José Eustáquio Rangel de Queiroz Herman Martins Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Eustáquio Rangel de Queiroz Herman Martins Gomes"

Transcrição

1 DSC/CCT/UFCG UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC Av Aprígio Veloso, S/N Bodocongó CEP: Campina Grande PB Fones: (0xx83) /Ramais 2211/2214 edu.br {rangel, hm José Eustáquio Rangel de Queiroz Herman Martins Gomes

2 Agenda Considerações Iniciais Conceitos Fundamentais Natureza da Luz Estrutura do Olho Humano Modelos Cromáticos Modelo de Imagem Digital Amostragem e Quantização Sistema Típico de PDI Operações em Imagens Operações no Domínio do Espaço Histogramas Filtragem Espacial Filtros Morfológicos Filtragem no Domínio da Freqüência Segmentação Extração de Características e Reconhecimento Exemplos de Aplicações Segmentação de Imagens Reconhecimento de Manuscritos Recuperação de Imagens por Conteúdo Detecção de Regiões utilizando Atenção Visual Outras Aplicações 2/152

3 Considerações Iniciais I O que é Processamento Digital de Imagens (PDI)? Captura, representação e armazenamento Transformações Realce, filtragem e restauração Compressão 3/152

4 O que é PDI? (baixo nível) Considerações Iniciais II Imagem de Entrada Processamento Processamento Inverte cores detecta bordas Imagem de Saída 4/152

5 Considerações Iniciais III Outros Exemplos de Computação com Imagens Relacionados a PDI Aprendizagem, Interpretação, Classificação eindexação a partir de imagens e vídeos (Visão Computacional) Síntese de imagens e vídeos (Computação Gráfica e Animação) Controle a partir de informação visual (Robótica)... 5/152

6 Considerações Iniciais IV Visão Geral Iluminação Visualização Quantitativa Objetos 2D, 3D Formação de Imagem 2-D Formação de Imagem 3-D Imagens 2D, 3D Integração, Filtragem de Ruídos Imagens de Características Detecção de Bordas Extração de Estruturas Simples Determinação do Movimento Calibração Radiométrica e Geométrica Imagem Digital Digitalização Segmentação de Regiões Descrição de Texturas Regularização, Restauração e Modelagem Análise de Formas Descrições de Objetos Imagens de Regiões Morfologia Matemática Classificação de Pixels ou Objetos Classes de Objetos 6/152

7 Considerações Iniciais V Relação entre PDI e Computação Gráfica(CG) Entrada Natureza do Processamento Saída CG Descrições de uma cena, incluindo aspectos como geometria, iluminação, ponto de observação, propriedades dos objetos Síntese Imagens sintetizadas PDI Imagem capturada a partir de uma cena real Análise Imagens processadas / analisadas 7/152

8 Considerações Iniciais VI Natureza Interdisciplinar de PDI Ótica Colorimetria Neurofisiologia Eletrônica Processamento e Análise Digital de Imagens Psicologia Cognitiva Informática Matemática Estatística 8/152

9 Considerações Iniciais VII Computação Visual (CV) Manipulação Aquisição, Simulação ou Modelagem Renderização de Volumes Volumes e Atributos Análise Síntese Representação Geométrica e Atributos Visualização Simulação 9/152

10 Computação Visual (CV) Considerações Iniciais VIII CV = PDI + RP + CG + VV Viabilidade Computadores mais rápidos, com maior capacidade de armazenamento & mais baratos Aplicabilidade d Engenharia, Imageamento Médico, Geociências, Modelagem Física, Pesquisas Arqueológicas e muito mais 10/152

11 Foco do Apresentação Considerações Iniciais IX Processamento Digital de Imagens (PDI) Manipulação/Análise de imagens com auxílio de computadores digitais Imagem de Entrada Processamento Digital it de Imagens Imagem de Saída Imagens DIGITAIS 11/152

12 Análise Digital de Imagens Considerações Iniciais X Descrição e reconhecimento do conteúdo de imagens digitais Imagem de Entrada DESCRIÇÃO SIMBÓLICA da Imagem Análise Digital de Imagens Relatório de Atributos Representação Temática Imagem DIGITAL Mapa de Contornos 12/152

13 Considerações Iniciais XI Classes de Técnicas de PDI e Visão Computacional Visão de Baixo Nível Algoritmos essencialmente de PDI Entrada e saída do processo Imagens digitais Visão de Nível Intermediário i Imagem digital como entrada Representações simbólicas de baixo nível de características da imagem de entrada (e.g. mapa de contornos de objetos da imagem) 13/152

14 Considerações Iniciais XII Classes de Técnicas de PDI e Visão Computacional Visão de Alto Nível Algoritmos que usam representações simbólicas como entrada e saída Intimamente relacionada às áreas de Inteligência Artificial e de Reconhecimento de Padrões Tentativa ti de simulação dos altos níveis de percepção visual humana (entendimento da imagem) 14/152

15 Conceitos Fundamentais I Natureza da Luz I Radiação eletromagnética Comportamento t ondulatório caracterizado por sua freqüência (f) e comprimento de onda (λ). Luz visível Faixa do espectro eletromagnético à qual o sistema visual humano é sensível Aproximadamente de 400 a 770 nm Radiação eletromagnética fora desta faixa não é percebida pelo olho humano 15/152

16 Conceitos Fundamentais I Natureza da Luz II Luz visível Faixa do espectro eletromagnético à qual o sistema visual humano é sensível Dentro da faixa de 400 a 770 nm, o olho percebe comprimentos de onda diferentes como cores distintas Fontes de radiação com um único comprimento de onda denominam-se monocromáticas e a cor da radiação denomina-se cor espectral pura 16/152

17 Espectro Eletromagnético Conceitos Fundamentais II Comprimento de Onda (m) Campo de Futebol Casa Ponto Bola de Baseball Célula Vírus Bactéria Proteína Molécula de Água Mais curtos ONDAS DE RÁDIO INFRAVERMELHO ULTRAVIOLETA RAIOS X PESADOS MICROONDAS RAIOS X LEVES RAIOS γ Freqüência (Hz) Cavidade Forno de de RF Rádio FM Microondas Seres Lâmpadas ALS Equipamentos Elementos Rádio AM RADAR Humanos Incandescentes Radioativos de Raios X ALS (Advanced Light Source) Radiação Visível Comprimento de Onda (nm) Mais altas Radiação Radiação Infravermelha (IR) Ultravioleta (UV) 17/152

18 Conceitos Fundamentais III Visão humana Mecanismo de percepção complexo e importante Aquisição i de informações Simples (e.g. reconhecimento de objetos) Complexas (e.g. desenvolvimento da inteligência humana, tomada de decisões) Uma imagem vale mil palavras. [Provérbio chinês] 18/152

19 Conceitos Fundamentais IV Sistema e Percepção Visual Humana Retina milhões de bastões Sensibilidade a níveis muito baixos de intensidade luminosa Visão escotópica 5-7 milhões de cones Sensibilidade a cores Visão fotópica Adaptabilidade a níveis luminosos do ambiente 19/152

20 Conceitos Fundamentais V Sistema e Percepção Visual Humana HVS Sistema passa-faixa Comportamento responsável por algumas ilusões visuais Conjuntiva Córnea Camadas adas da retina a Humor vítreo v Fotorreceptores Célula bipolar Íris Nervo óptico i Cone Gânglio Lente Bastão Vasos sangüí üíneos Fundo do olho Célula Célula amácrina horizontal Pupila p Esclera Luz 20/152

21 Conceitos Fundamentais VI Sistema e Percepção Visual Humana Pálpebra Câmara Anterior Córrnea Coróide Retina Eixo Visual Fóvea Cristalino Íris Câmara Posterior com Humor Vítreo Sensor Câmara escura Obturador Diafragma Lente 21/152

22 Conceitos Fundamentais VII Sistema e Percepção Visual Humana Teoria do Triestímulo Cones de Cones de Cones de Verde (G) comprimentos comprimentos comprimentos de onda curtos de onda médios de onda longos Amarelo (Y) Vermelho (R) Magenta (M) Ciano (C) Excitador Inibidor Azul (B) 22/152

23 Conceitos Fundamentais VIII Modelo Cromático RGB II Secundárias Ciano Ciano, Magenta e Amarelo Branco G Preto (0,1,0) (0,1,1) (1,1,0) (1,1,1) (0,0,0) (1,0,0) R B (0,0,1) (1,0,1) 23/152

24 Conceitos Fundamentais IX Modelos Cromáticos CMY e CMYK I Secundárias Vermelho, Verde e Azul Preto Branco M (010) (0,1,0) (0,1,1) (1,1,0) 1 (1,1,1) (0,0,0) (1,0,0) C Y (0,0,1) (1,0,1) 24/152

25 Conceitos Fundamentais X Exemplo de Composição RGB R B G RGB /152

26 Modelo Cromático RGB IV Conceitos Fundamentais XI Exemplo de geração de uma imagem RGB a partir de planos individuais Canhões Eletrônicos B G Triângulo Ampliado de Pontos de Fósforo R Máscara Tela do Monitor 26/152

27 Principais Objetivos I Conceitos Fundamentais XV Realce de Imagens (Pré-processamento) Otimização do processo de visualização para a interpretação visual conforme o contexto; e Manipulação visando procedimentos de classificação de padrões 30/152

28 Principais Objetivos II Conceitos Fundamentais XVI Classificação de Padrões Extração de informações necessárias à análise quantitativa da imagem considerada 31/152

29 Imagem Digital I Conceitos Fundamentais XVII Função proporcional à intensidade de brilho em (x,y) f(x,y) Coordenada horizontal Coordenada vertical 32/152

30 Imagem Digital II Discretização Conceitos Fundamentais XVIII Limitação do número de valores que uma variável pode assumir Amostragem Discretização das coordenadas espaciais Quantização Discretização dos níveis de cinza (valores de brilho) 33/152

31 Conceitos Fundamentais XIX Imagem Digital III f x,y f(x,y) intensidade luminosa coordenadas espaciais (302, 1353) Amostragem (Coordenadas d espaciais) i Quantização R: 59 (Amplitude das intensidades luminosas) G:10 B:62 34/152

32 Imagem Digital IV Modelo de Imagem I Conceitos Fundamentais XX PIXEL (PICture ELement) ( Coluna Linha h Pixel 0 Preto Tons de Cinza 255 Branco 35/152

33 Modelo de Imagem II Conceitos Fundamentais XXI Aspectos Práticos - Discretização Amostragem Usual M=N=2 K, K={8,9,10} K Conformidade com padrões de vídeo Simplicidade do circuito digital (Especificações do hardware) ) Uso de determinados algoritmos (e.g. Transformada [Rápida] de Fourier) 36/152

34 Modelo de Imagem III Conceitos Fundamentais XXII Aspectos Práticos - Discretização Quantização B Usual L=2 B, B é número de bits na representação binária dos valores de brilho B>1 Imagem em tons de cinza B=1 Imagem binária 37/152

35 Conceitos Fundamentais XXIII Primeira etapa dequalquer q aplicação de PDI Conversão usual do sinal óptico em um sinal elétrico analógico Digitalização do sinal elétrico analógico Digitalizador it de vídeo (frame grabber) ) Finalização do processo de formação da imagem digital 38/152

36 Radiometria Conceitos Fundamentais XXIV Aspecto da formação da imagem concernente à relação entre as quantidades de energia luminosa emitida da fonte de luz, refletida da superfície imageada e registrada por sensores Fonte Óptica p i n e L(P,d) Matriz de CCD P Superfície 39/152

37 Conceitos Fundamentais XXV Processo de Aquisição de Imagens Digitais Fonte de Iluminação (Energia) Radiação Incidente Sistema de Imageamento Radiação ação Refletida Plano da Imagem (Interno) t ) Formação de Pixels na Imagem Digitalizada Elemento da cena imageada f(x,y) = reflectância(x,y)*iluminação(x,y) iluminação(x,y) [0,1] [0, ] 40/152

38 Conceitos Fundamentais XXVIII Geração de uma Imagem Digital III Notação do Pixel Colunas Colunas Linhas Linhas /152

39 Conceitos Fundamentais XXIX Representação de uma Imagem Digital I f(x,y) = r(x,y) g(x,y) b(x,y) Imagem Colorida I Composição RGB 44/152

40 Conceitos Fundamentais XXX Representação de uma Imagem Digital II Imagem Colorida II RGB composta e componentes separadas 45/152

41 Conceitos Fundamentais XXXI Representação de uma Imagem Digital III nas entradas R, G e B nas entradas R, G e B nas entradas R, G e B Imagem Colorida III RGB composta e cada componente nas 3 entradas 46/152

42 Conceitos Fundamentais XXXII Representação de uma Imagem Digital IV Colorida 47/152

43 Conceitos Fundamentais XXXIII Representação de uma Imagem Digital V P&B 48/152

44 Conceitos Fundamentais XXXIV Representação de uma Imagem Digital VI P&B 256 Binária 49/152

45 Histograma I Operações em Imagens V Representação gráfica do número de vezes em que cada nível de cinza aparece em uma imagem digitalit Freqüência de ocorrência dos valores de brilho na imagem I h(n c) N c 67/152

46 Histograma II Exemplos de Histogramas Operações em Imagens VI perc centual de pix xels 1 perc centual de pix xels 2 0 níveis de cinza níveis de cinza 255 de pixels 3 percentual 0 níveis de cinza /152

47 Operadores de Vizinhança Transformação dos pixels Filtragem Espacial II Consideração da correlação espacial Suavização Regiões Aguçamento de Bordas Contornos 82/152

48 Filtragem Espacial III Convolução Espacial I p 1 p 2 p 3 p 4 p 5 p 6 M - 1 N - 1 I s ( x, y) = I e ( x i, y j). m( i, j) i = 0 j = 0 0 Preto p 7 p 8 p 9 Transformação f Tons de cinza 255 Branco Parâmetros 83/152

49 Filtragem Espacial III Convolução Espacial I - Considerações H G h 22 h 21 h 20 h 12 h11 h 10 h 02 h 01 h 00 L-1 2 L-1 2 L-1 2 h 22 h 21 h 20 h 12 h11 h 10 h 02 h 01 h 00 L-1 2 h 22 h h 20 h 21 h 12 h 11 h 10 h 02 h 01 h 00 F N-L+1 N N+L-1 h 22 h h 20 h 21 h 12 h 11 h 10 h 02 h 01 h 00 h 22 h 21 h 20 h 12 h11 h 10 h 02 h 01 h 00 84/152

50 Filtragem Espacial IV Convolução o Espacial a II - Máscara a ou Kernel Filtro box discreto (3 3) a 2 = m[i, j] = 1 / Entrada Saída 1 / 9 1 / 9 1 / 9 1 / 9 1 / 9 1 / 9 I s [x, y] 1 / / 9 / 9 85/152

51 Filtragem Espacial V Convolução Espacial III - Suavização de Bordas Filtro box 3x3 Bordas suavizadas 86/152

52 Filtragem Espacial VI Convolução Espacial III - Detecção de Bordas Uso de grupos de linhas vizinhas Minimização de bordas com um único pixel Direcionamento preferencial do processo de detecção Operadores de gradiente Prewitt Robert Sobel 87/152

53 Filtragem Espacial VII Convolução Espacial IV - Detecção de Bordas II Operador de Prewitt m[i, j] = Bordas verticais m[i, j] = Bordas horizontais /152

54 Filtragem Espacial VIII Convolução Espacial V - Detecção de Bordas III Operador de Sobel Redução do peso para as linhas/colunas vizinhas m[i, j] = Bordas verticais m[i, [,j] = Bordas horizontais 89/152

55 Filtragem Espacial VIII Convolução Espacial V - Detecção de Bordas IV Operador de Gradiente Exemplo comparativo 90/152

56 Filtragem Espacial IX Convolução Espacial VI Aguçamento de Bordas (Sharpening) Identificação e destaque (aguçamento) de bordas, seguida de sua adição à imagem I [x,y] =I s s [x,y] α borda[x,y] 0 -α 0 m[i, j] = -α α -α -α 0 Filtro laplaciano discreto 3x3 91/152

57 Filtragem Espacial IX Convolução Espacial VI Aguçamento de Bordas (Sharpening) Operador laplaciano 3x3 - Exemplo 92/152

58 Segmentaçã oi Visão Geral I Segmentação consiste na subdivisão da imagem em partes ou objetos constituintes Possibilita a identificação de diferenças entre dois oumais objetos, assim como a discriminação das partes, tanto entre si quanto entre si e o background 109/152

59 Segmentaçã oii Visão Geral II Para imagens monocromáticas, os algoritmos geralmente fundamentam-se na descontinuidade e na similaridade dos níveis de cinza Descontinuidade: particionamento da imagem em zonas caracterizadas por mudanças bruscas dos níveis de cinza. Usualmente recai na detecção de pontos isolados, de linhas e de bordas da imagem. Similaridade: limiarização e no crescimento de regiões. 110/152

60 Limiarização (Thresholding) I Segmentação III Redução usual a 2 níveis de cinza Seleção de um nível de cinza limiar Remapeamento dos valores de brilho Pixels com nível de cinza superior ao limiar i Nível de cinza máximo considerado (tipicamente 255) Pixels com nível de cinza igual de inferior ao limiar Nível de cinza mínimo considerado (0) 111/152

61 Limiarização (Thresholding) II Resultado Imagem binária Segmentação IV i (x,y) s = 0, 0 <= i e (x,y) <= N c L N, N < i cmax (x,y) <= N c L e cmax Aplicação Extração de atributos de objetos da imagem (e.g. forma, área, perímetro) 112/152

62 Limiarização (Thresholding) III Segmentação V Exemplo Imagem binária Faixa de níveis de cinza do objeto de interesse: 0~22 Binarização 113/152

63 Outros Tipos de Segmentação I Segmentação VI Segmentação Orientada a Regiões Fundamenta na similaridade Crescimento de regiões: agrupa pixels ou sub-regiões de uma imagem em regiões maiores Agregação de pixels: partindo de sementes (cj. de pontos similares), as regiões crescem com a agregação g de cada pixel à semente à qual estes apresentem propriedades similares (e.g. nível de cinza, textura ou cor) 114/152

64 Outros Tipos de Segmentação II Segmentação VII Segmentação Baseada em Bordas Bordas normalmente são um bom indício dos contornos dos objetos Pontos de borda: posições de pixels com variações abruptas de níveis de cinza, indicando d possíveis transições entre objetos diferentes Técnicas mais simples: operador de gradiente (e.g. Sobel, Roberts, Laplaciano), seguido de limiarização. 115/152

65 Extração de Visão geral Características e Reconhecimento I O objetivo é identificar objetos na cena a partir de um conjunto de medições Cada objeto é um padrão e os valores medidos são as características desse padrão Um conjunto de objetos com características semelhantes é considerado como pertencente à mesma classe de padrões Há diversos tipos de extração de características, cada qual obtida a partir de uma técnica específica. 116/152

66 Extração de Características e Reconhecimento II Visão geral Exemplos de características: bordas, área, perímetro, invariantes de momentos, descritores de fourier e muios outros Existe uma grande variedade d de técnicas de classificação, incluindo técnicas estatísticas e redes neurais Padrão de Teste Extração de Características Classificador Saída Classificada Padrão da Amostra Extração de Características Aprendizagem 117/152

67 Exemplos de Aplicações V Reconhecimento de Manuscritos III - assinaturas Momentos Regiões de pressão Inclinações 123/152

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Introdução do Processamento de Imagens. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com

Introdução do Processamento de Imagens. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Introdução do Processamento de Imagens Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Porque processar uma imagem digitalmente? Melhoria de informação visual para interpretação humana Processamento automático

Leia mais

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha Filtragem As técnicas de filtragem são transformações da imagem "pixel" a "pixel", que dependem do nível de cinza de um determinado "pixel" e do valor dos níveis de cinza dos "pixels" vizinhos, na imagem

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Capítulo 5 Filtragem de Imagens

Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 5.1. Filtragem no Domínio da Frequência 5.2. Filtragem no Domínio Espacial 2 Objetivo Melhorar a qualidade das imagens através da: ampliação do seu contraste;

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Imagem. Prof. Thales Vieira

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Imagem. Prof. Thales Vieira Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática Imagem Prof. Thales Vieira 2014 O que é uma imagem digital? Imagem no universo físico Imagem no universo matemático Representação de uma imagem Codificação

Leia mais

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens Fundamentos de Imagens Digitais Aquisição e Serão apresentadas as principais características de uma imagem digital: imagem do ponto de vista matemático processo de aquisição e digitalização de uma imagem

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO

PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO Que é Processamento Digital de Imagens (PDI) Quais as etapas fundamentais em um sistema de PDI Sensores CCD e CMOS Visão Humana x Visão de

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução ao Processamento de Imagens Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução Processamento de Imagens: processamento de sinais bidimensionais (ou n-dimensionais).

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

Informática Aplicada a Imagens MCP - 5840

Informática Aplicada a Imagens MCP - 5840 Serviço de Informática Instituto do Coração HC FMUSP Informática Aplicada a Imagens Médicas MCP - 5840 Marco Antonio Gutierrez Email: marco.gutierrez@incor.usp.br usp Motivação: Visualização D e 3D Seqüências

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis Transformada de Hough Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis A Transformada de Hough foi desenvolvida por Paul Hough em 1962 e patenteada pela IBM. Originalmente, foi elaborada para detectar características

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Aula 6 - Segmentação de Imagens Parte 2. Prof. Adilson Gonzaga

Aula 6 - Segmentação de Imagens Parte 2. Prof. Adilson Gonzaga Aula 6 - Segmentação de Imagens Parte 2 Prof. Adilson Gonzaga 1 Motivação Extração do Objeto Dificuldades Super segmentação over-segmentation 1) Segmentação por Limiarização (Thresholding Global): Efeitos

Leia mais

1ª aula. João Kogler Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP

1ª aula. João Kogler Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP 1ª aula João Kogler Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Preliminares Informações E-mail: kogler@lsi.usp.br Sala Poli Eletrica bloco A - 2º andar LSI ramal 5673 Websites: Mais

Leia mais

Operações Algébricas e Lógicas. Guillermo Cámara-Chávez

Operações Algébricas e Lógicas. Guillermo Cámara-Chávez Operações Algébricas e Lógicas Guillermo Cámara-Chávez Operações Aritméticas São aquelas que produzem uma imagem que é a soma, diferença, produto ou quociente pixel a pixel Operações Aritméticas Fig A

Leia mais

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço FILTRAGEM ESPACIAL Filtros Digitais no domínio do espaço Definição Também conhecidos como operadores locais ou filtros locais Combinam a intensidade de um certo número de piels, para gerar a intensidade

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto.

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto. Respostas Estudo Dirigido do Capítulo 12 Image Segmentation" 1 Com suas palavras explique quais os problemas que podem ocorrer em uma segmentação global baseada em níveis de cinza da imagem. Que técnicas

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Prof Fabrízzio Alphonsus A M N Soares 2012 Capítulo 2 Fundamentos da Imagem Digital Definição de Imagem: Uma imagem

Leia mais

Tratamento da Imagem Transformações (cont.)

Tratamento da Imagem Transformações (cont.) Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Tratamento da Imagem Transformações (cont.) Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/133 Tratamento de Imagens - Sumário Detalhado Objetivos Alguns

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Aula 4 - Processamento de Imagem

Aula 4 - Processamento de Imagem 1. Contraste de Imagens Aula 4 - Processamento de Imagem A técnica de realce de contraste tem por objetivo melhorar a qualidade das imagens sob os critérios subjetivos do olho humano. É normalmente utilizada

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR CORES E SISTEMAS DE CORES Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Abr/2014 A Estrutura do Olho Humano O olho humano é praticamente uma esfera com diâmetro médio

Leia mais

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial Filtragem espacial é uma das principais ferramentas usadas em uma grande variedade de aplicações; A palavra filtro foi emprestada

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Processamento de Imagens COS756 / COC603

Processamento de Imagens COS756 / COC603 Processamento de Imagens COS756 / COC603 aula 03 - operações no domínio espacial Antonio Oliveira Ricardo Marroquim 1 / 38 aula de hoje operações no domínio espacial overview imagem digital operações no

Leia mais

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc...

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc... RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS RUÍDOS EM IMAGENS Em Visão Computacional, ruído se refere a qualquer entidade em imagens, dados ou resultados intermediários, que não são interessantes para os propósitos

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens (Fundamentos) Prof. Silvio Jamil F. Guimarães PUC Minas 2013-1 Prof. Silvio Guimarães (PUC Minas) Processamento Digital de Imagens 2013-1 1 / 70 Tipos de sinais Conceito

Leia mais

Processamento de Imagem Morfológica (Morfologia Matemática) Tsang Ing Ren UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática

Processamento de Imagem Morfológica (Morfologia Matemática) Tsang Ing Ren UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática Processamento de Imagem Morfológica (Morfologia Matemática) Tsang Ing Ren UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática 1 Tópicos Introdução Conceitos básicos da teoria dos conjuntos

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Informática e Estatística Mestrado em Biometria

Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Informática e Estatística Mestrado em Biometria Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Informática e Estatística Mestrado em Biometria DETECÇÃO DE VASOS SANGUINEOS EM IMAGENS DE FUNDO DE OLHOS SÉRGIO DE SÁ LEITÃO PAIVA JÚNIOR RECIFE

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens (Conceitos iniciais) Prof. Silvio Jamil F. Guimarães PUC Minas 2013-1 Prof. Silvio Guimarães (PUC Minas) Processamento Digital de Imagens 2013-1 1 / 39 Motivação Desafio

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega:

Leia mais

Fundamentos. Guillermo Cámara-Chávez

Fundamentos. Guillermo Cámara-Chávez Fundamentos Guillermo Cámara-Chávez Introdução Uma das primeiras aplicações de técnicas de PDI para interpretação humana: imagens digitalizadas para jornal Transmitidas por cabos submarinos entre Londres

Leia mais

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez Sistema de Cores Guillermo Cámara-Chávez Conceitos Motivação - poderoso descritor de característica que simplifica identificação e extração de objetos da cena; - humanos podem distinguir milhares de tonalidades

Leia mais

Programação de Equipamentos CNC através da Análise de Imagens por Segmentação

Programação de Equipamentos CNC através da Análise de Imagens por Segmentação Programação de Equipamentos CNC através da Análise de Imagens por Segmentação Daniel Welfer (UFSM) welfer@inf.ufsm.br Alexandre Dias da Silva (UFSM) adiass@smail.ufsm.br Marcos Cordeiro d Ornellas (UFSM)

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA

CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA Eduardo Henrique Sasse Acadêmico Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Introdução Roteiro

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF FILTRAGEM ESPACIAL

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Motivado por duas principais aplicações: Melhorar a informação da imagem para interpretação humana Processamento de cenas para percepção de máquinas (Visão Computacional)

Leia mais

A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação.

A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação. Limiarização A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação. O princípio da limiarização consiste em separar as regiões

Leia mais

Operações Pontuais. Guillermo Cámara-Chávez

Operações Pontuais. Guillermo Cámara-Chávez Operações Pontuais Guillermo Cámara-Chávez Um modelo simples de formação de uma imagem Para que a imagem de uma cena real possa ser processada ou armazenda na forma digital deve passar por dois processos

Leia mais

Medição da Altura das Cunhas de Fricção dos Vagões Utilizando Processamento Digital de Imagem

Medição da Altura das Cunhas de Fricção dos Vagões Utilizando Processamento Digital de Imagem ARTIGO Medição da Altura das Cunhas de Fricção dos Vagões Utilizando Processamento Digital de Imagem Leonardo Borges de Castro 1 *, Dr. João Marques Salomão 2 e Me. Douglas Almonfrey 2 1 VALE - Engenharia

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE GRÃOS UTILIZANDO PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE GRÃOS UTILIZANDO PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA PROCESSAMENTO E ARMAZENAMENTO

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação INTRODUÇÃO Processamento Digital de Imagens refere-se ao processamento imagens por meio de um computador

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

Segmentação de imagens de profundidade por limiarização com morfologia matemática. Jorge Antonio Silva Centeno 1 Regina Tiemy Kishi 2

Segmentação de imagens de profundidade por limiarização com morfologia matemática. Jorge Antonio Silva Centeno 1 Regina Tiemy Kishi 2 Segmentação de imagens de profundidade por limiarização com morfologia matemática Jorge Antonio Silva Centeno 1 Regina Tiemy Kishi 2 Universidade Federal do Paraná - UFPR 1 Departamento de Geomática 2

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Processamento de Imagens

Processamento de Imagens Processamento de Imagens Prof. Marcelo Portes de Albuquerque Prof. Márcio Portes de Albuquerque Monitores: Fernanda Dutra Moraes (CBPF) Pedro de Souza Asad (CBPF) IX Escola do CBPF 2012 IX Escola do CBPF

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com.

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com. Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula Unidade III Biofísica da Visão valnirp@terra.com.br Roteiro Fundamentos Físicos Biofísica da Visão Normal Processos

Leia mais

Reconhecimento de Objectos

Reconhecimento de Objectos Dado um conjunto de características, relativas a uma região (objecto), pretende-se atribuir uma classe essa região, seleccionada de um conjunto de classes cujas características são conhecidas O conjunto

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Universidade Católica Dom Bosco Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia de Computação

Universidade Católica Dom Bosco Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia de Computação Universidade Católica Dom Bosco Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia de Computação Detecção de Bordas utilizando Informações sobre Textura e Cor Daniel de Azevedo Scalabrini Profa.

Leia mais

5 Processamento e Análise Digital de Imagens

5 Processamento e Análise Digital de Imagens 52 5 Processamento e Análise Digital de Imagens A área de processamento digital de imagens vem evoluindo continuamente ao longo dos anos, com um aumento significativo de estudos envolvendo morfologia matemática,

Leia mais

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B.

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B. Índice Remissivo... 5 Abertura... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos algarismos 199 são destinadas ao professor.... 8 All of the basic

Leia mais

Fundamentos de Processamento de Imagens SCC0251/5830 Processamento de Imagens

Fundamentos de Processamento de Imagens SCC0251/5830 Processamento de Imagens Fundamentos de Processamento de Imagens SCC0251/5830 Processamento de Imagens Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2012/1 Moacir Ponti Jr.

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015

FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015 FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015 FREQUÊNCIA EM IMAGENS DIGITAIS Análise da intensidade dos NCs da imagem Banda 7 Landsat TM ao longo da distância:

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 Prof. Luiz Fernando Rispoli Alves DECAT/EM/UFOP 2006 Base para a elaboração

Leia mais

MORFOLOGIA MATEMÁTICA APLICADA A RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS

MORFOLOGIA MATEMÁTICA APLICADA A RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS MORFOLOGIA MATEMÁTICA APLICADA A RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS Paulo Madruga UNIBRATEC Av. Beira Mar, 220, Ap 111 Piedade J. dos Guararapes - PE madruga@unibratec.com.br Sérgio de Sá Leitão Paiva

Leia mais

Instituto de Ensino Superior COC Engenharia de Computação

Instituto de Ensino Superior COC Engenharia de Computação Instituto de Ensino Superior COC Engenharia de Computação Diego Rafael Moraes DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DE DEFEITOS NA SUPERFÍCIE DO CASQUILHO DE BRONZE POR MEIO DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Orientador:

Leia mais

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS Nielsen Castelo Damasceno Segmentação Segmentação Representação e descrição Préprocessamento Problema Aquisição de imagem Base do conhecimento Reconhecimento e interpretação Resultado

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

Apresentação do Curso e da Área de Processamento de Imagem Digital

Apresentação do Curso e da Área de Processamento de Imagem Digital Apresentação do Curso e da Área de Processamento de Imagem Digital Instituto de Computação - UNICAMP afalcao@ic.unicamp.br Introdução Este curso abordará conceitos e técnicas de processamento de imagem

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais