REGULAMENTO DE SEGURANÇA PORTUÁRIA. Elaborado por: F. David. Regulamento de Segurança do Porto de Nacala

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE SEGURANÇA PORTUÁRIA. Elaborado por: F. David. Regulamento de Segurança do Porto de Nacala"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE SEGURANÇA PORTUÁRIA Elaborado por: F. David

2 Índice Preâmbulo... 6 CAPITULO REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO PORTO DE NACALA... 6 CAPITULO DESIGNAÇÃO, SEGURANÇA, AMBIENTE E SAÚDE OCUPACIONAL -hsec... 9 MEMBROS DO COMITÊ DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL, E MEIO AMBIENTE Artigo 7- Criacao e funcionamento da comissao de seguranca CAPITULO AVISOS públicos LEGAIS, SIMBÓLOS DE SEGURANÇA E SINALIZAÇÃO Artigo 8-Objectivo Artigo 9-Procedimento CAPITULO NOTIFICAÇÕES E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES Artigo 12-Objectivo Artigo 13-Programa de investigação de acidentes/incidentes Artigo 14-Comunicação e classificação de acidentes CAPITULO Artigo 16-Requisitos para operadores Artigo 17-Requisitos para operadores e gestao de equipamento CAPITULO GEstão E ANÁLISE DE RISCOS Artigo 18-Objectivo Artigo 19-Descrição

3 CAPITULO PLANO DE EMERGÊNCIA Artigo 20-Objectivo Artigo 21-Descrição CAPITULO FERRAMENTAS proactivas DE SAÚDE E SEGURANÇA devem ser precedidas de um treinamneto especifico antes de serem utlizadas DSS Diálogo Diário de Segurança Artigo 22- -Descrição Artigo 23-Objectivo REC REGISTO DE CONDIÇÃO OU ACTO INSEGURO Artigo 24-Descrição Artigo 25-Objectivo DC DIÁLOGO COMPORTAMENTAL Artigo 26-Conceito DIREITO DE RECUSA Artigo 27-Objectivo S Artigo 28-Objectivo CAPITULO EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL-EPI Artigo 29-Definição Artigo 30-Classificação CAPITULO REGRAS BÁSICAS DE TRÁNSITO Artigo 31-regras básicas CAPITULO

4 CAIS NORTE 4 TERMINAL DE GRANÉIS LÍQUIDOS Artigo 32-análise geral CAPITULO OBJECTIVO E OBJECTO DO REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO CAIS A área operacional que compreende os 25 metros da aresta do cais de acostagem do Cais 4 até o Armazém 4 estendendo-se a cerca de 180m ao longo do cais. Esta Artigo 33-Âmbito de aplicação CAPITULO AVALIAÇÃO DE RISCOS Artigo 34-Caracterização de Riscos no Cais de Granéis Líquidos Artigo 35-Incêndios Artigo 36-Incendios, explosões,prevenção e mitigação Artigo 37-Medidas de prevenção e mitigação de Incêndios e explosões Artigo 38-Teoria de Combate a Incêndios Artigo 39-Classificação de Incêndios (segundo ISGOTT) Artigo 40- classificação Artigo 41- Modo de combate Artigo 42-Modo de combate Artigo 43-Modo de combate Artigo 44-Considerações gerais Artigo 45-Segurança de navios e instalações portuárias CAPITULO Artigo 46-CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS CONDIÇÃO PARA O INTERDIção DE OPERAÇÕES EM FUNÇÃO DE CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS Artigo 47-permissão de atracação em caso de Ventos Artigo 48- Em caso de Estado atmosférico severo e em coordenacao com os servicos maritimos e operadores portuarios obriga se ao Artigo 49-Colisões e encalhamento de navios

5 Artigo 50-Condições de higiene e saúde ocupacional dos trabalhadores Artigo 51- Consideracoes gerais Em regra: CAPITULO Artigo 52-MEDIDAS DE PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE INTOXICAÇÃO CAPITULO IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO DE SEGURANÇA Artigo 53-Objecto CAPITULO Artigo 54-Conceito Artigo 55-Sinais de perigo (Sistema ASSO) Artigo 56-Sinais de proibição Artigo 57-Sinais de aviso Artigo 58-Sinais Informativos Artigo 59-disposições finais

6 PREÂMBULO Este documento propõe e impõe condutas a todos os utentes do Porto de Nacala sob os aspectos de Meio Ambiente, Saúde e Segurança. A VIDA é um valor inegociável e está em primeiro lugar. CAPITULO 1 REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO PORTO DE NACALA ARTIGO 1 - INTRODUÇÃO O Porto de Nacala é um dos principais portos estratégicos de Moçambique e da Região da África Austral SADC. A sua actividade comercial centra-se numa missão de desenvolvimento económico e social e da maximização do valor de mercado, providenciando serviços e soluções eficientes através do uso de tecnologias avançadas, orientadas por trabalhadores altamente qualificados e motivados. As Empresas Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique, EP (CFM), Corredor de Desenvolvimento do Norte, SA (CDN) e a Portos do Norte, SA (PN) são as principais entidades envolvidas nas operações do Porto e estão comprometidas com o conceito de desenvolvimento sustentável. A responsabilidade ambiental, de Saúde e de Segurança Ocupacional são partes integrantes das suas estratégias e políticas de negócios. Para todas essas empresas o valor da vida é inegociável, pois a vida está em primeiro lugar. 1. O Porto é operado obedecendo o preconizado: a) Nas convenções internacionais: 6

7 - ISGOTT (International Safety Guide for Oil Tankers and Terminals) normas e condições de segurança das operações de navios tanques e terminais de granéis líquidos, - Código ISPS (International Ship and Port Facility Security Code) código internacional que regulamenta os princípios de análise de riscos, ameaças da segurança marítima, gestão e mitigação de incidentes através de planos de segurança operativa abordo de navios e nas instalações portuárias, - Código IMDG (International Maritime Dangerous Goods Code) Código Internacional que classifica as cargas perigosas, sua estiva e transporte em navios, - Normas internacionais de sistemas de gestão de ambiente e saúde ocupacional - Diversa documentação técnica de informação como por exemplo MSDS (Material Safety Data Sheet), Certificados de Qualidade, Normas Técnicas, etc. b) Legislação nacional sobre ambiente e de trabalho (higiene, segurança e saúde dos trabalhadores), c) Regulamentos e Planos locais específicos (Regulamento de Exploração do Porto, Planos de Contingências, de Emergências e de Segurança Operativa do Cais de Granéis Líquidos). 2. A implementação das condições mínimas das convenções internacionais, legislação nacional, Regulamentos e Planos locais específicos, resultou no presente Regulamento de Segurança do Cais de Granéis Líquidos. Por se tratar de uma operação especial, o regulamento de exploração do Terminal de Granel Líquido no Cais 4 está apresentado neste Regulamento como um capítulo a parte. 7

8 ARTIGO 2 -OBJECTIVO E ABRANGÊNCIA DO REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO PORTO DE NACALA 1. Consciencializar todos os colaboradores e subcontratados da empresa da importância da Política de Segurança, Higiene no Trabalho e Meio Ambiente. 2. Fornecer as Directrizes Básicas e procedimentos mínimos para estabelecer um ambiente de trabalho seguro, limpo e saudável. 3. Informar e treinar os colaboradores de forma a dar conhecimento a todos do uso correcto de equipamentos e dos procedimentos de segurança. 4. Informar a todos os subcontratados, no acto da contratação, sobre os procedimentos de segurança a serem adoptados por eles. 5. Garantir o cumprimento de toda a legislação vigente de Segurança, Higiene no Trabalho e Meio Ambiente, em especial dos normativos do Ministério do Trabalho. 6. Todos os colaboradores são responsáveis pelo cumprimento das normas do HSEC. (Departamento de Saúde, Segurança Ocupacional e Ambiente) sendo os Gestores das áreas cobrados pelo desempenho de seus projectos/actividades em elevados padrões de segurança. 7. A melhoria contínua dos processos e desempenho em segurança, meio ambiente, saúde e relacionamento com a comunidade é um objectivo permanente a ser seguido. 8. Este regulamento abrange o Cais Sul e Cais Norte, nomeadamente a terminal de contentores e de carga geral, respectivamente incluindo o do Cais 4 que tem características especiais. 8

9 CAPITULO 2 DESIGNAÇÃO, SEGURANÇA, AMBIENTE E SAÚDE OCUPACIONAL -HSEC HSEC É um departamento de segurança empresarial, Ambiental e Saúde Ocupacional que todas as empresas devem ter que é responsável pela segurança empresarial e ocupacional de todas as actividades velando pelas actividades de trabalho com vista a se atingir zero acidentes como meta. ARTIGO 3-OBJECTIVO DO HSEC Garantir que todos os requisitos relevantes a segurança no trabalho no Porto e nomeações dos membros dos comités de segurança das empresas sejam revistos regularmente e permaneçam válidos segundo a lei laboral vigente em Moçambique conjugada com este regulamento interno do Porto de Nacala. ARTIGO 4-ÂMBITO DE APLICAÇÃO Este regulamento é aplicável a todos que operam no Porto de Nacala, nomeadamente: trabalhadores, visitantes, subcontratados, empresas prestadoras de serviços, terceirizadas, e outros que acessem o Porto de Nacala. ARTIGO 5-PADRÃO O Sistema de Gestão do HSEC tem várias realizações e compromissos que precisam ser cumpridos para que a estrutura de saúde e segurança seja efectiva. Alguns trabalhadores, funcionários e contratados poderão ser designados ou nomeados, com base em suas qualificações, habilidades e competências, para desempenharem as funções e deveres relativos a esse compromisso específico. 9

10 MEMBROS DO COMITÊ DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL, E MEIO AMBIENTE ARTIGO 6- DESCRICAO E OBJECTIVO Nos termos da Lei 23/2007, de 01 de Agosto, (Lei do Trabalho), todas as empresas que apresentem riscos excepcionais de acidentes ou doenças profissionais, são obrigadas a criar Comissões de segurança no trabalho. As comissões de segurança no trabalho devem integrar representantes dos trabalhadores e do empregador e têm por objectivo vigiar o cumprimento das normas de higiene e segurança no trabalho, investigar as causas dos acidentes e, em colaboração com os serviços técnicos da empresa, organizar os métodos de prevenção e assegurar a higiene no local de trabalho Os membros da comissão de segurança são trabalhadores eleitos ou voluntários que expressam seu compromisso de melhorar as condições de trabalho para si e para os seus colegas nas equipes de trabalho nas reuniões mensais de segurança. Atribuição esta também defendida pela Lei do Trabalho. O envolvimento dos trabalhadores nas questões de ambiente, saúde e segurança têm como objectivo expressar seu compromisso de melhorar as condições de trabalho para si e para os seus colegas contribuindo positivamente e significativamente nos processos no seu local de trabalho. ARTIGO 7- CRIACAO E FUNCIONAMENTO DA COMISSAO DE SEGURANCA 1. A comissão de segurança deve ser criada pelo Coordenador de segurança de cada empresa para cobrir todas as áreas do Porto sob sua responsabilidade. 2. Os membros da Comissão elegem o presidente da Comissão de segurança. 10

11 3. A comissão se reunirá uma vez por mês, salvo disposição em contrário da sua Constituição, no momento e locais determinados pelo presidente. 4. A acta de cada reunião deve ser feita pelo presidente ou uma pessoa que tenha sido nomeado pelo presidente. A acta deve ser distribuída a cada membro da comissão no dia seguinte da reunião do comité. 5. Cópias das actas da reunião devem ser mantidas pelo coordenador de segurança, por pelo menos, três anos. 6. Acidentes e incidentes que ocorreram devem ser discutidos nas reuniões das comissões. 7. Cada representante da comissão deve trazer o relatório mensal de seu sector para a leitura e discussão na reunião da comissão que vai discutir os resultados e assinar o relatório. 8. Recomendações devem ser accionadas antes da reunião seguinte da comissão. 9. Todo o pessoal que é membro de uma comissão de segurança deve assinar uma carta de designação, que deve conter as suas funções como membro. 10. Os membros da comissão devem receber treinamento em noções básicas de meio ambiente, saúde e segurança ocupacional para tornar as reuniões mais produtivas. CAPITULO 3 AVISOS PÚBLICOS LEGAIS, SIMBÓLOS DE SEGURANÇA E SINALIZAÇÃO ARTIGO 8-OBJECTIVO Garantir que todos os avisos de segurança, símbolos e sinalizações prescritas sejam compreensíveis e colocados em locais que garantam sua visibilidade. 11

12 ARTIGO 9-PROCEDIMENTO O sistema de gestão de saúde e segurança exige que notificações e placas sejam exibidas em torno do local de trabalho. Alguns sinais têm que ser colocados em áreas específicas de trabalho, alertando todos os trabalhadores, visitantes e prestadores de serviços para riscos que podem ocorrer, ou se eles têm ou não permissão para entrar nessas áreas. Sinais simbólicos têm que ser erguidos obedecendo aos seguintes padrões: 1. Sinais simbólicos devem facilmente identificáveis, com alta taxa de visibilidade e, o empregador deve garantir que os sinais sejam respeitados. 2. Os sinais são para ser colocados em local e forma suficientemente alta para que eles possam ser facilmente vistos. 3. Os sinais devem ser limpos regularmente, garantindo que estes não percam o seu potencial de visibilidade e para que não sejam ignorados. 4. Os sinais devem ser substituídos atempadamente, pois com o passar de tempo geralmente tornam-se apagados. 5. Os sinais e símbolos que as empresas devem apresentar são: a) Sinais de banheiros indicando género; b) Sinal indicando armazenamento de líquidos inflamáveis; c) Sinal de proibição de fumar nas áreas junto aos produtos inflamáveis; d) Sinal para indicar a localização da caixa de primeiros socorros; e) Sinalização de cerca eléctrica; f) Aviso de bloqueio afixados em máquinas bloqueadas; 12

13 g) Sinalização para subestações; h) Aviso para zonas de ruído; i) Aviso de alerta para ferramentas eléctricas; j) Indicar o EPI obrigatório para a actividade ou local; k) Sinal de proibição de fumar, comer ou beber em determinadas áreas; l) Rotas de evacuação; m) Sinalização indicativa do local e do equipamento de combate a Incêndio. 5.1 A lista acima apresenta os requisitos mínimos. Existem inúmeros sinais que são necessários colocar em torno da empresa, indicando os perigos específicos e a demarcar áreas de risco. 5.2 Antes dos sinais serem colocados, uma avaliação de risco deve ser realizada e nunca deve ser tomado como certo que cada pessoa que entra nas instalações entende os sinais simbólicos, portanto a consciencialização da descrição e o significado de cada sinal deve estar disponível para os trabalhadores, visitantes, prestadores de serviços, e outros. Isto pode ser feito através da colocação de uma placa, com todos os sinais descritos nele com o seu significado nas entradas. O pessoal deve receber treinamento sobre o significado de cada sinal. 13

14 ARTIGO 10-PADRÃO 1. Sinais padronizados a serem erguidos (estes sinais devem ser visiveis e colocados em posição estratégica). Ilustracão 1 a) Obrigação - Círculo azul com símbolos brancos. b) Proibição - Círculo vermelho com fundo branco símbolos pretos. c) Informação Rectângulo azul com letras brancas ou com símbolos em preto. d) Perigo Triangulo vermelho com fundo branco e símbolo preto. e) Advertência - formato rectangular, fundo amarelo e letras ou símbolos na cor preta. 14

15 3. Cada gestor / supervisor do departamento deve garantir que os sinais dentro de suas áreas de responsabilidade sejam mantidos em bom estado de conservação. 4. Em todas as entrada das instalações, deve ter sinais e o seu significado claro. 5. Todos os sinais destruídos devem ser substituídos imediatamente. 6. Quando um empreiteiro for contratado para uma tarefa que vai exigir sinalização adicional, o contrato deve especificar o tipo correcto de sinalização a ser exigida. CAPITULO 4 NOTIFICAÇÕES E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES ARTIGO 11-PREAMBULO Para garantir que as causas dos acidentes sejam eliminadas de modo a prevenir novos eventos da mesma natureza, deve-se verificar se os procedimentos estão sendo seguidos, bem como registar e divulgar o ocorrido como um aprendizado para toda a equipe de trabalho. ARTIGO 12-OBJECTIVO 1. A investigação de acidentes e incidentes tem como objectivo ajudar a determinar porque ocorrem acidentes, onde eles acontecem, as pessoas envolvidas e as medidas correctivas para impedir que um acidente ou incidente semelhante ocorra novamente. 2. As razões para que se divulguem acidentes ocorridos e a obrigatoriedade de fechar planos de acções são: a) Ajudar os trabalhadores a desenvolver uma consciência sobre potenciais problemas e perigos no local de trabalho; 15

16 b) Marcar e apontar as áreas onde os processos podem ser melhorados e sugerir propostas de melhorias para o aumento da segurança e produtividade; c) Observar as áreas onde os treinamentos ou métodos precisam ser melhorados; d) Sugerir um foco para o desenvolvimento do programa de segurança; e) Reduzir as perdas económicas de danos materiais, lesão e perda de produção. ARTIGO 13-PROGRAMA DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES/INCIDENTES O Programa de Investigação de Acidentes / incidentes deve determinar quem, o quê, onde, quando, como, porquê e medidas correctivas de um acidente ou incidente. O programa para ser eficaz deve incluir os seguintes elementos básicos: 1. Treinamento de investigação de acidentes apropriado para toda a supervisão de primeira linha e outros trabalhadores-chave, como os membros da equipe de segurança, apropriado para cada instalação; 2. Desenvolvimento de procedimento de notificação para assegurar que todos os danos materiais e ferimentos do pessoal sejam reportados imediatamente, e sem medo de represálias; 3. Sistema de acompanhamento de acções para eliminar as causas do acidente de uma maneira eficiente. 4. Utilização de dados de investigação de outros acidentes para desenvolver uma abordagem proactiva. 16

17 ARTIGO 14-COMUNICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ACIDENTES 1. Todos os acidentes devem ser comunicados imediatamente, investigados, segundo o procedimento em anexo e obedecem a seguinte classificação: a) SAF - Acidentes sem perda de tempo (sem afastamento) FAC- Primeiros Socorros, lesões ou perturbações funcionais menores que requerem primeiros socorros, administrado por médico ou socorrista. MTC -Tratamento Médico. Requer tratamento médico específico. RWC Restrição de Trabalho. Qualquer lesão ou perturbação funcional que impeçam o trabalhador de realizar parte de suas actividades regulares no seu próximo dia de trabalho. b) CAF- Acidente com perda de tempo LWC Afastamento do Trabalho. Qualquer lesão ou perturbação funcional que impeçam o trabalhador de retornar ao trabalho no seu próximo dia de trabalho. FAT Fatalidade. Qualquer lesão ou perturbação funcional decorrentes do trabalho e que resultem em morte 2. Todos os acidentes e incidentes devem ser registados e reportados da seguinte maneira: a) A pessoa ferida ou testemunha deve reportar o acidente ou incidente a seu(a) superior imediato que fará chegar à informação ao coordenador de segurança. Um formulário de relatório de incidente deve ser preenchido pelo investigador designado e a acção correctiva recomendada. 17

18 b) Todos os acidentes e incidentes graves que são reportáveis devem ser comunicados ao coordenador de segurança imediatamente. A notificação, investigação e registo desses acidentes e incidentes será conduzida pela equipe de investigação de acidentes. c) O coordenador de segurança irá preencher o formulário de investigação de acidentes e enviá-lo para os gestores e comissões de segurança formados apôs acidentes para comentário e divulgação. d) Todos os formulários de investigação de acidentes devem ser mantidos e arquivados pelo coordenador do Segurança por um mínimo de três anos. e) Todos os acidentes e incidentes devem ser discutidos nas reuniões da comissão de saúde e segurança. f) Todas as empresas devem ter uma comissão de investigação de acidentes nomeada. g) O coordenador de segurança deve garantir que as nomeações dos investigadores de acidentes sejam mantidas actualizados. h) Um relatório estatístico deverá ser emitido mensalmente pelo coordenador de segurança. 18

19 CAPITULO 5 REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO PORTO DE NACALA ARTIGO 15-PREAMBULO 1. Durante o movimento de produtos e materiais existem inúmeros riscos que podem causar danos pessoais e materiais se procedimentos adequados não forem adoptados. 2. Este capítulo do procedimento aplica-se a todos os equipamentos motorizados e veículos utilizados dentro das empresas. ARTIGO 16-REQUISITOS PARA OPERADORES 1. Todos os candidatos a operadores de máquinas devem atender aos seguintes requisitos básicos antes de iniciar o treinamento inicial ou anual: 2. Todos os operadores de equipamentos motorizados devem ser submetidos a exames médicos de rotina, conforme determinado pelo protocolo de vigilância médica a) Não deve ter problemas adversos de visão que não possa ser corrigido por óculos ou lentes de contactos; b) Sem perda de audição que não possa ser corrigida com aparelhos auditivos; c) Não pode ter deficiências físicas que comprometem a operação segura da máquina; d) Não apresentar distúrbios neurológicos que afectam o equilíbrio ou a consciência; 19

20 e) Não tomar qualquer medicação que afecte a percepção, visão ou capacidades físicas; 3. Todos os operadores devem garantir que não operam equipamentos com defeitos. Muitos acidentes ocorrem devido a pequenos problemas no equipamento, tais como indicadores quebrados, faróis avariados, etc. Onde existe a necessidade de usar sistemas/aparelhos de controlo, estes devem estar disponíveis e operacionais para uso de modo a reduzir a possibilidade de ocorrência de acidentes e incidentes. 4. Limites de velocidade específicos para equipamentos devem ser estabelecidos, considerando o tipo de máquina e condições de operação; 5. Os operadores devem sempre olhar na direcção de viagem mantendo uma visão clara, para evitar colisões, especialmente durante movimentação em marcha atrás. Espelhos convexos devem ser usados para ajudar a visibilidade em curvas cegas; 6. O operador deve manter sua máquina a uma distância segura caso esteja atrás de outros veículos em movimento; (10 metros) 7. Os operadores devem evitar fazer partidas rápidas, paradas bruscas ou movimentação em velocidade excessiva; 8. Ao operar em rampas ou inclinação, os operadores devem ser extremamente cautelosos; 9. O controlo reverso nunca deve ser usado como um freio; 10. Todos os veículos devem ter alarme sonoro quando realizam o movimento de retaguarda 11. Os operadores devem manter um vigia para pedestres e tocar a buzina quando se aproximar deles; 20

21 Nenhum "passageiro" deve ser autorizado a andar nas máquinas, garfo ou reboque, a menos que ele tenha sido projectado especificamente para esse fim. ARTIGO 17-REQUISITOS PARA OPERADORES E GESTAO DE EQUIPAMENTO 1. Cada gestor ou Supervisor de área deve garantir que os seus operadores de equipamentos motorizados sejam treinados e competentes para executar a tarefa; 2. Cópias de suas licenças externas ou internas devem ser enviadas para o sector de segurança do trabalho para a verificação e arquivamento; 3. Cada veículo é fornecido com uma lista de verificação (checklist): O operador do equipamento deve preencher esta lista antes de usa-lo O operador deve observar e reportar todas as faltas e as condições inseguras encontradas no equipamento, e, se necessário, utilizar outro equipamento, em concordância com o seu supervisor. 4. Nenhuma pessoa sem a devida habilitação é autorizada a operar qualquer equipamento motorizado. 5. Cada equipamento deve ter um programa de manutenção planeada e mantido em conformidade com as recomendações do fabricante. CAPITULO 6 GESTÃO E ANÁLISE DE RISCOS ARTIGO 18-OBJECTIVO Define critérios para identificar os riscos e perdas, classificar a importância dos riscos, para determinar o que causa ou pode causar danos para a saúde, segurança ou propriedade. 21

22 ARTIGO 19-DESCRIÇÃO 1. Identificar processos e actividades; 2. Identificar os riscos e danos potenciais; 3. Caracterizar os riscos e sua relevância; 4. Calcular e classificar o resultado dos riscos; 5. Identificar e propor acções necessárias para eliminar e controlar os riscos. CAPITULO 7 PLANO DE EMERGÊNCIA O plano de emergência é um documento que deve dar uma série de orientações a serem seguidas em caso de ocorrência de um acidente, calamidade natural, ou incidente e o modo de minimizar esses mesmos efeitos garantindo menos perdas humanas ou materiais possíveis e todas as empresas que operam no porto são obrigadas a ter um plano de emergência. ARTIGO 20-OBJECTIVO Tem como objectivo minimizar os efeitos indesejáveis de um acidente, calamidade natural ou incidente. ARTIGO 21-DESCRIÇÃO 1. Identificar processos e actividades críticas; 2. Identificar os riscos e danos potenciais; 22

23 3. Definir medidas de controlo e procedimentos para cada tipo de risco; 4. Realizar exercícios simulados para situações de emergência semestralmente. CAPITULO 8 FERRAMENTAS PROACTIVAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DEVEM SER PRECEDIDAS DE UM TREINAMNETO ESPECIFICO ANTES DE SEREM UTLIZADAS DSS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA ARTIGO 22- -DESCRIÇÃO 1. Reuniões de curta duração, que devem ser feitas diariamente antes do início das actividades; 2. O DSS deve obedecer a uma programação mensal a qual deve conter a contribuição de todos os trabalhadores; 3. A folha de presença deve ter a assinatura de todos os participantes. ARTIGO 23-OBJECTIVO 1. Promover a comunicação entre os trabalhadores; 2. Agir proactivamente; 3. Informar aos trabalhadores sobre os riscos e medidas de controlo; 4. Promover a prevenção de lesões e doenças. 23

24 REC REGISTO DE CONDIÇÃO OU ACTO INSEGURO ARTIGO 24-DESCRIÇÃO 1. O REC e uma metodologia que serve para a identificação de riscos, condição ou acto inseguro; 2. Deve-se dar encaminhamento do registo para o Superior imediato; 3. Deve-se fazer avaliação e eliminação dos riscos, actos ou condição insegura; 4. Todos os colaboradores devem dar apoio a este processo; 5. Acções imediatas devem ser tomadas em função da gravidade; 6. Informações das irregularidades devem ser difundidas para todos da organização. ARTIGO 25-OBJECTIVO Neutralizar e/ou eliminar a condição de risco de forma a prevenir acidentes e doenças ocupacionais, através da identificação, do registo e da comunicação de condições inseguras no ambiente de trabalho. DC DIÁLOGO COMPORTAMENTAL ARTIGO 26-CONCEITO 1. É uma conversação estabelecida entre o observador e o (s) observado (s), com base na reflexão conjunta, troca de ideias e na observação do comportamento, com foco em saúde e segurança. Através do Diálogo, os trabalhadores percebem e compartilham experiências, visando a solução dos 24

25 problemas encontrados e o contínuo aprimoramento do comportamento individual e colectivo. 2. Diálogo de Oportunidade: Diálogo Comportamental que ocorre geralmente em função da percepção do observador quanto a alguma condição insegura, que apresentam riscos a um trabalhador. Deve ser imediato. 3. Diálogo Programado: Diálogo Comportamental que ocorre durante um tempo dedicado pelo observador à determinada actividade de uma forma programada. DIREITO DE RECUSA ARTIGO 27-OBJECTIVO 1. Dar ao trabalhador o direito de recusar realizar uma actividade com situação de risco grave e iminente; 2. As condições inseguras devem ser imediatamente comunicadas para tomada de acções. O Responsável deve analisar a situação e buscar soluções para eliminar ou minimizar os riscos; 3. O trabalhador deve ter um treinamento sobre como gozar do seu direito 4. Se nenhuma solução imediata for encontrada, a tarefa não pode ser executada. 5S ARTIGO 28-OBJECTIVO 1. O que são 5 Ss? 25

26 Prática desenvolvida no Japão com o objectivo de desenvolver padrões de limpeza e organização para proporcionar bem estar a todos e que foi adoptada para as nossas operações portuarias. 2. Quais os significados dos 5 Ss? a) SEIRI (UTILIZAÇÃO): Separar as coisas necessárias e eliminar as desnecessárias. Devemos ter apenas o que necessitamos, distinguindo o que é necessário do que não é, evitando o desperdício de coisas materiais e de nosso próprio esforço. b) SEITON (ARRUMAÇÃO): Arrumar as coisas necessárias, agrupando-as para facilitar seu acesso e manuseio. Liberação do espaço físico Diminuição de acidentes Diminuição de custos de manutenção Reutilização de recursos Melhoria no ambiente de trabalho c) SEISO (LIMPEZA): Eliminar sujeira, poeira, manchas de óleo do chão e equipamentos. Manter o local de trabalho e equipamentos limpos e adequados para uso imediato, assim, dá oportunidade para identificar o motivo da sujeira e mau funcionamento dos equipamentos. A limpeza deve ser encarada como uma forma de inspeção, pois, se houver sistemática poderemos detectar e corrigir as falhas nos equipamentos e máquinas 26

27 d) SEIKETSU (SAÚDE E HIGIENE): Conservar a limpeza dos ambientes, criando padronização. Também considerado como senso de colaboração, permite criar comprometimento entre os funcionários para que os mesmos criem e mantenham os padrões de limpeza. Preocupa-se com a saúde dos colaboradores em nível físico, mental e emocional e os aspectos relacionados com a poluição ambiental. e) SHITSUKE (AUTODISCIPLINA): Cumprir rigorosamente o que foi determinado, preservando os padrões estabelecidos. Tem como objetivo criar maior respeito e comprometimento em relação a empresa, cumprindo-se disciplinadamente o que foi determinado. Hábitos são vícios. Para mudarmos, utilizamos uma tática chamada Só hoje vou fazer diferente. Assim, nosso cérebro aceita mais fácil a mudança dos hábitos. Com esta tática, repetiremos os novos e bons comportamentos de auto-organização, e essa disciplina cria o hábito, que torna os comportamentos fáceis de serem seguidos. CAPITULO 9 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL-EPI ARTIGO 29-DEFINIÇÃO Quando medidas de protecção colectiva não são suficientes para minimizar a possibilidade de protecção dos trabalhadores, introduz-se o equipamento de protecção individual que é todo equipamento ou dispositivo individual usado para 27

28 preservar a saúde e a integridade física dos empregados contra riscos existentes no ambiente de trabalho, existirão sinais de obrigatoriedade de uso de tais equipamentos dependendo das áreas ARTIGO 30-CLASSIFICAÇÃO Protecção da cabeça, olhos e face, audição, vias respiratórias, tórax, braços e pernas. CAPITULO 10 REGRAS BÁSICAS DE TRÁNSITO As regras básicas de trânsito são orientações que devem ser cumpridas obrigatoriamente dentro do recinto Portuário e tem como finalidade minimizar riscos de acidentes envolvendo veículos ou veículos /pessoas/equipamentos ARTIGO 31-REGRAS BÁSICAS 1. Ao conduzir o motorista ou operador de máquinas deve: a) Obedecer os sinais de trânsito; b) Dar sempre prioridade ao peão; c) Nunca falar ao telemóvel enquanto a conduzir; d) Nunca ingerir bebidas alcoólicas ou fazer uso de drogas, estupefacientes e/ou e substâncias psicotrópicas. O limite de álcool no sangue é zero. e) Usar sempre o cinto de segurança; 28

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 6 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2012 FISPQ n : 223/14 Data: 01/09/14 Revisão: 0 Data Rev.: 01/09/14 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO FISPQ - 061 ACABAMENTO EPOXI - Parte B 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Fabricante: Aderência Pisos e Revestimentos Ltda. Endereço: Rua Dr. Sebastião Carlos Arantes, 35 São Paulo SP CEP 04624-130 Telefone:

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Descrição do artigo: Limpa Churrasqueiras HUJE 1.2 Utilizações previstas: Limpeza de Gorduras

Leia mais

Código do exame Teste de preparação

Código do exame Teste de preparação Nome do candidato: Este teste de preparação de VCA trata-se apenas de um exercício e tem como finalidade a familiarização do candidato com os métodos de exame. As questões são revistas anualmente no que

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Veda calha Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km 120 n 26640

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Tinta para demarcação Suprivia base d água Código interno: BA5215 e outros Empresa: Suprivias Indústria e Comercio de Materiais para Demarcação

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: REVESTIMENTO FOSFATADO PÓ Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa:

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Frases R & S. Introdução

Frases R & S. Introdução Frases R & S Introdução As chamadas Frases-R fornecem dicas para riscos especiais que podem surgir com o manuseio de substâncias ou formulações perigosas. A letra R é a abreviatura de risco. Após a Ordinance

Leia mais

Ficha Dados de Segurança (FDS)

Ficha Dados de Segurança (FDS) Páginas: 1/6 Etiqueta 2.2: Gás não Inflamável e não tóxico 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Designação Comercial: N Ficha de Segurança: Fórmula Química: Identificação

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM Perda de carga e equipamentos Falhas ao estudar as condições meteoceanográficas. Falha mecânica (Guindastes, empilhadeiras,. Encalhe em bancos de areia e/ou

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET Data da última revisão: 17/04/2014 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar PET NCM: 3209.10.20 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.004 - Nome da

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58 Produto Pilha de zinco-ar Nome do modelo IEC Nominal Nominal Diâmetro Altura Peso Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS PARA CONSTRUÇÃO

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES NOME DO PRODUTO: BRANCOL 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome da Empresa: Petra Química Matriz: Estrada do Barreiro, 136 Gleba Nova Ukrânia - CEP: 86.800-970 - Apucarana/PR Fone: (43) 4104-0224

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Grafite spray Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km 120 n 26640

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO 1. O QUE É O ISPS - CODE Trata-se de uma nova estrutura de normas internacionais, elaboradas pela Organização Marítima Internacional (IMO), pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) e aprovada

Leia mais

NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM Revisão 01 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5

NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM Revisão 01 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM NOME COMERCIAL MEGA PODIUM (COLA UNIVERSAL) NOME DO FABRICANTE JN COM E IND DE PROD QUIMICOS LTDA RUA A

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO Nome do Produto: Nome da Empresa: SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa CITIMANTA CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO E NOS PORTOS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO E NOS PORTOS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ACINTES ÁREAS ATUAÇÃO João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CREMOSO (Bouquet, Clássico, Laranja, Lavanda, Limão e Pinho)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CREMOSO (Bouquet, Clássico, Laranja, Lavanda, Limão e Pinho) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Sapólio Radium Cremoso Códigos Internos: Bouquet 14015 (24/300ml) Clássico 14007 (24/300ml) Laranja 14025 (12/300ml) Lavanda 14014 (24/300ml)

Leia mais

Suprimark Brasil Com de tintas e Papeis ltda

Suprimark Brasil Com de tintas e Papeis ltda Produto: Sistema Escrita Prima Amarelo FISPQ: 0005 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sistema Escrita PDVmais Prima amarela Suprimark Brasil de Com. De tintas e Papeis Ltda Rua : Augusto Tolle,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/7 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: MODEL SHINE Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa: POLIDENTAL

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação PÁGINA: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL126 Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos Aplicação Detergente neutro de aplicação geral 2. COMPOSIÇÃO Informação relevante

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Nome do produto: Botatop DM FISPQ nº: 713 Data da última revisão: 02/04/2007. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: Botatop DM FISPQ nº: 713 Data da última revisão: 02/04/2007. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop DM - Código interno do produto: 713/ 714 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

FICHA DE EMERGÊNCIA EM CASO DE ACIDENTES

FICHA DE EMERGÊNCIA EM CASO DE ACIDENTES Rua Soluções do Lar, 155 CEP. 06700-000 Cotia SP Tel./ Fax: (11) 4612-2014 Nome do Produto: PRIMER PRODUTO NÃO ENQUADRADO NA PORTARIA EM VIGOR SOBRE VIGOR SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Líquido

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FISPQ nº 007 DATA: 09/09/2009 Revisão: 02 Página: 1/7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Pó de Alumínio Empresa: Aldoro Indústria de Pós e Pigmentos Metálicos Ltda Endereço: Av. Suécia, 570

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO %

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO % 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRELATÉX Tinta acrílica base d agua. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais