II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS"

Transcrição

1 II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS André C. H. 1 Gerson P. dos Santos ¹ Jonas R.¹ Laedson R.¹ Lauro H.¹ Deusilene Vieira² 1. INTRODUÇÃO Atualmente, os métodos utilizados na construção civil são exponencialmente mais eficazes do que os de antigamente. Essa eficácia se comprova nos momentos em que os seres humanos devem correr contra o tempo, não podendo depender de horas esperando que certo material finalize o processo de endurecimento ou que alguma reação faça efeito, mas também tomando cuidado com a qualidade e com a resistência que esse material irá adquirir. A diversidade de materiais que podem ser usados na construção civil é enorme, eles vão desde os produtos mais primitivos até os mais avançados. Além, da constante busca por aprimoramento de materiais, a construção civil também busca meios de reduzir custos no processo construtivo, como por exemplo o processo de assentamento de blocos cerâmicos que exige capital e tempo para seu desenvolvimento. Portanto, o estudo destinado aos melhores materiais para assentamento, influencia no resultado final da obra, proporcionando economia de tempo e dinheiro. Segundo CALLISTER (2012), Muitos Cientistas experimentais ou engenheiros, sejam eles mecânicos, civis, químicos ou elétricos, irão uma vez ou outra se deparar com um problema de projeto envolvendo materiais [...]. Levando em consideração a afirmação acima, no mercado existem diversos materiais que podem ser utilizados para a composição da massa para alvenaria, desse modo, é importante identificar os materiais mais importantes para a agilidade da obra, e a redução de custos. Com tantas variáveis no decorrer de uma obra, este trabalho dedica-se a contribuir com a redução do custo na construção civil avaliando 4 tipos de massas mais utilizadas no processo de assentamento de blocos cerâmicos de seis furos (9 cm x 14 cm x 19 cm) no âmbito do município de Porto Velho RO. 1 Alunos do Curso de Graduação em Engenharia Civil da Faculdade de Rondônia FARO ² Orientadora da Faculdade de Rondônia FARO

2 METODOLOGIA Este estudo é do tipo pesquisa quantitativa de campo exploratória, por meio da aplicação de questionários nas construtoras, canteiros de obras e profissionais autônomos (Engenheiros, Pedreiros e Mestres de Obras) procurando levantar dados em relação ao tipo e o motivo da utilização do material no processo de assentamento de blocos cerâmicos (tijolos). Em outra frente de trabalho, a pesquisa será qualitativa onde o grupo de estudo realizará a contratação de profissionais para a produção de amostras de alvenaria para que possamos realizar as medições específicas. Isso será realizado em uma indústria de Cerâmica dessa cidade. O processo será realizado da seguinte forma: O profissional contratado receberá o material para realizar o assentamento de 1m² de parede, será registrada a temperatura e umidade ambiente e após a secagem será avaliado a resistência da massa. As seguintes massas serão testadas: A primeira massa a ser testada será a que consiste em uma mistura de areia fina, retirada de barrancos, com o cimento e água. A segunda massa será a mistura composta areia lavada média, argamassa (cal), cimento e água. A terceira massa também é produzida pela areia lavada média, cimento, água, porém, a cal será substituída por um aditivo concentrado. O último produto será a argamassa polimérica, trata-se de uma massa pronta utilizada principalmente no assentamento de tijolos. Posteriormente faremos as análises dos dados e serão criadas planilhas comparativas para assim sabermos quais materiais proporcionam menor peso na estrutura, melhor resistência e colagem no assentamento de blocos cerâmicos das construções de alvenarias. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO O processo inicial da pesquisa procedeu-se com a aplicação de questionários em dois tipos de grupos, sendo o primeiro grupo empresas (Construtoras e Escritórios de Engenharia) e o segundo grupo, profissionais liberais (Mestres de Obra e Pedreiros). O objetivo da pesquisa foi identificar, no mercado de Porto Velho, os materiais mais utilizados no processo de assentamento de tijolo e o motivo pela qual é utilizada com mais frequência. A figura 1 mostra os tipos de massas e cimento utilizados em construtoras e escritórios de engenharia.

3 147 Figura 1 Tipos de Massas e Cimentos mais utilizados pelas construtoras e escritórios de engenharia. Das 12 empresas (Construtoras e Escritórios de Engenharia) pesquisadas, 2 utilizam como massa de assentamento a Areia de Barranco e 2 Areia Lavada + Cal hidratada. Sendo 4 para Areia Lavada + Aditivo Plastificante e 4 empresas Argamassa Polimérica. Maior parte das empresas pesquisadas utiliza materiais mais modernos como aditivo plastificante e Argamassa polimérica. O cimento não é utilizado quando se usa a Argamassa Polimérica, desse modo, só foi pesquisado o tipo de cimento utilizado nas empresas que não utilizam essa Argamassa. 5 das empresas, alegam utilizar o cimento CP-IV e somente 3 afirmam utilizar o CPII-Z. Ambos indicados para regiões sob temperaturas elevadas. Porém, o cimento tipo CP IV está há mais tempo no mercado. Quando perguntado o porquê do tipo de cimento utilizado, maioria soube identificar a diferença entre o CP II Z e CP IV.

4 148 Figura 2 Tipos de Massas e Cimentos mais utilizados por profissionais liberais (Pedreiros e Mestres de obra). Na figura 2, percebe-se que 5 dos 12 profissionais liberais pesquisados, ainda utilizam material primitivo no processo de assentamento, ou seja, utilizam a Areia de Barranco. 4 profissionais utilizam a Areia Lavada com Aditivo Plastificante e somente 3 a Argamassa Polimérica. Maior parte dos profissionais liberais pesquisados ainda trabalha com material primitivo nesse processo de trabalho. Quanto ao tipo de cimento, 5 profissionais informaram utilizar o cimento do tipo CP IV e 4 profissionais do tipo CP II Z. Quando perguntado o porquê da escolha, a maioria alegou ter o costume na utilização de um tipo de cimento. Mas, poucos souberam explicar a diferença entre ambos. 4. CONCLUSÕES

5 149 A pesquisa obteve disparidade quando comparada entre os dois grupos estudados, sendo o primeiro as Construtoras e escritórios de engenharia e o segundo grupo, profissionais liberais (Pedreiros e Mestres de Obra). O primeiro grupo, quase 70%, utiliza materiais mais modernos como Argamassa Polimérica e Areia Lavada com Aditivo Plastificante. No segundo grupo, quase 50% ainda utilizam o material mais arcaico como a Areia de Barranco. A outra metade já utiliza matérias mais modernas, sendo a Argamassa Polimérica e/ou o Aditivo Plastificante. A parte final da pesquisa está na fase de conclusão, onde será identificada a massa com mais resistência e qualidade no processo de colagem do Bloco Cerâmico. REFERÊNCIAS CALLISTER, William D. Ciência e engenharia de materiais uma introdução. 7ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo M. F. Paulo Pereira, José B. Aguiar, Aires Camões e Hélder M. A. Cruz University of Minho Portugal 18 e 19 de Março, LNEC, Lisboa 1.

Leia mais

PEDREIRO PASSO A PASSO

PEDREIRO PASSO A PASSO PEDREIRO PASSO A PASSO 1. INICIO 2. MASSA PRA TIJOLO 3. MASSA PRA REBOCO 4. EQUIPAMENTOS PRA PEDREIRO 5. LEVANTANDO PAREDE 6. REBOCO INICIO Pedreiro é o profissional que constrói ou reveste muros, paredes,

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001 1. Descrição: A Argamassa é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos de vidro em sistemas de vedação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II Código da Disciplina: ECV 007 Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre de oferta da disciplina: 4 Faculdade responsável: ENGENHARIA CIVIL Programa

Leia mais

15º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA TÍTULO DO TRABALHO: REGULADOR DE ARGAMASSA (MODALIDADE: HABITAÇÃO) APRESENTAÇÃO

15º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA TÍTULO DO TRABALHO: REGULADOR DE ARGAMASSA (MODALIDADE: HABITAÇÃO) APRESENTAÇÃO 15º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA TÍTULO DO TRABALHO: REGULADOR DE ARGAMASSA (MODALIDADE: HABITAÇÃO) APRESENTAÇÃO Uma solução simples, produzida com chapas dobradas ou perfis. Seu objetivo

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Concreto translúcido M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Concreto Translúcido Uma empresa húngara desenvolveu um tipo de concreto que, misturado a uma pequena porcentagem de fibras

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS DE REVISÃO ÉTICA E REGULATÓRIA DE ENSAIOS CLÍNICOS

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS DE REVISÃO ÉTICA E REGULATÓRIA DE ENSAIOS CLÍNICOS 1 OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS DE REVISÃO ÉTICA E REGULATÓRIA DE ENSAIOS CLÍNICOS ANDRÉ BERTOMEU São Paulo, Outubro de 2015 RESUMO O Brasil possui um enorme potencial para o desenvolvimento de pesquisa clínica,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO)

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) LOTE

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015 AULA 6 ARGAMASSA Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS DEFINIÇÃO Materiais

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

Gerenciamento da Construção Civil

Gerenciamento da Construção Civil Gerenciamento da Construção Civil FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento. Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8.1 Considerações

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO

ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO VANTAGENS: Redução de formas e armaduras; Eliminação das etapas de moldagem dos pilares e vigas; Montagem

Leia mais

MANUAL INFORMAÇÕES TÉCNICAS E APLICAÇÕES

MANUAL INFORMAÇÕES TÉCNICAS E APLICAÇÕES MANUAL INFOMAÇÕES TÉCNICAS E APLICAÇÕES O MANUAL Este manual foi elaborado com o objetivo de apresentar o impermeabilizante Impermassa e seus diferenciais na construção civil. Trata-se de um explicativo

Leia mais

Logística na aplicação de argamassa para reboco, assentamento de tijolos e piso. ANVI Comércio e Indústria

Logística na aplicação de argamassa para reboco, assentamento de tijolos e piso. ANVI Comércio e Indústria Logística na aplicação de argamassa para reboco, assentamento de tijolos e piso ANVI Comércio e Indústria A Empresa A ANVI está presente no Brasil desde 1.972, com a fabricação e distribuição de equipamentos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I Código da Disciplina: ECV004 Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre de oferta da disciplina: 3 Faculdade responsável: ENGENHARIA CIVIL Programa

Leia mais

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Dados técnicos: Base Poliuretano Consistência Espuma estável Sistema de endurecimento Polimerização pela humidade do ar Formação de pele Ca. 8 min. (20 C/65% H.R.) Tempo de secagem

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE MUSICA DA FACULDADE ENIAC

TÍTULO: PROJETO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE MUSICA DA FACULDADE ENIAC 16 TÍTULO: PROJETO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE MUSICA DA FACULDADE ENIAC CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): WILKER

Leia mais

Estudo dos Traços. Prof. Amison de Santana Silva

Estudo dos Traços. Prof. Amison de Santana Silva Estudo dos Traços Prof. Amison de Santana Silva Traços - Definição Relação entre as proporções de cimento e os outros materiais componentes (areia, cal, água, aditivos) = Traço. Pode ser especificado em

Leia mais

PMCD Pesquisa de material de construção em Divinópolis

PMCD Pesquisa de material de construção em Divinópolis PMCD Pesquisa de material de construção em Divinópolis Julho de 2009 O Nupec-Faced pesquisou nos dias 19 e 20 de julho na cidade de Divinópolis 16 estabelecimentos que comercializam materiais básicos de

Leia mais

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES AVALIAÇÃO DO AQUECIMENTO DE PRODUTOS ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES MECÂNICOS Este trabalho técnico foi preparado para apresentação no 19 Encontro de Asfalto, realizado no período de 9 a 11 de junho

Leia mais

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração.

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração. IMPERMEABILIZAÇÃO Têm a função de proteger a edificação contra patologias que poderão surgir como possível infiltração de água. Classificação RÍGIDAS Baixa capacidade de deformação FLEXÍVEIS Suportam deformações

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES DEFINIÇÃO São materiais ligantes, em geral pulverulentos, que promovem a união entre os grãos de agregados. Estes materiais sofrem transformações químicas, por isso

Leia mais

VEDATOP FLEX. Características do componente B Densidade: 1,03 g/cm³ Aparência: líquido de cor branca Composição básica: polímeros acrílicos

VEDATOP FLEX. Características do componente B Densidade: 1,03 g/cm³ Aparência: líquido de cor branca Composição básica: polímeros acrílicos Produto é uma argamassa polimérica, flexível, de base acrílica, com alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente a concreto, alvenaria e argamassa, acompanhando eventuais movimentações. Por isso,

Leia mais

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível); Especificar o tipo de argamassa de assentamento;

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 1 Apresentação da disciplina Cristóvão C. C. Cordeiro Tópicos principais 1. Apresentação da área de Construção Civil 2. Apresentação da disciplina 3. Apresentação

Leia mais

GESCONMAT GESTÃO DO CONSUMO DE MATERIAIS NOS CANTEIROS DE OBRAS

GESCONMAT GESTÃO DO CONSUMO DE MATERIAIS NOS CANTEIROS DE OBRAS SEMINÁRIO RESULTADOS PARCIAIS DOS PROJETOS APROVADOS NA CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FUNDO VERDE- AMARELO 01/2003 Ubiraci Espinelli Lemes de Souza, Phd. Professor Associado do Departamento de Engenharia de

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Argamassa Polimérica. Argamassa Polimérica

FICHA TÉCNICA. Argamassa Polimérica. Argamassa Polimérica PÁGINA: 1/5 1 Descrição: A Argamassa GoiásCola é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 49

MÉTODO EXECUTIVO ME 49 Objetivo: FOLHA 1 de 7 O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para piscina enterrada sujeita a pressão negativa, utilizando Argamassa e Membrana Polimérica, flexíveis, de modo

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Objetivo: discutir conceitos Construção industrializada X Processos construtivos industrializados 2 CONFUSÃO!

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO ANEXO X MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DO USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO - BOMSUCESSO 1. Histórico A unidade de Saúde Familiar Cornélia da Conceição do Bairro Bom Sucesso atende cerca de 70 usuários por dia, abrangendo

Leia mais

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA

VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA LOTE

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito 3D CONCEPT UNIKA Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente,

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL DO BLOCO DE SOLO-CIMENTO PARA USO RESIDENCIAL

ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL DO BLOCO DE SOLO-CIMENTO PARA USO RESIDENCIAL ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL DO BLOCO DE SOLO-CIMENTO PARA USO RESIDENCIAL Augusto Cezar Mendes Gonçalves 1 ; Giovanna Gonçalves 2 ; Marcos Gonçalves 3. 1 Faculdade Educacional

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1

ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1 ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1 Emanuel Cristiano Dallabrida 2, Claudia Maria Gonçalves 3, Tenile Rieger Piovesan 4. 1 Pesquisa desenvolvida

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 DEFINIÇÃO. Mistura de aglomerantes e agregados com água, possuindo capacidade de endurecimento (NBR 7200).. São materiais de construção constituídos por uma mistura

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 03

RELATÓRIO DE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 03 MINHA FACULDADE MEU CURSO Laboratório de química RELATÓRIO DE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 03 Técnicas para determinação de volume e determinação de densidade de objetos Alunos: João Marcos Maria Mara 26

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00013/ SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00013/ SRP 52131 - COMANDO DA MARINHA 783810 - CENTRO DE INTENDENCIA DA MARINHA EM NATAL RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00013/2016-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - AREIA AREIA, TIPO LAVADA, GRANULOMETRIA

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO ECC/ /05 SISTEMA CONSTRUTIVO TIJOL-ECO ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO ECC/ /05 SISTEMA CONSTRUTIVO TIJOL-ECO ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/16 RELATÓRIO DE ENSAIO ECC/107.871/05 SISTEMA CONSTRUTIVO TIJOL-ECO ENSAIOS DIVERSOS Interessado: ARTIGOS DE SOLO CIMENTO TIJOL-ECO Avenida São Pedro, 204. 13520-000 São Pedro SP. Ensaios: (45.150)

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

b. Referencias bibliográficas e páginas da internet.

b. Referencias bibliográficas e páginas da internet. Roteiro para Apresentação de Questões Orientações: 1. Cada grupo (e cada integrante do grupo) será responsável em pesquisar, responder e apresentar as questões (mostradas a seguir para cada grupo), bem

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI DO RESRIAMENTO DE NEWTON EM BLOCOS CERÂMICOS: MODELAGEM, RESOLUÇÃO ANALÍTICA E COMPARAÇÃO PRÁTICA DOS RESULTADOS RESUMO

APLICAÇÃO DA LEI DO RESRIAMENTO DE NEWTON EM BLOCOS CERÂMICOS: MODELAGEM, RESOLUÇÃO ANALÍTICA E COMPARAÇÃO PRÁTICA DOS RESULTADOS RESUMO APLICAÇÃO DA LEI DO RESRIAMENTO DE NEWTON EM BLOCOS CERÂMICOS: MODELAGEM, RESOLUÇÃO ANALÍTICA E COMPARAÇÃO PRÁTICA DOS RESULTADOS Pedro Bonfim Segobia Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Leia mais

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS O que é revestimento? Revestimentos mais comuns Argamassas Cerâmicos Pedra

Leia mais

O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Debora Lindoso Mamede* 1 Thatiele Guedes de Oliveira *² Inimá Indio do Brasil Júnior*³ RESUMO: O presente estudo versa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS LOTE 1 Versão: 005 Vigência: 11/2014 Última atualização: 11/2016 SINAPI Cadernos

Leia mais

Instruções de aplicação da Pedra Natural

Instruções de aplicação da Pedra Natural Instruções de aplicação da Pedra Natural 1. É importante a correcta escolha das ferramentas e dos utensílios para a aplicação: máquina radial ou mesa de corte com água com disco de diamante, plano dentado,

Leia mais

TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO TANQUE DE LAVAR ROUPA DE CIMENTO

TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO TANQUE DE LAVAR ROUPA DE CIMENTO TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO TANQUE DE LAVAR ROUPA DE CIMENTO (POLÍDO OU RÚSTICO) Autor: Cláudio Cardoso* Técnico em Saneamento INTRODUÇÃO O Tanque de Lavar Roupa de cimento é uma das Melhorias

Leia mais

SUMÁRIO. Produtividade da mão de obra. Bancos de informações. Utilização das informações. Considerações finais

SUMÁRIO. Produtividade da mão de obra. Bancos de informações. Utilização das informações. Considerações finais 0 SUMÁRIO Produtividade da mão de obra Bancos de informações Utilização das informações Considerações finais PRODUTIVIDADE DA MÃO DE OBRA PRODUTIVIDADE RECURSOS PRODUTOS EFICIÊNCIA PRODUTIVIDADE DA MÃO

Leia mais

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo (http://www.tallestskyscrapers.info/images/tallest-buildings.jpg) MCC I - AGLOMERANTES MCC I Aglomerantes Aglomerante Aéreo Gesso de Construção O gesso de construção é produzido por calcinação do minério

Leia mais

CENTRO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PROJETO DE PESQUISA: ESTATÍSTICA NA PRÁTICA

CENTRO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PROJETO DE PESQUISA: ESTATÍSTICA NA PRÁTICA CENTRO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PROJETO DE PESQUISA: ESTATÍSTICA NA PRÁTICA Orientadora: Profª. Drª. Rosângela M. C. Bonici Disciplina: Estatística Aplicada SÃO PAULO PROJETO DE

Leia mais

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 9 Reologia: conceitos básicos Sumário Conceitos Deformação em um sólido ideal Deformação em um fluido ideal Comportamento

Leia mais

Geração e Perdas de RCD. Profª Drª Stela Fucale POLI/UPE

Geração e Perdas de RCD. Profª Drª Stela Fucale POLI/UPE Mestrado em Engenharia Civil - PEC Geração e Perdas de RCD Profª Drª Stela Fucale POLI/UPE Indicadores de Geração de RCD nos Municípios Não existe uma metodologia consagrada no meio técnico paraaconstruçãodeindicadoressobreageraçãodercdnos

Leia mais

Intenção de compras de NATAL. 10 de dezembro. Ribeirão Preto/SP

Intenção de compras de NATAL. 10 de dezembro. Ribeirão Preto/SP Intenção de compras de NATAL 10 de dezembro 2014 Ribeirão Preto/SP Sumário Objetivo... 3 Metodologia... 3 Caracterização geral dos entrevistados... 4 Perfil de consumo para o Natal... 5 Considerações finais...

Leia mais

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3 Gresca Planta G1 Gresca Planta G2 Gresca Planta G3 sobre a empresa Referência no mercado da construção civil, a Cerâmica Gresca fabrica blocos com furo vertical e peças especiais de alto desempenho, que

Leia mais

Intermediação de Negócios

Intermediação de Negócios Intermediação de Negócios Catálogo 2016 A BAGÉ Serviços Administrativos LTDA é uma empresa intermediadora de negócios no setor de Construção Civil, tendo em seu portfólio os seguintes produtos: Vergalhões

Leia mais

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS Somos uma empresa constituída por diferentes profissionais da construção voltados para o emprego do Sistema ICF (INSULATED CONCRETE FORMS) em paredes

Leia mais

Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de

Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de Unidade I: Decisão 0 Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de Decisão Pesquisa Operacional é um ramo da ciência administrativa que fornece instrumentos para

Leia mais

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais 1 Objetivo Estabelecer e manter procedimentos para o levantamento, identificação, atualização e/ou alteração dos aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços do Porto de Itajaí. Definindo os

Leia mais

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva PREFEITURA MUNICIPAL DE ILICÍNEA Estado de Minas Gerais CNPJ: 18.239.608/0001-39 Praça. Padre João Lourenço Leite, 53 Centro Ilicínea Tel (fax).: (35) 3854 1319 CEP: 37175-000 Memorial Descritivo Escola

Leia mais

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades É um aglomerante hidráulico obtido pela moagem do clínquer Portland com adições de gesso e, eventualmente, escória básica de alto-forno, pozolana

Leia mais

MURFOR Reforço de aço para alvenaria

MURFOR Reforço de aço para alvenaria Aços Longos MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos ARCE1109-0218_Folheto_Murfor_21x28cm.indd 2 MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor é uma treliça

Leia mais

Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa

Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa 2ª Edição MAKILIM NUNES BAPTISTA DINAEL CORRÊA DE CAMPOS SUMÁRIO PARTE I - CIÊNCIA E PESQUISA... 1 1 OS DILEMAS DO PRESENTE...

Leia mais

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso REVESTIMENTO VERTICAL DE PEDRA NATURAL Fonte: Revista Téchne no.10 1 o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO o Sistema ADERENTE: Assentamento

Leia mais

QUANTITATIVOS, ORÇAMENTO ESTIMATIVO

QUANTITATIVOS, ORÇAMENTO ESTIMATIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL QUANTITATIVOS, ORÇAMENTO ESTIMATIVO TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO MÉTODOS DE ORÇAMENTO ESTRUTURA ANALÍTICA

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DO FATOR S2 UTILIZADO NO CÁLCULO DA VELOCIDADE CARACTERÍSTICA DO VENTO, SEGUNDO A NORMA

Leia mais

PROVA COMENTADA. Carga acidental (Q) = 0,5 kn/m² Carga permanente (G) = (0,12 cm X 25 kn/m³) + 1,0 kn/m² + 1,0 kn/m² = 4,0 kn/m²

PROVA COMENTADA. Carga acidental (Q) = 0,5 kn/m² Carga permanente (G) = (0,12 cm X 25 kn/m³) + 1,0 kn/m² + 1,0 kn/m² = 4,0 kn/m² ? Graute Um primeiro objetivo seria proporcionar a integração da armadura com a alvenaria, no caso de alvenaria estrutural armada ou em armaduras apenas de caráter construtivo. O segundo objetivo seria

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL 15. RESIDENCIAL DO JARDIM ANÁLIA FANCO-TATUAPÉ-SP. Data: (01/07/2016 à 31/07/2016).

RELATÓRIO MENSAL 15. RESIDENCIAL DO JARDIM ANÁLIA FANCO-TATUAPÉ-SP. Data: (01/07/2016 à 31/07/2016). RELATÓRIO MENSAL 15. RESIDENCIAL DO JARDIM ANÁLIA FANCO-TATUAPÉ-SP. Data: (01/07/2016 à 31/07/2016). Endereço: Rua Francisco Marengo, 1.210 TATUAPÉ SP. Engenheiro Fiscal: Milton Yasutoshi Kuwata. Relatório

Leia mais

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas Código: ENGP 579 Pré-requisito: Período Letivo: 2016.2

Leia mais

Amarração de alvenaria em pilar

Amarração de alvenaria em pilar Página 1 de 10 Amarração de alvenaria em pilar Confira as etapas para fazer a ligação de alvenaria e pilar Reportagem: Juliana Nakamura Fissuras e outros problemas nas alvenarias de paredes costumam gerar

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO VALOR (R$) ÍTEM DESCRIÇÃO

SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO VALOR (R$) ÍTEM DESCRIÇÃO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO OBRA: FÓRUM TRABALHISTA DE UMUARAMA ENDEREÇO: Avenida Rio Branco, 3.700 - Centro Cívico

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares SANTOS, Cleber de Oliveira dos RESUMO Este artigo apresenta algumas aplicações de sistemas lineares, conteúdo estudado na disciplina de Álgebra linear da

Leia mais

CALIBRAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE INSTRUMENTOS DOSEADORES DE LÍQUIDOS UTILIZADOS EM AMBIENTE CLÍNICO

CALIBRAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE INSTRUMENTOS DOSEADORES DE LÍQUIDOS UTILIZADOS EM AMBIENTE CLÍNICO CALIBRAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE INSTRUMENTOS DOSEADORES DE LÍQUIDOS UTILIZADOS EM AMBIENTE CLÍNICO Elsa Batista, Luis Sousa 2, Luis Ribeiro, Nelson Almeida, Eduarda Filipe, Rui F. Martins 2 Instituto Português

Leia mais

Terminologia e conceitos de Metrologia

Terminologia e conceitos de Metrologia A U A UL LA Terminologia e conceitos de Metrologia Um problema Muitas vezes, uma área ocupacional apresenta problemas de compreensão devido à falta de clareza dos termos empregados e dos conceitos básicos.

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

PAU-A-PIQUE FICHA CATALOGRÁFICA-26 DATA: DEZEMBRO/2013.

PAU-A-PIQUE FICHA CATALOGRÁFICA-26 DATA: DEZEMBRO/2013. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. PAU-A-PIQUE FICHA CATALOGRÁFICA-26 DATA: DEZEMBRO/2013. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

f ck Resumo Conceituação Análise dos resultados (NBR ) Critérios para tomada de decisão a partir da análise dos resultados

f ck Resumo Conceituação Análise dos resultados (NBR ) Critérios para tomada de decisão a partir da análise dos resultados Análise e Tomada de Decisão a partir dos Eng o Tibério Andrade (MSc) Recife, de março de dos Resumo Conceituação Análise dos resultados (NBR- ) Critérios para tomada de decisão a partir da análise dos

Leia mais

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Sandra Terumi Yoshino 1 1. Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pós graduada em Enfermagem em

Leia mais

cerâmica interna ficha técnica do produto

cerâmica interna ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas s. Excelente para o assentamento de revestimentos cerâmicos em ambientes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA LAGES (SC) 2014 JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Diagnóstico da ovinocaprinocultura

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA orçamento sintético

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA orçamento sintético MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA orçamento sintético Brasília/DF, 4/0/2009 OBJETO: Contratação de empresa especializada na execução de reforma em ambientes da Residência Oficial,

Leia mais

UMA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA

UMA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA UMA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA PEDRO FERREIRA FILHO ESTELA MARIS P. BERETA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFSCar 1. AGENDA I. Motivação II. Diagnóstico III. Necessidades

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza OBJETIVO: O presente memorial descritivo destina-se a estabelecer as etapas necessárias, juntamente com sua descrição, para contratação de mão

Leia mais

Bloco de Concreto CONCEITO

Bloco de Concreto CONCEITO CONCEITO A alvenaria de bloco de concreto é empregada em paredes com função estrutural ou mesmo como vedação em edifícios com estrutura de concreto armado. Substituem a alvenaria de tijolos que, por falta

Leia mais

CONTRAPISO, CONTRAPISO ACÚSTICO E CONTRAPISO AUTONIVELANTE SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

CONTRAPISO, CONTRAPISO ACÚSTICO E CONTRAPISO AUTONIVELANTE SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONTRAPISO, CONTRAPISO ACÚSTICO E CONTRAPISO AUTONIVELANTE LOTE 1 Versão: 007 Vigência:

Leia mais

Sistemas de Movimentação e Transporte

Sistemas de Movimentação e Transporte Sistemas de Movimentação e Transporte Saulo M.B Miranda RA: 200984 Eduardo Bregagnoli RA: 199308 Rodrigo de Poli RA: 200367 Kevin D. M. Gimenez RA: 200063 Dienesio Pereira de Oliveira RA: 200674 Pórticos

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 GRUPO ARGAMASSAS LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam a produção de argamassas, que serão incorporadas ao

Leia mais

TIJOLOS DE ADOBE ESCOLA DE MINAS / 2015 / PROF. RICARDO FIOROTTO / MARTHA HOPPE / PAULA MATIAS

TIJOLOS DE ADOBE ESCOLA DE MINAS / 2015 / PROF. RICARDO FIOROTTO / MARTHA HOPPE / PAULA MATIAS TIJOLOS DE ADOBE ESCOLA DE MINAS / 2015 / PROF. RICARDO FIOROTTO / MARTHA HOPPE / PAULA MATIAS Este projeto tem como objetivo a fabricação de tijolos de adobe destinados à construção de casas através da

Leia mais

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP PÁGINA 01/05 RELATÓRIO DE ENSAIO : Ensaio em argamassa texturizada INTERESSADO : Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP REFERÊNCIA : n/d NATUREZA DO TRABALHO : Determinação da resistência

Leia mais