TRATAMENTO DAS INFILTRAÇÕES OCORRIDAS NA BARRAGEM DE ITÁ. Álvaro Eduardo Sardinha ENGEVIX ENGENHARIA S.A. Ricardo Mazzutti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATAMENTO DAS INFILTRAÇÕES OCORRIDAS NA BARRAGEM DE ITÁ. Álvaro Eduardo Sardinha ENGEVIX ENGENHARIA S.A. Ricardo Mazzutti"

Transcrição

1 COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92 A35 TRATAMENTO DAS INFILTRAÇÕES OCORRIDAS NA BARRAGEM DE ITÁ Álvaro Eduardo Sardinha ENGEVIX ENGENHARIA S.A. Ricardo Mazzutti CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S.A AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a Engevix Engenharia e a Construtora Norberto Odebrecht pelo apoio na elaboração deste trabalho, e em especial a ITASA por permitir a publicação destas informações. RESUMO O enchimento do reservatório da Usina Hidrelétrica de Itá correu no período de dezembro de 1999 a junho de 2000, e após a carga de água atingir uma coluna de 90 m, foram observadas as primeiras medições de vazões de infiltração. O valor máximo observado foi de 1723 l/s, e após sucessivas intervenções para controlar estas infiltrações foi possível estabilizar as vazões em torno de 200 l/s, aceitável para as condições de utilização da barragem. Este trabalho relata os procedimentos adotados no tratamento das zonas da face da barragem por onde ocorreram as infiltrações, assim como os métodos utilizados para diagnosticar o problema e as suas possíveis causas. ABSTRACT The HPP Itá reservoir impounding took place between December 1999 and June After the water load achieved 90 meters, it was observed the first leakage measurements. The maximum observed value was 1723 l/s and after 1

2 many interventions to control these leakages, it was possible to stabilize them at about 200 l/s. This paper presents the procedures adopted to treat fissured zones on the dam s face and the methods used to diagnosticate the problems as the possible causes of such leakages. 1 - INTRODUÇÃO O Aproveitamento Hidrelétrico Itá localiza-se no médio curso do Rio Uruguai na divisa entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Sua construção durou 46 meses e o enchimento do reservatório se deu em 6 meses. A barragem de Itá é do tipo enrocamento com face de concreto, com cerca de 125 m de altura máxima, um volume total de 8.9 milhões de m 3 de enrocamento e 110 mil m 2 de área de face. O vale do rio Uruguai, no local de implantação da barragem, apresenta uma sucessão de oito derrames basálticos com espessuras variáveis de 10 a 40 m. As principais feições geológicas estruturais são caracterizadas pelo lineamento C 1, na margem direita, contato interderrames K-K no leito do rio e de um dique de diabásio, na margem esquerda, com cerca de 20 m de espessura que corta a região da Tomada de água e túneis forçados. A barragem foi executada com enrocamento proveniente das escavações obrigatórias. A seção transversal apresentada na Figura 1 ilustra o zoneamento da barragem, como construído, que basicamente reproduz os perfis tradicionais das Barragens de Enrocamento com Face de Concreto. FIGURA 1: Seção típica da Barragem 2

3 2 - OBSERVAÇÕES EFETUADAS O processo de infiltração através da laje da face da barragem somente começou a ser notado a partir do momento em que o nível do reservatório alcançou uma elevação de 90 m acima do nível de fundação. No entanto os trabalhos de investigação para diagnosticar as possíveis causas das infiltrações só foram levados a efeito a partir do momento em que estas vazões de infiltração alcançaram valores da ordem de 200 l/s, as quais foram acompanhadas durante todo o processo de enchimento do reservatório. Este comportamento veio a provocar fissuras na laje da face da barragem, que por sua vez originaram vazões de infiltração pela mesma da ordem de 1700 l/s, quando as previsões, a partir de valores referenciais de outras barragens do mesmo porte de Itá, sinalizavam valores em torno de 250 l/s como aceitáveis, podendo chegar até 500 l/s. A partir do momento em que as vazões atingiram valores próximos dos níveis de alerta, estabelecidos no Manual de Operação da Instrumentação das Estruturas da UHE Itá, os resultados da instrumentação de auscultação instalada na barragem passaram a ser analisados de maneira mais rigorosa. Este procedimento orientou a linha de ação a ser seguida. A Figura 2 ilustra uma vista geral da laje da face da barragem com a região intensamente fissurada, principalmente na margem direita, conforme mapeamentos executados entre os meses de abril e agosto/00. Em abril/00 as vazões de infiltração chegaram a valores da ordem 1700 l/s, quando foi determinado que deveria ser iniciado o lançamento efetivo de materiais arenosos a partir da crista de barragem. FIGURA 2 Detalhe fotográfico subaquático de fissura da laje 3

4 3 - TRATAMENTOS EFETUADOS HISTÓRICO Com o início do processo de enchimento do reservatório e o conseqüente carregamento da laje de montante da barragem, foi observada a surgência de água, ainda incipiente, no medidor de vazão de jusante da barragem no dia 25/02/2000, quando o reservatório registrava o nível d água na El. 340,00m, cerca de 90 m.c.a. As vazões de infiltração registradas no medidor de vazão instalado no off-set, a jusante da barragem, no final do mês de março de 2000, apresentaram uma evolução rápida e intensa, tendo em 31/03/2000, com o reservatório na El. 359,60m, atingido a marca de 413,70l/s. Em 18/04/2000, com o reservatório na El. 362,03m a vazão chegou a 1.012,00l/s. Atingiu 1.528,10l/s em 24/04/2000 e o pico de 1.723,80l/s em 12/05/2000 com o reservatório na El. 367,54m. Na Figura 4, é possível observar a evolução da infiltração bem como do enchimento e oscilações de nível do próprio reservatório. O programa de investigação para identificação dos locais de infiltração foi estabelecido com base em exemplos de obras similares com o mesmo tipo de problema, de modo a identificar as possíveis causas das elevadas infiltrações registradas MONITORAMENTO A inspeção minuciosa da face de montante da Barragem e das ombreiras, foi conduzida procurando investigar o estado de todas as juntas verticais, da junta perimetral, do plinto e das lajes, na qual foram utilizados os procedimentos listados a seguir: Auscultação por Equipamento de Sondagem Sônica; Inspeção visual in loco por mergulhadores até 30m; Inspeção visual in loco por mergulhadores de 30m a 50m com apoio de câmara hiperbárica; Inspeção com filmagem subaquática por Veiculo de Controle Remoto ; Utilização de Traçadores Colorimétrico Radio Isópacos; Instalação de Piezômetros; Medição do ph da água. 4

5 Sondagem Sônica Equipamento contratado junto ao CEHPAR, idêntico ao utilizado com sucesso na identificação de infiltrações na Barragem de Salto Caxias. O equipamento foi testado e calibrado junto a locais em que se sabia da ocorrência de infiltrações, como nas comportas do Vertedouro 2, e onde foi registrado o ruído característico de vazamento/infiltração. Na região da laje da barragem, nas suas juntas e no plinto, não foi possível detectar ruído algum atribuído à percolação de água. Ainda foram utilizados mergulhadores, que conduziram o hidrofone, fonte de captação do equipamento de Sondagem Sônica, diretamente sobre trechos das juntas e lajes. Mesmo assim não foi constatado nenhum tipo de som característico de infiltração. No caso de Itá este processo foi considerado sem efeito prático e foi abandonado. Inspeção Subaquática com Mergulhadores Com apoio de equipe de mergulhadores experientes neste tipo de trabalho, foram feitas duas intervenções subaquáticas em momentos distintos. A primeira foi iniciada com mergulhos até 30,0m de profundidade, abrangendo os extremos da junta perimetral, as juntas de tração nas ombreiras e de compressão na região central e a laje da face como um todo. Foi observado que na junta de tração entre as lajes 3 e 4, o perfil superior (veda-junta de neoprene), apresentou-se rompido em alguns pontos, desde a superfície, no muro parapeito, até a proximidade do plinto sem registro de infiltrações. A Figura 3 mostra a intensa movimentação nesta junta. O movimento relativo de abertura e translação entre as duas lajes provocou o arrancamento da superfície de aderência do concreto. Para monitorar a movimentação das juntas foram instalados pinos de referência no topo do muro parapeito. A segunda intervenção, com mergulhadores, deu-se no intervalo de 30,0m a 50,0m de profundidade. De acordo com legislação de segurança específica para mergulho, foi necessário o apoio de câmara hiperbárica. Esta fase teve dupla finalidade: complementação da investigação visual com filmagem neste intervalo de profundidade, bem como para implementação de ação corretiva in loco das infiltrações identificadas. Onde e quando possível foi executado o lançamento localizado de material apropriado de acordo com a magnitude da infiltração de cada ponto. 5

6 FIGURA 3: Deslocamento relativo entre as lajes 3 e 4. Nesta intervenção, o mergulhador identificava o local de infiltração e na seqüência era aplicado o material (areia artificial, silte arenoso e/ou mistura de cimento e areia). O material era preparado em superfície e transportado em pequenas quantidades pelo próprio mergulhador até o ponto de infiltração. Filmagens da execução do processo mostraram a eficiência do mesmo e o acompanhamento posterior comprovou a eliminação do problema. Inspeção Subaquática com Veículo de Controle Remoto VCR O emprego de equipamento utilizado comumente para apoio subaquático a trabalhos em plataformas de exploração de petróleo, off shore, tipo mini submarino, equipado com câmara de filmagem, radio controlado e com central de gravação em superfície, foi a investigação que apresentou os melhores resultados práticos. A Figura 4 ilustra o equipamento utilizado. Foi possível obter-se e registrar as principais informações da real situação encontrada devido aos recursos de rádio comando que permite uma interação completa da investigação, garantida pela alta qualidade das imagens e registro concomitante em fita de vídeo. Este equipamento fornece ainda a indicação instantânea da profundidade. A inspeção foi executada com o VCR, nesta primeira campanha, e foi de extrema importância, quando pela primeira vez, foi possível inspecionar e gravar imagens de praticamente toda a laje de montante e seus principais elementos construtivos, as juntas verticais entre lajes, bem como a junta perimetral. 6

7 FIGURA 4: Equipamento de inspeção subaquática. As primeiras ocorrências de infiltração foram observadas em trincas existentes nas lajes 8, 9 e 10 a profundidade de 58,00m no entorno da elevação 312,00m. O VCR foi utilizado também para observação do comportamento do material silto-arenoso lançado sobre a laje. Foi possível constatar em inspeção na laje 8, que o material lançado, por sobre esta laje, havia descido, e se concentrado, a partir dos 20,00m de profundidade, em toda sua extensão. Em 05 de maio de 2000, deu-se como concluída a primeira inspeção da face de montante como um todo, com auxilio do VCR. Traçador Fluorescente Como mais uma opção alternativa de localização de zonas de perda de água, foi proposta a utilização de traçadores fluorescentes. A idéia era lançar uma solução destes elementos traçadores em pontos da fundação da barragem que possivelmente apresentariam uma condutividade elevada, e assim buscar identificá-los no corpo de água coletado no medidor de vazão a jusante da barragem. Com apoio técnico do COPPETEC / UFRJ, que elaborou um plano de trabalho específico, foram escolhidos e injetados três tipos de solução química: o corante fluorescente Amidorodamina G; a Uranina e a Eosina. As injeções foram feitas no centro do canal de aproximação do Vertedouro 1; na parede esquerda do mesmo canal na proximidade da ombreia direita da barragem; e no leito do rio. Na seqüência, foram recolhidas amostras de água na saída do medidor de vazão, com a periodicidade estabelecida e enviadas para o laboratório da UFRJ, para medição espectrofluorimetrica das mesmas. 7

8 De um total de 500 amostras analisadas, não ocorreu nenhuma identificação consistente de qualquer um dos traçadores fluorescentes injetados. Foram paralisadas as coletas e análises das amostras e dado por concluído este processo investigatório. Piezômetros Em função das características geológicas da ombreira direita, do tipo do contato entre os derrames, das cotas de sua ocorrência e das profundidades das injeções realizadas, bem como das leituras dos piezômetros instalados na galeria do Vertedouro 1, que acusaram pressões piezométricas elevadas, foi programada a execução de uma série de piezômetros do tipo tubo aberto nas ombreiras da barragem. Objetivando obter informações que subsidiassem uma análise da situação apresentada, foi sugerida a perfuração e instalação de piezômetros nos extremos das ombreiras da barragem, a jusante da cortina de injeção, para avaliação da eficiência da mesma e conhecimento da permeabilidade do maciço abaixo dela, entre os contatos dos derrames F e G (elevação +/- 320,0m), e principalmente entre G e H (elevação +/- 290,0m). As pressões piezométricas elevadas na ombreira direita forneceram os primeiros indícios de uma possível passagem de água para jusante da cortina e abaixo do limite de execução da mesma, concentrando-se nos contatos entre os derrames. Estas observações orientaram o aprofundamento da cortina de injeção neste local. Na margem esquerda os níveis piezométricos se mostraram dentro da normalidade, e atestaram a eficiência satisfatória da cortina de injeção do local. Medição do ph da água Em paralelo com o trabalho de injeção de cimento realizado no aprofundamento da cortina no extremo da ombreira direita, foi implementado o monitoramento do ph da água do reservatório, em diversos pontos e profundidades, juntamente com a água do medidor de vazão a jusante. Foi constatada uma característica bastante alcalina da água coletada na saída do medidor de vazão. Com ph superior a 9,0, enquanto que o reservatório encontrava-se na faixa de 6,0 a 7,0. Este resultado foi indicativo de que, possivelmente esta alcalinidade tenha sido provocada pelo cimento das injeções, além de mostrar uma provável zona de passagem de água pelo local em tratamento. 8

9 3.3 - APROFUNDAMENTO DA CORTINA DE INJEÇÃO DE CIMENTO Como ação tentativa inicial de combate às infiltrações, foi executado no extremo direito, um aprofundamento da cortina de injeção com redução do espaço divisional entre os furos. Buscou-se reforçar com tratamento de injeção de cimento uma feição geológica de contato entre derrames aproximadamente na elevação 290,00 m, não alcançada na etapa inicial. Esta feição poderia estar provocando a percolação de água, e alimentando o maciço de enrocamento E3, compactado sem molhagem. Este processo seria então a causa para a saturação deste maciço de enrocamento de jusante, e que por conseguinte, seria capaz de provocar recalques mais acentuados. As injeções de calda de cimento iniciadas a partir da lateral do vertedouro 1 na direção da barragem, alcançaram a profundidade da ordem de 87,0m. Na elevação 288,20 m, as absorções de cimento foram normais, desde nula até no máximo 43kg/m. Na seqüência foram injetados mais três furos, com profundidade máxima de 94,60m, com absorções pouco superiores, 153kg/m, sem reflexo positivo na redução da infiltração. Consumo expressivo foi registrado, no furo 47 B II, com profundidade de 76,0m, onde no trecho entre 57,00 m e 76,00 m foram injetadas kg de cimento, com uma taxa de 613kg/m, absorção extremamente elevada quando comparada as médias obtidas até então. Este furo foi concluído com uma tomada total de cimento de cerca de kg. O total geral de cimento consumido na cortina de injeção nesta área, em 17 furos, foi superior a kg LANÇAMENTO DE MATERIAL DE VEDAÇÃO SOBRE A LAJE Lançamento de material com draga Com a mobilização de draga utilizada para exploração de areia foi criado, no extremo direito da ombreira, em patamar existente na elevação +/- 370,0m, um local para basculamento direto com caminhão. O aluvião (silte arenoso), era então succionado, até o ponto de lançamento com tubulação, disposta na vertical, acima dos locais de infiltração. Lançamento de material a partir da crista da barragem Concluídas as investigações com o VCR, e tão logo analisados os resultados foram definidos os planos de ataque, para lançamento de material direto sobre as lajes, a partir da crista da barragem. Com emprego de carregadeira CAT-966, foi realizado o lançamento de cerca de 260 m 3 de material granular (areia artificial), por sobre a laje n o 20 (Figura 5). Este procedimento, conjugado com a injeção do furo 47B II, provocou uma substancial redução da infiltração de 1.723,80l/s para 819,80l/s no dia seguinte. 9

10 Com a retomada, de forma mais intensa, do lançamento de areia artificial e também de solo aluvionar (silte arenoso), cujas curvas granulométricas estão apresentadas na Figura 07, as infiltrações reduziram a 386,10l/s em 31/05/00. Sucessivamente as operações de lançamento destes materiais foram retomadas e paralisadas, durante os meses de junho e julho de Apesar da pouca variação do nível do reservatório, a vazão de infiltração aumentou lentamente, chegando a casa dos 1.000l/s. Mais uma vez, orientado pelas filmagens feitas por meio do VCR, foram identificadas novas feições importantes de infiltração, quando então foram retomados os lançamentos de material no início de setembro de A resposta foi imediata provocando uma redução da infiltração para valores de cerca de 800l/s. FIGURA 5: Lançamento de material para vedação da laje Lançamento de material por Tubulação Em função da análise das investigações realizadas pelo VCR, foi proposta e definida uma solução de tratamento com lançamento de areia fina siltosa (aluvião), e/ou de areia artificial com adição de cimento, por meio de tubulação metálica, previamente instalada sobre a face de montante nos pontos onde fora registrada ocorrência de infiltrações. Ação específica foi realizada sobre as juntas entre as lajes 44/45; 45/46; 46/47 e 47/48, onde as filmagens mostraram que os veda-juntas de neoprene de proteção superior da junta encontravam-se rompidos. O fluxo de água nestes pontos indicava também o rompimento do elemento inferior de cobre. Para este trabalho, foi adaptado um flutuante de apoio, sobre o qual instalou-se um sistema de guincho elétrico com roldanas para permitir e facilitar a movimentação de uma tubulação de 4 tipo alvenius que deslizava sobre a laje por meio de eixos com rodas. 10

11 O material depositado e preparado em pequena plataforma instalada na crista da barragem foi lançado manualmente por meio de pá, com auxílio de água para permitir a descida do mesmo e evitar o entupimento da tubulação. O tratamento destas juntas até os 30,00 m de profundidade foi acompanhado por mergulhador, possibilitando assim uma avaliação da eficiência do processo, desde a descida da tubulação até o lançamento de material. Como variante deste processo e com objetivo de tratar pontualmente as fissuras nas lajes com presença de infiltração foi fixado em forma de T um prolongamento de 3,00 m para cada lado, no extremo desta tubulação. Com este dispositivo, fez-se uma varredura com lançamento de material nas lajes com conhecidas ocorrências de percolação. Este procedimento para tratamento das infiltrações demonstrou ser lento, porém extremamente eficiente. Os locais com percolações que foram inicialmente tratados por este processo, apresentaram-se selados em inspeção posterior efetuada por mergulhadores. A Tabela 1 resume as intervenções efetuadas e a eficiência obtida. A Figura 6 ilustra a variação das vazões de infiltração a partir do início de enchimento do reservatório. É fácil notar o efeito das injeções e do lançamento de material arenoso a montante da barragem, e o conseqüente aumento destas vazões no período em que o reservatório recebeu a carga dos últimos 3 metros, período no qual devem ter surgido novas fissuras e ocorreram rupturas de alguns vedajunta nas juntas verticais. 4 - ANÁLISE DO PROBLEMA Uma análise detalhada de toda a instrumentação da barragem alertou para dois pontos que devem ser destacados: o primeiro, com relação às deformações do maciço da barragem e o segundo, as sub-pressões medidas na ombreira direita da mesma. Com relação aos deslocamentos da face da barragem, notou-se uma discrepância muito acentuada entre os valores previstos e os medidos, principalmente na laje L20, que se encontrava mais intensamente fissurada. Na laje L29, na seção central da barragem, não foram detectadas fissuras e a linha das deformações da face manteve uma melhor semelhança com aquela prevista em projeto. A Figura 8 ilustra as deformações da face para os dois painéis de laje acima referenciados, a partir de dados obtidos com eletroníveis instalados ao longo da face. 11

12 TABELA 1- Lançamento de solo e redução de vazões através da barragem de Itá Período Descrição Unidade Medidor de vazão Médios Nível do Reservatório Chuva Tempo decorrido Valores no Período Totais Carregadeira - Areia Artificial Carregadeira - Silte Arenoso Tubulação simples - Areia Tubulação simples - Silte Tubulação simples - Tubulação tipo T - Silte Arenoso Tubulação tipo T - Argamassa Injeção de cimento em m3 Indices de Acompanhamento Lajes Tratadas Redução de Vazão l / seg m mm dia m³ m³ m³ m³ m³ m³ m³ m³ N os Un l / seg Até 12-mai ;8;9e mai a 9-dez dez a 7-mar a 23 e mar a 28-mai a mai a 04-jun Totalização _ VAZÃO (L/S) fev mar mai jun jul set out nov jan fev mar-01 Vazão Q = 1382*tan(a/2)*(h/100)^2,5 l/s 05-mai jun jul set out nov dez fev mar abr jun jul-02 FIGURA 6 Vazões de infiltração x tempo x nível do reservatório 28-ago-02 NA Reserv 07-out nov dez fev mar abr TEMPO NA Reservatório (m) 12

13 FIGURA 7: Curvas granulométricas dos materiais utilizados para controle das infiltrações FIGURA 8 Comparação das deformadas da face para os painéis L29 e L20 13

14 Por outro lado foi observado que os piezômetros instalados entre a barragem e o vertedouro 1 indicavam elevadas sub-pressões. Este fato subsidiou outra linha de investigação visando identificar evidências que demonstrassem que poderiam estar ocorrendo infiltrações elevadas pelos contatos interderrames, apesar de todo o tratamento realizado. Deu-se prosseguimento, portanto a execução de uma série furos para injeção de calda de cimento neste maciço da ombreira direita da barragem, os quais foram prolongados até a elevação 290,00 m, de modo a que fosse interceptado o contato entre os derrames G e H. As maiores absorções variaram de 100 a 500 kg de cimento por metro de furo. Em apenas um ponto localizado, o contato apresentava-se mais aberto, onde houve absorção de cimento da ordem de kg. 5- CONCLUSÕES Embora em linhas gerais a barragem de Itá não apresente maiores discrepâncias quanto ao zoneamento de materiais utilizados em outros empreendimentos similares, em termos de geometria do vale pode-se constatar uma diferença marcante entre a margem esquerda e a margem direita. Na margem direita observa-se uma região em patamar no entorno da elevação 295,00 m, onde sistematicamente todas as lajes apresentaram fissuras em uma faixa de 10 a 15 m acima desta elevação e onde o maciço da barragem se mostrou mais deformável. Tal comportamento não foi observado na margem esquerda, onde o efeito patamar não ocorre. Por sua vez na ombreira direita, no patamar da elevação 295,00 constatou-se a partir das investigações realizadas para se buscar a causa, uma zona no contato dos derrames G e H, indicando altas permeabilidades do maciço da ombreira, conforme atestado durante o processo de tratamento e reforço da cortina de injeções. Considera-se que o efeito de forma do patamar teve uma significativa contribuição para retenção das águas de infiltração pela ombreira direita, o que provavelmente veio a provocar a saturação de uma região muito maior do que se poderia esperar para uma situação onde os taludes das ombreiras apresentam declividades acentuadas. Dentre todos os processos utilizados para detectar as causas das elevadas infiltrações ocorridas através do maciço da barragem de Itá, os que melhores resultados forneceram foram as sondagens, com instalação de piezômetros, nas ombreiras, e a inspeção sub-aquática com Veículo de Controle Remoto VCR, e que foram determinantes para que ficasse esclarecido como e por onde se davam as infiltrações. Face todas as evidências reportadas pode-se concluir que as elevadas infiltrações ocorridas na barragem de Itá foram causadas por uma excessiva deformação diferencial do maciço da margem direita. Estas deformações 14

15 acentuadas do maciço estão registradas pela instrumentação e caracterizadas por um padrão de fissuramento da laje da face, raramente observado em barragens similares. Reduções obtidas nos valores das vazões de infiltração foram possíveis a partir das injeções, principalmente no furo 47B II e do lançamento de materiais arenosos por sobre a zona fissurada. Estas intervenções chegaram a provocar uma significativa redução de vazões de 1700 l/s para 380 l/s. Atualmente as infiltrações estão totalmente controladas desde meados do ano de 2001, com valores da ordem de 200 l/s. Desde então não houve qualquer necessidade de novas intervenções, demonstrando a eficácia do processo para conter as infiltrações, seja nas ombreiras e no plano da laje, seja nas juntas entre lajes. Dessa forma tem-se comprovado que as barragens de enrocamento com face de concreto são estruturas francamente confiáveis e de fácil recuperação quando ocorrem infiltrações, pela face, acima de valores esperados. 6- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Antunes, José S., Sardinha, Álvaro E., Fernandes, Alexandre, M. Itá Dam, Design and Construction, Second Symposium on CFRD Florianópolis, Brasil Out/ Antunes J.S., Sardinha A.E., Albertoni S.C., Dijkstra H.H. (2000). Development Aspects of CFRD in Brazil. International Symposium on Concrete Faced Rockfill Dams. Beijing, China, J. Barry Cooke Volume p Mori, Rui T., Deformations and Cracks in Concrete Face Rockfill Dams, Second Symposium on CFRD Florianópolis, Brasil Out/ Engevix Engenharia, Relatório IT4-BP RT Análise Final do Comportamento da BEFC de Itá Após o Término do Enchimento do Reservatório - abril/ Cooke, J. B., Memo no. 130 Turimiquire Dam Performance - out/ Cooke, J. B., Memo no.12 Underwater Audio Leak Detection - set/

16 ANEXO A 16

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

PROPOSTA DE PROCEDIMENTOS PARA CRÍTICA AUTOMATIZADA DOS DADOS DE MONITORAMENTO DE BARRAGENS - PROTÓTIPO SERRA DA MESA

PROPOSTA DE PROCEDIMENTOS PARA CRÍTICA AUTOMATIZADA DOS DADOS DE MONITORAMENTO DE BARRAGENS - PROTÓTIPO SERRA DA MESA COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92 A11 PROPOSTA DE PROCEDIMENTOS PARA CRÍTICA AUTOMATIZADA DOS DADOS DE MONITORAMENTO DE

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA SONDAGENS IN-09/94 Instrução Normativa

Leia mais

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Pedro Luis Faggion, Luis A. Koenig Veiga, Silvio Rogério Correia de Freitas, Carlos Aurélio Nadal Universidade

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Utilização de Geomembrana de PEAD em Tratamento de Fundação na Barragem de São Salvador

Utilização de Geomembrana de PEAD em Tratamento de Fundação na Barragem de São Salvador Utilização de Geomembrana de PEAD em Tratamento de Fundação na Barragem de São Salvador Rafael Marques Cardoso Intertechne Consultores S. A., Curitiba, Brasil, rm@intertechne.com.br Alex Martins Calcina

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para:

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para: IBC BRASIL Prof. Dr. Roberto Kochen Diretor Técnico Dezembro/2009 55 11 4195- FUNDAÇÔES DE BARRAGENS 2 problemas principais podem requerer tratamento: Deformabilidade Permeabilidade / Fluxo na Fundação

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A.

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS VI SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS BELO HORIZONTE MG, 21 A 25 DE ABRIL DE 2008 T23 A01 PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO Giorgia

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

I. INTRODUÇÃO II. CONSTRUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

I. INTRODUÇÃO II. CONSTRUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1 Obtenção de propriedades do enrocamento para análise de barragens de enrocamento com face de concreto D. D. Loriggio, UFSC; M. Maccarini, UFSC; P. R. Senem, Leme Engenharia; D. Pacheco, Leme Engenharia;

Leia mais

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Autor: João Duarte Guimarães Filho Nos últimos 40 anos temos realizado algumas intervenções para evitar gotejamento de águas e saturação dos sistemas de ventilação e iluminação

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEOMEMBRANA COMO TAPETE IMPERMEÁVEL A MONTANTE EM BARRAGENS DE TERRA

APLICAÇÃO DE GEOMEMBRANA COMO TAPETE IMPERMEÁVEL A MONTANTE EM BARRAGENS DE TERRA ARTIGO APLICAÇÃO DE GEOMEMBRANA COMO TAPETE IMPERMEÁVEL A MONTANTE EM BARRAGENS DE TERRA Rodrigo César Pierozan Universidade de Brasília, Brasília, Brasil rodrigopierozan@hotmail.com Marcelo Miqueletto

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DA BARRAGEM DAS CODORNAS. Jorge Felippe da Silva Filho e Alexandre José de Carvalho

ESTABILIZAÇÃO DA BARRAGEM DAS CODORNAS. Jorge Felippe da Silva Filho e Alexandre José de Carvalho XXIII Seminário Nacional de Grandes Barragens - Belo Horizonte, 1999 - Pág. 165 a 174 ESTABILIZAÇÃO DA BARRAGEM DAS CODORNAS Jorge Felippe da Silva Filho e Alexandre José de Carvalho RESUMO Durante as

Leia mais

AHE ITAPEBI TRATAMENTOS ESPECIAIS DAS FUNDAÇÕES. Fernando Dias Resende CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S.A.

AHE ITAPEBI TRATAMENTOS ESPECIAIS DAS FUNDAÇÕES. Fernando Dias Resende CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S.A. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92 - A33 AHE ITAPEBI TRATAMENTOS ESPECIAIS DAS FUNDAÇÕES Fernando Dias Resende CONSTRUTORA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Análise Técnica. 1. Introdução

Análise Técnica. 1. Introdução Análise Técnica 1. Introdução Este ensaio vem complementar os estudos realizados pelo Convênio de Cooperação Técnico-Científica para o Desenvolvimento do Projeto de Avaliação da Qualidade das Águas do

Leia mais

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2.1. Introdução O interesse crescente pela segurança de barragens tem levado, em um número apreciável de países, à implementação de normas e critérios específicos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático 1 - Introdução A construção de edifícios, barragens, túneis, etc. normalmente requer escavações abaixo do lençol freático. Tais escavações podem exigir tanto uma drenagem,

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

COMISSIONAMENTO CIVIL. Miller Soares RUFINO Pereira Gerente de Obras Construções e Comércio Camargo Corrêa.

COMISSIONAMENTO CIVIL. Miller Soares RUFINO Pereira Gerente de Obras Construções e Comércio Camargo Corrêa. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 0 A 07 DE JUNHO DE 007 T00 A COMISSIONAMENTO CIVIL Miller Soares RUFINO Pereira Gerente de Obras Construções e Comércio

Leia mais

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

6. Instrumentação Geotécnica

6. Instrumentação Geotécnica 6. Instrumentação Geotécnica O comportamento de aterros construídos sobre depósitos de solos muito moles, especialmente quando estes depósitos se mostram heterogêneos, no que diz respeito às características

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA EMISSÃO: GO/2008 CLIENTE SUCB SUPERINTENDÊNCI DE CONSTRUÇÕES DMINISTRTIVS D BHI PROJETO HOSPITL DO SUBÚRBIO SLVDOR - B TÍTULO MEMORIL DESCRITIVO/ ESPECIFICÇÕES TÉCNICS DT GO/2008 ESPECILIDDE GRUPO 01 SERVIÇOS

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS LONGITUDINAIS PROFUNDOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

MODIFICACAO GEOMETRICA DO VERTEDOURO EM SALTO DE ESQUI BARRAGEM DE ESTREITO. Furnas Centrals Eletricas S.A.

MODIFICACAO GEOMETRICA DO VERTEDOURO EM SALTO DE ESQUI BARRAGEM DE ESTREITO. Furnas Centrals Eletricas S.A. MODIFICACAO GEOMETRICA DO VERTEDOURO EM SALTO DE ESQUI BARRAGEM DE ESTREITO Eng. CARLOS ALENCAR DIAS Eng. JOSE TOMAZ FRANCA FONTOURA Eng'. MARCIA FORTES AGUAS DA SILVA Eng. WALTON PACELLI DE ANDRADE Furnas

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE AUTORES Engenheiro Alberto Casati Zirlis, diretor da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda.

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS DIMENSIONAMENTO DE FILTROS Até o meio da barragem faço tudo para a água não chegar. A partir daí faço tudo para a água sair da maneira que quero Arthur Casagrande IV.8- DIMENSIONAMENTO DE FILTROS IV.8.1-

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA DA BARRAGEM DE CURUÁ-UNA COM BASE NA PIEZOMETRIA. Laryssa P. Ligocki Alexandre R. Saré Alberto S. F. J.

AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA DA BARRAGEM DE CURUÁ-UNA COM BASE NA PIEZOMETRIA. Laryssa P. Ligocki Alexandre R. Saré Alberto S. F. J. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92 A12 AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA DA BARRAGEM DE CURUÁ-UNA COM BASE NA PIEZOMETRIA Laryssa P.

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL Rodrigo Moysés Costa (1); Ubirajara Alvim Camargos (2) (1) Professor Doutor, Departamento

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA - Artigo - Itens anexos: A Texto 01: Fundação a base de tudo (Prof. Douglas); B Texto 02: Frases que podem significar o início dos seus problemas na construção ; C Notas de aula sobre: Sondagem a percussão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 4. Prof. Romero César Gomes Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Ouro Preto

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 4. Prof. Romero César Gomes Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Ouro Preto BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 4 Prof. Romero César Gomes Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Ouro Preto Compactação do Aterro equipamentos de pequeno porte (soquetes e placas

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador

Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador George Joaquim Teles de Souza, Cairbar Azzi Pitta, Alberto Casati Zirlis Diretores da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda Resumo: Ao se pesquisar qual a

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES UHE ROSAL CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Realização de inspeção

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes Engº José Luiz de Paula Eduardo Engº Roberto Nahas I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO 1.Elementos

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

CONVITE SESC/MA 13/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO

CONVITE SESC/MA 13/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO CONVITE SESC/MA 1/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO 1. ESCOPO DOS SERVIÇOS 1.1 BOMBEAMENTO ESCALONADO INICIAL Deve ser feito

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE PROJETOS E DESENHOS FICA NESSA OPÇÃO JUNTAS DE CONCRETAGEM PISO E PAREDES 14 JUNTAS DE CONCRETAGEM INTERFACE PISO E PAREDE 15

ESPECIFICAÇÕES DE PROJETOS E DESENHOS FICA NESSA OPÇÃO JUNTAS DE CONCRETAGEM PISO E PAREDES 14 JUNTAS DE CONCRETAGEM INTERFACE PISO E PAREDE 15 ESPECIFICAÇÕES DE PROJETOS E DESENHOS FICA NESSA OPÇÃO JUNTAS DE CONCRETAGEM PISO E PAREDES 14 JUNTAS DE CONCRETAGEM INTERFACE PISO E PAREDE 15 PAREDES DE FUNDAÇÃO APLICAÇÃO INTERNA 16 PAREDES DE BLOCOS

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO REGRESSIVA EM ROCHA BRANDA NA SAÍDA DA BACIA DE DISSIPAÇÃO - O EXEMPLO DA UHE COLIDER

PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO REGRESSIVA EM ROCHA BRANDA NA SAÍDA DA BACIA DE DISSIPAÇÃO - O EXEMPLO DA UHE COLIDER COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXX SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS FOZ DO IGUAÇU PR 11 A 13 DE MAIO DE 2015 T 113 PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO REGRESSIVA EM ROCHA BRANDA NA SAÍDA DA BACIA DE DISSIPAÇÃO

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais

INJEÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO

INJEÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO Índice 1 Definição 2 Descrição básica do trabalho 3 Materiais para Injeção 4 Equipamentos 5 Traço e preparo de caldas 6 Equipe de trabalho 7 Tratamento do solo 8 Avaliação 9 Modelo de boletim de execução

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DE FUNIL FASES DE IMPLANTAÇÃO DA BARRAGEM MISTA DE TERRA/ENROCAMENTO. Luis Mario Cáceres Cáceres Fernando Nunes da Silva

APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DE FUNIL FASES DE IMPLANTAÇÃO DA BARRAGEM MISTA DE TERRA/ENROCAMENTO. Luis Mario Cáceres Cáceres Fernando Nunes da Silva COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92 A34 APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DE FUNIL FASES DE IMPLANTAÇÃO DA BARRAGEM MISTA DE TERRA/ENROCAMENTO

Leia mais

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Márcio de Souza Soares de Almeida Prof. Titular COPPE UFRJ almeida@coc.ufrj.br www.marcioalmeida.eng.br 1 Metodologias construtivas Fatores determinantes:

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

FECHAMENTO DO SISTEMA DE DESVIO UTILIZANDO PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO NA UHE FUNDÃO. Rafael de LARA Engenheiro Civil Júnior / COPEL

FECHAMENTO DO SISTEMA DE DESVIO UTILIZANDO PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO NA UHE FUNDÃO. Rafael de LARA Engenheiro Civil Júnior / COPEL COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A22 FECHAMENTO DO SISTEMA DE DESVIO UTILIZANDO PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO NA UHE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO Sérgio Luis da Silva Cotrim (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio do Sul - UFRGS em 1993. Mestre em

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

MONITORAMENTO GEOTÉCNICO DO ATERRO SANITÁRIO DE BELO HORIZONTE, BRASIL.

MONITORAMENTO GEOTÉCNICO DO ATERRO SANITÁRIO DE BELO HORIZONTE, BRASIL. MONITORAMENTO GEOTÉCNICO DO ATERRO SANITÁRIO DE BELO HORIZONTE, BRASIL. Gustavo Ferreira Simões (*) Engenheiro Civil UFMG (1990); Mestre em Engenharia Civil PUC-Rio (1994) Doutor em Engenharia Civil PUC-Rio

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO N o 143, DE 10 DE JULHO DE 2012. Estabelece critérios gerais de classificação de barragens por categoria de risco, dano potencial associado e pelo seu volume, em atendimento ao art. 7 da Lei

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Ronaldo Rocha Ely Bernardi Renato Curto Rodrigues Renato Fujiwara Thomaz Massadi Kawauche

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Ronaldo Rocha Ely Bernardi Renato Curto Rodrigues Renato Fujiwara Thomaz Massadi Kawauche COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92-A05 SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Ronaldo Rocha Ely Bernardi Renato Curto

Leia mais