Aberturas em lajes Momentos fletores na laje.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aberturas em lajes Momentos fletores na laje."

Transcrição

1 1 / 13 Aberturas em lajes Momentos fletores na laje. Laje quadrada armada em cruz, com abertura quadrada no centro, ver Stiglat [19]. L a mem mre mr mi = Ki. p. L 2, onde p é a carga distribuída na laje. Valores de Ki a/l 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 mem - 0,052-0,048-0,036-0,019-0,005 0 mr 0,018 0,022 0,010 0,004 0,001 0 mre 0,018 0,015 0,008 0,003 0,001 0

2 2 / 13 Laje quadrada, armada em cruz, com abertura retangular no centro, ver Stiglat [19]. L L a 2 mxe a mxr L a 2 mxe mxr mi = Ki. p. L 2 Valores de Ki a/l 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 mye - 0,052-0,048-0,044-0,041-0,041-0,044 mxe - 0,052-0,048-0,045-0,041-0,030 0 mxr 0,018 0,017 0,016 0,016 0,015 0,015 myr 0,018 0,022 0,015 0,011 0,009 0

3 3 / 13 Laje quadrada, armada em cruz, com abertura quadrada no canto, ver Stiglat [19]. Em lajes apoiadas em vigas, as aberturas próximas dos pilares não causam problemas estruturais. Nas lajes sem vigas, ao contrário, os furos junto dos pilares causam grande redução da resistência à punção da laje, que transmite a carga diretamente aos pilares. a mem m m mr mer me L mi = Ki. p. L 2 Valores de Ki a/l 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 m m 0,018 0,018 0, me - 0,052-0,052-0, mer 0-0,035-0,055-0,060-0,017 0 mem - 0,052-0,050-0,049-0,045-0,017 0 mr 0 0,010 0,022 0,018 0,003 0

4 4 / 13 NB1/ 1978 Item Lajes armadas em cruz. NBR 6118 /2003 Itens Se as aberturas nas lajes satisfizerem às condições geométricas abaixo indicadas não há necessidade de verificações adicionais. l /10 distância L/2 l /10 l /10 l /10 l /10 ARMADURA b /10 b /10 L/4 Bordo livre l < L b

5 5 / 13 NB1/ 1978 Item Lajes armadas em uma direção NBR 6118 /2003 Itens Se as aberturas nas lajes satisfizerem às condições geométricas abaixo indicadas não há necessidade de verificações adicionais. L/10 L/10 L/2 L/4 Bordo livre

6 6 / 13 Viga T : NB1/ 1978 Item e NBR 6118 /2003 Itens ,75 Vão extremo Zona com compressão na laje Zona com compressão na laje b1 A Largura útil b1 é o menor entre : 0,075 L extr. e 8hf A b1 b1 Largura útil b1 é o menor entre : 0,06 L int. e 8 hf Vão extremo = L extremo = L extr. hf Corte AA Viga retangular Nas lajes com aberturas na parte central do vão, próximo das vigas, não se pode considerar viga T e sim viga retangular. Em obras industriais, novas instalações criam aberturas entre os pavimentos, para a passagem de novas tubulações. Todas as vigas devem ser consideradas como viga retangular.

7 7 / 13 Laje lisa sem vigas : NB1/ Item e NBR6118 / Item N sup. 2 d 2 d 30 o ZONA CRÍTICA ( experimental ) d Contorno C com perímetro u Nessa Seção de cálculo : τ d = V d /(u.d) u=perímetro reduzido pela abertura. Aberturas aqui reduzem o perímetro útil N inf. =N sup. + V V = carga transmitida pela laje. ZONA CRÍTICA C = contorno com perímetro u reduzido pela abertura. Perímetro útil reduzido = u

8 8 / 13 Laje lisa sem vigas : NB1/1978 Item e NBR 6118 /2003 Item Pilar com lado B bem maior que o lado menor b. Segundo a NB1/78, a melhor posição para as aberturas é na parte central do lado maior Perímetro útil u1 b Perímetro útil = u1 1,5b 1,5b B Perímetro útil u2 Aberturas aqui reduzem o perímetro útil b u2=perímetro útil reduzido 1,5b 1,5b B Perímetro útil reduzido u = u1 + u2

9 9 / 13 Laje lisa sem vigas : Normas alemães DIN 1045 / 1978 e DIN 1045 / 1988 item 22.6 Dimensões limites para as aberturas Pilar circular 1,8h 1,8h 30 o Região crítica ds = diâmetro do pilar FL = área de uma abertura FSt = área do pilar O maior lado da abertura não pode ser maior do que 1/3 do Diâmetro do pilar.

10 10 / 13 Laje lisa sem vigas : Normas alemães DIN 1045 / 1978 e DIN 1045 / 1988 item 22.6 Pilar circular d S ds = diâmetro do pilar FL = área de uma abertura FSt = área do pilar Regras: A maior dimensão de uma abertura deve ser menor que 1/3 do diâmetro do pilar circular. A soma das áreas das aberturas F L deve ser menor que 1/4 da área do pilar FSt. A distância entre as aberturas deve ser maior que o diâmetro do pilar ds.

11 11 / 13 Laje lisa sem vigas : Normas alemães DIN 1045 / 1978 e DIN 1045 / 1988 item 22.6 Pilar retangular d > b b Aberturas só são permitidas no terço médio do maior lado ds A maior dimensão deve ser menor do que, sendo ds = 1,13 3 b d Limitar na fórmula acima d 1,5b ( se d >1,5b usar d=1,5b ) Exemplo : Pilares com b=30cm d = ( 45cm ou 60cm ) ds 1,13 30cm 45cm Abertura máxima com dimensão = = 14cm PILAR 30cm PILAR 30cm 15, cm 15,5 LAJE cm 23 LAJE Os dois exemplos acima mostram que em pilares com um lado muito grande, segundo a DIN 1045, a abertura permitida fica limitada.

12 12 / 13 Referências 1. Fritz Leonhardt e E.Mönnig Vorlesungen über Massibau - Construções de Concreto F. K. Kong e G.R.Sharp - Shear Strength of Lightweight Reinforced Concrete Deep Beam with Web Openings The Structural Engineer August 1973 No 8 Vol F. K. Kong e G.R.Sharp - Structural Idealization for Deep Beas with Web Openings Magazine of Concrete Research Vol. 29 No 99 June 77 e Vol. 30 No 103 June Constantin Avram Untersuchungen zum Tragverhalten Wandartiger Träger mit Öffnungen Ensaios sobre o comportamento na ruptura de vigas paredes com aberturas. - Beton und Stahlbetonbau 1/ Ernani Diaz Determination of Stresses around Retangular Openings in Walls Hans R. Daniel Torsion in Concrete Beams Containing an Opening. Journal of the Structural Division - March Marvin A. Larson - Plastic Design of Web Openings in Steel Beams Journal of the Structural Division May SK. Abdus Salam Prestressed Concrete Beams with Transverse Circular Holes Journal of the Structural Division March Promon Viga Recortada Solicitada à Flexão Pura Estudo por Elementos Finitos Julio Ricaldoni Contribucion al Estúdio de los Muros de Corte com Aberuras Jornadas Sulamericanas de Engenharia Estrutural Péricles B. Fusco Detalhamento de Armaduras Aspectos Críticos Promon K. Stiglat Platten Wilhelm Ernst & Sohn NB1/78 Norma ABNT de Concreto Armado 14. DIN 1045 / 78 Norma Alemã de Concreto Armado 15. K Stiglat e H. Wippel - Massive Platten Platten mit Öffnungen Lajes com Aberturas. Beton Kalender 1997 Parte I. 16. J. Schlaich e K. Schäfer Konstruieren im Stahlbetonbau Öffnungen in Platten Aberturas em lajes - Beton Kalender 1998 Parte II.

13 13 / F. Czerny Rechteckplatten - Lajes retangulares - Beton Kalender 2000 Parte II. 18. Péricles B. Fusco Técnica de armar as estruturas de concreto PINI K Stiglat e H. Wippel - Massive Platten Platten mit Öffnungen Lajes com Aberturas. Beton Kalender 2000 Parte II. 20. Péricles B. Fusco Estruturas de Concreto Solicitações Tangenciais PINI DIN / 1988 Norma Alemã de Concreto Armado 22. DIN 4227 / 2000 Norma Alemã de Concreto Protendido 23. DAfStb Richtilinien für hochfesten Beton Regras para concretos de alta resistência. Complementos da norma DIN NB Cálculo e Execução de Obras de concreto armado. 25. NBR-6118 / Norma Brasileira de Concreto Armado e Protendido 26. Beton Kalender Vol. I e Vol. II Beton Kalender Vol. I e Vol. II EuroCode 2 - Concreto Armado e Concreto Protendido FIB CEB-FIP Model Code

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

Concreto Protendido Pontes: Vigas Prémoldadas

Concreto Protendido Pontes: Vigas Prémoldadas 1 / 13 Pontes Rodoviárias com Vigas protendidas pré-moldadas h L Vista lateral Figura 1 Placas prémoldadas f e vão e apoio e viga Inclinação 1:3 h a 0, 028 L( metros) + 2 b 0,4a Seção Transversal Figura

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª 1º 2º SEMESTRAL

NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª 1º 2º SEMESTRAL ANO LETIVO Centro: DE TECNOLOGIA E URBANISMO Departamento: DE ESTRUTURAS 2009 PLANO DE CURSO CÓDIGO NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª SÉRIE CARGA HORÁRIA SEM.

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

Comportamento ao Puncionamento de Lajes Cogumelo com Pilares Retangulares e Furos de Grandes Dimensões

Comportamento ao Puncionamento de Lajes Cogumelo com Pilares Retangulares e Furos de Grandes Dimensões Comportamento ao Puncionamento de Lajes Cogumelo com Pilares Retangulares e Furos de Grandes Dimensões L.L.J. Borges, UEG; G.S.S.A. Melo, UnB; R.B. Gomes, UFG; Reynaldo M. Bittencourt, FURNAS Resumo -

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Lajes lisas nervuradas bidirecionais com furos

Lajes lisas nervuradas bidirecionais com furos Volume 7, Number 4 (August 2014) p. 572-591 ISSN 1983-4195 Two-way ribbed flat slabs with shafts Lajes lisas nervuradas bidirecionais com furos Abstract The position of pipes and hoses for several installations

Leia mais

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação?

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Assunto Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Artigo Segundo a NBR 6118, em seu item 22.5.1, blocos de fundação são elementos de volume através dos quais

Leia mais

Dente Gerber. J. Schlaich e K. Schaefer

Dente Gerber. J. Schlaich e K. Schaefer 1/6 Dente Gerber J. Schlaich e K. Schaefer Konstruieren im Stahlbetonbau - Beton Kalender - 2001 A reação de apoio F1 da viga na figura 4.2-11 é pendurada junto do apoio. (T1=F1). O modelo completo da

Leia mais

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE Fernando Rebouças Stucchi São Paulo,Outubro/2010 Resumo 1. Segurança estrutural 2. Teoria da Confiabilidade e as variabilidades 3. Método

Leia mais

PUNÇÃO EM LAJES COGUMELO ESTUDO DA RETANGULARIDADE DOS PILARES

PUNÇÃO EM LAJES COGUMELO ESTUDO DA RETANGULARIDADE DOS PILARES PUNÇÃO EM LAJES COGUMELO ESTUDO DA RETANGULARIDADE DOS PILARES Mouro, Valéria Conceição 1, Ronaldo Barros Gomes 2, Gilson Natal Guimarães 3 1 Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Goiás;

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais.

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. 1. Introdução. Nas aulas anteriores foram fornecidas as bases teóricas para verificação analítica da segurança de estruturas de concreto.

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

10. Referências Bibliográficas

10. Referências Bibliográficas 10. Referências Bibliográficas ANDRADE, N. F. A., Dimensionamento Plástico para Vigas e Lajes de concreto Armado, Dissertação de Mestrado, PUC, Rio de Janeiro, Brasil, 1992. AMERICAN CONCRETE INSTITUTE,

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO RESUMO Orientando (Dijalma Motta Leopoldo), Orientador (Alexandre Vargas); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) djalmamotta@hotmail.com,

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA ESPECIAL CENTRO CTU DEPARTAMENTO ESTRUTURAS CÓDIGO NOME DA DISCIPLINA PONTES (Uso da PROGRAD) *CARGA HORÁRIA Horário da Oferta PERÍODO

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL CADERNO DE ENGENHARIA DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS UNIDIRECIONAIS DE CONCRETO ARMADO AO PUNCIONAMENTO SIMÉTRICO OU ASSIMÉTRICO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS UNIDIRECIONAIS DE CONCRETO ARMADO AO PUNCIONAMENTO SIMÉTRICO OU ASSIMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS UNIDIRECIONAIS DE CONCRETO ARMADO AO PUNCIONAMENTO

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO Anderson Borges da Silva (1), Prof. Esp. Alexandre Vargas (2) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

Resistência ao cisalhamento de lajes alveolares protendidas. Palavras-Chave: Pré-moldados de concreto. Lajes alveolares.

Resistência ao cisalhamento de lajes alveolares protendidas. Palavras-Chave: Pré-moldados de concreto. Lajes alveolares. Resistência ao cisalhamento de lajes alveolares protendidas Sérvio Túlio Teixeira e Silva (1) ; Daniel de Lima Araújo (2) ; Cristina de Fátima Mattos Antunes (3) Escola de Engenharia Civil (UFG), Rua Universitária,

Leia mais

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 EM 2001,, UM GRUPO DE TRABALHO, FORMADO POR PESQUISADORES DE UNIVERSIDADES BRASILEIRAS E POR PROFISSIONAIS RECONHECIDOS, SOB

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997)

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997) ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 17 Libânio M. Pinheiro, Julio A. Razente 01 dez 2003 LAJES NERVURADAS 1. INTRODUÇÃO Uma laje nervurada é constituída por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas

Leia mais

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.6-70 Novembro, 011 Fórmulas práticas para cálculo de flechas de vigas de concreto armado Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete

Leia mais

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma 685. 68 João Eduardo Di Pietro é engenheiro civil (1980), mestre (1993) e doutor (2000) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV NOTAS DE AULA MARQUISES Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO Prof. Eduardo Giugliani Colaboração Engº Fabrício Zuchetti ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO III FENG / PUCRS V.02 Panorama da Fissuração. Perspectiva e Corte 1 De acordo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO EM LAJE LISA PELOS PROGRAMAS SAP2000 E EBERICK

ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO EM LAJE LISA PELOS PROGRAMAS SAP2000 E EBERICK Universidade Federal do Rio de Janeiro ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO EM LAJE LISA PELOS PROGRAMAS SAP2000 E EBERICK Danilo de Araujo Canaes 2013 ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A CONFIGURAÇÃO DA REGIÃO MACIÇA EM SISTEMAS DE LAJES LISAS NERVURADAS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS PARA A CONFIGURAÇÃO DA REGIÃO MACIÇA EM SISTEMAS DE LAJES LISAS NERVURADAS DE CONCRETO ARMADO ALTERNATIVAS PARA A CONFIGURAÇÃO DA REGIÃO MACIÇA EM SISTEMAS DE LAJES LISAS NERVURADAS DE CONCRETO ARMADO Nívea Gabriela B. de Albuquerque (1); Dênio Ramam C. de Oliveira (2) (1) Departamento de Engenharia

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS FLETIDOS EM CONCRETO ARMADO COM ABERTURAS: MÉTODO EMPÍRICO VERSUS MÉTODO DAS BIELAS E TIRANTES

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS FLETIDOS EM CONCRETO ARMADO COM ABERTURAS: MÉTODO EMPÍRICO VERSUS MÉTODO DAS BIELAS E TIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tobias Bezzi Cardoso DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS FLETIDOS EM CONCRETO ARMADO COM ABERTURAS: MÉTODO EMPÍRICO

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO SIMPLES PARA CASAS POPULARES. Jean Fred Guimarães dos Santos Roberto Redondo Perez. Prof. Carlos Augusto Gomes (Orientador) 1

ESTRUTURAS DE CONCRETO SIMPLES PARA CASAS POPULARES. Jean Fred Guimarães dos Santos Roberto Redondo Perez. Prof. Carlos Augusto Gomes (Orientador) 1 ESTRUTURAS DE CONCRETO SIMPLES PARA CASAS POPULARES Jean Fred Guimarães dos Santos Roberto Redondo Perez Prof. Carlos Augusto Gomes (Orientador) 1 1 Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Estruturas mistas no contexto da pré-fabricação: alternativa à ligação viga-laje pré-fabricada

Estruturas mistas no contexto da pré-fabricação: alternativa à ligação viga-laje pré-fabricada Estruturas mistas no contexto da pré-fabricação: alternativa à ligação viga-laje pré-fabricada Composite structures in the context of precasting: alternatives to beam-precast slab connection Resumo Diógenes,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

TÍTULO: Avaliação de Flechas em Vigas de Concreto Armado Utilizando Teoremas de Mohr. AUTOR(ES): Thomaz, Eduardo C.S.; Carneiro, Luiz A.V.

TÍTULO: Avaliação de Flechas em Vigas de Concreto Armado Utilizando Teoremas de Mohr. AUTOR(ES): Thomaz, Eduardo C.S.; Carneiro, Luiz A.V. TÍTULO: valiação de Flechas em Vigas de Concreto rmado Utilizando Teoremas de Mohr UTOR(ES): Thomaz, Eduardo C.S.; Carneiro, Luiz.V. NO:011 PLVRS-CHVE: valiação, flechas, vigas e teoremas de Mohr. e-rtigo:

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado Escadas Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@gmail.com 1 Terminologia e dimensões

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas 1 KAEFER, L. F. Desenvolvimento de uma ferramenta gráfica para análise de pórticos de concreto armado. São Paulo, 2000. Dissertação de Mestrado Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

DIMENSIONAMENTO À PUNÇÃO EM APOIOS INTERNOS DE LAJES PROTENDIDAS SEM ADERÊNCIA

DIMENSIONAMENTO À PUNÇÃO EM APOIOS INTERNOS DE LAJES PROTENDIDAS SEM ADERÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DIMENSIONAMENTO À PUNÇÃO EM APOIOS INTERNOS DE LAJES PROTENDIDAS SEM ADERÊNCIA JOSÉ

Leia mais

A nova revisão da ABNT NBR 9062

A nova revisão da ABNT NBR 9062 A nova revisão da ABNT NBR 9062 OUTUBRO. 2013 A nova revisão da ABNT NBR 9062 Enga. Dra. Daniela Gutstein - Engevix Engenharia / Florianópolis, Comissões de revisão da ABNT NBR 9062 - Projeto e Execução

Leia mais

Telas Soldadas Informações Técnicas

Telas Soldadas Informações Técnicas Telas Soldadas Informações Técnicas O IBTS - Instituto Brasileiro de Telas Soldadas, foi criado em 1983 por iniciativa dos fabricantes de telas soldadas com o objetivo de desenvolver o mercado através

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

Pontes construídas em balanços sucessivos

Pontes construídas em balanços sucessivos 1 / 42 Pontes construídas em balanços sucessivos Primeira Ponte de Concreto Armado, em balanços sucessivos, no mundo. Eng. Emilio Baumgart 1930 Ponte sobre o Rio do Peixe Santa Catarina / Rio Grande do

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

AULA A TIPOS DE LAJES

AULA A TIPOS DE LAJES AULA A TIPOS DE LAJES INTRODUÇÃO Lajes são partes elementares dos sistemas estruturais dos edifícios de concreto armado. As lajes são componentes planos, de comportamento bidimensional, utilizados para

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LIGAÇÕES VIGA-VIGA PREFORMADAS DE CONCRETO ARMADO COM ARMADURA DE PELE SOB TORÇÃO

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES

APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES APÊNDICE 2 TABELAS PARA O CÁLCULO DE LAJES 338 Curso de Concreto Armado 1. Lajes retangulares apoiadas no contorno As tabelas A2.1 a A2.6 correspondem a lajes retangulares apoiadas ao longo de todo o contorno

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE BIELAS E TIRANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE UMA VIGA-PAREDECOM UMA ABERTURA

APLICAÇÃO DO MODELO DE BIELAS E TIRANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE UMA VIGA-PAREDECOM UMA ABERTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL APLICAÇÃO DO MODELO DE BIELAS E TIRANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE UMA VIGA-PAREDECOM UMA ABERTURA RAFAEL

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Fernando Fonseca, Ph.D., S.E. Brigham Young University - Utah - USA (essa é uma pegadinha) 5 Qual é o problema se a viga é alta? Distribuição das deformações na secção

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

CURSO DE CONCRETO ARMADO

CURSO DE CONCRETO ARMADO CURSO DE CONCRETO ARMADO Calculando com o PACON 2006 JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Professor Titular da FURG Doutor em Engenharia CURSO DE CONCRETO ARMADO Calculando com o PACON 2006 Editora DUNAS CURSO DE CONCRETO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais 02/06/2014 Pré--Dimensionamento Pré Estacas: elementos utilizados quando o solo tem boa capacidade de suporte apenas a grandes profundidades e precisa suportar cargas pequenas a médias; Prof. Dr. Rafael

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) 26/05/2010 1. BREVE HISTÓRICO 2. ESCOPO 3. TAMANHO E FORMATO 4. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS TRACIONADAS 5. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS COMPRIMIDAS 6. ANÁLISE ESTRUTURAL DE TRELIÇAS 7. LIGAÇÕES METÁLICAS 8.

Leia mais

The Brazilian cantilever method - 1930. Foto - Cortesia do Eng. Narbal Marcellino ECV / UFSC - Florianópolis SC e do Prof. P. B.

The Brazilian cantilever method - 1930. Foto - Cortesia do Eng. Narbal Marcellino ECV / UFSC - Florianópolis SC e do Prof. P. B. 1/30 Primeira Ponte de Concreto, em Balanços Sucessivos, no mundo - 1930 Eng. Emilio H. Baumgart ( Blumenau, 25 de maio de 1889 - Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1943 ) Ponte sobre o Rio do Peixe Santa

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOFTWARES COMERCIAIS NO CÁLCULO E DETALHAMENTO DE UM EDIFÍCIO COM LAJE NERVURADA Bruno Vianna Pedrosa 2013 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOFTWARES

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Sistema Construtivo Tridirecional para Construção de Lajes Nervuradas

Sistema Construtivo Tridirecional para Construção de Lajes Nervuradas Sistema Construtivo Tridirecional para Construção de Lajes Nervuradas Construction system three-way for construction of waffle slab Ligyane de Abreu Barreto (1); Aldecira Gadelha Diogenes (2); Valter de

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMADO SOBRE ESTACAS

DIRETRIZES PARA PROJETO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMADO SOBRE ESTACAS Letícia Marchiori de Oliveira DIRETRIZES PARA PROJETO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMADO SOBRE ESTACAS Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos necessários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO DE VIGAS T DE CONCRETO ARMADO: VERIFICAÇÃO DAS LONGARINAS DA PONTE SOBRE O

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas

Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas Engenharia Civil Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas (Contribution of headed studs to the

Leia mais

Dimensionamento e detalhamento de blocos de fundação para pilares de seções compostas.

Dimensionamento e detalhamento de blocos de fundação para pilares de seções compostas. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Dimensionamento e detalhamento de blocos de fundação para pilares de seções compostas. Guilherme

Leia mais

PARTE II ESTRUTURAS USUAIS DAS CONSTRUÇÕES

PARTE II ESTRUTURAS USUAIS DAS CONSTRUÇÕES PARTE II ESTRUTURAS USUAIS DAS CONSTRUÇÕES Capítulo ESTRUTURAS USUAIS DE CONCRETO ARMADO 4 4 ESTRUTURAS USUAIS DE CONCRETO ARMADO 41 INTRODUÇÃO Os resultados obtidos na prática da construção de obras de

Leia mais