ROTEIRO COSTA LESTE DO CABO CALCANHAR AO CABO FRIO ILHAS OCEÂNICAS DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO COSTA LESTE DO CABO CALCANHAR AO CABO FRIO ILHAS OCEÂNICAS DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA BRASIL"

Transcrição

1 MARINHA DO BRASIL HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO ROTEIRO COSTA LESTE DO CABO CALCANHAR AO CABO FRIO ILHAS OCEÂNICAS DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA BRASIL 12ª EDIÇÃO 03 2ª REIMPRESSÃO 13 CORRIGIDA ATÉ O FOLHETO QUINZENAL DE AVISOS AOS NAVEGANTES Nº 1/1

2 II As Cartas e Publicações Náuticas poderão ser adquiridas no Posto de Vendas da EMGEPRON, situado na Base de Hidrografia da Marinha em Niterói (BHMN), Rua Barão de Jaceguay s/nº Ponta da Armação CEP Niterói, RJ, Brasil; ou na página de comércio eletrônico Informações adicionais pelo telefone (21) Brasil. Marinha. Diretoria de Hidrografia e Navegação. B823 Roteiro: Costa Leste Do Cabo Calcanhar ao Cabo Frio. 13 Ilhas Oceânicas 12. ed. 2ª reimp. atual Niterói, RJ: DHN, 13. xviii, 292 p.: il., graf., mapas. ISBN X 1. Roteiro de Navegação Atlântico, Oceano, Costa Leste (Brasil). 2. Roteiro de Navegação - Brasil. I. Título CDD DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA Rua Barão de Jaceguai, s/n Ponta d Areia CEP Niterói, RJ, Brasil TELEFONES Posto de Venda: (21) Ouvidoria: (21) Telefax: (21) s Posto de Venda: Ouvidoria:

3 (Folheto nº 14/1) LISTA DE PÁGINAS EFETIVAS Esta lista apresenta a situação das páginas do Roteiro Costa Leste, 03, corrigidas até o folheto Avisos aos Navegantes nº 14/1. Página Folha de rosto (I e II) Lista de páginas efetivas (IIa e IIb) III a X XI e XII XIII e XIV XV e XVI XVII e XVIII 1 a 6 7 e 8 9 a a e 24 2 e a a 48b 49 e 0 1 a e e 64 6 e e e a 74 7 e a e e 84 8 a e a 94 9 e e a 4 e 6 7 e 8 9 e a a e e e e e 1 Situação Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/0 Folheto nº 8/08 Folheto nº 18/04 Folheto nº 8/08 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 8/12 Folheto nº 11/06 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/06 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/06 Folheto nº 14/1 Folheto nº 8/12 Folheto nº 11/06 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/06 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Corr. 6-1

4 (Folheto nº 14/1) IIb ROTEIRO COSTA LESTE Página 131 e e e a e e e e e 14 1 a e e e e e e a a e a e e e a 4 e 6 7 e 8 9 e a a e e e a e a e 21 e e 24 2 a e a a 292 Situação Folheto nº 11/06 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/06 Folheto nº 8/12 Folheto nº 11/06 Folheto nº 11/06 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/06 Folheto nº 11/0 Folheto nº 11/06 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 11/0 Folheto nº 11/06 Folheto nº 8/08 Folheto nº 11/0 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Folheto nº 18/04 Folheto nº 14/1 Folheto nº 18/04 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Folheto nº 14/1 Corr. 6-1

5 REGISTRO DE CORREÇÕES INSTRUÇÕES 1. Na coluna Folheto devem ser registrados o número e o ano do folheto quinzenal Avisos aos Navegantes que publicou a correção. Ex. Fol. / Na coluna Páginas Afetadas devem ser registrados os números das páginas corrigidas, substituídas ou inseridas. Ex. 11 e 126; 121/122 (Folheto /03); ou 131a/131b (Folheto /03). 3. Na coluna Rubrica/Data devem ser lançadas a rubrica do responsável pela correção e a data da correção. 4. Para facilitar o controle do usuário, o folheto quinzenal que divulgar correções ao Roteiro Costa Leste informará, sempre, a numeração destas correções e dos folhetos que publicaram as correções precedentes. Folheto Fol. 18/04 (Correções nº 1) Páginas Afetadas Lista de Páginas Efetivas - XVII/XVIII - 9/2-21/ /2 e 223/224 Rubrica Data Fol. 11/0 (Correções nº 2) Fol. 11/06 (Correções nº 3) Lista de Páginas Efetivas - XI/XII - 21/22-2/26-63 a a a a/182b 18/186 e 193 a 196 Lista de Páginas Efetivas - 19 a a / / / / a / /10-13/ / / a e 222 Fol. 19/06 (Correções nº 4) Fol. 16/07 (Correções nº ) Fol. /07 (Correções nº 6) Fol. 8/08 (Correções nº 7) IIb a 292 Lista de Páginas Efetivas - XV/XVI - 7/ /192 e 19

6 IV ROTEIRO COSTA LESTE Folheto Fol. 1/08 (Correções nº 8) Fol. 17/08 (Correções nº 9) Fol. 8/12 (Correções nº ) Páginas Afetadas e 292 L.P.E. - 49/0-83/84-14/ a a / e /6. Rubrica Data Fol. 14/1 (Correções nº 11) IIa/IIb - 17/18-19 a a 48-63/64-69/70-81/82-9/96-99 a 4-7/8-111 a / /1-13/ / a /196 - /6-21 a / / / - 23/24-263/264 Fol. 1/1 (Correções nº 12) II - XVIII a 62-6 a a a a a a

7 REGISTRO DE CORREÇÕES V Folheto Páginas Afetadas Rubrica Data

8 VI ROTEIRO COSTA LESTE Folheto Páginas Afetadas Rubrica Data

9 ÍNDICE INTRODUÇÃO Propósito... 1 Divisão... 1 Referências e unidades... 2 Correções... 3 Colaboração do navegante... 3 Alterações ou irregularidades que afetam a navegação... 4 CAPÍTULO I INFORMAÇÕES GERAIS CARTA E CARTOGRAFIA Qualidade da carta... 1ª edição e data de publicação... Reimpressão... 6 Nova edição... 6 Classificação... 6 Uso... 6 Correção a bordo... 6 Linhas de igual profundidade... 7 Profundidades e limites de áreas dragadas... 8 Datum horizontal... 8 Deformação... 8 Bóias... 8 Faróis... 9 Sinais de cerração... 9 Setas... 9 Variação da declinação magnética... SINALIZAÇÃO NÁUTICA Lista de Faróis... Sistema de balizamento... Balizamentos particulares NAVEGAÇÃO Observações gerais Áreas de exercício da Marinha do Brasil Áreas de exercício de tiro ou lançamento de foguete Precauções com submarinos em exercício Precauções com navios varredores em serviço Precauções com navios hidrográficos, oceanográficos e de prospecção geofísica em serviço Precauções com uma força naval ou comboio... 1 Precauções com instalações ao largo da costa... 1 Precauções em áreas de cabos e canalizações submarinos Sondagens anormais... 16

10 VIII ROTEIRO COSTA LESTE AVISOS AOS NAVEGANTES Classificação Numeração Folheto quinzenal Distribuição do folheto quinzenal Avisos aos navegantes das hidrovias Paraguai Paraná e Tietê Paraná SERVIÇOS RÁDIO Sistemas de posicionamento Estações costeiras Lista de Auxílios-Rádio PRATICAGEM Serviços de praticagem... Zonas de praticagem... Praticagem obrigatória... Praticagem facultativa... Impraticabilidade da barra Impossibilidade do embarque do prático Impossibilidade do desembarque do prático Informações sobre praticagem BUSCA E SALVAMENTO Organização do serviço Sistema de alerta Sistema de informações de controle do tráfego marítimo Comunicações de perigo Atendimento médico Sinais visuais de salvamento SERVIÇOS DE ALFÂNDEGA E DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Serviços de alfândega Serviços de vigilância sanitária Normas gerais a serem observadas... 2 Desratização e desinsetização... 2 Quarentena... 2 REGULAMENTOS Mar territorial... 2 Zona contígua Zona econômica exclusiva Plataforma continental Preservação ambiental Carga e descarga de petróleo e seus derivados, produtos químicos a granel e gás liquefeito Mercadorias perigosas Embarcações estrangeiras Embarcações de esporte e recreio Entrada e saída de embarcações... Tráfego no porto... Cerimonial marítimo... Inspeção naval... CAPÍTULO II BRASIL INFORMAÇÕES GERAIS Situação População... 31

11 ÍNDICE IX Resumo histórico Organização dos poderes Organização administrativa Moeda Pesos e medidas Hora legal Hora de verão Feriados nacionais GEOGRAFIA Aspecto físico Pontos culminantes METEOROLOGIA Climas Ventos... 3 Visibilidade e nevoeiros... 3 Massas de ar e frentes Invasões frias Zona de convergência intertropical Dados climatológicos OCEANOGRAFIA Densidade Salinidade Temperatura na superfície Circulação termoalina Circulação pelo efeito do vento Circulação superficial do oceano Atlântico Sul A ressurgência provocada pelo vento PRINCIPAIS PORTOS E TERMINAIS Lista de portos e terminais SERVIÇOS PORTUÁRIOS Sumário de serviços portuários CAPÍTULO III DO CABO CALCANHAR AO PORTO DO RECIFE Descrição da costa... 1 Pontos característicos... 1 Perigos ao largo... 4 Cabos submarinos... Fundeadouros... Ventos... 6 Correntes... 6 PORTO DE NATAL Reconhecimento e demanda... 6 Pontos característicos... 7 Perigos... 8 Fundeadouros... 8 Fundeio proibido... 9 Área de manobra... 9

12 X ROTEIRO COSTA LESTE Cabos submarinos... 9 Maré e corrente de maré... 9 Praticagem... 9 Tráfego e permanência Poluição Recursos portuários Terminal especializado (Terminal de Dunas) Suprimentos Reparos Socorro Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais PORTO DE CABEDELO Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos... 6 Fundeadouros... 6 Fundeio proibido Área de manobra Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos portuários Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais PORTO DE ITAPESSOCA Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Recursos portuários Suprimentos Comunicações Hospitais PORTO DO RECIFE Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros... 74

13 ÍNDICE (Folheto nº 11/0) XI Fundeio proibido... 7 Pesca proibida... 7 Área de manobra... 7 Cabos submarinos... 7 Maré e corrente de maré... 7 Condições atmosféricas Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos portuários Terminal especializado Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais DO PORTO DO RECIFE À BAÍA DE TODOS OS SANTOS Pontos característicos... 8 Perigos ao largo Áreas reservadas Cabos e canalizações submarinos Fundeadouros Ventos Correntes PORTO DE SUAPE Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Pesca proibida Ventos Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos portuários Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriado municipal PORTO DE MACEIÓ E TERMINAL DA BRASKEM Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Corr. 1-0

14 (Folheto nº 11/0) XII ROTEIRO COSTA LESTE Fundeadouros Fundeio proibido... 0 Pesca proibida... 0 Área de manobra... 0 Cabos e canalizações submarinos... 0 Maré e corrente de maré... 0 Praticagem... 0 Tráfego e permanência... 1 Poluição... 2 Recursos portuários... 2 Suprimentos... 3 Reparos... 3 Incêndio... 3 Comunicações... 3 Hospitais... 4 Autoridades... 4 Feriados municipais... 4 Terminal da Braskem... 4 PORTO DE BARRA DOS COQUEIROS (Terminal Marítimo Inácio Barbosa TMIB) Reconhecimento e demanda... 6 Pontos característicos... 6 Perigos... 6 Fundeadouro... 7 Pesca proibida... 7 Área de manobra... 7 Maré e corrente de maré... 7 Condições atmosféricas... 7 Praticagem... 7 Tráfego e permanência... 8 Poluição... 8 Recursos portuários... 8 Suprimentos... 9 Reparos... 9 Incêndio... 9 Comunicações... 9 Hospitais... 1 Autoridades... 1 Feriado municipal... 1 BARRA DO RIO SERGIPE Reconhecimento e demanda... 1 Pontos característicos Perigos Fundeadouros Fundeio proibido Área reservada Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Poluição Reparos Incêndio Corr. 1-0

15 ÍNDICE XIII Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais TERMINAL DE CARMÓPOLIS (TECARMO) Reconhecimento e demanda Comunicações de chegada Fundeadouro Fundeio proibido Praticagem Procedimentos operacionais Recursos do terminal Suprimentos Outras facilidades Poluição Autoridades BAÍA DE TODOS OS SANTOS Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Fundeio proibido Navegação proibida Pesca proibida Áreas de manobra Ventos Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência... 1 Poluição PORTO DE SALVADOR Recursos portuários Suprimentos Reparos Socorro Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais PORTO DE ARATU Recursos portuários Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais TERMINAL DA USIBA Recursos do terminal Suprimentos

16 XIV ROTEIRO COSTA LESTE Reparos e incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais TERMINAL DA DOW QUÍMICA Recursos do terminal Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais TERMINAL DE MADRE DE DEUS (TEMADRE) Procedimentos operacionais Recursos do terminal Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais OUTROS TERMINAIS DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS Informações gerais CAPÍTULO IV DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS AO PORTO DE VITÓRIA Descrição da costa Pontos característicos Perigos ao largo Tráfego de barcaças rebocadas... 1 Áreas de proteção ambiental... 1 Parque nacional marinho dos Abrolhos... 1 Canalizações submarinas Fundeadouros Ventos Correntes PORTO DE CAMAMU Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouro Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Recursos PORTO DE ILHÉUS Reconhecimento e demanda Pontos característicos... 19

17 ÍNDICE (Folheto nº 8/08) XV Perigos Fundeadouros Fundeio proibido Área de manobra Maré e corrente de maré Ventos Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos portuários Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais TERMINAL DE BARCAÇAS EM BELMONTE Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouro Praticagem Tráfego e permanência Recursos Comunicações Proprietária do terminal TERMINAL DE BARRA DO RIACHO Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouro Fundeio proibido Área de manobra Maré e Corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos do terminal Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais PORTOS DE VITÓRIA E TUBARÃO Reconhecimento e demanda Pontos característicos Corr. 1-08

18 (Folheto nº 8/08) XVI ROTEIRO COSTA LESTE Perigos Fundeadouros Fundeio proibido Áreas de manobra Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos do terminal de Praia Mole Recursos do porto de Tubarão Recursos do porto de Vitória Recursos comuns Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais a DO PORTO DE VITÓRIA AO CABO FRIO Pontos característicos Perigos ao largo Área a ser evitada Áreas proibidas Canalizações submarinas Fundeadouros Ventos Correntes TERMINAL DA PONTA DO UBU Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Fundeio proibido Área de manobra Maré e corrente de maré Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos do terminal Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais Autoridades Feriados municipais TERMINAL DE IMBETIBA Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Maré e corrente de maré Corr. 1-08

19 ÍNDICE (Folheto nº 18/04) XVII Praticagem Tráfego e permanência Poluição Recursos do terminal Suprimentos Reparos Incêndio Comunicações Hospitais... 0 Autoridades... 0 Feriados municipais... 0 PORTO DO FORNO Reconhecimento e demanda... 1 Pontos característicos... 1 Perigos... 1 Áreas reservadas... 1 Fundeadouros... 1 Fundeio proibido... 2 Área de manobra... 2 Maré e corrente de maré... 2 Praticagem... 2 Tráfego e permanência... 2 Poluição... 2 Recursos portuários... 3 Suprimentos... 3 Reparos... 3 Incêndio... 3 Comunicações... 3 Hospitais... 4 Autoridades... 4 Feriados municipais... 4 CAPÍTULO V ATOL DAS ROCAS Reconhecimento e demanda... 7 Pontos característicos... 8 Perigos... 8 Fundeadouro... 8 Ventos... 9 Maré e corrente... 9 Recursos... 9 Área de proteção ambiental... 9 Zona econômica exclusiva... 9 Fauna... 9 ARQUIPÉLAGO DE FERNANDO DE NORONHA Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Clima Maré e corrente Portos Corr. 1-04

20 (Folheto nº 18/04) XVIII ROTEIRO COSTA LESTE Recursos Parque nacional marinho Zona econômica exclusiva Comunicações Autoridades Feriados ARQUIPÉLAGO DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO Descrição Perigos Fundeadouros Ventos Maré e corrente Área de proteção ambiental Zona econômica exclusiva Fauna ILHA DA TRINDADE E ILHAS MARTIN VAZ Reconhecimento e demanda Pontos característicos Perigos Fundeadouros Ventos Maré e Corrente Recursos Zona econômica exclusiva Fauna ÍNDICE GEOGRÁFICO ALFABÉTICO Nomes geográficos em ordem alfabética APÊNDICES Vistas da costa (Apêndice I) Tábua de distâncias (Apêndice II) Principais portos e terminais (Apêndice III) Sumário de serviços portuários (Apêndice IV) Corr. 1-04

21 INTRODUÇÃO Propósito O Roteiro da Costa do Brasil tem como propósito complementar as cartas náuticas brasileiras nunca descrevê-las dando aos navegantes subsídios que lhes permitam melhor avaliar as informações das cartas, ao navegar ao longo da costa ou dos canais e nas aterragens, assim como conhecer os regulamentos, recursos e facilidades dos portos e terminais. Na navegação ao longo da costa procura-se mostrar o aspecto geral do litoral, com informações sobre pontos geográficos característicos, estruturas isoladas e auxílios à navegação que permitam identificá-los para determinar a posição do navio, perigos existentes nas rotas usuais, ventos, correntes oceânicas, áreas e atividades de restrição à navegação e rotas mais usuais ou aconselhadas, sempre que possível entre dois portos. Na aterragem, a descrição é feita na seqüência em que os pontos geográficos característicos se tornam visíveis e os perigos existem, até o ponto de fundeio ou embarque de Prático, para os navegantes que se aproximam procedentes das direções mais freqüentes. Quando há mais de um canal navegável, eles são abordados na ordem decrescente de suas importâncias, seguindo-se as informações sobre os perigos existentes nas suas proximidades. Na descrição dos pontos característicos e dos perigos, se a totalidade dos detalhes importantes para o navegante pode ser vista na carta, o ponto ou perigo é mencionado resumidamente, o necessário para sua identificação na carta; se há mais informações disponíveis do que as mostradas na carta, elas são dadas no Roteiro. Sobre os portos e terminais procura-se informar aos navegantes o que eles precisam saber antes da chegada, visando aos aspectos de segurança da navegação, tráfego e permanência, operação e legislação portuárias, reabastecimento e facilidades diversas. Divisão O Roteiro da Costa do Brasil está dividido em três volumes: Costa Norte (DH1-I) Da Baía do Oiapoque ao Cabo Calcanhar. Rios Amazonas, Jari e Trombetas. Rio Pará; Costa Leste (DH1-II) Do Cabo Calcanhar ao Cabo Frio. Ilhas Oceânicas; e Costa Sul (DH1-III) Do Cabo Frio ao Arroio Chuí. Lagoas dos Patos e Mirim. Cada volume é dividido em capítulos. Os capítulos I e II são comuns a todos os volumes. O capítulo I dá informações gerais úteis aos navegantes sobre carta e cartografia, sinalização náutica, navegação, avisos aos navegantes, serviços rádio, praticagem, sinais visuais, busca e salvamento, serviços de alfândega e de vigilância sanitária e regulamentos. O capítulo II contém informações gerais sobre o Brasil, incluindo dados geográficos, meteorológicos e oceanográficos e relações dos principais portos, terminais e serviços portuários

22 2 ROTEIRO COSTA LESTE Os capítulos seguintes dos três volumes abrangem trechos significativos da costa, descritos do Norte para o Sul. São subdivididos em seções, correspondentes, tanto quanto possível, a trechos entre dois portos ou a baías onde estejam localizados portos importantes. Os Roteiros das hidrovias interiores do Brasil, exceto as constantes no Roteiro Costa Norte citado acima, constituem publicações à parte, cada um dividido de acordo com as características da hidrovia. Atualmente há os seguintes Roteiros de hidrovias interiores: Hidrovia Paraguai Paraná. Parte II (DH1-VI) De Assunção a Cáceres. Canal Tamengo; e Hidrovia Tietê Paraná (DH1-VII) Rio Tietê: Da Foz a Anhumas. Rio Paraná: De Jupiá à Foz do Tietê. Rio São José dos Dourados. Canal Pereira Barreto. 1 Referências e unidades As cartas de referência dos textos são normalmente as de maior escala. Quando são citadas várias cartas, a seqüência da apresentação é a mesma da redução das respectivas escalas. As coordenadas geográficas são aproximadas e, quando não especificado, as latitudes são Sul e as longitudes Oeste. Os rumos são verdadeiros, de 000 (Norte) a 360. As marcações são verdadeiras, tomadas do largo, no sentido do movimento dos ponteiros do relógio, quando referentes a setores de visibilidade de faróis, direções de luzes de alinhamentos, direções de pontos conspícuos e direções para evitar perigos. As posições dos pontos característicos podem ser dadas por coordenadas geográficas ou por distância e marcação pela rosa em quartas, a partir do ponto citado como referência. 2 As posições dos perigos podem ser dadas por coordenadas geográficas ou por distância e marcação verdadeira, a partir do ponto citado como referência. As distâncias são expressas em milhas náuticas e décimos de milha. Distâncias pequenas, que requeiram maior precisão, são dadas em metros. As profundidades abaixo de 21 metros são dadas em metros e decímetros; de 21 a 31 metros são aproximadas ao meio metro; e acima de 31 metros são aproximadas ao metro inteiro. Todas são referidas ao nível de redução da carta de maior escala. As altitudes são dadas em metros acima do nível de referência indicado no título da carta As alturas das estruturas são dadas em metros e correspondem à distância vertical entre a base e o tope da estrutura. As direções dos ventos são dadas pela rosa em quartas e correspondem àquelas de onde eles sopram. As direções das correntes oceânicas e de marés são dadas pela rosa em quartas e correspondem àquelas para onde elas fluem. As velocidades dos ventos são expressas em nós ou na escala Beaufort. As velocidades das correntes são expressas em nós.

23 As temperaturas são dadas em graus centígrados. INTRODUÇÃO 3 A hora usada é a hora legal, sendo dada por quatro algarismos, de 0000 a 2400, os dois primeiros correspondendo às horas e os seguintes aos minutos. Quando é necessário mencionar a hora média de Greenwich, esta é seguida da abreviatura HMG. Os números com quatro algarismos entre parênteses após os nomes de faróis, faroletes e aerofaróis referem-se aos respectivos números de ordem na Lista de Faróis, Brasil. Correções O folheto quinzenal Avisos aos Navegantes publica em sua Seção IV.3 as correções permanentes ou atualizações que devem constar de imediato no Roteiro. Estas correções devem ser lançadas no texto, à tinta ou coladas, e registradas no quadro Registro de Correções, de acordo com as instruções nele contidas. Para facilitar o lançamento das correções, as linhas do texto são numeradas na margem externa da página, a cada múltiplo de. O folheto quinzenal Avisos aos Navegantes também pode distribuir folhas com grandes correções, para substituição ou inserção. 1 A folha substituta contém toda a matéria da folha a ser substituída mais as correções publicadas nos folhetos quinzenais Avisos aos Navegantes e outras ainda não divulgadas. Sua numeração é igual à da folha substituída acrescida do número seqüencial e ano do folheto quinzenal portador. Exemplo da numeração de uma página de folha substituta: 3 (Folheto nº /03). A folha a ser inserida contém matéria nova ou é utilizada quando há necessidade de ampliar o texto da página anterior. Sua numeração é a da página anterior seguida de uma letra minúscula, em ordem alfabética, e do número seqüencial e ano do folheto quinzenal portador. Exemplo da numeração de uma página de folha a ser inserida: 3a (Folheto nº /03). 2 Sempre que houver uma substituição ou inserção de folha, constará também na margem direita do pé de cada página da folha, no lugar da palavra, uma legenda indicativa do número seqüencial da substituição ou inserção e do ano em que ela ocorreu. Exemplo do pé de uma página de folha substituída pela segunda vez, agora no ano de 03: Corr Sempre que houver uma alteração na paginação, será fornecida com o folheto quinzenal portador uma folha denominada Lista de Páginas Efetivas. Esta folha contém a relação de todas as páginas que o Roteiro deve ter, após a substituição ou inclusão de folhas, e deve ser inserida logo após a Folha de Rosto. 3 O Roteiro deve ser adquirido com todas as Folhas de Correções já publicadas, que são numeradas em seqüência, para controle do utilizador. Colaboração do navegante A Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) solicita aos navegantes que, no interesse da segurança da navegação, comuniquem ao Centro de Hidrografia da Marinha (CHM) qualquer omissão ou inexatidão encontrada no Roteiro, assim como as divergências existentes entre suas informações e as das cartas náuticas ou as de qualquer outra fonte. 40

24 4 ROTEIRO COSTA LESTE 1 2 Subsídios para a ampliação das informações do Roteiro, baseados no propósito da publicação, também serão muito bem recebidos pelo CHM. Este propósito quase sempre não pode ser alcançado, por absoluta falta de elementos confiáveis, sendo a colaboração do navegante, assim, de valor inestimável para o benefício de todos. Alterações ou irregularidades que afetam a navegação As alterações observadas na área marítima do Brasil e em seus rios e lagoas, tais como novos perigos, sondagens anormais e irregularidades na sinalização náutica ou auxílios eletrônicos à navegação, devem ser informadas com urgência ao CHM, para divulgação aos navegantes. As informações sobre novos perigos assim compreendidos os derrelitos, pedras, altos-fundos, etc. não representados nas cartas náuticas ou não citados nas publicações de auxílio à navegação devem indicar, de forma breve e concisa, a descrição do perigo, a data e a HMG da observação, a posição geográfica do perigo e o método de determinação de sua posição, a carta utilizada e os nomes do navio e do informante. As informações sobre sondagens anormais devem atender ao contido na página 16 deste Roteiro. As irregularidades nos sinais náuticos devem ser informadas sempre que ocorrer uma das seguintes situações: alcance reduzido, apagado, característica irregular, exibindo luz fixa, setor de visibilidade alterado ou obstruído, destruído, fora de posição, à deriva, soçobrado ou desaparecido. Para os sinais luminosos fixos e flutuantes citar o nome do sinal e o seu número de ordem na Lista de Faróis, Brasil. Para os sinais cegos fixos e flutuantes citar o nome do sinal e o seu número de ordem na Lista de Sinais Cegos, Brasil. Em qualquer caso, informar a data e a HMG da observação e os nomes do navio e do informante. As alterações nos auxílios eletrônicos à navegação geralmente são alcance reduzido, fora do ar ou característica irregular. Para os radiofaróis e estações de referência DGPS, citar o nome e o número do radiofarol na Lista de Auxílios-Rádio, Brasil. Para os racons, dar o nome e o número do sinal onde o racon está instalado, de acordo com o parágrafo anterior. As informações urgentes sobre alterações ou irregularidades que afetam a navegação devem ser enviadas, sem ônus de nenhuma taxa, por meio das estações costeiras da Empresa Brasileira de Telecomunicações (EMBRATEL), cujos detalhes de funcionamento constam do Capítulo VIII da Lista de Auxílios-Rádio, Brasil. As informações que não requeiram urgência em sua divulgação podem ser enviadas utilizando a folha de informações anexa ao folheto quinzenal Avisos aos Navegantes.

ROTEIRO COSTA SUL DO CABO FRIO AO ARROIO CHUÍ LAGOAS DOS PATOS E MIRIM DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA BRASIL

ROTEIRO COSTA SUL DO CABO FRIO AO ARROIO CHUÍ LAGOAS DOS PATOS E MIRIM DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA BRASIL MARINHA DO BRASIL HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO ROTEIRO COSTA SUL DO CABO FRIO AO ARROIO CHUÍ LAGOAS DOS PATOS E MIRIM DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA BRASIL 12ª EDIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO ÍNDICE

REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO ÍNDICE REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO ÍNDICE Assunto Página 1. REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO. Margem 3. Margem 4. Mudança de Margem, Sinais Visuais Cegos Fixos Situados na Margem 5. Mudança de Margem, Sinais

Leia mais

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM 1 - ZP-FAZENDINHA (AP) - ITACOATIARA (AM) Esta Zona de Praticagem está compreendida a partir do paralelo 00º 03 S (Fazendinha- AP) para o interior

Leia mais

Informações do Porto de Sepetiba

Informações do Porto de Sepetiba Sumário 1. Introdução... 03 2. História e Desenvolvimento do Porto... 03 3. Vista Paronâmica de Sepetiba... 04 4. Infra-Estrutura Portuária... 04 4.1. Localização... 04 4.2. Cartas de Navegação... 05 4.3.

Leia mais

NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS

NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS 24 NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS 24.1 IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS INSTANTES DO NASCER E DO PÔR-DO-SOL E DA LUA, E DA DURAÇÃO DOS CREPÚSCULOS Em Navegação Astronômica, é importante conhecer

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

Informações do Porto de Ilha Guaíba

Informações do Porto de Ilha Guaíba Informações do Porto de Ilha Guaíba Sumário 1. Introdução... 3 2. História e Desenvovimento do Porto... 3 3. Vista Panorâmica de Ilha Guaíba... 4 4. Infra-Estrutura Portuária... 4 4.1. Localização... 4

Leia mais

Disciplina de Levantamentos Topográficos II 2013

Disciplina de Levantamentos Topográficos II 2013 Levantamentos Hidrográficos Disciplina de Levantamentos Topográficos II 2013 O que é um Levantamento Hidrográfico? É toda a pesquisa em áreas marítimas, fluviais, lacustres e em canais naturais ou artificiais

Leia mais

Balizamento. Baliza Haste de ferro,cimento ou outros materiais que orientam os navegantes durante o dia

Balizamento. Baliza Haste de ferro,cimento ou outros materiais que orientam os navegantes durante o dia Balizamento São situações normalmente indicadas por balizamento os perigos naturais, limites laterais dos canais, zonas de acidentes marítimos importantes e novos perigos. São sinais de balizamento: sinais

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

REGULAMENTO PARA PREVENIR ABALROAMENTOS NA HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (Porto Cáceres - Porto de Nova Palmira) (Aprovado pela XVª Reunião do CIH) ÍNDICE

REGULAMENTO PARA PREVENIR ABALROAMENTOS NA HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (Porto Cáceres - Porto de Nova Palmira) (Aprovado pela XVª Reunião do CIH) ÍNDICE REGULAMENTO PARA PREVENIR ABALROAMENTOS NA HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (Porto Cáceres - Porto de Nova Palmira) (Aprovado pela XVª Reunião do CIH) ÍNDICE Assunto Página 1. PARTE A - GENERALIDADES 3 2. Regra

Leia mais

AVISOS AOS NAVEGANTES

AVISOS AOS NAVEGANTES DH23 ISSN 1679-429X NENHUM AVISO DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA Rua Barão de Jaceguay s/nº - Ponta da Areia 24048-900 - Niterói, RJ, Brasil Tel/Fax: 0XX21-2189-3210

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE Assunto página 1. Normas Aplicáveis 2 2. Tipo de Carga 2 3. Embarcações Excluídas 2 4. Estabilidade 2

Leia mais

EMPREGO DE LINHAS DE POSIÇÃO DE SEGURANÇA

EMPREGO DE LINHAS DE POSIÇÃO DE SEGURANÇA 7 Emprego de linhas de posição de segurança EMPREGO DE LINHAS DE POSIÇÃO DE SEGURANÇA 7.1 CONCEITO DE NAVEGAÇÃO DE SEGURANÇA O emprego de linhas de posição (LDP) como limite de segurança é comum em navegação

Leia mais

AVISOS AOS NAVEGANTES

AVISOS AOS NAVEGANTES AVISOS 4 A 7 DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA Rua Barão de Jaceguay s/nº - Ponta da Armação 24048-900 - Niterói, RJ, Brasil Tel/Fax: 0XX21-2613-8210 / 2620-0073 Internet:

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

9 e 10 de abril de 2011

9 e 10 de abril de 2011 CIRCUITO CARIOCA DE WINDSURF Classes: Raceboard, Formula Experience, Formula Windsurf, Open, Estreantes e Start 9 e 10 de abril de 2011 NITERÓI RJ - BRASIL APOIO ORGANIZAÇÃO 1 de 6 1. REGRAS 1.1. A Regata

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO DEPARTAMENTO DE HIDROGRAFIA BRIGADA HIDROGRÁFICA

INSTITUTO NACIONAL DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO DEPARTAMENTO DE HIDROGRAFIA BRIGADA HIDROGRÁFICA INSTITUTO NACIONAL DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO DEPARTAMENTO DE HIDROGRAFIA BRIGADA HIDROGRÁFICA RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO HIDROGRÁFICO DA BAÍA DE VILANCULOS 1 1. INTRODUÇÃO No prosseguimento do plano de

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO META Mostrar as normas básicas de posicionamento e direção terrestre e apresentar formas de orientação que auxiliam na localização. OBJETIVOS Ao

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 0301 - INTRODUÇÃO A Diretoria de Portos e Costas recomenda e incentiva que em cada Zona de Praticagem exista apenas

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE INVENTÁRIO FÍSICO - ESTOQUES

PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE INVENTÁRIO FÍSICO - ESTOQUES PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE INVENTÁRIO FÍSICO - ESTOQUES I INTRODUÇÃO A finalidade destas instruções é determinar os procedimentos básicos para a contagem de inventário. É necessária sua estrita observância

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Satélites Satélite é o elemento comum de interligação das estações terrenas, atuando como estação repetidora. Devido a sua altitude,

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello DEFINIÇÃO DE DECLINAÇÃO MAGNÉTICA Muitas pessoas

Leia mais

Guia de funções e características avançadas. Português

Guia de funções e características avançadas. Português Guia de funções e características avançadas Guia de funções e características avançadas Este manual contém instruções para o usos das funções adicionais (especialmente no modelo com a régua de cálculo

Leia mais

MANUAL DO NOVO PORTAL GRUPO NEW VISION RASTREAMENTO E CONTROLE DE VEICULOS E FROTAS.

MANUAL DO NOVO PORTAL GRUPO NEW VISION RASTREAMENTO E CONTROLE DE VEICULOS E FROTAS. MANUAL DO NOVO PORTAL GRUPO NEW VISION RASTREAMENTO E CONTROLE DE VEICULOS E FROTAS. TELA DE LOGIN DO PORTAL LOGÍSTICA RASTREAMENTO Digite o endereço www.gruponewvision.com.br/rastreamento em seu navegador

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais

CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais CAPÍTULO 12 REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO EM ÁGUAS SOB JURISDIÇAO NACIONAL (RLESTA) Em 11 de Dezembro de 1997 foi promulgada a Lei nä 9.537, que dispçe sobre a SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS Para os efeitos deste Anexo: Regra 1 Definições 1 Lixo significa todos os tipos de rejeitos de mantimentos, rejeitos domésticos

Leia mais

Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe. Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia

Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe. Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia Sondagem a prumo Sondagem com sondadores acústicos Sumário Introdução Requisitos mínimos

Leia mais

COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO

COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO 20 20.1 PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LINHAS DE POSIÇÃO (LDP) E DE UMA POSIÇÃO ASTRONÔMICA

Leia mais

RIO AMAZONAS, DA BARRA NORTE AO PORTO DE SANTANA

RIO AMAZONAS, DA BARRA NORTE AO PORTO DE SANTANA (Folheto nº 8/12) RIO AMAZONAS, DA BARRA NORTE AO PORTO DE SANTANA 1º 0º 2º W 1º 0º AMAPÁ ILHA VITÓRIA I. do Franco I. do Curuá 2 4 Ilha Caviana de Dentro 3 Pta. de Santarém 1 I. Janaucu 2 I. Viçosa Ilha

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 NDB Radio Farol Não Direcional Autor: Desconhecido Padronizado por: Cmte. João Gabriel Faria

Leia mais

DECRETO Nº 63.164, DE 26 DE AGOSTO DE 1968

DECRETO Nº 63.164, DE 26 DE AGOSTO DE 1968 DECRETO Nº 63.164, DE 26 DE AGOSTO DE 1968 Dispõe sôbre exploração e pesquisa na plataforma submarina do Brasil, nas águas do mar territorial, e nas águas interiores e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

O novo canal externo do Porto de Suape. Hans Hutzler Agosto 2014

O novo canal externo do Porto de Suape. Hans Hutzler Agosto 2014 O novo canal externo do Porto de Suape Hans Hutzler Agosto 2014 Histórico de Suape Recife: um porto histórico, que fez crescer uma cidade mas foi por ela engolido Suape: de abrigo de corsários franceses

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

O XVIII Circuito Oceânico de Niterói será disputado sob as seguintes Regras e Regulamentos:

O XVIII Circuito Oceânico de Niterói será disputado sob as seguintes Regras e Regulamentos: O XVIII Circuito Oceânico de Niterói será disputado sob as seguintes Regras e Regulamentos: 1. REGRAS 1.1 O Evento será regido pelas Regras conforme definidas no Regulamento de Regatas a Vela da ISAF 2013/2016

Leia mais

elipsoide de revolução

elipsoide de revolução 19.(TRT-8/CESPE/2013) Para a obtenção de mapas, é necessário que haja a projeção da superfície real ou física em formas geométricas, sendo que alguns ajustes prévios são necessários para que se possa fazer

Leia mais

INSTRUÇÕES DE REGATA

INSTRUÇÕES DE REGATA INSTRUÇÕES DE REGATA Campeonato Brasileiro da Classe 2015 Realização Associação Brasileira da Classe Yatch Clube de Ilhabela - YCI Apoio: Capitania dos Portos de São Sebastião Datas: 04 a 10 de Julho de

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ORIENTAÇÃO, CARTOGRAFIA E NAVEGAÇÃO TERRESTRE

FUNDAMENTOS DE ORIENTAÇÃO, CARTOGRAFIA E NAVEGAÇÃO TERRESTRE FUNDAMENTOS DE ORIENTAÇÃO, CARTOGRAFIA E NAVEGAÇÃO TERRESTRE 2ª Edição Revista e Atualizada Um livro sobre GPS, bússolas e mapas para aventureiros radicais e moderados, civis e militares. FUNDAMENTOS DE

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

6º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 30, 31de maio, 01 e 02 de junho de 2013 Praia Clube São Francisco Niterói RJ. Patrocínio: Apoio:

6º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 30, 31de maio, 01 e 02 de junho de 2013 Praia Clube São Francisco Niterói RJ. Patrocínio: Apoio: Patrocínio: Apoio: 01 Regras INSTRUÇÕES DE REGATA 01.1 O campeonato será regido como definidas nas Regras de Regata a Vela 2013-2016 01.2 Regras da Classe Velamar 22 01.3 A tripulação deverá ter no máximo

Leia mais

SIGA Saúde. Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde. Manual operacional. Módulo Agenda Agendamento Local

SIGA Saúde. Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde. Manual operacional. Módulo Agenda Agendamento Local SIGA Saúde Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde Manual operacional Módulo Agenda Agendamento Local Sumário Introdução... 3 Agendamento... 4 Pesquisa de vagas... 5 Perfil de Agenda... 6 Dados

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe / A Rede de Detecção de Relâmpagos Total GLD360 da Vaisala detecta atividades meteorológicas no mundo inteiro A rede em que você pode confiar! A Rede de Detecção

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. Altera normas para a apuração e tributação do lucro nas atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis estabelecidas pela Instrução

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA 17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA Autor(es) FLÁVIA DE ALMEIDA LUCATTI Orientador(es) JOANA DARC DA SILVA

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS PORTARIA N.º 002 de 09 de abril de 2009. Estabelece no âmbito do Corpo de Bombeiros critérios aplicáveis em todo o Estado do Paraná para a sinalização por bandeiras nas praias do litoral e nos balneários

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL

MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL MANUAL DE UTILIZAÇÃO TERMO DE USO E COMPROMISSO As informações contidas neste aplicativo Marcos Geodésicos/Referências de Nível, com exceção às monografias (para

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Manual Usuário Sistema Audatex

Manual Usuário Sistema Audatex Manual Usuário Sistema Audatex Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Histórico das versões VER DATA AUTOR DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 2.0 24.08.2010 MT Versão

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

BAIXADA BAYONA PORTO 2014

BAIXADA BAYONA PORTO 2014 BAIXADA BAYONA PORTO 2014 AVISO - INSTRUÇÕES DE REGATA ORGANIZAÇÃO A Autoridade Organizadora constituída Conjuntamente pelo Monte Real Club de Yates de Bayona e pela BBDouro, com o apoio da Douro Marina,

Leia mais

AVISOS AOS NAVEGANTES (NOTICES TO MARINERS)

AVISOS AOS NAVEGANTES (NOTICES TO MARINERS) DH21 ISSN 0104-3102 AVISOS 103 A 115 DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA Rua Barão de Jaceguay s/n o - Ponta d'areia 24048-900 - Niterói, RJ, Brasil Tel/Fax: 0XX21-2189-3210

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais