2.1 Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS da Companhia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.1 Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS da Companhia"

Transcrição

1 TÍTULO NORMA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS CÓDIGO T APROVAÇÃO DEX-322ª REVISÃO 01 PÁG 1 / 42 DATA 28/06/2005 DATA 18/01/2011 PALAVRAS-CHAVES Resíduos Sólidos, Vigilância Sanitária, Vigilância Agropecuária, Endemia, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, Coleta Seletiva, Procedimento Operacional S U M Á R I O Pág. 1. OBJETIVO DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DEFINIÇÕES PROCEDIMENTOS BÁSICOS Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo A Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo B Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo C Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo D Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo E Procedimentos de Limpeza e Desinfecção de Instalações de Armazenamento de Resíduos Cargas em Perdimento Equipamentos de Proteção Individual EPI Habilitação e Fiscalização Mecanismos de Controle e Avaliação Revisão ESTRATÉGIAS DE DIVULGAÇÃO AUDITORIA DISTRIBUIÇÃO APROVAÇÃO ANEXOS A. Procedimentos Operacionais de Gerenciamento de RS dos Grupos A, B, C, D e E B. Definições C. Autorizações de Transporte D. Formulários de Controle E. Classificação dos Resíduos sólidos segundo a RDC ANVISA n.º 56/ F. Classificação de RS, segundo a Resolução CONAMA n.º 5, de 05/08/ G. Classificação de RS, segundo a NBR / H. Especificação de EPI por Fase de Gerenciamento de Resíduos Sólidos I. Plano de Limpeza e Desinfecção OBJETIVO Regulamentar a implantação e implementação dos procedimentos de gerenciamento de resíduos definidos no Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nos Portos Organizados administrados pela Companhia a fim de assegurar a preservação do meio ambiente, a promoção da vigilância epidemiológica e do controle de vetores e impedir a introdução e disseminação de pragas e agentes etiológicos de doenças que constituam ou possam constituir riscos à agropecuária.

2 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 2 / DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2.1 Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS da Companhia 2.2 Legislação MARPOL 73/78, Protocolo de 1978; Lei Federal n.º 9.966/2000, de 28/4/2000; Decreto Federal n.º 4.136, de 20/02/2002; Resolução CONAMA n.º 002, de 22/8/1991; Resolução CONAMA n.º 005, de 05/8/1993; Resolução CONAMA n.º 006, de 19/9/1991; Resolução CONAMA n.º 257, de 30/6/1999; Resolução CEPRAM n.º 1039/1994; Resolução CEPRAM n.º 13/1997; Resolução CONAMA n.º 258, de 26/8/1999; Resolução CONAMA n.º 275, de 25/4/2001; Resolução CONAMA n.º 283, de 12/7/2001; Resolução CONAMA n.º 307, de 05/7/2002; Instrução Normativa/MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) n.º 26, de 12/6/2001; Resolução ANVISA RDC n.º 341, de 13/12/2002; Resolução ANVISA RDC n.º 342, de 13/12/2002; Resolução ANVISA RDC n.º 345, de 16/12/2002; Resolução ANVISA RDC n.º 346, de 16/12/2002; Resolução ANVISA RDC n.º 351, de 20/12/2002; Resolução ANVISA RDC n.º 186, de 17/7/2003; Resolução CONAMA n.º 344, de 25/3/2004; Decreto n.º 5.940, de 25/10/2006; Instrução Normativa MAPA n.º 36/2006, de 10/11/2006; Lei Estadual n.º , de 20/12/2006; Resolução ANVISA RDC n.º 56, de 06/08/2008; Decreto Estadual n.º , de 10/10/2008; Ofício n.º 005/2008 / UVAGRO Ilhéus / SFA /BA, de 23/12/2008; Resolução ANVISA RDC n.º 072, de 29/12/ Normas Técnicas Brasileiras - NBR NBR 7500/2009 Identificação para o Transporte Terrestre, Manuseio, Movimentação e Armazenamento de Produtos Perigosos; NBR 9.191/2008 Sacos Plásticos para o Acondicionamento de Lixo Requisitos e Métodos de Ensaio; NBR /2010 Transporte Terrestre de Resíduos; NBR /2004 Resíduos Sólidos Classificação; NBR / Coletor-transportador Rodoviário de Resíduos de Serviços de Saúde; NBR / Manuseio de Resíduos de Serviço de Saúde; NBR / Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde; NBR / Armazenamento de Resíduos Sólidos Perigosos; NBR /2005 Cargas Perigosas Manipulação em Áreas Portuárias.

3 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 3 / DEFINIÇÕES Estão apresentadas no Anexo B. 4. PROCEDIMENTOS BÁSICOS 4.1 Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo A Os procedimentos que descrevem a forma e a seqüência correta de execução das atividades e passos que compõem as tarefas de aplicação das Boas Práticas de Gerenciamento de Resíduos desse Grupo estão contemplados no Anexo A. 4.2 Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo B Os procedimentos que descrevem a forma e a seqüência correta de execução das atividades e passos que compõem as tarefas de aplicação das Boas Práticas de Gerenciamento de Resíduos desse Grupo estão contemplados no Anexo A. 4.3 Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo C - Radioativos Em que pese a inexistência de resíduos e materiais radioativos nem de materiais contaminados por radionuclídeos nos Portos administrados pela Companhia, admitindo-se a hipótese de seu eventual descarte, esse deve ser feito em conformidade com as Resoluções e Normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN, especificamente das Normas CNEN 3.03, NE-3.01, NE 5.01, Resolução CNEN 6.05 e legislação complementar pertinente e vigente. 4.4 Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo D Descartáveis e Não Descartáveis Os procedimentos que descrevem a forma e a seqüência correta de execução das atividades e passos que compõem as tarefas de aplicação das Boas Práticas de Gerenciamento de Resíduos desse Grupo estão contemplados no Anexo A. 4.5 Procedimentos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Grupo E Os procedimentos que descrevem a forma e a seqüência correta de execução das atividades e passos que compõem as tarefas de aplicação das Boas Práticas de Gerenciamento de Resíduos desse Grupo estão contemplados no Anexo A. 4.6 Procedimentos de Limpeza e Desinfecção de Instalações de Armazenamento de Resíduos Estão apresentados no Anexo I. 4.7 Carga em Perdimento Destinada à Destruição Conforme os riscos que ofereça, a carga em perdimento destinada à destruição será classificada como de risco sanitário, fito e zoosanitário e/ou ambiental Uma vez enquadrada, a destinação da carga em perdimento será determinada pela autoridade sanitária que o fará de acordo com as correspondentes exigências legais estabelecidas Esse tipo de resíduo deve ser temporariamente armazenado na Central de Resíduos do Porto ou, na falta dessa ou na sua impossibilidade, em área coberta, pavimentada, ventilada, iluminada e fechada, por solicitação da autoridade competente, em baía específica, identificada, sinalizada e de

4 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 4 / 42 acesso restrito, até a sua retirada do Porto com prévia autorização e cumprimento das exigências estabelecidas pela referida autoridade. 4.8 Equipamentos de Proteção Individual - EPI Todos os trabalhadores envolvidos em qualquer fase do gerenciamento de resíduos sólidos, bem como os responsáveis pela aplicação dos procedimentos definidos no Plano de Limpeza e Desinfecção PLD (ver Anexo I ) devem utilizar os EPI especificados no Anexo H Conforme o tipo de EPI, diariamente, esses deverão ser limpos, desinfetados ou descartados Consoante o previsto no PGRS, a CODEBA deve destinar um local apropriado para a realização da limpeza e desinfecção dos uniformes e EPI usados pelos trabalhadores envolvidos nas etapas de gerenciamento de resíduos sólidos. Opcionalmente, poderá contratar empresa especializada para realizar essas atividades Em nenhuma hipótese, os referidos trabalhadores deverão realizar a limpeza e desinfecção de seus uniformes e EPI em seus domicílios próprios De uso amplo em toda a área portuária, os equipamentos de proteção individual imprestáveis para uso, inutilizados e/ou contaminados serão tratados e descartados em conformidade com o risco em que se enquadrarem Exemplificando, se utilizados no manuseio de Resíduos Sólidos de navio procedente de área endêmica se enquadram como do Grupo A; se utilizados no manuseio de resíduos perigosos, se enquadram como do Grupo B, e assim por diante, tendo, portanto, que serem tratados e descartados conforme o Grupo ao qual passem a pertencer. 4.9 Habilitação e Fiscalização A Companhia habilitará seus empregados, conforme previsto no PGRS, a fim de fiscalizar o cumprimento dos procedimentos aqui estabelecidos Todas as empresas arrendatárias e usuárias do Porto, bem como prestadores de serviços e trabalhadores portuários avulsos, ficam obrigados a cumprirem os presentes procedimentos e as legislações ambiental, sanitária e agropecuária vigentes Mecanismos de Controle e Avaliação A Coordenação do PGRS deve implementar os controles de quantidades, volume e peso dos resíduos gerados por tipo e períodos, diário e mensal, conforme os modelos de formulários de controle apresentados no Anexo D Informe de Geração de Resíduos, Saída de Resíduos SER, Relatório Mensal por Tipo de Resíduo, Relatório Mensal de Saída de Resíduo do Grupo A e Relatório Anual por Tipo de Resíduo Os registros que evidenciarem o cumprimento dos procedimentos estabelecidos serão mantidos em arquivo específico pela Coordenação de Assuntos Estratégicos CAE, alimentados por esta e pelas áreas envolvidas (Coordenações de Gestão do Porto e Gestão Administrativa) Os registros referentes às auditorias internas ou externas serão mantidos em arquivo da Coordenação de Auditoria Interna COA Semestralmente, através sua equipe técnica ou de empresas especializadas contratadas, a Companhia deve avaliar a eficácia dos presentes procedimentos, realizando Auditoria que: a) verifique o cumprimento dos procedimentos de segregação, acondicionamento, armazenagem, transporte e destinação final dos resíduos gerados no Porto; b) verifique o tratamento final dado aos Resíduos Sólidos;

5 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 5 / 42 c) analise a documentação legal exigida pelo órgão ambiental do Estado relativa às condições dos veículos empregados no transporte de resíduos, autorizações obrigatórias, obediência à rota de transporte estabelecida, destinação final, dentre outras; d) apresente sugestões de correção das não conformidades verificadas; e) analise os resultados das medidas propostas e, se for o caso, apresente proposta(s) de ajustes que se fizerem necessários, dentre outras Revisão A presente Norma deve ser revisada anualmente ou quando determinado pelos órgãos fiscalizadores competentes ou, ainda, em caso de adequação às alterações das legislações pertinentes. A ocorrência de revisão do PGRS implicará na revisão da presente Norma. 5. ESTRATÉGIAS DE DIVULGAÇÃO 5.1. A presente Norma e suas alterações serão amplamente divulgadas, pela CAE, aos empregados da Companhia por meio dos seus veículos de comunicação utilizados ou, ainda, através reuniões com as áreas ou equipes afetadas e reuniões da CTGA Semestralmente, a CAE promoverá reuniões com o Coordenador do PGRS, Médico do Trabalho, Técnicos de Segurança, Coordenadores de Gestão e Líderes para avaliação das ações empreendidas, divulgação dos resultados e discussão das soluções para os entraves porventura detectados. Posteriormente, um resumo dessas reuniões deve ser apresentado ao Diretor Presidente da Companhia. 6. AUDITORIA As atividades regulamentadas pela presente Norma devem ser auditadas pela COA Coordenação de Auditoria Interna em conjunto com a CAE - Coordenação de Assuntos Estratégicos, conforme seu programa anual de auditoria. 7. DISTRIBUIÇÃO Diretores, coordenadores, assessores, líderes de gestão, empregados e prestadores de serviço que integram as equipes das coordenações. 8. APROVAÇÃO A revisão da presente norma foi aprovada na 416ª Reunião Ordinária da Diretoria Executiva, de 18 de janeiro de 2011, e passa a vigorar a partir desta data. JOSÉ MUNIZ REBOUÇAS Diretor Presidente

6 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 6 / ANEXOS ANEXO A PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS GRUPOS A, B, C, D e E

7 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 7 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo A autorizado pela ANVISA ou pelo MAPA LOCAL EXECUÇÃO Cais do Porto RESULTADOS ESPERADOS Saída de resíduos de navio CARGO DO EXECUTANTE Técnico de Sistemas/Técnico de Segurança do Trabalho Impedir a veiculação no Porto de agentes biológicos oriundos de áreas endêmicas ou epidêmicas ou infectados ou gerados em qualquer embarcação de qualquer origem por viajantes ou animais a bordo com sinais e sintomas compatíveis de doenças transmissíveis (ver anexo E da Norma de Gerenciamento de Resíduos). RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS A saída desse tipo de resíduo do Porto somente será permitida quando for autorizada pela ANVISA ou pelo MAPA com conhecimento da CAE-NGA. - Autorização da Coordenação do Porto; - uso dos EPI previstos no anexo H pelos envolvidos (terceirizados ou não); - acondicionamento dos resíduos sólidos em sacos de cor branco leitoso, impermeável, de material resistente à ruptura e vazamentos de resíduos contidos em seu interior, sinalizados com a simbologia de infectante ; e, - acondicionamento dos sacos em tambores de 200 litros igualmente sinalizados e fechados. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Receber a solicitação da Agência Marítima; b) verificar se os resíduos sólidos estão acondicionados em tambores de 200 litros, fechados e sinalizados com a inscrição infectante ; c) verificar se os trabalhadores envolvidos estão utilizando os EPI definidos no anexo H da Norma de Gerenciamento de Resíduos (luva nitrílica, respirador descartável PFF2 ou peça semifacial conf. o tipo de resíduo, calçado impermeável, avental impermeável descartável ou não conf. o tipo de resíduo, óculos de segurança, sapatilha descartável); d) isolar as vias de trânsito interno do trajeto do veículo transportador; e) verificar se o veículo é apropriado para transporte dos resíduos sólidos; f) preencher o formulário de saída de resíduos sólidos; g) acompanhar a coleta e o transporte dos resíduos sólidos dentro do Porto; h) preencher os demais formulários de controle. PALAVRAS-CHAVES Resíduos sólidos, área endêmica, área epidêmica, ANVISA, infectante, MAPA AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de a ANVISA ou o MAPA não autorizar a saída do resíduo do Porto, não permitir em quaisquer circunstâncias. No caso de o veículo transportador não ser adequado ao transporte do resíduo, não permitir a sua retirada do navio. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

8 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 8 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo A autorizado pela ANVISA ou pelo MAPA LOCAL EXECUÇÃO Cais do Porto Saída de resíduos de navio CARGO DO EXECUTANTE Inspetor da Guarda/Líder da Guarda/Coordenador de Gestão do Porto RESULTADOS ESPERADOS Impedir a veiculação no Porto de agentes biológicos oriundos de áreas endêmicas ou epidêmicas ou infectados ou gerados em qualquer embarcação de qualquer origem por viajantes ou animais a bordo com sinais e sintomas compatíveis de doenças transmissíveis (ver anexo E da Norma de Gerenciamento de Resíduos). RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS A saída desse tipo de resíduo do Porto somente será permitida quando for autorizada pela ANVISA ou pelo MAPA com conhecimento da CAE-NGA. - uso dos EPI previstos no anexo H pelos trabalhadores envolvidos (terceirizados ou não); - acondicionamento dos resíduos sólidos em sacos de cor branco leitoso, impermeável, de material resistente à ruptura e vazamentos de resíduos contidos em seu interior, sinalizados com a simbologia de Infectante ; e, - acondicionamento dos sacos em tambores de 200 litros igualmente sinalizados e fechados. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Receber uma via da solicitação da Agência Marítima com autorização da ANVISA ou do MAPA; b) emitir autorização de saída do resíduo do Porto; c) definir a rota de transporte do resíduo dentro do Porto; d) autorizar o isolamento das vias de trânsito interno do trajeto do veículo transportador; e) autorizar a coleta e o imediato transporte do resíduo para a unidade receptora definida pelas autoridades envolvidas. PALAVRAS-CHAVES Resíduos sólidos, área endêmica, área epidêmica, ANVISA, infectante, MAPA AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) Conforme o tipo de resíduo, no caso de a ANVISA ou o MAPA não autorizar a saída do mesmo do navio, não permitir em quaisquer circunstâncias nem sua armazenagem temporária em qualquer área do Porto. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

9 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 9 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (líquidos: óleos minerais usados, resíduos de óleo diesel, borra de tinta, resíduos de querosene e solventes e outros produtos orgânicos) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Oficinas de Manutenção CARGO DO EXECUTANTE Ajudante de Mecânico/Mecânico de Manutenção RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, creme de proteção da pele, avental de PVC, bota de segurança); - coletores de aço inoxidável com corta-chama de 5, 10 ou 20 litros; - tambor metálico de 200 litros provido de tampa rosqueável para envasamento e sinalizado com a inscrição Resíduo Perigoso Classe I ; - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - treinamento dos envolvidos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Equipar-se com os EPI adequados acima citados; b) acondicionar os resíduos em contêiner adequado ao volume (5, 10 ou 20 litros); c) transferir os resíduos para tambor de 200 litros; d) solicitar ao seu Encarregado/Supervisor a retirada dos tambores de 200 litros quando estiverem cheios para a Central de Resíduos ou para Depósito Intermediário. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, óleos, solventes, contêiner, tambor, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de contêiner ou tambor, solicitar ao seu Encarregado/Supervisor; No caso de vazamento para o piso ou para o solo, limpar o local afetado e transferir os resíduos para os tambores. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

10 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 10 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (líquidos: óleos minerais usados, resíduos de óleo diesel, borra de tinta, resíduos de querosene e solventes e outros produtos orgânicos) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Oficinas de Manutenção CARGO DO EXECUTANTE Supervisor/Encarregado de Manutenção RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, creme de proteção da pele, avental de PVC, bota de segurança); - coletores de aço inoxidável com corta-chama de 5, 10 ou 20 litros; - tambor metálico de 200 litros provido de tampa rosqueável para envasamento e sinalizado com a inscrição Resíduo Perigoso Classe I ; - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - treinamento dos envolvidos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Verificar e exigir o uso, pelos executantes, dos EPI acima mencionados; b) orientar e verificar se os ajudantes e mecânicos estão acondicionando os resíduos em contêiner apropriado; c) orientar a transferência dos resíduos do contêiner para tambor de 200 litros; d) verificar se a quantidade de tambores é suficiente para atender às demandas de geração de resíduos; e) solicitar a retirada dos tambores de 200 litros quando estiverem cheios para a Central de Resíduos ou Depósito Intermediário. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, óleos, solventes, contêiner, tambor, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de contêiner ou tambor, solicitar ao Coordenador. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

11 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 11 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (sólidos: estopas, flanelas e trapos sujos de óleos ou graxas, solo contaminado por óleo e/ou resíduos perigosos, pisos e revestimentos contaminados por óleo ou graxa; pincéis, latas de tinta, filtros mecânicos, filtros de ap. condicionador de ar, incrustações de produtos perigosos; fios, cabos, conectores, peças elétricas contaminadas por óleos e graxas; peças mecânicas e elétricas contaminadas etc.; quadros e painéis elétricos contaminados e outros) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Oficinas de Manutenção e demais áreas de geração desse tipo de resíduo. CARGO DO EXECUTANTE Profissionais de manutenção mecânica e elétrica RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, creme de proteção da pele, avental de PVC, bota de segurança); - tambor metálico de 200 litros provido de tampa removível e sinalizado com a inscrição Resíduo Perigoso Classe I ; - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - treinamento dos envolvidos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Equipar-se com os EPI adequados acima citados; b) acondicionar os resíduos em tambor de 200 litros; c) no caso de quadros, painéis etc., dispor em área específica da Oficina e/ou solicitar seu transporte para a Central de Resíduos ou para o Depósito Intermediário; d) solicitar ao seu Encarregado/Supervisor a retirada dos tambores de 200 litros quando estiverem cheios. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, óleos, solventes, contêiner, tambor, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de tambor, solicitar ao seu Encarregado/Supervisor. Para o caso de serviços executados fora da Oficina de Manutenção, transportar o resíduo em veículo apropriado ou solicitar o transporte do mesmo para a Oficina de Manutenção ou para a Central de Resíduos ou para o Depósito Intermediário. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

12 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 12 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (sólidos: estopas, flanelas e trapos sujos de óleos ou graxas, solo contaminado por óleo e/ou resíduos perigosos, pisos e revestimentos contaminados por óleo ou graxa; pincéis, latas de tinta, filtros mecânicos, filtros de ap. condicionador de ar, incrustações de produtos perigosos; fios, cabos, conectores, peças elétricas contaminadas por óleos e graxas; peças mecânicas e elétricas contaminadas etc.; quadros e painéis elétricos contaminados e outros) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Oficina de Manutenção e demais áreas de geração desse tipo de resíduo. CARGO DO EXECUTANTE Supervisor/Encarregado de Manutenção RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, creme de proteção da pele, avental de PVC, bota de segurança); - tambor metálico de 200 litros provido de tampa removível e sinalizado com a inscrição Resíduo Perigoso Classe I ; - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - treinamento dos envolvidos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Orientar e verificar se o pessoal de manutenção está acondicionando os resíduos em tambor metálico e/ou no local definido para tal; b) verificar se a quantidade de tambores é suficiente para atender às demandas de geração de resíduos; c) solicitar a retirada dos tambores de 200 litros quando estiverem cheios para a Central de Resíduos ou Depósito Intermediário; d) orientar a armazenagem de resíduos sólidos de grandes dimensões diretamente no Depósito Intermediário ou na Central de Resíduos. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, óleos, solventes, contêiner, tambor, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de tambor, solicitar ao seu Coordenador ou ao Coordenador do PGRS. Para o caso de serviços executados fora da Oficina de Manutenção, orientar a imediata retirada do resíduo para a mesma, para a Central de Resíduos ou para o Depósito Intermediário, conforme suas dimensões. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

13 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 13 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (embalagens dos produtos utilizados nos serviços de desinsetização, desratização e de pesticidas) Destinação final de embalagens de produtos venenosos empregados em desratização e desinsetização LOCAL EXECUÇÃO Áreas do Porto onde são feitas aplicações de produtos venenosos CARGO DO EXECUTANTE Líder da CAD/Técnico de Segurança do Trabalho/Encarregado de Limpeza RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta das embalagens dos produtos utilizados. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - Contratação de empresa especializada e licenciada pelo IMA; - uso de EPI pelos trabalhadores envolvidos na aplicação dos produtos DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Assegurar que os trabalhadores da empresa contratada estão usando os EPI adequados (máscara respiratória facial com filtro e macacão descartável com capuz de manga comprida e elásticos nos punhos (para aplicação de produto na forma de spray - herbicidas, p. ex.), luvas impermeáveis cano longo, bota impermeável, óculos de segurança etc.); b) orientar ao responsável da empresa contratada que as embalagens dos produtos utilizados devem ser recolhidas e devolvidas aos seus fabricantes; c) solicitar/emitir a autorização de saída das embalagens do Porto; d) verificar se as embalagens dos produtos utilizados foram retiradas do Porto. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, desratização, desinsetização, embalagem, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso do manuseio de produto venenoso por trabalhador desprovido de EPI, suspender imediatamente a execução do serviço. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

14 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 14 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 LOCAL EXECUÇÃO Gerenciamento de resíduos do Grupo B Oficinas de Manutenção e demais áreas de geração desse tipo de resíduo Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos (lâmpadas, pilhas e baterias) CARGO DO EXECUTANTE Profissionais de conservação e manutenção elétrica RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, calçado de segurança e óculos de segurança); - caixa de madeira apropriada a cada tipo de resíduo sólido, sinalizada com a inscrição Resíduo Perigoso Classe I ; - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - treinamento dos envolvidos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Equipar-se com óculos e luvas de segurança; b) acondicionar os resíduos em caixas de madeira apropriadas a cada tipo; c) solicitar ao seu encarregado a retirada das mesmas quando estiverem cheias. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, lâmpada, bateria, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de caixa de madeira, solicitar ao seu Coordenador. No caso de quebra de lâmpada, coletar e dispor os resíduos em tambores de 200 litros de resíduos sólidos. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

15 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 15 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 LOCAL EXECUÇÃO Gerenciamento de resíduos do Grupo B Oficinas de Manutenção e demais áreas de geração desse tipo de resíduo Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos (lâmpadas, pilhas e baterias) CARGO DO EXECUTANTE Coordenador de Conservação/Supervisor de Manutenção/Encarregado de Manutenção RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, calçado de segurança e óculos de segurança); - caixa de madeira apropriada a cada tipo de resíduo sólido, sinalizada com a inscrição Resíduo Perigoso Classe I ; - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - treinamento dos envolvidos. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Verificar se os trabalhadores envolvidos no manuseio dos resíduos estão utilizando óculos e luvas de segurança; b) orientar e verificar se o pessoal de manutenção e outros usuários estão acondicionando os resíduos em caixas de madeira apropriada a cada tipo de resíduo; c) verificar se a quantidade de caixas de madeira é suficiente para atender às demandas de geração de resíduos; d) solicitar a retirada das caixas quando estiverem cheias para a Central de Resíduos ou Depósito Intermediário. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, lâmpada, bateria, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de caixa de madeira, solicitar compra. No caso de quebra de lâmpada, orientar a coleta e disposição dos resíduos em tambores de 200 litros. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

16 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 16 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (pneus, mangueiras contaminadas, pedaços de esteira transportadora, pneumáticos e sucata ferrosa contaminada por produto perigoso) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Oficinas de Manutenção/Instalações de transferência CARGO DO EXECUTANTE Profissionais de Manutenção Mecânica RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, creme de proteção da pele, avental de PVC, bota de segurança c/ biqueira de aço); - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Equipar-se com óculos e luvas de segurança; b) armazenar os resíduos pneumáticos e metálicos em área específica da Oficina Mecânica ou Depósito Intermediário; c) solicitar ao seu Supervisor/Encarregado a retirada dos resíduos quando não houver espaço para armazenagem. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, sucata, pneumáticos, pneu, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de falta de espaço físico para armazenagem, informar ao seu Supervisor/Encarregado. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

17 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 17 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (pneus, mangueiras contaminadas, pedaços de esteira transportadora, pneumáticos e sucata ferrosa contaminada por produto perigoso) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Oficinas de Manutenção/Instalações de transferência CARGO DO EXECUTANTE Coordenador/Encarregado de Manutenção RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, creme de proteção da pele, avental de PVC, bota de segurança); - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Orientar e verificar se o pessoal de manutenção está acondicionando os resíduos na área específica existente na Oficina; b) solicitar a retirada dos resíduos pneumáticos e metálicos da referida área quando não houver mais espaço físico para armazenagem.; c) orientar a armazenagem de resíduos de grandes dimensões diretamente no Depósito Intermediário ou na Central de Resíduos. PALAVRAS-CHAVES Resíduo perigoso, sucata, pneumáticos, pneu, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso da falta de espaço físico para armazenagem dos resíduos, solicitar o envio dos mesmos para a unidade receptora. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

18 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 18 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo B (resíduos farmacêuticos, medicamentos vencidos, contaminados, interditados ou não-utilizados) LOCAL EXECUÇÃO Posto Médico do Porto Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos CARGO DO EXECUTANTE Médico do Porto/Enfermeiro do Trabalho RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e destinação correta para unidade receptora licenciada. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS Procedimentos e condutas de segregação, armazenagem e descarte. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Verificar data de validade dos medicamentos; b) no caso de vencimento da validade, devolver os medicamentos aos respectivos fabricantes; c) arquivar documentação de devolução e recebimento pelo fabricante ou seu representante local. PALAVRAS-CHAVES Medicamento, Médico, Enfermeiro AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de não existir representante local, devolver para o Serviço Médico do Porto de Salvador para que os medicamentos vencidos sejam destinados aos seus respectivos fabricantes. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

19 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 19 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 LOCAL EXECUÇÃO Gerenciamento de resíduos do Grupo B Central de Resíduos ou Depósito Intermediário Transporte de resíduo perigoso para unidade receptora licenciada CARGO DO EXECUTANTE Coordenador de Gestão do Porto/Encarregado da Central de Resíduos ou Depósito Intermediário RESULTADOS ESPERADOS Destinação correta para unidade receptora licenciada RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS Autorização para Transporte de Resíduo Perigoso - ATRP DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Fornecer para a Coordenação de Assuntos Estratégicos CAE todos os dados sobre os resíduos a serem destinados para a unidade receptora exigidos pelo IMA para solicitação da emissão da ATRP (tipo de resíduo, estado físico, volume/quantidade, embalagem etc.); b) solicitar a Autorização de Transporte de Resíduos Perigosos ATRP a CAE; c) contatar a empresa de transporte de resíduos informando a natureza e os dados dos resíduos a serem transportados; d) emitir a Autorização de Saída dos Resíduos; e) acompanhar a carga dos resíduos perigosos no veículo transportador; f) arquivar a documentação de saída dos resíduos. PALAVRAS-CHAVES Resíduos sólidos, ATRP, Unidade Receptora, Veículo Transportador, IMA Instituto do Meio Ambiente AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de não obtenção da ATRP, aguardar a sua emissão e proibir a saída dos resíduos do Porto. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

20 NORMA T GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Rev. 01 PÁG 20 / 42 PROCESSO PADRÃO OPERACIONAL - POP TAREFA Código Aprovação DPR Revisão 00 Página 01/01 18/01/2011 Gerenciamento de resíduos do Grupo D Recicláveis (papel, papelão, copo de papel, copos e pratos plásticos descartáveis, madeira, plásticos, borrachas, sucata ferrosa, mangueiras não contaminadas, lacres e pregos, e outros não contaminados por resíduos dos Grupos A, B e C,) Segregação, coleta e armazenagem temporária de resíduos LOCAL EXECUÇÃO Todos os locais de geração (escritórios, oficina, armazéns etc.) CARGO DO EXECUTANTE Auxiliar de Serviços Gerais (terceirizados) RESULTADOS ESPERADOS Impedir agressão ambiental e dar destinação correta para unidade de reciclagem. RECURSOS E CONDIÇÕES NECESSÁRIAS - EPI (luvas de segurança, óculos de segurança, avental de PVC, bota de segurança e outros previstos no Anexo H ); - local de armazenagem temporária coberto e de piso impermeável e de uso exclusivo; - veículo transportador. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES - (O QUE) a) Equipar-se com os EPI acima citados; b) Acondicionar os resíduos em sacos plásticos de 60 litros de cores estabelecidas pela Companhia; c) transportar os sacos plásticos para os veículos coletores de recicláveis ou para a Central de Resíduos ou Depósito Intermediário; d) no caso de madeira ou sucata ferrosa, lacres e pregos e outros não contaminados, solicitar transporte imediato para a Central de Resíduos ou Depósito Intermediário para serem armazenados em báias ou locais específicos para essa finalidade. PALAVRAS-CHAVES Resíduo reciclável, saco, Central de Resíduos, EPI AÇÕES CORRETIVAS - (O QUE FAZER) No caso de acúmulo excessivo, informar ao Encarregado para providenciar a remoção dos resíduos. Elaborado por Visto da CAE Aprovado por Nome/Rubrica Nome/Rubrica Nome/Rubrica

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada.

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada. GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 17.269, DE 31 DE MARÇO DE 2014. Aprova a Instrução Normativa SSP nº 002/2014 : O Prefeito Municipal de Colatina, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Resíduos O ser humano sempre gerou resíduos, desde a Pré-História até os dias atuais. A diferença

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Modelo Simplificado

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Art. 1º - São os seguintes os resíduos que apresentam risco potencial

Leia mais

CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO

CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO ETERNO SETOR: ABRIGO DE RESÍDUOS INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: 20 /

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE)

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE) ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE) SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS CRUZADAS 3 APLICAÇÃO 4 DEFINIÇÕES 5 RESPONSABILIDADES 6 PROCEDIMENTOS 7 FREQÜÊNCIA

Leia mais

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS:

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS é documento integrante

Leia mais

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I PGRSS Objetivo: redução, reaproveitamento e destinação final ambientalmente correta dos resíduos. Contempla os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento,

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 Aprova Norma Técnica que fixa a padronização de contenedor para o acondicionamento e procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviço de

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Isabela Helena De Marchi A Resolução CONAMA nº 005, em conformidade com a NBR nº10.004 da Associação brasileira de Normas Técnicas ABTN definiu em seu artigo 1º os resíduos

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental ISSN 1984-9354 Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental Gabriel Marreiros Ribas Fernandes (LATEC/UFF) Resumo: O trabalho vem demonstrar a importância do manuseio correto, da coleta

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente.

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente. Classificação Os resíduos de Serviço de Saúde são classificados por grupo e tipo, com base na Resolução CONAMA 5-5/8/93, complementada pela Resolução Federal 283-12/7/2001 Grupo A: INFECTANTES Presença

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências.

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. LEI Nº 10.099, DE 07 DE FEVEREIRO DE 1994. Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas No Brasil, há alguns anos atrás, os resíduos dos serviços de saúde (RSS) eram manejados da mesma forma que os resíduos domiciliares

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 Aprova as Diretrizes Básicas e Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Resíduos de Serviços de Saúde 29/04/2005 CONAMA 358 Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. 07/12/2004 Anvisa RDC 306 Dispõe sobre o

Leia mais

Transporte Interno. Transporte Interno. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno 17/10/2014

Transporte Interno. Transporte Interno. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno 17/10/2014 USP Transporte Interno Consiste no traslado dos resíduos dos Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 pontos

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 30/02 CRITÉRIOS PARA A GESTÃO SANITÁRIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS INTERNACIONAIS DE CARGA E PASSAGEIROS E PONTOS DE FRONTEIRA NO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Boletim de Pneumologia Sanitária - Vol. 9, Nº2 - jul/dez - 2001 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Hamilton Coelho* Resumo Os resíduos gerados por estabelecimentos e instituições de

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 Ministério da Justiça CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA - CNPCP RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 CONSIDERANDO a ausência de preocupação com o tratamento dado aos resíduos gerados

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANEXO IV ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE NAVIOS COM VIAJANTE(S) SUSPEITO(S) DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS A BORDO Este documento a seguir estabelece as diretrizes gerais para a limpeza

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DO SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA - RJ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DO SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA - RJ ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DO SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA - RJ Romulo da Silva Viana (UFF ) rsv21@hotmail.com CRISTIANO SOUZA MARINS (UFF/UFRJ ) cristianosouzamarins@yahoo.com.br

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos DECRETO Nº 5.940, 25/10/2006 Institui coleta seletiva veronica.schmidt@ufrgs.br LIXO utilizado para designar tudo aquilo que não tem mais utilidade RESÍDUO Sobra (refugo) do beneficiamento

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 / 13 SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO COMLURB SÉRIE LIMPEZA URBANA ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 REFERÊNCIAS CRUZADAS 3 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Análises Clínicas Responsável: Mônica Evelise Silveira Equipe:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 REFERÊNCIAS CRUZADAS 3 CAMPO DE APLICAÇÃO 4 DEFINIÇÕES 5 RESPONSABILIDADES 6 PROCEDIMENTOS 7 FREQÜÊNCIA

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA CONTROLADORIA GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP N 02/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA CONTROLADORIA GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP N 02/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP N 02/2014 Versão: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 068/2014. Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Saúde. I - FINALIDADE: Esta Instrução

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Procedimento Operacional - Lixo Hospitalar

Procedimento Operacional - Lixo Hospitalar Procedimento Operacional - Lixo Hospitalar Esta lista de procedimento Operacional foi elaborada pela auditoria fiscal do trabalho, o não cumprimento configura INFRAÇÃO GRAVE, e tem por finalidade a implementação

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 1 2011 - - ISSN 2177-6636 COLETA E DESTINAÇÃO DO LIXO HOSPITALAR DE IBIPORÃ

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 1 2011 - - ISSN 2177-6636 COLETA E DESTINAÇÃO DO LIXO HOSPITALAR DE IBIPORÃ COLETA E DESTINAÇÃO DO LIXO HOSPITALAR DE IBIPORÃ Fabiana Cristina Brugin (Facesi) fabyellow2@hotmail.com Cássia Valéria Hungaro Yoshi (Facesi / UniFil) cassia.yoshi@hotmail.com RESUMO O objetivo deste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais