SISTEMAS DE GESTÃO APLICADOS À SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL. Marcelo Henrique da Silveira Leonardo Boczowsviski Agência Nacional de Aviação Civil -ANAC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE GESTÃO APLICADOS À SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL. Marcelo Henrique da Silveira Leonardo Boczowsviski Agência Nacional de Aviação Civil -ANAC"

Transcrição

1 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 SISTEMAS DE GESTÃO APLICADOS À SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL Marcelo Henrique da Silveira Leonardo Boczowsviski Agência Nacional de Aviação Civil -ANAC RESUMO O estudo visa apresentar o estágio atual dos conceitos, desenvolvimento e aplicação de sistemas de gestão em segurança da aviação civil. A partir das normas militares desenvolvidas para a qualificação de fornecedores de armas e afins aplicadas na segunda grande guerra, o trabalho mostra como os sistemas de gestão organizacional evoluíram para o modelo ISO (Internation Organisation for Standardization) da Qualidade e para aqueles mais avançados, que também consideram os interesses de todos os envolvidos na produção de bens e serviços. A partir do Modelo de Qualidade Malcolm Baldrige, que deu origem aos Prêmios da Qualidade aplicados em todo mundo, o estudo mostra que há uma convergência para os modelo preconizado pela ISO 9004:2000. A abordagem dos prêmios da qualidade foi adotada pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), ao premiar empresas nacionais que se destacam no setor. Também é apresentado o modelo International Air Transport Association - IATA busca integrar a gestão da qualidade com a da segurança contra atos ilícitos ( security) da aviação civil em um mesmo sistema. O trabalho demonstra que os modelos aplicados à segurança na aviação civil, também estão alinhados com os sistemas mais evoluídos de gestão organizacional, e que, considerando a experiência dos prêmios da qualidade poderia ser usado um sistema de pontuação semelhante para avaliar quantitativamente a gestão da segurança da aviação civil contra atos ilícitos. ABSTRACT This study aims to present the most recent status of the concepts, deployment and application of civil aviation security management. Starting from its origin in Military Standards, deployed for army suppliers during the second war, the study shows how the organizational management systems evoluted to the ISO model and to those one more evoluted, that also considers the interests of all the stakeholders in the production of goods and services. Beginning by the Malcolm Baldrige Quality model, the study prove that there is convergence to the ISO 9004:2000 model. The Quality Award Approach has been adopted by the Public Transportation National Association in Brazil, while they award national organizations that demonstrate good practices in the sector. It is also presented the International Air Transport Association IATA model the aims to integrate Quality Management to security requirements in the same system. The study shows that the models applied to civil aviation security are also aligned with the more evoluted systems of organizational management, and, considering the experience from the Quality Awards, a similar system could be used for the quantification of civil aviation security management. 1. INTRODUÇÃO A Administração ou Gestão Organizacional tem evoluído de um padrão voltado às suas funções internas (finanças, contabilidade, compras, produção vendas, etc) para uma visão mais global, dirigido aos clientes e demais interessados (stakeholders). O modelo de gestão mais reconhecido internacionalmente é o da ISO, organização associada a ONU (Organização das Nações Unidas), que entre muitos outros, certifica a gestão organizacional na Qualidade de produtos e serviços (ISO 9001:2000) e a gestão ambiental (ISO 14001:2006). A gestão na aviação civil no Brasil brasileiros vem caminhando neste sentido, na medida que as aeronaves devem ser certificadas antes de entrarem em operação, além do que muitos aeroportos têm buscado e alcançado o padrão da certificação ISO 9001:2000 na prestação dos seus serviços. Ainda, a partir dos eventos ocorridos em 11 de setembro de 2001, os requisitos de segurança da aviação civil contra atos ilícitos (security) exigidos pela OACI (Organização da Aviação Civil Internacional), também vinculada à ONU, passaram a ser sujeitos a um padrão normativo específico para o setor, incluídos em um Programa Universal de Auditorias (Universal Security Audits Programs USAP). 768

2 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 Ocorre que pouco se conhece sobre o alinhamento e as associações entre as normas que compõem as exigências de certificação da ISO com as da OACI, especialmente quanto à security, o que poderia ser objeto de conhecimento e aprendizado para a sua correta aplicação no ambiente da aviação civil, além de possibilitar maior agilidade nos processos. Mais grave, a falta de atendimento aos requisitos impostos pela OACI sujeita o Brasil a perder sua posição de destaque na Aviação Civil Internacional, onde faz parte do mais importante grupo do Conselho da Assembléia Geral daquele Organismo, junto com outros 10 países, de um total de 190 estados membros. Esta posição habilita o Estado Brasileiro a manter relações com qualquer estado membro para a operação no seu espaço aéreo e para pouso e decolagem de aeronaves nos seus aeródromos. A hipótese é que existe forte alinhamento entre os requisitos dos processos de certificação da ISO e com os exigidos na USAP, o que pode contribuir para uma convergência dos esforços dos envolvidos nos trabalhos. 2. A EVOLUÇÃO GERENCIAL NA PRODUÇÃO Na indústria automobilística Henry Ford valorizou atividades de inspeção sustentando que a produção deveria empregar um grande número de operações especializadas. Passou a ser exigido contínua supervisão, sendo o propósito central a fabricação de um bem segundo métodos uniformes, normas e procedimentos que permitiam baixo custo. Significativos avanços foram verificados a partir de 1931, com os estudos estatísticos de Shewart, que consolidou a aplicação da inspeção por amostragem. Antes, no início dos processo de fabricação, 100 % dos produtos eram inspecionados, provocando custos e demora na liberação dos produtos para os clientes. Pesquisadores americanos desenvolveram o Controle Estatístico da Qualidade (CEQ), cuja ênfase era a prevenção de defeitos através das técnicas para o controle de processo de fabricação, como as cartas de controle estatístico, além da inspeção do produto final (CQE, 2001). Na Segunda Guerra Mundial, o governo americano exerceu o seu poder de compra para que seus fornecedores comprovassem padrões estatísticos para a liberação dos produtos. Foi Shewart quem idealizou o ciclo PDCA, embora mais tarde tenha passado a ser conhecido também por Ciclo de Deming, famoso pesquisador que o difundiu no Japão. O ciclo considera que a gestão envolve as atividades de Planejamento (Plan P), Realização (Do D), Verificação (Check-C) e Ação (Act A), sendo realimentado com ações não só reativas como próativas, provocando melhorias no processo. O ciclo do PDCA é apresentado na Figura 3.1: A C P D Figura 2.1: O ciclo PDCA No Japão pós-guerra, com a necessidade de reconstruir o país, os japoneses, depois de aplicarem as técnicas desenvolvidas pelos americanos, adotaram o que mais tarde passou a ser 769

3 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 conhecida como Qualidade Total. O CEQ havia se tornado um problema complexo provocando sua adaptação e a introdução de um novo conceito, o Controle Estatístico de Processo (CEP), mais apropriado para certos bens elementares e aplicável durante todas as fase da produção. Nesse sentido Ishikawa (apud Ramos, 1996) simplifica algumas técnicas estatísticas que passaram a ser conhecida como as ferramentas da qualidade - que passando a ser amplamente utilizadas. As considerações passaram a ser então para que toda a administração das empresas incorporasse a preocupação com a qualidade como uma tarefa gerencial rotineira, e não como atividades funcionais distintas. Ainda nos anos 60, Ishkawa concebe os Círculos de Controle de Qualidade (CCQs), passando de uma ação voluntária de cada empregado à sua incorporação à política de pessoal das empresas, contando pontos importantes para premiação e promoção profissional. Os interesses na Qualidade passaram a estar distribuídos entre todos na organização. Evoluindo, Feigenbaum (apud Ramos, 1996) extende as fronteiras da qualidade para além das fronteiras organizacionais, defendendo que qualidade é satisfazer o cliente, e criando o conceito de Controle de Qualidade Total (TQC), baseada em três focos estratégicos : o cliente, os processos e o pessoal (Ramos, op.cit.). Evoluindo, o JURAN (1992) enfatiza a necessidade da participação da alta direção em um Comitê da Qualidade, que deverá planejar as ações e ser responsável pela implantação de um Sistema da Qualidade. Esta é a abordagem mais usualmente aplicada da Qualidade nas organizações conhecida como Total Quality Management TQM. 3. AS NORMAS ISO A Série de normas ISO 9000 teve sua origem nas normas militares durante a Segunda Guerra, conforme anteriormente citado, criadas para garantir confiabilidade a um estado comprador de armas juntos aos seus fornecedores, com a seguinte estrutura (Hutchins, 1994): Military Standards Mil-Q Escopo Aplicabilidade Intento Contratual Sumário Relação com outros requisitos de contrato MIL I Suplementação, substituição e encomenda Documentos Aplicáveis Emendas e Revisões Encomenda de Documentos Governamentais 3 Gestão de Programa de Qualidade Organização Planejamento Inicial para a Qualidade Instruções para o Trabalho Registros Ação Corretiva Cursos relacionados com a Qualidade 4. Recursos e Normas Desenhos, documentação e mudanças Equipamento de Medição e Testes Equipamentos para a produção Uso do Equipamento de Inspeção do Contratante Requisitos de Metrologia Avançada 5. Controle das Compras 5.1 Responsabilidade 5.2 Dados das Compras 6 Controle de Fabricação 770

4 Sitraer 7 (2008) Tr Materiais e processamento de materiais 6.2 Processamento da Produção e Fabricação 6.3 Item terminado 6.4 Manuseio, Armazenamento e Fabricação 6.5 Material fora de conformidade 6.6 Controle e Análise Estatística da Qualidade 6.7 Situação das indicações e inspeções 7. Ações coordenadas Governo Contratante 7.1 Inspeções do Governo nas instalações do Subempreiteiro ou do Vendedor 7.2 Propriedade do Governo 8. Notas 8.1 Notas Internacionais 8.2 Isenções As normas ISO 9000 pouco evoluíram até a sua versão editada em 1994, em que a ênfase era a conformidade de produção e a prevenção de defeitos, baseada em técnicas estatísticas e ensaios realizadas durante o processo produtivo. Pressupunha-se a existência de uma relação bilateral e estável entre fornecedor e cliente, formalizada através de contrato, e, em se tratando de bem manufaturado, de um projeto do produto a ser fornecido. Maranhão (1993) sustenta que as normas ISO 9001 eram destinadas a servir como base de contratos entre fornecedores (quem vende ) e clientes (quem compra), conforme apresentado na Figura 1: Fornecedor ou Produtor ou Fabricante Contratos bilaterais, baseados na ISO 9001 Cliente ou Comprador ou Consumidor Figura 3.1: Relações entre cliente e fornecedor segundo a ISO 9000 Hutchins (1994) esclarece que a norma serve para um cliente garantir a comunicação e a compreensão com fornecedores à distância de muitas milhas, criando uma arena de fornecedores, de nível internacional. Com a globalização, a certificação da qualidade foi valorizada, pois permite agilizar e eliminar entraves ao comércio entre países, na medida que estabeleceram e passam a aceitar, de comum acordo, o padrão para aceitação dos produtos. Seus principais requisitos a serem certificados são descritos a seguir: 4.1 Responsabilidade da Administração 4.2 Sistema da Qualidade 4.3 Análise Crítica de Contrato 4.4 Controle de Projeto 4.5 Controle de Documentos e Dados 4.6 Aquisição 4.7 Controle de Produto fornecido pelo Cliente 4.8 Identificação e Rastreabilidade do Produto 4.9 Controle de Processo 4.10 Inspeção e Ensaios 4.11 Controle de Equipamento de Inspeção 4.12 Situação de Inspeção e Ensaios 4.13 Controle de Produto Não-Conforme 4.14 Ação Corretiva e Ação Preventiva 4.15 Manuseio, Armazenagem e Entrega 4.16 Controle de Registros de Qualidade 4.17 Auditorias Internas de Qualidade 4.18 Treinamento 4.19 Serviços Associados 771

5 Sitraer 7 (2008) Tr Técnicas Estatísticas A norma ISO 9000 foi revista e publicada em dezembro de Haviam críticas quanto a estrutura linear de 20 (vinte) requisitos, mais apropriada para aplicação na indústria de bens manufaturados. A própria ISO (1999) reconhece que havia um viés de manufatura, sendo inclusive uma preocupação para que a norma passasse a ser mais facilmente aplicável a todo o tipo e tamanho de organizações. A ISO apresenta, a partir da versão 2000, uma representação gráfica onde são mais facilmente observadas as características de reatividade e pró-atividade do Ciclo PDCA, denotando uma abordagem mais sistêmica ou global da norma. Melhoria contínua do sistema de gestão da qualidade CLIENTE Responsabilidade da administração CLIENTE Gestão de recursos Medição análise e melhoria Satisfação Requisitos Entrada Realização do produto Produto Saída Legenda agregação de valor informação As grandes alterações são a introdução dos requisitos exigindo o monitoramento da satisfação do cliente e a melhoria contínua, explicitamente citados, o que não acontecia na versão anterior. A ISO também recomenda a aplicação do sistema mais abrangente, fazendo-o aproximar da abordagem do TQM. Isso é possível aplicando um guia (não mandatório), com orientações e recomendações, diretamente associadas aos requisitos da norma exigível (ISO 9001). No guia, denominado ISO 9004:2000, além dos clientes, são consideradas as necessidades das outras partes interessadas (sócios, funcionários, fornecedores, investidores e comunidades da sociedade). A abordagem reativa e pró-ativa também se mostrava presente nas normas de gestão ambiental conforme mostrado a seguir: 772

6 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 ISO 14001:2004 Melhoria Contínua A P C D Política Ambiental Análise Crítica pela Administração Verificação e Ação corretiva Planejamento Implementação e Operação 3 O MODELO DE EXECELÊNCIA E OS PREMIOS NACIONAIS DE QUALIDADE O sucesso dos programas da implantação da Qualidade Total no Japão resultou na extensão do incentivo dados às equipes para toda a organização. Em 1951, com o apoio do governo japonês, o Prêmio Deming foi instituído, passando a premiar empresas japonesas detentoras de rigorosos padrões de qualidade (Ramos, op.cit). Utilizando sistemas de pontuação, passaram a se constituir em importantes fatores motivacionais controlados pelo governo para o aprimoramento da qualidade, ao avaliar e reconhecer métodos de controle da qualidade em empresas japoneses. O reconhecimento era dado segundo os seguintes critérios: Política, Organização, Informação, Normalização, Recursos Humanos, Garantia da Qualidade, Manutenção, Melhoria, Resultados e Planos futuros. Nos Estados Unidos a adoção dos prêmios só veio a ocorrer 15 anos depois com a instituição do Prêmio Malcolm Baldrige, (NIST, [online]) mais focado no cliente e no mercado do que no uso de técnicas estatísticas. Os critérios e a estrutura dos prêmios são revistos periodicamente para representar o mais recente entendimento das práticas e melhoria da qualidade nas organizações, utilizando uma métrica para avaliação de acordo com pontos para os requisitos dos critérios. Os prêmios da Qualidade se difundiram em todo o mundo, a partir da abordagem americana. No Brasil a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) vem, desde 1986, premiando organizações que se destacam pelas suas práticas de excelência, considerando hoje, inclusive critérios mais avançados como gestão do conhecimento e responsabilidade social (FNQ, 2008). Seus principais critérios, requisitos e pontuação são: 1. Liderança Governança corporativa Exercício da liderança Análise do desempenho da organização Estratégias e planos Formulação das estratégias Implementação das estratégias Clientes Imagem e conhecimento de mercado Relacionamento com clientes

7 Sitraer 7 (2008) Tr Sociedade Responsabilidade socioambiental Desenvolvimento social Informações e conhecimento Informações da organização Informações comparativas Ativos intangíveis Pessoas Sistemas de trabalho Capacitação e desenvolvimento Qualidade de vida Processos Processos principais do negócio e processos de apoio Processos de relacionamento com os fornecedores Processos econômico-financeiros Resultados Resultados econômico-financeiros Resultados relativos aos clientes e ao mercado Resultados relativos à sociedade Resultados relativos às pessoas Resultados dos processos principais do negócio e dos processos de apoio Resultados relativos aos fornecedores...30 Total de pontos possíveis A representação gráfica do modelo de excelência é mostrada a seguir: 3.1. A adequação de um modelo de gestão voltado aos transportes A ampla aplicação dos critérios de excelência dos Prêmios da Qualidade em todo o mundo provocou o estudo da sua adoção também para o setor de transportes. Neste sentido a Associação Nacional de Transporte Públicos (ANTP) institui em 1995 o Prêmio ANTP, com o objetivo de estimular o desenvolvimento gerencial das operadoras e dos órgãos gestores do transporte e trânsito e na melhora da imagem do setor junto à sociedade brasileira. Os critérios de avaliação se alinham com os do Prêmio Malcolm Baldrige, com uma duração do ciclo de 2 anos. O prêmio é concedido em caráter institucional, com premiação a cada dois anos, nos Congressos Nacionais da ANTP. Podem se candidatar órgãos de gerência do transporte 774

8 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 público, órgãos gestores de trânsito, empresas de ônibus urbanos e metropolitanos e empresas de trens urbanos e metrôs, podendo ser premiadas até 3 por categoria. Os critérios e pontuação estão descritos a seguir: Tabela 3.1: Critérios do Prêmio da ANTP Critérios Pontos Liderança 45 Planejamento Estratégico 45 Foco nos clientes e na sociedade 45 Informação e Análise 45 Gestão de Pessoas 45 Gestão de Processos 45 Resultados da organização 230 Total A GESTÃO DA SEGURANÇA CONTRA ATOS ILÍCITOS NA AVIAÇÃO CIVIL Como exigência da OACI, o Anexo 17 à Convenção de Chicago que trata de security passou a exigir requisitos de controle de qualidade para as empresas aéreas e para os administradores aeroportuários. A Associação para o Transporte Aéreo Internacional (International Air Transport Association- IATA) desenvolveu e apresentou à OACI seu programa do Sistema de Gestão da Segurança contra Atos Ilícitos (Security Management Systems SEMS) o intuito de atender às exigências de Controle de Qualidade impostas no Anexo 17. A IATA procura a Integração do Sistema de Gestão da Qualidade existente em uma estrutura e cultura organizacional abrangente e alinhada que garanta uma abordagem mais coesa e normalizada para permitir a implementação dos processos de security com outros sistemas dos prestadores de serviços, forma a torná-los melhores e mais uniformes (OACI, 2006). A Estrutura do sistema proposto é a seguinte: o Comprometimento da alta direção com Security o Designação de um Responsável de Security da Alta Direção o Criação de uma estrutura organizacional com departamento de Security o Promoção de uma cultura de Security o Treinamento em Security o Treinamento de familiarização com Security para todos os empregados o Avaliação periódica dos empregados que lidam com Security o Operações efetivas do dia-a-dia de Security o Relatórios Investigativos de Incidentes e acidentes o Correção contínua a partir dos resultados dos relatórios Investigativos de Incidentes e acidentes. o Avaliação de riscos e ameaças o Procedimentos de resposta à emergências o Auditorias periódicas e protocolos para correção das deficiências Segundo a IATA, no cerne do sistema estão métodos e procedimentos para atingir: Controle de acesso o Segurança do perímetro o Segurança do lado ar o Proteção da aeronave estacionada o Credenciamento do pessoal do aeroporto o Segurança da Aeronave antes do vôo Segurança do passageiro e da aeronave 775

9 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 o Verificação da identidade do passageiro o Inspeção do passageiro e bagagens de mão o Procedimentos especiais de inspeção o Passageiros em trânsito e em transferência o Tripulantes, pessoal do aeroporto e o Monitoramento do desempenho do equipamento de security Segurança da Bagagem de Porão Controle da Carga Aérea, correio e encomendas expressas Segurança de Catering e material externo Avaliação de ameaças e riscos Auditoria de security Segurança dos Documentos Restritos 5 - DISCUSSÃO: Embora não explícita, a proposta apresentada pela IATA apresenta uma abordagem tanto reativa como pró-ativa, alinhando seus critérios e requisitos com os modelos mais avançados de gestão conforme demonstrado a seguir, de acordo com a associação com as atividades de Planejamento, Realização, verificação e ações reativas e pró-ativas: Auditorias periódicas e protocolos para correção das deficiências A P Comprometimento da alta direção com Security Designação de um Responsável de Security da Alta Direção Criação de uma estrutura organizacional com departamento de Security C D Relatórios Investigativos de Incidentes e acidentes Correção contínua a partir dos resultados dos relatórios Investigativos de Incidentes e acidentes. Avaliação de riscos e ameaças Procedimentos de resposta à emergências Promoção de uma cultura de Security Treinamento em Security Treinamento de familiarização com Security para todos os empregados Avaliação periódica dos empregados que lidam com Security Operações efetivas do dia-a-dia de Security 6- CONCLUSÃO: Assim como os modelos de gestão mais avançados, o sistema de security proposto aponta para uma abordagem sistemática, com características tanto reativas como reativas como próativas. Em função da experiência de anos dos prêmios da qualidade, inclusive no setor de transporte, sugere-se a aplicação também de um sistema de pontuação mais apurado, onde se poderia quantificar a gestão dos sistemas de segurança contra atos ilícitos, tanto das empresas aéreas como das administrações aeroportuárias. 776

10 Sitraer 7 (2008) Tr. 536 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION ICAO AVSEC/COMM/5-WP/08 Trabalho realizado a partir da reunião do Comitê de Segurança da Aviação contra atos ilícitos Fifth Meeting of the GREPECAS Aviation Security Committee (AVSEC/COMM/5) realizada em Buenos Aires de 31/03/06 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade. Parte 1:Diretrizes para seleção e uso : NBR ISO 9000/94. Rio de Janeiro: 1994 Sistemas de gestão da qualidade : NBR ISO 9001/2000. Rio de Janeiro: 2000 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTE PÚBLICOS ANTP disponível pela Internet: CQE - CERTIFIED QUALITY ENGINEERS WEB PAGE Basic quality concepts disponível pela internet Fundação Nacional da Qualidade FNQ - Critérios de Excelência disponível na Internet HAMMER M. (2002), A empresa supereficiente Artigo publicado na revista EXAME Edição Especial Editora Abril Janeiro de 2002 HUTCHINS, G. ISO 9000: Um Guia Completo para o Registro, as Diretrizes da Auditoria e a Certificação Bem- Sucedida Editora Makron Books São Paulo 1994 INMETRO (2000) A HISTÓRIA DA QUALIDADE E O PROGRAMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE. INMETRO/SENAI, Rio de Janeiro. INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION ICAO AVSEC/COMM/5-WP/08 Trabalho realizado a partir da reunião do Comitê de Segurança da Aviação contra atos ilícitos - Fifth Meeting of the GREPECAS Aviation Security Committee (AVSEC/COMM/5) realizada em Buenos Aires de 31/03/06 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION ISO Technical Committee ISO/TC 176 (1999) Introduction to the revision of the ISO 9000 standards Documento introdutório à revisão das normas ISO 9000, Genebra, Suiça Juran J. M. (1992) A Qualidade desde o Projeto: Os novos passos para o Planejamento da Qualidade em Produtos e Serviços. Editora Pioneira, São Paulo. Maranhão M. (1993) ISO Série 9000 Manual de Implementação. Qualitymark Editora, Rio de Janeiro. NIST NATIONAL INSTITUTE FOR SCIENCE E TECNOLOGY The home of the Malcolm Baldrige Quality Award disponível pela Internet : Porter, M. (1986) Vantagem Competitiva Criando e sustentando um desempenho superior Editora Campus, Rio de Janeiro. Ramos, R.E. (1996) qualidade e competição no transporte urbano por ônibus no brasil: Análise do Quadro Atual e Perspectivas de Estratégias Empresariais e Políticas Públicas Tese de Doutoramento Coordenação dos Programas de Pós Graduação de Engenharia - COPPE UFRJ, Rio de Janeiro. Silveira, M. H. (2001) Estágio atual e perspectivas da Normalização da Qualidade: o caso da construção Civil no Brasil - Dissertação de Mestrado apresentada para a Titulação de Mestre em Engenharia, Produção e Qualidade na Universidade Federal Fluminense Rio de Janeiro Silveira, M. H. (2001) Qualidade em Serviços de Transportes MBA Gestão Operacional de Rodovias Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio-Ambiente Universidade Federal Fluminense UFF, Rio de Janeiro. Takashina N. T. e Flores M. C. X. (1996) Indicadores da Qualidade e do Desempenho: como estabelecer metas e medir resultados Qualitymark Editora, Rio de Janeiro. Takashina, N. T. (2000) Apostila do Curso GESTÃO INTEGRADA PARA A EXCELÊNCIA Curso MBA ministrado pela Fundação Getúlio Vargas FGV, Rio de Janeiro. 777

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Consultoria ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Demonstre o seu compromisso com a qualidade e a satisfação dos seus clientes O Sistema de Gestão da Qualidade tem a função de suportar o alinhamento

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação

ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação Marcel Menezes Fortes 1- Introdução: Em 28 de dezembro de 2008, a ABNT NBR ISO-9001:2008 entrou em vigor em substituição à Norma ABNT NBR ISO-9001:2000. Pretendemos

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 Hall Consult Produtos/ Serviços:

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. Dr. Jorge Muniz Jr. Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO Luciane de Oliveira Cunha (ITA) lucianeoc@yahoo.com.br João Murta Alves (ITA) murta@ita.br

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Desafios, Necessidades e Perspectivas da Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica (Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura)

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES

MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES Sergio Bonfa (UFSCar) sbonfa@uol.com.br As organizações,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Gestão da Qualidade. Engenharia da Qualidade. Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho. Engenharia da Qualidade

Gestão da Qualidade. Engenharia da Qualidade. Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho. Engenharia da Qualidade Gestão da Qualidade Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho APRESENTAÇÃO Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho * Graduação em Engenharia Química / Universidade Federal da Bahia * Mestrado em Engenharia

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

Avaliação da Gestão. Bruno Carvalho Palvarini

Avaliação da Gestão. Bruno Carvalho Palvarini Avaliação da Gestão Bruno Carvalho Palvarini Departamento de Inovação e Melhoria da Gestão Secretaria de Gestão Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Origem dos Critérios de Excelência:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

E-mail: clucas@ird.gov.br; rluciane@ird.gov.br; estela@ird.gov.br. Palavras-chave: Gestão da qualidade, Deming, ABNT ISO/IEC 17025.

E-mail: clucas@ird.gov.br; rluciane@ird.gov.br; estela@ird.gov.br. Palavras-chave: Gestão da qualidade, Deming, ABNT ISO/IEC 17025. Estudo comparativo de implementação de requisitos gerenciais da ABNT NBR ISO/IEC 705 e boas práticas de gestão em laboratórios de calibração da área de radiações ionizantes Carlos Alberto Lucas Suplino

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL. Disciplina: Gestão da Qualidade

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL. Disciplina: Gestão da Qualidade 1 de 13 Sumário 1 Normalização... 2 1.1 Normas... 2 1.2 Objetivos... 2 1.3 Benefícios de Normalização... 2 1.4 A Importância da Normalização Internacional... 3 1.5 Necessidades de Normalização Internacional...

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os compromissos da ANAC relacionados

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM FEV/08 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 3 O surgimento e a importância das Normas ISO Objetivos: Esclarecer como se deu o processo

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais