Avaliação em Educação Física escolar: um estudo com professores da disciplina na cidade de Fortaleza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação em Educação Física escolar: um estudo com professores da disciplina na cidade de Fortaleza"

Transcrição

1 Avaliação em Educação Física escolar: um estudo com professores da disciplina na cidade de Fortaleza Heraldo Simões Ferreira* Caroline Teles Souza** Francisco Pimenta Costa** Jonathas Cavalcante** Júlio César Ribeiro Assunção** Karine Conrado Bezerra** *Doutorando e Mestre em Saúde Coletiva Professor de Educação Física Docente da Universidade Estadual do Ceará (UECE) **Discentes do curso de Educação Física da Universidade Estadual do Ceará (UECE) RESUMO A Educação Física é uma disciplina que compõe a educação formal, é oferecida em todo o ensino básico e enfrenta desafios como todas as outras matérias do currículo escolar. Um destes desafios é a avaliação. A avaliação educacional tem como objetivo fornecer diagnósticos e subsídios para manutenção de políticas educacionais, a fim de detectar os prós e contras da política adotada, através do monitoramento do sistema educacional. A avaliação no âmbito da educação física deve ser analisada de maneira ampla, contextualizada e inserida no projeto político-pedagógico da escola e não estrita a métodos, procedimentos técnicos e aplicação de testes físicos. Utilizou-se uma pesquisa de campo, qualitativa, descritiva, os participantes eram graduados em educação física e atuantes como professor da disciplina em escolas públicas ou privadas da cidade de Fortaleza. Foram envolvidos 40 participantes. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário com três questões abertas, eram elas: O que avaliar na Educação física Escolar? Porque avaliar? e Como avaliar? Podemos perceber através dos resultados das entrevistas que mais da metade dos professores entrevistados, considera os aspectos físicos, fisiológicos e motores como essenciais a serem observados e avaliados durante as aulas de educação física não dando a mesma importância as questões sociais e afetivas. Palavras-chave: Educação Física Escolar. Avaliação. Escola 1. Introdução Educação Física é uma disciplina que compõe a educação formal, é oferecida em todo o ensino básico. Seu conteúdo contempla as práticas da cultura corporal nas dimensões atitudinais, conceituais e procedimentais.

2 A disciplina aqui estudada enfrenta desafios como todas as outras matérias do currículo escolar. Um destes desafios é a avaliação. Especificamente na Educação física, as raízes do tecnicismo, da performance motora, da exaltação à técnica, se sobrepõem a conceitos mais subjetivos como socialização e desenvolvimento afetivo. O ensino quase que exclusivo dos esportes, a formação deficitária de determinados professores e a política de avaliação das escolas, em grande parte são as causas da dificuldade de avaliar na Educação Física. A Educação Física requer uma perspectiva baseada na pedagogia da transformação, onde a avaliação se configura como um recurso de diagnóstico que contempla o vir-aser do aluno-sujeito, numa ação provocadora que auxilia os alunos a construírem seu próprio conhecimento, ocupando o professor um papel mediador entre os alunos e a realidade que lhes é apresentada. Professor e aluno encontram-se numa relação dialógica de agir entendendo e entender agindo. Este artigo foi realizado no período de dezembro de 2008 a abril de 2009, como requisito de avaliação da disciplina de Avaliação em Educação física Escolar,da Universidade Estadual do Ceará (UECE), formalizado pelos alunos e pelo docente da mesma. O objetivo desse artigo é analisar através de uma pesquisa de campo como é abordada a avaliação na Educação Física pelos professores de escolas de Fortaleza, e mais especificamente os métodos e procedimentos utilizados por eles. 2. Revisao de literatura 2.1. A Educação Física na escola No Brasil, a educação física foi introduzida oficialmente nas escolas no ano de 1851, com a reforma de Couto Ferraz (DARIDO, 1999). Após Três anos a ginástica passou a ser obrigatória no primário e a dança no secundário (CASTELLANI FILHO, 1999). Nesse período, por intermédio de Rui Barbosa ocorreu uma reforma, exatamente no ano de Os seus pareceres sobre a reforma de ensino Leôncio de Carvalho constituíram-se num pequeno tratado sobre a educação física (DARIDO, 2005). Nessa época os professores de educação física ministravam as aulas dentro de salas e vestiam

3 se de paletó, e foi Rui Barbosa quem fez diversas recomendações para a melhoria da educação física escolar no Brasil (SOARES, 2001). A reforma inicialmente foi implantada somente no Rio de Janeiro e em Escolas Militares, mas após o século XX outros estados fizeram sua reforma educacional e implantaram a educação física com o nome de ginástica em suas escolas (SOARES, 2001). Apesar do preconceito com á pratica de atividades físicas por parte da elite, que valorizava principalmente a intelectualidade, foi por forte influência higienista que os educadores defenderam a pratica da ginástica nas escolas. No higienismo a preocupação principal era com os hábitos de higiene e com a saúde, exaltando o desenvolvimento físico e moral, a partir do exercício (DARIDO, 2005). Nesse inicio de século XX a educação física era exclusivamente pratica, deixando de lado fatores cognitivos e atitudinais, numa tentativa de isolar o corpo da mente, o que é considerado um absurdo nos dias atuais. Com o inicio da Ditadura Vargas, a preocupação principal era com a segurança nacional e com a participação civil, transformando a educação física num instrumento de adestramento físico, assumindo um caráter de militarização do corpo (DARIDO, 1999). Esse modelo militarista usou as aulas de educação física como um meio para selecionar indivíduos que se encaixem nos padrões militares excluindo aqueles que eram considerados incapacitados. Durante a ditadura militar, no ano de 1964, a educação física tornou-se um modo para selecionar atletas, não tão diferente do modelo militarista esse novo modelo ficou conhecido como esportivista (CASTELLANI FILHO, 1999). Nesse período o esporte brasileiro sofreu grande influência do futebol devido as Copas do Mundo em que o Brasil foi campeão, nos anos de 1958 e Por isso os militares utilizaram o grande interesse da população em relação ao esporte para obter êxito político, ou seja, a educação física era utilizada como meio de encontrar atletas em potencial nas escolas, para que essas pessoas se destaquem mundialmente, valorizando assim a soberania nacional e por conseqüência a Ditadura aqui instalada. Portanto, nesta época a educação física era praticamente resumida ao esporte e as habilidades motoras,

4 transformando assim o professor de educação física em um técnico esportivo (DARIDO, 1999). Devido ao grande numero de criticas ao modelo esportivista ou tecnicista ocorreu uma mudança, muitos professores voltaram-se para atender um novo conceito que começou a se desenvolver. Nesse conceito a educação física busca atender as necessidades e os interesses dos alunos, abrindo na assim um conceito sobre a recreação. Nos dias de hoje, a recreação resume-se ao fato dos alunos jogarem bola enquanto o professor marca o tempo de jogo, apagando assim todos os princípios pedagógicos que deveriam ser utilizados pelos professores durante as aulas. (DARIDO, 2005) Avaliação Avaliação sempre esteve presente em várias áreas profissionais, visto que o objetivo da avaliação é sempre verificar o resultado do ensino (SANTOS; GONÇALVES 1996, p.75). Para Klein e Fontanive (1995) avaliação educacional tem como objetivo fornecer diagnósticos e subsídios para manutenção de políticas educacionais, a fim de detectar os prós e contras da política adotada, através do monitoramento do sistema educacional. Com relação ao ato de avaliar Santos e Varela (2007, p.02) relatam que: O ato de avaliar implica na coleta, na análise e na síntese dos dados que configuram o objeto da avaliação, acrescido de uma atribuição de valor ou de qualidade, que se processa a partir da comparação da configuração do objeto avaliado com um determinado padrão de qualidade previamente estabelecido para aquele tipo de objeto. Avaliação diferencia-se da verificação, pois nesta há apenas uma coleta da informação, e na avaliação alem da coleta de dados existe uma tomada de decisão, para direcionar o objeto da avaliação. Luckesi (2002 apud SANTOS; VARELA, 2007, p.02)

5 Para Haydt (2000) é determinar a quantidade, a extensão ou grau, tendo por base um sistema de unidade convencional. Sendo assim a medida sempre é expressa em número, tornando objetiva e exata. Com relação à capacidade de medir as valências de uma avaliação Pestana, (1998) afirma que: O desempenho do aluno é, evidentemente, bastante abrangente, e o SAEB não é capaz, ainda, de medir vários aspectos nele contidos principalmente atitudes, aspectos afetivos e valores que fazem parte do agir educacional, objetivo da escola. Mas o desempenho do aluno, em termos de aprendizagem de conteúdos e de aquisição de habilidades e competências, é passível de medição (PESTANA,1998,p.67). A avaliação é uma reflexão sobre o nível de qualidade do trabalho escolar tanto do professor como dos alunos. (BARBOSA, 2008 p.01) 2.3. Avaliação na Educação Física Escolar Atualmente tem-se discutido sobre os sistemas de avaliação já instituídos nas bases da educação brasileira. Firme (1994 apud RODRIGUES; SILVA, 2008, p.161) afirma que, lamentavelmente, a reprovação de crianças e jovens é vista como um processo natural, inevitável, e a explicação a esse fenômeno sustenta-se na preservação da qualidade de ensino. A evasão é aceita como um processo normal dos fracassados, sem refletir sobre os múltiplos fatores que a ela se podem relacionar de fato, dentre os quais, a maneira como a avaliação é realizada, por exemplo. Segundo Mendes et al. (2007) a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) nº 9.394/96, propõe no seu artigo 24 um modelo de avaliação escolar com caráter contínuo e cumulativo, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados adquiridos ao longo do período sobre as eventuais provas finais. Para Bratifische (2003), a Educação Física hoje, almeja que as aulas possibilitem ao aluno vivenciar as habilidades físicas por meio de conhecimentos que enfatizam o corpo, esportes, lutas, danças e ginástica, visando enriquecer seu vocabulário motor. Bratifische diz ainda em sua publicação que a avaliação escolar tem se modificado no

6 decorrer dos anos, em conseqüência das mudanças estruturais na sociedade, das alterações no comportamento humano, dos avanços tecnológicos, entre outros fatores. Desta forma, avaliar em educação física consiste em reconhecer, diagnosticar, desenvolver e valorizar a expressão individual, a cultura própria e a manifestação de afetividade, viabilizando a aprendizagem e formação integral do educando. Mendes et.al. (2007) afirma que por outro lado, estudos apontam que as características das práticas avaliativas aplicadas pelos professores de Educação Física na atualidade, nos diversos níveis de ensino, direciona-se na maioria das vezes exclusivamente à verificação do aprendizado pela análise da capacidade de retenção de informações e reprodução de movimentos técnicos, desconsiderando-se o desenvolvimento e progresso global do aluno. Para Darido e Rangel (2005) nos últimos anos não foram poucos os professores que optaram por esse método tradicional de avaliação, pois diziam tornar a Educação Física mais cientifica, objetiva e qualitativa. Apesar de que partir da década de 70, esse modelo tradicional de avaliação passou a ser alvo de muitas críticas e comprovado através de pesquisas que esse sistema de avaliação só estava servindo para rotular os alunos (em excelentes, bons, regulares e fracos). Darido et al. (2002) afirma em sua resenha do livro a prática educativa, que Zabala propõe a avaliação de fatos, conceitos, procedimentos e atitudes, justificando a prova escrita para fatos e conceitos, seja a do tipo mais rápido ou exaustivo. Vale ressaltar que a observação dos conceitos podem ser mais bem mais avaliados quando a expressão verbal é possível, e não apenas a escrita, da mesma forma que vê nas pessoas a necessidade de uma expressão de gestos, citando o exemplo do uso das mãos que os indivíduos fazem para explicar melhor esses conceitos. Segundo Darido e Rangel (2005) deve evitar utilizar provas escritas em que se deve responder exatamente conforme o que foi apresentado em sala de aula, mas sim observar o aluno durante todas as aulas e ser for necessário solicitar a sua interpretação dos conceitos. Para Carvalho et al. (2000 apud BRATIFISCHE, 2008, p.23), a avaliação no âmbito da educação física deve ser analisada de maneira ampla, contextualizada e inserida no

7 projeto político-pedagógico da escola e não estrita a métodos, procedimentos técnicos e aplicação de testes físicos. Assim como os demais componentes curriculares, a avaliação em Educação Física tem suas características e dificuldades. Betti e Zuliani (2002) discutem em seu estudo as concepções básicas da avaliação tradicional e progressista. Na concepção tradicional, o professor preocupa-se em transmitir conhecimentos ao aluno, que por sua vez aprende de forma passiva; através de uma prova atribui-se ao aluno uma nota fria verificando apenas habilidades cognitivas. Na concepção progressista, o professor, orientador da aprendizagem, faz diagnóstico, considera a capacidade de aprendizagem do aluno, e se autoavalia; o aluno, sujeito da aprendizagem, é mais crítico e também se autoavalia; a avaliação é contínua, e serve para a reorientação do processo. Este método tem sua importância justificada na possibilidade de se acompanhar o processo de maturação espontâneo do aluno, ou seja, sua evolução é evidenciada no decorrer do processo ensino-aprendizagem. Gimeno (1988 apud BETTI e ZULIANI, 2002, p.80) afirmam ainda que a importância da avaliação fundamenta-se em suas funções básicas que são diagnosticar, para detectar o estágio de desenvolvimento e aprendizagem do aluno a fim de extrair conseqüências para o próprio processo de ensino e, portanto, avaliá-lo; e classificar, para hierarquizar os alunos, e servir também como um dos critérios de promoção. O mesmo estudo destaca que os processos avaliativos incluem aspectos informais e formais, concretizados em observação sistemática/ assistemática e anotações sobre o interesse, participação e capacidade de cooperação do aluno, auto-avaliação, trabalhos e provas escritas, testes para avaliação qualitativa e quantitativa de habilidades e capacidades físicas, resolução de situações problemáticas propostas pelo professor, elaboração e apresentação de coreografias de dança, exercícios de ginástica ou tática de esportes coletivos, etc. Por fim, vale lembrar que é importante informar ao aluno quais são os momentos de avaliação formal, e quais aspectos serão avaliados e transformados em conceito para que este tenha ciência de como, por que e para quê estão sendo avaliados. A primeira questão a ser discutida, fundamentada na compreensão dos aspectos pedagógicos que defendemos, inclusive para a avaliação escolar, é a

8 preocupação/consideração com três dimensões dos conteúdos: procedimental, conceitual e atitudinal. (DARIDO; RANGEL, 2005, p.129). Ainda de acordo com os autores a avaliação pode e deve oferecer elementos que possibilitem ao professor uma reflexão profunda sobre sua prática de ensino. Desta forma auxiliando na compreensão dos aspectos que devem ser revistos, ajustados ou reconhecidos como adequados para o processo de ensino-aprendizagem dos alunos, tanto de forma individual como coletiva. 3. Metodologia Utilizou-se uma pesquisa de campo, qualitativa, descritiva, pois envolve a interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer (GIL 1991 apud SILVA; MENEZES 2001, p.21). Os participantes eram graduados em educação física e atuantes como professor da disciplina em escolas públicas ou privadas da cidade de Fortaleza. Foram envolvidos 40 participantes. A coleta de dados foi realizada no local de trabalho dos profissionais e o instrumento de medida utilizado foi um questionário com três questões abertas, eram elas: O que avaliar na Educação física Escolar? Porque avaliar? e Como avaliar? A análise possuiu um caráter hermenêutico, já que a interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. (SILVA; MENEZES, 2001, p. 20). 4. Resultados e discussão de dados Após a aplicação das entrevistas realizamos uma categorização das falas dos sujeitos envolvidos. A categorização foi instrumentalizada após a leitura e transcrição das respostas dos participantes. Observamos e registramos palavras chave que significavam uma determinada resposta. Em determinadas falas, emergiram mais de uma categoria de respostas, assim o número de categorias ultrapassa o número de participantes Questão 01

9 Na primeira questão, perguntamos o que deve ser avaliado na Educação Física Escolar. As categorias formuladas, com suas respectivas aparições nas falas dos envolvidos, foram: Questões físicas, fisiológicas, motoras 28; Social, afetivo 17; Performance 01; Educação integral 02; Dimensões conceituais, procedimentais e atitudinais 02; Área cognitiva e intelectual 03; Avaliação de forma qualitativa 01; Avaliação contínua e diária - 01 De acordo com os PCNs (BRASIL, 2001) a avaliação na Educação Física Escolar deve superar os aspectos biofisiológicos, presente em 28 falas. O documento citado sugere a avaliação integral do aluno, buscando verificar os avanços nas dimensões conceituais, atitudinais e procedimentais. Felizmente, a segunda categoria mais comentada estava relacionada aos aspectos sociais e afetivos. Para Darido e Rangel (2005) a Educação Física não pode se restringir a avaliação do domínio motor e esquecer as relações cognitivas, afetivas e sociais dos alunos. Deve considerar a conduta humana em todas as dimensões. Abaixo mostramos algumas das respostas obtidas: A avaliação em educação física dever ser feita através da observação do aluno avaliado as dimensões conceituais, procedimentais e atitudinais. O professor avalia o aluno através do conhecimento do assunto (conceitual), através da habilidade motora (procedimental) e através dos valores (atitudinais). A EF escolar tinha como principal objetivo enfoque de avaliação o desenvolvimento motor e a melhora da performance. Já nos dias de hoje, a EF escolar objetiva englobar, além do desempenho motor, também o desenvolvimento social, afetivo e psicomotor. Na educação Física escolar, é importante avaliar as valências psico-motoras como lateralidade, coordenação motora, ritmo e cadência. Assim como os fatores comportamentais: cooperação, respeito mútuo, individualidade e coletividade. Também foi realizado, com o intuito de visualização, um gráfico de cada questão, lembrando que as palavras chave foram contabilizadas nas falas dos envolvidos, assim uma mesma resposta poderia conter mais de uma categoria.

10 Abaixo é demonstrado gráfico relacionado a questão 1: Gráfico Questão 02 Os participantes também foram questionados sobre os motivos da avaliação em Educação Física Escolar, mais precisamente o porquê da avaliação. As categorias formuladas, com suas respectivas aparições nas falas dos envolvidos, foram: Desenvolvimento do aluno - 10; Corrigir e identificar erros e dificuldades - 13; Analise do conhecimento - 07; Ensino aprendizagem 06; Interesse 03; Capacidades motoras 03; Saúde 01; Analisar o trabalho do professor 06 De acordo com Coletivo de Autores (1992) a Educação Física Escolar é compreendida como uma disciplina do currículo escolar, mas não basta a avaliação estar referenciada nos objetivos do plano escolar. Deve-se ter como finalidade o projeto histórico na qual o aluno está envolvido. A categoria com maior número de respostas foi - Corrigir e identificar erros e dificuldades - com 13 aparições. Tal resposta é importante, pois a avaliação permite mensurar como o conteúdo está sendo ministrado e assimilado. Assim possui duplo sentido, sendo útil, segundo Darido e Rangel (1995) para as duas partes, aluno e

11 professor, contribuindo para uma reflexão do que foi realizado e verificar se objetivos foram alcançados ou não. Abaixo são reproduzidas algumas falas dos participantes: Quando o professor avalia ele vai saber qual a real condição de seus alunos, principalmente aqueles que apresentam dificuldades, tanto as dificuldades físicas, quanto as dificuldades de relacionamento o que é muito comum nas escolas particulares. O motivo é verificar qual o efeito da participação do aluno na aula e da própria aula, se esta garante que fará o aluno adquirir ou desenvolver ou aperfeiçoar a sua capacidade motora. Para tentar detectar e corrigir possíveis falhas no aprendizado e no comportamento do aluno em si. Para se ter noção do nível de aprendizado do aluno em relação as aulas ministradas e ter um feed-back dos alunos em relação as aulas, no intuito de avaliar também a aula como ferramenta no aprendizado do aluno. Para observar as características motoras e de comportamento de cada aluno com a avaliação progressiva e constante do aluno, ele poderá aprimorar suas habilidades e corrigir alguns erros. Para ter um retorno do que os alunos aprenderam. Porque devemos saber o nível dos alunos para planejarmos as aulas com maior eficiência nos resultados desejados. Abaixo é demonstrado gráfico representativo da questão 2:

12 Gráfico Questão 03 Na terceira questão, perguntamos como avaliar na Educação Física Escolar. As categorias formuladas, com suas respectivas aparições nas falas dos envolvidos, foram: Observação do desenvolvimento motor e avaliação prática. 13; Avaliação teórica 12; Aspectos motores, cognitivos e afetivos 01; Avaliações contínuas 08; Autoavaliação 01; Participação 07; Freqüência 02; Antes, durante e depois 04; Atividades lúdicas e recreativas 07; Desenvolvimento cognitivo 04 De acordo com Darido e Rangel (2005), sugere-se para a avaliação em Educação Física Escolar o uso de diversos tipos de registro. Ainda afirmam que os alunos podem ser avaliados sistematicamente, por meio de observações das práticas (categoria presente em 13 falas), ou de forma específica, com provas, pesquisas, relatórios, apresentações, etc. Abaixo mostramos algumas das respostas obtidas A avaliação deverá ser progressiva e constante. Em todas as aulas deverão ser realizados relatórios apontando aspectos motores, cognitivos e afetivos.

13 Dependendo do conteúdo avaliado, o aluno deverá conhecer o histórico da modalidade e os gestos técnicos, ao final do ano deverá ser feita a média destas avaliações. Através de trabalhos, provas, e durante as aulas, com perguntas aos alunos. Podemos avaliar com a participação, a socialização, relatórios, o desenvolvimento dos avanços e esforços nas realizações das atividades. Abaixo é demonstrado gráfico relacionado a questão 3: Gráfico 3 5. Conclusão Podemos perceber através dos resultados das entrevistas que mais da metade dos professores entrevistados, considera os aspectos físicos, fisiológicos e motores como essenciais a serem observados e avaliados durante as aulas de educação física não dando a mesma importância as questões sociais e afetivas.

14 Foi constatado ainda que identificar e corrigir os erros e as dificuldades dos alunos bem como acompanhar o desenvolvimento dos mesmos durante as aulas é considerado como a principal razão de se avaliar. As atividades que promovem o desenvolvimento do sistema motor foi um dos métodos predominantes como forma avaliativa pelos professores estudados, no entanto a avaliação teórica também foi um dos recursos utilizados por parte dos mesmos. Considerando a pesquisa realizada e a reflexão sobre os resultados encontrados notase que as inúmeras respostas convergem principalmente aos aspectos motores, demonstrando que a maioria dos professores utiliza o modelo tradicional de avaliação. Porém pode-se observar que o interesse aos aspectos avaliativos atitudinais e cognitivos também está presente em algumas respostas dos professores entrevistados, reforçando que Educação Física está em fase de transição, ou seja, cada vez mais voltada para as dimensões atitudinais e cognitivas, porém ainda permanecendo, as habilidades motoras, como os principais fatores a serem analisados e avaliados. Referências BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da educação fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Educação Física. Brasília, MEC: 2001 BRATIFISCHE, Sandra Aparecida. Avaliação em educação física: um desafio. R. da Educação Física/UEM Maringá, v. 14, n. 2, p , 2. sem BETTI, Mauro; ZULIANI, Luiz Roberto. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte Ano 1, Número 1, BARBOSA, J. R. A. A Avaliação da Aprendizagem como Processo Interativo: Um Desafio para o Educador. Democratizar. Rio de Janeiro, v.02, n.1, p.1, jan./abr.2008 CASTELLANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil. Campinas, Papirus, COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da educação física. São Paulo, Cortez: 1992

15 DARIDO, S. C. ET. AL. Resenha do livro A prática educativa, de Antoni Zabala. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 23, n. 2, p , jan Antoni ZABALA. A prática educativa: como ensinar, Porto Alegre, Editora Artes Médicas Sul Ltda, DARIDO, Suraya Cristina; RANGEL, Irene Conceição Andrade. Educação Física na escola: implicações para prática pedagógica. Editora Guanabara Koogan, DARIDO, Suraya Cristina. Educação Física na Escola:questões e reflexões. Araras, Topázio, HAYDT, Regina Cazaux. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo, Ática, MENDES, Evandra Hein; NASCIMENTO, Juarez Vieira do; MENDES, José Carlos. Metamorfoses na avaliação em Educação Física: da formação inicial à prática pedagógica escolar. Movimento, Porto Alegre, v.13, n. 01, p.13-37, janeiro/abril de RODRIGUES JÚNIOR, José Carlos; SILVA, Cinthia Lopes da. A significação nas aulas de Educação Física: encontro e confronto dos diferentes subúrbios de conhecimento. Proposições, v. 19, n. 1 (55) - jan./abr SANTOS, M.R; VARELA, S. A avaliação como um instrumento diagnóstico da construção do conhecimento nas séries iniciais do ensino fundamental. Revista Eletrônica de Educação Ano I, p.02, ago. / dez SILVA, E.L; MENEZES. E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis, Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 3º Edição, SOARES, C, L. Corpo e História. Campinas, Autores associados, 2001.

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA SOB O PONTO DE VISTA DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR

A EDUCAÇÃO FÍSICA SOB O PONTO DE VISTA DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR A EDUCAÇÃO FÍSICA SOB O PONTO DE VISTA DE ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR MOURA, Gabriela 1 - PUCPR QUADROS, Emanuele 2 - PUCPR KOGUT, Maria Cristina 3 - PUCPR Grupo de Trabalho- Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE PROMOÇÃO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS NA ESCOLA Prof. Mario Renato de Azevedo Júnior A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA Questões norteadoras

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Mariana Serrano Pipa¹; Nádia Maria Pereira de Souza². Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, marispipa@gmail.com

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino O PAPEL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS EM RELAÇÃO AOS JOGOS COLEGIAIS.

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DA AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA COMO FORMA DE VIOLÊCIA DO PODER INSTITUÍDO

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DA AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA COMO FORMA DE VIOLÊCIA DO PODER INSTITUÍDO A PRÁTICA PEDAGÓGICA DA AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA COMO FORMA DE VIOLÊCIA DO PODER Franciele Fernandes Baliero franciele.baliero@ifpr.edu.br Elisabete Valdira de Sousa Tessari betetessari@hotmail.com

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente.

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente. FRACASSO E EVASÃO ESCOLAR: UM ESTUDO SOBRE APRENDIZAGEM DISCENTE E AÇÃO DOCENTE RODRIGUES, Sílvia de Fátima Pilegi Prof. Douta. Depto. de Educação/ICHS/CUR/UFMT ANDRADE, Luiza Gonçalves Fagundes de Bolsista

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS Carolina Fuso Mendes¹; Márcia Lopes Francisco Mantovani²; Sandra Albano da Silva³ UEMS - 79750-000 Nova

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS GT 07 Educação Matemática, avaliação e inclusão escolar. Francine Monteiro,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB

O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB ISSN: 1981-3031 O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB Wagner Tenorio Cavalcante Brito Medeiros¹ Eriberto José Lessa de Moura² RESUMO Existe um vasto

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS Evandra Hein Mendes 1 José Carlos Mendes 2 1. Introdução Além do surgimento de tendências de ensino ao longo

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL DIVONETE BITTENCOURT dbittencourt2009@hotmail.com ALINE PAULA MALHERBI CRISTIANE PERSZEL Orientador(ª) Prof(ª) ROSELI VIOLA RODRIGUES

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

METODOLOGIA DA ARTE E DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... METAEF 15 FUNDAMENTOS DA ABORDAGEM DESENVOLVIMENTISTA

METODOLOGIA DA ARTE E DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... METAEF 15 FUNDAMENTOS DA ABORDAGEM DESENVOLVIMENTISTA SUMÁRIO METODOLOGIA DA ARTE E DA EDUCAÇÃO FÍSICA 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. O CONTEXTO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL... METAEF 05 O SURGIMENTO DO NOVO CENÁRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

PIBID: A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM BUSCA DA VALORIZAÇÃO DA INFÂNCIA

PIBID: A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM BUSCA DA VALORIZAÇÃO DA INFÂNCIA 224 PIBID: A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM BUSCA DA VALORIZAÇÃO DA INFÂNCIA Janaina Bolssone do Prado, Cristiane Maria Zambelli, Joyce Cristina Claro Menoti, Paulo Sérgio de Lima, Alan

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso.

Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso. Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso. Francisco Ricardo Nogueira de Vasconcelos 1 Ivoneide Pinheiro de Lima 2 RESUMO A aplicação adequada

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RESUMO

A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RESUMO 440 A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR *Josiane Camargo **Luciano Leal Loureiro RESUMO Antigamente a Educação Física tinha objetivo de formar homens para guerra, que pudessem suportar a nova ordem de política econômica

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E A INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E A INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E A INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MILEO, Thaisa Rodbard thaisamileo@hotmail.com KOGUT, Maria Cristina Cristina.k@pucpr.br Eixo Temático:

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

TÍTULO: BIOMECÂNICA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E FORMAÇÃO DOCENTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: BIOMECÂNICA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E FORMAÇÃO DOCENTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: BIOMECÂNICA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E FORMAÇÃO DOCENTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Orientação para a observação e a coleta de dados das instituições de educação infantil e da sala de aula. Orientações para o planejamento, desenvolvimento e avaliação do trabalho de campo. Reflexão

Leia mais

Didática Específica (Educação Física)

Didática Específica (Educação Física) Didática Específica (Educação Física) Professora conteudista: Marta Scarpato Doutora em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestra em Educação

Leia mais

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM AUTORA: JUSSARA OLIVEIRA DE

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

LUTAS APLICADAS À EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: REALIDADE E POSSIBILIDADES

LUTAS APLICADAS À EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: REALIDADE E POSSIBILIDADES LUTAS APLICADAS À EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: REALIDADE E POSSIBILIDADES Marcelo Galdino de MELO José Luiz Cirqueira FALCÃO (Orientador) Danyllo dos Santos COSTA Fellipe Gustavo Pereira MASSON Pedro Henrique

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais