Microbiologia de Ambientes Especiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microbiologia de Ambientes Especiais"

Transcrição

1 Biologia 7 Microbiologia de Ambientes Especiais Pesquisador Prof.ª Dra. Mônica Marquezini Orientadora Resumo O suprimento de água potável requer desenvolvimento de novas técnicas para a reciclagem da água. O crescimento da população, a necessidade de quantidades maiores de água pela indústria e a expansão da irrigação agrícola demandam novas reservas de água. Mesmo perfeitamente límpida, inodora e insípida a água pode estar imprópria para consumo. O solo é constituído por uma população de microorganismos que excede todos os grupos, tanto em número como em variedades, incluindo microorganismos patogênicos que podem causar sérias infecções. Este trabalho focaliza os poluentes biológicos, os microorganismos, da água e do solo de escolas estaduais do município de Osasco. Seu objetivo primário foi introduzir na faculdade técnicas microbiológicas para análise de água e solo. Os estudos foram feitos com amostras de solo e de água de bebedouros das escolas. As amostras foram analisadas em agar simples e em membrana filtrante seguindo-se de cultivo em meio definido. Os resultados preliminares mostram que essas águas encontram-se dentro dos padrões de qualidade da CETESB e OMS. Palavras-chave: Água. Bactéria. Coliforme. Microorganismos indicadores. Microbiologia. Potável. Solo. Abstract The supply of drinking water requires the development of new methods of recycling. The constant growth of population, industrial and agricultural activities demand new water supply. The water may be not drinkable even when it is apparently clean. The ground is a complex mixture of microorganisms, including the pathogenic ones. The aim of the present work was to investigate the microorganisms present in the ground and water consumed in the public schools from Osasco city. We used ground and water from water trough. The samples were analyzed in agar and filter membranes followed by culture in defined medium. Our preliminary results showed these waters are in accord with CETESB and OMS standards for drinking water. Key words: Water. Bacteria. Indicator microorganisms. Micro biology. Drinkable. Ground.

2 8 Introdução Os microorganismos foram descritos inicialmente por Leeuwenhoek no século XVII, entretanto as técnicas para o seu isolamento foram introduzidas no século XIX, o que permitiu, então, o estudo do seu metabolismo e do seu papel na natureza. O conhecimento dos aspectos moleculares dos microorganismos proporcionou a conquista de sua manipulação e aplicação (MADEIRA, 1996). Atualmente cabe aos microrganismos o maior desenvolvimento de técnicas de DNA recombinante (TOBIN; DUSHECK, 1998). Nenhuma outra forma da diversidade biológica se mostra tão formidável quanto os microorganismos, seres que não podem ser diretamente observados a olho nu, sem o auxílio de instrumentos. As bactérias, na sua simplicidade estrutural, são seres complexos e diversificados do ponto de vista bioquímico e metabólico, o que permite sua adaptação aos habitats mais variados (PELCZAR, 2002; TOBIN; DUSHECK, 1998). A água potável da maioria das comunidades e municípios é proveniente de fontes superficiais, rios, ribeirões e lagos. Esses suprimentos de água natural, particularmente ribeirões e rios, são poluídos com dejetos domésticos, agrícolas e industriais. Muitos habitantes de cidades não estão cientes de que a água que vem para suas torneiras foi utilizada anteriormente, provavelmente várias vezes. Como parte do ciclo hidrológico, a reutilização de água tradicionalmente é um processo natural, mas as pressões crescentes em nosso suprimento de água requerem o desenvolvimento de novas técnicas para a reciclagem da água. O crescimento da população, a necessidade de quantidades maiores de água pela indústria e a expansão da irrigação agrícola exigem novas demandas de reservas de águas disponíveis. Esses fatores têm contribuído para uma nova dimensão na reutilização da água, fazendo-se necessário acelerar o processo natural de reciclagem da água e assegurar um suprimento seguro (PELCZAR, 2000). As origens profundas, poços e fontes, fornecem a maior parte da água para as residências individuais nas áreas rurais. As águas de chuvas captadas são armazenadas em cisternas e utilizadas, embora de modo limitado. As águas de superfície não devem ser usadas para a ingestão, a menos que possam ser submetidas a processos de purificação, já que há perigo constante de contaminação e, conseqüentemente de transmissão de doenças (JAWETZ, 1987; BERMUDEZ; HAZEN, 1988). A água distribuída em sistemas públicos de canalizações segue certas condições impostas que objetivam exclusivamente preservar a qualidade da água produzida; além de tais condições, o próprio sistema de canalização constitui uma forma de embalagem (PARLATORE; BEM-HUR, 1993). Os sistemas de canalizações requerem manutenção constante em relação à concentração de cloro residual para evitar a deterioração bacteriológica da água. Esta manutenção é mínima e de forma permanente nos sistemas. A manutenção de certos valores para ph, concentração de CO e prevenção de corrosão para evitar a ocorrência de concentrações indesejáveis de ferro na água também são itens importantes para preservar a qualidade da água (AGUDO, 1987). Quando se pensa em qualidade da água para consumo humano, surge a necessidade de conhecer, estabelecer, estudar ou controlar o conjunto de características que fazem ou não com que ela seja considerada adequada ao consumo humano (PARLATORE; BEM-HUR, 1993; WATER QUALITY CRITERIA, 1973). O controle da qualidade industrial aplicada ao consumo humano é representado por um conjunto de características. É necessário conhecer essas características com o objetivo de saber quais são e por que representam as condições pretendidas; estabelecer as condições adequadas para evidenciar a opção por determinada qualidade; estudá-las a fim de aperfeiçoar seu conhecimento e controlá-las,

3 Microbiologia de Ambientes Especiais 9 visando garantir sua adequação ao consumo humano (AGUDO, 1987; PARLATORE; BEM-HUR, 1993). A água no seu estado de pureza total não existe; deve-se imaginá-la como uma substância que se manifesta sob a forma de numerosas dispersões aquosas, de composição muito variável, que lhe conferem, em conseqüência, características que nem sempre são aquelas que representam a condição desejada (AGUDO, 1987; PARLATORE; BEM-HUR, 1993). Os agentes patogênicos mais comuns transmitidos pela água são aqueles que causam infecções no trato intestinal. Os microorganismos responsáveis por estas doenças estão presentes nas fezes ou urina de pessoas infectadas e, quando eliminadas, podem contaminar uma excreção hídrica, poluindo uma possível fonte de água potável (GELDREICH; KENNER, 1969; SYKES; SKINNER, 1971). A análise microbiológica da água de rotina, para determinar a sua potabilidade, não é e não deve ser baseada no isolamento e identificação de microorganismos patogênicos, pelas seguintes razões: 1) os agentes patogênicos têm acesso esporádico ao ambiente hídrico e não demonstram sobrevivência durante um longo período de tempo, portanto, poderiam ser perdidos em uma amostra submetida à análise laboratorial; 2) estando em pequeno número, os microorganismos patogênicos podem não ser detectados pelos procedimentos laboratoriais; 3) é necessário um período de pelo menos 24 h para a obtenção de resultados laboratoriais para microorganismos patogênicos. Detectada a presença desses microorganismos durante esse período, muitas pessoas teriam consumido a água e estariam expostas a esses microorganismos patogênicos, antes de uma ação para a situação (PARLATORE; BEM-HUR, 1993; ERIKSEN; DUFOUR, 1986). Por estas razões, os microbiologistas têm desenvolvido métodos para analisar a água que não dependem de isolamento e identificação dos microorganismos patogênicos. Em vez disso, os testes são baseados na detecção de microorganismos cuja presença na água indica a possibilidade da presença de microorganismos patogênicos. Os organismos indicadores servem como um sistema de alarme, cuja presença na água é a evidência de que ela está poluída com material fecal de origem humana ou de outros animais de sangue quente. Esse tipo de poluição indica que qualquer microorganismo patogênico que ocorre no trato intestinal desses animais pode também estar presente (POUCHER, 1991; PELCZAR, 1993). Algumas das características importantes de um organismo indicador são: estar presente em águas poluídas e ausentes em águas não poluídas (potável); estar presente na água quando os microorganismos patogênicos estão presentes; o número de microorganismos indicadores relacionados com o índice de poluição sobrevive melhor e por mais tempo na água do que os microorganismos patogênicos; apresentar propriedades uniformes e estáveis; geralmente é inofensivo ao homem e a outros animais; estar presente em maior número do que os patogênicos sendo facilmente evidenciados por técnicas laboratoriais padronizadas (PELCZAR, 2000). Segundo o Manual for Evaluating Public Drinking Water Supplies (USA, 1969), hoje em dia tem sido atentamente focalizado o suprimento de água como um aspecto do meio ambiente do homem. Este suprimento pode ser um recurso natural muito benéfico ou um veículo pelo qual organismos causadores de doenças ou substâncias químicas tóxicas podem ser largamente distribuídos. A população não tem meios de proteger diretamente seu próprio suprimento de água. A constante vigilância por funcionários de serviços de saúde e de água é necessária para que se tenha produção e distribuição contínua e segura. Estes profissionais precisam exercitar a vigilância pela avaliação rotineira dos serviços públicos de água existentes e pelo estudo de instalações propostas. Quando da avaliação dos sistemas de abastecimento para produzir constantemente água

4 1 0 segura e satisfatória, devem ser considerados os seguintes fatores: 1) a qualidade da água produzida em horas de tensões anormais, como durante fortes escoamentos superficiais, períodos de seca, ou períodos de excessiva demanda, como mostrado nos registros; 2) a qualidade das águas brutas e tratadas, como determinada pelos dados de laboratório e de inspeção sanitárias, bem como qualquer tendência à melhoria ou deterioração; 3) os processos de purificação, incluindo as instalações usadas para aplicar desinfetantes em vários pontos no processo de tratamento, e suas capacidades comparadas com aquelas consideradas necessárias para se satisfazer antecipadamente às especificações; 4) os processos de tratamento usados e sua confiabilidade em transformar as características de água bruta para produzir uma água tratada que permanentemente satisfaça os padrões de qualidade de água para consumo humano; 5) o mínimo de concentração de cloro residual no efluente da água da estação, quando o cloro é usado, durante o tempo em que essa ou maiores concentrações de cloro forem mantidas; 6) a qualidade dos operadores e pessoal de laboratório, como indicada pelo treinamento apropriado, ou certificação, ou ambos; 7) as instalações de laboratório e processos analíticos, freqüência e extensão de seu uso, e aplicação de dados para controle operacional (PARLATORE; BEM-HUR, 1993). A possibilidade de se atribuir uma marca de conformidade à água para consumo humano, muito embora a consciência do consumidor para o problema seja importante, cabe às autoridades sanitárias do país representar a atitude do consumidor (PARLATORE; BEM-HUR, 1993). Alguns requisitos de qualidade bacteriológica são seguidos para que se obtenha uma água de qualidade para o consumo da população. O Standard Methods for the Examination of Water define o grupo coliforme como: todas as bactérias aeróbias ou anaeróbias facultativas, gram-negativas, não esporuladas e na forma de bastonete, as quais fermentam com formação de gás dentro de 48 h a 35º C (APHA, 1987). O grupo coliforme inclui organismos que diferem nas características bioquímicas ou sorológicas e no seu habitat. Podem ser classificadas em dois gêneros: Escherichia e Aerobacter. Mais freqüentemente, referem-se às espécies Escherichia coli, E. freundi, E. intermedium, A. aerogenes e A. clocae. O gênero aerobacter foi denominado enterobacter. Pertencem, ainda, ao grupo coliforme certas bactérias que são patogênicas para os vegetais e outros subgrupos denominados de intermediários em relação às características bioquímicas da Escherichia coli e do gênero enterobacter (USA, 1969). Todos os subgrupos, embora tenham habitats diferentes, podem ser encontrados nos esgotos e águas poluídas. Os Escherichia coli são denominados coli-fecais e os subgrupos intermediários A. aerogenese A. c!ocae (grupo I.A.C.) como não fecais. É amplamente conhecido que as fezes dos homens e animais de sangue quente são ricas em coliformes e que estas bactérias existam em águas não poluídas em número reduzido. Uma das vantagens do coliforme como índice de poluição fecal da água é o fato bem conhecido do seu número na água estar correlacionado no tempo com o decréscimo das bactérias patogênicas intestinais. Por outro lado, o seu representante mais importante e freqüente, a Escherichia coli, é unicamente de origem fecal (GERBA, 1987). O coeficiente de mortalidade da Escherichia coli é, pois, igual ao das bactérias patogênicas intestinais. Os outros do grupo coliforme, como o Aerobacter aerogenes, têm resistência um pouco maior. Esta característica dos coliformes é importante, pois não seriam bons indicadores de poluição fecal se morressem mais rapidamente do que o agente patogênico. Contrariamente, se demorassem a morrer, mesmo uma água que não provocasse danos à saúde poderia ser considerada perigosa (POUCHER, 1991 e GERBA, 1987). A presença de um número significativo de alguns dos membros do grupo coliforme na água de

5 Microbiologia de Ambientes Especiais 1 1 consumo humano indica que o tratamento foi inadequado ou há existência de acesso de material indesejável no sistema de distribuição. Os métodos para exame dos coliformes, tanto pela técnica de tubos múltiplos como da membrana filtrante, estão incluídos no Standard Methods (APHA, 1987). A determinação da concentração dos coliformes assume importância como parâmetro indicador da possibilidade da existência de microorganismos patogênicos e que transmitem doenças tais como: febre tifóide, febre paratifóide, disenteria bacilar e cólera. Assim, a presença de qualquer uma dessas espécies bacterianas na água torna-se evidência de poluição fecal, de origem humana ou animal (PARLATORE; BEM-HUR, 1993). A Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos (EPA) considera que a maior limitação para o índice de coliformes totais está na sua correlação incerta com a ocorrência de microorganismos patogênicos, e que a presença de coliformes fecais na água reflete muito melhor a probabilidade da ocorrência de patogênicos. Quanto à medida de coliformes totais, esta pode ser usada como uma alternativa para a medida de coliformes fecais. Contudo, estes dados devem ser encarados com reservas, devido ao seu significado duvidoso (WATER QUALITY CRITERIA, 1973). Os padrões de qualidade bacteriológica para água para consumo humano são determinados por algumas entidades como: Organização Mundial de Saúde (OMS, 1974), Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos USPHS (Manual for Evaluating Public Drinking Water Supplies USA, 1969) e Padrões Provisórios de Água de Consumo Humano, da Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos (NATIONAL INTERIN PRIMARY DRINKING WATER REGULATION, 1976). Uma legislação federal abrangente tem sido desenvolvida para impor regulamentos severos destinados a reduzir a poluição e melhorar a qualidade da água, como a Resolução CONAMA no 20, de 18/ 06/1986, o Decreto n , de 09/03/1977, a Portaria no 56-BSB, de 14/03/1977, a NTA 60 - Decreto n , de 20/10/1978 e a Resolução no 25, de 1976 (AGUDO, 1987). 1 Objetivo Introduzir no Centro Universitário técnicas microbiológicas para análise de água e solo através da aprendizagem dos métodos de membrana filtrante e cultivo em meio seletivo. Para o desenvolvimento da metodologia de análise de água e solo será importante apreender manuseios básicos laboratoriais como: esterilização de meio de cultura, semeadura de bactérias e filtração com sistemas de membrana. Desta maneira, estaremos desenvolvendo, por meio da pesquisa, apoio à comunidade. 2 Materiais e Métodos Para que pudéssemos colher amostras de água e de solo nas escolas públicas de Osasco, foi solicitada autorização ao Sr. João Batista Grosso, Dirigente Regional de Ensino da Diretoria Regional de Ensino de Osasco. 2.1 Coleta do Material Amostra de Água Foram coletadas amostras de água de bebedouros das escolas públicas estaduais do Município de Osasco, E. E. José Geraldo Vieira, E.E. Prof.º José Maria Rodrigues Leite e E.E. Profº João Baptista Rodrigues de Brito. As amostras foram colhidas em tubos de 50 ml, NUNC esterilizados. Após a coleta, as amostras foram levadas ao laboratório para análise, acondicionadas em caixa de isopor com gelo a uma temperatura inferior a 10 C. Para uma análise mais eficiente, recomenda-se não exceder 30 h desde a coleta até o processamento.

6 Cultivo Bacteriano Foram utilizadas quantidades de 1,0 e 0,1ml de água e de solo de cada amostra e em seguida crescida por 24 h a 35 C. As placas foram preparadas com Agar 15,0 g; peptona 5,0 g e extrato de carne 3,0 g diluído em 1,0 L de água e esterilizado a 100 por 30 minutos. O ph após esterilização precisa ser em torno de 6.8. Todas as análises foram feitas em triplicata Contagem Padrão em Placa Após o crescimento bacteriano, as colônias foram contadas utilizando a contagem padrão em placa para análise de água. As colônias identificadas foram coradas por Gram: solução de Gram foi feita com 2g de cristal violeta em 2Oml de etanol 95% e 0,8g de cristal de oxalato de amônia (NH 4 ) 2 C 2 O 4. H 2 O em 80 ml de água destilada. As duas soluções foram misturadas e filtradas e utilizadas após 24 h. As bactérias que retêm o cristal violeta são consideradas Gram positivo. membranas foram colocadas em meio de cultura definido Endoagar Les (Millipore). Normalmente, as placas de Petri utilizadas são especiais com tamanho suficiente para acomodar os discos de filtração. Essas placas foram incubadas por 24h a 350 C. Após o crescimento bacteriano, as colônias foram contadas. Este método é específico para coliformes. 3 Resultado As amostras de água cultivadas em agar sólido apresentaram crescimento bacteriano generalizado, após coloração não foi possível identificar coliformes fecais. As membranas após a filtração apresentaram crescimento bacteriano. Durante o período de incubação (350 C por 24h) as colônias se desenvolvem nos locais em que as bactérias ficaram retidas pelo processo de filtração. Através da análise das membranas não foi encontrada nenhuma colônia de coliformes fecais, o que confere à água sua potabilidade. Apenas duas escolas apresentaram em uma das suas amostras crescimento de coliformes totais (tabela l). 2.3 Técnica da Membrana Filtrante As amostras de água (100ml) foram filtradas em membrana de nitrocelulose com porosidade 0,45 em sistema tipo Millipore 47mm de diâmetro. Após, as Tabela 1: Dados das análises microbiológicas das amostras de água das escolas: 1) EE José Geraldo Vieira, 2) EE Prof. José Maria Rodrigues Leite, e 3) EE Prof. João Baptista Rodrigues de Brito. ESCOLA Coliformes fecais Coliformes totais Água (amostras) em 100 ml em 100 ml 1 Ausente 1 colônia Potável 2 Ausente Ausente Potável 3 Ausente 1 colônia Potável

7 Microbiologia de Ambientes Especiais 1 3 O crescimento bacteriano do solo apresentou várias colônias com diferentes microorganismos, entretanto não foi possível analisá-los, pois o laboratório não dispunha de meios seletivos, impossibilitando o aprendizado da técnica. 4 Discussão O crescimento bacteriano em Agar sem conter meios seletivos propiciou o aparecimento de muitos microorganismos. Em relação às análises feitas seria necessário o uso de testes bioquímicos para diferenciar as espécies. As análises após o crescimento dos microrganismos em membrana filtrante são seletivas para coliformes fecais. Os sistemas de filtração em membrana Millipore 0,45 µ permite com que as E coli fiquem retidas nas membranas. A utilização de meio enriquecido permite com que coliformes fecais cresçam tornando possível sua detecção. A E. coli tem capacidade de produzir indol a partir de triptofano enquanto E aerogenes não tem. Os coliformes têm várias características em comum com espécies do gênero Salmonella e Shigella, as quais todas são patogênicas. Entretanto, a principal diferença bioquímica característica é que os coliformes fermentam a lactose com a produção de ácido e gás. Salmoneila e Shigella não fermentam a lactose. Portanto, a fermentação da lactose é a reação-chave no procedimento laboratorial para determinar a potabilidade da água (PELCZAR, 2000). As quantidades de ácidos produzidos num caldo glicosado especial são detectadas pela presença do indicador de ph vermelho de metila. Os dois microorganismos produzem ácidos a partir da glicose. Entretanto, E. coli produz um ph mais baixo, que muda a cor do meio contendo vermelho de metila, enquanto E. aerogenes não produz a alteração de cor do meio, na presença do indicador. Outro aspecto a se observar é a capacidade de produzir o composto acetilmetilcarbinol em meio com glicose e peptona. Este composto químico é identificado pelo teste de Voges-Proskauer. A E. coli não produz acetilmetilcarbinol, mas o E. aerogenes produz. O E. aerogenes é capaz de utilizar o citrato de sódio como única fonte de carbono, ou seja, poderá crescer em um meio quimicamente definido em que o citrato de sódio é a única fonte de carbono. E. coli não cresce sob as mesmas circunstâncias. Por conveniência, esses testes são coletivamente designados como reações IMViC (1 = indol, M = vermelho de metila, Vi = reação de Voges-Proskauer e C = citrato). A Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos (EPA-1972), considerando a capacidade dos processos convencionais de tratamento de água, recomenda que os coliformes fecais e a densidade de coliformes totais não devem exceder à média geométrica mensal de respectivamente 2.000/100 ml e /100 ml, nos mananciais dos sistemas públicos de abastecimento. O Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos (USA, 1969) recomenda para as mesmas condições os valores de coli-fecal de 4.000/ 100 ml e de coli total de /100 ml. A água pode colocar em perigo a saúde e a vida se apresentar microorganismos patogênicos. Os patógenos mais freqüentemente transmitidos pela água são aqueles que causam infecções do trato intestinal. Como exemplos, podem ser citados os agentes etimológicos de febre tifóide e paratifóide, shigelose, cólera, campilobacteriose, enterites virais e amebíase. Esses microorganismos estão presentes nas fezes ou na urina de uma pessoa infectada e, quando descartados, podem entrar em um corpo de água que pode servir como fonte de água potável. Não há um número particular de bactérias que seja oficialmente aceitável. Isto porque a água com poucas bactérias patogênicas obviamente é mais perigosa do que a água que contém muitas bactérias saprófitas. Todavia, as águas de boa qualidade fornecem uma contagem baixa de colônias, menos do que 100 por mililitro. As contagens em placa são úteis na determinação da eficiência das operações destinadas à remoção ou à destruição de organismos (sedimentação, filtração e cobrarão). A contagem pode ser feita antes e após o tratamento específico para medir a redução da população microbiana.

8 1 4 A prevenção de transmissão dessas patogenias Pode ser feita mediante: (1) métodos de purificação de água que forneçam água potável segura, (2) tratamento de água de esgoto antes do descarte ou na reutilização e (3) procedimentos por meio dos quais a água possa ser examinada para determinar a sua qualidade microbiológica. Conclusão Os resultados obtidos das amostras de água das escolas públicas estaduais analisadas estão com índices de coliformes abaixo dos estipulados por Padrões Provisórios de Água de Consumo Humano, da Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos (EPA-1972), do Serviço de Saúde Publica dos Estados Unidos (USPHS-1969), e da Organização Mundial de Saúde (OMS-1971). Isso significa que a água é potável e apropriada para o consumo humano. O conhecimento das metodologias de análises microbiológicas adquirido neste projeto de iniciação poderá ser implantado no Unifieo para futuras análises de água a serviço da comunidade de entorno. Referências AGUDO, E.G. Guia de coleta e preservação de amostras de água. São Paulo: CETESB, APHA, Standards Methods for the Examination of Water. 17 Ed. American Public Health Association. Washington, DC USA BERMUDEZ, M.; T. C. HAZEN. Phenotypic and Genotypic comparison of Escherichia co//from pristini tropical waters. Appl. Environ. Microbiol ERIKSEN, T. H.; A. P. DUFOUR. Methods to identify water pathogens and indicator organisms. In: Water-borne Diseases in the United States. G. F. Craum, Boca Raton: Ed. CRC Press, GELDREICH, E. E.; B. A. KENNER. Concepts of fecal streptococci in stream poliution. J. Water Pollut. Control Fed GERBA, C. P. Phase as indicators of fecal pollution. In. Phase Ecology. S. M. Goyal, C. P. Gerba, and G. Bitton, New York: Eds. Wiley Interscience, JAWETZ, E.; MELNICK, E. L.; ADELBERG, E. Microbiologia Médica. 15 ed., Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, MADEIRA, A. L.; Fonseca, L.A.M. R. Biologia Microbiana. Lisboa: Universidade Aberta, NATIONAL Interim Primary Drinking Water Regulations. Journal American Water Works Association. Denver, Colo, PARLATORE, A. C.; BEM-HUR, L. B. Controle da qualidade de água para consumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo: CETESB, PELCZAR, M.; REID, R.; CHAN, E. C. S. Microbiologia. Vol. II, Rio de Janeiro: MCGraw-Hill do Brasil, PELCZAR JR., M.; CHAN, E. C. S.; KRIEG, N. R. Microbiolgy, Concepts and Applications. Rio de Janeiro: Mc Graw-Hill, POUCHER, A.M, L. A. et. al. Enumeration by a miniaturized method of Escherichia coli Streptococcus bovis andenterococci as indicators of the origin of faecal pollution of water. 3. Appl. Bacterial SYKES, G.; SKINNER, F. A. Microbial Aspects of Pollution. New York: Academic, TOBIN, A.J. & Dusheck, E.; Asking About Life. Saudenrs: College Publishers, 962 p. WHO Geneva, Guidelines for drinking-water quality. Geneva, Vol. I, USA. Manual for Evaluating Public drinking water supplies. Department of Health, Education, and Welfare, Environmental Control Administration Public Health Service Publication nº Cincinnati, WATER QUALITY CRITERIA, WASHINGTON. Environmental Protection Agency OMS, Padrões internacionais para a água de alimentação. Trad. de Rui Hugo do Rosário. Macau: Ed. do Leal Senado, 1974.

9

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. . AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. Miriam Cleide Cavalcante de Amorim, Eng. Química. Mestre em Eng. Química pela Universidade Federal

Leia mais

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO Desiree Augusta M. B. NOVATO Giovania Pereira D. SILVA Karina Peres FERRASSOLI Luana Pizoni SIQUEIRA Paolla Moraes MURONI Paulo Francisco R.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Dorit Schuller 1. Recolha de amostras para análise microbiológica 3 2. Contagem total de microrganismos 4 3. Pesquisa e quantificação de Escherichia

Leia mais

Qualidade da Água e Saúde Pública

Qualidade da Água e Saúde Pública Qualidade da Água e Saúde Pública Principais doenças de origem microbiana difundidas através de águas contaminadas Doença Agente Causa da doença Origem Bactérias Cólera Vibrio cholerae Enterotoxina.ingestão

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO,

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO, DESCONTAMINAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA ATRAVÉS DE UM PASTEURIZADOR SOLAR Silva, T.C.D. (1) ; Calazans, G. M. T. (1) : Carielo, G. (1) ; Tiba, C. (1) teresa.tecatk@gmail.com (1) Universidade Federal de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

Análise comparativa das legislações vigentes sobre microrganismos contaminantes de água- Brasil, Estados Unidos e Espanha.

Análise comparativa das legislações vigentes sobre microrganismos contaminantes de água- Brasil, Estados Unidos e Espanha. Análise comparativa das legislações vigentes sobre microrganismos contaminantes de água- Brasil, Estados Unidos e Espanha. Letícia Aparecida Cruvinel (1) ; Neimar Freitas Duarte (2) (1) Estudante de Mestrado.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA CONSUMIDA NO CAMPUS III (JARDIM BOTÂNICO) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ, CURITIBA, BRASIL.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA CONSUMIDA NO CAMPUS III (JARDIM BOTÂNICO) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ, CURITIBA, BRASIL. 65 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA CONSUMIDA NO CAMPUS III (JARDIM BOTÂNICO) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ, CURITIBA, BRASIL. EVALUATION OF BACTERIOLOGICAL QUALITY OF WATER CONSUMED AT

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO Adriana Moreira de Carvalho Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente e aluna especial em doutorado área Águas Subterrâneas pela

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2.918, de 06 de julho de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de 1993 1. OBJETIVO Orientar

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais

1- Introdução. 2- Objetivos

1- Introdução. 2- Objetivos 1 TÍTULO: ANÁLISE BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBLICAS AUTORES: Geraldo Jorge Barbosa de Moura; Janete Magali de Araújo; Maria de Fátima V. Q. Sousa; Glícia Maria Torres Calazans. INSTITUIÇÃO: Universidade

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A Nº 61828/2014-10-A Processo Comercial Nº 1316/20141 Dados do Cliente Contratante: Solicitante: CNPJ / CPF: 48819619/0001-59 IE / RG: 407001159117 Endereço: Rua Londrina, 587 - Vila Maringá - Município:

Leia mais

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4 Análise e orientações sobre a qualidade microbiológica da água não tratada utilizada para o consumo humano em propriedades na zona rural e periurbana e em escolas rurais de Jataí e entorno. NASCIMENTO,

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR VENANCIO, M. M 1.; FIORI, B. C 1.; DA SILVA, C. V 2. 1 Acadêmicas do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA AREIA DE PRAIA DO MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE/SP

CARACTERIZAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA AREIA DE PRAIA DO MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE/SP ISSN 2179-6998 Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 2, p. 28-32, Jul./Dez. 2011 CARACTERIZAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA AREIA DE PRAIA DO MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE/SP Katia Angeli Lopes Panagassi¹;

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP.

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP. AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP. (MICROBIOLOGICAL PARAMETERS EVALUATION OF THREE BOTTLED WATER LABELS COMMERCIALIZED IN BEBEDOURO

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO

IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO Wanda Izabel Monteiro de Lima Marsiglia (1) Engenheira química pela UFPB (1980). Mestre em Engenharia civil- pela UFPB

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

QUALIDADE SANITÁRIA DA ÁGUA DE POÇOS RASOS NOS MUNICÍPIOS DE GOIÂNIA E APARECIDA DE GOIÂNIA

QUALIDADE SANITÁRIA DA ÁGUA DE POÇOS RASOS NOS MUNICÍPIOS DE GOIÂNIA E APARECIDA DE GOIÂNIA QUALIDADE SANITÁRIA DA ÁGUA DE POÇOS RASOS NOS MUNICÍPIOS DE GOIÂNIA E APARECIDA DE GOIÂNIA Evaldo de Melo Ferreira 1, Sandra Maria Santos de Vasconcelos 2, Karla Alcione da Silva Cruvinel 3, Lucas Morais

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS

PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS 61 PADRÃO DE POTABILIDADE DA ÁGUA FORNECIDA PELO ABASTECIMENTO ALTERNATIVO NA CIDADE DE QUIXADÁ: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS RESUMO Francisco Cleber Silva Ferreira Maria Raquel Pinto Moreira

Leia mais

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Joice Andrade de Araújo joiceandrade_rj@hotmail.com ANA CLAUDIA SILVA DE ALMEIDA ana.almeida@foa.org.br BRUNO CHABOLI GAMBARATO bruno.gambarato@foa.org.br

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

POLUIÇÃO FECAL DA ÁGUA: MICROORGANISMOS INDICADORES

POLUIÇÃO FECAL DA ÁGUA: MICROORGANISMOS INDICADORES Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 POLUIÇÃO FECAL DA ÁGUA: MICROORGANISMOS INDICADORES Juliane Pena Souto*, Allyna Gabriela Sarmento Lira², Jaila da Silva Figueira³, Adria Nascimento da Silva, Ederly Santos

Leia mais

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários dução Os microorganismos (fungos, bactérias e vírus) são chamados assim por terem um tamanho bastante reduzido. Eles são tão pequenos que não conseguimos enxergá-los a olho nu, mas apenas utilizando microscópio

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA USADA PARA CONSUMO HUMANO DE DUAS NASCENTES LOCALIZADAS DO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ UMA QUESTÃO AMBIENTAL

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA USADA PARA CONSUMO HUMANO DE DUAS NASCENTES LOCALIZADAS DO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ UMA QUESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA USADA PARA CONSUMO HUMANO DE DUAS NASCENTES LOCALIZADAS DO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ UMA QUESTÃO AMBIENTAL Grazielle T. de Souza grazielle_tigre@hotmail.com Universidade Federal

Leia mais

ÁGUA: TRANSPORTE PASSIVO DE MICROORGANISMOS? WATER: A PASSIVE TRANSPORTER OF MICROORGANISMS?

ÁGUA: TRANSPORTE PASSIVO DE MICROORGANISMOS? WATER: A PASSIVE TRANSPORTER OF MICROORGANISMS? 21 CDD: 576 ÁGUA: TRANSPORTE PASSIVO DE MICROORGANISMOS? WATER: A PASSIVE TRANSPORTER OF MICROORGANISMS? VANESSA DE FÁTIMA JERBA 1 MARCOS PILEGGI 2 1 Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas da UEPG 2

Leia mais

II-002 - BACTÉRIAS ESPOROGÊNICAS COMO PARÂMETRO AUXILIAR NO CONTROLE DO TRATAMENTO DA ÁGUA DE CONSUMO

II-002 - BACTÉRIAS ESPOROGÊNICAS COMO PARÂMETRO AUXILIAR NO CONTROLE DO TRATAMENTO DA ÁGUA DE CONSUMO II-002 - BACTÉRIAS ESPOROGÊNICAS COMO PARÂMETRO AUXILIAR NO CONTROLE DO TRATAMENTO DA ÁGUA DE CONSUMO Daniel Adolpho Cerqueira () Biólogo, responsável pelo controle microbiológico da água da Companhia

Leia mais

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna PSA Plano de Segurança da Água Sistema Passaúna Centro de Treinamento Sala Lago Itaipú Curitiba, 02.jul.2012 Descrição do Sistema de Abastecimento Passaúna Item Processo Descrição 2 Captação É o início

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15%

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15% OS IMPACTOS DAS FOSSAS SÉPTICAS NO AMBIENTE E NO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DOS ALUNOS DA ESCOLA MARIA IRANY RODRIGUES DA SILVA NO BAIRRO NOVA CANAÃ, NOVA IPIXUNA-PARÁ. Jordana Neta Vicente (1); Douglas

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Qualidade da Água e Tratamento da Água

Qualidade da Água e Tratamento da Água Notas do Professor Qualidade da Água e Tratamento da Água Pergunta em foco Quais são os principais processos para o tratamento de água poluída? Ferramentas e materiais Seis garrafas de plástico transparentes

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT02.P QUALIDADE HIGIENICO SANITÁRIO DE MANIPULADORES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICIPIO DE JOAO PESSOA PB Maria Amélia de Araújo Vasconcelos (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS DE DESINFECÇÃO DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DESTINADAS AO CONSUMO HUMANO Rogério Alves Barbosa Abril de 2004. 1 Objetivo Visando

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Revista Eletrônica de Biologia

Revista Eletrônica de Biologia . REB Volume 3 (3): 105-116, 2010 ISSN 1983-7682 Revista Eletrônica de Biologia Condições higiênico-sanitárias de piscinas em companhia hidromineral conforme análise de indicadores de contaminação fecal

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Iniciação Científica PIBIC/CNPq. Escola de Nutrição Universidade Federal da Bahia. 3

Iniciação Científica PIBIC/CNPq. Escola de Nutrição Universidade Federal da Bahia. 3 ARTIGO ORIGINAL/ ORIGINAL ARTICLE Qualidade microbiológica da água utilizada nas barracas de praia da orla de Salvador-BA Quality of water used in the beach huts of Salvador-Bahia seashore microbiological

Leia mais

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION AVALIAÇÃO DE TRATAMENTO SIMPLIFICADO DA ÁGUA DE CISTERNA: DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) PARA CONSUMO HUMANO Lucio Alberto Pereira 1, Poliana Ferreira Vieira 2, Luiza Teixeira de Lima Brito 1, Carlos A.Tuão

Leia mais

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENGENHARIAS

Leia mais

PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA DE ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE (MS), SEGUNDO A PORTARIA N 518

PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA DE ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE (MS), SEGUNDO A PORTARIA N 518 41 PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA DE ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE (MS), SEGUNDO A PORTARIA N 518 MICROBIOLOGICAL PARAMETERS OF WATER OF SCHOOLS OF THE RIO BRILHANTE CITY (MS), ACORDING TO

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR 1 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador A - Embrapa Gado e Leite de Juiz de Fora, MG, Gestão Ambinetal

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

Palavras-chave: água, cisternas, coliformes. Resumo

Palavras-chave: água, cisternas, coliformes. Resumo Título: Avaliação da qualidade bacteriológica da água de cisternas de comunidades rurais da cidade de Tuparetama - Pernambuco. Área temática: Saúde Autoria: Rogério Pereira Xavier Estudante de Biomedicina,

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES www.comambio.com.br Bióloga Resp.: HANY SAHLE - CRBIO 43312/01-D COMAM BIORREMEDIAÇÃO EMPRESA - COMAM Industria, Comercio e Serviços

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL DE EMBARCAÇÕES NOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL DE EMBARCAÇÕES NOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL DE EMBARCAÇÕES NOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO Autores:Verona, CE 1 ; Almeida, AC 2 1-Instituto Brasileiro para a Medicina da Conservação- Instituto Tríade 2-Universidade

Leia mais

ARTIGO Qualidade de água em sistemas de reservação e distribuição predial na cidade do Rio de Janeiro 1. INTRODUÇÃO

ARTIGO Qualidade de água em sistemas de reservação e distribuição predial na cidade do Rio de Janeiro 1. INTRODUÇÃO ARTIGO Qualidade de água em sistemas de reservação e distribuição predial na cidade do Rio de Janeiro Carlos Alberto Silva Miranda* Teófilo Carlos do Nascimento Monteiro* Foi realizada uma avaliação dos

Leia mais

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Tema Gestão na implantação da Identificação e Contagem de Cianobactérias na URCQA/PE 18 a 22 de março de 2013 Belo Horizonte BH Disponibilidade hídrica no Brasil 12% da água

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 250 Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Adriana Karla Tavares Batista Nunes Leal¹; Ronaldo Faustino da Silva²; Eduardo

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 742, de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 08 de janeiro de 1986 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA E ALIMENTOS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA E ALIMENTOS ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA E ALIMENTOS Análise de alimentos Utilização de técnicas microbiológicas: Pesquisar Estimar presença de microrganismos; número de microrganismos; Identificar os microrganismos.

Leia mais

Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações

Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações Prof (a) Dr Luciana Debortoli de Carvalho Preparo de materiais Meios de Cultura O crescimento

Leia mais