UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS PRÉ-FABRICADAS DESDE SUA FABRICAÇÃO ATÉ SEU DESTINO FINAL NA OBRA. JOSÉ LUÍS DO CARMO CABRAL NILSON LUIZ MIRANDA CAVALEIRO JÚNIOR Belém PA Junho / 2012

2 2 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA - UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA - CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JOSÉ LUÍS DO CARMO CABRAL NILSON LUIZ MIRANDA CAVALEIRO JÚNIOR ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS PRÉ-FABRICADAS DESDE SUA FABRICAÇÃO ATÉ SEU DESTINO FINAL NA OBRA. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como requisito parcial de avaliação orientado pelo Prof. Msc Márcio Murilo Ferreira de Ferreira. Belém PA Junho / 2012

3 3 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA - UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA - CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova o Trabalho de Conclusão de Curso. ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS PRÉ-FABRICADAS DESDE SUA FABRICAÇÃO ATÉ SEU DESTINO FINAL NA OBRA. Elaborado por: José Luís do Carmo Cabral Nilson Luiz Miranda Cavaleiro Júnior Como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheiro Civil COMISSÃO EXAMINADORA Prof. Msc Márcio Murilo Ferreira de Ferreira (Orientador / Universidade da Amazônia - UNAMA) Prof. Msc Antônio Massoud Salame (Co orientador / Universidade da Amazônia - UNAMA) Prof. Msc Evaristo Clementino Rezende Júnior (Universidade da Amazônia - UNAMA) Belém PA Junho / 2012

4 4 DEDICATÓRIA A todos aqueles que nos dispensaram credibilidade: nossos familiares, amigos e mestres.

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente Àquele que se convencionou chamar de Deus, O grande engenheiro do universo, centro da minha vida, por estar sempre no meu caminho, iluminando e guiando às escolhas certas, por ter me sustentado em Suas mãos para que eu não tropeçasse em meio às adversidades e provações. A minha mãe Rosa Maria Marques do Carmo em especial pela inteira dedicação e por muitas vezes ter deixado de lado seus sonhos para acreditar nos meus e que foi a base de tudo para mim, apoiando-me nos momentos difíceis com força, confiança, amor, ensinando-me a persistir nos meus objetivos e ajudando-me a alcançá-los. A minha esposa Érika Daniele Ribeiro Cabral pelo apoio, incentivo e paciência durante minha ausência para compor este trabalho. Aos meus irmãos, José Renato e José Mário do Carmo Cabral, agradeço-lhes pela companhia, carinho e momentos de descontração vividos a cada dia, que nos ajudaram a superar as diferenças. A meus avós paternos (padrinhos); Joaquim Athaíde Cabral e Felizarda Pinheiro de Campos Cabral in memorian. A meus avós maternos; Luís Neves do Carmo e Gonçalina Marques do Carmo. in memorian, pelo carinho, incentivo e por acreditarem no meu potencial em todos os momentos. Ao meu filho João Lucas Costa Cabral ao qual espero servir de exemplo. Aos meus tios e primos, pela atenção e apoio durante essa minha trajetória. Aos meus sobrinhos por me darem a oportunidade de amadurecer como pai. Aos meus amigos de graduação do curso de engenharia civil em especial a Apoena Nogueira, Ítalo Santos, Mateus Mangabeira e Nilson Cavaleiro, pelo convívio, amizade, compreensão e estudos. Ao orientador Prof. Márcio Murilo, agradeço as cobranças, exigências, dinamismo, confiança e por acreditar em nosso potencial. Ao co-orientador Prof. Antônio Salame, muito obrigado pelo apoio, paciência, incentivos e ajuda quando precisávamos. Enfim a todos que contribuíram para a conclusão deste trabalho. Muito obrigado. José Luís do Carmo Cabral

6 6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por sempre estar na minha vida e nos momentos mais difíceis, deume forças para superar minhas dificuldades. A minha mãe Raimunda do Socorro por sempre ter acreditado no meu potencial e muitas vezes ter deixado seus sonhos para investir nos meus. Ao meu pai Nilson Cavaleiro por sempre ter me dado força e incentivos. A minha irmã Thaís Cavaleiro por ter me mostrado que nas dificuldades sempre existe um bom aproveitamento como ela sempre fez em nossas vidas. Aos meus tios Jorge, Alailson e Mário pelos bons conselhos e grande apoio. As tias Lenise e Vânia por sempre me incentivarem e me apoiarem nos momentos difíceis. Ao meu avô paterno Arlindo Cavaleiro por ser um exemplo de pai, amigo e companheiro de todos. Ao meu avô materno in memorian Pedro dos Reis por ter sido um exemplo de garra, determinação, garra e sabedoria. A minha namorada Mara Patrícia por ter superado as dificuldades junto comigo e sempre ter me incentivado para continuar a minha caminhada acadêmica e profissional. Aos meus mestres Antônio Salame, mestre Lemos, Zacarias, Wandemir e Márcio Murilo por terem contribuído bastante para a minha formação acadêmica. A empresa Premazon e seus colaboradores por terem aberto as portas para dividir comigo seus conhecimentos e em especial ao diretor técnico Ricardo Bitar por ter contribuído bastante na minha formação profissional. Aos meus amigos e em especial Luís Cabral e Ítalo Santos que ao longo da vida acadêmica e profissional ajudamos uns aos outros. Nilson Luiz Miranda Cavaleiro Júnior

7 7 "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; Ninguém vem ao Pai senão por mim". João (cap 14, v 6)

8 8 RESUMO Este trabalho foi elaborado com acompanhamento de produção no interior da empresa PREMAZON Pré-moldados de Concreto Ltda, situada na Alça Viária, PA 150, Km 2,5 no município de Marituba no estado do Pará, com pista de protensão de 156,00 metros de comprimento e aplicação na obra das lojas Americanas e DecorArt, localizadas na Av. Pedro Álvares Cabral esquina da Av. Tavares Bastos, no município de Belém, capital do estado do Pará com área de 2.896,78 m². Tem como objetivo ilustrar a produção de lajes alveolares protendidas na indústria de pré-fabricados, bem como sua aplicação em obra. É apresentado o roteiro de produção com detalhes fotográficos dos cuidados prévios para resultar num produto de qualidade, como acompanhamento de todo o processo, desde o cuidado na dosagem do concreto incluindo a escolha do cimento, seus agregados e aditivos, através de laboratório, montagem da pista de protensão, incluindo limpeza, aplicação de desmoldante, instalação das cordoalhas, assentamento dos limitadores e tubos alveolares, protensão, concretagem, deslizamento dos alvéolos, alívio de carga, separação das lajes, retirada das mesmas da pista, armazenamento, cura, cuidados com transporte da fábrica até a obra, armazenamento e assentamento da laje no local de destino, nivelamento e confecção de capa niveladora. Salienta também quando optar por lajes alveolares protendidas e viabilidade de aplicações. Palavras-chave: Pré-fabricados, protensão, laje alveolar, aplicação em obra.

9 9 ABSTRACT This paper was prepared with monitoring of production within the company PREMAZON - Pré-moldados de Concreto Ltd., located in the Loop Road, PA - 150, 2.5 km in the city of Marituba in Pará state, with prestressing track of 156,00 meters length and application in the work of Americanas and DecorArt stores, located at Pedro Álvares Cabral Av. corner of Tavares Bastos Av., in Belém, capital of Pará state with an area of 2.896,78 m². Aims to illustrate the production of prestressed alveolar slabs in precast industry, as well as their application to work. It appears the script for production with photographic detail of care prior to result in a quality product, such as monitoring the entire process, from the careful measurement of the concrete including the choice of cement, aggregates and their additives, through laboratory assembly course of prestressing, including cleaning, application of mold release, installation of wire rope, laying of pipes and limiting alveolar prestressing, concrete, slip of the alveoli, load relief, separation of the slabs, the withdrawal of the same track, store, cure, care transport from the factory to the site, storage and settlement of the slab in place, making leveling and leveling layer. It also highlights when opting for prestressed alveolar slabs and viability of applications. Keywords: precast, prestressed, alveolar slab, application to work.

10 10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Efeito da protensão...26 FIGURA 2 - Pista de protensão...27 FIGURA 3 - Sistema com armadura pré-tracionada...28 FIGURA 4 - Pista de protensão com armaduras longitudinais...28 FIGURA 5 - Macaco de protensão de monocordoalha...29 FIGURA 6 - Montagem de macaco hidráulico para protensão...29 FIGURA 7 - Bainhas metálicas e luva de emenda...30 FIGURA 8 - Cordoalhas engraxadas com e sem bainhas...30 FIGURA 9 Laboratório médico em Belém...31 FIGURA 10 - Laboratório médico, estacionamento...32 FIGURA 11 - Pirâmide de Kefren...33 FIGURA 12 - Esta gravura, pintada à mão pelo artista holandês Maerten van Heemskerck, no Século XVI, representa os jardins suspensos da Babilônia, uma das "sete maravilhas do mundo" antigo, criadas pelo rei Nabucodonosor II por volta de 600 a.c...33 FIGURA 13 - Representação de uma laje de concreto...34 FIGURA 14 - Lajes em grandes vãos entre vigas...35 FIGURA 15 - Seção Transversal do Painel alveolar...36 FIGURA 16 - Seção Transversal do Painel alveolar...37 FIGURA 17 - A) Máquina extrusora...39 FIGURA 17 - B) Detalhe das hélices...39 FIGURA 18 - A) Pista de fabricação de laje moldada...39 FIGURA 18 - B) Cilindros metálicos...39

11 11 FIGURA 18 - C) Cilindros, limitadores de largura e comprimento posicionados para início de concretagem...40 FIGURA 18 - D) Cilindros moldando alvéolos da primeira laje...40 FIGURA 19 - Corte de laje por disco diamantado...40 FIGURA 20 Laje sobre a carreta...41 FIGURA 21 Içamento das lajes...42 FIGURA 22 A e B) Assentamento das lajes em local definitivo...42 FIGURA 23 - Montagem dos painéis Alveolares...43 FIGURA 24 - Redução de mão-de-obra...44 FIGURA 25 - Eliminação de cimbramento...44 FIGURA 26 - Carreta com dificuldade para entrar no canteiro...46 FIGURA 27 Fôrma limpa com desmoldante aplicado...49 FIGURA 28 - Bobina de cabo de cordoalha...50 FIGURA 29 Cabos passando pelos limitadores e ancorados na extremidade...50 FIGURA 30 Macaco de protensão de monocordoalha...51 FIGURA 31 - Manômetro do aparelho de protensão...51 FIGURA 32 - Alongamento da cordoalha devido a protensão...52 FIGURA 33 A e B) Tubos de aço e pista untadas com desmoldante...53 FIGURA 34 Movimento transversal manual...53 FIGURA 35 Mostra o movimento transversal sendo executado manualmente em outro tubo de aço...54 FIGURA 36 Detalhe da fixação do cabo de aço da talha no tubo...54 FIGURA 37 Talha: equipamento utilizado para sacar os tubos longitudinalmente...55

12 12 FIGURA 38 Mostra o início do saque dos tubos...55 FIGURA 39 Mostra o início do posicionamento dos tubos na laje posterior...56 FIGURA 40 A e B) Mostram o saque dos tubos finalizando uma peça e posicionando para o início da outra...56 FIGURA 41 A e B) Mostram uma peça acabada e o início da concretagem da outra...57 FIGURA 42 Betoneira elevada...59 FIGURA 43 Alteração de seção ocorrida principalmente em misturas com excesso de água...60 FIGURA 44 A e B) Prensa eletrônica para ensaio de compressão e Painel de controle da prensa, respectivamente...61 FIGURA 45 A e B) Agitador eletrônico para ensaio de granulometria e estufa, respectivamente...61 FIGURA 46 Caçamba de concreto...62 FIGURA 47 Lançamento do concreto pela abertura inferior da caçamba...63 FIGURA 48 Espalhamento do concreto com enxada...64 FIGURA 49 Adensamento com vibrador de imersão...64 FIGURA 50 Espalhamento do concreto com pá de bico...65 FIGURA 51 Adensamento com motor vibrador de baixa rotação...65 FIGURA 52 Acabamento das peças enquanto concreta-se a peça posterior...66 FIGURA 53 Concretagem da peça posterior a que está sendo acabada...66 FIGURA 54 Desprotensão da pista completa...67 FIGURA 55 Local de separação das peças após a desprotensão...67 FIGURA 56 Pórtico rolante...68 FIGURA 57 Garra metálica...68

13 13 FIGURA 58 Empilhamento de lajes (detalhe das proteções de madeira)...69 FIGURA 59 Estocagem das lajes alveolares com calços de madeira...69 FIGURA 60 Projeto de distribuição das lajes...73 FIGURA 61 Projeto individual de uma laje alveolar...74 FIGURA 62 Chegada das lajes na obra...75 FIGURA 63 Detalhe da amarração das lajes na carreta...75 FIGURA 64 Descrição do produto final...76 FIGURA 65 A e B) Retirada da laje de cima da carreta e início da montagem...76 FIGURA 66 A e B) Montagem das lajes alveolares protendidas na obra...77 FIGURA 67 A e B) Conjunto: Lajes, vigas e pilares pré-fabricados montados na obra...77 FIGURA 68 Montagem do Torniquete para equalização das placas...78 FIGURA 69 A e B) Detalhe dos torniquetes durante a equalização...78 FIGURA 70 Equalização de lajes na obra...79 FIGURA 71 Chave de cisalhamento entre dois painéis...79 FIGURA 72 Painéis solidarizados pela chave de cisalhamento...80 FIGURA 73 Chaveteamento de lajes...80 FIGURA 74 Malha de distribuição e emenda por traspasse...81 FIGURA 75 Montagem de armadura (tela) para posterior capeamento...82 FIGURA 76 Detalhe da armadura negativa...82 FIGURA 77 Posicionamento da Armadura Negativa...83 FIGURA 78 Detalhe da armadura negativa...83 FIGURA 79 Capa de concreto executada sobre os painéis alveolares...84 FIGURA 80 Variação da espessura da capa de concreto em função da contra-flecha...85

14 14 FIGURA 81 Paginação das lajes alveolares com indicação das placas recortadas...86 FIGURA 82 Encaixe de painéis alveolares na obra...87 FIGURA 83 Laje recortada na fabricação...87 FIGURA 84 Exemplo de furo na laje alveolar...88 FIGURA 85 Detalhe da tubulação na laje alveolar...88 FIGURA 86 Detalhe da tubulação na laje alveolar aparente...89 FIGURA 87 Detalhe da tubulação na laje alveolar aparente...89 FIGURA 88 Cronograma de montagem da estrutura...90

15 15 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Comparativo de desempenho das lajes treliçadas, protendidas e alveolares, todas com altura de 16 cm...45 TABELA 2 Malha de Distribuição (Armadura Mínima)...81 TABELA 3 Custo de montagem por metro quadrado de laje...91

16 16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMÁTICA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA PRÉ-MOLDADOS PRÉ-FABRICADOS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Projetistas e Arquitetos Construtora Investidores CONCRETO PROTENDIDO DEFINIÇÃO DE LAJES FUNÇÕES ESTRUTURAIS DAS LAJES LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA DEFINIÇÕES QUANDO UTILIZAR LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS Área Mínima de Laje Vão de Laje Sobrecarga...38

17 GENERALIDADES DAS LAJES ALVEOLARES MÉTODOS CONSTRUTIVOS VANTAGENS E DESVANTAGENS Vantagens Desvantagens ESTUDO DE CASO: FABRICAÇÃO DE LAJE ALVEOLAR A EMPRESA RECOMENDAÇÕES GERAIS PROCESSO DE PRODUÇÃO DAS LAJES ETAPAS DE FABRICAÇÃO CONTROLE DE QUALIDADE E SEGURANÇA ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO NA OBRA PROJETOS PROCESSO EXECUTIVO Chegada das Lajes na Obra Montagem das Lajes Equalização dos Painéis Alveolares Junta entre Painéis ou Rejuntamento Montagem da Armação para o Capeamento Capeamento Recorte dos Painéis Alveolares Furo na Laje Alveolar Protendida Passagem dos Dutos na Laje TEMPO DE MONTAGEM DA ESTRUTURA CUSTO DA LAJE ALVEOLAR MONTADA CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA...93

18 18 1 INTRODUÇÃO De acordo com El Debs (2000), a construção civil representa, de uma maneira geral, uma indústria atrasada devido a sua baixa produtividade, grande desperdício de materiais, morosidade e baixo controle de qualidade. A industrialização da construção e a racionalização da execução de estruturas de concreto são os principais motivos para o emprego do concreto pré-moldado. No quarto de século XX que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, a Europa encontrava-se destruída e devastada. A necessidade de reconstrução rápida e a escassez de mão de obra estimularam o grande impulso de evolução e aplicação da tecnologia do concreto pré-moldado, principalmente em habitações, galpões e pontes, concentrando inicialmente tal desenvolvimento na Europa Ocidental e posteriormente para a Europa Oriental (El Debs, 2000). Os reflexos de tal desenvolvimento foram sentidos no Brasil a partir da década de 50, quando houve um impulso para o emprego da pré-moldagem no país, conforme é apresentado em Melo (2004). O uso de pré-moldado em grandes obras já acumula quase 75 anos e a préfabricação quase 50 anos. Melo (2004) afirma que a industrialização progressiva dos processos executivos da construção civil é uma tendência irreversível no Brasil, a exemplo do que já ocorreu nos países da América do Norte e da Europa. A procura de simplicidade construtiva, ao lado de um modelo de projeto simples e realista, é uma necessidade para a qualidade e a competitividade neste início de século globalizado. A utilização de pré-fabricados entra como uma alavanca para agilizar, racionalizar e ao mesmo tempo garantir qualidade no processo construtivo; Lima (op. Cit., p. 21) comenta que o sistema construtivo pré-fabricado facilita o gerenciamento, revela ganhos e garante o controle da obra nas diversas etapas do empreendimento. Salientado por Emerick (2005), a pressão de um mercado estrutural cada vez mais exigente demanda um melhor aproveitamento de espaços e gera a necessidade de vencer vãos maiores com elementos estruturais de altura reduzida. Como decorrência, cresceu o interesse

19 19 do uso do concreto protendido como solução estrutural para edifícios residenciais e comerciais. Entretanto, existe pouca disponibilidade de literatura nacional relacionada ao assunto. Afirma Ferreira et al. (2007), as lajes alveolares protendidas são os elementos préfabricados de maior aplicação em todo o mundo nas últimas décadas, como decorrência do custo relativamente baixo deste sistema em comparação com os sistemas convencionais. 1.1 PROBLEMÁTICA Pela falta de conhecimento técnico e divulgação do uso de estruturas pré-fabricadas protendidas, mais especificamente lajes e vigas, é que muitas obras, no mercado da construção civil de Belém e Região Metropolitana, tendem a ter seu cronograma atrasado por falta da introdução desta tecnologia. Assim, por entendermos que o conhecimento é importante para a realização de um excelente trabalho no ambiente da construção civil é proposto neste trabalho à busca da aplicação desta tecnologia in loco em obra específica para mostrar sua eficácia, alto desempenho e produtividade. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O presente estudo visa caracterizar a fabricação, transporte e aplicação no canteiro de obras das lajes pré-fabricadas alveolares protendidas, com embasamento teórico e prático adquirido no assunto Objetivo Específico Acompanhar o processo de fabricação das lajes alveolares protendidas, fazendo um estudo de caso na empresa PREMAZON Pré-moldados de Concreto Ltda, situada no município de Marituba PA.

20 20 Descrever o processo de fabricação, transporte e montagem das lajes alveolares na obra das Lojas Americanas e DecorArt, localizadas na Av. Pedro Álvares Cabral esquina da Av. Tavares Bastos, no município de Belém PA.

21 JUSTIFICATIVA Atualmente existem vários tipos de lajes que podem ser utilizadas com o objetivo de reduzir o tempo de execução da obra. Claro (2008, p. 21) explica que há um enorme leque de opções de lajes, que podem adaptar-se as mais variadas necessidades. Por se tratar de um produto pré-fabricado, se ganha com a eliminação do uso exagerado de recursos naturais, tais como madeira para escoramento já que esta tecnologia é alto portante, e fôrmas.

22 22 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA De acordo com a NBR 9062, aponta uma diferença entre pré-moldados e préfabricados, no grau de controle de qualidade. 3.1 PRÉ-MOLDADOS: Elemento moldado previamente e fora do local de utilização definitiva da estrutura o qual dispensa a existência de laboratório e demais instalações congêneres próprias (NBR 9062, 2006, p.4, item 3.10). 3.2 PRÉ-FABRICADOS: Elemento pré-moldado executado industrialmente, em instalações permanentes de empresa destinada para este fim, com mão-de-obra especializada e rigoroso controle de qualidade envolvendo fôrma, armadura, mistura e lançamento de concreto, armazenamento, transporte e montagem (NBR 9062, 2006, p.4, item 3.11). 3.3 VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS: A utilização de pré-fabricados tem origem bastante antiga. Santor (2008, p. 14 apud Vasconcellos, 2002) menciona que a primeira aplicação de elementos pré-moldados que evoluíram para os pré-fabricados em estruturas de edificações foi realizada na Franca, em 1891, utilizando-se vigas pré-moldadas na construção do Cassino de Biarritz. Na primeira década do século XX, principalmente nos EUA e Europa, houve grandes avanços na tecnologia de concreto pré-moldado. O sistema pré-fabricado possui diversas vantagens frente ao sistema in loco, pois abriga tecnologia em prol da agilidade e qualidade. Lima (2004, p. 22) salienta que este sistema é uma forma extremamente ágil na edificação de construções, capaz de contemplar do simples ao sofisticado. Dentre os beneficiários apontados pelo sistema de estruturas pré-fabricadas, ABCIC (2012) destaca:

23 Projetistas e Arquitetos A indústria de pré-fabricados preocupa-se cada vez mais em oferecer a projetistas e arquitetos, estética, funcionalidade e praticidade em um mesmo pacote. Conheça alguns benefícios que podem ser alcançados com o uso de sistemas pré-fabricados de concreto: Respeito à Criatividade A indústria está atenta às necessidades dos arquitetos quanto à liberdade de criação, e oferece todas as condições para que cada projeto se materialize. Incorporando novas tecnologias de produção, disponibiliza as mais variadas soluções em estruturas e acabamento, ampliando os benefícios no uso do sistema pré-fabricado de concreto Flexibilidade Componentes sob medidas para projetos especiais, com definição prévia de materiais, garantem ineditismo, plasticidade e modernidade, tudo dentro de um sistema aberto, capaz de receber os demais elementos construtivos Soluções Integradas Os sistemas pré-fabricados de concreto admitem a incorporação de outros componentes em suas peças como: contramarco, caixilhos, revestimentos cerâmicos e outras opções de acabamento e se integram aos outros sistemas construtivos moldando-se à necessidade de cada projeto Inovação Como setor formal, a indústria de pré-fabricados está conectada às tendências de mercado e novidades mundiais na área de construção. Assim, colocam-se junto com os projetistas as realizações de novas experiências para aperfeiçoar a forma e a qualidade de nossas edificações Sustentabilidade Significa ganhos aos três pilares da nossa sociedade: Pessoas, lucro e o planeta. Se apenas um destes elementos é negativo a solução não pode ser considerada sustentável.

24 Construtora A indústria de pré-fabricados proporciona a redução da mão de obra no canteiro, elimina etapas que não agregam valor e trabalham num ambiente mais limpo e livre de resíduos Produtividade e visão sistêmica Custos de difícil mensuração e grande contingência de operários por períodos indefinidos, em geral acompanhados de custos indiretos e encargos sociais, dão lugar à apropriação detalhada de custos, planejamento das etapas e o máximo de previsibilidade em desembolsos Qualidade Produzidos em unidade industrial, os sistemas pré-fabricados de concreto utilizam matérias-primas normatizadas e de origem comprovada. O próprio processo de fabricação garante um padrão de qualidade constante, além de contínuo e consistente desenvolvimento tecnológico, a fim de suprir as demandas do mercado Confiabilidade Garantia de qualidade, cumprimento de prazos e manutenção de custos são fatores que fazem crescer a confiança no sistema de pré-fabricados de concreto Responsabilidade ambiental Produzidas de acordo com cada projeto, as peças pré-fabricadas eliminam desperdícios, resíduos e entulho, resultando em obras rápidas e limpas Investidores Rapidez, durabilidade, baixa manutenção e facilidade na compatibilidade e outros componentes construtivos, fazem do sistema pré-fabricado de concreto uma opção preferencial por parte dos investidores.

25 Velocidade Ganho de agilidade na construção, possibilitando redução de tempo de execução da obra e garantia de cumprimento de prazos Competitividade Ao integrar diversas etapas de uma obra, os sistemas construtivos pré-fabricados de concreto são extremamente competitivos, reduzindo ou eliminando diversos custos indiretos ou de difícil mensuração Controle de prazos e custos O sistema pré-fabricado de concreto permite maior confiabilidade no cumprimento do cronograma físico-financeiro, proporcionando antecipação no retorno do investimento Durabilidade Os custos com manutenção durante a vida útil da edificação são minimizados, em decorrência do controle de qualidade mais rigorosos dos componentes, proporcionado pela produção em unidade industrial Segurança Os pré-fabricados de concreto têm elevada resistência ao fogo, propriedade garantida por exigência de norma técnica da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas -, e atestada em ensaios e casos reais. Resultado: os custos com seguro são inferiores, se comparados com os de outros sistemas industrializados. 3.4 CONCRETO PROTENDIDO De acordo com Leonhardt (1983), a deficiente resistência à tração do concreto fez com que se buscasse colocar sob compressão as zonas tracionadas das estruturas de concreto, através de uma força normal de protensão aplicada excentricamente sobre o concreto, de tal modo que as tensões de compressão provenientes da protensão tendam a anular as tensões de tração no concreto, originadas de seu peso próprio e cargas atuantes, conforme apresentado na

26 26 figura 1. A convenção de sinais adotada utiliza valores negativos para tensões de compressão e positivos para tensões de tração. Onde: q = Carga acidental. g = Peso próprio. Np = Força de protensão. Mp = Momento fletor devido à protensão. Mq = Momento fletor devido à carga acidental. Mg = Momento fletor devido ao peso próprio. Figura 1 - Efeito da protensão. Fonte: Adaptado de Leonhardt A norma NBR 6118 (2007) da ABNT define estrutura de concreto protendido, como aquela que utiliza elementos [...] nos quais parte das armaduras é previamente alongada por equipamentos especiais de protensão com a finalidade de, em condições de serviço, impedir ou limitar a fissuração e os deslocamentos da estrutura e propiciar o melhor aproveitamento de aços de alta resistência no Estado Limite Último (ELU). Acrescenta Pfeil (1984), a protensão é atingida mediante a utilização de cabos de alta resistência, tracionados e ancorados no concreto. Cordoalhas, fios e cabos de aço, também denominadas armaduras de protensão, podem ser pré-tracionados ou pós-tracionados. O sistema de pré-tração é geralmente utilizado em fábricas, onde a concretagem é realizada em instalações fixas, denominadas pistas de protensão, como mostra a figura 2. As pistas de protensão são longas, permitindo a produção simultânea de diversas peças.

27 27 Figura 2 - Pista de protensão. Fonte: Premazon (2011) Segundo Pfeil (1984), o sistema de pré-tração, representado na figura 3, consiste em armaduras colocadas longitudinalmente na pista de protensão (figura 4), atravessando todo o seu comprimento, sendo fixadas em uma extremidade por meio de dispositivos mecânicos, geralmente constituídos por cunhas, e mantida a outra extremidade móvel. Com o auxílio de macacos hidráulicos (figura 5), estes esticam as armaduras até alcançar o esforço de protensão desejado. Por meio de calços ou cunhas as armaduras esticadas são fixadas na placa de ancoragem. O concreto é lançado dentro das fôrmas, envolvendo as armaduras protendidas, que ficam aderentes. Após a cura do concreto e atingido a resistência mínima necessária, é retirada lentamente a força externa aplicada nas armaduras e a seguir estas são cortadas junto às faces do concreto. O encurtamento das armaduras é impedido pela aderência das mesmas com o concreto, resultando em estruturas protendidas.

28 28 Figura 3 - Sistema com armadura pré-tracionada. Fonte: Migliore Junior e Pastore (2007) Figura 4 - Pista de protensão com armaduras longitudinais. Fonte: Premazon (2011)

29 29 Figura 5 Macaco de protensão de monocordoalha. Fonte: Hanai (2005) Ainda segundo Pfeil (1984), os sistemas com armaduras pós-tracionadas são mais utilizados quando a protensão é realizada na obra. Neste sistema, a protensão é realizada após o ganho de resistência do concreto. O concreto é lançado em fôrmas e são colocados os cabos de aço no interior de bainhas. Após o concreto ter atingido resistência suficiente, os cabos são esticados pelas extremidades, até atingirem o alongamento desejado. Em seguida, os cabos são ancorados nas faces do concreto com dispositivos mecânicos, aplicando assim o esforço de compressão ao concreto. A figura 6 apresenta a fase de montagem de macaco hidráulico para protensão de cabos pós-tracionados. Figura 6 - Montagem de macaco hidráulico para protensão. Fonte: Migliore Júnior e Pastore (2007)

30 30 Conforme Emerick (2005), a classificação do sistema de pós-tração quanto à sua aderência entre os cabos e o concreto, em sistemas: aderente e não aderente. No sistema com protensão aderente, após a protensão dos cabos, é injetada nata de cimento dentro das bainhas metálicas (figura 7), as quais abrigam as cordoalhas a serem protendidas. Já no sistema não aderente, as cordoalhas ficam envolvidas por uma camada de graxa e bainhas de polietileno, como observado na figura 8. Figura 7 - Bainhas metálicas e luva de emenda. Fonte: Lacerda (2007) Figura 8 - Cordoalhas engraxadas com e sem bainhas. Fonte: Lacerda (2007)

31 31 O objetivo principal do concreto protendido, segundo Rocha (1972), é criar um processo que permite usar aços de alta resistência à tração, obtendo assim, estruturas mais leve e esbelta com o uso de concreto de resistência elevada à compressão. Leonhardt (1983) acrescenta, na utilização de concreto protendido, a vantagem de vencer vãos maiores com estruturas mais esbeltas e de menor peso próprio do que o concreto armado, com a melhoria da capacidade de utilização e de elevada resistência à fadiga. A possibilidade de vencer maiores vãos com lajes protendidas, permitindo maior liberdade arquitetônica e redução do número de pilares, com consequente aumento na área útil e número de vagas em estacionamento é observado por Emerick (2005). Outra vantagem é a possibilidade de suprimir o uso de vigas, permitindo a redução total na altura do edifício Figura 9 e consequentemente, diminuindo o peso da estrutura, com ganho de velocidade na desforma, menor presença de escoramentos, redução de flechas e economia, em relação as estruturas de laje em concreto armado, para vãos superiores a sete metros, como mostrada na Figura 10. Figura 9 - Laboratório médico em Belém. Fonte: Arcoweb (2006)

32 32 Figura 10 - Laboratório médico, estacionamento. Fonte: Arcoweb (2006) 3.5 DEFINIÇÃO DE LAJES Placas, como se afirma na NBR 6118 (2003, item ), são elementos de superfície plana sujeitos principalmente a ações normais a seu plano. As placas de concretos são usualmente denominadas lajes. Este elemento estrutural é um dos mais conhecidos; ele está presente nas construções desde a antiguidade, e vem sofrendo um grande processo evolutivo ao longo desse período ressalta Claro (2008, p. 2). Claro (op. cit., p. 3) observa ainda que uma das mais antigas lajes registrada e datada de 2575 a 2134 a.c e foi utilizada na pirâmide de Kefren no Egito Figura 11.

33 33 Figura 11 - Pirâmide de Kefren. Fonte: Claro (2008, p. 3) Outra referência de longa data à utilização de lajes são os Jardins Suspensos da Babilônia Figura 12. Construídos entre 605 a.c e 562 a.c os jardins em formatos de torres já apresentam a laje como elemento de separação entre pavimentos. Figura 12 - Esta gravura, pintada à mão pelo artista holandês Maerten van Heemskerck, no Século XVI, representa os jardins suspensos da Babilônia, uma das "sete maravilhas do mundo antigo, criadas pelo rei Nabucodonosor II por volta de 600 a.c. Fonte:

34 34 As lajes, segundo Fusco (1995), são elementos estruturais bidimensionais planos de superfície lisa com cargas preponderantemente normais ao seu plano, como ilustrado na Figura 13. Considerando uma estrutura convencional, as lajes transmitem as cargas do piso às vigas, que as transmitem, por sua vez, aos pilares, através dos quais conduzem as cargas para a fundação, que dirige estas cargas ao solo. Figura 13 Representação de uma laje de concreto. Fonte: Fusco (1995) 3.6 FUNÇÕES ESTRUTURAIS DAS LAJES De acordo com Fusco (1995), as lajes possuem um papel importante no esquema resistente para as ações horizontais, com rigidez praticamente infinita no plano horizontal, se comportam como diafragmas rígidos ou chapas, promovendo a distribuição dos esforços entre os elementos estruturais e assim funcionando como estruturas de contraventamento, importantes para a estabilidade global do edifício. As lajes são os principais responsáveis pela transmissão dos esforços horizontais que permitem aos pilares contraventados se apoiarem nos pilares de contraventamento, garantindo assim a estabilidade global da estrutura (Fusco, 1995), como observado na figura 14.

35 35 Figura 14 Lajes em grandes vãos entre vigas. Fonte: Lajeal (2008)

36 36 4 LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA 4.1 DEFINIÇÕES Segundo a empresa de pré-fabricados, TATU, a laje alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução do peso da peça (figura 15). Figura 15 Seção Transversal do Painel alveolar. Fonte: TATU Pré-moldado De acordo com Araújo (2007), as lajes alveolares possuem alvéolos longitudinais que reduzem o consumo de material e a massa de concreto na estrutura e que apresentam diferentes formas de vazio segundo cada fabricante. As seções transversais destas lajes podem apresentar alvéolos circulares, ovais, retangulares e mistos. Sua variação está relacionada a limitações construtivas ilustrada na figura 16.

37 37 Figura 16 Seção Transversal do Painel Alveolar. Fonte: TATU Pré-moldado

38 QUANDO UTILIZAR LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS De acordo com a Laje Alveolar R4 a escolha pela laje alveolar envolve os seguintes parâmetros: Área mínima de laje. A laje alveolar fica economicamente viável a partir dos 250 m² de área de obra. É possível executar em áreas menores, porém o custo de montagem da laje será diluído em uma área menor resultando num custo por m² mais caro Vão de laje. São recomendados vãos superiores a 5,0 m, pois a laje alveolar é uma opção para obras que necessitam de velocidade, pois dispensa a utilização de escoramentos. Para vãos de 5,5 m a 7 m, a laje alveolar apresenta custo bastante competitivo e nos vãos acima de 7 m, normalmente a laje alveolar é uma excelente opção em termos econômicos Sobrecarga. A laje alveolar é especialmente interessante para vãos menores que 5,0 m, com sobrecarga entre 500 e 1300 Kgf/m²; vãos maiores que 6,0 m, para maior sobrecarga, recomenda-se redimensionar a altura da laje e as cordoalhas. 4.3 GENERALIDADES DE LAJES ALVEOLARES As lajes alveolares são originais da Alemanha, segundo El Debs (2000), e representam um dos mais populares elementos pré-fabricados no mundo, em especial na América do Norte e na Europa Ocidental, onde são peças de grande versatilidade, que podem ser aplicadas em qualquer tipo de sistema construtivo (convencional, pré-fabricado, metálico, alvenaria estrutural e outros), para fim habitacional, comercial, industrial e de estacionamento, empregados tanto para execução de pisos, sendo o mais comum, na forma de fechamentos ou painéis. Devido à fácil instalação e à possibilidade de atingir grandes vãos, estas lajes facilitam o layout e otimizam a estrutura, seja ela de alvenaria estrutural, metálica ou de concreto, convencional ou pré-fabricado. De acordo com Melo (2004), estes são os principais motivos

39 39 para o grande sucesso do sistema de lajes de piso em lajes alveolares no mercado da construção civil. De acordo com Melo (2004), existem basicamente dois tipos de lajes alveolares: a extrudada e a moldada. As lajes extrudadas (figura 17 A e B), apresentam como característica do concreto um fator água-cimento muito baixo, apresentam uma melhor qualidade final, garantindo maior resistência à compressão e menor porosidade do concreto. As figuras 18 A, B, C e D, apresentam a produção de lajes moldadas. A) B) Figura 17 A e B - Máquina extrusora e Detalhe das hélices. Fonte: EDEKLING et all (2006) A) B) Figura 18 A e B - Pista de fabricação de laje moldada e Cilindros metálicos. Fonte: Premazon (2011)

40 40 C) D) Figura 18 C e D - Cilindros, limitadores de largura e comprimento posicionados para início de concretagem; e Cilindros moldando alvéolos da primeira laje. Fonte: Premazon (2011) De acordo com El Debs (2000), as lajes alveolares são produzidas em formas fixas (moldada) ou executadas por fôrma deslizante (extrudada) em longas pistas de concretagem, e com utilização de concreto protendido. As lajes extrudadas são produzidas no comprimento da pista e, posteriormente, cerradas nos comprimentos desejados, como ilustrado na figura 19. A limitação à modulação da laje fica restrita apenas na largura da pista de protensão, com larguras usuais de 1,00 a 1,25 metros e com espessuras de 12 a 50 centímetros. Figura 19 - Corte de laje por disco diamantado. Fonte:

41 41 Em geral o concreto utilizado para a produção das lajes é executado com cimentos de alta resistência inicial. Devido à inexistência de armadura para resistir à força cortante e para solicitações na direção transversal, estes esforços são suportados apenas pela resistência à tração do concreto (EL DEBS, 2000). Segundo Elliott (1996), a protensão está presente em mais de 90% de todos os elementos estruturais de concreto pré-fabricado utilizados na Europa como estruturas de piso, por apresentar uma relação maximizada da capacidade estrutural em comparação com um menor peso próprio MÉTODOS CONSTRUTIVOS As lajes são transportadas da fábrica até a obra em caminhões com comprimento adequado como mostra à figura 20, e através de içamento pelos ganchos com guindaste as mesmas são içadas como ilustra a figura 21 e colocadas no local definitivo da obra como ilustram as figuras 22 A e B. Figura 20 - Lajes sobre a carreta. Fonte: Premazon

42 42 Figura 21 - Içamento das lajes. Fonte: Premazon (2011) A) B) Figura 22 A e B - Assentamento das lajes em local definitivo. Fonte: Empresa de pré-moldado TATU

43 VANTAGENS E DESVANTAGENS Segundo a Empresa TATU as vantagens e desvantagens da laje alveolar são: Vantagens Simplicidade e Rapidez de Montagem O processo de montagem da laje alveolar é simples e repetitivo. O rendimento de uma equipe de montagem de três operários pode chegar, sem dificuldade, a 50 m²/h, o que equivale a 400 m² em 8 horas de trabalho (figura 23). Figura 23 - Montagem dos painéis Alveolares. Fonte: TATU pré-moldado Redução de Serviços na Obra Os serviços de carpintaria, armação e revestimento, além do recebimento, estoque, transporte e manuseio de todos os materiais envolvidos nestas etapas, são eliminados quase que totalmente. Alguns detalhes de acabamento das lajes alveolares junto à estrutura podem ser executados, facilmente, por profissionais sem maior especialização como mostra a figura 24.

44 44 Figura 24 - Redução de mão-de-obra. Fonte: Premazon (2010) Eliminação de Cimbramento Por serem autoportantes, os painéis alveolares não utilizam escoramentos em sua montagem. Mesmo quando é necessária a utilização de capa de concreto, os painéis alveolares são capazes de resistir a estes carregamentos sem necessidade de qualquer escoramento como mostra a figura 25. Figura 25 - Eliminação de cimbramento. Fonte: Premazon (2012)

45 Possibilidade de Atingir Maiores Vãos A laje alveolar é capaz de alcançar grandes vãos, mesmo com cargas de utilização elevadas e apresenta maior leveza e menores deformações como mostra a tabela 1. Tabela 1 - Comparativo de desempenho das Lajes Treliçadas, Protendidas e Alveolares, todas com altura de 16 cm. Fonte: TATU Pré-moldado Qualidade e Confiabilidade A produção das lajes alveolares ocorre em instalações industriais modernas e providas de todos os recursos necessários para garantir a qualidade do material. Desde o controle de materiais, posicionamento de armaduras e protensão, moldagem até a cura do concreto. A moldagem das placas é feita em modernos equipamentos que através de vibração enérgica permitem a utilização de concretos com baixa relação água/cimento e, ao mesmo tempo, produzindo um adensamento ideal Economia A redução de materiais e mão-de-obra para a execução e, principalmente, a redução acentuada dos prazos de execução torna a Laje Alveolar uma solução indispensável para obras com canteiros pequenos e prazos limitados.

46 Desvantagens Deverá ter área de estacionamento para descarga O canteiro deve ter espaço mínimo disponível A esbeltez da laje pede cuidado especial no transporte pela grua ou guindaste Depende de equipamentos especiais, tais como: Grua guindaste e munck, como mostra a figura 26. Figura 26 - Carreta com dificuldade para entrar no canteiro Fonte: Premazon (2010)

47 47 5 ESTUDO DE CASO: FABRICAÇÃO DE LAJE ALVEOLAR 5.1. A EMPRESA A PREMAZON foi fundada em 1996 e desde então vem solidificando sua posição no mercado de pré-fabricados de concreto e prestação de serviços de engenharia. Atende com pré-fabricados de concreto as Regiões Norte e Nordeste. A empresa fabrica além de postes para redes elétricas e tubos para águas pluviais, peças empregadas em construções de engenharia em geral e projetos específicos, estruturas completas para subestações e linhas de transmissões, galpões em concreto armado e outros. 5.2 RECOMENDAÇÕES GERAIS A utilização de lajes pré-fabricadas deve seguir rigorosamente o projeto da estrutura e de seus elementos constituintes. É de extrema importância que seja feita uma programação que envolva o projeto, as necessidades e o cronograma da obra, demonstrando assim o ciclo de produção, a capacidade de liberação e de entrega das peças da fábrica, para que se tenha uma otimização de todo o processo fabril dessa laje. São essenciais que sejam seguidos os critérios de norma (NBR 9062, 2006). Essas especificam detalhes como a classe de resistência do concreto, o controle de qualidade entre outros. No quesito qualidade, o fabricante deve apresentar amostras representativas da qualidade especificada a ser aprovada pela fiscalização e a servir de parâmetro de comparação do produto acabado. Além disso, como destaca Comunidade da Construção (2007), os engenheiros e encarregados de produção e de controle de qualidade dos elementos préfabricados deverão ter pelo menos as especificações e procedimentos abaixo: Pistas de protensão: limpeza e cuidados; Armadura: diâmetro dos pinos para dobramento das barras, manuseio, transporte, armazenamento, estado superficial, limpeza e cuidados;

48 48 Concreto: dosagem, amassamento, consistência, descarga da betoneira, transporte, lançamento, adensamento e cura; Protensão: forças iniciais e finais, medidas das forças e alongamentos, manuseio, transporte, armazenamento, estado superficial, limpeza e cuidados com fios, barras e cabos de protensão; Liberação da armadura pré-tracionada: em pistas de protensão na produção de elementos de concreto pré-fabricados por pré-tração, cuidados e segurança contra acidentes; Manuseio e armazenagem dos elementos: utilização de cabos, balancins ou outros meios para suspensão dos elementos, pontos de apoio, métodos de empilhamento, cuidados e segurança contra acidentes; Tolerâncias: dimensionais e em relação a defeitos aparentes das formas e da armadura, tolerâncias quanto à variação da consistência e defeitos aparentes do concreto fresco, tolerâncias quanto à discrepância entre a medida do alongamento e da forca aplicada à armadura protendida, tolerância em relação às resistências efetivas do concreto, tolerâncias de abertura de fissuras, tolerâncias dimensionais e em relação a defeitos aparentes dos elementos pré-fabricados acabados. 5.3 PROCESSO DE PRODUÇÃO DAS LAJES Foi feito um acompanhamento de produção das lajes alveolares protendidas pré-fabricadas na Premazon, dando ênfase no estudo de caso do processo de fabricação. Durante a produção de lajes deve-se obedecer ao disposto na ABNT NBR 9062 (2006) que atenta aos cuidados de controle de qualidade. No decorrer de todo o processo dentro da fábrica são adotados procedimentos que visam à qualidade, a segurança, a saúde ocupacional e a preservação do meio-ambiente, através de uma gestão integrada entre todas essas áreas.

49 49 Medeiros (2003), explica que: durante o processo de produção são controladas a umidade, cura, temperatura, adições minerais e químicas no concreto e as tensões nas cordoalhas, o que resulta em peças sem deformações e com textura e coloração uniforme. 5.4 ETAPAS DE FABRICAÇÃO A fabricação das lajes alveolares é dividida em sete etapas: 1ª etapa: Preparação da pista de protensão - inicialmente faz-se a limpeza da pista para retirar possíveis restos de concreto e aço do processo anterior. Após esse cuidado, a pista que possui 156 metros de comprimento e largura de 1,25 metros, recebe uma fina camada de óleo desmoldante, fato observado por Isaia (2005), que ressalta: sobre a importância do uso deste produto para evitar aderência de concreto na fôrma e também para facilitar a retirada da peça sem danificá-la e prejudicar seu acabamento final, (figura 27). Figura 27 Fôrma limpa com desmoldante aplicado. Fonte: Premazon (2011)

50 50 2ª etapa: Protensão dos cabos os esforços de protensão, o número de cordoalhas e o espaçamento são seguidos de acordo com o projeto da laje feito pelo calculista. A armação da laje alveolar é composta apenas por cabos de protensão na figura 28 sobre a parte inferior da fôrma, que ficam no sentido longitudinal da pista. E no sentido transversal, os esforços são suportados pela resistência a tração do concreto. Figura 28 Bobina de cabo de cordoalha. Fonte: Premazon (2011) As cordoalhas são posicionadas sobre a pista, passando pelos limitadores metálicos de comprimento para serem ancoradas em uma das extremidades. Em seguida, os cabos são fixados mediante a utilização de cunhas. Devem-se manter as cunhas apertadas contra os pratos quando for aplicada a tensão dos cabos, ilustrada na figura 29. Figura 29 Cabos passando pelos limitadores e ancorados na extremidade. Fonte: Premazon (2011)

51 51 Logo em seguida, o macaco de protensão de monocordoalha (figura 30) é posicionado para dar início ao tencionamento dos cabos até alcançar a força de tração prevista em projeto. Esta força é verificada por meio do controle de pressão lida no manômetro do aparelho de pretensão (figura 31) e no alongamento total da cordoalha (figura 32). Figura 30 Macaco de protensão de monocordoalha. Fonte: Premazon (2011) Figura 31 Manômetro do aparelho de protensão. Fonte: Premazon (2011)

52 52 Figura 32 Alongamento da cordoalha devido a protensão. Fonte: Premazon (2011) Todos os cabos recebem uma protensão prévia chamada de pré-tração e logo após, a protensão definitiva do projeto, pois se faz uso de concreto protendido com armadura ativa, como explica Pereira (2005, p.7), é aquela em que o estiramento da armadura ativa é feita através de apoios independentes da peça, antes do lançamento do concreto. 3ª etapa: Posicionamento das fôrmas alveolares o limitador de comprimento metálico (perfil limitador), chamado de pente, que é utilizado para limitar o comprimento da peça, posicionar as cordoalhas na pista e guiar os tubos metálicos alveolares. Cada peça é separada individualmente pelo perfil limitador e o mesmo não tem seu interior concretado, pois no interior do limitador é que ocorrerá a separação das lajes. Os tubos de aço são colocados na pista de protensão para a formação dos alvéolos na laje pré-fabricada, como mostram as figuras 33 A e B. É utilizado desmoldante para facilitar o deslizamento do tubo no concreto.

53 53 A) B) Figura 33 A e B Tubos de aço e pista untadas com desmoldante. Fonte: Premazon (2011) A sequência de figuras 34 a 41 A e B abaixo mostram detalhes para o saque dos tubos metálicos que irão formar os alvéolos e início da concretagem da peça seguinte, saque este feito por movimentos transversais manualmente e longitudinalmente por uma talha no início da pega do concreto. Figura 34 - Movimento transversal manual. Fonte: Premazon (2011)

54 54 Figura 35 - Mostra o movimento transversal sendo executado manualmente em outro tubo de aço. Fonte: Premazon (2011) Figura 36 - Detalhe da fixação do cabo de aço da talha no tubo. Fonte: Premazon (2011)

55 55 Figura 37 - Talha equipamento utilizado para sacar os tubos longitudinalmente. Fonte: Premazon (2011) Figura 38 - Mostra o início do saque dos tubos. Fonte: Premazon (2011)

56 56 Figura 39 - Mostra o início do posicionamento dos tubos na laje posterior. Fonte: Premazon (2011) A) B) Figura 40 A e B - Mostram o saque dos tubos finalizando uma peça e posicionando para o início da outra. Fonte: Premazon (2011)

57 57 A) B) Figura 41 A e B - Mostram uma peça acabada e o início da concretagem da outra. Fonte: Premazon (2011) 4ª etapa: Concreto os materiais para a produção do concreto (cimento, areia, brita e aditivos) são enviados até a fábrica, onde são estocados separadamente, em locais próximos um do outro. São reservadas amostras de cada um desses materiais para a realização de ensaios, e deste modo controlar os agregados constantemente em laboratório próprio. A NBR 9062 (2006) comenta que o cimento empregado deve ser conforme o disposto na NBR 6118 e o agregado empregado deve ser o miúdo, conforme as características dispostas na NBR Isaia (2005) salienta que: os tipos de cimentos mais indicados em sistemas de préfabricação são o CP V (alta resistência inicial) e o CP II (composto), de classe 40, pois proporcionam elevadas resistências iniciais. Além disso, para atender as características do concreto para pré-fabricados, utilizam-se aditivos. Os mais indicados como aponta Isaia (2005), são os redutores de água de alta eficiência, como os polifuncionais e superplastificantes.

58 58 Fazem-se especificações quanto ao uso de aditivos em pré-moldados (logo, em préfabricados): Podem ser adicionados ao concreto aditivos com objetivo de acelerar ou retardar a pega e o desenvolvimento da resistência nas idades iniciais, reduzir o calor de hidratação, melhorar a trabalhabilidade, reduzir a relação água/cimento, aumentar a compacidade e impermeabilidade ou incrementar a resistência aos agentes agressivos e as variações climáticas, desde que atendam as especificações de Normas Brasileiras ou, na falta destas, se as propriedades tiverem sido verificadas experimentalmente em laboratório nacional especializado. NBR 9062 (2006, item ) E faz-se ainda, recomendações quando se tratar de elementos de armadura de protensão: Em elementos pré-moldados protendidos, os aditivos empregados, seja no concreto, como na argamassa em contato com a armadura de protensão, inclusive a argamassa de injeção, não devem conter ingredientes que possam provocar corrosão do aço, em particular a corrosão sob tensão, sendo rigorosamente proibidos aditivos que contenham cloreto de cálcio ou quaisquer outros halogênios.. NBR 9062 (2006, item ) De acordo com o Portal do concreto (www.portaldoconcreto.com.br), as seguintes especificações de ensaios devem ser: determinação da composição granulométrica de agregados, da massa específica e massa específica aparente do agregado miúdo, da massa específica do agregado graúdo (método picnômetro), absorção e massa específica do agregado graúdo, impurezas orgânicas húmicas em agregado miúdo (realizados fora de fábrica). Já o ensaio de umidade da areia (frasco de Chaplin) é realizado no laboratório da fábrica. Com relação aos agregados, Isaia (2005) observa que: se deve evitar os agregados lamelares, os alongados e os que possuem muito pó aderido na superfície, pois estes acarretam aumento no consumo de água na mistura, e consequentemente em cimento. Ressalta ainda que: é importante atentar-se aos agregados utilizados em fábrica, pois a variabilidade na granulometria, por exemplo, pode ocasionar perda de resistência do concreto. A empresa Premazon comenta, que para cada tipo de produto (lajes de diferentes espessuras) é utilizado um respectivo traço. A dosagem e o amassamento são produzidos nas betoneiras elevadas da fábrica (figura 42).

59 59 Figura 42 - Betoneira elevada. Fonte: Premazon (2011) Segundo a NBR 6118, o concreto utilizado para elementos pré-moldados devem ser classe C30 ou superior, sendo atendido o disposto na ABNT NBR 9062/2006 quanto à durabilidade da estrutura. Percebe-se que o concreto utilizado na fábrica do estudo de caso segue a norma, pois este possui fck aos 28 dias de 50 MPa, e fck mínimo na desprotensão de 21 Mpa. Premazon (2012) ressalta que para alcançar essas resistências, é necessária a utilização de concreto de alto desempenho, para isso há uma adição mineral e química. São moldados corpos de prova em quantidade suficiente para obter os controles adequados nas várias fases de produção, conforme normas brasileiras. O concreto com excesso de água pode afetar inclusive o acabamento final da peça como mostra a figura 43.

60 60 Figura 43 - Alteração de seção ocorrida principalmente em misturas com excesso de água. Fonte: É importante moldar-se os corpos de prova de acordo com a metodologia dirigida pela Norma, para que todos os laboratórios do país realizem o ensaio da mesma maneira, com equipamentos que podem ser considerados similares e procedimentos padronizados. Durante o acompanhamento na fábrica pode-se observar que há laboratório próprio e que as normas são seguidas, onde os ensaios são realizados cuidadosamente por pessoas qualificadas (figuras 44 A e B; 45 A e B).

61 61 A) B) Figura 44 A e B - Prensa eletrônica para ensaio de compressão e Painel de controle da prensa, respectivamente. Fonte: Premazon (2012) A) B) Figura 45 A e B - Agitador eletrônico para ensaio de granulometria e estufa, respectivamente. Fonte: Premazon (2012) 5ª etapa: Concretagem Nessa indústria, o concreto é lançado por meio de caçambas, que são suspensas e transportadas pela ponte rolante da fábrica por toda extensão da pista de protensão. A figura 46 ilustra a concretagem de uma laje alveolar com auxílio da caçamba. O concreto é lançado por gravidade a partir da abertura do acesso localizado na face inferior da caçamba (figura 47).

62 Figura 46 - Caçamba de concreto. Fonte: Premazon (2011) 62

63 63 Figura 47 - Lançamento do concreto pela abertura inferior da caçamba. Fonte: Premazon (2011) A operação de distribuição e adensamento do concreto em laje alveolar são ilustradas nas figuras 48 a 51. Nesta etapa é necessária a utilização de enxada e/ou pá de bico para auxiliar na distribuição do concreto (figuras 48 e 50), bem como a utilização de vibradores de imersão e um motor vibrador com baixa rotação para realizar o adensamento do concreto (figuras 49 e 51).

64 64 Figura 48 - Espalhamento do concreto com enxada. Fonte: Premazon (2011) Figura 49 - Adensamento com vibrador de imersão. Fonte: Premazon (2011)

65 65 Figura 50 - Espalhamento do concreto com pá de bico. Fonte: Premazon (2011) Figura 51 - Adensamento com motor vibrador de baixa rotação. Fonte: Premazon (2011)

66 66 Enquanto uma equipe trabalha para adensar o concreto já lançado sobre a fôrma das lajes alveolares, outra trabalha em trecho anterior no acabamento de superfície das lajes, como mostra a figura 52, pois é necessário que exista adequada rugosidade na face que deverá receber posteriormente a capa moldada no local da obra. Esse processo pode ser observado na figura 53. Figura 52 - Acabamento das peças enquanto concreta-se a peça posterior. Fonte: Premazon (2011) Figura 53 - Concretagem da peça posterior a que está sendo acabada. Fonte: Premazon (2011)

67 67 6ª etapa: Cura e desprotensão O processo de cura é feito ainda na fôrma logo após o término da concretagem, as peças são molhadas e envelopadas com uma lona plástica, evitando assim a evaporação da água. Depois de encerrado o processo de cura, o concreto adquire resistência suficiente para suportar a compressão causada pela protensão proveniente do corte das cordoalhas. Esta etapa é chamada de desprotensão (figura 54). Em seguida, as cordoalhas são cortadas com serra de disco abrasivo ou maciço, entre os perfis metálicos (limitadores de comprimento), como pode ser vista na figura 55. Figura 54 - Desprotensão da pista completa. Fonte: Premazon (2011) Figura 55 - Local de separação das peças após a desprotensão. Fonte: Premazon (2011)

68 68 7ª etapa: Estocagem das lajes As lajes alveolares são retiradas das fôrmas fixas e transportadas para o local de estocagem, através do pórtico rolante sobre trilho (figura 56) presente na fábrica. Figura 56 - Pórtico rolante. Fonte: Santor (2008) - Empresa Projepar Estruturas de Pré-fabricados O transporte das lajes protendidas só deve ser feito usando-se ganchos apropriados ou garras, presa nos pontos de içamento predeterminado, como ilustrado na figura 57. Figura 57 - Garra metálica. Fonte: Premazon (2011)

69 69 Santor (2008) explica que os dispositivos auxiliares utilizados para o manuseio dos elementos são os de içamento. Esses podem ser laços ou chapas chumbadas e ainda laços ou argolas, rosqueadas após a fabricação do elemento pré-fabricado. As lajes alveolares são empilhadas no pátio da fábrica, com auxílio de equipamentos como grua e pórticos rolantes, esse procedimento é feito com certo cuidado na quantidade de lajes sobrepostas (não exceder seis lajes por pilha, sendo que se pode acomodar até duas lajes entre pilhas de uma mesma carga, desde que não ultrapasse um total de 28 toneladas), como ilustrada na figura 58 e usar suportes de madeira de no mínimo 30 centímetros de cada extremidade da peça. Esse procedimento serve para proteção e evitar que formem flechas ou contra flechas. As lajes ficam estocadas até o momento de serem enviadas para a obra, de acordo com o cronograma previsto pela fábrica (figura 59). Figura 58 - Empilhamento de lajes (detalhe das proteções de madeira). Fonte: Figura 59 - Estocagem das lajes alveolares com calços de madeira. Fonte: Protendit (2008)

70 70 alveolares: Na fábrica existem alguns cuidados referentes ao empilhamento dos painéis 1. Os painéis devem ser empilhados separados por peças de mesmas dimensões (obrigatoriamente). 2. Os apoios devem ficar em torno de 30 cm das extremidades dos painéis alveolares. 3. Os apoios dos painéis devem ter o mesmo alinhamento, evitando que as peças superiores sobrecarreguem as inferiores. 4. Manter pilhas distante uma das outras pelo menos 10 cm, para evitar que colidam durante o transporte CONTROLE DE QUALIDADE E SEGURANÇA. A Comunidade da Construção (2007, Ficha S4.12) comenta que, os elementos préfabricados devem ser executados industrialmente sob condições rigorosas de controle de qualidade, dentre as quais destacam-se: 1. Todos os elementos pré-fabricados devem ter marcados ou anexados a eles sua identificação conforme projeto; 2. Todos os elementos individualmente devem ter ficha do seu histórico com indicação sequencial do tipo: data de cada fase de sua vida (concretagem, desforma, aplicação da protensão, manuseio, montagem, solidarização), resultados dos ensaios, anotações de eventuais irregularidades e como foram corrigidas. Durante o acompanhamento de fabricação observou-se um controle de qualidade sendo seguido na fábrica. Um dos setores da empresa é composto por pessoal responsável pela fiscalização, garantindo deste modo o preenchimento de fichas, formação de histórico e controle da qualidade.

71 71 Com relação aos aspectos de segurança, a fábrica mantém, conforme afirma Premazon (2012), existe um rígido controle na manutenção de cabos, pontes, pórticos e equipamentos da segurança; o cumprimento de todas as normas e leis de segurança; e constantes treinamentos específicos de segurança.

72 72 6 ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO NA OBRA 6.1 PROJETOS Atendido o disposto nas normas ABNT NBR 6118/2003, ABNT NBR 6120/1980 e ABNT NBR 9062/2006, são apresentados a seguir os carregamentos a serem considerados no projeto de estruturas pré-fabricadas. Peso próprio; Capeamento (médio 6 cm); Acabamentos de piso conforme definidos no projeto arquitetônico; Impermeabilizações, conforme projeto próprio; Alvenarias, conforme definidas no projeto arquitetônico; Cargas variáveis; Vento, conforme ABNT NBR 6123/1988; Efeitos de variações volumétricas, ou seja, retração, fluência e variação de temperatura. Com relação à documentação, tem que estar conforme estabelece a ABNT NBR 6118/2003 o produto final do projeto estrutural é constituído por desenhos, especificações e critérios de projeto. Os desenhos devem obedecer as Normas de Apresentação de Projetos de edificações da FDE. Devem constar nos desenhos, além das fôrmas e armações, pelo menos informações como o tipo de concreto, conforme ABNT NBR 8953/1992; a resistência característica do concreto nas etapas de manuseio, aplicação da protensão, transporte, armazenamento e montagem; o módulo de elasticidade nas etapas prescritas na ABNT NBR 9062/2006; os tipos de aço conforme ABNT NBR 7480/1996, ABNT NBR 7482/1991 e ABNT NBR 7483/1991; cobrimentos das armaduras e dos inserts em todas as faces dos elementos; armadura adicional a ser colocada na obra; volume e o peso de cada elemento; detalhes das ligações a serem executadas na obra durante e após a montagem; as tolerâncias ou respectivos ajustes dimensionais dos elementos; modo de desfôrma, manuseio e montagem dos elementos; e sequência de montagem e solidarizações.

73 73 A figura 60 mostra um projeto de distribuição das lajes na estrutura e a figura 61 apresenta um projeto individual da laje alveolar para produção. Figura 60 Projeto de distribuição das lajes Fonte: Premazon (2009)

74 Figura 61 Projeto individual de uma laje alveolar Fonte: Premazon (2009) 74

75 PROCESSO EXECUTIVO Chegada das Lajes na Obra As lajes chegam à obra sendo transportadas por carreta padrão (figura 62), devidamente amarradas e empilhadas (figura 63). Existe um procedimento no qual o motorista apresenta a nota fiscal na entrada de obra, onde constam as peças constituintes da carga que trouxe. Logo após o encarregado ter conferido as peças com a nota fiscal e certificar-se que está correta a carga, o motorista recebe liberação para entrar no canteiro. Figura 62 - Chegada das lajes na obra. Fonte: Premazon (2012) Figura 63 - Detalhe da amarração das lajes na carreta. Fonte: Premazon (2012)

76 Montagem das Lajes As lajes alveolares são içadas da carreta individualmente por guindaste acoplado ao caminhão (caminhão Munck), guindaste ou até mesmo por grua. Iniciando-se a montagem das peças, que são assentadas suavemente sobre as vigas, e normalmente bi-apoiadas no seu local definitivo conforme projeto figuras 64, 65 A e B e 66 A e B.. Lajes Alveolares e vigas de apoio As lajes alveolares protendidas apresentam alta resistência e grande durabilidade devido ao moderno processo produtivo que gera um alto grau de compactação de concreto. As vigas de apoio podem ter seção retangular, trapezoidal ou L em concreto armado ou protendido, de forma a atender as necessidades do projeto arquitetônico. Figura 64 Descrição do produto final. Fonte: Manual de produtos Cassol (2008) A) B) Figura 65 A e B - Retirada da laje de cima da carreta e início da montagem. Fonte: Premazon (2012)

77 77 A) B) Figura 66 A e B Montagem das lajes alveolares protendida na obra. Fonte: Premazon (Alianza) As figuras 67 A e B mostram que o processo de montagem da laje alveolar é relativamente simples e repetitivo e é realizado colocando-se um painel encostado no outro para formação do piso. A) B) Figura 67 A e B Conjunto: Lajes, vigas e pilares pré-fabricados montados na obra. Fonte: Premazon (Alianza)

78 Equalização dos Painéis Alveolares Após a montagem das placas sobre a estrutura e antes do início do rejuntamento entre as placas, deve ser feita a equalização dos painéis alveolares através de torniquetes (figura 68), comenta a empresa Tatu pré-moldados (2008). Figura 68 - Montagem do Torniquete para equalização das placas Fonte: Tatu pré-moldados (2008) Tatu pré-moldados (2008) explica que, como os painéis alveolares são protendidos, após sua fabricação surgem pequenas contra-flechas. Estas contra-flechas não são iguais para todas as placas, sendo necessária, após o posicionamento sobre a estrutura, a execução do nivelamento (equalização) das placas através de torniquetes de madeira e arame (figura 69 A e B e figura 70). A) B) Figura 69 A e B - Detalhe dos torniquetes durante a equalização. Fonte: Manual técnico de lajes alveolares Cassol Pré-fabricados

79 79 Figura 70 - Equalização de lajes na obra. Fonte: Acervo de fotos obra Leroy Merlin/Carrefour Porto Alegre - RS Concluída a etapa de equalização das lajes, as juntas deverão ser preenchidas com concreto fino (graute) e, decorridas 48 horas após a finalização do preenchimento das juntas, os torniquetes poderão ser removidos e os trabalhos para a conclusão da laje retomados Junta entre Painéis ou Rejuntamento Tatu pré-moldados (2008) afirma que, o preenchimento das juntas entre os painéis tem como objetivo a garantia de um funcionamento solidário das diversas placas que constituem uma laje alveolar, estabelecendo uma colaboração entre elas na redistribuição de cargas das mais carregadas para as menos carregadas, além de fornecer o acabamento e a estanqueidade necessária (figura 71). Figura 71 - Chave de cisalhamento entre dois painéis. Fonte: Tatu pré-moldados (2008)

80 80 A Laje Alveolar é desenhada de modo que na união de duas placas apenas as faces inferiores entrem em contato, onde existe um chanfro entre as peças para acabamento da face inferior. As faces superiores das placas ficam afastadas entre si, permitindo a passagem do concreto fino (graute). Uma vez concretada, a junta entre as placas constitui uma chave de cisalhamento que solidariza o conjunto das placas (figura 72 e 73), salienta Tatu prémoldados (2008). Figura 72 - Painéis solidarizados pela chave de cisalhamento. Fonte: Tatu pré-moldados (2008). Figura 73 - Chaveteamento de lajes. Fonte: Acervo de fotos obra Leroy Merlin/Carrefour Porto Alegre RS

81 Montagem da Armação para o Capeamento Armadura de distribuição De acordo com Tatu pré-moldado (2008), a armadura de distribuição tem duas funções principais: auxiliar na distribuição de cargas verticais e controlar a abertura de fissuras por retração do concreto de capeamento. Ela é composta por barras de aço CA50 ou por fios de aço CA60, dispostos no plano da capa, nas duas direções ortogonais, ou por telas eletrosoldadas do tipo Q 138, a qual foi utilizada na obra em estudo. A Tatu ressalta ainda, que a montagem da malha de distribuição sobre os painéis deverá ser feita, após a conclusão do rejuntamento das placas, com auxílio de espaçadores para que a mesma tenha um cobrimento de 1,5 cm em relação à face superior do capeamento. Quando necessário, o traspasse da malha deverá ser feito pela sobreposição de duas malhas ou a distância mínima de 25 cm (figuras 74,75, 76 e Tabela 2). Figura 74 - Malha de distribuição e emenda por traspasse Fonte: Tatu pré-moldado (2008). A tabela 2 a seguir mostra a armadura mínima que deverá ser utilizada na malha de distribuição em função do carregamento da laje. Tabela 2 Malha de Distribuição (Armadura Mínima) Fonte: Tatu pré-moldados (2008).

82 82 Figura 75 - Montagem de armadura (tela) para posterior capeamento. Fonte: Manual técnico de lajes alveolares Cassol pré-fabricado. Figura 76 - Detalhe da armadura negativa. Fonte: Obra Carrefour/Leroy Merlin Porto Alegre RS Armadura negativa nas continuidades Nas lajes contínuas constituídas por painéis alveolares montados numa mesma direção é possível considerar o efeito da continuidade no dimensionamento da laje, salienta Tatu prémoldados (2008). Ele ressalte ainda que, além da armadura de distribuição, serão dispostas armaduras negativas nos apoios das lajes onde ocorra continuidade, como pode ser vista na figura 77.

83 83 Figura 77 Posicionamento da Armadura Negativa Fonte: Tatu pré-moldados (2008). El Debs (2000) explica que, tem sido intensificada a aplicação de armadura sobre os apoios, com a finalidade de proporcionar uma efetiva continuidade em relação aos momentos fletores (figura 78). Figura 78 - Detalhe da armadura negativa. Fonte: Acervo de fotos Obra Carrefour/Leroy Merlin Porto Alegre - RS Armaduras Especiais Além da malha de distribuição e das armaduras negativas, podem ser necessárias armaduras para reforço em furos ou, a critério do projetista da estrutura, armaduras de ligação que garantam a solidarização da laje ao restante da estrutura, observa Tatu pré-moldados (2008).

84 Capeamento A capa de concreto, necessária à execução de todas as lajes pré-fabricadas pode ser dispensada nas Lajes Alveolares, observa Tatu pré-moldados (2008). A empresa também comenta que, a área de concreto da seção transversal dos painéis pode ser suficiente para resistir às tensões de compressão e o monolitismo requerido para uniformizar a distribuição das cargas pode ser alcançado, simplesmente, com o preenchimento das juntas. Contudo, para as lajes de piso, é recomendada a utilização da capa de concreto C30 para o nivelamento da superfície da laje e correção da contra-flecha decorrente da protensão dos painéis alveolares (figura 79). Figura 79 Capa de concreto executada sobre os painéis alveolares. Fonte: Tatu pré-moldados (2008). A capa também permite o alojamento de armaduras necessárias à redistribuição de cargas concentradas, como é o caso das paredes apoiadas sobre a laje, comenta Tatu prémoldados (2008). Ainda observa que, espessura mínima da capa deve ser medida no meio do painel alveolar (figura 80) e, como eles possuem uma contra flecha, próximo aos apoios a espessura da capa deverá ser maior. Esta diferença deverá ser levada em conta para a definição do nível final da laje e para o cálculo do volume necessário de concreto para o capeamento.

85 85 Figura 80 Variação da espessura da capa de concreto em função da contra flecha. Fonte: Tatu pré-moldados (2008) Recorte dos Painéis Alveolares Através do projeto de fôrma da estrutura, com medidas conferidas na obra, fornecido pelo Cliente, será elaborado um projeto de paginação da laje (figura 81) com detalhe das lajes alveolares que serão recortadas durante a fabricação. A fabricação de laje alveolar é normalmente com largura de 124,5cm, por isso é preciso ajustar a modulação das lajes de acordo com o projeto executivo para evitar recorte, mas esse corte na laje é necessário quando existem pilares indo para dentro da placa, como ilustra a figura 82. Estes recortes devem ser feitos na fábrica, como mostra a figura 83. Esse corte na laje só deve ser feito onde realmente for necessário uma vez que elevam o custo de fabricação das lajes alveolares protendida.

86 Figura 81 Paginação das lajes alveolares com indicação das placas recortadas. Fonte: Tatu pré-moldados (2008). 86

87 87 Figura 82 Encaixe de painéis alveolares na obra. Fonte: Tatu pré-moldados (2008). Figura 83 Laje recortada na fabricação. Fonte: Premazon (2012). Nos pilares que continuam para outros pavimentos e que exijam recorte no apoio do painel com dimensão maior que 40 cm, deverão ser utilizados consolos para assegurar o apoio da placa na região recortada, comenta Tatu pré-moldado (2008).

88 Furo na Laje Alveolar Protendida Com relação aos furos na laje alveolar, estes devem ser cuidadosamente estudados, ainda na fase de projeto. A figura 84 ilustra a introdução de dispositivos metálicos na estrutura para formação do furo na placa, esse procedimento tem que ser devidamente projetado, para que seja possível a execução de furos para shafts e outras aplicações, salienta Tatu pré-moldados ( 2008). Figura 84 Exemplo de furo na laje alveolar. Fonte: Tatu pré-moldados (2008) Passagem dos Dutos na Laje De acordo com a Tatu pré-moldados (2008), existem três formas de passar os dutos ou tubulações na laje alveolar, que são: (1) Sobre os painéis, (2) dentro dos alvéolos (embutidos) e (3) sob os painéis (aparente), como pode ser observado na figura 85. Figura 85 Detalhe da tubulação na laje alveolar. Fonte: UFSCar.

89 89 estudada. A figura 86 e 87 ilustra a passagem da tubulação sob as lajes (aparente) na obra Figura 86 Detalhe da tubulação na laje alveolar aparente Fonte: Premazon (2011) Figura 87 Detalhe da tubulação na laje alveolar aparente Fonte: Premazon (2011)

90 90 7 TEMPO DE MONTAGEM DA ESTRUTURA De acordo com a produtividade de montagem fornecida pela equipe técnica da Premazon, foi elaborado um cronograma global das estruturas pré-fabricadas da obra estudada, como pode ser observado na figura 88 abaixo: Figura 88 Cronograma de montagem da estrutura Fonte: Premazon (2009)

91 91 8 CUSTO DA LAJE ALVEOLAR MONTADA A tabela 3 abaixo apresenta os quantitativos de peças com suas respectivas sobrecargas, volume de concreto, peso de cordoalhas e custo da laje montada sem capa. Todas as informações e valores foram obtidos com a equipe técnica da Premazon Tabela 3 Custo de montagem por metro quadrado de laje Fonte: Premazon (2009).

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA 1. DEFINIÇÃO A Laje Alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

LAJES ALVEOLARES TATU

LAJES ALVEOLARES TATU LAJES ALVEOLARES TATU 1. DEFINIÇÃO A Laje Alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

02/2015. Elaboração: Equipe Técnica BPM Pré-moldados

02/2015. Elaboração: Equipe Técnica BPM Pré-moldados 1 02/2015 Elaboração: Equipe Técnica BPM Pré-moldados SUMÁRIO 1 BPM PRÉ-MOLDADOS... 4 2 LAJES ALVEOLARES... 4 2.1 Descrição do produto... 4 2.2 Projeto... 5 2.3 Fabricação... 5 2.4 Materiais... 6 2.5 Eficiência...

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS Ernani Alencar Rodrigues 1 Anderson Alves de Oliveira 2 Larissa Maria Argollo de Arruda Falcão 3 RESUMO:

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DE LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA

DIMENSIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DE LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DIMENSIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DE LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA Gabriel Moreira Migliore Orientador: Prof. Dr. Ângelo Rubens Migliore Junior 2008 Gabriel Moreira Migliore DIMENSIONAMENTO

Leia mais

ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: INFLUÊNCIA NO CUSTO DAS EDIFICAÇÕES DO EMPREGO DE ELEMENTOS MOLDADOS NO CANTEIRO E POR EMPRESA ESPECIALIZADA

ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: INFLUÊNCIA NO CUSTO DAS EDIFICAÇÕES DO EMPREGO DE ELEMENTOS MOLDADOS NO CANTEIRO E POR EMPRESA ESPECIALIZADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Fabrício Carpes Carraro ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: INFLUÊNCIA NO CUSTO DAS EDIFICAÇÕES DO EMPREGO DE ELEMENTOS

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

AÇOS PARA CONCRETO PROTENDIDO MCC2001 AULA 10 (parte 2)

AÇOS PARA CONCRETO PROTENDIDO MCC2001 AULA 10 (parte 2) AÇOS PARA CONCRETO PROTENDIDO MCC2001 AULA 10 (parte 2) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA 5 - FORROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de forro ideal para a sua edificação; Executar corretamente os apoios das lajes pré-fabricadas; Especificar corretamente

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

Sobre o assunto fissuração de peças de concreto armado assinale a alternativa incorreta:

Sobre o assunto fissuração de peças de concreto armado assinale a alternativa incorreta: Exercício 1: A definição empregada pela NBR 6118:2003 distância entre o centro de gravidade da armadura longitudinal tracionada até a fibra mais comprimida de concreto advinda da teoria do dimensionamento

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS PRÉ-FABRICADAS E MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO MOLDADAS IN LOCO: COMPARATIVO DOS PROCESSOS DE EXECUÇÃO

LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS PRÉ-FABRICADAS E MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO MOLDADAS IN LOCO: COMPARATIVO DOS PROCESSOS DE EXECUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Emerson Baldasso Zanon LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS PRÉ-FABRICADAS E MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO MOLDADAS

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES E OBRAS PÚBLICAS - SETOP INSTITUTO DE OBRAS PÚBLICAS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO IOPES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 1 Introdução 1.1. Motivação Na construção civil, os méritos de um determinado sistema construtivo são avaliados com base em fatores tais como: eficácia, resistência, durabilidade e funcionalidade. Nenhum

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GERDAU GG 50 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 50. Produzido

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

Reforço e Alargamento de Pontes Rodoviárias com a Utilização de Protensão Externa

Reforço e Alargamento de Pontes Rodoviárias com a Utilização de Protensão Externa Reforço e Alargamento de Pontes Rodoviárias com a Utilização de Protensão Externa José Afonso Pereira Vitório (1); Rui Carneiro de Barros (2) (1) Engenheiro Civil; professor convidado da disciplina Reforço

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais