falta dinheiro. Precariedade, desemprego, remuneração, hospital fechado, dinheiro voando.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "falta dinheiro. Precariedade, desemprego, remuneração, hospital fechado, dinheiro voando."

Transcrição

1 Transversalidades políticas no processo de subjetivação do Cuidado em Saúde Enéas Rangel Teixeira 1 INTRODUÇÃO Neste artigo discuto os conteúdos referentes às implicações políticas do contexto saúde no cuidado em saúde. Procuro falar deste território, entendido como o campo onde estão inseridos os sujeitos, as instituições, as técnicas, as ações, os paradigmas e as subjetividades. Deste modo, faço alguns esclarecimentos conceituais referentes à subjetividade e à política, envolvendo o território saúde, trazendo a questão do desencantamento e do controle do desejo. O método adotado foi a pesquisa-ação, a qual foi realizada com grupos de graduandos em enfermagem inscritos numa disciplina que trata do cuidado com o corpo e a subjetividade. Participaram da pesquisa 92 sujeitos. Os temas norteadores foram: O que me encanta? O que me desencanta na enfermagem? Os sujeitos da pesquisa responderam e discutiram questões através de desenhos e expressões verbais em dinâmicas de sensibilidade em grupo. Como recorte para esse capítulo, discuto a dimensão política do cuidado na perspectiva da subjetividade esquizoanalítica.(teixeira, 2006) As discussões com os integrantes da pesquisa confirmaram as deficiências no sistema de saúde. Os conteúdos emergiram nas dinâmicas foram muito significativos no que diz respeito ao desencanto com a arte de cuidar. Os participantes da pesquisa expressaram suas idéias e sentimentos num momento caótico de descaso com a saúde, que repercute na realidade de trabalho e, especificamente, no contexto de um hospital universitário, que é campo de estágio para os graduandos de enfermagem. RESULTADO E DISCUSSÃO Os discentes perceberam que o cenário político interfere nas ações dos profissionais de saúde, o qual favorece maior demanda de clientes para o nível de tratamento e reabilitação. Este nível de atenção em saúde requer tecnologias, investimentos financeiros e profissionais especializados, onerando ainda mais o sistema. Assim, os depoentes se expressaram: Faltam remédios nos hospitais, nas farmácias, falta dinheiro. Precariedade, desemprego, remuneração, hospital fechado, dinheiro voando. 1 Enfermeiro, psicólogo, doutor em enfermagem, pós-doutorando em psicologia clínica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Titular do Departamento de Enfermagem Médico cirúrgica da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense.

2 Inicialmente, as contradições na saúde indicam que para o cuidado ser, de fato, exercido, precisa de uma base material, que passa pelo campo da subjetividade capitalista de produção. Com efeito, o descaso com a saúde gera atitudes antiéticas e práticas iatrogênicas produtoras de desencantamentos. Deste modo, disseram os alunos: O descaso com a saúde; hospitais vazios, falta de material de trabalho, a política que não ajuda em nada. A discussão política é pertinente neste trabalho, pois como abordei desde o início, para que o cuidado seja transformador, este tem que se fazer político, ou seja, mover-se no campo social, direcionando condutas e desfazendo-se de tiranias instituídas. O político faz parte da vida, referindo-se à organização coletiva do homem civilizado. Essa dimensão engloba o Estado, seus agentes de ressonância (escola, igreja, família, forças armadas, saúde e outros) e as formas de vida do sujeito. Assim, o político está relacionado à organização e à direção da conduta do sujeito e às suas relações com as demais pessoas, no sentido filosófico da palavra (Lalande, 1996, p.822). O politiker (do grego) por mais fascinante, assustador e desgastante que seja, refere-se à propriedade de administrar e de se posicionar, abrangendo as condições de trabalho e a maneira como os sujeitos gerenciam suas vidas. Tais aspectos relacionados às políticas públicas de saúde interpenetram-se e expressam-se nas micropolíticas institucionais. As condições de saúde da população indicam como a sociedade está organizada e distribui seus bens materiais, o que passa, portanto, pelas relações de poder. Dessa maneira, o político pode permitir a felicidade ou a infelicidade do homem. A história das políticas no Brasil demonstra um percurso de mando e desmando, de autoritarismo e de um egocentrismo sem precedentes das elites brasileiras, que aumentaram as desigualdades e a marginalização na população brasileira. De modo que ações de autoridades se confundem com autoritarismo, dominação e exploração, que resíduos ainda operantes do colonialismo. No campo da saúde, existem produções contínuas de subjetividades que norteiam as formas de vida dos sujeitos, produzidas pelo efeito da junção Estado e Medicina. Essas subjetividades visam homogeneizar as pluralidades, as criações originais e o próprio desejo para sustentar o sistema produtivo. São subjetividades de produção em série, capitalistas de corpos, ações, rostos, formas de cuidados, esteriótipos e técnicas. Guattari (1993) não faz uma hierarquia das instâncias determinantes na produção de subjetividades como estado, igreja, mídia, família, serviço de saúde, indivíduo. Desta forma, o Estado não é sempre o determinante e nem o sujeito passivo à sua intervenção, pois o indivíduo pode, também, gerar novos sentidos e modificar o contexto. Assim, a economia libidinal e política estão articuladas, de modo que as subjetividades envolvem o

3 individual, o social e o político. Enfim, existe um componente inconsciente que é maquínico, ou seja, de produção contínua de sentidos no cenário político. A esquizoanálise, termo criado por Guattari (1993, 1996a), coloca que o indivíduo, o grupo ou a sociedade pode reagir e transformar a realidade pela expressão desejante no campo social, rompendo com as camisas de forças do instituído, através de agenciamentos coletivos e ações compartilhadas em grupo. É nessa tônica do político com o sensível que Barbier (1996, p. 275) defende a sociologia criadora, que articula forçosamente os quatros pólos: do existencial, do analítico, do político e do poético, e não se contenta com os aspectos redutores do emocionalismo fusional (o movimento do potencial humano) e dos dogmatismos em moda (psicanalismo e dogmatismo calcificados). De acordo com essas premissas, o limite entre o social e o individual pode ser tênue pois ele expressa a sociedade, bem como suas contradições e recursos. O descaso com a saúde, a falta de subsídios para o trabalho é uma expressão dessa dicotomia entre a economia política e a economia libidinal, de modo que, cuidado e afeto estão dissociados. Em síntese, a subjetividade está relacionada ao imaginário social, às máquinas produtoras de subjetividades e ao desejo de transformação da vida, na medida em que existe a pulsação política do desejo, de gerar utopias, de criar e produzir mudanças na realidade. Conseqüentemente, saúde implica em dinheiro, em investimento de capital, não sendo viável uma pessoa cuidar de seu corpo se ela não tiver algum recurso financeiro. Os discursos e desenhos dos alunos expressaram uma realidade local, mas foram sendo trabalhados no sentido de realizarem maiores reflexões do contexto social da saúde diante das políticas públicas. Assim sendo, tal contexto se reflete nos comportamentos e atitudes dos profissionais, dificultando a qualidade da atenção em saúde. Desencanta, quando queremos ajudar, mas não é possível, principalmente pelas condições precárias de saúde, endossou um discente. Os sujeitos da pesquisa demonstraram uma insatisfação com o campo da saúde, o qual não permite um cuidado de qualidade e satisfatório. No entanto, eles externalizaram que supostamente sabiam o que teria que ser feito, sob o ponto de vista técnico, mas sentiram-se impotentes diante da falta de subsídios e perspectivas. Sabe-se que a realização do cuidado tangencia os limites da realidade criada pelas condições deficientes da saúde falta de infra-estrutura adequada, a mercantilização da saúde, atendimento inadequado entre outros. Sendo assim, os obstáculos traduzem-se pela deficiência das condições de trabalho e pela ausência de postura ética de determinados profissionais de saúde, que são favorecidas pelas políticas sociais inadequadas que interagem com as micropolíticas

4 das instituições. Muitas vezes não há espaço (liberdade) para o enfermeiro desenvolver seus trabalhos. Má remuneração do profissional, não valoriza a qualidade do trabalho realizado como ressaltaram alguns depoentes. O espaço público de saúde, nessa subjetividade capitalista, torna-se árido e incômodo, pois não se ajustou completamente ao fluxo da privatização do setor saúde. E isso não quer dizer também, que se ajustando a lógica neoliberal, a situação seria melhor. Neste sentido, forças dominantes tiram o caráter vitalizante desse campo, que representa o bem-estar e a saúde dos clientes e dos que cuidam. Então, existe uma produção da máquina sobrecodificadora 2 contra a produção do desejo máquina mutante nesse espaço, que forma um território gerador de mal-estar, de insatisfação e de anulação dos desejos. Quero deixar claro aqui, que o serviço privado não é necessariamente melhor e mais eficiente do que o serviço público. Pelo contrário, nesses espaços, a saúde é considerada como mercadoria e o lucro como fim, estando o cuidado de Enfermagem voltado para tal propósito. É importante pensar que os aspectos macro-sociais potencializam os das micropolíticas institucionais, das relações humanas e da qualidade do cuidado não têm material, roupa de cama e medicação. Entretanto, se os aspectos micropolíticos do cotidiano não sofrerem transformações, permanecerão reforçando as políticas perversas do sistema produtivo. Exemplifico isso, quando o profissional desconsidera a dimensão subjetiva do cliente, não se deparando com os sentimentos, sofrimento e doença. A subjetividade capitalista tenta transformar a saúde numa mercadoria, de forma que se vende cuidados para determinados órgãos e sistemas. Neste sentido, diz Guattari (1987, p.20) O capitalismo não só explora a força de trabalho da classe operária como também manipula em seu proveito as relações de produção, insinuando-se na economia desejante dos explorados. Os desencantamentos, no território saúde, constituem o contrário de tudo que ocorreu nas conquistas sociais nesse campo. Essa situação morbífica foi gerada, na verdade, pela falta de ética e por uma má administração dos bens e serviços nessa esfera, que foi insensível, autoritária e excludente. Saúde implica em planejamentos e distribuição de recursos com senso de justiça, ou seja, quanto maior a exclusão, maior será a desigualdade e produção de doenças. Entendê-la como um projeto político, e não meramente como um conceito, é importante para o enfermeiro, que deve ter como meta essa perspectiva, pois os atos são políticos e movem-se num território composto por uma rede de subjetividades que se entrelaçam. 2 Máquina sobrecodificadora no sentido que ela controle a vida, os devires e a transformação. O Estado, as instituições, as disciplinas aderem-se a esse sistema sobrecodificador. Todavia a máquina mutante sempre gera mudança, pois ela é movida pelo fluxo desejante.

5 De certo modo, é importante atentar para esta dimensão política do cuidado trazida pelos alunos, pelos estudos em subjetividades, pelos marcos conceituais de enfermagem e pelas discussões dos seminários de mudança curricular. A enfermagem, enquanto prática social, insere-se num território movido por ações políticas. Ser enfermeiro é saber trabalhar em grupo, se relacionar com o outro por meio de sua personalidade terapêutica ou de suas habilidades técnicas. A enfermagem é uma prática de saúde, inserida numa malha de significantes, de cultura, de pluralidades e de transversalidades, na qual os saberes instrumentais e estéticos criam condições para traçar um perfil e habilidades frente às diversidades do cotidiano. Logo, a transformação da realidade, implica numa prática política. Nessa linha de raciocínio, um depoente colocou que o contexto de saúde atual limita as ações de enfermagem: O sistema não funciona, faz com que fiquemos limitados quanto à ajuda. É triste saber que alguém precisa de ajuda e não pode fazer nada. Estamos limitados, as coisas fogem ao controle, não somos deuses, não podemos mudar o mundo. Não se pode esquecer, que o cuidado curativo requer investimentos que são onerosos para o próprio Estado, apesar de muitos desejarem lucrar com a doença. Portanto, a lógica capitalista também visa investir em ações profiláticas para amenizar os custos hospitalares. Todavia, o próprio capital demonstra seu lado perverso, na medida em que favorece os hospitais universitários ficarem em situação de penúria, favorecendo o processo de privatização. Entretanto, esse processo, pode parecer inicialmente promissor em termo financeiro, mas pensando do ponto de vista ético, pode-se perguntar como ficará a população que é atendida pelos serviços públicos de saúde. Um leito inadequado para usar. Pacientes cujas necessidades são subestimadas e por isso são tratados de forma desigual, expressou um depoente. Desejo ressaltar que no campo da saúde, essa subjetividade tecnicista assentada no modelo biomédico clássico, originou-se do paradigma flexineriano, oriundo dos Estados Unidos no século XX, que centralizava as ações de saúde na atenção médica e abarcava a visão mecanicista, a medicina dos órgãos e as especializações. O sujeito/comunidade, nesse paradigma, era visto como passivo, à mercê das intervenções dos programas de saúde e dos técnicos. Não havia, portanto, dialogicidade, participação e respeito aos valores culturais e movimento social do sujeito. Esse paradigma não dá mais conta da complexidade da saúde, que requer uma abordagem transdisciplinar de intervenção, associando-se a um projeto político de transformação. Segundo Plastino (2001, p.47), O notável progresso tornado possível pela racionalidade instrumental do paradigma moderno foi sombriamente acompanhado de um pesado custo social, humano e ecológico. Isto ocorreu no campo da saúde, gerando as iatrogenias, os mercantilismos e a dessubjetivação das práticas de cuidado.

6 Entretanto, na atualidade, vale ressaltar que ocorreram eventos de ruptura nesse campo, provocados pela pulsação política do desejo de transformação. Essas conquistas foram resultados de uma mobilização social, diante das desigualdades e do autoritarismo das práticas medicalizantes controladoras e excludentes. Muitas dessas conquistas são legitimadas nas Conferências Nacionais de Saúde, nas Cartas Internacionais, na Constituição Federal e nos Congressos de Enfermagem patrocinados pela Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn). Estes Congressos tematizam a questão política, ética e estética do Cuidar em e Enfermagem. Esses eventos representam marcos de rupturas contra os aguilhões da opressão e má distribuição dos recursos e bens materiais. Tais avanços não foram dádivas do Estado capitalista burguês, mas frutos dos movimentos sociais em prol de transformações profundas por justiça e solidariedade. As Cartas Internacionais de Saúde ( Ministério da Saúde, 2002a, 2002b, 2002c, 2002d) não restringem a saúde a um conceito idealista, mas como projeto político para dar conta dos problemas sociais e do saber relacionado com as pluralidades, das riquezas culturais e subjetividades. Enfim, o entendimento de saúde remete à complexidade. Os conteúdos discutidos durante a pesquisa-ação englobaram aspectos referentes à dimensão política do cuidado, ao ensino, à conduta profissional e às condições de trabalho na saúde. O movimento político de transformação das práticas de saúde inclui o cuidado com o corpo e as ações dos agentes do cuidado. Portanto, tal dimensão permeia o ensino, a pesquisa, a extensão e a assistência em saúde. Constato que apesar de ter ocorrido mudanças no campo da saúde, os resíduos dos antigos modelos ainda são fortes e dominam mentalidades de profissionais, instituições e programas de saúde, de modo consciente ou inconsciente. Isso é de se esperar, no sentido de que uma mudança efetiva ainda não foi operacionalizada, devido aos entraves internos dos sujeitos e aos externos referentes aos jogos de interesses políticos. Diante desse panorama, pode-se perguntar como está a nossa consciência política. Historicamente, no campo da enfermagem, observa-se uma tendência à alienação do sujeito diante das condições paupérrimas dos serviços de saúde. Os discursos dos alunos, apesar de sinalizarem para a questão política, não realizaram uma contextualização consistente sobre tal situação. Assim, eles se restringiram a apontar as deficiências e faltas: Hospitais vazios, falta de amor, de respeito, de humildade e de vontade, inexperiência, falta de material de trabalho, acomodação, o jogo de empurra. Diante disso, procurei discutir com esses mesmos alunos, durante as aulas, a dimensão política associada à subjetividade no campo social da saúde.

7 Nesta linha de pensamento, os discentes iniciaram um processo de compreensão da dimensão transformadora do desejo, e dos obstáculos existentes nas instituições de saúde. Nesta perspectiva, Guattari diz que: Quando os fluxos esquizos são forçados ao exílio, impedidos de serem materializados de construção de novos agenciamentos de desejo, de serem lugar de abertura para transformação pessoal/social, passam a girar em torno de si mesmos, em circuito fechado. Humilhados, adoecem, tornando-se esquizofrenia de asilo, loucura de morte. (1987, p.10) Uma das críticas que se faz na Enfermagem, atualmente, diz respeito à alienação do enfermeiro enquanto trabalhador do campo da saúde e à ausência de um posicionamento político claro diante do seu trabalho. Portanto, intervir na Enfermagem implica numa ação política, na forma que se administra as ações, os sentimentos e a linguagem. Desse modo, a postura, a temática empregada, a forma de relacionamento com o outro, o tipo de material utilizado, as crenças desembocam direta ou indiretamente para esse aspecto. Neste sentido, as instituições públicas de saúde refletem um lugar de suposto fracasso do capital estatal. Portanto, o enfermeiro tende a manter o instituído, as normas, mas o seu desejo pode se expressar de modo invertido frente às tensões do cotidiano, gerando doenças, abandono do emprego, atitudes iatrogênicas, entre outros aspectos. Assim, um aluno se expressa: falta de consciência política e sua real importância, para de fato, transformar a prática. É importante desenvolver a consciência política, que passa evidentemente, pela percepção do imaginário e dos sentimentos envolvidos dos sujeitos. Contudo, o poder político pode controlar o desejo por meio da repressão, que usa o medo para coagir, característica do fascismo. Este tipo de controle, ainda age nos sujeitos, de modo a dificultar o seu posicionamento político, que requer um certo grau de reação. A repressão das expressões de vida do sujeito, de sua capacidade desejante leva ao surgimento do mal-estar social, gerando as psiconeuroses, as doenças psicossomáticas e as afecções orgânicas propriamente ditas. Os homens adquirem saúde ou adoecem socialmente. Indo mais além, é no impedimento da capacidade de amar e ser amado que se origina a enfermidade. É própria da vida biológica a expressão do amor, da sexualidade e do desejo. No entanto, os sistemas educativos e os valores patriarcais da nossa cultura e sociedade existentes há milênios, controlam a vida, a sexualidade e o desejo (Reich,1986,1988). A subjetividade capitalista, a serviço da lógica do mercado se infiltra desde o íntimo de uma criança, passando pelas instituições até ações do Estado. Enfim, ninguém

8 está livre da subjetividade capitalista, mas é possível criar linhas de fuga para as expressões genuínas do desejo de vida. Os integrantes da pesquisa colocaram que as expressões desejantes dos clientes sinalizam para a qualidade de vida na medida em que exprimem o desejo de ser bem cuidado, ser cidadão, ser bem tratado como ser individual e social, ter seu corpo respeitado, não sentir dores, ser socorrido e de vivenciar a vida, doença e a própria morte com dignidade. Essas enunciações possibilitam entender o desejo numa dimensão social, como pontua Guattari e Rolnik (1986, p.232) nas cartografias do desejo: Partimos mais da idéia de uma economia coletiva, de agenciamentos coletivos de desejo e de subjetividade que, em algumas circunstâncias, alguns contextos sociais, podem se individualizar. Tal visão não implica numa posição de paralisia, mas envolve o nosso compromisso com o desejo de melhores condições de vida. Enfim, é preciso ver a vida num processo contínuo de mudanças, de percepções, valores e hábitos. Muitas vezes, sentimentos de piedade podem nortear a motivação para o cuidado do sujeito, de modo a percebê-lo como frágil, passivo e dependente das ações controladoras dos profissionais. Entretanto, o cuidado, em última instância, visa restituir, no sujeito, sua capacidade sensível, de modo a resgatar a sua espontaneidade para a vida. Isto se constitui num posicionamento político, pois muda a forma de agir e rompe com as políticas verticais e impositivas. Assim sendo, só faz sentido falar em cuidado transformador se favorecermos as expressões desejantes do sujeito, a capacidade de amar, de se cuidar, de desenvolver a auto-estima e a capacidade criativa. Deste modo, cabe a nós uma contínua reflexão sobre nossas ações e percepções frente à vida do cliente e do cuidado. Os co-participantes dessa pesquisa falaram de um efeito do cuidado sobre a saúde do sujeito, de modo a favorecer o bem-estar. Portanto, os devires que se expressam, são justamente aqueles que suplantam e transgridem modelos de saúde ultrapassados, para criar uma nova territorialização na saúde. Como diz Guattari: Cabe a cada um de nós apreciar em que medida - por menor que seja - podemos contribuir para a criação de máquinas revolucionárias políticas, teóricas, libidinais, estéticas, capazes de acelerar a cristalização de um modo de organização social menos absurdo do que o atual. (1987, p. 225) Neste sentido, vamos assistindo à construção de uma teoria do desejo no campo social, onde a economia política e a economia libidinal não são inseparáveis (Guattari, 1987). Em decorrência disso, a subjetividade não tem efeito somente no psicológico, mas também no meio-ambiente, nas técnicas e nos posicionamentos políticos da arte de cuidar.

9 Enfim, um trabalho que lida com a subjetividade não pode separar o desejo da dimensão política, pois quando se intenciona cortar o desejo do trabalho, eis o imperativo primeiro do capital. Separar a economia política da economia desejante: eis a missão dos teóricos que se colocam a seu serviço (Idem, p.78). Portanto, o encantamento pelo que se faz é estético e ético. O estudo da sensibilidade no cuidado vislumbra o resgate da satisfação do trabalhador. CONSIDERAÇÕES FINAIS Urge criar espaços, tanto na formação quanto no cuidado com o cliente, para gerar recursos do desejo, que desterritorializam as subjetividades capitalistas. No processo desejante e de novos devires no cuidado com o corpo, é preciso ouvir nossos desejos, para não sermos capturados pelos modelos capitalistas, de produção em série de modos de ser. Enfim, colocar-se à escuta dos verdadeiros desejos do povo implica que sejamos capazes de nos colocarmos à escuta de nosso próprio desejo e daquele de nosso entorvo mais imediato (Ibid, p.44). É óbvio que a dimensão sensível do cuidar, implica em condições satisfatórias de trabalho e da criação de ambientes terapêuticos. Para o sujeito encantar-se em sua profissão, é preciso ter elementos motivadores, que gerem impulsos para inovação e a criação, e isto evidentemente passa pelas condições subjetivas, humanas, espirituais e materiais da existência. Essa posição reafirma um compromisso com a vida e com a ética do desejo, da qual todas as expressões, que emergiram dos conteúdos artísticos e verbais dos alunos, as que se referem ao desencantamento, exprimem um desejo de transformação, diante do mal-estar do atual território de saúde. A insatisfação, ao meu ver, pode gerar movimento de novas linhas de fuga, em busca de utopias, de um vir a ser, em busca da cidadania, da participação dos usuários no campo da saúde. Diante disso, precisamos enfatizar o político na formação, não com um elemento que permanece só na razão, mas que envolve o afeto e o desejo como transformadores. Para isso, é importante repensar os programas de ensino fundamental, médio e superior, os quais carecem de uma conexão com a construção histórica-social do Brasil, que amiúde, ainda deixa muito a desejar. REFERÊNCIAS BARBIER, R.Pesquisa-ação na instrução educativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

10 GUATTARI, F; ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografias do Desejo. Rio de Janeiro: Vozes, GUATTARI, Felix. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, GUATARRI, Felix. As esquizoanálises. São Paulo/ PUC: Cadernos de Subjetividade, v.1, n.1, p , GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. 3 ed. São Paulo : Brasiliense, LALANDE, A. Vocabulário técnico e crítico de filosofia. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Programas e projetos. Promoção da saúde. Net, Carta de Bogotá, Disponível em URL:< http: //www. saude.gov. br>. Acesso em 4 de março de 2002a. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Programas e projetos. Promoção da saúde. Net, Carta de Caribe, Disponível em URL:< http: //www. saude.gov. br>. Acesso em 4 de março de 2002b MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Programas e projetos. Promoção da saúde. Net, Carta de Jacarta, Disponível em URL: < http: //www.saude.gov.br>. Acesso em 4 de março de Acesso em 4 de março de 2002c. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Programas e projetos. Promoção da saúde. Net, Carta de Otawa, Disponível em URL: < http: //www.saude.gov.br>. Acesso em 4 de março de 2002d. PLASTINO, C A. Sentido e complexidade. In: BEZERRA JUNIOR, B; PLASTINO, C A. (org) Corpo, afeto, linguagem: a questão do sentido hoje. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, REICH, W. A revolução sexual. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara,1988. REICH, W. O assassinato de Cristo: volume um de a peste emocional da humanidade. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes,1986. TEIXEIRA, E R. Produções de subjetividades do cuidado em saúde no ensino universitário de enfermagem. Rio de Janeiro: EduUFF/EEAAN, 2006.

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ASPECTOS PSICOAFETIVOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Prof. Enéas R. Teixeira

ASPECTOS PSICOAFETIVOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Prof. Enéas R. Teixeira ASPECTOS PSICOAFETIVOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Prof. Enéas R. Teixeira CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivos da aula Compreender as implicações psicoafetivas nas relações de trabalho em saúde Buscar formas

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Auto-liderança: uma jornada espiritual

Auto-liderança: uma jornada espiritual Auto-liderança: uma jornada espiritual Nos últimos séculos os humanos têm sido cruéis com a vida no planeta. O paradigma mecanicista, ao dar o primado à razão e negligenciado as dimensões emocional e espiritual,

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

2014 Setembro Ed. 16 1

2014 Setembro Ed. 16 1 1 Editorial Caros assinantes, tudo o que fazemos na vida tem por objetivo nossa felicidade. Quando ajudamos outra pessoa sentimos um forte prazer, felicidade. A filosofia nos convida a refletir se fazemos

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

DIACONIA I. Aula nº 4

DIACONIA I. Aula nº 4 DIACONIA I Prof. Dr. Nelson Célio de Mesquita Rocha Aula nº 4 A dimensão prática da Diaconia A prática diaconal é tão antiga quanto a Igreja. 1 Na comunidade dos apóstolos, o compartilhar dos bens fez

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000)

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000) Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: As dimensões do Cuidar e as Competências da

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO

PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação de Surdos e Ensino Superior (UFPR)

Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação de Surdos e Ensino Superior (UFPR) Fundamentos para as Necessidades Educativas Especiais Teleaula 1 Profa. Dra. Sueli Fernandes tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

Abril, 2009. Clínica de Projetos

Abril, 2009. Clínica de Projetos Abril, 2009 Clínica de Projetos Apresentação O Programa Clínica de Projetos Dispositivos da Clínica Ampliada: - Tramando a Rede - Site - Interlocuções - Eventos Clínica de Projetos Clínica de Projetos

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Mini-curso - Descrição

Mini-curso - Descrição Mini-curso - O CORPO NA DINÂMICA DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA E ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA Autora: Profª Drª Alice Maria Corrêa Medina Universidade de Brasília - UnB Resumo

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais