Maria F rancisca Rangel de Jesus Barros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria F rancisca Rangel de Jesus Barros"

Transcrição

1 PA LEST RA A R ESPONSAB I L l DADE" DOS DOC ENTES NA FORMAÇ AO DE P ESSOAL D E N IV E L M E D I O Maria F rancisca Rangel de Jesus Barros BARROS MFRJ A responsabilidade dos docentes na formação de pessoal de n ível médio Rev Brlls Enf Brasília 38( 1 ) : jan/mar Os e ducadores responsáveis pela formação d e auxiliares e técnicos em enfermagem desenvolvem hoje o máximo de reflexão sobre os objetivos que deve rão conduzir seu trabalho a um ê xito traduzido no reconheci mento da enfermagem como profissão essenci al êxito e sse expresso através da ação de toda uma e qui pe bem de finida entre os profissionais de saú de e bem configurada no que respeita às tarefas t ípicas das categorias que a compõem A atenção de enfermagem nos dias atuais principalmente com a e xpansão e exte nsão do rol profis sional e transferência de tecnologia nos programas de regionalização com a crescen te demanda das comunidades por um n ível cada vez mais elevado da pre stação de cuidados re quer um preparo e ficiente de recur so s humanos Estes recursos devem ser bem orien tados conscientes de sua responsabilidade capazes de participar do processo de mudança que se opera em toda a parte na condição de profissionais seguros ajustados produtivos e acima d e tudo felize s d e proporcionar a o próximo não somente o cuidado mas a orientação correta o t rato cordial human ístico que caracteriza o ser humano em interação para a saúde na comunidade na fam ília no laze r ou no trabalho no hospi tal e na escola O discurso cont ínuo tem possibilitado aos docentes que se oc upam do pre paro desses recursos humanos perce ber e até de screver esses o bje tivos mas isso não tem sido suficiente para oferecer a esses educadore s meios de reconhece r a natureza do ensin o que será mais adequado para o tipo de comporta mentos finais esperados dos estudantes Os profe ssores raramente são treinados sobre as técnicas de acordo com as quais os alunos possam desenvolve r racional e sistematicamente componentes de comunicação que realmente lhe s dêem condi ções de funcionar na condição de agentes de mudança partici pando com sucesso das atividades de e duca ção para a saúde na comuniaade na uni dade de sauae ou na atenção dire ta ao paciente hospitalizado cuja expectativa ou necessidade sentida sabemo s permanece i nsatisfeita ou ainda como aspiração não aten dida É do II com grande respeito e satisfação que registramos neste documento a iniciativa da Coordenação Se núnário de Ensino de Enferm agem a N ível Médio ao propor um trabalho e fetivo fundamentado em ampla pesquisa de opiniões sob re a compe tência profissional desse s recu rsos h umanos com base em estudo e discussão da responsab i lidade dos docentes na formação de pessoal de n ível médio Estes estudos poderão se rvir de instrumento para a impleme ntação das grades curriculares dos programas dos planos de cursos e das própri as aulas Os métodos de ensino se definirão a partir dos obje tivos dos cursos O processo ensinoaprendiza gem se delineará através de análise da situação real do se tor saúde no Pa ís na região e no local onde se desenvolve rem os trabalhos te óricopráticos e estágios supervisionados To dos falam em obje tivos educacionai s interpretam sua concei tuação expressam a necessidade de definilos descrevemnos Pouco s entre tanto páram para questionarse e encon trar as respostas a três tipos de perguntas : J Diretora do Centro Interescolar de Saúde de Brasília FHDF Mestrado em Saúde Pú!>!ica FENSPMS PósGra duação em Desenvolvimento de RH Administração Pública Universidade de Manchester Inglaterra R ev Bras Enl Brasília 38( 1 ) jan /mar

2 o que devemos ensinar para o alcance desses objetivos? Como saberemos que o processo ensinoapren dizagem se realizou? Que materiais e procedimentos terão melhor desempenho para o n ível e o conteúdo que deseja mos ensinar? Além das respostas a essas pergun tas para especificar os objetivos tornase importan te respondê las mantendose sua ordem o que favorecerá a compreensão de inúmeros componen tes do conhecimen to sobre a natureza human a seu potencial e condições de crescimento Com essa linha de reflexão acre di tamos que os educadores desejosos de realizar um trabalho capaz de ser medido em sua traje tória perrrú tindo as al terações ou correções de maneira mais racional terão que traçar em primeiro lugar os objetivos do curso com base nas atribuições "que o recurso humano em questão deverá desenvolve r : CU RSO D E AUXI L I A R D E E N F E RMAGEM ATR I B U i Ç Õ E S DO AUXI L I A R D E E N F E RMAG E M C U R SO D E T ÉC N I CO E M E N F E R MAG EM AT R IB U içõ ES DO T É C N ICO E M E N F E RMAG E M OBJ E T I V OS DOS CU RSOS Parale lamen te deverão dorrúnar o conhecimento das forças positivas que constituirão a base racio nal para a interpre tação das reações das pe ssoas que in teragem no processo ensinoaprendizagem Para o estudo e compreensão dos Obje tivos Instrucionais tornase necessári o ainda que sumaria mente analisarmos a importância do conhecimento de alguns aspectos da Psicossociologia tais como : motivação ação de mudança e o processo de dar e receber ajuda É provável que todos tc l i j amos escutado muitas vezes perguntas ou declarações deste tipo: "Como podere i "motivar uma pessoa a que faça algo para resolver seu problema? " " Que se pode fazer para motivar os estudantes a que se in teressem pelo trabalho escolar? " "A qualidade d o bom l íder é motivar seus seguidores a que trabalhem" 1 Essas perguntas ou declarações passamnos a idéia de que motivação pode ser inj tada em alguém 2 Ou que motivação confere energia para o alcance de deternúnado objetivo EstaÍnos de acordo com a segun da das idéias A energia para atuação está em todos nós Quando nos parece que alguém não está motivado a pergunta deveria ser : " O que está impedindo que esse impulso mobilizador se manifeste?" As funções do educador de motivar estão bem mais relacionadas com aju dar a criar condições para que se liberem as forças criadoras ou ajudar a não se obstru írem os canais por onde essas forças possam ser liberad as Porque essa energia potencial está em todos os seres humanos Esses impulsos dirigi dos à motivação estão p or sua vez ligados à satisfação das necessidades dos seres humanos do ponto de vista biopsicossocial Da série de nece ssidades reconhecidas escalonadas ou hierarquizadas algumas são freqüentes específicas e exigem satisfação ; outras não exigem muita atenção são às vezes indecifráveis Entre esses extremos podem existir outras ainda não reconhecidas Os estudiosos do assunto concordam em sua e xistência reconhecem as mais vitais podem contu do discordar da hierarquia estabelecida : 96 R ev Bras Enl B rasília 38( 1 ) jan /rnar

3 Fisiológicas 11 1Il Segurança IV Do ego V Sociais De auto realizaç ão o E N S I N O D E E N F E R MA G E M A ação de mudança Ne m sempre o age n te d e mudança est á pre parad o para diagnosticar o n ível d e nece ssi dades mais mome ntâneas com fortes do grupo em questão Freqüen temente confunde suas próprias necessidades aquelas que seriam as do grupo Problemas de docentes da Enfermagem o êxi t o do seu trabalho deveria apoiarse na compreensão clara da força de nece ssi dades expressas pl'l ls reações do grupo e trabalhar com base naquele reconhecimen to M U DANÇA R ES IST Ê N C I A À M U DAN ÇA Toda a vida é mudança quando deixamos de crescer e de desenvolver começamos a declinar Na condição de seres human os apresentamos em maior ou menor grau uma dualidade : ao mesmo tempo e m que buscamos a mudança o crescimento nos prendemos a certos elos defensivos ou ilhas de continuidade e seguranç a Assi m estudos apontam resultados interessan tes en tre e studan tes : freqüentam cursos para apren de r e portan t o mudar mas se e sforçam por protegerse não estabelecendo relação autêntica com pro fessores p ara evitar que e sses os influencie m N a s experiências em que o se r human o s e envolve socialmente existem sinai s de mudança: e ntretan t o com as mudanças tecnológicas resistência à a sociedade segue a ten dência de se transformar e m alguns anos em s u a estru tura organizacional industrial e soci al A s e s truturas que m an têm o processo social apresentam um ritmo incompatível com as potencialida des tecnológicas o que se consubstancia nos grupos e indivíduos que querem sempre atrasar o relógio fazendo surgir e m todos os setore s as formas pol íticas extremamen te autoritárias M U DANÇA E AS AMB I G Ü i DADES Há certa dissonância e n tre as re ali dade s do passado e os fatos novos ou os novos enfo ques sobre a s situações vivenciais Às vezes irreconciliáveis em s u a na ture za provocam a procura de n ovas soluções Ao s inovadore s d e modo geral são atribu ídos motivos ocultos ou desonestos MUDANÇAS E ESTEREÓT IPOS Os tabu s os preconceitos e o sistema de crenças são às vezes tão antigos e profuiluus que resistem durante muito te mpo às mudan ç as Exemplo : quand o uma instituição quis provar através de um e studo que las mulhe res trabalhavam de maneira ineficien te p orque eram inferiore s o estudo provou que seu trabalho era al tame nte produtivo e suas ausências baix íssimas M U DANÇA E R E DU ÇÃO DO POD E R Há p rovas d e laboratório e resultados d e pesquisas e m grupos organizacionais que indiv íduos isola damen te ou e m conjunto resistem a mudanças quan do há dima competi tiv n o emprego e conse qüen' temente a p ossibilidade de re dução d o seu pode r ' : R ev Bras Enl Brasília 38( l ) Üm/mar

4 M U DANÇA E D ESTR EZA & L IM I TAÇÃO Outras vezes há a re s ist ên ci a à m u dan ça qu an d o o ass unto envol ve a n ece s si d a de de aval iar suas re sis ti r à mu da n ça e quivale a manter su a d ign i d a de porque não há exposição de sua linú ta ção Acei tar a mudança ao me smo tempo que pernúte ap re n de r nova destreza e xpõe sua l imitação linú taç ões : O P R OC ESSO DE MU DANÇA A mudança começa qwmdo alg ué m pe r ce be que ela prob lema passa a ser : conseguir é n e ce s sá r i a adesões e desenvolver es t ratégi as que e que sua realização é poss íve l O envol vam um plano de a ç ão e a p r ópria aç ão OBSTÁCULOS 1 Falta de i n formação sobre a s i t uaç â"o e d ad os sobre a at it ud e das pessoas em re l ação aos resul tados dà mudança 2 Fal ta d e confiança nos mo tivos d o s agen te s d e mudança falta d e estrutu ra d o s age n tes de mu d an ça em rel aç ão à organização d o gru po 3 A i mage m dos agen te s de mudan ç a qu e p o d e refle tir corre t a o u i ncorre tamente o desejo de não p art i l ha r dos obje tivos do gru po ou organização a qu il o que possa parecer agressão 4 A imposição ao grupo de um plan o de a ç ão quan d o o grupo tem con sciên ci a de nã o haver p ar tilhado das e tapas de mudança Os proble ma s s u rge m qu an do os defensores da mu danç a não re con hece m comum com o be mestar ou i deais da c omu ni d a de ou gru po ; quando a si t uaç ão qu and o se a re spon sa b ili da d e perde o respe i to ao gr u po e passa a se r compe titiva Se conce bêsse mos mu danç a apenas como res u l tado do trabalho de fo rç as propulsoras have ri a se mpre m udan ça e e qu i l ili ri o Poré m essas forç as pr o p ulso r as conjugamse c o m fo rças restritivas que fu n d ireç ão contrária ; se e ssas são ig uai s há um equil lb rio dinânúco e fl u tuan te não há possibili de m u dan ças As fo rç as res tri tivas re pre se ntam ge ral me n te p r o ble mas : Falta de reconhecimento da ne ce s si d ade de mudar Medo de c onseq üênci as dentro da organ ização Falta de confiança nos verd ad e iro s motivos dos age n tes d e m u dan ç a I nsegur ança quan to à c ap ac i d a de de de se n v o l ve r /lovas destrezas Me do de perda de pod e r Dificuldade de d e fi nir o sentido d as m udanças em relaç ão a o pre s en te e ao fu t u r o No p r oce sso de mudança ocorrem as me s mas etapas veri ficadas na técnica de so l u ção d e p robl e cionam e m dade mas Análise Pl a no de Aç ão Id e n t i fic a çã o Ação Causas Alternativa de Sol ução El i m aç ão de fo rç as r e stn t lvas Reforço d as forças p r op ul sor as Obj e tivos e metas a alcan ç ar Progr ama s imp le me nta ção Aval i ação 98 R ev Bras EII/ Brasília 38( 1 ) jan/mar

5 o PR OCESSO DE DAR E R EC E B E R AJU DA Empatia U m a g r a n d e sensi b ilidade ou p c r ce be r da m a n ei r a que ele pc rc e bc O p (o fe sso r ca paz de p e rce b e r a seja a c ap ac i d ad e de se c ol o c a r n o l u ga r do outro para r e a li d a d e d o pon t o de vi s t a do es t u d a n t e te m segun d o p e s qu i s as estabeleci da a re l a ç ã o de aj u d a o que p ro p i ci a m u da n ças fav oráveis no aj u s t amen to profissional e nd p r o d u t i v i dad e e tkiência e s a ti s façã o pcssoal A d in â m i ca do c r e s c i me n t o do e s tudante dc pc n d e d o e n fo q u e <l o professor ; i s t o é se o pr ofe ss or só te m c on d iç õe s de pe rcebe r os "fa tos " c omo lhe p a r ec e m ser "obje tivamente " como lhe será mais cômo d o n ão se d a n d o a o trabal h o d e apreciar o e n foq u e do e s t ud an t e n unca será capaz dc realizar a re l aç ão d e aj uda q u e e n vo lve os aspec t os de dar e rece be r Todos enriquecem quan do ess1 relação e v o l ui para u m a "cx p l o ração c onj u n t a e m ambien t e d e c o n fi a nça na q ua l u ma personalidade fa c il i t a à o u t r a o cre sci me n t o pessoal ; e m q u e se aj u d a o outro a t o rn ar se mais mad uro i n te gr a d o e e x posto à sua p r ó p r i a e x pcriência " Esse é um p r oce s s o que se deve ma n i fe s t a r e m fu n ç ão do profe ssor do p s i c ó l ogo do o r i e n t a d o r do e n fe r m e i r o que é a ve r d a d e i r a e ssê n c i a de que m é p ai c ônj u ge ou am igo ca paz d e n ão supcrprotege r mas d e aj u d a r a cresce r O p r oc esso d e aj u d a r não s e restri nge a o tr a bal h o i n d ivid u al mas este n d e se a gr u po s Toda vez que a l g u é m fun cion a c omo l íd e r de u m gru p o e v i sa a i n teração p o d e o b te r o re s u l tado p osi t i vo ou nega t i v o d epe n de n d o de sua capacidade de e s t a belecer a relação de aj uda A L G U MAS T É C N I C AS QU E POD E R ÃO FAVO R E C E R A R E L AÇÃO D E AJU DA Esc utar com i n t e re sse e xe rci t a n d o a i l l tuição de m o d o a perce ber o que n o s d izem n o que é p r oc u r an d o co m p re e n d e r sem i déias p re conce b idas Ob se rvar me lhor a c on d u t a t o t al para i n te r p re t a r c or re t a me n t e a mai s sutil c o mu n i c a ç ã o Estar a l er t a para as maneiras de sen tir da pessoa que nos fal a bem como para com n ossos próp r i o s se n t i m e n t o s Pe rscr u tar as necessidades da pessoa em qu e s t ã o e t r a b al har de acordo com seu ri t m o Pe r gu n tar de m a n e i r a a e s t i m u l a r () p r o c e ss o m e n t al Dar o e xe m p l o com suas p ró p rias a t i t u de s e con d u ta pa r a a c r i aç ão de um c li ma p rop íc i o ao crescime n t o e à i n t e ra ção dito e M É TODOS PARA DFSE NVOLV E R OS O BJ E T IVOS 1 ) Um d o s p ro ce d i m e n t o s técni c os m a i s u t ilizados é a ubst:rvação crdica de um incidente C o m o visam e stabelecer o s obj e t i v o s de aprendizage m e sse en foque se c en t r a nas cond u tas o b tidas ou e l e me n t o s d e c o m pe t ênc i a mai s do q ue n o conteúdo do curso ou n a me t o d o l o g i a do e n si todos os mé todos q u e no Anál ise de um comportamento final O o b se rv a d or descreverá () episód i o es pec í fic o c o m j u íz o c r ít i c o ou sej a avaliará o d e s e m p e n ho da t a r e fa d o proti ssional se o me s m o s e foi n o t o r i a m e n te bem ou deficien te men te i n d ic an d o a! razões p o r qu e c h e g o u a e ssas c on cl u s õ es À me d i d a que se a c u m ula m os e pi sódios ou e x pe r i ê n ci as os observa d ores de man e i ra independe n te e s tarão re a l i z a n d o s uas avaliaçõc s Em s e gu i d a grupamse as e xperiê n para hie rarquização Formamse as categorias de e xperiên ci as e a ga ma que t o t al i za o n úme ro e o que cad a c a te go ri a pr o fi ssi on al deve apresen tar c o mo su a co m pe tê n ci a Em o ut r a s pal avras os c o m p on e n t e s das tare fas d a s a t i v i d a d e s das ações na l i ngu agem de planejame n to a d m i n i s tr a tivo os componen tes do c o m p o r tam e n t o final na l inguagem do planej amen to do ensino técnico cias gr a u de co m pl e xi d a d e 2) O u t ro mé todo a análise do trabalho também chama d o e s t ud o do t e m p o e m o v i me n t o apresen ta a des v an t agem d a avaliação i n d i v i d u al mas o universo anal isa d o p e r mi t e al gu m a segurança para categor ev Bras En! B ra s íl i a 38( l ) jan /lll ar

6 rizar os incidente s ou e xperiências Consiste em analisar min uciosamente o que o profissional da catego ria em questão realiza efe tivame n te na prática diária de trab alho numa unidade de saúde por exemplo em lugar de especificar o que pare ça desejável que se aprenda Assim os tópicos de ensino devem repre sentar exatamen te o que se re queira da categoria profissional no campo de t rabalho 3) Um terce iro mé todo considera os problemas registrados estatisticamen te n as áreas federal regio nal e local relacionados à mor talidade morbidade Esse método ' é adequado para o preparo de recursos humanos que se destinem aos programas de a tenção primária por exempl o quando se e stabelece a regio' nalização do sistema de saúde A O R GAN I ZAÇÃO DOS OBJ E TIVOS Seja qual for a origem do obje tivo ou o método para classi ficálo convém que se sistematize e m três tipos : o cogni tivo o psicomotor e o afetivo (conhecimento habilidades profissionais atitudes e valo res) Em geral os docentes se preocupam com o conhecimento que desejam que os estudan tes adquiram As habilidades e atitudes que esperam dos estudantes nem sempre são destacadas de maneira a permitir sua sistematização e avaliação racional Mesmo nos obje tivos cogni tivos fre qüen temen te se destaca o que deverá ser apresentado aos estu dantes em lugar de ser val orizado o que eles deveriam ser capazes de fazer com o que estudam Com a finalidade de organizar essas formulaçõe s um grupo de especialistas em avaliação classificou as me tas cognitivas de apren dizagem em uma Taxonomia dos Objetivos Educacionais Esse sistema te m a vantagem de hierarquizar os objetivos e sua apre sen tação que pode ser clara men te compreendi da e acompanhada Isso também facilita aos professores observar de maneira racional a evolução de se u trabalho (experiências de aprendizagem) bem como a avaliação do progre sso do estu dante que implica na avaliação de se u progresso como educador ; em outras palavras quase sempre esse n ível alcançado é o da transmissão de conhecimento e memorização Uma taxonomia comparável também foi organizada para a área afetiva A utilização e o dom ínio dessa classificação são considerados bem mais difíceis que os da área cog ni tiva Não está ai nda esclarecida a razão da dificuldade mas supõese que reflete na ten dência que se tem de considerar valores e atitudes bons ou maus em vez de se pensar nos n íveis de predisposição de se rea gir aos padrões j ulgados convenientes A organização de atitudes de mane ira consciente para que se desenvolvam os traços considerados desejávei s pode constituir invasão nos valores e atitudes pessoais porém isso não se pode e vitar nos programas formais de ensino Na verdade a aprendizagem dessas atitudes é con stan te e permi te prever a ' conduta futura com mais precisão do que a apren dizagem de um conhecimento ou infomlação a que se dá tan ta impor tância como obje tivo cogrú tivo Se é provado que e xistem atitudes em relação ao paciente ao colega e até à prestação do cuidado de enfermagem e da atenção à saúde não somente é imperativo que os professores façam dessas atit udes objetivos e xpl ícitos mas também que se especifique o n ível de atuação esperado no estudante tal como se faz para os aspectos cogni tivos B A RROS MF RJ Teacher's responsability in the preparation 01' secondary levei people Rev Bras Enf Brasília 38(1 ) : jan/mar R ev Bras Eni B rasília 38( J ) j an /mar

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES A du ra ção da pro va é de 2 ho ras. Escreva um texto argumentativo. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex to. Use as informações disponíveis

Leia mais

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento Resumo O presente artigo pretende analisar as práticas e representações dos deputados portugueses

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA Luísa Oliveira e Helena Carvalho Resumo A inovação tecnológica como força motriz de um novo padrão de competitividade coloca, como questão central,

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente

PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente Cristina Palma Conceição Resumo Tendo como pano de fundo algumas das questões suscitadas pelo debate teórico

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Rosana Heringer Resumo O ar ti go apre sen ta as prin ci pa is con clu sões da pes qui sa Ma pe a - men to de Ações e Dis cur

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet Sandra Pereira Introdução O po der é um pro ble ma cen tral nas or ga ni za ções en quan to es pa ços de con fli

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação DEPA R TAMENTO : Psicologia Social PERÍODO/A NO : 7º/2014 CA RG A HOR Á RIA : 34 PR OFESSOR AS : A na Mercês Bahia Bock A driana Eiko Matsumoto O

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

Capítulo 6 Orçamento de Despesas Departamentais

Capítulo 6 Orçamento de Despesas Departamentais Capítulo 6 Orçamento de Despesas Departamentais A ter cei ra fase da ela bo ra ção das peças orça men tá rias está liga da à orça men ta ção das des pe sas depar ta men tais. É a parte mais tra ba lho

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Má rio Antônio LOBATO DE PAIVA Resumen Má rio Antônio Loba to De Pai va ini cia su ar tícu

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

Confronto com as idéias a respeito de literatura infantil

Confronto com as idéias a respeito de literatura infantil AULA S LI T E R A T U R A IN F A N T I L E J U V E N I L LI N G U A G E M D O IM A G I N Á R I O I Pr o f a. Dr a M a r i a Zil d a d a C u n h a I - Introdução A liter a t u r a inf a n t i l e juv e

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

VIMMINTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

VIMMINTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Sumário PARTE I FUNDAMENTOS Prefácio.......................................................... IX Prefácio à 2 a edição................................................. XI Capítulo 1 Fluxo Financeiro ou

Leia mais

Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços *

Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços * Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços * Nelly P. Stromquist Uni ver sity of Sout hern Ca li for nia Re su mo Cor res pon dên cia: Nelly P. Strom quist

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S SORO C R E D 1. DEFINIÇÕE S 1.1. AD M I N I S T R A D O R A S O R O C R E D AD M I N I S T R A D O R A DE CA R T Õ E S DE CR É D I T O LT D A. 1.2. AFILI A

Leia mais

mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le

mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le A Subjectivação da Linguagem Para comunicarem entre si, os homens edificaram, pouco a pouco, no decurso dos séculos, uma massa de sonoridades que constituem a linguagem. Michel Sages As for mas es cri

Leia mais

DESEMPENHO DA DEMOCRACIA E REFORMAS POLÍTICAS O caso português em perspectiva comparada

DESEMPENHO DA DEMOCRACIA E REFORMAS POLÍTICAS O caso português em perspectiva comparada DESEMPENHO DA DEMOCRACIA E REFORMAS POLÍTICAS O caso português em perspectiva comparada André Freire Resumo Este artigo analisa comparativamente o apoio dos portugueses ao sistema político democrático.

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1

A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1 A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1 Sérgio Costa Resumo Par tin do da cons ta ta ção de que as ads cri ções ra ci a is no Bra sil im - pli cam de si gual da des so ci a is que po dem ser re u

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS. João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS. João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos Resumo A existência de um alargado conjunto de situações, que designamos globalmente por violência na

Leia mais

SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós. Pedro Abrantes

SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós. Pedro Abrantes SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós Pedro Abrantes A aná li se so ci al dos fe nó me nos edu ca ti vos cons ti tui, hoje, uma ac ti vi da de im por - tan te quer da so ci o lo gia quer

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

O MÉTODO SERVQUAL PARA O CONTROLE DE AVALIAÇÃO NO QUE SE REFERE A QUALIDADE DA FUNÇÃO DO TUTOR EM PROGRAMAS DE EAD

O MÉTODO SERVQUAL PARA O CONTROLE DE AVALIAÇÃO NO QUE SE REFERE A QUALIDADE DA FUNÇÃO DO TUTOR EM PROGRAMAS DE EAD O MÉTODO SERVQUAL PARA O CONTROLE DE AVALIAÇÃO NO QUE SE REFERE A QUALIDADE DA FUNÇÃO DO TUTOR EM PROGRAMAS DE EAD Alessandra de Paula adpaula@grupouninter.com.br GRUPO UNINTER, Tutoria Vicente Machado,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais