Soluções Corporativas usando VoIP. Este tutorial apresenta algumas das soluções corporativas de comunicação de Voz baseadas em VoIP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soluções Corporativas usando VoIP. Este tutorial apresenta algumas das soluções corporativas de comunicação de Voz baseadas em VoIP."

Transcrição

1 Soluções Corporativas usando VoIP Este tutorial apresenta algumas das soluções corporativas de comunicação de Voz baseadas em VoIP. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas de Redes de Dados e Multisserviços, Sistemas Celulares e Sistemas de Supervisão e Controle. Ocupou posições de liderança na Pegasus Telecom (Gerente - Planejamento de Redes), na Compaq (Consultor - Sistemas Antifraude) e na Atech (Coordenador - Projeto Sivam). Atuou também na área de Sistemas de Supervisão e Controle como coordenador de projetos em empresas líderes desse mercado. Tem vasta experiência internacional, tendo trabalhado em projetos de Teleco nos EUA e de Sistemas de Supervisão e Controle na Suécia. Atualmente dedica-se à sua empresa Hyroz Participações, prestando serviços de consultoria, e ao Teleco, promovendo o aprendizado contínuo dos profissionais de Telecomunicações. Duração: 20 minutos Publicado em: 13/06/

2 VoIP Corporativo: O que é? A tecnologia de Voz sobre IP. a famosa VoIP, aparece hoje como a grande mudança de paradigma nas comunicações de Voz, já que promete a convergência de redes, o uso da infra-estrutura das redes de dados existentes, o uso da Internet como "backbone" global e grandes (?) reduções de custos. Essas promessas têm sido alardeadas por todos os interessados (prestadores alternativos de serviços e fornecedores de redes e equipamentos) e pelos entusiastas de novas tecnologias convergentes, embora as operadoras dos serviços tradicionais de Voz comutada protestem, e os órgão reguladores ainda não tenham uma posição muito clara a respeito dessa modalidade de serviço. Discussões a parte, o mundo corporativo tem hoje a opção de reprojetar as suas redes de Voz usando a tecnologia de Voz tradicional, baseada na comutação de circuitos, ou a emergente tecnologia de Voz sobre IP, baseada na comutação de pacotes de dados. Qual é a melhor solução para uma rede corporativa de VOZ hoje? A melhor resposta a esta pergunta é: Depende de cada caso! A proposta deste tutorial é analisar brevemente as tecnologias das redes corporativas de Voz comutada e Voz sobre IP, apresentar algumas arquiteturas de rede possíveis para os sistemas VoIP, analisar o uso da Internet com meio para compor a rede corporativa e identificar um processo de levantamento de informações e de requisitos para um projeto de rede corporativa de Voz. Com certeza, a decisão sempre cabe aos responsáveis pela administração dos orçamentos das empresas, que ponderam aspectos técnicos e financeiros para o processo de tomada de decisão, além dos benefícios e facilidades inerentes aos serviços de Voz, que podem ser fatores importantes no aumento da produtividade da pessoas. Sistemas de Comunicação por Voz Para facilitar o entendimento e mesmo a comparação das tecnologias dos Sistemas de Comunicação por VOZ, são apresentados alguns elementos importantes dessas redes na figura a seguir, que podem ser considerados independentemente da tecnologia. 2

3 1. Rede de Telefonia Pública (RTPub) Compreende tanto as redes públicas de Serviços de Telefonia Fixa Comutada, como as redes públicas de Telefonia Celular. 2. Redes Multisserviços (RMS) Compreende as redes dos prestadores de serviços de telecomunicações que oferecem meios para interligar as diversas instalações prediais de uma empresa. Os serviços tradicionalmente ofertados podem ser de canais TDM convencionais, canais Frame Relay ou até mesmo canais ATM. 3. PABX É o equipamento responsável pelo fornecimento do serviço de comunicação por Voz. Normalmente interliga-se com as redes de telefonia pública e possui meios para se interligar com PABX's existentes em outras instalações prediais da empresa. 4. Terminal Telefônico (TTel) É o equipamento de interface com o usuário que permite, pelo menos, utilizar um serviço de comunicação por Voz. Pode, em conjunto com os demais equipamentos, oferecer serviços adicionais relativos ou não ao serviço de Voz. 5. Painel de Distribuição (PD) Compreende a estrutura de interligação que permite conectar os terminais telefônicos ao PABX, sendo conhecido também como Distribuidor Geral (DG). 6. Cabeamento (Cab) São os cabos e a infra-estrutura que fornecem os meios de interligação entre os terminais e PABX, através do pan iel de interconexão. 7. CPE (Customer Premises Equipment) Equipamento de interface entre a rede muitisserviços de uma prestadora de serviços de telecomunicações e os equipamentos da rede corporativa da empresa, podendo ser de propriedade de qualquer uma das partes. Redes de Comunicação por Voz O sistema de comunicação por Voz apresentado acima, ao ser implementado, torna-se uma rede corporativa de comunicação por Voz. Isto significa instalar equipamentos e contratar serviços para interligar várias instalações prediais da empresa. No caso dos sistemas de Voz comutada, os canais de comunicação a serem contratados para a rede de Voz (comutação por circuitos) são distintos dos canais da rede de dados (comutação por pacotes), mesmo que o serviço utilizado seja do tipo Frame Relay ou ATM tanto para dados como para Voz. Desta forma, as necessidade de banda e de nível de serviço de cada um tem que ser levantadas e atendidas de forma separada. No caso dos sistemas de Voz sobre IP, o canal de comunicação dos sistemas de Voz e dados é o mesmo e, devido ao processo de comutação de pacotes inerente ao sistema de Voz sobre IP, as necessidades de banda são menores quando comparadas com o sistema de Voz comutada. Entretanto. não se pode considerar que a banda existente no sistema de dados possa atender ambas as aplicações sem necessidades adicionais. Portanto, a necessidade de banda adicional para o sistema de Voz deve ser considerada com critério, levando em consideração que, para a nova situação, o nível de serviço e a qualidade de serviço são fatores mais sensíveis. 3

4 VoIP Corporativo: Características Dependendo do porte de cada empresa, os seus sistemas de comunicação de Voz podem variar desde poucas linhas atendidas diretamente por telefones convencionais, até sistemas com diversos PABX's e planos de numeração com prefixos para localidades ou regiões. Assim sendo, são apresentadas a seguir as principais características dos sistemas de Voz Comutada e Voz sobre IP (VoIP), considerando que estas podem ou não estar presentes nos sistemas, de acordo com o seu porte. Rede de Voz Comutada A tabela a seguir apresenta as principais características desses sistemas. Elemento Característica Detalhes PABX Terminal Telefônico Conexão RTPub Conexão CPE Codificação de Voz Conexão com Terminais Telefônicos Funcionalidades Nível de Serviço Analógico Usa linhas analógicas comuns ou circuitos digitais TDM (troncos E1). Usa circuitos analógicos ou circuitos digitais TDM (troncos até E1). Usa codificação PCM (ITU-T G.711), com taxa de 64 kbit/s, provendo largura de banda de 4 khz para o sinal de Voz. Pode conectar-se a terminais analógicos e digitais, através de portas específicas para cada tipo. Cada porta atende um único terminal, que deve estar localizado dentro dos limites físicos de abrangência do PABX. Controle das chamadas telefônicas (sinalização e comutação de circuitos) internas e das chamadas direcionadas á Rede de Telefonia Pública ou a outras instalações prediais. Controle dos serviços adicionais: caixa postal, chamada em espera, transferência de chamadas, conferência, identificador de chamada, agenda, sonorização de espera (mensagens ou música ambiente), entre outros. Tarifação de chamadas realizada internamente ou fornecimento de informações para sistemas externos. Configuração de terminais, usuários e serviços associados (perfis). Facilidades de gerenciamento e manutenção. Disponibilidade (~100%) e tempo médio entre falhas (MTBF) altos, devido a maturidade da tecnologia. Conexão analógica convencional com o PABX, conforme normas aplicáveis. Sistema passivo que permite apenas a conversação telefônica. Acesso as funcionalidades do PABX através de teclas específicas que emitem comandos do tipo "seqüência de teclas" (ex.: #301*) com um único toque. Modelos mais sofisticados podem contemplar facilidades de Viva-voz. 4

5 Painel de Distribuição Cabeamento CPE Digital Infra-estrutura Tipo Infra-estrutura Interfaces Funcionalidades Conexão digital proprietária com o PABX. Sistema ativo (geralmente microprocessado) que permite a conversação telefônica e acesso às funcionalidades avançadas do PABX. Acesso às funcionalidades do PABX através de conexão digital que transforma o terminal em interface de usuário, provendo displays alfanumericos e facilidades como agenda visual, discagem por seleção ou digitação de nomes, identificador de chamada, entre outras. Permitem a configuração de diversas opções de usuário no terminal e no PABX devido a interatividade que possibilita. Modelos mais sofisticados podem contemplar facilidades de visualização de imagens. Específico para o sistema de Voz, com normas e padrões próprios a serem atendidos. Cada conexão atende a um único terminal, que deve ser conectado conforme configurado no PABX. Utiliza cabos de pares trançados convencionais para telefonia. Específica para o sistema de Voz, com normas e padrões próprios a serem atendidos. Cada par trançado atende a um único terminal, que deve estar dentro dos limites físicos da área atendida pelo PABX. Deve prover interfaces analógicas conforme os padrões dos sistemas convencionais de Voz ou interfaces digitais TDM (até tronco E1). Deve prover facilidades de configuração de circuitos físicos ou virtuais que atendam a necessidade de banda dos canais dos PABX em regime contínuo, com ou sem chamadas em andamento entre as diversas localidades. Rede VoIP O PABX IP é um dos elemento mais novos nas redes VoIP, ao lado dos telefones IP. Um modelo sistêmico do PABX IP pode ser apresentado da seguinte forma: 5

6 Gateway (GW):é a funcionalidade responsável pela interoperabilidade entre a rede VoIP e o rede telefônica pública. Ela executa a conversão de mídia em tempo real (Voz analógica x Voz digital comprimida) e a conversão de sinalização para as chamadas telefônicas que entram e saem do PABX. Gatekeeper (GK): é a funcionalidade responsável pelo gerenciamento do conjunto de terminais de telefonia IP, quais sejam: telefone IP, telefone analógico com adaptador VoIP e PC's com softphone.suas principais funções são: executar a tradução de endereçamento dos diversos terminais, controlar o acesso e as chamadas dos terminais na rede e controlar a banda utilizada. Application Server (AS): é a funcionalidade que fornece os serviços adicionais ao PABX IP. Dentre esses serviços pode ser destacados: caixa postal, unidade interativa de resposta audível (IVR), serviços de agenda telefônica, entre outros. O Telefone IP é o equipamento responsável pela interface com o usuário do sistema de Voz. Ele executa a conversão da Voz em informação digital comprimida, interage com o PABX para estabelecer e executar a chamada, e realiza a comunicação bidirecional em tempo real com o terminal de destino. Pela sua característica de equipamento de rede IP, ele é um terminal microprocessado com capacidades considerável de processamento. A tabela a seguir apresenta as principais características das Redes VoIP. Elemento Característica Detalhes PABX Conexão RTPub Conexão CPE Codificação de Voz Provê linhas analógicas comuns ou circuitos digitais TDM (troncos E1), através da funcionalidade Gateway. Usa conexões do tipo LAN, geralmente no padrão Fast Ethernet (100 Mbit/s). Geralmente usa a codificação G.729 (ITU-T) que já inclui algoritmo de compressão de Voz, com taxa de 8 kbit/s. Outros padrões, proprietários ou não, podem ser utilizados, com o objetivo de minimizar o uso de banda e/ou melhorar a qualidade do serviço de Voz. Conexão com Terminais Pode conectar-se a terminais analógicos através de adaptadores para telefonia IP. Pode conectar-se a terminais de telefonia IP instalados em qualquer 6

7 ponto da rede, mesmo quando localizado fora dos limites físicos de abrangência do PABX. Pode conectar-se a PC's com placa de rede, rodando aplicações do tipo soft-phone, da mesma forma que no caso anterior. Terminal Telefônico Funcionalidades Nível de Serviço Analógico Controle das chamadas telefônicas (sinalização) internas e das chamadas direcionadas á Rede de Telefonia Pública ou a outras instalações prediais. Controle dos serviços adicionais: caixa postal, chamada em espera, transferência de chamadas, conferência, identificador de chamada, agenda, sonorização de espera (mensagens ou música ambiente), serviços multimídia, entre outros, acessíveis em qualquer instalação predial. Tarifação de chamadas realizada internamente ou fornecimento de informações para sistemas externos. Configuração de terminais, usuários e serviços associados (perfis). Facilidades de gerenciamento e manutenção podem ser adicionadas aos sistemas de gerenciamento da rede de dados. Disponibilidade e tempo médio entre falhas (MTBF) compatíveis com os sistemas de dados, porém inferiores aos sistemas de comutação de Voz, devido ao atual estado de maturidade da tecnologia. Conexão analógica convencional com o PABX, através de adaptadores de telefonia IP. Sistema passivo que permite apenas a conversação telefônica. Acesso as funcionalidades do PABX através de teclas específicas que emitem comandos do tipo "seqüência de teclas" (ex.: #301*) com um único toque. Modelos mais sofisticados podem contemplar facilidades de Viva-voz. Seu uso deve ser limitado ao período de transição do sistema convencional para o sistema VoIP. Telefone IP Usa conexões do tipo LAN, geralmente no padrão Fast Ethernet (100 Mbit/s). Sistema ativo (microprocessado) que permite a conversação telefônica e acesso às funcionalidades avançadas do PABX. Possui, de forma nativa, os protocolos H.323 e/ou SIP (entre outros), de sinalização, e os protocolos RTP/RTCP para transmissão de Voz. Pode usar também protocolos proprietários do PABX com as mesma finalidades para melhorar o desempenho. Acesso às funcionalidades do PABX através de conexão digital que 7 transforma o terminal em interface de usuário, provendo displays alfanumericos e facilidades como agenda visual, discagem por seleção ou digitação de nomes, identificador de chamada, entre outras.

8 Modelos mais sofisticados podem contemplar facilidades de video conferência e acesso a Internet. Painel de Distribuição Cabeamento CPE PC's Infraestrutura Tipo Infraestrutura Interfaces Funcionalidades Podem se transforma em telefones IP através do uso de softwares do tipo soft-phone, que implementam todas as funcionalidades dos terminais. Usam as placas de rede instaladas, geralmente no padrão Fast Ethernet (100 Mbit/s), para conectar-se ao sistema de Voz. Podem oferecer as mesmas facilidades dos Telefones IP, ao mesmo tempo que permitem o uso convencional do PC. Pode ser usada a infraestrutura da rede de dados para o sistema VoIP, não sendo necessária nenhuma relação física (de->para) entre o terminal e as portas do PABX. Utiliza os cabos de rede convencionais dos sistemas de dados. Utiliza a mesma infraestrutura de cabeamento da rede de dados, facilitando as mudanças e Expansões das instalações prediais. Um ponto de rede pode atender a um terminal configurado tanto no PABX local, como em qualquer PABX de qualquer instalação predial da rede. Deve prover as mesmas interfaces utilizadas para as redes de dados, sendo que essas interfaces serão compartilhadas de forma transparente pela informações de Voz e dados. Deve prover as mesmas facilidades de configuração das redes de dados, acrescidas das facilidades de controle de Qualidade de Serviço (QoS), conforme o tipo de informação contida em cada pacote de dado. 8

9 VoIP Corporativo: Rede VoIP A implementação de uma Rede VoIP completa é, com certeza, uma tarefa bastante interessante, e que acontece quando se pretende instalar um sistema de Voz em empresas que estão iniciando suas atividade ou que tenham atingido o fim da vida útil do sistema existente. A rede descrita a seguir pode ser implementada numa única localidade, para atender a uma única instalação predial, ou em 2 ou mais localidades, para atender 2 ou mais instalações prediais. Arquitetura Apresenta-se a seguir a arquitetura de uma Rede VoIP para implementar um sistema de comunicação por Voz. 1. Rede de Telefonia Pública Conexão com as redes públicas de Telefonia Fixa e de Telefonia Celular. 2. Redes Multisserviços Conexão com a Rede Multisserviços que interliga todas as instalações prediais da empresa nas diversas localidades. No caso de uso de redundâncias, podem ser contratadas outros prestadores de serviço para prover diversidade de circuitos. 3. PABX IP Principal Equipamento responsável pelo fornecimento do serviço de comunicação por Voz. Pode ser um único equipamento que atende todas as localidades prediais a partir de um local central (matriz, por exemplo). Eventualmente pode ter um equipamento de contingência em outra localidade. 4. PABX IP Secundário ou Gateway Equipamento utilizado como contingência do PABX IP principal, caso exista. Normalmente será 9

10 apenas um gateway para acesso a rede telefonica pública local. Em algumas localidade pode nem existir. 5. Telefone IP Terminal telefônico IP ou terminal telefônico analógico com adaptador para VoIP. 6. PC's ou Notebooks Computadores desktop ou laptop, que também podem ser utilizados para telefonia IP com software do tipo soft-phone. 7. Rede Local (FastEthernet) Compreende toda a infraestrutura da rede local (LAN): cabos de interligação, cabeamento estruturado, painel de distribuição e hub ou switch. Deve-se observar que as instalações com hub podem introduzir perdas devido a sua característica de comunicação "um-para-muitos". Recomendase, portanto, o uso de switches, que implementam a comunicação "ponto-a-ponto" entre todos os elementos da rede. 8. CPE (Customer Premises Equipment) Equipamento de interface da rede corporativa com a rede multisserviços que implementa a rede WAN da empresa. Quando o número de localidades é grande, na localidade principal pode ser colocado adicionalmente um equipamento (switch de maior capacidade de processamento) como nó central para melhorar o tráfego entre as diversas localidades. Alguns cuidados adicionais devem ser considerados no projeto da Rede VoIP: Dimensionamento: o dimensionamento do porte do PABX IP, da infraestrutura da(s) rede(s) local(is), dos CPE's e da banda da rede WAN são fatores críticos para o sucesso da rede. Qualidade de Serviço: para que a Rede VoIP tenha uma qualidade de comunicação de Voz que seja, no mínimo, igual aos sistemas de Voz comutada, deve-se ter como prerrogativa de projeto um plano para garantir o QoS das informações de Voz, tanto na(s) rede(s) local(is) como nos CPE's e circuitos contratados das redes multisserviços. Nível de Serviço: a disponibilidade geral da rede e o MTBF (falhas) devem ser objeto de estudo para garantir que tantos os equipamentos como os serviços contratados das redes multisserviços permitam manter a rede VoIP funcionando sempre. Os equipamentos devem ter suporte local e em regime ininterrupto, e os serviços de telecomunicações devem ser contratados com base num Acordo de Nível de Serviço (SLA) que atenda as necessidade da Rede VoIP. Segurança: assim como nas redes de dados, a rede VoIP deve também ter os seus procedimentos de segurança definidos e implementados nos equipamentos de segurança existentes (firewall, proxy, etc.) ou em novos equipamentos destinados a esse fim. 10

11 Benefícios Os seguintes benefícios podem ser obtidos com a rede VoIP: Uso de infraestrutura comum para Voz e dados. Expansões na Rede VoIP e alterações de layouts na instalações prediais tornam-se mais simples, já que torna-se necessário apenas implantar ou alterar a infraestrutura de cabeamento estruturado, conectar os terminais de Voz e continuar a utilizar a rede VoIP. Operação e Manutenção única tanto para as redes de Voz e dados. Economia de banda nos serviços contratados das redes multisserviços, já que a rede VoIP não necessita de banda dedicada para Voz, como nos sistemas de Voz comutada; Mobilidade, permitindo que os usuários possam acessar todas as facilidades configuradas em qualquer ponto da rede, em qualquer localidade. Novos serviços podem ser implementados, de acordo com as necessidades da empresa, que permitem compartilhar serviços de Voz, dados e até imagens no mesmo terminal. 11

12 VoIP Corporativo: Rede Mista A implementação de uma Rede Mista, ou seja, com sistemas de Voz comutada e Voz sobre IP coexistindo na mesma rede, é também um desafio bastante interessante, e que acontece quando se pretende migrar para uma rede VoIP de forma planejada, sem perder completamente o investimento efetuado na rede de Voz comutada existente. A rede descrita a seguir pode ser implementada numa única localidade, para atender a uma única instalação predial onde se inicia a migração, ou em 2 ou mais localidades, para atender 2 ou mais instalações prediais. Arquitetura Apresenta-se a seguir a arquitetura de uma Rede Mista para implementar um sistema de comunicação por Voz. 1. Rede de Telefonia Pública Conexão com as redes públicas de Telefonia Fixa e de Telefonia Celular. 2. Redes Multisserviços Conexão com a Rede Multisserviços que interliga todas as instalações prediais da empresa nas diversas localidades. No caso de uso de redundâncias, podem ser contratadas outros prestadores de serviço para prover diversidade de circuitos. 3. PABX IP Principal Equipamento responsável pelo fornecimento do serviço de comunicação por Voz. Pode ser um único equipamento que atende todas as localidades prediais a partir de um local central (matriz, por exemplo). Eventualmente pode ter um equipamento de contingência em outra localidade. 4. Sistema de Voz Comutada 12

13 Conjunto de PABX + infraestrutura de interconexão + terminais telefônicos para a rede de Voz comutada que não será desativado. 5. Gateway Equipamento responsável pela interoperabilidade entre a rede VoIP e o PABX convencional. Ele executa a conversão de mídia em tempo real (Voz analógica x Voz digital comprimida) e a conversão de sinalização para as chamadas telefônicas. 6. Telefone IP Terminal telefônico IP ou terminal telefônico analógico com adaptador para VoIP. 7. PC's ou Notebooks Computadores desktop ou laptop, que também podem ser utilizados para telefonia IP com software do tipo soft-phone. 8. Rede Local (FastEthernet) Compreende toda a infraestrutura da rede local (LAN): cabos de interligação, cabeamento estruturado, painel de distribuição e hub ou switch. Deve-se observar que as instalações com hub podem introduzir perdas devido a sua característica de comunicação "um-para-muitos". Recomendase, portanto, o uso de switches, que implementam a comunicação "ponto-a-ponto" entre todos os elementos da rede. 9. CPE (Customer Premises Equipment) Equipamento de interface da rede corporativa com a rede multisserviços que implementa a rede WAN da empresa. Quando o número de localidades é grande, na localidade principal pode ser colocado adicionalmente um equipamento (switch de maior capacidade de processamento) como nó central para melhorar o tráfego entre as diversas localidades. Para o projeto da Rede Mista devem ser tomados também os cuidados adicionais considerados no projeto da Rede VoIP. Benefícios Os seguintes benefícios podem ser obtidos com a rede Mista: Investimento planejado na nova Rede VoIP, de acordo com as necessidades ou com a obsolescência dos equipamentos da rede de Voz existente. Aumento do uso de infraestrutura comum para Voz e dados. Expansões na parte de rede VoIP e alterações de layouts na instalações prediais tornam-se mais simples, já que torna-se necessário apenas implantar ou alterar a infraestrutura de cabeamento estruturado, conectar os terminais de Voz e continuar a utilizar a rede VoIP. Transição gradual para a Operação e Manutenção única tanto para as redes de Voz e dados. Aumento gradual na economia de banda nos serviços contratados das redes multisserviços, já que a rede VoIP não necessita de banda dedicada para Voz, como nos sistemas de Voz comutada; Mobilidade, permitindo que os usuários da nova rede VoIP possam acessar todas as facilidades configuradas em qualquer ponto da rede, em qualquer localidade, a partir de telefones IP ou de PC's equipados com software soft-phone conectados à rede de dados. Novos serviços podem ser implementados na nova rede VoIP, de acordo com as necessidades da empresa, que permitem compartilhar serviços de Voz, dados e até imagens no mesmo terminal. 13

14 VoIP Corporativo: Internet e Provedores VoIP Em tempos de redução de custos e de oferta de serviços de telecomunicações, as empresas almejam sempre conseguir excelentes negócios. A tecnologia VoIP já promete redução de custos, pelos fatores que já foram expostos, mas o grande objetivo é chegar a famosa tarifa "flat" de fato, onde as empresas só contratam o canal de comunicação e pagam uma tarifa fixa, independente da utilização do serviço. Por outro lado, a Internet é o símbolo maior de globalização, de acesso imediato, de serviços gratuitos ou com custo muito pequeno, de estar em qualquer lugar a qualquer hora e continuar presente sempre, enfim, a infraestrutura de telecomunicações que tudo pode. Isto leva as corporações a anteverem a Internet como a solução para chegar à redução de custos máxima, que poderia ser obtida com os serviços de tarifa "flat". Quais seriam as implicações do uso de Redes VoIP que interligariam as diversas localidades através da Internet, ou que permitiriam comunicar-se somente através da Internet com qualquer telefone em qualquer lugar do mundo? Estas questões serão discutidas a seguir. Redes VoIP via Internet Os fatores mais importantes para o uso da Internet como meio para formar a rede de Voz que vai interligar os diversos sites são apresentados a seguir. Qualidade de Serviço Para uma conversa ser considerada boa e ter interatividade, o atraso máximo do sinal de Voz é da ordem de 250 ms. Alguns fatores de atraso são fixos, por serem inerentes a rede corporativa da empresa, e podem ser controlados: compressão/descompressão do sinal de Voz, processamento e buffers dos roteadores e limitações nos circuitos contratados de acesso a Internet (banda). Outros fatores como o carregamento da Internet (quantidade de pacotes de dados trafegando pelos roteadores) e seu serviço do tipo "best-effort", produzem atrasos que não podem ser controlados e que afetam sobremaneira a qualidade de serviço. Diversos esforços vem sendo feito para garantir a qualidade de serviço na Internet para o tráfego prioritário (Voz), através de novos protocolos tais como o Resource reservation Protocol (RSVP), as políticas de escalonamento (por Prioridades, Weighted Fair Queuing (WFQ) e Random Early Detection - RED), entre outros, mas a incerteza quanto a qualidade de serviço ainda permanece. O projeto da rede VoIP que pretenda usar a internet deve ser feito com muito critério para garantir que os atraso fixos possam ser minimizados, que o prestador de serviço tenha uma rede de boa qualidade e que todos os mecanismos possíveis sejam usado para manter os atrasos em níveis compatíveis com as necessidade do projeto. Segurança Com certeza o fator segurança deve ser levado em consideração para o uso da Internet. A criação de uma VPN para a rede corporativa, o uso de autenticação e criptografia e de políticas adequadas para Fire-walls e proxies faz parte do conjunto de medidas a serem tomadas. 14

15 Nível de Serviço Acordos de Nível de Serviço celebrados com os prestadores de serviços de acesso a Internet e políticas de redundância de meios através de prestadores distintos são pre-requisitos para a manutenção da disponibilidade do sistema. Adicionalmente, os equipamentos devem estar configurados para chaveamento dos canais de Voz da rede corporativa até pelas conexão com a rede de telefonia pública, em caso extremos onde o acesso a internet se torne de fato indisponível durante intervalos de tempo grandes. Arquitetura A arquitetura da rede VoIP que utiliza a Internet, apresentada a seguir, não difere muito da rede VoIP apresentada anteriormente, já que ambas usam como infraestrutura as redes IP. Nessa arquitetura, a etapa de projeto que implementa o ajuste da rede para garantir a qualidade de serviço é provavelmente a mais importante para garantir o sucesso da Rede VoIP. Os CPE's que se comunicam com a Internet (8) devem necessariamente ter as funcionalidades que permitam a definição de parâmetros de QoS para o tráfego de Voz. Para o caso das redes mistas, as mesmas considerações são válidas e devem ser aplicadas ao seu projeto. Provedores VoIP Apesar da tecnologia VoIP ter atingido um grau de padronização e estabilidade que permitem hoje diversas implementações de redes dessa natureza, os provedores VoIP puros ainda padecem de uma padronização que permita sua interação com redes VoIP corporativas de qualquer natureza. Portanto, o projeto de uma rede VoIP corporativa que pretenda utilizar um provedor VoIP, que no limite poderia inclusive dispensar a conexão com a rede telefônica pública comutada, deve ser feito em conjunto para que interface entre o provedor e a rede corporativa possa ser adequada. Esse provedores VoIP na sua maioria oferecem serviços de Longa Distância Nacional e Internacional (através de gateways próprios ou de acordos com terceiros) a custos bastante competitivos, praticando inclusive tarifas "flat". 15

16 Uma das modalidades de serviço oferecida pelos provedores VoIP atende as necessidades de empresas que possuem sistemas de Voz comutada, através da implementação seus próprios gateways (GW) nas instalações prediais do Cliente, conforme apresentado na figura ao lado. Nesse caso, os serviços de Longa Distância Nacional a Internacional são repassados pelo PABX à rede VoIP, de acordo com a sua configuração. Outra modalidade de serviço oferecida pelos provedores VoIP atende as necessidades de empresas através do uso de PABX IP virtual, acessível através de uma conexão IP de boa qualidade, que pode ser até via Internet, conforme apresentado na figura ao lado. Nesse caso, os serviços de ligações locais, Longa Distância Nacional a Internacional são realizados através do PABX IP virtual do provedor VoIP, de acordo com a sua configuração de perfil de cada terminal telefônico. Deve-se observar neste caso que os terminais telefônicos e o CPE devem ser compatíveis com as especificações definidas pelo prestadora VoIP. Os dois casos apresentados encontram-se nos extremos opostos das possibilidades de uso de um provedor VoIP. Quaisquer variações dentro desse limites é possível, desde que compatibilize a solução planejada com os recurso da rede do provedor. As referências colocadas no final do tutorial apresentam alguns Prestadores de Serviços VoIP nacionais. 16

17 VoIP Corporativo: Considerações Finais Examinadas algumas soluções de sistemas VoIP corporativos, que abordagem deveria ser dada para iniciar um projeto de implantação de uma solução de voz corporativa baseada nessa tecnologia? Primeiramente, deve ser registrada a situação atual do sistema tradicional de serviço de voz, o que pode ser feito através do levantamento dos seguintes dados mensais / anuais: Custo de Serviços de Voz: contabilizar de forma detalhada os custos de ligações locais, LDN e LDI, bem como os custos de circuitos contratados para rede de Voz (caso existam). Custo de Operação do Sistema de Voz: contabilizar custos de gerenciamento e operação do sistema de Voz, tanto realizados internamente, como através de terceiros. Custo de Manutenção do Sistema de Voz: contabilizar os custos de manutenção do sistema de Voz, tanto realizados internamente, como através de terceiros. Ativos: devem ser avaliados os custos do sistema atual, levando em conta a depreciação e os valores de mercado. Custo de Expansão: devem ser avaliados os custos de expansão do sistema atual, bem como os custos de instalação de novos terminais telefônicos e cabeamento necessário. Caso a empresa não faça um controle regular desses custos, torna-se necessário designar um responsável (interno ou consultor) que tenha conhecimento de telecomunicações e sistemas de Voz para executar esta atividade. A seguir deve ser feito o projeto com a nova tecnologia avaliando os seguintes aspectos: Tipo de Projeto: avaliar tanto o projeto para uma Rede VoIP, como para uma rede mista, que utilize ativos dos sistema atual que ainda estão dentro de sua vida útil. Qualidade de Serviço: identificar as necessidades de banda e as especificações dos canais de comunicação a serem contratados para garantir a qualidade de serviço dos sistema VoIP, e os custos associados. Nível de Serviço: identificar as necessidades de redundância, tanto de equipamentos e partes como dos canais de comunicação, e os respectivos custos associados, para garantir um nível de serviço (disponibilidade e MTBF) compatível como o sistema atual. Custo de Serviços de Voz: com base na demanda atual e futura, estimar os custos de ligações locais, LDN e LDI, bem como os custos de expansão dos circuitos de dados contratados para atender o novo sistema VoIP. Custo de Operação da Rede Corporativa: estimar o acréscimo nos custos de gerenciamento e operação da rede corporativa atual, tanto realizados internamente, como através de terceiros, para acomodar o novo sistema VoIP. Custo de Manutenção da Rede Corporativa: estimar o acréscimo nos custos de manutenção da rede corporativa, tanto realizados internamente, como através de terceiros, para acomodar o novo sistema VoIP. Investimento e Expansão: avaliar os custos dos equipamentos da nova rede VoIP, assim como os custos de futuras extensões e de instalação de novos terminais telefônicos e cabeamento necessário. Benefício percebido pelos Usuários: avaliar os custos indiretos advindos dos benefícios percebidos pelos usuários, tais como a mobilidade, ou seja, a manutenção do acesso ao seu terminal e serviços associados (caixa postal, soft-phone através de computador, agenda, etc) em qualquer instalação predial da empresa, ou até em casa. 17

18 Novamente, torna-se necessário designar um responsável (interno ou consultor) que tenha conhecimento de telecomunicações e sistemas tradicionais de Voz e VoIP para executar esta atividade. O seus produtos devem ser as especificações para o novo sistema, e a estimativa de investimento e retorno do projeto. De posse dos custos avaliados para o novo sistema e dos custos atuais, pode-se realizar a comparação e verificar quais as vantagens alcançadas pela transição para a nova tecnologia. Esses resultados podem inclusive definir que a transição seja feita em fases, onde a substituição dos sistemas ocorre de forma gradual e planejada. Alguns estudos relativos ao uso da Internet como forma de conexão entre algumas instalações prediais da empresa (ou todas), sempre considerando os fatores segurança e qualidade de serviço, podem ser realizados adicionalmente, caso isto possa expressar uma economia adicional a ser obtida. A contratação de um provedor de serviços VoIP para realizar esta função pode ser outro estudo semelhante a ser realizado que pode trazer também benefícios interessantes. Finalmente, para elaborar o projeto final e implantar o sistema torna-se necessário escolher um fornecedor que possa tornar-se um parceiro tecnológico da empresa. A avaliação do fornecedor deve levar em conta os seguintes aspectos: Maturidade Tecnológica: avaliar a maturidade tecnológica tanto dos equipamentos a serem fornecidos como da tecnologia desenvolvida pelo fornecedor. Além disso deve-se verificar se o sistema atende às normas e recomendações aplicáveis aos sistemas VoIP, permitindo, eventualmente, a convivência com sistemas de outros fornecedores, e até com novas tecnologias emergentes. Experiência em Projetos e Implantação: avaliar a experiência na elaboração de projetos de sistemas VoIP e na sua implantação, buscando inclusive informações de Clientes já atendidos pelo fornecedor. Suporte e Manutenção: em se tratando de uma tecnologia emergente que pode conter partes ou todo o fornecimento feito por empresas com abrangência global, mas ainda assim sem presença efetiva no país, deve-se avaliar cuidadosamente sua capacidade de oferecer suporte remoto e manutenção local como forma de garantir a disponibilidade dos sistema. Feita a implantação do sistema e iniciada a operação pode-se finalmente perceber os resultados alcançados, e o retorno do investimento realizado. Como pode-se observar, somente através um estudo detalhado a resposta para a questão proposta no começo do tutorial pode ser obtida. Esse estudo pode levar a implantação de um sistema VoIP ou a manutenção do sistema atual por um período de tempo definido. Afinal, a questão é ponderar todos os fatores necessários para tomar a decisão mais conveniente. Entretanto, levando-se em conta a tendência cada vez maior de convergência das redes, através das chamadas Next Generation Networks (NGN), com certeza a implantação da nova tecnologia pode ser apenas a ponta do iceberg de futuras soluções convergentes que podem adicionar dispositivos computacionais e móveis a nova rede. 18

19 Referências VoiP/Telefonia IP Página do Teleco com informações importantes sobre o assunto: operadoras, tecnologias, tutoriais, etc. Novos Produtos e Serviços Seção do Teleco que apresenta produtos e serviços informados pelos fornecedores. Contém produtos e serviços VoIP. Guia de Produtos e Serviços VoIP Seção do Teleco que apresenta os produtos e serviços VoIP de fornecedores cadastrados. 19

20 VoIP Corporativo: Teste seu Entendimento 1. Quais dos equipamentos abaixo fazer parte de uma Rede VoIP? PC com soft-phone CPE Terminal telefônico IP PABX IP Todos 2. Quais dos benefícios abaixo não se consegue com uma Rede Mista? Mobilidade Uso gradual de infraestutura comum para dados e Voz Operção e Manutenção unificada Implementação de novos serviços avançados na rede VoIP Aumento gradual da economia de banda 3. Quais cuidados adicionais devem ser considerados no projeto da Rede VoIP? Dimensionamento Segurança Qualidade de Serviço Nível de Serviço Todas as anteriores 20

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Este tutorial apresenta os meios disponíveis atualmente para o acesso à Internet.

Este tutorial apresenta os meios disponíveis atualmente para o acesso à Internet. Meios de Acesso à Internet Este tutorial apresenta os meios disponíveis atualmente para o acesso à Internet. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/02/2007). Huber Bernal Filho

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002). Acesso à Internet Este tutorial apresenta as formas de acesso a Internet disponíveis para o usuário brasileiro, e apresenta os números atuais da Internet no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

6.4.4 Requisitos dos Equipamentos. 6.4.4.1 Roteadores

6.4.4 Requisitos dos Equipamentos. 6.4.4.1 Roteadores 111 Vale ressaltar que os métodos apresentados devem ser cuidadosamente avaliados na hora da sua aplicação, pois estes algoritmos, quando integrados ao ambiente de um fabricante, podem perder suas características

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Virtualização: Uma Concepção Alternativa para Sistemas Computacionais Melhorar a utilização dos recursos através da Virtualização de infra-estruturas de TI está se tornando uma prioridade para muitas empresas.

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

Informações para implantação de equipamentos IP Intelbras

Informações para implantação de equipamentos IP Intelbras Informações para implantação de equipamentos IP Intelbras Descrição do pré-projeto - Configuração Quantos ramais analógicos contempla o projeto?. Quantos ramais digitais contempla o projeto?. Quantos ramais

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes.

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. A revolução na comunicação da sua empresa. mobilidade mobilidade Voz Voz vídeo vídeo

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA

Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA TETRA ASSOCIATION Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA Objetivo Compartilhar a experiência da LIG-MÓBILE, operadora brasileira de serviços

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP SOPHO is3000 Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP Benefícios Soluções de comunicação híbrida para telefonia TDM e IP Convergência de voz e dados em uma plataforma de alto desempenho

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Sumário 1. Quem somos 2. Nossa missão 3. O que fazemos 3.1. Nossos Serviços 3.2. Nossos Produtos 4. Solução de PABX IP - NetPBX 4.1. Solução de PABX IP 4.2. Solução de Billing 5.

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br VoIP Voice Over IP lmedeiros@othos.com.br Índice O que Significa? Como funciona? Porque utilizar? Equipamentos VoIP Desvantagens Provedores VoIP Conclusão O que significa? VoIP é uma tecnologia que usa

Leia mais

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX Índice Guia do Usuário EMBRATEL IP VPBX 3 Tipos de Ramais 4 Analógicos 4 IP 4 FACILIDADES DO SERVIÇO 5 Chamadas 5 Mensagens 5 Bloqueio de chamadas 5 Correio de Voz 5 Transferência 6 Consulta e Pêndulo

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Conversão da Tarifação das Chamadas Locais do STFC de Pulso para Minuto. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 04/11/2005).

Conversão da Tarifação das Chamadas Locais do STFC de Pulso para Minuto. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 04/11/2005). Conversão da Tarifação das Chamadas Locais do STFC de Pulso para Minuto Este tutorial apresenta os conceitos básicos envolvidos na mudança do critério de tarifação de chamadas locais do STFC de Pulso para

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com Objetivos: Entender e assimilar conceitos, técnicas

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

TETRA + CRITICAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION. Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE. Estudo de Caso: TETRA para uma Operadora Privada

TETRA + CRITICAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION. Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE. Estudo de Caso: TETRA para uma Operadora Privada TETRA + CRITICAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso: TETRA para uma Operadora Privada Julho-2012 Objetivo Apresentar a experiência da operadora privada LIG-MÓBILE,

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Comunicações móveis unificadas O BlackBerry Mobile Voice System (BlackBerry MVS) leva os recursos do telefone do escritório aos smartphones BlackBerry. Você pode trabalhar

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Comunicações móveis unificadas O Mobile Voice System ( MVS) foi projetado para unificar os recursos do telefone fixo aos smartphones e às redes

Leia mais

Tabela de Preços MARKETING B2B

Tabela de Preços MARKETING B2B 1. SOLUÇÔES DE DADOS E ACESSO A INTERNET... 2 1.1. TC IP ECONÔMICO SAT... 2 1.2. TC VPN CONNECT... 4 1.3. TC DATA... 4 1.4. TC PAC... 6 1.5. TC PAC DEDICADO... 7 1.6. TC FRAME WAY... 12 1/15 1. SOLUÇÔES

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação.

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação. A T7 Solutions Informática e Telecomunicações atua como prestadora de serviços de Infraestrutura de TI e Telecom, com foco no desenvolvimento e implementação de soluções de Infraestrutura, Dados e Voz.

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais