VENDI O VEÍCULO E ELE CONTINUA NO MEU NOME. E AGORA? O desconhecimento das normas de trânsito gera por vezes problemas sérios e de difícil solução.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VENDI O VEÍCULO E ELE CONTINUA NO MEU NOME. E AGORA? O desconhecimento das normas de trânsito gera por vezes problemas sérios e de difícil solução."

Transcrição

1 VENDI O VEÍCULO E ELE CONTINUA NO MEU NOME. E AGORA? O desconhecimento das normas de trânsito gera por vezes problemas sérios e de difícil solução. Não poucas vezes em casos de alienação de automóveis, o vendedor ao realizar a tradição, se sente totalmente desobrigado de efetuar qualquer ação junto ao DETRAN para demonstrar que não mais reponde pelo veículo, e atribui ao comprador toda a responsabilidade pela transferência do bem. A questão é: caso o comprador não efetue a transferência para seu nome, quais as medidas que o vendedor pode tomar para ficar resguardado e não responder pelas infrações cometidas após a venda? Primeiramente devemos analisar as obrigações conferidas pelo Código de Trânsito Brasileiro tanto para o vendedor como para o comprador do veículo. O art. 120 do CTB, ao dispor acerca do registro, informa que todo veículo automotor, elétrico, articulado, reboque ou semirreboque deve ser registrado perante o órgão executivo de trânsito do Estado. Este registro, dentre outras, tem a finalidade de conferir a identidade do veículo, bem como identificar seu proprietário e o endereço onde o mesmo poderá ser encontrado para fins de comunicação via correio. Uma vez registrado, é emitido o Certificado de Registro de Veículo (CRV), documento de porte não obrigatório e que contem as importantes informações acima dispostas. Note-se que para a expedição do CRV é necessária apenas a apresentação da nota fiscal do bem ou documento equivalente. Caso não tenha nenhuma alteração em relação à propriedade do veículo, do Município de domicílio ou residência do proprietário, de qualquer característica do veículo ou mesmo mudança de categoria, o Certificado de Registro do Veículo nunca será alterado ou mesmo atualizado. Todavia, na ocorrência de qualquer das situações acima mencionadas, será obrigatória a expedição de novo CRV. Isto é, o Código de Trânsito se preocupou com a veracidade das informações bem como com o desdobramento em relação à responsabilidade que poderia ensejar o cometimento de infração de trânsito por pessoa que de fato é o (atual) proprietário do veículo mas não consta como tal em qualquer registro. Especificamente no caso de transferência, o CTB fixou a premissa de que o adquirente tem o prazo de trinta dias para adotar as providências necessárias à efetivação da expedição do novo Certificado de Registro de Veículo. Ou seja, uma vez adquirido o bem através da tradição, deve o comprador no prazo de trinta dias transferir aquele para o seu nome.

2 Mas quais são as consequências caso não ocorra a efetivação da transferência? Em primeiro lugar, a ausência de tal medida configura infração de trânsito nos termos do art. 233 do CTB que fixa como infração grave passível de multa e de medida administrativa de retenção do veículo para regularização: deixar de efetuar o registro de veículo no prazo de trinta dias, junto ao órgão executivo de trânsito, ocorridas as hipóteses previstas no art Em segundo lugar, esta omissão irá manter no CRV original o nome do então vendedor como atual proprietário do bem, e como proprietário irá responder pelas infrações na forma dos parágrafos 1º e 2º do art. 257 do CTB: 1º Aos proprietários e condutores de veículos serão impostas concomitantemente as penalidades de que trata este Código toda vez que houver responsabilidade solidária em infração dos preceitos que lhes couber observar, respondendo cada um de per si pela falta em comum que lhes for atribuída. 2º Ao proprietário caberá sempre a responsabilidade pela infração referente à prévia regularização e preenchimento das formalidades e condições exigidas para o trânsito do veículo na via terrestre, conservação e inalterabilidade de suas características, componentes, agregados, habilitação legal e compatível de seus condutores, quando esta for exigida, e outras disposições que deva observar. Como então deve agir o vendedor para não amargar a responsabilidade de atos sobre os quais não tem qualquer controle? Resolvendo a situação de forma clara, o Código de Trânsito atribui ao vendedor a incumbência de encaminhar ao órgão executivo de trânsito do Estado, no prazo de trinta dias, cópia autenticada do comprovante de transferência de propriedade, devidamente assinado e datado, sob pena de ter que se responsabilizar solidariamente pelas penalidades impostas e suas reincidências até a data da comunicação. Assim, mesmo que não ocorra a transferência disposta no art. 123 do CTB, sendo tal responsabilidade do comprador, o diploma legal resguarda o vendedor de ter que arcar com os resultados da inércia do adquirente. São definidos dois marcos temporais com consequências diferentes. Caso o vendedor informe ao DETRAN sobre a venda do veículo com o competente comunicado de venda dentro do prazo de trinta a contar da assinatura do recibo de venda, não irá responder por qualquer infração cometida neste interregno. No entanto, caso o comunicado de venda seja feito além do prazo estipulado, terá que se responsabilizar de forma solidária pelas infrações cometidas até a data da comunicação. A norma é simples e de fácil entendimento, devendo ser cumprida na íntegra pelo órgão executivo de trânsito (DETRAN).

3 Contudo, é muito comum que o vendedor desconheça por completo a obrigação imposta pelo CTB como excludente de responsabilidade e só venha a saber que o veículo outrora vendido de boa fé nunca fora transferido muito tempo depois. A notícia em geral é recebida quando o vendedor recebe uma notificação de instauração de procedimento de suspensão do direito de dirigir ou de cassação da CNH. Em virtude da ausência de transferência e expedição de novo CRV, muitas infrações cometidas e que não necessitam de abordagem do condutor para comprovação, como, por exemplo, excesso de velocidade, estacionamento irregular, dirigir falando ao celular, dirigir sem cinto de segurança etc. ficam na conta do vendedor e são recebidas com surpresa e indignação. Rapidamente é confeccionada uma defesa a ser protocolada junto ao DETRAN explicando o negócio jurídico feito tempos atrás e por vezes juntando inclusive comprovante assinado e datado da venda (verso do CRV). Todavia, de forma acertada, o órgão executivo de trânsito agindo em obediência à legislação pertinente, registra o comunicado de venda, mas não exime o vendedor das reponsabilidades pretéritas em virtude do comando legal. Assim, deverá o vendedor arcar com o ônus de sua inércia. Ocorre que, quando tal discussão chega ao âmbito judicial o entendimento é diferente, o que acaba por frustrar o bom andamento da Administração pública bem como a imperatividade da norma. No ano de 2005, foi julgado pela segunda turma do Superior Tribunal de Justiça o REsp nº de relatoria da Ministra Eliana Calmon em virtude da irresignação do DETRAN/RS em face do acórdão lavrado pelo Tribunal de Justiça daquele estado, que, em suma, violava a clareza da norma dos artigos 123, 1, 134 e 257, 1, todos do CTB. No emblemático caso, um particular que vendera seu veículo sem realizar o competente comunicado de venda indignou-se junto à Autarquia e Trânsito por consequência da abertura de processo de suspensão do seu direito de dirigir instaurado em virtude de infrações cometidas pelo então comprador. O DETRAN/RS por sua vez ao constatar a violação à norma referente à transferência do bem, assim como àquela que trata da comunicação, manteve a responsabilidade do pretenso vendedor às infrações cometidas após a tradição. Ao analisar a argumentação posta, a Segunda turma do STJ entendeu que o art. 134 do CTB não pode ser aplicado como norma rígida, objetiva. Mas sim relativa, devendo ser moldada a cada caso concreto. De acordo com a corte, pouco importa o momento da comunicação da venda, o que será levado em conta na verdade será a ciência dada ao DETRAN de que o vendedor não estava na posse/propriedade do veículo quando a infração foi cometida. Segundo o entendimento apresentado pela relatora:

4 O proprietário somente é responsável pela infração cometida pelo condutor, embarcador e transportador, se o real infrator não for identificado. É o que dispõe o 7º: 7ºNão sendo imediata a identificação do infrator, o proprietário do veículo terá quinze dias de prazo, após a notificação da autuação, par apresentá-lo, na forma em que dispuser o CONTRAN, ao fim do qual, não fazendo, será considerado responsável pela infração. Verifica-se, pelo artigo transcrito, que o proprietário não responde solidariamente, em caráter absoluto, pelas infrações praticadas pelo adquirente, tendo sido mitigada a responsabilidade solidária. Somente quando não for identificado o infrator, é que o proprietário é responsabilizado pelas infrações cometidas após alienação do veículo, mesmo sem a sua participação. O que o faz responsável é, em verdade, a não-comunicação da transferência ao Detran, assumindo a culpa, pela desídia do seu proceder. Assim, o art. 134 do CTB deve ser interpretado como norma de imposição de solidariedade limitada, ou seja, só há responsabilidade do antigo proprietário, na hipótese de não ser identificado novo adquirente, o real infrator. Essa interpretação vem em benefício do antigo proprietário, de tal forma que, uma vez comunicado o órgão de trânsito a transferência de propriedade, fica a Administração compelida fazer as anotações nos registros do veículo, para efeito de intimar o novo proprietário, mesmo quando ele deixou de providenciar a transferência de registro, na forma do art. 123, 1º, do mesmo Código. Sem essa rega, ou seja, sem que a Administração fosse obrigada a realizar a anotação, estaria o antigo proprietário sem mecanismo par se livrar da responsabilidade em relação ao bem que não mais lhe pertence. Para a Administração, enquanto não houver a comunicação prevista no art. 134 do CTB ou a expedição do novo certificado de registro, a titularidade da propriedade será de quem consta no registro antigo. Desse modo, qualquer infração deverá ser comunicado ao proprietário que consta na sua base dados. Verifica-se, por tudo que foi dito, que a comunicação não é ato constitutivo da transferência da propriedade, serve apenas par declarar que houve alienação. Portanto, a expressão sob pena de ter que se responsabilizar (art. 134) só existe até a data da comunicação.

5 Não havendo dúvidas, in casu, de que as infrações não foram cometidas no período em que tinha o recorrido a propriedade do veículo, não deve ele sofre qualquer tipo de sanção. (REsp /RS, Rel. Ministra ELIANA CALMON, SEGUNDA TURMA, julgado em 06/12/2005, DJ 19/12/2005, p. 336) Veja que este posicionamento fixado em 2005 descaracteriza por completo a vigência e a imperatividade da norma de trânsito, a tal ponto que basta que mesmo diante da abertura de um procedimento de suspensão ou cassação da CNH, o interessado, a qualquer momento, apresente o recibo ou qualquer outro documento apto a comprovar a venda do bem. Por mais incongruente que este pensamento emanado do STJ pareça, certo é que desde então ele vem sendo reverberado pela corte, conforme se nota dos julgados abaixo: ADMINISTRATIVO. ALIENAÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR. MULTAS. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DO ALIENANTE. INTERPRETAÇÃO DO ART. 134 DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. AUTORIZAÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA. SUBSCRIÇÃO. AUSÊNCIA. NOTIFICAÇÃO DA AUTUAÇÃO. COMUNICAÇÃO DA TRANSFERÊNCIA DO BEM. INEXISTÊNCIA. FUNDAMENTOS NÃO ATACADOS. SÚMULA 283/STF. 1. "Alienado veículo automotor sem que se faça o registro, ou ao menos a comunicação da venda, estabelece-se, entre o novo e o antigo proprietário, vínculo de solidariedade pelas infrações cometidas, só afastadas quando é o Detran comunicado da alienação, com a indicação do nome e endereço do novo adquirente. Não havendo dúvidas, in casu, de que as infrações não foram cometidas no período em que tinha o recorrido a propriedade do veículo, não deve ele sofrer qualquer tipo de sanção" (REsp /PR, Rel. Min. Eliana Calmon, DJU de ). Incidência da Súmula 83/STJ (...) 3. Recurso especial não conhecido. (REsp /SP, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 08/06/2010, DJe 22/06/2010) (...) É firme o entendimento do Superior Tribunal de Justiça no sentido de que, "Comprovada a transferência da propriedade do veículo, afasta-se a responsabilidade do antigo proprietário pelas infrações cometidas após a alienação, mitigando-se, assim, o comando do art. 134 do Código de Trânsito Brasileiro" (AgRg no REsp /SP, Rel. Min. CÉSAR ASFOR ROCHA, Segunda Turma, DJe de 6/9/11).

6 (...) Consoante entendimento desta Corte, a regra prevista no art. 134 do CTB sofre mitigação quando restarem comprovadas nos autos que as infrações foram cometidas após a aquisição de veículo por terceiro, ainda que não ocorra a transferência afastando a responsabilidade do antigo proprietário. Agravo regimental improvido. (AgRg no AREsp /SP, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 26/06/2012, DJe 29/06/2012) (...) Comprovada a transferência da propriedade do veículo, afasta-se a responsabilidade do antigo proprietário pelas infrações cometidas após a alienação, mitigando-se, assim, o comando do art. 134 do Código de Trânsito Brasileiro. Precedentes do STJ. Agravo regimental improvido. (AgRg no REsp /SP, Rel. Ministro CESAR ASFOR ROCHA, SEGUNDA TURMA, julgado em 09/08/2011, DJe 06/09/2011) Por todo o exposto, resta claro que mais uma vez o Superior Tribunal de Justiça retira a eficácia de norma cogente do ordenamento jurídico brasileiro ao mitigar a aplicação do art. 134 do CTB ao entender que, em verdade, uma vez devidamente comprovada a transferência (venda, tradição) do bem, não há que se falar em responsabilidade do vendedor, mesmo de ausente o atendimento ao comando do art. 134 do CTB. Ou seja, comprovada a tradição mesmo que anos depois, ao vendedor não poderá ser imposta qualquer penalidade. PAULO ANDRÉ CIRINO, advogado efetivo do DETRAN ES. Pós Graduado em Direito Judiciário. Presidente da 2ª Comissão de defesa Prévia de infração do DETRAN ES. Membro do GTDETRAN Grupo de Trabalho do Departamento Estadual de Trânsito do Estado do Espírito Santo. Membro da Comissão Especial para estudo e análise da aplicação da Resolução n 404 de 12 do CONTRAN, Professor da Escola de Serviço Público do Espírito Santo - ESESP. Professor de Direito de Trânsito e Direito Administrativo de cursos para concursos. Palestrante.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES DECISÃO TERMINATIVA Agravo de Instrumento 200.2011.026679-4/001 2 1' Vara Civel da Capital. Relator : Des. Saulo Henriciues

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

Multa de trânsito, fiscalização de trânsito, processo administrativo de trânsito, direito do trânsito.

Multa de trânsito, fiscalização de trânsito, processo administrativo de trânsito, direito do trânsito. Multa de trânsito, fiscalização de trânsito, processo administrativo de trânsito, direito do trânsito. Se o proprietário de veículo deixa de indicar o real condutor responsável pela infração, quais serão

Leia mais

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Por Tácio Lacerda Gama Doutor em Direito pela PUC/SP Um caso concreto A União Federal move ação

Leia mais

A recusa ao bafômetro e a Portaria 217 do DENATRAN. O fim do problema?

A recusa ao bafômetro e a Portaria 217 do DENATRAN. O fim do problema? A recusa ao bafômetro e a Portaria 217 do DENATRAN. O fim do problema? Por muito tempo se tem discutido acerca da legalidade de se aplicar as medidas administrativas e as penalidades previstas no art.

Leia mais

CASSAÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABITAÇÃO POR DIRIGIR SUSPENSO

CASSAÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABITAÇÃO POR DIRIGIR SUSPENSO CASSAÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABITAÇÃO POR DIRIGIR SUSPENSO Rodrigo Kozakiewicz A cassação da Carteira Nacional de Habitação é uma penalidade prevista no artigo 256, inciso V do Código de Trânsito

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 897.205 - DF (2006/0235733-6) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : VOLKSWAGEN LEASING S/A - ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : VINICIUS OLLIVER DOMINGUES MARCONDES E OUTROS

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 704.881 - RS (2004/0126471-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : TRANSPORTADORA DE CARGAS MERCOSUL LTDA ADVOGADO : CLÁUDIO LEITE PIMENTEL E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A ASSUNTOS: DO REGISTRO DE VEÍCULOS DO LICENCIAMENTO DA HABILITAÇÃO RESOLUÇÕES 04,110, 168 e 205 01 Com relação ao

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA DECISÃO Nº : /2013 PCTT: 90.07.00.04 PROCESSO Nº: 12980-94.2013.4.01.3200 CLASSE : 1100 AÇÃO ORDINÁRIA/TRIBUTÁRIA AUTOR : ESTADO DO AMAZONAS RÉU : CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO AMAZONAS CRF/AM

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 36.293 - RS (2011/0252417-2) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL PROCURADOR : LARISSA RAYMUNDI E OUTRO(S) RECORRIDO : ESTADO

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : ONDREPSB LIMPEZA E SERVIÇOS ESPECIAIS LTDA ADVOGADO : IVAR LUIZ NUNES PIAZZETA E OUTRO(S) AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : ANGELA T GOBBI ESTRELLA

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL?

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? A matéria que pretendemos colocar em discussão neste breve estudo concerne na legalidade do condicionamento da expedição do CRLV Certificado

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

Raphael Silva Rodrigues

Raphael Silva Rodrigues A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DO ANTIGO PROPRIETÁRIO, EM RELAÇÃO AO PERÍODO POSTERIOR À ALIENAÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR: ANÁLISE SOB O ENFOQUE DA JURISPRUDÊNCIA DO STJ Raphael Silva Rodrigues SUMÁRIO: 1

Leia mais

A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades. Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente

A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades. Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente USP Responsabilidade Limitada Origens na Roma antiga; Desenvolvimento na Europa medieval/renascentista

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 206.770 - RS (2012/0152556-0) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES EMENTA PROCESSUAL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. CITAÇÃO POR EDITAL

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) Acrescenta parágrafo único ao Art. 932, da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, dispondo sobre a responsabilidade dos locatários de

Leia mais

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A NÃO ESPECIFICADO. DETRAN. HABILITAÇÃO. PROVA TEÓRICA. PORTADOR DE DISLEXIA. TUTELA ANTECIPADA. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE VEROSSIMILHANÇA DO DIREITO ALEGADO. Para o deferimento da tutela antecipada,

Leia mais

AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES

AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES EMENTÁRIO DE TEMAS: Direitos Reais: direitos reais x direitos pessoais; obrigações propter rem LEITURA OBRIGATÓRIA CHAVES, Cristiano. Direitos Reais. Cristiano Chaves

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 426.242 - RS (2013/0370295-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. COFINS. EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS. MAJORAÇÃO DA ALÍQUOTA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 404, DE 12 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 404, DE 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 404, DE 12 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre padronização dos procedimentos administrativos na lavratura de Auto de Infração, na expedição de notificação de autuação e de notificação de penalidade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

Jurisprudência sobre concursos públicos Hugo Goes

Jurisprudência sobre concursos públicos Hugo Goes Jurisprudência sobre concursos públicos Hugo Goes O presente artigo tem como escopo reunir a mais recente jurisprudência do STF e do STJ sobre concursos públicos e sobre os direitos dos candidatos. 1.

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA:

A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 335/2009 Obriga os estabelecimentos denominados de Ferro-Velho localizados no município de Salvador, dedicados à compra e venda de sucatas e peças avulsas de veículos automotores a manterem

Leia mais

A data inicial de contagem da prescrição do IPTU

A data inicial de contagem da prescrição do IPTU A data inicial de contagem da prescrição do IPTU O tempo que a Prefeitura tem para executar judicialmente débitos de IPTU dura cinco anos, contados a partir da constituição definitiva do lançamento, devidamente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 996.613 - ES (2007/0244394-3) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PROCURADOR : RAFAEL INDUZZI DREWS E OUTRO(S) RECORRIDO : COLATINA DIESEL LTDA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 839.877 - RJ (2006/0083341-7) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA RECORRENTE : MARCUS DA SILVA DIAS E OUTRO ADVOGADO : GUILHERME DE JESUS E OUTROS RECORRIDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 494.366 - PE (2002/0172296-0) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : COOPERATIVA DE SERVIÇOS MÉDICOS GRUPO MATERNO INFANTIL DE PERNAMBUCO ADVOGADO : CARLOS ALBERTO AQUINO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

A extensão dos efeitos das causas interruptivas da prescrição na responsabilidade solidária: imprescritibilidade das dívidas fiscais?

A extensão dos efeitos das causas interruptivas da prescrição na responsabilidade solidária: imprescritibilidade das dívidas fiscais? A extensão dos efeitos das causas interruptivas da prescrição na responsabilidade solidária: imprescritibilidade das dívidas fiscais? Andréa Medrado Darzé Doutora PUC/SP e Conselheira CARF Causas interruptivas

Leia mais

DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA PESSOA JURÍDICA INFRAÇÃO À LEI MEIOS DE PROVA. Paulo Ricardo de Souza Cardoso

DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA PESSOA JURÍDICA INFRAÇÃO À LEI MEIOS DE PROVA. Paulo Ricardo de Souza Cardoso DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA PESSOA JURÍDICA INFRAÇÃO À LEI MEIOS DE PROVA Paulo Ricardo de Souza Cardoso MATRIZ LEGAL: ü Art. 135 do CTN (Lei no 5.172/1966) ü Art. 158 da Lei das S/A (Lei no 6.404/1976) ü

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

Regulamenta o Serviço de Motofrete do Município de Belo Horizonte.

Regulamenta o Serviço de Motofrete do Município de Belo Horizonte. Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011 Ano XVII - Edição N.: 3979 Poder Executivo Secretaria Municipal de Serviços Urbanos - BHTRANS PORTARIA BHTRANS DPR Nº 129/2011 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011 Regulamenta

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.371.922 - SP (2013/0060257-8) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : DENISE FERREIRA DE OLIVEIRA CHEID E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO fls.1/1 RELATOR(A) RELATORA ACÓRDÃO APELANTE ADVOGADO APELADO PROCURADOR PARA : DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO : JEOVA DE SOUSA PIMENTEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA EMENTA AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO - PROCESSUAL CIVIL RESPONSABILIDADE CIVIL - DANOS MORAIS - ASSALTO À MÃO ARMADA EM ÔNIBUS COLETIVO - FORÇA MAIOR - RESPONSABILIDADE

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

FABIANO MARTINS ADRIANO

FABIANO MARTINS ADRIANO EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 08/2014 - COMITRA O presidente do Conselho de Órgãos Municipais Integrados ao Sistema Nacional de Trânsito - COMITRA, FABIANO MARTINS ADRIANO, no uso de suas atribuições, CONVOCA:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.977, DE 20 MAIO DE 2014. Vigência Regula e disciplina a atividade de desmontagem de veículos automotores terrestres; altera

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital de Credenciamento de examinadores de trânsito, conforme arts. 148 e 152 do CTB, art. 12 da Resolução nº 168/2004 do CONTRAN, e art. 24 da Resolução nº 358/2010 do CONTRAN para prestação de serviços

Leia mais

ISS: FIXO OU VARIÁVEL?

ISS: FIXO OU VARIÁVEL? ISS: FIXO OU VARIÁVEL? DECRETO-LEI 406/68 Art. 9º A base de cálculo do impôsto é o preço do serviço. 1º Quando se tratar de prestação de serviços sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte,

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 70049720824 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/11/2012 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:21/11/2012 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Vacaria Relator:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA Seminário Direitos & Deveres do Consumidor de Seguros Desembargador NEY WIEDEMANN NETO, da 6ª. Câmara Cível do TJRS Introdução O contrato de seguro, regulado pelos artigos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 361.758 - SP (2001/0116921-9) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : CLÁUDIA BOCARDI ALLEGRETTI E OUTRO(S) RECORRIDO : ANELCORP

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DESPACHO DESPACHO ISSQN-WEB ASSUNTO: SERVIÇOS PRESTADOS POR COOPERATIVAS EM: 10 de fevereiro de 2014

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.069.700 - ES (2008/0140174-4) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO INTERES. ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA : JOSÉ ALEJANDRO BULLON

Leia mais

APRESENTAR-SE COMO CONDUTOR INFRATOR PODE RESULTAR NA CASSAÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO Rodrigo Kozakiewicz

APRESENTAR-SE COMO CONDUTOR INFRATOR PODE RESULTAR NA CASSAÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO Rodrigo Kozakiewicz APRESENTAR-SE COMO CONDUTOR INFRATOR PODE RESULTAR NA CASSAÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO Rodrigo Kozakiewicz Pretende-se, com este breve estudo, verificar se é possível a aplicação da penalidade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo)

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) *C0052969A* C0052969A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 4.289 - EX (2009/0147390-0) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO JUSROGANTE : MINISTRO PRESIDENTE DO STJ : ANTÓNIO CARLOS DA COSTA PEREIRA : NIVALDO MIGLIOZZI : TRIBUNAL JUDICIAL DE SANTA

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 14 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 19 Data 12 de setembro de 2012 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE CADASTRO (COCAD) Assunto: Imposto sobre a Propriedade Territorial

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 89.695 - RS (2011/0212549-1) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. ISS. BASE DE CÁLCULO. SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL.

Leia mais

CAPÍTULO XVI DAS PENALIDADES

CAPÍTULO XVI DAS PENALIDADES CAPÍTULO XVI DAS PENALIDADES Art. 256. A autoridade de trânsito, na esfera das competências estabelecidas neste Código e dentro de sua circunscrição, deverá aplicar, às infrações nele previstas, as seguintes

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 750.290 - MG (2015/0180435-4) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES AGRAVANTE : LÍDER TÁXI AÉREO S/A - AIR BRASIL ADVOGADOS : ANDRÉIA SANGLARD ANDRADE RESENDE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos.

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos. Autos n.º 3022-48.2012.811.0007. Código nº 101526. Ação de Obrigação de Fazer. Vistos. Trata-se de ação nominada Ação Cominatória de Obrigação de Fazer com pedido expresso de tutela de urgência interposta

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.117.258 - PR (2009/0008836-2) RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA : VALDEZ ADRIANI

Leia mais

DECISÃO. VISTOS EM INSPEÇÃO (PROVIMENTO/COGER nº 38/2009, art. 122, 1º, I)

DECISÃO. VISTOS EM INSPEÇÃO (PROVIMENTO/COGER nº 38/2009, art. 122, 1º, I) G12 PROCESSO N : 0005420-60.2015.4.01.3600 CLASSE : 7200 AÇÃO POPULAR AUTOR : DILEMARIO DO VALE ALENCAR RÉUS : MAURO MENDES FERREIRA, MUNICIPIO DE CUIABA-MT, THIAGO FRANCA CABRAL DECISÃO VISTOS EM INSPEÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 713.012 - DF (2004/0181026-3) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON RECORRENTE : SILVESTRE JOSÉ DA ROCHA E OUTROS ADVOGADO : ANTÔNIO DE SOUSA SANTOS E OUTRO RECORRIDO : DISTRITO FEDERAL

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

A previsão de cobrança do diferencial de alíquota pelos Estados- membros foi estabelecida pela Constituição Federal:

A previsão de cobrança do diferencial de alíquota pelos Estados- membros foi estabelecida pela Constituição Federal: RESOLUÇÃO : Nº 22/11 CÂMARA DE JULGAMENTO SESSÃO : 32ª EM: 07/06/2011 PROCESSO : Nº 22001.006916/10-31 RECORRENTE : RECORRIDO : DIVISÃO DE PROCEDIMENTOS ADM. FISCAIS AUTUANTES : JOÃO CRISÓSTOMO PEREIRA

Leia mais

PARECER N 04/09. Ninguém será obrigado a fazer ou a deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei" Constituição Federal, art.

PARECER N 04/09. Ninguém será obrigado a fazer ou a deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei Constituição Federal, art. 1 PARECER N 04/09 TRATA-SE DA CONSULTA SOBRE A LEGITIMIDADE OU NÃO, DE ESTABELECIMENTO DE PROCURADOR, NÃO SENDO ESTE ADVOGADO, COMO REPRESENTANTE DO CONSTITUINTE EM PROCESSO ADMINISTRATIVO DE TRÂNSITO.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.291.738 - RS (2011/0116562-4) RECORRENTE RECORRIDO : JORGE FERNANDES FLOR : ANDRÉ FERNANDES ESTEVEZ E OUTRO(S) : BRASIL TELECOM S/A : CAROLINA DUARTE VENDRUSCOLO E OUTRO(S) RELATÓRIO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

ANTEVENDO O FUTURO E PROTEGENDO SEU CAIXA!!!

ANTEVENDO O FUTURO E PROTEGENDO SEU CAIXA!!! JJR ESTA RESOLVE!!! ANTEVENDO O FUTURO E PROTEGENDO SEU CAIXA!!! ESCRITÓRIOS: Porto Real (24) 3353-4054 Quatis (24)3353-6444 SITE: WWW.JJR.SRV.BR - VISITE-NOS TEMOS NOVIDADES. E-MAIL: CONTATO@JJR.SRV.BR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.340.604 - RJ (2012/0141690-8) RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : ESTADO DO RIO DE JANEIRO : ALEX CORDEIRO BERTOLUCCI E OUTRO(S) :

Leia mais

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 1 A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 2 Fundamentos Legais Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

Leia mais

IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA

IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA Informações Gerais Como consultar o valor do IPVA? É possível consultar o valor do IPVA

Leia mais

CASSAÇÃO DA CNH CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO

CASSAÇÃO DA CNH CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO CASSAÇÃO DA CNH CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO Em face das discussões já realizadas pelo CETRAN sobre o tema e também das dúvidas suscitadas tanto pelo DETRAN e mais recentemente pelo Chefe da 3ª Delegacia

Leia mais

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial Por Maria Angélica Jobim de Oliveira À luz do artigo 1.336, inciso I, do Código Civil,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014098 32.2013.4.03.6105/SP 2013.61.05.014098 6/SP RELATORA APELADO(A) No. ORIG. : Desembargadora Federal MARLI FERREIRA : ACESSO

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA FUNDAMENTO LEGAL

CLÁUSULA PRIMEIRA FUNDAMENTO LEGAL CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº09/2015 Contrato celebrado entre a Câmara Municipal de São Simão e a Empresa CABOCLO MOVEIS E ELETRO LTDA- ME. CONTRATANTE: A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO SIMÃO, pessoa jurídica de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 816.829 - RJ (2008/0224966-4) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADO EMBARGADO REPR. POR : MINISTRO CASTRO MEIRA : BANCO BRADESCO S/A : OSMAR MENDES PAIXÃO CÔRTES E OUTRO(S) : INSTITUTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.189.173 - AC (2010/0066643-5) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE RIO BRANCO PROCURADOR : JOSENEY CORDEIRO DA COSTA E OUTRO(S) RECORRIDO : IMOBILIÁRIA

Leia mais

O veto total se impõe, posto que, invade competências privativas da União, isto é, legislar sobre Direito Civil e, também, sobre trânsito.

O veto total se impõe, posto que, invade competências privativas da União, isto é, legislar sobre Direito Civil e, também, sobre trânsito. Vitória 15 de janeiro de 2013 Mensagem nº 12 /2013 Senhor Presidente: Comunico a V. Exª que vetei, totalmente, por inconstitucionalidade, o Projeto de Lei nº 173/12, de autoria do Deputado Gilsinho Lopes,

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para racionalizar regras de procedimento administrativo e de competência de órgãos públicos.

Leia mais

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL - Que se entende

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 32.400 - MT (2010/0112028-8) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : HELOISA MARIA MARTINS PEIXOTO ADVOGADO : MARIO MARCIO DE OLIVEIRA RIBEIRO RECORRIDO : DULCINÉIA

Leia mais

PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015.

PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015. PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015. Dispõe sobre a expedição de autorização destinada aos veículos de transporte escolar, nos termos do artigo 136 do Código de Trânsito Brasileiro. O Diretor

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.446/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000032108-29 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.446/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000032108-29 Impugnação: 40. Acórdão: 20.446/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000032108-29 Impugnação: 40.010129652-51 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Rômulo Mendes d'ávila CPF: 117.782.296-20 Stael Romualdo d'ávila/outro(s)

Leia mais