O COTIDIANO DO GRUPO ESCOLAR JOSÉ RANGEL: UM ESTUDO ATRAVÉS DAS EXCURSÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COTIDIANO DO GRUPO ESCOLAR JOSÉ RANGEL: UM ESTUDO ATRAVÉS DAS EXCURSÕES"

Transcrição

1 O COTIDIANO DO GRUPO ESCOLAR JOSÉ RANGEL: UM ESTUDO ATRAVÉS DAS EXCURSÕES JUNQUEIRA, Lígia de Souza 1 Universidade Federal de Juiz de Fora O objetivo deste estudo centra-se no resgate do cotidiano do Grupo José Rangel 2 através dos registros sobre as excursões escolares realizadas no período de 1949 a 1960 nesta instituição Tais atividades foram práticas pedagógicas complementares e recorrentes nos programas dos grupos escolares, desde o início de sua organização, tendo ganhado relevância de forma acentuada, no final da década de 1920, quando da implementação da Reforma de Ensino Primário 1927/1928 do Estado de Minas Gerais 3. Esta proposta reformista foi influenciada pelos preceitos da Escola Nova, tendo valorizado as excursões escolares como recursos fundamentais para a aprendizagem e socialização dos alunos. Neste caso, os registros destas práticas revelaram-se, em certa medida, ricos de sentidos ao permitirem resgatar nuances significativas da cultura escolar desta instituição. Para a realização do trabalho, recorreu-se aos Livros de Atas de Excursões do Grupo José Rangel ( ), encontrados no acervo dos primeiros grupos escolares de Juiz de Fora. A investigação apoiou-se, ainda, no texto legal do decreto n 8094, de 22 de dezembro de 1927, que aprova os P rogramas do Ensino Primário, como também o decreto n 7970-A, de 15 de outubro d e 1927, introdutor do Regulamento de Ensino Primário, bem como na literatura pertinente ao estudo do cotidiano escolar. Quanto ao recorte temporal adotado neste estudo, 1949 a 1960, cabe aqui registrar que, em conseqüência das limitações impostas pelas fontes encontradas no acervo consultado, diante das quais deparou-se com uma imensa lacuna, não foi possível localizar outros registros de excursões anteriores ao ano de Sabe-se, 1 Aluna da graduação de Pedagogia e bolsista do Programa de Treinamento Profissional da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. 2 Primeiro Grupo Escolar da cidade de Juiz de Fora, criado no ano de 1906, entretanto instalado em 4 de fevereiro de Já na Reforma João Pinheiro, nos programas de ensino de Geografia e de História do Brasil apontava-se o uso das excursões com o objetivo de complementar o ensino e a aprendizagem dos alunos. Ver Mourão, página 120, capítulo XXI.

2 porém, que através de estudos em outras fontes deste acervo, há indícios claros da ocorrência freqüente destes eventos na escola estudada, fato que nos revela a precariedade e o descaso com relação à preservação de tais documentações, o que urge uma intervenção mais efetiva de entidades e, também, de nós pesquisadores comprometidos com a preservação da memória cultural de nossas instituições escolares. Reconstituindo contextos: As Excursões Escolares e os movimentos reformadores ( ) Pode-se dizer que no final da década de 1920, o Brasil passou por significativas mudanças nos setores político, econômico e social, transformações essas, gerativas do início da transição de uma sociedade de base agrário-exportadora para uma sociedade de economia industrial-urbana. Em decorrência de tais mudanças observou-se a emergência e a consolidação de novos grupos sociais. A expansão da classe média e do operariado permitiu a estas classes maior participação nos movimentos reivindicatórios por melhores condições de vida e maior acesso à escolarização. Essas transformações impulsionaram o debate sobre o atraso em que se encontrava o sistema educacional brasileiro, estimulando também inúmeras reformas educacionais estaduais e no Distrito Federal. 4 Segundo Nagle (2001), estes movimentos reformistas foram influenciados em suas concepções por diferentes ideários educacionais presentes naquela década. De um lado o entusiasmo pela educação marcado, fortemente, pelo pensamento nacionalista, que via na ampliação da escolarização popular o único instrumento capaz de garantir o progresso e moralização do regime político do país, até então, estruturado em um modelo excludente e exclusivista. A centralidade deste pensamento educacional volta-se para a erradicação do analfabetismo e a expansão da escola pública. Nesse caso, acreditava-se que a difusão de escolas seria o caminho mais curto para o Brasil atingir a marcha das grandes nações do mundo. 5 Do outro lado, sustentou-se a crença na remodelação profunda da escola, até então estruturada de forma arcaica e tradicional, como o melhor caminho para se sustentar a formação de um novo homem e de uma nova sociedade o otimismo pedagógico. Este pensamento foi influenciado por um dos movimentos educacionais mais 4 Ver Nagle: Educação e Sociedade na Primeira República. 5 O ideário do entusiasmo pela educação influenciou as Reformas do Ensino empreendidas nos estados de São Paulo, Ceará, Bahia, Minas Gerais e Distrito Federal. 2

3 importantes do início do século XX, importado da Europa e dos Estados Unidos a Escola Nova (ibidem). Na perspectiva do ideário escolanovista, o ensino deveria estar centrado no aluno, a disciplina voltava-se para a dimensão formativa do indivíduo, que deveria se dar de dentro para fora, o objetivo da escola era educar e não apenas instruir, os alunos deveriam aprender fazer fazendo 6. A escola seria, então, espaço onde as capacidades individuais poderiam ser ampliadas e aprimoradas, no sentido de melhor socializar o indivíduo. Deveria, ainda, estabelecer uma relação direta com a sociedade, transformando-se em uma sociedade em miniatura, capaz de produzir uma verdadeira revolução social 7. Além das mudanças pedagógicas analisadas, anteriormente, o movimento educacional, em questão, defendia uma escola, laica, única e gratuita, onde a educação deveria ser proporcionada a todos, que deveriam receber de forma equânime, o mesmo tipo de educação. Pretendia-se com esse movimento criar uma igualdade de oportunidades, a partir daí, floresceriam as diferenças naturais segundo os talentos e as características de cada um. A função da educação era formar um cidadão livre e consciente que pudesse incorporar-se ao Estado. O movimento da Escola Nova no Brasil ganhou espaço, principalmente, a partir da organização da Associação Brasileira de Educadores (ABE). Entretanto, sua consolidação ocorreu durante as implantações das várias reformas educacionais instituídas no decorrer da década de Dentre estas, destacou-se a de Minas Gerais, idealizada pelo então Secretário do Interior, Francisco Campos, durante o governo Antônio Carlos Ribeiro de Andrada ( ), político que imprimiu profundas mudanças nos setores econômico, político e educacional do Estado, criando a Universidade de Minas Gerais e implementando a Reforma do Ensino Primário e Normal de 1927/28 8. Com relação a proposta de remodelação da escola primária várias frentes foram abertas no sentido de sustentar novos métodos e novas práticas de ensino. As excursões escolares ganharam grande relevância na época, tornando-se importante recurso pedagógico, como pode ser visto no decreto n 8094, de 22 de dezembro de 1927, que aprovou os programas do ensino primário. No trecho que se refere às práticas escolares, Excursões Escolares, são abordadas as finalidades destas excursões: 6 Veiga, Nagle, Peixoto, Peixoto,

4 As excursões aos varios pontos da séde escolar trazem preciosos subsidios ao ensino das materias do programma. Constituem ellas um excelente exercicio physico e fazem entrar pelos olhos o dever de cooperar para o bem publico. Offerecem optimos assumptos para composições e facultam, com conhecimento de novas cousas, a ampliação do vocabulario. É onde melhor se pode comprehender as sciencias physicas e naturaes, é onde melhor se faz a inciação no estudo da geographia. Ellas despertam o sentimento do passado, essencial à comprehensão da historia, fazendo ver os velhos monumentos locaes, as ruas e estradas mais antigas, os logares onde viveram os nossos maiores, os beneficios que nos legaram (ARQUIVO MINEIRO, Legislação 1927, grifo meu). Nota-se no texto legal que tais práticas ganharam centralidade, não apenas pelo seu caráter didático-pedagógico no seu sentido mais estrito, mas por enfatizar a possibilidade do desenvolvimento da capacidade de observação dos alunos, além de destacar outras finalidades, como a de promover o desenvolvimento físico da criança e, sobretudo, a de prepará-la para o bom convívio na sociedade. Observa-se, claramente, no corpo da lei a preocupação diretiva e moralizadora atribuída ao processo educativo. Nesse sentido pode-se inferir que legava-se à escola o papel de inculcar princípios que formassem física e moralmente a criança para que se tornasse um cidadão ordeiro e pacífico. O decreto acima explicitado ressalta as excursões como um importante instrumento informativo, cuja prática na escola deveria ser permanente e metódica. O desenvolvimento dessas práticas pedagógicas deveria ser antecedido de um programa adaptado às mesmas. As excursões como recurso pedagógico não deveriam ser consideradas como passeios meramente recreativos, mas sim assumir o papel de uma atividade onde os alunos investigassem, ativamente, conceitos científicos e curiosidades diversas. Através do decreto que institui a Reforma - decreto n 7970-A, de 15 de outubro de 1927 é aprovado o regulamento de ensino primário. Ao tratar das atividades de excursão em sua Parte IX denominada Do Funcionamento Escolar, Capítulo IV Da Ordem dos Trabalhos Escolares, Art. 319, observa-se a seguinte proposição: Os professores promoverão, sempre que possível, excursões escolares, como meio de educação e de ensino, os directores das escolas reunidas e de grupos, auxiliados pelos respectivos professores, bem como os professores das escolas singulares, estudarão, as respectivas sedes e organização para os seus estabelecimentos um programma de excursões para os alumnos de cada anno do curso (ARQUIVO MINEIRO, Legislação, 1927, grifo meu). 4

5 O modelo instituído pela reforma citada, anteriormente, sofreu poucas alterações em termos legais. No entanto, no período transcorrido entre sua instituição e implementação em meados da década de 1940, alguns outros decretos foram criados no sentido de sustentar a organização de um sistema nacional de educação. Movimento marcado por avanços e retrocessos que na verdade pouco contribuíram para o aperfeiçoamento das práticas de excursão, mas que de certa forma possibilitaram a sedimentação de uma cultura escolar fortemente voltada para os aspectos disciplinadores e moralizadores da prática pedagógica formal. Em meados da década de 1930, observa-se no país uma tomada de consciência da precariedade das instituições escolares. Incitados por essa perspectiva, políticos e educadores realizam uma profunda revisão do sistema educacional brasileiro, visando promover oferta de oportunidades escolares a toda população, como também melhorar a qualidade do ensino. 9 Com o estabelecimento do Estado Novo, no ano de 1937, lutas ideológicas em torno dos problemas educacionais foram deixadas um pouco de lado, visto que não tinham a mesma importância que possuíam no início da década. Entretanto, por volta de 1942, através de iniciativas do então Ministro da Educação do governo Vargas, Gustavo Capanema, alguns ramos do ensino começam a sofrer modificações. Essas reformas, nem todas realizadas sob o Estado Novo receberam a denominação de Leis Orgânicas do Ensino. 10 Em 2 de janeiro de 1946, foi promulgado o decreto-lei n 8529, Lei Orgânica do Ensino Primário, o qual regulamentava e complementava a educação do ensino primário, que era dividido em duas categorias: ensino primário fundamental e o ensino supletivo, podendo-se afirmar com isso que a organização deste último teve o propósito de contribuir para a diminuição da taxa de analfabetismo. Percebe-se com isso um revigoramento da influência do movimento renovador e do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova de , que já abordavam a gratuidade, a obrigatoriedade e reforçavam a descentralização do ensino. É relevante destacar um grande avanço desta Lei, que foi a previsão do planejamento educacional, dos recursos para a implantação do sistema de educação primária. Porém, a aplicação desta legislação de ensino não pôde de fato se concretizar, uma vez que a mesma não era condizente com a realidade vivida. 9 Peixoto, Romanelli, Romanelli,

6 Além da implantação dessa nova Lei, ocorreu o surgimento da nova Constituição Brasileira 12. Esta estabelecia que as diretrizes e bases da educação nacional deveriam ser legisladas pela União. O direito a educação se tornou então um direito universal, o ensino primário oficial ficou sendo gratuito para todos, além de confirmar que o ensino seria ministrado pelos poderes públicos, contudo poderia haver a livre iniciativa particular, desde que estas respeitassem as leis regulamentares. Propostas estas que já eram concretizadas desde o Império estímulo à iniciativa privada, bem como a gratuidade do ensino público elementar e defendidas desde o Manifesto dos Pioneiros e que de certa forma aparecem na Constituição de Percebe-se que a Constituição de 1946 propunha uma reorganização do sistema educacional até então vigente no país, procurando descentralizá-lo tanto administrativa como pedagogicamente. É importante destacar também que essa Constituição previa recursos mínimos que deveriam ser destinados à educação. Baseado nessa Constituição o então Ministro da Educação, Clemente Mariani propôs uma comissão de educadores com o objetivo de estudar, pesquisar para então realizar um projeto de reforma geral na educação do país. O projeto foi, após sua elaboração, encaminhado à Câmara Federal iniciando assim uma intensa e longa luta marcada por ideologias e valores opostos que resultaria na Lei Romanelli (1991) afirma também que esta lei manteve a estrutura tradicional do ensino, entretanto não prescreveu um currículo fixo e rígido para todo o território nacional, quebrando assim a rigidez que se encontrava até então. As Excursões no cotidiano do grupo José Rangel ( ) Por todas as reflexões tecidas até aqui não é errôneo afirmar que, as excursões escolares deveriam colocar o aluno em contato com o mundo à sua volta, exercitando seus sentidos, seus pensamentos, promovendo uma melhora na sua relação com a sociedade, bem como oferecendo inúmeras oportunidades para se trabalhar o físico e o espiritual. (Cf. AGUAYO, 1963). Ainda, segundo Aguayo (1963), há diversos tipos de excursões, algumas delas objetivando trabalhar determinada disciplina ou assunto, e outras que se propunham orientar os alunos na seleção de um assunto ou para recolher materiais a fim de serem observados pelos mesmos. De acordo com o mesmo autor, toda excursão deveria ser organizada, antecipadamente, e era dever do professor conhecer e estudar o local em que seria 12 No ano de

7 realizada. Além disso, era também função do educador procurar solucionar dúvidas dos alunos, caso elas existam. As atas registravam que em espaço de um mês eram realizadas em média seis excursões nas várias séries. As professoras reconheciam que essas eram um importante instrumento didático e educativo. No Grupo Escolar José Rangel, eram também realizadas Reuniões de Leituras, nas quais as professoras coordenadas pela diretora discutiam questões relacionadas ao cotidiano do Grupo, bem como, assuntos pedagógicos e administrativos. Ao consultar algumas dessas atas, no período de 1956 a 1961, percebeu-se o quanto as excursões tinham um papel fundamental na aprendizagem do educando, visto que a diretora abordava o tema nas reuniões, solicitando às professoras que realizassem as excursões de acordo com o Programa de Ensino, pois assim elas seriam ainda mais proveitosas para os alunos. Imbuídos por esse ideário, os educadores do Grupo Escolar José Rangel realizavam diversas excursões, que em sua maioria aconteciam dentro do município de Juiz de Fora, e objetivavam, sobretudo, a fixação dos conteúdos ministrados em sala de aula. Para exemplificar, pode-se citar as excursões que visavam concretizar o ensino de história, nas quais os alunos eram levados às praças, museus e grupos escolares da cidade com o objetivo, de estudar a história de nosso país, sobretudo, do município de Juiz de Fora. Este é o caso da excursão 13, realizada em 22 de junho de 1950, pela classe de 2ª série da professora Maria Carolina Vieira da Cunha, no intuito de visitar o Grupo Escolar Duque de Caxias e motivada pelo estudo feito em sala sobre a cidade de Juiz de Fora. O relato destacado a seguir é elucidativo dessa constatação: [...] Sai do Grupo às 8:40 com 41 alunos presentes, em direção ao grupo Duque de Caxias. Fomos gentilmente recebidos pela professora Herminia Côrtes de Araújo, já avisada de nossa visita. As crianças, ao entrar, observaram o que havia: cartazes, mapas, retratos. Depois, fui lhes dando as necessárias explicações: começamos pelos retratos das autoridades da República, do Estado, do Município. Em seguida, passamos aos cartazes que se referiam: aos fundadores da cidade, aos beneméritos, à imprensa de ontem e de hoje, à vida religiosa, à iluminação e fundação da Cia. Mineira, às Associações beneficentes, às emissoras locais, à biblioteca Municipal, à Santa Casa [...]. Todos os mapas traziam completas explicações sôbre o assunto tratado e as necessárias datas. Conheceram os homens ilustres e benfeitores, que tanto elevaram o nome de Juiz de Fora. As crianças tomaram diversas notas em seus cadernos. Depois de tudo observado, fizemos as despedidas. Agradecemos às professôras que nos fizeram companhia e chegamos ao grupo as 10:10 em perfeita ordem. As crianças fizeram 13 Livro de Registros de Excursões do Grupo Escolar José Rangel de 1948 à

8 um resumo escrito, e algumas leram os apontamentos trazidos. Outros exercícios serão feitos. Juiz de Fora, 22 de junho de Maria Carolina Vieira da Cunha. Outro exemplo de excursão 14 eram aquelas realizadas no museu Mariano Procópio, juntamente em seu parque ecológico. Onde visitavam o museu e observavam as plantas ali existentes, como podemos observar no exemplo abaixo, o qual se trata de uma excursão realizada no dia 26 de abril de 1955, pelas classes de 4ª séries, regidas pelas professoras Dalva Gama de Meneses e Jandira Abreu. Essa excursão planejada para uma visita ao Museu Mariano Procópio teve como objetivo conhecer o museu, ver as obras de arte, seus quadros e no parque ver de perto as plantas aquáticas, conforme descreve o registro: [...] Chegando ao Parque do Museu, subimos e fomos recebidos pelas encarregadas que nos guiaram em tôdas as salas, mostrando minuciosamente tôdos os objetos, moveis, quadros, etc. Os meninos tudo observavam com interesse, mostrando os conhecimentos de História do Brasil já adquiridos em aulas. Assim todos queriam ver o quadro de Parreiras sobre os Inconfidentes, na sua passagem, prêsos e algemados, por Matias Barbosa; o quadro que representa o esquartejamento de Tiradentes e outros. Viram e muito admiram, na sala do Duque de Caxias, vários objetos que lhe pertenceram, o manto de sua esposa, as armas que usava nos seus combates, etc. Viram na sala: D. Pedro II, as belas faianças que eram de uso no palácio em S. Cristovão, camas e objetos da Princesa Isabel; a farda da coroação do Imperador, ainda menor e farda que usou no dia do seu casamento. Enfim percorremos todo o Museu, encantados com tudo e após uma hora de agradavel visita, descemos ao Parque a ver as plantas aquáticas na lagôa existente [...]. Juiz de Fora, 26 de abril de Dalva Gama de Meneses e Jandira Abreu. A maioria das excursões era de cunho religioso, nelas as professoras levavam os alunos à Igreja onde rezavam o terço e algumas vezes oravam pela conversão dos espíritas e dos comunistas. Além disso, elas procuravam incutir nos alunos o dever católico de assistir à missa aos domingos e dias santos. Como a excursão 15 realizada no dia 23 de junho de 1949, pelas classes de 1ª séries, das professoras Odete de Castro Chagas e Maria Lídia de Azevedo, na qual visitaram a Catedral de Juiz de Fora, com o objetivo de obter a assistência fiel à Missa de preceito e respeito à Casa de Deus. [...] Depois de explicações sôbre a Santa Missa e suas partes principais, bem como sôbre a obrigatoriedade de assistí-la inteira, nos Domingos e Dias Santos, dirigimo-nos com nossas classes à Catedral de Juiz de Fora. Conduzidos os alunos ao interior da Igreja, fí-los ajoelharem-se em sinal de adoração ao S. S. Sacramento. Em 14 Livro de Registros de Excursões do Grupo Escolar José Rangel de 1958 à Livro de Registros de Excursões do Grupo Escolar José Rangel de 1948 a

9 seguida, dispus as crianças nos bancos vagos a fim de assistirem à Missa, celebrada pelo Reverendo Padre Machado. Durante a celebração do Santo Sacrifícios os alunos puderam destacar suas partes principais: ofertório, consagração e comunhão fixando assim muito bem o que lhes que havia ensinado. Os alunos ainda tiveram ensejo para compreender que a Igreja é a Casa de Deus e que portanto é lugar de todo o respeito, principalmente durante a Missa em que Jesus se acha presente na hóstia consagrada, em corpo alma e divindade. Todas as fases da Missa foram acompanhadas com a maior atenção por partes dos alunos que demonstraram assim grande interesse pelo que haviam aprendido. Tudo foi realizado em meio da maior órdem, parecendo proveitosa a excursão que durou uma hora. Juiz de Fora, 23 de Junho de Maria Lídia de Azevedo e Odete de Castro Chagas. É importante destacar, também, que determinadas excursões abordavam não apenas uma disciplina, mostrando dessa forma uma certa preocupação com a integração dos conhecimentos, em um contexto dinâmico de aprendizagem, ou seja, a realidade concreta. Dentro desta perspectiva, podemos citar a excursão ao Parque Halfeld, no ano de 1954, na qual a professora abordou o ensino de Ciências Naturais e Geografia. Com a motivação do estudo feito sôbre as plantas sôbre alguns acidentes geográficos aí encontrados, como: lagos, córregos e algumas pequenas elevações, etc. Pode-se comprovar essas afirmações através da seguinte excursão: [...] Ao chegarmos ao local (..) demos uma volta pelo jardim, durante a qual, tiveram, as crianças, oportunidade de observar as plantas em geral. Parávamos de quando em quando para explicar e transmitir às crianças conhecimentos relativos ao assunto. Nessas pausas, foram feitas várias perguntas como verificação do estudo feito em classe. Continuando, mostramos ao mesmo tempo os acidentes geográficos alí existentes, como córregos, lago, nascentes e algumas pequenas elevações. As crianças, muitos interessadas, mostraram-se durante o percurso grande disposição de capacidade às explicações recebidas. (...) Juiz de Fora, 24 de março de Outro aspecto relevante decorre do fato das professoras apresentarem uma grande preocupação para com a socialização dos alunos. Elas procuravam desenvolver nos mesmos bons hábitos para se viver em sociedade tais como observar o tom de voz, cumprimentar pessoas conhecidas, ter delicadeza com pessoas idosas e deficientes, demonstrar respeito com os superiores, dentre outros. Como no exemplo abaixo: Relatório da excursão realizada no dia 27 de junho de 1949, pelas classes das 3ª séries, regidas pelas professoras: Maria Hilda Côrtes de Araujo e Ilka Ladeira Halfeld. Local: Academia de Juiz de Fora. Motivação: Concretizar o estudo feito em aula sobre as plantas. Objetivos de ensino: a) Observar as plantas de morro ou lugares secos, b) Observar a planta caracetristica do lugar, c) Comparar as plantas do morro com as do jardim: raizes, caules, flores, frutas e sementes, d) Plantas de ornamentação, plantas medicinais. Mostrar 9

10 em que consiste a defesa da raiz e estudar o terreno. Possibilidade de irrigação facil, adubação etc. Animais nocivos que frequentam a horta etc. Objetivos de educação: Desenvolver na criança bons hábitos para bem viver em sociedade. b) recomendar o tom de voz que devemos conservar quando estamos na rua. c) cumprimentar as pessoas conhecidas e, saber responder aos cumprimentos, principalmente as autoridades. d) delicadeza com as pessoas idosas e as que possuem defeitos fisicos etc. Após as lições do Rvdmo Pe. Encarregado da horta, que vieram concretizar o ensino feito em aula, foram as crianças, visitar os pateos de jogos do colegio. E assim voltamos ao Grupo, satifeitas de vêr que o ensino foi proveitoso e tudo correu com grande ordem. Juiz de Fora, 27 de Junho de Ilka Ladeira Halfeld, Maria Hilda Côrtes Araujo 16 (grifo meu). Deve-se abordar ainda a forma como as professoras assumiam o comportamento dos alunos. As atas relatam que no início das excursões as crianças se posicionavam em fila de dois em dois, com a finalidade de manter a ordem ao saírem de sala. Porém, no decorrer das mesmas, a disciplina nem sempre se mostrava satisfatória, obrigando as professoras intervirem quando necessário. As professoras que ministravam aula na primeira série realizavam juntamente com os alunos uma excursão dentro do Grupo Escolar, com a finalidade de que a turma pudesse conhecer as dependências físicas do Grupo Escolar, bem como as pessoas que lá trabalhavam. Outro fato registrado era que algumas excursões abordavam a importância da sopa escolar oferecida pelo Grupo aos seus alunos. Pode-se perceber tais afirmações em ata lavrada sobre a excursão realizada com o objetivo de estudar sobre a sopa escolar. Relatório da excursão realizada pela classe de 1ª série da professôra: Nair Vale Dutra Lima. Local: Grupo Escolar. Motivação: Sopa Escolar. Objetivo: Conhecer o Grupo e suas dependências. Desenvolvimento: A proposito do inicio da sopa escolar em nosso estabelecimento de ensino, conversei com a classe sôbre as substâncias necessárias para o preparo da sopa e sugerí às crianças, que possuem horta, a oferta, uma vez por semana, de verduras para a mesma. Logo surgiram as perguntas: - E onde entregamos as verduras? Aquí no grupo tem cozinha? Quem é a cozinheira? etc. Como as crianças, são novatas, não conheciam ainda a Cantina e sua encarregada, apresentou-se-me, então, a oportunidade de fazer com elas uma excursão, afim de que ficassem conhecendo essa parte do Grupo e também as demais de pendências do estabelecimento. Depois, de explicações em classe sôbre localização do Grupo, salas de aula, Diretora, gabinetes: dentário e medico, cantina, pateos, oficina: sala onde são dadas as aulas de trabalhos manuais, etc., levei, pois, a efeito a excursão e com ela os alunos poderam, conhecer bem, todas as dependências do prédio escolar e também a diretora, auxiliar, professôras, medico, dentista, enfermeiras, cozinheira, etc. Aproveitei a oportunidade para 16 Livro de Relatórios de Excursões do Grupo Escolar José Rangel de 1948 a

11 ensinar as crianças o modo pelo qual devemos nos conduzir pelos corredores: pisando de leve, sem correr e em silêncio. As crianças gostaram do passeio pelo grupo e ficaram satisfeitas com os diversos ensinamentos obtidos, e prometeram serem disciplinadas e trazerem sempre verduras para a Sopa Escolar. Juiz de Fora, 30 de Março de Nair Vale Dutra Lima. Diretora: Mercedes Macedo de Souza. 17 Ao término das excursões, as professoras pediam aos alunos que fizessem algumas atividades, dentre elas escrever uma redação sobre a excursão realizada. As melhores redações eram publicadas no jornalzinho da instituição. Considerações Finais Através dessa análise pôde-se perceber o quanto era importante a realização das excursões no Grupo Escolar José Rangel, uma vez que reforçava a aquisição dos conteúdos ministrados em sala de aula. Tal atividade ajudava os alunos a concretizarem e compreenderem melhor os assuntos que foram abordados na escola, como também desenvolver bons comportamentos em sociedade. Além de gerar e fixar conhecimentos, as excursões contribuíam para a formação do aluno como cidadão social e histórico, bem como para a construção de sua autonomia. Pode-se afirmar ainda que as excursões eram um meio lúdico de se adquirir e compreender informações, propiciando aos alunos experiências antes não desfrutadas. Percebeu-se também que os educadores desse Grupo estavam sempre preocupados em transmitir e fornecer ao aluno um aprendizado sadio, bem como um ensino de qualidade. Esse estudo contribuiu substancialmente para um melhor entendimento sobre o cotidiano pedagógico e extra classe do Grupo Escolar José Rangel. Referências Bibliográficas AGUAYO, A. M. Didática da Escola Nova. Tradução de J.B. Damasco Penna e Antônio D Avila.12.ed.São Paulo: Companhia Editora Nacional,1963. ESCOLA ESTADUAL DELFIM MOREIRA. Ata de Reunião de Leitura do Grupo Escolar José Rangel ( ). Juiz de Fora. (documento não publicado) 17 Livro de Relatórios de Excursões do Grupo Escolar José Rangel de 1948 a

12 ESCOLA ESTADUAL DELFIM MOREIRA. Ata de Registro das Excursões do Grupo Escolar José Rangel ( ). Juiz de Fora (documento não publicado) ESCOLA ESTADUAL DELFIM MOREIRA. Ata de Registro das Excursões do Grupo Escolar José Rangel ( ). Juiz de Fora (documento não publicado) FARIA, Luciano Mendes de; PEIXOTO, Anamaria Casassanta (org.). Lições de Minas: 70 anos da Secretaria de educação. Belo Horizonte. Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, MINAS GERAIS, Decreto n 8094, de 22 de dezembro de Aprova os Programas do Ensino Primário, Belo Horizonte, MINAS GERAIS, Decreto n 7970-A, de 15 de outubro d e Aprova o Regulamento de Ensino Primário, Belo Horizonte, MOURÃO, Paulo Kruger Corrêa. O Ensino em Minas Gerais no Tempo da República. Belo Horizonte: Centro Regional de Pesquisas, NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade: na Primeira República. Rio de Janeiro. DP&A, PEIXOTO, Anamaria Casassanta. Educação no Brasil: Anos vinte. São Paulo: Edições Loyola, ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. A Organização do Ensino e o Contexto Sócio-Político após In:. História da Educação no Brasil ( ). 14ed. Petrópolis: Vozes, 1991, cap.4. 12

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros.

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Resumo: Este presente trabalho constitui-se de um relato

Leia mais

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA Camila Damasceno de Paula Larissa Pamplona de Oliveira Ana Carolina de Almeida Bergamaschi Fabrício Roberto Costa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA ESTEVAN LISKA 1, DENIS DE OLIVEIRA RODRIGUES 1, GUSTAVO COSTA 1, GUSTAVO FIALHO 1, JENNIFER SILVA 1, JOSIAS OLIVEIRA 1, RENAN FERNANDO 1, TAMARES

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Eu e a Terra - Horta da Escola

Mostra de Projetos 2011. Eu e a Terra - Horta da Escola Mostra de Projetos 2011 Eu e a Terra - Horta da Escola Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Colégio Estadual

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Fábio Martinho da Silva (1); Maria Janoelma França Gomes (2); Nahum Isaque dos S. Cavalcante (3); Rafael Trindade

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

A REFORMA DE 1927 E AS PRÁTICAS DO COTIDIANO DOS GRUPOS ESCOLARES EM MINAS GERAIS

A REFORMA DE 1927 E AS PRÁTICAS DO COTIDIANO DOS GRUPOS ESCOLARES EM MINAS GERAIS A REFORMA DE 1927 E AS PRÁTICAS DO COTIDIANO DOS GRUPOS ESCOLARES EM MINAS GERAIS Dalva Carolina (Lola) de Menezes Yazbeck Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) Yazbeck @terra.com.br Rosana Vidigal

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental

A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental Nessa idade, em contato com diferentes formas de representação e sendo desafiada a

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INTEGRAL I - META 6 DO PNE: Oferecer Educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, 25% dos(as) alunos(as) da Educação Básica. II - ANÁLISE

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN.

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Gustavo Daniel S. Souza (IC)1, Alidna Mosana S. de Oliveira

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL Izelia Mayara Maia CASTELLAIN 1, Vitória Imai AMORIM 1, Professora coordenadora Michele C. AREND 2 Identificação autores: 1 Aluna Bolsista PIBIC-EM/CNPq IFC-Campus Camboriú,

Leia mais

A HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR DE CUNHO MILITAR: O COLÉGIO BRIGADEIRO NEWTON BRAGA

A HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR DE CUNHO MILITAR: O COLÉGIO BRIGADEIRO NEWTON BRAGA A HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR DE CUNHO MILITAR: O COLÉGIO BRIGADEIRO NEWTON BRAGA Jussara Cassiano Nascimento Universidade Católica de Petrópolis UCP professorajussara@yahoo.com.br I- INTRODUÇÃO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada em 21/12/2000.

INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada em 21/12/2000. CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Prof. Felício Savastano, 240 Vila Industrial SJCampos-SP CEP 12220-270 Telefone (12) 3901-2000 Fax: 3901-2088 e-mail: cme@sjc.sp.gov.br INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO Elane Porto Campos-UESB Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Bolsista do subprojeto de Pedagogia PIBID/UESB-CAPES

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO Cícero Félix da Silva; Izailma Nunes de Lima; Ricardo Bandeira de Souza; Manoela

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO Entidade Reconhecida como Utilidade Pública Internacional Decreto Federal nº 9.820/1912 PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial.

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial. A TECITURA DA PROFISSÃO PROFESSOR: REFLEXÕES A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS NO PIBID Gloria Ramona Gomes Aguero 1 ; Laudelina Sanabria Trindade 2 ; Almerinda Mª dos Reis Vieira Rodrigues 3. 1 Bolsista Pibid

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais