INFORME ECONÔMICO 11 de julho de 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORME ECONÔMICO 11 de julho de 2014"

Transcrição

1 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS COPOM deve manter a taxa Selic estável na próxima semana Nos EUA, os membros do FED explicitaram os principais pontos de sua estratégia de saída da política de expansão monetária em curso. A ata da reunião do FOMC realizada em 18 e 19 de junho, e divulgada na última semana, esclareceu as discussões internas do comitê a respeito da estratégia mais adequada para a normalização da política monetária norte-americana. Em primeiro lugar, os dirigentes do FED definiram que as compras de ativos serão encerradas em outubro desse ano, com uma redução final de US$ 15 bilhões no montante total comprado no mês. Além disso, segundo o comitê, a taxa de juros sobre reservas em excesso dos bancos comerciais junto ao FED deve possuir papel importante durante o processo de normalização. Toda essa discussão diz respeito a qual instrumento o FED irá utilizar para, na prática, elevar as taxas de juros efetivas da economia, diante da enorme liquidez criada, quando assim o Comitê julgar apropriado. A ata expressou também alguma preocupação com a assunção exagerada de riscos por parte dos investidores em geral e esclareceu que a atual política de reinvestimento dos vencimentos de MBS persistirá até que a primeira elevação de juros seja implementada. A respeito do cenário econômico, os membros do FOMC avaliam que a economia dos EUA segue em trajetória de gradual retomada e de melhoria nas condições do mercado de trabalho, em que pese o crescimento decepcionante no primeiro trimestre do ano. Em nossa avaliação, o crescimento econômico e a inflação devem seguir acelerando, fazendo com que a taxa básica de juros seja elevada a partir de meados do próximo ano. Nesta direção, a abertura de vagas de trabalho (JOLTS) veio robusta pelo segundo mês consecutivo. Segundo os dados do Departamento de Trabalho do país, foram abertos 4,635 milhões de postos de trabalho em maio, em termos anualizados, ante 4,464 milhões em abril, o que representou o maior nível desde junho de Ainda assim, a taxa de desistência do emprego, que traduz a confiança dos trabalhadores em trocar de emprego, ficou estável em 1,8% pelo quarto mês seguido. 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 3,4 2,3 2,4 Abertura de Vagas (% M/M SA) 3,1 3,2 jan-01 set-01 mai-02 jan-03 set-03 mai-04 jan-05 set-05 mai-06 jan-07 set-07 mai-08 jan-09 set-09 mai-10 jan-11 set-11 mai-12 jan-13 set-13 mai-14 1,7 2,6 Fonte: Bloomberg 3, Abertura de Vagas (milhões de vagas disponíveis) Fonte: Bloomberg jan-01 set-01 mai-02 jan-03 set-03 mai-04 jan-05 set-05 mai-06 jan-07 set-07 mai-08 jan-09 set-09 mai-10 jan-11 set-11 mai-12 jan-13 set-13 mai-14 Na Europa, os últimos dados indicam moderação do crescimento industrial na margem, podendo pausar a retomada da economia da região. A produção industrial na Alemanha teve queda mensal de 1,8% em maio, vindo de -0,3% no mês anterior e abaixo do consenso de mercado 1

2 (estabilidade), sendo que houve recuo tanto no segmento manufatureiro como na construção civil. E, em movimento semelhante, o indicador de produção industrial na Espanha desacelerou, em termos anuais, de 4,1% para 2,5% entre abril e maio, frustrando também as expectativas (+3,7% na Bloomberg). Na mesma direção, a produção industrial na França mostrou retração de 1,7% em maio, vindo de +0,3% em abril e abaixo do consenso (+0,2%). E houve surpresa negativa também na Itália, onde a indústria caiu em 1,2% no mesmo mês (ante +0,5% em abril e consenso em +0,2%). Desta forma, segundo nossos cálculos, a produção industrial da Zona do Euro no segundo trimestre deve ficar cerca de 0,4% aquém da média do primeiro trimestre. O reflexo disto é que o crescimento do PIB regional no mesmo período tende a vir no intervalo entre 0,0% e +0,2%, ao invés de +0,3% estimado anteriormente. Ainda assim, apesar desta moderação na margem, mantemos nossa perspectiva de retomada da atividade a partir da segunda metade do ano, o que resulta em nossas projeções de crescimento econômico de 1,1% e 1,6% em 2014 e 2015, vindo de -0,4% em Com a economia em lenta retomada e baixas pressões inflacionárias, as condições monetárias tendem a permanecer altamente acomodatícias na região, o que pode favorecer, em um mundo de dólar forte, algum movimento adicional de depreciação do Euro em escala global. Cabe notar que, no Reino Unido, a produção industrial em maio também frustrou as expectativas, ao subir apenas 2,3% frente ao mesmo mês do ano passado (consenso em 3,2%), sendo que a variação mensal passou de +0,3% para -0,7% entre abril e maio (consenso em +0,3%). Nesta linha, o Banco da Inglaterra (BoE) manteve a taxa básica de juros em 0,5% ao ano e o programa de compra de ativos em 375 bilhões, conforme esperado pelo mercado. 3,0 2,0 Zona do Euro - Produção Industrial (% T/T) 1,0 0,5 0,3 0,0-1,0-0,4-2,0-3,0 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 jun-14 Fonte: Eurostat,BRAM Na China, os dados do comércio exterior ficaram abaixo do esperado em junho e os de inflação, por sua vez, continuaram favoráveis. O superávit comercial do país passou de US$ 35,9 bilhões em maio para US$ 31,6 bilhões em junho, abaixo do consenso (US$ 36,9 bilhões), sendo que tanto as exportações (+7,2%) como as importações (+5,5%) cresceram menos do que o esperado na comparação anual (+10,4% e +6,0%, nesta ordem). Ainda assim, avaliamos que a dinâmica das exportações líquidas da China é favorável, tendo em vista a recuperação esperada para os seus principais parceiros comerciais e o nível ainda expansionista (acima de 50 pontos) do componente de encomendas para exportação nos PMIs oficial e HSBC. E o crescimento econômico da China, por sua vez, tende a ser favorecido por esta dinâmica. O PIB chinês no segundo trimestre, inclusive, será conhecido no próximo dia 15; projetamos expansão interanual de 7,4%, mesma taxa observada nos primeiros três meses do ano. Quanto à inflação, os indicadores continuam bem comportados e abaixo da meta oficial para o ano (3,5%). A variação dos preços no varejo, medida pelo CPI, desacelerou de 2,5% para 2,3% entre maio e junho (consenso em 2,4%). Quanto aos preços atacadistas, a deflação 2

3 do PPI diminuiu de -1,4% para -1,1% no mesmo período (expectativa em -1,0%), como reflexo principalmente do excesso de capacidade nos segmentos da indústria pesada e de bens de produção. A inflação, desta maneira, ficará bem comportada no decorrer de 2014 e a política monetária do PBoC (banco central chinês) continuará prudente, com foco na retomada da atividade e medidas seletivas de easing China: abertura PPI (YoY) jan-06 jun-06 nov-06 abr-07 set-07 fev-08 jul-08 dez-08 mai-09 out-09 mar-10 ago-10 jan-11 jun-11 nov-11 abr-12 set-12 fev-13 jul-13 dez-13 mai-14 PPI total PPI - Indústria Leve PPI - bens de consumo PPI - Indústria pesada PPI - bens de produção Nos demais países emergentes, os destaques ficaram por conta das decisões de política monetária. No Peru, o Banco Central reduziu em 25 pontos-base (p.b.) a taxa básica de juros (de 4,00% para 3,75% ao ano), sendo que tal decisão compreendeu a avaliação de uma atividade mais fraca do que o esperado, o que contribuirá para a convergência da inflação para o centro da meta (2%) em meados de O Banco Central da Malásia (MPC) também alterou sua taxa básica de juros. Em um cenário de inflação acima da média histórica e sólida recuperação da demanda doméstica, o MPC avaliou ser mais prudente a elevação em 25 p.b. da taxa de juros (de 3,00% para 3,25%). Já os bancos centrais do México (Banxico) e da Coréia do Sul decidiram manter suas respectivas taxas básicas em 3,0% e 2,5%, respectivamente. Contudo, se de um lado o Banxico emitiu sinais de que permanecerá com este patamar de juros por um período mais longo, o Banco Central sul-coreano, ao reduzir suas projeções de crescimento econômico e inflação, deu indícios de que poderá cortar os juros em suas próximas reuniões. Por fim, a OCDE divulgou os indicadores antecedentes da atividade econômica mundial em maio, apresentando ligeira melhora nos países emergentes. As variações de maior destaque entre estes países ficaram por conta da China (+0,65), Turquia (+0,50), Índia (+0,34) e Brasil (+0,23). Embora os números tenham apresentado esta discreta melhora na margem, os indicadores emergentes continuam apontando crescimento abaixo da tendência histórica (patamar inferior a 100 pontos). Já para os países que compõem a OCDE, apesar da estabilidade, o indicador mostra expansão acima da tendência histórica (100,6). No âmbito doméstico, apesar de o IPCA de junho ter vindo em linha com a nossa expectativa e a do mercado, mostrando alta de 0,40%, os indicadores de qualidade inflacionária continuaram desfavoráveis. A média dos núcleos de inflação acelerou de 6,5% para 6,8% em termos interanuais e a alta dos preços de serviços foi de 9,2%. Vale notar que, segundo o levantamento do IBGE, a variação das tarifas de hotéis foi de +25,3% no mês de junho, configurando um rompimento do padrão histórico desta série (gráfico abaixo). Isto sugere que deve haver alguma correção para baixo desta variação nos próximos meses, com início provável já em julho (mês em que o IPCA deve rodar em torno de 0,20%). Para o presente ano, estimamos IPCA em 6,3% com taxa de 3

4 câmbio em R$/US$ 2,40 ao final do período. Quanto ao preços no atacado, o IGP-Di registrou deflação de 0,63% em junho (após queda de 0,45% no mês anterior), sendo que os dois principais vetores deflacionários continuam sendo o atacado industrial (-0,52%) e o agrícola (-2,97%). Dentro do atacado agrícola, destacamos os recuos de preço de milho, feijão, tomate e café. Estas pressões de baixa tendem a se materializar também nas próximas divulgações do IPCA. A despeito do baixo patamar projetado para a inflação mensal ao consumidor no curto prazo, as leituras em doze meses do IPCA devem continuar elevadas. Ainda assim, avaliamos que o COPOM manterá a taxa básica de juros em seu atual patamar até o final de 2014, uma vez que, na visão do comitê, a manutenção das atuais condições monetárias colabora para a convergência da inflação para a meta ao longo do horizonte relevante. 7,0% 6,0% IPCA (Média dos Núcleos YoY) 6,4% 6,1% 6,8% IPCA - Hotel M/M 5,0% 5,2% ,0% Fonte: IBGE, BRAM 0-5 jun-12 ago-12 out-12 dez-12 fev-13 abr-13 jun-13 ago-13 out-13 dez-13 fev-14 abr-14 jun-14 ago/99 mai/00 fev/01 nov/01 ago/02 mai/03 fev/04 nov/04 ago/05 mai/06 fev/07 nov/07 ago/08 mai/09 fev/10 nov/10 ago/11 mai/12 fev/13 nov/13 Quanto à agenda da próxima semana, destacamos a decisão do COPOM e o IBC-BR como os principais eventos domésticos e, no âmbito internacional, teremos o PIB da China no segundo trimestre, além da produção industrial nos EUA (junho) e na Zona do Euro (maio), juntamente com o CPI europeu. No calendário norte-americano, teremos também as vendas varejistas e o PPI (referentes a junho), juntamente com o Michigan Consumer Confidence (julho). Quanto à Zona do Euro, além dos dados da indústria em maio e o CPI de junho, teremos também a balança comercial (maio) e o indicador de sentimento ZEW (julho). A rodada de dados chineses também será importante: PIB do segundo trimestre, acompanhado dos investimentos em ativos fixos, vendas varejistas e produção industrial (todos referentes a junho). Sobre os dados domésticos, teremos a decisão do Copom (esperamos manutenção dos juros em 11,00% a.a.) e o IBC-BR (PIB mensal) em maio, que deve seguir indicando desaceleração da atividade. 4

5 INDICADORES DE MERCADO 11,6 11,5 11,4 11,3 11,2 11,1 11,0 10,9 10,8 10,7 10,6 Estrutura a Termo de Juros no Brasil (Vértices DI) - % 10,78 10,76 11,12 11,09 11,47 11,43 DI Jan15 DI Jan16 DI Jan17 6,2 6,0 5,8 5,6 5,4 5,2 5,0 4,8 4,6 Yield da NTN-B (%) 5,97 5,96 5,25 5,18 NTN-B 2017 NTN-B /07/ /07/ /07/ /07/2014 Moedas¹ Cotação Variação Semanal Mês Ano 12 Meses Franco Suíço 0,89 0,18% -0,64% 0,04% 6,11% Euro 1,36 0,05% -0,66% -1,03% 3,86% Libra 1,71-0,30% 0,01% 3,33% 12,67% Dolar Canadense 1,07-0,66% -0,49% -0,94% -3,34% Dolar Australiano 0,94 0,18% -0,54% 5,21% 2,11% Rublo Russo 34,21 0,77% -0,65% -3,91% -4,74% Iene (Japão) 101,31 0,74% 0,02% 3,95% -2,32% Yuan (China) 6,20 0,02% -0,01% -2,41% -1,16% India 59,94-0,34% 0,41% 3,11% -0,43% Real 2,22-0,35% -0,32% 6,33% 1,53% Peso Chileno 553,98-0,83% -0,19% -5,15% -8,74% Peso Mexicano 12,99-0,15% -0,20% 0,33% -1,44% Peso Colombiano 1859,25-0,69% 0,98% 3,78% 2,75% Sol Peruano 2,79-0,57% 0,44% 0,37% -0,55% Lira Turca 2,12 0,64% -0,06% 1,34% -7,94% Bangladesh Taka 77,57 0,03% 0,05% 0,13% 0,26% Commodities, Juros e Risco Cotação Variação Semanal Mês Ano 12 Meses CRB 491,8-0,84% -0,92% 7,77% 4,24% CRB (em Reais) 1092,1-0,39% -0,64% 1,31% 2,62% Petróleo BRENT 106,9-3,42% -4,89% -0,33% 8,27% Libor USD 3m 0,23 0,00 0,00-0,01-0,03 Libor EUR 3m 0,20 0,00 0,00-0,09-0,02 Título 10 anos Itália 2,89 0,05 0,04-1,24-1,58 Título 10 anos Alemanha 1,20-0,06-0,04-0,73-0,42 Título 10 anos EUA 2,51-0,13-0,02-0,52-0,06 CDS Brasil 5 anos VIX 12,5 2,2 1,0-1,0-1,5 Bolsas² Cotação Variação Semanal Mês Ano 12 Meses S&P 500 Index 1.962,0-1,18% 0,09% 6,15% 17,13% Dow Jones ,2-1,06% 0,36% 1,87% 9,23% CAC (França) 4.316,5-3,41% -2,40% 0,48% 11,57% DAX (Alemanha) 9.666,3-3,42% -1,70% 1,20% 18,48% FTSE 100 (Inglaterra) 6.690,2-2,56% -0,80% -0,87% 2,24% Nikkei 225 (Japão) ,0-1,77% 0,01% -6,92% 4,78% Shangai (China) 2.143,1-0,61% -0,08% -3,22% -1,23% Ibovespa ,0 1,34% 3,03% 6,35% 17,48% Dados atualizados às 11:54 (1) Variações positivas das moedas significam valorização em relação ao dólar (2) Índices acionários medidos em moeda local 5

6 CALENDÁRIO E PROJEÇÕES Data Evento País Período BRAM Consenso Anterior Segunda 14-jul 06:00 Produção Industrial (M/M a.s.) Z. Euro Mai ,80% 08:30 Boletim Focus Brasil 11/jul Criação de empregos formais - CAGED Brasil Jun ,00 Terça 15-jul 06:00 Índice ZEW de Sentimento Econômico Z. Euro Jul ,40 09:30 Vendas no Varejo (M/M) EUA Jun -- 0,60% 0,30% 09:30 Empire Manufacturing EUA Jul -- 17,00 19,28 09:30 Vendas no Varejo (exceto autos) EUA Jun -- 0,60% 0,10% 09:30 Vendas no Varejo (exceto autos e gas.) EUA Jun ,00% 23:00 Investimento em ativos fixos urbanos (A/A) China Jun -- 17,20% 17,20% 23:00 Vendas no Varejo (A/A) China Jun -- 12,50% 12,50% 23:00 Produção Industrial (A/A) China Jun -- 9,00% 8,80% 23:00 PIB (T/T a.s.) China ,80% 1,40% 23:00 PIB (A/A) China ,40% 7,40% Quarta 16-jul 06:00 Balança Comercial Z. Euro Mai B 08:00 IGP-10 (M/M) Brasil Jul ,67% 09:00 Vendas no Varejo (M/M) Brasil Mai ,40% 09:00 Vendas no Varejo (Y/Y) Brasil Mai ,70% 09:30 Preços ao Produtor- PPI Núcleo (A/A) EUA Jun -- 1,70% 2,00% 10:15 Produção Industrial (M/M % a.s.) EUA Jun -- 0,30% 0,60% 10:15 Utilização da capacidade instalada EUA Jun -- 79,30% 79,10% 15:00 Livro Bege EUA COPOM - Decisão da Selic Brasil ,00% 11,00% Quinta 17-jul 06:00 Preços ao Consumidor - CPI Núcleo (A/A) Z. Euro Jun ,80% 08:30 IBC-Br (M/M) Brasil Mai ,12% 08:30 IBC-Br (A/A) Brasil Mai ,29% 09:30 Construção de casas novas EUA Jun K 1001K 09:30 Novos Pedidos Seguro-Desemprego (Jobless Claims) EUA :00 Sondagem Industrial - Filadélfia EUA Jul -- 15,00 17,80 14:35 Discurso de Bullard (FED St. Louis) EUA Sexta 18-jul 10:55 Confiança do Consumidor - Univ de Michigan EUA Jul -- 83,50 82,50 11:00 Indicadores antecedentes (M/M) EUA Jun -- 0,50% 0,50% - Investimento Estrangeiro Direto (A/A) China Jun -- -7,00% -6,70% Projeções Macroeconômicas - BRAM PIB (% ao ano) 7,5% 2,7% 0,9% 2,5% 1,0% 1,0% Taxa de Inflação - IPCA (% a.a.) 5,9% 6,5% 5,8% 5,9% 6,3% 6,5% Taxa de Inflação - IGP-M (% a.a.) 11,3% 5,1% 7,8% 5,5% 5,4% 7,0% Taxa Selic (final do ano) 10,75% 11,00% 7,25% 10,00% 11,00% 12,50% Taxa Selic (média do ano) 10,00% 11,75% 8,46% 8,44% 10,50% 11,75% R$/US$ média do ano 1,76 1,67 1,95 2,16 2,29 2,56 R$/US$ final do ano (Média - Mês de Dezembro) 1,67 1,83 2,08 2,35 2,40 2,70 Exportações (US$ bilhões) 201,9 256,0 242,6 242,2 238,5 243,3 Importações (US$ bilhões) 181,6 226,2 223,1 239,6 236,5 233,0 Balança Comercial (US$ bilhões) 20,3 29,8 19,5 2,6 2,0 10,4 Balanço em Conta-Corrente (US$ bilhões) -47,4-52,6-54,2-81,1-81,1-65,0 Balanço em Conta-Corrente (% do PIB) -2,3-2,1-2,4-3,6-3,6-3,0 Superávit Primário (% PIB) 2,8 3,2 2,4 1,9 1,6 2,1 Dívida Líquida (% PIB) 39,1 36,4 35,2 33,8 34,4 34,6 6

7 FERNANDO HONORATO BARBOSA Economista-chefe DANIEL XAVIER FRANCISCO JOSE LUCIANO DA SILVA COSTA HUGO RIBAS DA COSTA MIRELA SCARABEL RENATO DE MEDEIROS TRANCHESI THIAGO NEVES PEREIRA Tel.: Material produzido em 11/07/2014 às 15h00 Outras edições estão disponíveis no Site: item Informações aos Investidores / Nossa visão / Informativos de Macroeconomia. As opiniões, estimativas e previsões apresentadas neste relatório constituem o nosso julgamento e estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio, assim como as perspectivas para os mercados financeiros, que são baseadas nas condições atuais de mercado. Acreditamos que as informações apresentadas aqui são confiáveis, mas não garantimos a sua exatidão e informamos que podem estar apresentadas de maneira resumida. Este material não tem intenção de ser uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. BRAM - Bradesco Asset Management é a empresa responsável pela atividade de administração de recursos de terceiros do Banco Bradesco S.A. BRAM - Bradesco Asset Management - Todos os direitos reservados. 7

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 25 de maio de 2016

INFORME ECONÔMICO 25 de maio de 2016 jan-15 fev-15 mar-15 abr-15 mai-15 jun-15 jul-15 ago-15 set-15 out-15 nov-15 dez-15 jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Membros do FED reforçam a mensagem

Leia mais

Carta Mensal Novembro 2015

Carta Mensal Novembro 2015 Canvas Classic FIC FIM (nova razão social do Peninsula Hedge FIC FIM) Ao longo de novembro, a divergência na direção da política monetária conduzida pelos dois mais relevantes bancos centrais do mundo

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 17 de junho de 2016

INFORME ECONÔMICO 17 de junho de 2016 nov-11 fev-12 mai-12 ago-12 nov-12 fev-13 ago-13 nov-13 fev-14 mai-14 ago-14 nov-14 fev-15 mai-15 ago-15 nov-15 fev-16 mai-04 mai-05 mai-06 mai-07 mai-08 mai-09 mai-10 mai-11 mai-12 mai-14 mai-15 INFORME

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

O MERCADO NA SEMANA 19 de Dezembro de 2011 ECONOMIA BRASILEIRA. SEMANA PASSADA Os dados da semana passada e as implicações para o cenário

O MERCADO NA SEMANA 19 de Dezembro de 2011 ECONOMIA BRASILEIRA. SEMANA PASSADA Os dados da semana passada e as implicações para o cenário ECONOMIA BRASILEIRA SEMANA PASSADA Os dados da semana passada e as implicações para o cenário OS MERCADOS Como o mercado financeiro reagiu Indicadores de atividade mostram desaceleração da economia PMC

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

1 a 15 de janeiro de 2015

1 a 15 de janeiro de 2015 1 a 15 de janeiro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Taxas de juros domésticas cedem com divulgação de IPCA de abril mais baixo;

Taxas de juros domésticas cedem com divulgação de IPCA de abril mais baixo; 12-mai-2014 Taxas de juros domésticas cedem com divulgação de IPCA de abril mais baixo; Dólar encerra praticamente estável em semana de maior entrada de fluxo externo; Ibovespa termina semana com leve

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

Taxa de juros. Taxa de câmbio. Bolsa de Valores. 22-dez-2014. a curva de juros subiu; o dólar desvalorizou-se 0,1% em relação ao real;

Taxa de juros. Taxa de câmbio. Bolsa de Valores. 22-dez-2014. a curva de juros subiu; o dólar desvalorizou-se 0,1% em relação ao real; 22-dez-2014 Taxa de juros a curva de juros subiu; Taxa de câmbio o dólar desvalorizou-se 0,1% em relação ao real; Bolsa de Valores o Ibovespa fechou a semana em alta de 3,4%. Na semana passada todos os

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 Data: 27/02/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central;

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; 19-mai-2014 Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; Ibovespa subiu 1,7% na semana, e acumula alta

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Cotação do Dólar (em reais) Taxas de juros nominais Mercado futuro (%) Ibovespa vs S&P500 (em pontos) 14 de dezembro de 2015

Cotação do Dólar (em reais) Taxas de juros nominais Mercado futuro (%) Ibovespa vs S&P500 (em pontos) 14 de dezembro de 2015 1-jan-15 19-jan-15 6-fev-15 24-fev-15 14-mar-15 1-abr-15 19-abr-15 7-mai-15 25-mai-15 12-jun-15 30-jun-15 18-jul-15 5-ago-15 23-ago-15 10-set-15 28-set-15 16-out-15 3-nov-15 21-nov-15 9-dez-15 1-jan-15

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros;

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; 06-jun-2014 Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; Dólar encerra semana em alta diante de expectativa de retirada de operações de swap; Ibovespa recuou 2,6% na semana,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 22 de junho de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Reunião do FOMC ainda com tom dovish; Preocupações com a Grécia ainda persistem e compromete

Leia mais

Economia Brasileira: Câmbio, Balança de Pagamentos e a Política Fiscal. Affonso Celso Pastore

Economia Brasileira: Câmbio, Balança de Pagamentos e a Política Fiscal. Affonso Celso Pastore Economia Brasileira: Câmbio, Balança de Pagamentos e a Política Fiscal Affonso Celso Pastore 1 índice (basket / US$) Entramos em um ciclo de valorização do dólar. A experiência dos dois ciclos anteriores

Leia mais

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Janeiro 2014 TÊXTIL E VESTUÁRIO CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Para 2014, estima-se que a cadeia produtiva têxtil e de vestuário em termos de volume evolua sobre 2013

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

EconoWeek 14/09/2015 DESTAQUE NACIONAL

EconoWeek 14/09/2015 DESTAQUE NACIONAL 14/09/2015 EconoWeek DESTAQUE NACIONAL Sem a menor dúvida, a queda da classificação de risco do Brasil para abaixo do grau de investimento foi a notícia da semana. A agência Standard&Poor s rebaixou o

Leia mais

O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho

O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho 1 2 Julho de 215 O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho Foi divulgado o relatório de Julho da Organização dos Países Exportadores do Petróleo, em que são analisadas as

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 17 de novembro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana Economia internacional: Bancos Centrais dominam atenção dos mercados. BCE sinaliza política monetária expansionista;

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 17 de dezembro de 2012 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana A recuperação da economia norte-americana nos mantém relativamente otimistas para 2013, ainda que a questão do

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa já iniciou o ano novo indicando que será mais um período de muita volatilidade para as ações. Diante de um cenário de grandes incertezas do lado doméstico e de olho nos acontecimentos

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015 24/08/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Mais uma semana bastante volátil de mercado, com as tensões se elevando conforme os indicadores econômicos chineses demonstram um crescimento aquém do projetado

Leia mais

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução No primeiro semestre de, as políticas monetárias permaneceram acomodatícias nas economias avançadas, condicionadas por seus diferentes posicionamentos

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Novembro/2014 Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Temor de baixa inflação global nos parece exagerado, mas tende a manter liquidez global elevada até meados do próximo ano.

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2013 Turim Family Office & Investment Management TÓPICOS Economia Global: Estados Unidos...Pág.3 Europa...Pág.4 Economia Brasileira: Produto Interno Bruto...Pág.5 Política

Leia mais

Boletim RPPS. Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos

Boletim RPPS. Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos 1 Boletim RPPS Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos Gerência Nacional de Investidores Corporativos (11) 3555-6350 geico@caixa.gov.br Resenha

Leia mais

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda;

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; 05-mai-2014 Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; Ibovespa avançou 3,1% na semana, influenciado

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 9 de março de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Dados positivos nos Estados Unidos aproximam aumento de juros; DXY tem forte alta na semana;

Leia mais

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Robert John van Dijk Diretor Superintendente Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Agosto de 2008 Agenda - Administração de recursos de terceiros: no Brasil

Leia mais

Taxa de juros. Taxa de câmbio. Bolsa de Valores. 05-jan-2015. a curva de juros se manteve relativamente estável, com leve subida;

Taxa de juros. Taxa de câmbio. Bolsa de Valores. 05-jan-2015. a curva de juros se manteve relativamente estável, com leve subida; 05-jan-2015 Taxa de juros a curva de juros se manteve relativamente estável, com leve subida; Taxa de câmbio o dólar valorizou-se 0,45% frente ao real; Bolsa de Valores o Ibovespa fechou a semana em queda

Leia mais

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD 1 16 de Março de 2015 Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD O Euro transaccionou a 1,0696 USD, o nível mais baixo dos últimos 12 anos, e só em 2015 acumula uma depreciação de cerca de 12.

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Spinelli Mercado Top Picks Semanal

Spinelli Mercado Top Picks Semanal 16 de Novembro de 2010 Spinelli Mercado Top Picks Semanal Retorno (%) Fechamento Semana Mês Atual 12 Meses Brasil R$ Ibovespa 70,367-3.08-0.43 9.18 IBX-50 9,670-3.15 0.27 5.96 Américas Dow Jones 11,202-1.80

Leia mais

Relatório Mensal. Abril de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Abril de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Abril de 2015 Cenário Internacional: EUA Divulgado o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no primeiro trimestre de 2015 apresentando crescimento anualizado de 0,2%, muito aquém

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Maio. Expansão do crédito e potência da política monetária. Fernando Honorato Barbosa Thiago Neves Pereira

TÓPICO ESPECIAL Maio. Expansão do crédito e potência da política monetária. Fernando Honorato Barbosa Thiago Neves Pereira Maio Expansão do crédito e potência da política monetária Fernando Honorato Barbosa Thiago Neves Pereira Dentre os canais de transmissão da política monetária, o chamado canal da atividade tem merecido

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

16 a 31 de dezembro de 2014

16 a 31 de dezembro de 2014 16 a 31 de dezembro de 2014 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Calendário de Eventos Econômicos

Calendário de Eventos Econômicos Calendário de Eventos Econômicos Horário Eventos Previsão Comentários SegundaFeira 05/10 08:25 Bacen: Boletim Focus (semanal) 10:00 Markit: Índice PMI composto 15:00 MDIC: Balança comercial (semanal) 04:55

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL 30 de outubro de 2015

TÓPICO ESPECIAL 30 de outubro de 2015 1T92 1T93 1T94 1T95 1T96 1T97 1T98 1T99 1T 1T1 1T2 1T3 1T4 1T5 1T6 1T7 1T8 1T9 1T1 1T11 1T12 1T13 1T14 1T15 dez-92 jan-94 fev-95 mar-96 abr-97 mai-98 jun-99 jul- ago-1 set-2 out-3 nov-4 dez-5 jan-7 fev-8

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial

Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial 15 Junho de 2015 Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial Assistiu-se a uma desvalorização do AKZ na última sexta-feira, dia 5 de Junho, de aproximadamente 110,582 AKZ para 117,47 AKZ por unidade de

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

24 a 28 de janeiro de 2011

24 a 28 de janeiro de 2011 24 a 28 de janeiro de 2011 Acontece na semana Após a reunião do Copom, que decidiu por unanimidade elevar a Selic em 50 bps na semana passada, o mercado aguarda a divulgação da Ata que ocorrerá nesta quinta-feira.

Leia mais

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD 1 9 de Fevereiro de 2015 Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD Os preços de referência do crude (WTI e Brent) estão a transaccionar acima dos 50 USD, o que poderá representar um momento de

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL O cenário de estagflação, ou seja, um fraco crescimento econômico somado a uma inflação elevada da economia brasileira, não mudou no mês de abril e deve seguir assim até o final de 2015, segundo dados

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Os exemplos ilustram vencedores e perdedores da atual redução no preço do petróleo,

Os exemplos ilustram vencedores e perdedores da atual redução no preço do petróleo, Quem ganha e quem perde com a queda do preço do petróleo? O momento de queda no preço do petróleo leva alguns exportadores do produto a se prepararem para uma significativa queda de receitas. Ao mesmo

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola

Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola 29 de Setembro de 214 Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola Nos primeiros oito meses de 214, o Banco Nacional de Angola (BNA) vendeu divisas num montante de 13,398 mil milhões de USD,

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Outubro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural Adriano Pires 17/03/2009 1 O Ano de 2009 Uma queda no crescimento da demanda global de energia conduzirá a preços menores de petróleo e de gás em

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) 13 de Junho de 2013 MERCADOS Bolsa A Bovespa seguiu em queda ontem, desta vez influenciada pelo exercício de Ibovespa futuro e de opções sobre o Ibovespa e mau humor no mercado externo, com as bolsas norte-americanas

Leia mais

Cenário Macro - Setembro

Cenário Macro - Setembro Overview Atividade Econômica (mais detalhes na pag. ) Como antecipado, o processo de desaceleração econômica persiste como parte do ajuste nos salários reais. O PIB do segundo semestre caiu 1, na margem

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa O Ibovespa não conseguiu sustentar o movimento de alta do começo da tarde e terminou o dia em queda de 0,15% aos 53.100 pontos, com baixo volume financeiro de R$ 4,7 bilhões, acumulando

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) a MERCADOS Bolsa O Ibovespa teve mais um dia de volatilidade nos negócios, influenciado pelo vencimento do Ibovespa futuro e das opções sobre o índice e também pelos dados divulgados nos Estados Unidos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais