Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul"

Transcrição

1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Matemática - Departamento de Matemática Estruturas Algébricas Prof. M.Sc. Guilherme Luís Roëhe Vaccaro Prof. M.Sc. Eliane Allgayer Canto Versão deste material: Porto Alegre, agosto de Este material é de apoio para a disciplina de Estruturas Algébricas, oferecida ao curso de Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, não tendo a pretensão de esgotar os assuntos aqui abordados, mas sim de enfocar os aspectos importantes para o uso em Informática. O relato de quaisquer erros ou outras sugestões e criticas construtivas será sempre bem-vindo. Não alterar este material!

2 Estruturas Algébricas i Sumário 1 Introdução e Conceitos Básicos Comentários Iniciais Conjunto, Elemento & Relação de Pertença Exemplos Notações Observações Importantes Formas de Representação de Conjuntos Por Extensão Por Compreensão Por Gráficos Por Diagramas de Venn Conjunto Vazio & Conjunto Universo Notações Observações Uma Propriedade Importante Intervalos 5 2 Relações Entre Conjuntos Inclusão Exemplos Propriedades Exemplos Observações Inclusão Estrita Exemplos Propriedades Igualdade Exemplos Propriedades 8 3 Operações Entre Conjuntos União Exemplos Propriedades Observação Importante Exemplos Interseção Exemplos Propriedades 11

3 Estruturas Algébricas ii Observação Importante Exemplos Propriedades Comuns à União e à Interseção Diferença Exemplos Propriedades Observação Importante Complementação Exemplos Propriedades Exemplos Uma Identidade Fundamental Leis de De Morgan Diferença Simétrica Exemplos Propriedades Exemplo 15 4 Produto Cartesiano Seqüências Ordenadas de Elementos Produto Cartesiano de Dois Conjuntos Definição Exemplos Propriedades Observação Importante Exemplos Observação: Produto Cartesiano de Três Conjuntos 19 5 Guia de Consulta Rápida Notação Propriedades das Relações Entre Conjuntos Propriedades Fundamentais das Operações Entre Conjuntos Propriedades Auxiliares das Operações Entre Conjuntos Propriedades do Produto Cartesiano 22 6 Exercícios 23 7 Respostas dos Exercícios 25

4 Estruturas Algébricas 1 1 Introdução e Conceitos Básicos 1.1 Comentários Iniciais Conjuntos são fundamentais para a formalização de qualquer teoria. Uma teoria é normalmente construída a partir de um conjunto de pressupostos básicos (axiomas), os quais fazem referência a um conjunto de elementos primitivos (que não precisam ser definidos). A partir destes elementos, e utilizando um conjunto de regras de inferência (tais como as leis e propriedades da Lógica Matemática), é criado um conjunto de propriedades, enunciados e provados através de teoremas. Em particular, em Informática e Ciência da Computação, a Teoria de Conjuntos apresenta-se das mais diversas formas: Como fundamento para a construção das Álgebras Booleanas, cerne da Computação Digital; Como fundamento teórico para o desenvolvimento e validação da Teoria de Bancos de Dados; Como fundamento teórico para o desenvolvimento de Linguagens Formais; Etc. 1.2 Conjunto, Elemento & Relação de Pertença Os conceitos primitivos da Teoria de Conjuntos são: Conjunto Elemento Relação de Pertença (ou Relação de Pertinência) Não se pode definir um destes conceitos sem fazer referência aos demais. Com efeito: Um conjunto é uma reunião de elementos segundo uma característica comum; Um elemento é uma entidade que pertence a um conjunto; A relação de pertença indica se um elemento pertence a um conjunto ou não. Se o elemento pertence ao conjunto é porque possui a característica de define aquele conjunto, e vice-versa. Todos estes conceitos podem ser resumidos em uma expressão: um elemento pertence a um conjunto Exemplos São exemplos de conjuntos: (a). A = { a } (b). B = { 0, 3, 6, 9, 12, 15,... } (c). C = { 1, 2, 3, 4, 6, 12,... } (d). D = { Terra, Sol, Lua }

5 Estruturas Algébricas Notações A seguinte notação é a usual em Teoria de Conjuntos: Elementos: são normalmente representados por letras latinas minúsculas Exemplos: a, b, c,... Conjuntos: são normalmente representados por letras latinas MAIÚSCULAS Exemplos: A, B, C,... Relação de Pertença: é representada pelo símbolo, criado por Georg Cantor. x A significa o elemento x pertence ao conjunto A x A significa o elemento x não pertence ao conjunto A Observações Importantes A definição de um conjunto é sempre feita através de uma igualdade =. Quando definidos em termos de seus elementos, conjuntos são sempre representados por expressões entre chaves. Exemplo: A = { 1, 2, 3 } 1.3 Formas de Representação de Conjuntos Há diversas formas de representação de conjuntos. Algumas são mais adequadas para a compreensão de propriedades e características. Outras, são necessárias para a demonstração de teoremas, comprovação de propriedades, ou mesmo, para simplificação da representação Por Extensão Consiste em descrever, um a um, todos os elementos do conjunto. Em conjuntos com muitos ou mesmo infinitos elementos podem ser usadas expressões indicando a lei de formação dos elementos pertencentes ao conjunto Exemplos (a). A = { C++, Delphi, Smalltalk, Java,... } (b). B = { análise, projeto, implementação, teste, correção, término } (c). C = { 1, 3, 5 } (d). D = { N, R, Q, I, C } (e). E = { ( 2, sair da cama ), ( 4, acordar ), ( 3, escovar os dentes ), ( 1, abrir os olhos ) } (f). F = { a, e, i, o, u } (g). G = { (1, a), (3, b), (5, c) } Observações Pontos positivos: permite a visualização de todos os elementos do conjunto, facilitando raciocínios de inspeção. Pontos negativos: só é prática ao se trabalhar com conjuntos finitos e com poucos elementos.

6 Estruturas Algébricas Por Compreensão Consiste em descrever o conjunto através de uma propriedade lógica (uma proposição) comum a todos seus elementos Exemplos (a). C = { x / x N x é ímpar x 5 } (b). F = { z / z é múltiplo de 4 } (c). U = { T / T é conjunto } (d). G = { ( x, y ) / x R y = x + 1 } (e). Q = { x / x = n m m Z n Z* } = { n m / m Z n Z* } (f). S = { x / x N } ou, simplesmente, S = N (g). P = { k / k = 2 n n N } Observações Pontos positivos: sucinta, fácil de manipular, formal e útil para o desenvolvimento de raciocínios. Permite representar conjuntos com muitos (ou infinitos) elementos. Pontos negativos: não permite a visualização direta dos elementos, exige a determinação formal de uma proposição para a propriedade que define o conjunto Por Gráficos Consiste em descrever o conjunto através de gráficos cartesianos Exemplos (a). A = { x R / -1 x < 2 } -1 2 R (b). B = { ( x, y ) / x Z y R } R Z Observações Pontos positivos: São úteis para a compreensão de propriedades gráficas. Pontos negativos: Em geral são difíceis de construir.

7 Estruturas Algébricas Por Diagramas de Venn Diagramas de Venn são representações esquemáticas de conjuntos Exemplos (a). A = { 1, 2, 3 } A (b). B = { 1, 2, 4 } C = { 2, 3, 4, 6 } B C Observações Pontos positivos: São úteis apenas para a compreensão de propriedades através de exemplos. Pontos negativos: Não podem ser usados em provas formais, pois não são capazes de representar propriedades de forma abstrata. Somente podem representar conjuntos finitos e discretos Conjunto Vazio & Conjunto Universo Outros elementos primitivos da Teoria de Conjuntos são o conjunto universo o conjunto vazio O conjunto universo é definido como o conjunto que contém todos os conjuntos. Isto é, é um conjunto do qual são tirados todos os elementos usados para a criação dos conjuntos com os quais se está trabalhando. Sua existência é fundamental para garantir a coerência da Teoria de Conjuntos. O conjunto vazio é definido como um conjunto que não possui elementos. Sua existência também é fundamental para a definição das operações entre conjuntos Notações Conjunto Universo: usualmente representado pelo símbolo U. Conjunto Vazio: usualmente representado pelos símbolos ou { } Observações Há muitas formas de se definir, por compreensão, estes conjuntos. Por exemplo: U = { x / x = x } = { x / x existe } 1 Isto é, cujos elementos não necessitam ser dispostos de forma contígua, ou seja, podem ser contados com os dedos. Formalmente diz-se que a propriedade de densidade não é satisfeita, ou seja, que, chegará o momento que entre dois elementos quaisquer do conjunto não será possível encontrar outro elemento do mesmo conjunto. Por exemplo, no conjunto dos números naturais, N, não é possível encontrar outro número natural entre 2 e 3. O mesmo acontece com todos os naturais consecutivos...

8 Estruturas Algébricas 5 = { x / x x } = { x R / x > x+1 } = { x R / x 2 < 0 } Observe também que: { }. Por quê? Uma Propriedade Importante Proposição: O conjunto vazio é único. Demonstração 2 : Sejam A 1 e A 2 dois conjuntos vazios. A 1 A 2, pois ( x) (x A 1 x A 2 ) é verdadeira, já que x A 1 é sempre falso. Da mesma forma, ( x) (x A 2 x A 1 ) é verdadeira; assim A 2 A 1. Portanto, ( x) (x A 1 x A 2 ). Logo, A 1 = A Intervalos Intervalos são conjuntos de números reais. Devido a sua importância e para facilitar sua escrita, foi adotada a seguinte notação: Notação de Conjunto Notação de Intervalo { x R / a x b } [ a ; b ] { x R / a < x b } { x R / a x < b } { x R / a < x < b } ( a ; b ] ] a ; b ] [ a ; b ) [ a ; b [ ( a ; b ) ] a ; b [ 2 Explicação da Demonstração: Vamos demonstrar isto através de um raciocínio denominado por contradição ou redução ao absurdo. A idéia da prova é simples, apesar de os detalhes poderem ser um pouco indigestos para o leitor de primeira viagem... Queremos mostrar que o conjunto vazio é único. Pois bem: Inicialmente, vamos supor, por mais absurdo que seja, que existam dois conjuntos vazios diferentes; Em seguida, vamos chegar à conclusão de que isto não pode acontecer. Então estaremos mostrando que não há outra alternativa a não ser existir somente um conjunto vazio.

9 Estruturas Algébricas 6 2 Relações Entre Conjuntos O relacionamento entre conjuntos é o que torna a Teoria de Conjuntos útil. Este tópico será oportunamente abordado de forma mais geral posteriormente. Por hora, será suficiente compreender as relações básicas apresentadas a seguir. No entanto, é fundamental compreender que o relacionamento entre conjuntos é sempre feito através de proposições. Isto é, uma relação entre dois entes sempre gera uma proposição. 2.1 Inclusão Dados dois conjuntos, A e B, diz-se que A está contido em B se e somente se qualquer elemento de A for também elemento de B. Nestas condições escreve-se A B. Em notação lógica: A B ( x) (x A x B) Exemplos (a). N Z (b). { x Z / ( y Z )( y = 6x ) } { x Z / ( y Z )( y = 2x ) } (c). { x / x é par } { x / 2 x Z } Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A A A (Reflexividade) ( A B ) ( B C ) A C (Transitividade) Prova: Seja A um conjunto. Então: A Pela definição de inclusão temos que ( x)( x x A ). Como a primeira proposição é falsa, então a implicação é verdadeira. Logo, A. (Reflexividade) Seja A um conjunto. Então: A A ( x)( x A x A ), já que x A é uma proposição verdadeira, então a implicação é verdadeira. (Transitividade) Sejam A, B, C conjuntos. Então A B B C A C Seja x A. Como A B, temos que x B. Da mesma forma, como x B e B C, então x C. Logo, podemos concluir que A C.

10 Estruturas Algébricas Exemplos (a). N Z Z Q N Q (b). { x / x é par } { x / 2 x Z } { x / 2 x Z } { x / x é par } { x / x é par } = { x / 2 x Z } Observações Pode-se também dizer que B contém A, denotando por B A. Em Teoria da Computação é muito comum se utilizar a notação em vez de. Isto porque a intepretação da inclusão é feita de maneira diferente: Ao se escrever A B está-se dizendo que B contém todos os elementos de A e, provavelmente, mais alguns. Ao se escrever A B, que matematicamente é a mesma coisa, está-se dando a interpretação de que A possui mais qualidade de informação que B, pois possui menos elementos que B. 2.2 Inclusão Estrita Dados dois conjuntos, A e B, diz-se que A está estritamente contido em B se e somente se qualquer elemento de A for também elemento de B, mas A for diferente de B. Nestas condições escreve-se A B. Em notação lógica: A B ( x)( x A x B ) ( y B / y A ) Exemplos (a). N Z (b). Z R Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A A ( A B ) ( B C ) A C (Transitividade) Não provaremos as propriedades acima pelo fato de as demonstrações serem semelhantes às apresentadas para a relação de Inclusão. 2.3 Igualdade Dois conjuntos, A e B, são iguais se e somente se tiverem exatamente os mesmos elementos. Nestas condições escreve-se A = B. Em notação lógica: A = B ( x)( x A x B )

11 Estruturas Algébricas Exemplos (a). { 3, 3 } = { x / x 2 = 3 } (b). { -4, -2, -1, 1, 2, 4 } = { x / x é divisor de 4 } x (c). { x / x é par } = { x / Z } Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A = A (Reflexividade) A = B B = A (Simetria) ( A = B ) ( B = C ) A = C (Transitividade) Prova: (Reflexividade) Seja A um conjunto. Então: A = A Para todo x, x A se e somente se x A. Como a primeira proposição é verdadeira, logo a equivalência é verdadeira. (Simetria) Sejam A e B conjuntos tais que A = B. Então: B = A Como A = B para todo x, x A se e somente se x B. Pela equivalência lógica ( p q ) ( p q ) (q p), vem que ( x ) ( x A x B ). Assim, temos que B A. Desta forma, A B e B A. Logo, B = A. (Transitividade) Sejam A, B, C conjuntos, tais que A = B e B = C A = C Como A = B, pela hipótese, então A B e B A. Tomando B = C, temos que B C e C B. Como A B e B C, pela propriedade transitiva da inclusão, vem que A C e C A. Logo, A = C.

12 Estruturas Algébricas 9 3 Operações Entre Conjuntos Relações e Operações não são sinônimos. Enquanto que as relações ( igualdade, inclusão,... ) são essencialmente formas de comparar conjuntos, as operações são formas de se criar novos conjuntos a partir de conjuntos já existentes. Na verdade, a definição de operações entre conjuntos permite-nos construir uma Estrutura Algébrica de Conjuntos, de forma semelhante à Estrutura Algébrica das Proposições. Finalmente, é importante notar que uma operação entre conjuntos sempre gera um novo conjunto como resposta. 3.1 União Dados dois conjuntos, A e B, a operação de união gera um novo conjunto cujos elementos são provenientes tanto de A, como de B. O conjunto união de A e B é denotado por A B. Em notação lógica: A B = { x / x A x B } Exemplos (a). Sejam A = { a, b, c } e B = { a, b, d }. Então A B = { a, b, c, d } (b). Sejam A = e B = { 1, 2, 4 }. Então A B = { 1, 2, 4 } (c). Sejam A = U e B = { 1, 2, 4 }. Então A B =U Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A B = B A (Comutatividade) ( A B ) C = A ( B C ) (Associatividade) A A = A (Idempotência) A = A (elemento neutro) A U = U (elemento absorvente) Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da definição de união, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe Observação Importante Note que ( A B ) C = A ( B C ) = A B C pois, pela propriedade de associatividade, tanto faz resolver primeiro a união de A com B como a de B com C.

13 Estruturas Algébricas Exemplos Exemplo N Z = Z, pois N Z Seja x N Z. Então, x N, ou x Z. Como N Z, então podemos concluir que x Z. Por outro lado, se x Z, então x N Z. Logo, N Z = Z Exemplo Mostre que, sendo A e B conjuntos, então A A B. Demonstração: Sejam A e B conjuntos. ( x) (x A * x A x B x A B) * p p q Exemplo Mostre que ( A, B )( A B A B = B ). Demonstração: Sejam A e B conjuntos, tais que Caso 1: Seja x A B. Então x A ou x B. Como x B, temos que A B B. Logo, A B = B Caso 2: Seja x B. Como B A B e A B B. Logo, A B = B Logo ( A, B )( A B A B = B ). 3.2 Interseção Dados dois conjuntos, A e B, a operação de interseção gera um novo conjunto cujos elementos devem ser os comuns a A e B. O conjunto interseção de A e B é denotado por A B. Em notação lógica: A B = { x U / x A x B } Exemplos (a). Sejam A = { a, b, c } e B = { a, b, d }. Então A B = { a, b } (b). Sejam A = {,, } e B = {, }. Então A B = (c). Sejam A = e B = { 1, 2, 4 }. Então A B = (d). Sejam A = U e B = { 1, 2, 4 }. Então A B = { 1, 2, 4 }

14 Estruturas Algébricas Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A B = B A (Comutatividade) ( A B ) C = A ( B C ) (Associatividade) A A = A (Idempotência) A = (elemento absorvente) A U = A (elemento neutro) Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da definição de interseção, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe Observação Importante Note que ( A B ) C = A ( B C ) = A B C pois, pela propriedade de associatividade, tanto faz resolver primeiro a interseção de A com B como a de B com C Exemplos Exemplo Mostre que ( A )( A = ). Demonstração: Seja A um conjunto. Então A = Vamos supor que A. Então existe x A. Assim, x A e x. Porém, x é falso. Então x A é falso. Logo, A = Exemplo Mostre que ( A, B )( A B A B = A ). Demonstração: Sejam A e B conjuntos, tais que A B. Mostraremos a tese observando que A B = A ( A B A ) ( A A B ). Caso 1: Seja x A B. Então: x A B x A x B x A Logo, A B A Caso 2: Seja x A. Se x A, então, pela hipótese, x B, pois A B x, x A x B V. Logo, A B A A B Logo ( A, B )( A B A B = A ).

15 Estruturas Algébricas Propriedades Comuns à União e à Interseção Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade da união em relação à interseção) ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade da interseção em relação à união) ( A B ) A = A (Absorção) ( A B ) A = A (Absorção) Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da associação com propriedades dos operadores lógicos, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe. 3.4 Diferença Dados dois conjuntos, A e B, a operação de diferença entre A e B gera um novo conjunto cujos elementos são aqueles que pertencem a A, mas não pertencem a B. O conjunto diferença de A e B é denotado por A B. Em notação lógica: A B = { x / x A x B } Exemplos (a). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 2, 4 }. Então A B = { 1, 3 } (b). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 4, 5, 6 }. Então A B = { 1, 2, 3 } (c). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = {,,, }. Então A B = { 1, 2, 3 } (d). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B =. Então A B = { 1, 2, 3 } (e). Sejam A = { x N / x é múltiplo de 5 } e B = { x N / x é par }. Então A B = { 5, 15, 25, 35,... } Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A B A A B = A B = A A B = A B = C A = C B ( A B ) B = ( A B ) B = A B ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade) ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade) A = A A U = A = Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da definição de diferença de conjuntos, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe.

16 Estruturas Algébricas Observação Importante Note que, em geral a comutatividade não é válida. Isto é, para A e B conjuntos, A B B A, em geral. 3.5 Complementação Sejam A e E conjuntos tais que A E. Então: Define-se o conjunto complementar de A em relação a E como o conjunto formado por todos os elementos de E que não pertencem a A. Neste caso, o conjunto complementar é denotado por C E A, por A E ou por A E. Em notação lógica: C E A = { x / x E x A } Um caso particular, mas muito útil, é o conjunto complementar de A em relação ao conjunto universo. Neste caso, temos E = U. Então o conjunto complementar é denotado por CA, por A ou por A. Em notação lógica: A = { x U / x A } Observação: A Complementação é um caso particular (muito importante) da operação de diferença Exemplos (a). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 2 }. Então C B A não está definido, pois A B. (b). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 1,2, 3, 4, 5, 6 }. Então C B A = {4, 5, 6} (c). Seja A = { 1, 2, 3 }. Então A N = { 0, 4, 5, 6,...} Propriedades Sejam A, B e E conjuntos tais que A E e B E. Então são válidas as seguintes propriedades: Propriedade geral Em particular ( A E ) E = A. ( A ) = A. A B B E A E A B B A A E A = E A A = U A E A = A A = ( U ) = ( ) = U Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da definição de diferença de conjuntos, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe.

17 Estruturas Algébricas Exemplos Exemplo Mostre que ( U ) =. Demonstração: Pela definição de conjunto complementar, temos que ( U )' é o complementar de ( U )em relação ao conjunto Universo. Como U é o próprio conjunto universo. Logo, só podemos ter ( U )' = Exemplo Mostre que ( A, B )( A B A = ) Demonstração: Seja x A B. Assim x A e x B. Como x A, pela definição de complementar, x A'. Assim, podemos concluir que se x A B, então x A'. Logo, A B A' = Uma Identidade Fundamental Sejam A e B conjuntos. Então A B = A B. Demonstração: Seja x A B, então x A e x B. Assim, x B'. Como x A e x B', então x A B'. 3.6 Leis de De Morgan Sejam A e B conjuntos. São válidas as seguintes propriedades: ( A B ) = A B ( A B ) = A B Vamos demonstrar a primeira destas propriedades. A demonstração da outra é similar e poderá ser feita seguindo os passos aqui apresentados. Demonstração: Sejam A e B conjuntos. Seja x ( A B ). Então: x A' B' x ( A B ) x U x A B. Seja x (A B)', pela definição de complementar, x A B. Então x U, mas x A e x B. Assim, x A' e x B'. Logo, x A' B'. 3.7 Diferença Simétrica Dados dois conjuntos, A e B, define-se a diferença simétrica entre A e B como o conjunto formado por todos os elementos que pertencem a apenas um conjuntos. Isto é, o conjunto resultante da diferença simétrica entre A e B é o conjunto formado por todos os elementos que pertencem a A e não pertencem a B, juntamente com os elementos que pertencem a B e não pertencem a A. A notação utilizada para representar este conjunto é A B.

18 Estruturas Algébricas 15 Em notação lógica: A B = { x / ( x A x B ) ( x B x A ) } = (A B) (B A) Exemplos (a). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 2, 3, 4 }. Então A B = { 1 } { 4 } (b). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 4, 5, 6 }. Então A B = { 1, 2, 3 } { 4, 5, 6 } (c). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 3, 6, 9 }. Então A B = {1, 2 } { 6, 9} Propriedades Sejam A, B e C conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A B = ( A B ) ( B A ) A B = ( A B ) ( B A ) A B = B A (Comutatividade) ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade) ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade) A = A A B = A B = A B Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da definição de diferença de conjuntos, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe Exemplo Mostre que Demonstração: ( A, B )( ( A B ) ( B A ) = ( A B ) ( B A ) ) Sejam A e B conjuntos. Seja x (A B) (B A). Então x (A B) ou x (B A). Como x ( A B ), então x A e x B. Assim, x A B e x B A. Logo, x (A B) (B A). Um outro modo: Demonstração: Sejam A e B conjuntos. Seja x (A B) (B A). Então x (A B) e x (B A). Como x (A B), então x A ou x B. Porém, x (B A), então x B ou x A. Logo, x (A B) (B A).

19 Estruturas Algébricas 16 4 Produto Cartesiano O produto cartesiano de conjuntos ocupa lugar de destaque dentre as operações definidas na Teoria de Conjuntos, principalmente no que toca as suas aplicações à Informática. Isto porque permite definir conjuntos de natureza diferente dos originais, através da associação ordenada de seus elementos. Aplicações comuns do produto cartesiano são, entre outras: gráficos; especificação de relações entre conjuntos de dados; representação de regras lógicas através de relações. 4.1 Seqüências Ordenadas de Elementos Seqüências ordenadas de elementos (ou n-uplas ordenadas) são arranjos de elementos de forma seqüencial. Há diversas formas de se representar tais seqüências, tais como vetores ou matrizes linha. Na Teoria de Conjuntos, a representação adequada para uma seqüência ordenada de n elementos é dada da seguinte forma: ( a 1, a 2, a 3,..., a n ) Vale ressaltar que as seqüências ( a 1, a 2, a 3,..., a n ) e ( a 2, a 1, a 3,..., a n ) não são iguais, por exemplo. Além disso, observe-se que a natureza dos elementos a i (1 i n ) não precisa ser a mesma. Isto é, a 1 pode ser um número, enquanto que a 2 pode ser um nome, por exemplo. O importante é perceber que cada posição define a natureza do elemento que ali pode ser colocado. O conceito de seqüência ordenada é fundamental em Informática, pois é usado como fundamento para a definição de listas ordenadas, de vetores e de registros de bancos de dados. Por exemplo, os registros de banco de dados Número Nome Idade Cidade 1 João 20 Porto Alegre 2 Maria 19 Caxias do Sul Podem ser conceitualmente representados pelas tetra-uplas: ( 1, João, 20, Porto Alegre ) (2, Maria, 19, Caxias do Sul ) Matematicamente, os tipos mais usados de seqüências ordenadas são: Pares Ordenados: Um par ordenado é uma seqüência ordenada de dois elementos. Exemplos: ( 1, 2 ), ( a, 1 ), ( Informática, 401 ), ( ( nome, endereço ), código )

20 Estruturas Algébricas 17 Ternas Ordenadas: Uma terna ordenada é uma seqüência ordenada de três elementos. Exemplos: ( 1, 2, 3 ), ( a, 1, v ), ( Informática, 401, PUCRS ), ( ( nome, endereço ), código, saldo ) 4.2 Produto Cartesiano de Dois Conjuntos Definição Sejam A e B conjuntos. O produto cartesiano de A e B é o conjunto formado por pares ordenados cujo primeiro elemento é proveniente de A e o segundo, de B. Este conjunto é denotado por A x B. Em notação lógica: A x B = { ( x, y ) / x A y B } Exemplos (a). Sejam A = { 1, 2, 3 } e B = { 4, 5 }. Então: A x B = { ( 1, 4 ), ( 1, 5 ), ( 2, 4 ), ( 2, 5 ), ( 3, 4 ), ( 3, 5 ) } B x A = { ( 4, 1 ), ( 4, 2 ), ( 4, 3 ), ( 5, 1 ), ( 5, 2 ), ( 5, 3 ) } Estes conjuntos podem ser representados pelos gráficos abaixo: Em particular, observe que A x B B x A. (b). Sejam A = [ 1, 2 ] e B = [ 3, 4 ). Então, o produto A x B pode ser representado pelo gráfico ao lado.

21 Estruturas Algébricas 18 (c). O plano cartesiano é dado pelo conjunto R x R. Observação: Uma outra notação para R x R é R 2, mas isto nada tem a ver com elevar os números reais ao quadrado! É apenas uma notação!!! (d). Sejam A = { -1, 1 } e B = [ -2, 3 ]. O produto cartesiano A x B é o conjunto representado no gráfico ao lado. (e). Sejam A = e B = [ 2, 3 ]. Então: A x B = B x A = Propriedades Sejam A, B, C e D conjuntos. Então são válidas as seguintes propriedades: A x ( B C ) = ( A x B ) ( A x C ) A x ( B C ) = ( A x B ) ( A x C ) A B A x C B x C ( A x B ) ( C x D ) = ( A C ) x ( B D ) A x B = ( A = ) ( B = ) A x B = B x A ( A = ) ( B = ) ( A = B ) Observação: As provas das propriedades acima são obtidas a partir da definição de diferença de conjuntos, não sendo apresentadas aqui, mas deixadas a título de exercício de aula ou extra-classe Observação Importante Note que, em geral a comutatividade não é válida. Isto é, para A e B conjuntos, Exemplos A x B B x A, em geral Exemplo Determine { x N / ( x 1 )( x 3 ) = 0 } x { x N / ( x 2 )( x 3 ) = 0 }. Solução: { 1, 3 } x { 2, 3 } = { ( 1, 2 ), ( 1, 3 ), ( 3, 2 ), ( 3, 3 ) } Exemplo Encontre o valor lógico da proposição ( A, B, C )( A x C = B x C A = B ) Solução: Seja ( x, y ) A x C. Então x A e y C. Como A x C = B x C, então ( x, y ) B x C. Assim, x B e y C. Logo, A = B. Logo, a proposição é verdadeira.

22 Estruturas Algébricas Exemplo Represente graficamente o subconjunto do produto cartesiano R 2 definido por S = { ( x, y ) / x+y 1 }. Solução: 4.3 Observação: Produto Cartesiano de Três Conjuntos Sejam A, B e C conjuntos. O produto cartesiano de A, B e C é o conjunto formado por ternas ordenadas cujo primeiro elemento é proveniente de A, o segundo, de B e o terceiro, de C. Este conjunto é denotado por A x B x C. Em notação lógica: Note que A x B x C = { ( x, y, z ) / x A y B z C } Da mesma forma Por quê? ( A x B ) x C A x B x C A x ( B x C ) A x B x C Observe que os elementos do conjunto gerado por A x ( B x C ) serão, na verdade, pares ordenados! No entanto, os elementos do conjunto gerado pela operação de produto cartesiano triplo, A x B x C, serão ternas ordenadas. Isto fica mais fácil de se entender se descrevermos os conjuntos em termos de seus elementos: Utilizaremos, apenas por simplicidade, a variável x para referir aos elementos do conjunto A, a variável y para referir aos elementos do conjunto B e a variável z para referir aos de C. Isto é: A = { x / x A } B = { y / y B } C = { z / z C } Então: B x C = { ( y, z ) / y B z C } Ora, mas A x ( B x C ) = { ( x, w ) / x A w B x C } Da definição acima, temos que = { ( x, ( y, z ) ) / x A y B z C } A x B x C = { ( x, y, z ) / x A y B z C } Observe-se, então, que a proposição que define os conjuntos é a mesma, mas a estrutura dos elementos, não!

23 Estruturas Algébricas 20 5 Guia de Consulta Rápida 5.1 Notação Conjuntos Elementos = A E ou C E A A ou CA x Representados sempre usando chaves. A única exceção é feita aos intervalos, que possuem notação própria. Os nomes são dados por letras maiúsculas. A atribuição é feita pelo sinal de igualdade. Exemplo: A = { 1, 2, 3 }. Representados por letras minúsculas. Um elemento pertence a um conjunto. Exemplo: x R. Relação de pertença. Um elemento pertence a um conjunto. Negação da relação de pertença. Indica que um elemento não pertence a um conjunto. Escrever x A é o mesmo que escrever ( x A ). Relação de igualdade. A = B ( x )( x A x B ) Relação de inclusão. A B ( x )( x A x B ) Relação de inclusão estrita A B ( x )( x A x B ) ( y )( y B y A ) Negação da relação de inclusão. A B ( x )( x A x B ) Operação de união. A B = { x / x A x B } Operação de Interseção. A B = { x / x A x B } Operação de Diferença. A B = { x / x A x B } Operação de Complementação do conjunto A em relação ao conjunto E. A E A E = E A = { x / x E x A } Operação de Complementação do conjunto A em relação ao conjunto Universo. A = U A = { x / x A } Operação de Diferença Simétrica. A B = { x / ( x A x B ) ( x B x A ) } Operação de Produto Cartesiano de dois conjuntos. A x B = { ( x, y ) / x A y B }

24 Estruturas Algébricas Propriedades das Relações Entre Conjuntos Sejam A, B e C conjuntos. Seja o conjunto vazio. Então: (1). A = A (Reflexividade) (2). A = B B = A (Simetria) (3). ( A = B ) ( B = C ) A = C (Transitividade) (4). A (5). A A (Reflexividade) (6). ( A B ) ( B C ) A C (Transitividade) (7). ( A B ) ( B A ) A = B (Anti-Simetria) (8). A A (9). ( A B ) ( B C ) A C (Transitividade) 5.3 Propriedades Fundamentais das Operações Entre Conjuntos Sejam A, B e C conjuntos. Sejam o conjunto vazio e U o conjunto universo. Então: (1). A A = A (Idempotência ou Idemponência) (2). A B = B A (Comutatividade) (3). ( A B ) C = A ( B C ) (Associatividade) (4). A = A (5). A U = U (6). A A = A (Idempotência ou Idemponência) (7). A B = B A (Comutatividade) (8). ( A B ) C = A ( B C ) (Associatividade) (9). A = (10). A U = A (11). ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade da união em relação à interseção) (12). ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (Distributividade da interseção em relação à união) (13). ( A B ) A = A (Absorção) (14). ( A B ) A = A (Absorção) (15). A A = U (16). A A = (17). ( A ) = A ( U ) = ( ) = U (18). ( A B ) = A B (Lei de De Morgan) (19). ( A B ) = A B (Lei de De Morgan)

25 Estruturas Algébricas Propriedades Auxiliares das Operações Entre Conjuntos Sejam A, B e C conjuntos. Sejam o conjunto vazio e U o conjunto universo. Então: (1). A B A (2). A B = A B = A (3). A B = A B = C A = C B (4). ( A B ) B = (5). ( A B ) B = A B (6). ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (7). ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (8). A = A (9). A U = (10). A = (11). ( A E ) E = A. (12). A B B E A E (13). A B B A (14). A E A = E (15). A E A = (16). A B = ( A B ) ( B A ) (17). A B = ( A B ) ( B A ) (18). A B = B A (19). ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (20). ( A B ) C = ( A C ) ( B C ) (21). A = A (22). A B = A B = A B 5.5 Propriedades do Produto Cartesiano Sejam A, B e C conjuntos. Seja o conjunto vazio. Então: (1). A x ( B C ) = ( A x B ) ( A x C ) (2). A x ( B C ) = ( A x B ) ( A x C ) (3). A B A x C B x C (4). ( A x B ) ( C x D ) = ( A C ) x ( B D ) (5). A x B = ( A = ) ( B = ) (6). A x B = B x A ( A = ) ( B = ) ( A = B )

26 Estruturas Algébricas 23 6 Exercícios 1. Descreva cada um dos conjuntos a seguir, listando seus elementos : (a) { x R / x < 2 } (b) { x N / ( y ) ( y é par x y ) } 2. Determine os conjuntos A e B tais que A' = { f, g, h, l }, A B = { d, e } e A B = { a, b, d, e, f }. 3. Sejam A, B e C conjuntos tais que A B e B C. Sejam a, b, c, d, e, f U tais que a A, b B-A, c C-B, d A, e B e f C. Quais das afirmações abaixo são corretas? (a) a C (b) b A (c) c A (d) b B (e) e A (f) f A 4. Sejam A = { ( x, y ) / ( x, y ) está a três unidades do ponto ( 1, 4 ) } e B = { ( x, y ) / ( x 1 ) 2 + ( y 4 ) 2 25 }.Prove que A B. Dica: Pense em termos de circunferências. As fórmulas você encontra no seu material de 2º Grau. 5. programa QUAD encontra e imprime soluções de equações quadráticas da forma a.x 2 + b.x +c = 0. O programa PAR lista todos os inteiros da forma -2n a 2n, para cada n dado. Seja Q o conjunto dos valores de saída de QUAD e E o conjunto dos valores de saída de PAR. Mostre que para a = 1, b = -2,c = -24 e n =50, Q E. 6. Para cada uma das sentenças a seguir, encontre as condições mais gerais possíveis para os conjuntos A e B de modo a tornar as sentenças verdadeiras: (a) A B = A (b) A = (c) A B A B (d) A B = A (e) B - A = 7. Sejam A e B dois conjuntos. Prove que: A B A B = A. 8. Sejam A, B e C conjuntos. Prove que: (a) A - B = B' - A' (b) A ( B - C ) = ( A B ) - ( C - A ) (c) ( A - B )' = A' B 9. Sejam A, B e C conjuntos. Verifique se as proposições abaixo são verdadeiras ou falsas, justificando a sua resposta. (a) A B = C B B - A = B C (b) A ( B - A ) = A B

27 Estruturas Algébricas 24 (c) A B = A C B = C (d) ( A' B' )' = A B (e) ( A B ) - C = A ( B - C ) (f) ( A B )' = B' A B (g) ( A B ) B' = A A B = (h) A B = A B' (i) A - B = A - C B = C (j) A x B = B x A A = B (k) ( A x C ) ( B x C ) = ( A B ) x C (l) ( A B ) C = A ( B C ) (m) A B = ( A B ) - ( A B ) (n) A B A B 10. Sejam os conjuntos A = { 1, 2, 3, 4 }, B = [-2,1] e C = { x R / x x }. Represente graficamente os produtos cartesianos: (a) A x B (c) C x C (b) C x B (d) B x C Seja A um conjunto. Chamamos de Conjunto das Partes de A ao conjunto formado por todos os subconjuntos de A. Notação: P(A) Ex.: A = { 1, 2 } P(A) = {, {1}, {2}, A } 11. Sejam os conjuntos A = { 1 } e B = { 2, 3 }. Determine: (a) P( A B ) (b) P( A B ) B (c) C DxD AxB onde D = { n N n < 8 } 12. De acordo com o nosso uso da palavra conjunto, se A é um subconjunto do conjunto universo S, então qualquer elemento de S ou pertence ou não pertence a A. Em outras palavras, a probabilidade de um elemento x de S pertencer a A é 1 (quando x é um elemento de A) ou 0 (quando x não é um elemento de A).A é um conjunto FUZZY se todo elemento de S tem a probabilidade p, 0 p 1, de ser um elemento de A. A probabilidade p associada a x é uma estimativa da possibilidade de que x possa pertencer a A quando a composição de A é desconhecida. Operações de conjuntos podem ser realizadas com conjuntos FUZZY da seguinte maneira: Se o elemento x tem a probabilidade p 1 de pertencer a A e a probabilidade p 2 de pertencer a B, então a probabilidade de x ser um elemento de A B é dada por p 1 + p 2 p 1.p 2. Seja S um conjunto de possíveis agentes causadores de doenças, S = { genética, vírus, nutrição, bactéria, ambiente }. Os conjuntos FUZZY "AIDS" e "mal de ALZHEIMER" são definidos como: AIDS = { genética, 0.2; vírus, 0.8; nutrição, 0.1; bactéria, 0.4; ambiente, 0.3 } e ALZHEIMER = { genética, 0.7; vírus, 0.4; nutrição, 0.3; bactéria, 0.3; ambiente, 0.4 } Encontre o conjunto FUZZY AIDS ALZHEIMER

28 Estruturas Algébricas 25 7 Respostas dos Exercícios 1. (a). ( -2; 2 ) = { x R / -2 < x < 2 } (b). { 1, 3, 5, 7,..., 2n+1,... } = { x / x = 2n + 1, n N } 2. A = { a, b, d, e }, B = { d, e, f } 3. (a). V (b). F (c). F (d). V (e). V (f). V 4. Seja ( x,y ) A. Então ( x, y ) está a três unidades do ponto ( 1, 4 ). Neste caso temos que ( ( x 1 ) 2 + ( y 4 ) 2 ) 1/2 = 3, ou seja ( x 1 ) 2 + ( y 4 ) 2 = Logo ( x, y ) B. Temos então que ( x, y ), ( x, y ) A ( x, y ) B A B. 5. Q = { -4, 6 } { x Z / -100 x 100 } = E 6. (a) B A (b) A = (c) A = B (d) A B (e) B A 7. Sejam A, B conjuntos tais que A B. Seja x A. Como A B,temos que x B. Então x A x B x A B. Portanto, A A B. Por outro lado, temos que: x A B x A x B. Portanto x A. Temos então que A B A. Desta forma podemos concluir que A B = A. Logo, A B A B = A. 8. (a). Sejam A, B conjuntos. Então: B' - A'= { x / x B' x A'} = { x / x B x A } = { x / x A x B } = A - B Logo, A B = B - A'. (b). Sejam A, B, C conjuntos. Então: x, x A ( B - C ) x A x (B - C) x A ( x B x C ) ( x A x B ) ( x A x C ) x (A B) - (C - A) Logo, A ( B - C ) = (A B) - (C - A).

29 Estruturas Algébricas 26 (c). Sejam A, B conjuntos. x, x (A - B)' x A - B x A x B x A' B Logo, (A - B)' = A' B. 9. OBSERVAÇÃO: Equivalências lógicas usadas em vários itens : p q ( p q ) ( q p ) ( p q ) r ( p r ) ( q r ) ( p q ) r ( p r ) ( q r ) p q p p f p p p v (a). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos tais que A B = C B. B - A = { x / x B x A }. Então: Usando a equivalência lógica p q ( p q ) ( q p ), iremos separar a prova da proposição em duas etapas: x, x B - A x B x A x A B, pois x A. Como A B = C B x C B. Mas, como x B x C. Portanto, x B x C x B - C. Temos então que x, x B - A x B - C. Logo B - A B - C. (Note que há implicações no raciocínio e, então, só vale a ida. Precisamos agora provar a volta!) Por outro lado x, x B - C x B x C x B C, pois x C. Como A B = C B x A B. Mas, como x B x A. Portanto, x B x A x B - A. Temos então que x, x B - C x B - A. Logo B - C B - A. Logo, A B = C B B A = B C. (b). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos. x, x A ( B - A ) x A ( x B x A ) ( x A x B ) (x A x A ) ( x A x B ) x A B. Logo, A ( B - A ) = A B. (c). A proposição é falsa. PROVA: Existem os conjuntos A = { 1, 2 }, B = { 1, 3, 4 } e C = { 1, 5, 9 } tais que: A B = { 1 } A C = { 1 }, ou seja: A B = A C.

30 Estruturas Algébricas 27 Mas B C. Logo, (A B = A C B = C). Logo, a proposição (A B = A C B = C) é falsa. (d). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos. Então, usando uma das leis de De Morgan para conjuntos, temos: ( A' B' )' = ( A' )' (B' ) ' = A B. Logo, ( A' B' )' = A B. (e). A proposição é falsa. PROVA: Existem os conjuntos A = { 1, 2, 3 }, B = { 4, 5 } e C = { 1, 5 } tais que: A B = { 1, 2, 3, 4, 5 } e (A B) - C = {2, 3, 4 } Mas: B - C = { 4, 5 } - { 1, 5 } = { 4 } A ( B - C ) = { 1, 2, 3, 4 } Então, neste caso, (A B) - C A ( B - C ). Logo, a proposição é falsa. (f). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos. Sabemos que ( A B )' = A' B'. Então mostrar que A' B' = B' A B é o mesmo que mostrar a proposição original. Usando a equivalência lógica p q ( p q ) ( q p ), iremos separar a prova da proposição em duas etapas: Parte 1: A' B' = B' A B. Suponhamos que A' B' = B'. x, x A x A' x A' B'. Como A' B' = B então x A' B' x B' x B. Conclusão : x, x A x B. Logo: A' B' = B' A B. Parte 2: A B A' B' = B' Suponhamos que A B. x, x B' x B. Como A B então x B x A x A'. Conclusão: x B' x A' B'. Então B' A' B'. Por outro lado, x, x A' B' x A' x B' x B'. Conclusão: x A' B' x B'. Então A' B' B.

31 Estruturas Algébricas 28 Conclusão final : Por (1) e (2) vem que A' B' = B' A B. (g). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos. Sabemos que dados conjuntos E, F e H quaisquer, temos ( E F ) H = ( E H ) ( F H ). Usando esta propriedade, temos: ( A B ) B' = ( A B' ) ( B B' ) = ( A B' ) = A B'. Então, a proposição A B' = A A B = diz o mesmo que a original. Vamos prová-la dividindo-a em duas partes: Parte 1: A B' = A A B =. Iremos fazer esta prova usando a equivalência lógica p q q p. Isto se chama prova por contraposição. Para isto, escreveremos a proposição na seguinte forma: A B A B' A. PROVA: Suponhamos que A B. Então há pelo menos um elemento nesta intersecção. Isto é: ( x )( x A B ) ( x )( x A x B ). Mas: x A x B x A x B' x A x A B'. Então, A e A B têm pelo menos um elemento diferente. Logo A - A B' A. Logo A B A B' A. Logo A B' = A A B =. Parte 2: A B = A B' = A PROVA : Suponhamos que A B =. x A B x A x B' x A x B. Como A B = então x A x B x A Logo x A. Logo A B = A B' = A. Conclusão: A B' = A A B = Conclusão geral: ( A B ) B' = A A B = (h). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos tais que A B =. Então: x, x A x B, pois A B =. Mas: x B x B'. Logo, x, x A x B'. Conclusão : A B'.

32 Estruturas Algébricas 29 (i). A proposição é falsa. PROVA: Precisamos dividir a proposição em duas partes, usando a equivalência lógica p q ( p q ) ( q p ). Assim, temos de mostrar duas partes: Sejam A, B, C conjuntos. Parte 1: A - B = A - C B = C Suponhamos que A B = A C. Esta proposição é falsa. Com efeito, existem os conjuntos A = { 1, 2 }, B = { 2, 3 } e C = { 2, 4 } tais que A - B = { 1 } e A - C = { 1 } Mas B C. Logo a proposição é falsa. Note que isto é suficiente para mostrar que a proposição A - B = A - C B = C é falsa, em geral. (Apenas como curiosidade, apresentamos uma prova para a validade da parte 2.) Parte 2: B = C A - B = A - C Suponhamos que B = C. Então: A B = A B = A C = A C. Logo, B = C A - B = A - C. (j). A proposição é falsa. PROVA: Precisamos dividir a proposição em duas partes, usando a equivalência lógica p q ( p q ) ( q p ). Assim, temos de mostrar duas partes: Sejam A, B conjuntos. Parte 1: A x B = B x A A = B Suponhamos que A x B = B x A. A proposição é falsa. Se escolhermos A = { 1, 2 } e B =, teremos: A x B = e B x A = Porém A B. Logo, a proposição é falsa, em geral. Note que isto é suficiente para mostrar que a proposição A x B = B x A A = B é falsa, em geral. (Apenas como curiosidade, apresentamos uma prova para a validade da parte 2.) Parte 2: A = B A x B = B x A Suponhamos que A = B. Então: A x B = { ( x, y ) / x A y B } = { ( x, y ) / y B x A } = B x A Logo, A = B A x B = B x A. (k). A proposição é verdadeira. PROVA:

33 Estruturas Algébricas 30 Sejam A, B e C conjuntos. Então: ( x, y ), ( x, y ) (A x C) (B x C) ( x, y ) (A x C) ( x, y ) (B x C) ( x A y C ) ( x B y C ) ( ( x A y C ) x B ) ( ( x A y C ) y C ) ( x A x B ) ( y C x B ) ) ( x A y C ) ( y C y C ) ( x A x B ) ( y C x B ) ) ( x A y C ) y C ( x A x B ) y C ( x, y ) ( A B ) x C. Logo, ( A x C ) ( B x C ) = ( A B ) x C. (l). A proposição é falsa. PROVA: Existem A = { 1, 2 } e B = { 3, 4 }, C = { 4, 5 }. Então: A B = { 1, 2, 3, 4 } e ( A B ) C ={ 4 }. B C = { 4 } e A ( B C ) = {1,2,4 }. Como { 4 } { 1, 2, 4 }, a proposição é falsa, em geral. (m). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos. Então: A B = { x / ( x A x B ) ( x B x A ) } = = { x / ( ( x A x B ) x B ) ( ( x A x B ) x A ) } = = { x / ( x A x B ) ( x A x B ) } = = { x / ( x A x B ) ( x A x B ) } = = { x / x A B x A B } = = ( A B ) - ( A B ). Logo, A B = ( A B ) - ( A B ). (n). A proposição é verdadeira. PROVA: Sejam A e B conjuntos. Então: A B = ( A B ) - (A B ) = { x / x A B x A B } Mas: x, x A B x A B x A B x A B. Então: x, x A B x A B. Conclusão: A B A B.

34 Estruturas Algébricas (a). (b). (c). (d). 11. (a). A x B = { ( 1, 2 ), ( 1, 3 ) } P( A x B ) = {, { ( 1, 2 ) }, { ( 1, 3 ) }, A x B } (b). P( A x B ) x B = { (, 2 ), (, 3 ), ( { ( 1, 2 ) }, 2 ), ( { ( 1, 2 ) }, 3 ), ( { ( 1, 3 ) }, 2 ), ( { ( 1, 3 ) }, 3 ), ( A x B, 2 ), ( A x B, 3 ) } (c). C DxD A x B = 12. AIDS ALZHEIMER = { genética, 0.76; vírus, 0.88; nutrição, 0.37; bactéria, 0.58; ambiente, 0.58 }

Aplicações da teoria de conjuntos álgebra booleana. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Msc. Gustavo Siqueira Vinhal 2016/1

Aplicações da teoria de conjuntos álgebra booleana. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Msc. Gustavo Siqueira Vinhal 2016/1 Aplicações da teoria de conjuntos álgebra booleana Pontifícia Universidade Católica de Goiás Msc. Gustavo Siqueira Vinhal 2016/1 CONJUNTOS Conjuntos são fundamentais para formalização de qualquer teoria.

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

ÁLGEBRA DE BOOLE B.1 - DIAGRAMA DE VENN

ÁLGEBRA DE BOOLE B.1 - DIAGRAMA DE VENN ÁLGEBRA DE BOOLE B.1 - DIAGRAMA DE VENN No século XIX Georges Boole desenvolveu uma teoria matemática com base nas leis da lógica - a Álgebra de Boole - cuja aplicação nos circuitos digitais e computadores

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos Pode-se dizer que a é em grande parte trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). noção de conjunto não é suscetível de definição precisa a partir d noções mais simples, ou seja, é uma noção

Leia mais

Teoria Elementar dos Conjuntos

Teoria Elementar dos Conjuntos Teoria Elementar dos Conjuntos Última revisão em 27 de fevereiro de 2009 Este texto é uma breve revisão sobre teoria elementar dos conjuntos. Em particular, importam-nos os aspectos algébricos no estudo

Leia mais

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 Pode-se dizer que a é, em grande parte, trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). A noção de conjunto não é suscetível

Leia mais

MDI0001 Matemática Discreta Aula 04 Álgebra de Conjuntos

MDI0001 Matemática Discreta Aula 04 Álgebra de Conjuntos MDI0001 Matemática Discreta Aula 04 Álgebra de Conjuntos Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Teoria Elementar dos Conjuntos

Teoria Elementar dos Conjuntos Teoria Elementar dos Conjuntos Este capítulo visa oferecer uma breve revisão sobre teoria elementar dos conjuntos. Além de conceitos básicos importantes em matemática, a sua imprtância reside no fato da

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES Newton José Vieira 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO Teoria dos Conjuntos Relações e Funções Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova 1 CONJUNTOS A NOÇÃO

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Projeto: Fundamentos Matemáticos para Computação INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA DISCRETA 2 Introdução Praticamente qualquer estudo relacionado a computação, teórico ou

Leia mais

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos Tópicos de Matemática Lic. em Ciências da Computação Teoria elementar de conjuntos Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Tóp. de Matemática - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática

Leia mais

Demonstrações. Terminologia Métodos

Demonstrações. Terminologia Métodos Demonstrações Terminologia Métodos Técnicas de Demonstração Uma demonstração é um argumento válido que estabelece a verdade de uma sentença matemática. Técnicas de Demonstração Demonstrações servem para:

Leia mais

Para Computação. Aula de Monitoria - Miniprova

Para Computação. Aula de Monitoria - Miniprova Para Computação Aula de Monitoria - Miniprova 1 2013.1 Roteiro Provas e Proposições Conjuntos Provas e Proposições Proposição - Sentença que ou é verdadeira ou é falsa. ex: Hoje é sábado. -> É uma proposição.

Leia mais

Notas de aula de MAC0329 Álgebra Booleana e Aplicações

Notas de aula de MAC0329 Álgebra Booleana e Aplicações Notas de aula de MAC0329 Álgebra Booleana e Aplicações Nina S. T. Hirata Depto. de Ciência da Computação IME / USP Este texto é uma referência-base para o curso de MAC0329 (Álgebra Booleana e Aplicações).

Leia mais

n. 25 DIAGRAMAS DE VENN

n. 25 DIAGRAMAS DE VENN n. 25 DIAGRAMAS DE VENN Foi o matemático inglês John Venn (1834-1923) que criou os diagramas, com o intuito de facilitar a compreensão na relação de união e intersecção entre conjuntos. John Venn desenvolveu

Leia mais

Notas de aula: Cálculo e Matemática Aplicados às Notas de aula: Ciências dos Alimentos

Notas de aula: Cálculo e Matemática Aplicados às Notas de aula: Ciências dos Alimentos Notas de aula: Cálculo e Matemática Aplicados às Notas de aula: Ciências dos Alimentos 1 Conjuntos Um conjunto está bem caracterizado quando podemos estabelecer com certeza se um elemento pertence ou não

Leia mais

Teoria dos Conjuntos MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES. Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova A NOÇÃO DE CONJUNTO

Teoria dos Conjuntos MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES. Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova A NOÇÃO DE CONJUNTO SUMÁRIO MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES Teoria dos Conjuntos Relações e Funções Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova Newton José Vieira 21 de agosto de 2007 1 A NOÇÃO DE CONJUNTO

Leia mais

Teoria Ingênua dos Conjuntos (naive set theory)

Teoria Ingênua dos Conjuntos (naive set theory) Teoria Ingênua dos Conjuntos (naive set theory) MAT 131-2018 II Pouya Mehdipour 5 de outubro de 2018 Pouya Mehdipour 5 de outubro de 2018 1 / 22 Referências ALENCAR FILHO, E. Iniciação à Lógica Matemática,

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

LFA. Provas formais; Indução; Sintaxe e Semântica Teoria dos Conjuntos

LFA. Provas formais; Indução; Sintaxe e Semântica Teoria dos Conjuntos LFA Provas formais; Indução; Sintaxe e Semântica Teoria dos Conjuntos Técnicas de Demonstração Um teorema é uma proposição do tipo: p q a qual, prova-se, é verdadeira sempre que: p q Técnicas de Demonstração

Leia mais

Lógica e Matemática Discreta

Lógica e Matemática Discreta Lógica e Matemática Discreta Teoria Elementar dos Conjuntos Prof Clezio 04 de Junho de 2010 Curso de Ciência da Computação Noções básicas Um conjunto designa-se geralmente por uma letra latina maiúscula:

Leia mais

Os números naturais. Capítulo Operações em N

Os números naturais. Capítulo Operações em N Capítulo 1 Os números naturais O conjunto dos números naturais, denotado por N, é aquele composto pelos números usados para contar. Na verdade, o mais correto seria dizer que é o conjunto dos números usados

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Licenciatura em Matemática

Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Licenciatura em Matemática Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Licenciatura em Matemática 2014 Na teoria dos conjuntos três noções são aceitas sem denição (noção primitiva):: Conjunto;

Leia mais

Por meio de uma figura fechada, dentro da qual podem-se escrever seus elementos. Diagrama de Venn-Euler.

Por meio de uma figura fechada, dentro da qual podem-se escrever seus elementos. Diagrama de Venn-Euler. REPRESENTAÇÕES Um conjunto pode ser representado da seguinte maneira: Enumerando seus elementos entre chaves, separados por vírgulas; Exemplos: A = { 1, 0, 1} N = {0, 1, 2, 3, 4,...} Indicando, entre chaves,

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos. 2.1 Existem diferentes tipos de infinito

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos. 2.1 Existem diferentes tipos de infinito Capítulo 2 Conjuntos Infinitos O conjunto dos números naturais é o primeiro exemplo de conjunto infinito que aprendemos. Desde crianças, sabemos intuitivamente que tomando-se um número natural n muito

Leia mais

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Setembro de 2013

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Setembro de 2013 Operações Instituto de Matemática e Estatística, UFF Setembro de 2013 ... Sumário.. Boole Um dos pioneiros da lógica matemática e dos estudos da lógica algébrica. Em sua homenagem foi cunhado o termo Álgebra

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS O conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é uma lista, coleção ou classe de objetods bem

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica

Álgebra Linear e Geometria Analítica Álgebra Linear e Geometria Analítica Engenharia Electrotécnica Escola Superior de Tecnologia de Viseu www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/lucas lucas@mat.estv.ipv.pt 2007/2008 Álgebra Linear e Geometria Analítica

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos. 2.1 Existem diferentes tipos de infinito

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos. 2.1 Existem diferentes tipos de infinito Capítulo 2 Conjuntos Infinitos Um exemplo de conjunto infinito é o conjunto dos números naturais: mesmo tomando-se um número natural n muito grande, sempre existe outro maior, por exemplo, seu sucessor

Leia mais

Centro de Informática UFPE

Centro de Informática UFPE ,, Estruturas,, Centro de Informática UFPE 1 ,, 1 2 3 4 2 ,, Introdução Uma matilha de cães Um cacho de uvas Uma quadrilha de ladrões Estes são exemplos de conjuntos. 3 ,, Definição Um conjunto é um coleção

Leia mais

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Março de 2011

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Março de 2011 Instituto de Matemática e Estatística, UFF Março de 2011 Sumário.... Venn Matemático inglês. Levou os diagramas a sério. John Venn (1834 1923) Dados: Letras maiúsculas: A, B, C,..., A 1, B 1, C 1,...,

Leia mais

Bases Matemáticas. Definição ingênua de conjunto. Aula 3 Conjuntos. Rodrigo Hausen

Bases Matemáticas. Definição ingênua de conjunto. Aula 3 Conjuntos. Rodrigo Hausen 1 ases Matemáticas ula 3 Conjuntos Rodrigo Hausen v. 2012-9-26 1/14 Definição ingênua de conjunto 2 Um conjunto é uma qualquer coleção de objetos, concretos ou abstratos, sem repetição. Dado um conjunto,

Leia mais

IBM1088 Linguagens Formais e Teoria da Computação

IBM1088 Linguagens Formais e Teoria da Computação IBM1088 Linguagens Formais e Teoria da Computação Conceitos fundamentais sobre Teoria dos Conjuntos Evandro Eduardo Seron Ruiz evandro@usp.br Universidade de São Paulo E.E.S. Ruiz (USP) LFA 1 / 26 Frase

Leia mais

A2. Cada operação é distributiva sobre a outra, isto é, para todo x, y e z em A, x (y + z) = (x y) + (x z) e x + (y z) = (x + y) (x + z)

A2. Cada operação é distributiva sobre a outra, isto é, para todo x, y e z em A, x (y + z) = (x y) + (x z) e x + (y z) = (x + y) (x + z) Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, que é baseada em um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis ou propriedades de álgebras booleanas.

Leia mais

Aula 4: Elementos da Teoria de Conjuntos

Aula 4: Elementos da Teoria de Conjuntos 1 / 20 Elementos da Teoria de Conjuntos Bases Matemáticas - 3 o /2018 Dahisy Lima Aula 4: Elementos da Teoria de Conjuntos 2 / 20 Conjuntos Elementos da Teoria de Conjuntos Do ponto de vista ingênuo, um

Leia mais

Teoria intuitiva de conjuntos

Teoria intuitiva de conjuntos Teoria intuitiva de conjuntos.................................... 1 Relação binária............................................ 10 Lista 3................................................. 15 Teoria intuitiva

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 5 27 de agosto de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 5 27 de agosto de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 5 27 de agosto de 200 Aula 5 Pré-Cálculo Expansões decimais: exemplo Números reais numericamente

Leia mais

Os números inteiros. Capítulo 2

Os números inteiros. Capítulo 2 6 Capítulo 2 Os números inteiros Intuitivamente, o conjunto Z dos números inteiros é composto pelos números naturais e pelos "negativos". Como justificamos de uma forma simples qual a origem dos números

Leia mais

Dado um inteiro positivo n, definimos U(n) como sendo o conjunto dos inteiros positivos menores que n e primos com n. Não é difícil ver que a

Dado um inteiro positivo n, definimos U(n) como sendo o conjunto dos inteiros positivos menores que n e primos com n. Não é difícil ver que a Exemplo (U(n)) Dado um inteiro positivo n, definimos U(n) como sendo o conjunto dos inteiros positivos menores que n e primos com n. Não é difícil ver que a multiplicação módulo n é uma operação binária

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/26 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

LÓGICA EM COMPUTAÇÃO

LÓGICA EM COMPUTAÇÃO CEC CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS LÓGICA EM COMPUTAÇÃO TAUTOLOGIA - EQUIVALÊNCIA E INFERÊNCIA VERSÃO: 0.1 - MARÇO DE 2017 Professor: Luís Rodrigo E-mail: luis.goncalves@ucp.br

Leia mais

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS.

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. SANDRO MARCOS GUZZO RESUMO. A construção dos conjuntos numéricos é um assunto clássico na matemática, bem como o estudo das propriedades das operações

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Fundamentos de Matemática Aula 1 Antonio Nascimento Plano de Ensino Conteúdos Teoria dos Conjuntos; Noções de Potenciação, Radiciação; Intervalos Numéricos; Fatoração, Equações e Inequações; Razão, Proporção,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros 1. Conjuntos Objetivo: revisar as principais noções de teoria de conjuntos afim de utilizar tais noções para apresentar os principais conjuntos de números. 1.1 Conjunto, elemento e pertinência Conjunto

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática III LISTA DE MAT INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática III LISTA DE MAT INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática III LISTA DE MAT 131 - INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA 1. Seja A = {1, 3, 5, 7, 11}. Verifique quais das seguintes proposições são verdadeiras ou falsas.

Leia mais

Referências e materiais complementares desse tópico

Referências e materiais complementares desse tópico Notas de aula: Análise de Algoritmos Centro de Matemática, Computação e Cognição Universidade Federal do ABC Profa. Carla Negri Lintzmayer Conceitos matemáticos e técnicas de prova (Última atualização:

Leia mais

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem Relações de Equivalência e de Ordem complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 Jerônimo C. Pellegrini 5 de agosto de 2013 ii Sumário Sumário Nomenclatura 1 Conjuntos e Relações 1 1.1

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago Capítulo 1 Os Números Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago 1.1 Notação Números naturais: Neste texto, N = {0, 1, 2, 3,...} e N + = {1, 2, 3, }. Mas existem vários autores considerando

Leia mais

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Apresentamos aqui diversas propriedades gerais dos números inteiros que não precisarão ser provadas quando você, aluno, for demonstrar teoremas nesta disciplina.

Leia mais

Álgebra de Boole. João Paulo Cerquinho Cajueiro 19 de agosto de 2009

Álgebra de Boole. João Paulo Cerquinho Cajueiro 19 de agosto de 2009 Álgebra de Boole João Paulo Cerquinho Cajueiro 19 de agosto de 2009 A álgebra de Boole foi desenvolvida por George Boole(1815 1864) em seu livro An Investigation of the Laws of Thought on Which are Founded

Leia mais

MATEMÁTICA AULA 4 ÁLGEBRA CONJUNTOS. Conjunto é um conceito primitivo, e portanto, não tem definição.

MATEMÁTICA AULA 4 ÁLGEBRA CONJUNTOS. Conjunto é um conceito primitivo, e portanto, não tem definição. 1 - Conceito de Conjunto MATEMÁTICA AULA 4 ÁLGEBRA CONJUNTOS Conjunto é um conceito primitivo, e portanto, não tem definição. Representação O conjunto pode ser representado de três maneiras diferentes:

Leia mais

Linguagem Básica de Conjuntos

Linguagem Básica de Conjuntos Capítulo 1 Linguagem Básica de Conjuntos 1.1 A Noção de Conjunto A teoria dos conjuntos surgiu com os trabalhos de George Cantor no século XIX. Entretanto, tal teoria não se preocupava com muito rigor

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos Capítulo 2 Conjuntos Infinitos Não é raro encontrarmos exemplos equivocados de conjuntos infinitos, como a quantidade de grãos de areia na praia ou a quantidade de estrelas no céu. Acontece que essas quantidades,

Leia mais

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas.

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Teoria dos Conjuntos Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Porém, não é nosso objetivo ver uma teoria axiomática dos conjuntos.

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Matemática - Departamento de Matemática Estruturas Algébricas Prof. M.Sc. Guilherme Luís Roëhe Vaccaro e-mail: vaccaro@mat.pucrs.br Prof.

Leia mais

Capítulo 1. Conjuntos e Relações. 1.1 Noção intuitiva de conjuntos. Notação dos conjuntos

Capítulo 1. Conjuntos e Relações. 1.1 Noção intuitiva de conjuntos. Notação dos conjuntos Conjuntos e Relações Capítulo Neste capítulo você deverá: Identificar e escrever os tipos de conjuntos, tais como, conjunto vazio, unitário, finito, infinito, os conjuntos numéricos, a reta numérica e

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

CONJUNTOS RELAÇÕES DE PERTINÊNCIA, INCLUSÃO E IGUALDADE; OPERAÇÕES ENTRE CONJUNTOS, UNIÃO, INTER- SEÇÃO E DIFERENÇA

CONJUNTOS RELAÇÕES DE PERTINÊNCIA, INCLUSÃO E IGUALDADE; OPERAÇÕES ENTRE CONJUNTOS, UNIÃO, INTER- SEÇÃO E DIFERENÇA CONJUNTOS RELAÇÕES DE PERTINÊNCIA, INCLUSÃO E IGUALDADE; OPERAÇÕES ENTRE CONJUNTOS, UNIÃO, INTER- SEÇÃO E DIFERENÇA CONJUNTO: É um conceito primitivo associado à idéia de coleção.. - INDICAÇÃO: Os conjuntos

Leia mais

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas. Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas. Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy SMA - 341 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy 2006 Capítulo 1 Noções de Lógica Lógica é a higiene usada pelos matemáticos para conservar suas idéias saudáveis

Leia mais

Matemática Básica Noções Básicas de Operações com Conjuntos / Conjuntos Numéricos

Matemática Básica Noções Básicas de Operações com Conjuntos / Conjuntos Numéricos Matemática Básica Noções Básicas de Operações com Conjuntos / Conjuntos Numéricos 02 1. Noção intuitiva de conjunto Intuitivamente, entendemos como um conjunto: toda coleção bem definida de objetos (chamados

Leia mais

Aulas 10 e 11 / 18 e 20 de abril

Aulas 10 e 11 / 18 e 20 de abril 1 Conjuntos Aulas 10 e 11 / 18 e 20 de abril Um conjunto é uma coleção de objetos. Estes objetos são chamados de elementos do conjunto. A única restrição é que em geral um mesmo elemento não pode contar

Leia mais

Lógica Proposicional e Álgebra de Boole

Lógica Proposicional e Álgebra de Boole Lógica Proposicional e Álgebra de Boole A lógica proposicional remonta a Aristóteles, e teve como objectivo modelizar o raciocínio humano. Partindo de frases declarativas ( proposições), que podem ser

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Matemática Discreta 3. CONJUNTOS. Prof.: Marcelo Maraschin de Souza

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Matemática Discreta 3. CONJUNTOS. Prof.: Marcelo Maraschin de Souza Curso: Ciência da Computação Disciplina: Matemática Discreta 3. CONJUNTOS Prof.: Marcelo Maraschin de Souza 3. Conjuntos Definição: Um conjunto é uma coleção desordenada de zero ou mais objetos, denominados

Leia mais

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam.

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2012/13 Cap1 Lógica pg 10 Lógica formal (continuação) Vamos a partir de agora falar de lógica formal, em particular da Lógica Proposicional e da Lógica de Predicados. Todos

Leia mais

No. Try not. Do... or do not. There is no try. - Master Yoda, The Empire Strikes Back (1980)

No. Try not. Do... or do not. There is no try. - Master Yoda, The Empire Strikes Back (1980) Cálculo Infinitesimal I V01.2016 - Marco Cabral Graduação em Matemática Aplicada - UFRJ Monitor: Lucas Porto de Almeida Lista A - Introdução à matemática No. Try not. Do... or do not. There is no try.

Leia mais

Introdução ao Curso. Área de Teoria DCC/UFMG 2019/01. Introdução à Lógica Computacional Introdução ao Curso Área de Teoria DCC/UFMG /01 1 / 22

Introdução ao Curso. Área de Teoria DCC/UFMG 2019/01. Introdução à Lógica Computacional Introdução ao Curso Área de Teoria DCC/UFMG /01 1 / 22 Introdução ao Curso Área de Teoria DCC/UFMG Introdução à Lógica Computacional 2019/01 Introdução à Lógica Computacional Introdução ao Curso Área de Teoria DCC/UFMG - 2019/01 1 / 22 Introdução: O que é

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Prof. Jorge

Teoria dos Conjuntos. Prof. Jorge Teoria dos Conjuntos Conjuntos Conceitos iniciais Na teoria dos conjuntos, consideramos como primitivos os conceitos de elemento, pertinência e conjunto. Exemplos - Conjunto I. O conjunto dos alunos do

Leia mais

Notas de Aula de Probabilidade A

Notas de Aula de Probabilidade A I- CONCEITOS INICIAIS. 1.1- INTRODUÇÃO. PROBABILIDADE POPULAÇÃO AMOSTRA ESTATÍSTICA 1.2- CONJUNTOS. 1.2.1- DEFINIÇÃO. Conjunto é uma coleção de objetos chamados de elementos do conjunto. Em geral denota-se

Leia mais

Demonstrações Matemáticas Parte 2

Demonstrações Matemáticas Parte 2 Demonstrações Matemáticas Parte 2 Nessa aula, veremos aquele que, talvez, é o mais importante método de demonstração: a prova por redução ao absurdo. Também veremos um método bastante simples para desprovar

Leia mais

Aula 1 Conjuntos. Meta. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de. conjuntos. Objetivos

Aula 1 Conjuntos. Meta. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de. conjuntos. Objetivos Conjuntos AULA 1 Aula 1 Conjuntos Meta conjuntos. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de Objetivos Ao final desta aula, você deve ser capaz de: Definir as noções básicas de conjunto

Leia mais

SMA0341 e SLC Elementos de Matemática Notas de Aulas

SMA0341 e SLC Elementos de Matemática Notas de Aulas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação SMA0341 e SLC0603 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias Sandra Maria Semensato de Godoy São Carlos 2012 Sumário

Leia mais

1 Operações com conjuntos

1 Operações com conjuntos Notas sobre Conjuntos (2) Anjolina Grisi de Oliveira 1 Operações com conjuntos Definição 1 (União) Sejam A e B dois conjuntos arbitrários. A união dos conjuntos A e B, denotada por A B, é o conjunto que

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 2 Teoria dos Conjuntos. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 2 Teoria dos Conjuntos. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 2 Teoria dos Conjuntos Prof. Anderson CONCEITO Na teoria dos conjuntos, um conjunto é descrito como uma coleção de objetos bem definidos. Estes objetos são chamados de elementos ou membros

Leia mais

PC Polícia Civil do Estado de São Paulo PAPILOSCOPISTA

PC Polícia Civil do Estado de São Paulo PAPILOSCOPISTA PC Polícia Civil do Estado de São Paulo PAPILOSCOPISTA Concurso Público 2016 Conteúdo Teoria dos conjuntos. Razão e proporção. Grandezas proporcionais. Porcentagem. Regras de três simples. Conjuntos numéricos

Leia mais

Matemática Básica Relações / Funções

Matemática Básica Relações / Funções Matemática Básica Relações / Funções 04 1. Relações (a) Produto cartesiano Dados dois conjuntos A e B, não vazios, denomina-se produto cartesiano de A por B ao conjunto A B cujos elementos são todos os

Leia mais

Existem conjuntos em todas as coisas e todas as coisas são conjuntos de outras coisas.

Existem conjuntos em todas as coisas e todas as coisas são conjuntos de outras coisas. MÓDULO 3 CONJUNTOS Saber identificar os conjuntos numéricos em diferentes situações é uma habilidade essencial na vida de qualquer pessoa, seja ela um matemático ou não! Podemos dizer que qualquer coisa

Leia mais

Matemática Discreta - 01

Matemática Discreta - 01 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 01 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Seja S = {2, 5, 17, 27}. Quais da sentenças a seguir são verdadeiras? 3. Quantos conjuntos diferentes são descritos abaixo? Quais são eles?

Seja S = {2, 5, 17, 27}. Quais da sentenças a seguir são verdadeiras? 3. Quantos conjuntos diferentes são descritos abaixo? Quais são eles? Seção 3.1 Conjuntos 113 Existem identidades básicas (em pares duais) e elas podem ser usadas para provarem identidades de conjuntos; uma vez que uma identidade seja provada desta maneira, sua dual também

Leia mais

Material Teórico - Módulo: Vetores em R 2 e R 3. Operações Envolvendo Vetores. Terceiro Ano - Médio

Material Teórico - Módulo: Vetores em R 2 e R 3. Operações Envolvendo Vetores. Terceiro Ano - Médio Material Teórico - Módulo: Vetores em R 2 e R 3 Operações Envolvendo Vetores Terceiro Ano - Médio Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Adição de vetores Na aula anterior

Leia mais

CM Funções. Notas de Aula PSE Departamento de Matemática - UFPR

CM Funções. Notas de Aula PSE Departamento de Matemática - UFPR 1. CM 128 - Funções Notas de Aula PSE 2017 Departamento de Matemática - UFPR Sumário 1 Conjuntos 4 1.1 Aula 1 - Operações entre conjuntos................................... 4 1.1.1 Conjuntos.............................................

Leia mais

Prof. Jorge Cavalcanti

Prof. Jorge Cavalcanti Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 01 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/53 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

INE Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação

INE Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação 5) Relações 5.1) Relações e Dígrafos 5.2) Propriedades de Relações 5.3) Relações de Equivalência 5.4) Manipulação de Relações 5.5) Fecho de

Leia mais

Introdução à Lógica Matemática

Introdução à Lógica Matemática Introdução à Lógica Matemática Disciplina fundamental sobre a qual se fundamenta a Matemática Uma linguagem matemática Paradoxos 1) Paradoxo do mentiroso (A) Esta frase é falsa. A sentença (A) é verdadeira

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 2 Conceitos Básicos da Computação pode ser definida como a solução de um problema ou, formalmente, o cálculo de uma função, através de um algoritmo. A

Leia mais

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa.

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa. Tema 1 Lógica e Teoria dos Conjuntos 1. Proposições e valores lógicos. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira

Leia mais

Notas de Aulas 1 - Conjuntos Prof Carlos A S Soares

Notas de Aulas 1 - Conjuntos Prof Carlos A S Soares Notas de Aulas 1 - Conjuntos Prof Carlos A S Soares 1 Preliminares Neste curso não temos a pretensão de apresentar a teoria de conjuntos e seus axiomas, tão somente pretendemos apresentar um pequeno esboço

Leia mais

Fundamentos de Lógica Matemática

Fundamentos de Lógica Matemática Webconferência 5-22/03/2012 Prova por resolução Prof. L. M. Levada http://www.dc.ufscar.br/ alexandre Departamento de Computação (DC) Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) 2012/1 Introdução É possível

Leia mais

Lógica Texto 7. Texto 7. 1 Negação de enunciados atômicos Exercício resolvido Negação de enunciados moleculares 5

Lógica Texto 7. Texto 7. 1 Negação de enunciados atômicos Exercício resolvido Negação de enunciados moleculares 5 Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matemática Texto 7 Negação e simplificação de enunciados Sumário 1 Negação de enunciados atômicos 2 1.1 Observações................................ 2 1.2 Exercício

Leia mais

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit CONSTRUÇÃO DOS REAIS: UM ENFOQUE

Leia mais

Axiomas de corpo ordenado

Axiomas de corpo ordenado Axiomas de corpo ordenado 2 a lista de exercícios Análise real A abordagem axiomática dos números reais previne erros que a intuição pode ocasionar e torna mais rigoroso o processo de demonstração matemática,

Leia mais

Resumo. Parte 2 Introdução à Teoria da Probabilidade. Ramiro Brito Willmersdorf Introdução.

Resumo. Parte 2 Introdução à Teoria da Probabilidade. Ramiro Brito Willmersdorf Introdução. Parte 2 Introdução à Teoria da Probabilidade Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Pernambuco 2011.2 Resumo 1 Introdução 2 Espaço

Leia mais