UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP GIULIANO NASCIMENTO RANGEL DE AQUINO ACIDENTES CAUSADOS POR PEIXES DO GÊNERO Pseudoplatystoma EM PESCADORES PROFISSIONAIS DE CORUMBÁ E MIRANDA, MATO GROSSO DO SUL CAMPO GRANDE MS 214

2 GIULIANO NASCIMENTO RANGEL DE AQUINO ACIDENTES CAUSADOS POR PEIXES DO GÊNERO Pseudoplatystoma EM PESCADORES PROFISSIONAIS DE CORUMBÁ E MIRANDA, MATO GROSSO DO SUL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade Anhanguera-Uniderp, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Comitê de Orientação: Prof. Dr. José Sabino Prof. Dr. Celso Correia de Souza CAMPO GRANDE MS 214 2

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Anhanguera Uniderp A669a Aquino, Giuliano Nascimento Rangel de. Acidentes causados por peixes do gênero Pseudoplatystoma em pescadores profissionais de Corumbá, Mato Grosso do Sul. / Giuliano Nascimento Rangel de Aquino. -- Campo Grande, f. Dissertação (mestrado) Universidade Anhanguera Uniderp, 214. Orientação: Prof. Dr. José Sabino. 1. Pantanal 2. Pesca 3. Pintado 4. Cachara I. Título. CDD 21.ed

4 3

5 AGRADECIMENTOS A Deus, meu Senhor e melhor amigo, que permitiu que tudo pudesse ser realizado e por estar presente em minha vida em todos os momentos; A todos os meus familiares e, em especial, aos meus pais: Antonio e Aparecida; meu irmão: Antonio Jr. (Toninho); minhas tias: Eva, Maria (Bia), Antonia, Joana, Lourdes; Aos meus avós (in memorian); ao primo Leônidas pelo companheirismo na coleta em Miranda; À Rosalourdes, minha amada; Ao Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade Anhanguera-Uniderp pela oportunidade de formação acadêmica; À CAPES pela concessão da bolsa; Ao Professor Dr. José Sabino pela confiança em mim depositada e competência na orientação do meu trabalho; Ao Professor Dr. Celso Correia de Souza pela confiança e apoio; Aos membros da banca: Profa. Dra. Vânia Lúcia Brandão Nunes e Prof. Dr. Vidal Haddad Junior, pela apreciação minuciosa e sugestões que contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho; À secretária do Curso de Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, Alinne Freitas Signorelli, que tantas vezes me socorreu, com toda dedicação e eficiência; À Colônia de Pescadores Profissionais Artesanais de Miranda-MS (Z5), por abrir suas portas e proporcionar uma maior aproximação junto aos pescadores de Miranda; À Colônia de Pescadores Profissionais Artesanais de Corumbá-MS (Z1), pela cooperação para o contato com os pescadores de Corumbá; Agradeço ao Instituto Acaia - Pantanal e ao Instituto Homem Pantaneiro por todo apoio logístico nas coletas ao longo do Rio Paraguai, em Corumbá; À familia Bonfim: Ronaldo, Tatiana, Lucas e Samara, por tornarem meus dias de coleta em Corumbá isentos de melancolia e pelo apoio logístico imprescindível no perímetro urbano; Ao amigo André Batista da Silveira. Obrigado pela paciência, discussões e companheirismo; A todos(as) que eu esqueci, sintam-se lembrados(as) em minha mente. 4

6 SUMÁRIO 1. Resumo Geral Introdução Geral Revisão de Literatura Referências Bibliográficas Artigo Acidentes causados por peixes do gênero Pseudoplatystoma em pescadores profissionais de Corumbá e Miranda, Mato Grosso do Sul Resumo Abstract Introdução... 2 Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusão Referências Bibliográficas Conclusão Geral

7 1. Resumo Geral A atividade pesqueira em toda a Bacia do Alto Paraguai tem grande importância financeira e biológica para aquela região. Este estudo buscou investigar a ocorrência de acidentes provocados por peixes Siluriformes do gênero Pseudoplatystoma em pescadores profissionais do Pantanal nas cidades de Corumbá e Miranda, Mato Grosso do Sul (MS), onde residem 942 pescadores cadastrados no Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (IMASUL). Em Miranda, de um total de 315 pescadores, foram entrevistados 126, sendo que 38 relataram ter sofrido acidentes. Em Corumbá, de um total de 627 pescadores, foram entrevistados 355, sendo que 111 relataram ter sofrido acidentes, totalizando 481 pescadores investigados. Foram feitas visitas aos locais de reunião dos pescadores para o levantamento de informações para o estudo. O método de trabalho dos pescadores os leva a constantes lesões, bastante comuns na atividade pesqueira. Observando a ligação entre a atividade pesca e o uso dos recursos pesqueiros por parte da sociedade que deles dependem, este estudo ajusta-se na linha de pesquisa: Sociedade, Ambiente e Desenvolvimento Regional Sustentável. A pesca profissional no Pantanal é realizada por trabalhadores de baixa escolaridade, adultos ou idosos e com baixo rendimento financeiro. A pesca profissional sujeita os pescadores pantaneiros a um quadro de riscos à saúde e ocorrência de acidentes. Os acidentes causados por Pseudoplatystoma no Pantanal demonstraram ser um evento comum entre os pescadores, tendo a reincidência, uma ocorrência mais perceptível. Foram registrados mais de 7% de ferimentos lacerados e com expressiva presença de edema, eritema e necrose, febre, arritmia, sudorese fria, infecção secundária, irradiação da dor para a raiz do membro e parestesias. Muitos tratamentos discutíveis e inadequados são aplicados, muitas vezes agravando a condição do ferimento. O pescador profissional pantaneiro carece de políticas públicas que visem atender suas necessidades básicas, bem como, estratégias que proporcionem educação ambiental. Palavras-chave: Pantanal, pintado, cachara, pesca profissional, saúde pública. 2. Introdução Geral Desde o surgimento da humanidade, os recursos pesqueiros são considerados fonte de grande importância alimentar, propiciando trabalho e rendimentos àqueles que se dedicam à atividade pesqueira. No passado, acreditava-se que tais recursos eram infindáveis. Todavia, com o desenvolvimento dinâmico e ampliação do conhecimento sobre essa atividade, se constatou que tais recursos, embora renováveis, são finitos e 6

8 carecem de um preceito apropriado para cooperar com o bem estar nutricional, econômico e social (FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS - FAO, 29). A atividade pesqueira é uma das profissões mais extenuantes e arriscadas exercidas pelo homem, estando esses trabalhadores suscetíveis a uma série de perigos e enfermidades. O alto índice de acidentes e doenças registrados nessa atividade reforça para tal entendimento (MINISTERIO DE TRABAJO Y ASUNTOS SOCIALES, 1998). Desta forma, acidentes com equipamentos de pesca, causados por animais, quedas e tantas outras lesões comuns no dia-a-dia dos pescadores profissionais, muitas vezes os atrapalham trabalhar por longos períodos (BRASIL, 29). O perfil do pescador profissional-artesanal no Pantanal é de baixa escolaridade, todavia com muito conhecimento tradicional (EDILSON, 214). Esses trabalhadores possuem residências humildes e precárias, sem saneamento básico, coleta de lixo, atendimento médico e com poucas escolas disponíveis (AMÂNCIO, 29). Os peixes da Ordem Siluriformes possuem ampla distribuição nos mares, ecossistemas de água doce e salobra do mundo todo (BRUNI, 28). São os peixes que mais causam acidentes no Brasil e de modo específico, também em pescadores profissionais de Mato Grosso do Sul (HADDAD JR., 28). Os Siluriformes, popularmente conhecidos como bagres e cascudos, possuem ferrões rijos e serrilhados nas nadadeiras peitorais e na nadadeira dorsal, e tais ferrões, podem causar ferimentos puntiformes ou lacerados (BRUNI, 28; HADDAD JR., 28). Os pescadores profissionais são muito expostos aos acidentes com Siluriformes, sendo o tratamento à base de imersão do membro lesado em água quente por até uma hora e meia, limpeza da área afetada e remoção de fragmentos do ferrão e vacinação contra tétano (HADDAD JR., 23). Não existe antiveneno específico para casos de acidentes causados por peixes no Brasil, sendo apenas tratados os sintomas e lesões (PARDAL, 23). É perceptível o pouco conhecimento sobre os parâmetros de manejo dos vitimados por Pseudoplatystoma, decorrente da carência de informações sobre o tema. Sendo assim, este trabalho visou investigar os aspectos epidemiológicos e os tratamentos destes tipos de acidentes nos municípios de Corumbá e Miranda, Mato Grosso do Sul. 7

9 3. Revisão de Literatura Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a produção pesqueira e aquícola mundial totalizou 168 milhões de toneladas em 21. Os mais importantes produtores em 21 foram a China com 63,5 milhões de toneladas, a Indonésia com 11,7 milhões de toneladas, e a Índia com 9,3 milhões de toneladas. Nesse contexto, o Brasil participou de apenas,75%, refletida em uma produção de toneladas em 21 e,76%, relativo a toneladas em 29, para a totalidade da produção mundial. O Brasil desceu uma posição em relação a 29, passando para a 19ª colocação dentre os grandes produtores mundiais de pescados. Quando se compara apenas a América do Sul, o Peru com 4,4 milhões de toneladas, e Chile com 3.8 milhões de toneladas, apontaram as maiores produções, com seus esforços de pesca voltados para as riquezas do Oceano Pacífico. O Brasil surge como 3º colocado, à frente da Argentina, com uma produção em 21 de de toneladas (MINISTÉRIO DA PESCA E DA AQUICULTURA, 211). A atividade de pesca foi regulamentada no Brasil, há quase 5 anos, pelo Decreto- Lei n. 221/1967 (Código de Pesca) e pela Lei de Pesca n /29. A instituição jurídica do setor pesqueiro no Brasil fomentou e continua impulsionando a sua industrialização (OLIVEIRA e SILVA, 212). A atividade pesqueira em águas continentais é uma fonte de lucro e de alimento essencial para as populações ribeirinhas dos trópicos (PENHA e MATEUS, 27). A pesca é uma ação exercida desde o início da ocupação humana do Pantanal (CATELLA, 21), sendo uma importante atividade econômica e social realizada no Pantanal e em toda a Bacia do Alto Paraguai em Mato Grosso do Sul (BAP/MS) nas modalidades profissional artesanal, esportiva (amadora) e de subsistência (CATELLA, 23). CATELLA (24) observou uma importante queda no interesse pela pesca esportiva no Pantanal Sul (59 mil pescadores esportivos registrados em 1999, 43. em 2, 35. em 21 e 3. em 22), devido à disputa com outras áreas estruturadas de pesca esportiva, dificuldade de acesso e desinteresse por parte dos pescadores esportivos, causado pela diminuição da cota de captura após o ano 2. Esta redução tem causado dificuldades econômicas para o setor turístico de pesca de Mato Grosso do Sul. A BAP está situada no centro da América do Sul, com uma área de 496. km 2 dividida entre Brasil, Paraguai e Bolívia. No Brasil, 73% dessa área encontram-se nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. O relevo é composto por terras baixas e 8

10 sazonalmente alagáveis da planície do Pantanal, com aproximadamente 14. km 2, ao centro, e por terras altas que não alagam no seu entorno. O Pantanal é uma região de grande relevância pesqueira e exibe uma drenagem com rios, lagoas, corixos (riachos transitórios com leito definido) e vazantes (canais de escoamento transitórios sem leito definido) (CATELLA et al., 28). O rio Paraguai é a principal via de escoamento da BAP, drenando vagarosamente na direção norte-sul, com uma vazão média de 1.43 m 3 /s ao deixar a região. Um grande volume de água é acumulado no verão ao norte, leva por volta de seis meses para percorrer os 85 km de extensão da bacia, chegando durante o inverno no sul da região e conservando áreas inundadas por longos períodos. Tal dinâmica gera um pulso de inundação com implicações para a hidrologia e manutenção da biodiversidade regional (CATELLA et al., 28; ALHO e SABINO, 212). Essas condições são propícias para a ictiofauna local, de tal maneira que a pesca tornou-se relevante atividade econômica e social exercida no Pantanal e em toda a bacia. O perfil da atividade vem se alterando durante os anos em consequência de novas disputas sociais, visto que, não houve a constituição de uma política de pesca sólida, com definição e clareza de objetivos em conjunto com os pescadores. Essas resoluções refletiram sobre o desembarque pesqueiro e o bem estar dos pescadores. Todavia, a sustentabilidade pesqueira procede de um gerenciamento apropriado, o que demanda conhecimento das áreas biológicas e socioeconômicas (CATELLA et al., 28). Foram experimentados alguns projetos no passado investigando a coleta de estatísticas pesqueiras nos estados pantaneiros, mas, foram interrompidas. Todavia, foi adquirida muita informação sobre o esforço e o desembarque pesqueiro, que representa uma referência fundamental sobre um período em que era consentido o uso de apetrechos de malha e os estoques encontravam-se semelhantes ao seu estado de conservação original (CATELLA et al., 28). De acordo com QUINTINO (213), acidentes no trabalho são causados por circunstâncias previsíveis que poderiam ser suprimidas com a execução de medidas e técnicas divulgadas e acessíveis. Quando acontece um acidente de trabalho é possível avaliar que as condições ideais de operação não foram obedecidas e ocorreram fatos desagradáveis com prejuízos socioeconômicos. Em geral, acidentes de trabalho são ocasionados por imprudência agregada à execução de uma profissão e operam de forma imprevista e brutal, por vezes provocando ferimentos (CARRILHO, 212). 9

11 A Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirma que anualmente morrem dois milhões de pessoas vitimadas por acidentes de trabalho e doenças vinculadas ao trabalho (QUINTINO, 213). A segurança e saúde no trabalho (SST) é em geral reconhecida como o estudo da prevenção, informação, cálculo e domínio dos riscos efetivos no local de trabalho ou dele procedente, e capazes de prejudicar a saúde e bem estar dos trabalhadores, levando em conta o provável impacto nas comunidades e no meio em geral (ALLI, 28). De acordo com a OIT, o trabalho no setor pesqueiro tem muitas particularidades que o distingue de outros setores. A pesca ocorre em locais que, dependendo das condições meteorológicas, podem proporcionar riscos. Nessa situação o nível de episódios com graves ferimentos e mortes é muito alto (OIT, 211). QUINTINO (213) cita que, na União Europeia, um em cada sete pescadores é acometido por um acidente de trabalho por ano e, a possibilidade de ocorrer um acidente é 2,4 vezes maior que a média de todos os setores industriais na União Europeia. JACINTO et al. (27, apud QUINTINO 213) avaliaram a ocorrência de acidentes de trabalho por 1. habitantes em Portugal. Foi evidenciado que na média do triênio abordado (21 a 23) a atividade pesqueira, apresentou ocorrência de 8.92 casos, sendo suplantado somente pela indústria metalúrgica de base e produtos metálicos, pelas extrativas e pela construção civil. Segundo ANTÃO et al. (28), os acidentes de pesca são consequências de numerosas possibilidades, que vão desde questões pessoais, à instrução, ao planejamento e gestão de segurança do trabalho. A principal meta da atividade pesqueira é a captura da maior quantidade possível de peixes, como resultado, os pescadores ficam comprometidos numa grande diversidade de tarefas, passando por dificuldades, e trabalhando sob elevados níveis de estresse físico e psicológico. Recentemente, a atividade pesqueira profissional, em especial a marinha, sofreu globalização. A tecnologia empregada mudou velozmente, alterando as formas de captura. Tais alterações demandaram uma normatização mundial para os profissionais da pesca, tanto com grandes embarcações, como as de pequeno porte. Os pescadores têm condições de trabalho que diverge das vivenciadas por trabalhadores de outras áreas. A ocorrência de mortes entre pescadores é elevada quando comparada a de outros profissionais. É um ofício arriscado, ainda que comparado a profissões classicamente consideradas perigosas, como bombeiro ou minerador (OIT, 29). 1

12 A antecipação e controle dos riscos profissionais devem ser aplicados em todos os locais de trabalho e para todas as ocupações. No setor pesqueiro os perigos a que os profissionais estão sujeitos não se restringem ao tempo em que se encontram no trabalho a bordo e, por essa razão, a prevenção deverá ser feita para os riscos a que estão sujeitos dentro da embarcação mesmo que não estejam trabalhando (QUINTINO, 213). Os peixes de água doce sul-americanos são, ao lado dos peixes do sudeste da Ásia, os menos conhecidos do meio científico. É necessário que se produzam, o mais breve possível, novos estudos sobre essa ictiofauna, antes que se tornem raros ou mesmo extintos (BÖHLKE et al., 1978). O Pantanal é reconhecido por suas belas paisagens, fauna exuberante e piscosidade de suas águas (SABINO e KRAUSE, 214). Contudo, a pesca excessiva e os impactos ambientais comprometem os estoques de peixes (ANA, GEF, PNUMA, OEA, 24; BENANTE et al., 212). BRITSKI et al. (27) relatam 269 espécies de peixes registrados para o Pantanal, sendo 11 de Characiformes, 15 de Siluriformes, 15 de Gymnotiformes, 17 de Cichlidae, 11 de Cyprinodontiformes e 11 espécies de outros grupos. Muitos peixes pantaneiros são aptos a causar lesões graves por ferroadas ou mordidas (SILVA, 29). Dentre os peixes do Pantanal, algumas espécies têm raios das nadadeiras modificados, afiados e duros, que podem causar perfurações e infecções. Peixes das Ordens Perciformes e Siluriformes são munidos com esse aparato, e alguns deles são comuns no Pantanal (SILVA, 29). Os peixes de importância toxinológica estão reunidos em dois grupos: os venenosos e os peçonhentos. Os venenosos produzem ou assimilam suas toxinas por meio do veneno de plantas, algas, pela cadeia trófica ou por vias metabólicas para a composição de seus venenos. O baiacu é exemplo dessa estratégia. Peixes peçonhentos têm glândulas específicas para secreção de substâncias tóxicas e um mecanismo para inocular o veneno (HALSTEAD, 197; RIFKIN e WILLIAMSON, 1996). Acidentes causados por peixes venenosos dão origem a muitas lesões com sintomas diversificados, como dor intensa, necrose cutânea, bolhas, ulcerações, febre, e de modo pouco frequente morte associada a infecções bacterianas (HALSTEAD, 197; VETRANO et al., 22; HADDAD JR. et al., 23; MONTEIRO-DOS-SANTOS et al., 211). Embora os acidentes com peixes sejam considerados um problema de saúde pública no interior do Brasil, não é feita uma apreciação apropriada e eficiente sobre 11

13 esses acidentes com pescadores profissionais e amadores devido à escassez de dados, subnotificação nas unidades públicas de saúde, dificuldade de acesso, fazendo com que os vitimados não procurem auxílio médico, a não ser que ocorra infecção secundária. É notório que se emprega a medicação popular frequentemente, visto que não existem estratégias para o tratamento e prevenção desses acidentes (GARRONE NETO et al., 25; HADDAD JR. et al., 212). Outro componente inserido é a desinformação da população e de profissionais da saúde, no estado do Ceará, por exemplo, onde frequentemente não são empregadas medidas de primeiros socorros, como a imersão em água quente, além de antibioticoterapia de prevenção, para melhoria do quadro clínico (FACÓ et al., 25). Constata-se, deste modo, que o Brasil tem um déficit de pesquisas sobre acidentes causados por animais aquáticos em humanos, apesar das suas imensas bacias e litoral extenso (SILVA, 29). Peixes da Ordem Siluriformes são os principais causadores de acidentes fluviais relacionados com envenenamento, sobretudo a família Pimelodidae. As pessoas que moram próximas aos rios estão suscetíveis a esse tipo de ocorrência (HADDAD JR., 23). Dada à limitada informação sobre a temática na região (SILVA et al., 21), que tem relevância biológica e de saúde pública, são necessários estudos que investiguem o assunto e permitam seu aprofundamento no sentido de subsidiar políticas públicas de educação, prevenção e profilaxia. 4. Referências Bibliográficas AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Implementação de Práticas de Gerenciamento Integrado de Bacia Hidrográfica para o Pantanal e Bacia do Alto Paraguai ANA/GEF/PNUMA/OEA: Programa de Ações Estratégicas para o Gerenciamento Integrado do Pantanal e Bacia do Alto Paraguai. Brasília: Athalaia Gráfica e Editora, p. ALHO, C. J. R.; SABINO, J. Seasonal Pantanal flood pulse: implications for biodiversity conservation - a review. Oecologia Australis, Rio de Janeiro, v. 16, p ,

14 ALLI, B. O. Príncipios fundamentais de segurança e saúde no trabalho. 2 ed. Genebra: Organização Internacional do Trabalho, p. AMÂNCIO, C. Pescador profissional artesanal: o perigo real da sua extinção. Corumbá, MS: Embrapa Pantanal, p. ADM - Artigo de Divulgação na Mídia, n Disponível em: <http://www.cpap.embrapa.br/publicacoes/online/adm134>. Acesso em: 18 dez ANTÃO, P.; ALMEIDA, T.; JACINTO, C.; GUEDES SOARES, C. Causes of occupational accidents in the fishing sector in Portugal. Safety Science, v. 46, n. 6, p , jul. 28. BENANTE, D. S.; SABINO, J.; ALHO, C. J. R. Avaliação histórica da pesca no Pantanal sul-mato-grossense: contribuição para o debate da sustentabilidade. In: ALVES, G. L.; MERCANTE, M. A.; FAVERO, S. (orgs.). Pantanal Sul-Mato-Grossense - ameaças e propostas. 1 ed. Campinas: Autores Associados, 212, v. 1, p BÖHLKE, J. E.; WEITZMAN, S. H.; MENEZES, N. A. Estado atual da sistemática dos peixes de água doce da América do Sul. Acta Amazonica, Manaus, v. 8, n. 4, p , BRASIL, S. S. Trabalho, adoecimento e saúde: aspectos sociais da pesca artesanal no Pará f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais - Sociologia) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Belém. BRITSKI, H. A.; SILIMON, K. Z. S.; LOPES, B. S. Peixes do Pantanal: Manual de Identificação. 2 ed. revista e ampliada. Brasília, DF: Embrapa Informações Tecnológicas, p. BRUNI, F. M. Avaliação da neutralização de importantes atividades tóxicas induzidas pelos principais peixes peçonhentos brasileiros por um soro poliespecífico produzido em murinos f. Dissertação (Mestrado em Imunologia) - Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 13

15 CARRILHO, P. M. Epidemiologia dos acidentes de trabalho e exercício físico em instituições de apoio a idosos f. Dissertação (Mestrado em Exercício e Saúde) - Instituto Politécnico de Bragança, Bragança. CATELLA, A. C. A Pesca no Pantanal de Mato Grosso do Sul: descrição, nível de exploração e manejo ( ) f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia Inpa; Universidade do Amazonas UA, Manaus. CATELLA, A. C. A pesca no Pantanal sul: situação atual e perspectivas. Embrapa Pantanal, Corumbá, Documentos / Embrapa Pantanal, n. 48, p. 43, 23. CATELLA, A. C. Reflexões sobre a pesca esportiva no Pantanal Sul: crise e perspectivas. Embrapa Pantanal - Artigo de divulgação na mídia (INFOTECA-E) - Ano 24. Disponível em: <http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/handle/doc/812672>. Acesso em: 17 dez CATELLA, A. C.; MASCARENHAS, R. O.; ALBUQUERQUE, S. P.; ALBUQUERQUE F. F.; THEODORO E. R. M. Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 3, n. 3, p , 28. EDILSON, A. D. Análise do perfil socioeconômico, caracterização de acidentes e avaliação do acesso a informações sobre medidas preventivas de acidentes ocasionados por animais aquáticos a pescadores da Bacia do Alto Paraguai, Mato Grosso do Sul f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) - Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, Campo Grande. FACÓ, P. E.; BEZERRA, G. P.; BARBOSA, P. S. F.; MARTINS, A. M. C.; GUIMARÃES, J. A.; LOPES-FERREIRA, M.; MONTEIRO, H. S. A. Epidemiologia dos acidentes por Thalassophryne nattereri (niquim) no Estado do Ceará ( ). Revista da 14

16 Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v.38, n. 6, p , nov-dez. 25. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). Comercio pesquero responsable. Orientaciones Técnicas para la Pesca Responsable. n. 11. Roma, p. GARRONE NETO, D.; CORDEIRO, R.; HADDAD JR., V. Acidentes do trabalho em pescadores artesanais da região do Médio Rio Araguaia, Tocantins, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p , mai-jun. 25. HADDAD JR., V. Acidentes por animais aquáticos brasileiros. In: CARDOSO J. L. C.; FRANÇA F. O. S.; WEN F. H.; MÁLAQUE C. M. S., HADDAD JR. V. (org.). Animais peçonhentos no Brasil: biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. 1 ed. São Paulo: Editora Sarvier, 23, v. 1, p HADDAD JR., V.; MARTINS, I. A.; MAKYAMA, H. M. Injuries caused by scorpionfishes (Scorpaena plumieri Bloch, 1789 and Scorpaena brasiliensis Cuvier, 1829) in the Southwestern Atlantic Ocean (Brazilian coast): epidemiologic, clinic and therapeutic aspects of 23 stings in humans. Toxicon, Oxford, v. 42, n. 1, p , jul. 23. HADDAD JR., V. Animais aquáticos de importância médica no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v.36, n. 5, p , set-out. 23. HADDAD JR., V. Animais aquáticos potencialmente perigosos do Brasil: guia médico e biológico. 1 ed. São Paulo: Roca, 28, v p. HADDAD JR., V.; FÁVERO JR., E. L.; RIBEIRO, F. A. H.; ANCHESCHI, B. C.; CASTRO, G. I. P.; MARTINS, R. C.; PAZUELO, G. B.; FUJII, J. R.; VIEIRA, R. B.; GARRONE NETO, D. Trauma and envenoming caused by stingrays and other fish in a fishing community in Pontal do Paranapanema, state of São Paulo, Brazil: epidemiology, clinical aspects, and therapeutic and preventive measures. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 45, n. 2, p , mar-abr

17 HALSTEAD, B. W. Poisonous and venomous marine animals of the world. 1 ed., Washington, D. C.: United States Government Printing Office, 197, v. 3, p. 16. MINISTÉRIO DA PESCA E DA AQUICULTURA. Ministério da Pesca e da Aquicultura. Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura - Ano 211. Disponível em: <http://www.mpa.gov.br/index.php/imprensa/noticias/214-mpa-lanca-boletimestatistico-da-pesca-e-aquicultura-211>. Acesso em: 17 dez MINISTERIO DE TRABAJO Y ASUNTOS SOCIALES. ÓLAFSDOTTIR, H.; RAFNSSON, V. In: Enciclopedia de Salud y Seguridad en el Trabajo. Sectores basados en recursos biologicos - pesca. ed. Ministerio de Trabajo y Asuntos Sociales Subdirección General de Publicaciones. Vol.III, parte X, cap.66, p. MONTEIRO-DOS-SANTOS, J.; CONCEIÇÃO, K.; SEIBERT, C. S.; MARQUES, E. E.; SILVA JR., P. I.; SOARES, A. B.; LIMA, C.; LOPES-FERREIRA, M. Studies on pharmacological properties of mucus and sting venom of Potamotrygon cf. henlei. International Immunopharmacology, v. 11, n. 9, p , sep OLIVEIRA, O. M. B. A.; SILVA, V. L. O processo de industrialização do setor pesqueiro e a desestruturação da pesca artesanal no Brasil a partir do Código de Pesca de Sequência (Florianópolis), Florianópolis, n. 65, p , dec ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Organização Internacional do Trabalho. Condições de trabalho decentes, segurança e proteção social - Trabalho na pesca, convenção nº 188, recomendação nº ed. Genebra, Suíça: Departamento de Atividades Setoriais, Secretaria Internacional do Trabalho, p. ORGANIZACIÓN INTERNACIONAL DEL TRABAJO. Organización Internacional del Trabajo. Manual para la mejora de las condiciones de vida y de trabajo a bordo de los buques pesqueros. 1 ed. Ginebra, Suiza: Oficina Internacional del Trabajo, p. 16

18 PARDAL, P. P. O. Ictismo por arraia. In: CARDOSO J. L. C.; FRANÇA F. O. S.; WEN F. H.; MÁLAQUE C. M. S., HADDAD JR. V. (org.). Animais peçonhentos no Brasil: biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. 1 ed. São Paulo: Editora Sarvier, 23, v. 1, p PENHA. J. M. F.; MATEUS L. A. F. Sustainable harvest of two large predatory catfish in the Cuiabá river basin, northern Pantanal, Brazil. Brazilian Journal of Biology. São Carlos, v.67, n.1, p , feb. 27. QUINTINO, I. C. Acidentes de Trabalho na Actividade Pesqueira: Avaliação por Segmento de Pesca em 3 Comunidades do Continente f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território, Especialidade em Planeamento e Ordenamento do Território) - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa. RIFKIN, J.; WILLIAMSON, J. Venomous fish. In: WILLIAMSON, J.; FENNER, P.; BURNETT, J.; RIFKIN, J. Venomous and poisonous marine animals: a medical and biological handbook. 1 ed. Sidney: University of New South Wales Press, 1996, v. 1, p SABINO, J.; KRAUSE, M. Pantanal Terra e Água. 1 ed. Curitiba: Underwater Books, p. SILVA, G. C. Envenenamentos e traumas causados por animais aquáticos em comunidades de pescadores do Mato Grosso do Sul: identificação das espécies, manifestações clínicas e prevenção f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) - Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, Campo Grande. SILVA, G. C.; SABINO, J.; ALHO, C. J. R.; NUNES, V. L. B., HADDAD JR., V. Injuries and envenoming by aquatic animals in fishermen of Coxim and Corumbá municipalities, state of Mato Grosso do Sul, Brazil: identification of the causative agents, clinical aspects and first aid measures. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 43, n. 5, p , set-out

19 VETRANO. S. J.; LEBOWITZ, J. B.; MARCUS, S. Lionfish envenomation. The Journal of Emergency Medicine, Milwaukee, v. 23, n. 4, p , nov

20 5. Artigo Acidentes causados por peixes do gênero Pseudoplatystoma em pescadores profissionais de Corumbá e Miranda, Mato Grosso do Sul Giuliano Nascimento Rangel de Aquino Resumo Os peixes do Pantanal têm um grande apelo socioeconômico. A atividade pesqueira comumente ocasiona ferimentos nos seus praticantes, principalmente os profissionais. O presente estudo objetiva conhecer o quadro social e clínico de pescadores profissionais acidentados por P. corruscans e P. reticulatum. Considerando as evidentes conexões entre a atividade de pesca e o uso dos recursos naturais por uma parcela da sociedade que depende dos pescados para sua sobrevivência, esta investigação enquadra-se na linha de pesquisa: Sociedade, Ambiente e Desenvolvimento Regional Sustentável. Foram entrevistados 481 pescadores profissionais nos municípios de Corumbá e Miranda, Mato Grosso do Sul com aplicação de formulário, obtendo-se informações socioeconômicas e clínicas. Desse total, 149 pescadores sofreram acidentes com peixes do gênero Pseudoplatystoma, sendo que as ocorrências variaram quanto ao horário de pesca, número de acidentes, local do corpo atingido, tipo de lesão, sintomas, níveis de dor, gravidade e forma de tratar. Acidentes causados por Pseudoplatystoma são comuns porque são espécies muito cobiçadas. Em uma primeira análise, foi observado que os problemas causados pelos acidentes com Pseudoplatystoma parecem ser tanto traumáticos quanto tóxicos. São necessários estudos adicionais, clínicos e terapêuticos, sobre acidentes causados por Pseudoplatystoma, bem como educação ambiental e preventiva para esses profissionais, visto que têm pouco acesso a informações e assistência médica. Palavras-chave: Pantanal, pintado, cachara, pesca profissional, saúde pública. Abstract The fishes in Pantanal are linked with a great socio-economic appeal. The fishing activity usually causes injuries to those who practice it, mainly to the professional ones. The present study aims to know the professional fishermen s social and clinical conditions who suffered accidents caused by P. corruscans and P. reticulatum. Considering the evident connections between fishing activity and the use of natural resources by a portion of 19

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP GEOVANE CÂNDIDO DA SILVA

UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP GEOVANE CÂNDIDO DA SILVA 1 UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP GEOVANE CÂNDIDO DA SILVA OCORRÊNCIA DE ACIDENTES CAUSADOS POR ANIMAIS AQUÁTICOS EM PESCADORES DE COXIM E CORUMBÁ NO MATO GROSSO DO SUL: IDENTIFICAÇÃO DOS AGENTES CAUSADORES,

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Acidentes por raias (Potamotrygonidae) em quatro comunidades da Área de Proteção Ambiental-APA do rio Curiaú, Macapá-AP

Acidentes por raias (Potamotrygonidae) em quatro comunidades da Área de Proteção Ambiental-APA do rio Curiaú, Macapá-AP BIOTA AMAZÔNIA ARTIGO Acidentes por raias (Potamotrygonidae) em quatro comunidades da Área de Proteção Ambiental-APA do rio Curiaú, Macapá-AP Júlio César Sá-Oliveira, Eduardo Augusto Costa, Francineide

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno

Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno A Biodiversidade desta região é única e uma das mais ricas do mundo. Estima-se

Leia mais

Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos

Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos AGOSTINHO CARLOS CATELLA 1,4, RODRIGO DE OLIVEIRA MASCARENHAS 2,5, SELENE PEIXOTO ALBUQUERQUE 3,6, FRANCISCA FERNANDES

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NOTA TÉCNICA Nº 02/2012 (DVVZI NT 02/2012)

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NOTA TÉCNICA Nº 02/2012 (DVVZI NT 02/2012) SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL DIVISÃO E VIGILÂNCIA DE ZOONOSES E INTOXICAÇÕES PROGRAMA DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NOTA TÉCNICA

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Por Diego González Machín

Por Diego González Machín CENTROS DE REFERÊNCIA E APOIO ÀS EMERGÊNCIAS QUÍMICAS NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE: CENTROS DE RESPOSTA QUÍMICA E OS CENTROS DE INFORMAÇÃO E ASSESSORIA TOXICOLÓGICA 1. Introdução Por Diego González Machín

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE MOSSORÓ-RN SOBRE AS FUNÇÕES DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES PERCEPTION OF MOSSORÓ-RN POPULATION ON THE ROLE OF ZOONOSES CENTER VILCELÂNIA ALVES COSTA 1, NILZA DUTRA ALVES

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

QUEDA DA PRODUTIVIDADE DE PESCADO NO RIO TOCANTINS: A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DE MARABÁ - PARÁ

QUEDA DA PRODUTIVIDADE DE PESCADO NO RIO TOCANTINS: A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DE MARABÁ - PARÁ QUEDA DA PRODUTIVIDADE DE PESCADO NO RIO TOCANTINS: A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DE MARABÁ - PARÁ Sandro Ferreira Nascimento 1 ; Andréa Hentz de Mello 2 ; Gustavo Ferreira de Oliveira 3 ; Verônica Danielle

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Biomas Brasileiros Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Bioma Bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. O termo "Bioma" (bios, vida, e oma,

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO AMAZONAS NO PERÍODO DE 2008 A 2015.

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO AMAZONAS NO PERÍODO DE 2008 A 2015. 1 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO AMAZONAS NO PERÍODO DE 2008 A 2015. EPIDEMIOLOGICAL PROFILE OF SNAKEBITES IN THE AMAZON FROM 2008 TO 2015. RAQUEL TOMÉ DA SILVA¹ e ANA PAULA MIRANDA MUNDIM

Leia mais

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS.

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Aula 19: Conhecendo a hidrosfera do Brasil I CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Correção atividade sala: PG 3: Canadá, Brasil, EUA, Canadá, R.U etc... Bolívia, República do Congo, Mongólia, etc...

Leia mais

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho Pesca Sustentável e Responsável Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho O que é Sustentabilidade? Capacidade de persistir no longo prazo. Característica, p.ex.,

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Ingo Daniel Wahnfried * * Departamento de Geociências, ICE, Universidade Federal do Amazonas Manaus/AM Introdução

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP RESUMO Carneiro Junior, J. L. 1 ; Freitas, R. C. M. 2 ; Rosa, A. C.

Leia mais

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS De Fonseca da Silva e José Ivaldo B. Brito 2 RESUMO A intensidade e direção do vento são variáveis de grande interesse

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra)

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) Requer o envio desta Indicação ao Poder Executivo, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente para a recriação de Recifes Artificiais por meio de

Leia mais

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece normas e define os locais, formas e quantidades de captura de peixes oriundos da pesca amadora e profissional nas bacias hidrográficas dos Rios Paraná,

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE 531 Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE Valdiana Maria Gonçalves Araujo¹; Viviane Suzy de Oliveira Pereira²; Débora Caroline Ferreira

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT I Workshop de Avaliação da Rede de Sustentabilidade da Pesca no Pantanal I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT PARECER

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais