Educação Difusa: a tradição oral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação Difusa: a tradição oral"

Transcrição

1 Educação Difusa: a tradição oral A educação existe onde não há escola e por toda parte podem haver redes e estruturas sociais de transferência de saber de uma geração a outra, onde ainda não foi sequer criada a sombra de algum modelo de ensino formal e centralizado. Porque a educação aprende com o homem a continuar o trabalho da vida. Carlos Rodrigues Brandão/ O Que É Educação A educação está de uma maneira geral relacionada à organização econômica, política e social de cada povo, ou seja, ao seu projeto societário, sendo assim, podemos compreender porque ela se apresenta de maneira diferente em cada grupo social. Portanto, mesmo nas sociedades tribais não podemos generalizar apresentando um único modelo de organização social e educacional para todos os povos com este tipo de organização, embora, em grande parte isso aconteça em função da precariedade de conhecimento acerca desses povos, no passado e no presente. Um outro elemento importante no estudo das sociedades tribais está relacionado aos conceitos de atraso e desenvolvimento ou civilizados e selvagens, que durante muito tempo esteve presente no debate que envolvia as pesquisas acerca desses povos. Na atualidade, esses conceitos estão superados na teoria, porém ainda muito presentes na prática cotidiana. Até porque, foram elaborados, na maioria das vezes, com o objetivo de reafirmar a superioridade de determinados povos sobre outros, que para além da força física, também utilizavam e utilizam a ideologia como forma de dominação e exploração. As sociedades tribais do passado e do presente não devem ser tratadas como inferiores, mas sim como diferentes, tendo suas próprias necessidades e direitos, inclusive, o de permanecer organizadas dessa maneira. O respeito à diferença é o primeiro passo contra os preconceitos e extermínios, que em muitos casos são banalizados em função do não reconhecimento do outro como diferente, mas sim, como inferior. De maneira geral, as sociedades tribais são essencialmente míticas e de tradição oral, pois o grupo social que as compõem tem necessidade de compreender os fenômenos que ocorrem à sua volta: sua atuação tanto individual quanto social exige um conhecimento do mundo que as rodeiam. Segundo Melatti (1972, p.125): Os mitos são antes de tudo narrativas. São narrativas de acontecimentos cuja veracidade não é posta em dúvida pelos membros de uma sociedade. Muita gente pensa que os mitos nada mais são do que descrições deturpadas de fatos que realmente ocorreram. Na verdade, porém, tudo indica que os mitos têm mais a ver com o presente do que com o passado de uma sociedade. Embora as narrativas míticas sempre coloquem os acontecimentos de que tratem em tempos pretéritos, remotos, elas não deixam de refletir o presente, seja no que toca aos costumes, seja no que toca a elementos tão palpáveis como os artefatos.

2 Sabemos que esses grupos são extremamente dependentes do meio ambiente, o seu cotidiano está voltado para a sobrevivência, dessa forma todos os sentidos e o seu pensamento estão voltados para isso. Assim, criam um conjunto de símbolos para representar a realidade; as magias, os mitos os totemismos, nada mais são do que uma expressão desse esforço de compreensão do mundo. Portanto todo o grupo humano no seu enfrentamento com o mundo cria cultura, isto é, cria objetos, para satisfazer as suas necessidades físicas e materiais, e cria ideias, para satisfazer as suas necessidades intelectuais. Os mitos são narrativas que falam das origens do universo da humanidade e da forma como uma sociedade pode se organizar. Logo, o mito é uma explicação do mundo. Uma explicação que incorpora todos os fenômenos em um contexto heroico, divino, mágico. É uma explicação do mundo compartilhada por todos os elementos do grupo, onde o regime de propriedade é coletivo, sem dominação de um ou outro segmento. Assim, mesmo que a divisão das tarefas faça com que as pessoas realizem funções diferentes, o trabalho e o seu produto são sempre coletivos. Os mitos têm uma relação muito estreita com os ritos e em função disso, se relaciona com todo o sistema social, uma vez que todas as relações sociais têm seu aspecto ritual. Vale lembrar, no entanto, que esta questão não se reporta apenas às sociedades tribais, ela está presente praticamente em todas as formas de sociedade. Por exemplo, podemos citar o rito do matrimônio, que em toda sociedade, tribal ou não, se faz presente. Os mitos e os ritos, nas comunidades tribais, são transmitidos oralmente, as crianças aprendem imitando os gestos dos adultos, tanto nas atividades cotidianas como nas cerimônias e nos rituais. No Brasil, por exemplo, as crianças ocupam um espaço privilegiado nessas comunidades. São tratadas de forma carinhosa e são criadas com muita liberdade, sem imposições, e são geralmente bem comportadas. À medida que crescem os adultos passam a pedir-lhes pequenos serviços, buscar água, vigiar a comida que está no fogo, chamar uma pessoa etc.. (MunduruKu,2006,p.49) Segundo Aranha, nas comunidades tribais, as crianças aprendem imitando os gestos dos adultos nas atividades diárias e nas cerimônias dos rituais. (...) Sem que alguém esteja especialmente destinado para a tarefa de ensinar. (2000,p.27) Na tribo, os castigos não fazem parte do processo educacional. A criança é tratada com respeito pelos adultos, que de maneira geral, participam ativamente na formação das crianças, facilitando assim, a aquisição de usos e valores do grupo. Não havendo, portanto, um espaço próprio para se aprender. Nesse tipo de sociedade não existe o modelo de escola que conhecemos, por isso, a educação é denominada, difusa.

3 Crianças Yanomamis No texto abaixo, retirado do livro: História dos povos indígenas.500 anos de luta no Brasil, organizado pelo CIMI Conselho Indigenista Missionário, você poderá observar como as sociedades tribais cuidam e educam sua crianças.

4 1 1 CIMI Conselho Indigenista Missionário História dos povos indígenas.500 anos de luta no Brasil.

5 Referências Bibliográficas: ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação. 2ª ed. São Paulo: Moderna, BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Que É Educação. 48ª ed. São Paulo: Brasiliense, CIMI Conselho indigenista missionário História dos povos indígenas.500 anos de luta no Brasil. MELATTI, Julio Cezar. Índios do Brasil. 2ª ed. Brasília:Editora de Brasília, 1972

6

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Prof. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br ENSINO RELIGIOSO? Como? Outra vez? O quê? Por quê? Para quê? O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA PÚBLICA DO PASSADO

Leia mais

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social CONTEÚDO DA UNIDADE 3 Unidade 1 Construção da Identidade Social 3 Pré-História 5 A importância da História 6 A contagem do tempo 7 Identificando os séculos 8 Fontes históricas 10 Os primeiros habitantes

Leia mais

E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas?

E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas? E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas? História e Pedagogia História: É a interpretação da ação transformadora do homem no tempo; Pedagogia: Teoria

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

OS ELEMENTOS DA PAISAGEM

OS ELEMENTOS DA PAISAGEM PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Durante esta primeira

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 2 ENSINO RELIGIOSO 12) Conforme o disposto no DECRETO

Leia mais

EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ABREU, Delci E-MAIL: delci-abreu@bol.com.br BUENO, Jeanine E-MAIL: jeaninebp@hotmail.com MARIS, Alline E-MAIL: allinemaris_@hotmail.com SALVADOR, Cristiane

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR FRANCISCO ARTHIDORO DA COSTA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TEXTO INFORMATIVO Prof. Artur Camargos 4º Ano do Ensino Fundamental FOLCLORE Folclore é um conjunto de mitos e lendas que as

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso UNIDADE I COMPONENTE 1 Matemática acadêmica, matemática escolar e matemática da vida 2 OBJETIVO DA AULA: Compreender o papel da Educação

Leia mais

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (4º E 5º ANOS) PROFESSORA ANDRESSA CESANA CEUNES/UFES/DMA FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS AGOSTO DE 2015 A PEDAGOGIA DO TEXTO é

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Didática: diálogos com a prática educativa

Didática: diálogos com a prática educativa Didática: diálogos com a prática educativa O sonho de todo professor é dar uma aula atrativa para os alunos, conquistando a atenção dos educandos e o interesse para a construção de uma aprendizagem significativa.

Leia mais

Colégio Madre Carmen Sallés

Colégio Madre Carmen Sallés Colégio Madre Carmen Sallés Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Desde 1962 evangelizando através da educação em Brasília DF AV. L2 NORTE QUADRA 604 Bloco D Tel: 3223-2863 www.carmensalles.com.br

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa SINTAXE DO PORTUGUÊS I AULA 1-2015 Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa Profa. Dra. Márcia Santos Duarte de Oliveira FFFLCH-DLCV/ USP marcia.oliveira@usp.br n O linguista

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Pará, Servidora Pública do Estado:

Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Pará,   Servidora Pública do Estado: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE PROFESSORES E ALUNOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Pabllo Antonny Silva dos Santos; Maria Cristina Quaresma e Silva; Vanessa

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas Pedro Sousa Pereira, in Fernando Pessoa Mensagem, Oficina do Livro, novembro de 2006 Entre Margens V I R I A T O Se a alma que sente e faz conhece Só porque lembra

Leia mais

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história Denis Hendrick » As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história» A palavra cultura não tem equivalente na maioria das línguas orais.

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes.

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes Professora Renata Lourdes. renatalourdesrh@hotmail.com CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação

Leia mais

Unidade Portugal. Ribeirão Preto, de de AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO III 1 o BIMESTRE. Texto: Coisas de índio

Unidade Portugal. Ribeirão Preto, de de AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO III 1 o BIMESTRE. Texto: Coisas de índio Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO III 1 o BIMESTRE Eio temático Espaço histórico e o meio ambiente. Disciplina/Valor Português 3,0 Matemática

Leia mais

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é:

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é: Artigo cientifico Artigo Cientifico Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.

Leia mais

ÉMILE DURKHEIM ( )

ÉMILE DURKHEIM ( ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo exemplo JR (TODOS citado

Leia mais

AS INFLUENCIAS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO DE ROUSSEAU NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

AS INFLUENCIAS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO DE ROUSSEAU NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV RESUMO EXPANDIDO (2009-2010) AS INFLUENCIAS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

Software Livre: aprender e ensinar na EaD.

Software Livre: aprender e ensinar na EaD. Software Livre: aprender e ensinar na EaD. Eliane Silvestre Oliveira Fernanda Rolfhs Pereira Resumo: O presente trabalho irá abordar uma nova tecnologia utilizada na educação: os Softwares Livres e a EaD.

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga De: Para: Assunto: Data: Geração Sem Medo Lobitos, Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes ARAE 2015 Oportunidades Educativas 07/10/2015 Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga Oportunidades

Leia mais

"Todo dia era dia de Índio, mas agora ele só tem o dia dezenove de abril" (Baby Cunsuelo)

Todo dia era dia de Índio, mas agora ele só tem o dia dezenove de abril (Baby Cunsuelo) MÓDULO 01 LIVRO 01 FORMAÇÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA (CONTINUAÇÃO) "Todo dia era dia de Índio, mas agora ele só tem o dia dezenove de abril" (Baby Cunsuelo) A chegada dos portugueses e os primeiros contatos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO 8º ENCONTRO PARA ESTUDOS COM ORIENTADORES Agosto de 2014 FORMADORA REGIONAL: Elyda Cristina

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA O QUE É HISTÓRIA? História é uma palavra com origem no antigo termo grego "historie", que significa "conhecimento através da investigação".

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISORA: PROFA. LORENA PANTALEAO ESCOLA ESTADUAL PADRE JOÃO WISLINSKI

PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISORA: PROFA. LORENA PANTALEAO ESCOLA ESTADUAL PADRE JOÃO WISLINSKI PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISORA: PROFA. LORENA PANTALEAO ESCOLA ESTADUAL PADRE JOÃO WISLINSKI 1. IDENTIFICAÇÃO Nome dos proponentes: Eric Gruber, Fabiane

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** RESUMO Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNÍCIPIOS DE ALVORADA DO OESTE E POMENTA BUENO- RO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNÍCIPIOS DE ALVORADA DO OESTE E POMENTA BUENO- RO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNÍCIPIOS DE ALVORADA DO OESTE E POMENTA BUENO- RO. Lila Francisca de. O. R. Matos - lila@unescnet.br UNESC Faculdades

Leia mais

Sociologia pertence ao grupo das ciências sociais e humanas.

Sociologia pertence ao grupo das ciências sociais e humanas. Sociologia pertence ao grupo das ciências sociais e humanas. A Sociologia utiliza um conjunto de conceitos, técnicas e métodos de investigação, para poder explicar a vida social. VIDA SOCIAL A vida social

Leia mais

Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB

Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB SEÇÃO 1 Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB SAEB: Compromisso com a promoção, melhoria da qualidade da Educação Básica e promoção da equidade Em uma escola pública...

Leia mais

Nome: 3º ano (2ª série): AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO III 1º BIMESTRE

Nome: 3º ano (2ª série): AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO III 1º BIMESTRE Vila Velha, de de 2012. Nome: 3º ano (2ª série): AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO III 1º BIMESTRE Eixo Temático: Espaço histórico e meio Ambiente. Total de pontos Média Pontos obtidos Português 3,5 2,1 Matemática

Leia mais

EFETIVAÇÃO DO ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

EFETIVAÇÃO DO ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA EFETIVAÇÃO DO ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA ¹Bárbara Silva dos Santos Pereira; ²Marisa Mendes Machado de Sousa ¹Universidade Estadual do Rio de Janeiro- bsspereira@gmail.com

Leia mais

CONHECIMENTO E PREFERÊNCIA DOS ALUNOS DO 9º ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MUZAMBINHO- MG EM RELAÇÃO AS MODALIDADES ESPORTIVAS.

CONHECIMENTO E PREFERÊNCIA DOS ALUNOS DO 9º ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MUZAMBINHO- MG EM RELAÇÃO AS MODALIDADES ESPORTIVAS. 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG CONHECIMENTO E PREFERÊNCIA DOS ALUNOS DO 9º ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA

Leia mais

ABORDAGEM DE EXPERIMENTOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA DA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

ABORDAGEM DE EXPERIMENTOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA DA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO ABORDAGEM DE EXPERIMENTOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA DA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Joaldo Bezerra de Melo; Marconi Leal do Nascimento; Elaine Negromonte Brandão; Luciano Ferreira Gama; Aline Venâncio

Leia mais

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Curso Gestão para Educação de Qualidade 1 TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Sonia Balzano... a escola de qualidade é aquela que tem como valor fundamental a garantia dos direitos de aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS DIDÁTICA II PROF.ª FABIANA CANAVIEIRA VANESSA SOARES DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS DIDÁTICA II PROF.ª FABIANA CANAVIEIRA VANESSA SOARES DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE LETRAS DIDÁTICA II PROF.ª FABIANA CANAVIEIRA VANESSA SOARES DA SILVA O ATO DE ENSINAR E O PAPEL DO PROFESSOR NOS TEXTOS CONCEPÇÕES AFIRMATIVAS

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 PERÍODO: 1º

1. IDENTIFICAÇÃO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 PERÍODO: 1º 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 1º CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 NOME DO CURSO: DIREITO/ECONOMIA/DIREITO 2. EMENTA A evolução do conhecimento antropológico.

Leia mais

Cada autor traz em suas obras uma indicação para tal. Algumas pequenas alterações podem ser percebidas e não fazem diferença no corpo do texto.

Cada autor traz em suas obras uma indicação para tal. Algumas pequenas alterações podem ser percebidas e não fazem diferença no corpo do texto. 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 5: Formatação de trabalhos acadêmicos Para uma melhor visualização, interpretação, estética e organização, todo trabalho acadêmico precisa ser organizado de forma

Leia mais

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva E-mail: anasiqueira_4@hotmail.com WWW.INSTITUTOCONSCIENCIAGO.COM.BR 2. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2.1. As perspectivas de formação docente 2.2. Formação inicial e

Leia mais

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7)

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) Silêncio: o caminho para Deus Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) 1 / 5 Não há dúvidas: nascemos para Deus e apenas nele podemos encontrar o repouso para nossas almas

Leia mais

Trabalho Decente, Educação e Software Livre.

Trabalho Decente, Educação e Software Livre. Trabalho Decente, Educação e Software Livre. 1-O ser-humano tem na sua história a luta permanente por sua sobrevivência e suas necessidades. 2-Quais essas necessidades? Alimentação, Moradia, Vestuário,

Leia mais

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA INSTITUTO AFRO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Faculdade Zumbi dos Palmares Faculdade de Pedagogia RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA JOYCE MOURÃO RODRIGUES

Leia mais

POR: MANUAL DA SECRETÁRIA PROCESSO CRIATIVO COMO A CRIATIVIDADE PODE AJUDAR NA ROTINA DA SECRETÁRIA EXECUTIVA

POR: MANUAL DA SECRETÁRIA PROCESSO CRIATIVO COMO A CRIATIVIDADE PODE AJUDAR NA ROTINA DA SECRETÁRIA EXECUTIVA POR: MANUAL DA SECRETÁRIA PROCESSO CRIATIVO COMO A CRIATIVIDADE PODE AJUDAR NA ROTINA DA SECRETÁRIA EXECUTIVA ÍNDICE Introdução Eu não sou criativa Inspiração do além Por que preciso ser criativa? Como

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO FIL02457 - FILOSOFIA POLÍTICA I (60 h, OBR) O homem e sua ação política. A noção de polis no pensamento grego antigo e seus desdobramentos

Leia mais

III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia

III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia Discussion published by Carla Alferes Pinto on Monday, January 16, 2017 III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia

Leia mais

REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO

REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO NÃO FORMAL REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO Não é no silêncio que

Leia mais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais CONCEITOS DE VELHICE E SEUS ESTIGMAS AO LONGO DA HISTÓRIA. Thaís Fernanda de Souza Oliveira - thaisoliveiranan@hotmail.com Prof.ª Mestre: Juliana de Aquino Fonseca Doronin (Orientadora), e-mail: julianadoronin@ig.com.br

Leia mais

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS 1. Forma e conteúdo Todo texto tem forma e conteúdo. O conteúdo é a informação transmitida. A forma é a maneira como a informação é transmitida. Juntos, compõem o sentido do texto. 2. Formas fixas No dia-a-dia

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO: O CONHECIMENTO COMO UMA UNIDADE EM QUE TODOS OS SABERES ESTÃO CONECTADOS

MÉTODO CIENTÍFICO: O CONHECIMENTO COMO UMA UNIDADE EM QUE TODOS OS SABERES ESTÃO CONECTADOS MÉTODO CIENTÍFICO: O CONHECIMENTO COMO UMA UNIDADE EM QUE TODOS OS SABERES ESTÃO CONECTADOS Kethelen Amanda Silva (FDCON) 1 Carlos Alexandre Rodrigues de Oliveira (UFMG/FDCON) 2 Se quiser buscar realmente

Leia mais

Bateria de Sociologia I trimestre

Bateria de Sociologia I trimestre Colégio: Nome: Nº Professor (a): Série: 1º ano Data: / /2014 Bateria de Sociologia I trimestre Turma: 01. Qual é o papel da reforma protestante na ideia do individuo. 02. Qual é o papel da língua para

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

FACULDADE INTEGRADO DE CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO DE DIREITO ANTROPOLOGIA GERAL E JURIDICA.

FACULDADE INTEGRADO DE CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO DE DIREITO ANTROPOLOGIA GERAL E JURIDICA. FACULDADE INTEGRADO DE CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO DE DIREITO ANTROPOLOGIA GERAL E JURIDICA. GILIARDE EDER PEREIRA RENAN CESAR MASCARI DOUGLAS RIBEIRO NASCIMENTO MONTEIRO EDER NUNES DA SILVA WALLACE MATIELLO

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO 1º PERÍODO UL1 - As origens ÉTICA E MORAL Calendarização - 26 aulas A. Construir uma chave de leitura religiosa Os dados da ciência sobre a origem do Diálogo com os alunos, relacionado da pessoa, da vida

Leia mais

Boletim Missionário ROL DO BERÇO. Divisão Centro-oeste africana. Auxiliar Para Diretores e Professores da Escola Sabatina

Boletim Missionário ROL DO BERÇO. Divisão Centro-oeste africana. Auxiliar Para Diretores e Professores da Escola Sabatina Boletim Missionário Auxiliar Para Diretores e Professores da Escola Sabatina ROL DO BERÇO Divisão Centro-oeste africana 1º Trimestre de 2014 Estimado Líder da Escola Sabatina, Este trimestre damos especial

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

Francisco Carlos Silva Francisco de Assis Silva

Francisco Carlos Silva   Francisco de Assis Silva AS DIFERENTES CONCEPÇÕES DA ETNOMATEMÁTICA ENVOLVENDO TEÓRIA E PRÁTICA Ana Paula Alves Baleeiro Orientadora, profª Ms. da Faculdade Alfredo Nasser E-mail: apbaleeiro@yahoo.com.br Francisco Carlos Silva

Leia mais

Relatório da Actividade: Encontro de Reflexão

Relatório da Actividade: Encontro de Reflexão Relatório da Actividade: Encontro de Reflexão No dia 07 de Maio de 2010, às 21h decorreu na Escola 2º e 3º Ciclos com Secundário Padre António Morais da Fonseca, um Encontro de Reflexão, baseado no Filme

Leia mais

Jogo da Glória. Todo o jogador que tenha a sorte de chegar a uma casa em que esteja a cabeça do lobo, avança 9 casas ( até á cabeça do lobo seguinte).

Jogo da Glória. Todo o jogador que tenha a sorte de chegar a uma casa em que esteja a cabeça do lobo, avança 9 casas ( até á cabeça do lobo seguinte). Jogo da Glória Material: - Tabuleiro de jogo; - 2 dados - Peões de várias cores, de acordo com o número de jogadores. - Cartões de Perguntas: 10 Mística e Simbologia 10 Aprender fazendo 10 Progresso Pessoal

Leia mais

CURSO DE QUALIFICAÇÃO

CURSO DE QUALIFICAÇÃO CURSO DE QUALIFICAÇÃO CULTOS Segunda as 19:30h Encontro Jovem Terça as 20h Culto Sexta ás 20h Culto Domingo ás 08:30h EBD Domingo as 19h Culto de Adoração Participe de um de nossos cultos Objetivos Qualificar

Leia mais

A Mística do Educador:

A Mística do Educador: A Mística do Educador: A educação popular é um ato de amor. É um gesto humano e político de entrega a fim de que as pessoas se realizem como gente, como classe e como povo. A missão educativa junto a sujeitos

Leia mais

Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato

Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato Representando noções matemáticas através do cotidiano: Do concreto ao abstrato Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 24 e 25/05/2011 Matemática na Educação Infantil Do concreto ao

Leia mais

Lueny Amorim de oliveira (1); Lainne Saraiva Garreta (1); Malena Correia Costa (2) Antônia Gomes do Nascimento (3)

Lueny Amorim de oliveira (1); Lainne Saraiva Garreta (1); Malena Correia Costa (2) Antônia Gomes do Nascimento (3) A HISTÓRIA DA QUÍMICA COMO INSTRUMENTO MOTIVADOR NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE QUÍMICA NAS TURMAS DE 1 ANO DO ENSINO MÉDIO: PERCEPÇÃO DOS EDUCANDOS. Lueny Amorim de oliveira (1);

Leia mais

A importância das raças

A importância das raças A importância das raças Vez ou outra vemos discussões sobre pessoas defendendo a manutenção de raças enquanto outras pessoas defendem que o comércio e o desenvolvimento de cães é algo prejudicial. Geralmente

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

EDUCAÇÃO INTEGRAL, PEDAGOGIA HISTÓRICO CRÍTICA E MARXISMO

EDUCAÇÃO INTEGRAL, PEDAGOGIA HISTÓRICO CRÍTICA E MARXISMO EDUCAÇÃO INTEGRAL, PEDAGOGIA HISTÓRICO CRÍTICA E MARXISMO Introdução Gonçalves, Elaine Cristina S. Melo (Unicamp) elaynemellog@hotmail.com Essa pesquisa de mestrado, que se encontra em fase inicial, pretende

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

Orientação Educacional e Pedagógica. Diversidade Cultural e Direito Educacional. Profª Ms Jamile Salamene

Orientação Educacional e Pedagógica. Diversidade Cultural e Direito Educacional. Profª Ms Jamile Salamene Orientação Educacional e Pedagógica Diversidade Cultural e Direito Educacional http://lattes.cnpq.br/4873176029168659 ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PEDAGÓGICA Texto extraído integralmente do artigo O orientador

Leia mais

Prof. Maria Emilia Nunes Rodrigues Arenas Secretaria Municipal de Educação São José do Rio Preto - SP

Prof. Maria Emilia Nunes Rodrigues Arenas Secretaria Municipal de Educação São José do Rio Preto - SP Área de Linguagens Educação Física Ensino Fundamental O Ensino Fundamental Duas fases Quatro eixos de formação Anos Iniciais (1 ao 5 ano) Anos Finais (6 ao 9 ano) Letramentos e capacidade de aprender;

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS TIPOS DE CONHECIMENTO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS TIPOS DE CONHECIMENTO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO OS TIPOS DE CONHECIMENTO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-2 Objetivos Compreender o conceito de conhecimento Conhecer os diferentes tipos de conhecimento Formação dos

Leia mais

A MATEMÁTICA NO PRÉ -ESCOLAR

A MATEMÁTICA NO PRÉ -ESCOLAR A MATEMÁTICA NO PRÉ -ESCOLAR As crianças constroem espontaneamente as suas noções matemáticas a partir das vivências do dia a dia. A construção de noções matemáticas fundamenta-se na vivência do espaço

Leia mais

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não for ensinada na escola! O QUE É A IGUALDADE DE GÊNERO?

Leia mais

REALIZAÇÃO: Movimento Munduruku Ipereg Ayu, Associações: DA UK, PUSURU, WUYXAXIMÃ, KEREPO e PAHYHYP Apoio:

REALIZAÇÃO: Movimento Munduruku Ipereg Ayu, Associações: DA UK, PUSURU, WUYXAXIMÃ, KEREPO e PAHYHYP Apoio: REALIZAÇÃO: Movimento Munduruku Ipereg Ayu, Associações: DA UK, PUSURU, WUYXAXIMÃ, KEREPO e PAHYHYP Apoio: Nova Cartografia Protocolo de Consulta Munduruku Nós, o povo Munduruku, queremos ouvir o que o

Leia mais

Revoluções, Exceções e Vantagens Brasileiras

Revoluções, Exceções e Vantagens Brasileiras Revoluções, Exceções e Vantagens Brasileiras Primavera Árabe Para iniciar nossa discussão devemos compreender superficialmente as causas, a evolução e as consequencias das revoltas populares, em maior

Leia mais

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE Estruturas linguisticas da Libras Car@ alun@, já sabe como é a gramática da Libras, então vai observar como é a estrutura linguistica da Libras. Variação linguística A comunicação da comunidade surda do

Leia mais

Regulamento da Campanha de Vendas Interna Novembro e Dezembro de 2016

Regulamento da Campanha de Vendas Interna Novembro e Dezembro de 2016 1. Da Campanha Regulamento da Campanha de Vendas Interna Novembro e Dezembro de 2016 A magia do Natal não está nos símbolos, mas sim nas atitudes que dão vida ao espírito natalino. Ela está nas pessoas,

Leia mais

HORÁRIO. segunda Terça Quarta Quinta Sexta 19:40 APP GRAF SIST DIGITAIS JOGOS ELET

HORÁRIO. segunda Terça Quarta Quinta Sexta 19:40 APP GRAF SIST DIGITAIS JOGOS ELET HORÁRIO segunda Terça Quarta Quinta Sexta 18:40 APP GRAF SIST DIGITAIS JOGOS ELET 19:40 APP GRAF SIST DIGITAIS JOGOS ELET 20:40 APP GRAF SIST DIGITAIS JOGOS ELE 21:40 APP GRAF SIST DIGITAIS JOGOS ELE EMENTA

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: VII CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Noções de história

Leia mais

O protocolo não se limita às normas escritas que regem o cerimonial do estado. Inclui também as normas de cortesia que facilitam a vida em sociedade,

O protocolo não se limita às normas escritas que regem o cerimonial do estado. Inclui também as normas de cortesia que facilitam a vida em sociedade, O protocolo não se limita às normas escritas que regem o cerimonial do estado. Inclui também as normas de cortesia que facilitam a vida em sociedade, seja em casa, seja na empresa. A cortesia baseia-se

Leia mais

E-Learning: ou porque vim de Lisboa a Leiria fazer uma conferência

E-Learning: ou porque vim de Lisboa a Leiria fazer uma conferência E-Learning: ou porque vim de Lisboa a Leiria fazer uma conferência DAVID RODRIGUES PRESIDENTE DA PRÓ INCLUSÃO /ANDEE CONSELHEIRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Modelar como estratégia para compreender. Andar de

Leia mais

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Domingos Fernandes University of Lisboa Institute of Education dfernandes@ie.ulisboa.pt Sumário

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRMÁTIC rnaldo Nogari Júnior G-CLC-UENP/ CJ) arnaldo_nogarijr@hotmail.com Layane Suellen Miguel G-CLC-UENP/ CJ) lala.wordshipper@hotmail.com Michelle ndressa Vieira G-CLC-UENP/

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016 Disciplina: Filosofia e Sociologia Série/Ano: 1º ANO Professores: Adriane e Silvio Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais apresentou

Leia mais