1-Apresentação Identidade Organizacional Missão da Unifei Breve Histórico Equipe Gestora...9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1-Apresentação...5. 2-Identidade Organizacional...5. 3-Missão da Unifei...6. 4-Breve Histórico...7. 5-Equipe Gestora...9"

Transcrição

1

2 1 SUMÁRIO 1-Apresentação Identidade Organizacional Missão da Unifei Breve Histórico Equipe Gestora Estrutura Organizacional Conselhos Superiores Conselho Universitário-CONSUNI Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração-CEPEAd Conselho de Curadores -CoC Administração Executiva Reitoria Órgãos Vinculados...20 A - Chefia de Gabinete...20 B - Biblioteca Mauá...20

3 2 C - Diretoria de Registro Acadêmico...21 D - Diretoria de Obras...22 E - Núcleo de Educação a Distância...23 F - Secretaria de Planejamento e Qualidade...23 G - Secretaria de Comunicação...24 H - Secretaria de Cooperação Institucional...25 I - Diretoria de Suporte a Informática...26 J Ouvidoria Pró-Reitoria de Administração Órgãos vinculados...28 A - Diretoria de Pessoal...29 B - Prefeitura do Campus de Itajubá...29 C - Diretoria de Compras e Contatos...30 D - Diretoria de Contabilidade e Finanças Pró -Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Órgãos Vinculados...32 A - Diretoria de Pós Graduação...32

4 3 B - Diretoria de Pesquisa e Inovação Pró-Reitoria de Graduação Órgãos Vinculados...34 A - Diretoria de Prospecção Acadêmica e Profissional...34 B - Diretora de Assistência Estudantil Pró-Reitoria de Extensão Órgãos Vinculados...35 A - Diretoria de Extensão Tecnológica e Empresarial...35 B - Diretoria de Extensão de Cultura e Esporte...35 C - Diretoria de Extensão Social...36 D - Diretoria do Parque Científico e Tecnológico Unidades Acadêmicas - Campus de Itajubá Instituto de Física e Química Instituto de Matemática e Computação Instituto de Sistemas Elétricos e Energia Instituto de Engenharia de Produção e Gestão...40

5 4 9.5-Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologia da Informação Instituto de Engenharia Mecânica Instituto de Recursos Naturais Campus de Itabira Cursos Oferecidos Campus de Itajubá (Graduação e pós-graduação) Campus de Itabira (Graduação)...45

6 5 1- Apresentação A Carta de Serviços ao Cidadão foi instituída pelo Decreto no , de 11 de agosto de 2009, tendo como objetivo informar o cidadão sobre os serviços prestados pelo órgão ou entidade, das formas de acesso a esses serviços e dos respectivos compromissos e padrões de qualidade de atendimento público. Assim sendo, a Unifei procura atuar em sintonia com a sociedade, oferecendo produtos e serviços que contribuam com a inovação e o avanço tecnológico do país, aumentando os profissionais formados pela instituição alinhados com as demandas da sociedade. Visando dar mais transparência aos seus serviços, além de estar comprometida com o atendimento de qualidade, a Unifei apresenta os seus serviços prestados pelos diversos setores que compõem a instituição, bem como as formas de acessá-los. 2- Identidade Organizacional Denominação completa: Universidade Federal de Itajubá Denominação abreviada: UNIFEI Natureza Jurídica: Autarquia Federal Órgão de vinculação: Poder Executivo da União: Ministério da Educação Endereço da sede: Campus Professor José Rodrigues Seabra Avenida BPS, número 1303, Bairro Pinheirinho Itajubá Minas Gerais CEP: Endereço do portal:

7 6 3- Missão da Unifei A Universidade Federal de Itajubá tem por missão gerar, sistematizar, aplicar e difundir conhecimento, ampliando e aprofundando a formação de cidadãos e profissionais, e contribuir para o desenvolvimento sustentável do país, visando a melhoria da qualidade de vida.

8 7 4- Breve Histórico A Universidade Federal de Itajubá- UNIFEI, fundada em 23 de novembro de 1913, com o nome de Instituto Eletrotécnico e Mecânico de Itajubá- IEMI, por iniciativa pessoal do advogado Theodomiro Carneiro Santiago, foi a décima Escola de Engenharia a se instalar no país. A instituição centenária é considerada de excelência no ensino superior tecnológico brasileiro. O IEMI se destacou na formação de profissionais especializados em sistemas energéticos, notadamente em geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. O então Instituto foi reconhecido oficialmente pelo Governo Federal em 05 de janeiro de O curso tinha, inicialmente, a duração de três anos, tendo passado para quatro anos em 1923 e, em 1936, foi reformulado e equiparado ao da Escola Politécnica do Rio de janeiro e tendo o nome da instituição sido mudado para Instituto Eletrotécnico de Itajubá-IEI em 15 de março daquele mesmo ano. Em 30 de janeiro de 56 o IEI foi federalizado. Sua denominação foi alterada em 16 de abril de 1968 para Escola Federal de Engenharia de Itajubá- EFEI. A competência e o renome adquiridos em mais áreas de atuação conduziram ao desdobramento do seu curso original em cursos independentes de Engenharia Elétrica e de Engenharia Mecânica, com destaque especial para as ênfases de Eletrotécnica e Mecânica Plena. Iniciou em 1968 seus cursos de pósgraduação, com mestrados em Engenharia Elétrica, Mecânica e Biomédica, este último posteriormente descontinuado. Em resposta à evolução da tecnologia e à expansão das novas áreas contempladas pela Engenharia, a UNIFEI ampliou as suas ênfases em 1980, passando a incluir a de Produção, no curso de Engenharia Mecânica, e a de Eletrônica, no de Engenharia Elétrica. Dando prosseguimento a uma política de expansão capaz de oferecer um atendimento mais amplo e diversificado à demanda nacional e, sobretudo, regional de formação de profissionais da área tecnológica, a instituição partiu para a tentativa de se transformar em Universidade Especializada na área Tecnológica- UNIFEI, modalidade acadêmica prevista na nova Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional- LDB. Esta meta começou a se concretizar a partir de 1998 com a expansão dos cursos de

9 8 graduação ao dar um salto de dois para nove cursos, através da aprovação de sete novos com a devida autorização do Conselho Nacional de Educação- CNE. Posteriormente, foram implantados mais dois novos cursos de graduação- Física Bacharelado e Física Licenciatura. A concretização do projeto de transformação em Universidade deu-se em 24 de abril de 2002, através da sanção da lei número , pelo presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. A ousadia e o espírito empreendedor de seu fundador, Theodomiro Carneiro Santiago, fez com que a instituição tivesse suas bases consolidadas na formação de profissionais que colocam a mão na massa, através de uma postura permanente de indagação e de pesquisa. Com o mesmo arrojo do fundador, a instituição assume seu papel na formação, geração e aplicação de tecnologia com cunho eminentemente de responsabilidade social dentro de um contexto que se fez regional e que se amplia para a forte inserção internacional, através de seus projetos acadêmicos vinculados às necessidades socioeconômicas do mundo globalizado. Além disso, a UNIFEI tem imbuída em sua missão à formação de cidadãos comprometidos com a geração e disseminação de conhecimentos que contribuam para uma efetiva qualidade de vida da sociedade local, regional e nacional.

10 9 5- Equipe Gestora Dagoberto Alves de Almeida Reitor Reitoria Paulo Sizuo Waki Vice-Reitor Eliane Melloni Chefe de Gabinete PRAd José Alberto Ferreira Filho Leandro Lopes Trindade Egon Luiz Müller Junior Pró-Reitor de Administração Pró-Reitor Adjunto de Administração Pró-Reitor de Graduação PRG Luis Henrique de Carvalho Ferreira Pró-Reitor Adjunto de Graduação e Diretor de Prospecção Acadêmica e Profissional Pró-Reitorias José Wanderley Marangon Lima Pró-Reitor de Cultura e Extensão Universitária PROEX Marcos Aurélio de Souza Pró-Reitor Adjunto e Diretor de Extensão Tecnológica e Empresarial Carlos Eduardo Sanches da Silva Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação PRPPG Mirian de Lourdes Noronha Motta Melo Pró-Reitora Adjunta de Pesquisa e Pós- Graduação Dagoberto de Almeida Presidente do Conselho Universitário Conselhos Superiores Dagoberto de Almeida Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração Edson Pamplona Conselho de Curadores Institutos IEM José Juliano de Lima Junior Sebastião Simões Cunha Júnior Diretor do Instituto de Engenharia Mecânica Vice-Diretor do Instituto de Engenharia Mecânica

11 10 IEPG José Arnaldo Barra Montecevhi Alexandre Ferreira Pinho Diretor do Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Vice-Diretor do Instituto de Engenharia de Produção e Gestão IESTI Paulo Cesar Crepaldi Luiz Lenarth Gabriel Vermas Diretor do Instituto de Engenharia de Sistemas e TI Vice-Diretor do Instituto de Engenharia de Sistemas e TI IFQ Demétrio Artur Werner Soares Agenor Pina Diretor do Instituto de Física e Química Vice-Diretor do Instituto de Física e Química IMC Cláudio Kirner Elizabete Ribeiro Sanches da Silva Diretor do Instituto de Matemática e Computação Vice-Diretor do Instituto de Matemática e Computação IRN Geraldo Lucio Tiago Filho Luiz Felipe Silva Diretor do Instituto de Recursos Naturais Vice-Diretor do Instituto de Recursos Naturais ISEE Paulo Márcio da Silveira Cláudio Ferreira Diretor do Instituto de Sistemas Elétricos e Energia Vice-Diretor do Instituto de Sistemas Elétricos e Energia AI Anderson Christi Duarte Pinto Ferreira Auditor Interno OG Vera Lúcia Braga Silva Ouvidora Geral PF Maurício Castro Gouvêa Procurador Federal BIM Cristiane Neli de Carvalho Carpinteiro Diretora da Biblioteca Mauá CEU Fábio Roberto Fowler Diretor de Empreendedorismo/ Centro de Empreendedorismo

12 11 D.O.B. Ederson da Silva Teixeira Diretor de Obras NEaD Cláudia Eliane da Matta Coordenadora do Núcleo de Educação à Distância SECOM Fabiana Cantelmo Silva Secretária de Comunicação Rádio José Wanderley Marangon Lima Diretor da Rádio Universitária SPQ Bráulio Martins Bueno Secretário de Planejamento e Qualidade DSI Enzo Seraphim Diretor de Suporte a Informática Órgãos Suplementares PCI Leandro Lopes Trindade Prefeito do Campus de Itajubá SCI Maurílio Pereira Coutinho Secretário de Cooperação Institucional DCC Marcos Lucio Mota Diretor de Compras e Contratos Órgãos PRAd DCF Juscelem Gonçalves Correa Diretor de Contabilidade e Finanças DPE Rita de Cássia Guimarães Araújo Diretora de Pessoal DPE Cátia Emiliana Paes Diretora Adjunta de Pessoal COORD.PED. Cibele Faria Cunha Pinto, Débora Luiza dos Santos, Lidia Lopes Ozório Coordenadoras Didático-Pedagógicas Órgãos PRG COPES Luiz Cláudio da Silva Campos Coordenador de Processos Seletivos DAE Rafael Silva Capaz Diretor de Assistência Estudantil DRA Regina Aparecida Salomon Storino Maria de Fátima Assis Diretora de Registro Acadêmico Coordenadora de Estágio Órgãos da PROEX CPE Rafael de Paiva Pereira Thieers Vieira Diretor do Centro de Esportes e Lazer INTECOOP Luiz Eugênio Veneziani Pasin Diretor de Extensão Social

13 12 PCTI Jamil Haddad Diretor Parque Científico e Tecnológico Paulo Cezar Nunes Junior Diretor de Extensão de Esporte e Cultura Kleber Roberto da Silva Santos Coordenador Geral dos Projetos Acadêmicos de Competição Tecnológica Órgãos da PRPPG NIT Sonia Maria de Brito Ribeiro Coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica DPI Gilbert Silva Diretoria de Pesquisa e Inovação Marcel Fernando da Costa Parentoni Diretor de Campus José Eugenio Lopes de Almeida Diretor Adjunto de Campus Diretoria - Itabira Itabira Frederico Oliveira Passos Diretor Acadêmico Janaína Antonino Pinto Diretora do Departamento de Infraestrutura Institutos - Itabira Gilberto Duarte Cuzuol Coordenador das Disciplinas Básicas Administração Prof. Dr. Luiz Guilherme Azevedo Mauad Ciência da Computação Profa. Dra. Isabela Neves Drummond Ciências Atmosféricas Profa. Dra. Vanessa Silveira Barreto Carvalho Ciências Biológicas Profa. Dra. Andreia Arantes Borges Coordenadores de Curso Itajubá Engenharia Ambiental Engenharia Civil Prof. Dr. Nívea Adriana Dias Pons Prof. Dr. Fernando das Graças Braga da Silva Engenharia da Computação Prof. Msc. André Bernardi Engenharia de Bioprocessos Prof. Dr. Carlos Roberto Rocha Engenharia de Controle e Automação Prof. Dr. Guilherme Sousa Bastos Engenharia de Energia Profª. Lucilene de Oliveira Rodrigues

14 13 Engenharia de Materiais Profa. Dra. Silmara Cristina Baldissera Kabayama Engenharia de Produção Prof. Dr. José Leonardo Noronha Engenharia Elétrica Prof. Dr. Thiago Clé de Oliveira Engenharia Eletrônica Prof. Msc. Rodrigo Maximiano Antunes de Almeida Engenharia Hídrica Profa. Msc. Ana Paula Moni Silva Engenharia Mecânica Prof. Dr. Leonardo Kyo Kabayama Engenharia Mecânica Aeronáutica Prof. Dr. Rogerio Frauendorf de Faria Coimbra Engenharia Química Profª. Karina Arruda de Almeida Física - Bacharelado Prof. Alan Bendasoli Pavan Física - Licenciatura Prof. Msc. Thiago Costa Caetano Física - Licenciatura EaD Prof. Newton de Figueiredo Filho Matemática - Bacharelado Matemática - Licenciatura Química - Bacharelado Química - Licenciatura Sistemas de Informação Profa. Msc. Gisele Leite da Silva Prof. Rodrigo Silva Lima Profa. Dra. Murício Silva dos Santos Profa. Dra. Milady Renata Apolinário da Silva Prof. Dr. Bruno Yuji Lino Kimura Engenharia Ambiental Prof. Anderson de Assis Morais Engenharia da Mobilidade Prof. Claudio Ernani Martins Oliveira Itabira Engenharia de Computação Prof. Fernando Afonso Santos Engenharia de Controle e Automação Prof. Msc. Ivan Lucas Arantes Engenharia de Materiais Profa. Mercês Coelho da Silva

15 14 Engenharia de Produção Engenharia de Saúde e Segurança Engenharia Elétrica Profa. Msc. Ana Carolina Oliveira Santos Profª. Anna Rita Tomich Magalhães Felippe Prof. Eben Ezer Prates da Silveira Engenharia Mecânica Prof. Dr. Eduardo Miguel da Silva

16 6- Estrutura Organizacional 15

17 16 7- Conselhos Superiores 7.1. Conselho Universitário CONSUNI O Conselho Universitário é o órgão superior máximo de deliberação coletiva da Universidade, em matéria de política universitária e de administração. O Conselho Universitário poderá delegar algumas de suas competências a outros órgãos. Compete ao Conselho Universitário: I. Definir a política global da Universidade; II. Aprovar normas para a avaliação do desempenho institucional; III. Aprovar as alterações e emendas no Estatuto por voto favorável de, pelo menos, dois terços da totalidade de seus membros com direito a voto, em sessão especialmente convocada, submetendo-o à autoridade competente para aprovação final e homologação; IV. Aprovar o Regimento Geral, e as suas alterações e emendas, por voto favorável de, pelo menos, dois terços da totalidade de seus membros com direito a voto, em sessão especialmente convocada; V. Aprovar o seu regimento e os dos demais órgãos da Universidade; VI. Aprovar a criação, agregação, desmembramento, incorporação ou fusão e extinção de órgãos ou unidades; VII. Aprovar, a criação, a organização e a extinção, em sua sede, de cursos e programas, por proposta do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração; VIII. Deliberar sobre a criação, a organização e a extinção de cursos e programas fora de sede, por proposta do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração, nos limites da legislação pertinente; IX. Normatizar, nos termos da legislação pertinente, o processo eleitoral referente à escolha do Reitor e do Vice-Reitor; X. Aprovar os símbolos da Universidade; XI. Deliberar sobre a administração do patrimônio da Universidade, nos casos previstos no Regimento Geral;

18 17 XII. XIII. XIV. XV. XVI. XVII. XVIII. XIX. XX. XXI. XXII. XXIII. XXIV. Deliberar sobre a alienação de bens imóveis, nos termos da legislação pertinente; Aprovar o relatório anual de atividades da Universidade; Aprovar a proposta orçamentária da Universidade após deliberação do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração; Aprovar a prestação de contas do Reitor, após parecer do Conselho de Curadores; Apreciar recursos contra atos do Reitor, do Vice-Reitor e do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração; Aprovar o reconhecimento ou a revalidação de títulos e diplomas conferidos por instituições nacionais ou estrangeiras; Reconhecer o notório saber, na forma da lei e segundo procedimentos previstos no Regimento Geral; Outorgar os títulos de Mérito Universitário, Professor Emérito, Doutor "Honoris Causa" e Professor "Honoris Causa"; Realizar a outorga dos graus e diplomas, em sessão solene; Criar câmaras e comissões para estudo de assuntos específicos; Dar posse ao Reitor e Vice-Reitor; Definir o quadro docente de cada Unidade Acadêmica; Deliberar, originalmente ou em grau de recurso, sobre qualquer matéria de sua esfera de competência, prevista ou não no Estatuto e no Regimento Geral. Horário de funcionamento: 7:30 às 11:30/13:30 às 17:30 Telefone: Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração CEPEAd O Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração, órgão superior de deliberação coletiva, com autonomia em sua área de competência é responsável pela gestão superior de todas as atividades de ensino, pesquisa, extensão e administração da Universidade.

19 18 Pode delegar algumas de suas competências a outros órgãos. Das decisões do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração caberá recurso ao Conselho Universitário. Compete ao Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração: I. Estabelecer as diretrizes dos órgãos de ensino, pesquisa, extensão e administração, impedindo a duplicação de meios para fins idênticos ou equivalentes; II. Estabelecer normas e deliberar sobre as penalidades disciplinares nos campos do ensino, da pesquisa, da extensão e da administração; III. Deliberar sobre seu Regimento e as respectivas modificações, por dois terços de seus membros, submetendo-o ao Conselho Universitário; IV. Deliberar sobre matéria orçamentária, financeira e de desenvolvimento de pessoal, nos casos previstos neste Regimento Geral; V. Fixar o número de vagas para cada curso, nos casos previstos neste Regimento Geral; VI. Aprovar ou modificar o calendário escolar; VII. Aprovar a criação, distribuição e provimento de cargos de magistério; VIII. Aprovar critérios para contratação de professores visitantes e substitutos; IX. Aprovar o afastamento de pessoal docente e técnico-administrativo, nos casos previstos no Regimento Geral; X. Aprovar a celebração de contratos e convênios, referentes ao ensino, pesquisa e extensão, nos casos previstos no Regimento do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração; XI. Aprovar as taxas, contribuições e emolumentos; XII. Criar câmaras e comissões para estudo de assuntos específicos; XIII. Propor e deliberar sobre a criação, agregação, desmembramento, incorporação ou fusão e extinção de órgãos ou unidades; XIV. Propor a criação, a organização e a extinção de cursos e programas, em sua sede e fora dela; XV. Apreciar recursos contra atos do Reitor, do Vice-Reitor, dos Pró-Reitores, dos Diretores de Unidades Acadêmicas e das Assembleias de Unidades Acadêmicas; XVI. Deliberar, originalmente ou em grau de recurso, sobre qualquer matéria de sua esfera de competência, prevista ou não no Estatuto e neste Regimento Geral.

20 19 Horário de funcionamento: 7:30 às 11:30/13:30 às 17:30 Telefone: Conselho de Curadores CoC O Conselho de Curadores é o órgão de fiscalização Econômico Financeiro da Universidade Federal de Itajubá. Compete ao Conselho Universitário, que tem por competência: I. Fiscalizar os atos inerentes à execução orçamentária e financeira, examinando ou mandando examinar, a qualquer tempo, a contabilidade e documentação respectiva; II. Analisar a prestação de contas anual do Reitor e emitir parecer conclusivo, para encaminhamento ao Conselho Universitário; III. Solicitar aos administradores da Universidade, as informações que julgar necessárias ao exercício de suas atribuições, estabelecendo prazos para o seu atendimento; IV. Nomear comissão de especialistas para examinar e dar parecer sobre assuntos de sua competência; V. Praticar os demais atos que forem de sua competência por força da lei, do Estatuto e do Regimento Geral da Universidade ou por delegação de órgãos superiores. Horário de funcionamento: 7:30 às 11:30/13:30 às 17:30 Telefone:

21 20 8- Administração Executiva 8.1- Reitoria A Reitoria é um órgão executivo central que administra, coordena, fiscaliza e superintende as atividades da Universidade. É exercida pelo reitor, auxiliado pelo vicereitor, acompanhada diretamente pelas pró-reitorias, órgãos administrativos, assessorias e órgãos suplementares. Horário de funcionamento: 8:00 às 17:00 Telefone: Órgãos Vinculados A-Chefia de Gabinete A Chefia de Gabinete é um órgão de assessoramento, com atribuição de executar serviços técnico-administrativos de apoio e de relações públicas do reitor. Horário de funcionamento: 8:00 às 17:00 Telefone: B- Biblioteca Mauá O Sistema de Bibliotecas é um Órgão ligado ao Gabinete da Diretoria Geral da UNIFEI. O seu principal objetivo é apoiar os programas de ensino, pesquisa, e extensão da Instituição, através da prestação de serviços na área de Informação Científica e Tecnológica. As bibliotecas são Fontes de Recursos de Aprendizagem e de Informação, estendendo-se no âmbito da Cultura e Lazer, visando sempre o aprimoramento intelectual de seus usuários.

22 21 A missão é contribuir na geração do conhecimento, preservar e disseminar a informação, em consonância com a missão da UNIFEI. Empréstimo domiciliar automatizado e consulta local; Reserva e renovação de livros on-line; Sistema de Pesquisa Automatizado nos terminais das bibliotecas ou na página da Biblioteca via Internet; Comutação Bibliográfica: Serviço de Busca de Informação em outras Bibliotecas, (COMUT); Serviços: Empréstimo de CDs e DVDs; Levantamento bibliográfico; Treinamento e orientação aos usuários; Catalogação/classificação; Exposição de livros novos; Biblioteca Virtual Universitária 3.0; Portal de Periódicos da CAPES; Espaço de Computadores com Internet; Empréstimo entre bibliotecas. Horário de Funcionamento: 8:00 às 11:30/13:30 às 22:00 *Itabira: Não tem o horário noturno Telefone: / C- Diretoria de Registro Acadêmico Tem por objetivo planejar, coordenar, orientar, dirigir, acompanhar e controlar todas atividades de registros relativos à vida acadêmica dos alunos de graduação, seja presencial ou a distância, como também pós-graduação, desde sua admissão (matrícula institucional) à sua saída da Instituição, seja por diplomação, ou por outros motivos. A Diretoria controla e gerencia a vida acadêmica do aluno, desde seu ingresso até a conclusão do curso/colação de grau. Permite a emissão de declarações e atestados,

23 22 de acordo com modelos exclusivos da instituição bem como o registro, arquivo, controle e certificação dos dados pessoais dos discentes. Responsabiliza-se por todos serviços relativos desde a matrícula até a expedição de diplomas. Horário: 09:30 às 11:30/15:30 às 19:30 Campus de Itabira: 8h às 17h Telefone: / / D- Diretoria de Obras Diretoria de Obras da UNIFEI corresponde ao órgão responsável pelo acompanhamento de todo o processo de aquisição, execução, fiscalização e conclusão de obras, além do desenvolvimento e conferência de projetos. O setor apresenta como objetivo: Oferecer soluções técnicas no desenvolvimento de obras da Universidade. Planejamento da obra: orçamento, execução de projetos, conferência de projetos desenvolvidos por empresas terceirizadas, elaboração dos processos de compra e levantamento das necessidades da obra a ser executada; Fiscalização da obra: acompanhamento da execução da obra e do cumprimento da forma correta de execução, conforme caderno de encargos; Controle da obra: documentação, gestão de contratos, monitoramento do cronograma físico-financeiro; Conclusão da obra: verificação do cumprimento das exigências contratuais, emissão de termo de recebimento provisório e definitivo de obra. Horário de funcionamento: 08:00 às 17:30h Telefone: /

24 23 E- Núcleo de Educação a Distância O NEaD da Universidade Federal de Itajubá tem como objetivos: Estruturar uma equipe de suporte ao desenvolvimento de cursos virtuais e/ou a distância na instituição (inicialmente, pela internet); Ministrar cursos sobre softwares de desenvolvimento de cursos virtuais e/ou a distância para os professores da universidade (e pesquisadores de seus grupos) em busca da difusão do uso desta modalidade de ensino na instituição e fora dela; Prover suporte aos cursos ministrados pela internet durante a execução dos mesmos; Ser um fórum de discussão do tema educação virtual e/ou a distância na universidade; Acompanhar e orientar os projetos de ensino virtual na universidade em busca de seu uso gradual na educação a distância; Desenvolver habilidades para o uso eficiente dos recursos digitais para a melhoria do ensino e da aprendizagem; Fornecer uma capacitação formal, visando preparar os participantes para elaborarem e ministrarem disciplinas e cursos com recursos virtuais, presenciais, semipresenciais ou a distância focados no aprendizado; Orientar a política de educação a distância da instituição. Horário de funcionamento: 8h às 17h Telefone: F- Secretaria de Planejamento e Qualidade Órgão administrativo interno, não se caracterizando como prestador de serviços à comunidade externa. Funções de coordenar, supervisionar e controlar as atividades relativas ao planejamento da UNIFEI. Dentre as suas atribuições destacam-se:

25 24 Coordenar a implementação e manter atualizados o Planejamento Estratégico Institucional (PEI), o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI)e os Planos Tático-Operacionais (PTO); Coordenar e acompanhar as atividades relativas à execução orçamentária x Lei Orçamentária Anual; Apresentar relatório anual de gestão e dar suporte à prestação de contas; Orientar e acompanhar os órgãos administrativos e acadêmicos nas fases de elaboração do seu PTO e no plano de execução orçamentária, consoante com o PEI e PDI; Acompanhar o cronograma físico-financeiro dos projetos/ atividades, avaliando os seus resultados; Providenciar a compilação, atualização e análise de indicadores de desempenho determinados pelo TCU. Horário de funcionamento: 8:00 às 12:00/14:00 às 18:00 Telefone: G- Secretaria de Comunicação Principais funções: Assessoria de comunicação/ divulgação (incluindo a confecção de peças de comunicação, organização e participação em eventos, auxílio em todas as atividades que estiverem relacionadas ao âmbito das Relações Públicas) aos projetos que solicitarem; Acompanhamento e/ou organização de eventos que se dará através da solicitação e orientação do órgão promotor do referido evento; Atualização dos espaços: Banco de Eventos e banner do site institucional; Atualização das redes sociais oficiais; Envio de s para a rede de divulgação interna; Confecção de agradecimentos a convites enviados a Reitoria; Participação em eventos e feiras para divulgar a instituição;

26 25 Acompanhamento das visitas de instituições de ensino, ex-alunos e outros segmentos no Campus Universitário, inclusive roteirizando as mesmas; Edição e distribuição online para os órgãos da UNIFEI do Boletim Interno Semanal; Produção de matérias e reportagens envolvendo órgãos acadêmicos e administrativos, cobertura de eventos na universidade; Confecção e apresentação de cerimoniais de eventos, englobando seminários, visitas de autoridades, workshops, palestras, entre outros. Horário de funcionamento: 8:00 às 17:00 Telefone: H- Secretaria de Cooperação Institucional A Secretaria de Cooperação Institucional é um órgão que tem como missão potencializar o processo de internacionalização da UNIFEI através de acordos de cooperação que prevêem a mobilidade acadêmica de professores pesquisadores e alunos. Para isto, a Diretoria fornece à comunidade UNIFEI informações sobre as oportunidades e condições para realizar a mobilidade. Para que ocorra a internacionalização da universidade, o órgão proporciona o recebimento de alunos, pesquisadores e professores de várias instituições que queiram relacionar-se no âmbito acadêmico com a UNIFEI, realizando toda a logística necessária aos estudantes e profissionais no novo ambiente. Os acordos assinados pela UNIFEI têm como característica a reciprocidade e o respeito mútuo às práticas pedagógicas. Elaboração, assinatura e manutenção de acordos de mobilidade acadêmica internacional; Recepção e suporte aos alunos estrangeiros que farão mobilidade acadêmica; Suporte aos alunos brasileiros que irão estudar em uma das instituições parceiras no exterior; recepção e acompanhamento de professores visitantes;

27 26 Acompanhamento e coordenação de programas do governo, como por exemplo, "programa Ciência sem Fronteiras", "Inglês sem Fronteiras", etc. Horário de funcionamento: 7:30 às 12:00 / 13:30 às 17:30 Telefone: / I-Diretoria de Suporte a Informática Com um portifólio com mais de 30 serviços de TI, o DSI é responsável pela administração do Link de Internet, da sala de servidores, dos serviços críticos de rede e sistemas computacionais, dos portais administrativo e acadêmico, dos serviços de manutenção de hardware, da elaboração de estratégias de acesso à rede, do desenvolvimento de sistemas institucionais, das compras de TI e das consultorias internas para o crescimento da rede administrativa e acadêmica. Funções: Acesso à Internet; Serviço de ; Hospedagem de Páginas; Projetos e instalação de redes de dados e voz; VoIP interdepartamental e local; Suporte à elaboração de editais de compra de equipamentos de infra-estrutura de redes; Consultoria interna em TI; Monitoração do link e serviços de rede; Orientação aos gerentes de redes dos departamentos; Manutenção de computadores e monitores; Upgrade de computadores; Manutenção de impressoras laserjet, deskjet e matricial; Suporte e atendimento a usuários; Elaboração e execução de projetos de TI;

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO 02/2015 Aprovar a criação do Núcleo de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Tecnologia

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE (048) 3721-9661 - FAX (048) 234-4069

Leia mais

EDITAL Nº. 003/2013 EDITAL COMPLEMENTAR ÀS CHAMADAS PÚBLICAS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE

EDITAL Nº. 003/2013 EDITAL COMPLEMENTAR ÀS CHAMADAS PÚBLICAS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE EDITAL Nº. 003/2013 EDITAL COMPLEMENTAR ÀS CHAMADAS PÚBLICAS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE A (SCI) e a Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Itajubá, abrem inscrições

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

SUMÁRIO 1. CONSELHO UNIVERSITÁRIO 1250 2. CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO 3. REITORIA 1250 4. DIRETORIA DE PESSOAL 1251

SUMÁRIO 1. CONSELHO UNIVERSITÁRIO 1250 2. CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO 3. REITORIA 1250 4. DIRETORIA DE PESSOAL 1251 ANO 12 Nº 45 ITAJUBÁ(MG), 08 DE NOVEMBRO DE 2013 SUMÁRIO 1. CONSELHO UNIVERSITÁRIO 1250 2. CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO 1250 3. REITORIA 1250 4. DIRETORIA DE PESSOAL 1251 5. PREFEITURA

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - Objetivo Geral: Implantar na UNIFEI um Programa de Capacitação que seja continuado

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

manual do ESTAGIÁRIO

manual do ESTAGIÁRIO manual do ESTAGIÁRIO SUMÁRIO O que é estágio?...05 Modalidades...06 Objetivo geral...06 Quem pode e onde fazer?...08 Procedimentos para formalização da matrícula...08 Carga horária e remuneração...11

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual de regime especial,

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx REGULAMENTO O Presidente do CONSUN e CONSEPE do Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO nº 009/CUn/2006, de 13 de junho de 2006. DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, O ACOMPANHAMENTO E A AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES

ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE MINAS GERAIS GABINETE DO REITOR Avenida Professor Mário Werneck, nº. 2590,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ (Alterado pela Resolução 014/2014- COU/UNESPAR, publicada na edição nº 9476 do Diário Oficial do Estado, em 22/06/15). TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto nº 4.504, de 09 de Dezembro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Gabinete da Reitoria

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Gabinete da Reitoria ESTATUTO TÍTULO I DA UNIVERSIDADE Art.1 - A (UNILA), com sede na cidade de Foz de Iguaçu, é uma autarquia federal, mantida pela União, dotada de autonomia didático-científica, administrativa, disciplinar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS Art. 1º. A Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, instituída pela Lei

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 04/2015 Aprova a criação do Núcleo Unidade EMBRAPII Software e Automação, do Centro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Proposta

Leia mais

PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ EDITAL N 01/2014/Unifei/PROEX, DE 28 de ABRIL de 2014, FINANCIAMENTO DE PROJETOS E PROGRAMAS DE EXTENSÃO DA UNIFEI (EDITAL RETIFICADO) A

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2

PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2 PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2 DECRETO Nº 52.514, DE 25 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a reorganização da, antigo Centro de Formação e Desenvolvimento dos Trabalhadores da Saúde - CEFOR, da Secretaria

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/2009 AD REFERENDUM DO CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 019/2009 AD REFERENDUM DO CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 019/2009 AD REFERENDUM DO CONSUNI Aprova o Regimento da Faculdade Indígena Intercultural F.I.I., da Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. O Reitor da Universidade do Estado de Mato

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE Edital nº 01, de 15 de abril de 2015, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Especialização

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA PERMANENTE Nº 01/2014 DE DE INCUBAÇÃO O Programa de Incubação de Projetos, através da coordenação da

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

PROCESSO Nº: 23078.019009/12-30 ASSUNTO: Proposta de regulamentação da Representação Discente da UFRGS COMISSÃO: LEGISLAÇÃO E REGIMENTOS

PROCESSO Nº: 23078.019009/12-30 ASSUNTO: Proposta de regulamentação da Representação Discente da UFRGS COMISSÃO: LEGISLAÇÃO E REGIMENTOS CONSUN Conselho Universitário PROCESSO Nº: 23078.019009/12-30 Relato Sr. Presidente, Sras. e Srs. Conselheiros: PARECER Nº 404/2012 Trata o expediente de solicitação de alteração da Decisão nº 172/2003

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais