II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS"

Transcrição

1 II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS André C. H. 1 Gerson P. dos Santos ¹ Jonas R.¹ Laedson R.¹ Lauro H.¹ Deusilene Vieira² 1. INTRODUÇÃO Atualmente, os métodos utilizados na construção civil são exponencialmente mais eficazes do que os de antigamente. Essa eficácia se comprova nos momentos em que os seres humanos devem correr contra o tempo, não podendo depender de horas esperando que certo material finalize o processo de endurecimento ou que alguma reação faça efeito, mas também tomando cuidado com a qualidade e com a resistência que esse material irá adquirir. A diversidade de materiais que podem ser usados na construção civil é enorme, eles vão desde os produtos mais primitivos até os mais avançados. Além, da constante busca por aprimoramento de materiais, a construção civil também busca meios de reduzir custos no processo construtivo, como por exemplo o processo de assentamento de blocos cerâmicos que exige capital e tempo para seu desenvolvimento. Portanto, o estudo destinado aos melhores materiais para assentamento, influencia no resultado final da obra, proporcionando economia de tempo e dinheiro. Segundo CALLISTER (2012), Muitos Cientistas experimentais ou engenheiros, sejam eles mecânicos, civis, químicos ou elétricos, irão uma vez ou outra se deparar com um problema de projeto envolvendo materiais [...]. Levando em consideração a afirmação acima, no mercado existem diversos materiais que podem ser utilizados para a composição da massa para alvenaria, desse modo, é importante identificar os materiais mais importantes para a agilidade da obra, e a redução de custos. Com tantas variáveis no decorrer de uma obra, este trabalho dedica-se a contribuir com a redução do custo na construção civil avaliando 4 tipos de massas mais utilizadas no processo de assentamento de blocos cerâmicos de seis furos (9 cm x 14 cm x 19 cm) no âmbito do município de Porto Velho RO. 1 Alunos do Curso de Graduação em Engenharia Civil da Faculdade de Rondônia FARO ² Orientadora da Faculdade de Rondônia FARO

2 METODOLOGIA Este estudo é do tipo pesquisa quantitativa de campo exploratória, por meio da aplicação de questionários nas construtoras, canteiros de obras e profissionais autônomos (Engenheiros, Pedreiros e Mestres de Obras) procurando levantar dados em relação ao tipo e o motivo da utilização do material no processo de assentamento de blocos cerâmicos (tijolos). Em outra frente de trabalho, a pesquisa será qualitativa onde o grupo de estudo realizará a contratação de profissionais para a produção de amostras de alvenaria para que possamos realizar as medições específicas. Isso será realizado em uma indústria de Cerâmica dessa cidade. O processo será realizado da seguinte forma: O profissional contratado receberá o material para realizar o assentamento de 1m² de parede, será registrada a temperatura e umidade ambiente e após a secagem será avaliado a resistência da massa. As seguintes massas serão testadas: A primeira massa a ser testada será a que consiste em uma mistura de areia fina, retirada de barrancos, com o cimento e água. A segunda massa será a mistura composta areia lavada média, argamassa (cal), cimento e água. A terceira massa também é produzida pela areia lavada média, cimento, água, porém, a cal será substituída por um aditivo concentrado. O último produto será a argamassa polimérica, trata-se de uma massa pronta utilizada principalmente no assentamento de tijolos. Posteriormente faremos as análises dos dados e serão criadas planilhas comparativas para assim sabermos quais materiais proporcionam menor peso na estrutura, melhor resistência e colagem no assentamento de blocos cerâmicos das construções de alvenarias. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO O processo inicial da pesquisa procedeu-se com a aplicação de questionários em dois tipos de grupos, sendo o primeiro grupo empresas (Construtoras e Escritórios de Engenharia) e o segundo grupo, profissionais liberais (Mestres de Obra e Pedreiros). O objetivo da pesquisa foi identificar, no mercado de Porto Velho, os materiais mais utilizados no processo de assentamento de tijolo e o motivo pela qual é utilizada com mais frequência. A figura 1 mostra os tipos de massas e cimento utilizados em construtoras e escritórios de engenharia.

3 147 Figura 1 Tipos de Massas e Cimentos mais utilizados pelas construtoras e escritórios de engenharia. Das 12 empresas (Construtoras e Escritórios de Engenharia) pesquisadas, 2 utilizam como massa de assentamento a Areia de Barranco e 2 Areia Lavada + Cal hidratada. Sendo 4 para Areia Lavada + Aditivo Plastificante e 4 empresas Argamassa Polimérica. Maior parte das empresas pesquisadas utiliza materiais mais modernos como aditivo plastificante e Argamassa polimérica. O cimento não é utilizado quando se usa a Argamassa Polimérica, desse modo, só foi pesquisado o tipo de cimento utilizado nas empresas que não utilizam essa Argamassa. 5 das empresas, alegam utilizar o cimento CP-IV e somente 3 afirmam utilizar o CPII-Z. Ambos indicados para regiões sob temperaturas elevadas. Porém, o cimento tipo CP IV está há mais tempo no mercado. Quando perguntado o porquê do tipo de cimento utilizado, maioria soube identificar a diferença entre o CP II Z e CP IV.

4 148 Figura 2 Tipos de Massas e Cimentos mais utilizados por profissionais liberais (Pedreiros e Mestres de obra). Na figura 2, percebe-se que 5 dos 12 profissionais liberais pesquisados, ainda utilizam material primitivo no processo de assentamento, ou seja, utilizam a Areia de Barranco. 4 profissionais utilizam a Areia Lavada com Aditivo Plastificante e somente 3 a Argamassa Polimérica. Maior parte dos profissionais liberais pesquisados ainda trabalha com material primitivo nesse processo de trabalho. Quanto ao tipo de cimento, 5 profissionais informaram utilizar o cimento do tipo CP IV e 4 profissionais do tipo CP II Z. Quando perguntado o porquê da escolha, a maioria alegou ter o costume na utilização de um tipo de cimento. Mas, poucos souberam explicar a diferença entre ambos. 4. CONCLUSÕES

5 149 A pesquisa obteve disparidade quando comparada entre os dois grupos estudados, sendo o primeiro as Construtoras e escritórios de engenharia e o segundo grupo, profissionais liberais (Pedreiros e Mestres de Obra). O primeiro grupo, quase 70%, utiliza materiais mais modernos como Argamassa Polimérica e Areia Lavada com Aditivo Plastificante. No segundo grupo, quase 50% ainda utilizam o material mais arcaico como a Areia de Barranco. A outra metade já utiliza matérias mais modernas, sendo a Argamassa Polimérica e/ou o Aditivo Plastificante. A parte final da pesquisa está na fase de conclusão, onde será identificada a massa com mais resistência e qualidade no processo de colagem do Bloco Cerâmico. REFERÊNCIAS CALLISTER, William D. Ciência e engenharia de materiais uma introdução. 7ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

AULA 6 ARGAMASSA continuação

AULA 6 ARGAMASSA continuação AULA 6 ARGAMASSA continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS - PROPRIEDADES

Leia mais

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas de cimento, cal e areia destinadas ao uso em alvenarias e revestimentos Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: NBR 7200:1998 NBR 13529:2013

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal Materiais de Construção Civil Aula 06 Aglomerantes e Cal Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Definição Aglomerante é o material ativo, ligante, cuja principal função é formar uma pasta que promove a união

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 252 ENTECA 2003 INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO, DO TRAÇO E DA ORIENTAÇÃO SOLAR NA PROPRIEDADE DE ESTANQUEIDADE À ÁGUA DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO Eduardo Mesquita Cortelassi (1); Thalita Gorban Ferreira

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Material Massa Específica (kg/l) Massa Unitária (kg/l) Cimento 3,15 1,42 Areia 2,63 1,50 Brita 2,90 1,40

Material Massa Específica (kg/l) Massa Unitária (kg/l) Cimento 3,15 1,42 Areia 2,63 1,50 Brita 2,90 1,40 Atividades Gabarito dos EXERCÍCIOS Quando necessário, usar os dados: Material Massa Específica (kg/l) Massa Unitária (kg/l) Cimento 3,5,42 Areia 2,63, Brita 2,90,40. Dado o traço unitário (seco) : 2 :

Leia mais

ARGAMASSA DOSADA EM CENTRAL

ARGAMASSA DOSADA EM CENTRAL ARGAMASSA DOSADA EM CENTRAL Uma logística de distribuição de argamassa estabilizada dosada em central para utilização em contrapiso, assentamento de tijolos e blocos, e revestimento de paredes e tetos.

Leia mais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais LAJES PRÉ-MOLDADAS Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni GRADUAÇÃO Florestal AULA 10 Aula 10b Lajes pré-moldadas 1 1. Definições São estruturas de concreto armado ou mistas,

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2016/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aula 3: Argamassa Prof. Eduardo Cabral Definição e Histórico Piso de 180m 2 no sul da Galiléia entre 7.000a.C. e 9.000a.C. Laje de 25cm de espessura

Leia mais

TIJOLO ECOLÓGICO: REAPROVEITANDO A BORRACHA DE PNEUS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1

TIJOLO ECOLÓGICO: REAPROVEITANDO A BORRACHA DE PNEUS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1 TIJOLO ECOLÓGICO: REAPROVEITANDO A BORRACHA DE PNEUS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1 Nathalia Da Rosa 2, Luis César Souza 3, Juliana Rodrigues Bilibio 4. 1 Este trabalho consiste em uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

NBR 14081/2004. Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas Requisitos

NBR 14081/2004. Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas Requisitos NBR 14081/2004 Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas Requisitos OBJETIVO: Fixar as condições exigíveis para argamassas colantes industrializadas destinadas ao assentamento

Leia mais

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Coordenadora: Marina Petzen Vieira dos Santos Componentes: Vilmar Pereira, Rosiléa França, Flávia Badalotti, Luciana da Costa, Paulo Pasin

Leia mais

GTec. Grupo de tecnologia em materiais e componentes à base de cimento Portland

GTec. Grupo de tecnologia em materiais e componentes à base de cimento Portland GTec Grupo de tecnologia em materiais e componentes à base de cimento Portland PESQUISADORES Professor Coordenador: Prof. Dr. Luiz Roberto Prudêncio Jr. PESQUISADORES Doutorandos: Rudiele Schankoski Ronaldo

Leia mais

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário.

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário. 1. Descrição: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento é indicado para o assentamento de blocos para alvenaria de vedação e fixação de alvenarias (blocos de concreto, cerâmicos, e

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO A BASE DE CAL E ADITIVADA. Palavras-Chave: Revestimento argamassado, incorporador de ar, cal hidratada.

CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO A BASE DE CAL E ADITIVADA. Palavras-Chave: Revestimento argamassado, incorporador de ar, cal hidratada. CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO A BASE DE CAL E ADITIVADA Frederico Hobold Filho (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)fred_hobold@hotmail.com (2)fep@unesc.net

Leia mais

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: Função da relação

Leia mais

PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM ENGENHARIA

PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM ENGENHARIA PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM ENGENHARIA VARIABILIDADE NA MEDIDA DE DADOS CIENTÍFICOS Se numa pesquisa, desenvolvimento de um processo ou produto, o valor

Leia mais

Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral

Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral Dra. Léia Salles Coordenadora de pesquisa leia.salles@blossomedu.com.br As etapas de uma pesquisa são: Planejamento, execução, divulgação

Leia mais

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 3 Argamassas de revestimento: cimento Sumário Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características

Leia mais

Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo

Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo Curso Técnico em Edificações Disciplina Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo Docente: Profa. Priscila B. Alves TCCC3 O que é? Pra que serve? Quais os tipos? Introdução Nada mais

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria OBJETIVO: Fixar condições no recebimento de tijolos maciços cerâmicos destinados a obras de alvenaria, com ou sem revestimento; DEFINIÇÕES: 1. Tijolo

Leia mais

ALVENARIT. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação

ALVENARIT. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação Produto ALVENARIT é um aditivo que proporciona ótima trabalhabilidade às argamassas de assentamento e rebocos. Por ser líquido, facilita o trabalho, proporcionando economia de material, praticidade no

Leia mais

poder de compra x custo da construção

poder de compra x custo da construção ALVENARIA ESTRUTURAL - introdução e materiais - Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br poder de compra: poder de compra x custo da construção custo da construção: tecnologia:

Leia mais

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final.

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final. Questão 19 Questão 19. 19 O concreto deve ser protegido durante o processo de endurecimento (ganho de resistência) contra secagem rápida, mudanças bruscas de temperatura, excesso de água, incidência de

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS ANÁLISE EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS RESUMO Lucas Borsatto Schmitz (1), Jakson Fábio Bitencourt Araújo (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO O concreto, de emprego usual nas estruturas, são constituídos de quatro materiais: 1. Cimento Portland 2. Água 3. Agregado fino 4. Agregado graúdo O cimento e a água

Leia mais

VEDACIT. Misturar o VEDACIT antes de usar e dissolvê-lo na água de amassamento.

VEDACIT. Misturar o VEDACIT antes de usar e dissolvê-lo na água de amassamento. Produto VEDACIT é um aditivo impermeabilizante para concretos e argamassas, que age por hidrofugação do sistema capilar e permite a respiração dos materiais, mantendo os ambientes salubres. Características

Leia mais

Técnicas das Construções I ALVENARIA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 6

Técnicas das Construções I ALVENARIA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 6 200888 Técnicas das Construções I ALVENARIA Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 6 Objetivos: 1. DISCUTIR A IMPORTÂNCIA DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. 2. DISCUTIR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Rafael Zanoni Bossle Orientadora: Marilaine de Fraga Sant Ana PRODUTO DA DISSERTAÇÃO: MODELAGEM MATEMÁTICA NO

Leia mais

BASE QUÍMICA EPOXI E POLIURETANO,

BASE QUÍMICA EPOXI E POLIURETANO, ADESIVOS E SELANTES BASE QUÍMICA NOSSOS ADESIVOS E SELANTES SÃO FORMULADOS A PARTIR DAS BASES QUÍMICAS EPOXI E POLIURETANO, DEVIDO SUAS EXCELENTES PROPRIEDADES MECÂNICAS E QUÍMICAS. ADESIVO EPOXI RETAPOX

Leia mais

REVESTIMENTO INTERNO DE PAREDES-AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS MÉTODOS PASTA DE GESSO E ARGAMASSA DO TIPO MASSA ÚNICA

REVESTIMENTO INTERNO DE PAREDES-AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS MÉTODOS PASTA DE GESSO E ARGAMASSA DO TIPO MASSA ÚNICA REVESTIMENTO INTERNO DE PAREDES-AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS MÉTODOS PASTA DE GESSO E ARGAMASSA DO TIPO MASSA ÚNICA Lucas Fernando De Sales Gonçalves (1) ; Geovana Bomtempo Morais (2), Paula Gabriele Campos

Leia mais

ALV L ENA N RI R A I E ST S RU R TURA R L L 1

ALV L ENA N RI R A I E ST S RU R TURA R L L 1 ALVENARIA ESTRUTURAL 1 APRESENTAÇÃO O curso de Alvenaria Estrutural será apresentado em forma de treinamento profissional, visando a prática construtiva e ao dimensionamento. Seguirá as prescrições das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 Análise da Resistência à Compressão Simples e Diametral de Misturas com Areia, Metacaulim e Cal Aluno: Ricardo José Wink de

Leia mais

MACTRA 2000 é uma emulsão solúvel em água com propriedades de impermeabilizar concreto e argamassas por hidrofugação do sistema capilar.

MACTRA 2000 é uma emulsão solúvel em água com propriedades de impermeabilizar concreto e argamassas por hidrofugação do sistema capilar. Data da última revisão: 01/2010 DEFINIÇÃO MACTRA 2000 é uma emulsão solúvel em água com propriedades de impermeabilizar concreto e argamassas por hidrofugação do sistema capilar. MACTRA 2000 é um aditivo

Leia mais

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume Definição: AGLOMERANTES Aglomerantes são materiais ativos, geralmente pulverulentos, que entram na composição das pastas, argamassas e concretos. Nomenclatura Exemplos: Aglomerantes Aglomerantes = materiais

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Marcação da Alvenaria: Construção Civil II ( TC-025) Verificação do esquadro e nível do pavimento; Traçado

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO PRODUÇÃO DE CONCRETO ETAPAS ONDE SÃO UTILIZADOS PORQUÊ ENFATIZAMOS ESTE TEMA? RESPONSABILIDADES: SEGURANÇA DURABILIDADE QUALIDADE CUSTO PRODUÇÃO BÁSICA DO CONCRETO CIMENTO AREIA BRITA ÁGUA NOVOS MATERIAIS

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS . HISTÓRICO O uso da Alvenaria como elemento apenas comprimido é uma das mais antigas formas de construção empregadas pelo homem HISTÓRICO OBRAS

Leia mais

aditivo para rejuntamento

aditivo para rejuntamento 01 Descrição: votomassa deve ser misturado ao votomassa flexível ou similar. Usado em substituição à água na mistura, o produto melhora a impermeabilidade e a resistência do, proporcionando um rejunte

Leia mais

O que é Aditivo para Concreto

O que é Aditivo para Concreto 17/05/2015 O que é Aditivo para Concreto www.mvalin.com.br 1 17/05/2015 DEFINIÇÃO: A NBR 11768 de Cimento Portland define os aditivos como produtos que adicionados em pequena quantidade a concretos de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PÓ DE SERRA PARA CURA DO CONCRETO

UTILIZAÇÃO DE PÓ DE SERRA PARA CURA DO CONCRETO Resumo UTILIZAÇÃO DE PÓ DE SERRA PARA CURA DO CONCRETO Célio Sebastião Rigo Discente do C. S. de Tecnologia em Controle de Obras, IFMT Campus Cuiabá Marcos de Oliveira Valin Jr Prof. Esp. do IFMT, Campus

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 2. Deficiência x Excelência Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 7 Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL RAFAEL DOS SANTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS QUANDO APLICADAS NA ATENUAÇÃO DE RUÍDO SONORO PRODUZIDO POR USINA TERMOELÉTRICA

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS QUANDO APLICADAS NA ATENUAÇÃO DE RUÍDO SONORO PRODUZIDO POR USINA TERMOELÉTRICA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE BARREIRAS ACÚSTICAS QUANDO APLICADAS NA ATENUAÇÃO DE RUÍDO SONORO PRODUZIDO POR USINA TERMOELÉTRICA Pedro Henrique Ramos de Lima cefas_hrl@hotmail.com Lucas Vieira Dias Sousa eng.lucasvieira@outlook.com

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DE BLOCOS CERÂMICOS NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ALVENARIA ESTRUTURAL

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DE BLOCOS CERÂMICOS NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ALVENARIA ESTRUTURAL ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DE BLOCOS CERÂMICOS NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ALVENARIA ESTRUTURAL Marcio R. do Nascimento (1); Fabiano Raupp-Pereira (2); Humberto R. Roman (3) (1) Departamento de Engenharia

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO André Fontebassi Amorim Silva (1), Jéssica da Silva Coelho (2), Jéssica Laila Rodrigues

Leia mais

Melhoria da Aderência de Revestimentos Contínuos de Gesso a Camadas Contínuas Impermeáveis ao Vapor

Melhoria da Aderência de Revestimentos Contínuos de Gesso a Camadas Contínuas Impermeáveis ao Vapor 1 INTRODUÇÃO O trabalho experimental que tem por base a comunicação que se apresenta foi desenvolvido no âmbito da Tese de Doutoramento que está a ser realizada na Escuela Técnica Superior de Arquitectura

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: AGOSTO / 2013

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: AGOSTO / 2013 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: AGOSTO / 2013 OBRA: RESERVA DA LAGOA Informações da Obra: Att. Aos clientes do Reserva da Lagoa A Iguatemi Construções Ltda. tem a satisfação em informar aos nossos clientes

Leia mais

1 Cristais de sal E1-1

1 Cristais de sal E1-1 1 Cristais de sal E1-1 o que necessitas uma proveta graduada ou simplesmente um copo que pode ser substituída por um copo medidor de cozinha vareta ou colher marcador de tinta insolúvel em água água do

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

18/08/2009 TÁ NA MÉDIA! FILIPE S. MARTINS

18/08/2009 TÁ NA MÉDIA! FILIPE S. MARTINS ESTATÍSTICA BÁSICA AULA 02 TÁ NA MÉDIA! FILIPE S. MARTINS ESTATÍSTICA - ROTEIRO MÉTODO PERIMENTAL FASES DO MÉTODO PLANEJAMENTO E COLETA DE DADOS CRÍTICA E APURAÇÃO DOS DADOS POSIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ANÁLISE DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X: PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES PARA INVESTIGAÇÃO

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 11 CONTRAPISOS O contrapiso é uma camada de argamassa executada sobre uma base, que pode ser a laje de um pavimento ou um lastro de concreto, se for sobre o solo. Sua função é regularizar a superfície

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt Pág. 2 top endur utilização Top Endur

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Fabricando tijolos de adobe

Fabricando tijolos de adobe Fabricando tijolos de adobe Karen D. Cartaxo Sprenger julho de 2009 A preparação para o curso de bioconstrução me apresentou o desafio de fabricar tijolos de adobe. Muito havia ouvido falar mas nunca tinha

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC.

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA 584 SC 584 SC www.giragrill.com ELEVGRILL Medidas: E A C B D QUADRO BASE Modelo Prime / SC Medidas em centímetros A B C D E Qtde. Espetos ELEVGRILL 584 49 38 59 49

Leia mais

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos NBR 6136 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos Objetivo Esta Norma estabelece os requisitos para o recebimento de blocos vazados de concreto simples, destinados à execução de alvenaria

Leia mais

Cap 3 Introdução à Experimentação

Cap 3 Introdução à Experimentação 3.5. Exercícios 3.1. Um experimento deve conter no mínimo o(s) seguinte(s) princípio(s) básico(s) da experimentação: a) repetição b) casualização c) controle local d) repetição e controle local e) repetição

Leia mais

>>contramarco de concreto 42

>>contramarco de concreto 42 >>contramarco de concreto 42 A fim de fornecer maior abertura para iluminação e ventilação, foi desenvolvido o contramarco de concreto como extensão do modo e tecnologia do sistema. Com padrão de acabamento

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Materiais e Tecnologias de Construção II Área Científica: Tecnologias de Produção Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Design de Ambientes Carácter: Obrigatória

Leia mais

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Prof.ª Angélica de Cássia Oliveira Carneiro DEF UFV Setembro 2011 Visando atender a demanda dos pequenos produtores por tecnologias mais eficientes,

Leia mais

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS Conceito Agregado é um material sem forma ou volume definido, de custo relativamente baixo, geralmente inerte, com dimensões e propriedades adequadas para a produção de argamassa e concreto. 1 Generalidades

Leia mais

Métodos de Avaliação do Sistema Radicular de Cana-de-açúcar

Métodos de Avaliação do Sistema Radicular de Cana-de-açúcar UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Seminários em Ciência do Solo Métodos de Avaliação do Sistema Radicular de Cana-de-açúcar Mestranda: Patrícia Karla

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DE GRADIENTE DE TEMPERATURA ENTRE PAREDES EXTERNAS E INTERNAS UTILIZANDO DISPOSITIVO TERMOELÉTRICO Hérisson Fagundes Ribeiro 1 Fernando

Leia mais

O Ingresso de Engenheiros Recém-formados no Mercado de Trabalho Brasileiro Comparação de perfil entre graduados na instituição pública e particular

O Ingresso de Engenheiros Recém-formados no Mercado de Trabalho Brasileiro Comparação de perfil entre graduados na instituição pública e particular Formação - Instituição Pública Outras 13,0% Formação - Instituição Particular Outras 15,4% Engenharia Civil 8,2% Engenharia Civil 5,1% Engenharia Elétrica 14,9% Engenharia Elétrica 12,0% Engenharia Química

Leia mais

BOMBA FILTRO BF MANUAL INFORMATIVO E TERMO DE GARANTIA

BOMBA FILTRO BF MANUAL INFORMATIVO E TERMO DE GARANTIA BOMBA FILTRO BF 15000 MANUAL INFORMATIVO E TERMO DE GARANTIA 3AH BOMBAS MAGNÉTICAS As bombas por tração magnética podem ser fabricadas com os materiais PP e PVDF. O polipropileno e o PVDF possuem alta

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO FICHA CATALOGRÁFICA-5 DATA: DEZEMBRO/2010.

ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO FICHA CATALOGRÁFICA-5 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO FICHA CATALOGRÁFICA-5 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias,

Leia mais

RELATÓRIO ANALÍTICO DE COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS

RELATÓRIO ANALÍTICO DE COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS POSIÇÕES RELAT DESONERAÇ M DE ESQV 74068/6 FECHADURA DE EMBUTIR PLETA, PARA PORTAS EXTERNAS, PADRAO DE ACABAMENTO MEDIO UN POSICAO 88239 AJUDANTE DE CARPINTEIRO ENCARGOS PLEMENTARES H 1,300000 12,08 15,70

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS A. Reis ¹, E. P. Manfroi 2 Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE, Departamento de Engenharia

Leia mais

José Luís Miranda Dias. Investigador Auxiliar do LNEC-DED/NTC. 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005

José Luís Miranda Dias. Investigador Auxiliar do LNEC-DED/NTC. 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005 Avaliação das deformações da zona em redor de juntas de argamassa de paredes de alvenaria sujeitas a fendilhação devida a acções de compressão

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

ebook Manual Pingadeiras

ebook Manual Pingadeiras ebook Manual Telha de Aço ebook Manual Pingadeiras Tire suas dúvidas técnicas sobre o assunto 1 ONDE UTILIZAR As peças de aço com formato de pingadeiras são utilizadas largamente na construção civil com

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

Redução de Custos Através do Uso Racional do Gás Natural

Redução de Custos Através do Uso Racional do Gás Natural Laboratório de Revestimentos Cerâmicos - LaRC Universidade Federal de São Carlos UFSCar Redução de Custos Através do Uso Racional do Gás Natural Helton J. Alves Fábio G. Melchiades Anselmo O. Boschi Setembro

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO Tarcísio Pereira Lima Aluno de Engenharia Civil na Universidade de Ribeirão Preto UNAERP Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

Argamassas e Equipamentos

Argamassas e Equipamentos Componentes: Argamassas e Equipamentos Engº Fábio Campora Argamassa Equipamentos Logística de obra Equipe de aplicação Argamassa Definição Argamassa Mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes

Leia mais

Substrato utilizado: Alvenaria de blocos cerâmicos ranhurados, conforme Figura 01. Não houve regularização do substrato com aplicação de chapisco.

Substrato utilizado: Alvenaria de blocos cerâmicos ranhurados, conforme Figura 01. Não houve regularização do substrato com aplicação de chapisco. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 220 8608 (Fax) Direção 220 8313 Secretaria 220 8468 Ensaios E-MAIL:

Leia mais

Apresentação. Estrutura

Apresentação. Estrutura Apresentação A MATCHEM é uma empresa brasileira focada no desenvolvimento de soluções inteligentes e produtos de qualidade para a indústria do concreto. Atuando no mercado de aditivos para concreto desde

Leia mais

Blocos de Vedação com Entulho

Blocos de Vedação com Entulho Blocos de Vedação com Entulho R. M. Abreu a ; R. W. Lopes b ; R. Azrak c, A. E. Salvi d a. Universidade Paulista, São Paulo, ricardo.abreu@yahoo.com.br b. Universidade Paulista, São Paulo, rico.lopes60@yahoo.com.br

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O

MANUAL DO AVALIADOR O MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

LADRILHO HIDRAÚLICO DECORADO

LADRILHO HIDRAÚLICO DECORADO LADRILHO HIDRAÚLICO DECORADO INSTITUCIONAL A Mosaicos Amazonas é uma empresa que preza pela excelência na qualidade do atendimento, se traduzindo na qualidade de nossos produtos, agilidade no atendimento

Leia mais

USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL. Relatório em Setembro de 2012

USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL. Relatório em Setembro de 2012 1 1 USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL Relatório em Setembro de 2012 Índice 2 2 Objetivo Metodologia Hábito de transportar crianças com até 10 anos em automóvel de passeio Perfil População adulta Transporta

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS Rodney Cascaes Júnior 1 ; Msc. Lucimara Aparecida Schambeck Andrade 2 (orientadora) RESUMO: O uso de novos

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Sistema Convencional Concretagem em Conjunto BLOCOS CERÂMICOS

CONSUMO DE MATERIAIS Sistema Convencional Concretagem em Conjunto BLOCOS CERÂMICOS CONSUMO DE MATERIAIS Sistema Convencional Concretagem em Conjunto BLOCOS CERÂMICOS Prof. Marco Pádua A seguir sugerimos as tabelas necessárias para composição de custo com a superestrutura. Especifique

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CONCRETO QUE CONTÉM ESCÓRIA DE COBRE NA SUBSTITUIÇÃO EM PARTE DO AGREGADO MIÚDO DE CASTRO, Mário Lúcio Oliveira Júnior Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

1.4. Sistemas estruturais em madeira

1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4. Sistemas estruturais em madeira 1.4.1. Análise estrutural Estuda as estruturas se preocupando basicamente com a determinação dos esforços e das deformações a que elas estão submetidas quando solicitadas

Leia mais

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO 4.1. Introdução A redução da resistência mecânica é um aspecto de grande preocupação na aplicação de rochas em engenharia civil e, por isso, constitui tema de vários relatos

Leia mais

Dutos. 14 mm PLASTCS Emenda 90º PLASTCS-30 RETA Emenda Reta

Dutos. 14 mm PLASTCS Emenda 90º PLASTCS-30 RETA Emenda Reta Dutos Os Dutos Dutoplast têm uma infinidade de utilizações. Produzidos em PVC nas cores cinza, creme, azul, azul petróleo e preta, as barras têm medidas de 2 ou 4 metros, e têm comprovada utilização em

Leia mais

4. Classificação dos materiais quanto à função:

4. Classificação dos materiais quanto à função: 1. Introdução A disciplina Materiais de Construção tem a sua importância na formação e no exercício profissional por ser um pré-requisito a ser aplicado em Técnicas Construtivas, que posteriormente serão

Leia mais

Assentamento Conquista

Assentamento Conquista Assentamento Conquista e suas casas Apoios: Brosler, Taísa Marotta; Bergamasco, Sonia Maria Pessoa Pereira Assentamento Conquista e suas casas Campinas, 2014, 12 p. Coordenadora do Projeto: Sonia Maria

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

Introdução 5. Amplificador em base comum 6. Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10

Introdução 5. Amplificador em base comum 6. Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10 Sumário Introdução 5 Amplificador em base comum 6 Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10 Parâmetros do estágio amplificador em base comum 12 Ganho

Leia mais