Mudanças Organizacionais Decorrentes de Sistemas ERP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudanças Organizacionais Decorrentes de Sistemas ERP"

Transcrição

1 Mudanças Organizacionais Decorrentes de Sistemas ERP Nessa seção, serão discutidas as mudanças organizacionais que a implantação de sistemas ERP pode provocar em uma organização. Para tanto, são discutidos aspectos da reengenharia de processos e os tipos de mudanças que podem ocorrer nas organizações sob a ótica da abordagem sociotécnica. Pacotes ERP e Reengenharia de Processos De acordo com Davenport (2002), Colangelo Filho (2001) e Kallinikos (2004), a implantação de sistemas ERP provoca mudanças profundas nas organizações, semelhantes ao que acontecia com a prática da reengenharia. Tal prática teve início no começo dos anos 1990, em função da necessidade constante de melhoria dos produtos e processos das organizações. Assumiu a forma de reengenharia de processos de negócio (business process reengineering BPR), com abordagem de cima para baixo, de terra arrasada, da mudança radical dos processos (Davenport, 2002, p. 34), mas acabou sendo deixada de lado em função de dificuldades e erros de implementação e altos custos. Atualmente, a BPR está sendo implementada por meio de projetos de Tecnologia da Informação (TI) que a viabilizam (Davenport, 2002; Sarker e Lee, 2002). Segundo Sarker e Lee (2002), a BPR consiste nas atividades de uma organização de redesenhar e implementar processos de negócios intra-funcionais amplos com a ajuda de ferramentas de TI e/ou ferramentas organizacionais para obter significantes incrementos de performance. A BPR consiste de dois passos separados redesenho dos processos de negócio e implementação dos processos de negócio redesenhados. O primeiro passo envolve reformulação da maneira que a organização conduz os negócios, já o segundo envolve a implementação dos processos e o acompanhamento do redesenho. Os autores defendem que uma reengenharia de processos deve adotar, desde o começo, uma orientação sociotécnica, que não é centrada somente na tecnologia ou somente nos aspectos sociais, mas que dá a mesma consideração para as questões técnicas e sociais e as suas interações. No caso da reengenharia movida a sistemas integrados de gestão, expressão sugerida por Davenport (2002), o processo inicia com a escolha do pacote ERP que a organização irá adquirir. Essa escolha é importante por causa dos desenhos de processos que cada pacote traz, denominado de melhores práticas, que servem de única base de projetos de reengenharia para algumas empresas. (Colangelo Filho, 2001). O segundo passo é o mapeamento e análise dos processos de negócio existentes, com vistas a tentar descobrir problemas e os processos fundamentais para a organização. A partir daí, faz-se a análise dos processos que a organização necessita e o que o sistema ERP permite implementar. Finalmente, é feita a configuração do sistema. Nessa etapa, o sistema é adaptado aos processos e vice-versa. Aspectos da Mudança Organizacional Provocada por Sistemas ERP Conforme Hehn (1999), as mudanças que ocorrem no mundo são provocadas por duas variáveis: conhecimento humano acumulado e tecnologia, que criam um ciclo de reforço, ou seja, uma influencia positivamente a outra. Segundo o autor, o conhecimento humano acumulado está crescendo a uma taxa exponencial, assim como a tecnologia, que é, 1

2 basicamente, conhecimento aplicado. Os sistemas de informação ajudam a criar mais conhecimento, por meio de armazenamento, manipulação e distribuição de informações. Os pacotes ERP são uma evolução tanto no processo de desenvolvimento de software quanto nos processos de gestão. Essa alteração nos processos de gestão é conseqüência da adoção das melhores práticas já embutidas nos sistemas ERP (Colangelo Filho, 2001). Colangelo Filho (2001) ressalta as mudanças que a integração proporcionada pelo ERP pode provocar. A primeira delas é a necessidade de maior capacidade de processamento, ou seja, recursos de hardware mais poderosos. Essa necessidade é conseqüência do maior volume de movimentações e validações de informações dentro do sistema. Outra mudança é a necessidade de padronização dos processos para que a integração ocorra. E, por fim, os processos computacionais para desempenhar uma transação tornam-se mais complexos, bem como sua reversão, pois o número de etapas consecutivas envolvidas torna-se maior. Davenport (2002) diz que uma organização que adota um ERP passa por drásticas mudanças, principalmente de ordem tecnológica; na forma como a empresa opera, ou seja, seus processos; e na cultura e estrutura organizacionais, alterando o comportamento dos trabalhadores. Além disso, o autor destaca que essa reformulação organizacional é responsável por grande parte do sucesso do sistema implantado. Zanela, Macadar e Soares (1999) e Saccol, Macadar e Soares (2003) propõem as seguintes classes de mudanças provocadas pelo ERP: (a) tecnológica, que dizem respeito não só a mudanças de hardware e software, mas também a mudanças em processos e técnicas de trabalho; (b) estrutural, ou seja, mudanças na estrutura hierárquica da organização, na divisão do trabalho e na maneira como as tarefas são desempenhadas e controladas; e (c) comportamental, que dizem respeito à cultura organizacional e novas habilidades, atitudes e motivações das pessoas. Abordagem Sociotécnica dos Sistemas de Trabalho Todas as mudanças associadas à implantação de sistemas ERP apresentadas na seção anterior podem ser explicadas sob a ótica da abordagem sociotécnica dos sistemas de trabalho. Essa abordagem teve origem nos anos 1940, por meio do trabalho desenvolvido pelo Instituto Tavistock no Reino Unido, que visava estudar a introdução de nova tecnologia, com propósito de aumentar o desempenho, nas minas de carvão britânicas (Pava, 1983; Nadler, Gerstein e Shaw, 1993; Palvia, Sharma e Conrath, 2001). O trabalho revelou que, para obter alto desempenho, a introdução de um novo sistema técnico não era suficiente, mas somente com a otimização conjunta dos subsistemas técnico e social isso era possível. Assim, surgiu a abordagem de projeto de trabalho chamada sistemas sociotécnicos, que tem como premissa que objetivos organizacionais são mais bem encontrados (...) por meio da otimização e da articulação entre os sistemas técnico e social (Cherns apud Cronshaw e Alfieri, 2003). O subsistema técnico compreende as ferramentas e procedimentos usados no trabalho, estando sujeito às restrições físicas de espaço, maquinário e outras que envolvem os sistemas de produção. Já o subsistema social compreende a divisão do trabalho e métodos de coordenação que gerenciam as ferramentas e procedimentos, ajustando-se 2

3 às condições psicológicas e sociais que afetam os padrões de interação entre as pessoas que operam o subsistema técnico (Pava, 1983). Vários autores sobre sistemas ERP apontam, mesmo sem fazer referência à abordagem sociotécnica, fatores críticos de sucesso da implantação que fazem parte tanto do subsistema técnico como do subsistema social. Esses autores discutem as dificuldades e apontam alternativas de solução aos problemas, numa tentativa de harmonizar e sincronizar os subsistemas. Como exemplo dos fatores sociais, há a resistência dos usuários (Hehn, 1999; Lozinsky, 1996; Souza, 2001); como fator técnico, é possível citar as mudanças nos processos (Davenport, 2001; Colangelo Filho, 2001). Palvia, Sharma e Conrath (2001) organizaram os aspectos levados em consideração na abordagem sociotécnica em quatro categorias, facilitando seu entendimento. As quatro categorias são: tecnologia, tarefas, organização e pessoas, cujas definições aparecem no Quadro 1. Essas categorias explicam as classes de mudanças organizacionais provocadas pela implantação de sistemas ERP propostas por Zanela, Macadar e Soares (1999) e Saccol, Macadar e Soares (2003). A Figura 2 representa as relações entre os dois modelos. Considerando que a abordagem sociotécnica tem sido usada desde sua criação e por entender que esta é mais completa, as categorias sociotécnicas propostas por Palvia, Sharma e Conrath (2001) foram adotadas como guia para o presente trabalho. Subsistema Categoria Técnico Tecnologia Social Quadro 1 - Categorias sociotécnicas. Fonte: adaptado de Palvia, Sharma e Conrath (2001). Definição da categoria Atributos informáticos do sistema ERP. Tarefas Atributos dos processos implementados pelo sistema ERP. Organização Atributos estruturais do contexto de aplicação do sistema ERP. Pessoas Atributos dos indivíduos que se relacionam com o sistema ERP. Resistência de Usuários à Implantação de Sistemas ERP A resistência dos usuários à implantação de uma tecnologia e, de maneira geral, a qualquer mudança, tem sido tratada e discutida há muito tempo. De fato, existe um consenso de que as pessoas nas organizações resistem às mudanças, especialmente àquelas que envolvem aplicação ou implantação de uma nova tecnologia. Hehn (1999) afirma que a resistência às mudanças faz parte da natureza das pessoas e isso não significa que as pessoas sejam más, ou sequer que estejam agindo de forma consciente. Para o autor, as resistências ocorrem porque as pessoas saem da zona de conforto, ou seja, uma situação em que elas sabem como agir, têm o conhecimento 3

4 necessário para desempenhar suas funções, conhecem a maioria dos problemas e suas respectivas soluções. Com a mudança, são levadas para uma região onde precisam aprender e criar, podendo até perder seus empregos ou tornar sem valor todo seu conhecimento. Com implantação de sistemas ERP, as resistências provavelmente vão existir (Hehn, 1999; Lozinsky, 1996). Segundo Lozinsky (1996, p.18), até alguns anos atrás, a aquisição de software era feita de forma isolada nas organizações, por departamento, e não era necessário preocupar-se muito com a reação do resto da empresa. Por isso, a iniciativa de adquirir um pacote de software não é, em geral, uma idéia compartilhada desde o início por todos na empresa. As pessoas manifestam suas resistências e impõem obstáculos à aquisição e à implantação do pacote ERP de forma individual ou coletiva (Hehn, 1999). Hehn (1999) diz que as organizações devem preparar seu pessoal para passar de um modelo departamental funcional tradicional para um modelo orientado para processos e fortemente integrado pela tecnologia da informação. Com as modificações de seus modelos mentais, as pessoas podem aceitar melhor as mudanças e contribuir para o sucesso do sistema ERP. Souza (2001) identificou as variáveis comportamentais que podem ser afetadas pela implantação de um ERP: cultura organizacional, motivação, habilidades e capacidades e resistência à mudança. As três últimas dizem respeito diretamente às pessoas individualmente, ou seja, são alterações que as pessoas sofrem na maneira como trabalham. É possível observar que a resistência dos usuários com o ERP é um desafio que as empresas devem reconhecer e enfrentar, no sentido de diminuir ou até mesmo eliminar essas resistências. Como já foi dito, os usuários muitas vezes não têm consciência de seu comportamento de resistência e podem reagir de várias maneiras. Hehn (1999, p. 106) argumenta que a melhor forma de lidar com as resistências ou sabotagens é interpretálas como efeito, e não como comportamento natural das pessoas. Isso significa que não se pode ver esse comportamento como algo contra o qual não se pode fazer nada. Aceitação e Adoção de Sistema ERP por Usuários Assim como existem resistências às mudanças, à implantação de novas tecnologias e, conseqüentemente, à implantação e uso de sistemas ERP, existem também fatores que motivam o uso dos mesmos, fazendo com que os usuários os aceitem e os usem. Davis (1989) desenvolveu o Modelo de Aceitação da Tecnologia (TAM), que contém três conceitos fundamentais: intenção de comportamento, utilidade percebida e facilidade de uso percebida. A intenção de comportamento diz respeito a como o usuário pretende portar-se frente à nova tecnologia, ou seja, se irá adotá-la ou não. A utilidade percebida se refere ao grau em que o usuário percebe que a tecnologia será útil para desempenhar seu trabalho. Por fim, a facilidade de uso percebida diz respeito a quanto o usuário percebe que a tecnologia será fácil de usar. O autor também propõe que a utilidade percebida influencia mais fortemente a intenção de comportamento do que a facilidade de uso percebida. Usuários tendem a adotar um sistema se percebem, em primeiro lugar, que ele é útil e, em segundo lugar, se ele é fácil de usar. 4

5 Uma observação que deve ser feita em relação ao modelo TAM é que o mesmo foi desenvolvido para verificar a aceitação e a adoção de sistemas em situações em que os usuários podem optar em adotar ou não os mesmos. Em contextos ERP, porém, a adoção não é voluntária, mas sim, mandatória (Nah, Tan e Teh, 2004; Amoako-Gyampah, 2005), ou seja, a opção por implementar esses sistemas geralmente não parte dos usuários, sendo decidida e imposta pela área gerencial. Ainda assim, vários estudos foram realizados em contextos ERP baseados em TAM. Entre eles, podem ser citados: Zviran, Pliskin e Levin (2005), Calisir e Calisir (2004); Nah, Tan e Teh (2004) e Amoako- Gyampah (2005). Zviran, Pliskin e Levin (2005) analisam facilidade de uso percebida e satisfação dos usuários, concluindo que a primeira variável afeta diretamente a segunda. Calisir e Calisir (2004) relacionam a utilidade percebida e a facilidade de uso percebida com a satisfação do usuário final em relação aos sistemas ERP, concluindo que estas duas variáveis são determinantes na satisfação do usuário final, com ênfase na utilidade percebida. Além dessas duas variáveis, a facilidade de navegação entre as interfaces do sistema ERP, ou seja, o grau em que os usuários entendem o fluxo lógico do sistema e não se sentem perdidos na navegação, também exerce influência na satisfação. Amoako-Gyampah (2005) analisou a influência das variáveis utilidade percebida e facilidade de uso percebida, já explicadas; uso anterior, que se refere à familiaridade do usuário com o sistema; envolvimento intrínseco, refere-se à percepção das pessoas quanto à importância e relevância do sistema; envolvimento situacional, ou seja, a efetiva participação dos usuários na implantação do sistema; e argumentos para mudança, que diz respeito às razões pelas quais a nova tecnologia está sendo implantada, na intenção de comportamento para uso do sistema. As hipóteses do autor eram: (a) todas as variáveis influenciam a intenção de comportamento, e (b) a utilidade percebida também é influenciada pelas demais. A principal conclusão da pesquisa foi que a utilidade percebida e a facilidade de uso percebida contribuem diretamente para a intenção de comportamento, mas também que os argumentos para mudança e o envolvimento intrínseco de usuários influenciam a utilidade percebida. Além disso, a utilidade percebida é sugerida como o principal fator de impacto na intenção de uso do sistema. Nah, Tan e Teh (2004) desenvolveram um modelo para descrever a aceitação dos usuários finais aos sistemas ERP, com as seguintes variáveis, além de utilidade percebida e facilidade de uso percebida: (a) adoção simbólica que substitui a intenção de comportamento se refere a uma aceitação mental de uma inovação (Klonglan e Coward apud Nah, Tan e Teh, 2004); (b) atitudes dos usuários com o uso do sistema, ou seja, a predisposição a responder favoravelmente ou desfavoravelmente a tudo que se refere a um sistema de computador (Melone, 1990); (c) aderência percebida e compatibilidade percebida, que dizem respeito a como os usuários percebem que os processos padrão implementados pelos sistemas ERP (Hehn, 1999) se ajustam ao processo da organização. Nah, Tan e Teh (2004) desenvolveram um modelo que descreve a aceitação dos sistemas ERP pelos usuários finais. O modelo final indica que a facilidade de uso percebida, a atitude e a compatibilidade são determinantes significativos da adoção simbólica, com atitude como determinante principal. Enquanto que a atitude com o uso do sistema é o principal direcionador para a adoção simbólica, a compatibilidade e a facilidade de uso percebida têm efeito positivo direto na adoção simbólica. Por outro lado, a utilidade percebida e a aderência afetam a adoção simbólica somente por meio da atitude. 5

6 Apesar de vários autores apontarem para outras variáveis além de utilidade percebida e facilidade de uso percebida, todos os estudos sugerem que essas duas variáveis têm um efeito direto na aceitação de sistemas ERP pelos usuários finais. De acordo com os trabalhos em contextos ERP estudados, não foi identificada a relação causal entre facilidade de uso percebida e utilidade percebida. Satisfação de Usuários com Sistemas ERP A satisfação do usuário é apontada por vários autores como uma das principais medidas de sucesso na implantação de sistemas de informação (Zviran, Pliskin e Levin, 2005; Zviran e Erlich, 2003; Somers, Nelson e Karimi, 2003). Segundo Somers, Nelson e Karimi (2003, p.597), satisfação dos usuários de informação refere-se ao grau em que usuários percebem que o sistema de informação disponível a eles satisfaz suas necessidades de informação. Doll e Torkzadeh (1988) desenvolveram um instrumento para medir essa satisfação, chamado End-User Computing Satisfaction (EUCS) e composto por cinco construtos: (a) conteúdo, ou seja, à medida que o sistema fornece informações de acordo com o que o usuário necessita, (b) precisão, isto é, se o sistema é preciso, (c) se o formato em que as informações são apresentadas é claro e útil, (d) facilidade de uso do sistema, e (e) atualização do sistema, ou seja, se as informações são conseguidas em tempo e se estão atualizadas. Esse instrumento foi replicado com usuários de sistema ERP por Somers, Nelson e Karimi (2003), que concluíram que EUCS é um instrumento válido para verificar a satisfação de usuários com sistemas integrados. Zviran, Pliskin e Levin (2005) realizaram um estudo relacionando a satisfação dos usuários com a utilidade percebida. Para medir a satisfação, também utilizaram o instrumento EUCS. Como mencionou-se anteriormente, os autores concluíram que a utilidade percebida contribui para a satisfação dos usuários com um sistema ERP. Calisir e Calisir (2004) concluíram que a utilidade percebida e a facilidade de navegação são fatores determinantes para a satisfação do usuário, como também já foi mencionado. 6

Impacto de Sistema ERP no Trabalho Individual em Universidade Brasileira. Autoria: Luisa Mariele Strauss, Carlo Gabriel Porto Bellini

Impacto de Sistema ERP no Trabalho Individual em Universidade Brasileira. Autoria: Luisa Mariele Strauss, Carlo Gabriel Porto Bellini Impacto de Sistema ERP no Trabalho Individual em Universidade Brasileira Autoria: Luisa Mariele Strauss, Carlo Gabriel Porto Bellini Resumo Os sistemas integrados de gestão (ERPs) são cada vez mais usados

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Utilizar o processo de desenvolvimento de sistemas delineado neste capítulo e o modelo de componentes de SI, do Capítulo 1, como estrutura de solução de problemas de sistemas de informação.

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil

REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Strauss, Luisa Mariele; Porto Bellini, Carlo Gabriel MOMENTOS SOCIOTÉCNICOS

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-1 COMO SÃO DESENVOLVIDOS OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? São desenvolvimento como uma estrutura

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

O FATOR HUMANO NA IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS DE PROCESSO

O FATOR HUMANO NA IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS DE PROCESSO O FATOR HUMANO NA IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS DE PROCESSO A sobrevivência e o crescimento das empresas, está associado a conceitos como: competitividade, tecnologia, qualidade, meio ambiente, competência

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Composição da nota Serão 3 notas. Trabalho apresentado. Prova conteúdo Prova livro e trabalhos www.proflucas.com www.facebook.com/prof.lucascruz Livro Sistema

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais