16 CUIDADOS PARA LIBERAÇÃO DE PAGAMENTOS 17 PRAZO PARA ENCAMINHA- MENTO DE PAGAMENTOS À ADMINISTRADORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "16 CUIDADOS PARA LIBERAÇÃO DE PAGAMENTOS 17 PRAZO PARA ENCAMINHA- MENTO DE PAGAMENTOS À ADMINISTRADORA"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 4 INTRODUÇÃO 5 CONDOMÍNIO 5 REPRESENTAÇÕES E ATRI- BUIÇÕES 7 CONVENÇÃO DO CONDO- MÍNIO 8 REGULAMENTO INTERNO 8 MEMBROS DO CONSELHO FISCAL / CONSULTIVO 9 ASSEMBLEIAS 13 RECEITAS E DESPESAS DO CONDOMÍNIO 14 PRAZO PARA ENCA- MINHAMENTO DAS COTAS CONDOMINIAIS ORDINÁ- RIAS E EXTRAORDINÁRIAS 15 PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATA- ÇÕES 16 INADIMPLÊNCIA 16 CUIDADOS PARA LIBERAÇÃO DE PAGAMENTOS 17 PRAZO PARA ENCAMINHA- MENTO DE PAGAMENTOS À ADMINISTRADORA 17 PROTOCÓLO DE DOCUMENTOS E REMESSA DE NUMERÁRIOS 18 LEGISLAÇÃO, IMPOSTOS E TAXAS 19 PAGAMENTOS DE SERVIÇOS PRESTADOS PESSOA JURÍDICA ( CUIDADOS NECESSÁRIOS COM A COBRANÇA, MENSAL, JUNTO ÀS NOTAS FISCAIS DE PAGAMENTO DOS IMPOSTOS E FOLHA DE PAGAMENTO DOS TERCEIRIZADOS) 21 NORMAS PARA PAGAMENTOS A PRESTADORES DE SERVIÇOS PESSOA FISÍCA 23 IMPOSTOS, CONTRIBUIÇÕES MENSAIS E OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA DOS CONDOMÍ- NIOS EDILÍCIOS 24 FLUXO DE CAIXA DOCONDO- MÍNIO E CUIDADOS PARA LI- BERAÇÃO DOS PAGAMENTOS 26 PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANCETES 27 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE 2014 / BRIGADA DE INCÊNDIO 40 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES 41 UTILIZAÇÃO DOS FOR- MULÁRIOS MP (MOVI- MENTAÇÃO DE PESSO- AL)E PRAZOS PARA RE- MESSA DAS INFORMA- ÇÕES À PROTEL. 43 CONTRATAÇÕES E DEMIS- SÕES DE FUNCIONÁRIOS 43 FOLHA DE PAGAMENTO 43 FÉRIAS DOS FUNCIONÁ- RIOS 45 PROGRAMAS OCUPACIO- NAIS TRABALHISTAS 47 QUADRO DE AVISO NA ADMINISTRAÇÃO INTER- NA

3 SUMÁRIO 47 KIT DE PRIMEIROS SOCORROS 47 AUDIÊNCIAS TRABALHISTAS 51 SEGUROS 56 ELEVADORES 60 PISCINAS 62 AR CONDICIONADO 63 ACADEMIA 64 CORRIMÃO NAS ESCADAS 64 FEZES DE ANIMAIS 64 CALÇADAS 65 FACHADAS 65 SENSORES 66 MANUTENÇÃO DE CAIXAS D ÁGUA 66 DESINSETIZAÇÃO E DESRA- TIZAÇÃO DAS ÁREAS CO- MUNS 68 SINALIZAÇÃO NAS VITRINES E PORTAS DE VIDROS TRANSLÚCIDOS 69 LEIANTIFUMO 71 ATO DECLARATÓRIO 72 VARANDAS 72 AR CONDICIONADO 73 POLUIÇÃO SONORA 73 LIMPEZA 76 MANUTENÇÃO DAS CAI- XAS DE GORDURA 77 CUIDADOS NO RECEBI- MENTO DE CORRESPON- DÊNCIAS 77 VASOSCOMPLANTASNAS CALÇADAS 78 ETE ESTAÇÃO DE TRATA MENTO DE ESGOTO 79 CADASTROS ATUALIZADO DOS MORADORES, VISI- TANTES, PRESTADORES DE SERVIÇOS E FUNCIONÁRIOS 79 ACESSO DE VISITANTES 79 CADASTRO DOS FUNCIO- NÁRIOS 81 EMPRESAS EM RESIDÊN- CIAS 81 IDENTIFICAÇÃO DA LOCA- LIZAÇÃO DO CONDOMÍ- NIO 82 FIXAÇÃODENÚMERODE TELEFONE PARA DENÚN- CIA CONTRA VIOLÊNCIA 82 SHOPPING CENTERS - POSTOS MÉDICOS 83 OBRAS NAS UNIDADES AUTÔNOMAS 84 MANUAL DOS FUNCIO- NÁRIOS GERAL 100 AUTOVISTORIA PREDIAL 111 NBR 1680: REFORMA NAS EDIFICAÇÕES 113 LEI MUNICIPAL Nº OBRIGATORIEDADE DA CÓPIA DA PLANTA BAIXA DAS AREAS COMUNS EM CADA ANDAR

4 4 INTRODUÇÃO A tarefa de assumir a responsabilidade pela representação e o gerenciamento do condomínio requer bom senso, disponibilidade e planejamento. O síndico precisa conhecer e avaliar as necessidades do condomínio e do conjunto de moradores. Não é saudável que o mandato do síndico se transforme em uma ditadura. O síndico não é o dono do prédio. É apenas aquele que, durante um determinado tempo, representa uma comunidade que deverá procurar manter a harmonia da coletividade e fazer cumprir a convenção, o regulamento interno do condomínio, mantendo o cumprimento das rotinas burocráticas, a manutenção predial e a segurança do condomínio. No intuito de esclarecer ao síndico suas dúvidas em relação à administração condominial elaboramos um guia prático, de linguagem simples, no qual resumimos diversos assuntos importantes do dia a dia do condomínio. O objetivo deste Manual é servir de roteiro, esclarecer dúvidas, orientar o síndico e informar a legislação vigente com as questões pertinentes a um condomínio. São abordados assuntos que, na prática, mostram-se mais frequentes. Procuramos nos expressar de maneira clara e objetiva, com dicas e subsídios, para efetuar uma boa administração condominial, pois entendemos que desta forma alcançamos a excelência na administração do condomínio.

5 5 CONDOMÍNIO O condomínio ocorre quando existe um domínio de mais de uma pessoa simultaneamente sobre um determinado bem. O condomínio não tem caráter empresarial, portanto não desenvolve atividade econômica. Suas despesas são custeadas pelos próprios condôminos, normalmente em rateio proporcional à fração ideal que titulam em relação ao todo ou outro critério que estabeleça a convenção. Sendo assim, o poder jurídico atribuído a todos na sua integralidade. Cada condômino tem assegurada uma fração, ou quota da coisa. REPRESENTAÇÃO E ATRIBUIÇÕES O condomínio é administrado pela figura do síndico, pessoa física ou jurídica, que pode(ou não) ser um condômino eleito pela maioria numérica dos presentes na assembleia geral ordinária (AGO), em mandatos de até dois anos, podendo ser reeleito, sempre de acordo com o estabelecido na Convenção do condomínio. O Síndico é o representante legal do condomínio, responsável por toda a documentação do condomínio, e por representá-lo em juízo, quando solicitado. É o poder executivo do condomínio. As atribuições do síndico são as seguintes:

6 6 1. Exercer a gestão interna do condomínio referente à vigilância, moralidade e segurança, podendo contratar uma administradora para auxiliá-lo nessa função; 2. Selecionar, admitir e demitir funcionários, fixando-lhes os salários de acordo com a verba do orçamento do ano, respeitando o piso salarial da categoria, com data-base em outubro de cada ano; 3. Escolher empresas prestadoras de serviços ou terceiros para execução das obras que interessem ao condomínio; 4. Convocar as assembleias gerais dos condôminos; 5. Representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos interesses comuns; 6. Dar imediato conhecimento à assembleia da existência de procedimento judicial ou administrativo, de interesse do condomínio; 7. Cumprir e fazer cumprir a Convenção, o Regimento Interno e as determinações das assembleias; 8. Diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns, além de zelar pela prestação dos serviços que interessem ao Condomínio; 9. Elaborar a previsão orçamentária de cada período; 10. Cobrar e arrecadar dos condôminos as suas contribuições (quotas partes, despesas ordinárias, extraordinárias e fundos); 11. Prestar contas na assembleia geral ordinária do condomínio;

7 7 12. Guardar toda documentação administrativa, bancária, técnica, fiscal, previdenciária e trabalhista; 13. Contratar seguro de toda a edificação contra o risco de incêndio ou destruição total ou parcial; 14. Aplicar e cobrar as multas estabelecidas na lei, na Convenção ou Regimento Interno. CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO A convenção do condomínio é um conjunto de normas internas, que esclarece sobre a estrutura do condomínio e os direitos fundamentais do condômino, para garantir o bem estar da comunidade. A convenção apresenta caráter estatutário ou institucional, sendo, portanto, um ato-norma. Assim, não é um contrato. Por tal razão, alcança não só os seus signatários, mas também todos os que ingressarem nos limites do condomínio (art , caput, do Código Civil). O registro da convenção no Registro de Imóveis é necessário apenas para tornála válida perante terceiros, já que a convenção de condomínio aprovada, ainda que sem registro, é eficaz para regular as relações entre os seus condôminos, como afirmado pela Súmula n 260 do Superior Tribunal de Justiça.

8 8 REGULAMENTO INTERNO O Regimento Interno de um condomínio é um conjunto de normas que visam principalmente regrar o comportamento e a conduta dos moradores do prédio, tendo por objetivo reger a convivência entre os condôminos, assim como de seus frequentadores. O Regimento Interno normalmente faz parte da Convenção do Condomínio; todavia, não devemos confundi-los, pois cada um deles tem sua finalidade. O Regimento não pode contrariar a Convenção, sob pena de nulidade. MEMBROS DO CONSELHO FISCAL/CONSULTIVO DeacordocomoArtigo1356 donovocódigocivil,poderáhavernocondomínioumconselho Fiscal/Consultivo, composto de três membros, eleitos pela assembleia, por prazo não superior a dois anos, ao qual compete conferir e emitir parecer sobre as contas do condomínio, opinando pela aprovação ou não das mesmas na assembleia geral ordinária anual. De idêntica sorte, é papel do conselho alertar o síndico sobre eventuais irregularidades, dar pareceres, aconselhar na assinatura de contratos, na escolha da agência bancária do condomínio, na empresa seguradora do condomínio e outras matérias mencionadas na Convenção do condomínio. A Interação entre o Síndico e os Membros do Conselho é fundamental para uma boa administração do condomínio, devendo, para tanto, o Síndico e Membros do Conselho reunirem-se periodicamente para discutir e decidir os assuntos do Condomínio.

9 9 ASSEMBLEIAS ASSEMBLEIA É a reunião na qual os moradores tomam decisões a respeito do condomínio. Tais decisões, desde que não contrariem a convenção do condomínio e as leis em vigor, tornam-se as regras do condomínio, obrigando moradores e visitantes a respeitá-las, só podendo ser anuladas judicialmente ou por deliberação em outra assembleia. Existem três tipos de assembleias para deliberações sobre a edificação. Todos os prazos para convocação e distribuição do edital, itens de pauta, critérios estabelecidos de votação, quórum necessário e apresentação de relatório, constam na Convenção do condomínio, sendo seu cumprimento obrigatório. O edital de convocação deverá ser encaminhado aos condôminos nos endereços respectivamente cadastrados, através de carta registrada com aviso de recebimento, exatificando-se que, nos casos em que o condômino resida no próprio condomínio, o edital de convocação deverá ser entregue pela administração interna do condomínio, por protocolo, obedecendo o prazo de antecedência mínima determinado em Convenção. ASSEMBLEIA GERAL DE INSTALAÇÃO É aquela que constitui o condomínio. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA É realizada sempre que os interesses do condomínio exigirem, convocada pelo síndico ou por no mínimo ¼ dos condôminos. Geralmente, as deliberações são aprovadas pela maioria dos presentes, com direito a voto.

10 10 ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA É realizada uma vez por ano. Tem como principal finalidade a aprovação de verbas para as despesas de condomínio do próximo exercício, eleger o síndico, os membros do conselho, bem como apresentar e aprovar a prestação de contas do exercício que se encerrou e abordar assuntos gerais. Salientamos a importância da obtenção dos pareceres dos conselheiros consultivos fiscais nos balancetes mensais do condomínio, na medida em que compete aos mesmos. A recomendação à assembleia é relativa à aprovação das contas do exercício passado, cujo item de pauta é igualmente obrigatório nesta AGO. A administração interna do condomínio deverá manter em seus arquivos pasta própria com a cópia dos pareceres assinados pelos membros do Conselho Consultivo Fiscal, com vistas à sua apresentação na AGO em causa, exatificando-se que qualquer questionamento efetivado pelos conselheiros sobre as contas do condomínio deverá ser pelo(a) síndico(a) respondido, sob a forma de relatório com a brevidade que se impõe, assim dirimindo eventuais controvérsias em caráter prévio à realização da AGO. Sugerimos, igualmente, que a previsão orçamentária a ser apresentada para o exercício seguinte seja analisada previamente pelo(a) Síndico(a) em conjunto com os membros do Conselho Consultivo Fiscal, sendo a mesma anexada ao Edital de Convocação assemblar, na hipótese de que a Convenção assim determine. QUÓRUM É o número mínimo de condôminos, estipulado na lei ou na convenção de condomínio, que devem estar presentes e votar em uma Assembleia para que as deliberações tomadas tenham validade. Os Artigos 1352 e 1353 do Código Civil estabelecem que, salvo quando exigido quórum especial pela lei ou pela convenção, as deliberações da assembleia serão tomadas, em primeira convocação, por maioria de votos dos condôminos presentes que representem pelo menos metade das frações ideais. Em segunda convocação, será decidido pela maioria dos votos dos presentes. Os votos são proporcionais às frações ideais de cada condômino, salvo disposição diversa da convenção do condomínio.

11 11 Os principais quóruns são: Para deliberação das matérias das assembleias gerais ordinárias: normalmente maioria simples dos presentes com direito a voto, salvo estipulação diversa em convenção; Para aprovação da convenção: votos dos proprietários que representem, no mínimo, 2/3 das frações ideais que compõem o condomínio; Para alteração da convenção: votos de condôminos que representem no mínimo 2/3 dos condôminos(art.1351 do Código Civil); Para deliberação sobre reconstrução ou venda do terreno ou materiais, se a edificação for total ou consideravelmente destruída, ou ameace ruína: mínimo de votos que representem a metade mais um das frações ideais(art.1357 do Código Civil); Para convocação de assembleia geral extraordinária: 1/4, no mínimo, dos condôminos; Para destituição do síndico: A assembleia, especialmente convocada para esse fim, poderá, pelo voto da maioria absoluta de seus membros, destituir o síndico que praticar irregularidades, não prestar contas, ou não administrar convenientemente o condomínio; Para os casos de alienação, concessão a terceiros de parte de uso comum, alteração do destino de parte do terreno ou coisa de uso comum: totalidade de votos representativos do condomínio.

12 12 PROCURAÇÃO É um instrumento por meio do qual uma pessoa recebe poderes de outra para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. Normalmente, é escrita, podendo ser feita por instrumento público (tabelião) ou particular. O condômino, salvo vedações estabelecidas na convenção, pode ser representado nas Assembleias por uma outra pessoa, condômino ou não, devendo, para tanto, estar de posse da procuração escrita. Geralmente nos instrumentos de Convenção, encontram-se exigências de reconhecimento de firma. Caso o proprietário do imóvel não compareça às assembleias, o inquilino, mesmo sem procuração, poderá votar questões envolvendo despesas ordinárias de condomínio, apresentando cópia do contrato de locação. VOTO O direito de votar na Assembleia do condomínio, ordinária ou extraordinária, é exercido livremente pelo condômino proprietário que assim manifesta sua posição quanto a matéria em discussão. Para cada unidade corresponde um voto, sendo peso do voto estabelecido na convenção. Pessoa estranha ao condomínio, ou mesmo outros condôminos, podem representar o condômino ausente desde que esteja munido de procuração com poderes especiais para discutir a matéria, e votar. O instrumento de mandato pode perfeitamente ser outorgado na sua forma particular, dispensando portanto, sua elaboração em Tabelionato, desde que fique perfeitamente demonstrado o credenciamento pelo mandante. A limitação de várias procurações a um só condômino somente sofrerá restrição se a Convenção assim estabelecer, caso contrário não haverá qualquer impedimento que alguém receba uma, duas, três ou mais instrumentos para votar e decidir naquela determinada assembleia. O inquilino pode votar na ausência do condômino locador. Porém, este seu direito é restrito nas decisões que envolvam despesas ordinárias do condomínio, unicamente, e dispensa a autorização por escrito do proprietário. Caso a Assembleia tenha outras matérias a serem votadas, além de questões referentes às despesas ordinárias, no momento específico que definirá essa última, o inquilino consigna seu voto, omitindo-se quanto às demais. Votando em assuntos fora deste limite, a decisão da Assembleia poderá ser anulada caso este voto seja decisivo. Esta matéria, especificamente quanto à possibilidade do voto do inquilino, encontra-se inserido no artigo 24 da lei 5.591, de 16 de dezembro de 1964, acrescido pelo artigo 83 da lei do inquilinato, Lei 8.245/91.

13 13 RECEITAS E DESPESAS DO CONDOMÍNIO PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA É uma previsão de quanto e como o condomínio gastará e arrecadará. O ideal é que se faça a previsão orçamentária uma vez por ano. É recomendado que se utilize as despesas do ano anterior para uma previsão mais realista. Divide-se (provisionar) despesas sazonais (Ex. Décimo Terceiro) em todos os meses, bem como se aplica os reajustes contratuais e as médias dos aumentos das contas públicas e dissídios coletivos. É necessário prever nas despesas uma margem para imprevistos, além do fundo de reserva. A Previsão Orçamentária é aprovada em assembleia. RATEIO DA PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA O condômino concorrerá nas despesas de condomínio, recolhendo nos prazos previstos na Convenção e de acordo com os critérios estabelecidos na mesma. DESPESAS EXTRAORDINÁRIAS As despesas extraordinárias são aquelas, como o próprio nome diz, que saem do comum, que ultrapassam a habitualidade mensal. No caso, podemos considerar despesas extraordinárias como benfeitorias úteis (aquelas que aumentam a utilidade do bem, como, por exemplo, a instalação de sistemas de segurança) ou como benfeitorias voluptuárias (aquelas que agregam luxo ao condomínio, por exemplo, obras de arte, granitos importados, etc.). Convencionalmente, os proprietários são os responsáveis por estas despesas. As despesas extraordinárias deverão ser aprovadas em assembléia geral, ou de acordo com o disposto na Convenção do condomínio.

14 14 FUNDO DE RESERVA Muitos condomínios arrecadam, além da cota normal, um valor referente ao fundo de reserva. Tal fundo é, geralmente, definido como um percentual da cota normal, e pode estar previsto na convenção. O objetivo do fundo é reservar um valor para que o condomínio não seja surpreendido com alguma despesa inesperada, podendo ser utilizado de acordo com o disposto na Convenção do condomínio ou determinado em assembleia. Observar na Convenção se existe algum limite de valor para cessar a cobrança. PRAZO PARA ENCAMINHAMENTO DAS COTAS CONDOMINIAIS ORDINÁRIAS E EXTRAORDINÁRIAS A LEI ESTADUAL Nº 5190, DE 14 DEJANEIRO DE 2008, determinaque, o enviodos boletosde cobrança das cotas condominiais, para os condôminos, deve obrigatoriamente ser feito com antecedênciamínimadeaté10 (dez)diasdadatadeseuvencimento,sobpenadeincidência demultanovalorde100(cem)unidadesfiscaisdoriodejaneiro. Para cumprirmos a lei, e por via de consequência evitar qualquer penalidade para os Condomínios por nós administrados, é necessário o síndico encaminhar à PROTEL ADMINISTRAÇÃO HOTELEIRA LTDA toda e qualquer instrução, dado e/ou elemento necessário para elaboração e confecção dos boletos de cobrança de cotas condominiais, com antecedência mínima de 20(vinte) dias da data de seus vencimentos. A inobservância de tais atitudes pelos Condomínios, isentará nossa empresa de qualquer responsabilidade frente aos ditames e penalidades da Lei Estadual nº 5190, de 14/01/2008, sendo pelos mesmos suportados.

15 15 PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS, CONTRATAÇÕES E CONTROLE As compras de materiais, contratação de empresas, contratação de seguros e outras ações que necessitem de verbas do condomínio, deverão ser realizadas conforme previsão orçamentária, ou com verbas específicas aprovadas em assembleia. Sempre, mediante avaliação de no mínimo três propostas de preço, obtidas com empresas de comprovada idoneidade e/ou conceito no mercado, evitando assim possíveis questionamentos a respeito de compras e contratações efetivadas. Desta forma, aconselhamos que todas as escolhas realizadas sejam compartilhadas e aprovadas, por escrito, pelos membros do conselho. O Controle financeiro do condomínio é um fator muito importante. Todas as compras e contratações deverão ser realizadas através de contratos e cotação de preços. Os pagamentos deverão ser feitos através de notas fiscais e ter seus vencimentos de acordo com o fluxo de caixa do Condomínio. Ou seja, deverão ser feitos após a data da arrecadação das cotas condominiais ordinárias e/ ou extraordinárias, bem como a análise da inadimplência para evitarmos déficits. O saldo do Condomínio deverá ser acompanhado diariamente. As despesas devem estar contempladas no orçamento ordinário e a inadimplência controlada. No caso de déficit, o mesmo deverá ser regularizado mediante cota extra ou outra providência, conforme definido em Convenção, ou deliberado em assembleia, evitando despesas financeiras. Mencionamos que a centralização dos vencimentos dos pagamentos do condomínio em datas fixas mensais, também contribui para uma organização no fluxo de caixa. Lembramos que os impostos e taxas deverão ser respeitados conforme prazos estipulados. As contas de concessionárias poderão ter seus vencimentos alterados, conforme opções apresentadas pelas respectivas concessionárias, bastando somente comunicação por escrito, formalizando o pedido de alteração.

16 INADIMPLÊNCIA A inadimplência deverá ser controlada e analisada mensalmente, evitando-se possíveis déficits. Os débitos deverão ser encaminhados para cobrança judicial de acordo com os prazos determinados na Convenção, Assembleia ou no silêncio destas sobre a matéria, de acordo com asinstruçõesdosíndico,aquemcompete,porlei,aadoçãodasmedidasdecobrança.éatravés do índice de inadimplência que se mede a saúde financeira do condomínio. CUIDADOS PARA LIBERAÇÃO DE PAGAMENTOS Todos documentos encaminhados à administradora para pagamento deverão conter a assinatura do Síndico ou de preposto indicado pelo mesmo e por escrito, indicando data de vencimento e forma de pagamento. As notas fiscais relativas aos contratos assinados deverão ser conferidas, através de um controle interno na administração do prédio (denominado controle de contratos), onde deverão ser apontados todos os valores, prazos de pagamentos e outros, para evitar pagamentos e cobranças indevidas. As contas de concessionárias também deverão ser conferidas com o controle existente, para que os valores, consumos e datas de vencimentos sejam controlados, evitando-se risco de cortes por falta de pagamento das referidas contas por extravio das mesmas pelo correio. Desta forma, o síndico poderá tirar a 2ª via das contas no site das concessionárias, evitando-se inclusive a cobrança de encargos por atraso de pagamento. Em qualquer contratação de empresas com cessão de mão de obra, o Condomínio torna-se solidário no cumprimento das obrigações trabalhistas. Portanto, deve exigir da empresa, junto à nota fiscal, a apresentação dos comprovantes de pagamento de todos os direitos trabalhistas a que fizerem jus seus funcionários alocados em serviço no Condomínio. Necessita-se também recolher a guia de FGTS e demais comprovantes de recolhimento dos encargos previdenciários, sociaisefiscaisqueincidiremsobreafolhadepagamento,sobpenade,nahipótesedequetais encargos não se verifiquem recolhidos pela mesma, responder o Condomínio subsidiariamente por tal falta. O contrato deverá possuir cláusula onde conste que: caso não sejam apresentados os documentos mencionados, o condomínio poderá glosar o pagamento, bem como proibir expressamente, o desconto ou negociação de duplicatas ou quaisquer outros títulos, sem que ocorra a prévia e expressa autorização do Condomínio, sendo lícito a este último recusar o pagamento a terceiros, havendo violação do acima convencionado. 16

17 17 PRAZO PARA ENCAMINHAMENTO DE PAGAMENTOS À ADMINISTRADORA Pedimos a colaboração do síndico para que sejam encaminhadas as solicitações de pagamentos, com antecedência mínima de 72 (setenta e duas) horas do seu vencimento, a fim de que possamos proceder às conferências necessárias e o cumprimento do horário bancário. PROTOCOLO DE DOCUMENTOS E REMESSA DE NUMERÁRIOS Para melhor organizarmos a tramitação de documentos entre nossa empresa e seu condomínio, pedimos que os mesmos sejam devidamente protocolados no impresso Capa de Lote. Os documentos deverão ser encaminhados ao Gerente de Contas responsável pelo atendimento do seu condomínio, exceto os recibos com seus respectivos cheques de pagamentos de cotas condominiais, que devem ser encaminhados ao caixa da empresa, devidamente protocolado. Com este procedimento, caso ocorra qualquer extravio de documento ou cheque, poderemos apurar responsabilidades. Lembramos que é proibido o envio de numerários em espécie. Os pagamentos deverão ser realizados através de cheques nominais e não nos responsabilizaremos por procedimentos contrários.

18 18 LEGISLAÇÃO, IMPOSTOS E TAXAS PIS e COFINS -Lei de 29/12/2003 Informamos que a Lei n.º de 29/12/2003, em seu inciso IV do parágrafo 1º do artigo 30º, obriga os condomínios edilícios a praticarem a retenção e o respectivo recolhimento de 4,65% sobre os pagamentos efetuados à pessoa jurídica prestadora de serviços de limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão de obra, pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e risco, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela prestação de serviços profissionais. Esta retenção na fonte refere-se a: CSLL Contribuição Social sobre o LucroLíquido-1%;COFINS-3%ePIS/PASEP0,65%. É dispensada a retenção para pagamentos de valor igual ou inferior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais). Ocorrendo mais de um pagamento no mesmo mês à mesma pessoa jurídica, deverá ser efetuada a soma de todos os valores pagos no mês para efeito de cálculo do limite de retenção previsto, compensando-se o valor retido anteriormente(incluído pela Lei nº , de2004). As empresas inscritas no Regime Simplificado de Tributação Federal (Simples) estão isentas daretençãodequetrataoartigo30dalei10833de2003. Os valores retidos na quinzena, na forma do artigo 3º desta Lei, deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica (condomínio), até o último dia útil da quinzena subsequente àquela quinzena em que tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica prestadora dos serviços. (Fundamentação Legal: Lei de 21/11/2005).

19 19 Os valores retidos poderão ser compensados pelos prestadores de serviços na ocasião do pagamento de suas respectivas contribuições mensais. Em função das modificações impostas por estas Leis, informamos que todos os pagamentos à pessoa jurídica deverão ser feitos pela Protel, para que possamos fazer as devidas retenções, o controle e os respectivos recolhimentos dos impostos retidos. PAGAMENTOS DE SERVIÇOS PRESTADOS PESSOA JURÍDICA CUIDADOS NECESSÁRIOS COM A COBRANÇA, MENSAL, JUNTO ÀS NOTAS FISCAIS DO PAGAMENTO DOS IMPOSTOS E FOLHA DE PAGAMENTO DOS TERCEIRIZADOS Desde 01/02/99, a Ordem de Serviço 209/INSS-DAF, publicada no DOU de 28/05/99, estabelece os cuidados a serem tomados no pagamento de fatura referente à prestação de serviços. A retenção das contribuições relativas à contratação de serviços por cessão de mão-deobra ou empreitada de mão-de-obra, será obrigatória pela empresa contratante, no percentual de 11% (onze por cento) do valor total da nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços. Deverá ser recolhida a importância retida até o dia 10 (dez) do mês subsequente ao da emissão do respectivo documento, em nome da empresa cedente da mão-de-obra. Quanto à emissão da Nota Fiscal, fatura ou recibo, a empresa cedente deverá destacar o valor da retenção, a título de RETENÇÃO PARA A SEGURIDADE SOCIAL. O disposto na referida Ordem de Serviço aplica-se a todas as empresas contratantes de serviços, executados através da empreitada ou cessão de mão-de-obra de limpeza, conservação, zeladoria, vigilância e segurança; ou por intermédio de contrato de trabalho temporário ou de cooperativa de trabalho.

20 20 Entende-se por CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA a colocação à disposição do contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de segurados que realizem serviços contínuos relacionados ou não com a atividade-fim da empresa tomadora, quaisquer que sejam a natureza e a forma de contratação (segundo a supramencionada OS/INSS 209, para os efeitos do artigo 31 da Lei 8.212/91, com redação dada pela Lei 9.711/98). Entende-se por empreitada de mão-de-obra a contratação de empresa prestadora de serviço para executar serviços, relacionados ou não, com a atividade-fim da empresa contratante, nas dependências desta ou nas de terceiros. Estas disposições constantes também se aplicam à empreitada de mão-de-obra na atividade de construção civil, exceto ao disposto no item 4.3 da Ordem de Serviço da Previdência que ora anexamos. Quando tratar-se de empreitada que envolver fornecimento de material e mão-de-obra, a contratada deverá destacar na Nota Fiscal/Fatura os respectivos valores. A Fiscalização poderá exigir comprovação do fornecimento do material, bem como dos respectivos valores. Se não constar em destaque na Nota Fiscal/Fatura o valor correspondente ao material empregado, a retenção deverá incidir sobre o seu valor bruto. Haverá colocação nas dependências de terceiros quando a empresa cedente, inclusive a empresa de trabalho temporário e a cooperativa de trabalho, alocar o pessoal cedido em dependências determinadas pela empresa tomadora, que não sejam pertencentes àquelas ou a esta.

21 21 Consideram-se serviços contínuos, habituais ou necessários, aqueles relacionados ou não a atividade-fim da empresa tomadora, quaisquer que sejam a natureza e a forma de contratação. Para os efeitos deste ato, considera-se Empresa a firma individual ou a sociedade que assume o risco da atividade econômica urbana ou rural, com fins lucrativos ou não, bem como os órgãos e entidades da administração pública direta, indireta e fundacional, o autônomo ou equiparado em relação a segurado que lhe presta serviço, a cooperativa, a associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, a missão diplomática e a repartição consular de carreira estrangeira (conforme definido no inciso I e parágrafo único, do artigo 15 da Lei 8.212/91). É indispensável para o recolhimento da contribuição previdenciária, consignar o CGC/CNPJ da empresa cedente. NORMAS PARA OS PAGAMENTOS AOS PRESTADORES DE SERVIÇOS PESSOA FISÍCA Com o intuito de evitar prejuízos financeiros ao condomínio pelo descumprimento das novas normas do INSS, informamos que todos os pagamentos aos prestadores de serviços só poderão ser efetuados nos caixas da Protel, para facilitar o controle sobre as retenções e recolhimento àquele instituto. Tendo em vista as novas exigências legais para o Recibo de Pagamento de Autônomos (RPA/ Recibo),observa-sesempreseconstanoreciboonúmerodeinscriçãonoINSSounúmerodo PIS, além do número do CPF (devidamente comprovados) do emitente. Para evitarmos possíveis multas, somente emitiremos cheques após solicitação do condomínio, desde que nos recibos constem estes dados.

16 CUIDADOS PARA LIBERAÇÃO DE PAGAMENTOS 17 PRAZO PARA ENCAMINHA- MENTO DE PAGAMENTOS À ADMINISTRADORA 18 LEGISLAÇÃO, IMPOSTOS E TAXAS

16 CUIDADOS PARA LIBERAÇÃO DE PAGAMENTOS 17 PRAZO PARA ENCAMINHA- MENTO DE PAGAMENTOS À ADMINISTRADORA 18 LEGISLAÇÃO, IMPOSTOS E TAXAS SUMÁRIO 4 INTRODUÇÃO 5 CONDOMÍNIO 5 REPRESENTAÇÕES E ATRI- BUIÇÕES 7 CONVENÇÃO DO CONDO- MÍNIO 8 REGULAMENTO INTERNO 8 MEMBROS DO CONSELHO FISCAL / CONSULTIVO 9 ASSEMBLEIAS 13 RECEITAS E DESPESAS DO CONDOMÍNIO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

c)praticar os atos que lhe atribuírem as leis, a convenção e o regimento interno;

c)praticar os atos que lhe atribuírem as leis, a convenção e o regimento interno; 3) CONTRATO: SÍNDICO PESSOA JURÍDICA Ser síndico de um condomínio requer compromisso, conhecimento das leis vigentes e disponibilidade de tempo, e é por isso, que nossa empresa é capacitada a assumir as

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

Condomínio Via Bella Residence Service. Atribuições 1. CONSELHO FISCAL 2. SÍNDICO

Condomínio Via Bella Residence Service. Atribuições 1. CONSELHO FISCAL 2. SÍNDICO Atribuições 1. CONSELHO FISCAL Pode - Auditar e fiscalizar as contas do condomínio. - Alertar o síndico sobre eventuais irregularidades. - Dar pareceres, aprovando ou reprovando as contas do síndico. Esses

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS E TURISMO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - FECOMERCIO-MG, CNPJ n. 17.271.982/0001-59, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

CURSO ADMINISTRAÇÃO DE CONDOMÍNIO ESTUDO DIRIGIDO DA LEGISLAÇÃO E QUESTÕES PRÁTICAS

CURSO ADMINISTRAÇÃO DE CONDOMÍNIO ESTUDO DIRIGIDO DA LEGISLAÇÃO E QUESTÕES PRÁTICAS CURSO ADMINISTRAÇÃO DE CONDOMÍNIO ESTUDO DIRIGIDO DA LEGISLAÇÃO E QUESTÕES PRÁTICAS Público alvo: síndicos, condôminos, administradores de condomínio, gerentes de condomínio, advogados e quaisquer pessoas

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330.

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330. C A R T I L H A Perguntas e Respostas sobre a redação final do Projeto de Lei nº 4330. Esta cartilha elaborada pelo Departamento Jurídico do Sindeprestem e pela Fenaserhtt tem o propósito de detalhar o

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014 FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 17.271.982/0001-59, neste ato representado por seu Presidente, Sr. LÁZARO LUIZ GONZAGA;

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

Mediador - Extrato Instrumento Coletivo

Mediador - Extrato Instrumento Coletivo Page 1 of 14 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000415/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/03/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR012314/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.008742/2012-19

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CIRCULAR INFORMATIVA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CIRCULAR INFORMATIVA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 Segue para conhecimento da categoria, a presente circular informativa conjunta das Entidades: Sindicato dos Empregados no Comércio de São Carlos

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos.

Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos. Lei do Condomínio 10.406/2002 CAPÍTULO VII Do Condomínio Edilício Seção I Disposições Gerais Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001328/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032173/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014915/2013-19 DATA

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná TERMO DE CONVÊNIO De um lado a GUARDA MIRIM DE FOZ DO IGUAÇU Entidade de direito privado, de fins educacionais e de assistência social, de utilidade pública sem fins lucrativos, com sede à Travessa Tadeu

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001531/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061722/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.018555/2014-16 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROCESSO N.º 1840-09.00/12-5 COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 86/2012 AJDG N.º 88/2012 O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, por intermédio da PROCURADORIA- GERAL DE JUSTIÇA, órgão administrativo

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000698/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR012138/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.014461/2014-79

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO

CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO Objetivo: Mostrar os direitos e os deveres de cada um: atribuições, responsabilidades, o que é permitido e o que é vedado, bem como expor aspectos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009 Pelo presente instrumento particular, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ SITICOM -

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE SANTA CATARINA, autarquia federal de fiscalização profissional regida pela Lei n 12.378, de 31 de dezembro

Leia mais

Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho

Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho PL do deputado Sandro Mabel (PL 4.330/2004) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002667/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027436/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.005491/2011-61 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000285/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002993/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003256/2014-68 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001959/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/09/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046033/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023134/2012-26

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO

INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO 1. MONITOR DA REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇAO DO TRABALHO Proposição Ementa Resumo Tramitação PL 4330/2004, de autoria do deputado Sandro Mabel (PMDB GO), apresentada

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001762/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023628/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008636/2011-76 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 A seguir reproduzimos as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINPROCIM e SINDPRESP, em relação a convenção anterior. REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de março

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000960/2012 FEDERACAO TRABALHADORES NA INDUST EST GO TO E DF, CNPJ n. 01.638.535/0001-55, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais