Tecnologias de Desenvolvimento de Páginas web

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias de Desenvolvimento de Páginas web"

Transcrição

1 Tecnologias de Desenvolvimento de Páginas web HTML DHTML CSS Javascript Visual Basic Script Java

2 HTML Hypertext Markup Language

3 HTML Hypertext Markup Language Linguagem com a qual se definem as páginas web. Basicamente trata-se de um conjunto de etiquetas que servem para definir a forma na qual se apresentará o texto e outros elementos da página. Todas as páginas web são escritas em HTML ou, pelo menos, numa estrutura baseada e compatível com ela.

4 HTML Hypertext Markup Language O HTML é uma versão especial do SGML Standard Generalized Markup Language (usado em grandes companhias para a troca de dados) que utiliza a noção de hipertexto. Um documento em hipertexto contém texto realçado que efectua ligações com outras páginas. Ao seleccionar este texto, passamos para uma página distinta que pode estar armazenada localmente ou em rede.

5 HTML Hypertext Markup Language A sua primeira versão, o HTML 1.0 surgiu no início dos anos 90. No entanto, a versão não foi considerada um standard pois não apresentava inovações relativamente a alguns desenvolvimentos já feitos na área, nomeadamente através do primeiro e popularizado browser Mosaic. A primeira versão oficial e considerada standard foi o HTML 2.0.

6 HTML Hypertext Markup Language No entanto, outras versões da linguagem já surgiram. A mais recente (disponível 2009) é o HTML A versão mais recente em HTML, em 2 de Março de 2011 é o HTML 5 Disponível em O HTML, tal como a Worl Wide Web, foi criado e desenvolvido por Tim Berners-Lee.

7 HTML Hypertext Markup Language Esta linguagem escreve-se num documento de texto, pelo que necessitamos de um editor de textos para escrever uma página web. O ficheiro de texto terá depois de ter a extensão.html ou.htm.

8 DHTML Dynamic Hypertext Markup Language

9 DHTML Dynamic HTML O DHTML surgiu para colmatar deficiências do HTML a nível do dinamismo e interactividade. É um conjunto de tecnologias que, juntas, disponibilizam as ferramentas necessárias para tornar dinâmica a linguagem HTML.

10 DHTML Dynamic HTML As principais tecnologias utilizadas pelo DHTML são: HTML; CSS (Cascading Style Sheets): Conhecidas como folhas de estilo, essa tecnologia permite controlar a formatação dos diversos elementos que compõem uma página web. - CSS Positioning: Permite a alteração do posicionamento de um elemento da página como textos e imagens dinamicamente, através de uma linguagem client scripting.

11 DHTML Dynamic HTML Client scripting: Trata-se de um pequeno programa, que será interpretado pelo browser do cliente e não no servidor. Algumas linguagens de scripting que podem ser utilizadas são JavaScript e VBScript. - DOM (Document Object Model): Trata-se do modelo de objectos (com suas propriedades e métodos) que são expostos ao programador DHTML. Através do envio de mensagens a estes objectos, o programador pode explorar a interactividade com o usuário.

12 DHTML Dynamic HTML Existem dois tipos de DHTML: DHTML de cliente; DHTML de servidor. O primeiro desenvolve-se tirando partido do browser do cliente. O segundo desenvolve-se tirando partido de software específico do servidor para execução de scripts.

13 DHTML Dynamic HTML A programação no cliente serve para muitas coisas, exemplos disso são efeitos diversos nas páginas, áudios, vídeos, menus interactivos, controle e resposta às acções de um visitante na página, controle sobre os formulários, etc. Para fazer muitas destas coisas podemos utilizar diversas linguagens de programação como Javascript e VBScript, ou inclusive Flash.

14 DHTML Dynamic HTML No entanto, está mais próxima a ideia do DHTML a programação de scripts dentro da página com as linguagens ao lado do cliente. Javascript para todos os navegadores e VBScript para Internet Explorer. Estas linguagens trabalham integradas com o navegador e dependem do modelo e da versão deste.

15 DHTML Dynamic HTML Existem uma série de linguagens que se baseiam no servidor para executar seus scripts. Quando uma página é solicitada por parte de um cliente, o servidor executa os scripts e gera uma página resultado, que envia ao cliente. A página resultado contém unicamente o código HTML, pelo que pode ser interpretada por qualquer navegador sem lugar para erros, independentemente de sua versão.

16 DHTML Dynamic HTML Linguagens do lado do servidor são ASP, desenvolvido pela Microsoft, PHP de código livre, JSP para programar em Java, ou alguma outra interface como CGI, que se desenvolve em linguagens como C ou Perl.

17 DHTML Dynamic HTML Esquema do funcionamento das páginas com scripts do servidor

18 CSS Cascading Style Sheets

19 CSS Cascading Style Sheets Tecnologia que nos permite criar páginas web controlando de uma forma mais exacta o estilo e formatação de múltiplas páginas web em simultâneo. As CSS foram criadas para resolver o problema criado pelo progressivo aumento de elementos de formatação de um documento junto ao conteúdo efectivo da página web.

20 CSS Cascading Style Sheets As CSS permitem poupar muito trabalho já que para alterar as formatações de uma ou mais páginas web basta alterar o ficheiro de CSS. As CSS podem ser internas (no cabeçalho da página) ou externas (num ficheiro à parte).

21 JavaScript

22 JavaScript Javascript é uma linguagem de programação utilizada para criar pequenos programas encarregues de realizar acções dentro do âmbito de uma página web. É uma linguagem do lado cliente que, devido à sua alta compatibilidade, é uma das mais usadas.

23 JavaScript Com Javascript podemos criar efeitos especiais nas páginas e definir interactividades com o utilizador. É simples e foi pensada para fazer as coisas com rapidez. É fácil de aprender.

24 JavaScript Com Javascript o programador converte-se no verdadeiro dono e controlador de cada uma das acções que ocorrem na página quando esta é visualizada pelo cliente.

25 VBS Visual Basic Script

26 VBS Visual Basic Script Linguagem de programação de scripts do lado do cliente, apenas compatível com Internet Explorer. É por isso que a sua utilização está desaconselhada a favor do Javascript. É baseada no Visual Basic, uma linguagem popular para criar aplicações Windows. Tanto a sua sintaxe como a sua forma de trabalhar são semelhantes.

27 Java

28 Java Linguagem de programação com a qual podemos realizar qualquer tipo de programa. Ela é muito extensa e cada vez tem mais importância no âmbito de Internet e na informática em geral. Foi desenvolvida pela Sun Microsystems.

29 Java Uma das principais características pelas quais Java tornou-se tão famosa foi o facto de ser uma linguagem independente da plataforma. Isto quer dizer que se fizermos um programa em Java poderá funcionar em qualquer computador do mercado. Isto é possível devido à Máquina de Java que faz a ponte entre o sistema operativo e o programa de Java e possibilita que estes comuniquem perfeitamente.

envolvidos numa comunicação

envolvidos numa comunicação 1 Aplicações web - funcionamento Baseiam-se no paradigma cliente-servidor; Um software (Apache, PHP, MySQL, etc...) é executado continuamente em uma máquina chamada servidor, onde hospedamos nossa aplicação.

Leia mais

Internet Explorer 8.0 Navegador (Browser)

Internet Explorer 8.0 Navegador (Browser) Internet Explorer 8.0 Navegador (Browser) O Internet Explorer 8 foi projetado para facilitar a navegação e a interação com sites na Internet ou na intranet. Sempre que você usa a Internet, ou um software

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuio pasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjk

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuio pasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjk qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuio pasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjk Apostila de Linguagem de Programação III lzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcv CSS

Leia mais

Introdução 20 Diagramas de fluxos de dados 20 O processo de elaboração de DFD 22 Regras práticas para a elaboração de DFD 24 Dicionário de dados 26

Introdução 20 Diagramas de fluxos de dados 20 O processo de elaboração de DFD 22 Regras práticas para a elaboração de DFD 24 Dicionário de dados 26 ÍNDICE MÓDULO 1 ANÁLISE DE SISTEMAS 9 1.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 10 Sistema conceito e exemplos 10 Dados e informação 11 Sistema de informação conceito e componentes 12 Sistema de informação e sistemas

Leia mais

Manual do usuário people

Manual do usuário people Manual do usuário people http://people.ufpr.br/ Sumário 1. O que é?... 3 2. Como é feito o acesso... 3 3. O Que pode ser feito no people.ufpr.br?... 3 4. Espaço de Armazenamento... 3 5. Como é feito a

Leia mais

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( )

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( ) DISCIPLINA: TIC ANO: 7º TURMAS: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Â O A N U A L - T I C UNIDADE DIDÁTICA 1: Tecnologias da Informação e Comunicação AULAS PREVISTAS: 13 x 90 Minutos Utilizar

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Universidade do Algarve

Universidade do Algarve Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Interface Homem-Máquina Licenciatura em ESI Ano lectivo de 2006/2007 Projecto de Edição Electrónica Allgarve Events Alunos: João Gomes N.º: 23084

Leia mais

Internet. Explorar diferentes formas de informação disponível na Internet:

Internet. Explorar diferentes formas de informação disponível na Internet: A Internet Explorar diferentes formas de informação disponível na Internet: 1. O browser 2. Identificar os principais serviços da Internet; 3. Utilizar as funcionalidades de um browser para navegar na

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 3-12/09/2007 1 Objetivo da disciplina O objetivo dessa disciplina é dar ao aluno noções básicas de computação. Serão apresentados

Leia mais

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL 7.º Ano Unidade Temática e Conteúdos Domínios/Subdominios Descritores (objetivos Especificos) Estratégias de Aprendizagem N.º

Leia mais

MOODLE - NÍVEL II. Ferramentas de trabalho colaborativo Base de dados MANUAL DO FORMADOR / MOODLE 1.8.4

MOODLE - NÍVEL II. Ferramentas de trabalho colaborativo Base de dados MANUAL DO FORMADOR / MOODLE 1.8.4 MOODLE - NÍVEL II MANUAL DO FORMADOR / MOODLE 1.8.4 Ferramentas de trabalho colaborativo Base de dados Esta ferramenta permite ao professor e/ou alunos construírem e pesquisarem uma base de dados sobre

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações para. Prof.: Bruno Rafael de Oliveira Rodrigues

Desenvolvimento de Aplicações para. Prof.: Bruno Rafael de Oliveira Rodrigues Desenvolvimento de Aplicações para Internet Prof.: Bruno Rafael de Oliveira Rodrigues Videos nas Páginas Existem várias maneiras de inserir um vídeo em sua página. O vídeo pode aparecer sob a forma de

Leia mais

UNIDADE 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MULTIMÉDIA. Objectivos

UNIDADE 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MULTIMÉDIA. Objectivos UNIDADE 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MULTIMÉDIA Objectivos 1 2 Objectivos Caracterizar os diferentes tipos de media existentes Definir o conceito de multimédia Diferenciar o conceito de multimédia Diferenciar

Leia mais

INTERNET. Definição. Rede internacional de computadores que permite comunicação e transferência de dados entre outros serviços.

INTERNET. Definição. Rede internacional de computadores que permite comunicação e transferência de dados entre outros serviços. INTERNET Prof. Luiz A. Nascimento Definição 2 Rede internacional de computadores que permite comunicação e transferência de dados entre outros serviços. Utiliza o protocolo TCP/IP É a rede das redes. Normalmente

Leia mais

Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves

Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves Ano Letivo 2014/2015 Professora: Vanda Pereira Criar tabelas Considerações importantes: Os nomes das tabelas deverão ter por base as entidades que representam.

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS5 - cód Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS5 - cód Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS5 - cód.4149 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver 1.1. Novidades do Dreamweaver

Leia mais

Catálogo BloguesEDU Apoio

Catálogo BloguesEDU Apoio Apoio Tutorial Novo Blogger 1 Neste tutorial, iremos apoiá-lo ao longo do processo de construção e personalização de um blogue com o novo layout da ferramenta Blogger (http://www.blogger.com ) à qual pode

Leia mais

Professor Alexsander Pacheco INTERNET - parte I INTERNET Parte 1 Professor Alexsander Pacheco Autor do livro Informática Um manual prático para concursos da Editora Fortium (Brasília - DF) E-mail: prof_alx@yahoo.com.br

Leia mais

3. Construção de páginas web Introdução ao HTML

3. Construção de páginas web Introdução ao HTML 3. Construção de páginas web 3.1. Introdução ao HTML 1 Introdução ao HTML O HTML, HyperText Markup Language, foi desenvolvido para especificar a organização lógica de um documento com extensões de hipertexto,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6 ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6 Módulo 1 Folha de Cálculo Conceitos básicos o Introdução o O que podemos fazer com o Microsoft Excel o Estrutura geral de uma folha de cálculo o Iniciar o Microsoft

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Estrutura Basica do HTML5 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Estrutura Basica do HTML5 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Estrutura Basica do HTML5 Prof. Gleison Batista de Sousa O que vai ser estudado Codificação; Linguagem de Programação; Infra Estrutura Basica; Ferramentas; Implantação;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS Tecnologias da Informação e Comunicação 7º ANO PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 2014/2015

Leia mais

As Professoras: Marilene Rodrigues da Silva Cunha Graça Carla Martins Fonseca

As Professoras: Marilene Rodrigues da Silva Cunha Graça Carla Martins Fonseca As Professoras: Marilene Rodrigues da Silva Cunha Graça Carla Martins Fonseca Ano lectivo 2010/2011 INTRODUÇÃO Neste ano lectivo, a EB1/Pe de São Martinho a actividade de TIC irá contemplar todos os alunos

Leia mais

Desenvolvimento Web III. Prof. Felippe Scheidt

Desenvolvimento Web III. Prof. Felippe Scheidt Desenvolvimento Web III Prof. Felippe Scheidt Apresentação da disciplina Compreender os princípios do desenvolvimento de sistemas web e da construção de páginas dinâmicas utilizando padrões de projetos,

Leia mais

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Novidades Plataforma de suporte remoto do SAP Business One Versão do documento: 1.0 08.10.2012 PÚBLICO Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Todos os países Convenções tipográficas Estilo de letra

Leia mais

Instalação, Configuração e Operação em Redes Locais e Internet

Instalação, Configuração e Operação em Redes Locais e Internet Instalação, Configuração e Operação em Redes Locais e Internet CEF 2 Ano Lectivo 2008/2009 Professora: Sílvia Castro 1. Conceitos introdutórios: Hardware e Software Os sistemas informáticos, em geral,

Leia mais

ERserver. iseries. iseries Access para Windows Como começar

ERserver. iseries. iseries Access para Windows Como começar ERserver iseries iseries Access para Windows Como começar ERserver iseries iseries Access para Windows Como começar ii iseries: iseries Access para Windows Como começar Índice Parte 1. Como começar com

Leia mais

Programação por Objectos Introdução. Introdução 1/18

Programação por Objectos Introdução. Introdução 1/18 Programação por Objectos Introdução LEEC@IST Introdução 1/18 História (1) [60s] Simula-67, Dahl e Nygaard da Univ. de Oslo Primeira linguagem com conceitos OO. [70s] Smalltalk, da Xerox Primeira implementação

Leia mais

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC 2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Procedimentos para instalar e aceder a um programa Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Windows Prof.: Alexandra Matias Sumário Conhecer os procedimentos associados

Leia mais

Assunto 2 - Software. Prof. Miguel Damasco

Assunto 2 - Software. Prof. Miguel Damasco Assunto 2 - Software UD 1 - FUNDAMENTOS DE INFORMÁTICA Prof. Miguel Damasco a. Gerações dos Softwares 1ª Geração: Linguagem de máquina notação numérica binária ou hexadecimal, linguagem de baixo nível,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO) 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 ESCOLA EB

Leia mais

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Geração de Gráficos SVG através de PHP Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto. {ei04073,ei04077,ei03102}@fe.up.pt

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO... 2 CRIAR, ABRIR E GUARDAR DOCUMENTOS... 6 EDIÇÃO DE DOCUMENTOS... 7 FORMATAÇÃO DE TEXTO Manual de Word INTRODUÇÃO...

O AMBIENTE DE TRABALHO... 2 CRIAR, ABRIR E GUARDAR DOCUMENTOS... 6 EDIÇÃO DE DOCUMENTOS... 7 FORMATAÇÃO DE TEXTO Manual de Word INTRODUÇÃO... INTRODUÇÃO... 2 Noção de processador de texto... 2 O AMBIENTE DE TRABALHO... 2 Área de trabalho... 3 Barra de menus... 3 Barras de ferramentas... 4 Réguas... 5 Botões de visualização... 5 Barra de estados...

Leia mais

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário Sistemas Operativos Luís Paulo Reis Slide Nº 1 Sistemas Operativos Sumário O que é um Sistema Operativo (SO)? Modelo em Camadas de um SO Abstracções Suportadas por um SO: Utilizador Processo Ficheiro /

Leia mais

Microsoft Outlook Versão Provisória

Microsoft Outlook Versão Provisória Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Outlook 2003 Versão Provisória Introdução Introdução O Microsoft Outlook

Leia mais

INTERNET. A figura mostra os inúmeros backbones existentes. São cabos de conexão de altíssima largura de banda que unem o planeta em uma rede mundial.

INTERNET. A figura mostra os inúmeros backbones existentes. São cabos de conexão de altíssima largura de banda que unem o planeta em uma rede mundial. INTERNET A figura mostra os inúmeros backbones existentes. São cabos de conexão de altíssima largura de banda que unem o planeta em uma rede mundial. DNS (Domain Name System) Sistema de Nome de Domínio

Leia mais

Ana Gonçalves Área: CLC- Cultura Língua e Comunicação Módulo: CLC5- Cultura Língua Comunicação e Media Formador: Vítor Dourado

Ana Gonçalves Área: CLC- Cultura Língua e Comunicação Módulo: CLC5- Cultura Língua Comunicação e Media Formador: Vítor Dourado Área: CLC- Cultura Língua e Comunicação Módulo: CLC5- Cultura Língua Comunicação e Media Formador: Vítor Dourado A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu para objectivos militares, servia para

Leia mais

Informática INTERNET

Informática INTERNET INTERNET A origem da Internet e a sua evolução Guerra Fria (anos 60) => ARPANET Interligar as principais Universidades dos EUA => Intercâmbio de informação. Expansão da rede para as Universidades da Europa.

Leia mais

Escola EB António Feijó

Escola EB António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB António Feijó 7.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 206/207 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos / Descritores

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE COM BASE NA NECESSIDADE DA EMPRESA VISANDO BAIXOS CUSTOS E DESIGN MODERNO

ELABORAÇÃO DE WEBSITE COM BASE NA NECESSIDADE DA EMPRESA VISANDO BAIXOS CUSTOS E DESIGN MODERNO 81 ELABORAÇÃO DE WEBSITE COM BASE NA NECESSIDADE DA EMPRESA VISANDO BAIXOS CUSTOS E DESIGN MODERNO Ricardo COSTACURTA 1 Raphael GARCIA 2 RESUMO: Este artigo relata a construção de um website para suprir

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CONTEÚDO QUESTÕES DISSERTATIVAS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CONTEÚDO QUESTÕES DISSERTATIVAS EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CONTEÚDO QUESTÕES DISSERTATIVAS 1. Explique a(s) diferença(s) entre design pattern e framework. 2. Analisar o arquivo de configurações (web.xml) abaixo identificando quais suas

Leia mais

FORMAÇÃO DE MICROSOFT EXCEL 2010

FORMAÇÃO DE MICROSOFT EXCEL 2010 FORMAÇÃO DE MICROSOFT EXCEL 2010 Mário de Almeida Pedro, M. Sc. Novembro 2013 Bemvindo Identificação da UFCD UFCD nº 0756 Folha de Cálculo, com a duração de 50 horas Microsoft Excel 2010 Objectivos: No

Leia mais

COMO UTILIZAR ESTE LIVRO... VII índice... IX 1 - INTRODUÇÃO 1

COMO UTILIZAR ESTE LIVRO... VII índice... IX 1 - INTRODUÇÃO 1 , INDICE COMO UTILIZAR ESTE LIVRO.................. VII índice...... IX 1 - INTRODUÇÃO 1 Novidades 2 Framework Spry para Ajax 2 Spry widgets 2 Spry effects 2 Integração de conteúdos em Photoshop e Fireworks

Leia mais

Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação

Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação 1.1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS Objetivos Conteúdos Sugestões metodológicas / Situações de aprendizagem N.º de aulas (50min) - Diagnosticar

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Conteúdo Complementar Introdução à Informática FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Introdução à Informática Sumário Ferramentas colaborativas na Internet 5 Armazenamento de arquivos online 6

Leia mais

Servidores de Aplicações Web

Servidores de Aplicações Web Servidores de Aplicações Web Prof. Giuliano Prado giucontato@gmail.com Laboratório de Prog. Aplicações WEB Uma Realidade O que são? O que fazem? Como funcionam? Bancos de Dados Servidor de Aplicação: Uma

Leia mais

Escola Básica 2,3 Pedro de Santarém Ano Lectivo 2010/2011 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2,3 Pedro de Santarém Ano Lectivo 2010/2011 Tecnologias de Informação e Comunicação AGRUPAMENTO DE ES COLAS PEDRO DE SANTARÉM Escola Básica 2,3 Pedro de Santarém Ano Lectivo 2010/2011 Tecnologias de Informação e Comunicação TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

Leia mais

Informática para Concursos Professor Thiago Waltz

Informática para Concursos Professor Thiago Waltz Informática para Concursos Professor: Thiago Waltz Correio Eletrônico a) Correio Eletrônico O software de correio eletrônico surgiu com o objetivo de auxiliar a comunicação e a troca de informações entre

Leia mais

Bom simulado! Professor Ravel Silva https://www.facebook.com/professorravelsilva

Bom simulado! Professor Ravel Silva https://www.facebook.com/professorravelsilva Orientações aos alunos: 1. Este simulado visa auxiliar os alunos que estão se preparando para o cargo de Assistente em Administração da UFBA Nível Médio. 2. O Simulado contém 15 questões estilo UFBA (Certo

Leia mais

Plano de Aula - Word 2013 Avançado - cód Horas/Aula

Plano de Aula - Word 2013 Avançado - cód Horas/Aula Plano de Aula - Word 2013 Avançado - cód. 5885-24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 -Introdução aos Recursos Avançados do Word 2013 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 -Introdução aos Recursos Avançados do Word

Leia mais

IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional Sector Terciário do Porto. Curso: Internet. Módulo: Estrutura de um sítio para a Internet

IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional Sector Terciário do Porto. Curso: Internet. Módulo: Estrutura de um sítio para a Internet IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional Sector Terciário do Porto Curso: Internet Módulo: Estrutura de um sítio para a Internet Formador: Hélder Oliveira 1 Índice Introdução... 3 Planeamento

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2013/2014 AIB_U3A 1 Introdução ao multimédia digital Multimédia Etimologicamente, a palavra multimédia é composta por duas partes Media é o plural da

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Linguagens de Programação Material

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno

Planificação Anual GR Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno Planificação Anual GR 550 - Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno 1º Identificar as componentes essenciais de uma estrutura de programação Compreender o funcionamento das estruturas de controlo Criar

Leia mais

AOMEI Partition Assistant, uma forma gratuita de gerir partições

AOMEI Partition Assistant, uma forma gratuita de gerir partições AOMEI Partition Assistant, uma forma gratuita de gerir partições Date : 1 de Março de 2017 O particionamento é algo que ainda muitas pessoas desconhecem. Quando é adquirido um computador ou disco externo,

Leia mais

HTML - Definição e Conceitos

HTML - Definição e Conceitos 1 HTML - Definição e Conceitos HTML e uma abreviação para Hyper Text Markup Language ou Linguagem de Marcação de Hipertexto. É uma linguagem utilizada pra criação de páginas para a internet que serão "interpretadas"no

Leia mais

O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. Editora Saraiva Emerson de Oliveira Batista

O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. Editora Saraiva Emerson de Oliveira Batista O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Editora Saraiva Emerson de Oliveira Batista A TI como parte integrante da empresa impõe a necessidade dos Administradores conhecerem melhor seus termos

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Sistema Operativo: o que é?

Sistema Operativo: o que é? Sistemas Operativos Sistema Operativo: o que é? O Sistema Operativo é o programa responsável pelo controlo da actividade do computador, prevenindo falhas e erros. Ele é, assim, software fundamental para

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu. Introdução ao Javascript #1

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu. Introdução ao Javascript #1 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu JS Introdução ao Javascript #1 JavaScript é uma linguagem de programação. Desenvolvida

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA APLICADA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA APLICADA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA APLICADA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Migrar para o OneNote 2010

Migrar para o OneNote 2010 Neste Guia O aspecto do Microsoft OneNote 2010 é muito diferente do OneNote 2007, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes essenciais

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório técnico. Dieta para adultos

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório técnico. Dieta para adultos Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006 Relatório técnico Dieta para adultos Docente: Profª Drª Ana Isabel Leiria Discentes: Laurinda Fernandes

Leia mais

Serviços de Informática :: Divisão de Infraestruturas e Serviços :: Universidade de Évora

Serviços de Informática :: Divisão de Infraestruturas e Serviços :: Universidade de Évora Guia de utilização do Colibri Instalação do software Criar Sessão Consultar as sessões criadas Participar numa sessão Gravação de Sessões Iniciar a gravação de uma sessão Descarregar a gravação Versões

Leia mais

O que é um sistema operativo multi tarefa

O que é um sistema operativo multi tarefa Evolução do windows O que é um sistema operativo multi tarefa Sistema Operativo Multi-tarefa Um sistema operacional Multi-tarefa permite repartir a utilização do processador entre várias tarefas aparentemente

Leia mais

MS Excel Tudo sobre Folhas de Cálculo - Essencial

MS Excel Tudo sobre Folhas de Cálculo - Essencial MS Excel 2010 - Tudo sobre Folhas de Cálculo - Essencial Curso MA0228 5 Dia(s) 17:30 Horas Introdução Esta acção foi desenhada para os utilizadores que desejem iniciar o uso do MS Excel 2010. Neste curso

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2013/2014 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

3 Cabeçalho/ logótipo 4 Menu principal 5 Autenticação

3 Cabeçalho/ logótipo 4 Menu principal 5 Autenticação Escolas de Primeiro Ciclo no site do Agrupamento Iniciar com o endereço www.aecarvalhos.pt 1 1 Clicar em ESCOLAS DO AGRUPAMENTO (lado direito do site). 2 2 Apontar para EB1/JI e clicar na escola respetiva.

Leia mais

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles.

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles. Web Services Web Service é um componente de software identificado por uma URI que independe de implementação ou de plataforma e pode ser descrito, publicado e invocado sobre uma rede por meio de mensagens

Leia mais

Plano da Unidade Curricular

Plano da Unidade Curricular Plano da Unidade Curricular Documento com o PUC desta unidade curricular. Sítio: Elearning UAb Unidade curricular: Sistemas e Serviços Web 2014 01 Livro: Plano da Unidade Curricular Impresso por: Hugo

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Escola EB 2,3 General Humberto Delgado Ano lectivo 2013/2014 Turma de Percurso Curricular Alternativo 2º Ciclo TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Metas de Aprendizagem para o 2º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza Webdesign HTML Introdução a HTML e as principais tags da linguagem Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Objetivos Apresentar a HTML

Leia mais

Sistema Operativo Multi-Tarefa

Sistema Operativo Multi-Tarefa Sistema Operativo Sistema Operativo Multi-Tarefa Um sistema operativo multi-tarefa permite que um utilizador trabalhe com dois ou mais programas em simultâneo. Na prática o microprocessador não executa

Leia mais

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ISEL, ADEETC - Secção de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ISEL, ADEETC - Secção de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores Sistemas Embebidos I Licenciatura em Eng. de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Mestrado em Engenharia de Electrónica e Telecomunicações

Leia mais

INFORMÁTICA 15/04/2016. Com o Professor: Rene Maas. Considere a figura abaixo, que ilustra uma planilha do LibreOffice Calc em edição:

INFORMÁTICA 15/04/2016. Com o Professor: Rene Maas. Considere a figura abaixo, que ilustra uma planilha do LibreOffice Calc em edição: INFORMÁTICA Considere a figura abaixo, que ilustra uma planilha do LibreOffice Calc em edição: Com o Professor: Rene Maas Caso a célula G20 desta planilha apresente a fórmula =SE(A1A2;MAIOR(A1:B2;2);MÍNIMO(B2:C3)),

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento

Prof. Luiz A. Nascimento Prof. Luiz A. Nascimento Qual a importância da Engenharia de Software? O desenvolvimento de um software envolve processos muitos complexos. A engenharia de software estabelece um modelo para se construir

Leia mais

Interacção Pessoa-Computador

Interacção Pessoa-Computador Trabalho Individual 1: Análise de Má Usabilidade no Mircosoft Paint Proposta de Melhorias. Conceitos: (1): Interacção Pessoa-Computador Interacção Pessoa-Computador: - É o estudo da interacção entre o

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2013 7 semestre Aula 06 MEMORIA, F. Design para a Internet. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Campus, 2005. ALVES, W. P. Crie, anime

Leia mais

Sérgio Koch Van-Dall

Sérgio Koch Van-Dall PROTÓTIPO PARA ATUALIZAÇÃO ASSÍNCRONA DE DADOS UTILIZANDO WEB SERVICES Sérgio Koch Van-Dall sergiod@inf.furb.br Orientador: Prof. Paulo Fernando da Silva UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

JAVASCRIPT Laboratórios de Informática João Paulo Barraca, André Zúquete, Diogo Gomes

JAVASCRIPT Laboratórios de Informática João Paulo Barraca, André Zúquete, Diogo Gomes http://cseweb.ucsd.edu/~lerner/js.jpg JAVASCRIPT Laboratórios de Informática 2014-2015 João Paulo Barraca, André Zúquete, Diogo Gomes HTML, CSS, Javascript HTML define estrutura CSS define estilo Javascript

Leia mais

Linguagem de Programação II

Linguagem de Programação II Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG Linguagem de Programação II Tiago Alves de Oliveira tiago@div.cefetmg.br Sumário UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS E AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Scriblink M a

Leia mais

Windows 95/98/Me/2000

Windows 95/98/Me/2000 Windows 95/98/Me/2000 Mais que um Sistema Operativo, o MS-Windows é um ambiente de trabalho que simula no ecrã o trabalho diário sobre uma secretária. A ideia base do MS-Windows foi a de esconder a organização

Leia mais

Neste exercício, vamos criar uma Folha de Cálculo, onde vamos utilizar alguns Controlos de Formulários.

Neste exercício, vamos criar uma Folha de Cálculo, onde vamos utilizar alguns Controlos de Formulários. BARRA DE FERRAMENTAS DE FORMULÁRIOS Neste exercício, vamos criar uma Folha de Cálculo, onde vamos utilizar alguns Controlos de Formulários. A Barra de Ferramentas de Formulário contém objectos gráficos

Leia mais

GoogleDocs. Potencializando o uso de questionários online em pesquisas científicas.

GoogleDocs. Potencializando o uso de questionários online em pesquisas científicas. GoogleDocs Potencializando o uso de questionários online em pesquisas científicas. Sumário - Apresentar o conceito de computação nas nuvens; - Apresentar o ambiente do Google Docs; - Apresentar a interface

Leia mais

JavaScript Exercício Comportamentos Dinâmicos

JavaScript Exercício Comportamentos Dinâmicos JavaScript Exercício Comportamentos Dinâmicos Comunicações Digitais e Internet, 2006/07 Jornalismo e Ciências da Comunicação, U.Porto Sumário Com este exercício pretende-se apresentar um exemplo simples

Leia mais

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio Como criar um recurso com o Software ActivInspire Studio Depois de abrir o Software ActivInspire deve criar uma nova página, ficheiro Novo e de seguida escolher o formato desejado. Nota: De forma a este

Leia mais

Parabéns pela aquisição do seu DMI. Este manual destina-se a ativação do DMI, para posterior utilização.

Parabéns pela aquisição do seu DMI. Este manual destina-se a ativação do DMI, para posterior utilização. Parabéns pela aquisição do seu DMI. Este manual destina-se a ativação do DMI, para posterior utilização. Imagem ilustrativa Manual de ativação 1-Visão Geral... 2 1- Primeiro acesso ao DMI... 2 2 - Ativação

Leia mais

CSS. Cascading Style Sheets Style Sheets

CSS. Cascading Style Sheets Style Sheets CSS Cascading Style Sheets Style Sheets Agenda Histórico Definição Limitações do CSS-1 CSS2 - Características Por que usar CSS? Vantagens Sintaxe Básica Como inserir uma folha de Estilo Indentificando

Leia mais

FORCE. João Manuel R. S. Tavares

FORCE. João Manuel R. S. Tavares FORCE Editor e Compilador de FORTRAN: Apresentação João Manuel R. S. Tavares Apresentação O FORCE é um sistema de desenvolvimento de programas em FORTRAN, de domínio público, que inclui um editor e ferramentas

Leia mais

Aplicações Multimídia sobre Redes

Aplicações Multimídia sobre Redes Redes Multimídia 2016.2 Aplicações Multimídia sobre Redes Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica de Telecomunicações de Computadores Guia de utilização do Moodle (Versão 1.6.2) Vista do Professor Versão 2.0 Outubro

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO DE PÁGINAS WEB UTILIZANDO FLEX. Orientador: Prof. Francisco Adell Péricas Aluno: Michel Scoz

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO DE PÁGINAS WEB UTILIZANDO FLEX. Orientador: Prof. Francisco Adell Péricas Aluno: Michel Scoz SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO DE PÁGINAS WEB UTILIZANDO FLEX Orientador: Prof. Francisco Adell Péricas Aluno: Michel Scoz Apresentação Fundamentação Teórica Introdução Objetivos Conceitos Básicos

Leia mais

Apresentação de Serviço

Apresentação de Serviço Apresentação de Serviço Índice Apresentação de Serviço...2 Funcionalidades...3 Tarifário...5 Suporte Técnico à Instalação...5 Suporte Geral...6 1 APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO O seu escritório na nuvem - esteja

Leia mais

ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR

ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS (7.º ano) Turmas: A,C DOMÍNIO: INFORMAÇÃO I7 SUBDOMÍNIOS: A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias Análise da informação na

Leia mais

ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR

ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR Disciplina TIC - PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS (7.º ano) Turmas: B,D DOMÍNIO: INFORMAÇÃO I7 SUBDOMÍNIOS: A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias Análise

Leia mais