Na reunião do Conselho de Serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na reunião do Conselho de Serviços"

Transcrição

1 Ano 28 - nº São Paulo/SP - Julho/14 Publicação Mensal do Sindicomis/ACTC CONSELHO DE SERVIÇOS DISCUTIU AS ALTERAÇÕES NO SIMPLES NACIONAL Assessores da Federação do Comércio apresentaram os diversos aspectos alterados no novo Estatuto das MPEs e EPPs Na reunião do Conselho de Serviços da FECOMERCIO SP, realizada em 16 de junho, foram discutidas as alterações no Simples Nacional. Vale lembrar que o deputado Vaz de Lima (PSDB/SP) apresentou o Projeto de Lei Complementar 221/12 alterando o Estatuto da Micro e Pequena Empresa. Em maio de 2013, por Ato da Presidência, foi criada uma Comissão Especial para analisar as propostas de mudança no mesmo Estatuto (PLP 221/12 e 237/12). Foi designado para relatar os projetos o Deputado Claudio Puty (PT/PA). Após debates sobre emendas apresentadas, a matéria foi aprovada pelo Plenário da Câmara dos Deputados e encaminhada para votação do Senado Federal. A grande pergunta é: como fica o Simples Nacional com as mudanças? Haroldo Piccina, presidente do Conselho de Serviços e do SINDICOMIS/ ACTC, solicitou às assessorias Jurídica e Econômica da FECOMERCIO SP uma explanação sobre o tema, que tem gerado muitas dúvidas aos empresários, principalmente do setor de serviços. A Assessora Jurídica, Dra. Janaina Lourenço, explicou que agora foi instituída uma nova obrigação, pela qual as ME e EPPs deverão apresentar aos três níveis de governo a especificação do tratamento diferenciado, simplificado e favorecido para o seu cumprimento. Essa ausência de especificação do tratamento diferenciado, simplificado e favorecido ou da determinação de prazos máximos para o cumprimento das novas obrigações, resultará em atentado aos direitos e garantias legais assegurados ao exercício profissional da atividade empresarial ( 7º do Art. 1º da LC 123/2006). A seguir apresentamos os itens do Estatuto abordados na reunião do Conselho de Serviços: DESBUROCRATIZAÇÃO Quanto à inscrição e à baixa da ME e EPP, o Estatuto está fixando tramitação especial e simplificada, preferencialmente eletrônica, no processo de abertura, registro de alteração e baixa da microempresa e empresa de pequeno porte, bem como qualquer exigência para o início de seu funcionamento. CUSTO ZERO Reafirmado que a ME e EPP deverão ter custo zero em relação à abertura, à inscrição, ao registro, ao funcionamento, ao alvará, à licença, ao cadastro, às alterações e procedimentos de baixa e encerramento e aos demais itens relativos ao Microempreendedor Individual, incluindo os valores referentes a taxas, emolumentos e demais contribuições relativas aos órgãos de registro, licenciamento, sindicais, regulamentação, anotação de responsabilidade técnica, vistoria e fiscalização do exercício de profissões regulamentadas. (Art. 4º, 3º da LC 123/206). ECAD Consta expressamente que o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição ECAD, ou instituição congênere, deverá observar o tratamento diferenciado e favorecido à ME e à EPP que exerça atividade em que a obtenção de receitas de atividades relacionadas à música não seja a atividade econômica principal. ALVARÁ PROVISÓRIO As atividades com classificação de baixo grau de risco (conceito determinado pela administração pública no âmbito de sua competência) têm a permissão de obter o licenciamento de funcionamento mediante o simples fornecimento de dados de substituição da comprovação prévia do cumprimento de exigências e restrições por declarações do titular ou responsável. BAIXA IMEDIATA O registro dos atos constitutivos, de suas alterações e extinções (baixas), referentes a empresários e pessoas jurídicas em qualquer órgão dos três âmbitos de governo, ocorrerá independentemente da regularidade de obrigações tributárias, previdenciárias ou trabalhistas, principais ou acessórias, do empresário, da sociedade, dos sócios, dos administradores ou de empresas de que participem, sem prejuízo das responsabilidades do empresário, dos sócios ou dos administradores por tais obrigações, apuradas antes ou após o ato de extinção. REDESIM Por meio do sistema informatizado que será desenvolvido pelo CGSIM, o Estatuto da Micro e Pequena Empresa assegura o direito aos empresários e pessoas jurídicas a entrada única de dados e documentos; o processo de registro e legalização integrado entre os órgãos e entes envolvidos, por meio de sistema informatizado; o compartilhamento irrestrito de dados da base nacional única de empresas aos órgãos e entidades integrados; e a identificação nacional cadastral única que corresponderá ao número da inscrição no CNPJ, o que propiciará a substituição para todos os efeitos das demais inscrições sejam elas federal, estaduais ou municipais. continua na pág. 3

2 Palavra do Presidente Palavra do Presidente J á sabíamos que este seria um ano difícil, afinal eventos como a Copa do Mundo e as Eleições ocorrendo no intervalo de seis meses exigem muito trabalho e dedicação de todos. A Copa do Mundo acabou sendo uma surpresa. Criticada por muitos, o evento transcorreu sem a maioria dos problemas esperados. Entretanto, outros problemas surgiram e geraram consequências para a economia em um momento delicado. O comércio e o setor de serviços sofreram quedas de movimento de difícil recuperação. Lojas, shoppings e prestadores de serviços enfrentaram dias sem movimento algum, mas tiveram que pagar aluguéis, condomínios, salários e impostos, muitos impostos. Grandes centros urbanos, como São Paulo, passaram por inevitáveis problemas de tráfego intenso, medo de manifestações nas ruas e outros problemas que afastaram os consumidores. Algumas cidades decretaram feriado até em dias de jogos de outras seleções, o que surpreendeu a todos. A Copa nem havia acabado e já nos preocupavam as Eleições. Estamos a quatro meses de uma eleição que promete ser a mais acirrada da história da redemocratização. Será uma disputa pelo apoio de partidos inexpressivos que apenas representam segundos a mais de propaganda gratuita nos meios de comunicação. Como as descompatibilizações já ocorreram, ministros, secretários e políticos já deixaram seus cargos e começaram suas campanhas pelo País. O Ministério dos Transportes, por O ano que não existiu exemplo, já mudou novamente de titular, aliás, voltou ao anterior por pressão partidária junto à presidência. Brasília deserta, Congresso parado, votações suspensas, este é o cenário. Tanto a se fazer, ninguém preocupado com isso, apenas com as eleições. Reformas urgentes postergadas, votações de temas importantes sem data para ocorrer, comissões desmontadas: este é o retrato do Brasil hoje, sem previsão de alterações até o final do ano. Os resultados não são ruins apenas para o comércio e serviços, mas para toda a economia. Um país não pode parar enquanto está retomando seu vigor, principalmente porque não pode perder produção, como vem ocorrendo desde o início do ano. O pior é que não podemos creditar a paralisação ao governo, porque não é ele o único responsável. Mais uma vez estamos testemunhando uma enorme falta de comprometimento dos brasileiros com o Brasil. Assim, o caminho será sempre tortuoso, conflitante. Falam alguns especialistas que a melhor saída para a economia seria um choque de competitividade. Como conseguiremos isso? Com feriados inesperados? Com impostos impagáveis? Com gastos públicos crescentes? Está na hora de arregaçar as mangas e sacudir esta realidade, antes que ela se torne perversa demais. Já esperamos demais por acontecimentos que não chegam, por milagres e promessas de campanha. Está mais que na hora de decidirmos o que queremos para o País. A urna está aí, este é o nosso momento de fazer história. Presidente: Haroldo Silveira Piccina; Vice-Presidente: Luiz Antonio Silva Ramos; Diretoria: Laércio Anjos Fernandes, Regynaldo Mollica, Sérgio Ricardo Giraldo; Secretário Geral: José Emygdio Costa; Suplentes: Milton Lourenço Dias Filho; Diretoria: Antonio Cloves Ferreira Franco, Fernando Manuel Ferreira Gomes Dos Reis, Ricardo Messias Sapag, Marco Antonio Guerra, Nelson Masaaki Yamamoto; Conselho Fiscal: Darcy Franzese, André Gobersztejn, Francisco Catharino Uceda; Suplentes: Paulo Alexandre Balsas Ferreira; Conselho Fiscal: Reinaldo Braz Postigo; Representantes Junto Á Fecomércio: 1º Delegado Efetivo: Haroldo Silveira Piccina, 2º Delegado Efetivo: Luiz Antonio Silva Ramos; 1º Delegado Suplente: Regynaldo Mollica, 2º Delegado Suplente: José Emygdio Costa. SINDICOMIS ACONTECE: Publicação Mensal Órgão do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Carga e Logística do Estado de São Paulo e da Associação Nacional das Empresas Transitárias, Agentes de Carga Aérea, Comissárias de Despachos e Operadores Intermodais. Sede: Rua Avanhandava, 126, 6º andar - Conj. 60 e 61 - Bela Vista - São Paulo - CEP Tel.: (11) / Fax: (11) Internet: - Jornalista Responsável Álvaro C. Prado - MTb nº Reportagens Álvaro C. Prado. Revisão Gisele E. Prado. Projeto Gráfico Salve! Design & Media Tel/fax.: (11) Impressão 2 Julho/14

3 Matéria de capa Matéria de capa CONSELHO DE SERVIÇOS DISCUTIU AS ALTERAÇÕES NO SIMPLES NACIONAL continuação da capa: NOVOS SETORES NO SIMPLES Com a inclusão de vários setores de prestação de serviços no Simples Nacional, foi acrescentado ao rol de Anexos para fins de aplicação das alíquotas de tributação, o Anexo VI cujas alíquotas variam, de acordo com o faturamento, de 16,93% a 22,45%. MEI Restou esclarecido que todo benefício previsto na Lei Complementar aplicável à microempresa estende-se ao MEI sempre que lhe for mais favorável, pois o MEI é uma modalidade de microempresa. Inclusive sendo vedada a imposição de restrições ao MEI relativamente ao exercício de profissão ou participação em licitações. O IPTU para o MEI que realizar sua atividade no mesmo lugar que residir terá a menor alíquota vigente para aquela localidade no Município que se encontra, seja residencial ou comercial, sem prejuízo de eventual isenção ou imunidade existente. CADIN A inscrição de ME ou EPP no Cadastro Informativo de créditos não quitados do setor público federal CADIN, somente ocorrerá mediante notificação prévia com prazo para contestação. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Foi aprovado também que a escrituração fiscal digital ou obrigação equivalente (aqui está incluído o e-social) não poderá ser exigida da ME e EPP optante pelo Simples Nacional, salvo se cumulativamente houver autorização específica do Comitê Gestor do Simples Nacional e disponibilização por parte da administração tributária estipulante de aplicativo gratuito para uso da empresa optante. Contudo, tal regra somente entrará em vigor após a implantação de sistema nacional uniforme estabelecido pelo Comitê Gestor. Até a implementação do sistema, entretanto, permanecerá a regra constante no ordenamento jurídico até o primeiro trimestre de MULTAS - OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS No caso de falta de prestação ou incorreção no cumprimento de obrigações acessórias junto aos órgãos e entidades federais, estaduais, distritais e municipais, quando em valor fixo ou mínimo, e na ausência de previsão legal de valores específicos e mais favoráveis para MEI, microempresa ou empresa de pequeno porte terão redução de 90% para os MEI e de 50% para ME e EPP optantes pelo Simples Nacional. As reduções acima não se aplicam, entretanto, na hipótese de fraude, resistência ou embaraço à fiscalização e na ausência de pagamento da multa no prazo de 30 dias após a notificação. LICITAÇÃO Nas contratações públicas da administração direta e indireta, autárquica e fundacional, federal, estadual e municipal, deverá ser concedido tratamento diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte objetivando a promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito municipal e regional, a ampliação da eficiência das políticas públicas e o incentivo à inovação tecnológica. EXPORTAÇÃO Novo dispositivo permite que a ME e EPP optantes pelo Simples Nacional usufruam de regime de exportação que contemplará procedimentos simplificados de habilitação, licenciamento, despacho aduaneiro e câmbio. Vale destacar também que as pessoas jurídicas prestadoras de serviço de logística internacional, quando contratadas por beneficiários do Simples, estão autorizadas a realizar atividades relativas a licenciamento administrativo, despacho aduaneiro, consolidação e desconsolidação de carga, bem como a contratação de seguro, câmbio, transporte e armazenagem de mercadorias, objeto da prestação de serviço. FISCALIZAÇÃO ORIENTADORA A fiscalização, no que se refere aos aspectos trabalhista, metrológico, sanitário, ambiental, de segurança e uso e ocupação do solo, da ME e EPP deverá ter natureza prioritariamente orientadora, quando a atividade ou situação, por sua natureza, comportar grau de risco compatível com esse procedimento. A alteração se deu para incluir a fiscalização e uso e ocupação do solo, de competência dos Municípios. Não inclui a fiscalização tributária, de competência da União, dos Estados e do Distrito Federal e dos Municípios referentes aos tributos de suas alçadas. Não tinha previsão expressa no Estatuto a dupla visita para a lavratura de multa no descumprimento de obrigações acessórias. Mais importante é a disposição que fixa a nulidade do auto de infração lavrado sem observância ao critério da dupla visita nos termos do Art. 55 da LC 123/2006. ACESSO AO CRÉDITO Os bancos comerciais públicos e bancos múltiplos públicos deverão dispensar tratamento simplificado e ágil a ME e EPP quanto ao acesso às linhas de crédito e aos fundos garantidores de risco de crédito empresarial que possuam participação da União na composição do seu capital atenderão, sempre que possível, às operações de crédito que envolvam ME e EPP. ATRIBUIÇÃO AS ENTIDADES EMPRESARIAIS As instituições de representação e apoio empresarial deverão promover programas e sensibilização, informação, orientação e apoio, educação fiscal, regularidade dos contratos de trabalho e adoção de sistemas informatizados e eletrônicos, como forma de estimulo à formalização de empreendimentos, negócios e empregos, ampliação da competitividade e disseminação do associativismo entre as MEs, EPPs e MEIs. ACESSO AO JUIZADO ESPECIAL Alteração na Lei 9.099/95 assegura o direito aos microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte de propor ação perante o Juizado Especial. Finalizando a reunião, Noboru Takarabe, Assessor Econômico da FECOMERCIO SP, apresentou uma simulação para as empresas enquadradas no anexo VI, com base em dados reais, para avaliar qual seria o melhor regime tributário: Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional. Essa simulação é uma forma simples de se verificar qual é o melhor regime tributário para ser adotado em sua empresa. Faça a simulação acessando o nosso site clique em Simples Simulação Anexo VI e preencha os campos em amarelo com os valores porcentuais relativos à sua empresa. Julho/14 3

4 Sem Fronteiras no formato digital Entenda a novidade e saiba como baixar Procure por: Revista Sem Fronteiras Agora você poderá ler a sua revista Sem Fronteiras no computador, tablet ou celular. Após 15 anos de circulação no formato impresso, a publicação ganha novo formato com o uso da tecnologia 3D VirtualPaper, que simula o folhear de páginas do papel. Um formato de fácil acesso para os dispositivos mais utilizados no mercado e que conta com avançados recursos de navegação. Comprar e baixar a revista digital é bastante simples e após o processo ela fica disponível para você ler quantas vezes quiser. Onde posso baixar a revista digital? Tablets e Smartphones: O aplicativo da Revista Sem Fronteiras está disponível para download na App Store e Google Play. Computadores: você encontra a revista no Para a assinatura da revista digital, aproveite as condições especiais disponíveis no site: Ligue para:

5 Notícias do Sindicato Notícias do Sindicato Decisões importantes dos tribunais sobre Comércio Exterior TRF5: NÃO CABE PERDIMENTO DE MERCADORIAS QUANDO A INFRAÇÃO É PRATICADA POR ERRO DO CONTRIBUINTE O Desembargador Ivan Lira de Carvalho da 4ª Câmara do Tribunal Regional Federal da 5ª Região reconheceu que quando a infração aduaneira praticada por erro do contribuinte não se aplica o perdimento dos bens. No caso a Trading Company Orientador Alfandegário Comercial Importadora e Exportadora Ltda. realizou importação na modalidade encomenda. No entanto, o despachante aduaneiro no momento do registro da Declaração de Importação não apresentou para a Alfândega da Receita Federal o Contrato de Importação por Encomenda e a Carta de Vinculação entre a Trading e a empresa encomenda. Antes do encaminhamento dos bens para a Seção de Procedimentos Especiais Aduaneiros (SEPEA) da RFB a Trading apresentou retificação da declaração de importação esclarecendo o erro e apresentando o Contrato de Importação e a Carta de vinculação. Contudo, a Receita Federal decretou administrativamente o perdimento dos bens afirmando que ocorrera interposição fraudulenta de terceiros na importação, asseverando ainda que o perdimento dos bens independe de prova de culpa ou dolo, com base no artigo 136 do CTN. A Trading Company por meio de seu advogado, Dr. Oswaldo Gonçalves de Castro Neto, distribui Ação Anulatória na Seção Judiciária de Maceió e após o indeferimento do pedido liminar para desembaraço das mercadorias, Agravo de Instrumento ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região, alegando, entre outras coisas, a ocorrência de denúncia espontânea da infração e a necessidade de dolo para o decreto de perdimento das mercadorias. O Desembargador Ivan Lira de Carvalho em sede de antecipação dos efeitos da tutela recursal reconheceu que o perigo da demora está consubstanciado exatamente na possibilidade de alienação da mercadoria cuja pena de perdimento ora se ataca. Sobre a relevância da fundamentação afi rmou que a aplicação da pena de perdimento não se mostra razoável, exatamente porque, ao que tudo indica, não teria havido a intenção, por parte do agravante, de ocultar o real comprador de uma operação de importação de bens. Ao final, arremata Deduzir a atuação dolosa da agravante na improbabilidade da ocorrência de erro em razão da sua experiência na importação de mercadorias do exterior não se mostra medida acertada. Como dito, ao que tudo indica, ocorreu por falha. Colaborador: Luiz Antonio Silva Ramos, Vice-Presidente do Sindicomis TJSC: O SUJEITO ATIVO DO ICMS DEVIDO NA IMPORTAÇÃO É O ENTE FEDERATIVO DO DOMICÍLIO DO ADQUI- RENTE FINAL DOS BENS IMPORTADOS A Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina em Acórdão de Relatoria do Desembargador Jorge Luiz de Borba suspendeu, em sede de Agravo de Instrumento em Ação Anulatória, crédito tributário exigido em execução fiscal decorrente de ICMS importação, por entender que a exação seria devido a Estado diverso da Federação. A Orientador Alfandegário Comercial Importadora e Exportadora Ltda Trading Company por meio de sua sede localizada em Santa Catarina realizou importação de mercadorias na modalidade conta e ordem de terceiros e encomenda. Por estar localizada no Estado de Santa Catarina e possuir regime especial ICMS de importação naquele caso a Secretaria da Fazenda do Estado de Santa Catarina lavrou auto de infração por suposto descumprimento do regime especial visto que a Orientador Alfandegário desembarcou mercadorias em outros Estados da Federação. Após o processo administrativo que confirmou o crédito exigido no auto de infração a Orientador Alfandegário distribui por meio de seus advogados, Dr. Kissao Thais (Kissao & Oliveira Filho Advogados) e Dr. Oswaldo Gonçalves de Castro Neto, Ação Anulatória com pedido de Tutela Antecipada para a suspensão do crédito Tributário na Comarca de Joinvile alegando, entre outras coisas, que o sujeito ativo do ICMS importação seria o Ente Federativo do local onde se encontram os adquirentes finais da mercadoria sendo a Trading uma mera Mandatária na importação. O juiz de primeiro grau, Dr. Roberto Lepper, deferiu a liminar determinando a suspensão do crédito tributário, o que levou a Procuradoria Geral do Estado de Santa Catarina a interpor Agravo de Instrumento. No julgamento do mérito do Agravo de Instrumento o Desembargador Relator Jorge Luiz de Borba, manteve a suspensão do crédito deferida em primeira instância. O Desembargador Relator após fundamentar sua decisão em Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça que dispõe que o sujeito ativo do ICMS Importação é o Estado onde se localiza o adquirente final da mercadoria importada, afirmou que vê-se que mais da metade das importações pelas quais a recorrida foi notificada tinha por destinatário final, segundo os critérios adotados pelo STJ, empresas estabelecidas fora do Estado de Santa Catarina, de modo que o imposto devido pela operação não caberia ao agravante (Estado). Ademais, o Desembargador assevera que embora os precedentes do STJ não sejam perfeitamente claros a esse respeito, que o ICMS devido nas operações subsequentes, ou seja, de saída das mercadorias em posse do intermediário para o estabelecimento do destinatário final, também seria devido ao Estado do estabelecimento de destino. Assim, como a Secretaria da Fazenda do Estado de Santa Catarina ao lavrar os autos de infração exigiu em uma notificação tributos devido a diversos Entes Federativos não foi possível, segundo o Desembargador, sequer separar neste momento o que é absolutamente indevido e o que depende de análise das normas estaduais em debate e portanto todo o crédito exigido na Execução Fiscal foi suspenso. Colaborador: Luiz Antonio Silva Ramos, Vice-Presidente do Sindicomis Julho/14 5

6 Cursos na área de Comércio Exterior câmbio exportação importação logística marketing/negociação transportes 11 motivos para atualizar-se no Centro de Capacitação Profi ssional da Aduaneiras 1. Acesso gratuito, durante 6 meses, ao Portal de Consultoria Virtual Ilimitada 2. Programas estruturados em função da demanda do público 3. Conceitos teóricos enriquecidos por aulas práticas 4. Conteúdo programático eficaz e objetivo 5. Multiplicidade de temas e áreas Confira a nossa programação no site: 6. Instrutores atualizados e com reconhecida atuação no mercado de trabalho 7. Instalações confortáveis e adequadas às aulas e treinamentos práticos 8. Ampla disponibilidade de datas e horários para realização do curso 9. Consultores aptos para auxiliar na definição do melhor curso para seus objetivos profissionais 10. Oportunidade para buscar um lugar de destaque no mercado de trabalho dias de assistência sobre o tema do curso (vantagem exclusiva) CONFIRA OS ÚLTIMOS LANÇAMENTOS DA ADUANEIRAS Compre pelo site: Tels.: análise da tributação na Importação e na exportação de Bens e serviços 7 a Edição Carlos Eduardo Garcia Ashikaga R$ 95,00 anotações à nova Legislação dos Portos Toshio Mukai R$ 35,00 o Conhecimento de Carga no transporte Marítimo 5 a Edição Revisada e Ampliada Delfim Bouças Coimbra R$ 45,00 Centro de Treinamento Aduaneiras Unidade Paulista: Av. Paulista, o e 24 o andares São Paulo-SP Unidade Consolação: Rua da Consolação, 77 São Paulo-SP

7 A primeira em Comércio Exterior. Ampliando o conhecimento profissional. Programação de cursos Agosto 2014 SÃO PAULO Direito Aduaneiro e Comércio Exterior: Contencioso Aduaneiro e Atendendo à Fiscalização Aduaneira (Procedimentos Especiais de Fiscalização IN/SRF 228/2002 e IN/RFB 1.169/2011) Dia 8, das 8h30 às 17h30 Contratos Internacionais de Compra e Venda e Riscos nas Operações de Comércio Exterior Dia 9 (sábado), das 8h30 às 17h30 Planejamento Estratégico de Importação e Exportação Dia 9 (sábado), das 8h30 às 17h30 Noções Básicas de Comércio Exterior Dia 9 (sábado), das 8h30 às 17h30 RDE Registro Declaratório Eletrônico (Módulo ROF) De 11 a 14, das 19 h às 22 h Operações Back to Back Um Negócio Inteligente Dia 11, das 8h30 às 12h30 Tributos e Benefícios Incidentes na Importação (I.I., IPI, PIS/Pasep, Cofins e ICMS) Dia 11, das 8h30 às 17h30 Siscomex-Importação De 12 a 14, das 18h45 às 21h30 Classificação Fiscal de Mercadorias e Multas por Enquadramento Incorreto Dia 12, das 8h30 às 17h30 Siscoserv: Classificação na NBS e Preenchimento do Programa Siscoserv Dia 13, das 8h30 às 17h30 Breakbulk Shipping Cargo Dias 15 e 16 (sexta e sábado), das 8h30 às 17h30 Trade Compliance: Aspectos Técnicos e Operacionais Dia 16 (sábado), das 8h30 às 17h30 Sistemática de Exportação Dia 16 (sábado), das 8h30 às 17h30 Tratamento Administrativo na Exportação e Importação Dia 16 (sábado), das 8h30 às 18h30 Classificação de Máquinas e Suas Partes Dia 20, das 8h30 às 17h30 Tributos na Importação Passo a Passo Dia 21, das 8h30 às 17h30 Siscoserv, NBS e Classificação de Serviços (Como Proceder para Classificar Serviços, Intangíveis e Operações que Produzem Variações no Patrimônio) Dia 21, das 8h30 às 17h30 Siscoserv Transporte Internacional de Mercadorias (Agente de Cargas e NVOCC) Dia 21, das 8h30 às 17h30 Aquisição Internacional de Materiais: Compras e Importação Dia 23 (sábado), das 8h30 às 17h30 Sistemática de Importação Dias 23 e 30 (aos sábados), das 8h30 às 17 h Regimes Aduaneiros Especiais Dia 23 (sábado), das 8h30 às 17h30 Sistemática de Exportação Dia 23 (sábado), das 8h30 às 17h30 Importação Passo a Passo De 26 a 28, das 18h45 às 21h30 Emissão de Nota Fiscal Eletrônica na Importação Dia 28, das 8h30 às 17h30 Informações e inscrições: Tel.:

8 Notícias do sindicato Notícias do sindicato Secretaria de Comércio e Serviços realiza primeira reunião preparatória para o SIMBRACS 2014 A ACTC, por ser membro do Conselho de Competitividade de Serviços Logísticos do Plano Brasil Inovação e tems correlatos. Maior, participou da 1ª Reunião Preparatória para o SIMBRACS 2014, no dia 5 de junho, em Brasília. A ACTC foi representada por Maristela N. G. Moreira, Assessora Jurídica/Parlamentar da entidade. O Simpósio Brasileiro de Políticas Públicas para Comércio e Serviços, SIMBRACS, é um evento realizado pelo Governo Federal em prol do desenvolvimento do setor terciário. O SIMBRACS é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC, em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, ABDI. Maurício Lucena do Val, Diretor de Políticas de Comércio e Serviços da Secretaria de Comércio e Serviços do MDIC, apresentou a proposta para o SIMBRACS O evento será realizado nos dias 26 e 27 de novembro de 2014, no Centro de Convenções Brasil 21, em Brasília, com apoio do SEBRAE, BNDS e GS1. O evento terá 4 Eixos Temáticos: Ambiente de negócios; Comércio Eletrônico; Comércio Exterior e internacionalização de empresas; Cada eixo temático será dividido em 4 painéis. As Entidades que participam dos vários Conselhos de Competitividade poderão indicar temas prioritários para setores que representam, que comporão os painéis do SIMBRACS Paralelamente haverá exposição de soluções inovadoras, semelhante ao evento realizado no ano passado. O objetivo é criar um espaço (estandes) em parceria com entidades representativas do setor privado para a apresentação de soluções inovadoras aplicáveis ao setor de comércio e serviços, que poderão revolucionar o setor na próxima década. O simpósio é um compromisso para a ampliação dos canais de articulação e diálogo entre os setores público e privado e trabalhadores. A intenção é incluir os setores de Comércio, Serviços e Serviços Logísticos na estrutura de governança como focos de ação dentro do Plano Brasil Maior. A ACTC e o SINDICOMIS estarão presentes nesse importante evento e convidam seus associados a participarem do SIMBRACS SINDICOMIS APOSTA NA SEGMENTAÇÃO COM O MARKETING O As práticas de comunicação e marketing são estratégicas na gestão do sindicato e agregam valor aos produtos e serviços oferecidos uso do como ferramenta de marketing direto classificou o Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Carga e Logística do Estado de São Paulo (SINDICOMIS) como sexta entidade que mais atendeu aos critérios do Programa Segs. No último encontro de Boas Práticas do Ciclo 2013, do Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs), o Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Carga e Logística do Estado de São Paulo (SINDICOMIS), apresentou os benefícios desenvolvidos com a implantação do trabalho elaborado ao longo do ano. O SINDICOMIS adotou um modelo padrão de , com o logotipo da entidade como identidade visual e assinatura. Na avaliação do sindicato, dessa forma se estabelece um relacionamento mais direto com o cliente, pois a padronização facilita a identificação imediata por parte dos filiados e associados. Assim, notícias, pesquisas, convites e conteúdos em geral acabam fortalecendo a representatividade do sindicado. Segundo Angelique Morais, representante do SINDICOMIS no Ciclo 2013, 70% das informações da entidade destinadas aos representados são feitas via marketing. Durante o encontro, o Sindicomis também apresentou o controle de e- -mails enviados: 79% dos cadastrados no grupo aceitaram receber o material e apenas 8% pediram a remoção do mailing. O sindicato também identificou e mediu o horário de pico para envio e a confirmação da leitura, registros que foram essenciais para o sucesso da prática e reconhecimento do sindicato pelas demais entidades. Em 2013, por exemplo, o sindicato enviou cerca de sete mil s marketing a mais do que no ano anterior. Além da padronização do marketing como ferramenta de comunicação direta com seus associados, o SINDICOMIS tem um jornal mensal, Acontece ; um site institucional atualizado diariamente; e um jornal semanal, Informações da Semana, com atualidades sobre o comércio exterior. Fonte: FECOMERCIO SP 8 Julho/14

9 Notícias da Fecomercio Notícias da Fecomercio Representação, arrecadação e cadastro serão as prioridades para o GTE - SEGS em 2014 Temas de trabalho foram definidos pelos representantes dos sindicatos durante encontro do GTE O Grupo de Trabalho dos Executivos (GTE), que reúne os 20 sindicatos que mais se destacaram no Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs), realizaram encontros em abril e maio, na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FE- COMERCIO SP). Nas reuniões, os sindicatos aproveitaram para apresentar os resultados alcançados, por meio das ferramentas sugeridas durante os treinamentos de Para a maioria dos sindicatos, as práticas já realizadas atendem às necessidades do dia a dia, mas eles reconhecem que há muito a melhorar. E, para isso, definiram três temas como prioridade de trabalho nos sindicatos para 2014: cadastro, arrecadação e representação. A definição dos assuntos prioritários tem como objetivo melhorar cada vez mais a gestão sindical e simplificar as funções dentro das entidades. Neste ano, o consultor da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Alexandre Marcelo Santos, acompanhou um dos encontros do GTE para conhecer melhor a metodologia utilizada. A escolha do tema cadastro visa auxiliar a entidade a reunir as informações dos filiados de maneira organizada e atualizada. E, a partir dele, com a higienização e atualização dos dados cadastrais das empresas, foi definido o segundo tema, arrecadação. Com esse projeto, os sindicatos podem buscar novas formas de aproximação do público-alvo e padronizar o processo de arrecadação. O tema de maior destaque no grupo foi representação. Com sua implantação, os sindicatos avaliam que poderão trabalhar melhor a defesa dos interesses da categoria que representam. Após a escolha dos tópicos, os organizadores e facilitadores do GTE sugeriram que os executivos C om o entendimento que a contribuição sindical é devida mesmo por empresa que não tenha empregado, a Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou uma empresa administradora de bens ao pagamento da contribuição sindical patronal. A decisão foi proferida no julgamento dos recursos do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis e Condomínios Residenciais e Comerciais do Norte do Estado de Santa Catarina (Secovi Norte) e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A empresa ajuizou ação na vara do trabalho de Jaraguá do Sul (SC), alegando que desde a sua criação jamais possuiu empregados e, mesmo assim, vinha sendo compelida indevidamente ao pagamento da contribuição sindical. O juízo deferiu o pedido, declarando a inexistência de relação jurídica entre a empresa e o sindicato, relativamente à cobrança daquela contribuição. ficassem incumbidos de avaliar e apresentar para cada tema as práticas já implantadas nas próprias entidades. A autoavaliação fez com que os executivos tivessem uma perspectiva de crescimento, além do reconhecimento dos trabalhos realizados nos encontros do Segs e do GTE. Para o consultor da Malv Consultoria, Luciano Santana, as avaliações mostraram a evolução da gestão sindical, o que pode ser melhorado e de que forma. A avaliação possibilita a tomada de decisões, completa Santana, pois revela como a entidade está e como ela quer ficar. SINDICATOS CONVIDADOS A PARTICIPAR DO GTE DE 2014 Sindicato Intermunicipal do Comércio Varejista de Pneumáticos do Estado de São Paulo; Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Itu e Região; Sindicato Comércio Varejista Matão; Sindicato do Comércio Varejista de São José dos Campos; Sindicado do Comércio Atacadista de Produtos Químicos e Petroquímicos no Estado de São Paulo; Sindicato do Comércio Varejista de São José do Rio Preto; Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Carga e Logística do Estado de São Paulo; Sindicato do Comércio Varejista de Penápolis; Sindicato do Comércio Varejista de Material de Construção, Maquinismos, Ferragens, Tintas, Louças e Vidros da Grande São Paulo; Sindicato do Comércio Varejista de Pindamonhangaba; Sindicato do Comércio Varejista de Material Elétrico e Aparelhos Eletrodomésticos no Estado de São Paulo; Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo; Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring do Estado de São Paulo; Sindicato do Comércio Varejista de Material Óptico, Fotográfico e Cinematográfico no Estado de São Paulo; Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo; Sindicato dos Cemitérios Particulares do Brasil; Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes; Sindicato do Comércio Varejista de Americana e Região; Sindicato do Comércio Varejista de Campinas; Sindicato do Comércio Varejista de Pirassununga. TST: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL É OBRIGATÓRIA MESMO SEM EMPREGADOS Sem êxito recursal no Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), o Secovi e a CNC interpuseram recursos ao Tribunal Superior do Trabalho, insistindo na argumentação de que o recolhimento da contribuição sindical não está adstrito aos empregados ou às empresas que os possuam, e conseguiram a reforma da decisão regional. O relator do recurso, ministro Alberto Bresciani, assinalou que, de fato, todos os empregados, trabalhadores autônomos e empresários que integrem determinada categoria econômica ou profissional são obrigados a recolher a contribuição sindical, não sendo relevante, para tanto, que a empresa tenha, ou não, empregados. É o que determina os artigos 578 e 579 da CLT, afirmou. Por maioria, a Turma julgou improcedente a ação da empresa. Ficou vencido o ministro Maurício Godinho Delgado. (RR ). Fonte: TST adaptado pela FECOMERCIO SP Julho/14 9

10 O Notícias da Fecomercio Notícias da Fecomercio Terceirização no STF Polêmica sobre contratação de serviços terceirizados chega ao Supremo que se questiona é a validade da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho, que limita a contratação de serviços relativos às atividades meio da contratante, proibindo a contratação de serviços de atividades-fim. O assunto veio à baila quando o STF começou a examinar o mérito do recurso extraordinário da empresa Celulose Nipo Brasileira S.A. (Cenibra), que foi condenada pela Justiça do Trabalho por ter contratado com terceiros a extração de madeira, considerada como atividade-fim. No recurso ao STF, a empresa alega que não existe definição jurídica sobre o que sejam exatamente atividade-meio e atividade-fim. O relator da matéria, ministro Luiz Fux, concordou com a alegação e, indo mais longe, admitiu existir dúvidas sobre a licitude de proibir a contratação desta ou daquela atividade por súmula, e não por lei, aparentando uma violação do princípio da legalidade contido no Inciso II do artigo 5 da Constituição federal, que garante a liberdade de contratar. Ao constatar a existência de centenas de ações do mesmo tipo na Justiça do Trabalho, o relator considerou a matéria como de repercussão geral, ou no STF seja, a decisão do STF terá de ser seguida por todo o Poder Judiciário. Embora seja difícil de antecipar o desfecho do referido processo, é possível que a Corte venha a colocar restrições ao uso de súmula para impedir a liberdade de contratação garantida pelo princípio da livre-iniciativa que governa a Constituição federal, encerrando a polêmica gerada pela Súmula 331. Mas, antes da referida decisão, o acionamento do STF poderá precipitar a aprovação de uma lei a respeito. No momento, o projeto que se encontra na pauta da Câmara dos Deputados é o PL 4.330/2004, de autoria do deputado Sandro Mabel e com relatoria do deputado Arthur Maia. No Senado, é o PLS 87/2010, de autoria do então senador Eduardo Azeredo e relatoria do senador Armando Monteiro. Uma precipitação desse tipo ocorreu em 2011 no caso do aviso prévio. Ao julgar quatro mandados de injunção, o STF considerou procedente a tese de que, pelo artigo 7, Inciso XXI da Constituição federal, todo trabalhador faz jus a um adicional de aviso prévio que é proporcional ao tempo de serviço na mesma empresa (além dos 30 dias). Antes mesmo de julgar os mandados de injunção, os ministros aventaram a regra de proporcionalidade a ser adotada pelo STF, acenando com prazos arrojados, chegando a admitir 10 dias por ano. Em vista do alto risco de regra tão avançada, governo, parlamentares e representantes dos empregados e empregadores se movimentaram no Congresso Nacional, que acabou aprovando a Lei /2011, que estabeleceu o adicional do aviso prévio na base de 3 dias por ano de serviço com um teto de 60 dias. Se o mesmo vier a ocorrer no caso da terceirização, há que se trabalhar muito para melhorar o PL 4.330/2004, que ainda carrega problemas intransponíveis. Um deles é o que restringe a contratação de serviços à parcela de qualquer das atividades da empresa. Essa expressão é vaga e gera muitas dúvidas de interpretação, em nada melhorando a insegurança criada pela Súmula 331. Outra agravante diz respeito à possibilidade de a negociação dos empregados da contratada ser subordinada ao sindicato dos empregados da contratante. Esse cruzamento de representação, além de inconstitucional, é inexequível. O PLS 87/2010 é mais simples e confere à contratante a liberdade para contratar quaisquer de suas atividades, desde que se garantam as proteções trabalhistas e previdenciárias a todos os trabalhadores envolvidos. Ademais, o relator citado aproveitou várias medidas positivas do PL 4.330/2004, em especial a que afasta a precarização do trabalho. Oxalá a ação do STF venha a fazer o Congresso Nacional aprovar uma lei de boa qualidade e que já deveria ter sido aprovada há muito tempo. José Pastore, presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da FecomercioSP. Artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 01/7/2014, página B Julho/14

11 Aduaneiras e Sindicomis Aduaneiras e Sindicomis Perguntas e respostas É possível uma filial realizar importação de mercadorias sem a interferência da matriz? A habilitação no Siscomex é feita pela pessoa jurídica matriz extensiva a suas filiais. Do ponto de vista da legislação, não há nada que impeça as filiais de realizarem suas importações diretamente, sem a interferência da matriz ou por meio dela, tratando-se de uma operação de importação normal, passível de se realizar em qualquer Unidade da Federação. numa importação por conta e ordem de terceiros, o valor da operação será computado na capacidade financeira da pessoa jurídica importadora ou da adquirente? Numa importação por conta e ordem de terceiros, tanto o importador como o adquirente devem estar habilitados no Siscomex (Registro no Radar), sendo que a operação será computada na capacidade financeira da pessoa jurídica do adquirente. Há algum impedimento para importação de produtos alimentícios com prazo de validade vencido? Será proibida a importação de produtos acabados, semielaborados ou a granel ou matéria-prima, para fins industriais, comerciais, de distribuição em feiras ou eventos, pesquisa de mercado e doação internacional, com prazo de validade a expirar-se nos próximos 30 dias a partir de sua liberação sanitária. Fica excluído da proibição o produto importado acabado, semielaborado ou a granel para fim industrial ou o produto acabado importado para fim comercial, cujo prazo definido quando de sua aprovação junto à Anvisa ou pelo seu fabricante seja inferior a 180 dias. um profissional residente no exterior em mudança para o Brasil pode importar produtos que utilizará profissionalmente? Os residentes no exterior que ingressem no País para nele residir de forma permanente, e os brasileiros que retornem ao País, provenientes do exterior, depois de lá residirem há mais de um ano, poderão ingressar no território aduaneiro, com isenção de tributos, com bens novos ou usados, como ferramentas, máquinas, aparelhos e instrumentos necessários ao exercício de sua profissão, arte ou ofício, individualmente considerados. A fruição da isenção para os bens referidos estará sujeita à prévia comprovação da atividade desenvolvida pelo viajante, e, no caso de residente no exterior que regresse, do decurso do prazo. Qual o valor máximo para se registrar uma DsI? Em se tratando de importação normal, o limite permitido na importação efetuada por DSI é de até US$ 3.000,00 ou o equivalente em outra moeda. É permitido importar mercadoria destinada à revenda por meio da modalidade remessa expressa courier? Exceção feita a livros, jornais e periódicos, não é possível importar como remessa expressa courier mercadorias para revenda; a pessoa jurídica somente submete a despacho aduaneiro as remessas expressas que contenham bens destinados à pessoa jurídica estabelecida no País, na importação, para uso próprio (bens não destinados à revenda ou à operação de industrialização) ou em quantidade estritamente necessária para dar a conhecer a sua natureza, espécie e qualidade, cujo valor total não seja superior a US$ 3.000,00 (três mil dólares dos Estados Unidos da América), ou o equivalente em outra moeda. As mercadorias que não se enquadram como remessa expressa deverão ser despachadas pelo regime comum de importação que, se de valor não superior ao mencionado anteriormente, poderá ser objeto de DSI. Quais os procedimentos para o Despacho aduaneiro expresso (Linha azul)? Os procedimentos de Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul) são os mesmos praticados numa operação normal de importação, com o registro de DI e recolhimento de tributos nas mesmas condições que são realizadas numa operação comum, tendo como elemento favorável na sua utilização maior agilidade para o despacho aduaneiro. o que é entreposto aduaneiro de importação? É a armazenagem de mercadoria, sob controle aduaneiro, em local alfandegado com suspensão dos tributos. A extinção do regime pode ocorrer pelo despacho para consumo (nacionalização), transferência de regime, reexportação ou exportação. Qual o fato gerador do IPI vinculado à importação? O fato gerador do IPI vinculado à importação é o desembaraço aduaneiro do produto industrializado importado; entretanto, o pagamento do tributo é antecipado para o momento do registro da DI. uma empresa que tenha o radar na submodalidade "limitada" e resolva mudar para o radar submodalidade "ilimitada" terá o primeiro bloqueado/travado? O importador habilitado na submodalidade "limitada" poderá requerer a revisão da estimativa apurada na análise fiscal, apresentando documentação que ateste capacidade financeira superior à estimada. Como se trata de revisão da capacidade financeira, o requerimento normalmente não bloqueará a habilitação da pessoa jurídica. Fonte: Consultoria Aduaneiras. Julho/14 11

12 Notícias do Sindicato Notícias do Sindicato Subcomissão da CCJ vai analisar projetos de interesse dos trabalhadores A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados instalará, no próximo dia 2 de julho, uma subcomissão para analisar cerca de 180 projetos de interesse dos trabalhadores. A partir de uma agenda legislativa das centrais sindicais, serão selecionados os projetos mais urgentes. Uma pauta unificada de reivindicações foi divulgada recentemente pelo Fórum Sindical dos Trabalhadores, entidade que reúne confederações e sindicatos de diversas categorias profissionais. A pauta consta de um boletim que está sendo distribuído em aeroportos, rodoviárias, estações de metrô e hotéis em todas as cidades-sede da Copa do Mundo. Os trabalhadores levantam antigas bandeiras, como a redução jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salário; a correção da tabela do Imposto de Renda; e o fim do fator previdenciário (redutor dos benefícios para quem se aposenta por tempo de serviço). Eles querem pressionar o Congresso a votar essas propostas. Redução da jornada Uma comissão geral realizada em maio debateu, no Plenário da Câmara, as principais reivindicações da classe trabalhadora. Deputados de vários partidos se comprometeram a apoiar as iniciativas. Entre os temas reivindicados, o presidente da CCJ, deputado Vicente Candido (PT-SP), citou a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais. É uma demanda muito simbólica, muito forte para as centrais sindicais. Não é fácil neste momento do chamado pleno emprego, mas eu creio que, talvez com uma estratégia mais refinada, mais elaborada, com um pouco mais de conversas e presenças no Parlamento, é possível que, até o final do ano, entre na pauta, afirmou. Fonte: Câmara dos Deputados 12 Fevereiro/14

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário;

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário; RESOLUÇÃO Nº 25, DE 18 OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre parâmetros e padrões para desenvolvimento do modelo de integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em março de 2014, o Estado A instituiu, por meio de decreto, taxa de serviço de segurança devida pelas pessoas jurídicas com sede naquele Estado, com base de cálculo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Porto Alegre 26 de Julho de 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO presidencia.cft@camara.gov.br

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Em DiA Associado atualizado com as notícias do setor

Em DiA Associado atualizado com as notícias do setor 22 de Junho de 2015 Em DiA Associado atualizado com as notícias do setor Nesta Edição 02 Destaque Câmara de Alimentos elege vice-presidente A FORÇA DA INDÚSTRIA DA CARNE MINEIRA Informe Tributário Legislação

Leia mais

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem Sumário 1. Introdução... 2 2. Operações de venda à ordem - emissão de documentos fiscais... 3 2.1 Procedimentos adotados pelo vendedor remetente (fornecedor)...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010)

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) Dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do Microempreendedor Individual.

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica O NOVO FÓRUM PERMANENTE DAS MPES E A SECRETARIA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA (SMPE)

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica O NOVO FÓRUM PERMANENTE DAS MPES E A SECRETARIA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA (SMPE) TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica O NOVO FÓRUM PERMANENTE DAS MPES E A SECRETARIA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA (SMPE) Antonio Everton Junior Economista Nos dias 10, 11 e 12 de fevereiro, na CNC/DF, os

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 12 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 20 - Data 25 de agosto de 2014 Origem COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA (COANA) ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

III Mesa de Debates ABEAD

III Mesa de Debates ABEAD III Mesa de Debates ABEAD SISCOSERV Principais aspectos e desafios Roberta Folgueral roberta@canaladuaneiro.com.br 11-3419-1737 Skype: r.folgueral Twitter: @folgueral SOBRE A INSTRUTORA Contato: roberta@canaladuaneiro.com.br

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO

Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO SENTENÇA Cuida-se de mandado de segurança impetrado

Leia mais

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal Edição nº 140 02 de março de 2015. ALERTA GERENCIAL Alterações na Legislação Federal A Medida Provisória nº 669, publicada no D.O.U. DE 27/02/2014, promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Contribuição Sindical Patronal

Contribuição Sindical Patronal Contribuição Sindical Patronal Aspectos Legais O recolhimento da contribuição sindical é obrigatório conforme se verifica nos artigos 578, 579 e 580 da Consolidação das Leis do Trabalho: TÍTULO V - DA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

Recife (PE) Maio 2014

Recife (PE) Maio 2014 Recife (PE) Maio 2014 ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Art. 170 A ordem econômica... tem por fim... existência digna, conforme os ditames da justiça social... observados os seguintes princípios:... VII - redução

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 591, DE 2010 Altera a Lei Complementar n 63, de 11 de janeiro de 1990, a Lei Complementar n 123, de 14 de dezembro

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.598, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007. Estabelece diretrizes e procedimentos para a simplificação e integração do processo de registro

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

Direcionamento dos recursos das multas ambientais a ações em educação ambiental PL 04472/2012 deputado Sarney Filho (PV/MA) 1

Direcionamento dos recursos das multas ambientais a ações em educação ambiental PL 04472/2012 deputado Sarney Filho (PV/MA) 1 Ano 20 - Número 26-01 de outubro de 2012 - www.cni.org.br Nesta Edição: INTERESSE GERAL DA INDÚSTRIA Proibição do uso de procuração para apresentação de requerimento de abertura de empresa PLP 00210/2012

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

46 KPMG Business Magazine. Siscoserv inspira cuidados

46 KPMG Business Magazine. Siscoserv inspira cuidados 46 KPMG Business Magazine Siscoserv inspira cuidados Novo sistema eletrônico demanda dados até então não sistematizados pelas empresas, elevando os riscos ao compliance da norma Em meio a um emaranhado

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 1 A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 2 Fundamentos Legais Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006), APROVADAS NO PLC 60/14.

ALTERAÇÕES DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006), APROVADAS NO PLC 60/14. ALTERAÇÕES DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006), APROVADAS NO PLC 60/14. Proposta Como é hoje Como ficará Universalização do Simples Nacional. Não podem optar pelo Simples as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO córdão 1a Turma ENQUADRAMENTO SINDICAL - No caso dos autos restou demonstrado que a segunda reclamada efetivamente se apresenta aos seus clientes como empresa que atua no ramo financeiro e é reconhecida

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Habilitação no SISCOMEX

Habilitação no SISCOMEX Habilitação no SISCOMEX Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Em regra, o despacho aduaneiro é processado no SISCOMEX. Para que seja efetuada uma importação ou exportação

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado O escopo deste Trabalho Técnico é trazer, de forma didática,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Felipe das Neves, 20 anos, portador de grave deficiência mental, vem procurá-lo, juntamente com seu pai e responsável, eis que pretendeu adquirir um carro, para ser

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 19/05/2014 Atenção I O Ministério da Justiça implementou nova metodologia para a vinculação dos representantes legais das entidades perante o Cadastro

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv)

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv) A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv) Com implantação realizada o primeiro dia de agosto do corrente

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS 1ª pergunta: Quem paga a Contribuição Sindical Urbana CSU (imposto sindical)? a) Os profissionais liberais, entre

Leia mais

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006)

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006) Universalização do Simples Nacional Não podem optar pelo Simples as empresas prestadoras de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa:

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa: PELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5011683-79.2010.404.7200/SC RELATOR : Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL APELADO : ALPHA TRADE IMPORTACAO DE ELETRONICOS LTDA ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa

Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa 2015-08/02 - Boletim Informativo SISCOSERV Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa IRKO Organização Contábil Ltda. Rua Dom Jose de Barros, 177 2º andar São Paulo - Fone:

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços sujeitos ao ISS, relacionados na lista anexa à Lei Complementar

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Versão 1.0 Nota Salvador NFS-e Versão do Manual: 1.0 pág. 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS ÍNDICE 1. Acessando

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 420-A, DE 2014 (Do Sr. Pedro Eugênio)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 420-A, DE 2014 (Do Sr. Pedro Eugênio) AVULSO NÃO PUBLICADO. PROPOSIÇÃO DE PLENÁRIO. CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 420-A, DE 2014 (Do Sr. Pedro Eugênio) Altera a Lei Complementar nº 123 de 14 de dezembro de 2006, de forma

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica CENTRAL FÁCIL DE REGISTRO DE EMPRESAS: REDE NACIONAL PARA SIMPLIFICAÇÃO DO REGISTRO E DA LEGALIZAÇÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS (REDESIM) ANTIGA REIVINDICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais