Manual de Controles Internos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Controles Internos"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO Este Manual de Sistema de Controles Internos trata-se de um documento estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional que reúne as políticas e os procedimentos institucionais da Corretora, serve como base e orienta a maneira como a Elite Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários conduz suas atividades. Diante da importância deste documento uma das responsabilidades dos colaboradores da ELITE é agir de acordo com este Manual. O Manual representa uma chance renovada de familiarizar com os padrões de conduta que são esperados de todos na Corretora. Trata-se de um conjunto de políticas de conduta a respeito de questões-chave relacionadas à integridade para orientar na manutenção do compromisso ético da Corretora. Todos os Colaboradores devem se assegurar do completo conhecimento deste Manual do Sistema de Controles Internos e de todas as normas e regulamentações as quais a ELITE estará sujeita. Os procedimentos mencionados neste Manual do Sistema de Controles Internos fazem referências à normativa regulamentada pelos órgãos reguladores e fiscalizadores a que a Elite está inserida. Portanto, trata-se de um trabalho com o qual todos nós, Diretoria e Colaboradores deverão estar comprometidos e constantemente, aprimorando-os de modo que seja garantida a aplicação em sua plenitude. A Diretoria

2 INDICE HISTORICO DA ELITE 02 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES BASICAS 05 AUDITORIA 11 CANAIS DE COMUNICAÇÃO 13 ATUAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 15 REGISTRO E INFORMAÇÕES CONTÁBEIS 17 RECURSOS HUMANOS 20 TERMO DE ETICA E RESPONSABILIDADE DE FUNCIONÁRIO 23 ETICA, CONDUTA E RELACIONAMENTO 26 CONTRATAÇÃO DE CLIENTES 29 PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO CADASTRAL 35 PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE AAI 36 CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE AAI 37 GESTÃO FINANCEIRA TESOURARIA 39 CUSTODIA E LIQUIDAÇÃO OPERACIONAL EM BOLSAS 40 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 45 OUVIDORIA 49 PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO 58 LIMITES OPERACIONAIS 67 OPERAÇÕES NA BM&F 68 OPERAÇÕES NA BOVESPA 70 OPERAÇÕES EM CLUBES 72 OPERAÇÕES EM FUNDOS 74 OPERAÇÕES EM RENDA FIXA 76 OPERAÇÕES EM TESOURO DIRETO 78 IDENTIFICAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO 79 GERENCIAMENTO DE RISCO DE CREDITO 83 GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 86 GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL 89 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE RISCO OPERACIONAL 94 MONITORAÇÃO E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS 99 SUITABILITY 101 TERMO DE OCORRÊNCIA 104 ORGANOGRAMA 105 2

3 Nome da Instituição HISTORICO DA ELITE ELITE Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários Ltda. Data da Fundação 28/05/83 Sede Social PRAÇA PIO X N.º 55 11º ANDAR RIO DE JANEIRO RJ. Composição Societária Atual FLÁVIO SNELL MARCELO MASSUD ELITE Assessoria e Consultoria Ltda. OTTO DOS SANTOS SÉRGIO MOREIRA FRANCO LEONARDO DE AQUINO LEITE A Sociedade será gerida e administrada, independente da prestação da caução, pelos Senhores: Otto dos Santos - Diretor; Nelson Medaber - Diretor; Data de Ingresso na Bolsa de Valores 28/05/83 Capital Social Constante nos Balanços Semestrais Vinculações com a Bovespa CORRETORA REGIONAL Participação em Associações de Classe SINDICOR (SINDICATO DAS CORRETORAS). 3

4 ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. ANCORD Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias REPRESENTAÇÃO JUNTO AO MERCADO Diretor Responsável pelo Mercado de Ações: Otto dos Santos 4

5 Do Grupo Diretivo ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES BÁSICAS Administração das atividades da Elite CCVM, orientando-as para consecução dos objetivos e metas estabelecidas. Definição de Políticas de relacionamento com o mercado, que evidenciem a efetividade dos padrões éticos. Estabelecimento da Política comercial das operações da Elite CCVM, em conjunto com os Diretores responsáveis pelas operações de São Paulo e do Rio de Janeiro. Estabelecimento dos limites de risco das operações dos clientes, em conjunto com os demais Diretores. Gestão do Sistema de Controles Internos, no que tange a: Manutenção de uma estrutura de controles internos que propicie a melhoria contínua dos processos; Incentivo da promoção junto aos funcionários, de uma cultura organizacional que demonstre a importância da adoção do Sistema de Controles Internos; Designação de Auditores Internos para o SCI; Definir, a seu critério, auditorias internas adicionais em processos específicos, independente dos prazos normais previstos para sua execução; Acompanhamento da execução de auditorias internas; Adoção das providências decorrentes dos Relatórios dessas auditorias; Designação do Gestor responsável por Controles Internos. Da Auditoria Interna (Terceirizada) Execução de auditoria no Sistema de Controles Internos da Elite CCVM, com emissão de relatórios, no mínimo semestrais, verificando: A eficácia dos controles; A efetividade dos pontos de controle; Nível de aderência entre o praticado e o oficializado através de Instrumentos Normativos; Cumprimento de: Limites estabelecidos; Leis e regulamentos aplicáveis; A efetividade das soluções adotadas para correção de desvios. Recomendação de pontos de controles mais eficazes. Reporte e verificação da eficácia das ações corretivas decorrentes dos problemas verificados em seus trabalhos ao Grupo Diretivo. 5

6 Da Assessoria Jurídica Representação da Elite CCVM junto às entidades da Administração Pública ou de Empresas privadas, autarquias e fundações, para resolução de questões jurídicas que afetam ou possam afetar os interesses da Instituição. Avaliação técnica de minutas de contratos de diversas modalidades, sugeridas pelas áreas da Elite CCVM, efetuando ajustes em seus conteúdos, para que possam garantir os interesses da Instituição. Acompanhamento e defesa de processos, em benefício da Elite CCVM, nas Juntas de Conciliação e Julgamento, Varas Federais, Estaduais e Tribunais existentes, elaborando petições, memoriais e sustentações orais, perante órgãos do Poder Judiciário. Elaboração das convocações de Assembléia dos acionistas, sua secretaria e elaboração das respectivas Atas. Divulgação das informações que afetam as atividades da Elite CCVM, fazendo com estas sejam recebidas pelas respectivas áreas / colaboradores. Da Gestão de Controles Internos Acompanhamento do Sistema de Controles Internos, avaliando e promovendo ações para corrigir os eventuais desvios, de forma a manter a sua aderência às normas e regras. Administração do Sistema Normativo, no que tange a: Análise das alterações, incluindo as que envolvam a Estrutura Organizacional da Elite CCVM, verificando e planejando as ações provenientes dos eventuais impactos no Sistema de Controles Internos; Administração do processo de apreciação de documentos; Distribuição e arquivamento dos Instrumentos Normativos. Da Diretoria de Gestão de Recursos de Terceiros Estabelecimento da Política comercial dos investimentos relativos à Administração de Carteiras (Administradas e Individuais) e aos Fundos e Clubes de Investimento, em conjunto com o Grupo Diretivo. Execução das operações conforme parâmetros definidos. Manutenção dos investimentos, de acordo com os parâmetros contratados com os clientes das Carteiras Individuais. Da Área Tecnologia da Informação Avaliação, homologação e instalação de hardware e de software. 6

7 Desenvolvimento, implantação, manutenção, documentação e processamento de sistemas. Administração e suporte técnico de hardware e de software. Administração da biblioteca de fontes. Garantia de conformidade dos serviços de informática aos padrões estabelecidos. Acompanhamento da implantação e implementação de ações que visam melhorar a segurança dos bens de informação. Elaboração e execução do Plano de Contingência Operacional. Administração de serviços / recursos humanos de informática terceirizados. Da Tesouraria Efetivação de Depósitos, DOCs, TEDs, Ordens de Pagamento e Transferência de Numerário envolvendo direitos e obrigações da Elite CCVM. Elaboração e divulgação à Gerência Financeira, do Fluxo de Caixa e demais informações adicionais. Disponibilização das sobras de Caixa para aplicação. Disponibilização para a área de Operações RJ/SP, de informações para captação e/ou aplicação de recursos financeiros próprios. Controle e Pagamento de todos os compromissos da Elite CCVM. Registro de todas as operações da Elite CCVM na CETIP ou SELIC. Acompanhamento da efetivação dos débitos e créditos das operações efetuadas. Liquidação financeira de todas as operações da Elite CCVM. Controle financeiro dos Fundos e Clubes de Investimentos da Elite CCVM. Da Contabilidade Contabilização das operações, preparação de Demonstrações Financeiras e recolhimento das obrigações fiscais. Controle e contabilização de todas as obrigações fiscais, tributárias, trabalhistas e previdenciárias. Revisão mensal da adequação do resultado das operações. Disponibilização ao Banco Central, dos dados e relatórios estabelecidos em normativos. 7

8 Arquivo de toda documentação envolvida com estas obrigações. Realização e manutenção do inventário de bens, inclusive os de informação. Da Gerência Administrativa Administração das atividades relacionadas à contabilização dos eventos, recursos humanos e demais serviços administrativos da Elite CCVM. Elaboração relatórios gerenciais relativos às operações efetuadas. Recrutamento e seleção de pessoal. Registro e envio das informações para processamento na área de Recursos Humanos, das movimentações e ocorrências de pessoal da Elite CCVM relativo aos colaboradores do Rio de Janeiro e São Paulo (transferências, demissões, férias, promoções, alterações de salário etc.). Dos Recursos Humanos Efetivação de processos de recrutamento e seleção de pessoal, adequados ao nível do cargo requerido. Levantamento das informações pessoais dos candidatos, dentro do processo seletivo. Controle e registro de todas as movimentações da vida profissional do colaborador que resultem em alterações contratuais. Cumprimento de todos os encargos trabalhistas em dia. Do CPD Processamento Manutenção da confiabilidade da posição do cliente. Especificação do comitente nos sistemas internos. Emissão de Notas de Corretagem. Controle dos Mapas e Relatórios. Emissão de relatórios contábeis. Dos Serviços Gerais Responsável pelas compras de papelaria, suprimentos para informática, telecomunicações, limpeza, descartáveis, materiais de manutenção em geral. Responsável pela supervisão de todos os trabalhos que envolvam mão de obra terceirizada, tais como elétrica, hidráulica, etc. 8

9 Da Diretoria Comercial Captação de novos clientes. Dos Agentes Autônomos RJ/SP Fomento dos negócios da ELITE CCVM, através de contatos com clientes. Efetivação das operações de prestação de serviços do mercado financeiro, dentro dos limites estabelecidos e de acordo com a orientação de sua respectiva Diretoria. Solicitação aos clientes, da documentação necessária às operações, esclarecendo dúvidas e prazos. Da Diretoria Operacional Estabelecimento da Política comercial das operações da Elite CCVM, exceto para Fundos de Investimento, em conjunto com o Grupo Diretivo. Estabelecimento dos limites de risco das operações dos clientes, em conjunto com os demais Diretores. Das Gerências de Operações RJ/SP Coordenar as atividades da Mesa de Operações, de acordo com as orientações recebidas da sua Diretoria. Coordenação dos Operadores na mesa. Definição das prioridades para as operações dentro dos padrões estabelecidos. Acompanhamento da vida da operação. Do Departamento Técnico Acompanhamento gráfico e de dados (balanços, planos disponibilizados pelas Empresas, notícias de imprensa etc.) das Empresas cotadas em Bolsa ou em vias de abertura de capital. Avaliação econômico-financeira de Empresas e estudos de viabilidade de negócios. Análise técnica, econômica e de oportunidades de investimentos. Da Gerência de Custódia Movimentação da Custódia dos clientes. Realização do fechamento e abertura da custódia no Sistema Sinacor. Acompanhamento e conferência da movimentação dos títulos e ativos depositados como garantia. 9

10 Acompanhamento e conferência da movimentação dos títulos e ativos depositados como garantia. Realização dos trâmites junto aos Custodiantes e Bolsa de Valores. Da Área de Ouvidoria Recepção das informações relativas a eventuais não conformidades na adequada prestação de serviços da ELITE e na Transferência de suas tecnologias, produtos e processos; Apurar a sua fundamentação e buscar solução, caso necessário, garantindo o direito de resposta ao cliente. Coleta, análise e interpretação dos dados necessários ao processamento das informações recebidas. Acompanhamento até a solução final das informações (denúncias, reclamações, sugestões, opiniões, perguntas ou elogios) consideradas pertinentes. Registrar e repasse, a quem de direito, das informações recebidas dos clientes. 10

11 CRITÉRIOS BÁSICOS Do Planejamento e escopo AUDITORIA O Planejamento da Auditoria é feito entre a Empresa de Auditoria Independente, e o Gestor do Sistema de Controles Internos da Sociedade Corretora, estabelecendo: a) áreas a serem auditadas; b) objetivo e finalidade da auditoria; c) designação do auditor; d) elementos aplicáveis do SCI; e) períodos previstos para realização da auditoria. A auditoria interna do SCI, terá como escopo: a) verificar a adequação e conformidade ao Sistema Normativo implementado; b) determinar a eficácia do SCI implementado, em alcançar os objetivos de Controle Interno especificados; c) propiciar oportunidades de melhorias para o SCI. Da Periodicidade Por determinação do Conselho Monetário Nacional as auditorias serão realizadas semestralmente, sendo que os processos de maior risco, a critério da Diretoria, poderão ser auditados em menor prazo. Do Acompanhamento Deverão ser realizadas atividades de acompanhamento das auditorias pelo Diretor com responsabilidade pelos Controles Internos e pela Diretoria, contemplando: a) a análise do Relatório de Auditoria; b) a manifestação dos responsáveis pelas áreas, a respeito de deficiências constatadas, acompanhadas de cronograma para saneamento; c) a eficácia das medidas adotadas em relação às atividades que apresentaram deficiências. Da Designação do Auditor A auditoria é realizada por empresa de Auditoria Independente contratada pela diretoria da Corretora. Da Preparação da Auditoria Caberá ao Gestor com responsabilidade pelos Controles Internos, sob orientação da Diretoria, preparar reunião com o auditor, para a discussão / elaboração do plano de auditoria, considerando aspectos relativos a: a) atividades/áreas a serem auditadas; 11

12 b) notificação às áreas afetadas; c) estudo da documentação aplicável; d) cronograma; e) logística; f) preparação de lista de verificação, a critério do auditor responsável. Da Condução da Auditoria No início dos trabalhos, o auditor preparará e conduzirá uma reunião de préauditoria juntamente com a equipe responsável pela execução da atividade ou operação a ser auditada. Deverá, também, entregar solicitação de documentos necessária ao desenvolvimento dos trabalhos. Na execução dos trabalhos, o auditor assegurará que as circunstâncias que envolvem qualquer constatação serão levadas ao conhecimento do auditado. Todas as constatações serão claramente relacionadas aos requisitos estabelecidos pelo SCI e normas aplicáveis. As não conformidades e observações de auditoria estabelecerão: Requisito do SCI afetado; Qual a violação constatada; Ao final dos trabalhos, em reunião de encerramento, serão expostas as constatações e esclarecidas as dúvidas que possam comprometer o tratamento das exceções e os problemas constatados durante a auditoria interna. Relatório Final de Auditoria Será apresentado aos envolvidos os resultados da auditoria com conhecimento formal, mediante emissão do Relatório de Auditoria do SCI. Nesse relatório serão registrados os resultados obtidos pela condução das auditorias dos controles na organização. O Diretor de Risco e Controles Internos deverá distribuir o Relatório de Auditoria para: os responsáveis das áreas afetadas; a Diretoria. Esse relatório deverá ficar à disposição do Banco Central do Brasil pelo prazo de 5(cinco) anos, juntamente com as manifestações a respeito feitas pela Diretoria previstas no item acima. PONTOS DE CONTROLE Das Atividades Planejamento das atividades de auditoria interna. Relatório de Auditoria. Acompanhamento das ocorrências apontadas. Manifestação dos gestores das áreas quanto às providências adotadas. 12

13 CRITÉRIOS BÁSICOS CANAIS DE COMUNICAÇÃO Da Recepção, Análise e Distribuição das Informações Ao receber a informação divulgada por qualquer órgão, seja ele regulador ou não, as áreas listadas ao final terão a incumbência de centralizar o recebimento dessas informações, analisar o seu conteúdo, no sentido de identificar os impactos nas atividades da ELITE. Destacarão os assuntos e providenciarão cópias ou enviarão via do material analisado, às áreas/colaboradores envolvidos no assunto. Se houver ações da ELITE para atender alguma Norma / Regulamentação externa, datas previstas para sua implementação serão negociadas entre os envolvidos. As informações externas (Internet, redes públicas e/ou privadas), serão acessadas pelo receptor da informação, com o objetivo de capturar aquelas relevantes para a ELITE. Os mesmos critérios serão adotados para as informações internas da ELITE, ou seja, a área receptora enviará o material diretamente para os envolvidos, preferencialmente por meio eletrônico. Ouvidoria A Ouvidoria constitui um canal de mediação eficaz e imparcial, entre o nosso Cliente e a Corretora. A Ouvidoria não substitui nossos canais de comunicação existentes, que permanecem ativos e disponíveis aos nossos Clientes. A Ouvidoria foi criada especificamente para atendimento de reclamações formais sobre problemas com nossos serviços e atendimento. Podendo ser contatar diretamente através do nosso , somente para registros de reclamações. Através deste atendimento, será aberto um numero de protocolo, e retornando com o esclarecimento da reclamação dentro do menor prazo possível. O andamento da reclamação poderá ser consultado, a qualquer momento, com o numero do protocolo entregue. Das Responsabilidades Específicas As seguintes áreas são as responsáveis pelo tratamento das informações específicas: Origem / Destino BM&FBovespa Área Responsável Diretoria Comercial/Jurídico/Contabilidade 13

14 Bacen/Unicad Diretoria Administrativa Financeira /Jurídico CVM/ Legislação Diretoria Comercial/Jurídico Sisbacen/Oficios Judiciais e Legislação Diretoria Administrativa Financeira/Jurídico Sisbacen/Correio e Legislação Diretoria Administrativa Financeira/Jurídico Secretaria da Receita Federal Diretoria Adm Fin/Jurídico/Contabilidade Correspondência Gerencia administrativa/cpd Correspondência Física Gerencia administrativa Ancord Diretoria Comercial/Jurídico 14

15 OBJETIVOS E METAS ATUAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A ELITE tem como meta principal, o assessoramento personalizado e eficiente com ênfase na segmentação de Pessoas Físicas e Jurídicas, Instituições Financeiras, Clientes Institucionais e clientes não residentes, estando na segmentação de Pessoas Físicas e Jurídicas a maior concentração de seus clientes. Para que isso seja possível, conta com quadro de pessoal estável, treinado e altamente capacitado para proporcionar sempre um melhor atendimento, tendo como objetivo a satisfação de seus clientes, em conformidade com a evolução do mercado. Atuando como membro na BM&FBOVESPA e por intermédio de Correspondentes, a ELITE através de seus profissionais certificados e integrados às operações da corretora, proporciona a seus clientes a eficiência, qualidade e confiabilidade indispensáveis ao mercado acionário em todos os seus segmentos. A definição e divulgação dos objetivos e metas dão o foco que os controladores/administradores desejam que seja observado para toda a Instituição. Os objetivos e metas e o papel de cada um deve ser conhecido, permitindo que a estrutura organizacional adequada seja alcançada com sinergia entre todos colaboradores na busca dos resultados esperados. Trabalhar em conformidade com normativos internos e com regulamentações externas, melhorar continuamente os processos realizados na ELITE de modo a garantir a manutenção das parcerias de negócios com os Clientes, o retorno adequado aos Acionistas e a satisfação dos Colaboradores. Em um mercado altamente competitivo, a velocidade na mudança da economia e da tecnologia representa desafios permanentes para o desempenho das organizações. O sucesso do passado não garante a sobrevivência do presente e muito menos do futuro. São divulgados informalmente a todos os colaboradores da Instituição, informando-os quanto à sua importância e necessidade de torná-los efetivos, levando ao alcance e a condução das atividades na busca dos objetivos e metas, buscando de todos os colaboradores melhor definição de conceitos e valores que possibilitem parâmetros para o desenvolvimento de sua Cultura Organizacional. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Elite ao longo de 2013, deve buscar contratar colaboradores para as áreas que julgamos carentes e estes profissionais devem estar em linha com as premissas a serem adotadas. 15

16 Sendo assim, para perseguirmos os objetivos descritos, julgamos que as áreas Comercial, Produtos Estruturados e Tecnologia da Informação podem receber novos profissionais. Crescendo a equipe, adotando a nova postura internamente, esperamos nos primeiros 12 meses seguintes a tudo implantado, crescer 50% o número de clientes ativos. Reavaliaremos todas as medidas adotas e seus respectivos resultados após este prazo. A área de Produtos Estruturados, em parceria com a área Comercial, deverá desenvolver amplo leque de oportunidades de investimentos: em renda variável (segmentos Bovespa e BM&F), em renda fixa (Tesouro Direto, BTC, fundos próprios e de terceiros), em produtos imobiliários (FIIs, CRIs, LCIs), em câmbio (Travel Money para PF), através de parcerias com terceiros e/ou com equipe interna. A ideia é atender de forma personalizada nossos clientes, graças não só aos produtos que teremos mas, principalmente, aos profissionais que pretendemos ter: certificados e treinados para oferecer os produtos adequados ao perfil de investimento de nossos clientes. O Plano Elite 100, devido ao advento do PQO Programa de Qualificação Profissional, admite termos novas filiais e até mesmo, eventualmente, escritórios de Agentes Autônomos de Investimentos em determinadas regiões de nosso país. Isto desde que os Agentes Autônomos tenham reputação comprovadamente ilibada e que as instalações estejam de acordo com o descrito no PQO - Roteiro Básico. Em 2013 proporemos, inclusive, a outras corretoras com atuação regional fora do eixo RJ-SP, onde não temos presença relevante, o modelo de partnership. Uma vez que haja resultados concretos para os desafios propostos, ofereceremos aos talentos, com o intuito de retê-los, a oportunidade de serem sócios de nosso negócio. Como dito, sempre levando em conta a meritocracia. Avaliaremos constantemente como melhor divulgar o nome da Elite, e seus projetos, junto aos veículos de comunicação e aos nossos clientes e colaboradores. 16

17 CRITÉRIOS BÁSICOS Da Contabilização REGISTRO E INFORMAÇÕES CONTÁBEIS A escrituração obedece ao regime de competência, sendo realizada mediante a utilização de documentos hábeis. A Contabilidade efetua os registros dos fatos contábeis da Corretora ELITE, com a observância da legislação atual, e de acordo com os critérios do Plano Contábil das Instituições Financeiras COSIF e do Manual de Normas e Instruções MNI. No Sistema Financeiro brasileiro, além das normas e princípios técnicos de contabilidade, devem-se observar as normas de funcionamento editadas pelo Banco Central e Comissão de Valores Mobiliários. A escrituração deverá ser completa, mantendo-se em registros permanentes todos os atos e fatos administrativos que modifiquem ou venham a modificar sua composição patrimonial. O simples registro contábil não constitui elemento suficientemente comprobatório, devendo a escrituração ser fundamentada em comprovantes hábeis para a perfeita validade dos atos e fatos administrativos. Da Contabilidade A par das disposições legais e das exigências regulamentares especificas a escrituração, deve-se observar ainda, os princípios fundamentais de contabilidade, cabendo a Instituição: Adotar métodos e critérios uniformes no tempo, sendo que as modificações relevantes devem ser evidenciadas em notas explicativas, quantificando, quando aplicável, os efeitos nas demonstrações financeiras; Registrar as receitas e despesas no período em que elas ocorram e não na data do efetivo ingresso ou desembolso, em respeito ao regime de competência; A Contabilidade é responsável junto à Lei das S/As, ao Conselho Regional de Contabilidade e ao Banco Central etc., pela fidedignidade das Demonstrações Financeiras, cujo descumprimento sujeitará a sanções legais. É responsável por conciliar, entre outras, as seguintes contas ou grupos contábeis: Bancos; Contas a receber; Outros Valores e Bens; Contas do Ativo Imobilizado; Contas de Investimentos Permanentes; Contas do Diferido; Fornecedores; Contas a Pagar em Geral; 17

18 Impostos todos (IR, CS, IRRF, PIS, COFINS, etc.); Resultado de Exercícios Futuros; Contas do Patrimônio Líquido; Contas de Resultado. Das Atividades Dentre as atividades, destacamos as seguintes: Lançamento e conferência de todos os documentos relativos ao funcionamento da Corretora. Controle e recolhimento dos impostos, contribuições e encargos previdenciários, preparando os documentos e ordens de emissão de pagamentos, observando os vencimentos dessas obrigações. Após o pagamento os mesmos são arquivados. Fechamento do Balancete Mensal, após efetuadas as devidas conciliações em todas as contas ativas e passivas. Conciliação das Contas Correntes dos Clientes que permanecerem com saldos em aberto no último dia de cada mês, verificando a veracidade dos saldos e confirmando se estão de acordo com os valores correspondentes nas áreas de Liquidação de Bolsas e Custódia. Apuração e recolhimento do Imposto de Renda e da Contribuição Social (os quais são sempre devidamente conferidos pela empresa de auditoria Independente) Apuração da Receita que servirá de Base de Cálculo (conforme planilha emitida pelo Banco Central do Brasil) para recolhimento do Programa de Integração Social - PIS e Contribuição ao Finsocial COFINS. Registro na Junta Comercial do Livro Diário. Realização mensal das Provisões de Férias e Décimo Terceiro Salário do pessoal, bem como os devidos encargos sociais correspondentes. Elaboração e encaminhamento à Receita Federal da D.C.T.F. (Declaração de Créditos Tributários Federais) e do DACON (Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais). Preparação e envio das Informações Financeiras Trimestrais IFT ao Banco Central do Brasil, a qual deve ser devidamente revisada por Auditoria Independente. Realização do encerramento do Balanço Semestral e Anual, com as efetivas transferências das contas de Resultado. Preenchimento e entrega a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (DIPJ); Preenchimento e entrega a Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF); 18

19 Analise das alterações da legislação tributária, em constante mutação, com o objetivo da correta apuração do Lucro Real e a conseqüente carga de impostos e contribuições, evitando-se dessa forma o recolhimento indevido ou a autuação fiscal; Estudo a melhor forma de tributação do Imposto de Renda, verificando com antecedência a legislação pertinente. Da Segregação de Funções As atividades de registros, análises e verificações contábeis serão executadas por colaboradores diferentes daqueles envolvidos nos negócios e no relacionamento com clientes.. 19

20 RECURSOS HUMANOS CRITÉRIOS BÁSICOS Do Planejamento da Contratação Toda necessidade de contratação será criteriosamente analisada, no sentido de verificar se não há possibilidade de aproveitamento interno de recursos. Esgotada essa possibilidade, a área solicitante definirá os dados relativos ao cargo solicitado, quanto a: Requisitos técnicos; Perfil desejado do colaborador a ser contratado. Definirá também, o tipo de vínculo que o mesmo terá com a ELITE, podendo ser: Com vínculo empregatício (empregados); Sem vínculo empregatício (terceiros): - Temporário; - Autônomo; - Contratado. Não serão terceirizados os serviços relacionados aos cargos de confiança da ELITE. Do Recrutamento e Seleção Os candidatos, cujos currículos foram selecionados em primeira instância, serão chamados para darem início ao processo de seleção. Os candidatos serão encaminhados para as entrevistas, cabendo ao responsável pela solicitação do recurso, a palavra final sobre a aprovação ou não do candidato. O candidato selecionado será encaminhado para as seguintes providências: Exame médico (para os colaboradores com vínculo empregatício); Obtenção da documentação necessária para a contratação. Da Contratação De posse do exame médico e de toda documentação solicitada pela ELITE, será feita a devida formalização da contratação com o respectivo colaborador. Após a devida formalização da contratação, ou seja, apto clinicamente e registro em carteira (com vínculo empregatício) e assinatura do Termo de Responsabilidade, ou contrato assinado (sem vínculo empregatício) o colaborador será liberado a assumir suas atividades dentro da ELITE. Deverão, ainda, serem rigorosamente atendidas às normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e do Emprego. 20

21 Do Controle das Movimentações Toda alteração na vida profissional do colaborador dentro da ELITE será controlada, de forma a manter adequado o contrato entre as partes, firmados com empregados ou com prestadores de serviço. Os controles e registros serão efetuados pelas áreas responsáveis pela administração do contrato, dependendo do processo envolvido: Responsável por Recursos Humanos: Admissão; Transferência de área; Alterações abrangendo cargo, remuneração e benefícios; Férias; Afastamento (por licenças médicas/maternidade etc.); Desligamento. Essa documentação será arquivada junto com o respectivo contrato com do colaborador. Área de Contabilidade: Comunicações das admissões e desligamentos ao Ministério do Trabalho e Emprego; Cálculos das obrigações fiscais, tributárias, trabalhistas e previdenciárias envolvidas. Treinamento Da Identificação da Necessidade As necessidades de treinamento serão identificadas quando a ELITE julgar conveniente preparar o colaborador para desempenhar adequadamente as atividades a ele confiadas. A identificação da necessidade de treinamento poderá ocorrer quando: Da admissão do empregado; Da alteração do cargo (ex: promoção) e das funções do empregado; Na implantação e implementação de novas sistemáticas de trabalho; Na informação ao colaborador das regras e princípios da ELITE. Será dada preferência para que o treinamento seja ministrado por Instrutor Interno. PONTOS DE CONTROLE Das Atividades Formalização da contratação de colaboradores (registro em carteira e contratos assinados). 21

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

Endereço Principal nº Complemento. Bairro Cidade Estado País CEP. Denominação dos Controladores / Administradores

Endereço Principal nº Complemento. Bairro Cidade Estado País CEP. Denominação dos Controladores / Administradores FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA NÃO FINANCEIRA Código Assessor Informações Gerais Denominação / Razão Social Data de Fundação CNPJ Nº Identificação do Registro Empresarial -NIRE Atividade Principal Forma

Leia mais

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 12/09/2013 1. OBJETIVOS O objetivo desta Política é estabelecer

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

Código de Ética, Conduta e Relacionamento

Código de Ética, Conduta e Relacionamento As normas éticas possuem como pressuposto as normas morais. A ética estabelece normas de conduta as quais são destinadas a regular os atos humanos tendentes à consecução dos fins a que se propõe. O não

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL 1. 1. Ética e Conduta 1.1 Ética O princípio maior visa atos respaldados em valores éticos, respeitando os direitos da corretora e dos clientes, visando honrar seus compromissos. O cliente está em primeiro

Leia mais

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição FICHA DE CADASTRO PESSOA FÍSICA Código Assessor Informações Gerais Nome Completo Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF CPF Estado Civil Sexo Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO LTDA MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Revisado em agosto/2013 Página 1/8 1. CRITÉRIOS BÁSICOS Em atendimento a Instrução CVM 497 de 03 de junho de 2011,

Leia mais

Seus projetos para o futuro começam a ser construídos no presente

Seus projetos para o futuro começam a ser construídos no presente Seus projetos para o futuro começam a ser construídos no presente Um plano de previdência comprometido com o seu Caro(a) colaborador(a), futuro Este Termo de Adesão é o caminho para que você se torne um

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12. Dispõe sobre a identificação, o cadastro, o registro, as operações,

Leia mais

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicada no DOU de 25/08/2011 e retificada no DOU de 26/08/2011) Atualizada em 02/05/2012 Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM No 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 463/08 E 506/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM No 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 463/08 E 506/11. TEXTO INTEGRAL DA, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 463/08 E 506/11. Dispõe sobre a identificação, o cadastro, o registro, as operações, a comunicação, os limites e a responsabilidade

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86)

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

MANUAL DE ACESSO DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ACESSO DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ACESSO DA BM&FBOVESPA Fevereiro 2015 Índice ÍNDICE REGISTRO DE VERSÕES 6 1. INTRODUÇÃO 7 1.1. OBJETO 7 2. PARTICIPANTES AUTORIZADOS 9 2.1. PARTICIPANTE DE NEGOCIAÇÃO PLENO 9 2.1.1. Categorias

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE = TERMO DE REFERÊNCIA = PROCESSO SELETIVO

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE = TERMO DE REFERÊNCIA = PROCESSO SELETIVO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTABILIDADE = TERMO DE REFERÊNCIA = PROCESSO SELETIVO IADH JULHO / 2012 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este Termo de Referência visa orientar a contratação de empresa especializados de

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. 01/03/2013 Índice 1. CADASTRO DE CLIENTE... 1.1

Leia mais

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição FICHA DE CADASTRO PESSOA FÍSICA Código Assessor Data: / / Informações Gerais Nome Completo Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF CPF Estado Civil Sexo Documento Apresentado (tipo) Nº

Leia mais

2.1 Podem participar do presente credenciamento, todos os interessados que preencham as condições exigidas no presente Edital;

2.1 Podem participar do presente credenciamento, todos os interessados que preencham as condições exigidas no presente Edital; 1 CREDENCIAMENTO 001/2011 O FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARIANA FUNPREV, por meio de sua Gestora, torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar CREDENCIAMENTO

Leia mais

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM da Solidus S/A CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 08/02/2013 A Corretora Solidus S/A CCVM assume o compromisso de zelar pela reputação de seus negócios e de sua imagem, assim

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO NOVA FUTURA DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA,

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Esta ficha complementa o cadastro do cliente na Credit Suisse (Brasil) S.A. CTVM ( Credit Suisse ) com informações

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Corretora ), em atenção à Instrução

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Negociação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 301, DE 16 DE ABRIL DE 1999, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 463/08, 506/11 E 523/12. Dispõe sobre a identificação, o cadastro, o registro, as operações,

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A. 1. Princípio Geral: Escopo 1.1 A POLÍTICA estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados pela Companhia e pessoas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento GRUPOINVEST, doravante designado simplesmente Clube constituído por número limitado de

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco N 01.006 Versão: 02 Atualizado: 19/01/2012 Abrangência: Departamentos, Agências, Empresas Ligadas

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS DIRETORIA EXECUTIVA 11/06/2013 11/06/2013 1 / 8 Assunto: CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. REGRAS E PROCEDIMENTOS As regras,

Leia mais

BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP

BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP 1. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO O BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. observará, na condução

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO Julho de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. DEFINIÇÕES... 3 2. CONCEITO... 4 3. REGULAMENTAÇÃO... 5 4. OBJETIVOS DO PROGRAMA DE PLDFT...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Objetivos da POLÍTICA 1. Esta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( POLÍTICA ) estabelece as diretrizes e os procedimentos que orientam a WEG S.A., as empresas

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Código do cliente: FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Assessor: PESSOA JURÍDICA F.P07.003.06 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda.

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Regras e Parâmetros de Atuação nos Mercados Administrados pela BM&F BOVESPA e nos Mercados de Balcão. CNPJ 60.783.503/0001-02 A Safra Corretora de Valores e Câmbio

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Março 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 1 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL... 5 CAPÍTULO 2 ÁREAS DE CONHECIMENTO... 6 Operações... 6 Back Office... 6 Compliance... 7 Risco...

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes A Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. (doravante denominada HOYA

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Classificação do Cliente Tipo de Cliente Tipo de pessoa PJ Denominação / Razão Social. Complemento Bairro Cidade Estado

Classificação do Cliente Tipo de Cliente Tipo de pessoa PJ Denominação / Razão Social. Complemento Bairro Cidade Estado SANTANDER CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A., com sede na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2235 e 2041-24º andar, inscrita no CNPJ/MF sob nº

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Banco BTG Pactual S.A.

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Banco BTG Pactual S.A. O Banco BTG Pactual S/A ( BANCO ), em atendimento ao disposto na Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011, conforme alterada, da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) e nas demais normas expedidas

Leia mais

ANEXO I OBJETO. OBJETO: Contratação de empresa para realização de auditoria do exercício de 2014.

ANEXO I OBJETO. OBJETO: Contratação de empresa para realização de auditoria do exercício de 2014. ANEXO I OBJETO OBJETO: Contratação de empresa para realização de auditoria do exercício de 2014. Prestação de serviços de auditoria para exame das demonstrações contábeis e financeiras do exercício de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA 1. APRESENTAÇÃO 1.1 OBJETIVO O objetivo deste Código de Conduta Ética é definir padrões visando : a) Prevenção de conflitos de interesses, envolvendo acesso às informações privilegiadas,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br Bem-vindo aos artigos do Finança Pessoal. Nesse primeiro artigo vamos esclarecer as informações sobre os Clubes de Investimentos e vamos fazer um passo-a-passo de como montar um clube. Esse artigo é uma

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

1.Introdução... 2. 2. Definições... 2. 3. Objetivos e Princípios... 3. 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio...

1.Introdução... 2. 2. Definições... 2. 3. Objetivos e Princípios... 3. 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio... Índice 1.Introdução... 2 2. Definições... 2 3. Objetivos e Princípios... 3 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio... 4 5. Restrições à Negociação na Pendência de Divulgação

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

COLETA DE PREÇOS - CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONTABILIDADE CP 003/2015

COLETA DE PREÇOS - CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONTABILIDADE CP 003/2015 COLETA DE PREÇOS - CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONTABILIDADE CP 003/2015 1. OBJETO GERAL Contratação de empresa para prestação de serviços especializados de contabilidade pública e privada, pagamento de

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS BANCO FATOR

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS BANCO FATOR 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Contêm as diretrizes básicas para o contrato/distrato, as condições de credenciamento, as normas de conduta e as responsabilidades dos Agentes Autônomos de Investimento para

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Autorização

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

Contrato Para Realização, via Internet, de Operações nos Mercados à Vista e de Opções.

Contrato Para Realização, via Internet, de Operações nos Mercados à Vista e de Opções. Contrato Para Realização, via Internet, de Operações nos Mercados à Vista e de Opções. A Talarico CCTM Ltda, com sede na Cidade de São Paulo, à Av. Paulista, 1776-6 andar, inscrita no CNPJ sob o nº 61.729.133/0001-98,

Leia mais

Ficha Cadastral/Proposta de abertura de conta de depósito Pessoa Física

Ficha Cadastral/Proposta de abertura de conta de depósito Pessoa Física Ficha Cadastral/Proposta de abertura de conta de depósito Pessoa Física Identificação do cliente Nome completo (sem abreviações) Sexo Endereço Residencial M Nº F Bairro Cidade UF CEP País Telefone E-mail

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 ÍNDICE TÍTULO I - DO OBJETO...

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

J. Safra Corretora de

J. Safra Corretora de J. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. CNPJ 60.783.503/0001-02 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA BM&FBOVESPA E NOS MERCADOS DE BALCÃO. A J. Safra Corretora de Valores

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto de 2013. 1 POLÍTICA

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I Anexo I REGULAMENTO DA CONCESSÃO DO AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA - AUXPE 1. Da Concessão e Aceitação 1.1 A solicitação e concessão de recursos financeiros dar-se-á mediante celebração

Leia mais

NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA

NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA Reunião dos Conselheiros eleitos, com o fim de deliberação.- O Plenário do Conselho Regional reunirse-á ordinariamente, pelo menos, uma vez por ano e, extraordinariamente

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE COMPLIANCE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE COMPLIANCE MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE COMPLIANCE 1. OBJETIVO Esta norma tem o objetivo de informar a todos os colaboradores da FOURTRADE CORRETORA DE CÂMBIO LTDA, sobre o que é Compliance, missão e riscos envolvidos.

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TECNISA S.A., OU A ELES REFERENCIADOS, POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO

Leia mais