Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira"

Transcrição

1 APTE : RODRIGO DE BRITO LIRA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 3ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (COMPETENTE P/ EXECUçõES PENAIS) JUÍZA FEDERAL CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA RELATÓRIO Trata-se de apelação criminal interposta pela defesa do acusado RODRIGO DE BRITO LIRA (fls.112/130) contra sentença proferida pelo Juízo Federal da 3ª Vara/PB João Pessoa (fls.97/105), que julgou procedente a denúncia para condenar o acusado pela prática de crime previsto no artigo 183 da Lei nº 9.472/97 à pena de 2 (dois) anos de detenção, em regime aberto, e 18 (dezoito) dias-multa. direito. A pena privativa de liberdade foi substituída por restritivas de Expõe a denúncia que o acusado desenvolveu clandestinamente atividade de telecomunicação, consistente na exploração de serviço de comunicação multimídia mediante a utilização de radiofrequência, sem prévia autorização da ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações, conforme constatado por agentes de fiscalização daquele Agência em 27/01/2011. Giza a denúncia que o acusado, perante a autoridade policial, confirmou que negociava serviço de internet via rádio, admitindo não ter conhecimento de que o exercício de tal atividade só se caracteriza regular quando investido de autorização do Poder Público para outorga de funcionamento. Nas razões recursais a defesa não se insurge especificamente contra a dosimetria imposta. Alega-se atipicidade de conduta, sinalizando que o caso concreto não se trata de serviço de telecomunicação, mas de serviço de provedor de internet. Pág.. 1/21

2 Por fim, sustenta ausência de provas para a condenação, tendo sido a sentença recorrida arrimada em meros indícios. Contrarrazões pela acusação (fls.133/147), pugnando o MPF pelo provimento do recurso manejado pela defesa, para a absolvição do acusado, em virtude da atipicidade da contuda. No Parecer de fls.151/153, o Exmo. Sr. Procurador Regional da República, Dr. Domingos Sávio Tenório de Amorim, opinou pelo não provimento do recurso interposto, ressalvada a possibilidade de alteração da tipificação do delito, do artigo 183 da Lei nº 9.472/97, para o art. 70 da Lei nº 4.117/62. É o que havia de relevante para relatar. Não sendo hipótese de recurso que necessite de revisão, porquanto a pena cominada foi de 2 anos de detenção, nos termos do Regimento Interno desta Corte, determinei a inclusão do feito em pauta para o julgamento. É o relatório. Pág.. 2/21

3 APTE : RODRIGO DE BRITO LIRA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 3ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (COMPETENTE P/ EXECUçõES PENAIS) JUÍZA FEDERAL CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA VOTO O Ministério Público Federal ofereceu denúncia em desfavor de Rodrigo de Brito Lima, imputando-lhe a prática da conduta descrita no art. 183, caput, da Lei n.º 9.472/97. De acordo com a denúncia, o réu teria desenvolvido clandestinamente atividade de telecomunicação, consistente na exploração de serviço de comunicação multimídia mediante utilização de radiofreqüência, sem prévia autorização da Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL. Narra a peça acusatória que fiscais da ANATEL, em diligências realizadas em 27 de janeiro de 2011, na cidade de João Pessoa/PB, (f. 06/11), constataram o funcionamento, sem a devida autorização, de uma estação de serviços de comunicação multimídia, instalada e administrada pelo denunciado, mediante provedor situado em empresa de sua propriedade, de nome fantasia Tecno Lan. Embora o MPF tenha sustentado na denúncia que a simples utilização de equipamentos de telecomunicações sem a devida autorização do órgão competente já é suficiente para o aperfeiçoamento da espécie delituosa, em suas razões finais pugnou pela absolvição do réu com base na atipicidade da conduta (art. 386, inciso III, do Código de Processo Penal). Concluiu o parquet federal que o provedor de serviço de conexão com a internet não presta serviço de telecomunicação, mas sim um serviço de valor adicionado que agrega utilidades a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte. A sentença, diversamente, considerou que o serviço prestado pelo réu (internet por radiotransmissão) não poderia ser classificado como serviço Pág.. 3/21

4 de valor adicionado, mas sim como serviço de comunicação multimídia SCM, espécie de serviço fixo de telecomunicações, sujeito, portanto, a prévia autorização da ANATEL, nos termos do art. 131 da Lei n.º 9.472/97 e da Resolução n.º 27/2001 da ANATEL. Entendeu-se ainda na sentença que a orientação firmada pelo Superior Tribunal de Justiça, no AgRg nos EDcl no Ag /RJ, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA TURMA, julgado em 04/03/2008, DJe 05/05/2008, no sentido de que a atividade exercida pelo provedor de acesso à Internet se caracteriza como "serviço de valor adicionado, aplica-se com perfeição às hipóteses de internet discada ou a cabo, não sendo aplicável aos casos em que a conexão com o provedor é feita por meio de radiofreqüência. O Réu apelou, por intermédio da Defensoria Pública da União, defendendo que os atos por ele praticados não constituem atividade de telecomunicação, conforme definido no art. 60 da Lei Geral de Telecomunicações, mas apenas um serviço de valor adicional, nos moldes do art. 61, 1º, da Lei n.º 9.472/97. Aduziu que a atividade por ele exercida não se caracteriza como serviço de telecomunicações, uma vez que somente as empresas conhecidas como Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações possuem os meios necessários à transmissão, emissão ou recepção de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza. Argumentou, ainda, que o funcionamento da rede local estabelecida via rádio entre ele e seus vizinhos não precisaria de autorização da União para seu funcionamento, pois se trata de uso de radiofreqüência restrita, nos termos do art. 163, 2º, I, da Lei n.º 9.472/97. Feitas essa breve síntese, no intuito de pôr em evidência os argumentos lançados na apelação e para os fundamentos adotados na sentença, passo ao exame dos fatos à luz da legislação que entendo aplicável ao caso concreto. Inicialmente, o art. 70 da Lei n.º 4.117/62 definiu ser crime a instalação ou utilização de telecomunicações sem observância de suas disposições e daquelas contidas nos regulamentos. Vejamos: Pág.. 4/21

5 Art. 70. Constitui crime punível com a pena de detenção de 1 (um a 2 (dois) anos, aumentada da metade se houver dano a terceiro, a instalação ou utilização de telecomunicações, sem observância do disposto nesta Lei e nos regulamentos Sobreveio a Lei n.º 9.472/97, que, em seu art. 183, tipificou a conduta de desenvolver clandestinamente atividades de telecomunicações, nos seguintes moldes: Art Desenvolver clandestinamente atividades de telecomunicação: Pena - detenção de dois a quatro anos, aumentada da metade se houver dano a terceiro, e multa de R$ ,00 (dez mil reais). A Lei n.º 9.472/97 revogou expressamente a Lei n.º 4.117/62, ressalvando, todavia, a aplicação desta última em relação à matéria penal não tratada na nova lei e quanto aos preceitos relativos à radiodifusão, confome redação do art. 215, inciso I, da Lei n.º 9.472/97. In verbis: Art Ficam revogados: I - a Lei n 4.117, de 27 de agosto de 1962, salvo quanto a matéria penal não tratada nesta Lei e quanto aos preceitos relativos à radiodifusão; Da interpretação dos mencionados dispositivos legais, concluise que o art. 70 da Lei n.º 4.117/62 continua a reger a conduta de desenvolver atividade telecomunicação sem prévia autorização enquanto que o art. 183 da Lei n.º 9.472/97 é aplicável aos casos em que a atividade de telecomunicação, embora previamente autorizada, é exercida sem observância do disposto na lei e nos regulamentos. Tribunal de Justiça: Nesse sentido, destaco os seguintes julgados do Superior AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. DIREITO PENAL. PRETENSA DESCLASSIFICAÇÃO DA CONDUTA DO ART. 183 DA LEI N /1997 PARA O ART. 70 DA LEI N /1962. IMPOSSIBILIDADE. AGENTE QUE EXPLORAVA ATIVIDADE DE RADIODIFUSÃO SEM AUTORIZAÇÃO. HABITUALIDADE NA INSTALAÇÃO. UTILIZAÇÃO CLANDESTINA. TIPIFICAÇÃO NOS TERMOS DO ART. 183 DA LEI N /97. AGRAVO IMPROVIDO. 1. O art. 183 da Lei n /97 não revogou o art. 70 da Lei n /62, haja vista a distinção dos tipos penais. Nos termos da jurisprudência desta Corte, a prática habitual de atividade de telecomunicação sem a prévia autorização do órgão público competente subsume-se ao tipo descrito no art. 183 da Lei n /97, enquanto a conduta daquele que, previamente autorizado, exerce atividade de telecomunicação de Pág.. 5/21

6 forma contrária aos preceitos legais e regulamentares encontra enquadramento típico-normativo no art. 70 da Lei n / No caso, correto o acórdão proferido pelo Tribunal de origem que, verificando a conduta do agente em explorar e exercer, de forma habitual, os serviços de telecomunicação de radiodifusão sem a autorização do órgão competente, o condena pelo crime descrito no art. 183 da Lei n / Agravo regimental a que se nega provimento. (AgRg no REsp /ES, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, QUINTA TURMA, julgado em 12/11/2013, DJe 20/11/2013) CONFLITO DE COMPETÊNCIA. PENAL E PROCESSUAL CRIMINAL. ESTAÇÃO DE RADIODIFUSÃO CLANDESTINA. CAPITULAÇÃO. ART. 70 DA LEI 4.117/62 OU ART. 183 DA LEI 9.472/97. JUIZADO ESPECIAL E VARA FEDERAL. NÃO CONFIGURAÇÃO DE CRIME DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. COMPETÊNCIA DO JUÍZO DA VARA FEDERAL CRIMINAL. 1. O art. 70 da Lei 4.117/62 não foi revogado pelo art. 183 da Lei 9.472/97, já que as condutas neles descritas são diversas, sendo que no primeiro pune-se o agente que, apesar de autorizado anteriormente pelo órgão competente, age de forma contrária aos preceitos legais e regulamentos que regem a matéria, e no segundo, aquele que desenvolve atividades de telecomunicações de forma clandestina, ou seja, sem autorização prévia do Poder Público. 2. In casu, verifica-se que o indiciado, em tese, explorou serviço de telecomunicação sem autorização, ou seja, de forma clandestina, subsumindo-se o modo de agir ao tipo descrito no art. 183 da Lei nº 9.472/97, cuja pena máxima cominada é superior a 2 (dois) anos, não se configurando, assim, em delito de menor potencial ofensivo. 3. Conflito conhecido para declarar-se competente o Juízo Federal da 2ª Vara da Seção Judiciária do Estado do Tocantins, o suscitado. (CC /TO, Rel. Ministro JORGE MUSSI, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 05/12/2008, DJe 18/12/2008) No caso dos autos, há provas suficientes de que a conduta imputada ao Réu, qual seja, o compartilhamento de conexão de Internet via rádio com outros usuários, não foi objeto de prévia autorização pela ANATEL, conforme pode ser constatado a partir do Termo de Apreensão de Equipamentos (fl. 07), do Relatório de Fiscalização da Anatel (fls. 09/22) e do interrogatório do Réu em Juízo (fls. 50/51). Assim, responsabilidade penal deve ser apurada com base nos preceitos do art. 183 da Lei n.º 9.472/97. Com dito, a denúncia atribui ao Réu a prática da atividade de telecomunicação, consistente na exploração de serviço de comunicação multimídia mediante utilização de radiofreqüência, sem prévia autorização da Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL. Argumenta-se que a simples utilização Pág.. 6/21

7 de equipamentos de telecomunicações sem a devida autorização do órgão competente já é suficiente para o aperfeiçoamento da espécie delituosa. Pelo que consta do Termo de Apreensão lavrado pela ANATEL (fl. 06 do Inquérito Policial) foi constatada, por ocasião da fiscalização, a ocorrência das seguintes práticas atribuídas ao Réu: Serviço de Comunicação Multimídia, sem a devida autorização da Anatel (art. 131 da Lei n.º 9.472/97 c/c o art. 10 da Resolução n.º 272/2001). Uso de radiofreqüência sem prévia autorização da Anatel (art. 163 da Lei n.º 9.472/97 c/c o art. 80 da Resolução n.º 259/2001). Equipamentos instalados ou utilizados clandestinamente (art. 208, inciso V, da Resolução n.º 270/2001) Utilização de Produto sem a devida certificação/homologação (art. 55, V, a, c/c o art. 63 da Resolução n.º 242/2000). Tendo em vista que as práticas descritas nos itens 3 e 4 não podem ser consideradas isoladamente como infração penal, já que integram as condutas descritas nos itens 1 e 2, tem-se que a imputação diz respeito ao fornecimento de Serviço de Comunicação Multimídia e ao uso de radiofreqüência, em ambos os casos sem prévia autorização da Anatel. Foi justamente em razão de terem sido atribuídas ao Réu essas duas práticas, embora reunidas na denúncia sob a forma de uma só conduta, que a sentença se pronunciou sobre a instalação da rede via rádio e o compartilhamento da conexão à Internet como práticas caracterizadoras do crime previsto no art. 183 da Lei n.º 9.472/97. Não obstante, entendo que essas práticas correspondem na verdade a duas condutas. Distinguindo as condutas de fornecer acesso à Internet por meio de radiofreqüência e de oferecer acesso à Internet como serviço de valor adicionado trago à colação os seguintes julgados deste Tribunal: PENAL E PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. TRANSMISSÃO DE SINAL DE INTERNET POR RADIOFREQUÊNCIA. ALEGAÇÃO DE INÉPCIA DA DENÚNCIA. INOCORRÊNCIA. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. INAPLICÁVEL. DOLO. NECESSIDADE DE Pág.. 7/21

8 INSTRUÇÃO CRIMINAL. ORDEM DENEGADA. 1. Não há que se falar em denúncia inepta, ao contrário, a peça inaugural do Parquet apresenta todos os elementos necessários ao seu conhecimento (art. 41 do CPP). 2. O art. 183 da Lei 9.472/97 pune aquele que desenvolver clandestinamente, sem a devida autorização, atividades de telecomunicações, o que abarca o fornecimento de acesso à internet por meio de radiofreqüência. Há que se fazer a distinção entre o serviço de provimento de acesso à internet, como serviço de valor adicionado, não sujeito à autorização do Poder Público, e o serviço de fornecimento de acesso à internet através de radiofreqüência, supostamente ocorrido na situação. 3. Princípio da Insignificância não aplicável na hipótese. Além das provas evidenciarem que houve cobrança pela prestação do serviço, inexiste perícia comprovando que a potência prevista, em tese, para o equipamento, era a potência de operação deste. 4. Não há como concluir, de logo, sem qualquer exame mais aprofundado do material probatório, pela inexistência de dolo na conduta do ora paciente. Tal argumentação requer uma apreciação detalhada, o que não é possível em sede de procedimentos como o ora manejado. 5. Ordem denegada. (HC , Desembargador Federal Emiliano Zapata Leitão, TRF5 - Primeira Turma, DJE - Data::16/06/ Página::342.) PENAL E PROCESSO PENAL. CRIME TIPIFICADO NO ARTIGO 183, DA LEI Nº 9.472/97. AUTORIA E MATERIALIDADE DELITIVAS. SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA, DE ACESSO À INTERNET, VIA RÁDIO, SEM AUTORIZAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL. AUSÊNCIA DE FINS LUCRATIVOS. IRRELEVÂNCIA. CRIME FORMAL E DE PERIGO ABSTRATO. POTÊNCIA. RADIAÇÃO RESTRITA. PROVA. 1. Ficaram demonstradas a autoria e a materialidade do delito descrito no artigo 183, da Lei nº 9.472/97, considerando que o acusado transmitia sinal de internet, via rádio, sem a autorização da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL. 2. Quando o acesso à internet é implementado através de rádio, são prestados um serviço de valor adicionado (representado pelo acesso propriamente dito) e um serviço de telecomunicações (de Comunicação Multimídia), daí a necessidade da autorização, a afastar a atipicidade alegada no apelo. 3. Embora tenha havido, quando da fiscalização, a alusão à disponibilização comercial dos serviços a terceiros, não comprovada no inquérito e na ação penal, o próprio acusado admitiu que fornecia tais serviços, a título gratuito, a suas irmãs e a sua mãe, moradoras de casa vizinha. Ademais, não se insere, entre os elementos que compõem o tipo em questão, o propósito de auferir lucro. 4. Cuida-se de crime formal e de perigo abstrato, sendo suficiente, para sua caracterização, o risco potencial de interferência na segurança dos serviços de comunicações regulares, independentemente do dano concreto. 5. A fiscalização da citada Agência realizou testes "in loco", quando apurou que não se tratava de equipamento de radiação restrita, de potência inferior a 400 mw (quatrocentos megawatts), para a qual não se necessitava de autorização prévia. Pág.. 8/21

9 6. A realização de perícia no equipamento foi inviabilizada pelo próprio acusado, que impediu a fiscalização de ter acesso ao mesmo, para lacrá-lo e fazer cessar a sua operação. 7. Apelação improvida. (PROCESSO: , ACR8174/PB, RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO WANDERLEY DE SIQUEIRA FILHO (CONVOCADO), Terceira Turma, JULGAMENTO: 13/09/2012, PUBLICAÇÃO: DJE 20/09/ Página 825) Assim, no que tange ao uso de equipamentos de radiofreqüência para viabilizar o compartilhamento da conexão à Internet, penso que tal conduta poderia configurar pelo menos em tese a prática do crime previsto no art. 183 da Lei n.º 9.472/97. Vale observar que, diferentemente do que ocorre em relação às rádios comunitárias, em que a simples falta de autorização para sua instalação e funcionamento, configure o crime descrito no art. 183 da Lei n.º 9.742/97, na modalidade de uso indevido de radiofrequência para estabelecimento de rede entre equipamentos de informática, exige-se para sua caracterização a prova de que os equipamentos não atendem as exigências da lei e dos regulamentos. Isso porque, nos termos do art. 163, 2º, inciso I, da Lei n.º 9.472/97, o uso de radiofreqüência por meio de equipamentos de radiação restrita, nos moldes definidos pela Anatel, independe de outorga. Eis o texto legal: Lei n.º 9.472/97 Art O uso de radiofreqüência, tendo ou não caráter de exclusividade, dependerá de prévia outorga da Agência, mediante autorização, nos termos da regulamentação. 1 Autorização de uso de radiofreqüência é o ato administrativo vinculado, associado à concessão, permissão ou autorização para prestação de serviço de telecomunicações, que atribui a interessado, por prazo determinado, o direito de uso de radiofreqüência, nas condições legais e regulamentares. 2 Independerão de outorga: I - o uso de radiofreqüência por meio de equipamentos de radiação restrita definidos pela Agência; 506/2008 da Anatel: No mesmo sentido, dispõe os arts. 1º e 3º da Resolução n.º Art. 1º Este Regulamento tem por objetivo caracterizar os equipamentos de radiação restrita e estabelecer as condições de uso de radiofreqüência para que possam ser utilizados com dispensa da Pág.. 9/21

10 licença de funcionamento de estação e independentes de outorga de autorização de uso de radiofreqüência, conforme previsto no art. 163, 2º, inciso I da Lei nº 9.472, de 16 de julho de Art. 3º As estações de radiocomunicação, que fizerem uso de equipamentos de radiação restrita caracterizados por este Regulamento, estão isentas de cadastramento ou licenciamento para instalação e funcionamento. Parágrafo único. Quando a atividade de telecomunicações desenvolvida pela estação de radiocomunicação extrapolar os limites de uma mesma edificação ou propriedade móvel ou imóvel, e as estações de radiocomunicações fizerem uso de equipamentos definidos nas Seções IX e X deste Regulamento, aplicam-se as seguintes disposições: I - quando o funcionamento dessas estações estiver associado à exploração do serviço de telecomunicações de interesse coletivo, será necessária a correspondente autorização do serviço, bem como o licenciamento das estações que se destinem à: a) interligação às redes das prestadoras de serviços de telecomunicações; ou b) interligação a outras estações da própria rede por meio de equipamentos que não sejam de radiação restrita; II - quando o funcionamento dessas estações servir de suporte à rede de telecomunicações destinada a uso próprio ou a grupos determinados de usuários, será dispensada a obtenção da autorização de serviço, devendo ainda, caso as estações estejam operando em conformidade com as alíneas a ou b do inciso I deste artigo, ser cadastradas no banco de dados da Agência; III - os incisos I e II não se aplicam quando as estações operarem nas condições previstas no 2º do art. 39, deste Regulamento. Nesse caso, será necessária a autorização de serviço, assim como o licenciamento das estações. Desse modo, em que pese o fato de constar do Anexo ao Termo de Apreensão 0001PB (fl. 08 do Inquérito Policial) que dois dos três equipamentos apreendidos (cabo UTP e placa acrescida de transceptor com fonte) não haviam sido certificados/homologados pela Anatel, penso que esse fato, por si só, não é suficiente para reconhecer que o equipamento não se enquadra como sendo de radiação restrita, ou que mesmo sendo de radiação restrita não atendiam as prescrições dos incisos I, II e III do parágrafo único do art. 3º da Resolução n.º 506/2008 da Anatel, sendo indispensável para tanto a realização de prova pericial. Pág..10/21

11 Em consequência, uma vez que não foi realizada a prova pericial com essa finalidade, entendo que não se pode atribuir ao Réu, pelo simples fato de ter instalado e posto em operação equipamentos de radiodifusão, no intuito de permitir a conexão dos demais usuários ao equipamento que dava acesso à Internet, a conduta de desenvolver atividade clandestina de telecomunicação. Incide, na hipótese, a regra do art. 386, inciso VII, do Código de Processo Penal (absolvição em razão da ausência de prova suficiente para a condenação). Com relação à conduta de oferecer acesso à Internet, por meio de compartilhamento da conexão com provedor de acesso, penso que tal atividade não se equipara ao Serviço de Comunicação Multimídia de que trata a Resolução n.º 272/2001 da Anatel. É indiscutível que o Serviço de Comunicação Multimídia SCM é uma das modalidades do serviço de telecomunicações, sujeito, portanto, a autorização da Anatel, como, aliás, consta expressamente dos art. 3º e 10 da Resolução n.º 272/2001: Art. 3º O Serviço de Comunicação Multimídia é um serviço fixo de telecomunicações de interesse coletivo, prestado em âmbito nacional e internacional, no regime privado, que possibilita a oferta de capacidade de transmissão, emissão e recepção de informações multimídia, utilizando quaisquer meios, a assinantes dentro de uma área de prestação de serviço. Art. 10. A exploração do SCM depende de autorização da Anatel, devendo basear-se nos princípios constitucionais da atividade econômica. A conduta do Réu de oferecer acesso à Internet mediante compartilhamento da conexão OI/VELOX, embora de alguma forma possibilite a transmissão, emissão e recepção de informações multimídia, difere do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, pois somente as Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações (ESSPT) estão habilitadas a prestar esse serviço (SCM). Com efeito, nos termos da Norma n.º 004/95, da Anatel, que trata do Uso de Meios da Rede Pública de Telecomunicações para Acesso à Internet, compete às Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações EESPT fornecer Serviços de Telecomunicações necessários ao Pág..11/21

12 provimento e utilização de Serviços de Conexão à Internet, cabendo aos Provedores de Serviço de Conexão à Internet, à sua escolha, utilizar os Serviços de Telecomunicações prestados pela EESPT. Observe-se: 5. USO DE MEIOS DA REDE PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES POR PROVEDORES E USUÁRIOS DE SERVIÇOS DE CONEXÃO À INTERNET 5.1. O uso de meios da Rede Pública de Telecomunicações, para o provimento e utilização de Serviços de Conexão à Internet, far-se-á por intermédio dos Serviços de Telecomunicações prestados pelas Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações O Provedor de Serviço de Conexão à Internet pode, para constituir o seu serviço, utilizar a seu critério e escolha, quaisquer dos Serviços de Telecomunicações prestados pela EESPT. Por outro lado, a prática desenvolvida pelo Réu também não pode ser enquadrada como sendo de Provedor de Serviço de Conexão à Internet - PSCI, seja porque ele apenas compartilhava a conexão contratada com o Provedor de Serviço de Conexão à Internet -PSCI (OI/VELOX), seja porque as atividades de Provedor de Serviço de Conexão à Internet PSCI, também nos termos da Norma n.º 004/95 da Anatel, exigem uma série de equipamentos, programas de computador (hardwares e softwares) e rotinas que não foram utilizados no mero compartilhamento da conexão entre usuários externos, ainda que via radiofreqüência. Vejamos: 4. SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET 4.1. Para efeito desta Norma, considera-se que o Serviço de Conexão à Internet constitui-se: a) dos equipamentos necessários aos processos de roteamento, armazenamento e encaminhamento de informações, e dos "software" e "hardware" necessários para o provedor implementar os protocolos da Internet e gerenciar e administrar o serviço; b) das rotinas para a administração de conexões à Internet (senhas, endereços e domínios Internet); c) dos "softwares" dispostos pelo PSCI: aplicativos tais como - correio eletrônico, acesso a computadores remotos, transferência de arquivos, acesso a banco de dados, acesso a diretórios, e outros correlatos -, mecanismos de controle e segurança, e outros; d) dos arquivos de dados, cadastros e outras informações dispostas pelo PSCI; e) do "hardware" necessário para o provedor ofertar, manter, gerenciar e administrar os "softwares" e os arquivos especificados nas letras "b", "c" e "d" deste subitem; f) outros "hardwares" e "softwares" específicos, utilizados pelo PSCI. Pág..12/21

13 No caso em exame, os equipamentos apreendidos (placa transceptora, cabo UTP e antena omnidirecional) não são suficientes para instalação de um provedor de Internet, conforme se verifica a partir da Norma n.º 004/95 da Anatel. Note-se que o art. 61, 1º, da Lei n.º 9.472/97 estabelece claramente que o serviço de valor adicionado não constitui serviço de telecomunicações, atuando o provedor de acesso como mero usuário do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte. Observe-se: Art. 61. Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. 1º Serviço de valor adicionado não constitui serviço de telecomunicações, classificando-se seu provedor como usuário do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte, com os direitos e deveres inerentes a essa condição. E ainda que não fosse assim, ou seja, mesmo que fosse possível equiparar o compartilhamento do acesso à Internet às atividades dos provedores de acesso, haveria de ser reconhecida a atipicidade da conduta diante da disposição expressa do art. 61, 1º, da Lei n.º 9.472/97. Nessa linha, trago à colação julgado desta Quarta Turma: PENAL E CONSTITUCIONAL. PROVEDOR DE ACESSO À INTERNET. SINAL POR RADIOFREQUÊNCIA. ART. 61, PARÁGRAFO 1º, DA LEI Nº 9.472/1997. SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO E NÃO DE TELECOMUNICAÇÕES. PRECEDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. ATIPICIDADE DO FATO. TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL. POSSIBILIDADE. CONCESSÃO DA ORDEM. I. O Superior Tribunal de Justiça já pacificou o entendimento de que a atividade exercida, no Brasil, pelos provedores de acesso à internet configura serviço de valor adicionado, pois aproveita um meio físico de comunicação preexistente e a ele acrescenta elementos que agilizam o fenômeno comunicacional (RESP /PR, rel. Min. José Delgado). II. Não se encontrando tipificado penalmente o fato narrado na denúncia, diante do previsto no art. 61, parágrafo 1º, da Lei nº 9.472/1997, que afasta a incidência, à hipótese, do previsto no art. 183 do mesmo diploma legal, é de ser trancada a ação penal manejada em desfavor da paciente. III. Ordem concedida. (HC , Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, TRF5 - Quarta Turma, DJE - Data::26/04/ Página::791.) Pág..13/21

14 Acrescente-se que o entendimento deste Colegiado está em consonância com o posicionamento adotado pelo Superior Tribunal de Justiça ao definir que O serviço de conexão à Internet, por si só, não possibilita a emissão, transmissão ou recepção de informações, deixando de enquadrar-se, por isso, no conceito de serviço comunicacional. Confira-se: TRIBUTÁRIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. ARTIGO 544 DO CPC. ICMS. SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET. MODALIDADE BANDA LARGA. SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO. ART. 61, 1º, DA LEI N /97. NÃO INCIDÊNCIA. POSICIONAMENTO DA PRIMEIRA SEÇÃO. JULGAMENTO DOS ERESP /PR. RECURSO DESPROVIDO. 1. A Lei nº 9.472/97, que dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, em seu art. 61, caput, prevê: "Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações". 2. O serviço de conexão à Internet, por si só, não possibilita a emissão, transmissão ou recepção de informações, deixando de enquadrar-se, por isso, no conceito de serviço comunicacional. Para ter acesso à Internet, o usuário deve conectar-se a um sistema de telefonia ou outro meio eletrônico, este sim, em condições de prestar o serviço de comunicação, ficando sujeito à incidência do ICMS. O provedor, portanto, precisa de uma terceira pessoa que efetue esse serviço, servindo como canal físico, para que, desse modo, fique estabelecido o vínculo comunicacional entre o usuário e a Internet. É esse canal físico (empresa de telefonia ou outro meio comunicacional) o verdadeiro prestador de serviço de comunicação, pois é ele quem efetua a transmissão, emissão e recepção de mensagens. 3. A atividade exercida pelo provedor de acesso à Internet configura na realidade, um "serviço de valor adicionado": pois aproveita um meio físico de comunicação preexistente, a ele acrescentando elementos que agilizam o fenômeno comunicacional. 4. A Lei n 9.472/97 (Lei Geral de Telecomunicações ao definir, no art. 61, o que é o serviço de valor adicionado, registra: "Serviço de valor adicionado a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicação, que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de mensagens". E dessa menção ao direito positivo já se percebe que o serviço de valor adicionado, embora dê suporte a um serviço de comunicação (telecomunicação), com ele não se confunde. 5. A função do provedor de acesso à Internet não é efetuar a comunicação, mas apenas facilitar o serviço comunicação prestado por outrem. 6. Aliás, nesse sentido posicionou-se o Tribunal: "O serviço prestado pelo provedor de acesso à Internet não se caracteriza como serviço de telecomunicação, porque não necessita de autorização, permissão ou concessão da União (artigo 21, XI, da Constituição Federal).Tampouco oferece prestações onerosas de serviços de comunicação (art. 2º, III, da LC Pág..14/21

15 n. 87/96), de forma a incidir o ICMS, porque não fornece as condições e meios para que a comunicação ocorra, sendo um simples usuário dos serviços prestados pelas empresas de telecomunicações. Trata-se, portanto, de mero serviço de valor adicionado, uma vez que o prestador se utiliza da rede de telecomunicações que lhe dá suporte para viabilizar o acesso do usuário final à Internet, por meio de uma linha telefônica, atuando como intermediário entre o usuário final e a Internet. Utiliza-se, nesse sentido, de uma infra-estrutura de telecomunicações preexistente, acrescentando ao usuário novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações (artigo 61 da Lei Geral de Telecomunicações). "O provimento de acesso não pode ser enquadrado, (...), como um serviço de comunicação, pois não atende aos requisitos mínimos que, técnica e legalmente, são exigidos para tanto, ou seja, o serviço de conexão à Internet não pode executar as atividades necessárias e suficientes para resultarem na emissão, na transmissão, ou na recepção de sinais de telecomunicação. Nos moldes regulamentares, é um serviço de valor adicionado, pois aproveita uma rede de comunicação em funcionamento e agrega mecanismos adequados ao trato do armazenamento, movimentação e recuperação de informações" (José Maria de Oliveira, apud Hugo de Brito Machado, in "Tributação na Internet", Coordenador Ives Gandra da Silva Martins, Ed. Revista dos Tribunais, São Paulo, 2001, p. 89)." (RESP nº /PR, Voto Vista Ministro Franciulli Netto) 7. Consectariamente, o serviço de valor adicionado, embora dê suporte a um serviço de comunicação (telecomunicação), com ele não se confunde, pois seu objetivo não é a transmissão, emissão ou recepção de mensagens, o que, nos termos do 1º, do art. 60, desse diploma legal, é atribuição do serviço de telecomunicação. 8. Destarte, a função do provedor de acesso à Internet não é efetuar a comunicação, mas apenas facilitar o serviço comunicação prestado por outrem, no caso, a companhia telefônica, aproveitando uma rede de comunicação em funcionamento e a ela agregando mecanismos adequados ao trato do armazenamento, movimentação e recuperação de informações. 9. O serviço de provedor de acesso à internet não enseja a tributação pelo ICMS, considerando a sua distinção em relação aos serviços de telecomunicações, subsumindo-se à hipótese de incidência do ISS, por tratar-se de serviços de qualquer natureza. 10. Registre-se, ainda, que a lei o considera "serviço", ao passo que, o enquadramento na exação do ICMS implicaria analogia instituidora de tributo, vedado pelo art. 108, 1º, do CTN. 11. Deveras, é cediço que a analogia é o primeiro instrumento de integração da legislação tributária, consoante dispõe o art. 108, 1º doctn. A analogia é utilizada para preencher as lacunas da norma jurídica positiva, ampliando-se a lei a casos semelhantes. Sua aplicação, in casu, desmereceria aplausos, uma vez que a inclusão dos serviços de internet no ICMS invadiria, inexoravelmente, o terreno do princípio da legalidade ou da reserva legal que, em sede de direito tributário, preconiza que o tributo só pode ser criado ou aumentado por lei. 12. Consectariamente, a cobrança de ICMS sobre serviços prestados pelo provedor de acesso à Internet violaria o princípio da tipicidade tributária, segundo o qual o tributo só pode ser exigido quando todos os elementos da Pág..15/21

16 norma jurídica - hipótese de incidência, sujeito ativo e passivo, base de cálculo e alíquotas - estão contidos na lei. 13. No julgamento dos EREsp /PR, em 11 de maio de 2005, a Primeira Seção, por maioria de votos, negou provimento aos embargos de divergência, fazendo prevalecer o entendimento da Segunda Turma, no sentido de ser indevida a incidência de ICMS sobre os serviços prestados pelos provedores de acesso à internet, sob o fundamento de que esses prestam serviços de valor adicionado, nos termos do art. 61, 1º, da Lei 9.472/97, apenas liberando espaço virtual para comunicação. 14. Agravo Regimental desprovido. (AgRg nos EDcl no Ag /RJ, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA TURMA, julgado em 04/03/2008, DJe 05/05/2008) Em síntese, a diferença entre o compartilhando do acesso final à Internet, devidamente contratado, pelos meios permitidos, segundo as especificações da Anatel, que não caracteriza crime, e o compartilhamento que configura ilícito penal está justamente no meio utilizado e em sua forma, e não no compartilhamento em si. A prática desta conduta, quando muito, conduziria a um ilícito civil, por desrespeito às normas contratuais. Ante o exposto, DOU PROVIMENTO, à apelação para absolver o Réu da imputação de instalação e utilização de equipamentos de radiofreqüência fora das prescrições legais e regulamentares (Lei n.º 9.472/97 c/c a Resolução n.º 506/2008 da Anatel), em face da insuficiência de provas, nos termos do art. 386, VII, do CPP, bem como da imputação exploração de Serviço de Comunicação Multimídia, sem prévia autorização Anatel, diante da atipicidade da conduta verificada no caso concreto (CPP, art. 386, III). É como voto. Recife, 22/04/2014 Des. Federal ROGÉRIO FIALHO MOREIRA Relator Pág..16/21

17 APTE : RODRIGO DE BRITO LIRA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA ORIGEM : 3ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (COMPETENTE P/ EXECUçõES PENAIS) JUÍZA FEDERAL CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ EMENTA PENAL E PROCESSUAL PENAL. CRIME TIPIFICADO NO ART. 183 DA LEI N.º 9.472/92. COMPARTILHAMENTO DE CONEXÃO DE INTERNET VIA RÁDIO. DISTINÇÃO ENTRE AS CONDUTAS DE TRANSMITIR SINAIS DE RADIOFREQUÊNCIA FORA DOS PARÂMETROS LEGAIS E REGULAMENTARES E DE COMPARTILHAR CONEXÃO DE INTERNET. COMPARTILHAMENTO DE ACESSO À INTERNET VIA RADIOFREQUÊNIA QUE NÃO SE CONFUNDE COM O SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA NEM COM O SERVIÇO DE VALOR ADICIONAL. ATIPICIDADE DA CONDUTA DE COMPARTILHAR ACESSO À INTERNET, DESDE QUE OBEDECIDAS AS PRESCRIÇÕES LEGAIS QUANTO AO USO DO MEIO. APELAÇÃO PROVIDA. 1. Apelação criminal interposta contra sentença que julgou procedente a denúncia para condenar o acusado pela prática de crime previsto no artigo 183 da Lei nº 9.472/97 à pena de 2 (dois) anos de detenção, em regime aberto, e 18 (dezoito) dias-multa. 2. Caso em que, segundo a denúncia, fiscais da ANATEL teriam constatado o funcionamento, sem a devida autorização, de uma estação de serviços de comunicação multimídia, instalada e administrada pelo denunciado, mediante provedor situado em empresa de nome fantasia Tecno Lan. 3. A partir da interpretação do art. 215, I, da Lei n.º 4.117/62 conclui-se que o art. 70 da Lei n.º 4.117/62 continua a reger a conduta de desenvolver atividade de telecomunicação sem Pág..17/21

18 prévia autorização enquanto que o art. 183 da Lei n.º 9.472/97 é aplicável aos casos em que a atividade de telecomunicação, embora previamente autorizada, é exercida sem observância do disposto na lei e nos regulamentos. Precedentes do STJ. 4. Existência nos autos de provas suficientes de que a conduta imputada ao Réu, qual seja, o compartilhamento de conexão de Internet via rádio com outros usuários, não foi objeto de prévia autorização pela ANATEL, conforme se constata do Termo de Apreensão de Equipamentos, do Relatório de Fiscalização da Anatel e do interrogatório do Réu em Juízo. 5. Termo de Apreensão lavrado pela ANATEL constatando, por ocasião da fiscalização, a ocorrência das seguintes práticas atribuídas ao Réu: 1) Serviço de Comunicação Multimídia, sem a devida autorização da Anatel (art. 131 da Lei n.º 9.472/97 c/c o art. 10 da Resolução n.º 272/2001); 2) Uso de radiofreqüência sem prévia autorização da Anatel (art. 163 da Lei n.º 9.472/97 c/c o art. 80 da Resolução n.º 259/2001); 3) Equipamentos instalados ou utilizados clandestinamente (art. 208, inciso V, da Resolução n.º 270/2001); 4) Utilização de Produto sem a devida certificação/homologação (art. 55, V, a, c/c o art. 63 da Resolução n.º 242/2000). 6. São distintas as condutas de fornecer acesso à Internet por meio de radiofreqüência e de oferecer acesso à Internet como serviço de valor adicionado. Precedentes desta Corte. 7. O uso de equipamentos de radiofreqüência para viabilizar o compartilhamento da conexão à Internet é suscetível de configurar pelo menos em tese a prática do crime previsto no art. 183 da Lei n.º 9.472/ Diferentemente do que ocorre em relação às rádios comunitárias, em que a simples falta de autorização para sua instalação e funcionamento, configura o crime descrito no art. 183 da Lei n.º 9.742/97, na modalidade de uso indevido de radiofrequência para estabelecimento de rede entre equipamentos de informática, exige-se para sua caracterização Pág..18/21

19 a prova de que os equipamentos não atendem as exigências da lei e dos regulamentos (art. 163, 2º, inciso I, da Lei n.º 9.472/97 c/c arts. 1º e 3º da Resolução n.º 506/2008 da Anatel). 9. O fato de constar do Anexo ao Termo de Apreensão que dois dos três equipamentos apreendidos (cabo UTP e placa acrescida de transceptor com fonte) não haviam sido certificados/homologados pela Anatel, por si só, não é suficiente para reconhecer que tais equipamentos não se enquadram como sendo de radiação restrita, ou que mesmo sendo de radiação restrita não atendem as prescrições dos incisos I, II e III do parágrafo único do art. 3º da Resolução n.º 506/2008 da Anatel, sendo indispensável para tanto a realização de prova pericial. Incidência da regra do art. 386, inciso VII, do Código de Processo Penal (absolvição em razão da ausência de prova suficiente para a condenação). 10. O Serviço de Comunicação Multimídia SCM é uma das modalidades do serviço de telecomunicações, sujeito, portanto, a autorização da Anatel, como, aliás, consta expressamente dos art. 3º e 10 da Resolução n.º 272/ A conduta de oferecer acesso à Internet mediante compartilhamento da conexão OI/VELOX, embora de alguma forma possibilite a transmissão, emissão e recepção de informações multimídia, difere do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, pois somente as Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações (ESSPT) estão habilitadas a prestar esse serviço (SCM). 12. Prática desenvolvida pelo Réu que também não pode ser enquadrada como sendo de Provedor de Serviço de Conexão à Internet - PSCI, seja porque ele apenas compartilhava a conexão contratada com o Provedor de Serviço de Conexão à Internet -PSCI (OI/VELOX), seja porque as atividades de Provedor de Serviço de Conexão à Internet PSCI, também nos termos da Norma n.º 004/95 da Anatel, exigem uma série Pág..19/21

20 de equipamentos, programas de computador (hardwares e softwares) e rotinas que não foram utilizados no mero compartilhamento da conexão entre usuários externos. 13. Ainda que fosse possível equiparar o compartilhamento do acesso à Internet às atividades dos provedores de acesso, caberia levar em conta que O serviço de conexão à Internet, por si só, não possibilita a emissão, transmissão ou recepção de informações, deixando de enquadrar-se, por isso, no conceito de serviço comunicacional. Entendimento do STJ e desta Quarta Turma. 14. A diferença entre o compartilhando do acesso final à Internet, devidamente contratado, pelos meios permitidos, segundo as especificações da Anatel, que não caracteriza crime, e o compartilhamento de conexão de Internet que configura ilícito penal está justamente no meio utilizado e em sua forma de utilização, e não no compartilhamento em si. 15. Apelação provida para absolver o Réu da imputação de instalação e utilização de equipamentos de radiofreqüência fora das prescrições legais e regulamentares (Lei n.º 9.472/97 c/c a Resolução n.º 506/2008 da Anatel), em face da insuficiência de provas, nos termos do art. 386, VII, do CPP, bem como da imputação exploração de Serviço de Comunicação Multimídia, sem prévia autorização Anatel, diante da atipicidade da conduta verificada no caso concreto (CPP, art. 386, III). ACÓRDÃO Vistos, etc. Decide a Quarta Turma do, à unanimidade, DAR PROVIMENTO, à apelação, nos termos do voto do relator, na forma do relatório e notas taquigráficas constantes dos autos, que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. Recife, 22 de abril de Pág..20/21

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 628.046 - MG (2004/0007362-1) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA RECORRENTE : TASK SOFTWARE LTDA ADVOGADO : JOSÉ FRANCISCO DE OLIVEIRA SANTOS E OUTROS RECORRIDO : ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO ACR 12760 AL (0007902-40.2007.4.05.8000) APTE : JOSEVAL REIS LIMA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : JUÍZO FEDERAL DA 4ª VARA AL (SENTENCIANTE: DR. SÉRGIO DE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

ANO XXIII - 2012-1ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 40/2012

ANO XXIII - 2012-1ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 40/2012 ANO XXIII - 2012-1ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 40/2012 ASSUNTOS DIVERSOS SISTEMA EAN - PROCEDIMENTOS PARA A IMPLANTAÇÃO... ICMS - PA ACESSO À INTERNET - TRIBUTAÇÃO... Pág. 259 Pág.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.453.802 - SP (2014/0109774-1) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ AGRAVANTE : ROSEMEIRE CARFARO AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA AGRAVO REGIMENTAL.

Leia mais

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 14 / 03 / 2016 Fls.: 08 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Rubrica: ID 42833175 Sessão de 16 de dezembro de 2015 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 INSCRIÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 527.703 - SP (2014/0128049-6) RELATORA AGRAVANTE AGRAVADO ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRA REGINA HELENA COSTA : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL : JOSÉ CARLOS ISSA DIP : PAULO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº /2012 PROCEDIMENTO MPF Nº 1.00.000.003448/2012-71 ORIGEM: PRM RIO VERDE / GO PROCURADORA OFICIANTE: SABRINA MENEGARIO RELATORA: ELIZETA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.133.986 - RS (2009/0133788-0) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO JORGE MUSSI : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL : WILER DA LUZ DOS REIS : LÉA BRITO

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira RELATÓRIO Trata-se de recurso em sentido estrito interposto por Célio Bispo Kojuch contra sentença proferida pelo Juízo da 14.ª Vara da SJRN que denegou ordem de habeas corpus através da qual era objetivada

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO Nº 1.095.369 - SP (2010/0052887-7) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : BANCO ITABANCO S/A ADVOGADO : LUIZ EDUARDO DE CASTILHO GIROTTO E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 125447-PB (0006137-02.2012.4.05.0000) AGRTE : PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO FILHO ADV/PROC : CARLOS FREDERICO NÓBREGA FARIAS e outros AGRDO : INCRA - INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.423.457 - PR (2013/0400739-4) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : ZR IMPORTAÇÕES LTDA ADVOGADOS : CRISTIANO LISBOA YAZBEK E OUTRO(S) FERNANDO SOLÁ SOARES TAILANE

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa:

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa: PELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5011683-79.2010.404.7200/SC RELATOR : Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL APELADO : ALPHA TRADE IMPORTACAO DE ELETRONICOS LTDA ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CRIMINAL Nº 7155-CE (2009.81.00.007031-1) APTE : ANA BELEN ANTERO GARCIA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 12ª VARA FEDERAL (COMPETENTE P/ EXEC. PENAIS)

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 919.527 - SP (2007/0014498-9) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL REPDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS AGRAVADO : TRANS-TERRALHEIRO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 342.463 - SC (2014/0101370-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : IPB CORRETORA DE SEGUROS LTDA : RAPHAEL DOS SANTOS BIGATON

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 426.242 - RS (2013/0370295-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. COFINS. EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS. MAJORAÇÃO DA ALÍQUOTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.371.922 - SP (2013/0060257-8) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : DENISE FERREIRA DE OLIVEIRA CHEID E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Processo N. Apelação Cível 20080110553749APC Apelante(s) DISTRITO FEDERAL Apelado(s) TERRACAP - COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA

Processo N. Apelação Cível 20080110553749APC Apelante(s) DISTRITO FEDERAL Apelado(s) TERRACAP - COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 3ª Turma Cível Processo N. Apelação Cível 20080110553749APC Apelante(s) DISTRITO FEDERAL Apelado(s) TERRACAP -

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA APELANTE APELADO ADV/PROC REMTE ORIGEM RELATOR : FAZENDA NACIONAL : SUASSUNA CORRETORA E ADMINISTRADORA DE SEGUROS LTDA : MÁRIO DE GODOY RAMOS e outro : JUÍZO DA 12ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (RECIFE)

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta por Alfredo de Oliveira Santos contra sentença (fls. 455/471) da lavra do MM. Juízo da 13ª Vara Federal

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.157.106 - MT (2009/0162827-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : ROGÉRIO LUIZ GALLO E OUTRO(S) : DANIELA ALLAM GIACOMET GUSTAVO DO AMARAL

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.479/10/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000162662-08 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.479/10/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000162662-08 Impugnação: 40. Acórdão: 19.479/10/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000162662-08 Impugnação: 40.010126104-02 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Planetarium Ltda IE: 062295010.00-81 Paulo Henrique da Silva Vitor/Outro(s)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 575.590 - RS (2003/0130567-7) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADOR : LUCIANA MABILIA MARTINS E OUTROS RECORRIDO : BANCO DO BRASIL

Leia mais

Ribeiro R E L A T Ó R I O

Ribeiro R E L A T Ó R I O R E L A T Ó R I O Trata-se de recurso em sentido estrito interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra Decisão que, desclassificando a imputação descrita na denúncia (fls. 292/294), rejeitou a denúncia

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro MANDADO DE SEGURANÇA (TURMA) (MSTR) Nº 103144/SE (0000385-44.2015.4.05.0000) IMPTTE : FERNANDO LIMA COSTA ADV/PROC : PAULO ROBERTO NERY NASCIMENTO E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 6ª VARA FEDERAL DE SERGIPE

Leia mais

APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 26472-PB (0001656-68.2011.4.05.8200). RELATÓRIO

APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 26472-PB (0001656-68.2011.4.05.8200). RELATÓRIO APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 26472-PB (0001656-68.2011.4.05.8200). ADV/PROC REPTE APELADO : JOSE MAURO DE SOUZA E OUTROS : FLAVIANO SALES CUNHA MEDEIROS E OUTROS : UFPB - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA IMPTTE IMPTDO PACTE ORIGEM RELATOR : CLÁUDIO PIO DE SALES CHAVES E OUTRO : JUÍZO DA 12ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (GUARABIRA) : SAULO GONÇALVES COELHO : 12ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (GUARABIRA - PB) : DESEMBARGADOR

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 18/09/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 13 06/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 651.703 PARANÁ RELATOR : MIN. LUIZ FUX RECTE.(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO RECURSO ESPECIAL Nº 1.364.192 - RS (2013/0029846-4) : MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL : JAURI JOSÉ SILVA DE OLIVEIRA

Leia mais

(ambas sem procuração).

(ambas sem procuração). ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 001.2009.006097-9 / 001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Agravante: Itatj Seguros S/A. Advogado:

Leia mais

<CABBCBBCCADACABCCBBABBCCACBABCADBCAAA DDADAAAD> EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO DE DROGAS CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO RECURSO NÃO PROVIDO. - O crime previsto no art. 35 da Lei

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.279.941 - MT (2011/0167277-9) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR : PATRYCK DE ARAUJO AYALA E OUTRO(S) RECORRIDO : VALDECIR AUGUSTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

336 TRIBUNAL DE JUSTIÇA

336 TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL AGRAVO Nº 0009049-46.2012.8.19.0000 AGRAVANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO AGRAVADO: RAFAEL BEZERRA LEANDRO RELATORA: DES. KATIA MARIA AMARAL JANGUTTA AGRAVO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 704.881 - RS (2004/0126471-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : TRANSPORTADORA DE CARGAS MERCOSUL LTDA ADVOGADO : CLÁUDIO LEITE PIMENTEL E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000)

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000) AGRTE AGRDO ADV/PROC ORIGEM RELATOR : UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) : CLEIDE & LIMA LTDA ME : PEDRO MELCHIOR DE MELO BARROS e outros : 28ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ARCOVERDE) : DESEMBARGADOR FEDERAL FERNANDO

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores EUTÁLIO PORTO (Presidente sem voto), ERBETTA FILHO E SILVA RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores EUTÁLIO PORTO (Presidente sem voto), ERBETTA FILHO E SILVA RUSSO. Registro: 2015.0000619154 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1008357-36.2013.8.26.0053, da Comarca de São Paulo, em que é apelante DUPONT SERVIÇOS CONTÁBEIS E TECNOLOGIA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO EXERCIDO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS. COMPROVAÇÃO POR MEIO DE FORMULÁRIO PRÓPRIO. POSSIBILIDADE ATÉ

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO CRIMINAL Nº 5653 CE (2003.81.00.027430-3) APTE : GIULIANO AVERSA ADV/PROC : FRANCISCO JACKES ARAUJO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 11ª VARA FEDERAL DO CEARÁ (PRIVATIVA EM MATÉRIA PENAL)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 348.408 - RR (2013/0182014-5) RELATORA AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO : MINISTRA REGINA HELENA COSTA : ABRAÃO DE BRITO LIMA : ADRIANO CARLOS OLIVEIRA SILVA - DEFENSOR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.226.283 - PR (2011/0000570-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRA LAURITA VAZ : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL : C C C : EDUARDO TERGOLINA TEIXEIRA - DEFENSOR PÚBLICO E

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS APELAÇÃO CÍVEL Nº 428188/PE (2006.83.00.010757-0) APTE : COMPANHIA INDUSTRIAL DE VIDROS - CIV ADV/PROC : MARCUS COSTA DE AZEVEDO APTE : FAZENDA NACIONAL APDO : OS MESMOS REMTE : JUÍZO DA 3ª VARA FEDERAL

Leia mais

AGRAVO LEGAL EM APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0041514-30.1989.4.03.6100/SP

AGRAVO LEGAL EM APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0041514-30.1989.4.03.6100/SP AGRAVO LEGAL EM APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0041514-30.1989.4.03.6100/SP D.E. Publicado em 17/06/2013 AGRAVO LEGAL. IPI. INCLUSÃO DO VALOR DO FRETE NA BASE DE CÁLCULO. IMPOSSIBILIDADE. OFENSA AO ART.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0038505-77.2008.8.19.0001 APELANTE: OFC CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA APELADO: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal:

Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal: Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal: APELAÇÃO. ARTIGO 334 DO CÓDIGO PENAL. CONTRABANDO. CIGARROS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.015.473 - RS (2007/0299452-2) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : SIMONE DAI PRA ZAMIN ADVOGADO : FELIPE NÉRI DRESCH DA SILVEIRA E OUTRO(S) AGRAVADO :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - JOSÉ LUIZ BARRETO VIVAS 8 de abril de 2015

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - JOSÉ LUIZ BARRETO VIVAS 8 de abril de 2015 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - JOSÉ LUIZ BARRETO VIVAS 8 de abril de 2015 AGRAVO DE EXECUÇÃO PENAL Nº 0010605-96.2012.8.08.0030 - LINHARES - 2ª VARA CRIMINAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MPF FLS. 2ª CCR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL VOTO Nº 7399/2015 (IPL 1763/2010-1) ORIGEM: 5ª VARA FEDERAL CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR OFICIANTE: ARIANE GUEBEL DE ALENCAR RELATORA: RAQUEL ELIAS FERREIRA

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EDcl no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 694.688 - SP (2005/0121691-5) RELATOR : MINISTRO FELIX FISCHER AGRAVANTE : ANELINO ANTONIO RODRIGUES ADVOGADO : HERTZ JACINTO COSTA AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA DECISÃO Nº : /2013 PCTT: 90.07.00.04 PROCESSO Nº: 12980-94.2013.4.01.3200 CLASSE : 1100 AÇÃO ORDINÁRIA/TRIBUTÁRIA AUTOR : ESTADO DO AMAZONAS RÉU : CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO AMAZONAS CRF/AM

Leia mais

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO fls.1/1 RELATOR(A) RELATORA ACÓRDÃO APELANTE ADVOGADO APELADO PROCURADOR PARA : DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO : JEOVA DE SOUSA PIMENTEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.391.004 - GO (2013/0219024-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : ADEMIR NOLASCO GUIMARÃES : ACHILES

Leia mais

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL - Que se entende

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO O EXMO. SR. DESEMBARGADOR FEDERAL CÂNDIDO RIBEIRO: O Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra Marcelo Henrique Belonsi, imputando-lhe

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO ACR Nº 12795 - RN (0000848-06.2015.4.05.8400) APELANTE(S) : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO(S) : RAFAEL MAIA (SIGILOSO) ORIGEM : JUÍZO DA 14ª

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 644.984 - RJ (2005/0162830-7) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : CARVALHO HOSKEN S/A ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES : JOSÉ GAGLIARDI E OUTRO(S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.255.823 - PB (2011/0129469-7) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : DESTILARIA MIRIRI S/A

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 26674 PB (0000052-38.2012.4.05.8200) APELANTE : CONSELHO FEDERAL DE BIOMEDICINA - CFBM ADV/PROC : AUGUSTO CESAR DE ARAUJO APELADO : UFPB - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.111.189 - SP (2009/0030752-0) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : THEREZA SANTOS GALO E OUTROS ADVOGADO : LEONARDO ARRUDA MUNHOZ E OUTRO(S) RECORRIDO : INSTITUTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho (convocado)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho (convocado) APELAÇÃO CRIMINAL Nº 10171-CE (0002911-36.2012.4.05.8100) APTE : FRANCISCO CARLOS MARTINS BARBOSA ADV/PROC : BALTAZAR PEREIRA DA SILVA JUNIOR E OUTROS APTE : ESPEDITO JOSÉ PEREIRA ADV/PROC : LUIS ÁTILA

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 129.804 - PB (2013/0300560-9) RELATOR SUSCITANTE SUSCITADO : MINISTRO REYNALDO SOARES DA FONSECA : JUÍZO FEDERAL DA 8A VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DA PARAÍBA : JUÍZO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.416.409 - PB (2013/0368812-9) RELATÓRIO O SR. MINISTRO OG FERNANDES: Trata-se de recurso especial interposto pela Fazenda Nacional, com fundamento na alínea "a" do inciso III do art.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI PROCURADORES : CLAUDIO XAVIER SEEFELDER FILHO DEYSI CRISTINA DA 'ROLT E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. DECLARAÇÃO DO DÉBITO PELO CONTRIBUINTE (DCTF).

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 36.293 - RS (2011/0252417-2) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL PROCURADOR : LARISSA RAYMUNDI E OUTRO(S) RECORRIDO : ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 27.317 - RJ (2009/0240403-0) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRO GILSON DIPP : P M DA C R : KATUSUKE IKEDA E OUTRO(S) : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 300.092 - DF (2001/0005267-3) RELATÓRIO EXMO. SR. MINISTRO VICENTE LEAL(Relator): Eldo Pereira Lopes, por possuir condenação anterior por crime contra a pessoa e contra o patrimônio,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 989.735 - PR (2007/0223796-0) RELATORA : MINISTRA DENISE ARRUDA RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : BERENICE FERREIRA LAMB E OUTRO(S) CLAUDIO XAVIER SEEFELDER FILHO RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 728.029 - DF (2005/0030981-2) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO REPR. POR : MINISTRO LUIZ FUX : ITATIAIA SEGUROS S/A : FRANCISCO CARLOS ROSAS GIARDINA E OUTRO : INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais