Water Footprint: tendências, impactos e oportunidades para o setor produtivo. Vanessa Empinotti Pesquisadora Doutora USP/CNI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Water Footprint: tendências, impactos e oportunidades para o setor produtivo. Vanessa Empinotti Pesquisadora Doutora USP/CNI empinotti@gmail."

Transcrição

1 Water Footprint: tendências, impactos e oportunidades para o setor produtivo Vanessa Empinotti Pesquisadora Doutora USP/CNI

2 Questão Ambiental e Agenda Internacional Desenvolvimento Sustentável Copenhagen 1972 ECO 92 Rio de Janeiro Jonannesburg 2002 Biodiversidade, Floresta, Água, Clima e Desertificação Relatórios da ONU COPs

3 O setor produtivo e a questão ambiental no mundo Questão marginal com foco em meio ambiente não fazia parte da discussão nas mais importantes arenas de negociação internacionais Fatos marcantes: 2007 Nobel da Paz: IPCC e Al Gore Mudança do Clima 2008 Crise Mundial 2007/2008 Mudanças em governos: EUA, UK, Austrália

4 A questão ambiental na reconstrução da economia mundial pós crise Nós concordamos em fazer o melhor uso dos investimentos financiados por programas de estímulo fiscal com o objetivo de construir uma recuperação resistente, sustentável e verde. Nós faremos a transição em direção a tecnologias e infraestrutura limpa, inovadora, eficiente no uso de recursos e de baixo consumo de carbono. Pronunciamento dos líderes do G20 Londres, 2 de abril de 2009.

5 TENDÊNCIA

6 Como a questão ambiental se torna o centro das discussões Recessão provocou forte redução de emissões. Financial Times, 21 de setembro Banco Mundial pede esforço sem precedente dos países ricos nas questões climáticas. Relatório BIRD Empresas Mundiais pedem por um acordo sobre Clima. BBC, 22 de setembro 2009.

7 A Água é o novo Carbono? Década de 1990: Problema de disponibilidade e acesso a água seria resolvido pelo mercado: preço da água Comercilaização pelo direito de uso da água (outorga) Privatização dos serviços de distribuição A partir de 2007: Is water the next carbon? Water Footprint (Pegada Hídrica) Vídeo :

8 Pegada Hídrica (Water Footprint) O que é? É o volume total de água utilizado na produção de bens e serviços consumidos por um individuo ou comunidade ( Hoekstra e Chapagain, 2008). Quando surgiu? 2002 International Expert Meeting on Virtual Water Trade Delft, Holanda Prof. Hoekstra (Twente Water Centre, University of Twente, Holanda)

9 Como é medida? Considera dois elementos: Operação da empresa: considera o uso direto de água bruta na produção do bem pela empresa Cadeia produtiva: é o uso indireto da água. Toda a água usada para a produção de todos os bens e serviços que formam o produto final da empresa Tipos de água Azul Água bruta da superfície e do subsolo Verde Água da chuva armazenada no solo umidade do solo Cinza Quantidade de água necessária para diluir a poluição e manter os níveis de qualidade do recurso

10 Como é utilizada? Agricultor Beneficiador de alimentos Comércio Consumidor Água Verde e Azul Água Cinza Água Azul Água Cinza Água Azul Água Cinza Água Azul Água Cinza PH Cadeia de produção PH Operacional PH Final Fonte: adaptado de Hoekstra, 2008

11 A Pegada Hídrica muda de acordo com onde a empresa esta localizada Considera o local onde a empresa se encontra É também um indicador geográfico Região Nordeste: Região Sul: Fonte: Conjuntura dos Recursos Hídricos ANA 2008

12 Quem defende a idéia? Water Footprint Network GE, IFC (Banco Mundial), Pepsico, Coco-Cola, Natura, TNC, WBCSD, WWF, Dole, Nestlé, Unilever, Confederation of European Paper Industry, Nike Greenbiz.com IBM, INTEL, Levi Strauss, Pepsico, Walmart, GIO IBM, Asia Pulp and Paper, Petrobrás, Nestlé, Sabesp, Siemens, Coca- Cola, TNC, UNESCO WBCS Dupont, GE, IBM, General Motors, Dow Chemical, Newmont Mining, Boeing, Caterpillar, Vale, Suzano, Petrobrás, Natura

13 IMPACTO

14 Novas maneiras de ver os produtos: 70 litros de água/unidade litros de água/kg litros de água/kg litros de água/unidade Fonte: 2008 Relatório GIO (Global Innovation Outlook)

15 Alguns exemplos: Calça Jeans Lewis = litros de água/unidade Agricultura Algodão Fábrica Loja Consumidor 49% 5% 45% PH água indireta PH água operacional PH água indireta Fonte:

16 Para produtos derivados da Mineração Mineração Beneficiamento Manufatura Loja Consumidor

17 Crescente atenção em como os recursos naturais são utilizados Antes: Impacto no meio ambiente: alteração da paisagem poluição Relocação de comunidades tradicionais Agora: Além do impacto ambiental e social Como o recurso natural vem sendo usado Eficiência no uso

18 Mercado e a questão ambiental Mercado esta se reinventando: Greening Diferencial dos produtos Produção: quanto de recursos naturais são utilizados na produção do bem Para produzir um kilo de couro são necessários litros de água Relatório GIO (Global Innovation Outlook) Funcionamento: quanto de recursos naturais são utilizados no funcionamento Eletrodomésticos verdes em feira alemã economizam água e energia. Folha de São Paulo, 12 de setembro de 2009.

19 Mercado Externo O Comércio de produtos agrícolas e os fluxos de água virtual sendo exportados, Fonte: Adaptado do Relatório: Business in the World of Water World Business Council for Sustainable Development, 2006.

20 Fluxos de água virtual relacionado a produtos agrícolas Fonte: Chapagain & Hoekstra, 2008

21 Mercado Externo Barreiras comerciais De acordo com o grau de exportação e importação de produtos Externalização dos problemas Caso de emissões de Carbono EUA projeto de lei sobre mudança do clima Europa taxa sobre emissão de CO 2 produzidas por aviões que venham de fora da União Européia Valoração dos produtos de acordo com sua eficência de uso dos recuros naturais como a água certificação

22 Mercado Interno: Criação de indicadores de referência no uso de recursos hídricos Coeficiente Técnico para recursos hídricos SRHU IBGE Oficina: Uso da água nas atividades econômicas: Definindo uma Base de Coeficientes Técnicos para recursos hídircos no Brasil Parâmetros: Contas Econômicas Ambientais - Água TNC, WWF e One World Standards 1 Diálogo sobre a Alliance for Water Stewardship no Brasil Certificação

23 Mercado Interno Provavel impacto: Valores de cobrança Volume de água outorgado Enquadramento de corpos de água Maior Pressão na utilização de práticas: Reuso Tecnologias que levem a redução do uso da água no processo produtivo

24 OPORTUNIDADES

25 Timing: sair na frente Reinventar o seu produto Viés ecológico: greening Focar tanto no mercado externo como no interno Preparar o seu produto para as novas demandas do mercado Controlar e acompanhar o uso da água no processo produtivo de sua empresa Participar da construção dos coeficientes de eficiência sendo desenvolvidos no país

26 Adotar e incentivar ações: Reuso da água Tecnologias que proporcionem a diminuição do uso da água Investir no desenvolvimento de pesquisa e tecnologia Recompensa para empresas que já utilizam tais práticas Diferenciam o produto Adicionam valor ao produto No futuro tais exigências serão de praxe

27 Considerações Finais Nova expectativa: Indicadores de qualidade Selos e certificação Barreiras comerciais e controle no direito de uso da água Nova maneira de adicionar valor ao produto

28 Considerações Finais Nova perspectiva Questão ambiental vai além da conservação e impacto ambiental Agora é também necessário oferecer informações sobre como os recursos naturais estão sendo utilizados EFICIÊNCIA : aspecto econômico

29 Water Footprint para produtos derivados da Mineração Mineração Beneficiamento Manufatura Loja Consumidor

30 Considerações finais: Brasil esta se fortalecendo internacionalmente Mais atenção Maior competitividade Maior pressão sobre as commodities brasileiras Estratégia: Competitividade Greening o seu produto: diferencial Momento oportuno Assumir liderença e ditar as regras

31 Vanessa Empinotti

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Linha do Tempo da Responsabilidade Social

Linha do Tempo da Responsabilidade Social Linha do Tempo da Responsabilidade Social Elaboração: Annabella de Fátima Prates Coordenação: Marisa Seoane Rio Resende Fundada a OIT Organização Internacional do Trabalho. Formula padrões de trabalho

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Sustentabilidade e Futuro

Sustentabilidade e Futuro Sustentabilidade e Futuro Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice-Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região.

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região. Ásia O desenvolvimento sustentável no continente asiático é visto como consequência de vários fatores que se apresentam na região como o grande número populacional e a sua enorme concentração urbano, a

Leia mais

A importância do uso do conceito Água Virtual à luz da atual crise de recursos hídricos no Brasil.

A importância do uso do conceito Água Virtual à luz da atual crise de recursos hídricos no Brasil. A importância do uso do conceito Água Virtual à luz da atual crise de recursos hídricos no Brasil. Autores: Karen Regina de Souza; Ana Maria Jara Botton Faria RESUMO O presente artigo busca elucidar a

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Os 3 Paradoxos. Água! Abundante ou Escassa? Amenidade ou Indústria? Abundante ou escassa?! Amenidade ou indústria?! Page 1

Os 3 Paradoxos. Água! Abundante ou Escassa? Amenidade ou Indústria? Abundante ou escassa?! Amenidade ou indústria?! Page 1 Mestrado em Engenharia Civil Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia e Sustentabilidade Francisco Nunes Correia Instituto Superior Técnico Ano Lectivo 2010/2011 1º Semestre da Gestão dos

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1 GLOBALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. 3. Globalização 1 SUMÁRIO Globalização

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

CARNE. 15497 Litros de água para se produzir 1 quilo de carne bovina. 6309 Litros de água para se produzir 1 quilo de carne porco

CARNE. 15497 Litros de água para se produzir 1 quilo de carne bovina. 6309 Litros de água para se produzir 1 quilo de carne porco Água Invisível Quando servimos 1 quilo de carne, também estamos servindo 15497 litros de água. Uma xícara de café? Equivale a 140 litros, ou uma banheira. Ao vestir uma calça jeans, ficamos encharcados

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

O Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável

O Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável O Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice-Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

Indicadores de sustentabilidade. Tadeu F. Malheiros

Indicadores de sustentabilidade. Tadeu F. Malheiros Indicadores de sustentabilidade Tadeu F. Malheiros O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL Bernardo Reyes COMO SEMPRE, QUANDO A GENTE PÕE O PÉ NO CHÃO, ACABA A DIVERSÃO SUSTENTABILIDADE QUESTÕES

Leia mais

ÁFRICA DO SUL, ANTES E DEPOIS

ÁFRICA DO SUL, ANTES E DEPOIS ABRAS SETEMBRO 2015 ÁFRICA DO SUL, ANTES E DEPOIS EM RESUMO R55 BILHÕES RECEITAS HEMISFÉRIO SUL PRESENÇA > 1000 LOJAS NA ÁFRICA DO SUL ÁFRICA AUSTRÁLIA WOOLWORTHS ÁFRICA DO SUL ÁFRICA COUNTRY ROAD GROUP

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends Serviços Ambientais OFICINA DE FORMACAO Rio Branco, Acre 12 de Marco, 2013 Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Programa Comunidades - Forest Trends Promovendo participação e beneficios

Leia mais

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas MEDIA COVERAGE Low Carbon Technology Partnerships initiative Sao Paulo Roundtable, October 7, 2015 Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas Peter White, diretor do Conselho

Leia mais

PAINEL A importância do regadio enquanto factor de competitividade da agricultura portuguesa

PAINEL A importância do regadio enquanto factor de competitividade da agricultura portuguesa PAINEL A importância do regadio enquanto factor de competitividade da agricultura portuguesa Regadio: necessidade, competitividade e sustentabilidade Francisco Gomes da Silva ISA/AGROGES 1. Competitividade

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Michel Epelbaum ellux consultoria

Michel Epelbaum ellux consultoria Michel Epelbaum ellux consultoria 70 s e 80 s: controle e auditorias ambientais 1987: Relatório Brundtland 1991: ICC - Carta Empr. p/ o Des. Sust. 1992: ECO 92 Agenda 21 1992: WBCSD conceito de eco-eficiência

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

I Oficina de Restauração de. Paisagens Florestais. Rio Branco Acre - Brasil. Articulação entre atores na ação e aprendizagem

I Oficina de Restauração de. Paisagens Florestais. Rio Branco Acre - Brasil. Articulação entre atores na ação e aprendizagem I Oficina de Restauração de Paisagens Florestais Rio Branco Acre - Brasil Articulação entre atores na ação e aprendizagem para a restauração de paisagens florestais A abordagem de paisagem não é algo novo...

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Pegada de Carbono de Produtos Agro Alimentares cálculo, gestão e comunicação apresentação de serviço

Pegada de Carbono de Produtos Agro Alimentares cálculo, gestão e comunicação apresentação de serviço Pegada de Carbono de Produtos Agro Alimentares cálculo, gestão e comunicação apresentação de serviço julho. 2012 1 O contextoto 2 Oserviço 3 As vantagens 4 Quem somos Pegada de Carbono de Produtos Agro

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Retratos da Sustentabilidade no Mundo

Retratos da Sustentabilidade no Mundo Retratos da Sustentabilidade no Mundo Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice-Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO Vagner Maringolo CEMBUREAU Environment & Resources Manager 19 a 21 maio 2014 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade Mudanças Climáticas - Caminhos e Soluções Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade ECOLATINA - 2007 Breve histórico: 1972: Conferência sobre Meio Ambiente ONU / Estocolmo 1980: Superfund -

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais

Turismo Sustentável e Certificação Avanços no Cenário Internacional

Turismo Sustentável e Certificação Avanços no Cenário Internacional Turismo Sustentável e Certificação Avanços no Cenário Internacional Ariane Janér 6º Forum Internacional de Turismo Sustentável -FITS SP 11 de Setembro 2009 1 ARVORE Rio SP - Rio = 0.13 toneladas de CO

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

Vote pelo seu ambiente

Vote pelo seu ambiente Vote pelo seu ambiente Um apelo ambiental para a ação do Parlamento Europeu de 2014-2019 Fotos: Susana Alves, Rúben Coelho e Pedro Geraldes Um papel claro para Europa O grande volume de desafios que a

Leia mais

Segurança Hídrica. Encob- 2015 Caldas Novas. Marília Carvalho de Melo Especialista em Recursos Hídricos

Segurança Hídrica. Encob- 2015 Caldas Novas. Marília Carvalho de Melo Especialista em Recursos Hídricos Segurança Hídrica Encob- 2015 Caldas Novas Marília Carvalho de Melo Especialista em Recursos Hídricos Tópicos a serem abordados -Conceito de Segurança Hídrica -O Brasil no contexto internacional -O Panorama

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Uma análise da pegada de consumo externa 1. INTRODUÇÃO O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF posicionava Portugal na 6ª posição entre os países com uma pegada hídrica de consumo

Leia mais

O Brasil como Destino de Investimentos Externos

O Brasil como Destino de Investimentos Externos O Brasil como Destino de Investimentos Externos Marco Aurélio Fontes Maio de 2003 Agenda O Brasil que Poucos Conhecem Ambiente de IED A Investe Brasil Brasil Um País de Proporções Continentais Data (2001)

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Calculadora on-line de emissões nas deslocações casaescola. h t t p : / / w w w. c a r b o n o z e r o. c o m / c a l c u l a d o r a _ casatrabalho.php A campanha Você controla a mudança do clima disponibiliza

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo

Inovação e Empreendedorismo Inovação e Empreendedorismo Kami Saidi Diretor de Operações & Sustentabilidade HP Brasil 09-maio-13 HP Commitment Many assume, wrongly, that a company exists simply to make money... the real reason HP

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia

Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia Professor João Miranda Reis Departamento de Engenharia Química Instituto Superior Técnico Lisboa, 1 Índice

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Hídrica A marca do uso eficiente da água na agricultura portuguesa

Índice de Sustentabilidade Hídrica A marca do uso eficiente da água na agricultura portuguesa AcquaLiveExpo 2015 A água na Economia circular Lisboa, 5 de Março de 2015 Índice de Sustentabilidade Hídrica A marca do uso eficiente da água na agricultura portuguesa José Nuncio Estrutura da apresentação

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E GESTÃO DE MARCAS: MARKETING VERDE EDER ZANETTI

SUSTENTABILIDADE E GESTÃO DE MARCAS: MARKETING VERDE EDER ZANETTI AMBIENTAL 2010 SUSTENTABILIDADE E GESTÃO DE MARCAS: MARKETING VERDE EDER ZANETTI 2010 Conteúdo I As Empresas e as Marcas Sustentabilidade e Meio Ambiente II O Público e as Ações Ambientais das Empresas

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico

Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico REPORTE PREPARADO PARA O HSBC: RESUMO EXECUTIVO Junho 2012 Sumário executivo O desafio da água O crescimento econômico e populacional estão tornando

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

Prof.Dra.Denise Barros de Azevedo SIMPÓSIO SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE 24 E 25 DE OUTUBRO 2011

Prof.Dra.Denise Barros de Azevedo SIMPÓSIO SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE 24 E 25 DE OUTUBRO 2011 Mudanças climáticas e a gestão da responsabilidade sustentável: o desafio da empresa do agronegócio com seus públicos de interesse (stakeholders). Prof.Dra.Denise Barros de Azevedo SIMPÓSIO SOBRE GESTÃO

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

www.rio20.info www.uncsd2012.org

www.rio20.info www.uncsd2012.org Rio de Janeiro, Brasil 20 a 22 de junho de 2012 www.rio20.info www.uncsd2012.org A Rio+20 será uma das mais importantes reuniões globais sobre desenvolvimento sustentável de nosso tempo. No Rio, nossa

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Setor de celulose e papel terá participação ativa na Rio+20

Setor de celulose e papel terá participação ativa na Rio+20 Especial Publicação da Associação Brasileira de Celulose e Papel Edição Especial RIO+20 junho 2012 Setor de celulose e papel terá participação ativa na Rio+20 Entre os dias 13 e 22 de junho, o Rio de Janeiro

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

Práticas Sustentáveis em Cadeia de Suprimentos

Práticas Sustentáveis em Cadeia de Suprimentos Práticas Sustentáveis em Cadeia de Suprimentos Certificações em cadeias de fornecimento Profa. Dra. Patricia C. Berardi Agenda Certificações Histórico Importância para cadeia Gestão de Risco Cadeia de

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Sustentabilidade Empresarial

Sustentabilidade Empresarial Política de Sustentabilidade como Instrumento de Competitividade São Paulo Out/2010 Laercio Bruno Filho 1 Desenvolvimento Sustentável 2 Aquecimento Global Word Population WORLD GDP 3 Questões Críticas

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAMPA Florida - EUA

UNIVERSIDADE DE TAMPA Florida - EUA -------------------------------------------------------- MBA EXECUTIVO INTERNACIONAL UNIVERSIDADE DE TAMPA Florida - EUA -------------------------------------------------------- 2010 A FUNDAÇÃO GETULIO

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Congresso Internacional do Leite. Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira

Congresso Internacional do Leite. Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira Congresso Internacional do Leite Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira Pedro B. ARCURI Pesquisador, Embrapa Gado de Leite Alexandre Berndt Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento,

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total:

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XVIII MMXIII Extra 6º ao 9º anos MUDANÇAS CLIMÁTICAS Hoje, tivemos a presença das pesquisadoras

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais

A crescente importância de uma adequada gestão da água

A crescente importância de uma adequada gestão da água www.pwc.pt A crescente importância de uma adequada gestão da água CDP Spring Workshop 2015 19 de março 2015 Índice 1. Porque é que a água é cada vez mais relevante? 2. Quais os riscos para o negócio? 3.

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Agronegócio e Meio Ambiente: Desafios e Oportunidades

Agronegócio e Meio Ambiente: Desafios e Oportunidades Agronegócio e Meio Ambiente: Desafios e Oportunidades Silvia H. G. de Miranda Professora ESALQ USP Pesquisadora CEPEA/ESALQ Seminário Comércio Internacional e Desenvolvimento Sustentável Memorial da América

Leia mais

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Conceito dos empregos verdes Setores de alto potencial Agricultura: problema ou solução? Empregos verdes na agricultura do Brasil Conclusões Muito mais

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas

Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas www.ecoevol.ufg.br/adrimelo/ecossistemas Aula 9: Poluição

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Água, Riscos e a Relação com o Negócio

Água, Riscos e a Relação com o Negócio Água, Riscos e a Relação com o Negócio Por que água? Por que agora? Medidas de conservação serão voluntárias ou obrigatórias? Os mercados emergentes serão os mais afetados? Onde serão sentidos os impactos

Leia mais