A Historiografia Contemporânea, do papel à era digital. - As Escolas Históricas do século XIX e XX e a noção de documento.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Historiografia Contemporânea, do papel à era digital. - As Escolas Históricas do século XIX e XX e a noção de documento."

Transcrição

1 A Historiografia Contemporânea, do papel à era digital. Lívia de Azevedo Silveira Rangel UFV - As Escolas Históricas do século XIX e XX e a noção de documento. O século XIX trouxe para a historiografia uma mudança extremamente considerável, a partir da substituição dos interesses que delimitavam o objeto e a análise do conteúdo histórico. A nova corrente historicista inaugurava a importância da reflexão e do saber humanos em detrimento das concepções teológicas e dos aspectos metafísicos. A teologia jamais aplicou método algum para explicar ou corroborar suas afirmativas históricas, para esta concepção bastava a revelação dos fatos. Já o Iluminismo do século XVIII considerava a ciência como um conhecimento que deve ser submetido ao método empírico e isso apenas cabia a ciência natural estando a história distante de tais elementos, por isso, segundo seus critérios, a história somente poderia ser apreendida através de considerações extra-empíricas, ou seja, através de uma inspiração sobrenatural 1, sendo assim, este pensamento não relacionava passado e presente, articulação essencial aos parâmetros históricos. A História reduzia-se a um repositório de informações para reflexões ulteriores 2, a preocupação em analisar outras sociedades mantinha-se fechada aos interesses intelectuais de reafirmação de sua superioridade racional. Embora no século XIX tenha havido uma deslocação, uma reestruturação frente às visões históricas, comparativamente ao século XX a noção de documento ainda era restrita. Pensaremos, primeiramente, sobre às dimensões históricas oitocentistas. A ruptura anunciada pelos eruditos do século XIX remeteu a categoria histórica condições de análise mais condizentes ao plano científico, através de uma aplicação metodológica ao objeto pertencente à disciplina. Os Românticos falaram de cultura, valorizando o tempo histórico e os aspectos intrínsecos às sociedades. Alargaram o plano da História que havia se estreitado com os iluministas, exaltando a criação, o pensamento fantástico, relacionando homem e natureza. Negaram a superioridade da razão pela vontade humana, desenvolvendo um método (empático) que ajudou a compreender uma sociedade 1 HADDOCK, B.A. Uma Introdução ao Pensamento Histórico. Trad. De Maria Branco. Lisboa: Gradiva, 1989, p Ibidem; p

2 diferente da sua 3. No entanto, a principal escola que se apoderou da idéia de um método foi a escola positivista, também alcunhada escola metódica. Segundo os positivistas, os métodos da ciência da natureza poderiam ser aplicados à interpretação histórica. Tal assimilação devia-se a incessante busca pela verdade, a qual somente poderia ser alcançada caso houvesse uma confluência entre a investigação documental, o poder da indução, da crença nos fatos históricos e da narrativa, autorizados pelo método. A objetividade almejada nas pesquisas históricas encetadas pelos positivistas foi sendo lapidada a partir do desprezo pela história universal e pela elevação da história particularizada, como única possibilidade de verdade, já que o universalismo era considerado um ideal inatingível. Esta história dita factual acabou por exaltar os grandes acontecimentos e as grandes personalidades. A historiografia positivista tinha um domínio sem precedentes sobre pequenos problemas e, uma fraqueza sem precedentes no tratamento dos grandes problemas. 4 A noção de documento característico das visões tradicionalistas limita-se a eleger fontes que possam oferecer maior credibilidade e segurança quanto ao seu conteúdo e posteriormente na sua corroboração, essa seria a principal função da História, recolher dados a partir de um grau hierarquizado de importância, seria o princípio da história rankeana. O método de Ranke, historiador alemão, consiste em estabelecer critérios de conduta frente os documentos. Para ele a fonte oficial, escrita, sempre deve se antepor a qualquer fonte e, caso não se encontrem disponíveis documentos escritos deve-se então apelar e suportar outras formas e outros objetos de pesquisa, sejam eles artefatos ou dados orais 5. A metodologia de Leopold Von Ranke foi, pela Nova história, superada. Insurgir contra esse método representava negar a premissa de Ranke, sustentada sobre a égide da objetividade. Segundo ele, "o objectivo da história é dar os acontecimentos do passado como eles na realidade se passaram" 6 O sentido progressista, o desejo de verdade, a ânsia pela exatidão, levaram os metódicos a se posicionarem como meros observadores de suas próprias práticas. Suas fontes históricas não passavam de objetos passíveis à apreensão sensível, empírica, como se a complexidade documental pudesse ser denunciada a partir da aplicação de um método 3 Ibidem; p COLLINGWOOD, R. G. A idéia de História. Trad. De Alberto Freire. Lisboa. Abril, 2001, p PRINS, Gwyn. História oral. In: Peter Burke (org.). A Escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista,

3 confiável e inabalável por qualquer eventualidade e, portanto, delimitado, restrito. Conseqüentemente, os conceitos positivistas sobre História foram duramente criticados, principalmente a partir de 1929, com o advento da Escola dos Annales. Membros da primeira geração como Lucien Febvre e Marc Bloch procuraram distanciar-se da história basicamente factual, narrativa, política, para agregar significado a outros campos de estudo, bem como a economia, a psicologia coletiva e o social. Para solidificar uma História mais profunda e universalizante tornava-se imprescindível à ampliação da noção de documento, assim pretendia-se reformular a metodologia para que os fatos históricos não fossem tão somente analisados imparcialmente como se fossem fatores isolados e imutáveis, mas sim fatores suscetíveis a interpretações. No Brasil, uma visão posteriormente denominada tradicionalista, inaugurava uma nova fase historiográfica voltada para os estudos que partiam do ponto de vista cultural, evitando a discussão racial ou de cunho apenas econômico ou apenas político. Gilberto Freyre com sua obra Casa Grande & Senzala, conquistou lugar de destaque por ser pioneiro dessa reestruturação temática e metodológica. Embora a análise de Freyre tenha inovado ao trazer à tona a discussão sobre a formação do povo brasileiro, suas origens e mudanças (ou melhor, suas continuidades), elevando a característica híbrida da sociedade colonial ao epicentro da originalidade brasileira, ou seja, a herança cultural como sendo a maior contribuição frente ao que delinearia, séculos mais tarde, a nacionalidade brasileira, houve em suas considerações um caráter que superestimava a participação portuguesa, exaltando a superioridade dos portugueses como colonizadores 7. Mas o presente trabalho nos limita a enfatizar somente sua colaboração histórica diante da ampliação documental, temática e metodológica. A pesquisa ao universo do Brasil colonial por Freyre, introduziu na historiografia nacional o uso de fontes consideradas heterodoxas, chamadas assim por não serem fontes denominadas como oficias. Esse novo conjunto documental era composto por anúncios de jornais, os diários e a correspondência familiar, os escritos de viajantes estrangeiros, os livros de receitas, as fotografias, as cantigas de roda e toda tradição oral 8, enfim, tudo aquilo que fazia parte do cotidiano colonial entrou como recurso que deveria estar disponível para compor um trabalho histórico. 6 AS CONCEPÇÕES de história e os cursos de licenciatura. Revista de História Regional. [citado em 17 abril 2006]. Disponível na World Wide Web: <http://www.uepg.br/rhr/v2n2/cerri.htm>. 7 SOUZA, Laura de Mello. Aspectos da historiografia da cultura sobre o Brasil colonial. In: Marcos Cezar de Freitas (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. 5ª ed. São Paulo: Contexto, Ibdem; p

4 A dilatação do conceito de fonte histórica, a partir do início do século XX, surgiu no Brasil, como já foi esclarecido, a partir da obra de Gilberto Freyre, encontrando outros tantos historiadores posteriores que caminharam sobre a mesma corrente cultural, diante da análise de formação da nacionalidade brasileira. A ampliação da noção de fonte aliciou para junto de suas perspectivas documentais uma série de resquícios humanos. Assim, no âmbito internacional, a Escola dos Analles, no que diz respeito as suas três gerações, possibilitou uma nova visão histórica reconstruída através de uma aplicação renovada, seja das mesmas fontes utilizadas pelos tradicionais ou àquelas ignoradas pelos mesmos. A geração que atravessou o pós-guerra e chegou na segunda metade da década de 1960, cuidou de ampliar não somente a noção de fonte, como já havia sido iniciado na geração anterior, como também estendeu o conceito de tempo. Fernand Braudel foi um dos grandes historiadores da longa duração, ao afastar-se do tempo histórico curto. A nova História, portanto, preocupava-se em entender as estruturas, tentando explicar sempre as continuidades e as mudanças e não somente os acontecimentos. A interdisciplinaridade proposta pela Escola dos Analles aumenta seu campo de domínio sobre a História demográfica, serial e das mentalidades. Ainda na alçada da longa duração e voltando ao final do século XIX, encontramos uma outra ruptura, anterior a qualquer uma das citadas acima. Trata-se da teoria de Marx. Tributário da filosofia dialética hegeliana, Marx estabeleceu um diálogo com seu tempo, no qual a história deixava de ser pensada unicamente pelo ângulo da política para adentrar também nos aspectos econômicos. A metodologia marxista fundou-se na concepção materialista da história, pretendeu um estudo empírico distinguindo-se do idealismo de Hegel. Para Marx o motor da História era o homem e sua ação como indivíduo ou coletivamente. Sua teoria muito influenciou e ainda influencia a produção historiográfica, no entanto sua real contribuição ainda vem sendo discutida. A noção de documento construída através da teoria marxista é muito restrita, segundo Pierre Villar. 9 Marx somente voltou-se para a investigação do passado para ilustrar os seus paradigmas, que ao final não sofreram qualquer interferência promovida por essa pesquisa. O modelo marxista já estava concluído antes mesmo de uma investigação sistemática ao passado. A contribuição da teoria de Marx é também pensada sobre o ângulo do revisionismo, corrente historiográfica ocupada em reavaliar os propósitos marxistas incutindo novo ânimo e novas perspectivas aos seus argumentos. Edward Palmer Thompson, foi um dos principais 9 VILLAR, Pierre. História marxista, história em construção. In: LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre (orgs.). História: Novos Problemas. Trad. De Theo Santiago. Rio de Janeiro: Francisco Alves,

5 expoentes da história revisionista, destacando sua preocupação em retocar o conceito de luta de classes de maneira a compreender a classe trabalhadora da Inglaterra industrializada e os movimentos sociais provenientes da ofensiva industrial, do excesso de exploração, da carga sobrehumana atirada sobre os trabalhadores. Thompson entenderá a história da classe trabalhadora como uma luta constante pela sobrevivência, pela defesa de sua humanidade e pela busca do bem comum, do bem coletivo. O objetivo geral de sua iniciativa era o de substituir o homem econômico (...)pelo homem socialista 10. A inclinação de Thompson para a História Social leva-o a resgatar o tema do costume, focalizado por ele como uma condição pré-existente ao capitalismo industrial. O costume, pensado também sobre o aspecto de cultura, estava inserido no cotidiano dos trabalhadores como uma forma tradicional de se exigir alguns direitos que estavam consolidados por gerações passadas acerca de sua condição vital, era uma forma de reivindicar e resistir à exploração. A transição entre uma forma rudimentar de mercado para outra forma mais complexa é a conjuntura na qual detém-se Thompson, por isso, podemos entender boa parte da história social do século XVIII como uma série de confrontos entre uma economia de mercado inovadora e a economia moral da plebe, baseada no costume. 11 O revisionismo marxista adotou a história social e assim procurou desvencilhar a luta de classes do seu aspecto meramente econômico, analisando com maior profundidade a categoria social dessas classes, o motor cultural que os movia, a influência do costume como regra geral de sobrevivência. A revisão da teoria marxista se fez necessária a partir da crise dos grandes paradigmas por ela formulados. Tal reanalise, como já foi dito, forneceu a historiografia novas abordagens sobre o mesmo objeto. A abertura de possibilidades deu-se igualmente através da nova história cultural ou microhistória, emergida de uma discussão sobre as diferentes direções que a Escola dos Analles deveria considerar como novas perspectivas. O interesse por fatores micros em detrimento dos macros suscitou uma abertura no panorama documental. O empenho historiográfico voltou-se para as minorias, para a história vista de baixo, restituindo importância à cultura popular. Embora a microhistória insinue temas isolados, na verdade, todo micro-historiador deve relacionar seus recortes temáticos a uma consideração mais ampla. 10 RAZÃO e utopia: Thompson e a História. Publicações de História.[citado em 17 abril 2006]. Disponível na World Wide Web: <http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/dialogos/volume01/vol6_rsm5.htm>. 11 THOMPSON, E. P. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras,

6 Ao expandir a noção de documento o historiador da microhistória remete a si o papel de investigador e produtor de suas próprias fontes, já que seu objeto de estudo, por fazer parte dos grupos até então excluídos, revelam uma precariedade imensa de material investigativo. Assim, no decorrer do século XIX e XX, vimos às noções de documento ganharem gradualmente amplitudes maiores, favorecendo o enriquecimento temático com as novas abordagens, novos questionamentos e novas fontes em detrimento de uma noção tradicional que adotava o conceito de documento histórico como sendo sinônimo de texto escrito produzido pelos detentores do poder político, garantindo para as gerações futuras possibilidades de escolha e criticidade para criarem tantas outras possibilidades. 6

7 - Revolução tecnológica do século XX e o ofício do historiador. A intensa evolução que a tecnologia apresentou no século XX redefiniu as formas de pensar e agir em sociedade e individualmente. No domínio acadêmico e profissional a revolução tecnológica modificou igualmente as relações, sejam elas de proximidade com seu objeto de estudo ou na velocidade e facilidade de se coletar dados e verificá-los. As vantagens reunidas ao redor do aparato eletrônico, movido a acessos constantes de renovação tecnológica, entranham-se ao trabalho do historiador e outros estudiosos, determinando os novos suportes de pesquisa que antes ficavam restritos a lugares específicos e imóveis, exigindo um deslocamento contínuo. A era da informatização generalizada nos parece, senão uma realidade pelo menos um processo em rápida emergência, o que faz com que o particular se interligue ao universal, diminuindo as fronteiras e os limites de comunicação humana. Frente à busca incessante pela concentração do maior número de informações, pela redução do espaço geográfico e pela conquista do instantâneo, virtualmente falando, vemos um conjunto de profissionais envolvidos nessa rede que absorvem de maneira produtiva os resultados dispostos na teia tecnológica. Dentre tais profissionais encontramos o historiador, obrigado desde sempre a confrontar-se com reduzidas possibilidades de pesquisa devido à dificuldade de se apreender fontes incompletas, inalcançáveis e ou até mesmo inexistentes. Os obstáculos postos ao estudioso da História jamais podem ser sanados integralmente, já que seu objeto situa-se em tempos remotos e não pode garantir-lhe qualquer segurança de verdade e totalidade. A História, bem como outras ciências, sofreu mudanças e intervenções do tempo. A história-narrativa, factual, esvaiu-se dos meios acadêmicos para dar vazão a um outro tipo de produção histórica, caracterizada pela ampliação do conceito de documento em conseqüência de suas novas abordagens temáticas e de seus novos questionamentos. A história-problema pôde romper com a estrutura tradicional para adentrar na contemporaneidade, transformando o trabalho intelectual numa ferramenta ampla de aprendizagem. A interdisciplinaridade, ou seja, a descoberta das relações internas que cada campo de estudo traça entre si, redimensionou as considerações da história, sendo assim, a economia, a demografia e a antropologia, por exemplo, puderam ser associadas ao objetivo historiográfico sem perder suas características insolúveis. As novas aspirações da História puderam dispor a seu favor os meios eletrônicos capazes de comprazer suas necessidades investigativas. O computador passou a ser a principal 7

8 ferramenta, pois ao passo que a informática foi se consolidando na sociedade, o pesquisador foi se permitindo investir nessa estrutura, alargando suas perspectivas e irrompendo construções históricas melhor elaboradas. 12 O desenvolvimento da computação passou a permitir uma maior confrontação de dados, sejam eles de origem econômica, demográfica, política ou social. As inconstâncias na história passam então a serem avaliadas mais sistematicamente, o que favorece de maneira distintiva a prática da história serial, quantitativa. As diversas fontes numéricas que antes protelavam a conclusão de uma pesquisa agora são rapidamente postas a prova e conferidas a análise por um sistema computadorizado, bem como Furet aponta: o impacte da informática, permite cálculos até aqui inimagináveis. 13 A destreza eletrônica em realizar cálculos, quantificar, enfim, em operar matematicamente, é apenas uma das utilidades da tecnologia aplicada em computadores, pois o impacto realmente significativo e revolucionário está compreendido na criação da World Wide Web, mais conhecida como Internet. As redes interligadas alteraram mais uma vez o campo de ação historiográfica, a começar pela ampliação e maior acesso a documentações, teses, bibliotecas e museus, mas as transformações referentes ao ofício do historiador não se restringem à abertura por novas possibilidades, a discussão adentra o âmbito da produção textual, dos resultados dos estudos, das publicações em geral. A Internet é o reflexo da total ausência de fronteiras entre o escritor ou autor de um certo conteúdo e o leitor, que se torna parte integrante e agente interventor das obras digitais 14. O autor teme, portanto, pela autenticidade de seu trabalho, já que a Internet o torna público e sondável por qualquer navegador: Para os autores de hoje, o perigo de perder seus direitos é, de fato, mais difundido que o de perder sua liberdade. 15. Assim nos postamos frente a uma problemática bastante atual. Ao mesmo tempo em que o profissional da História encontra fissuras suficientes para embrenhar-se no mundo informatizado, a vulnerabilidade também o ataca, a partir do momento em que seu texto torna-se um texto eletrônico possibilitando reescrituras múltiplas e apropriações desmedidas. Roger Chartier considera o que chamamos de problemática, de um procedimento corrente iniciado no século XVIII, quando passou a haver uma preocupação em desmaterializar a propriedade textual, ou seja, 12 FURET, François. Da história-narrativa à história-problema. In: FURET, François. A Oficina da História. Tradução de Adriano Duarte Rodrigues. Lisboa: Gradiva. 13 Ibdem; p CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Tradução Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora UNESP/ Imprensa Oficial do Estado de São Paulo

9 fazer com que ela se exercesse não sobre um objeto no qual se encontra um texto, mas sobre o próprio texto. 16. Dessa maneira, o computador e a Internet seriam os dois principais agentes da modernidade incumbidos de retirar a materialidade do texto e transformá-lo em algo virtual e impalpável. Assim, Chartier localiza há três séculos atrás o precedente de tal intenção. A tecnologia da informação, como já foi ressaltado, modificou as relações tradicionais entre estudiosos e seus objetos de estudo, entre o escritor e o leitor, entre um texto e seu suporte, entre o possível e o impossível. A revolução tecnológica propiciou uma ruptura em vários aspectos, dentre eles o aspecto espacial. A memória de um computador ou as informações que viajam pelas ondas, fios e satélites comportam em si um arsenal infinito de conhecimento e informações, transferindo do mundo sensível para o mundo virtual conteúdos e formas, prescindindo de qualquer espaço físico, a não ser o espaço que separa o indivíduo do aparelho eletrônico em questão Ibdem; p- 45. Ibdem; p

10 A História na era digital. A historiografia contemporânea tem presenciado as mudanças estabelecidas pela tecnologia no que diz respeito a sua concepção material de fonte e pesquisa histórica. Quando dizemos que a história está saindo da era do papel e entrando no circuito digital, queremos dizer que seu campo de visão está se ampliando concomitantemente. Mas de que maneira? A informática e o sistema que interliga computadores mundialmente nos remete a uma cadeia de informações infinitas que são recolhidas de vários acervos, museus, bibliotecas e arquivos, sendo assim, a noção de documento amplia-se para além do espaço físico e adentra num corpo virtual capaz de localizar dados de qualquer natureza, o que nos implica a concluir que as fontes alteram-se quantitativamente e qualitativamente. A internet, usada como agente agregador, motiva a democratização de acesso a fontes documentais que anteriormente eram de difícil apreensão. A busca por documentos no meio eletrônico tornou-se a forma mais eficaz e rápida de ter acesso a um material investigativo. Grandes acervos encontram-se disponíveis. A Biblioteca Nacional, uma das instituições de afluência à memória mais importantes do país, tomou a iniciativa de disponibilizar sua documentação em páginas eletrônicas, trazendo enormes benefícios aos diversos campos das ciências humanas. Alguns projetos de digitalização de documentos estão, da mesma maneira, diretamente ligados com a questão atual no que se refere a preocupação em democratizar e facilitar o trabalho das diferentes áreas de atuação do conhecimento. Um dos exemplos relevantes que se pode destacar é o do Projeto Resgate, idealizado pela Universidade de Brasília e o Ministério da Cultura. O projeto tem como objetivo principal disponibilizar documentos históricos relativos à História do Brasil existentes em arquivos de outros países 17. Através do método da microfilmagem foi possível recriar em cds os documentos e divulgá-los aos pesquisadores. Muitos outros exemplos podem ser ilustrados aqui, como é o caso do site scielo, uma biblioteca eletrônica que dispõe de um vasto conjunto de periódicos científicos, ensaios, artigos e relatórios. Frequentemente atualizado, é um ótimo caminho de descobertas e rumos de pesquisa. O espaço virtual precisa de poucos atributos para inserir comunidades inteiras dentro de sua geometria, já não é o caso de um espaço fisicamente composto. A maioria dos 10

11 arquivos, museus e bibliotecas estão concentrados nos grandes centros urbanos ou culturais, restringindo sua área de acesso a este espaço delimitado. Cidades que não representam um sítio histórico relevante, e por isso não sustentam qualquer instituição de apoio ao seu patrimônio, encontram na internet e nos multimeios eletrônicos, como microfilmes, cds, dvds, etc., uma saída para os limites geográficos que se impõem sobre o objeto de estudo e o pesquisador. O Laboratório Multimídia de Pesquisa Histórica (LAMPEH), da Universidade Federal de Viçosa, funciona como um centro de pesquisa para os estudantes. Seu acervo é composto por microfilmes relativos a imprensa do século XIX e início do XX, principalmente do Estado de Minas Gerais, periódicos, relatórios, teses condensadas em cds, fotografias, e consultas a sites que disponibilizam conteúdo de pesquisa. A intenção é permitir que o historiador, ou outro profissional, tenha acesso a documentos sem precisar estar de corpo presente na instituição que o guarda. Isso é democratizar os meios. Mas tal revolução ainda não se consolidou por completo, ela é um processo em corrente construção. Muitas questões devem ainda ser levantadas sobre as vantagens e desvantagens que a tecnologia nos aponta a experimentar e incluir no cotidiano. Sabemos apenas que sua inserção na historiografia trouxe enormes benefícios e possibilitou a ampliação da noção de documento, a democratização da informação e o acesso irrestrito a conteúdos de pesquisa, fatores que só tendem a fortalecer a construção do conhecimento histórico. 17 HISTÓRICO do Projeto Resgate. Centro de Memória digital. [citado em 17 abril 2006]. Disponível na World Wide Web: <http://www.resgate.unb.br/rhistorico.html>. 11

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997)

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) Aline do Nascimento Cavalcante 1 RESUMO: Este trabalho tem como

Leia mais

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal.

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal. HISTÓRIA E IMPRENSA: A IMPORTÂNCIA E A CONTRIBUIÇÃO DOS JORNAIS NO CONHECIMENTO HISTÓRICO Carlos Henrique Ferreira Leite (Universidade Estadual de Londrina - UEL) Resumo: O presente trabalho é parte integrante

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

(Re)Conhecendo a Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache

(Re)Conhecendo a Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache HAESBAERT, Rogério; PEREIRA, Sergio Nunes; RIBEIRO, Guilherme (Orgs.). Vidal, Vidais: textos de Geografia Humana, Regional e Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. 464p. (Re)Conhecendo a Geografia

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA Carlos Henrique Ferreira Leite Prof o Dr o José Miguel Arias Neto (Mestrando em História Social UEL) Bolsista CAPES DS 2015/2016 Palavras-chave:

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS HISTÓRICAS DO CURSO DE HISTÓRIA DO CAC UFG, NO PERÍODO DE 1995 A 2001. Jaciely Soares da Silva, UFG/CAC; jacielysoares@hotmail.com

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior

Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Universidade São Francisco campus Itatiba SP

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

RESUMO. Palavras Chave: História da educação. Educação feminina. Instituição escolar confessional.

RESUMO. Palavras Chave: História da educação. Educação feminina. Instituição escolar confessional. Resumos SILVA, Samara Mendes Araújo. À luz dos valores religiosos: escolas confessionais católicas e a escolarização das mulheres piauienses (1906 1973). Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados 1 Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados Renata Aliaga 1 Lilian Lopes Martin da Silva (Grupo ALLE- Alfabetização, Leitura e Escrita Programa de Pós Graduação

Leia mais

112 Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2006, vol. 9, n. 2, pp. 109-114. Resenha do livro A função psicológica do trabalho de Yves Clot 1

112 Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2006, vol. 9, n. 2, pp. 109-114. Resenha do livro A função psicológica do trabalho de Yves Clot 1 Resenha do livro A função psicológica do trabalho de Yves Clot 1 Maria Elizabeth Antunes Lima Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais A recente publicação no Brasil da primeira

Leia mais

OFICINA DE ENTREVISTAS: MEMÓRIAS NA SALA DE AULA

OFICINA DE ENTREVISTAS: MEMÓRIAS NA SALA DE AULA OFICINA DE ENTREVISTAS: MEMÓRIAS NA SALA DE AULA Taiane Vanessa da Silva (História/ UEL; bolsista PROEXT) Felipe Augusto Leme de Oliveira (História/ UEL; bolsista PROEXT) Regina Célia Alegro (Orientadora)

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

As Referências Alemãs na Obra Raízes Do Brasil de Sérgio Buarque De Holanda

As Referências Alemãs na Obra Raízes Do Brasil de Sérgio Buarque De Holanda As Referências Alemãs na Obra Raízes Do Brasil de Sérgio Buarque De Holanda Rodrigo Gomes Ibanes 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste ensaio é salientar as importantes contribuições do pensamento alemão para

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Resumo SILVA, Amanda Oech 1 - UEL Grupo de Trabalho: História da Educação Agência Financiadora: não

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

História na escola: o presente questiona o passado

História na escola: o presente questiona o passado História na escola: o presente questiona o passado Disciplina: História Selecionador: Antonia Terra de Calazans Fernandes Categoria: Professor História na escola: o presente questiona o passado Refletir

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia ARTIGO Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia Ricardo Damasceno Moura RESUMO Este ensaio faz uma análise da importância das tecnologias

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA, PRÁTICAS EDUCATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE RECIFE PE.

GESTÃO DEMOCRÁTICA, PRÁTICAS EDUCATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE RECIFE PE. GESTÃO DEMOCRÁTICA, PRÁTICAS EDUCATIVAS E ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE RECIFE PE. GT - 03 - Gestão escolar, práticas educativas e currículo da Educação Básica

Leia mais

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES DOI: 10.4025/4cih.pphuem.268 INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES Simone Aparecida Pinheiro de Almeida i INTRODUÇÃO Pensar os conteúdos significa refletir acerca

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-)

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-) A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (195-) META Caracterizar o pensamento historiográfi co de Roger Chartier. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: elencar e explicar os principais aspectos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA João Pessoa, maio de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE

Leia mais

ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA

ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA Autor(es) ALLINE CRISTINA BASSO; LUCCAS ESCHER GUARASEMINI Introdução Dominando a produção histórica de 1880 a 1945, o positivismo

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE UBERABA/MG: CONHECENDO OS RECURSOS, EFETIVANDO DIREITOS

COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE UBERABA/MG: CONHECENDO OS RECURSOS, EFETIVANDO DIREITOS 1 COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE UBERABA/MG: CONHECENDO OS RECURSOS, EFETIVANDO DIREITOS Cláudia Helena Julião 1 Gabriela de Andrade Rezende 2 Stefanne Caroline

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

ACERVO A. TITO FILHO:

ACERVO A. TITO FILHO: ACERVO A. TITO FILHO: PROPOSTAS PARA UMA PESQUISA NA INTERNET Jordan Bruno Oliveira Ferreira * A pesquisa sobre a obra de A. Tito Filho 1 começou como projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Trabalhadores do Brasil: Circularidade e apropriação. Pedro Henrique da Silva Carvalho 1

Trabalhadores do Brasil: Circularidade e apropriação. Pedro Henrique da Silva Carvalho 1 116 Trabalhadores do Brasil: Circularidade e apropriação Pedro Henrique da Silva Carvalho 1 FERREIRA, Jorge Luiz. Trabalhadores do Brasil: o imaginário popular: 1930-45. Rio de Janeiro: Fundação Getulio

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP

As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP Prof a. Dr a. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO (2009) Taís Evangelho Zavareze Psicóloga - CRP 12/07644 - Brasil. Especialista em Avaliação Psicológica.

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção.

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. André Ricardo Magalhães* andrerm@gmail.com Geciara Carvalho* geciara@gmail.com Ivanise Gomes

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

OBSERVANDO E DESENVOLVENDO PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATOS DE FORMAÇÃO NO PIBID DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UECE

OBSERVANDO E DESENVOLVENDO PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATOS DE FORMAÇÃO NO PIBID DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UECE OBSERVANDO E DESENVOLVENDO PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATOS DE FORMAÇÃO NO PIBID DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UECE Dra. Mônica Farias Abu-El-Haj - UECE Esp. Elianai Monteiro Alencar Barroso

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG Esta apresentação foi organizada com o intuito de oferecer subsídios para a construção

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE SOCIOLOGIA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROFESSOR

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais