A QUESTÃO AGRÁRIA EM IGNÁCIO RANGEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUESTÃO AGRÁRIA EM IGNÁCIO RANGEL"

Transcrição

1 A QUESTÃO AGRÁRIA EM IGNÁCIO RANGEL Arissane Dâmaso Fernandes. (Doutoranda em História UFG) Introdução: Já no início de sua carreira de intelectual, em meados da década de 1950, (particularmente no artigo intitulado Industrialização e Agricultura ) Rangel se posicionou em relação a um importante debate, o qual permaneceu na década seguinte, acerca da questão agrária brasileira. Naquele momento, a industrialização (pautada no modelo de substituição de importações) alcançara um estágio que exigia novas definições para que tivesse continuidade. Era necessário expandir ( modernizar ) o Departamento I, o setor de bens de produção da economia brasileira, para que novas inversões (investimentos) ocorressem, mantendo a continuidade do processo 1. Dessa maneira, caberia ao setor agrícola um duplo papel: aumentar a oferta de bens agrícolas concomitantemente à liberação de mão-de-obra (advinda da abertura do complexo rural). Iniciou-se então o referido debate, o qual discutia a funcionalidade ou não da agricultura no processo de industrialização da economia brasileira até aquele momento De acordo com Rangel, devido à dualidade da economia brasileira, a industrialização do país se deu às avessas, tendo sido iniciada pelo DII (Departamento I) da economia, ou seja, de bens de consumo, o que se efetivou na terceira dualidade, conforme já apresentado. O fato é que ao final dos anos 1950, para que a indústria nacional tivesse novos crescimentos seria necessária a modernização do DII, setor de bens de produção a fim de que a indústria pudesse produzir novos bens e obter maior participação no mercado. Tratava-se de um novo ciclo da indústria brasileira, que dava sinais de enfraquecimento do modelo substituidor de importações.

2 A perspectiva teórica rangeliana: Ignácio Rangel foi um dos grandes representantes da corrente estrutural-dualista que, a partir do pensamento difundido pelo Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e Caribe), defendia a necessidade de uma reestruturação agrária para que o setor agrícola pudesse continuar contribuindo para o desenvolvimento nacional. A partir desse ponto de vista, desenvolvimento significava a transferência da produção industrial da agricultura (ou a por ele denominada de produção de bens não agrícolas pela agricultura) para as fábricas, deixando à agricultura somente o papel que lhe caberia: a produção de bens primários. A proposta do intelectual, e economista, em questão (Rangel, 2005a, p.232) era modificar o modo de vida da família rural, para que abandonassem algumas atividades não agrícolas, voltando-se para a agricultura, para que outras famílias pudessem ser transferidas ao setor industrial. Isso esbarrava na sazonalidade da agricultura e trazia a necessidade de inovações econômicas e tecnológicas (p.e diversificação de cultivos). Mas o assunto era ainda um pouco mais complexo do que aparentava à primeira vista porque o complexo rural em processo de desagregação, segundo a teoria rangeliana, apresentava uma versão urbana semelhante. Tratava-se dos denominados serviços domésticos não remunerados (como por exemplo o conserto de roupas feito pela dona-decasa) que, assim como as atividades não agrícolas desenvolvidas pela economia natural (agricultura), competiam com a economia de mercado no que se referia ao uso de fatores 2. Para Rangel havia uma espécie de extensão do complexo rural nas cidades que também ocupava funções que essencialmente caberiam à agricultura e que portanto deveria 22- Essa versão urbana do complexo rural foi denominada pelo economista russo Wassily Leontiev, em sua obra The Structure of the American Economy, de unidades combinadas (Rangel, 2005a, p. 220 nota 9), referindo-se justamente à unidade produção/consumo como remanscente do complexo rural nas cidades.

3 ser considerada naquele momento de reestruturação da economia nacional. Claro estava nessa perspectiva que a industrialização, tão preconizada naquele período, necessitava da transferência de recursos da economia natural para a economia de mercado, modificando a forma como esses recursos seriam aplicados (Rangel, 2005a, p.122) 3. Tratava-se, nessa ótica, de uma simplificação do complexo trabalho do agricultor, a partir da racionalização e mecanização da produção, tal como nos países avançados. Ficava explícita também uma imprescindível reeducação da mão-de-obra e o aumento de custos em que esta implicava custos esses que inexistiam no denominado complexo rural e nos serviços domésticos não remunerados, já que o trabalho nessas áreas não era especializado ( profissionalizado ). Industrialização e crise agrária na análise rangeliana: A idéia de industrialização defendida por Rangel (e de forma semelhante pelos desenvolvimentistas de maneira geral) significava a desagregação do complexo rural (da economia natural) e a transferência de seus fatores ao setores mercantis da economia. Processo esse que incidia na emergência de novos custos de produção- custos esses que poderiam ser pagos como o capital gerado no próprio processo de industrialização (RANGEL, 2005a, p.124). Nesse sentido emergia uma nova problemática a ser analisada nessa situação, a questão do planejamento dos gastos desse projeto. Não coincidentemente é que a teoria do planejamento fora alvo de grandes estudos por parte do economista em questão, já que a economia, vista por ele como um complexo unificado, poderia padecer de um desequilíbrio a 33- Essa questão foi retomada também em: Desenvolvimento e Projeto (1956, p.31).

4 partir de ações não planejadas em outros setores. Assim, a desagregação do complexo rural e a conseqüente transferência de fatores (sobretudo mão-de-obra) advinda desse acontecimento, se não fosse planejada poderia trazer o risco de inflação à economia, como resultado da liberação de mão-de-obra do setor agrícola em maior proporção que os outros setores da economia pudessem absorver. Mais a diante se retomará os desdobramentos desse processo. Notadamente nacionalista e desenvolvimentista a teoria rangeliana é marcada por seu aspecto político, voltada para soluções a serem colocadas em prática. Integrante dos quadros de poder como era, não poderia ser diferente. O fato é que a base dessa teoria é o conhecimento da economia (e sociedade) brasileira, a fim de que as especificidades dessa realidade fossem desveladas, de forma a facilitar justamente a ação governamental. Com esse propósito é que o autor demonstra que a heterogeneidade do país, pano de fundo de todas as problemáticas abordadas em suas obras, seria o grande modulador das instituições e toda a sociedade brasileira. 4 Com os olhos voltados para a expansão industrial, Rangel apontava a estrutura do setor agrícola, ou o complexo das mil atividades, como um imenso oceano de força de trabalho à espera de melhor ocupação (Rangel, 2005 a, pp.157,158). Via que a elaboração de produtos feita pelos camponeses era uma função estritamente das indústrias urbanas e para que isso fosse cumprido era mister o desligamento ou desagregação do complexo rural. Nessa perspectiva desenvolvimento significava, como antes destacado, a passagem da economia natural para a economia capitalista com a conseqüente transferência de fatores daquele setor a esse; mas implicava também além da já referida reeducação dos trabalhos uma mudança nos hábitos de vida da população (sobretudo rural, mas também a urbana- essencialmente a parcela que mantinha os serviços domésticos não remunerados) A ênfase na heterogeneidade é uma característica fortemente presente nas análises da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e Caribe), uma das grandes referências da teoria rangeliana.

5 Era necessário criar novos hábitos de consumo que impulsionariam a indústria, já que resultariam numa procura por novos bens e serviços. Tratava-se de um ajustamento da agricultura à industrialização, a partir do abandono da produção artesanal de manufaturas em detrimento das compras de produtos urbanos. E além disso, consistia em um processo no qual os setores não agrícolas deveriam estar equipados para a absorção dessa força de trabalho liberada pela agricultura. Deveriam também estar preparados para a realização de alguns serviços, sobretudo de transporte, uma vez que a antiga produção dos bens semi-manufaturados - realizada no campo - seria sediada em outros locais (nas indústrias propriamente ditas). Estava claro que para além de um novo mercado de consumo que surgia, o desmantelamento do complexo rural era tido como ponto de partida ao desenvolvimento por sua característica inegável de reserva de mão-de-obra, que deveria ser transferida para a economia de mercado. Seria justamente o ritmo de transferência dessa mão-de-obra que ditaria o ritmo de desenvolvimento da economia brasileira (Rangel, 2005, p.184); ritmo esse que, conforme já destacado, deveria ser controlado, a fim de que não resultasse em desequilíbrio econômico. Mas a grande explicação para a necessidade de reestruturação do chamado complexo rural estava no fato de que o Brasil, enquanto um país subdesenvolvido, possuía uma economia marcada pelo fluxo e refluxo do comércio exterior. Em momentos de crise mundial, se dava um esforço nacional de substituição de importações e em momentos de prosperidade, aumenta-se a produção interna para exportação. Desse modo, a economia alternava agrarização e urbanização (Rangel, 2005b, pp.20,21), sendo que esta última ocorreria através da efetiva mercantilização da produção 5. Justamente com esse intuito é que ele enumerou medidas tidas como fundamentais 55- Discussão retomada no artigo Industrialização e Economia Natural (prefácio ao livro homônimo de Gilberto Paim), publicado em 1957.

6 para acelerar esse processo que acreditava já estar em andamento. Tais proposições estão bem discutidas na obra A questão agrária brasileira (1962) (RANGEL, 2005b, pp ): 1- O primeiro passo seria a criação de um pequeno lote, fora da fazenda, para o trabalhador assalariado da moderna fazenda capitalista. Esses lotes deveriam ser em terra pública ou de propriedade do trabalhador, já que sendo as terras do empresário agrícola, seriam refeitos os laços de dependência pessoal, característicos do regime feudal. Resolver-se-ia a partir daí a questão da oferta regular de mão-de-obra à agricultura pois, conforme seu defensor, havendo um complemento salarial (casa própria e produção para autoconsumo) a esse trabalhador, parte da população inativa urbana (vista como resquícios da família camponesa desagregada no processo de enclosure 6 ) seria absorvida por essa nova família camponesa; 2- Outra questão a ser resolvida dizia respeito a uma eficaz política de preços mínimos ao produtor agrícola, permitindo-lhe chegar diretamente ao consumidor, o que por sua vez requeria uma reorganização do crédito agrícola (para que o produtor tivesse acesso e não o intermediário) e a expansão da rede de silos e armazéns. Seria o fim dos denominados oligopsônios-oligopólios 7, considerados um dos grandes empecilhos à expansão capitalista (devido ao controle de mercado e imposição de preços por parte desses grupos), e também para uma efetiva capitalização da agricultura- fosse em empresas capitalistas privadas ou cooperativas, ou ainda pequenas explorações familiares O autor define enclosure para o caso brasileiro, que difere do britânico, a conversão do latifúndio agrícola em latifúndio pecuarista. Esse fato ficou conhecido na historiografia goiana, e provavelmente em outras historiografias locais, como pecuarização da lavoura ou da agricultura. (BORGES, 2000, p.8) 7 7- Conforme esclarece o autor (2005a, p.623): Oligopsônio: privilégio de compra exercido por alguns; oligopólio: privilégio de venda exercido por alguns ou por poucos. Essa prática é considerada por Rangel uma das anomalias responsáveis pela inflação brasileira, segundo se observa mais detalhadamente na obra: A inflação brasileira (1963).

7 3- Por fim, esse projeto propunha que a estrutura agrária não deveria ser modificada com a utilização de dinheiro público para a compra da terra (o que encareceria o preço da terra a partir da especulação), mas pela utilização de terras públicas recém tornadas acessíveis pelas rodovias 8. Se assim fosse, se a compra dessas terras para fins de reforma agrária se dessem com a utilização de dinheiro do Estado aumentaria o nível do problema chave da crise agrária: o preço da terra. Isso porque haveria uma corrida às terras no mercado a partir da expectativa de aumento de preço desse terreno, a conhecida especulação. Naquela conjuntura a ênfase recaía sobre a região Nordeste do país, a fim de tirá-la da situação de marginalidade que segundo o autor, só poderia ocorrer através da grande exploração capitalista, já que naquele momento a agroindústria do açúcar apresentava bons resultados. Fica clara a perspectiva dualista da qual deriva essa abordagem. O Nordeste brasileiro era visto como a porção atrasada do país, em oposição à região Sul, onde predominavam as práticas modernas de cultivo. Com base nesse referencial Rangel (2005b, p.30) via na emigração de camponeses nordestinos para o Maranhão e Goiás, a única solução correta naquele momento, já que nessas novas províncias está nascendo um Brasil completamente novo, que não é nem nordestino nem sulista, mas que é nordestino e sulista ao mesmo tempo, uma realidade que os teóricos da época não teriam conseguido abarcar. Havia portanto nessa teoria a convicção de que a principal característica da agricultura brasileira (assim como a sociedade de forma geral) seria sua heterogeneidade, possuidora que era de um lado arcaico, caracterizado (por suas relações internas de produção) pelo latifúndio feudal e um lado moderno, em suas relações externas, caracterizado pelo latifúndio capitalista. Assim a metáfora de que a região central do país não era nem nordestina nem 8 8- Ao final dos anos 1950 Rangel fora assessor do então ministro de Viação e Obras Públicas (Lúcio Meira), quando propôs, e de fato se deu, a criação da Comissão de Povoamento dos Eixos Rodoviários (Coper) em Caberia a esse órgão suscitar a migração de excedentes demográficos do Nordeste do país para outras regiões.

8 sulista demonstra muito bem a predominância dessa dualidade, essência da economia brasileira conforme a teoria rangeliana, e a conseqüente coexistência de relações de produção arcaicas e modernas. Ela evidencia também a concepção de que a expansão do capitalismo (e como ele relações de produção mais avançadas/modernas ) acabaria resolvendo naturalmente a questão da heterogeneidade gerada pela permanência de resquícios feudais, nossa grande e indesejada herança colonial. Além das relações de produção em estágios diferenciados, que caracterizam a dualidade básica da economia brasileira, esse dualismo era marcado por situações de excedente populacional na parte subdesenvolvida/marginalizada do país em contraposição a um excedente de produção nas áreas desenvolvidas (região Sul). Na perspectiva rangeliana a questão agrária, como componente essencial da economia, se agudizava sempre que a conjuntura não era favorável, ou seja, em momentos de crise. E em momentos de conjuntura favorável (fases ascendentes) a indústria brasileira intensificava sua produção ao comércio exterior, aumentando em conseqüência a utilização de mão-de-obra, tornando assim menos evidente a questão da superpopulação. Por outro lado, ao contrário, em momentos desfavoráveis (de recessão econômica) havia um esforço de substituição de importações, dado nosso modelo econômico até então, pela indústria nacional que a partir da queda de exportações diminuia o nível de utilização de mão-de-obra, ressaltando-se a crise agrária. Dessa maneira, o setor agrícola era apontado por ele como o grande regulador do mercado de trabalho. A questão agrária era então definia a partir do momento em que esse setor não liberava a mão-de-obra necessária ao crescimento dos demais setores da economia, ou a liberava em excesso (Rangel, 2005b, pp.40-42); fato esse que seria corrigido pela ação estatal, sobretudo a partir da implementação de uma prática efetiva de planejamento econômico. Nessa concepção a reforma agrária era a forma apontada para solucionar o atraso das relações internas de produção, que ainda padeciam com os resquícios feudais. Ele

9 acreditava que a partir das relações externas de produção (tidas como as mais desenvolvidas) poderia haver uma reestruturação da economia brasileira que a levasse aos caminhos do desenvolvimento. Em síntese, o lado desenvolvido da economia impulsionaria mudanças ao lado atrasado a partir da atuação de seus representantes. Somente a partir do equilíbrio das finanças públicas é que poderia ser seguido um plano efetivo de reforma (ou reformas) agrária, já que esse processo se assentaria na criação de pequenas propriedades aos trabalhadores rurais, como forma de controlar o fenômeno da já destacada escassez sazonal de mão-de-obra; o que se daria a partir das terras públicas. O autor demonstrava portanto grande lucidez em relação à reestruturação agrária uma vez que, contrariando muitos militantes, anunciava que nem a fazenda de gado e nem a monocultura seriam compatíveis com a pequena produção familiar, dadas as relações de produção que as caracterizam. Seria com base nessa percepção, segundo ele, que muitos afirmavam (e ainda afirmam) a necessidade de desmantelamento do latifúndio capitalista, tido como ocupante das melhores terras, para realização da reforma agrária. Como forma de compensação, acreditavam que o governo deveria oferecer investimentos públicos ao empresário agrícola, visando o aumento de produtividade da terra pela irrigação das lavouras. Considerações Finais: À medida que a dinâmica da economia brasileira se desenrolava o grande desenvolvimentista propunha soluções para que a agricultura (em cada conjuntura que se apresentava) não obstacularizasse o tão propalado processo de desenvolvimento econômico nacional. As preocupações em relação ao setor agrícola se davam nesse sentido. Mesmo os projetos de reforma agrária seguiam essa vertente.

10 Assim, a inquietação na década de 1930 com uma industrialização não precedida de reforma agrária poderia até possuir uma preocupação social em torno da questão, mas a partir dos anos 1950 a ênfase passou a ter caráter estritamente econômico, como se buscou demonstrar nessa análise. Reiterando, as propostas sobre reforma agrária apresentadas, sobretudo após a década de 1960, visavam solucionar os efeitos da crise agrária (sobretudo superprodução -com resultados indesejáveis às relações com o mercado externo e a superpopulação que ocasionava resultados desagradáveis nos centros urbanos) na medida em que estes obstacularizavam, conforme a perspectiva desenvolvimentista, o setor urbano-industrial. Referências Bibliográficas: BORGES, Barsanufo Gomides. Goiás nos Quadros da Economia Nacional ( ). Goiânia, Ed. da UFG, RANGEL, Ignácio. Desenvolvimento e Projeto. In: Obras Reunidas, Rio de Janeiro, Contraponto, 2005, 1º vol.pp Dualidade e Escravismo Colonial (1978), In: Obras Reunidas, Rio de Janeiro, Contraponto, 2005, 2º vol., pp Industrialização e Economia Natural. In: Obras Reunidas, Rio de Janeiro, Contraponto, 2005, 2º vol, pp Introdução ao Desenvolvimento Econômico Brasileiro (1955), In: Obras Reunidas, Rio de Janeiro, Contraponto, 2005, 2º vol.pp

11 O Desenvolvimento Econômico no Brasil (1954). In: Obras Reunidas, Rio de Janeiro, Contraponto, 2005, 1º vol, pp Textos sobre a Questão Agrária ( ). In: Obras Reunidas, Rio de Janeiro, Contraponto, 2005, 2º vol, pp

IGNÁCIO RANGEL: O GRANDE TEÓRICO DO DUALISMO NO BRASIL

IGNÁCIO RANGEL: O GRANDE TEÓRICO DO DUALISMO NO BRASIL IGNÁCIO RANGEL: O GRANDE TEÓRICO DO DUALISMO NO BRASIL Arissane Dâmaso Fernandes Resumo: O objetivo central desse artigo é retomar a teoria da dualidade básica da economia brasileira desenvolvida por Ignácio

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

A QUESTÃO AGRÁRIA NO BRASIL: AS CONTRIBUIÇÕES DE CAIO PRADO JUNIOR E IGNÁCIO RANGEL

A QUESTÃO AGRÁRIA NO BRASIL: AS CONTRIBUIÇÕES DE CAIO PRADO JUNIOR E IGNÁCIO RANGEL A QUESTÃO AGRÁRIA NO BRASIL: AS CONTRIBUIÇÕES DE CAIO PRADO JUNIOR E IGNÁCIO RANGEL Claudia Maria Prudêncio De Mera 1 Resumo Este estudo busca fazer uma contraposição entre os autores Inácio Rangel e Caio

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS. A Questão Agrária no Brasil no Século XXI

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS. A Questão Agrária no Brasil no Século XXI 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS A Questão Agrária no Brasil no Século XXI Marcos Cassin 1 Mírian Helena Goldschmidt 2 GT3 Marxismo e ciências humanas Introdução O que é a Questão Agrária? O

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

PROBLEMAS DA AGRICULTURA BRASILEIRA E SUAS CAUSAS

PROBLEMAS DA AGRICULTURA BRASILEIRA E SUAS CAUSAS PROBLEMAS DA AGRICULTURA BRASILEIRA E SUAS CAUSAS Luiz Carlos Bresser-Pereira Journal of Inter-American Studies, 6 (1), janeiro 1964: 43-55. Em um momento em que se discute, de forma intensa, a respeito

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

DEMOGRAFIA II. Prof. Maicon Fiegenbaum

DEMOGRAFIA II. Prof. Maicon Fiegenbaum DEMOGRAFIA II Prof. Maicon Fiegenbaum Estrutura etária; Estrutura econômica; Migrações; IDH. ESTRUTURA ETÁRIA Populações Jovens *países subdesenvolvidos; *elevado crescimento vegetativo e a baixa expectativa

Leia mais

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima O presente boletim trata da evolução da estrutura produtiva de regiões selecionadas, entre 2002 e 2014, a partir dos dados de empregos formais da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE BRASIL Dinâmica demográfica Refletindo tendências demográficas delineadas há algumas décadas, a população brasileira cresceu a uma taxa anual estimada

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Ignácio Rangel e a dualidade

Ignácio Rangel e a dualidade Ignácio Rangel e a dualidade Francielle Camila Santos Ribeiro Renata Maciel Gugelmin INTRODUÇÃO O presente estudo objetiva apresentar as principais contribuições do economista Ignácio Rangel Mourão. Em

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Eleição presidencial e o pensamento econômico no Brasil 1 I - As correntes do pensamento econômico

Leia mais

História do planejamento no Brasil

História do planejamento no Brasil História do planejamento no Brasil 1. Um marco iniciador: o Plano de Metas de JK 2. Alguns antecedentes de 1909 a 1947-54 3. O contexto dos anos 1950 que implicava numa maior intervenção do Estado na economia

Leia mais

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil.

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. Origem da agricultura AGRICULTURA E FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. OBJETIVOS Ao final da aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010 A distribuição populacional de Goiás frente aos dados do Censo demográfico 2010 Daniel da Silva Souza 1 Resumo: A configuração da rede demográfica goiana está em processo de forte alteração. A taxa de

Leia mais

CHINA: NOTAS SOBRE A MIGRAÇÃO, AS TRANSFORMAÇÕES NA PRODUÇÃO E OS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO

CHINA: NOTAS SOBRE A MIGRAÇÃO, AS TRANSFORMAÇÕES NA PRODUÇÃO E OS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO CHINA: NOTAS SOBRE A MIGRAÇÃO, AS TRANSFORMAÇÕES NA PRODUÇÃO E OS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO Rodrigo Pimentel Ferreira Leão * No último dia 5 de março, o primeiro ministro da China, Wen Jiabao, anunciou

Leia mais

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal Como originaram as primeiras cidades? O que veio antes? campo ou cidade? 1.1 Urbanização e Classes Sociais HISTÓRIA DA CIDADE UNIDADE I 1.1 Urbanização e Classes Sociais 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice A Urbanização Brasileira Resumo Teórico...1 Exercícios...4 Gabarito...5 A Urbanização Brasileira Resumo Teórico Urbanização, uma tendência

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO DO. Prof:krisnamurth

INDUSTRIALIZAÇÃO DO. Prof:krisnamurth INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL Prof:krisnamurth / BRASIL, PAÍS EMERGENTE PAÍS INDUSTRIALIZADO, PAÍS DE INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA, PAÍS RICO, MAS DEPENDENTE, PAÍS DESIGUAL, PAÍS DE EXTREMOS NATURAIS E SOCIAIS...

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

Geografia Por Tabata

Geografia Por Tabata Geografia Por Tabata População População Absoluta: total de habitantes de um dado lugar Ex.: China = maior população cerca 1 bilhão e 300 milhões de habitantes China = país populoso Populoso é o país que

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

A NATUREZA DA QUESTÃO AGRÁRIA BRASIELIRA NA ATUALIDADE RESUMO

A NATUREZA DA QUESTÃO AGRÁRIA BRASIELIRA NA ATUALIDADE RESUMO 1 A NATUREZA DA QUESTÃO AGRÁRIA BRASIELIRA NA ATUALIDADE Vinícius Silva Gondim 1 Sérgio Ricardo Ribeiro Lima 2 Maria Bernadete Pereira Bezerra 3 RESUMO Este estudo tem por finalidade apreender o significado

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA Jane Carla Burin Mestranda em Geografia UFSM RESUMO O processo de modernização agrícola iniciado

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

CRISE ECONÔMICA, FRONTEIRA DE RESURSOS E O DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA: O CASO DA EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA NO ESTADO DE MATO GROSSO

CRISE ECONÔMICA, FRONTEIRA DE RESURSOS E O DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA: O CASO DA EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA NO ESTADO DE MATO GROSSO CRISE ECONÔMICA, FRONTEIRA DE RESURSOS E O DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA: O CASO DA EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA NO ESTADO DE MATO GROSSO Charles Mueller Departamento de Economia, Unb COMENTÁRIOS INICIAIS Não é

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO O que é trabalho? A palavra trabalho deriva do latim tripalium, objeto de três paus aguçados utilizado na agricultura e também como instrumento de tortura. O trabalho está associado

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

DA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

DA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL DA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Inovações agrícolas Quando? Onde? O processo iniciou-se no século XVIII, primeiro na Inglaterra e na Holanda (Províncias Unidas), países com uma intensa atividade

Leia mais

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2 Comercialização no agronegócio Aulas 1 e 2 Principais itens da cadeia produtiva Produtos finais disponíveis ao consumidor; Elos a MONTANTE e a JUSANTE da agropecuária; Transações entre os segmentos;

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar

O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar Sidemar Presotto Nunes No início dos anos 90, que precedeu a criação do Pronaf, a agricultura brasileira

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado ASSUNTO em pauta A Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado Razões e diferenças das políticas públicas e privadas no contexto do Sistema de Comércio

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização.

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Meio Ambiente & Sociedade Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Geografia Humana Geografia Humana: É possível dividir a geografia

Leia mais

ATUAÇÃO EXTENSIONISTA NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DO PROFESSOR PAULO DE MORAES MARQUES, DOUTOR E LIVRE DOCENTE EM EXTENSÃO RURAL

ATUAÇÃO EXTENSIONISTA NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DO PROFESSOR PAULO DE MORAES MARQUES, DOUTOR E LIVRE DOCENTE EM EXTENSÃO RURAL ATUAÇÃO EXTENSIONISTA NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DO PROFESSOR PAULO DE MORAES MARQUES, DOUTOR E LIVRE DOCENTE EM EXTENSÃO RURAL PAULO DE MORAES MARQUES Universidade Federal Rural de Pernambuco,

Leia mais

Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros

Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros Após a 3ª sessão plenária do 11º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCCh) realizada em 1978,

Leia mais

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 *

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Harlen Pereira Ferreira UEMG Unidade Carangola Felipe Silva Vieira UEMG Unidade Carangola Marcela Silva

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014 Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014 janeiro-junho/2012 GESTÃO RURAL: UMA ANÁLISE DA IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E PLANEJAMENTO

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

A TRAJETÓRIA INSTITUCIONAL DE UM TECNOCRATA: IGNÁCIO RANGEL NA ASSESSORIA ECONÔMICA DO GOVERNO VARGAS (1951-1954)

A TRAJETÓRIA INSTITUCIONAL DE UM TECNOCRATA: IGNÁCIO RANGEL NA ASSESSORIA ECONÔMICA DO GOVERNO VARGAS (1951-1954) A TRAJETÓRIA INSTITUCIONAL DE UM TECNOCRATA: IGNÁCIO RANGEL NA ASSESSORIA ECONÔMICA DO GOVERNO VARGAS (1951-1954) Arissane Dâmaso Fernandes. Doutoranda em História - Universidade Federal de Goiás. arissanedamaso@yahoo.com.br

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Gestão de Governo em Alto Nível de Excelência

Gestão de Governo em Alto Nível de Excelência ESTUDOS E PESQUISAS Nº 306 Gestão de Governo em Alto Nível de Excelência Paulo Bernardo* XXI Fórum Nacional - Na Crise Global, o Novo Papel Mundial dos BRICs (BRIMCs?) e as Oportunidades do Brasil (Crise

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

03. O Leste europeu sofreu grandes transformações nas duas últimas décadas do século XX, como as que são referidas a seguir, exceto uma. Assinale-a.

03. O Leste europeu sofreu grandes transformações nas duas últimas décadas do século XX, como as que são referidas a seguir, exceto uma. Assinale-a. VESTBULAR/2005 GEOGRAFA 01. Leia, com atenção, a notícia a seguir. Na véspera de um fim de semana prolongado, o mal faz um certo bem. O ar muito seco vem incomodando, mas é justamente a umidade baixa que

Leia mais

R E C O R D A R IGNACIO RANGEL. Fernando Antonio Faria *

R E C O R D A R IGNACIO RANGEL. Fernando Antonio Faria * R E C O R D A R IGNACIO RANGEL Fernando Antonio Faria * O poder político na sociedade dual brasileira é exercido por uma frente única integrada por duas classes dirigentes, simultaneamente, solidárias

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Quando olhei a terra ardente...

Quando olhei a terra ardente... Quando olhei a terra ardente... A UU L AL A Nesta aula estudaremos a região Nordeste, identificando suas principais características e sua importância para o país. Para entender suas paisagens, vamos avaliar

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

Gilcélia Batista de Gós 1. Maria Ivonete Soares Coelho 2 RESUMO

Gilcélia Batista de Gós 1. Maria Ivonete Soares Coelho 2 RESUMO Os programas sociais como instrumentos para efetivação dos direitos sociais: uma análise do programa de assistência técnica social e ambiental e a intervenção do (a) assistente social. Gilcélia Batista

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais