PESQUISA NAS BASES DE DADOS DA OE Treino de Competências

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA NAS BASES DE DADOS DA OE Treino de Competências"

Transcrição

1 Secção Regional do Norte PESQUISA NAS BASES DE DADOS DA OE Treino de Competências Pedro Melo 1/39

2 Propostas Identificar a Prática Baseada na Evidência como uma orientação para os padrões de qualidade dos cuidados; Identificar as bases de dados como fontes de acesso à evidência cientifica; Treinar competências de pesquisa booleana e acesso às bases de dados pela OE. PM 2010/2011 2/39

3 ENFERMAGEM EVIDÊNCIA PM 2010/2011 3/39

4 Evidência da Investigação Actualizada Crenças. Atitudes, Valores, Tradição Competência Clínica Tomada de Decisão Factores relacionados com utente/família Factores Organizacionais Rotina Craig e Smyth, 2003 PM 2010/2011 4/39

5 CONHECIMENTO CIENTÍFICO EVOLUÇÃO SOCIAL ATITUDES NA PRÁTICA CLÍNICA PM 2010/2011 5/39

6 Prática Baseada na Evidência o uso consciente, explicito e judicioso da melhor evidência atual para a tomada de decisão sobre o cuidar individual do utente Atalah e Castro, 1999 Compreende um processo integralizador da competência clínica individual com os achados clínicos gerados pelas pesquisas sistemáticas existentes e nos princípios da epidemiologia clínica. É fazer Bem as coisas Certas French, 1999 Muir Gray, 1997, citado por Craig e Smyth, 2003 p.4) PM 2010/2011 6/39

7 Prática baseada em Evidência Tomada de Decisão Clínica Acesso às informações cientificas Avaliação e Validação das Informações Cientificas - Investigação - Diagnósticos - Avaliação de Probabilidades - Discussão Conjunta; Análise das Decisões Possíveis -Análise da Eficiência e Eficácia das Condutas Internet Cochrane Database of systematic Review Bases de Dados Electrónicos EBSCO, B-ON - Conhecer a Metodologia Cientifica; Orientar-se pela classificação da Evidência Cientifica: 1. Revisões Sistemáticas; 2. Ensaios Clínicos Randomizados; 3. Estudos de Coorte/ Caso- Controle; 4. Séries de Casos; 5. Conferências/ Opiniões de Especialistas Colyer, 1999 PM 2010/2011 7/39

8 As Bases de Dados Pesquisam simultaneamente Revisões Sistemáticas e Metanálise de estudos experimentais Estudos prospectivos, controlados, experimentais e aleatórios Estudos de Intervenção, quase experimentais, não aleatórios Estudos não experimentais, de casocontrole ou transversais Revisão da Literatura Narrativa com estudos descritivos e estudos qualitativos Estudos descritivos e qualitativos INFORMAÇÃO FILTRADA INFORMAÇÃO NÃO FILTRADA Congressos / Opiniões de Peritos e/ou autoridades EBM Pyramid and EBM Page Generator, copyright 2006 Trustees of Dartmouth College and Yale University Tradução Livre de Pedro Melo, 2010 com adaptação de Davies, Crombie (2003) e Fineout-Overholt (2004) citados por Vilelas (2009) PM 2010/2011 8/39

9 O caminho metodológico revisão sistemática e metanálise Definição do Problema Desenho do teste de evidência Definição das bases de dados e descritores e levantamento dos dados Primeira aplicação do teste de evidência - Resumo Rejeição Aceitação preliminar Segunda aplicação do teste de evidência - texto completo Rejeição Aceitação definitiva Análise dos artigos, considerando as evidências apresentadas Apresentação qualitativa e quantitativa dos resultados REVISÃO SISTEMÁTICA Apresentação qialitativa dos resultados METANÁLISE 9/39

10 Teste de Evidência - Exemplos 10/39

11 Fazer as questões certas PM 2010/ /39

12 Esquema P.I.C.O. opulação ntervenção omparação da Intervenção utcomes (resultados) PM 2010/ /39

13 Exemplo 1 Criança 10 anos Submetida a cirurgia cardíaca Necessitou de Ventilação Artificial e suporte farmacológico Desenvolve Úlcera de Pressão na Região Occipital Como posso evitar que se desenvolvam outras úlceras nesta criança? PM 2010/ /39

14 Esquema P.I.C.O. Crianças Criticamente Doentes Camas de Baixa Pressão Constante Colchões de Espuma de alta especificação Úlceras de Pressão: descoloração constante da pele ou perda parcial ou total da espessura da mesma. Em crianças criticamente doentes, as camas com uma baixa pressão constante são mais Eficazes do que os colchões de espuma de alta especificação para prevenir UP? Revisão Sistemática de Ensaios Aleatórios Controlados Descritores: Criança/ Pediatria / Cama de Baixa Pressão / Colchões de espuma/ prevenção UP PM 2010/ /39

15 Exemplo 2 Adesão à Amamentação Baixa Relatório da Saúde Pública Visitas Domiciliárias de Puerpério numa comunidade carenciada, demonstram que nos primeiros 10 dias pós parto, muitas mães alimentam os filhos com biberão. Porque as mães não aderem à amamentação? PM 2010/ /39

16 Esquema P.I.C.O. Mães que vivem em áreas carenciadas Insight sobre os factores que influenciam as decisões das mães Não se Aplica neste contexto Percepções, atitudes, valores e crenças das mães relacionadas com Alimentação na mama e/ou por biberão Quais os Factores Identificados pelas mães que vivem em áreas carenciadas no centro aa cidade, que as influenciam na opção pela amamentação ou aleitamento artificial? Revisão de Investigações Qualitativas Descritores: Mães/ carenciadas / Amamentação/ Aleitamento artificial/ percepções, PM 2010/ /39

17 Outros Modelos de Perguntas Adaptadp de Melnyk e Fineout-Overnol (2005), citados por Vilelas (2009) TRATAMENTO Em qual o efeito de comparado com? Ex.: Em idosos com depressão, qual o efeito da terapia farmacológica comparada com a Musicoterapia? ETIOLOGIA Qual/Existe risco para/de comparado com com/sem? Ex.: Existe risco de insucesso escolar em crianças pertencentes a famílias disfuncionais, comparado com o que existe em crianças que vivem em famílias bem estruturadas? DIAGNÓSTICO São/É mais eficaz no diagnóstico comparado com? Ex.: É a Escala FACESII mais eficaz no diagnóstico da Relação Dinâmica, comparada com a Escala de APGAR Familiar? PREVENÇÃO Para a utilização de reduz o risco futuro comparado com? Ex.: As adolescentes vacinadas contra as infecções por correm menos riscos em relação a Um futuro cancro do cólo do útero do que as adolescentes não vacinadas? PROGNÓSTICO Qual a influência de em indivíduos que tenham? Ex.: Qual a influência das condições socioeconómicas em mulheres que tenham abortado SIGNIFICADO Qual a percepção diagnosticados com em relação a? Ex.: Qual a percepção/vivência das crianças em idade escolar em relação ao Bullying? 17/39

18 Subsídios específicos para aceder à evidência pela Investigação Incerteza sobre o melhor modo de acção; Controvérsia, em relação ao modo como um procedimento ou terapêutica deve ser conduzido; Falta de conhecimento sobre a eficácia de uma terapia ou teste, sobre outro; Resultados inesperados no utente; Introdução de novas terapias ou tecnologias; Práticas Baseadas na Tradição; Novas sugestões do utente. PM 2010/ /39

19 Bases de Dados Disponíveis na OE PM 2010/ /39

20 O acesso PM 2010/ /39

21 Acesso à EBSCO host PM 2010/ /39

22 Acesso à EBSCO host PM 2010/ /39

23 Acesso à EBSCO host PM 2010/ /39

24 Acesso à EBSCO host PM 2010/ /39

25 Acesso à B-On PM 2010/ /39

26 Acesso à B-On 22Ordem PM 2010/ /39

27 Acesso à B-On 22Ordem PM 2010/ /39

28 A PESQUISA BOOLEANA Desenvolveu a álgebra boolena Permite a relação algébrica entre afirmações lógicas George Boole PM 2010/ /39

29 PESQUISA BOOLEANA Conceito Exemplos de pesquisa Modalidade de recuperação de dados AND vermelho AND branco meninos AND pobreza "guerra civil" AND Virgínia Nota: AND pode ser substituído com o sinal * Recupera só os dados que contêm ambos os termos. OR sessenta OR 60 OR 1960 labor OR trabalho OR OR "correio eletrónico" Nota: OR pode ser substituído com o sinal + Recupera todos os dados que contêm também um só dos termos. AND NOT Caribe AND NOT Cuba Manzoni AND NOT Alessandro "guerra civil" AND NOT americana Exclui os dados que contém o segundo termo. NESTING fruta AND (banana OR maçã) (masculino OR feminino) AND futebol (cor OR coloração) AND (desenho OR pintura)) AND NOT (arte OR arquitetura) Usa os parênteses ( ) para agrupar porções de pesquisa booleana e formar pesquisas mais complexas. Primeiramente são calculadas as expressões no interior dos parênteses, depois os resultados são confrontados entre si para obter o resultado final. PM 2010/ /39

30 PESQUISA BOOLEANA Conceito Exemplos de pesquisa Modalidade de recuperação de dados ADJ Black ADJ Board = Blackboard As palavras devem encontrar-se umas ao lado das outras ( ) (cor OR coloração) AND (desenho OR pintura)) AND NOT (arte OR arquitetura) Permitem a conjugação de operadores booleanos Troncaduras Ponto de interrogação? - representa uma única letra em qualquer parte da palavra wom?n, procura woman e women Asterisco * - representa todos os caracteres possíveis após a última letra sex*, permite encontrar variantes como sexo, sexismo, sexualidade, sexologia, etc. permite encontrar as variantes de um determinado termo (singular ou plural) e permite ainda "esconder" uma letra num conjunto de caracteres PM 2010/ /39

31 PM 2010/ /39

32 RESOLUÇÃO Sociólogo and Francês PM 2010/ /39

33 RESOLUÇÃO Sociólogo or Francês PM 2010/ /39

34 RESOLUÇÃO Sociólogo e Francês e Século XX PM 2010/ /39

35 RESOLUÇÃO Sociólogo or Francês or Século XX PM 2010/ /39

36 RESOLUÇÃO Sociólogo and (Francês or Século XX) PM 2010/ /39

37 RESOLUÇÃO (Sociólogo and Francês) or Século XX PM 2010/ /39

38 38 PM 2010/ /39

39 "Não basta conquistar a sabedoria, é preciso usá-la." (Cícero) PM 2010/2011

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

http://www.bvs.br Biblioteca Virtual em Saúde Acesso às fontes de informação Parte 2

http://www.bvs.br Biblioteca Virtual em Saúde Acesso às fontes de informação Parte 2 http://www.bvs.br Acesso às fontes de informação Parte 2 Gerência de Serviços de Informação online@bireme.br Pesquisa Bibliográfica Bases de dados Campos de pesquisa Estratégia de pesquisa Bases de Dados?

Leia mais

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz 1 Evidence brief Introdução Pay-for-performance (P4P): transferência

Leia mais

CONCEITOS ELEMENTARES: BUSCA BIBLIOGRÁFICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NA INTERNET

CONCEITOS ELEMENTARES: BUSCA BIBLIOGRÁFICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NA INTERNET CONCEITOS ELEMENTARES: BUSCA BIBLIOGRÁFICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NA INTERNET São Paulo, 2008 2008 INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA ARMÊNIO CRESTANA Superintendente: Dra. Norma Araujo Assessor Executivo: Clóvis

Leia mais

Organizadores: Lilia Maria Bitar Neves, Douglas Alex Jankoski, Marcelo José Schnaider

Organizadores: Lilia Maria Bitar Neves, Douglas Alex Jankoski, Marcelo José Schnaider Tutorial de Pesquisa Bibliográfica Este Tutorial faz parte da programação de treinamentos da Biblioteca de Ciências da Saúde Sede Serve como material de apoio e não possui fins lucrativos Organizadores:

Leia mais

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Que evidência utilizar? Depende do tipo de pergunta (necessidade) que se quer responder e o tempo

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores:

O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores: Plano e Orçamento para 2010 - Saúde O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores: Queremos um Serviço Público de Saúde cada vez mais próximo.

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a Master Assessoria Educacional criou o Curso de Mestrado em Fisioterapia, o qual procura enfatizar a Intervenção

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica

Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica http://cochrane.bireme.br Verônica Abdala veronica@bireme.br Gerência de Serviços de Informação BIREME/OPAS A Biblioteca Cochrane É a melhor

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

Busca em Bases de Dados. Profª. Rosa Carvalho

Busca em Bases de Dados. Profª. Rosa Carvalho Busca em Bases de Dados Profª. Rosa Carvalho Pesquisa em fisioterapia: a prática baseada em evidências e modelos de estudos (Marques,A.P.; Peccin,M.S.) Durante muitos anos, os fisioterapeutas atuaram com

Leia mais

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Os ensaios clínicos são estudos de investigação realizados em voluntários humanos para responder a questões científicas específicas. Especialmente

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE RECURSO EDUCATIVOS

MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE RECURSO EDUCATIVOS MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE RECURSO EDUCATIVOS Índice: Introdução 3 Acesso aos recursos bibliográficos 3 Circuito documental 3 O que é o catálogo bibliográfico? 4 Como entrar no catálogo bibliográfico?

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Capítulo 1 Escolha do artigo a ser lido

Capítulo 1 Escolha do artigo a ser lido L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 15 Capítulo 1 Escolha do artigo a ser lido 1.1. Introdução Historicamente, a decisão médica era baseada na experiência pessoal, em observações

Leia mais

Portal de Periódicos Capes

Portal de Periódicos Capes Portal de Periódicos Capes www.periodicos.capes.gov.br/ O que é o Portal de Periódicos? A maior biblioteca virtual de informação científica do mundo: Mais de 36.000 títulos de revistas acadêmicas (periódicos)

Leia mais

ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento. Plano de Formação 2011. Aprovação do Conselho Directivo

ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento. Plano de Formação 2011. Aprovação do Conselho Directivo ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento Plano de Formação 2011 Aprovação do Conselho Directivo A intervenção integrada na Saúde Mental nos CSP 1 24 Rita Oliveira do Carmo Abordagem ao Doente

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA CIENTÍFICA

FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA CIENTÍFICA OFICINA FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA CIENTÍFICA Projeto de Extensão LALETEC Para refletir! Agenda ETAPAS DE UMA PESQUISA 1 O QUE PESQUISAR? assunto Objetivo: Delimitar o tema e listar as respectivas

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Segundo recente relatório da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC) /OMS (World Cancer Report 2008), o impacto global do câncer mais que dobrou em 30 anos. Estimou-se que, no ano de 2008,

Leia mais

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise Ensaios Clínicos Introdução ao planeamento e análise Estudos Interventivos Experiência feita com um grupo de pacientes com características totalmente controladas pelo investigador. Estudos Comunitários

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

Orientações para elaboração de documentos utilizados no gerenciamento e assistência de enfermagem

Orientações para elaboração de documentos utilizados no gerenciamento e assistência de enfermagem Orientações para elaboração de documentos utilizados no gerenciamento e assistência de enfermagem REGIMENTO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM De acordo com Paulina Kurcgant (1991): O regimento interno é o ato normativo

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres

Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres Nº ENTRADA TITULO DA COMUNICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 1 A Unidade de Cuidados na comunidade (UCC) na reconfiguração dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal:

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Projetos de pesquisa no Saúde Instituto de Ciências da 10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Título: Avaliação da autoeficácia materna para prevenir diarreia infantil em Redenção-CE

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA DEPT FMR PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO Profª Drª Vanusa Caiafa Caetano 2012 Desenhos de Pesquisa Porque

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Endereço(s) de correio electrónico 8800 Tavira (Portugal) Telemóvel +351 964525224 ritalealpsi@hotmail.com ; ritalealpsi@gmail.com

Leia mais

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANEJAMENTO E GERÊNCIA EM SAÚDE II ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO Professores: Dra. Luciana Alves

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades , URL: http://www.ecmal.br/metodologia Página 1 de 5 Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades A iniciação científica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Desenvolvimento de Competências de Informação. Margarida Paiva Oliveira Novembro,2012

Desenvolvimento de Competências de Informação. Margarida Paiva Oliveira Novembro,2012 Desenvolvimento de Competências de Informação Margarida Paiva Oliveira Novembro,2012 A EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO SÃO ÓTIMAS VIAS PARA O DESENVOLVIMENTO Objetivos Propor diretrizes para a pesquisa Identificar

Leia mais

Prática baseada em Evidências. Lucieni Oliveira Conterno Infectologia - Epidemiologia

Prática baseada em Evidências. Lucieni Oliveira Conterno Infectologia - Epidemiologia Prática baseada em Evidências Lucieni Oliveira Conterno Infectologia - Epidemiologia Clínica Dentro de 10 anos estará provado que metade daquilo que vocês aprenderam na escola de medicina estava errado.

Leia mais

Análise da Informação Económica e Empresarial

Análise da Informação Económica e Empresarial Análise da Informação Económica e Empresarial Aula 3: Noções fundamentais sobre a realização de trabalho empírico em Economia e Gestão pesquisa Aula 3: Noções fundamentais sobre a realização de trabalho

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Tratamentos estéticos sob suspeita

Tratamentos estéticos sob suspeita Tratamentos estéticos sob suspeita Não há estudos científicos consistentes que comprovem a eficácia de técnicas populares, como carboxiterapia, alertam especialistas 17 de julho de 2011 0h 00 Karina Toledo

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Epidemiologia Veterinária: Introdução

Epidemiologia Veterinária: Introdução Epidemiologia Veterinária: Introdução Vítor Salvador Picão Gonçalves Universidade de Brasília Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Laboratório de Epidemiologia Veterinária - EpiPlan Questões abordadas

Leia mais

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Formulação de Políticas de Saúde e Tomada de Decisões Informadas por Evidências Sessão 5 Como usar evidências de pesquisa

Leia mais

1º SEMESTRE 30 30-02 2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA TOTAL TEORIA PRÁTICA

1º SEMESTRE 30 30-02 2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA TOTAL TEORIA PRÁTICA 1º SEMESTRE Introdução a 90 60 30 06 Anatomia Humana 90 60 30 06 Biologia Celular e Molecular Embriologia e Histologia Humana Antropologia da Saúde Educação em Saúde Relações Étnico-Raciais Metodologia

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS DE BOTUCATU RUBIÃO JÚNIOR UNESP

DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS DE BOTUCATU RUBIÃO JÚNIOR UNESP DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS DE BOTUCATU RUBIÃO JÚNIOR UNESP Guia para acesso às bases de dados bibliográficos: BVS -Bireme Parte IV 2 DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO ON LINE NÍVEL BÁSICO

FONTES DE INFORMAÇÃO ON LINE NÍVEL BÁSICO FONTES DE INFORMAÇÃO ON LINE NÍVEL BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. Maio de 2011 APRESENTAÇÃO 2 Alguns conceitos; Passos da pesquisa; Fontes

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO EM PUÉRPERAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO NO AMBULATÓRIO RN DE RISCO DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO EM PUÉRPERAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO NO AMBULATÓRIO RN DE RISCO DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DO

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

Na busca, sugere-se que o usuário utilize termos em inglês para recuperar a literatura científica dos periódicos do Portal.

Na busca, sugere-se que o usuário utilize termos em inglês para recuperar a literatura científica dos periódicos do Portal. Na busca, sugere-se que o usuário utilize termos em inglês para recuperar a literatura científica dos periódicos do Portal. A busca é realizada em diferentes fontes de informação e os resultados podem

Leia mais

Guia de Consulta. Percorrer

Guia de Consulta. Percorrer Guia de Consulta Percorrer A secção "Percorrer" permite-lhe consultar uma das listas numa determinada ordem. Existem cinco listas diferentes: Comunidades, Colecções, Títulos, Autores e Datas. Poderá percorrer

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Portal CAPES www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Estrutura da apresentação 1. Breve histórico 2. Conceitos básicos 3. Finalidade do Portal 4. Informações

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Nome(s) próprio(s) / Apelido(s) Teresa Pereira Gonçalves Morada(s) Rua António Silva, nº 31, 3º C, 2725-170 Mem-Martins (Portugal) Telemóvel 916038178 Endereço(s)

Leia mais

Algoritmos e Linguagens de Programação. Álgebra Booleana. Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Abril de 2007. Unidade 02-001 Álgebra Booleana

Algoritmos e Linguagens de Programação. Álgebra Booleana. Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Abril de 2007. Unidade 02-001 Álgebra Booleana Álgebra Booleana Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Abril de 2007 1 Histórico A álgebra booleana, também conhecida como álgebra de boole, foi criada pelo matemático inglês George Boole (1815-1864)

Leia mais

http://cochrane.bvsalud.org

http://cochrane.bvsalud.org Acesso à informação de boa evidência em saúde Portal Cochrane BVS http://cochrane.bvsalud.org Verônica Abdala Serviços Cooperativos de Informação, Gerente veronica.abdala@bireme.org Capacitar para acesso

Leia mais

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Brasília- DF, 25 de abril de 2012 ObjeHvos de Desenvolvimento do Milênio - ODM Obje%vo

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos Março de 2013

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos Março de 2013 Portal CAPES www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos Março de 2013 1 Buscar Assunto O Portal de Periódicos oferece facilidades para o usuário realizar levantamentos sobre

Leia mais

9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano. Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto

9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano. Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto 9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano (Os conteúdos relativos à morfologia e fisiologia do sistema reprodutor humano serão leccionados na disciplina de Ciências Naturais de

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

Licenciatura em Medicina DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA

Licenciatura em Medicina DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE ABEL SALAZAR Licenciatura em Medicina DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA Ano Lectivo de 2003/2004 INTRODUÇÃO Através do ensino da Epidemiologia pretende-se contribuir para

Leia mais

Metodologia Científica. Jônatas Catunda de Freitas

Metodologia Científica. Jônatas Catunda de Freitas Metodologia Científica Jônatas Catunda de Freitas Temas da aula Estrutura de uma pesquisa Revisão bibliográfica Tipos de estudo Comitê de ética Montagem de um banco de dados Análise dos dados - bioestatística

Leia mais

Avaliação da atenção na gravidez e no parto

Avaliação da atenção na gravidez e no parto CAPÍTULO 2 Avaliação da atenção na gravidez e no parto 1. Introdução 2. Minimizando erros sistemáticos (vieses) 2.1 Minimizando o viés na seleção de controles 2.1.1 Estudos utilizando controles históricos

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada Promoção de saúde Prevenção de riscos e doenças Reabilitação Nathalia C Andrada Programa Diretrizes diretrizes@amb.org.br Cenário atual www.projetodiretrizes.org.br Cenário atual Cenário atual TRAJETÓRIA

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS Fonte: IPPF Carta sobre os Direitos em Matéria de Sexualidade e de Reprodução Tradução e Compilação: Conceição Fortes (Consultora IEC) PRESSUPOSTOS: 1 - O direito à saúde

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

Validade em Estudos Epidemiológicos

Validade em Estudos Epidemiológicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva em Estudos Epidemiológicos : termo derivado do latim validus ( forte ) A validade de um estudo epidemiológico está associada

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE BUCAL UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE BUCAL UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE BUCAL UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação,

Leia mais

ANÁLISE CUSTO-UTILIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA DAS FRATURAS DE FÊMUR OSTEOPORÓTICAS NO BRASIL

ANÁLISE CUSTO-UTILIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA DAS FRATURAS DE FÊMUR OSTEOPORÓTICAS NO BRASIL ANÁLISE CUSTO-UTILIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA DAS FRATURAS DE FÊMUR OSTEOPORÓTICAS NO BRASIL Letícia Krauss Silva ENSP/FIOCRUZ Introdução Atualmente vista como um dos problemas de saúde mais

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Portal de Periódicos Capes

Portal de Periódicos Capes Portal de Periódicos Capes Dezembro de 2014 1 O que é o Portal de Periódicos? A maior biblioteca virtual de informação científica do mundo: Mais de 36.000 títulos de revistas acadêmicas (periódicos) disponíveis

Leia mais

Caderneta de Saúde do(a) Adolescente

Caderneta de Saúde do(a) Adolescente Caderneta de Saúde do(a) Adolescente Dentre as ações do Ministério da saúde da área técnica da saúde do adolescente e do jovem, encontra-se a Caderneta da Saúde do(a) Adolescente (2009). portalsaude.saude.gov.br

Leia mais

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA O QUE É? O HEPATOBLASTOMA Fígado O HEPATOBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O HEPATOBLASTOMA? O hepatoblastoma é o tipo de tumor maligno do fígado mais frequente na criança; na maioria dos casos

Leia mais

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos:

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos: A primeira coisa que deve saber sobre o PHDA é que esta é uma condição real e tratável que afecta milhões de crianças, adolescentes e adultos. Mais importante, com diagnóstico apropriado e tratamento eficaz,

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1:

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Introdução à Estatística Importância da Estatística Fases do Método Estatístico Variáveis estatísticas. Formas Iniciais de Tratamento dos Dados Séries Estatísticas.

Leia mais