Revista Redescrições Revista on line do GT de Pragmatismo e Filosofia Norte-Americana Ano 1, Número 4, 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Redescrições Revista on line do GT de Pragmatismo e Filosofia Norte-Americana Ano 1, Número 4, 2010"

Transcrição

1 Filosofia e Fantasia Privada: Derrida por Richard Rorty versus Derrida por ele mesmo Lucas Nogueira do Rego Villa Lages i Resumo: Este artigo busca analisar a leitura feita por Richard Rorty, na obra Contingência, Ironia e Solidariedade, acerca do pensamento final do filósofo francês Jacques Derrida, comparando-a com a leitura que este filósofo, posteriormente, faria de si mesmo em conferência proferida com o tema Desconstrução e Pragmatismo. Rorty parece sugerir que Derrida, definitivamente, rompe com os limites entre filosofia e literatura, abandonando a preocupação com a esfera pública e lançando seu pensamento em uma audaciosa aventura pela fantasia privada. O próprio Derrida, no entanto, em resposta a esta leitura feita de sua obra pelo filósofo americano, refuta-a, assumindo seu compromisso com a filosofia e afirmando a impossibilidade de separar o filosofar de um compromisso com a dimensão pública. O Derrida de Rorty, aquele preocupado com a criação de um novo vocabulário e desprendido da lógica e da argumentação racional, embora contrário à leitura que Derrida faz de si mesmo, pareceria um pensador melhor encaixado no contexto da contemporaneidade. Palavras-chave: Rorty, Derrida, Desconstrução, Ironia, Fantasia Privada. Abstract: This article tries to analyze the Richard Rorty s interpretation, at Contingency, Irony and Solidarity, of Jacque Derrida s last philosophy, comparing it with Derrida s self-interpretation. Rorty sugest that Derrida definitely breaks the bounds between philosophy and literature, abandoning the concern about the public sphere and throwing his thought in an adventure over the private fantasy. Derrida himself, however, replying Rorty s reading, assume his commitment with philosophy and the impossibility of divide it from the public dimension. Rorty s Derrida, the one concerned about the creation of a new vocabulary and defying logic and rational argumentation, looks like a thinker more framed at the contemporary context. Keywords: Rorty, Derrida, Deconstruction, Irony, Private Fantasy. 1. Introdução O presente artigo tem como objetivo analisar a leitura que Richard Rorty faz do filósofo francês Jacques Derrida, tomando como base a obra Contingência, Ironia e Solidariedade (RORTY, 1994), mormente seu capítulo seis, incluso na parte II. Procura, também, confrontar essa leitura com a que Derrida faz de si próprio, embasando-se para tal na conferência Notas sobre Desconstrução e Pragmatismo (DERRIDA, 2005), por ele proferida no Collège International de Philosophie de Paris. Pretendemos, então, com esta análise, descobrir se Derrida concorda com a leitura que Richard Rorty faz de sua filosofia desconstrucionista e se existe, de fato, uma relação tão estreita entre desconstrução e pragmatismo. Derrida é, como sugere

2 Rorty, o ápice da teoria ironista, tendo sido o primeiro filósofo a mergulhar, através da literatura, no totalmente privado, desistindo, assim da necessidade da argumentação com a tradição filosófica? A este questionamento buscaremos nos ater, confrontando o Derrida de Rorty com a auto-imagem que Derrida parece ter de si. 2. O Derrida de Richard Rorty Toda a obra Contingência, Ironia e Solidariedade, de Richard Rorty (1994), tem por preocupação discorrer sobre a impossibilidade de conciliação perfeita entre o público e o privado, propondo, apesar disso, o modelo do ironista liberal como a mais adequada combinação destas duas esferas para a contemporaneidade. Inicialmente faz sua apologia ao ironismo na esfera privada, dissertando sobre seus grandes heróis ironistas, ou poetas fortes, para utilizar a expressão que o próprio Rorty colhe de Harold Bloom: Proust, Nietzsche, Heidegger e, por fim, Derrida. O ironista, segundo Rorty, é este capaz de ultrapassar a metafísica, abandonando a busca do universal, da Verdade, em detrimento de um desejo verdadeiramente artístico de autocriação privada através do desenvolvimento de um novo vocabulário, de um estilo. No sexto capítulo da referida obra, intitulado Da Teoria Ironista às Alusões Privadas: Derrida (RORTY, 1994), Rorty dedica-se ao pensamento ironista de Derrida, sugerindo que este, em sua última fase, teria, por meio da privatização de seu pensamento, superado a dicotomia entre ironismo e teoria. Rorty inicia o capítulo afirmando que Derrida está para Heidegger assim como Heidegger está para Nietzsche. Teriam, Heidegger e Derrida, sido os leitores mais inteligentes e mais devastadores críticos de seus antecedentes. Travariam com seus antecessores uma relação dúbia de aprendizado e necessidade de ultrapassamento. Derrida teria aprendido com Heidegger a importância dos fonemas, porém ter-se-ia apercebido que a litania de Heidegger é apenas a de Heidegger, e não a do Ser ou da Europa (RORTY, 1994, p. 159). Derrida pretenderia, assim, como proposta de ultrapassamento da filosofia heideggeriana, descobrir um modo de quebrar a tentação de se identificar com algo de grande algo como a Europa ou o apelo do Ser ou o Homem (RORTY, 1994, p. 159).

3 Segundo Rorty, a obra de Derrida, assim como a de Heidegger, se dividiria em um período inicial, mais profissional, e em um período posterior, de escrita mais excêntrica, pessoal e original. Este último período é o que mais interessa a Rorty. É o último Derrida que, segundo Rorty, privatiza o seu pensamento filosófico e, com isso, quebra a tensão entre ironismo e teoria (RORTY, 1994, p. 163). Abandona a tentativa de argumentar com seus antecessores, buscando ultrapassá-los racionalmente, substituindo este projeto pela pretensão de fantasiar sobre estes antecessores, jogando com eles e dando livre curso às cadeias associativas que se originariam deste jogo. Estas fantasias, entretanto, não teriam qualquer moral ou uso público (político ou pedagógico). É esta fantasia essencialmente privada que, segundo Rorty, é o produto final da atividade teórica ironista (RORTY, 1994, p. 163). Uma vez reconhecida a impossibilidade de conciliação entre o público e o privado, da total relação de continuidade ou causalidade entre estas esferas, mergulhar na fantasia privada parece ser a única possibilidade de adotar, teoricamente, um referencial para si próprio. É a única saída para o ironista buscar ir além de seus antecessores sem recair nos mesmos modelos que eles utilizaram. Vejamos o que, a este respeito, afirma o próprio Rorty: Cair na fantasia privada é a única solução para o problema autoreferencial com que tal actividade teórica depara, o problema de saber como passar à frente dos nossos antecessores sem fazer exactamente aquilo que se repudiou terem feito. Assim, considero que a importância de Derrida reside em ter tido a coragem de abandonar a tentativa de unir o público e o privado, de deixar de tentar conciliar uma busca de autonomia privada e uma tentativa de ressonância e utilidade pública. Derrida privatiza o sublime, tendo aprendido com o destino dos seus antecessores que o público nunca pode ser mais do que belo (RORTY, 1994, p. 163). É assim que o último Derrida aprende que o grande desafio não é atingir a natureza ou estrutura da linguagem, mas sim criar um estilo diferente, um vocabulário único, capaz de tornar suas obras impossíveis de serem comparadas com as de seus antecessores, e isto por um motivo simples: não haveria como estabelecer critérios de julgamento. A luta não é mais por criar neologismos, mas por forjar um estilo. Por fim, o outro grande salto atribuído por Rorty a Derrida seria o de desenvolver a tal ponto um novo estilo e uma nova linguagem que seria capaz,

4 conseqüentemente, de abandonar os jogos da linguagem antiga e ultrapassar a necessidade de argumentar. O fim da argumentação é o estágio último de evolução do estilo de Derrida, segundo Rorty. Vejamos o que, a este respeito, afirma o filósofo americano: Considero que Derrida não pretende dar um único passo dentro do jogo de linguagem que distingue entre fantasia e argumentação, entre filosofia e literatura, entre escrita séria e escrita lúdica o jogo de linguagem da grande époque. Derrida não vai jogar segundo as regras do vocabulário final de outro (RORTY, 1994, p. 171/172). É através deste abandono da antiga linguagem que Derrida, segundo Rorty, ultrapassaria a distinção entre Filosofia e Literatura, entre o Racional e o Irracional. Derrida não estaria mais preocupado com a argumentação ou com a racionalidade, não teria mais compromisso com a tradição filosófica. Ao trabalho de Derrida já não faria sentido a tensão entre o sério e o lúdico: Derrida não quer mais ser filósofo, quer ser poeta forte! É a figura do poeta forte, comprometido com a autocriação privada, que Rorty atribui ao ironista Derrida, quando afirma que ele (...) está a tentar criar-se a si próprio ao criar seu próprio jogo de linguagem, a tentar evitar dar à luz outra criança através de Sócrates, de ser mais uma nota de pé-de-página a Platão. Está a pôr em funcionamento um jogo que corte transversalmente a distinção racional-irracional. Mas enquanto professor de Filosofia tem dificuldade de consegui-lo. Enquanto seria bastante primitivo perguntar a Proust se devíamos ler o seu romance como história social ou como um estudo de obsessão sexual ou perguntar a Yeats se realmente acreditava em todas aquelas tolices sobre as fases da Lua, dos filósofos pretende-se tradicionalmente que respondam a este tipo de pergunta. Se nos anunciamos como romancistas ou poetas, é-nos poupada uma série de perguntas difíceis devido à névoa de divino que envolve o artista criativo. Mas dos professores de filosofia pretende-se que sejam feitos de uma matéria mais resistente e que se exponham (RORTY, 1994, p. 172). Rorty sugere, então, colocar Derrida neste espaço de indecidibilidade entre a filosofia e a literatura, entre a razão e a criatividade, já que considera que sua finalidade é a mesma autonomia que Proust e Yeats tinham em vista (RORTY, 1994, p. 172). A vantagem de tomar esta postura em relação a Derrida, segundo Rorty, é assim

5 (...) podermos evitar dissecar sua escrita segundo linhas estabelecidas por outros e podermos, em vez disso, sentar-nos e apreciar essa escrita esperar que conforto ou exemplo ela nos pode oferecer, se se verifica ser relevante para as nossas próprias tentativas de autonomia (RORTY, 1994, p. 172). Assim se evitaria incorrer em deslizes como aqueles que Rorty atribui a Gasché e Culler, de sugerir que Derrida teria demonstrado algo ou refutado alguém. Por fim, significa (...) abandonar a ideia de que Derrida desenvolveu um método desconstrutivo (...) (RORTY, 1994, p. 173). Segundo Rorty, na obra do último Derrida (...) não há nenhum método envolvido, se um método é um processo que pode ser ensinado por referência a regras (RORTY, 1994, p. 174). O que Derrida pretende não é traçar um catálogo de regras, mas sim descobrir o que aconteceria se nós agíssemos desconsiderando-as: A atitude de Derrida para com todas as regras é a de que, evidentemente, é necessário segui-las se se quiser argumentar com outras pessoas, mas que há outras coisas a fazer com os filósofos além de argumentar com eles. Essas regras tornam o discurso argumentativo possível, mas Derrida responde à pergunta O que aconteceria se as ignorássemos? (RORTY, 1994, p. 174). É assim que Derrida se transubstancia no herói ironista de Rorty, aquele que conseguiu, sem traumas, pelo mergulho no privado, abandonar a necessidade de argumentar, que desistiu de duelar segundo as regras dos jogos da linguagem tradicionais. Aquele que pretende criar novos jogos, ignorando as regras do passado. É essa consciência de que o processo de auto-invenção do poeta forte versa sobre a sedução através da linguagem, e não do convencimento pela argumentação racional, que caracteriza o pensamento ironista que Rorty sugere para a pósmodernidade e que teria atingido seu apogeu em Derrida. Onde estaria, então, a vantagem de se desenvolver um estilo como o de Derrida? Vejamos o que diz Rorty: Qual é a vantagem de escrever desta maneira? Se se quer argumentos que alcancem conclusões, não há vantagem nenhuma. Como já disse,

6 não há nada de proposicional a retirar da experiência de o ler tal como não há no caso dos textos do último Heidegger. Deve-se, então, julgar essa escrita por critérios literários ou filosóficos? Não, porque, tal como nos casos da Fenomenologia do Espírito, de Em Busca do Tempo Perdido e de Finnegans Wake, não há critérios anteriormente disponíveis de nenhum dos tipos. Quanto mais original é um livro ou um tipo de escrita, quanto mais destituído de precedentes é, menos provável é dispormos de critérios e menos sentido faz tentar atribuir-lhe um gênero. Temos de ver se podemos encontrar-lhe um uso (RORTY, 1994, p. 174/175). Essa auto-invenção através do estilo que promove o último Derrida é responsável, segundo Rorty, pelas características mais maduras do ironismo, ou seja: a) o mergulho no privado, percebendo sua incomunicabilidade com o público; b) o abandono da necessidade de argumentar com a tradição filosófica, tornando-a apenas objeto de suas fantasias privadas; c) a derrubada da fronteira entre a filosofia e a literatura, com a criação de um novo vocabulário; d) a superação da metafísica e da nostalgia da transcendentalidade. Este, então, parece ser o perfil do Derrida de Richard Rorty. 3. Derrida por ele mesmo: resposta à leitura rortyana Em encontro realizado no Collège International de Philosophie de Paris organizado por Chantal Mouffe, Derrida teve a oportunidade de se manifestar sobre a leitura que Richard Rorty faz de sua obra. Este pronunciamento de Derrida foi, posteriormente, publicado com o título de Notas sobre Desconstrução e Pragmatismo (DERRIDA, 2005, p. 151/170). Neste pronunciamento, Derrida parece rechaçar, em muitos pontos, a leitura que Rorty faz de seu pensamento desconstrucionista. No que tange, por exemplo, ao suposto mergulho no privado que Derrida promoveria, percebendo a impossibilidade de conciliação do mesmo com o público, vejamos o que afirma: (...) gostaria de dizer o seguinte, especialmente para Richard Rorty, por quem sinto uma grande gratidão pela leitura, ao mesmo tempo generosa e tolerante, que tem feito de vários de meus textos. Entretanto, devo dizer que obviamente não posso aceitar a distinção público/privado da maneira em que a usa em relação com minha obra. (...) para mim o privado não se define pelo singular (não digo pessoal,

7 porque acho esta noção um tanto confusa) ou pelo secreto. Ao tempo em que trato de tematizar uma dimensão do secreto que é absolutamente irredutível ao público, também resisto à aplicação da distinção público/privado a esta dimensão ii (DERRIDA, 2005, p. 154). Portanto, Derrida afirma que Rorty estaria confundindo aquilo que ele chama secreto com a esfera do privado ou do pessoal. Esta distinção entre o secreto e o privado, entretanto, não parece ficar muito clara em seu pronunciamento. Rorty também afirma que Derrida teria abandonado a necessidade de argumentar e que a desconstrução já não teria mais o compromisso de atuar na esfera argumentativa. A este respeito, vejamos o que diz Derrida: Antes de tudo, a questão da argumentação. Estamos aqui para discutir e para trocar argumentos da maneira mais clara, unívoca e comunicável possível. Por outro lado, a questão que gira mais freqüentemente em torno do tema da desconstrução é a da argumentação. Acusam-me se é que se acusa aos desconstrucionistas de não argumentar ou que não gosto da argumentação, etcétera. Isto é, obviamente, uma difamação. Mas esta difamação deriva do fato de que há argumentações e argumentações, e isto é assim porque em contextos de discussão como este, onde governa uma forma proposicional, um certo tipo de forma proposicional, e onde desaparece necessariamente um certo tipo de micrologia, onde a atenção à linguagem resta necessariamente reduzida, a argumentação é claramente essencial. E, obviamente, o que me interessa são outros protocolos, outras situações argumentativas onde não se renuncia à argumentação só porque se rechaça discutir sob certas condições (DERRIDA, 2005, p. 152). Parece, então, que Derrida rechaça a leitura que Rorty dele faz quando sugere que não há, por parte dele, nenhum compromisso com a argumentação. Derrida esclarece que está, sim, muito preocupado com a argumentação só que uma argumentação que não é, necessariamente, proposicional. A ideia seria, portanto, forjar novos protocolos argumentativos. Sobre a afirmação de Rorty de que Derrida teria derrubado a fronteira entre filosofia e literatura e que o mesmo já não tinha mais preocupação em produzir trabalhos filosóficos ou ser lido como um filósofo, mergulhando, através da adesão à literatura, na idiossincrática fantasia privada, deixemos mais uma vez falar e gesticular o espectro de Derrida:

8 Gostaria de insistir nisto porque é uma acusação recorrente, e dada a falta de tempo e contexto, terei que falar um pouco brutalmente: jamais tratei de confundir literatura e filosofia ou de reduzir a filosofia à literatura. Presto muita atenção à diferença de espaço, de história, de ritos históricos, de lógica, de retórica, de protocolos e de argumentação. Tratei de prestar a máxima atenção a esta distinção. A literatura me interessa, supondo que, a minha maneira, a pratico ou a estudo nos outros, precisamente como algo que é completamente oposto à expressão da vida privada. A literatura é uma instituição pública de recente invenção (...) não sou capaz de separar a invenção da literatura, a história da literatura, da história da democracia. (...) Em todo caso, a literatura é, em princípio, o direito de dizer algo, e é para grande benefício da literatura que seja uma operação a uma só vez política, democrática e filosófica, na medida em que a literatura permite formular perguntas que freqüentemente se reprimem em um contexto filosófico (DERRIDA, 2005, p. 155/156). E, mais adiante, mostra que não se considera um literato, mas um filósofo: (...) apesar de que me parece necessária a ironia para aquilo que faço, ao mesmo tempo e é uma questão de memória tomo muito a sério o tema da responsabilidade filosófica. Sustento que sou um filósofo e quero seguir sendo um filósofo, e essa responsabilidade filosófica é algo que dirige meu trabalho (DERRIDA, 2005, p. 159). Derrida, então, tanto nega que a literatura seja a expressão do privado, como que tenha ele abandonado o compromisso com a tradição e a escrita filosófica em favor de um mergulho nas belas letras. Por fim, quanto à alegação de Rorty de que Derrida teria superado qualquer tipo de nostalgia da transcendentalidade, vejamos, mais uma vez, o que sobre o tema afirma o filósofo da desconstrução: Algo que aprendi com as grandes figuras da história da filosofia, com Husserl em particular, é a necessidade de formular perguntas transcendentais para não ficar preso na fragilidade de um incompetente discurso empirista e, portanto, para evitar o empirismo, o positivismo e o psicologismo, é que resulta interminavelmente necessário renovar o questionamento transcendental. Mas esse questionamento deve renovar-se tomando em conta a possibilidade da ficção, do acidental e da contingência, assegurando assim que esta nova forma de questionamento transcendental só imite o fantasma da clássica seriedade transcendental, sem renunciar àquilo que, dentro desse fantasma, constitui um legado essencial (DERRIDA, 2005, p. 159).

9 A este posicionamento que não abandona a transcendência, mas dialoga com seu fantasma enfraquecido, Derrida chama de quase-transcendentalidade. Não há, portanto, na superação da metafísica derridiana, abandono da tradição, da transcendência ou da própria metafísica. O que há é um ultrapassamento sem abandono que se dá com o enfraquecimento da base dogmática e forte deste tipo de pensamento, com a transformação da tradição e do próprio ser em lembrança, rememoração, herança com a qual se dialoga, mas que já não pode mais ser levada totalmente a sério como era levada pelos pensadores do passado. É preciso, então, que a quasetranscendentalidade seja a uma só vez, irônica e séria (DERRIDA, 2005, p. 158). 4. Considerações Finais Percebemos, então, que Derrida parece rechaçar todos os argumentos de Rorty que fariam de si o grande herói da segunda parte de Contingência, Ironia e Solidariedade, o mestre da ironia que a teria levado a seu apogeu teórico. Entretanto, se lermos atentamente a resposta de Derrida a Rorty, perceberemos que, embora a mesma possa aparentemente consistir em uma tentativa de negação da leitura que o filósofo americano faz dele, o que ele sutilmente promove, através dela, é a confirmação, nas entrelinhas, de muito do que fora dito por Rorty. Não custa lembrar que escrever nas entrelinhas, obrigando o leitor a desmontar e desconstruir o texto, parece ser a grande jogada do estilo de Derrida e da técnica de leitura que ele chama desconstrução. Derrida, em sua resposta a Rorty, embora aparente argumentar ele, na verdade só se esquiva de seus questionamentos, negando-se a uma argumentação proposicional e fugindo das afirmações rortyanas através da criação de um novo vocabulário. É o que faz, por exemplo, quando rechaça a distinção privado/público em sua obra simplesmente substituindo a dimensão do privado pelo secreto (sem deixar clara a distinção entre os termos). Posteriormente, quando combate a afirmativa de que não estaria mais preocupado com a argumentação, afirma existirem argumentações e argumentações e que está sim preocupado com ela, mas com uma argumentação não proposicional (um novo protocolo de argumentação). Ora! O que foi este lance de Derrida, senão um jogo de palavras? Aparentemente negando, ele confirma não estar

10 interessado no antigo protocolo de argumentação, recaindo, assim (porém sem admitir), justamente naquilo que Rorty dele afirmava. Acerca da distinção entre literatura e filosofia, não parece clara, também, em que consiste a marca que delimita as margens de cada uma destas formas de escritura no pensamento de Derrida. Embora ele se afirme um filósofo, sua preocupação com a autocriação privada por meio da criação de um novo vocabulário e a transformação da desconstrução em um estilo de escritura não torna de todo sem sentido imaginar que ele rompe as muralhas que separam o saber filosófico das belas letras. Não importa como Derrida pretenda definir ou deixar de definir a desconstrução - ela não é um método filosófico ou uma técnica filológica: é um estilo (literário) de escrita. Quanto à questão da superação da transcendência, mais uma vez Derrida utiliza-se de uma manobra lingüística para desviar-se das afirmações de Rorty: desta vez forja a figura do quase-transcendental, que, uma vez desprovido de fundamento metafísico, já não poderia mais ser chamado de transcendental (confirmando o ultrapassamento da metafísica que Rorty lhe atribui). O ser, então, já não se dá enquanto presença, mas somente, como em Heidegger, como rememoração de seus rastros e restos. Mas o que é, então, a metafísica, senão a crença no ser enquanto presença, enquanto ontos on? Por que, então, Derrida aparentemente esperneia em árdua luta, evitando assumir que Rorty talvez tenha trazido à superfície nuances importantes de seu pensamento? Por um motivo simples: ele não poderia aceitar ser explicado pelo vocabulário de outro. Seu impulso de autocriação restaria prejudicado se ele se permitisse ser narrado de acordo com a linguagem de Rorty. Aqui encontramos, finalmente, nossa chave interpretativa e, com ela, a possibilidade de conciliação entre o Derrida rortyano e o Derrida derridiano: a necessidade de se auto-inventar através de um estilo que não se submeta aos protocolos alheios. Nos termos de Rorty: Derrida não vai jogar segundo as regras do vocabulário final de outro (RORTY, 1994, p. 172), ou, nas palavras do próprio Derrida, rechaço de plano um discurso que me estipule um só código, um único jogo de linguagem, um único contexto, uma única situação (DERRIDA, 2005, p. 158). Isso porque, conforme o filósofo francês, obviamente o que me interessa são outros protocolos, outras situações argumentativas (...) (DERRIDA,

11 2005, p. 153) ou seja: a criação de um novo vocabulário, a auto-invenção através do estilo, como bem sugere Rorty. Aparentemente, portanto, e ao contrário do que uma primeira leitura poderia sugerir, há mais semelhanças do que diferenças entre o Derrida de Rorty e o Derrida do próprio Derrida, muito embora alguma parte do Derrida rortyano pareça ser, também, fruto da fantasia privada do pensador americano (e, assim, ele nos mostra o que aprendeu com o filósofo da desconstrução). Referências DERRIDA, J. Notas sobre desconstrucción y pragmatismo. In: Desconstrucción y pragmatismo. Compilado por Chantal Mouffe. Buenos Aires: Paidós, RORTY, R. Contingência, ironia e solidariedade. Lisboa: Editorial

12 i Mestrando em Filosofia (Ética e Epistemologia) pela Universidade Federal do Piauí UFPI e Especialista em Ciências Criminais pelo Centro de Ensino Unificado de Teresina CEUT. Bacharel em Direito e Licenciatura Plena em Filosofia, ambos na Universidade Federal do Piauí UFPI. Atualmente é advogado, professor das faculdades FAP e NOVAFAPI e pesquisador bolsista da FUNPESQ. ii As traduções são de minha autoria.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

AS DUAS GRANDES BIZARRICES UNICISTAS

AS DUAS GRANDES BIZARRICES UNICISTAS AS DUAS GRANDES BIZARRICES UNICISTAS (Atenção: esse texto visa apenas a esclarecer aos estudantes da doutrina da Mensagem acerca de como foi possível ao longo dos anos em nosso país, os ministros distorcerem

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

10 Como ler Foucault

10 Como ler Foucault Introdução Michel Foucault (1926-84) foi um filósofo de extraordinário talento, um ativista político, teórico social, crítico cultural, historiador criativo, professor na mais prestigiosa instituição acadêmica

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Sensibilidade, solidariedade, autocriação privada. Rorty e a literatura.

Sensibilidade, solidariedade, autocriação privada. Rorty e a literatura. Sensibilidade, solidariedade, autocriação privada. Rorty e a literatura. (I Colóquio Internacional Richard Rorty / UFRJ, em 22 de outubro de 2009) Aldir Carvalho Filho, UFMA Richard Rorty é considerado

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

Considerações sobre a ética do discurso

Considerações sobre a ética do discurso Considerações sobre a ética do discurso Jaqueline Stefani 1 Palavras-chave: ética, consenso, filosofia, discurso Key words: ethics, consensus, philosophy, discourse Introdução O modelo proposto por Apel

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES

RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES SOLOMON, Robert C. Espiritualidade para céticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. Anaxsuell Fernando da Silva 1 1 É doutorando em Ciências Sociais

Leia mais

Enem, fantasias e verdades. Rommel Fernandes

Enem, fantasias e verdades. Rommel Fernandes 2014 Enem, fantasias e verdades. Rommel Fernandes Enem, fantasias e verdades. 3 Eu sou Rommel Fernandes, Diretor de Ensino do Bernoulli, e vou expor um tema interessantíssimo, que envolve o Enem. O exame

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

A Bíblia sustenta a confiabilidade das sensações?

A Bíblia sustenta a confiabilidade das sensações? A Bíblia sustenta a confiabilidade das sensações? Vincent Cheung Qualquer cristão que admite algum grau de confiança no empirismo e na ciência para o conhecimento sobre a realidade faz isso por razões

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DOS PRECEDENTES VINCULANTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO E A DELIMITAÇÃO DO QUADRO SEMÂNTICO DOS TEXTOS NORMATIVOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ 1 Resenha: o que é e como se faz RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins Você já deve saber que o que nós chamamos "texto" corresponde a um conjunto de coisas bastante diversas. Sua certidão de

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2

PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 PERPECTIVAS DO PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG * Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; getulio@eeec.ufg.br.

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil

Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil Não é nada fácil vender Literatura no Brasil. A constatação é do jovem poeta e editor Eduardo Lacerda. Um dos editores da Patuá, editora paulista, Lacerda

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

16 Matheus Vieira Fernando Alves

16 Matheus Vieira Fernando Alves Introducao Quando me propus a refletir sobre a aplicação do RPG na Educação, nunca pensei que escreveria sobre isso, muito menos que os escritos se transformariam num livro. Entretanto, quero tomar o cuidado

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA)

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) Processos educativos que procuram incorporar em suas propostas pedagógicas as implicações tanto teóricas quanto práticas do ideário ambientalista. A EA teve sua origem vinculada

Leia mais

Manual de Regras. Modelo de debates

Manual de Regras. Modelo de debates Manual de Regras Modelo de debates Parte 1 Introdução 1.1. Formato do Debate 1.1.1. O debate será realizado por quatro duplas, cujos integrantes denominar-se-ão membros ou deputados, e será presidido por

Leia mais

JENKINS, Keith. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. Revisão Técnica de Margareth Rago. São Paulo, Contexto, 2001.

JENKINS, Keith. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. Revisão Técnica de Margareth Rago. São Paulo, Contexto, 2001. RESENHA: JENKINS, Keith. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. Revisão Técnica de Margareth Rago. São Paulo, Contexto, 2001. Por Marcos Carvalho Lopes 1 "A história é basicamente um discurso

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico

Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico Andrei Netto e Vinicius Netto Um diálogo eletrônico em 2006: - Queria fazer perguntas que nunca se pode fazer ao vivo ou ao telefone ou por

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001) 1. O sr. considera as provas e exames instrumentos

Leia mais

Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas.

Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas. Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas. Prof. Dr. Edimilson Antonio Bizelli PUC-SP I - Introdução. Este artigo não tem a pretensão de

Leia mais

A SALA DE AULA NO ENSINO DE MATEMÁTICA: FILOSOFIA E PRÁTICA

A SALA DE AULA NO ENSINO DE MATEMÁTICA: FILOSOFIA E PRÁTICA A SALA DE AULA NO ENSINO DE MATEMÁTICA: FILOSOFIA E PRÁTICA Luciane de Paiva Moura Coutinho Doutora HCTE/UFRJ lucianepmoura@gmail.com Ricardo Silva Kubrusly Professor HCTE/UFRJ riskuby@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Olá... Por quê, afinal, o nome do curso se chama Empreendedorismo para Psicólogos, e qual a utilidade deste conhecimento para esses profissionais?

Olá... Por quê, afinal, o nome do curso se chama Empreendedorismo para Psicólogos, e qual a utilidade deste conhecimento para esses profissionais? 1 Olá... Tudo bem? Mais uma vez, obrigado pelo interesse no curso Empreendedorismo para Psicólogos e meus cumprimentos por decidir tirar um tempo para refletir sobre sua carreira e talvez investir nela.

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels

Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels NOTA CRÍTICA Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels Leonardo Dorneles Gonçalves* O contexto da obra A Sagrada Família foi escrita em Bruxelas no

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Para estudar literatura

Para estudar literatura Para estudar literatura Cícero Galeno Lopes Este material foi preparado para mesa-redonda realizada no Câmpus da UCS em Bento Gonçalves, Câmpus Universitário da Região dos Vinhedos, durante a 26ª Feira

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA?

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? Renata Leite de Oliveira. Orientadora: Prof. Dr. Talita Vidal

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA 1 2015 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º.

Leia mais

A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O

A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O CONHECIMENTO OBJETIVO Daniel Tourinho Peres(UFBA/CNPq) 1 Em um livro de grande prestígio, consagrado à relação de conflito entre a filosofia e a retórica,

Leia mais