GUIA DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO"

Transcrição

1 Pesticidas GUIA DOS a pesquisar PRODUTOS em águas destinadas FITOFARMACÊUTICOS ao consumo humano EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO

2 DGADR DSPFSV 6/11 MITÉRIO DA AGRICULTURA, MAR, AMBIETE E ORDEAMETO DO TERRITÓRIO DIRECÇÃOGERAL DE AGRICULTURA E DESEVOLVIMETO RURAL GUIA DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO 2011 Aida Silva Assunção Prates Felisbela Mendes Filomena Bento Luísa Gaspar Miriam Cavaco LBOA 2011

3 ÍDICE 1 ITRODUÇÃO 5. 2 LTA DAS SUBSTÂCIAS ACTIVAS AUTORIZADAS A ÍVEL COMUITÁRIO EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO 3 CODIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS AUTORIZADOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO 10 Abacateiro 11 Abóbora 11 Aboborinha 11 Acelga (Baby leaf) 11 Actinidea (kiwi) 11 Agrião 11 Agrião (Baby leaf) 12 Agrião de água 12 Alcachofra 12 Alecrim 12 Alface (Baby leaf) 12 Alface 12 Alhoporro 12 Ameixeira 12 Amendoeira 14 Amora 15 Aneto 15 Anoneira 16 Arroz 16 Bananeira 16 Batateira 16 Beringela 16 Beterraba de mesa 16 Beterraba sacarina 1 Cana deaçucar 1 Castanheiro 1 Cebolinho 1 Cerefólio 1 Cerejeira 1 Chicória/escarola 19

4 Citrinos 19 Coentros 21 Couvebrócolo e couveflor 21 CouvedeBruxelas e couve frisada 22 Couve chinesa 22 Couves de repolho 22 Couvebrócolo, couvedebruxelas, couveflor (Baby leaf) 22 Couve chinesa, couve frisada, couve repolho (Baby leaf) 22 Damasqueiro 23 Diospireiro 23 Ervilheira (Baby leaf) 24 Ervilheira 24 Espinafre (Baby leaf) 24 Espinafre 20 Estragão 24 Feijoeiro 25 Figueira 25 Framboesa 25 Ginjeira 25 Hortelã 26 Komatsuna (Baby leaf) 26 Macieira 2 Mangueira 29 Manjericão 29 Maracujazeiro 29 Marmeleiro 29 Melancia 30 Meloeiro 30 Mirtilo 30 Mizuna (Baby leaf) 30 Morangueiro 30 Mostardas (Baby leaf) 31 abiça 31 abo 31 abo de grelo 31 espereira 32 ogueira 32 Oliveira 33

5 Oregãos 340 Papaeira 34 Pepino 34 Pereira 35 Pessegueiro 3 Pimento 39 Quiabo 39 Rabanete (baby) 39 Rúcula e rúcula selvagem (Baby leaf) 39 Salsa 40 Salsa de raiz grossa 40 Salva 40 Tabaco 40 Tatsoi (Baby leaf) 40 Tomateiro 40 Tomateiro arbóreo 41 Tomilho 41 Videira BIBLIOGRAFIA 44 AEXO I ABREVIATURAS UTILIZADAS O DOCUMETO 45

6 1 ITRODUÇÃO O Modo de Produção Biológico é um sistema global de gestão das explorações agrícolas e de produção de géneros alimentícios que combina as melhores práticas ambientais, um elevado nível de biodiversidade, a preservação dos recursos naturais, a aplicação de normas exigentes em matéria de bem estar dos animais e método de produção em sintonia com a preferência de certos consumidores de produtos obtidos utilizando substâncias e processos naturais (Reg. 834/200, de 28 de Junho). Com o objectivo de garantir uma concorrência leal e o funcionamento do mercado europeu dos produtos biológicos, bem como assegurar a confiança dos consumidores nos produtos rotulados como tal, foi estabelecido um quadro jurídico comunitário em 1991 com a aprovação do Regulamento (CEE) nº 2092/91, de 24 de Junho que foi sofrendo, ao longo dos anos, inúmeras alterações. O Regulamento (CE) nº 834/200, de 28 de Junho, que entrou em vigor a de 01 de Janeiro de 2009, veio revogar o Regulamento (CEE) nº 2092/91 e veio estabelecer um quadro comunitário geral de regras de produção biológica aplicáveis à produção vegetal, animal e à aquicultura. o que concerne à produção vegetal biológica esta deve contribuir para manter e aumentar a fertilidade dos solos e impedir a sua erosão. Os fertilizantes, os correctivos do solo e os produtos fitofarmacêuticos só devem ser utilizados se forem considerados compatíveis com os objectivos e princípios do modo de produção biológico. o Modo de Produção Biológico para controlo dos inimigos das culturas deve ser dada preferência à aplicação de meios de protecção preventivos, nomeadamente os culturais, biológicos e biotécnicos. O uso de produtos fitofarmacêuticos deve ser fortemente restringido. o Anexo II do Regulamento (CE) nº 889/08, de 05 de Setembro, são indicadas as substâncias activas cujos produtos fitofarmacêuticos são autorizados neste modo de produção. Este último regulamento estabelece as normas de execução do Reg. (CE) nº 834/200, no que respeita à rotulagem e controlo da produção biológica. As substâncias e os produtos incluídos no anexo referido apenas podem ser utilizados no modo de produção biológico, desde que homologados no Estado Membro, autorizados para uma determinada finalidade e nas condições de utilização permitidas nesse Estado Membro, para a agricultura em geral, de acordo com as disposições comunitárias e nacionais relativas à colocação do mercado de produtos fitofarmacêuticos. Actualmente no que respeita à colocação no mercado de produtos fitofarmacêuticos, está em vigor o Regulamento (CE) n.º 110/2009, de 21 de Outubro, aplicandose transitoriamente o DecretoLei nº 94/98, de 15 de Abril. 5

7 O presente documento pretende efectuar a actualização do documento elaborado em 2009 (Vieira, 2009). O capítulo 2 inclui a lista das substâncias activas autorizadas em modo de produção biológico a nível comunitário, para gestão dos inimigos das culturas. o capítulo 3 apresentase um levantamento exaustivo e completo, por finalidade (cultura /inimigo), incluindo para os usos menores, dos produtos fitofarmacêuticos titulados com autorização de venda em Portugal, com base nas substâncias activas incluídas no Anexo II do Reg. 889/2008, de 05 de Setembro, e referidas no capítulo anterior, bem como as respectivas condições de utilização 1. 1 Produtos homologados a 30 de Setembro de

8 2 LTA DAS SUBSTÂCIAS ACTIVAS AUTORIZADAS A ÍVEL COMUITÁRIO EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO o modo de produção biológico é dada preferência aos meios de luta preventivos no controlo dos inimigos das culturas (artigo 12º, do Reg. n.º 834/200, de 28 de Junho), contudo, sempre que não seja possível proteger adequadamente as culturas com base nestes meios de luta, podem ser utilizados produtos fitofarmacêuticos homologados com base nas substâncias activas constantes do anexo II do Reg. n.º 889/2008, de 05 de Setembro. Os operadores devem justificar no caderno de campo a necessidade de utilizar os referidos produtos. o caso particular dos produtos utilizados em armadilhas ou distribuidores, é de realçar que estas últimas devem impedir a libertação das substâncias no ambiente e o contacto com as culturas. Os operadores após a utilização das armadilhas devem proceder à sua recolha e eliminação. o presente capítulo apresentase a designação das substâncias activas que podem ser usadas em agricultura biológica, a nível comunitário, bem como a sua descrição, requisitos de composição e função (Quadros I, II, III, IV, V, VI e VII). Quadro I Substâncias de origem vegetal ou animal. Designação azadiractina extraída da Azadirachta indica cera de abelhas gelatina proteínas hidrolisadas lecitina óleos vegetais (por exemplo, óleo de hortelãpimenta, óleo de pinheiro, óleo de alcaravia) piretrinas extraídas de Chrysanthemum cinerariaefolium quássia extraída de Quassia amara rotenona extraída de Derris spp, Lonchocarpus spp. e Terphrosia spp. Descrição, requisitos de composição e função Insecticida Protecção de feridas resultantes de podas e enxertias Insecticida Atractivo, apenas em aplicações autorizadas em combinação com outros produtos adequados da presente lista Fungicida Insecticida, acaricida, fungicida e inibidor do abrolhamento Insecticida Insecticida, repulsivo Insecticida Quadro II Microrganismos utilizados na luta biológica contra pragas e doenças. Designação Microrganismos (bactérias, vírus e fungos) Descrição, requisitos de composição e função

9 Quadro III Substâncias produzidas por microrganismos. spinosade Designação Descrição, requisitos de composição e função Insecticida. Apenas se forem tomadas medidas para minimizar o risco para os parasitóides e minimizar o risco de desenvolvimento de resistência. Quadro IV Substâncias que só podem ser utilizadas em armadilhas e/ou distribuidores. fosfato diamónico Designação Descrição, requisitos de composição e função Atractivo, apenas em armadilhas. feromonas piretróides (apenas a deltametrina e a lambdacialotrina) Atractivo; desregulador do comportamento sexual: método de confusão sexual. Apenas em armadilhas e distribuidores. Insecticida. Apenas em armadilhas com atractivos específicos, contra Batrocera oleae (mosca da azeitona) e Ceratitis capitata (mosca do Mediterrâneo). Quadro V Preparações para dispersão entre as plantas cultivadas. Designação fosfato férrico (ortofosfato de ferro) Descrição, requisitos de composição e função Moluscicida Quadro VI Outras substâncias tradicionalmente utilizadas na agricultura biológica. Designação cobre sob a forma de hidróxido de cobre oxicloreto de cobre, sulfato (tribásico) de cobre óxido cuproso, octanoato de cobre etileno sais potássicos de ácidos gordos (sabão mole) alúmen de potássio (sulfato de alumínio) (calinite) calda sulfocálcica (polissulfureto de cálcio) óleo de parafina óleos minerais permanganato de potássio areia quartzítica Descrição, requisitos de composição e função Fungicida Até 6 kg de cobre/ha/ano. Para culturas perenes, os EstadosMembros podem, em derrogação do parágrafo anterior, prever que o limite de 6 kg relativo ao cobre possa ser excedido num determinado ano desde que a quantidade média efectivamente utilizada durante um período de 5 anos constituído por esse mesmo ano e os quatro anos precedentes não exceda 6 kg. Maturação de bananas, kiwis e diospiros. Maturação de citrinos apenas como parte de uma estratégia para a prevenção dos danos causados pela mosca da fruta em citrinos. Indução floral no ananás. Inibição do abrolhamento em batatas e cebolas. Insecticida Impedimento do amadurecimento das bananas Fungicida, insecticida, acaricida Insecticida, acaricida Insecticida, fungicida Apenas em árvores de fruto, vinha, oliveiras e culturas tropicais (por exemplo, bananas) Fungicida, bactericida. Apenas em árvores de fruto, oliveiras e vinha Repulsivo Fungicida, acaricida, repulsivo 8

10 Quadro VII Outras substâncias. hidróxido de cálcio bicarbonato de potássio Designação Descrição, requisitos de composição e função Fungicida Apenas em árvores de fruto, incluindo viveiros, para lutar contra ectria galligena. Fungicida 9

11 3 CODIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DOS PRODUTOS FITOFARMACÊU TICOS AUTORIZADOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO O presente capítulo foi elaborado com base na informação constante do Guia dos Produtos Fitofarmacêuticos. Condições de Utilização, Insecticidas, Fungicidas e Outros, disponível no site da DGADR (http//www.dgadr.pt). a sua elaboração foram consideradas todas as culturas e inimigos para os quais estão autorizados produtos fitofarmacêuticos com base nas substâncias activas, permitidas em agricultura biológica e descriminadas no capítulo anterior. Para além das culturas consideradas maiores foram, também, incluídas as culturas menores. Assim, neste capítulo constam os produtos autorizados no âmbito de alargamentos de espectro para usos menores concedidos de acordo com os n os 2 e 3, do artigo 9º, do DecretoLei 94/98, de 15 de Abril e assinalados neste documento com o símbolo ( m ). As condições de utilização destes produtos podem ser consultadas no site da DGADR. É de realçar que um produto autorizado para uma dada cultura, no âmbito dos usos menores, pode não estar autorizado para a mesma, quando colhida na fase fenológica de 6 a 8 folhas verdadeiras ( Baby leaf ), uma vez que nesta fase os LMR podem ser diferentes. o quadro VIII constam, ainda, as informações referentes à classificação toxicológica, ecotoxicológica e ambiental dos diferentes produtos e os respectivos Intervalos de Segurança (expressos em dias). Os produtos assinalados com um asterisco (*) encontramse em cancelamento de existências, pelo que se aconselha a consulta da lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR. Por último, salientase que a informação constante no presente capítulo não dispensa a leitura atenta do rótulo dos respectivos produtos por parte dos operadores. 10

12 Quadro VIII Condições de utilização dos produtos fitofarmacêuticos por cultura e inimigo. Substância activa ome comercial ABACATEIRO cochonilhas óleo de Verão EO 1600 FITAOL ( m ) cochonilha algodão óleo de Verão EO 1600 FITAOL ( m ) óleo de Verão EO 1600 FITAOL ( m ) ABÓBORA EXOFRE MOLHÁVEL CC EXOFRE MOLHÁVEL WP SELECT STULL COSA WP SC COSA ACTIVE FLOW HELIOSOUFRE HEADLAD SULPHUR SUFREVIT BAGO DE OURO FLOR DE OURO PÓ D OURO DP 1050 kg PROTOVIL EXOFRE F EXTRA Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/hl TUREX ( m ) ABOBORIHA THIOVIT JET ( m ) Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/hl TUREX ( m ) Spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) ACELGA (Baby leaf) bacteriose KOCIDE 35 DF ( m ), míldio SC 105 CUPROCOL ICOLOR ( m ), ácaros DP 9,523,5 kg/há PROTOVIL ( m ) spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) e nóctuas azadiractina EC 3,2 3 ALIG ( m ), Bacillus thuringiensis WP 1000g p.c/há TUREX ( m ) larvas mineiras spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) ACTIIDEA (KIWI) doenças bacterianas WP 5125 CUPRAVIT ( m ) ; doenças do lenho WP 5125 CUPRAVIT ( m ), AGRIÃO Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/hl TUREX ( m ) larvas mineiras spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) Obs: ( m ) Alargamento de espectro para uso menor. 11

13 ome comercial AGRIÃO (Baby leaf) azadiractina EC 3,2 4,8 3 ALIG ( m ), AGRIÃO DE ÁGUA cercosporiose KOCIDE 35 DF ( m ). míldio WP CUPRITAL ( m ), rizoctónia WP 125 CUPRITAL ( m ), azadiractina EC 3,24,8 3 ALIG ( m ), Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/ha TUREX ( m ) spinosade SC 12 3 SPITOR ( m ) mosca mineira spinosade SC 12 3 SPITOR ( m ) ALCACHOFRA bacteriose (Xanthomonas sp.) SC CUPROCOL ICOLOR ( m ), ALECRIM 160 THIOVIT JET ( m ) e nóctuas Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/ha TUREX ( m ) ALFACE (Baby leaf) míldio KOCIDE 35 DF ( m ), e nóctuas azadiractina EC 3,24,8 3 ALIG, Bacillus thuringiensis WP 100g pc/ha TUREX ( m ) spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) ALFACE nóctuas ALIG azadiractina EC 3,2 4,8 3 FORTUE AZA, ALHOPORRO Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/hl TUREX ( m ) spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) AMEIXEIRA crivado CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOCIDE OPTI KOLECT (*) VITRA 40 MICRO COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% HI BIO ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 FITO COBRE BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRITAL WP CUPROCAFFARO CUPRAVIT EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT EXTRA COBRE 50 CUREOX 50 Obs: ( m ) Alargamento de espectro para uso menor. ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 12

14 SC cobre (sulfato) XX AMEIXEIRA (cont.) crivado (cont.) ome comercial IPERIO EORAM MICRO UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO CUPRITAL 50 ADVACE COBRE FLOW CAFFARO CUPROCOL CUPRITAL SC IACOPL CUPROCOL ICOLOR FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE COBRE EVE (*) SULFATO DE COBRE CADUBAL cobre (sulfato cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT lepra CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOCIDE 35 DF KOCIDE OPTI KOLECT (*) VITRA 40 MICRO COPERICO 25% Hi Bio HIDROTEC 20% HI BIO ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC FITOCOBRE BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRI TAL CUPROCAFFARO CUPRAVIT EORAM BLU WP ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT EXTRA COBRE 50 CUREOX 50 IPERIO EORAM MICRO UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE COBRE FLOW CAFFARO SC CUPROCOL CUPRITAL SC IACOPL CUPROCOL ICOLOR FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO cobre (sulfato) XX SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE COBRE EVE (*) SULFATO DE COBRE CADUBAL cobre (sulfato cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT STULL ADVACE COSA WP WP EXOFRE MOLHÁVEL SELECT STULL SC SUFREVIT HEADLAD SULPHUR EXOFRE FLOW SELECT LAIXOFRE L VUL moniliose CHAMPIO KADOS OCIDE 2000 KOCIDE DF KOCIDE OPTI KOLECT (*) VITRA 40 MICRO COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% HI BIO ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 FITOCOBRE CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRITAL CUPRO WP CAFFARO CUPRAVIT EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 IPERIO EORAM MICRO UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE COBRE FLOW CAFFARO SC IACOPL FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO cobre (sulfato) SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE XX 250 COBRE EVE (*) SULFATO DE COBRE CADUBAL cobre (sulfato de cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT Obs: ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em ; 13

15 AMEIXEIRA (cont.) moniliose (cont.) ome comercial STULL ADVACE COSA WP WP EXOFRE MOLHÁVEL SELECTI STULL HEADLAD SULPHUR SC COSA ACTIVE FLOW EXOFRE FLOW SELECT HÉLIOSOUFRE LAIXOFRE L SUPER SIX VUL WP COSA WP EXOFRE MOLHÁVEL ORMETAL SUFREVIT formas hibernantes de insectos e ácaros (tratamento de Inverno) óleo de Verão GARBOL EC TOLFI EO SOLEOL VEROL POMOROL cochonilhas óleo de Verão EO SOLEOL VEROL POMOROL cochonilha de São José óleo de Verão EO VEROL GARBOL cobre (sulfato de cobre tribásico) AMEDOEIRA cancro COBRE 50 SELECT WP 300 CALLICOBRE 50 WP CUPRAVIT CUPRITAL CUPROCAFFARO EORAM BLU FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO SC COBRE FLOW CAFFARO CUPRITAL SC CUPROCOL ICOLOR CUPROCOL 300 OXITEC 25% HI BIO UCOPM 35%HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE crivado CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE 35 DF KOCIDE OPTI VITRA 40 MICRO WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 IPERIO EORAM MICRO 112,5225 OXITEC 25% HI BIO UCOPM35% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 WP BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRA VIT CUPRITAL ULTRA COBRE CUPROCAFFARO EXTRACOBRE 50 EORAM BLU CUPROCOL CUPROCOL ICOLOR IACOPL CUPRITAL SC SC COBRE FLOW CAFFARO FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO SC 24 CUPROXAT lepra CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE 35 DF KOCIDE OPTI KOLECT (*) VITRA 40 MICRO COPERICO 25% HI Bio HIDROTEC 20% HI BIO ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 IPERIO EORAM MICRO 112,5225 OXITEC 25% HI BIO UCOPM35% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 WP BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 EXTRA COBRE 50 CUPRAVIT CUPRITAL CUPROCAFFARO EORAM BLU ULTRA COBRE SC CUPROCOL CUPROCOL ICOLOR IACOPL CUPRITAL SC COBRE FLOW CAFFARO FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO Obs: ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 14

16 AMEDOEIRA (cont.) ome comercial lepra (cont.) SULFATO DE COBRE CADUBAL SULFATO DE COBRE cobre (sulfato) XX CRYSTAL (APV 2206 E APV 396) (*) SULFATO DE COBRE EVE (APV 2205 E APV 3935) (*) cobre (sulfato de cobre SC tribásico) 24 CUPROXAT HEADLAD SULPHUR SC COSA ACTIVE FLOW EXOFRE FLOW SELECT HÉLIOSOUFRE LAIXOFRE L SUPER SIX VUL STULL ADVACE WP COSA WP EXOFRE MOLHÁVEL CC EXOFRE MOLHÁVEL SELECT STULL moniliose CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOCIDE OPTI VITRA 40 MICRO WP 15 GYPSY 50 WP MACC 50 IPERIO EORAM MICRO 168,5 OXITEC 25% HI BIO UCOPM35% HI BIO ; 200 CUPRITAL 50 ADVACE COBRE 50 SELECT WP 500 CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRAVIT CUPRITAL CUPROCAFFARO EORAM BLU ULTRA COBRE CUPROCOL CUPROCOL ICOLOR CUPRITAL SC SC 210 COBRE FLOW CAFFARO FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO cobre (sulfato de cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT HEADLAD SULPHUR SC COSA ACTIVE FLOW EXOFRE FLOW SELECT HÉLIOSOUFRE LAIXOFRE L SUPER SIX VUL STULL ADVACE WP COSA WP EXOFRE MOLHÁVEL SELECT STULL formas hibernantes de insectos e ácaros óleo de Verão EO OLEOFIX POMOROL afídeos azadiractina EC 3,24,8 3 FORTUE AZA mosca da fruta azadiractina EC 3,24,8 3 FORTUE AZA AMORA ácaros eriofideos Óleo de verão EC CITROLE ( m ) Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/há TUREX ( m ) spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) AETO 160 THIOVIT JET ( m ) e nóctuas Bacillus thuringiensis WP 1000 g pc/há TUREX ( m ) Obs: ( m ) Alargamento de espectro para uso menor. ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 15

17 AOEIRA antracnose cobre (sulfato de cobre e WP CALDA BORDALESA SAPEC ( cálcio mistura bordalesa) m ) cochonilhas e cochonilha algodão óleo de Verão EO 1600 FITAOL ( m ) mosca do Mediterrâneo spinosade CB 11,2 L p.c/ha SPITOR CO ( m ) ARROZ algas cobre (sulfato) XX SULFATO DE COBRE CRTAL SAPEC cobre (sulfato de cobretribásico) SC 209 CUPROXAT cobre (sulfato de cobre e cálciomistura bordalesa) WP 340 BORDEAUX CAFFARO 13 CALDA BORDALESA CAFFARO 20 CALDA BORDALESA QUIMAGRO BAAEIRA cercosporiose WP 250 CUPRAVIT aranhiço vermelho DP 19 kg/ha 5 BAGO DE OURO ( m ) mosca branca óleo de Verão EO 800 FITAOL ( m ) traça do cacho Bacillus thuringiensis WP 500 g pc/hl DIPEL TUREX ( m ) BATATEIRA míldio KADOS KOCIDE 35 DF KOCIDE 2000 KOCIDE 0200 OPTI KOLECT (*) ITRA 40 MICRO COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% HI BIO ; WP CHAMPIO WP FITOCOBRE GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 SULFATO DE COBRE CADUBAL SULFATO DE cobre (sulfato) XX COBRE COMBI SULFATO DE COBRE CRTAL SAPEC cobre (sulfato de cobre (tribásico) SC 24 CUPROXAT CALDA BORDALESA SAPEC CALDA BORDALESA SELECT cobre (sulfato de cobre e cálciomistura bordalesa) WP BORDEAUX CAFFARO 13 CALDA BORDALESA CAFFARO 20 CALDA BORDALESA RSR CALDA BORDALESA QUIMAGRO CALDA BORDALESA QUIMIGAL (*) (APV2211) CALDA BORDALESA VALLES CALDA BORDALESA UFFARM CALDA BORDALESA QUIMIGAL (APV3852) escaravelho ALIG FORTUE AZA azadiractina EC 3,2 4,8 3 ome comercial spinosade SC 2,43,6 14 SPITOR traça da batata Bacillus thuringiensis WP g pc/ha SEQURA BERIGELA Bacillus thuringiensis WP 100 g pc/hl TUREX ( m ) spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) ;, Bacillus thuringiensis WP 1 Kg pc/ha (38 g sa/ha) BETERRABA DE MESA TUREX ( m ) Obs: ( m ) Alargamento de espectro para uso menor. ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 16

18 ome comercial BETERRABA SACARIA SC 480 EXOFRE MOLHÁVEL CC LAIXOFREL CAADEAÇUCAR cochonilha algodão óleo de Verão EO 1600 FITAOL ( m ) CASTAHEIRO cancro cobre(oxicloreto) WP 500 CUPROCAFFARO ( m ), cobre (óxido cuproso) g pc/hl COBRE ORDOX SUPER 5 ( m ) doença da tinta cobre(oxicloreto) WP 665 ULTRA COBRE CEBOLIHO míldio 105 KOCIDE 35 DF ( m ). e nóctuas Bacillus thuringiensis WP 1000g pc/ha TUREX ( m ) spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) CEREFÓLIO larvas mineiras spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) spinosade SC 9,6 3 SPITOR ( m ) CEREJEIRA formas hibernantes de insectos e ácaros (tratamento de Inverno) EC GARBOL óleo de Verão EO OLEOFIX SOLEOL VEROL POMOROL KLIK 80 EO FITAOL cochonilhas óleo de Verão EO OLEOFIX POMOROL SOLEOL VEROL cochonilha de São José óleo de Verão EO VEROL GARBOL afídeos azadiractina EC 3,24,8 3 FORTUE AZA mosca da cereja azadiractina EC 3,24,8 3 FORTUE AZA cancro bacteriano CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOLECT (*) VITRA 40 MICRO KOCIDE OPTI COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% Hi Bio ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 CHAM PIO WP FITOCOBRE CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRITAL CUPROCAFFARO WP 300 CUPRAVIT EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT CUREOX CUPRITAL 50 ADVACE UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO ; COBRE FLOW CAFFARO SC CUPROCOL CUPRITAL SC CUPROCOL ICOLOR FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO cobre (sulfato) XX Cu SULFATO DE COBRE CADUBAL SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE COBRE EVE (*) cobre (sulfato de cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT Obs: ( m ) Alargamento de espectro para uso menor. ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 1

19 CEREJEIRA (cont.) ome comercial crivado CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOLECT (*) VITRA 40 MICRO KOCIDE OPTI COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% Hi Bio ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 FITO COBRE BLAURAME CALLICOBRE 50 WP CUPRITAL CUPROCAF WP FARO CUPRAVIT EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT EXTRA COBRE 50 CUREOX 50 COBRE FLOW CAFFARO SC CUPROCOL CUPRITAL SC IACOPL CUPROCOL ICOLOR FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO IPERIO EORAM MICRO UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE cobre (sulfato) XX SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE COBRE EVE (*) SULFATO DE COBRE CADUBAL cobre (sulfato de cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT lepra CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOLECT (*) VITRA 40 MICRO KOCIDE OPTI COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% Hi Bio ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 FITO COBRE BLAURAME CALLICOBRE 50 WP CUPRITAL CUPROCAF WP FARO CUPRAVIT EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT EXTRA COBRE 50 CUREOX 50 IPERIO EORAM MICRO UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE COBRE FLOW CAFFARO SC CUPROCOL CUPRITAL SC IACOPL CUPROCOL ICOLOR FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO cobre (sulfato) XX SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE COBRE EVE (*) cobre (sulfato de cobre tribásico) SC 24 CUPROXAT STULL ADVACE COSA WP WP EXOFRE MOLHÁVEL CC EXOFRE MOLHÁVEL SELECT STULL HEADLAD SULPHUR SC COSA ACTIVE FLOW EXOFRE FLOW SELECT HÉLIOSOUFRE LAIXOFRE L SUPER SIX VUL moniliose CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOLECT (*) VITRA 40 MICRO KOCIDE OPTI COPERICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% Hi Bio ; WP GYPSY 50 WP HIDROTEC 50% WP MACC 50 FITO COBRE CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRITAL CUPROCAFFARO WP CUPRAVIT EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 IPERIO EORAM MICRO UCOP M 35% HI BIO OXITEC 25% HI BIO ; CUPRITAL 50 ADVACE COBRE FLOW CAFFARO SC CUPROCOL CUPRITAL SC IACOPL CUPROCOL ICOLOR FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO Obs: ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 18

20 cobre (sulfato) cobre (sulfato de cobre tribásico) XX CEREJEIRA (cont.) moniliose (cont.) 250 SULFATO DE COBRE CRYSTAL (*) SULFATO DE COBRE EVE (*) SULFATO DE COBRE CADUBAL SC 24 CUPROXAT WP SC ome comercial (5) (6) STULL ADVACE (5) COSA WP (6) EXOFRE MOLHÁVEL SELECT STULL HEADLAD SULPHUR (5) (6) COSA ACTIVE FLOW EXOFRE FLOW SELECT HÉLIOSOUFRE LAIXOFRE L SUPER SIX VUL CHICÓRIA/ESCAROLA e nóctuas Bacillus thuringiensis WP 1000g pc/ha TUREX ( m ) spinosade SC 9,612 3 SPITOR ( m ) CITRIOS alternariose 168,5 IPERIO EORAM MICRO CUPRITAL 50 ADVACE, 95 OXITEC 25% HI BIO UCOP M 35% HIBIO, BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRA VIT CUPRITAL CUPROCAFFARO EORAM BLU WP ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 EXTRA COBRE 50 COBRE FLOW CAFFARO; FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO SC CUPRITAL SC CUPROCOL CUPROCOL ICOLOR, IACOPL antracnose CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOCIDE 35 DF KOCIDE OPTI (*) VITRA 40 MICRO ,5 COPÉRICO 25% Hi Bio HIDROTEC 20% Hi Bio ; WP CHAMPIO WP FITOCOBRE HIDROTEC 50% WP GYPSY 50 WP MACC50 gomose SULFATO DE COBRE CADUBAL SULFATO DE COBRE cobre (sulfato) XX 2500 COMBI SULFATO DE COBRE CRTAL SAPEC SULFATO DE COBRE CRYSTAL (APV 396) (*) SULFATO DE COBRE EVE (APV 3935) (*) CALDA BORDALESA QUIMAGRO, cobre (sulfato de cobre e cálcio mistura bordalesa) CALDA BORDALESA QUIMIGAL (APV 2211) (*) WP CALDA BORDALESA QUIMIGAL (APV 3852) CALDA, BORDALESA VALLES 2000 PEGASUS, míldio CHAMPIO KADOS KOCIDE 2000 KOCIDE DF KOCIDE 35 DF KOCIDE OPTI KOLECT (*) VITRA 40 MICRO ,5 COPÉRICO 25% HIBio HIDROTEC 20% HIBio, CHAMPIO WP FITOCOBRE HIDROTEC 50% WP WP GYPSY 50 WP MACC50 Obs: ( m ) Alargamento de espectro para uso menor. ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em 19

21 cobre (sulfato) XX cobre (sulfato de cobre e cálcio mistura bordalesa) CITRIOS (cont.) míldio (cont.) 168,5 IPERIO EORAM MICRO CUPRITAL 50 ADVACE, 95 OXITEC 25% HI BIO UCOP M 35% HIBIO, BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRAVIT CUPRITAL CUPROCAFFARO EO WP RAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 EXTRA COBRE 50 COBRE FLOW CAFFARO SC CUPRITAL SC CUPROCOL CUPROCOL ICOLOR IACOPL, FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO SULFATO DE COBRE CADUBAL SULFATO DE COBRE COMBI SULFATO DE COBRE CRTAL SAPEC SULFATO DE COBRE CRYSTAL (APV 396) (*) SULFATO DE COBRE EVE (APV 3935) (*) WP CALDA BORDALESA UFARM CALDA BORDALESA QUIMIGAL (APV 2211 (*) e APV 3852) CALDA BOR DALESA VALLES BORDEAUX CAFFARO 13 CALDA BORDALESA CAFFARO 20 CALDA BORDALESA QUIMAGRO CALDA BORDALESA RSR cobre (sulfato Cu tribásico) SC 24 CUPROXAT pinta negra CHAMPIO KADOS KOCIDE DF KOCIDE OPTI Cu KOCIDE 35 DF KOCIDE 2000 KOLECT VITRA 40 MICRO ,5 COPÉRICO 25% HIBIO HIDROTEC 20% HI BIO ; WP Cu CHAMPIO WP FITOCOBRE HIDROTEC 50% WP GYPSY 50 WP MACC50,, 168,5 IPERIO EORAM MICRO CUPRITAL 50 ADVACE 95 WP Cu SC Cu cobre (sulfato) XX cobre (sulfato de Cu tribásico) cobre (sulfato de cobre e cálcio mistura bordalesa) OXITEC 25%HIBIO UCOP M 35% HI BIO BLAURAME CALLICOBRE 50 WP COZI 50 CUPRA VIT CUPRITAL CUPROCAFFARO EXTRA COBRE 50 EORAM BLU ULTRA COBRE COBRE 50 SELECT CUREOX 50 COBRE FLOW CAFFARO FLOWBRIX FLOWBRIX BLU FLOWRAM CAFFARO CUPRITAL SC CUPROCOL CUPROCOL ICOLOR IACOPL SULFATO DE COBRE CADUBAL SULFATO DE COBRE COMBI SULFATO DE COBRE CRTAL SAPEC SULFATO DE COBRE CRYSTAL ( APV 396)* SULFATO DE COBRE EVE ( APV 3935)* SC 24 CUPROXAT WP azadiractina EC 3,24,8 afídeos 3 ALIG FORTUE AZA cochonilhas CITROLE EC GARBOL óleo de Verão TOLFI EO 1600 CALDA BORDALESA UFARM CALDA BORDALESA QUIMIGAL (APV 3852) CALDA BORDALESA VALLES CALDA BORDALESA QUIMIGAL (APV 2211) (*) BORDEAUX CAFFARO 13 CALDA BORDALESA CAFFARO 20 CALDA BORDALESA QUIMAGRO CALDA BORDALESA RSR OLEOFIX POMOROL SOLEOL VEROL FITAOL KLIK 80 ome comercial Obs: ( * ) Consultar a lista de cancelamento de uso para produtos comerciais disponível no site da DGADR em ;, 20

10 / 2013 7 de Junho. Bichado da fruta

10 / 2013 7 de Junho. Bichado da fruta 10 / 2013 7 de Junho Pomoídeas Macieiras e Pereiras Pedrado O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê a ocorrência de precipitação a partir de 7 de Junho, prolongando se por toda a semana Nesta

Leia mais

Formulação: Grânulos dispersíveis em água com 80% (p/p) de enxofre. Grupo químico: Inorgânico APV nº 3764 Classificação toxicológica: Sensibilizante

Formulação: Grânulos dispersíveis em água com 80% (p/p) de enxofre. Grupo químico: Inorgânico APV nº 3764 Classificação toxicológica: Sensibilizante 400 g 25 Kg Formulação: Grânulos dispersíveis em água com 80% (p/p) de enxofre. Grupo químico: Inorgânico APV nº 3764 Classificação toxicológica: Sensibilizante Caractersticas: O Alaska Micro é eficaz

Leia mais

PROTECÇÃO FITOSSANITÁRIA EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

PROTECÇÃO FITOSSANITÁRIA EM AGRICULTURA BIOLÓGICA AGRICULTURA BIOLÓGICA ISABEL BARROTE PROTECÇÃO FITOSSANITÁRIA EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Fazer Agricultura Biológica não é substituir a utilização de adubos e produtos fitofarmacêuticos por outros, homologados

Leia mais

Formulação / Composição

Formulação / Composição FICHA TÉCNICA Insecticida indicado no combate aos afídeos (piolhos) do pessegueiro, macieira, pereira, citrinos, couve de bruxelas, feijoeiro, pepino, alface, batateira, roseiras, craveiros, crisântemos,

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ACONSELHADOS EM PROTECÇÃO INTEGRADA

ACTUALIZAÇÃO DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ACONSELHADOS EM PROTECÇÃO INTEGRADA óleo de Verão cihexaestanho(*) óleo de Verão ACOSELHADOS EM PROTECÇÃO ITEGRADA MACIEIRA ICLUSÃO DE SUBSTÂCIA ACTIVA E OME COMERCIAL EXCLUSÃO DE SUBSTÂCIA ACTIVA E OME COMERCIAL PERMSÃO TEMPORÁRIA RECTIFICAÇÃO

Leia mais

A sua defesa pessoal contra as pragas dos pomares

A sua defesa pessoal contra as pragas dos pomares A sua defesa pessoal contra as pragas dos pomares KARATE ZEON é o produto de referência a nível global para o controlo de múltiplas pragas num vasto número de culturas. Em comparação com outros produtos,

Leia mais

Plantas a cultivar. Pragas e doenças

Plantas a cultivar. Pragas e doenças a a Abóbora Afídios, cochonilhas Chicória, feijão verde Alface -Junho Pulgão, lagarta, tesourinha Alho francês Maio septoriose, cercosporiose Sclerotinia, míldio, vírus do mosaico. Aipo, cebola, cenoura,

Leia mais

1 Litro 018 EC L135729 PORT/5L. Acaricida e Insecticida para Tomateiro, Morangueiro, Citrinos, Macieira, Pereira, Flores e Ornamentais

1 Litro 018 EC L135729 PORT/5L. Acaricida e Insecticida para Tomateiro, Morangueiro, Citrinos, Macieira, Pereira, Flores e Ornamentais L135729 PORT/5L AGI Code 27884 Mod. 010306 018 EC Acaricida e Insecticida para Tomateiro, Morangueiro, Citrinos, Macieira, Pereira, Flores e Ornamentais Concentrado para emulsão com 18 g/l 1,9% (p/p) de

Leia mais

Fungicida sistémico e de contacto, indicado para combater a podridão cinzenta (Botrytis spp.) em diversas culturas.

Fungicida sistémico e de contacto, indicado para combater a podridão cinzenta (Botrytis spp.) em diversas culturas. Fungicida sistémico e de contacto, indicado para combater a podridão (Botrytis spp.) em diversas culturas. Formulação / Composição Grânulos dispersíveis em água com 37,5% (p/p) de ciprodinil + 25% (p/p)

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

OS FRUTOS E OS VEGETAIS

OS FRUTOS E OS VEGETAIS OS FRUTOS E OS VEGETAIS Os frutos e os vegetais representam uma parte fundamental da alimentação saudável! De um modo geral, podemos dizer que estes alimentos são fornecedores indispensáveis de minerais

Leia mais

AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO

AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO CADERNO DE CAMPO A SER UTILIZADO NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO INTEGRADA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROPRIETÁRIO Nome: Morada: Nº HF: NIF: Código Postal: - Localidade: Telefone: Telemóvel: Email:

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Reprodução sujeita a autorização ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Circular nº 07 21. 05. 2012 VINHA Com a subida de temperatura registada nas últimas semanas, as vinhas responderam com francos

Leia mais

DECA FICHA TÉCNICA INSECTICIDA

DECA FICHA TÉCNICA INSECTICIDA DECA FICHA TÉCNICA INSECTICIDA Autorização de Venda nº 0292 concedida pela DGAV Composição 25 g/l ou 2,81% (p/p) de deltametrina Contém solvente nafta (petróleo) aromática leve Formulação Concentrado para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Produção Integrada em vinha Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

www.lusosem.pt Lusosem 2010/11 Soluções de Qualidade Inovadoras e Rentáveis

www.lusosem.pt Lusosem 2010/11 Soluções de Qualidade Inovadoras e Rentáveis 2010/11 www.lusosem.pt Soluções de Qualidade Inovadoras e Rentáveis A Lusosem disponibiliza e desenvolve uma Gama de Produtos de Qualidade em permanente evolução, adaptados às necessidades do mercado nacional,

Leia mais

VINHA MÍLDIO (situação)

VINHA MÍLDIO (situação) ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Circular nº 2 17.03. 2010 VINHA MÍLDIO (situação) Os oósporos colocados nos vários locais da região, ainda não se encontravam maduros, na segunda semana de Março.

Leia mais

I CRITÉRIOS DE APLICAÇÃO DOS BLOCOS FORMATIVOS CAPITALIZÁVEIS

I CRITÉRIOS DE APLICAÇÃO DOS BLOCOS FORMATIVOS CAPITALIZÁVEIS INTRODUÇÃO A regulamentação da Intervenção Medidas Agro-ambientais introduziu a obrigatoriedade de os seus beneficiários obterem formação específica, designadamente sobre Protecção e Produção Integrada,

Leia mais

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Consociação favorável entre plantas hortícolas consiste em cultivar dentro do mesmo canteiro diferentes espécies de plantas (culturas) que se complementam

Leia mais

Trabalho realizado pelos alunos do 3.º ano de escolaridade. Ilustrações - As aves e os peixes do Sapal de Corroios

Trabalho realizado pelos alunos do 3.º ano de escolaridade. Ilustrações - As aves e os peixes do Sapal de Corroios Trabalho realizado pelos alunos do 3.º ano de escolaridade Ilustrações - As aves e os peixes do Sapal de Corroios Coordenadora Professora Fernanda Franco (Pintura sobre azulejo sobre as tradições de Corroios

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

A importância da Fruticultura na Ilha Terceira

A importância da Fruticultura na Ilha Terceira A importância da Fruticultura na Ilha Terceira David João Horta Lopes Jornadas Agrícolas da Praia da Vitória Casa do Povo da Fonte de Bastardo 9 a 11 de março de 2012 Planta no centro do ecossistema Amaro

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

ÍNDICE. Organismos de controlo reconhecidos para o modo de produção biológico 21

ÍNDICE. Organismos de controlo reconhecidos para o modo de produção biológico 21 MANUAL DE CONVERSÃO AO MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Isabel Barrote Novembro de 2010 2 ÍNDICE Nota introdutória 3 Definição de agricultura biológica 4 Quais são os produtos da

Leia mais

O Picaroto Almanaque Agrícola 2015

O Picaroto Almanaque Agrícola 2015 O Picaroto Almanaque Agrícola 2015 P á g i n a 2 O P i c a r o t o Janeiro 2015 O que semear e plantar Faz-se os canteiros de pimenteiros, malaguetas e batata-doce. Nesta altura, há necessidade de cobrir

Leia mais

Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE)

Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE) Direção Geral Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE) Pulverizações aéreas www.dgav.pt Direção Geral Diretiva Quadro do Uso Sustentável dos Pesticidas Estabelece um quadro para uma utilização

Leia mais

DIRECTIVAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE AZEITONAS

DIRECTIVAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE AZEITONAS Organização Internacional de Luta Biológica e Protecção Integrada (OILB) DIRECTIVAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE AZEITONAS DIRECTIVA TÉCNICA III DA OILB 2002, 1ª. edição (Texto original em inglês) Este

Leia mais

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja Receitas de Sucos Sucos com Frutas Suco de abacaxi e gengibre 1 abacaxi médio bem maduro 1 colher de sopa de gengibre fresco picado 4 copos de água Lavar bem o abacaxi usando uma escova. Descascar com

Leia mais

I Encontro Nacional sobre Registro de Agrotóxicos para CSFI. Roberson Marczak Innovation Manager

I Encontro Nacional sobre Registro de Agrotóxicos para CSFI. Roberson Marczak Innovation Manager I Encontro Nacional sobre Registro de Agrotóxicos para CSFI Brasilia- 26 / 10 / 2011 Roberson Marczak Innovation Manager Portfolio MILENIA para CSFI Fungicidas Inseticidas arcadia supra SC Herbicidas 2

Leia mais

Ministério d DL 382/2008 2008.07.07

Ministério d DL 382/2008 2008.07.07 DL 382/2008 2008.07.07 A legislação comunitária relativa ao estabelecimento de limites máximos de resíduos de substâncias activas de produtos fitofarmacêuticos, carece de permanente actualização por questões

Leia mais

TABELA DE ph DOS ALIMENTOS

TABELA DE ph DOS ALIMENTOS TABELA DE ph DOS ALIMENTOS Esta tabela não representa o ph real dos alimentos (antes de serem consumidos), representa sim algo mais importante, que é a sua capacidade de produzir "resíduos" mais ou menos

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

Seguros Agrícolas O Sistema Português

Seguros Agrícolas O Sistema Português Seguros Agrícolas O Sistema Português Por Pedro Santos Toda a actividade agrícola está sujeita a variadíssimos riscos, sendo os provocados pelas condições meteorológicas os mais imprevisíveis e menos controláveis.

Leia mais

Almanaque da Escola Básica de Sismaria da Gândara

Almanaque da Escola Básica de Sismaria da Gândara Agrupamento de Escolas de Marrazes/ Leiria Contigo vamos semear o futuro Trabalho realizado por : Professores e alunos da Escola Básica de Sismaria da Gândara Almanaque da Escola Básica de Sismaria da

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO CIRCULAR Nº 14 / 2009 CASTELO BRANCO, 22 DE JULHO 1 PRUNÓIDEAS Pessegueiros 1.1 - Mosca da fruta (Ceratitis capitata ) As condições climáticas são favoráveis ao aparecimento da mosca da fruta. Já registámos

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Circular nº 15 21.09. 2010 Reprodução sujeita a autorização Impresso na Estação de Avisos de Entre Douro e Minho Realização técnica: J. F. Guerner Moreira (Eng.º

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA António Mantas am@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio de garantir a sua conformidade com normas e outros documentos

Leia mais

CENTROS DE RECOLHA VALORFITO

CENTROS DE RECOLHA VALORFITO CENTROS DE RECOLHA VALORFITO AGRO-AMARES, LDA R. Nossa Sra. de Fátima nº 2 4720-015 AMARES Tel.: 253 991 758 ALMEIDA SILVA & FILHOS, LDA Av. do Cruzeiro nº 26 4720-472 AMARES Tel.: 253 361 466 AMARZOO,

Leia mais

HORTALIÇAS. Valorize sua alimentação com hortaliças de diferentes cores. Segurança Alimentar e Nutricional. Cartilha:

HORTALIÇAS. Valorize sua alimentação com hortaliças de diferentes cores. Segurança Alimentar e Nutricional. Cartilha: Cartilha: HORTALIÇAS Valorize sua alimentação com hortaliças de diferentes cores Segurança Alimentar e Nutricional Pedagoga Dóris Florêncio Ferreira de Alvarenga Departamento Técnico EMATER MG Economista

Leia mais

O USO DE MACERAÇÕES E DE COZIMENTOS DE PLANTAS NA SAÚDE DAS CULTURAS. ADVID Régua Ana Teresa Ferreira 22 de Março de 2013

O USO DE MACERAÇÕES E DE COZIMENTOS DE PLANTAS NA SAÚDE DAS CULTURAS. ADVID Régua Ana Teresa Ferreira 22 de Março de 2013 ALTERNATIVAS AO COBRE EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O USO DE MACERAÇÕES E DE COZIMENTOS DE PLANTAS NA SAÚDE DAS CULTURAS ADVID Régua Ana Teresa Ferreira 22 de Março de 2013 SAÚDE DA VINHA Factores Influentes

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Métodos naturais de defesa

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Métodos naturais de defesa Projeto 10.000 Hortas na á frica Métodos naturais de defesa w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m Porque escolher métodos naturais de defesa Para defender as hortas das adversidades (patologias

Leia mais

Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente Câmara Setorial de Palma de Óleo 21 de Setembro de 2012

Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente Câmara Setorial de Palma de Óleo 21 de Setembro de 2012 Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente Câmara Setorial de Palma de Óleo 21 de Setembro de 2012 Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Desenvolvimento de novas moléculas Registro

Leia mais

ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA FAMILIAR

ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA FAMILIAR INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL CENTRO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL CENTRO SERRANO ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

EXEMPLO DE PREENCHIMENTO

EXEMPLO DE PREENCHIMENTO EXEMPLO DE PREENCHIMENTO COMPONENTE VEGETAL Este Caderno de Campo hipotético apenas pretende exemplificar uma maneira de arrumar os registos inerentes à actividade desenvolvida na condução de: um pomar

Leia mais

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12 ALMOÇO 1 Dia 2 Dia 3 Dia de ervas -Pão torrado -Mamão - fruta (melão) ou água de côco -Salada de folhas temperadas c/ azeite e orégano. -1 prato de sobremesa de legumes cozidos ou purê de batatas. - Arroz

Leia mais

Auxiliares e outros meios de controlo de pragas e doenças do olival

Auxiliares e outros meios de controlo de pragas e doenças do olival Auxiliares e outros meios de controlo de pragas e doenças do olival Isabel Patanita, Cláudia Gonçalves, Paula Nozes, Fátima Dias, Francisco Alvim, Preciosa Fragoso & Margarida Pereira Pragas da oliveira

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS USO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS USO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ORIENTAÇÃO TÉCNICA CONDICIONALIDADE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS USO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS O Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro que veio revogar a Directiva 91/414/CEE, de 15 de julho,

Leia mais

Grade de Agroquímicos

Grade de Agroquímicos Produção Integrada de Manga PI Manga Grade de Agroquímicos Fungicidas, inseticidas, acaricidas e agroquímicos de uso geral registrado no MAPA para uso na cultura da Manga. Os fungicidas, inseticidas, acaricidas

Leia mais

Sumário. I. Introdução II. Organização comercial III. Índice Geral IV. Índice por substância activa. Símbolos VI. Glossário. b. Siglas das Formulações

Sumário. I. Introdução II. Organização comercial III. Índice Geral IV. Índice por substância activa. Símbolos VI. Glossário. b. Siglas das Formulações 150 anos 2015 Sumário I. Introdução II. III. IV. V. Organização comercial Índice Geral Índice por substância activa Símbolos VI. VII. VIII. Glossário a. Geral b. Siglas das Formulações Indicações técnicas

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA. Centro Tecnológico do Sul de Minas - CTSM

CIRCULAR TÉCNICA. Centro Tecnológico do Sul de Minas - CTSM CIRCULAR TÉCNICA N. 160 - Junho - 2003 1 Centro Tecnológico do Sul de Minas - CTSM Caixa Postal 176, CEP 37200-000 Lavras - MG - Telefax: (035) 3821-6244 e-mail: ctsm@epamig.ufla.br TRATAMENTO DE INVERNO

Leia mais

Dieta do Mix de Fibras - 2 Kg em 4 Dias

Dieta do Mix de Fibras - 2 Kg em 4 Dias Dieta nas Festas Dieta nas Festas Selecionamos aqui três dietas eficazes para você se preparar antes das festas e uma dieta desintoxicante para recuperar seu corpo depois delas! Dieta do Mix de Fibras

Leia mais

Tapioca. Delícia. sem gluten. Mais saude com. 5kg em 1 mês. Ideal para evitar o inchaço. Receitas nutritivas. Melhor do que pão? recheios.

Tapioca. Delícia. sem gluten. Mais saude com. 5kg em 1 mês. Ideal para evitar o inchaço. Receitas nutritivas. Melhor do que pão? recheios. Mais saude com consultoria de Tapioca R$ Queime 5kg em 1 mês incluindo tapioca no cardápio Todas as matérias com especialistas Mais Saúde com Tapioca Ano 1, nº 1-2015 4,99 Receitas nutritivas Sucos, cereais

Leia mais

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary Tomada de decisão Tratar quando aparecerem os primeiros sintomas e sempre que se verificarem as condições favoráveis ao desenvolvimento da doença: Humidade relativa elevada, superior a 50%; Temperaturas

Leia mais

Almanaque Serra da Estrela

Almanaque Serra da Estrela Almanaque Serra da Estrela ESCOLA EVARISTO NOGUEIRA 5º ano turma B maio 2014 PÁGINA 1 Janeiro / January Não há luar como o de janeiro nem amor como o primeiro. Domingo Sunday Segunda Monday Terça Tuesday

Leia mais

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Acidez do solo e calagem Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 2: Parte 1 - Acidez do Solo Acidez do solo. Significado da acidez do solo - Efeito direto e indireto. Tipos de

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Algumas sugestões para tornar os seus pratos mais aromáticos e saborosos e menos salgados!

Algumas sugestões para tornar os seus pratos mais aromáticos e saborosos e menos salgados! Algumas sugestões para tornar os seus pratos mais aromáticos e saborosos e menos salgados! Substitua o sal por ervas aromáticas e especiarias nos seus cozinhados!!! Aipo Açafrão Açafrão da terra ou curcuma

Leia mais

Breve Introdução sobre os OGM

Breve Introdução sobre os OGM DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO AGROALIMENTAR E RURAL DIVISÃO DE SANIDADE VEGETAL E SEGURANÇA ALIMENTAR Breve Introdução sobre os OGM O cultivo de variedades de milho geneticamente modificadas

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

MANUAL DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRAMBOESA

MANUAL DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRAMBOESA MANUAL DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRAMBOESA DIREÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE AGRICULTURA E PECUÁRIA 2012 MANUAL DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRAMBOESA Autor José Adriano Mota

Leia mais

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Antonio Carlos Ferreira da Silva 1, Luiz Augusto Martins Peruch 2 e Darci Antonio Althoff

Leia mais

Manejo de pragas MARÇO, 2014

Manejo de pragas MARÇO, 2014 Manejo de pragas MARÇO, 2014 COMO OCORREM OS ATAQUES DE PRAGAS???? A planta ou parte da planta cultivada só será atacada por um inseto, ácaro, nematóide ou microorganismo (fungos ou bactérias), quando

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016.

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

O que é Agricultura Biológica. Uma herança de orgulho às gerações vindouras

O que é Agricultura Biológica. Uma herança de orgulho às gerações vindouras Benvindos O que é Agricultura Biológica Uma herança de orgulho às gerações vindouras Qualidade Qualidade Proteção do ambiente Qualidade Proteção do ambiente Valorização local Desenvolvimento rural Qualidade

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS DIRECÇÃO REGIONAL DE ESTATÍSTICA INDICADORES DE ACTIVIDADE ECONÓMICA ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA Ano de 2008 Catalogação Recomendada

Leia mais

Ficha de Divulgação n.º 03 (Atualizada em maio de 2014)

Ficha de Divulgação n.º 03 (Atualizada em maio de 2014) Oídio ou cinzeiro Ficha de Divulgação n.º 03 (Atualizada em maio de 20) VINHA Estação de Avisos Agrícolas do Algarve Eugénia Neto Phomopsis viticola (Sacc.) Sacc. Biologia Esta doença é causada por um

Leia mais

ANEXO 7 CONSTITUIÇÃO DAS REFEIÇÕES ESCOLAS A TEMPO INTEIRO

ANEXO 7 CONSTITUIÇÃO DAS REFEIÇÕES ESCOLAS A TEMPO INTEIRO ANEXO 7 CONSTITUIÇÃO DAS REFEIÇÕES ESCOLAS A TEMPO INTEIRO CARATERÍSTICAS DAS REFEIÇÕES: COMPOSIÇÃO E CAPITAÇÕES 1. O adjudicatário obriga-se a fornecer, durante o período previsto e diariamente, 2 lanches

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Cultivo do tomateiro Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Tomateiro (Lycopersicon esculentum) Centro de origem: América do Sul Centro de domesticação: México Diversos segmentos

Leia mais

4/5/2009. Hortaliças

4/5/2009. Hortaliças Hortaliças P R O F. M Í R I A N P A T R Í C I A P A I X Ã O 1- Conceito Vegetais geralmente cultivados em hortas. De forma genérica compreendem as partes comestíveis da planta: raízes tuberosas, tubérculos,

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

Manutenção do solo da vinha

Manutenção do solo da vinha 01/2014 Régua, 30 de janeiro de 2014 Manutenção do solo da vinha Sr. Agricultor: Nas vinhas adultas (com mais de três anos) em que o solo se encontra coberto com infestantes muito desenvolvidas aconselhamos

Leia mais

Sugestões para a construção da sua horta

Sugestões para a construção da sua horta H ortas Urbanas Sugestões para a construção da sua horta 1 Ficha Técnica Título: Hortas Urbanas A natureza é o único livro que oferece um conteúdo valioso em todas as suas folhas Johann Goethe Direcção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração ESCLARECIMENTO A Comissão de Pregão, da Prefeitura Municipal de Patos de Minas/MG, através de sua Pregoeira designada, atendendo ao interesse público e Ofício 103/2010 SMDS/GEGAD, faz esclarecimento quanto

Leia mais

ANEXO I GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA RELAÇÃO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E SUAS ESPECIFICAÇÕES. GÊNERO ALIMENTÍCIO

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

CALDA BORDALESA QUIMAGRO

CALDA BORDALESA QUIMAGRO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA De acordo com Regulamento 1907/2006 CALDA BORDALESA QUIMAGRO IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Tipo de produto: CALDA

Leia mais

Kocide WDG. A evolução do cobre. A importância do cobre na produção cafeeira. Informe técnico

Kocide WDG. A evolução do cobre. A importância do cobre na produção cafeeira. Informe técnico Kocide WDG. A evolução do cobre. A importância do cobre na produção cafeeira. Informe técnico ÍNDICE Introdução...03 Kocide wdg... 08 Fungicidas cúpricos... 04 Kocide wdg Eficiência da conversão em Cu

Leia mais

É de pequenino que se cultiva o pepino. Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê.

É de pequenino que se cultiva o pepino. Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê. É de pequenino que se cultiva o pepino Como uma escola em Byron Bay, na Australia, fez uma horta e porquê. Porquê hortas nas escolas? As hortas ligam as crianças aos recursos alimentares As crianças tomam

Leia mais

Produção de Alimentos Orgânicos

Produção de Alimentos Orgânicos Curso FIC Produção de Alimentos Orgânicos Fernando Domingo Zinger fernando.zinger@ifsc.edu.br 11/08/2015 Qualidade dos Alimentos Preocupação da população com: Impactos sociais e ambientais dos sistemas

Leia mais

CARDÁPIO DA SEMANA. 2ª Feira (29/09) 3ª Feira (30/09) 4ª Feira (01/10) 5ª Feira (02/10) 6ª Feira (03/10) LANCHES (PERÍODOS MATUTINO E VESPERTINO)

CARDÁPIO DA SEMANA. 2ª Feira (29/09) 3ª Feira (30/09) 4ª Feira (01/10) 5ª Feira (02/10) 6ª Feira (03/10) LANCHES (PERÍODOS MATUTINO E VESPERTINO) 2ª Feira (29/09) 3ª Feira (30/09) 4ª Feira (01/10) 5ª Feira (02/10) 6ª Feira (03/10) Feriado Feriado Barquinha de minipão francês integral com mussarela e orégano Suco de manga Mamão com granola Soft roll

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica ANEXO I Especificação Técnica UNIDADES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABACAXI: Fruto colhido maduro, o que é indicado quando a malha do fruto estiver aberta; o padrão desejado são frutos com peso acima de 1,8 (um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Instituto de Ciências Agrárias

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Instituto de Ciências Agrárias UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Instituto de Ciências Agrárias Apostila Potássio Prof. Dr. Gaspar H. Korndörfer Potássio na Planta - Maior vigor e resistência às doenças; Afeta a produção de amido,

Leia mais

PRÉ DETOX LISTA DE COMPRAS

PRÉ DETOX LISTA DE COMPRAS PRÉ DETOX LISTA DE COMPRAS SUPERMERCADOS E LOJAS: SÃO PAULO: Pão de Açúcar St. Marché Santa Luzia Mundo Verde Estação dos Grãos LOJAS VIRTUAIS: Casa de Saron Natue Estação dos Grãos Monama Organomix Zona

Leia mais

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha)

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Dados Agronómicos Cultura Produtividade Preço de venda Milho grão de regadio 12.000 kg/ha 9 a 12.000kg palha 1/1,7 palha 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Custos de Produção Taxa Região 70% 4% Évora Milho

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alcoutim

Agrupamento de Escolas de Alcoutim Semana de 05 a 09 de janeiro de 2015 Dia 05-01-2015 (2ª Feira) Sopa: Primavera (nabo, cebola, brócolos, bagos de ervilhas, frade e alface) Prato: Almondegas de aves com arroz de manteiga e legumes salteados

Leia mais

Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez. Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI)

Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez. Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Agenda Produtos / Culturas / Alvos Projetos Bayer: Investimentos & Prazos Bayer CropScience Visão

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

sal.final.qxp 06/06/02 1:35 Page 1

sal.final.qxp 06/06/02 1:35 Page 1 sal.final.qxp 06/06/02 1:35 Page 1 sal.final.qxp 06/06/02 1:35 Page 2 2 sal.final.qxp 06/06/02 1:35 Page 3 Sal Colecção: Princípios para uma Alimentação Saudável Edição: Direcção Geral da Saúde Alameda

Leia mais

NUTRIÇÃO BASEADA EM PLANTAS

NUTRIÇÃO BASEADA EM PLANTAS NUTRIÇÃO BASEADA EM PLANTAS COMER SAUDÁVELMENTE SEM PRODUTOS DERIVADOS DE ANIMAIS INTRODUÇÃO: Cada vez mais, por variadas razões, as pessoas querem reduzir o consumo de produtos de origem animal. Seja

Leia mais

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying Merendeira 1) Objetivos Gerais Através do trabalho da merendeira, aprofundar os conhecimentos sobre a preparação de uma refeição saudável com o uso dos utensílios e eletrodomésticos presentes na cozinha.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO RURAL E PESCAS. N. o 195 19 de Agosto de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 5405

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO RURAL E PESCAS. N. o 195 19 de Agosto de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 5405 N. o 195 19 de Agosto de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 5405 4 (Anterior n. o 3.) 5 (Anterior n. o 4.) 6 (Anterior n. o 5.) Artigo 91. o Aplicação do Código Cooperativo às cooperativas existentes 1...

Leia mais

Controlo do bichado. Mais eficaz! Mais rentável!

Controlo do bichado. Mais eficaz! Mais rentável! Controlo do bichado Mais eficaz! Mais rentável! Introdução O Affirm é um novo insecticida de elevada eficácia para o controlo do bichado da macieira e pereira, destinado aos agricultores orientados para

Leia mais

Vinha Guia de Tratamentos

Vinha Guia de Tratamentos Vinha Guia de Tratamentos Índice Fungicidas p.2 Insecticidas p.11 Herbicidas p.15 Nutrientes p.17 Registo de Tratamentos p.19 Programa Fitossanitário p.20 Fungicidas 2 À prova de Míldio Fungicida para

Leia mais

Almanaque da Agricultura 2014

Almanaque da Agricultura 2014 Almanaque da Agricultura 2014 Cultura de milho nas vizinhanças da Escola Ana Couto Ana Soares Helena Ferreira Joana Ferreira Agrupamento de Escolas Trigal de Santa Maria Janeiro O que se deve semear: Semear

Leia mais

-./*0(1(21&1'#"0(31#*4(

-./*0(1(21&1'#0(31#*4( -./*0(1(21&1#"0(31#*4( 5/"6$17"(+1(8*$/"(0".+9:1;(!"#$%&"()*$+,*( ! "#$%&!!()*+,&!-+%.! /$,012,!3!4%1$,!&,#3567!!!!!! 8,+19)*,!:%13;%! ÍNDICE!"#$!%&%&(&)*+!%,&*$-% INTRODUÇÃO MODO DE EMPREGO SUMOS 1. Sumo

Leia mais

USO NÃO PROFISSIONAL

USO NÃO PROFISSIONAL Segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos - Explorações florestais - Paula Mourão Representante da DGAV USO NÃO PROFISSIONAL Decreto-Lei n.º 101/2009, de 11 de Maio Uso não profissional de Produtos

Leia mais