COMPORTAMENTO CONJUNTO EM ELEMENTOS MISTOS DE AÇO E CONCRETO: DISPOSITIVOS MECÂNICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPORTAMENTO CONJUNTO EM ELEMENTOS MISTOS DE AÇO E CONCRETO: DISPOSITIVOS MECÂNICOS"

Transcrição

1 COMPORTAMENTO CONJUNTO EM ELEMENTOS MISTOS DE AÇO E CONCRETO: DISPOSITIVOS MECÂNICOS Silvana De Nardin (1) ; Alex Sander Clemente de Souza (2), Ana Lucia H. C. El Debs (3) (1) Pesquisadora, Departamento de Engenharia de Estruturas. Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo Professora do Centro Universitário de Lins UNILINS. (2) Departamento de Engenharia de Estruturas Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo São Carlos, SP, Brasil. (3) Professor Adjunto, Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos. E- mail: Resumo Um elemento estrutural formado por aço e concreto é denominado elemento misto de aço e concreto somente quando ocorre o comportamento conjunto entre os dois materiais. Como, na grande maioria das vezes, a aderência natural entre aço e concreto não é suficiente para garantir o comportamento conjunto, são utilizados dispositivos mecânicos que têm a função de resistir aos esforços de cisalhamento na interface aço-concreto. Dentre estes dispositivos, o conector tipo pino com cabeça, também denominado stud bolt, é o mais comumente empregado, sobretudo em vigas mistas. Entretanto, há uma infinidade de possibilidades e dispositivos mecânicos que podem ser empregados para desempenhar tal função. Neste trabalho são descritas, detalhadamente, as diversas formas de promover o comportamento conjunto aço-concreto nos elementos mistos, destacando a utilização de barras de armadura como dispositivo mecânico, associados ou não a conectores tipo pino cabeça. Palavras-chave: comportamento misto, conectores de cisalhamento, tensões de cisalhamento, dispositivos mecânicos. 1. INTRODUÇÃO O comportamento conjunto aço-concreto é condição imprescindível para que um elemento que reúne componentes em aço e em concreto possa ser classificado 1 De 11

2 como misto. Os elementos mistos mais comuns são as lajes, vigas e pilares mistos de aço e concreto e, para cada um destes, há formas variadas de limitar os deslocamentos relativos entre os componentes. Por exemplo, nas lajes mistas com fôrma de aço incorporada (Figura 1a), o comportamento conjunto é fruto da geometria da fôrma e de reentrâncias e saliências estrategicamente posicionadas na superfície interna. Já nas vigas mistas de aço e concreto, são necessários dispositivos mecânicos para evitar o escorregamento relativo longitudinal e a separação vertical (uplift) dos componentes da seção mista (Figura 1b). Por fim, nos pilares mistos, apenas na região de introdução de cargas pode ser necessário utilizar conectores mecânicos para resistir ao cisalhamento na interface açoconcreto. Ao longo do pilar, a simples transferência de forças de atrito é suficiente para promover o comportamento conjunto (Figura 1c). a) formas para lajes b) vigas mistas c) pilares mistos mistas 1 Figura 1: Exemplos de elementos mistos de aço e concreto Qualquer que seja o mecanismo utilizado para promover o comportamento conjunto aço-concreto, vale lembrar que sua função primordial é resistir ao cisalhamento longitudinal na interface e prevenir a separação transversal entre o perfil de aço e a laje de concreto. 2. COMO PROMOVER O COMPORTAMENTO CONJUNTO AÇO-CONCRETO Inúmeras são as alternativas para promover o comportamento conjunto aço e concreto, componentes da viga mista. A escolha da melhor opção depende de fatores como: conhecimento do comportamento do dispositivo mecânico, dos modos de falha aplicáveis e dos critérios de projeto necessários ao dimensionamento, 1 Fontes: e 2 De 11

3 facilidade de execução e custo. Alguns dispositivos mecânicos já são largamente utilizados como conectores de cisalhamento e, por isso, comportamento e modos de falha são conhecidos e considerados na etapa de dimensionamento da viga mista. É o caso dos conectores tipo pino com cabeça, que constituem o dispositivo mecânico mais amplamente utilizado nas vigas mistas. Na literatura técnica é possível encontrar uma grande diversidade de conectores de cisalhamento, mas muitos deles resultam em inconvenientes quanto ao comportamento estrutural, dificuldades de produção industrial e de instalação. 2.1 Conectores Tipo Pino Com Cabeça O conector tipo pino com cabeça (Figura 6), também denominado stud bolt, foi desenvolvido na década de 1940 e foi rapidamente difundido graças à grande produtividade que proporciona; entretanto, tal produtividade requer equipamento especial de solda que, por sua vez, necessita de um gerador de grande capacidade. Sua fixação com equipamentos convencionais de solda é possível, mas compromete sua maior vantagem que é a produtividade. Os modos de falha associados ao conector tipo pino com cabeça são: ruptura do conector por cisalhamento e esmagamento do concreto adjacente ao conector. Cada um destes modos de falha é levado em conta pelas expressões que definem a capacidade resistente de um conector tipo pino com cabeça, como aquelas encontradas no Projeto de Revisão da NBR 8800 PR-NBR 8800:2008. Esmagamento do concreto Ruptura do conector qrd = Cred 0,5A cs γ cs = fckec 1,25 qrd = Cred Rg Rp Acsfucs γ cs = 1,25 Figura 2: Conector tipo pino com cabeça e expressões para cálculo da capacidade resistente 2.2 Perfis U laminados ou soldados, tipo C O dimensionamento de perfis U laminados ou soldados utilizados como conectores de cisalhamento é previsto pelas normas de dimensionamento de vigas mistas, como o PR-NBR 8800:2008, que traz a formulação apresentada na Figura 3. 3 De 11

4 Lcs twcs qrd = 0,3 ( t + 0,5t ) fcs wcs Lcs γ cs = 1,25 fckec tfcs Figura 3: Conector tipo U e expressão para cálculo da capacidade resistente Entretanto, em se tratando de vigas cujo perfil de aço é formado a frio e, portanto, as chapas constituintes são de pequena espessura, há a dificuldade na execução das soldas entre o perfil e o conector. Dentro deste contexto, Hanaor (2000) avaliou algumas opções de conector em perfil formado a frio com chapas de 2 mm de espessura (Figura 4). Além da configuração, o estudo avaliou duas formas de fixação: via solda e via pequenos parafusos rosqueados e constatou que a fixação via solda resulta em ligação conector-perfil mais resistente. a) fixação via solda b) fixação via rosca Figura 4: Conectores em perfil formado a frio Conector X-HVB Hilti Com o objetivo de desenvolver um conector cuja fixação à viga não se dê por soldagem, Crisinel (1990) propõe um conector mecânico em L, formado a frio, cujo pé é fixado por parafusos. Posteriormente, a Hilti Corporation patenteou este conector com o nome de X-HVB, e oferece tal componente em alturas que variam de 80 a 140 mm (H s na Figura 5). Em termos de capacidade resistente, o conector Hilti X-HVB tem cerca de 40 % da capacidade de um conector tipo pino com cabeça de 19 mm. 2 Hanaor (2000). 4 De 11

5 Figura 5: Conector X-HVB parafusado à viga de aço 3 Os ensaios de push-out com o conector X-HVB mostraram comportamento Força vs. deslizamento dúctil, semelhante ao observado para conectores tipo pino com cabeça (Crisinel, 1990). 2.4 Perfis Perfobond Fruto da necessidade de um conector menos susceptível aos efeitos da fadiga comuns em pontes, o perfil perfobond consiste de uma chapa plana de aço, com furos circulares, soldada sobre a mesa superior da viga de aço (Figura 6a). O grande inconveniente deste conector é a dificuldade de posicionar a armadura positiva da laje, pois as chapas constituem um obstáculo físico e as barras devem ser concentradas nos furos do perfil perfobond. A seu favor, destacam-se a possibilidade de substituir vários conectores tipo pino com cabeça por um perfil perfobond e a facilidade de instalação, que dispensa equipamentos especiais. Sua utilização em edifícios requereu a redução de sua altura devido à altura da laje de concreto (Ferreira 2000). a) configuração do conector b) arranjo na viga de aço: ensaio de push-out 4 c) utilização na região de momento negativo da viga 5 Figura 6: Perfil perfobond utilizado em vigas mistas de aço e concreto 3 Patenteado pela Empresa Hilti - 4 Fonte: Vellasco et al. (2007). 5 Fonte: Veríssimo et al. (2006) 5 De 11

6 A capacidade resistente e a ductilidade da ligação aço-concreto advindas do pefil perfobond são fortemente influenciadas pela resistência do concreto da laje e pela quantidade de armadura que atravessa os furos do perfobond (Oguejiofor & Hosain, 1996). Isto constitui uma vantagem em relação aos conectores tipo pino com cabeça, pois, a utilização do perfobond permite controlar a capacidade resistente da ligação aço-concreto variando a resistência do concreto e a armadura passante (Veríssimo et al., 2006). Estudos experimentais e teóricos têm indicado que a resistência da ligação açoconcreto recebe contribuição dos seguintes componentes (Oguejiofor & Hosain, 1996; Andrade et al., 2007; Vellasco, et al. 2007): laje de concreto ao cisalhamento, armadura transversal e volume de concreto que atravessa os furos, provocando efeito de pino. Estes três parâmetros foram considerados na elaboração de uma expressão para estimar a capacidade resistente de conectores tipo perfobond (Oguejiofor & Hosain, 1996). 2 ( 4,5 h t f + 0,91 A f + 3,31 η D f ) q u = φ ck tr y 1 φ: coeficiente de resistência igual a 0,8 h, t: altura e espessura do perfil perfobond D e η 1: diâmetro e número de furos f ck: resistência do concreto à compressão ck A tr: área das barras transversais que atravessam os furos f y: resistência à tração do aço do perfil perfobond. Naturalmente, as características geométricas do perfobond têm forte influência sobre sua capacidade resistente e, em função disso, Leite et al. (2006) realizaram um estudo visando à otimização de sua geometria. Foram consideradas variáveis: espessura, altura e comprimento do perfil e diâmetro e número de furos. No referido estudo também foi considerado o custo do perfil perfobond já soldado na viga, que foi comparado aos conectores tipo pino com cabeça, resultando em redução do custo final de aproximadamente 24 %. 2.5 Perfis CR Os perfis CR são caracterizados por cortes em forma de C ou S, através dos quais é possível passar tanto as armaduras positivas quanto negativas (Figura 7). A influência do tipo de abertura foi investigada por Hauke (2006), que fez tal avaliação utilizando furos com 70 mm, e comparou aberturas em S, em C e em O, como no perfil perfobond. 6 De 11

7 Na fase de serviço os conectores tipo pino com cabeça têm comportamento menos rígido que os perfis perfobond e CRbond (Figura 8a). Depois de atingida a força de pico, o comportamento do perfil com abertura em O (perfobond) tende a ser elastoplástico perfeito, apenas com suave queda da relação F/F u em função do aumento do escorregamento na interface (Figura 8b). Quanto à capacidade resistente, os perfis com abertura em O, C e S apresentam o dobro da capacidade registrada para os conectores tipo pino com cabeça (Hauke, 2006). a) abertura em S b) abertura em C Figura 7: Conector mecânico tipo CRbond com abertura em C e em S A influência do tipo de abertura é verificada no escorregamento correspondente à força de pico: aberturas em C e em S (ou O) resultaram em 8,4 e 15 mm respectivamente. a) conector tipo pino com cabeça - φ=22 mm b) conector Perfobond abertura em O c) conector CRbond abertura em C d) conector CRbond abertura em S 7 De 11

8 Figura 8: Resultados de push-out para avaliação da influência do tipo de abertura do conector CRbond: aberturas C, S e O (Fonte: Hauke, 2006) A ruptura dos conectores tipo pino com cabeça foi caracterizada pelo cisalhamento na base do conector sem sinais de esmagamento do concreto nas proximidades. Nos perfis com abertura em S o concreto também não apresentou danos expressivos e o comportamento dúctil do conector pode ser atribuído a dois fatores: ao efeito de pino no concreto e ao dente de aço do perfil, que apresentou grande deformação. Nos perfis com abertura em O e C, foi constatado dano intenso no concreto e deformação acentuada no perfil. O concreto danificado encontra-se concentrado na face mais próxima da aplicação da força e ocorreu devido à pressão de contato (Figura 8c). 2.6 Barras de aço A utilização das barras de aço, tradicionalmente utilizadas no concreto armado, como dispositivo mecânico para promover o comportamento conjunto aço-concreto pode ser uma opção interessante e de custo menor se comparado aos conectores tipo pino com cabeça. Ao custo direto do conector tipo pino com cabeça soma-se a necessidade de equipamentos específicos para sua soldagem à viga de aço. No caso das barras de aço, estes equipamentos podem ser dispensados. Neste sentido, Ju & Kim (2005) propõem um sistema de piso composto por uma viga de aço de seção assimétrica, cuja região superior da alma possui aberturas pelas quais são inseridas barras de aço e concreto. Seções calha são apoiadas sobre a mesa inferior e servem de apoio para uma chapa de aço que funciona como forma para a laje de concreto armado. O conjunto concreto-barras de aço é responsável pelo comportamento conjunto entre a laje e a viga. Figura 9: Barras de aço promovendo o comportamento conjunto aço-concreto (Ju & Kim, 2005) 8 De 11

9 2.7 Adesivos Uma interessante alternativa em estudo consiste na utilização de adesivos para promover o comportamento conjunto aço-concreto em vigas mistas (Bouazaoui et al., 2007; Larbi et al., 2007). Diferentemente dos dispositivos apresentados anteriormente, os adesivos têm a vantagem de promover uma superfície contínua para transferência de tensões de cisalhamento, eliminando os problemas oriundos da concentração de tensões em conectores como os do tipo pino com cabeça. Outras vantagens atribuídas aos adesivos são (Bouazaoui et al., 2007): Podem ser aplicados em camadas de pequena espessura reduzindo consideravelmente o peso da ligação aço-concreto, se comparada aos dispositivos metálicos de utilização usual; Não há necessidade de soldar conectores de cisalhamento; São impermeáveis e têm grande durabilidade frente à corrosão, aspecto importante, sobretudo em pontes; A utilização de elementos com alto grau de industrialização, como as lajes pré-fabricadas é favorecida pela utilização dos adesivos, que agregam facilidade de execução, rapidez, qualidade e resistência. Entretanto, a utilização de adesivos para promover o comportamento conjunto requer que a superfície de aplicação seja adequadamente preparada, procedimento que demanda tempo e custo elevado. O estudo experimental desenvolvido por Larbi et al. (2007) avaliou, via ensaios de push-out, a influência de parâmetros como: tratamento da superfície, tipo e espessura da camada de resina. Ao longo do estudo, foram consideradas resinas epóxi com espessuras de 1,2 e 3,0 mm e resinas de poliuretano com 0,2 e 3 mm de espessura. Quanto à superfície de contato, após tratamento com jato de areia, a superfície de aço foi limpa com acetona ou com uma combinação de primer e corundum, que é um mineral abrasivo de grande dureza. 9 De 11

10 Figura 10: Resultados de ensaios de push-out com adesivos na interface aço-concreto 6 Alguns dos resultados obtidos nos ensaios de push-out são reproduzidos na Figura 10 e mostram que a camada do adesivo polyuretano tem que ser o mais delgada possível, caso contrário a ruptura ocorre na interface, para baixos valores de força aplicada. No caso do adesivo epóxi, as variáveis espessura da camada e tratamento da superfície não tiveram grande influência sobre a resistência ao deslizamento (Larbi et al. 2007). 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste artigo são apresentadas opções variadas para promover o comportamento conjunto aço-concreto, em elementos mistos de aço e concreto. Como foi demonstrado, as alternativas vão desde a utilização dos tradicionais conectores tipo pino com cabeça até os adesivos, que são a opção mais recentemente apresentada pelos pesquisadores. A cada uma das opções são associadas vantagens e desvantagens, cabendo ao engenheiro de estruturas a escolha da opção mais adequada a cada situação. No processo de escolha, devem ser considerados custos, comportamento estrutural e processo construtivo. 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Andrade, S.A.L.; Vellasco, P.C.G.S.; S.A.L.; Ferreira, L.T.S.; Lima, L.R.O. (2007). Semi-rigid composite frames with perfobond and T-rib connectors Part 1: Full scale tests. Journal of Constructional Steel Research, v. 63, n.02, p Bouazaoui, L.; Perrenot, G.; Delmas, Y.; Li, A. (2007). Experimental study of bonded steel concrete composite structures. Journal of Constructional Steel Research, v. 63, n.09, p Crisinel, M. (1990). Partial-interaction analysis of composite beams with profiled sheeting and non-welded shear connectors. Journal of Constructional Steel Research, v. 15, n.1-2, p Ferreira, L.T.S. (2000). Sistemas construtivos semi-rígidos mistos para edificações. Tese de Doutorado, PUC-Rio, Rio de Janeiro, Brasil. Hanaor, A. (2000). Tests of composite beams with cold-formed sections. Journal of Constructional Steel Research, v. 54, n.02, p Hauke, B. (2006). Ductile shear connectors for high strength composite members. In: Proceedings of the 2 nd International Congress (2 nd Fib Congress). Naples, Italy. 5-8 June, 2006, 12p (ID 5-12). Ju, Y.-K.; Kim, S.-D. (2005). Behaviour of RC column to itech composite beam joint. Proceedings of the Institution of Civil Engineers Structures & Buildings, v. 158, n.2, p Larbi, A.S.; Ferrier, E.; Jurkiewiez, B.; Hamelin, P. (2007). Static behaviour of steel concrete beam connected by bonding. Engineering Structures, v. 29, n.06, p Leite, M.D.R.N.; Lima, L.R.O.; Vellasco, P.C.G.S.; Andrade, S.A.L.; Silva, J.G.S. (2006). Avaliação de conectores de cisalhamento tipo perfobond rib em estruturas mistas aço-concreto. In: Proceedings of 6 Fonte: Larbi et al. (2007). 10 De 11

11 the XXVII Iberian Latin American Congress on Computational Methods in Engineering (XXVII CILAMCE). Belém-Pará. 3-6 setembro, 2006, 15p. Oguejiofor, E.C.; Hosain, M.U. (1996). Numerical analysis of push-out specimens with perfobond rib connectors. Computers and Structures, v. 62, n.04, p Vellasco, P.C.G.S.; Andrade, S.A.L.; Ferreira, L.T.S.; Lima, L.R.O. (2007). Semi-rigid composite frames with perfobond and T-rib connectors Part 1: Full scale tests. Journal of Constructional Steel Research, v. 63, n.02, p Veríssimo, G.S.; Valente, I.; Paes, J.L.R.; Cruz, P.J.S.; Fakury, R.H. (2006). Análise experimental de um conector de cisalhamento em chapa de aço endentada para estruturas mistas de aço e concreto. In: XXXII Jornadas Sulamericanas de Engenharia Estrutural. Campinas maio, 2006, p ISBN De 11

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas

Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas Engenharia Civil Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas (Contribution of headed studs to the

Leia mais

DESENVOLVIMENTOS RECENTES NO DOMÍNIO DA CONEXÃO AÇO-CONCRETO NO CONTEXTO DAS ESTRUTURAS MISTAS

DESENVOLVIMENTOS RECENTES NO DOMÍNIO DA CONEXÃO AÇO-CONCRETO NO CONTEXTO DAS ESTRUTURAS MISTAS DESENVOLVIMENTOS RECENTES NO DOMÍNIO DA CONEXÃO AÇO-CONCRETO NO CONTEXTO DAS ESTRUTURAS MISTAS Recent developments on steel-concrete connection in composite structures Paulo J. S. Cruz (1); Isabel Valente

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Fernanda dos Santos Guimarães Janielle Rodrigues Pinheiro Patrícia Franco de Vasconcelos Pedro Henrique de Castro

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

Vigas mistas constituídas por perfis de aço formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas

Vigas mistas constituídas por perfis de aço formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas Vigas mistas constituídas por perfis de aço formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas Composite beams constituded by cold-formed steel profiles and slabs made by precast joist with lattice reinforcement

Leia mais

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Sistema Misto: Denomina-se sistema misto aço-concreto aquele no qual um perfil de aço (laminado, soldado ou formado

Leia mais

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO... 151 VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO Igor Avelar Chaves Maximiliano Malite Departamento de Engenharia

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

Estruturas mistas de aço e concreto

Estruturas mistas de aço e concreto Estruturas mistas de aço e concreto Eng. Djaniro Álvaro de Souza Gerdau Aços Brasil 56º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO Natal, 08 de Outubro de 2014 Sistema misto de aço e concreto Sistema no qual um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LAJES MISTAS COM FÔRMA DE AÇO INCORPORADA: APLICAÇÕES, DIMENSIONAMENTO E METODOLOGIA DE ANÁLISE

Leia mais

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Ellen Kellen

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

CONCEPÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UMA ESTRUTURA METÁLICA PARA REFORÇO DE UM EDIFÍCIO DE PEQUENO PORTE

CONCEPÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UMA ESTRUTURA METÁLICA PARA REFORÇO DE UM EDIFÍCIO DE PEQUENO PORTE CONCEPÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UMA ESTRUTURA METÁLICA PARA REFORÇO DE UM EDIFÍCIO DE PEQUENO PORTE Luís Costa Neves 1 e Luciano R. O. de Lima 2 RESUMO Este trabalho refere-se à concepção e processo construtivo

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Ciro Maestre Dutra Gustavo de Souza Veríssimo José Carlos Lopes Ribeiro José Luiz Rangel Paes UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Engenharia Civil: Estrutura em Aço

Engenharia Civil: Estrutura em Aço Juliana Cruz Vianna et al. Engenharia Civil: Estrutura em Aço Um sistema de laje mista para edificações residenciais usando perfis de chapa dobrada com corrugações (Composite slab system for residential

Leia mais

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO Prof. Eduardo Giugliani Colaboração Engº Fabrício Zuchetti ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO III FENG / PUCRS V.02 Panorama da Fissuração. Perspectiva e Corte 1 De acordo

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE Professora ROSELI VALLE MARINGÁ 2015 Denomina-se CONCRETO ARMADO à associação do aço ao concreto para que haja melhor resistência em determinados tipos de esforços. Fatores

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L Engenheiro Civil Graduado pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Mestrando em Engenharia de Estruturas

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Estruturas mistas no contexto da pré-fabricação: alternativa à ligação viga-laje pré-fabricada

Estruturas mistas no contexto da pré-fabricação: alternativa à ligação viga-laje pré-fabricada Estruturas mistas no contexto da pré-fabricação: alternativa à ligação viga-laje pré-fabricada Composite structures in the context of precasting: alternatives to beam-precast slab connection Resumo Diógenes,

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

Viga mista de aço e concreto constituída por perfil formado a frio preenchido Eng. Igor Avelar Chaves Orientador: Prof. Associado Maximiliano Malite

Viga mista de aço e concreto constituída por perfil formado a frio preenchido Eng. Igor Avelar Chaves Orientador: Prof. Associado Maximiliano Malite Viga mista de aço e concreto constituída por perfil formado a frio preenchido Eng. Igor Avelar Chaves Orientador: Prof. Associado Maximiliano Malite Eng. Igor Avelar Chaves VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO

AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO

Leia mais

VIGAS MISTAS COM LAJE DE CONCRETO

VIGAS MISTAS COM LAJE DE CONCRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIGAS MISTAS COM LAJE DE CONCRETO ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL ENTRE CONECTORES Juliano

Leia mais

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) 26/05/2010 1. BREVE HISTÓRICO 2. ESCOPO 3. TAMANHO E FORMATO 4. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS TRACIONADAS 5. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS COMPRIMIDAS 6. ANÁLISE ESTRUTURAL DE TRELIÇAS 7. LIGAÇÕES METÁLICAS 8.

Leia mais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais 1 Introdução 1.1 Objetivo O objetivo deste trabalho é avaliar o desempenho de um reparo em dutos, que utiliza multicamadas metálicas coladas; estudando seu comportamento e propondo modelos numéricos e

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

VIGAS MISTAS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM LAJES MISTAS E LAJES MOLDADAS SOBRE PAINÉIS DE CONCRETO CELULAR

VIGAS MISTAS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM LAJES MISTAS E LAJES MOLDADAS SOBRE PAINÉIS DE CONCRETO CELULAR VIGAS MISTAS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM LAJES MISTAS E LAJES MOLDADAS SOBRE PAINÉIS DE CONCRETO CELULAR Cynara Fiedler Bremer ii UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO ISSN 1809-5860 CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO Marcela de Arruda Fabrizzi 1 & Roberto Martins Gonçalves 2

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto XI Fórum Técnico Gestão do Processo Construtivo Sinduscon-DF, 21 de novembro de 2013 Oportunidades oferecidas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ENGENHARIA CIVIL GABRIELA DE PAULA COUTINHO RA: 20909341

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ENGENHARIA CIVIL GABRIELA DE PAULA COUTINHO RA: 20909341 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ENGENHARIA CIVIL GABRIELA DE PAULA COUTINHO RA: 20909341 ANÁLISE DO DESEMPENHO ESTRUTURAL EM FUNÇÃO DA CONTINUIDADE DE VIGAS MISTAS AÇO-CONCRETO

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Aplicação do Concreto Pré-Moldado em Sistemas Construtivos Mistos / Híbridos Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Concreto Pré-Moldado em Sistemas Mistos O benefício da Construção Mista Industrializada

Leia mais

Análise de vigas em betão reforçadas ao corte com chapas embebidas

Análise de vigas em betão reforçadas ao corte com chapas embebidas Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Análise de vigas em betão reforçadas ao corte com chapas embebidas Luís Henriques 1 Miguel Morais 2 Paulo Cachim 3 RESUMO Foto

Leia mais

SISTEMA DE LAJES MISTAS STEEL DECK: ANÁLISE COMPARATIVA COM O SISTEMA DE LAJES ZERO EM CONCRETO ARMADO

SISTEMA DE LAJES MISTAS STEEL DECK: ANÁLISE COMPARATIVA COM O SISTEMA DE LAJES ZERO EM CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Paula Piccolo de Lemos SISTEMA DE LAJES MISTAS STEEL DECK: ANÁLISE COMPARATIVA COM O SISTEMA DE LAJES ZERO

Leia mais

LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM CHAPAS FINAS E PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM CHAPAS FINAS E PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO ISSN 1809-5860 LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM HAPAS FINAS E PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO arlos Henrique Maiola 1 & Maximiliano Malite 2 Resumo O presente trabalho aborda o estudo de ligações parafusadas em chapas

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas /2008 Influência das ligações semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas BRUNA CATOIA* MARCELO DE ARAUJO FERREIRA** ROBERTO CHUST CARVALHO*** THIAGO CATOIA**** O presente trabalho

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES PARAFUSADAS (NBR 8800/2008) Maj Moniz de Aragão 1. Resistência dos parafusos pág 06 2. Área bruta e área efetiva

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO DE ACORDO COM O EC3-1-3 NUNO SILVESTRE DINAR CAMOTIM Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Instituto Superior Técnico RESUMO

Leia mais

Avaliação da resistência mecânica de uma ligação de cisalhamento

Avaliação da resistência mecânica de uma ligação de cisalhamento Avaliação da resistência mecânica de uma ligação de cisalhamento Felipe Rocha Romão (1); Daniel de Lima Araújo (2) ; Vanessa Elizabeth dos Santos Borges (3) ; Paulo Fernando Rodrigues (4) Escola de Engenharia

Leia mais

Reforços na suportação de bandeja, recheios e outros internos de Torres de Processamento 1. Definições

Reforços na suportação de bandeja, recheios e outros internos de Torres de Processamento 1. Definições Reforços na suportação de bandeja, recheios e outros internos de Torres de Processamento 1. Definições 1.1. Torres de processamento Torres, também denominadas colunas, servem para realizar as operações

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

EFEITO DA ESBELTEZ E DO CARREGAMENTO NO CONFINAMENTO DE PMP: RESULTADOS EXPERIMENTAIS

EFEITO DA ESBELTEZ E DO CARREGAMENTO NO CONFINAMENTO DE PMP: RESULTADOS EXPERIMENTAIS EFEITO DA ESBELTEZ E DO CARREGAMENTO NO CONFINAMENTO DE PMP: RESULTADOS EXPERIMENTAIS Oliveira, Walter Luiz Andrade de wluiz@sc.usp.br De Nardin, Silvana snardin@sc.usp.br El Debs, Ana Lúcia Homce de Cresce

Leia mais

Estruturas mistas aço-concreto

Estruturas mistas aço-concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas mistas aço-concreto Pro. Fernanda Calenzani Universidade Federal do Espírito Santo Vigas mistas aço-concreto 1 Tipos de Vigas Mistas A transmissão parcial

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação?

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Assunto Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Artigo Segundo a NBR 6118, em seu item 22.5.1, blocos de fundação são elementos de volume através dos quais

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 1 Introdução 1.1. Motivação Na construção civil, os méritos de um determinado sistema construtivo são avaliados com base em fatores tais como: eficácia, resistência, durabilidade e funcionalidade. Nenhum

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Maria Emília Penazzi mepenazzi@yahoo.com.br Prof. Dr. Alex Sander Clemente

Leia mais

O ENSINO DE ESTRUTURAS DE AÇO NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA PUC-RIO

O ENSINO DE ESTRUTURAS DE AÇO NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA PUC-RIO O ENSINO DE ESTRUTURAS DE AÇO NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA PUC-RIO Sebastião Arthur Lopes de Andrade 1 Pedro Colmar Gonçalves da Silva Vellasco 2 Luciano Rodrigues Ornelas de Lima 3 José Guilherme Santos

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

2 Revisão bibliográfica

2 Revisão bibliográfica 2 Revisão bibliográfica Os sistemas de ancoragem para concreto podem ser classificados em duas grandes categorias: sistemas de pré-concretagem, que são posicionados na fôrma antes da concretagem, e os

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Tema: Estruturas de Aço e Mistas de Aço e Concreto ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Ciro Maestre Dutra¹; Gustavo de Souza Veríssimo 2 ; José Carlos

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE MLC-CONCRETO REFORÇADAS COM FIBRAS DE VIDRO

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE MLC-CONCRETO REFORÇADAS COM FIBRAS DE VIDRO Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-7078 AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE MLC-CONCRETO REFORÇADAS COM FIBRAS DE VIDRO Miotto, J.L. 1 ; Dias, A.A. 2 1

Leia mais

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008. - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO CURSO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO AMBIENTAL DIMENSIONAMENTO DE CHUMBADORES PÓS-FIXADOS Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais