Sistema de controle metrológico dos esfigmomanômetros em um hospital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de controle metrológico dos esfigmomanômetros em um hospital"

Transcrição

1 Sistema de controle metrológico dos esfigmomanômetros em um hospital Andréa Teresa Riccio Barbosa 1, Luiz Eduardo Schardong Spalding 1, 2, José A. Figueiredo 1 1 Centro de Engenharia Biomédica (CEB), Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), Brasil. 2 Universidade de Passo Fundo - UPF, Passo Fundo, Brasil Resumo - A pressão arterial sangüínea é um importante indicador do estado de saúde de uma pessoa. Na prática médica, várias decisões com relação a diagnóstico, prognóstico e terapia são tomados com base em sua medição. Apesar de vários fatores serem importantes na medição correta da pressão arterial, o fator crucial para obtenção de valores fidedignos é a utilização de esfigmomanômetro devidamente calibrado. Devido a este fator, houve a motivação para a implantação de um laboratório de calibração e ajuste de esfigmomanômetros em um hospital do sul do país, que está funcionando desde o início de março de O emprego da tecnologia da informação na gestão do Laboratório de Calibração (LAC), desenvolvido pelo setor de pesquisas de Engenharia Biomédica (CEB) de um hospital do sul do país, é uma ferramenta muito útil para auxiliar os gestores na busca de excelência administrativa e técnica. Para alcançar esse objetivo, são adotadas técnicas de administração baseadas em processos consistentes de controle, avaliação e planejamento, utilizando-se um equipamento de calibração semi-automático e um programa, denominado Calbwin 2.1. A metodologia de calibração e controle das informações é apresentada neste artigo. Palavras-chave: Sistema de gestão de calibração, Esfigmomanômetros, Calibração de esfigmomanômetros. Abstract - The sanguine blood pressure is an important indicator about the person's health condition. In medical practice, several decisions regarding diagnosis, prognostic and therapy are made with his measure. Although several factors are important for the correct blood pressure measure, the crucial factor for obtaining of trustworthy values is use the sphygmomanometer properly gagged. Due to these factors, there was the motivation for the implantation the sphygmomanometer calibration and adjustment laboratory in the hospital, which is working since the beginning march of The use of information technology in the administration of Calibration Laboratory, developed by the researches section in the Biomedical Engineering Center at the hospital in the south of country, it is a very useful tool to aid the managers in the search of administrative and technical excellence. To reach that aim, administration techniques are adopted based in solid processes of control, evaluation and planning, being used semi-automatic calibration equipment and a program Calbwin 2.1. The calibration methodology and the information control is presented in this article. Key-words: Calibration system, sphygmomanometer, sphygmomanometer calibration. Introdução Korotkoff apresentou na Academia Imperial Médica Militar de São Petersburgo, em dezembro de 1904, sua descoberta do método auscultatório do pulso: baseado nas observações de que, sob completa constrição, a artéria não emite sons. O aparelho de Riva-Rocci (manômetro de coluna de mercúrio com a precursora das atuais braçadeiras) é colocado no braço e sua pressão é rapidamente aumentada até bloquear completamente a circulação abaixo do manguito, quando não se ouve nenhum som no estetoscópio [1]. Deixando a pressão do manômetro de Hg cair até certa altura, um som curto e fraco é ouvido, caracterizando a pressão máxima (sistólica). Deixando a pressão do manômetro cair, progressivamente, ouve-se o sopro da compressão sistólica, até finalmente, todos os sons desaparecem, o que indica livre passagem do fluxo sangüíneo ou, em outras palavras, a pressão arterial mínima ultrapassou a pressão exercida pelo manguito. Este momento corresponde à pressão arterial mínima (diastólica) [2]. Desenvolveu-se através destes estudos, o aparelho denominado esfigmomanômetro aneróide (Figura 1), que consiste em um sistema para compressão arterial, composto por uma bolsa inflável de borracha de formato laminar, a qual é envolvida por uma capa de tecido inelástico (manguito) e conectada por um tubo de borracha a um manômetro e por outro tubo, a uma pêra, que tem a finalidade de insuflar a bolsa pneumática. Também conhecido como "aparelho de pressão". Usado, portanto, para medida indireta da pressão arterial [3].

2 gestão no LAC, estruturado dentro do hospital (Figura 2). A metodologia e resultados do procedimento de calibração, ajuste, emissão de relatório, controle e gestão, realizados no LAC, com suporte, principalmente, do software desenvolvido, são apresentados a seguir. Figura 1 Esfigmomanômetro aneróide A pressão arterial sangüínea é um importante indicador do estado de saúde. Na prática médica, várias decisões com relação a diagnóstico, prognóstico e terapia são tomados com base em sua medição. Vários fatores relacionados ao equipamento, observador, ambiente, paciente e à técnica propriamente dita podem interferir na precisão da medida da pressão arterial. Apesar de vários destes fatores serem importantes para a medida correta da pressão arterial, o fator crucial para obtenção de valores fidedignos é a utilização de equipamento devidamente calibrado. Os problemas relativos à calibração do manômetro, assim como à integridade da bolsa e extensões de borracha, pêra e válvula do sistema, que permite a inflação e deflação do manguito, podem ocasionar erros na leitura, comprometendo a fidedignidade da medida [4]. Erros na medida da pressão arterial podem levar pessoas hipertensas a serem tidas como normotensas, privando-as dos benefícios do tratamento ou submeter normotensos a tratamento desnecessário [5]. Com essa preocupação, em 1995, a equipe do Laboratório do Setor de Grandezas Especiais da Diretoria de Metrologia Legal, munida de apenas um padrão de pressão, realizou vários levantamentos nos lugares onde estes aparelhos são utilizados. Era necessário conhecer o estado em que se encontravam os aparelhos em uso no Brasil. O quadro que se apresentou como resultado destas incursões nos hospitais foi alarmante. Em alguns hospitais visitados a proporção de aparelhos em uso que verificados, foram reprovados, estava em torno de 70% [5]. Para minimizar este problema, o controle metrológico de esfigmomanômetros começou, formalmente, no Brasil ao ser baixado a Portaria INMETRO nº 24 de 22 de fevereiro de 1996[6]. Também com essa preocupação quanto à fidedignidade de medição da pressão arterial, o Centro de Engenharia Biomédica (CEB) de um hospital localizado no Rio Grande do Sul vem realizando pesquisa e desenvolvimento de equipamentos para realizar calibração de esfigmomanômetros, desde 1992, período este anterior ao da publicação da portaria citada anteriormente [7]. Com estes anos de pesquisas, chegou-se a versão 2006 do equipamento semi-automático, gerenciado por um software que possibilita a obtenção dos valores de calibração, o armazenamento dos dados e realização de uma Figura 2 Laboratório de Calibração do HSVP Metodologia A metodologia para o desenvolvimento do aparelho de calibração, do software e dos procedimentos adotados levou em consideração as diretrizes do Inmetro. O Inmetro através da Portaria n 153, de 12 de agosto de 2005, aprovou o Regulamento Técnico Metrológico que estabelece as condições a que devem satisfazer os esfigmomanômetros mecânicos [8]. Com relação aos esfigmomanômetros que estão em utilização, a Portaria determina que estes poderão continuar em uso, desde que estejam de acordo com os erros máximos permitidos, que na pressão crescente ou decrescente, em qualquer ponto é de 3 mmhg, e uma histerese máxima de 4 mmhg em qualquer ponto. Além disso, todos os aparelhos, novos ou em uso, deverão passar, a cada ano, por uma verificação periódica. A regulamentação prevê ainda a possibilidade de verificações eventuais a pedido do detentor do instrumento, após o conserto e/ou manutenção do mesmo ou quando o Inmetro julgar necessário [8]. A realização de verificações e calibrações periódicas é que garantirá que os esfigmomanômetros em uso estejam de acordo com os erros permitidos e, portanto, apresentam medições fidedignas [8]. O aparelho de calibração semi-automático desenvolvido no CEB segue a determinação da portaria para a realização da calibração e ajustes dos manômetros e demais componentes do aparelho. Durante a verificação periódica1, 1 A Verificação Periódica é a fase que se repete e é útil para verificar se o instrumento continua mantendo as características metrológicas ao longo da sua vida útil.

3 portanto, são verificadas, quanto à manutenção de sua integridade e funcionamento, as cinco partes que compõe o esfigmomanômetros, sendo estas: Braçadeira contendo o manguito (parte inflável da braçadeira); Válvula de controle de saída do ar; Pêra; Válvula unidirecional da bomba de ar; Manômetro. A braçadeira é um componente muito importante na medição, pois ela é o sensor que capta os pulsos da artéria braquial. A dimensão da braçadeira é fundamental para uma correta medição e esta deve ter indicações que oriente o seu correto fechamento em torno do braço [9]. No laboratório de calibração as condições da braçadeira são verificadas e, caso necessário, ela é trocada. Verifica-se também a necessidade de troca dos manguitos, pois, a falta de integridade desta bolsa de borracha da braçadeira, traduzida pela presença de furos e envelhecimento do material, leva a erros e caracteriza a falta de manutenção dos aparelhos que poderia prover condições adequadas de uso. A válvula de controle de saída do ar é a válvula que controla o fluxo de saída de ar e, conseqüentemente, a taxa de alívio da pressão no manguito. A taxa de alívio da pressão é um dos mais importantes fatores para a exatidão da medição pelo método auscultatório ou de Korotkoff 2 [1]. A válvula de controle de saída deve permitir o ajuste da taxa de redução de pressão para um valor compreendido entre 2,0 mmhg/s e 3,0 mmhg/s. Uma taxa maior que 3,0 mmhg/s induz erro na leitura e uma taxa menor que 2,0 mmhg torna a medição desconfortável para o paciente pois a braçadeira comprimirá o braço por um período maior [10]. Segundo Mieke, uma taxa de alívio da pressão adequada à medição deve permitir que sejam ouvidos nove sons da pressão sistólica a diastólica [1]. A pêra é a bomba em formato anatômico destinada a inflar a braçadeira. Em sua extremidade se encontra a válvula unidirecional da bomba de ar que não permite que o ar já bombeado escape. A presença de furos nos tubos do manguito, na pêra e vazamento na válvula unidirecional compromete o sistema de inflação e deflação dos manômetros. Problemas de vazamento na válvula tornam difícil a inflação da bolsa de borracha e na deflação haverá dificuldade de controle da velocidade, podendo ocasionar erros na leitura, com falsa diminuição 2 Como já mencionado, o método de Korotkoff, ou método auscultatório, é a medição feita com o auxílio de auscultação dos sons que o sangue bombeado pelo coração emite ao passar pela artéria braquial na parte comprimida pela braçadeira. da pressão sistólica e elevação da pressão diastólica. Todas as partes do esfigmomanômetro descritas são verificadas quando o aparelho é encaminhado ao LAC do CEB do hospital em estudo, além do manômetro. O manômetro do esfigmomanômetro contém um elemento sensor elástico que se deforma sob a ação da pressão pneumática. Este sensor tem formato circular, é fabricado em metal, e possui dobras concêntricas. A deformação provocada neste sensor aciona um mecanismo que traduz esta deformação em rotação de um eixo que move o ponteiro sobre o mostrador. A qualidade deste elemento sensor elástico vai determinar a vida útil do aparelho. É esperado que este sensor resista pelo menos a dez mil ciclos de pressão, ou seja, espera-se que o aparelho possa ser utilizado em pelo menos dez mil medições [11]. Para verificar a qualidade do sensor elástico é realizado o ensaio de histerese em que o manômetro é submetido à pressão correspondente ao limite superior da escala por cinco minutos. A diferença entre os valores indicados na carga decrescente e na carga crescente, para o mesmo ponto lido no manômetro de referência deve ser positiva e não superior a 4 mmhg, conforme portaria [12]. A faixa de medição de pressão arterial deve ser de 0mmHg até, no mínimo, 260 mmhg. A faixa da escala utilizada para o diagnóstico da hipertensão é a que vai de 90 mmhg a 100 mmhg. Quando um paciente possui um histórico de pressão arterial em que a pressão diastólica, ou mínima, como é usualmente chamada, seja menor ou igual a 90 mmhg, neste paciente não é diagnosticada hipertensão. Já aqueles que apresentam um histórico com a pressão diastólica próxima de 100 mmhg são considerados hipertensos. Em se tratando de uma faixa com limites tão próximos e tão importantes para o diagnóstico, o erro máximo permitido de +- 3 mmhg, nesta faixa da escala, pode ser considerado grande. Observa-se, entretanto, que se o erro máximo permitido fosse limitado a um valor menor, o preço do instrumento subiria muito [2]. Nota-se ainda que para o resto da escala, o erro máximo permitido vigente é adequado. Em faixas próximas ao início da escala, utilizada para a medição de pressão arterial de pacientes chocados, por exemplo, de 20 mmhg a 50 mmhg, este erro máximo permitido não induz a falso diagnóstico. Em faixas próximas do final da escala, útil para a medição de pressão arterial, por exemplo, de pacientes com crise renal, este erro de no máximo 3 mmhg não é significativo diante da pressão indicada, que pode atingir 270 mmhg [2]. Para cobrir a escala toda, visando observar os pontos mais importantes, o erro apresentado pelo instrumento é observado

4 através de medidas comparativas de 10 em 10 mmhg 3 até o limite superior da escala ser atingido [8]. Além disso, não deve haver folga na engrenagem do manômetro, pois assim a extremidade do ponteiro pode não se deslocar o suficiente para indicar a passagem de sangue na artéria. Este pulsar do ponteiro, em conjunto com o som de Korotkoff, ouvido com o auxílio do estetoscópio são indicativos para a leitura, que é feita com o ponteiro em movimento. Para minimizar o erro de paralaxe, o afastamento do ponteiro em relação ao mostrador não deve ser superior a 2 mm e a extremidade do ponteiro não deve ser mais larga que o traço da escala do mostrador [11]. Atualmente, existem diversas técnicas para a calibração de manômetros de esfigmomanômetros, que vão desde o método comparativo com as colunas de mercúrio até através do uso de equipamentos automatizados. Para facilitar esta atividade de calibração de manômetros no hospital em estudo, que possui uma grande quantidade de esfigmomanômetro em seu patrimônio, o setor de pesquisa do CEB desenvolveu um aparelho de calibração semi-automático de manômetros (Figura 3) [7]. (a) (b) (c) Figura 3 (a) Calibrador semi-automático de manômetro, (b) injetor de pressão, (c) circuito de pressão O Calibrador de Pressão IP (versão 2006) é um instrumento que foi projetado para medir pressões exercidas por gases numa faixa de 0 a 300 mmhg. O equipamento possui sensores de umidade relativa do ar e temperatura ambiente, exercendo a função de um termohigrômetro. Estas duas grandezas físicas são necessárias para a avaliação correta dos valores medidos durante a calibração, pois fora de certos limites, há alteração significativa nos valores obtidos, e também, para a confecção de relatórios de calibração. O calibrador de pressão pode ser utilizado para a calibração de esfigmomanômetros (obedecendo a incerteza de medição recomendada pelo INMETRO), e como medidor de pressão de gases até o limite de 300 mmhg, informando no visor o valor da pressão medida. O calibrador completo é composto: pelo módulo principal denominado calibrador semiautomático de manômetro (módulo de controle e visor de dados, conforme letra a da Figura 3); injetor de pressão (letra b da Figura 3) e circuito de pressão (letra c da Figura 3). O injetor de pressão é utilizado com o objetivo de introduzir ou retirar ar do circuito de pressão onde está ligado o manômetro a calibrar. O módulo principal, denominado calibrador semiautomático de pressão, possui teclado para entrada de dados e pode armazenar 16 registros de calibração, cada um contendo 3 ciclos de subida e descida, totalizando 30 leituras. Em cada calibração o equipamento registra automaticamente a temperatura, a umidade relativa (UR) do ar ambiente, ano, mês, dia, hora e minuto. Cada calibração, portanto, é efetuada em 5 pontos da escala de pressão do manômetro, tanto para o ciclo de carregamento (subida) como para o ciclo de descarregamento (descida) da pressão e são efetuados 3 conjuntos de medidas. Para capturar as medidas obtidas, analisalas (fazendo todos os cálculos necessários), armazenar os dados e os resultados, emitir relatórios e aprovar os manômetros é utilizado um software denominado Calibwin 2.1, que acompanha o equipamento de calibração. Este software oferece competências para solução de gestão e otimização dos recursos do LAC, além do suporte técnico na atividade de calibração. Os dados do calibrador são transferidos para um computador através da porta serial, via cabo de comunicação. Para tal, executa-se o software Calibwin 2.1, que possibilitará a captura de todos os registros armazenados no calibrador de pressão. Observa-se ainda que antes de transferir os dados do Calibrador de pressão para o computador, é necessário realizar o cadastramento no sistema dos manômetros que tiveram suas calibrações armazenadas. Além de informações dos clientes (nome, cidade, estado, etc.), dos usuários com permissão de utilização do sistema, dos padrões de rastreamento local (dados do aparelho calibrador de pressão) e trabalho (dados do aparelho usado no rastreamento do calibrador de pressão) e do laboratório 4. 3 Observa-se, entretanto, que a antiga portaria do INMETRO, portaria nº 24 de 22 de fevereiro de 1996 já estabelecia que as medições comparativas devessem ser feitas de 50 em 50 mmhg. 4 Registram-se os dados referentes ao laboratório responsável pela manutenção dos aparelhos tais como: laboratório, ,

5 O processo inicia-se quando o operador recebe o manômetro, preenche um documento no software chamado ordem de serviço (OS), contendo os dados necessários ao cadastro do cliente e do (s) manômetro (s) 5. Esta OS deve ter um número e uma data, que serve para localizar os manômetros do cliente enquanto estiverem dentro do laboratório e/ou durante o processo de verificação. Normalmente os principais dados coletados do manômetro são marca, número de série e código do aparelho. A OS, portanto, é registrada no CalibWin, para controle das verificações executadas no laboratório. A verificação é o método usado para conferir o funcionamento do aparelho. Neste sistema, a verificação poderá apresentar três situações diferentes, a saber: inexistente, primeira e final. Um aparelho ainda não verificado tem status inexistente. Para cada aparelho, pelo menos uma verificação é executada - que será a primeira verificação. Se ao final da primeira verificação o erro máximo está na faixa permitida, o aparelho é aprovado e um relatório pode ser impresso, com os dados lidos. No caso de apresentar erro, o manômetro deverá ser ajustado para passar pela verificação final. Se ainda assim não houver aprovação, o operador faz novos ajustes e novas verificações finais, até que o aparelho seja aprovado ou constate-se que o mesmo não tem conserto - um relatório de verificação com o erro final pode ser impresso para fins de documentação. Além do suporte técnico, o software permite que seja realizado o controle gerencial do LAC, como o controle da data das próximas calibrações necessárias de serem efetuadas nos manômetros cadastrados, o controle do gasto de peças e o controle financeiro (receitas e despesas). Os procedimentos realizados no laboratório, tanto técnicos como administrativos, são controlados, portanto, pelo software de calibração CalibWin. Resultados Os cálculos realizados pelo sistema CalibWin são: o valor médio para subida e descida da pressão (3 ciclos de subida e 3 de descida), erro absoluto para cada pressão (para o ciclo subida, descida e histerese), os erros máximos encontrados dos vários valores de erro absoluto e o erro final que o manômetro apresenta (sendo este o maior erro máximo encontrado). Caso o valor deste erro esteja reprovando o aparelho (erro maior que 3,00 mmhg) o texto referente ao resultado é apresentado em vermelho e, caso contrário, em azul. home page, CNPJ, IE, metrologista responsável, endereço, cidade/uf, telefone, logotipo. 5 Um cliente pode trazer vários manômetros, ao mesmo tempo. Durante a verificação, normalmente dois relatórios são impressos: um após a primeira verificação, que mostra a situação do aparelho antes dos ajustes (conserto) e outro na última verificação final, que mostra a situação do aparelho após os ajustes. Alguns resultados obtidos de um manômetro podem ser verificados na Tabela 1. Tabela 1 Resultados da calibração em um manômetro. Manômetro ago/ ago/ fev/ fev/ mar/ mar/ Data mmhg 1ª Fim 1ª Fim 1ª Fim 20 1,27 1,9 1,73 0,63 1 1, ,13 1,7 1,47 0,1 2,27 0 Erros Abs ,67 1,5 0,47 2,27 0,7 de 200 2,13 0,87 2,8 0,23 0,87 2,43 subi da 260 1,43 0,53 1,83 0,37 0,37 2,5 20 0,37 0,63 0,57 1,27 0,47 0,4 80 0,93 0,5 0,2 1,03 0,5 1,77 Erros Abs ,13 0,27 0,37 0,27 0,77 0,8 de 200 1,43 0,43 1,27 0,87 0,3 1,03 desci da 260 0,6 1,4 0,03 1,2 0,83 0,63 Erros de 20 0,9 1,27 1,17 0,63 1,47 1, ,2 1,2 1,67 1,13 1,77 1, ,87 1,4 1,13 0,2 1,5 1, ,7 1,3 1,53 1,1 1,17 1,4 Hist ,83 0,87 1,8 0,83 1,2 1,87 Este manômetro (01) foi verificado no ano de 2005 e Foi feita uma primeira medição no mês de agosto de 2005 e após ajuste, nova medição (Fim) foi realizada, como os valores obtidos estavam dentro dos limites estabelecidos por norma, foi liberado para uso. Na verificação foram obtidos, através do software, os erros absolutos de subida e descida, bem como o erro de histerese. Este procedimento foi repetido em fevereiro e março Este manômetro está sendo controlado e monitorado pelo sistema citado. Desde que o laboratório de calibração está funcionando (01/03/2005) foram realizadas 1792 calibrações, sendo todas controladas pelo sistema desenvolvido. Observa-se ainda que todos os manômetros calibrados e aprovados no laboratório de calibração foram também aprovados pelo INMETRO. Discussão e Conclusões A medida da pressão arterial pelo método indireto auscultatório é um procedimento simples, facilmente executável e que provê resultados confiáveis, desde que se atenda às premissas básicas para a sua realização e dentre elas

6 condições adequadas do equipamento. Baseados nos resultados da medição da pressão arterial são adotadas decisões relativas ao diagnóstico da hipertensão arterial e conduta terapêutica. Diante destes aspectos, considera-se de suma importância a realização de ajustes e calibrações adequadas nos esfigmomanômetros para garantir a fidedignidade da medida de pressão arterial. Além disso, desde a entrada em vigor da portaria do INMETRO tornando obrigatória a verificação anual dos esfigmomanômetros nos estabelecimentos assistenciais de saúde, houve a necessidade de uma atenção especial na manipulação e manutenção de tais equipamentos. A verificação anual destes equipamentos é realizada exclusivamente pelo Inmetro (metrologia legal), mas este órgão não realiza o ajuste dos esfigmomanômetros. Em virtude disso, houve uma motivação para o desenvolvimento de um equipamento Calibrador Semi-Automático de Esfigmomanômetros, pelo setor de pesquisa do CEB de um hospital do sul do país. Este calibrador é utilizado em um Laboratório de Calibração (LAC) para que os esfigmomanômetros pudessem ser consertados e calibrados, deixando estes dentro da faixa tolerável de erro exigida pela portaria do Inmetro. O LAC fornece relatório do procedimento realizado em cada equipamento, informando o método de ensaio, as medidas obtidas, o erro do calibrador, o erro total do procedimento executado, o responsável pela execução do serviço e informações a respeito do cliente e do aparelho (dados do cadastro do hospital). O software CalbWin é utilizado para auxiliar na calibração dos manômetros, através de obtenção dos valores mencionados, registro dos dados, emissão de relatórios e é fundamental na gestão do LAC. Salienta-se que existem diversos outros equipamentos eletrônicos para medidas de pressão que podem ser realizados no processo de calibração do manômetro, porém nenhum destes realiza o processo automaticamente e possui um software que emite relatório preciso com as informações do processo e cálculo de todos os valores necessários. A gestão dos esfigmomanômetro dentro de um estabelecimento assistencial de saúde (SAS) torna-se, portanto, muito mais eficaz e eficiente com a inserção de um laboratório de calibração que contenha o calibrador semi-automático e o software descrito. Brasileiros de Cardiologia], Brasília, v. 5, n. 67. [2] Rabello, C., Pierin, G., Mion, D. (2004), O conhecimento de profissionais da área da saúde sobre a medida da pressão arterial, Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 2, n. 38, p [3] Holanda, H. E. M., Mion Jr, D., Pierin, A. M. G. (1997), Medida da Pressão Arterial. Critérios Empregados em Artigos Científicos de Periódicos Brasileiros, Sociedade Brasileira de Cardiologia: arquivos brasileiros de cardiologia, São Paulo, v. 6, n. 68. [4] ABNT (1993), NBR-ISO : Requisitos de garantia de qualidade para equipamento de medição - Parte 1: Sistema de comprovação metrológica para equipamentos de medição, ABNT, 14p. [5] Imbelloni, L. E., Beato, L., Tolentino, A. P. (2004), Monitores automático de pressão arterial. Avaliação de três modelos em voluntárias, Revista de Anestesiologia, v. 54, n. 1, p [6] INMETRO, Portaria nº 24 de 22 de fevereiro de 1996, Regulamento Metrológico. [7] Spalding, E. L. S. (1996), Sistema integrado de instrumentos e procedimentos para a realização da calibração de esfigmomanômetros, Tese de Mestrado, Instituto de Engenharia Biomédica, Departamento de Engenharia Elétrica / UFSC, Florianópolis. [8] INMETRO, Portaria nº 153 de12 de agosto de 2005, Regulamento Metrológico. [9] Salomão, M. J. H. Ferraz, F. T (2003), Implantação do Controle Metrológico de Esfigmomanômetros no Brasil, Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM). [10] Sant Anna, Neiva, E., Pitta, L., Soares, F. (2003), Controle da Qualidade de Esfigmomanômetros no Município de Macaé, Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM). [11] ABNT (1998), NBR 14105: Manômetros com sensor de elemento elástico Recomendações de fabricação e uso. ABNT, 14 p. [12] Mion Jr., D., Pierin, A. M. G., Alavarce, D. C., Vasconcellos, J. H. (2000), Resultado da Campanha de Avaliação da Calibração e Condição de Esfigmomanômetros, Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 74, n. 1, p Referências [1] Introcaso, L. (1996), História da Pressão Arterial 100 Anos do Esfigmomanômetro, Sociedade Brasileira de Cardiologia:Arquivos

Aplicativo do aparelho de calibração automático tico de esfigmomanômetros

Aplicativo do aparelho de calibração automático tico de esfigmomanômetros Aplicativo do aparelho de calibração automático tico de esfigmomanômetros Hospital São Vicente de Paulo Andréa T. Riccio Barbosa Luís Eduardo S. Spalding Justificativas Nível de dependência da tecnologia

Leia mais

Técnica de aferição da pressão arterial

Técnica de aferição da pressão arterial Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão Técnica de aferição da pressão arterial O esfigmomanômetro

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

VINTE ANOS DE CONTROLE METROLÓGICO LEGAL NA ÁREA DA SAÚDE

VINTE ANOS DE CONTROLE METROLÓGICO LEGAL NA ÁREA DA SAÚDE V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. VINTE ANOS DE CONTROLE METROLÓGICO LEGAL NA ÁREA DA SAÚDE

Leia mais

Monitor Digital de Pressão Arterial Semi-Automático

Monitor Digital de Pressão Arterial Semi-Automático Monitor Digital de Pressão Arterial Semi-Automático Modelo RM 200 Características Semi-Automático Visor de Fácil Entendimento Memória da Última Medição Alerta com Sinal Sonoro De acordo com os Parâmetros

Leia mais

PARECER COREN-SP - CT 027/2013

PARECER COREN-SP - CT 027/2013 PARECER COREN-SP - CT 027/2013 PRCI nº 100.499 e Ticket nº 277.281 Ementa: Aferição de Pressão Arterial por leigos. 1. Do fato Técnica de Enfermagem de uma refinaria de petróleo questiona a determinação

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 023 de 25 de fevereiro de 1985 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 277

Norma Técnica SABESP NTS 277 Norma Técnica SABESP NTS 277 Critérios para implantação de medição individualizada em condomínios horizontais ou verticais. Procedimento São Paulo Dezembro 2008 - Rev. 1 NTS 277 : 2008 Rev.1 Norma Técnica

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 261, de 14 de julho de 2009.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 261, de 14 de julho de 2009. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 261, de 14

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Relógios Comparadores

Relógios Comparadores 1 Relógios Comparadores Conteúdos Medição por comparação O relógio comparador mecânico Aspectos metrológicos Calibração de relógios comparadores Relógio comparador digital Aplicações: Sistema para medição

Leia mais

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Curso Técnico em Automação Industrial Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Rio Grande, setembro

Leia mais

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA NORMA N o NIE-DIMEL-073 APROVADA EM DEZ/05 N o /06 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidades 4. Documentos de Referência

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 135, de 18 de agosto de 2005.

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO Há não muito tempo atrás, antes que os computadores fossem introduzidos

Leia mais

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar Aplicação da Metrologia no Serviço de Instalações e Equipamentos de uma Unidade Hospitalar Carlos Patrício, Presidente da ATEHP Director do Serviço de Instalações e Equipamentos do CHTS, EPE Introdução

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL Introdução A medição de nível.engloba, também, a medição do volume e do peso de líquidos e sólidos contidos em recipientes. Basicamente, a medição

Leia mais

Análise do Sistema de Informação do Setor de Engenharia Clínica de um Hospital do Sul do país

Análise do Sistema de Informação do Setor de Engenharia Clínica de um Hospital do Sul do país Análise do Sistema de Informação do Setor de Engenharia Clínica de um Hospital do Sul do país Andréa Teresa Riccio Barbosa 1, Luís Eduardo Schardong Spalding 1, 2 1 Centro de Engenharia Biomédica (CEB),

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056 Certificado de Garantia. Modelo Controle Kitest Equipamentos Automotivos KA-056 Nº Manual do Usuário A Kitest Equipamentos Automotivos garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação

Leia mais

Câmara para teste de mangueiras

Câmara para teste de mangueiras Câmara para teste de mangueiras A Superohm oferece um linha de Câmaras especiais para teste de mangueiras, as quais são modulares e podem ter uma única função ou varias funções juntas. Destinam-se às indústrias

Leia mais

distância de um diagnóstico

distância de um diagnóstico Apenas alguns cliques de distância de um diagnóstico do sistema de aquecimento testo 320. O analisador de gases de combustão altamente eficiente. testo 320 Medição eficiente com apenas um instrumento.

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

EQUIPAMENTO PARA AREIAS DE MOLDAGEM - VERIFICAÇÃO DO PERMEÂMETRO

EQUIPAMENTO PARA AREIAS DE MOLDAGEM - VERIFICAÇÃO DO PERMEÂMETRO SUMÁRIO Procedimento Folha : 1 de 7 1_ Objetivo 2_ Documento a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Tipos de permeâmetros abrangidos por esta 7_ Instruções de verificação 8_

Leia mais

Monitor Digital de Pressão Arterial Automático de Pulso

Monitor Digital de Pressão Arterial Automático de Pulso Monitor Digital de Pressão Arterial Automático de Pulso Modelo RW450 Características: Memoriza 50 medições em duas zonas de usuários com data e hora. Média dos 3 últimos resultados. Manuseio fácil, basta

Leia mais

Relação circunferência braquial e tamanho de manguitos utilizados nas Unidades Básicas de Saúde de uma cidade do interior paulista

Relação circunferência braquial e tamanho de manguitos utilizados nas Unidades Básicas de Saúde de uma cidade do interior paulista Relação circunferência braquial e tamanho de manguitos utilizados nas Unidades Básicas de Saúde de uma cidade do interior paulista Relation arm circumference and the cuffs size used in Basic Health Units

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Arfox MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus. Manual ArFox Rev.01 Manual ArFox Rev.01

Arfox MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus. Manual ArFox Rev.01 Manual ArFox Rev.01 MANUAL DO USUÁRIO RUA DO POMAR, 95/97 - VILA DAS MERCÊS 04162-080 SÃO PAULO - SP FONE/FAX: (011) 2165-1221 Site: www.control-liq.com.br - e-mail: atendimento@control-liq.com.br Calibrador Eletrônico de

Leia mais

CARGA ARTIFICAL PADRÃO PARA TESTE DE MEDIDORES EM CAMPO

CARGA ARTIFICAL PADRÃO PARA TESTE DE MEDIDORES EM CAMPO CARGA ARTIFICAL PADRÃO PARA TESTE DE MEDIDORES EM CAMPO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.1 Julho 2012 EnergyTest Ind. Eletroeletrônica Ltda. P&F Indústria Eletrônica Ltda. Konecty Ind. e Comercio Ltda. 1 PROCEDIMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º, de 0 de setembro de 00. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Eliminação dos dispositivos contendo mercúrio no Into/MS. Gerência de Resíduos

Eliminação dos dispositivos contendo mercúrio no Into/MS. Gerência de Resíduos Gerência de Resíduos O Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into) é um órgão do Ministério da Saúde e centro de referência no tratamento de doenças e traumas ortopédicos de média

Leia mais

Sensor de Umidade para Concreto - Série 3000

Sensor de Umidade para Concreto - Série 3000 Sensor de Umidade para Concreto - Série 3000 Recomendações para Correta Instalação e Operação do Equipamento Tecnologia Brasileira Este documento contém informações confidenciais. Seu conteúdo é de uso

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Instrumento de medição PFM 5000

Instrumento de medição PFM 5000 Folha de Dados Instrumento de medição PFM 5000 Aplicação Sistemas de múltiplos ramais O PFM 5000 é capaz de calcular sistemas de aquecimento complicados de múltiplos ramais, simulando o sistema hidráulico

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus Arfox Júnior. Rev.0

MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus Arfox Júnior. Rev.0 MANUAL DO USUÁRIO RUA DO POMAR, 95/97 - VILA DAS MERCÊS 04162-080 SÃO PAULO - SP FONE/FAX: (011) 2165-1221 Site: www.control-liq.com.br - e-mail: atendimento@control-liq.com.br Calibrador Eletrônico de

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED

Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED INTERNO INSTRUMENTO PARA EMBUTIR Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED Aplicação : Especialmente em salas limpas, pois podem ser embutidas em paredes

Leia mais

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE Especificações... 3 INSTALAÇÃO... 3 Operação...

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

V Seminário Hospitais Saudáveis SHS 2012 São Paulo/SP Setembro/2012

V Seminário Hospitais Saudáveis SHS 2012 São Paulo/SP Setembro/2012 V Seminário Hospitais Saudáveis SHS 2012 São Paulo/SP Setembro/2012 Implementação da substituição dos equipamentos e aparelhos com mercúrio na Fundação HEMOMINAS Unidades da Fundação Hemominas: DIA POC

Leia mais

MEDIDAS ELÉTRICAS Conceitos Básicos:

MEDIDAS ELÉTRICAS Conceitos Básicos: MEDIDAS ELÉTRICAS Conceitos Básicos: Medir é estabelecer uma relação numérica entre uma grandeza e outra, de mesma espécie, tomada como unidade. Medidas elétricas só podem ser realizadas com a utilização

Leia mais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Controle em tempo real Leitor de código de barras integrado Leitura avançado do código de barras com confirmação

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

PERFORMANCE PARA CALIBRAÇÃO DE TRANSDUTOR OU TRANSMISSOR DE PRESSÃO

PERFORMANCE PARA CALIBRAÇÃO DE TRANSDUTOR OU TRANSMISSOR DE PRESSÃO PERFORMANCE PARA CALIBRAÇÃO DE TRANSDUTOR OU TRANSMISSOR DE PRESSÃO José Carlos dos Santos josecarlos@krcontrol.com Laboratório de Calibração de Santos PET Cgcre / Inmetro nº 036 SENAI Santos Abstract

Leia mais

RELÓGIO COMPARADOR RESUMO

RELÓGIO COMPARADOR RESUMO RELÓGIO COMPARADOR Leonardo Vidal 1 - Orientador Gustavo Bueno 2-21170078 Lincoln Ferreira 3-20870070 Samira Ponce 4-21170078 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar o instrumento de medição chamado

Leia mais

O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL. RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL. CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL

O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL. RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL. CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL SECUNDÁRIA DETECÇÃO e CONTROLO da HIPERTENSÃO ARTERIAL

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL

AVALIAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL AVALIAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL O método oscilométrico de medição da pressão arterial Autor: Eng. Marcelo Cerulli Mestre em Engenharia Biomédica pela Escola Politécnica da USP, Engenheiro Eletricista pela

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

Esta Norma fixa os procedimentos que devem ser observados quando da execução das verificações subsequentes de cronotacógrafos.

Esta Norma fixa os procedimentos que devem ser observados quando da execução das verificações subsequentes de cronotacógrafos. VERIFICAÇÃO SUBSEQUENTE DE CRONOTACÓGRAFOS NORMA N o NIE-DIMEL-100 APROVADA EM SET/21 N o /09 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidade 4. Documentos Referência 5. Documentos Complementares

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100

RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100 RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100 1. Introdução Geral O rugosímetro de superfície TIME TR100/TR101 é uma nova geração de produto desenvolvido por TIME Group Inc. Tem como características uma maior

Leia mais

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração Temperatura Fundamentos teóricos A temperatura é uma grandeza que caracteriza os sistemas termodinâmicos em equilíbrio térmico. Por definição, dois sistemas em equilíbrio térmico estão à mesma temperatura.

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO Thiago Brito P. de Souza 1, Marcelo Melo da Costa, Thiago

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de instalação, operação e manutenção do sistema de monitoramento de poços ECR. Cuidados

Leia mais

Balança pesa pessoas até 150 Kg com precisão de 50g, modelo MAX 21

Balança pesa pessoas até 150 Kg com precisão de 50g, modelo MAX 21 Balança pesa pessoas até 150 Kg com precisão de 50g, modelo MAX 21 Apresenta no ticket, o nome e morada da farmácia, peso, altura, peso ideal, IMC, menu de dietas, data/hora e nove linhas de publicidade

Leia mais

PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574

PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574 PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574 Ementa: Realização da Prova do Laço por Técnico e Auxiliar de Enfermagem. 1. Do fato Profissional

Leia mais

CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM

CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM VOCABULÁRIO UM POUCO DE HISTÓRIA GRANDEZA DA MASSA RASTREABILIDADE NA GRANDEZA DA MASSA CONCEITOS METROLÓGICOS E NORMATIVOS METROLOGIA: CIENTIFÍCA E LEGAL ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 223, de 18 de dezembro de 1996. O Diretor

Leia mais

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006.

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos Série P3000 Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000 Dados técnicos Recursos A pressão varia de Vácuo até 2.000 psi (140 bar) Precisão superior a 0,015 % de leitura. (Opção de precisão aumentada

Leia mais

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE Catálogo Técnico INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE CATÁLOGO TÉCNICO... 1 INTRODUÇÃO... 2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 2 DADOS TÉCNICOS... 3 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES INDICADOR DIGITAL IDP204

MANUAL DE INSTRUÇÕES INDICADOR DIGITAL IDP204 MANUAL DE INSTRUÇÕES INDICADOR DIGITAL IDP204 VERSÃO WEB JUNHO/2008 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Display : Led vermelho de alto brilho (13 mm). Teclado : 4 teclas ( Menu,Entra,Sobe e Desce ) Configuração:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 167, de 05 de dezembro de 2000. O

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia.

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia. Contador Digital de Eventos Série ZCE-S Descrição do Produto Equipamento microprocessado que permite conexão com dispositivos geradores de pulsos (encoders lineares ou rotativos, sensores ópticos, indutivos

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 116, de 27 de outubro de 1999.

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico SISEL Sistemas Electromecânicos Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico GRIS Group of Robotics and Intelligent Systems Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~gris Email:

Leia mais

Operação: Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL).

Operação: Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL). Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL). Operação: Nos motores de ignição por compressão, apenas ar é induzido para dentro do cilindro no tempo de admissão.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Inmetro, no exercício da delegação de competência outorgada

Leia mais

Série PC EMIC. Prensas de Compressão para Laboratório

Série PC EMIC. Prensas de Compressão para Laboratório Série PC EMIC Prensas de Compressão para Laboratório 2 Tome uma Decisão Segura Desempenho e Aceitação no Mercado As tradicionais Prensas de Compressão da EMIC são as mais requisitadas pelos laboratórios

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Responsável Técnico: Juan Goro Moriya Moriya C.R.E.A-SP n.º 0600.289.359

INSTRUÇÕES DE USO. Responsável Técnico: Juan Goro Moriya Moriya C.R.E.A-SP n.º 0600.289.359 Painel de Alarme Moriya Modelos 800.200 - Painel de Alarme para Oxigênio 800.201 - Painel de Alarme para Ar Comprimido 800.202 - Painel de Alarme para Vácuo 800.203 - Painel de Alarme para Óxido Nitroso

Leia mais

Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina

Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina Ovídio Bessa Leite Neto Chefe de Serviço de Tecnologia do Gás CEG/CEG RIO 1854

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

Sistemas Premissas Básicas

Sistemas Premissas Básicas Sistemas Premissas Básicas Todo o sistema tem um OBJETIVO Geralmente, o objetivo de um sistema é transformar os insumos em produtos Todo o sistema é formado por um ou mais elementos, ou componentes, das

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 094, de 24 de setembro de 1999.

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP 1. Previamente à inspeção, o veículo depois de recepcionado no Centro de Inspeção, deve ser direcionado

Leia mais