em 2011 e 2012

assinam Protocolo de Intenções para desenvolvimento da agroindústria capixaba América Latina terá ritmo mais lento de crescimento em 2011 e 2012 Saiba quais são os desafios para o desenvolvimento da indústria criativa 11 Banco Mundial divulga perspectivas para a economia mundial em 2011 América Latina terá ritmo mais lento de crescimento em 2011

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental A rotulagem ambiental Informações disponibilizadas nos rótulos de embalagens para que os consumidores possam optar por adquirir produtos de menor impacto ambiental em relação aos produtos concorrentes

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras CI1306 Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras Raoni Pereira, Hérica Righi, Marina Loures, Tiara Bicalho, Janayna Bhering, Bárbara Xavier - Núcleo de Inovação A Introdução inovação configura-se

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação 05/12/201 3 Estrutura da apresentação Tópicos abordados Introdução Edições anteriores Aperfeiçoamentos na PINTEC 2011 Aspectos metodológicos Âmbito Amostra Coleta de dados Método e situações de coleta

Leia mais

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO Um investimento indispensável para o crescimento da sua empresa. O Sebrae viabiliza serviços de consultoria prestados por uma rede de instituições/empresas detentoras de conhecimento tecnológico. Através

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Ana Cecília de Almeida e Nathália Pereira A Iniciativa Incluir, promovida pelo PNUD Programa

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral Imprensa São Paulo, 16 de junho de 2015 Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral O estudo foi baseado em uma pesquisa realizada

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

SÍNTESE DAS ATAS DE REUNIÕES DAS CÂMARAS SETORIAIS INDUSTRIAIS E DOS CONSATS - MARÇO DE 2011 - www.ideies.org.br

SÍNTESE DAS ATAS DE REUNIÕES DAS CÂMARAS SETORIAIS INDUSTRIAIS E DOS CONSATS - MARÇO DE 2011 - www.ideies.org.br SÍNTESE DAS ATAS DE REUNIÕES DAS CÂMARAS SETORIAIS INDUSTRIAIS E DOS CONSATS - MARÇO DE 2011 - www.ideies.org.br Vitória/ES Sistema Findes Prezado (a) Diretor (a), Segue síntese das reuniões das Câmaras

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Hulda O. Giesbrecht Enqualab 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia São Paulo, 27 de agosto de 2013 Diretoria

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

As compras institucionais sustentáveis e o papel da rotulagem como ferramenta de suporte na tomada de decisão

As compras institucionais sustentáveis e o papel da rotulagem como ferramenta de suporte na tomada de decisão As compras institucionais sustentáveis e o papel da rotulagem como ferramenta de suporte na tomada de decisão Luciana Stocco Betiol Professora FGV Coordenadora Programa Consumo Sustentável GVces CENÁRIOS

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas O Brasileiro é Empreendedor Fonte:GEM 2010 O Brasileiro é Empreendedor Dados Oficiais Público-Alvo POTENCIAL do Sebrae 22,9 milhões de empreendedores 23% da PEA

Leia mais

Análise dos dados da PINTEC 2011. Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15

Análise dos dados da PINTEC 2011. Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15 Análise dos dados da PINTEC 2011 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15 Brasília, dezembro de 2013 Análise dos dados da Pintec 2011 Fernanda De Negri ** Luiz Ricardo Cavalcante ** 1 Introdução

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco O que é o NTCPE? O Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco/NTCPE é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos.

Leia mais

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço Realização: Programa Mercado Mata Atlântica RBMA Instituto Amigos da Reserva

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Inmetro como Ponto Focal de Barreiras Técnicas da OMC Flávia Alves Bento Gonçalves, 29 de Novembro de 2012 Metrologia Científica e

Leia mais

O Programa de Inovação na Indústria Capixaba INOVAFINDES, é uma iniciativa de articulação e mobilização entre as instituições que compõem o Sistema

O Programa de Inovação na Indústria Capixaba INOVAFINDES, é uma iniciativa de articulação e mobilização entre as instituições que compõem o Sistema O Programa de Inovação na Indústria Capixaba INOVAFINDES, é uma iniciativa de articulação e mobilização entre as instituições que compõem o Sistema Findes com as que fazem parte do Sistema Estadual de

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Associação P&D Brasil

Associação P&D Brasil Transformando conhecimento em riqueza, como fazer mais e mais rápido? Associação P&D Brasil Engº Luiz Francisco Gerbase Presidente AP&D Brasil Um país só tem sucesso se contar com uma infraestrutura física,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

do software Brasileiro

do software Brasileiro Projeto mps Br: melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. O Projeto mps Br 3. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement 1 Percepção da Qualidade dos Processos

Leia mais

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica Palestra Divulgação PAPPE Paraná PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009 Fomento à Inovação Tecnológica Programa PAPPE Programa de Apoio à Pesquisa na Pequena Empresa Operacionalização: Consórcio

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

Espírito Santo foi o Estado brasileiro com a maior recuperação na produção industrial

Espírito Santo foi o Estado brasileiro com a maior recuperação na produção industrial edição 16 Março 2010 Uma publicação do Instituto de Desenvolvimento Industrial do Espírito Santo Núcleo Estratégico de Conjuntura Indústria Capixaba A maior recuperação do após a crise Inovação ainda é

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Compra Compartilhada de Material de Expediente (escritório) com Critérios de Sustentabilidade. Construindo um novo paradigma

Compra Compartilhada de Material de Expediente (escritório) com Critérios de Sustentabilidade. Construindo um novo paradigma Compra Compartilhada de Material de Expediente (escritório) com Critérios de Sustentabilidade Construindo um novo paradigma Conceito O conceito de Desenvolvimento Sustentável foi endossado pela ONU a partir

Leia mais

Fevereiro de 2010 - Edição 15 - Ano 2. Caro leitor,

Fevereiro de 2010 - Edição 15 - Ano 2. Caro leitor, ! " #$%& ' #$ & $%( )!$!$*++*+,! "# $ % & ' $-.# 012$3%$ + /!!&! %! &!$%)4!$!!!$ 5.&$6! 7$ 7!!!& $% )$$&!.&$ 8$6&$ 0!(&!! $ $! 59%!$!:;

Leia mais

Cursos PQRio - Treinamento para Examinadores. Produto brasileiro está 34% mais caro, aponta Fiesp

Cursos PQRio - Treinamento para Examinadores. Produto brasileiro está 34% mais caro, aponta Fiesp Informativo do Programa Qualidade Rio - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico do Rio de Janeiro - 26/03/13 Esta é a 239ª edição da Newsletter do Programa Qualidade Rio, com assuntos relacionados

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350 ARTESANATO BOLETIM COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento Em 2012, o faturamento foi de R$ 22,5 bilhões no Brasil, e de aproximadamente R$ 28 bilhões em 2013.

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais