Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) A TECNOLOGIA ADEQUADA À IMPLEMENTAÇÃO DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS E A ATUAL SITUAÇÃO EM QUE SE ENCONTRAM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) A TECNOLOGIA ADEQUADA À IMPLEMENTAÇÃO DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS E A ATUAL SITUAÇÃO EM QUE SE ENCONTRAM"

Transcrição

1 Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) A TECNOLOGIA ADEQUADA À IMPLEMENTAÇÃO DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS E A ATUAL SITUAÇÃO EM QUE SE ENCONTRAM ISABELA DE OLIVEIRA MENON JHESSICA FRANCIELLI REIA JENIFER DA SILVA BOTOSSI LAURA ALONSO NUNES MARCELLO NICOLUSSI RICARDO PRADA TSUKAYAMA SÃO PAULO JUNHO/2006

2 2 ISABELA MENON JHESSICA REIA JENIFER BOTOSSI LAURA NUNES MARCELLO NICOLUSSI RICARDO PRADA A TECNOLOGIA ADEQUADA À IMPLEMENTAÇÃO DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS E A ATUAL SITUAÇÃO EM QUE SE ENCONTRAM Trabalho apresentado à disciplina de graduação de Resolução de Problemas (Grupo 2 da Turma 42), período matutino do curso de Gestão de Políticas Públicas USP EACH São Paulo

3 3 Sumário 1. Introdução pág Histórico pág Objetivos pág Metodologia pág Resultados pág Definição e função de uma rádio comunitária pág Código de ética das rádios comunitárias pág Interferência pág Trechos relevantes do regulamento do serviço de radiodifusão comunitária pág Pesquisa de campo pág Conclusão pág Anexos pág Rádio comunitária pág Rádio Vida Nova FM pág Rádio Comercial pág FM pág Rádio Cultura FM pág Rede Transamérica de Comunicação pág Bibliografia pág. 21 Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons - Atribuição Não- Comercial a Obras Derivadas 2.5. Para ver essa licença visite:

4 4 1.INTRODUÇÃO Há uma dúvida bastante freqüente que atinge a sociedade, quanto à tecnologia adequada à implementação de Rádios Comunitárias, e a atual situação em que se encontram. O projeto visa mostrar um estudo mais aprofundado sobre essa parte geralmente não conhecida a respeito da implementação de uma Rádio Comunitária, seu funcionamento, aparelhos utilizados freqüentemente, gastos, opiniões quanto às leis e restrições legais e financeiras, através de pesquisas nos locais onde funcionam as emissoras. O trabalho busca também mostrar o ponto de vista de rádios comerciais e da ANATEL, a agência regulamentadora desses veículos de comunicação. 1.1.Histórico: O rádio surgiu no século XIX, com sua primeira transmissão em 1874, e tendo em vista a influência do rádio como meio de comunicação, assim como a necessidade de organização da concessão de espaço entre diversos agentes que desejavam veicular mensagens os governos adotaram a prática da concessão de espaços eletromagnéticos. Ao mesmo tempo, surgem as rádios livres e clandestinas, propriedade de quem desejava expor opiniões não permitidas às rádios oficiais, de modo paralelo aquele permitido pelo Estado. Somente na década de 1930, com a chegada da válvula no Brasil barateando o custo dos aparelhos, a rádio se populariza. E de acordo com Marisa Meliani o movimento dessas rádios comunitárias pode ser dividido em três fases: verão de 1982 quando virou moda fazer rádio; a explosão do movimento com a rádio Xilic da PUC-SP em 1985 e em 1991, o movimento pela democratização dos meios de comunicação. A rádio comunitária é um veículo usado por algumas comunidades para divulgar e integrar a população local. Esse objetivo é atingido através da abertura da rádio para qualquer membro da comunidade participar e expor suas opiniões, divulgar informações e artistas locais. A rádio não pode ser de cunho religioso ou político, mas deve abrir espaço para todas as religiões e partidos exporem suas idéias. (Regulamento do serviço de radiodifusão comunitário). Muitos debates já aconteceram sobre as rádios comunitárias. Desde sobre sua suposta interferência em outros veículos de comunicação e até mesmo em aeroportos, assim como sua ilegalidade e proibição de financiamento relacionado a propagandas. A ANATEL promove a regulamentação e fiscalização das rádios, tanto comunitárias como comerciais, e age como mediadora entre elas. Porém, alguns pontos da sua legislação referente às rádios comunitárias apresentam-se fora de contexto, como por exemplo, a questão da propaganda não permitida e também quanto à restrita freqüência no espectro a que são submetidas.

5 2.OBJETIVOS O objetivo do estudo é analisar a atual situação das rádios comunitárias na cidade de São Paulo, caracterizando a parte técnica, a qual envolve toda a aparelhagem necessária e a formação dos funcionários, assim como a parte burocrática, que engloba a temática institucional, a legislação específica para este tipo de radiodifusão, além das dificuldades enfrentadas pelas rádios comunitárias. A pesquisa também analisará a viabilidade econômica para as comunidades criarem uma rádio comunitária. 5

6 3.METODOLOGIA Para alcançar os objetivos propostos no projeto utilizou-se uma diversificada pesquisa bibliográfica que, somada à pesquisa de campo, possibilitou o alcance desses objetivos. A pesquisa bibliográfica incluiu o estudo da legislação nacional e da economia institucional, o que deu embasamento teórico e uma visão crítica sobre o cenário do setor de rádios comunitárias; o histórico da radiodifusão; teses anteriormente escritas sobre o assunto e manuais de funcionamento dos aparelhos referentes a rádios comunitárias. Já na pesquisa de campo, foram formulados diferentes roteiros de entrevistas direcionados para cada instituição; as entrevistas foram realizadas em rádios comerciais e comunitárias. Também foi realizado, no contexto da pesquisa de campo, um levantamento de preços dos equipamentos básicos necessários para a criação de uma rádio comunitária, o qual foi feito na rua Santa Efigênia localizada no centro de São Paulo. 6

7 7 4.RESULTADOS 4.1 DEFINIÇÃO E FUNÇÃO DE UMA RÁDIO COMUNITÁRIA Primeiramente, é preciso ressaltar a diferença existente entre uma Rádio Comunitária e uma Rádio Pirata, uma vez que a emissora de caráter comunitário é definida como aquela regulamentada pela ANATEL e que opera dentro das normas por ela impostas; ao contrário das Rádios Piratas, que são aquelas que não seguem os padrões legais e funcionam de modo inadequado, ou com filiações não permitidas. (Regulamento do serviço de radiodifusão comunitário). Constatou-se que as emissoras comunitárias não podem ser de iniciativa privada, religiosa, ou partidária, e devem oferecer aos seus ouvintes programas informativos, educativos e participativos, abertos a qualquer membro da comunidade e direcionado a determinadas faixas etárias; assim como a programação musical também não deve ter uma grade fechada de opções, ficando a critério dos indivíduos escolherem as músicas que desejam escutar. Geralmente a programação está estritamente ligada com a cultura local e divulga artistas e opiniões do meio ao qual está inserida. (Regulamento do serviço de radiodifusão comunitário) Os funcionários das Rádios Comunitárias são membros da comunidade unidos sob uma Associação, e geralmente consiste em trabalho voluntário, já que não é uma instituição com fins lucrativos, e sim tem como finalidade informar e interagir com o grupo que abrange. 4.2 CÓDIGO DE ÉTICA DAS RÁDIOS COMUNITÁRIAS Abaixo apresentamos trechos mais relevantes do Código de Ética das Rádios Comunitárias, elaborada pela Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária (ABRAÇO), de extrema importância para a radiodifusão comunitária. - A radiodifusão comunitária tem como premissa fundamental a intransigente defesa e prática da democracia na sociedade, da qual é componente essencial à democratização dos meios de comunicação de massa, especialmente o rádio e a televisão. - As entidades ligadas a ABRAÇO se comprometem a lutar pela democratização e controle público dos meios de transmissão pela sociedade civil organizada e rejeitam, no seu quadro associativo, a propriedade individual das emissoras de rádio e televisão comunitária, que devem ser de caráter social e gestão pública. - As entidades emissoras de radiodifusão comunitária devem pertencer à entidade de caráter cultural e comunitário, sem fins lucrativos, constituídas, prioritária e preponderantemente, por organizações e movimentos formais e não-formais sendo controladas por conselhos comunitários em que diversos setores da comunidade estejam representados.

8 8 - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de não realizarem, nem possibilitarem qualquer tipo de proselitismo, seja político-partidário, religioso ou de qualquer espécie. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de buscar refletir a pluralidade de opiniões que envolvem os fatos divulgados, resguardando os direitos individuais e coletivos. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de apoiar e difundir a produção cultural das comunidades em que estão inscritas. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso do respeito mútuo, o que, entre outras coisas, significa observar a compatibilidade de freqüências e potências e priorizar o diálogo e a negociação. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de manter uma grade de programação variada, onde esteja garantido o debate das idéias, e o acesso das entidades, movimentos e pessoas da comunidade, para apresentarem reivindicações, sugestões, denúncias de violações de direitos e posicionamentos. - A busca de apoios culturais e publicidade pelas entidades e emissoras de radiodifusão comunitária deve garantir, na medida do possível, o acesso de empresas de pequeno porte da comunidade, que têm dificuldade de acesso aos grandes meios de comunicação de massa. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de desenvolverem, com as organizações e pessoas que as constituem, mecanismos para a sua manutenção, buscando sua autonomia financeira e sem estabelecer vínculo de dependência. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de contribuir decididamente com os projetos de educação da comunidade, inclusive realizando campanhas educativas e de esclarecimentos, sempre norteadas pela valorização da vida. - As entidades e emissoras de radiodifusão comunitária têm o compromisso de manter seus equipamentos em funcionamento adequado, de maneira a não prejudicar outras emissoras ou serviço de telecomunicações. 4.3 INTERFERÊNCIA Uma das maiores polêmicas que envolvem Rádios Comunitárias, consiste na interferência que elas podem causar em sistemas privados, torres de controle de aeronaves, centrais com ambulâncias e até mesmo veículos policiais. Entretanto, é preciso esclarecer que as rádios comunitárias, por estarem dentro da potência determinada pela ANATEL, não interferem nesses serviços; o que prejudica sinais e causa interferência é o uso de radiofreqüências pelas as rádios piratas, que muitas vezes utilizam-se de uma potência muito maior do que é permitido à elas por lei, e acabam causando efeitos indesejáveis até mesmo em outras emissoras radiodifusoras comercias. (Carlos, Presidente da rádio Comunitária Vida Nova FM MHZ).

9 9 Para entender o que causa essa interferência, é preciso primeiro diferenciar os tipos de freqüência utilizados. A freqüência, medida em Hertz, pode ser dividida em dois tipos: Freqüência Modulada (FM), que tem equipamentos de baixo custo, boa qualidade sonora, porém menor alcance; ou ainda Ondas Médias (AM), que tem um maior alcance, mas pior qualidade sonora. A faixa de FM, a mais difundida, vai de 88 a 108 MHz, ou seja, o abrangido pelo dial dos rádios, e acima dessa faixa de FM, opera o Serviço Móvel Aeronáutico (SMA), que pertence ao sistema aeronáutico e vai de 108 a 132 MHz. Assim sendo, se a emissora funcionar corretamente dentro da freqüência estipulada, não irá interferir em aeronaves. Porém, há possibilidade de um sinal FM sair da freqüência máxima de 108 MHz, e esses sinais são chamados de harmônicos e espúrios. Os harmônicos são como clones de um sinal de rádio, que podem ser ouvidos em freqüências que não são a sua, e os transmissores já vêm com filtro para esses sinais, mas pelo menos três deles escapam, sendo fracos e não causando problemas. Já os espúrios são como clones que não tem controle, e ocorrem com menor freqüência em qualquer aparelho desregulado, mas afetam os outros sistemas comunicativos, uma vez que podem sair do sinal de freqüência de FM, e alcançar o SMA. O que pode influenciar ainda mais a interferência é a localização de rádios próximas a aeroportos e equipamentos desajustados e de alta potência.entretanto, devemos ressaltar que as possibilidades de causar um acidente são remotas, uma vez que os pilotos estão preparados para situações como esta. (http://muda.radiolivre.org/interfer.htm) 4.4 TRECHOS RELEVANTES DO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA DAS GENERALIDADES Art. 1o Este Regulamento dispõe sobre o Serviço de Radiodifusão Comunitária - RadCom, instituído pela Lei no 9.612, de 19 de fevereiro de 1998, como um Serviço de Radiodifusão Sonora, com baixa potência e com cobertura restrita, para ser executado por fundações e associações comunitárias, sem fins lucrativos, com sede na localidade de prestação do Serviço. Art. 3o O RadCom tem por finalidade o atendimento de determinada comunidade, com vistas a: I - dar oportunidade à difusão de idéias, elementos de cultura, tradições e hábitos sociais da comunidade; II - oferecer mecanismos à formação e integração da comunidade, estimulando o lazer, a cultura e o convívio social; III - prestar serviços de utilidade pública, integrando-se aos serviços de defesa civil, sempre que necessário; IV - contribuir para o aperfeiçoamento profissional nas áreas de atuação dos jornalistas e radialistas, de conformidade com a legislação profissional vigente; V - permitir a capacitação dos cidadãos no exercício do direito de expressão, da forma mais acessível possível. Art. 4o A Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL designará um único e específico canal na faixa de freqüências do Serviço de Radiodifusão Sonora em Freqüência Modulada, para atender, em âmbito nacional, ao Serviço de que trata este Regulamento. Art. 5o A potência efetiva irradiada por emissora do RadCom será igual ou inferior a vinte e cinco watts.

10 10 Art. 6o A cobertura restrita de uma emissora do RadCom é a área limitada por um raio igual ou inferior a mil metros a partir da antena transmissora, destinada ao atendimento de determinada comunidade de um bairro, uma vila ou uma localidade de pequeno porte DAS DEFINIÇÕES Art. 8o Para os efeitos deste Regulamento, são adotadas as seguintes definições: I - Licença para Funcionamento de Estação: é o documento que habilita a estação a funcionar em caráter definitivo, e que explicita a condição de não possuir a emissora direito à proteção contra interferências causadas por estações de telecomunicações e de radiodifusão regularmente instaladas; II - Localidade de pequeno porte: é toda cidade ou povoado cuja área urbana possa estar contida nos limites de uma área de cobertura restrita; III - Interferência indesejável: é a interferência que prejudica, de modo levemente perceptível, o serviço prestado por uma estação de telecomunicações ou de radiodifusão regularmente instalada; IV - Interferência prejudicial: é a interferência que, repetida ou continuamente, prejudica ou interrompe o serviço prestado por uma estação de telecomunicações ou de radiodifusão regularmente instalada DA COMPETÊNCIA Art. 9o Compete ao Ministério das Comunicações: I - estabelecer as normas complementares do RadCom, indicando os parâmetros técnicos de funcionamento das estações, bem como detalhando os procedimentos para expedição de autorização e licenciamento; II - expedir ato de autorização para a execução do Serviço, observados os procedimentos estabelecidos na Lei no 9.612, de 1998 e em norma complementar; III - fiscalizar a execução do RadCom, em todo o território nacional, no que disser respeito ao conteúdo da programação, nos termos da legislação pertinente; Art. 10. Compete à ANATEL: I - designar, em nível nacional, para utilização do RadCom, um único e específico canal na faixa de freqüências do Serviço de Radiodifusão Sonora em Freqüência Modulada; II - designar canal alternativo nas regiões onde houver impossibilidade técnica de uso do canal em nível nacional; III - certificar os equipamentos de transmissão utilizados no RadCom; IV - fiscalizar a execução do RadCom, em todo o território nacional, no que disser respeito ao uso do espectro radioelétrico DA AUTORIZAÇÃO Art. 11. São competentes para executar o RadCom fundações e associações comunitárias, sem fins lucrativos, desde que legalmente instituídas e devidamente registradas, sediadas na área da comunidade para a qual pretendem prestar o Serviço, e cujos dirigentes sejam brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos. Parágrafo único. Os dirigentes das fundações e sociedades civis autorizadas a executar o Serviço, além das exigências deste artigo, deverão manter residência na área da comunidade atendida.

11 11 Art. 12. As entidades interessadas em executar o RadCom deverão apresentar requerimento ao Ministério das Comunicações, demonstrando seu interesse, indicando a área onde pretendem prestar o Serviço e solicitando a designação de canal para a respectiva prestação. Parágrafo único. A ANATEL procederá a análise da viabilidade técnica para uso do canal nacionalmente designado para o RadCom ou de canal alternativo, conforme disposto no art. 4 e no inciso I do art. 10 deste Regulamento. Art. 13. Havendo possibilidade técnica para o uso do canal específico ou de canal alternativo, o Ministério das Comunicações publicará, no Diário Oficial da União, comunicado de habilitação para inscrição das entidades interessadas, estabelecendo prazo para que o façam, bem como informando o valor e as condições de pagamento da taxa relativa às despesas de cadastramento. Art. 17. A autorização terá validade de três anos, permitida a renovação por igual período, se cumpridas as disposições legais vigentes DA EXECUÇÃO DO SERVIÇO Art. 25. A emissora do RadCom operará sem direito a proteção contra eventuais interferências causadas por estações de Serviços de Telecomunicações e de Radiodifusão regularmente instaladas. Art. 26. Caso uma emissora do RadCom provoque interferência indesejável nos demais Serviços regulares de Telecomunicações e de Radiodifusão, a ANATEL determinará a interrupção do serviço da emissora de RadCom interferente, no prazo fixado em norma complementar, até a completa eliminação da causa da interferência. Art. 28. As emissoras do RadCom cumprirão período de oito horas, contínuas ou não, como tempo mínimo de operação diária. Art. 29. É vedada a formação de redes na execução do RadCom, excetuadas as situações de guerra, calamidade pública e epidemias, bem como as transmissões obrigatórias dos Poderes Executivo, Judiciário e Legislativo, definidas em lei DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Art. 40. São puníveis com multa as seguintes infrações na operação das emissoras do RadCom: I - transferência a terceiros dos direitos ou procedimentos de execução do Serviço; II - permanência fora de operação por mais de trinta dias sem motivo justificável; III - uso de equipamentos não certificados ou homologados pela ANATEL; IV - manutenção, pela autorizada, no seu quadro diretivo, de dirigente com residência fora da área da comunidade atendida; V - não manutenção do Conselho Comunitário, nos termos da Lei; VI - estabelecimento ou manutenção de vínculos que subordinem a entidade ou a sujeitem à gerência, à administração, ao domínio, ao comando ou à orientação de qualquer outra entidade, mediante compromissos ou relações financeiras, religiosas, familiares, políticopartidárias ou comerciais; VII - não comunicação ao Ministério das Comunicações, no prazo de trinta dias, das alterações efetivadas nos atos constitutivos ou da mudança de sua diretoria; VIII - modificação dos termos e das condições inicialmente atendidos para a expedição do ato de autorização; IX - não destinação de espaço na programação disponível à divulgação de planos e realizações de entidades ligadas, por suas finalidades, ao desenvolvimento da comunidade;

12 12 X - formação de redes na exploração do RadCom; XI - não integração a redes quando convocadas em situações de guerra, calamidade pública e epidemias; XII - não integração a redes para as transmissões obrigatórias dos Poderes Executivo, Judiciário e Legislativo; XIII - cessão ou arrendamento da emissora ou de horários de sua programação; XIV - transmissão de patrocínio em desacordo com as normas legais pertinentes; XV - transmissão de propaganda ou publicidade comercial a qualquer título; XVI - desvirtuamento das finalidades do RadCom e dos princípios fundamentais da programação; XVII - utilização de denominação de fantasia diversa da comunicada ao Ministério das Comunicações; XVIII - imposição de dificuldades à fiscalização do Serviço; XIX - não manutenção em dia os registros da programação em texto e fitas, nos termos da regulamentação; XX - uso de equipamentos fora das especificações constantes dos certificados emitidos pela ANATEL; XXI - não obediência ao tempo de funcionamento da estação comunicado ao Ministério das Comunicações; XXII - alteração das características constantes da Licença para Funcionamento de Estação, sem observância das formalidades estabelecidas; XXIII - não solicitação, no prazo estabelecido, da expedição de Licença para Funcionamento de Estação; XXIV - não observância do prazo estabelecido para início da execução do Serviço; XXV - utilização de freqüência diversa da autorizada; XXVI - início da execução do Serviço pela autorizada sem estar previamente licenciada; XXVII - início da operação em caráter experimental pela autorizada, sem ter comunicado o fato no prazo estabelecido em norma complementar; XXVIII - não comunicação de alteração do horário de funcionamento XXIX - não cumprimento pela autorizada, no tempo estipulado, de exigência que lhe tenha sido feita pelo Ministério das Comunicações ou pela ANATEL DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 42. As entidades autorizadas a executar o RadCom estão sujeitas ao pagamento das taxas de fiscalização das telecomunicações previstas em lei. Art. 43. A entidade detentora de autorização para execução do RadCom não poderá estabelecer ou manter vínculos que a subordinem ou a sujeitem à gerência, à administração, ao domínio, ao comando ou à orientação de qualquer outra entidade, mediante compromissos ou relações financeiras, religiosas, familiares, político-partidárias ou comerciais. 4.5 PESQUISA DE CAMPO ROTEIRO DE ENTREVISTA RÁDIO COMUNITÁRIA Através da visita e pesquisa em uma Rádio Comunitária da cidade de Americana, São Paulo, pôde-se ter contato com a formação, funcionamento e realidade de uma emissora de cunho comunitário em atuação na sociedade. Nesse contato, obteve-se uma

13 13 noção dos aparelhos utilizados, custos mensais, membros que comandam a rádio, pontos de vista sobre a legislação da ANATEL, hierarquia dentro da emissora e perceber como é realizada a programação e como os ouvintes interagem com a rádio, como pode ser observado na entrevista em anexo RÁDIOS COMERCIAIS Foram entrevistadas três emissoras comerciais da cidade de São Paulo ao longo do projeto, mas as opiniões expostas são de caráter particular dos responsáveis por elas, e acabaram por revelar um ponto de vista não esperado, por ser favorável às rádios comunitárias, mas contrárias somente às rádios piratas, e foram bem coerentes entre si. Não consideram a legislação da ANATEL repressora, apenas com algumas falhas, principalmente quanto ao apoio cultural, que consiste no único meio pelo qual as Rádios Comunitárias podem obter alguma renda, mas é extremamente restrita, pois não passa de R$100,00 normalmente por apoio. Há enormes diferenças entre as estruturas físicas das emissoras comunitárias e das comerciais, sendo estas mais elaboradas e dispendiosas, assim como também há uma exigência de formação técnica ou até mesmo superior para sua operação; não se baseando no voluntariado típico das emissoras comunitárias PESQUISA DE PREÇOS DOS APARELHOS Constatou-se que para a composição técnica de uma rádio comunitária, é necessário que haja equipamentos básicos de difusão. Entre eles, estão um transmissor de 25W, o qual é permitido segundo a legislação, uma antena de transmissão, cabo de antena com 40 metros e torre para a mesma de 30 metros, uma mesa de som de quatro canais, um gerador de estéreo, um aparelho que toque CD e/ou MP3, uma chave híbrida, um telefone e um aparelho de MD, o qual é opcional. Embasada nisto, foi realizada uma pesquisa de campo no dia 25 de maio de 2006 na Rua Santa Efigênia, no bairro da Republica em São Paulo, onde há grande concentração comercial de equipamentos eletrônicos, e ao realizar tal foi constatado que para adquirir os produtos expressos acima é preciso um capital mínimo de R$6.156,50, cuja tabela de preços a seguir: EQUIPAMENTO PREÇO MÉDIO CD/Mp3 player R$ 170,00 Aparelho MD R$ 1.390,00 Chave híbrida R$ 227,00 Transmissor 25W R$ 2.044,00 Antena de transmissão R$ 135,00 Cabo de antena (40m) R$ 53,00 Torre de antena (30m) R$ 837,50 Microfone R$ 65,00 Mesa de som (4 canais) R$ 160,00 Telefone R$ 25,00

14 14 EQUIPAMENTO PREÇO MÉDIO Gerador de Stereo R$ 1.050,00 TOTAL R$ 6.156,50 5. CONCLUSÃO Concluiu-se a partir do estudo apresentado que as rádios comunitárias são têm como objetivo principal ser um importante meio de comunicação para integrar e aumentar a autoestima de uma comunidade, uma vez que sua programação e administração devem ser dirigidas pelos próprios membros de acordo com a identidade local. Também observou-se que, se caso atuem dentro de todas as regras estipuladas pela ANATEL, as rádios comunitárias não causam interferência no sinal das rádios comerciais e de veículos, como ambulâncias e aeronaves. Já quanto à legislação, foram percebidas dificuldades em relação à publicidade, a qual restringe-se apenas ao apoio cultural, e quanto à parte técnica, o tamanho máximo da torre de antena permitido é desfavorecido pelo relevo acidentado de alguns locais, como por exemplo, determinadas regiões da cidade de São Paulo. A opinião de funcionários de algumas rádios comerciais surpreenderam pelo fato de serem favoráveis a este tipo de radiodifusão contrariando as expectativas iniciais do grupo. E por fim concluiu-se que a montagem e manutenção de uma rádio comunitária mostraram-se muito custosas, graças a uma pesquisa de preço dos aparelhos e dos gastos mensais.

15 15 6. ANEXOS 6.1 RÁDIO COMUNITÁRIA RÁDIO VIDA NOVA FM Instituição: Rádio Comunitária Vida Nova FM MHZ Endereço: Rua São Thiago Nº São Manoel, Americana - SP Entrevistado: Carlos Cargo: Presidente da rádio Implementação e legislação A rádio está no ar regularizada há um ano, uma vez que funcionou como rádio Pirata por 4 anos: A lei de autorização foi criada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em 1998 e para se ter direito a uma Rádio Comunitária tem de fundar uma Associação solicitando o serviço de Rádio Comunitária, e ao conseguir a licença escolhe-se o período de funcionamento diário e tem de dizer a toda hora o prefixo presente na licença, no caso da emissora citada, é ZYU 661 canal Vida Nova FM. As cidades com até habitantes só podem ter uma Rádio Comunitária, e a potência máxima permitida por lei é de 25W. A fiscalização da ANATEL ocorre anualmente, depois do pagamento de uma taxa de R$100,00. Propagandas e Custos Já quanto as propagandas, são proibidas, e só são permitidos Apoios Culturais, ou seja, não pode haver anúncio de telefone ou endereço do patrocinador, sendo preciso falar apenas o nome.o valor cobrado por cada patrocínio não pode ultrapassar R$100,00 segundo a tabela do ministério, e no caso da Rádio Vida Nova, há apenas 10 patrocinadores. Esta lei não permite a sustentação financeira da Rádio, uma vez que não cobre os gastos necessários, listados abaixo: - telefone - energia - água - aluguel - Cd`s - ECAD ( taxa de direitos autorais ) - Secretária* - Operador de som* - Técnico de Gravação*

16 16 - Registro de funcionários ( INSS/IFGTS ) * No caso da rádio, não há esses funcionários, pois não seria possível o pagamento deles. Os próprios voluntários executam essas funções. Funcionários e grade de programação Trabalham no local e na operação dos sistemas 8 funcionários voluntários fixos, que têm outro emprego do qual recebem pagamento, pois a radio não oferece remuneração. Não há programação fechada de músicas, os ouvintes podem ligar e pedir a música que quiserem em qualquer horário que a emissora tem de tocar, e quanto a religiões, partidos políticos ou qualquer membro da comunidade, todos devem ter sua oportunidade de expressar suas opiniões na rádio, que recebe cerca de telefonemas por semana da cidade toda, pois abrange todos os bairros. Para ter um horário na programação da emissora é necessário o preenchimento de um formulário. Tecnologia e aparelhos Em relação à parte tecnológica e de aparelhos, uma Rádio Comunitária é formada basicamente por: - 1 computador para gravação de apoio cultural - 1 computador para gravação de censura - 1 computador para rodar a programação - 1 telefone - 1 toca CD/DVD/mp3-1 toca MD - 1 chave híbrida ( aparelho onde o ouvinte aguarda para falar ao vivo ) - Torre de transmissão de até 30 metros de altura - Transmissor de 25W - Gerador de estéreo - Antena de transmissão - Cabo de Antena - Extintores - Mesas para recepção - Mesa para estúdio - Microfones - Aparelhos da Voz do Brasil - Mesa de som - Cadeiras - Isolamento acústico O gasto foi de aproximadamente R$50.000,00

17 RÁDIO COMERCIAL RÁDIO ROCK Instituição: 89 FM Endereço: Praça Osvaldo Cruz, 124 São Paulo Entrevistado: Sérgio Borsoi Pereira Cargo: Responsável pelo Departamento Técnico da 89 FM No que as rádios comunitárias interferem no sinal de sua rádio? Primeira coisa, antes de responder sobre rádios comunitárias é fazer uma separação de comunitárias e piratas. Comunitárias são rádios que tem alcance limitado a um ou dois quarteirões, devem estar ligadas a uma comunidade ou entidade sem fins lucrativos, ou seja, não devem veicular comerciais. Piratas são as rádios que não tem licença para operar, vendem comerciais ou fazem propaganda religiosa ou política, e tem fins lucrativos diretos ou indiretos. Diretos quando conseguidos pela venda de comerciais ou indiretos quando chamam os ouvintes a participar de outros negócios onde gastarão seu dinheiro. As rádios comunitárias, teoricamente, serão instaladas de acordo com uma legislação existente que protege as emissoras comerciais e educativas já instaladas e antes do seu funcionamento serão fiscalizadas para ter a permissão de funcionamento. Essas rádios terão que possuir equipamentos homologados pela ANATEL que garantam a não interferência em serviços previamente instalados. Para São Paulo o canal designado é o 198, ou seja, a freqüência de 88,7MHz. Tendo em vista o acima exposto, não interferem na nossa programação desde que esteja em conformidade com o regulamento da ANATEL. Não conheço nenhuma rádio comunitária. As rádios piratas, ou seja ilegais, se instalam de acordo com a própria conveniência, poluindo o espectro de freqüências sem levar em conta nenhum projeto técnico e sim quanto o dinheiro pode comprar de alcance. Isso mesmo comprar, pois quanto mais potente o transmissor mais caro. Utilizando transmissores de baixa qualidade e se instalando a uma pequena separação de freqüência das emissoras autorizadas, 200KHz na maioria das vezes, invadem o canal de terceiros devidamente autorizados e fiscalizados rigorosamente pela ANATEL, provocando prejuízos sérios de audiência em pontos específicos, normalmente em áreas próximas a suas antenas (500m de raio). Esses transmissores irregulares hoje deixaram de ser brincadeira de adolescente para ser um grande negócio e alguns deles chegam a ter potencia de alguns KW, sem controle de emissão de freqüências espúrias ou nível de modulação. No caso da transmissão em freqüência modulada, o controle do nível de modulação (volume de áudio)é indispensável

18 18 para que uma emissora não interfira na adjacente já que quanto mais modulação colocamos mais espaço no espectro ocupa a emissora. Hoje em dia é impossível calcular o prejuízo de audiência e comercial causado pelas emissoras irregulares, não só à 89FM com a todas as emissoras devidamente autorizadas. Qual sua posição em relação às rádios comunitárias? Volto a dizer que essa é a minha posição pessoal e não da empresa. Sou favorável à radiodifusão comunitária e frontalmente contra as clandestinas. Qual é a tecnologia utilizada pela rádio e qual o seu alcance? A Rádio 89FM transmite da Praça Osvaldo Cruz 124, cobertura com 100KW de potência com um transmissor de 35KW Broadcast Electronics e uma antena de 12 elementos de 1/2 onda que garantem um ganho de três vezes chegando aos 100KW autorizados. Contamos com um transmissor reserva de 30KW e uma antena reserva de quatro elementos de onda completa que nos proporciona 70KW no caso de falha do transmissor principal. A transmissão é analógica. A geração de áudio e processamento de áudio interno na emissora é todo digital incluindo equipamentos digitais de controle de modulação e potência.contamos com medidores de modulação computadorizados para garantir que o serviço está sendo prestado de acordo com as normas. Todo o áudio exibido está armazenado em disco rígidos (HD) de computador de onde são selecionados e reproduzidos. Os profissionais da rádio têm alguma formação técnica? No caso do departamento técnico contamos com engenheiros e técnicos formados. Qual a tua opinião quanto à legislação da Anatel? Existe fiscalização? A legislação hoje em vigor é muito parecida com a dos EUA e está adequada ao Brasil. As alterações que têm sido propostas vem sendo discutidas através de consultas públicas e estudos do CPQD. Quanto à fiscalização, o número de agentes é bastante reduzido, mas dá conta das emissoras legalizadas. A ANATEL dispõe de unidades de monitoração remota que podem verificar irregularidades mesmo de fora da emissora. Quando falamos de fiscalização de rádios piratas e irregulares, a coisa fica muito mais complicada porque o número de agentes não é suficiente e além do mais eles precisam do apoio da Polícia Federal e do Poder Judiciário o que torna muito difícil o trabalho.

19 RÁDIO CULTURA FM Instituição: Rádio Cultura FM Endereço: Rua Vladimir Herzog, 75 - Água Branca - São Paulo Entrevistado: Eduardo Weber Cargo: Coordenador artístico No que as rádios comunitárias interferem no sinal de sua rádio? Em nada, porque na verdade se a rádio é realmente comunitária ela é regulamentada e segue regras que impedem a interferência no sinal das outras rádios. Agora se a rádio é pirata, não possui licença nem um espaço oficial dentro do espectro as interferências ocorrem e atrapalham a transmissão da rádio. Qual sua posição em relação às rádios comunitárias? Sou a favor porque é uma forma de integrar a comunidade e manifestar seus interesses. Funciona como um veículo de comunicação direta entre os moradores. Qual é a tecnologia utilizada pela rádio e qual o seu alcance? Na Rádio Cultura AM a potência é de W e o raio de alcance é de 50 km. Já na Rádio Cultura FM a potência é de W e a área de alcance abrange toda a cidade. Isso acontece porque as ondas AM possuem um alcance maior do as FM, porém estas são de qualidade superior. O processo de gravação, de ambas as emissoras, é todo digitalizado. Os profissionais da rádio têm alguma formação técnica? Sim, todos os profissionais da rádio possuem formação técnica ou universitária, conforme a necessidade. Qual a tua opinião quanto à legislação da Anatel? Existe fiscalização? Quanto à legislação tenho apenas uma noção básica, mas penso que é de grande importância, já que ela regulamenta e fiscaliza a radiodifusão. As regulamentações definem o espaço de cada emissora no espectro, o tipo de cada emissora dentre outras questões burocráticas. A fiscalização ocorre periodicamente e verifica desde questões técnicas até questões como, por exemplo, se foi dado o boletim do tempo ou se 5% da programação foi dedicada ao jornalismo.

20 REDE TRANSAMÉRICA DE COMUNICAÇÃO Instituição: Rede Transamérica de Comunicação Endereço: Rua Pio XI, Alto de Pinheiros - São Paulo SP Entrevistado: Marco Scabello Cargo: Coordenador Artístico No que as rádios comunitárias interferem no sinal de sua rádio? As rádios comunitárias legalizadas nada interferem no sinal, porque seguem os padrões exigidos pela Anatel, mas temos problemas desse tipo com as rádios piratas, geralmente de cunho religioso ou político. Qual sua posição em relação às rádios comunitárias? Na minha opinião pessoal, penso que as rádios comunitárias contribuem para a integração de comunidades, movimentos sociais e escolas, mas são prejudicadas pela linha dura da Anatel e pela pressão que sofrem das rádios comerciais que alegam problemas de interferência e concorrência de audiência. Qual é a tecnologia utilizada pela rádio e qual o seu alcance? A Rede Transamérica possui três rádios, as quais duas são transmitidas via satélite para cidades fora da Grande São Paulo e até para outros estados e uma rádio local que utiliza o sistema de antena que abrange toda a área da capital. Os profissionais da rádio têm alguma formação técnica? Quanto aos profissionais da área artística, 99% dos funcionários não possuem formação específica, mas os operadores precisam de uma formação técnica e os locutores do DRT (registro reconhecido pelo Ministério do Trabalho que profissionaliza oficialmente todo artista no Brasil). Qual a tua opinião quanto à legislação da Anatel? Existe fiscalização? A legislação da Anatel quanto as rádios comunitárias não se aplica bem na capital devido as condições geográficas da cidade, porém tem boa aplicabilidade em cidades menores do interior. A fiscalização faz vista grossa com as emissoras comerciais e repreende demais as emissoras comunitárias, burocratizando novas concessões no dial e fechando-as por qualquer motivo.

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 490, DE 2011 (Apensos: PL 4186/1998, PL 4225/1998, PL 1513/1999, PL 2949/2000,PL4156/2001, PL4165/2001, PL

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma:

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma: O que são "serviços de radiodifusão"? São os serviços, estabelecidos por legislação própria, que promovem a transmissão de sons (radiodifusão sonora) e de sons e imagens (televisão), a serem direta e livremente

Leia mais

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária Audiência Pública PLS nº 483/2008 Agência Nacional de Telecomunicações Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa Serviço de Televisão Comunitária Senado Federal Comissão de

Leia mais

Orientações para manutenção da Emissora dentro dos padrões legais de operação.

Orientações para manutenção da Emissora dentro dos padrões legais de operação. Orientações para manutenção da Emissora dentro dos padrões legais de operação. Informações sobre a Portaria MC nº 112/2013 de 23 de abril de 2013, que trata das Sanções. Prezado Radiodifusor, As informações

Leia mais

Atualmente é Técnico em Eletrônica na Fundação Ezequiel Dias FUNED, atuando na área de Telecomunicações.

Atualmente é Técnico em Eletrônica na Fundação Ezequiel Dias FUNED, atuando na área de Telecomunicações. Rádio Comunitária I: Desenvolvimento de Projeto de Implantação Este tutorial tem como principal objetivo mostrar toda trajetória para implantar uma rádio comunitária. Foram desenvolvidos todos os cálculos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO ABERT

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMISSORAS DE RÁDIO E TELEVISÃO ABERT Brasília - DF, 31 de julho de 2013. Ofício/Nº 31/2013 Excelentíssimo Senhor PAULO BERNARDO D.D. Ministro de Estado das Comunicações Esplanada dos Ministérios, Bloco R Excelentíssimo Senhor Ministro, A

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília DF, 17 de setembro de 2013 Rádio: O serviço de radiodifusão sonora em ondas médias é realizado entre 525 khz

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 527, DE 8 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências por Sistemas de Banda Larga por meio de Redes de Energia Elétrica.

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador.

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador. NORMA DE ATIVAÇÃO E EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DA REDE NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE RADIOAMADORES - RENER 1. INTRODUÇÃO 1.1 - A presente norma estabelece as condições de ativação e execução da Rede Nacional de

Leia mais

O Direito á Comunicação em face da restrição para as Rádios Comunitárias: O caso das Rádios do Rio Grande do Norte 1

O Direito á Comunicação em face da restrição para as Rádios Comunitárias: O caso das Rádios do Rio Grande do Norte 1 O Direito á Comunicação em face da restrição para as Rádios Comunitárias: O caso das Rádios do Rio Grande do Norte 1 Marco Lunardi ESCOBAR 2 Paula Apolinário ZAGUI 3 Universidade do Estado do Rio Grande

Leia mais

PORTARIA Nº 652 DE 10 DE OUTUBRO DE 2006.

PORTARIA Nº 652 DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. PORTARIA Nº 652 DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição, e tendo em vista o

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV 1. O QUE É A RADIODIFUSÃO EDUCATIVA? É o serviço de radiodifusão, tanto em frequência modulada (FM) quanto de sons e imagens (TV), que

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO ESPECIAL DE TELEVISÃO POR ASSINATURA - TVA

REGULAMENTO DO SERVIÇO ESPECIAL DE TELEVISÃO POR ASSINATURA - TVA REGULAMENTO DO SERVIÇO ESPECIAL DE TELEVISÃO POR ASSINATURA - TVA DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º O Serviço Especial de Televisão por Assinatura(TVA) obedecerá aos preceitos da legislação de telecomunicações,

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA DO SENADO FEDERAL

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA DO SENADO FEDERAL SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA DO SENADO FEDERAL ESTUDO Nº 21, DE 2003 Referente à STC nº 200300203, da Secretaria-Geral da Mesa, que solicita a elaboração de pesquisa destinada ao Conselho de

Leia mais

003 SAÚDE DA FAMÍLIA COM SAÚDE BUCAL - MOD II

003 SAÚDE DA FAMÍLIA COM SAÚDE BUCAL - MOD II PORTARIA PORTARIA PORTARIA 82 ISSN 677-7042 003 SAÚDE DA FAMÍLIA COM SAÚDE BUCAL - MOD II 5726-AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO PSF ou 0729-TECNICO DE ENFERMAGEM DO PSF

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEI N.º 1.265/2003 CAPÍTULO I

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEI N.º 1.265/2003 CAPÍTULO I LEI N.º 1.265/2003 Dispõe sobre a instalação de estações transmissoras de rádio, televisão, telefonia celular, telecomunicações em geral e outras antenas transmissoras de radiação eletromagnética no Município

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UHE JIRAU PROJETO DE INSTALAÇÃO DA RÁDIO COMUNITÁRIA DO OBSERVATÓRIO AMBIENTAL JIRAU

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UHE JIRAU PROJETO DE INSTALAÇÃO DA RÁDIO COMUNITÁRIA DO OBSERVATÓRIO AMBIENTAL JIRAU PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UHE JIRAU PROJETO DE INSTALAÇÃO DA RÁDIO COMUNITÁRIA DO OBSERVATÓRIO AMBIENTAL JIRAU 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Observatório Ambiental Jirau é uma organização comprometida com

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA).

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO (EBC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 5 EBC, 26 DE JULHO DE 2011 A DIRETORA-PRESIDENTA

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Com o crescimento dos usuários de telefones celulares, é natural que surjam dúvidas sobre saúde e segurança no uso diário de tais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

LEI Nº 1295/2014 De 12 de maio de 2014.

LEI Nº 1295/2014 De 12 de maio de 2014. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 1295/2014 De 12 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE NORMAS GERAIS URBANÍSTICAS PARA A INSTALAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE PIRANGUINHO DE ESTRUTURAS DE SUPORTE DAS ESTAÇÕES DE

Leia mais

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA I CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA e Apresentação O Brasil tem hoje duas vezes mais telefones celulares do que fixos. Essa preferência do consumidor pela telefonia móvel tem boas razões: o preço dos aparelhos,

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI VERSÃO: 20/7/2009 2/8 MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos; Mensagem de veto altera a Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965; e dá

Leia mais

3. QUEM PODE PRESTAR O SERVIÇO DE RADCOM?

3. QUEM PODE PRESTAR O SERVIÇO DE RADCOM? 1. O QUE É RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA? A Radiodifusão Comunitária RadCom é o serviço de radiodifusão sonora, em frequência modulada (FM), operado em baixa potência (25 watts ERP) e que tem por finalidade

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DE RÁDIOS - ANATEL

LEGALIZAÇÃO DE RÁDIOS - ANATEL 1 LEGALIZAÇÃO DE RÁDIOS - ANATEL POR QUE LEGALIZAR? Com exceção dos rádios FRS (Family Radio System - rádios amadores, destinados ao lazer como Talk About, Intelbrás Twin e aqueles que você pode comprar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Audiência Pública Agência Nacional de Telecomunicações Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços

Leia mais

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ Giselle Gomes Tiscoski, Marcos Franzoni Acadêmicos do Curso de Jornalismo da UFSC Maria José Baldessar, Ms. Professora do Departamento de Jornalismo

Leia mais

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071 A Artigo 19 apresenta análise comparada de países que permitem publicidade e propaganda comercial em rádios comunitárias em referência à minuta do Projeto Legislativo do Senado que propõe possibilitar

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 21- Compete à União: TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO I - Manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações internacionais; II - Declarar a guerra e celebrar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.472, DE 16 DE JULHO DE 1997. Regulamento Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Publicidade Legal x Publicidade Institucional

Publicidade Legal x Publicidade Institucional Aperfeiçoamento em Licitações Públicas e Contratos Administrativos Módulo 6: Contratação de serviços de publicidade Edinando Brustolin Graduado e mestre em Direito pela UFSC. Assessor jurídico da Federação

Leia mais

RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008. Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução

RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008. Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008 Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução Quando o rádio foi criado, no século XIX, acreditava-se que era o fim das publicações

Leia mais

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL EDIÇÃO 2002 ... em branco... AGÊNCIA NACIONAL DE TELECO MUNICAÇÕ ES AT O N o 23.577, DE 6 DE MARÇO DE 2002 O CONSELHO DIRETO

Leia mais

Atualmente é Técnico em Eletrônica na Fundação Ezequiel Dias FUNED, atuando na área de Telecomunicações.

Atualmente é Técnico em Eletrônica na Fundação Ezequiel Dias FUNED, atuando na área de Telecomunicações. Rádio Comunitária II: Desenvolvimento de Projeto de Implantação Este tutorial tem como principal objetivo mostrar toda trajetória para implantar uma rádio comunitária. Foram desenvolvidos todos os cálculos

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP - PRÉ- PAGO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP - PRÉ- PAGO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP - PRÉ- PAGO. Confira as condições do contrato para prestação de serviços firmado entre você e a Oi Móvel S/A. (Oi), com sede em Setor Comercial Norte,

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

DEXISTAS (DXers), RÁDIO ESCUTAS, RADIOAMADORES, OUVINTES DE ONDAS CURTAS E MONITORES DE EMISSORAS INTERNACIONAIS. QUAIS AS DIFERENÇAS?

DEXISTAS (DXers), RÁDIO ESCUTAS, RADIOAMADORES, OUVINTES DE ONDAS CURTAS E MONITORES DE EMISSORAS INTERNACIONAIS. QUAIS AS DIFERENÇAS? SWL - Notícias 32 DEXISTAS (DXers), RÁDIO ESCUTAS, RADIOAMADORES, OUVINTES DE ONDAS CURTAS E MONITORES DE EMISSORAS INTERNACIONAIS. QUAIS AS DIFERENÇAS? Artigo de autoria do Prof. Sérgio Dória Partamian,

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP - O RÁDIO DIGITAL NÃO RESOLVE O PROBLEMA DA ONDA MÉDIA. - O AUMENTO DO RUÍDO ELÉTRICO URBANO MUNDIAL - - A PRESERVAÇÃO DO CONTEÚDO

Leia mais

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA 1951 - Pe. Humberto Pieroni se tornou o primeiro diretor da Rádio. Criado o Programa Os Ponteiros Apontam para o Infinito que ganhou notoriedade com o Pe. Vitor Coelho de

Leia mais

Direitos e Deveres do Pesquisado

Direitos e Deveres do Pesquisado Comitê de Ética em Pesquisa CEP- Faciplac Registrado na SIPAR- Ministério da Saúde sob o nº 147057/2007 Direitos e Deveres do Pesquisado Direitos do Pesquisado I- Em caso de danos ao pesquisado por ato

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

As Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP

As Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP As Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP Em decorrência da Consulta Pública nº 642, de 15 de Setembro de 2005 - Propostas de Alterações na Regulamentação do Serviço Móvel Pessoal SMP,

Leia mais

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS CAPÍTULO II DAS TAXAS DECORRENTES DO EXERCÍCIO DO PODER DE POLÍCIA ADMINISTRATIVA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 82 - As taxas de licença têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia

Leia mais

DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998.

DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998. DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998. Estabelece as penalidades aplicáveis aos infratores da Lei 3.491 de 19 de dezembro de 1.997, que dispõe sobre a consolidação das leis de propaganda no Município

Leia mais

Lei Nº 8.977 - Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo CAPÍTULO I

Lei Nº 8.977 - Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo CAPÍTULO I Lei Nº 8.977 - Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Subsídios a prática de subconcessão, arrendamento ou alienação a terceiros promovida por concessionários de serviços públicos de radiodifusão

Subsídios a prática de subconcessão, arrendamento ou alienação a terceiros promovida por concessionários de serviços públicos de radiodifusão Subsídios a prática de subconcessão, arrendamento ou alienação a terceiros promovida por concessionários de serviços públicos de radiodifusão CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Ciência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.454, DE 13 DE MAIO DE 2002. Dispõe sobre remissão da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica -

Leia mais

MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA. PORTARIA n O 889, de 12 de novembro de 1990. Publicada no D.O.U. em 14 de novembro de 1990.

MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA. PORTARIA n O 889, de 12 de novembro de 1990. Publicada no D.O.U. em 14 de novembro de 1990. MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA PORTARIA n O 889, de 12 de novembro de 1990. Publicada no D.O.U. em 14 de novembro de 1990. e, O MINISTRO DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições Considerando

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DE EDUCAÇÃO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DE EDUCAÇÃO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DE EDUCAÇÃO Profa. Dra. Maria Rizoneide Negreiros de Araujo Dra. em Enfermagem pela EE da USP Membro da Câmara Técnica de Educação COREN-MG

Leia mais

Palavras-chaves: rádio; comunicação comunitária; radiodifusão.

Palavras-chaves: rádio; comunicação comunitária; radiodifusão. Radiodifusão comunitária: no ar Rádio Nova Cidade! Renata Perazoli 1 Professora CREUPI Resumo: Este artigo tem como objetivo traçar as linhas básicas do que é rádio comunitária e fazer um estudo de caso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES TERMO DE AUTORIZAÇÃO CELEBRADO ENTRE A UNIÃO FEDERAL POR INTERMÉDIO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL E A TNL PCS S. A. PARA EXPLORAR O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação 1. Concessionárias de serviço de telegrafia, público, internacional: 2. Concessionárias de serviço radiotelegráfico, público, internacional: 3. Concessionárias

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

LEI N. 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009

LEI N. 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009 LEI N. 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos; altera a Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965 e, dá outras providências

Leia mais

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Grupo de Radiodifusão Março de 2006 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Prefácio A Anatel

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Introdução: A Fundação COGE está dando início às ações relativas ao planejamento do 7º SENSE - Seminário Nacional de Segurança e saúde no Setor Elétrico Brasileiro. Nesta edição estamos lançando uma pesquisa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO Resolução CONDIR/INEA nº XX, de xx de xxxxx Dispõe sobre

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 812, DE 2003 Referente à STC nº 200302750, da Secretaria- Geral da Mesa, que solicita, a pedido do Conselho de Comunicação Social, a elaboração de

Leia mais

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. CRIA A SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE, ABRE CRÉDITO ESPECIAL, REVOGA A LEI Nº 2689/2006, DE 23-05-2006, EXTINGUE O CARGO DE DIRETOR DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL

Leia mais