Variação percentual e freqüencia de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhamdia quelen) na fase de recria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Variação percentual e freqüencia de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhamdia quelen) na fase de recria"

Transcrição

1 Archivos Latinoamericanos de Producción Animal (Arch. Latinoam. Prod. Anim.) Variação percentual e freqüencia de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhamdia quelen) na fase de recria Á. Graeff 1, E.N. Pruner 2 Unidade de Pesquisa em Piscicultura. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural EPAGRI Caçador SC BRASIL Recibido Octube 19, Aceptado Agosto 5, Variation in daily percentage of liveweight and frequency of feeding during the development phase of silver catfish (Rhamdia quelen) ABSTRACT. The experiment was conducted in 40 aquaria of 40-L capacity with individual water intake and drainage and each aquarium was considered an experimental unit. The experimental design was completely randomized in a 5 x 2 factorial arrangement, in which factor A was the daily feeding level as a percentage of liveweight (LW; 1, 2, 3, 4, and 5%) and factor B was the feeding frequency (1 or 2 times daily), with four repetitions per treatment. Data of the response variables gain in LW and in body length, survival rate and apparent feed conversion ratio were subjected to analysis of variance. The locally purchased commercial feed used had 28% crude protein and kcal ME/kg, thus being within the limits of established specifications for the species. Each aquarium was stocked with six 23-d old fingerlings of silver catfish (Rhamdia quelen) with a mean initial LW of 0.08 ± 0.01 g and body length of 1.5 ± 0.1 cm. Water temperature was monitored daily at 09:00 and 15:00 h., at which time the fish were fed. At the start, after 30 d and at the end of the experiment (65 d) 100% of the stocked fish were used to determine individual LW, body length, survival and feed conversion. The results indicated that in the culture of silver catfish fingerlings in the development stage, once daily feeding at the rte of 2% of LW is recommendable. Key words: Feeding frequency, Feeding percentage, Growth, Rhamdia quelen, Silver catfish RESUMO. Foram utilizados 40 aquários de 40 L de capacidade, com abastecimento e escoamento individualizado, sendo que cada aquário foi considerado uma unidade experimental. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso em um esquema fatorial 5 x 2 onde o fator A foi o percentual de alimentação diária (1, 2, 3, 4, 5%) e o fator B foi a freqüência de oferta da alimentação (1 ou 2 vezes ao dia) com 4 repetições. As variáveis ganho de peso, comprimento, sobrevivência e conversão alimentar aparente foram submetidas à análise da variância. A ração utilizada foi comprada no comercio local com 28%PB e Kcal de EM/kg de ração dentro dos critérios, para a espécie. Foram estocados 6 alevinos de jundiás (Rhamdia quelen) por aquário com peso médio de 0.08 ± 0.01g e comprimento médio de 1.5 ± 0.1cm, com 23 d de idade. As avaliações da temperatura da água foram feitas diariamente, sempre às 09:00 e 15:00 h. Neste momento, os peixes recebiam a ração diária. A biometria dos peixes foi realizada no inicio do experimento, com 30 d e no final do experimento com 65 d, utilizando-se 100% dos peixes estocados, quando foram realizadas as medidas de comprimento total, peso individual, sobrevivência e conversão alimentar aparente. Os resultados indicaram que no cultivo de alevinos de jundiás na fase de recria a freqüência de alimentação ideal é uma vez ao dia no percentual de 2% do seu peso por dia. 1 Autor para la correspondencia, 1CRMV SC 0704 Esp. Nutrição de Peixes de Clima Tropical Estação de Piscicultura da Epagri. 2 CRMV SC Esp.- Reprodução de Peixes de Água Doce - Estação de Piscicultura de 1

2 2 Graeff e Pruner Palavras chave: Alimentação porcentual, Freqüência, Jundiá, Recria, Rhamdia quelen Introdução As potencialidades em água e solo e o modelo de pequenas propriedades agrícolas fazem do Estado de Santa Catarina um estado promissor na criação de animais aquáticos. Estas potencialidades criaram reais condições de implantação da criação de peixes, principalmente naquelas propriedades onde a criação de suínos e aves já estão implantadas, pois com os resíduos e dejetos das mesmas podem muito bem serem utilizados na criação. O jundiá (Rhamdia quelen) é uma espécie nativa da região sul que se destaca como muito promissora. Segundo Luchini e Avendaño (1985), o jundiá é um peixe de rápido crescimento, com fácil adaptação à criação intensiva, rústica, facilmente induzida à reprodução, com alta taxa de fecundação, possuindo ainda carne saborosa com baixo teor de gordura e com poucas espinhas. Na criação de peixes, uma das grandes preocupações é a adequação da ração com baixos custos em relação à produtividade, bem como a conversão alimentar e a sobrevivência independente que seja a criação voltada para uso domiciliar ou comercial (Santos e Brandão, 1995). O alimento, quando em disponibilidade, é utilizado pelo peixe principalmente como suprimento energético na manutenção dos processos vitais e o restante para o crescimento (Hepher, 1988). Quando ocorre escassez de alimento, os processos essenciais são mantidos às custas das reservas energéticas acumuladas, resultando em uma progressiva depleção e diminuição dos tecidos com o prolongamento dessa condição. A quantidade de alimento fornecida aos animais é de fundamental importância para obtenção da produção máxima com o mínimo custo. É reconhecido que o fornecimento de uma alta taxa de alimentação conduz a ineficiência do metabolismo digestivo, como também provoca a deteriorazação da qualidade da água; enquanto a subalimentação enseja uma grande competição pelo alimento, dando origem a uma sensível variação no tamanho dos peixes e, como conseqüência, um baixo índice de crescimento (Castagnolli, 1979). A freqüência do fornecimento do alimento é um fator importante dentro do manejo alimentar por estimular o peixe a procurar pelo alimento em momentos pré-determinados, podendo contribuir para a redução na conversão alimentar, incrementar o ganho de peso além de possibilitar maior oportunidade de observação do estado de saúde dos peixes (Carneiro e Mikos, 2005). O conhecimento do número mais adequado de oferta e quantidade contribui para evitar o desperdício de alimento, inclusive garantindo a qualidade da água e reduzindo os custos de produção. A influência da freqüência alimentar sobre o desenvolvimento de juvenis tem sido estudada em várias espécies por vários autores (Tsevis et al. 1992; Wang et al., 1998; Lee et al., 2000a; Lee et al., 2000b; Dwyer et al., 2002, Canton et al., 2007; Graeff e Sengler., 2002), sendo normal o aumento de peso quando alimentado mais de uma vez ao dia. Espécies de peixes onívoros com estômago pequeno, como a tilápia nilótica (Oreochromis niloticus), procuram o alimento mais freqüentemente por apresentarem limitações na capacidade de armazenamento de alimento. Já as espécies carnívoras e algumas onívoras possuem o estômago grande e podem ingerir grande quantidade de alimentos num único momento, mantendo-se saciados por um longo período (Tucker e Robinson, 1991). As revisões de literatura têm indicado que peixes, de várias espécies, apresentam variações cíclicas sazonais de muitas funções fisiológicas, entre elas a ingestão de alimentos em quantidade e freqüências (Brown, 1946; Hogman, 1968 e Karas, 1990). Também a influencia da freqüência alimentar sobre o desenvolvimento de juvenis tem sido estudada em várias espécies por vários autores, sendo normalmente observado o aumento no ganho de peso, mas Carneiro e Mikos (2005) e Graeff et al (no prelo) não detectaram diferenças significativa no ganho de peso e taxa de crescimento especifico quando alimentados com mais de uma vez ao dia. O objetivo deste trabalho foi verificar a quantidade ideal de alimento e em que freqüência deverá ser oferecida diariamente, uma dieta completa, para jundiás (Rhamdia quelen) na fase de recria do alevino.

3 Variação percentul e freqüência de alimento fornecido no desenvolvimento final jundiás 3 Material e Métodos O experimento foi realizado durante um período de 65 d, iniciando em 16 de novembro de 2005 e terminando em 19 de janeiro de 2006, na Estação de Piscicultura/EPAGRI, pertencente à Estação Experimental de Caçador, situada no município de Caçador/SC. Foram utilizados 40 aquários de 40-L de capacidade, com abastecimento e escoamento individualizado, sendo que cada aquário foi considerado uma unidade experimental. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso em um esquema fatorial 5 x 2 onde o fator A foi o percentual de alimentação diária (1, 2, 3, 4, 5%) e o fator B foi a freqüência diária de oferta da alimentação (1 ou 2 vezes) com 4 repetições. As variáveis ganho de peso, comprimento e conversão alimentar aparente foram submetidas à análise da variância. As duas freqüências de alimentação foram comparadas pelo teste F e as quantidades de alimento em percentagem de peso vivo foram submetidos ao desdobramento em polinômios ortogonais. A ração utilizada foi comprada no comercio local com 28% PB e Kcal de EM/kg de ração dentro dos critérios, para a espécie. Foram estocados 6 alevinos de jundiás (Rhamdia quelen) por aquário com peso médio de 0.08 ± 0.01 g e comprimento médio de 1.5 ± 0.1 cm, com 23 d de idade. As avaliações de temperatura da água foram feitas diariamente, com termômetro eletrônico - THIES CLIMA, sempre às 09:00 e 15:00 h. Neste momento, os peixes recebiam a ração diária. Também se verificou a temperatura ambiente e umidade com um aparelho de corda, marca Wilh-Lambrech Gmbh Gottingen. A água foi monitorada semanalmente para ph, oxigênio dissolvido, gás carbônico, dureza, alcalinidade, amônia total, nitrito, turbides e sedimentos totais pelo Laboratório de Qualidade de Água/EPAGRI de Caçador/SC. A biometria dos peixes foi feita no inicio do experimento, após 30 d e no final do experimento com 65 d, utilizando-se 100% dos peixes estocados, quando foram realizadas as medidas de comprimento total, peso individual, sobrevivência e conversão alimentar aparente através de ictiômetro e balança de precisão de 0.01 g de marca MARTE. Estas atividades foram realizadas com os alevinos sedados com 1 ml de quinaldina para 15 L de água. Resultado e Discussão A temperatura da água durante o período experimental (Quadro 1) manteve-se entre 19.6 e 22.70ºC, ficando a média do período em 21.2ºC próximo do mínimo recomendado. Note-se que as temperaturas foram inferiores às recomendadas por Arrignon (1979) para as carpas que é entre 24.0 a 28.0ºC, diferente do recomendado por Baldisserotto e Rodriguez Neto (2004) para engorda de jundiá que é entre 21.0 a 27.0ºC. Esse fato, aparentemente, não trouxe prejuízo ao crescimento dos alevinos, conforme demonstra o Quadro 2. Quadro 1. Valores médios dos parâmetros limnológicos da água das unidades experimentais e temperatura da água, em cada período. Parâmetros limnológicos novembro dezembro janeiro Média ph (potencial hidrogeniônico) Oxigênio dissolvido (mg/l) Gás Carbônico (mg/l) Dureza total (mg/l CaCO 3) Alcalinidade (mg/l CaCO 3) Amônia total (mg/l) Nitrito (mg/l) Turbidez (ntu) Temperatura média da Água (ºC)

4 4 Graeff e Pruner Quadro 2. Valores médios do peso e comprimento dos peixes dos tratamentos da variação percentual sobre o peso vivo e freqüência alimentar ofertado por dia aos alevinos de Jundiá (Rhamdia quelen) Peso (g) % Peso Vivo Freqüência Povoamento dias Final 1.09 b 1.18 b 1.79 a 1.30 ab 1.91 a 1.56 ab 1.74 a 1.85 a 1.95 a 1.78 a Comprimento (cm) % Peso Vivo Freqüência Povoamento Final 5.32 b 5.47 b 6.09 ab 5.48 ab 6.14 ab 5.93 ab 6.06 ab 6.45 a 6.14 ab 6.28 a Médias nas linhas seguidas de mesmas letras, não diferem (P >0.05) pelo teste de Tukeyç Os valores do ph da água (Quadro 1) variaram entre 7.2 a 7.5. Segundo Reid e Wood, 1976) estes valores são adequados para criações de peixes. Os teores do oxigênio dissolvido (Quadro 1) permaneceram entre um mínimo de 6.8 e um máximo de 7.0 mg/l que, segundo Baldisserotto et al. ( 2004), encontram-se dentro de uma faixa ótima para o jundiá (Rhamdia quelen). Também o gás carbônico manteve-se sempre em níveis considerados satisfatórios, de 2.5 a 3.8 mg/l de CO 2 livre. A dureza (Quadro 1) manteve-se sempre dentro dos valores minímos aceitáveis de 26 a 40 mg/l de CaCO 3 e também a alcalinidade manteve-se em um limiar baixo, entre 33.0 a 40.0 mg/l de CaC03 do nível recomendado (Boyd, 1997) que é de 30 a 300 mg/l. Mas, apesar disto, não ocasionou oscilação no ph e nem causou alterações comportamentais nos peixes. A amônia total (Quadro 1) sempre permaneceu abaixo do tolerável, oscilando entre 0.15 e 0.57 mg/l sem trazer qualquer alteração nos jundiás. Autores como Lukowicz (1982); Ordog e Nunes (1988), em trabalhos com carpa comum (Cyprinus carpio L.), verificaram a tolerância desta espécie bem acima desse nível. Também Baldisserotto e Radunz Neto (2004) citam a tolerância do jundiá até 0.4 mg/l. O nitrito (Quadro 1) oscilou entre 0.10 a 0.15 mg/l. Estes valores estão distantes das concentrações letais referenciadas por Lewis e Morris (1986), citados por Vinatea (1997), para a carpa comum, mas muito próximo do nível letal para jundiás segundo Baldisserotto e Radunz Neto (2004). A turbidez, que está diretamente corre- lacionada à transparência, permaneceu entre 40 e 48 ntu sem trazer problemas ao cultivo. Na análise de variância foram observados efeitos significativos pelo teste F (P <0.05) para a variável peso dos peixes da variação percentual mas não para a freqüência de alimentar por dia (Quadro 2). Em trabalho com matrinchã (Brycon cephalus) com dietas alimentares naturais e ração Lopes et al. (1994) concluiram que a melhor dieta ainda é o alimento vivo no período inicial como componente da alimentação apesar de ter sido fornecido ração. O mesmo ocorreu para a variável comprimento (Quadro 2). Os efeitos do percentual de alimentação em relação ao peso vivo foram significativos o que não aconteceu para a freqüência que não tivou efeito significativos (P < 0.05). Isto é diferente de Aragão e Furtado Junior (1988) que trabalhando com tilápias nilóticas (Oreochromis niloticus) com taxas de 1, 3 e 5% em uma só alimentação diária tiveram efeito significativo com a taxa de 3% de alimentação sobre o peso vivo. Já Carneiro e Mikos (2005) observaram que a freqüência alimentar até 4 vezes ao dia não afetou o crescimento dos juvenis de jundiás. Canton et al. (2007) em trabalho semelhante com jundiás na fase de juvenis afirmaram que com o aumento da freqüência diária de alimentos ocorreu um maior ganho de peso. Esta aparente contradição entre trabalhos com a mesma espécie ainda é desconhecida pelos pesquisadores, pois não ocorre com outras espécies. Andrews e Page (1975) observaram crescimento

5 Variação percentul e freqüência de alimento fornecido no desenvolvimento final jundiás 5 Quadro 3. Freqüência diária e variação percentual ofertado de alimento, conversão alimentar e sobrevivência de alevinos de Jundiá (Rhamdia quelen) Freqüência diária Variação percentual Conversão alimentar Sobrevivência (%) a 83 b a 87 b b 70 d b 87 b c 66 d bc 78 c d 68 d d 78 c d 74 cd d 100 a Médias nas colunas, seguidas de mesmas letras, não diferem (P >0.05) pelo teste de Tukey. maior para o bagre do canal (Ictalurus punctatus) alimentados duas vezes em comparação aos alimentados 24 vezes ao dia. Portanto a freqüência alimentar ótima varia com a espécie (Sampath, 1984). Estudos concluídos eviden-ciam que o consumo de grandes quantidades de alimentos em curto intervalo de tempo diminui a eficiência digestiva (Bergot e Breque, 1983; Henken et al., 1985). A variável peso vivo e comprimento finais para alimentação fornecida uma vez ao dia aos porcentuais 1, 2, 3, 4, e 5 foram de 1.09; 1.79; 1.91; 1.74 e 1.95g e 5.32; 6.09; 6.14; 6.06 e 6.14 cm respectivamente; enquanto que para duas vezes ao dia foram de 1.18; 1.30; 1.56; 1.85 e 1.78 g e 5.47; 5.48; 5.93; 6.45 e 6.28 cm, respectivamente. A alimentação uma vez ao dia com oferta de 2 a 5% do peso vivo propiciou melhor crescimento em peso dos peixes, então, a freqüência de alimentação não é tão importante para os jundiás do que a quantidade ofertada (Steffens, 1987). A pesar de o jundiá ter a alimentação classificada como de ciclo diário com ritmo noturno (Zavala, 1996) não houve interferência comportamental oferecer a alimentação pela parte da manhã e à tarde. Em experimento semelhante Mello et al. (1995) com pacu (Piaractus mesopotamicus) e Graeff e Spangler (2002) com carpa comum (Cyprinus carpio) chegaram à mesma conclusão. Analisando o comprimento médio final também ocorreu o mesmo comportamento do peso ou seja é mais importante a quantidade ofertada do que a freqüência. A sobrevivência oscilou entre 100 e 66% em todos tratamentos sem uma tendência bem definida (Quadro 3). Tabata et al. (1988) verificaram em trutas arco-íris mortalidade crescente com a diminuição das taxas de arraçoamento, o que não se pode afirmar que ocorreu neste trabalho. Também Graeff e Spengler (2002) em experimento semelhante com carpas comum obtiveram 100% de sobrevivência. Para a variável conversão alimentar aparente (Quadro 3) ocorreu efeito significativo e resultado sastisfactorio somente dos percentuais 1 e 2 da freqüência de alimentação uma vez ao dia, que foram de 1.39 e 1.49 respectivamente; as demais ultrapassaram a taxa econômica máxima que é 2.00:1. Houve efeito da quantidade de alimento oferecido, de forma linear crescente, quanto maior a quantidade oferecido, pior a taxa de conversão alimentar. Isto vem de encontro do encontrado em trabalhos de outros autores (Baldisserotto, 2002; Kubitza, 1999) que afirmam que este ponto ocorre ao percentual em que os peixes atingem o maximo de crescimento corporal por dia. A conversão alimentar é estimada a partir dos valores calculados da quantidade de ração ministrada dividida pelo peso total atingido. Segundo Swingle (1961) é coerente expressar como co-eficiente de conversão alimentar aparente, quando se pretende calcular a conversão em um sistema de cultivo, pois o alimento natural pode contribuir com o crescimento dos peixes. Tanto é verdade que nos tratamentos com freqüência somente de uma vez ao dia

6 6 Graeff e Pruner tiveram conversão alimentar aparente abaixo de 1:1. Esta influência foi evidente nos trabalhos realizados por Graeff (no prelo) com jundiá (Rhamdia quelen) na fase de pós-larvas. Conclusão No cultivo de alevinos de jundiás (Rhamdia quelen) na fase de recria a freqüência de alimentação ideal é uma vez ao dia no percentual de 2% do seu peso por dia. Literatura Citada Andrews, J. W. and J. W. Page The effects of frequency of feeding on culture of catfish. Trans. Am. Fisheries Soc., (104): Aragão, L. P. e I. Furtado Junior Cultivo intensivo de tilápias, Oreochromis niloticus em tanques com quatro taxas de alimentação. I. Fornecimento de ração uma vez ao dia. Ciên. Agron., Fortaleza, 19(2): Arrignón, J Ecología y piscicultura de aguas dulces. Mundi-Prensa. Madrid. 365p Baldisserotto, B Fisiologia de peixes aplicada à piscicultura. Editora UFSM, Santa Maria-RS. 212 p. Baldisserotto, B. e J. Radunz Neto Criação do jundiá. Editora UFSM, Santa Maria-RS. 232 p. Bergot, F. and J. Breque Digestibility of starch by rainbow trout: effects of physical state of starch and of the intake level. Aquaculture 34: Borwn, M. E The growth of brown trout Salmo trutta II. The growth of two-year old at constant temperature of 11.5ºC. J. Exp. Biol. 22: Boyd. C. E Manejo do solo e da qualidade da água em viveiro para aqüicultura. Associção. Americana de Soja. Campinas: 55 p. Canton, R., M. Weingartner, D. M. Francalossi, e E. Zaniboni Filho Influência da freqüência alimentar no desempenho de juvenis de jundiá. Rev. Bras. Zoot. 36(4): prelo Carneiro, P. C. F. e J. D. Mikos Freqüência alimentar e crescimento de alevinos de jundiá, Rhamdia quelen. Ciência Rural, Santa Maria, 35(1): Castagnolli, N Fundamentos da nutrição de peixes. Ed. Livroceres. São Paulo. 107 p. Dwyer, K. S., J. A. Brown, and C. Parrish Feeding frequency affects food consumption, feeding pattern and growth of juvenile yellow tail flounder, Limanda ferruginea. Aquaculture, 213: Graeff, A. M. e M. Spengler Variação percentual e freqüência de alimento fornecido no desenvolvimento de carpas comum (Cyprinus carpio L.) em fase de alevino. Em: Congreso Iberoamericano Virtual de Acuicultura. Anais. Universitat Politécnica Valenciadad de Zaragoza. p Graeff, A., A. Tomazelli, e E. N. Pruner Variação percentuale freqüência de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhamdia quelen) na fase de pós-larvas. Noprelo da REDVET web site. Henken, A. M., D. W. Kleingeld, and P. A. T. Tijssen The effect or feeding level on apparent digestibility of dietary dry matter, crude protein and gross energy in the African catfish (Clarias gariepinus). Aquaculture, 51:1-11. Hepher, B Nutrition of pond fishes. Cambridge University Press, 387 p. Hogman, W. J Annulus formation on scales of four species of Coregonids reared under artificial conditions. J. Fisheries Res. Board Can. 25: Karas, P Seasonal charges in growth and standard metabolic rate of juvenile perch, Perca fluviatilis. J. Fisheries Biol. 37: Kubitza, F Nutrição e alimentação dos peixes cultivados. (3 a Ed. Rev.) Ampl. Jundiaí. 123 p. Lee, S. M., S. H. Cho, and D. J. Kim. 2000a. Effects of feeding frequency and dietary energy level on growth and body composition of flounder, Paralichthys olivaceus (Termminck and Schlegel). Aquaculture Res. 31: Lee, S. M., U. G. Hwang, and S. H. Cho. 2000b. Effects of feeding frequency and dietary moisture content on growth and body composition and gastric evacuation of juvenile Korean rockfish (Sebastes schlegeli). Aquaculture, 187:

7 Variação percentul e freqüência de alimento fornecido no desenvolvimento final jundiás 7 Lopes, R. N. M., J. A. Senhorini, e M. C. F. Soares Crescimentoe sobrevivência de larvas de matrinchã Brycon cephalus Günther, 1869, (Pieces, characidae) sob diferentes dietas alimentares. B. Téc. CEPTA, Pirassununga, 7: Luchini, L. y T. Averdano Primeros resultados de cultivo de un pez de aguas cálidas (Rhamdia sapo) con fines de producción y consumo humano. Rev. Arg. Prod. Anim. 4(5): Lukowicz, M. V Intensive carp (Cyprinus carpio L.) rearing in a farm pond in southern Germany and its effects on water quality. Aquaculture Eng. 1(2): Mello, C. B. M., A. G. Bertechini, e N. D. de C. Barbosa Freqüência de alimentação e densidade de estocagem do pacu (Piaractus mesopotamicus) (Holmberg, 1887) na fase de crescimento, criado em sistema de tanque rede. Arq. Bras. Med. Vet. Zoot., 48(Supl. 1): Ordog, V. e Z. M. P. Nunes Sensibilidade de peixes a amônia livre. Em: Simp. Latino Am. Aquicultura, 6 e Simp. Bras Aquicultura, Florianópolis/SC. Anais. ABRAq. p Reid, G. K., and R. D. Wood Ecology of island waters and estuaries. D. Van Nostrand. New York 485 p. Sampath, K Preliminary report on the effects of feeding frequency in Channa striatus. Aquaculture 40: Santos, A. B. e D. A. Brandão Estudo da conversão alimentar e sobrevivência em carpas (Cyprinus carpio) tratadas com capim arroz. Rev. Fac. Zootec. Vet. Agro. Uruguaiana, 2/3(1): Steffens, W Princípios fundamentales de la alimentación de los peces. Acribia, Zaragoza. 275 p. Swingle, H. S Relationship of ph of pond waters to their suitability for fish culture. Fisheries, 10: Tabata, Y. A., M. G. Rigolino, e B. C. E da Silva Neto Influência de diferentes taxas de arraçoamento no crescimento da truta arcoíris. Boletim do Instituto de Pesca, S. Paulo, 15(1): Tsevis, N., S. Klaoudatos, and A. Conides Food conversion budget in sea bass, Dicentrachus labrax, fingerlings under two different feeding frequency patterns. Aquaculture. 101: Tucker, C. S. and E. H. Robinson Feeds and feeding practices. Channel catfish farming handbook. AVI Book, New York. p Vinatea Arana, L Princípios químicos de qualidade da água em aqüicultura: uma revisão para peixes e camarões. UFSC. Florianópolis. 166 p. Wang, N., R. S. Hayward, and D. B. Noltie Effect of feeding frequency on food consumption, growth, size variation, and feeding pattern of age-0 hybrid sunfish. Aquaculture, 165: Zavala-Camin, L. A Introdução aos estudos sobre a alimentação natural em peixes. EDUEM. Maringá. 129 p.

Variação percentual e freqüencia de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhandia quelen) na fase de recria

Variação percentual e freqüencia de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhandia quelen) na fase de recria Archivos Latinoamericanos de Producción Animal (Arch. Latinoam. Prod. Anim.) www.alpa.org.ve/ojs.index/php Variação percentual e freqüencia de alimento fornecido no desenvolvimento final de jundiás (Rhandia

Leia mais

Influência da freqüência alimentar no desempenho de juvenis de jundiá. Effect of feeding frequency on performance of jundiá juveniles

Influência da freqüência alimentar no desempenho de juvenis de jundiá. Effect of feeding frequency on performance of jundiá juveniles Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.36, n.4, p.749-753, 2007 Influência da freqüência alimentar no desempenho de juvenis

Leia mais

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829)

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) UNIVERSIDADE DO AMAZONAS Faculdade de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) André Lima Gandra Dissertação

Leia mais

Palavras-chave: carpa comum; Cyprinus carpio; engorda; triticale

Palavras-chave: carpa comum; Cyprinus carpio; engorda; triticale REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet -http://revista.veterinaria.org Vol., Nº 07, Julio/200 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n07070.html Efeito da substituição

Leia mais

Frequency of feeding for fry piaparas Leporinus elongatus

Frequency of feeding for fry piaparas Leporinus elongatus 186 Freqüência de arraçoamento para alevinos de piaparas Leporinus elongatus Micheli Zaminhan 1, Elenice Souza dos Reis², Jakeline Marcela Azambuja de Freitas 2, Aldi Feiden 3, Wilson Rogério Boscolo 4,

Leia mais

Crescimento de alevinos de jundiá, Rhamdia quelen (Pisces, Pimelodidae), em diferentes concentrações de oxigênio dissolvido

Crescimento de alevinos de jundiá, Rhamdia quelen (Pisces, Pimelodidae), em diferentes concentrações de oxigênio dissolvido Crescimento de alevinos de jundiá, Rhamdia quelen (Pisces, Pimelodidae), em diferentes concentrações de oxigênio dissolvido Giancarlo Maffezzolli 1 e Alex Pires de Oliveira Nuñer 2* 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO Autores : Josué Rubens Schmoeller¹, Cesar Ademar Hermes² Identificação autores: 1 Bolsista

Leia mais

REDVET: 2008, Vol. IX, Nº 12

REDVET: 2008, Vol. IX, Nº 12 REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet Vol. IX, Nº 12 Diciembre/2008 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n121208.html Avaliação do jundiá (Rhamdia quelen) em diferentes

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

Recebido em: 01/09/2013 Aprovado em: 30/10/2013 Publicado em: 18/11/2013

Recebido em: 01/09/2013 Aprovado em: 30/10/2013 Publicado em: 18/11/2013 INFLUÊNCIA DAS DENSIDADES DE ESTOCAGEM NA QUALIDADE DA ÁGUA E NO DESEMPENHO PRODUTIVO DE ALEVINOS DE TILÁPIA (Oreochromis niloticus) CULTIVADOS EM TANQUES-REDE Josevaldo Alves dos Santos 1, Delka de Oliveira

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1, Fernando Alcântara 2, Flávia de Sousa 2, Carlos Vieira 2, Levi Martins

Leia mais

Influência do sexo no desempenho de lambari prata (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842)

Influência do sexo no desempenho de lambari prata (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842) Zootecnia Trop., 21(4):359-369. 2003 Influência do sexo no desempenho de lambari prata (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842) Rodrigo Diana Navarro 1 ; Oswaldo Pinto Ribeiro Filho 2* ; Rodrigo Da Silva

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

Palavras-chaves: Alimento artificial, larva, Leporinus, larvicultura

Palavras-chaves: Alimento artificial, larva, Leporinus, larvicultura SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DE LEVEDURA DE CANA POR FARELO DE SOJA NA ALIMENTAÇÃO DE LARVAS DE PIAVUÇU Leporinus macrocephalus JOÃO RADÜNZ NETO', JOSÉ FERNANDO BIBIANO MELO', CARLOS GUILHERME TROMBETTA 3 e TANISE

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

EFEITO DA DENSIDADE DE ESTOCAGEM E A RESPOSTA DE ESTRESSE NO POLICULTIVO DE JUNDIÁ (Rhamdia quelen) E CARPA HÚNGARA (Cyprinus carpio)

EFEITO DA DENSIDADE DE ESTOCAGEM E A RESPOSTA DE ESTRESSE NO POLICULTIVO DE JUNDIÁ (Rhamdia quelen) E CARPA HÚNGARA (Cyprinus carpio) EFEITO DA DENSIDADE DE ESTOCAGEM E A RESPOSTA DE ESTRESSE NO POLICULTIVO DE JUNDIÁ (Rhamdia quelen) E CARPA HÚNGARA (Cyprinus carpio) THE EFFECT OF STOCKING DENSITY AND STRESS RESPONSE IN POLYCULTURE OF

Leia mais

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Eduardo Gianini Abimorad Dr., PqC do Polo Regional Noroeste Paulista/APTA abimorad@apta.sp.gov.br

Leia mais

Produção de alevinos de Jundiá (Rhamdia quelen)

Produção de alevinos de Jundiá (Rhamdia quelen) Boletim técnico... Produção de alevinos de Jundiá (Rhamdia quelen) Alvaro Graeff Clóvis Agostinho Segalin Evaldo Nazareno Pruner Hilton Amaral Junior 1. APRESENTAÇÃO... 2. INTRODUÇÃO... 3. JUNDIÁ (Rhamdia

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Por: Fernando Kubtiza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Devido a sua extensão, o texto Nutrição e alimentação foi dividido em duas partes.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=430>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Uso de corretivos em tanques de piscicultura Fernanda Mara Cunha Freitas 1, Cássio Roberto

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

Adilson Reidel 1, Elizabeth Romagosa 2, Aldi Feiden 3, Wilson Rogério Boscolo 4, Arcângelo Augusto Signor 5, Fabio Bitencourt 6

Adilson Reidel 1, Elizabeth Romagosa 2, Aldi Feiden 3, Wilson Rogério Boscolo 4, Arcângelo Augusto Signor 5, Fabio Bitencourt 6 Rendimento corporal do jundiá (Rhamdia quelen), cultivados em tanques-rede no reservatório de Itaipu, alimentados com rações contendo diferentes níveis de proteína bruta Adilson Reidel 1, Elizabeth Romagosa

Leia mais

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus Cristhian Roberto Hartmann¹, Anderson Sloboda 1, Álvaro Célio Grocholski 1, Luiz Henrique da Silva 2, Moreira, Luiz Sérgio 3, Adolfo JATOBÁ 4. ¹Bolsista 170/2014

Leia mais

Fatores que influenciam no desempenho e sobrevivência de tilápias em sistema de tanques-rede

Fatores que influenciam no desempenho e sobrevivência de tilápias em sistema de tanques-rede Fatores que influenciam no desempenho e sobrevivência de tilápias em sistema de tanques-rede Revista Eletrônica Vol. 13, Nº 01, jan/fev de 2016 ISSN: 1983-9006 www.nutritime.com.br A Revista Eletrônica

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

Resumo. Abstract. Engenheiro de Pesca, Doutorando do Centro de Aqüicultura da UNESP CAUNESP, Jaboticabal-SP. E-mail: bruno_bes@ yahoo.com.

Resumo. Abstract. Engenheiro de Pesca, Doutorando do Centro de Aqüicultura da UNESP CAUNESP, Jaboticabal-SP. E-mail: bruno_bes@ yahoo.com. artigos / articles Policultivo do camarão de água doce Macrobrachium amazonicum (Heller, 1862) com a Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) alimentadas com rações peletizada e farelada Polyculture of

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CAMPUS UNIVERSITÁRIO CURITIBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS ISRAEL KÖCHE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CAMPUS UNIVERSITÁRIO CURITIBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS ISRAEL KÖCHE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CAMPUS UNIVERSITÁRIO CURITIBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS ISRAEL KÖCHE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMI-INTENSIVO DE PISCICULTURA COMO ALTERNATIVA DE RENDA EM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=429>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Alimentação suplementar de peixes onívoros com frutíferas Cássio Roberto Silva Noronha

Leia mais

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião A. Borges et al. 89 Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião Aparecido Borges (Doutor) Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA I-7 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA José Euclides Stipp Paterniani (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela USP, 1986, Doutor

Leia mais

Custos de produção de tilápias (Oreochromis niloticus) em um modelo de propriedade da região oeste do Estado do Paraná, Brasil

Custos de produção de tilápias (Oreochromis niloticus) em um modelo de propriedade da região oeste do Estado do Paraná, Brasil 198 Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.1, p.198-203, jan-fev, 2005 Andrade et al. ISSN 0103-8478 Custos de produção de tilápias (Oreochromis niloticus) em um modelo de propriedade da região oeste do Estado

Leia mais

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação Panorama da AQÜICULTURA, setembro/outubro, 2008 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua & Imagem Serviços Ltda. fernando@acquaimagem.com.br Na edição passada, iniciamos uma série de artigos sobre práticas

Leia mais

Influência de diferentes fontes lipídicas na larvicultura de jundiá Rhamdia voulezi

Influência de diferentes fontes lipídicas na larvicultura de jundiá Rhamdia voulezi 130 Influência de diferentes fontes lipídicas na larvicultura de jundiá Rhamdia voulezi Joana Karin Finkler 1, Odair Diemer 1, Jakeline Marcela Azambuja de Freitas 2, Micheli Zaminhan 1, Aldi Feiden 1

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce

Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Zootecnia Programa de Educação Tutorial (PET/MEC/SESu) Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce Ministrante: Xélen Faria Wambach Zootecnista

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

Óleos vegetais em rações para o híbrido tambacu (macho Piaractus mesopotamicus x fêmea Colossoma macropomum)

Óleos vegetais em rações para o híbrido tambacu (macho Piaractus mesopotamicus x fêmea Colossoma macropomum) Óleos vegetais em rações para o híbrido tambacu (macho Piaractus mesopotamicus x fêmea Colossoma macropomum) Vegetable oils in diets for hybrid tambacu (male Piaractus mesopotamicus x female Colossoma

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito da reidratação na coloração da salsinha. Zeuxis R. Evangelista 1 ; Kari K. S. Araújo 1, Carolina C. Sena

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Pedreira Mouriño, José Luiz; Verardino De Stéfani, Marta Avaliação de métodos de coleta de fezes para

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com Para aumentar a produtividade e os lucros, no caso dos tanques escavados, não é necessário aumentar

Leia mais

MODELO EMATER DE PRODUÇÃO DE TILÁPIA

MODELO EMATER DE PRODUÇÃO DE TILÁPIA MODELO EMATER DE PRODUÇÃO DE TILÁPIA Oreochromis niloticus Gelson Hein Méd. Veterinário Toledo Raul Henrique Brianese Engº Agrônomo Assis Chateaubriand Toledo PR Novembro, 2004 1. APRESENTAÇÃO A piscicultura

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

Revista Eletrônica Nutritime, Artigo 146. v. 8, n 05 p.1612-1618 Setembro/Outubro 2011 INCLUSÃO DE VIT. C EM RAÇÃO COMERCIAL PARA PÓS-LARVAS

Revista Eletrônica Nutritime, Artigo 146. v. 8, n 05 p.1612-1618 Setembro/Outubro 2011 INCLUSÃO DE VIT. C EM RAÇÃO COMERCIAL PARA PÓS-LARVAS Revista Eletrônica Nutritime, Artigo 146 v. 8, n 05 p.1612-1618 Setembro/Outubro 2011 1612 Artigo Número 146 INCLUSÃO DE VITAMINA C EM RAÇÃO COMERCIAL PARA PÓS-LARVAS (Oreochromis niloticus) NA FASE DE

Leia mais

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com. Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.br E stamos chegando ao final do inverno nas regiões sul e sudeste, que

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR

INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR Cláudia Cantelli Daud BORDIN 1 ; Maria Margareth Veloso NAVES 2 Palavras-chave: gelatina, caseína, proteína, utilização biológica.

Leia mais

MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER

MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER ARTIGO TÉCNICO PREMIX 8ª edição MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER INTRODUÇÃO O termo manejo de cocho (adaptado do inglês bunk management) refere-se à técnica de manejo alimentar utilizada em

Leia mais

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Manoella Ingrid de O. Freitas; Maria Zuleide de Negreiros; Josivan

Leia mais

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil ALVES, Antonio Carlos; Shong LIN, Hiow TIPO DE EMBALAGEM, UMIDADE INICIAL E PERÍODO DE ARMAZENAMENTO EM SEMENTES DE

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO A. S. Silva 1 ; L. T. Souto Filho 1 ; M. F. Mendonça 1 ; P. G. Leite 2 ; F. V. da Silva 3 ; R.

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009.

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. Avaliação de alterações na coloração e qualidade da gema de ovos em função do tempo e forma de

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL

CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL Coord. : Prof. Edemar Roberto Andreatta - UFSC Francisco de Oliveira Neto - EPAGRI Florianópolis

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br Orientações para Arraçoamento (Ração) O consumo

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No \ Ver-o-peixe é o nome de um projeto de desenvolvimento da piscicultura familiar realizado em parceria entre agricultores, pesquisadores e técnicos da extensão rural para criação de peixes nos sistemas

Leia mais

PARÂMETROS ERITROCITÁRIOS DO JUNDIÁ Rhamdia voulezi CULTIVADOS EM TANQUES-REDE

PARÂMETROS ERITROCITÁRIOS DO JUNDIÁ Rhamdia voulezi CULTIVADOS EM TANQUES-REDE PARÂMETROS ERITROCITÁRIOS DO JUNDIÁ Rhamdia voulezi CULTIVADOS EM TANQUES-REDE Micheli Zaminhan 2, Edionei Maico Fries 2, Márcia Luzia Ferrarezi Maluf 4, Juliana Mara Costa 3, Aldi Feiden 1, Wilson Rogério

Leia mais

[T] Crescimento de quatro linhagens de tilápia Oreochromis niloticus. [I] Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus

[T] Crescimento de quatro linhagens de tilápia Oreochromis niloticus. [I] Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus ISSN 0103-989X Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] Crescimento de quatro linhagens de tilápia Oreochromis niloticus [I] Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus [A]

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico I - INTRODUÇÃO II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico III - TANQUES REDE E GAIOLAS 1. Estruturas para tanque redes ou gaiolas 2. Abertura de malhas 3. Comedouros 4. Flutuadores

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Roteiro Orientativo

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Roteiro Orientativo GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE - SEMA/MT Superintendência de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços - SUIMIS Número Roteiro Nome Roteiro Objetivo Roteiro

Leia mais

Custo operacional de produção da criação de tilápias tailandesas em tanques-rede, de pequeno volume, instalados em viveiros povoados e não povoados.

Custo operacional de produção da criação de tilápias tailandesas em tanques-rede, de pequeno volume, instalados em viveiros povoados e não povoados. 98 Custo operacional de produção da criação de tilápias tailandesas em tanques-rede, de pequeno volume, instalados em viveiros povoados e não povoados. Recebimento dos originais: 18/03/2008 Aceitação para

Leia mais

APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO DE CAMARÃO JAGUARUANA - CEARÁ

APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO DE CAMARÃO JAGUARUANA - CEARÁ APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO DE CAMARÃO JAGUARUANA - CEARÁ APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA III

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA III INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA III Beatriz Berton Baldo, Emílio Carlos Nardini, Basílio Gomes Ribeiro

Leia mais

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

Crescimento e alterações no fígado e na carcaça de alevinos de jundiá alimentados com dietas com aflatoxinas

Crescimento e alterações no fígado e na carcaça de alevinos de jundiá alimentados com dietas com aflatoxinas Alevinos de jundiá alimentados com dietas com aflatoxinas 1029 Crescimento e alterações no fígado e na carcaça de alevinos de jundiá alimentados com dietas com aflatoxinas Paulo Rodinei Soares Lopes (1),

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das atribuições previstas posto no Art. 35 do Decreto

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

AGRICOTEC. Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente

AGRICOTEC. Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente EQUIPAMENTOS PARA PISCICULTURA Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente em equipamentos para piscicultura e carnicicultura que

Leia mais

Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e boas práticas de manejo

Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e boas práticas de manejo Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e 54 Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e Recebimento dos

Leia mais

Influência do formato do aquário na sobrevivência e no desenvolvimento de larvas de matrinxã Brycon cephalus (Osteichthyes, Characidae) 1

Influência do formato do aquário na sobrevivência e no desenvolvimento de larvas de matrinxã Brycon cephalus (Osteichthyes, Characidae) 1 Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.35, n.2, p.329-333, 2006 Influência do formato do aquário na sobrevivência e no desenvolvimento

Leia mais

MÉTODO DE CULTIVO NA PRODUÇÃO DE ALEVINOS DE TILÁPIA DO NILO REVERTIDOS

MÉTODO DE CULTIVO NA PRODUÇÃO DE ALEVINOS DE TILÁPIA DO NILO REVERTIDOS Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.29, n.2, p.142-146, 2014. ISSN - 0101-756X - DOI: http://dx.doi.org/10.12722/0101-756x.v29n02a19 MÉTODO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões Carolina Gonçalves Borges 1 ; Marco Antônio Pereira da Silva 1 ; Jakeline Fernandes Cabral

Leia mais

Desmitificando a genética

Desmitificando a genética Panorama da AQÜICULTURA, maio, junho 2013 1 Este é o primeiro de uma série de artigos em que serão discutidos aqui na Panorama da AQÜICULTURA os conceitos e metodologias da área de melhoramento genético

Leia mais

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998 QUALIDADE DA ÁGUA NA PRODUÇÃO DE PEIXES PARTE I Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Engenharia Agrônoma pela ESALQ USP e Ph.D pela Auburn University Alabama,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA PROCESSO PRODUTIVO AGOSTO/SETEMBRO 2009 NATIV PESCADOS U.N.E. 1. CHAPECÓ

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte III (Final)

Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte III (Final) Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte III (Final) Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Agronomia pela ESALQ USP e Ph.D em aqüicultura pela Auburn University

Leia mais

Técnico em Agropecuária

Técnico em Agropecuária Técnico em Agropecuária Jackelline Cristina Ost Lopes Piscicultura CAF UFPI Piscicultura Jackelline Cristina Ost Lopes Floriano 2012 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

sistema com bioflocos

sistema com bioflocos Panorama da AQÜICULTURA, maio, junho, 2011 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br Criação de tilápias em Foto 1 - Bioflocos sob microscopia, sendo possível

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

Aqüicultura, Universidade Estadual Paulista, Rodovia Carlos Tonanni, Km 5, 14870-000, Jaboticabal-São Paulo, Brazil. *Author for correspondence.

Aqüicultura, Universidade Estadual Paulista, Rodovia Carlos Tonanni, Km 5, 14870-000, Jaboticabal-São Paulo, Brazil. *Author for correspondence. Acta Scientiarum 20(3):387-393, 1998. ISSN 1415-6814. Influência das densidades de estocagem e sistemas de aeração sobre o peso e características de carcaça da tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus Linnaeus,

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais