Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense. Ricardo Rippel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense. Ricardo Rippel"

Transcrição

1 Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense Ricardo Rippel Doutor em Demografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor adjunto do Colegiado de Economia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)/Campus de Toledo. Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Agronegócio e Desenvolvimento Regional (GEPEC). Jandir Ferrera de Lima Ph.D. em Desenvolvimento Regional pela Université du Québec à Chicoutimi (UQAC)- Canadá. Professor adjunto do Colegiado de Economia na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)/Campus de Toledo. Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Agronegócio e Desenvolvimento Regional (GEPEC). Pesquisador associado do GRIR- UQAC. Lucir Reinaldo Alves Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)/Campus de Toledo. Bolsista de projetos de pesquisa e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Agronegócio e Desenvolvimento Regional (GEPEC). Carlos Alberto Piacenti Doutorando em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professor assistente do Colegiado de Economia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)/Campus de Toledo. Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Agronegócio e Desenvolvimento Regional (GEPEC). Área Temática: 0- Desenvolvimento Territorial e Ruralidade Forma de Apresentação: Apresentação com presidente da sessão e sem a presença de debatedor

2 Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense Resumo: O objetivo desse artigo foi analisar a evolução da localização da população urbana e rural nos municípios do Oeste paranaense no período de 970 a 000. Para alcançar esses objetivos utilizou-se o método de análise regional através dos indicadores de localização (Quociente Locacional e Coeficiente de Localização) e redistribuição (Coeficiente de Redistribuição), pois estes indicadores mostram o padrão de localização e de redistribuição da população por domicílio entre os municípios. Os resultados mostraram que o padrão de concentração da população urbana e rural entre os municípios não sofreu modificações significativas, uma vez que os mesmos municípios que concentravam a população urbana no ano de 970 continuaram concentrando durante todo o período de análise. Com exceção dos municípios de Cascavel, Foz do Iguaçu, Guaíra, Medianeira, Santa Terezinha de Itaipu e Toledo, os demais concentram ainda representativa população rural em seu contingente populacional. Palavras-chave: Análise Regional, População, Paraná, Localização, Urbano-Rural.

3 Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense INTRODUÇÃO A partir da década de 70 o Oeste paranaense passou por uma profunda reestruturação de sua base produtiva. Isso se deve à modernização da base técnica de produção e expansão agropecuária o que permitiu a entrada na comercialização de commodities e na agroindustrialização. Essa mudança tecnológica propiciou a ocupação de novas áreas e reestruturação das tradicionais, ocasionando uma forte migração rural para os grandes centros urbanos e, principalmente, para outros estados (PIFFER, 999). Nesta década iniciou-se, também, o processo de concentração urbana, e um dos propulsores dessa concentração, foi a vigorosa expansão da fronteira agrícola estadual, esgotada no final dos anos 970, que denotava o surgimento e a ampliação de centros urbanos que passaram a funcionar estritamente vinculados ao dinamismo da atividade rural e por ele impulsionados (MOURA & MAGALHÃES, 996). Da mesma forma, nos anos 0, devido a industrialização e a mecanização agrícola, houve significativa perda da população agrícola e crescimento das esferas urbanas. Foi a partir desta década que a população urbana ultrapassou a população rural no Estado do Paraná. (OLIVEIRA, 00). No entanto, conforme PIFFER (999), as mudanças ocorridas no Estado do Paraná e a compreensão do crescimento da região Oeste relacionam-se diretamente com a dinâmica da população. Essa dinâmica influi na formação da estrutura produtiva regional. Nesse sentido, para compreender uma região é preciso compreender a localização da população e a forma como ela influi na ocupação do espaço regional. A análise regional tenta explicar o porquê das atividades econômicas se conglomerarem em poucos centros em vez de formarem uma dispersão homogênea. Nesta mesma linha tenta-se explicar o porquê de a população e a produção também se aglomerarem em certas regiões da economia. AS MEDIDAS DE LOCALIZAÇÃO DA POPULAÇÃO URBANA E RURAL Os primeiros pesquisadores a aplicar e sistematizar os indicadores de análise regional no Brasil foram Lodder (97) e Haddad (99). Ambos são referências importantes da aplicação empírica desse instrumental ao caso brasileiro. Atualmente, quando se trata da aplicação dessa análise no Paraná e na Mesorregião Oeste Paranaense, quem se destacam são Piacenti et al. (00) e Lima et al. (00). Através da análise regional é possível identificar as mudanças no padrão de localização e redistribuição da população da região. A análise regional permite também generalizações na interpretação dos seus indicadores. Essas generalizações dependem do problema analisado, da variável de análise e da delimitação espacial. No caso do problema estudado neste artigo, parte-se da constatação que a localização espacial da população urbana e rural regional está em mutação. Outro elemento importante na análise regional e espacial é a delimitação da área de análise. Os indicadores de análise regional, ao utilizar o peso relativo da população urbana e

4 rural, anula o efeito tamanho das regiões. Por isso, eles permitem o cálculo de indicadores confiáveis. Para o cálculo das medidas de localização organizou-se as informações em uma matriz que relaciona a distribuição domiciliar-espacial de uma variável-base. No presente estudo utiliza-se a população (POP) distribuída por situação de domicílio (urbana e rural). As colunas mostram a distribuição da população entre os municípios, e as linhas mostram a distribuição da população por situação de domicilio de cada um dos municípios, conforme Figura. Definiram-se as seguintes variáveis: POP = População no domicílio i do município j; j i i j POP = População no domicílio i da região; POP = População em todos os domicílios do município j; POP = População total da região. FIGURA - MATRIZ DE INFORMAÇÕES Domicílios da população i Município j POP i POP j POP FONTE: Haddad, 99, Lodder (97), e Piacenti et. al. (00). i j POP A partir da matriz de informações descrevem-se as medidas de localização. As medidas de localização são de natureza domiciliar. Assim, a medida trata da localização da população por situação de domicilio entre os municípios, ou seja, procuram identificar padrões de concentração ou dispersão da população, num determinado período. No presente artigo utilizar-se-á o quociente locacional, coeficiente de localização e o coeficiente de redistribuição como medidas de localização... Quociente Locacional - QL É utilizado para comparar a participação percentual da população de um município com a participação percentual da região. O quociente locacional pode ser analisado a partir de domicílios específicos ou no seu conjunto. É expresso pela equação (). POP POP j QL = () POP POP i i j A importância do município no contexto regional, em relação ao domicílio estudado, é demonstrada quando QL assume valores acima de. Nesse caso (quando o QL for maior que ) indica a representatividade do domicílio em um município específico. O contrário

5 ocorre quando o QL for menor que. Dessa forma, a partir da análise do QL, poder-se-á visualizar a concentração de cada setor em cada um dos municípios... Coeficiente de Localização - CL O objetivo do coeficiente de localização é relacionar a distribuição percentual da população num dado domicílio entre os municípios com a distribuição percentual da população da região. O coeficiente de localização (CL) é medido pela equação (). POP POP POP POP = j j i i j CL () Se o coeficiente de localização for igual a zero (0), significa que a população do domicílio i estará distribuída regionalmente da mesma forma que o conjunto de todos os domicílios, ou seja, estará mais disperso entre os municípios. Se o valor for igual a um (), demonstrará que o domicílio i apresenta um padrão de concentração regional mais intenso do que o conjunto de todos os domicílios... Coeficiente de Redistribuição O coeficiente de redistribuição relaciona a distribuição percentual da população de um mesmo domicílio em dois períodos, ano base 0 e ano, objetivando verificar se está prevalecendo para o domicílio algum padrão de concentração ou dispersão espacial ao longo do tempo. t POP POP POP POP j j j C Re d = () Coeficientes próximos a zero (0) indicam que não ocorreram mudanças significativas no padrão espacial de localização do domicílio, e próximos a um () demonstra que ocorreram mudanças no padrão espacial de localização do domicílio. t0

6 6 O PERFIL DA LOCALIZAÇÃO POPULACIONAL REGIONAL Nessa seção serão apresentados os resultados da aplicação do modelo de análise regional descrito na metodologia. Assim, a Figura apresenta a evolução do Quociente Locacional (QL) para a população urbana para todos os municípios da Mesorregião Oeste paranaense. Pela Figura, nota-se que a concentração da população urbana no conjunto da região não sofreu muitas alterações no período analisado. No geral, a região expandiu seu perfil de urbanização. Por outro lado, os municípios que concentram a maior parte da população urbana em 000 são os mesmos de 970, ou seja, Toledo, Cascavel, Medianeira, Foz do Iguaçu e Guaíra. O que chama a atenção na Figura é a posição dos municípios que tem um quociente locacional fraco. A fragmentação da região em vários municípios manteve uma população urbana significativa em de médio para forte do centro para o norte da região. Da mesma forma a fronteira leste do Oeste paranaense, faixa mais próximo do centro do Paraná, tem indicadores menos significativos no final do século XX. Praticamente, foram sempre os mesmos municípios que concentraram a população urbana de 970 a 000. A exceção fica por conta do município de Assim Chateaubriand que tinha uma concentração significativa no período de 970 a 99, mas chegou no ano de 000 com uma queda na concentração. No entanto, os municípios de Cascavel, Foz do Iguaçu, Guaíra, Medianeira, Santa Terezinha de Itaipu e Toledo apresentaram quocientes significativos em todo o período. Vale salientar que essa figura demonstra que os demais municípios da mesorregião Oeste paranaense estão agregando, com o passar dos anos, mais população urbana e isso pode ser evidenciado pela evolução do quociente na maioria dos municípios. Outro fato que deve ser notado é que os municípios da mesorregião Oeste ainda concentram significativamente população rural, conforme mostra a Figura.

7 7 FIGURA QUOCIENTE LOCACIONAL DA POPULAÇÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE 970/ km Notas: QL / Forte 0,0 QL 0,99 / Médio QL 0,9 / Fraco Municípios: Guaíra Terra Roxa Palotina Assis Chateaubriand Formosa do Oeste 6 Jesuítas 7 Iracema do Oeste Nova Aurora 9 Maripá 0 Nova Santa Rosa Mercedes Marechal C. Rondon Quatro Pontes Fonte: Resultados da Pesquisa Toledo Tupãssi 6 Cafelândia 7 Anahy Iguatu 9 Corbélia 0 Braganey Campo Bonito Guaraniaçu Diamante do Sul Ibema Catanduvas 6 Cascavel 7 Santa Ter. do Oeste São Pedro do Iguaçu 9 Ouro Verde do Oeste 0 São José das Pal. Pato Bragado Entre Rios do Oeste Santa Helena Diamante do Oeste Vera Cruz do Oeste 6 Missal 7 Ramilândia Itaipulândia 9 Medianeira 0 Foz do Iguaçu Santa Ter. de Itaipu São Miguel do Iguaçu Serranópolis do Ig. Matelândia Céu Azul 6 Lindoeste 7 Santa Lúcia Capitão L. Marques 9 Boa Vista da Apª 0 Três Barras do PR

8 FIGURA QUOCIENTE LOCACIONAL DA POPULAÇÃO RURAL DOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE 970/ km Notas: QL / Forte 0,0 QL 0,99 / Médio QL 0,9 / Fraco Municípios: Guaíra Terra Roxa Palotina Assis Chateaubriand Formosa do Oeste 6 Jesuítas 7 Iracema do Oeste Nova Aurora 9 Maripá 0 Nova Santa Rosa Mercedes Marechal C. Rondon Quatro Pontes Fonte: Resultados da Pesquisa Toledo Tupãssi 6 Cafelândia 7 Anahy Iguatu 9 Corbélia 0 Braganey Campo Bonito Guaraniaçu Diamante do Sul Ibema Catanduvas 6 Cascavel 7 Santa Ter. do Oeste São Pedro do Iguaçu 9 Ouro Verde do Oeste 0 São José das Pal. Pato Bragado Entre Rios do Oeste Santa Helena Diamante do Oeste Vera Cruz do Oeste 6 Missal 7 Ramilândia Itaipulândia 9 Medianeira 0 Foz do Iguaçu Santa Ter. de Itaipu São Miguel do Iguaçu Serranópolis do Ig. Matelândia Céu Azul 6 Lindoeste 7 Santa Lúcia Capitão L. Marques 9 Boa Vista da Apª 0 Três Barras do PR

9 9 Pela Figura nota-se que a mesorregião Oeste Paranaense ainda concentra significativa população rural em seus municípios. Confrontando com a Figura nota-se que a região é menos urbana do que parece. O que explica essa dicotomia? O primeiro elemento explicativo é o perfil da ocupação fundiária. A área rural do Oeste paranaense é caracterizada pela presença das pequenas propriedades até 0 ha. Essas propriedades representam 7% do total regional segundo o Censo Agropecuário de 996 (IBGE, 00). O segundo elemento é a atração dos imigrantes. Nos últimos anos o Oeste paranaense recebeu diversos contingentes populacionais. Sem contar que Toledo, Cascavel e Foz do Iguaçu, foram os centros que mais atraíram população. Segundo RIPPEL (00) esses três municípios concentraram,07% da imigração interestadual na região Oeste do Paraná no período de 970 a 90, 60,0% no período de 90 a 99, e 6,% no período de 99 a 000. O terceiro, o número de distritos existes na região. Segundo IBGE (00), existia no ano de 000, 96 distritos na região Oeste do Paraná. Destes, 0 eram as sedes urbanas municipais e os 9 distritos restantes localizavam-se nos arredores dessas sedes. Cerca de % da população rural da região estava concentrada, no ano de 000, nestes distritos. No entanto, os principais municípios - Cascavel, Foz do Iguaçu, Guaíra, Medianeira, Santa Terezinha de Itaipu e Toledo - apresentaram quocientes não significativos, e isto se deve ao fato desses municípios estar num estágio onde a concentração da população urbana é superior à população rural. O Gráfico mostra a distribuição regional da população urbana e rural para o período de 970 a 000. GRÁFICO COEFICIENTE DE LOCALIZAÇÃO (CL) DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ ,0 0,00 0,0 0,00 CL 0,0 0,00 0,0 0,00 0,00 Pop. Urb. Pop. Rur. 0, Ano Fonte: Resultados da Pesquisa O Gráfico confirma os dados apresentados pelos quocientes locacionais ao mostrar que a população rural está mais difusa na região e que houve maior dispersão nos municípios com relação a esta população no período de 970 a 000.

10 0 No entanto, os coeficientes de localização da população urbana mostram que está havendo uma concentração em poucos municípios. E, pela diminuição deste coeficiente, verifica-se que, com o passar dos anos, poucos municípios concentram a maior parte da população urbana desta região. Semelhantemente ao coeficiente de localização, o coeficiente de redistribuição objetiva verificar se está prevalecendo algum padrão de concentração ou dispersão espacial ao longo do tempo, e isto pode ser visualizado pelo Gráfico. GRÁFICO COEFICIENTE DE REDISTRIBUIÇÃO (DRed) DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ ,60 0,0 0,0 0,00 CRed 0,00 0,060 0,00 0,00 Pop. Urb. Pop. Rur. 0, /90 90/99 99/000 Período Fonte: Resultados da Pesquisa O Gráfico confirma as informações anteriormente apresentadas ao mostrar que não houve mudanças significativas na localização da população urbana e rural no período analisado. Isso mostra que os mesmos municípios que concentravam população urbana no ano de 970 continuavam concentrando no ano de 000. Essa característica também pode ser visualizada para a população rural dos municípios da mesorregião Oeste Paranaense. CONCLUSÃO O objetivo desse artigo foi analisar a evolução da localização da população urbana e rural na região Oeste Paranaense no período de 970 a 000. Os dados mostraram que não houve mudanças significativas no padrão de concentração da população urbana entre os municípios desta região. Os municípios que concentravam a população urbana no ano de 970 continuaram concentrando durante todo o período de análise. Enquanto, a população rural está mais difusa na região. Uma característica interessante desta região é que ainda há uma presença significativa da população rural na maioria dos municípios, com exceção de Cascavel, Foz do Iguaçu, Guaíra, Medianeira, Santa Terezinha de Itaipu e Toledo que concentraram com mais intensidade a população urbana.

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HADDAD, J. H. (Org.). Economia regional: teoria e métodos de análise. Fortaleza: BNB/ETIENE, 99. IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Banco de dados agregados. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/>, Acesso em: mar. 00. LIMA, J. F.; PIACENTI, C. A.; ALVES, L. R. e PIFFER, M. A localização e as mudanças da distribuição setorial do PIB nos estados da região Sul (970-99). IN: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL (SOBER), Cuiabá, Anais... Cuiabá: SOBER, 00. CD-ROM. LODDER, C. A. Padrões locacionais e desenvolvimento regional. Revista Brasileira de Economia. v., n., Jan./Mar. 97. MOURA, R.; MAGALHÃES, M. V. Leitura do padrão de urbanização do Paraná nas duas últimas décadas. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, n., set./out OLIVEIRA, D. Urbanização e industrialização no Paraná. Curitiba: SEED, 00. p. (Coleção historia do Paraná; textos introdutórios). PIACENTI, C. A. et al. Análise regional dos municípios lindeiros ao lago da Usina Hidroelétrica de Itaipu. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS REGIONAIS E URBANOS,, 00, São Paulo, Anais... São Paulo: ABER, 00. CD-ROM. PIFFER, M. Apontamentos sobre a base econômica da região Oeste do Paraná. In: CASSIMIRO FILHO, F. & SHIKIDA, P. F. A. (Orgs.) Agronegócio e Desenvolvimento regional. p. 7-. EDUNIOESTE: Cascavel, 999. RIPPEL, R. Migração e desenvolvimento no Oeste do Paraná: uma análise de 90 a Tese (Doutorado em Demografia) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Tese não concluída e com defesa prevista entre maio/julho de 00.

Os principais focos do desenvolvimento econômico e demográfico de uma região a questão da Localização da população Rurbana do Oeste do Paraná

Os principais focos do desenvolvimento econômico e demográfico de uma região a questão da Localização da população Rurbana do Oeste do Paraná 1 Os principais focos do desenvolvimento econômico e demográfico de uma região a questão da Localização da população Rurbana do Oeste do Paraná Resumo: O objetivo desse artigo foi o de averiguar como se

Leia mais

Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense: Uma análise de 1970 a 2000.

Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense: Uma análise de 1970 a 2000. Notas sobre a localização da população urbana e rural no Oeste paranaense: Uma análise de 1970 a 2000. Ricardo Rippel 1 Jandir Ferrera de Lima 2 Lucir Reinaldo Alves 3 Carlos Alberto Piacenti 4 Palavras-chave:

Leia mais

GÊNERO, POLÍTICAS PÚBLICAS E ESPAÇOS DE PODER

GÊNERO, POLÍTICAS PÚBLICAS E ESPAÇOS DE PODER GÊNERO, POLÍTICAS PÚBLICAS E ESPAÇOS DE PODER CONCENTRAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DO EMPREGO FORMAL POR GÊNERO NOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE 2003-2014. CONCENTRAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DO EMPREGO FORMAL

Leia mais

Em novembro de 2010 a Rádio Tarobá FM se somou ao grupo, passando a fazer parte das emissoras já consolidadas que nasceram com o jeito do Paraná.

Em novembro de 2010 a Rádio Tarobá FM se somou ao grupo, passando a fazer parte das emissoras já consolidadas que nasceram com o jeito do Paraná. Determinação e Profissionalismo Afiliada à Rede Bandeirantes de Comunicação, a TV Tarobá nasceu em Cascavel no ano de 1979 e em Londrina em 1996. Ao longo de toda a sua história somou determinação e profissionalismo

Leia mais

O uso das terras no sul do Brasil: uma análise a partir de indicadores de localização

O uso das terras no sul do Brasil: uma análise a partir de indicadores de localização O uso das terras no sul do Brasil: uma análise a partir de indicadores de localização Jandir Ferrera de Lima Lucir Reinaldo Alves Sandra Mara Pereira Elvanio Costa de Souza 4 Paulo Roberto Joner 4 Adriano

Leia mais

A LOCALIZAÇÃO E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO PIB NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL 1970/1998

A LOCALIZAÇÃO E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO PIB NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL 1970/1998 A LOCALIZAÇÃO E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO PIB NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL 1970/1998 Carlos Alberto Piacenti Jandir Ferrera de Lima Moacir Piffer Lucir Reinaldo Alves RESUMO: O obetivo deste

Leia mais

Índice Firjan de Gestão Fiscal

Índice Firjan de Gestão Fiscal Índice Firjan de Gestão Fiscal O IFGF Geral é composto por cinco índices: Receita Própria, Gastos com Pessoal, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida. Os quatro primeiros têm peso de 22,5% para a construção

Leia mais

BOLETIM OFICIAL N : 01 - www.jogosabertos.pr.gov.br. 19:00 CONCENTRAÇÃO DOS ATLETAS 19hs30 - INICIO DO DESFILE TODAS AS DELEGAÇÕES M A

BOLETIM OFICIAL N : 01 - www.jogosabertos.pr.gov.br. 19:00 CONCENTRAÇÃO DOS ATLETAS 19hs30 - INICIO DO DESFILE TODAS AS DELEGAÇÕES M A PREFEITURA MUNICIPAL DE ASSIS CHATEUBRIAND/DPTO DE S 53º JOGOS ABERTOS DO PARANÁ - 2010/REGIÃO- 06/ 27/08 a 04/09 ABERTURA 27/08/2010 GINÁSIO DE S TANCREDO DE A NEVES 19:00 CONCENTRAÇÃO DOS ATLETAS 19hs30

Leia mais

Núcleo Regional de Toledo

Núcleo Regional de Toledo Núcleo Regional de Toledo Municípios participantes Anahy Assis Chateaubriand Boa Vista da Apar. Braganey Cafelândia Campo Bonito Cap. Leônidas Marques Cascavel Catanduvas Céu Azul Corbélia Diamante do

Leia mais

GÊNERO, POLÍTICAS PÚBLICAS E ESPAÇOS DE PODER

GÊNERO, POLÍTICAS PÚBLICAS E ESPAÇOS DE PODER GÊNERO, POLÍTICAS PÚBLICAS E ESPAÇOS DE PODER CONCENTRAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DO EMPREGO FORMAL POR GÊNERO NOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE 2003-2014. CONCENTRAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DO EMPREGO FORMAL

Leia mais

CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE. Maria da Piedade Araújo

CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE. Maria da Piedade Araújo CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE Maria da Piedade Araújo 170 5.1 INTRODUÇÃO Este capítulo tem por objetivo apresentar um comparativo da Mesorregião Oeste do Paraná em relação ao Estado.

Leia mais

URBANIZAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991, 2000 E 2010

URBANIZAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991, 2000 E 2010 URBANIZAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991, 2000 E 2010 Jéssica Karoline Misael (Unioeste) jessicakmisael@hotmail.com Katia Fabiane Rodrigues (Unioeste) kafrodrigues@yahoo.com.br

Leia mais

Variação Nominal 2014 (R$) 2015 (R$)

Variação Nominal 2014 (R$) 2015 (R$) EFEITURA Prefeitura Municipal de Curitiba - 6.346.677.306,99 6.742.950.033,42 6,2% 232.408.902,89 245.892.721,14 5,8% 1.099.851.341,85 1.232.689.762,66 12,1% Prefeitura Municipal de Londrina - 1.311.641.806,25

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS E MOBILIDADE NA FRONTEIRA: O OESTE DO PARANÁ FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES INTRA- REGIONAIS DE 1970 A 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS E MOBILIDADE NA FRONTEIRA: O OESTE DO PARANÁ FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES INTRA- REGIONAIS DE 1970 A 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS E MOBILIDADE NA FRONTEIRA: O OESTE DO PARANÁ FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES INTRA- REGIONAIS DE 1970 A 2010 MIGRATORY MOVEMENTS AND MOBILITY AT THE BORDER: WESTERN PARANA FRONT OF INTRA-REGIONAL

Leia mais

EMPREGO FORMAL NA MESORREGIÃO CENTRO-ORIENTAL DO PARANÁ: APONTAMENTOS SOBRE A SUA DISTRIBUIÇÃO 1

EMPREGO FORMAL NA MESORREGIÃO CENTRO-ORIENTAL DO PARANÁ: APONTAMENTOS SOBRE A SUA DISTRIBUIÇÃO 1 EMPREGO FORMAL NA MESORREGIÃO CENTRO-ORIENTAL DO PARANÁ: APONTAMENTOS SOBRE A SUA DISTRIBUIÇÃO 1 Moacir Piffer 2 Jandir Ferrera de Lima 3 Márcia Cristina Scherer Klein 4 Resumo: Esta pesquisa analisa a

Leia mais

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

2.3 MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE: hierarquia e rede urbana. A Mesorregião Oeste do Paraná tem, atualmente, sua estrutura produtiva

2.3 MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE: hierarquia e rede urbana. A Mesorregião Oeste do Paraná tem, atualmente, sua estrutura produtiva 120 2.3 MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE: hierarquia e rede urbana A Mesorregião Oeste do Paraná tem, atualmente, sua estrutura produtiva regional dinamizada principalmente pela produção de grãos e pela agroindústria.

Leia mais

CAPÍTULO 7 RECURSOS PÚBLICOS MUNICIPAIS: ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO. Marcos Wagner Fonseca

CAPÍTULO 7 RECURSOS PÚBLICOS MUNICIPAIS: ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO. Marcos Wagner Fonseca CAPÍTULO 7 RECURSOS PÚBLICOS MUNICIPAIS: ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO Marcos Wagner Fonseca 231 7.1 INTRODUÇÃO O papel desempenhado pelo Estado na economia brasileira é um assunto freqüente na pauta de discussão,

Leia mais

Potencial de Geração e Aproveitamento de Rejeito Sólido Hospitalar na Região Oeste do Paraná

Potencial de Geração e Aproveitamento de Rejeito Sólido Hospitalar na Região Oeste do Paraná Potencial de Geração e Aproveitamento de Rejeito Sólido Hospitalar na Região Oeste do Paraná JEBAI, G. T. a, MOREJON, C. F. M. b a. Mestranda do Programa de Mestrado em Ciências Ambientais da Universidade

Leia mais

Diligências nas Comarcas do Interior do Paraná Relação de Subseções Subseção Banco Agencia C/C Salas Telefone

Diligências nas Comarcas do Interior do Paraná Relação de Subseções Subseção Banco Agencia C/C Salas Telefone Diligências nas Comarcas do Interior do Paraná Relação de Subseções Subseção Banco Agencia C/C Salas Telefone APUCARANA Banco do Brasil 0355-7 10.653-4 Sede (43) 3422-3020 Fórum de Apucarana (43) 3422-3675

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

Centro-Sul Brasileiro

Centro-Sul Brasileiro Centro-Sul Brasileiro 1. Analise o mapa, que representa as concentrações industriais no Brasil. Concentrações Industriais no Brasil A partir da análise do mapa e de seus conhecimentos, assinale a alternativa

Leia mais

ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES. Renata Maciel Ribeiro

ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES. Renata Maciel Ribeiro ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES Renata Maciel Ribeiro Contextualização do Problema O estado do Pará é um dos estados mais populosos da região norte e o segundo

Leia mais

ANÁLISE REGIONAL DA DINÂMICA DO CRESCIMENTO DO EMPREGO NAS MESORREGIÕES DO PARANÁ 2000 A 2008

ANÁLISE REGIONAL DA DINÂMICA DO CRESCIMENTO DO EMPREGO NAS MESORREGIÕES DO PARANÁ 2000 A 2008 ANÁLISE REGIONAL DA DINÂMICA DO CRESCIMENTO DO EMPREGO NAS MESORREGIÕES DO PARANÁ 2000 A 2008 Resumo: Este artigo analisa a dinâmica do crescimento do emprego nas mesorregiões do Estado do Paraná no período

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A ESTRUTURANTES: Dimensão econômica do espaço geográfico; Dimensão política do espaço Geográfico; Dimensão

Leia mais

Distrito Federal. Tabela 1: Indicadores selecionados: valores do Distrito Federal (1991, 2000 e 2010) Indicador Ano Valor

Distrito Federal. Tabela 1: Indicadores selecionados: valores do Distrito Federal (1991, 2000 e 2010) Indicador Ano Valor Distrito Federal m, no Distrito Federal (DF), moravam 2,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante de 5,% (127,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. No ano de, esta proporção era de apenas 2,5%. esperança

Leia mais

Decomposição do índice de desenvolvimento humano municipal da microrregião de Foz do Iguaçu: uma aplicação da análise shift-share para 2000 e 2010

Decomposição do índice de desenvolvimento humano municipal da microrregião de Foz do Iguaçu: uma aplicação da análise shift-share para 2000 e 2010 Decomposição do índice de desenvolvimento humano municipal da microrregião de Foz do Iguaçu: uma aplicação da análise shift-share para 2000 e 2010 Decomposition of municipal human development Index of

Leia mais

Subsídios para construção dos critérios de priorização RELAÇÃO DAS COMARCAS POR ENTRÂNCIA E POR ORDEM ALFABÉTICA. Hab./Promotor Defasagem Apoio

Subsídios para construção dos critérios de priorização RELAÇÃO DAS COMARCAS POR ENTRÂNCIA E POR ORDEM ALFABÉTICA. Hab./Promotor Defasagem Apoio Subsídios para construção dos critérios de priorização RELAÇÃO DAS POR ENTRÂNCIA E POR ORDEM ALFABÉTICA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Membros jurídico 1 ALMIRANTE TAMANDARE 2 3 40.377 2 2 2 2 ARAUCARIA

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

novembro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (IV): Mudanças na composição da força de trabalho brasileira

novembro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (IV): Mudanças na composição da força de trabalho brasileira 10 novembro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (IV): Mudanças na composição da força de trabalho brasileira Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo.

Leia mais

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013.

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013. Estudo de Perfil do Consumidor Potencial Brasil - Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/ Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010)

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010) Roraima Em, no estado de Roraima (RR), moravam 4,5 mil habitantes, onde uma parcela ainda discreta (3,5%, 15,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 15 municípios, dos quais sete

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EMPREGO FORMAL NO RIO GRANDE DO SUL 1

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EMPREGO FORMAL NO RIO GRANDE DO SUL 1 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EMPREGO FORMAL NO RIO GRANDE DO SUL 1 Dilson Trennepohl 2, Jose Valdemir Muenchen 3, Andressa Schiavo 4, Rayan Bonadiman 5, Vinicio Golin De Senna 6, Fabiani Schemmer 7. 1 Atividade

Leia mais

INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL - MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE. 1

INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL - MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE. 1 INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL - MESORREGIÃO OESTE PARANAENSE. 1 Ronaldo Aparecido da Cunha 2 UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Campus de Cascavel Trabalho orientado pela professora

Leia mais

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010)

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) Adriana Eliane Casagrande 1 Edson Belo Clemente de Souza 2 Eixo temático: POLITICAS DE ESTADO

Leia mais

Pesquisa financiada com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Pesquisa financiada com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). ISSN 2175-3369 Licenciado sob uma Licença Creative Commons MUDANÇAS ESTRUTURAIS DA OCUPAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA NA ECONOMIA REGIONAL DO SUDOESTE PARANAENSE NO INÍCIO DO SÉCULO XXI 1 TÍTULO Labor structural

Leia mais

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010)

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010) Paraíba Em, no estado da Paraíba (PB), moravam 3,8 milhões de pessoas, onde uma grande parcela (8,5%, 321,2 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 223 municípios, dos

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL E BEM ESTAR SOCIAL NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ. Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS

A RELAÇÃO ENTRE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL E BEM ESTAR SOCIAL NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ. Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS A RELAÇÃO ENTRE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL E BEM ESTAR SOCIAL NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS Flávia Henrique Sousa Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Rua Antônio

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA Ano 3 - N 9 Setembro 216 Curso de Ciências Econômicas Laboratório de Economia Aplicada Projeto de Extensão: Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Este

Leia mais

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010)

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010) Espírito Santo Em, no estado do Espírito Santo (ES), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,1%, 249, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios, dos

Leia mais

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010)

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010) Mato Grosso do Sul Em 21, no estado de Mato Grosso do Sul (MS), moravam 2,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,6%, 162,2 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios,

Leia mais

Análise da evolução dos preços de milho no Brasil

Análise da evolução dos preços de milho no Brasil Introdução Análise da evolução dos preços de milho no Brasil Michele Souza Freitas (1), Rubens Augusto de Miranda (2), João Carlos Garcia (3) Segundo a Conab, na safra 2014/15, dos 202,3 milhões de toneladas

Leia mais

Setor Público Brasileiro

Setor Público Brasileiro PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Parceria FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 25 Evolução das

Leia mais

a) b) c) d) e) 3 2 1

a) b) c) d) e) 3 2 1 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 7 ª TURMA(S):

Leia mais

2,56 VITÓRIA AÇO POLO 3,08 2,15 91/96 96/00 POLO VITÓRIA

2,56 VITÓRIA AÇO POLO 3,08 2,15 91/96 96/00 POLO VITÓRIA MG-ES: BREVE ANÁLISE DEMOGRÁFICA Na região delimitada pelo retângulo entre as capitais Belo Horizonte e Vitória, na qual se insere o eixo produtivo MG-ES, de acordo com dados de 2000, vivem quase 0 milhões

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORDESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORDESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Adriana Maria Rocha Trancoso Santos 1 Gérson Rodrigues dos Santos 2 Nilcilene das Graças Medeiros 1 Eduardo

Leia mais

Curitiba - Matrícula na Educação Básica

Curitiba - Matrícula na Educação Básica Alunos Matriculados por Município na Educação Básica do Paraná - Série Temporal 2007-2013 O presente estudo, baseado nas informações do Censo Escolar do MEC/Inep, incluindo os dados de 2013 recém divulgados,

Leia mais

EVIDÊNCIAS SOBRE OS MOVIMENTOS PENDULARES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PARANÁ

EVIDÊNCIAS SOBRE OS MOVIMENTOS PENDULARES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PARANÁ EVIDÊNCIAS SOBRE OS MOVIMENTOS PENDULARES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PARANÁ Palavras-chave: movimento pendular; trabalhadores pendulares; estudantes pendulares; município polo Cascavel. Autores: Raquel

Leia mais

REGIONALIZAÇÕES DO ESPAÇO BRASILEIRO

REGIONALIZAÇÕES DO ESPAÇO BRASILEIRO REGIONALIZAÇÕES DO ESPAÇO BRASILEIRO O que é regionalizar? É dividir o espaço em regiões. É uma parte do espaço que tem traços comuns e é relativamente diferente das áreas vizinhas. Para que regionalizar?

Leia mais

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina.

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. RESUMO FRACASSO, Rafael Monari. Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. 2015. 202 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal Área: Produção Florestal) Universidade do

Leia mais

IV SIMPGEO - Simpósio Paranaense de Pós-Graduação em Geografia Entre o pensar e o fazer em Geografia

IV SIMPGEO - Simpósio Paranaense de Pós-Graduação em Geografia Entre o pensar e o fazer em Geografia ISSN 2175-232X IV SIMPGEO - Simpósio Paranaense de Pós-Graduação em Geografia Entre o pensar e o fazer em Geografia Unioeste-Campus de Marechal Cândido Rondon 18 a 20 de junho de 2009 OS DESAFIOS REGIONAIS

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO OESTE DO PARANÁ: O QUE MOSTRAM OS INDICADORES? 1

DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO OESTE DO PARANÁ: O QUE MOSTRAM OS INDICADORES? 1 DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO OESTE DO PARANÁ: O QUE MOSTRAM OS INDICADORES? 1 Jandir Ferrera de Lima 2 Amarildo Hersen 3 Cristiane Fernanda Klein 4 Resumo Este artigo analisa a evolução do Índice

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS OCUPADOS NA INDÚSTRIA DA TRANSFORMAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS OCUPADOS NA INDÚSTRIA DA TRANSFORMAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS OCUPADOS NA INDÚSTRIA DA TRANSFORMAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Djalma de Sá Economista, bolsista do IPEA/PROREDES E-mail: djalmadesa@gmail.com Anael Pinheiro

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS

CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS Professor: Gelson Alves Pereira 1- O QUE É REGIONALIZAÇÃO É a divisão de um espaço ou território

Leia mais

ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL COM OS DEMAIS PAÍSES DO BRICS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014

ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL COM OS DEMAIS PAÍSES DO BRICS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL COM OS DEMAIS PAÍSES DO BRICS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014 OLIVEIRA, Luiz Henrique 1 ROSA, Tatiana Diair L. Franco 2 As relações entre os

Leia mais

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, SETEMBRO DE 2011 03 2011 PANORAMA GERAL O crescimento

Leia mais

PERFIL DO CONSUMIDOR NO MÉDIO MEARIM DO MARANHÃO: QUALIDADE DO ATENDIMENTO RECEBIDO NO PROCESSO DE COMPRA E VENDA NA REGIÃO

PERFIL DO CONSUMIDOR NO MÉDIO MEARIM DO MARANHÃO: QUALIDADE DO ATENDIMENTO RECEBIDO NO PROCESSO DE COMPRA E VENDA NA REGIÃO PERFIL DO CONSUMIDOR NO MÉDIO MEARIM DO MARANHÃO: QUALIDADE DO ATENDIMENTO RECEBIDO NO PROCESSO DE COMPRA E VENDA NA REGIÃO RESUMO: O objetivo desse artigo é compreender os principais indicadores quanto

Leia mais

As atividades produtivas nas microrregiões paranaenses

As atividades produtivas nas microrregiões paranaenses As atividades produtivas nas microrregiões paranaenses Augusta Pelinski * Jandir Ferrera de Lima ** Jefferson Andronio Ramundo Staduto *** RESUMO - O objetivo deste trabalho é analisar a concentração de

Leia mais

A RELAÇÃO PÚBLICO X PRIVADO DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS PRESTADOS NA REGIÃO OESTE NOS ANOS DE 2006 E 2007 1

A RELAÇÃO PÚBLICO X PRIVADO DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS PRESTADOS NA REGIÃO OESTE NOS ANOS DE 2006 E 2007 1 A RELAÇÃO PÚBLICO X PRIVADO DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS PRESTADOS NA REGIÃO OESTE NOS ANOS DE 2006 E 2007 1 CHRISTIANE KARLA SPIELMANN 2 INTRODUÇÃO Por muitos anos a assistência social foi vista com

Leia mais

Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades Catarinenses apresenta queda em março

Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades Catarinenses apresenta queda em março Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 03 Março/2015 Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS

PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I - N I - MARÇO 2007 PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1999-2004 ARAXÁ - MG Introdução

Leia mais

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO Estabelecimentos, emprego formal e rendimentos: NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 PANORAMA GERAL Esta nota analisa o perfil

Leia mais

As cidades e a classe criativa no Brasil

As cidades e a classe criativa no Brasil As cidades e a classe criativa no Brasil André Braz Golgher Esse trabalho tem como objetivo replicar em parte o que foi feito em Cities and the Creative Class (Florida, 2005). Para tanto, foram confeccionados

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ANDRIA, Leandro Ribeiro de 1 ROSA, Tatiana Diair Lourenzi Franco 2 A

Leia mais

EXTERNALIDADES SOCIAIS DOS DIFERENTES COMBUSTÍVEIS NO BRASIL

EXTERNALIDADES SOCIAIS DOS DIFERENTES COMBUSTÍVEIS NO BRASIL EXTERNALIDADES SOCIAIS DOS DIFERENTES COMBUSTÍVEIS NO BRASIL Márcia Azanha Ferraz Dias de Moraes Cinthia Cabral da Costa Joaquim José Maria Guilhoto Luiz Gustavo Antonio de Souza Fabíola Cristina Ribeiro

Leia mais

ATIVIDADE DE BASE E MULTIPLICADOR DE EMPREGO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O OESTE DO PARANÁ

ATIVIDADE DE BASE E MULTIPLICADOR DE EMPREGO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O OESTE DO PARANÁ ATIVIDADE DE BASE E MULTIPLICADOR DE EMPREGO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O OESTE DO PARANÁ Paulo Henrique de Cezaro Eberhardt 1 Ricardo Rippel 2 Jandir Ferrera de Lima 3 Moacir Piffer 4 Área Temática: Métodos

Leia mais

Inserção internacional. Mudanças sócio-demográficas

Inserção internacional. Mudanças sócio-demográficas Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Islândia Inglaterra Oceano Atlântico França Espanha Itália ÁFRICA Essa região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Oceano Atlântico

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro

Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 02 Fevereiro/2015 Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro Desde

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE SANTA ROSA 1

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE SANTA ROSA 1 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE SANTA ROSA 1 Gianine Taís Karlinski Santos 2, José Valdemir Muenchen 3, Luciano Zarberlan 4. 1 Trabalho resultante do Projeto de Extensão Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica

Leia mais

Migração. João Vechio Laurent Alphonse Rafael Silva

Migração. João Vechio Laurent Alphonse Rafael Silva Migração João Vechio 076761 Laurent Alphonse - 094876 Rafael Silva 095831 Agenda Histórico Incongruência Comparativa Reflexão Econômica Fluxos Migratórios no Mundo: 2006 Fluxos Migratórios para o Brasil

Leia mais

Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação de R$ 0,497 por litro

Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação de R$ 0,497 por litro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 05 Maio/2015 Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação

Leia mais

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA RESUMO Sidnéia Mardegan¹ Fabiana Skiavine Moya da Silva² ¹Acadêmica do Curso de Nutrição UNIAMERICA ²Nutricionista docente da Faculdade União das Américas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO RESULTADOS E DISCUSSÃO 72 O baixo número de indicadores nas dimensões espacial e ecológica reflete a pouca disponibilidade de dados relacionados. Contudo, os temas analisados nessas dimensões estão estritamente

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE PANAMBI, RS 1

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE PANAMBI, RS 1 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE PANAMBI, RS 1 Eduarda Luana Tomczak 2, Bárbara Naiara Nestler 3, Lais De Oliveira Lourega 4, Martin Ledermann 5, Jose Valdemir Muenchen 6, Nelson Jose

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Lúcia Rolim Santana de Freitas, Leila Posenato Garcia, Ana Cláudia Sant Anna, Luís Carlos Garcia de Magalhães, Adriana Pacheco Aurea.

Lúcia Rolim Santana de Freitas, Leila Posenato Garcia, Ana Cláudia Sant Anna, Luís Carlos Garcia de Magalhães, Adriana Pacheco Aurea. Condições de vida das famílias brasileiras e gastos com medicamentos: estudo das desigualdades a partir das Pesquisas de Orçamentos Familiares 2002-2003 e 2008-2009 Eixo: Financiamento dos Sistemas de

Leia mais

Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta maior variação no preço da gasolina em janeiro

Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta maior variação no preço da gasolina em janeiro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 01 Janeiro/2015 Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016

NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016 NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2016 Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016 A Figura 1 mostra a espacialização da precipitação do Nordeste brasileiro: (a) registrada

Leia mais

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA 1 COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA Sérgio Furtado - Consultor do Projeto Cooperar 1 DESEMPENHO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS NO ESTADO DA PARAÍBA EM 2012

Leia mais

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos Taxa de participação feminina tem comportamento diverso nas regiões E ntre 2014 e 2015, a proporção de mulheres com dez anos ou mais inseridas no mercado

Leia mais

A região oeste do Paraná precisa de um shopping de porte e qualidade, com o mesmo padrão dos shoppings de outras grandes cidades.

A região oeste do Paraná precisa de um shopping de porte e qualidade, com o mesmo padrão dos shoppings de outras grandes cidades. A região oeste do Paraná precisa de um shopping de porte e qualidade, com o mesmo padrão dos shoppings de outras grandes cidades. Foto: Vanderlei Faria/Secom Fundada em 1952, teve seu desenvolvimento planejado

Leia mais

CÓDIGOS DO PARANÁ. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001

CÓDIGOS DO PARANÁ. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 CÓDIGOS DO PARANÁ Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 UF MUNICÍPIO CÓDIGO DE ÁREA PR ABATIÁ 43 PR ADRIANÓPOLIS 41 PR AGUDOS DO SUL 41 PR ALMIRANTE TAMANDARÉ 41 PR ALTAMIRA DO PARANÁ 42 PR ALTO

Leia mais

Total de homens Total de mulheres

Total de homens Total de mulheres Nome do população população 4100103 Abatiá 8.259 3.911 3.842 5.721 2.032 7.753 4100202 Adrianópolis 7.007 3.296 3.078 2.060 4.314 6.374 4100301 Agudos do Sul 7.221 4.306 3.964 2.822 5.448 8.270 4100400

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

O MULTIPLICADOR DE EMPREGO E A LOCALIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES PRODUTIVAS DAS REGIÕES DO BRASIL

O MULTIPLICADOR DE EMPREGO E A LOCALIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES PRODUTIVAS DAS REGIÕES DO BRASIL O MULTIPLICADOR DE EMPREGO E A LOCALIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES PRODUTIVAS DAS REGIÕES DO BRASIL AUTORES: Cristiano Stamm Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Estadual do

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO SUDESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO SUDESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. A reestruturação do espaço mundial:modos de 1. Entender a reestruturação

Leia mais