o que interessa é a vida. A biografia de uma agência de propaganda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o que interessa é a vida. A biografia de uma agência de propaganda"

Transcrição

1 o que interessa é a vida. A biografia de uma agência de propaganda

2 Meu primeiro encontro com Celso Loducca ocorreu por causa de algo que não faço NUNCA: um livro por encomenda. Mas para ele eu fiz. Não me perguntem a razão não me lembro. Sei apenas que isso me permitiu ter contato com uma pessoa que viria a admirar nos momentos de alegria e consultar nos momentos em que precisava de ajuda. Como a origem desta amizade está no Livro dos Manuais (pág. 168), a seguir vai um curto manual das coisas que aprendi com ele: 1 - Você pode errar. Mas não pode repetir o erro. 2 - Se todo mundo lhe ama, algo está errado. Ninguém pode agradar a todo mundo. 3 - Ninguém aprende coisas importantes apenas assistindo a um curso a respeito. 4 - Por mais que tentemos, não podemos empurrar um rio ou obrigá-lo a correr mais rápido. 5 - É necessário aprender a navegar sem nenhum rancor entre falsos amigos e verdadeiros inimigos. 6 - O mundo está dividido em dois tipos de pessoas: os Chico Buarque e as Lady Gaga. 7 - Os trabalhos criativos são formas socialmente aceitas de desnudar-se em público. 8 - Não há nada de errado em parecer idiota, desde que o que você está fazendo seja inteligente. E para encerrar esta longa orelha de livro (longas orelhas, por sinal, são atributos de coelhos), fica um alerta: não acreditem no tal menino franzino, expressão fartamente repetida no livro. Celso é um leão. E a sua agência é a rainha das florestas. Paulo Coelho. (Escritor)

3 Superfície do planeta Marte 2 Esse menino vai explodir! 3

4 Detalhe da obra A Grande Onda de Kanagawa, xilogravura do mestre japonês Hokusai Escritor alemão Hermann Hesse

5 Jack Lemmon em cena de Se meu apartamento falasse Cena do filme Robocop

6 Rã-touro Surfista encara tubo em praia do Havaí

7 Mestre Yoda, personagem da série Guerra nas Estrelas

8 Lucia Maria Clemente num momento de extrema felicidade Erva-mate para preparo do chimarrão

9 Notícia sobre o Banco Santos em novembro de 2004 Shiva, deus hindu, meditando

10 Camisa do Santos F.C. autografada Câmera Leica usada por Cartier Bresson

11 O Coração, carta do jogo mexicano Loteria Michael Douglas em cena do filme Wall Street

12 Fender Jazz Bass Royal straight flush, a sequência mais valiosa do jogo de pôquer

13 Seleção brasileira amadora de beisebol, em 1988

14 Postal da cidade de Cannes, França O escritor irlandês Oscar Wilde

15 O que interessa é a vida. A biografia de uma agência de propaganda

16 Prefácio I. 01. Esse menino vai explodir Rua Américo Alves Pereira Filho, Primeira base Avenida das Nações Unidas, E = mc² Rua Cristiano Viana, Viver é perigoso Rua Colômbia, Conexões Avenida Brigadeiro Luís Antônio, II. Esse prêmio é nosso Show de talentos Agradecimentos III. Caderno de Referências

17 PREFÁCIO Não interessa Publicidade não interessa. Interessa a vida. Esta frase nunca me foi dita por ninguém. Ela é a derivação de uma outra, esta sim bem real, que ouvi uns bons anos atrás da boca de Oscar Niemeyer, à época ainda um garoto de 90 e poucos. Logo no início de uma conversa que tomou uma tarde no lendário escritório arredondado do arquiteto em frente ao mar de Copacabana, ele saiu com este extrato de uma vida que já avança pela segunda metade da primeira década do segundo século: Arquitetura não me interessa. Me interessa a vida. Desde o primeiro telefonema em que Celso Loducca lançou à Trip este convite-desafio de mergulhar com ele e mais uma porção de gente genial nessa empreitada para celebrar os 18 anos e contar a história, ou o encadeamento de centenas de histórias, que gerou a empresa que carrega seu sobrenome, concordamos absolutamente sobre algumas premissas

18 E elas todas, na minha cabeça, podem ser resumidas pela frase lá em cima. E é fundamental que essas palavras sejam lidas sem a mais mínima dose de sarcasmo ou de desprezo pela atividade que alimenta os espíritos de quase todos os envolvidos na epopeia que você vai ler. Trata-se apenas de exibir, desde logo, o que de fato move a propaganda na qual a Loducca acredita e que pratica: uma absoluta e inegociável paixão pelo humano e pela vida. Aliás, é bom que se diga, conheci o Celso por causa da morte. Retificando, por causa da quase morte. Peço licença em nome do jornalismo para resgatar agora uma história que não foi contada no livro, mas que, acredito, aqui ganha uma razão para sair das gavetas do fundo da memória para o presente papel. Há 16 anos, a então modelo e mulher de Celso, Claudia Liz, foi vítima de um procedimento cirúrgico malsucedido que transformou uma aparentemente corriqueira lipoaspiração num quadro de coma e de complicações sérias que por pouco não tiraram sua vida. A indústria midiática das celebridades era mais nova e ainda mais vigorosa e menos escrupulosa do que é hoje. Microfones, gravadores e câmeras se viraram todos para as portas do hospital onde aquela linda e loura modelo e atriz em coma e seu marido publicitário bem-sucedido e charmoso formavam um prato saborosíssimo para ser jantado lenta e prazerosamente por aves de rapina agourentas e cheias de apetite. Fui atrás de fichários antigos e localizei uma das colunas que escrevi por muitos anos no agora finado Jornal da Tarde. A data anotada nas costas do recorte é 4/11/96. Escrevi assim: O acidente de Claudia não trouxe lições só a ela. Ensinou um pouco a todos nós. Uma das mais belas e importantes aulas foi a de amor e transparência dada via satélite diariamente por seu marido, Celso Loducca. Confesso que nunca tive muito interesse pelo publicitário ou por sua obra, que apenas me chamava a atenção pelo volume e pela intensidade do trabalho. O comportamento desse homem durante o período de transe que viveu foi uma das coisas mais elegantes, serenas, humanas e dignas que já presenciei. Com todos os motivos do mundo para ser arredio, deselegante, grosseiro ou se mostrar revoltado e infeliz, Celso optou por abrir seu coração, ser forte sem ostentar machismo, declarar repetidamente seu amor pela mulher, controlar sua revolta por ter sido enganado pelos médicos, olhar com seus olhos vermelhos nos olhos dos outros e pedir ajuda. Celso me fez ter orgulho de ser homem. Fico à vontade para republicar aqui esse trecho de 1996 por muitos motivos, mas especialmente porque não o conhecia naquela altura. Foi exatamente a partir desse episódio que nos aproximamos e que, apesar de distantes e jogando em lugares diferentes do mesmo campo da comunicação, criamos a relação de respeito, amizade e a empatia que acabaram resultando nesse trabalho movido antes de mais nada por essas coisas que não se escrevem em contratos. Muito provavelmente nem eu nem a brava equipe da Trip que passou mais de um ano e meio debruçada nas histórias que teceram a rede da Loducca teríamos motivação para fazer um livro sobre publicidade. Este livro é sobre a construção humana. Sobre magnetizar gente boa a partir de certas convicções, de um tipo de sorriso, de um jeito de cumprimentar com beijo sem que isso corra o menor risco de não ser algo genuinamente carinhoso, de uma coerência que não se negocia. Sobre cada uma das pessoas, dos sócios, dos caras e das meninas que foram chegando e ficando, mesmo depois de saírem. Celso e muitos dos que estão com ele são publicitários e amam o que fazem. Mas podem deixar de sê-lo amanhã. Para ensinar num cursinho, produzir shows de sanfoneiros, laminar pranchas no Havaí, ganhar a vida fotografando, jogar beisebol, fazer wakeboard profissionalmente ou até para criar rãs. Simplesmente porque não dependem da publicidade, dos anúncios, dos prêmios, nem mesmo dos clientes para se sentirem vivos e inteiros. Só dependem de fato da garantia de que poderão continuar cultivando as relações humanas de e com qualidade. E é exatamente aí que talvez esteja o maior ativo da empresa. E a independência que os deixa livres para pensar, dizer e criar aquilo em que acreditam e que talvez seja a continuação do que se convencionou chamar até agora de propaganda. Paulo Lima (Editor e fundador da Trip Editora) 32 33

19 I

20 Esse menino vai explodir! 01. Esta história começa com um rapaz franzino, de fartos cabelos encaracolados, debruçado sobre um caderno de pauta simples. O ano é A porta do quarto está providencialmente trancada e o rapaz escreve num lampejo febril. Há quase uma semana nem banho nem fome o tiram do que faz. Ele tem pressa, uma pressa aflita. Precisa despejar no papel 17 anos de sua vida antes que aquilo que sente o asfixie. I.01. I.02. Tem um monte de gente que adora a adolescência. Eu adorei sair dela reflete, quase 40 anos depois. Para mim, foram só questões, questões, questões. Eu poderia ter sucumbido a elas, de verdade, mas fiz a opção de dizer: Eu vou ser o dono da minha vida, e não meus medos. Foi aí que me tranquei e escrevi, escrevi, escrevi. Com a compreensão de um moleque de 17 anos, escrevi tudo o que havia vivido até ali. Escrevi porque queria botar minha vida a limpo para começar tudo de novo. No fundo, no fundo, estava tudo certo. A vida que o primogênito de seu Geraldo e dona Eliane tinha a pretensão de rebobinar não havia passado, muito menos estava na iminência de passar, por alguma hecatombe. A infância teve a paz necessária de um ambiente familiar carinhoso, uma alegria e um sentimento de pertencer a algo sólido que só se multiplicavam com as brincadeiras com o pai e os noturnos de Chopin que a mãe tocava ao piano todas as noites antes do sono. Apesar de 37

21 aprontar algumas com os colegas de escola (uma vez ele e mais alguns soltaram um porco ensaboado no pátio, na hora do recreio), era aluno reconhecidamente aplicado no Dante Alighieri, onde estudava desde os 6 anos de idade. Na adolescência, tinha uma namorada ( Sempre fui sortudo com mulher; feio, mas sortudo ) com quem se dava bem. Morava numa confortável casa de classe média alta no bairro do Brooklin, na zona sul paulistana distante das origens modestas da família, no bairro do Tatuapé, na zona leste, onde havia nascido em 23 de julho de I.03. Isso mostra um pouco como funcionam os mecanismos de decisão que eu viria a utilizar ao longo da vida. Nunca é pelo mais fácil: é pelo que eu acho que está certo resume. A partir daquela inocente virada de casaca, sem que nem mesmo se desse conta, os questionamentos sobre o que se herda e o que se conquista começaram a pulular na cabeça do menino. De interrogação em interrogação, alguns anos mais tarde, ele já se sentia, termo do próprio, um extraterrestre dentro de sua própria vida: As efemérides desse dia não são lá dignas de nota para a história, a não ser o fato de Pelé, recém-consagrado campeão do mundo na Copa da Suécia, ter chegado ao 99 º gol da carreira depois de encaçapar quatro dos seis aplicados pelo Santos no XV de Piracicaba pelo campeonato estadual. Não é de todo gratuita a citação do Santos de Pelé, Coutinho, Zito, Dorval & orquestra: aquele escrete mítico foi uma das primeiras razões que levaram o rapaz franzino e de cabelos revoltos a entender que fazer escolhas na vida implica necessariamente romper certos laços. Aconteceu exatamente na tarde em que ele ligou a TV para ver seu time, o time da grande família italiana, em campo. Depois de alguns minutos de partida, quis saber contra quem o Palmeiras jogava. Santos! lhe responderam. E então ali, em frente à TV Philco em preto e branco, com gabinete de madeira e pés palito, o garoto entrou em êxtase. Quem eram aqueles caras de branco que jogavam tão leve, tão solto, tão bonito? Como faziam aquilo? Sem alarde, decidiu que viraria a casaca e torceria para aquele time, o do futebol vistoso. Trocar o alviverde pelo alvinegro por uma questão puramente estética poderia ser algo banal na vida de uma criança de 5 anos, não fizesse ela parte de uma italianíssima árvore genealógica pelos quatro costados. Mal sabia ele que aquela decisão seria vista como uma falha de caráter, uma traição irreparável, uma ofensa sem igual. Durante muito tempo, o garoto sofreria todo tipo de pressão dos colegas e familiares (menos dos pais), mas bancou a decisão de optar pela beleza, pela harmonia e pela felicidade. Era sua primeira grande escolha na vida. E aquela que lhe mostraria o caminho para todas as outras. I.04. I.05. I.06. I.07. I.08. Quando tinha 10 ou 11 anos conta achava que Deus tinha me mandado para o planeta errado. Naquela época eu acreditava em Deus e achava que era de Marte e tinha caído na Terra por engano. A sensação que eu tinha era que meus pais não sabiam quem eu era. Continuamos falando aqui de escolhas e caminhos. E os caminhos que seu Geraldo e dona Eliane queriam que seu filho seguisse definitivamente não eram os caminhos que o menino gostaria de seguir. Meus pais colocavam muita expectativa em cima de mim, e com muita rigidez prossegue. Talvez tenha faltado a eles perceberem que eu era diferente do resto da família. Mas, justiça seja feita, eu sempre tive dentro de casa o direito de me expressar. O processo de minha educação, em resumo, foi democrático. A palavra final nunca era minha. Não pelo menos enquanto eu não conquistasse minha independência financeira. Conflitos são sempre inevitáveis na vida de uma família. Como a vez em que seu Geraldo, então um bem-sucedido advogado que dava muito valor ao que havia conquistado em nome da família, descobriu que o filho, fiel frequentador do despretensioso Açaí Clube, no Brooklin, havia vendido o título de sócio do clube Athletico Paulistano para fazer uma viagem pelo Sul do Brasil de carro com um amigo. Tampouco deve ter sido pequena a decepção de seu Geraldo, hoje com 80 anos e aposentado, no dia em que ofereceu ao filho a possibilidade de fazer uma viagem internacional ( Que tal a Europa? Ou a Disney? ) e ouviu de volta o agradecimento seco: Não quero. Quando eu puder pagar, eu vou. Esse menino vai explodir! 38 39

22 Nos anos 1970, todo estudante da sétima série do primeiro grau tinha de escolher o curso profissionalizante que pretendia seguir dali a dois anos, quando ingressasse no segundo grau. Escolha complicada na vida de qualquer adolescente, era comum na época a molecada ser submetida a um teste vocacional para descobrir o que gostava de fazer, ou se tinha mais aptidões para biomédicas, exatas ou humanas, as áreas então oferecidas. Aos 14 anos, o filho de seu Geraldo e dona Eliane foi levado para fazer seu teste vocacional com um profissional que, pelos traços finos do rosto, os cabelos prematuramente brancos e o semblante pálido lembravam, na percepção do garoto, um ratinho branco. O resultado do teste não foi muito animador. O garoto tinha vocação para ser qualquer coisa. O que fizesse, sentenciou o ratinho, o menino faria bem uma espécie de doador universal compatível com toda e qualquer forma de trabalho. O ecletismo, como era de se esperar, foi interpretado pela família como um problema indefinido. Na presença do garoto ( Lembro até onde eu estava sentado, numa poltrona alta ), o ratinho fez a seguinte recomendação aos pais: Vocês precisam dar mais liberdade para ele. Senão esse menino vai explodir! Na hora, o garoto tomou um susto. Puta que o pariu, o cara percebeu!, pensou. O conselho, no entanto, não surtiria muito efeito dentro de casa. Seu Geraldo e dona Eliane tinham suas convicções já devidamente formatadas, e uma mudança radical de rumo na educação não só do primogênito, mas também da mais nova, Vera Helena, passava ao largo do programa. O resultado já havia sido anunciado com todas as letras. Quer dizer, não foi exatamente uma explosão o que se sucedeu três anos mais tarde, mas uma implosão. Uma implosão de urdidura lenta e silenciosa, e que levou um garoto de 17 anos chamado Celso Luís Loducca a se trancar em seu quarto para passar a vida a limpo. Eu não tive uma conclusão relata, sobre o processo. O que eu queria era tapar os buracos. E então minha vida recomeçou. Olhando hoje eu penso: Como foi que tive aquela ideia de escrever um I.09. I.10. I.11. I.12. I.13. livro sobre minha vida? Por que fiz isso?. Eu não sei. Mas me parecia que era o certo a fazer. Minha sensação, que é a sensação de qualquer adolescente, era de que minhas fundações eram de areia. Eu não quero viver assim, eu quero cavucar, eu quero enfiar os dedos em todas as feridas. Isso não quer dizer que perdi as dúvidas. Mas mudou minha postura em relação a tudo, porque eu me senti senhor das coisas. Eu não deixei de ter medo, eu não deixei de ter dúvidas, é assim até hoje. Mas é diferente a maneira como vivi a partir dali. Com os buracos da alma devidamente pavimentados, não restava muito senão colocar as mudas na mochila e tentar construir uma nova vida, fora de casa. Celso foi morar na Vila Madalena, naqueles meados dos anos 1970 um bairro ainda periférico e predominantemente habitado por famílias de operários. O aluguel e as despesas da casa eram divididos com sua namorada à época, Marly. O acordo estipulava que morariam juntos por uma necessidade estritamente financeira em nenhuma hipótese aquilo dali podia ser encarado como um casamento. Os tempos, afinal, eram hippies. E Celso bem fez jus aos tempos. Eu queria viver do jeito que eu acreditava diz. E eu não acreditava em não abrir meu coração para o mundo que me rodeava. Paralelamente ao papel de professor de química e de biologia que desempenhou num cursinho pré-vestibular como modo de custear aquele início de vida independente, Celso queria entender o mundo que o circundava. Queria mais que isso. Agora que era o principal piloto de seu destino, tinha ânsia de colocar em prática uma perspectiva formatada a partir dos quatro livros que estão, segundo ele próprio diz, nos alicerces de sua formação intelectual e emocional. Um deles é Walden ou A Vida nos Bosques, do naturalista americano Henry David Thoreau. Leitura clássica dos ecologistas de qualquer latitude, a obra, publicada pela primeira vez em 1854, traz uma reflexão filosófica sobre a vida em sociedade, mais precisamente a capitalista, elaborada a partir dos dois anos em que Thoreau viveu às margens do lago que dá título ao livro, plantando batatas e produzindo o próprio pão, numa vida de autossuficiência exemplarmente aplicada. Bandeira parecida com aquela levantada por outro clássico da prateleira primordial de Celso, O Fio da Navalha, do britânico W. Somerset Esse menino vai explodir! 40 41

23 Maugham. Neste livro de 1944, Larry Darrell, o protagonista, é um jovem americano da alta burguesia de Chicago que, depois de retornar dos campos de batalha da Primeira Guerra transformado, abandona todos os confortos materiais (o que inclui a noiva, Isabel) e parte à procura de um sentido para sua existência na Índia e no Nepal. O título é uma expressão tirada por Maugham de um dos upanixades, os textos sagrados da Índia, por onde o próprio escritor perambulou nos anos A Índia e a busca por um sentido da vida também estão num terceiro livro-chave para Celso, Autobiografia de um Iogue, escrito em 1946 por Paramahansa Yogananda, guru indiano de milhões de iogues de todo o mundo, criador da organização Self-Realization Fellowship, que fundou ao chegar aos Estados Unidos, em Foi através da SRF que Yogananda difundiu na América do presidente Calvin Coolidge a prática da meditação por meio de lições de Kriya Yoga que os estudantes recebiam em casa, pelo correio. Nos anos 1960, as narrativas de Yogananda formaram a base de leitura para toda uma geração influenciada pelos ecos do movimento hippie juntamente com O Lobo da Estepe, quarta obra definidora da personalidade de Celso. Quando o escreveu, em 1927, o alemão Hermann Hesse, vencedor do Nobel de literatura em 1946, já era o conhecido autor de Sidarta, inspirado nos ensinamentos de Siddartha Gautama, o Buda. O Lobo da Estepe é a história de Harry Haller, um intelectual em crise existencial que prefere viver sozinho a ter de conviver com uma humanidade, na sua concepção, banal e órfã de valores. Numa intensidade talvez um pouco maior que Walden, O Fio da Navalha e Autobiografia de um Iogue, a leitura de O Lobo da Estepe causou tanto impacto em Celso que, a certa altura, ele chegou a acreditar que era a reencarnação de Hermann Hesse. Só desistiu da ideia quando soube que o escritor ainda estava vivo quando ele nasceu. Mas tudo bem. Restava a forte identificação com o personagem em busca de um encaixe no mundo. E encaixe (seja em algum grupo, seja em alguma denominação) era tudo o que Celso queria encontrar para sua vida. I.14. I.15. I.16. I.17. I.18. I.19. I.20. I.21. I.22. Foi por esse motivo que ele fez durante algum tempo incursões noturnas regulares ao centro de São Paulo. O objetivo era mergulhar num mundo que não era o seu, o das putas e dos traficantes. Tomando o cuidado de não atrapalhar o movimento da turma, e mantendo sempre uma distância vamos dizer saudável em suas relações, Celso varava madrugadas batendo altos papos pelas calçadas de bairros como o Glicério. Fez muitas amizades assim entre eles, ele lembra, com um tal Zoinho, que mantinha um ponto de venda nas imediações da rua Major Sertório, uma das artérias da então Boca do Luxo (área famosa pelas boates e chamada assim em contraponto à outra Boca, a do Lixo). Minha vida era muito limpinha Celso explica. Então queria entender como era uma vida que eu não tinha, queria compreender o que eles sentiam. Nunca fui de beber. Então era conversar mesmo. E entender. Entender tudo o que fosse possível. Acho que essa é a minha motivação da vida inteira: entender. No terreno das religiões, Celso frequentou a Rosacruz Áurea, uma fraternidade conhecida na Europa desde o século XVII, inspirada em tradições antigas como a alquimia medieval, o hermetismo e a cabala. Abandonou-a quando se deu conta de que buscas espirituais também passavam pelos domínios nem sempre digestos da demagogia: Procurei o chefe e lhe disse que eles fingiam ser espirituais, mas que ali só tinha política, hierarquias, inveja. O cara me deu uma resposta interessante. Ele disse: Mas isso aqui é feito por gente, com todas as suas fraquezas e defeitos. Gente em busca da luz; não iluminados. Apesar do jogo franco, Celso achou melhor sair. Foi ver se algo lhe interessaria no candomblé, mas logo entendeu que os rituais que podiam incluir matança de bichos e sangue não eram muito a sua. Os transes da umbanda também pareceram fora de sua alçada. Então bateu às portas do espiritismo. A ideia de uma cidade no céu, de espíritos que evoluem e de uma prática mais bondosa do que o catolicismo, todo ele feito de culpas e castigos para toda a eternidade, nas palavras do próprio Celso, até que fez sentido. Mas não demorou para ele se sentir, uma vez mais, um estranho no ninho naquelas sessões espíritas. O futuro ateu ainda experimentaria entoar mantras Hare Krishna, mas não por muito tempo. Só até se dar conta de que, não importasse o caminho religioso que seguisse, ele seria sempre feito por gente (em busca ou não da luz, portanto, sem luz). Foi quando resolveu se afastar definitivamente de toda forma de instituição religiosa, limitando-se a estudar a parte filosófica que lhe interessasse nos mais diversos tipos de crença. Esse menino vai explodir! 42 43

24 E estudar era com ele mesmo. Foram seis faculdades todas abandonadas no meio do caminho. Como biomédicas havia sido a área escolhida depois do teste vocacional, Celso tentou primeiro concluir biologia. Achei que ia ser médico, mas mais numa questão de querer ajudar a humanidade, e não porque gostava da prática médica. Era uma vocação mais religiosa do que profissional. Insatisfeito, tentaria ainda engenharia e física, psicologia e química. De tanto prestar vestibular, passava sempre em primeiro, segundo ou, na pior das hipóteses, em terceiro lugar. Mas o curso de química também não agradou, e ele então tentou a comunicação, que também terminaria por desistir. As pessoas achavam que eu não sabia o que queria da vida. Mas era o contrário afirma. Sempre soube muito bem o que quero. Eu só não encontro, é diferente. Quando entrava numa faculdade, achava que ia sentir alguma coisa. Depois de um tempo, olhava e pensava: Eu não sinto o que eu achei que ia sentir. Vou mudar de faculdade. E aí tinha a honestidade de largar e começar tudo de novo. Enquanto pulava de uma faculdade para outra, a vida ia acontecendo. Pelo caminho, chegaram as duas primeiras filhas (Mariana é de 1979 e Renata, de 1980), ambas com Marly. Com a paternidade, a grana se fez mais do que nunca necessária. Um dia, o hippie de cabelo comprido e faixa peruana viu no jornal um anúncio da International Horizons em busca de gente para vender cursos de inglês. Celso fez uma prova (passou em primeiro, claro), comprou dois ternos baratos, botou a pastinha debaixo do braço e foi bater de porta em porta. Mas eu era tímido demais para esse tipo de trabalho. Lembro de mim, parado no meio da rua, vendo aquela sequência interminável de casas e pensando: Puta que o pariu.... No fim, só consegui vender um curso, para uma prima minha. I.23. I.26. I.27. I.28. Mais tarde, teve a ideia de promover com amigos da faculdade de Engenharia um megaencontro de sanfoneiros célebres Luiz Gonzaga, Sivuca, Dominguinhos e Oswaldinho do Acordeon no estádio da Portuguesa. Mais de dez mil pessoas lotaram o Canindé, na zona norte da cidade, para ver o show Forró Brasil. Celso, olhando em volta, sentiu orgulho do que havia realizado. O orgulho, contudo, se transformaria em vergonha poucas horas depois. Ao que tudo indicava, a empresa contratada para vender os ingressos havia desviado nove mil entradas e Celso acabaria recebendo apenas o valor de mil pagantes, insuficiente sequer para cobrir o cachê dos sanfoneiros e seus músicos. Endividado, frustrado e desanimado, teve de vender seu Fusca 66 e negociar o parcelamento de todos os cachês. Celso passaria os próximos quatro anos trabalhando para pagar a realização daquele encontro de sanfonas. Para completar, logo depois, o relacionamento com Marly acabou e ele se viu tendo de pagar a pensão das crianças. Por mais que desse aulas e nessa época ele já dava aula de manhã, tarde e noite, 90% do que ganhava escorria para cobrir as despesas das filhas. Não sobrava nada no fim do mês. Foi quando se lembrou dos concursos de redação dos quais participava e invariavelmente vencia no Dante. Poxa, faz tempo que as pessoas acham que escrevo bem. Eu gosto de escrever, vou ganhar dinheiro com isso, pensou. Imaginou então que poderia tentar algo como jornalista ou, quem sabe, seguindo a sugestão de um amigo, publicitário. Como o assunto, no fundo, era dinheiro, Celso partiu para o plano que o levou à sexta faculdade: foi ver o que essa tal de publicidade tinha a oferecer. A certa altura, depois de ainda tentar a vida fazendo pesquisa de rua ( A senhora tem dois minutos pra responder um questionário? ), Celso vislumbrou que ganharia dinheiro promovendo shows musicais. Logo de saída, com a ajuda de alunos do cursinho de química e biologia em que dava aula, organizou shows de artistas como Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e Sá&Guarabira. I.24 e I.25. Como tinha se transformado no rei do vestibular, Celso entrou sem dificuldade na Escola Superior de Propaganda e Marketing, a ESPM. Em outubro de 1983, depois de abandonar a carreira de professor (e também a ESPM, para não frustrar seu histórico de faculdades abandonadas), conseguiu um estágio como redator publicitário na agência Standard, hoje Ogilvy. Esse menino vai explodir! 44 45

25 Quando decidiu trabalhar com publicidade, Celso pensou apenas no salário três vezes maior do que a dureza de professor. No início, ganhar um beijo da mãe ou um Leão em Cannes não fazia muita diferença para ele o que lhe daria um crédito de curiosidade por parte dos seus primeiros chefes. Contratado pela Standard em janeiro de 1984, já fez dupla com Jaques Lewkowicz, então vice- -presidente de criação da agência, um mestre do humor judaico à la Woody Allen e autor de pelo menos dois slogans que o brasileiro com mais de 30 anos conhece: Gosto de levar vantagem em tudo, certo? (o da Lei de Gerson) e Eu sou você amanhã. No segundo ano de carreira, depois de pular da Standard para a agência SGB, Celso já tinha arrematado um Leão em Cannes em dupla com Lula Carvalho e via seu nome cintilar como grande revelação ao lado das estrelas da propaganda. Mas na gangorra da história veio um período não exatamente feliz, mais precisamente na nova agência montada por Lewkowicz, a SLBB em sociedade com André Brett, Benjamin Steinbruch e Samuel Schwarcz. A agência não foi para frente, o que despertou em Celso alguma consciência sobre a profissão. Naquela época, havia a mística de que quem não fizesse sucesso na publicidade antes dos 30 anos era um fracasso. Celso, que começara nessa carreira aos 25 e, apesar do brilho dos dois anos iniciais, experimentava uma fase de tormenta, pensou: Pronto, acabou. Vislumbrando que estava tudo indo para o brejo, e já que a vida não tem mesmo garantia, decidiu investir em outro negócio: foi fazer um curso de criação de rãs no Parque da Água Branca. Havia, naquela época, muita gente ganhando dinheiro criando rãs para vender a carne para os restaurantes e o couro para a indústria de confecção. Celso resolveu apostar na onda. Chamou um antigo colega de ESPM como sócio e juntaram grana para comprar um ranário em Pernambuco, onde anfíbios como a rã-touro gigante são especialmente rentáveis. I.29. I.30. I.31. I.32. I.33. I.34. I.35. I.36. I.37. Bom, o jeito é tentar sobreviver aqui na publicidade mesmo, pensou Celso, a essa altura já no segundo casamento com Lúcia Helena, que viria a ser mãe de sua terceira filha, Marina. Foi quando Christina Carvalho Pinto, recém-chegada à direção da Young & Rubicam, o chamou para trabalhar na agência e Celso não desapontou. Para lançar no Brasil o carrinho russo Lada, inspirou-se na Perestroika, escolheu uma boa foto de Mikhail Gorbachev e aplicou a legenda: Você compraria um carro desse homem?. Pimba! Leão em Cannes. Brejo, nunca mais. A Talent esticou o olho e Julio Ribeiro convidou Celso para mudar de agência. Celso, já afiado, mais uma vez não decepcionou: Naquela época o fabricante de televisores Semp percebeu que devia aprimorar sua tecnologia e se associou aos japoneses da Toshiba conta Julio. Precisávamos chamar a atenção dos clientes para isso. Celso achou lógico mostrar o japonês e explicar a razão da qualidade do produto. Nossos japoneses são mais criativos que os outros foi além do slogan virou expressão do vocabulário brasileiro, usada até hoje. Mais prêmios vieram. E então Washington Olivetto quis Celso na sua W/Brasil, na época a agência mais vibrante e prestigiada do país. Não havia um criativo que não sonhasse em estar nela. Celso, que não tinha nem dez anos na publicidade, não perderia aquela chance. No final de 1992, ele foi chamado por Gustavo Cubas para se tornar vice-presidente da FCB (Foote, Cone & Belding) e ajudar a integrar duas novas agências recém-compradas (Núcleo e Siboney), criando assim uma nova FCB. Na hora de formar uma equipe, Celso olhou no espelho e enxergou sua geração. Chamou Javier Talavera, Cristiane Maradei, João Muniz, Amaury Balí Terçarolli, Rita Almeida, Márcia Pudelko, uma turma que acumulava prêmios, elogios e passagens estreladas por grandes agências como Ogilvy, Leo Burnett, Talent, W/Brasil e outras do mesmo naipe. O único que já estava na FCB era Mario D Andrea. O combinado era que o sócio iria na frente e Celso tocaria as operações de São Paulo. Quando ficassem milionários, Celso se mudaria para Pernambuco e lá conduziriam juntos o negócio. O sócio, porém, achou mais jogo pegar todo o dinheiro investido pelos dois e abrir uma confecção no Recife sem Celso, claro, a quem só sobrou engolir aquele sapo e tocar a vida adiante. I.38. Cada um a seu modo, esses jovens eram também meio gauche na vida, não muito chegados em regras, desligados dos adjetivos-clichês para publicitários o que, naquele início dos anos 1990, significava ter carrão importado, champanhe no gelo e mulher desinibida para passear em Cannes. Bem, foram todos parar em Cannes, claro. Mas em vez de conversíveis, optaram por uma van para caber todo mundo e curtir a Esse menino vai explodir! 46 47

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas Nicholas Sparks Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas A ÚLTIMA MÚSICA 1 Ronnie Seis meses antes Ronnie estava sentada no banco da frente do carro sem entender por que seus pais a odiavam tanto. Era

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Como tudo comecou ~ Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Entrei com o fichário numa mão, a bolsa na outra, e todo mundo na minha sala ficou sem entender nada. Caraca, você

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente O sobrevivente Felipe Luis do Nascimento Rodrigues O sobrevivente São Paulo, 2011 Editor responsável Zeca Martins Projeto gráfico e diagramação Claudio Braghini Junior Controle editorial Manuela Oliveira

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: 1) Complete as frases abaixo com o pretérito perfeito dos seguintes

Leia mais

futuro AGORA! por Leila Navarro

futuro AGORA! por Leila Navarro e-book Construindo o futuro AGORA! por Leila Navarro Construindo o futuro AGORA! por Leila Navarro O futuro já começou e é você quem faz e, para isso, aqui está um convite para você re etir sobre sua própria

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma!

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma! 5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU GUARDA-ROUPA e a si mesma! E S T I L O É A SUA ALMA V I S T A P E L O lado de fora. I N T R O D U Ç Ã O Qual é a mulher nesse mundo QUE NUNCA RECLAMOU EM FRENTE AO ESPELHO

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa?

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa? Antigamente, quando não tinha rádio a gente se reunia com os pais e irmãos ao redor do Oratório para rezar o terço, isso era feito todas as noites. Eu gostaria que agora a gente faça isso com os filhos,

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória que eu percorri até a entrada na Universidade Federal

Leia mais

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós! Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!.turma: 1º Período A Professora

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

A COPA DO MUNDO É NOSSA

A COPA DO MUNDO É NOSSA Central de Cases Fonte: clip-art A COPA DO MUNDO É NOSSA www.espm.br/centraldecases Central de Cases A COPA DO MUNDO É NOSSA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM-SP. Recomendado para as disciplinas

Leia mais

8 OS TRÊS PRIMEIROS PASSOS PASSO 2: CAPACIDADE

8 OS TRÊS PRIMEIROS PASSOS PASSO 2: CAPACIDADE 8 OS TRÊS PRIMEIROS PASSOS PASSO 2: CAPACIDADE Uau! Lembro como se fosse ontem a sensação de sair da sede da OAB/DF com o bótom da classe e a famosa carteira vermelha. Foi um sentimento realmente indescritível.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Charles é um ser totalmente atrasado em relação à sociedade em que vive. Veio do interior e fica admirado com a imensidão da cidade grande.

Charles é um ser totalmente atrasado em relação à sociedade em que vive. Veio do interior e fica admirado com a imensidão da cidade grande. TEMPOS MODERNOS UM FILME DE Jeander Cristian, baseado na obra original de Charlie Chaplin. Pessoas apressadas andam pela cidade grande Tempo é dinheiro! Pessoas acessam informações em tempo recorde na

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA?

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? Sonhos, Execução e Responsabilidade. ROBERTO FERMINO (ROCO) Q uer saber... Esta semana você é minha prioridade! Fiquei tão movido pelas dúvidas e mensagens de apoio que o mínimo

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6)

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6) "A mãe ou o pai que leva o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia..." Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6) Filhos, obedecei

Leia mais

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Escola de Tempo Integral Experiências Matemáticas 7º ANO (6ª série) SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Este é um material em construção que contém os capítulos de apoio das atividades

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

Heranças, legados, raízes: um pouco mais sobre minha formação

Heranças, legados, raízes: um pouco mais sobre minha formação Heranças, legados, raízes: um pouco mais sobre minha formação Além de um próspero negócio de móveis e eletrodomésticos no Rio de Janeiro (voltarei à história de minha família nas próximas páginas), meu

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

REQUERIMENTO Nº /2008

REQUERIMENTO Nº /2008 REQUERIMENTO Nº /2008 Requer VOTO DE APLAUSO à Srª VIOLETA JAFET, por ter completado 100 anos de idade, no dia 10 deste mês de fevereiro de 2008, boa parte dos quais dedicada ao Hospital Sírio-Libanês,

Leia mais

De volta ao básico O Beaba do seu negócio Mary Kay Descubra qual a sua paixão para crescer na carreira MK!

De volta ao básico O Beaba do seu negócio Mary Kay Descubra qual a sua paixão para crescer na carreira MK! Treinamento de Consultoras De volta ao básico O Beaba do seu negócio Mary Kay Descubra qual a sua paixão para crescer na carreira MK! Ferramentas de trabalho a serem desenvolvidas para crescer na Entender

Leia mais

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos...

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos... Erros Críticos 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos......E Como Você Pode Evitá-Los, Para Aprender Qualquer Idioma Em Meses E Não Em Anos. Olá, meu nome é Frank Florida, gringo

Leia mais

Esta é uma história para divertir, ensinar e conscientizar. Boa leitura!

Esta é uma história para divertir, ensinar e conscientizar. Boa leitura! É de pequeno que se aprende, como diz o ditado. Pensando desta forma, as secretarias de Estado de Saúde e Defesa Civil e de Educação decidiram unir forças para combater um inimigo de todos: o mosquito

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar.

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar. A qualidade de vida Dentre as prioridades da maioria das instituições de ensino está a qualidade da alimentação oferecida aos seus alunos, isso por desempenhar um papel primordial no ciclo de vida e principalmente

Leia mais