Parte II Bases de dados educacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte II Bases de dados educacionais"

Transcrição

1 Parte II Bases de dados educacionais Capítulo 1 As bases de dados do INEP e os indicadores educacionais: conceitos e aplicações José Irineu Rangel Rigotti e Cézar Augusto Cerqueira Capítulo 2 Indicadores educacionais confeccionados a partir de bases de dados do IBGE Juliana de Lucena Ruas Riani e André Braz Golgher Capítulo 3 Variáveis de educação dos censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 José Irineu Rangel Rigotti

2

3 Capítulo 3: VARIÁVEIS DE EDUCAÇÃO DOS CENSOS DEMOGRÁFICOS BRASILEIROS DE 1960 a 2000* José Irineu Rangel Rigotti ** A finalidade deste capítulo é apresentar as mudanças ocorridas na organização do sistema de ensino brasileiro séries e graus, relacionando-as com as correspondentes alterações nas variáveis de educação dos Censos Demográficos de 1960 a São listadas todas as variáveis de cada um dos censos, chamando-se a atenção para a incorporação de novos quesitos, inconsistências e possibilidades de compatibilização entre os diversos censos. A intenção é facilitar o entendimento da correspondência existente entre os níveis de ensino nos diversos censos. Este capítulo apresenta uma breve descrição das mudanças ocorridas no sistema de ensino brasileiro entre 1960 e São enfocadas as transformações relacionadas à organização do sistema em séries e graus de ensino e a incorporação gradativa dos cursos não-seriados ao sistema educacional do país. A intenção é facilitar o entendimento da correspondência existente entre os níveis de ensino nos diversos censos demográficos realizados no período. Após esta visão geral, comenta-se cada uma das variáveis de educação de cada censo. Com a finalidade de facilitar o entendimento do significado das diversas opções de resposta aos quesitos censitários, decidiu-se inserir algumas notas explicativas quando os termos utilizados pudessem causar dúvidas, por se tratar seja de peculiaridades, seja de características antigas do sistema de ensino brasileiro. Finalmente, algumas considerações foram anotadas ao final do capítulo, a fim de chamar a atenção para as facilidades e dificuldades da compatibilização das variáveis de educação dos diversos censos demográficos. * Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do projeto Preservation, Integration and Dissemination of Public-Use Microdata Series Brazil, com financiamento da National Science Foundation dos Estados Unidos (#SES ). Coordenção geral de Steven Ruggles, Minnesota Population Center, University of Minnesota; Coordenação local de Joseph E. Potter, Population Research Center, University of Texas at Austin. Esta versão preliminar foi autorizada para impressão pela coordenação local. A versão final estará disponível no website Agradeço o convite para desenvolver esse trabalho, assim como os comentários dos participantes do projeto. Os erros que porventura existirem são de minha inteira responsabilidade. ** Professor do Programa de Pós-Graduação em Tratamento da Informação Espacial da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).

4 130 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 Breve descrição das mudanças ocorridas no sistema de ensino brasileiro Atualmente, o sistema escolar no Brasil compõe-se de dois níveis: Educação Básica, formada pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, e Educação Superior. A Educação Infantil é formada por cursos não-seriados e tem como públicoalvo as crianças até 6 anos de idade. Subdivide-se em Creches, para crianças até 3 anos, e Pré-Escola, para crianças de 4 a 6 anos, embora a existência de crianças de outras idades nesta modalidade seja muito comum. No Brasil, a Constituição garante o Ensino Fundamental obrigatório de oito anos, cuja faixa etária adequada corresponde às idades de 7 a 14 anos, mas também assegura o ingresso neste nível de ensino a todos aqueles que a ele não tiveram acesso ou não o concluíram, independentemente da idade. O Ensino Médio, última etapa da formação Básica (que habilita o estudante para o prosseguimento dos estudos no nível Superior), tem duração mínima de três anos, sendo adequado às idades de 15 a 17 anos. A habilitação profissional, apesar de não ser obrigatória, pode ser desenvolvida no próprio estabelecimento escolar ou em cooperação com instituições especializadas em educação profissional. Muitos alunos estão fora da faixa etária adequada, mas aqueles que não tiveram acesso ao ensino na idade própria, ou não continuaram os estudos no Ensino Fundamental e no Médio, podem cursar uma outra modalidade de ensino: a Educação de Jovens e Adultos, também conhecida como Supletivo. Esta é uma modalidade de curso não-seriado que habilita o aluno a dar prosseguimento aos estudos em caráter regular em um prazo mais curto. No prazo de um ano são realizados exames de conclusão do Ensino Fundamental para alunos com mais de 15 anos de idade e exames de conclusão do Ensino Médio para pessoas com mais de 18 anos de idade. A Educação Profissional é oferecida para o aluno matriculado ou egresso do Ensino Fundamental, Médio ou Superior. Pode ser desenvolvida em articulação com o ensino regular ou por meio de várias estratégias de educação continuada, em instituições especializadas ou no ambiente de trabalho. Alguns destes cursos, quando legalizados, equivalem à formação no Ensino Médio. A Educação Superior abrange os cursos de graduação, pós-graduação (mestrado, doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros) e de extensão. Sua duração varia de curso para curso.

5 Rigotti, J.I.R. 131 Finalmente, há a modalidade Educação Especial, para portadores de necessidades especiais, oferecida, preferencialmente, na rede regular de ensino. Quando isso não é possível, a lei recomenda que o atendimento seja feito em classes, escolas ou serviços especializados. Dever constitucional do Estado, a oferta de Educação Especial engloba a faixa etária de 0 a 6 anos de idade, durante a Educação Infantil. O sistema de ensino brasileiro sofreu muitas alterações entre 1960 e Antes da Lei n o 4.024, de 1961, o sistema era organizado da seguinte forma (Romanelli, 2001): Ensino Técnico Profissional: compreendia um ciclo fundamental, geralmente de quatro anos ou séries (porém, era possível encontrar cursos do ciclo fundamental de até seis anos/séries, como era o caso do ensino industrial), e um ciclo técnico, de três a quatro anos (séries); Ensino Primário Fundamental: destinado a crianças de 7 a 12 anos de idade, dividia-se entre primário elementar, de quatro anos de duração, e primário complementar, de um ano apenas; Ensino Secundário: compreendia um ciclo ginasial, composto por quatro séries, e um segundo ciclo, subdividido em Clássico e Científico, ambos com três séries; Ensino Normal: cursos para a formação de regentes (professores) do Ensino Primário. Também compreendia dois ciclos: o 1 o ciclo, com duração de quatro anos, e o 2 o ciclo, com duração de três anos; Ensino Superior: cursos com duração de até seis anos. Posteriormente, várias leis e planos nacionais de educação regularam o sistema. O Quadro 1 sintetiza os graus de ensino após as alterações legais. Segundo Carneiro (2001), o conceito de grau de ensino remonta à Lei n o 4.024/61, correspondendo a uma faixa etária determinada. O autor ressalta que se deve considerar também o nível de desenvolvimento socioeconômico do país. A razão do ensino organizado em graus relaciona-se, desta forma, à incorporação de grupos populacionais em um mercado de trabalho em processo de evolução dos conhecimentos e das técnicas de produção.

6 132 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 QUADRO 1 A organização do ensino nas disposições normativas das diversas Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 1961, 1971 e 1996 Fonte: Carneiro (2001). Para os propósitos deste capítulo, vale destacar algumas mudanças do sistema de ensino brasileiro: a junção dos antigos Ensino Primário e Ciclo Ginasial do Ensino Médio, a partir da Lei n o 5.692/71. Ambos tinham quatro anos de duração e passaram a formar o Ensino de Primeiro Grau, com duração de oito anos 1 a a 8 a séries do Ensino de Primeiro Grau. Com a Lei n o 9.394/96, esta modalidade passou a se chamar Ensino Fundamental. O artigo 23 desta lei possibilita a organização da Educação Básica em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar (apud Carneiro, 2001); com a Lei n o 5.692/71, o Ciclo Colegial do Ensino Médio passou a ser o Ensino de Segundo Grau, que por sua vez se tornaria o Ensino Médio, a partir da Lei n o 9.394/96; a Lei n o 9.394/96 institui a Educação Básica composta pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Portanto, se o Ensino Fundamental de oito anos é obrigatório, a Educação Básica compreende onze anos: 1 a a 8 a séries do Ensino Fundamental e 1 a a 3 a séries do Ensino Médio (apesar de este último poder contar com quatro séries, isso não é muito comum no Brasil). A Educação de Jovens e Adultos, Educação Profissional e Educação Especial passaram a ser modalidades de ensino.

7 Rigotti, J.I.R. 133 Evidentemente, estas mudanças legais alteraram os quesitos dos censos demográficos brasileiros. Por isso, a seguir será feita uma descrição em detalhes das variáveis de educação presentes em cada censo, explicando-se a organização dos níveis e modalidades de ensino e explicitando-se o número de séries correspondentes, quando for o caso (há cursos que não são seriados). Censo Demográfico de 1960 Variáveis para pessoas com 5 anos ou mais de idade: - (211) Freqüência à escola e Alfabetização: Lê e freqüenta escola Lê e não vai à escola Não lê e vai à escola Não lê e não vai à escola. Nota: No Censo de 1960 as informações sobre freqüência à escola e alfabetização estavam em um mesmo quesito, o que não ocorreu nos censos posteriores. Se freqüenta ou já freqüentou escola, indique a última série e o grau que concluiu com aprovação: - (212) Série: 1 a a 6 a séries; no caso específico do grau Elementar, o recenseador assinalava a opção cursa 1 o ano quando se tratava da 1 a série; também havia a opção não freqüenta e nunca freqüentou. - (213) Grau: Elementar: quatro séries (1 a a 4 a séries) correspondentes ao curso Primário ou equivalente como, por exemplo, os cursos profissionais de nível elementar; Médio 1 o Ciclo: quatro séries (1 a a 4 a séries) correspondentes ao curso Ginasial ou qualquer outro curso equivalente; Médio 2 o Ciclo: três séries (1 a a 3 a séries) correspondentes ao curso Clássico, Científico ou outro curso equivalente; Superior: o número de séries é variável, correspondentes aos cursos de graduação. Nota: O Censo Demográfico de 1960 só contemplava os cursos seriados.

8 134 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 Para pessoas com 10 anos ou mais de idade: - (214) Espécie de curso que concluiu com aprovação. Nesse caso pedia-se para indicar o curso mais elevado concluído com aprovação. Eram considerados os cursos que indicavam um nível de instrução, como Primário, Ginasial, cursos superiores (graduação), cursos técnicos etc. Assim, estavam excluídos os cursos rápidos que não exigiam nenhum nível de instrução do candidato. Nota: Para se saber qual a série que a pessoa freqüenta ou freqüentou, é preciso cruzar a série com o grau de ensino correspondente. Isso vale para todos os censos de 1960 a Censo Demográfico de 1970 Variáveis para pessoas com 5 anos ou mais de idade: - (V035) Sabe ler e escrever. Opções: sim ou não e sem declaração. - (V036) Freqüenta escola. Opções: sim ou não. - (V037 e V038) Se freqüenta ou freqüentou escola, indicar a última série e grau que concluiu com aprovação. No Censo de 1970, as séries existentes eram: 1 a a 6 a séries, com o detalhe de que a 5 a e a 6 a séries formavam uma mesma opção, isto é, não era possível saber se a pessoa estava na 5 a ou na 6 a série, apenas se sabia que a 4 a era a última série. A opção 5 a ou 6 a série era possível tanto no grau Elementar quanto no Superior; Admissão ou Vestibular: Admissão: a passagem do ensino Primário (grau Elementar) para o Ginasial (grau Médio 1 o Ciclo) era feita pelo Exame de Admissão e, nesse caso, o aluno já teria concluído a 4 a série do Primário. Como o candidato podia ser reprovado no Exame de Admissão, o recenseador registrava a opção 5 a ou 6 a série do Primário se a pessoa estivesse freqüentando curso preparatório para o Exame de Admissão pela primeira vez (seria o equivalente a uma 5 a série); caso estivesse freqüentando este tipo de curso pela segunda vez, não deveria assinalar 5 a ou 6 a série, mas sim Admissão.

9 Rigotti, J.I.R. 135 Vestibular: era o exame para admissão em cursos superiores (cursos de graduação) e, portanto, o aluno já teria concluído a última série do curso Clássico, Científico ou qualquer outro equivalente ao grau Médio 2 o Ciclo; Artigo 99: corresponde àquilo que hoje é conhecido no Brasil como Educação de Jovens e Adultos ou Supletivo (na época era chamado de Madureza ). Portanto, não se tratava de curso seriado; Curso de Alfabetização de Adultos: como o nome indica, o curso tinha o objetivo de alfabetizar pessoas que não tiveram a oportunidade de aprender a ler e a escrever no sistema regular de ensino (era um curso não-seriado). Nota: Neste Censo há informações sobre cursos não-seriados, o que não ocorria no Censo Demográfico de Porém, há uma incoerência na organização dos quesitos, pois o que deveria figurar como Curso de Alfabetização de Adultos e Artigo 99, ou cursos rápidos (Admissão ou Vestibular), foi incluído no quesito série que freqüenta ou freqüentou. No Censo de 1970, os graus existentes eram os mesmos daqueles arrolados no censo anterior: Elementar: quatro séries (1 a a 4 a séries). Apesar de contar com quatro séries, havia a possibilidade de o aluno estar cursando uma 5 a série preparatória para a admissão no Ginásio (grau Médio 1 o Ciclo); portanto, ele já teria concluído o Primário (ver explicação anterior sobre o quesito última série concluída com aprovação ); Médio 1 o Ciclo: quatro séries (1 a a 4 a séries); Médio 2 o Ciclo: três séries (1 a a 3 a séries); Superior: o número de séries era variável e um curso superior poderia ter até seis séries (equivalentes a seis anos). Para pessoas com 10 anos ou mais de idade: - (V039) Espécie do curso concluído com aprovação. A organização é semelhante à do censo demográfico anterior, embora a listagem dos cursos seja diferente.

10 136 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 Censo Demográfico de 1980 Para pessoas com 5 anos ou mais de idade: - (V519) Sabe ler e escrever: mesma organização do Censo Demográfico de Para pessoas que freqüentavam cursos seriados: - (V520) Série que freqüenta: para os cursos de créditos, de períodos, de semestre ou Supletivo seriado, o recenseador devia proceder à devida conversão. Havia as opções de 1 a a 8 a séries ou nenhuma série; - (V521) Grau da série que freqüenta: as opções deste quesito eram: Primário ou Elementar: quatro séries (1 a a 4 a séries); Ginasial ou Médio 1 o Ciclo: quatro séries (1 a a 4 a séries); 1 o Grau: oito séries (1 a a 8 a séries); 2 o Grau: três séries (1 a a 3 a séries). Eventualmente, quatro séries; Colegial ou Médio 2 o Ciclo: três séries (1 a a 3 a séries). Eventualmente, quatro séries; Supletivo do 1 o ou 2 o Grau: quatro séries (1 a a 4 a séries) e três séries (1 a a 3 a séries), respectivamente; Superior: o número de séries era variável, e um curso superior poderia ter até seis séries (equivalentes a seis anos). Nota 1: O Censo de 1980 manteve as informações sobre cursos seriados e não-seriados, como no censo anterior, mas, ao contrário deste último, separou corretamente as séries e os graus de ensino. Todos os censos seguintes mantiveram esta organização. Nota 2: Como dito anteriormente, a Lei n o 5.692/71 cingiu o grau Elementar e o Médio 1 o Ciclo, ambos de quatro séries, resultando no Ensino de Primeiro Grau, composto de oito séries. Os antigos cursos Clássico, Científico e outros de grau equivalente passaram a compor o Ensino de Segundo Grau. Nesse quesito, foram mantidas as terminologias vigentes antes da lei de 1971, a fim de facilitar a declaração daqueles que freqüentaram escola no passado, quando eram válidos os termos antigos (isso prevaleceu nos censos seguintes).

11 Rigotti, J.I.R (V522) Para as pessoas que freqüentam curso não-seriado: Pré-Escolar (aparece pela primeira vez em um censo demográfico); Alfabetização de Adultos; Supletivo 1 o Grau; Supletivo 2 o Grau; Supletivo 1 o Grau TV (era possível acompanhar as aulas pela TV); Supletivo 2 o Grau TV (idem); Vestibular; Mestrado/Doutorado. Para pessoas que não freqüentavam escola: - (V523) Última série que concluiu com aprovação: 1 a a 8 a séries ou nenhuma. Nota: A última série concluída com aprovação era aquela anterior à série freqüentada. - (V524) Grau da última série que concluiu com aprovação: Curso de Alfabetização de Adultos; Primário ou Elementar; Ginasial ou Médio 1 o Ciclo; 1 o Grau; 2 o Grau; Colegial ou Médio 2 o Ciclo; Supletivo; Mestrado/Doutorado. Nota: Nos cursos não-seriados, de Alfabetização de Adultos, Supletivo, Mestrado ou Doutorado, o recenseador assinalava a opção nenhuma no quesito anterior ( última série concluída com aprovação ). Para pessoas com 10 anos ou mais de idade: - (V525) Espécie do curso mais elevado concluído com aprovação. A organização é semelhante à dos censos demográficos anteriores, embora a listagem dos cursos seja diferente.

12 138 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 Censo Demográfico de 1991 Para pessoas com 5 anos ou mais de idade: - (V0323) Sabe ler e escrever ou não sabe: mesma organização dos Censos Demográficos de 1970 e (V0324) Série que freqüenta: 1 a a 8 a séries. Para os cursos seriados. Se a pessoa freqüentava um curso não-seriado, o recenseador assinalava nenhuma. - (V0325) Grau da série que freqüenta. Para os cursos seriados (se a pessoa freqüentava um curso não-seriado, o recenseador assinalava nenhum ): 1 o Grau: oito séries (1 a a 8 a séries); 2 o Grau: três séries (1 a a 3 a séries); Supletivo 1 o Grau (seriado): quatro séries; Supletivo 2 o Grau (seriado): três séries; Superior: até seis anos (séries). - (V0326) Para a pessoa que freqüenta curso não-seriado (se freqüentava curso seriado, o recenseador assinalava nenhum ): Pré-escolar; Curso de Alfabetização de Adultos; Supletivo 1 o Grau (não-seriado); Supletivo 2 o Grau (não-seriado); Pré-Vestibular; Mestrado/Doutorado. Para pessoas que não freqüentavam escola: - (V0327) Última série que concluiu com aprovação: 1 a a 8 a séries ou nunca freqüentou. Para as pessoas que freqüentavam escola ou que concluíram cursos de Alfabetização de Adultos, Mestrado ou Doutorado, o recenseador assinalava nenhuma. - (V0328) Grau da última série que concluiu com aprovação (se a pessoa não tivesse concluído curso de nenhuma espécie, o recenseador assinalava nenhum ):

13 Rigotti, J.I.R. 139 Curso de Alfabetização de Adultos Primário ou Elementar Ginasial ou Médio 1 o Ciclo 1 o Grau 2 o Grau Colegial ou Médio 2 o Ciclo Superior Mestrado ou Doutorado Para pessoas com 10 anos ou mais de idade: - (V0329) Espécie de curso mais elevado concluído com aprovação. A organização é semelhante à dos censos demográficos anteriores, embora a listagem dos cursos seja diferente. Censo Demográfico de 2000 Não há restrição de idade: - (V0428) Sabe ler e escrever. Mesma organização dos Censos Demográficos de 1970, 1980 e (V0429) Freqüenta escola ou creche: Sim, rede particular Sim, rede pública Não, já freqüentou Nunca freqüentou Nota: O Censo Demográfico de 2000 trouxe, pela primeira vez, informação sobre a freqüência em rede pública ou particular. - (V0430) Qual é o curso que freqüenta: Creche: pela primeira vez em um censo demográfico brasileiro; tratase de um curso não-seriado; Pré-Escolar: também consiste em um curso não-seriado; Classe de Alfabetização: nova modalidade de curso não-seriado, comum no Nordeste brasileiro;

14 140 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 Alfabetização de Adultos: também equivale a um curso não-seriado; Ensino Fundamental ou 1 o Grau regular seriado; Ensino Fundamental ou 1 o Grau regular não-seriado; Supletivo (Ensino Fundamental ou 1 o Grau): pode ser seriado ou nãoseriado; Ensino Médio ou 2 o Grau regular seriado; Ensino Médio ou 2 o Grau regular não-seriado Supletivo (Ensino Médio ou 2 o Grau): pode ser seriado ou não-seriado; Pré-Vestibular: também é um curso não-seriado; Superior Graduação; Mestrado ou Doutorado: também se trata de um curso não-seriado. Nota: Neste quesito estão incluídos os cursos seriados e não-seriados. Para estes últimos, o recenseador assinalava não-seriado no quesito seguinte (V0431). Percebe-se que muitas modalidades de ensino aparecem pela primeira vez em um censo demográfico brasileiro. Isso se deve às mudanças ocorridas a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de (V0431) Qual é a série que freqüenta: 1 a a 8 a séries ou curso não-seriado. Os quesitos seguintes só foram perguntados às pessoas de 10 anos ou mais de idade que não freqüentavam escola, mas que já tinham freqüentado. - (V0432) Qual é o curso mais elevado que freqüentou, no qual concluiu pelo menos uma série: Alfabetização de Adultos; Antigo Primário; Antigo Ginásio; Antigo Clássico, Científico etc.; Ensino Fundamental ou 1 o Grau; Ensino Médio ou 2 o Grau; Superior Graduação; Mestrado ou Doutorado.

15 Rigotti, J.I.R (V0433) Qual é a última série concluída com aprovação: 1 a a 8 a séries; curso não-seriado ou nenhuma. - (V0434) Concluiu o curso no qual estudou. Pela primeira vez este quesito foi apresentado em um censo demográfico brasileiro. Anteriormente, não era possível saber se a última série concluída em um determinado curso era a última série deste. - (V4350 e V4352) Qual é a espécie do curso mais elevado concluído (Superior e não-superior). Ainda não disponível. Considerações finais Os quesitos sobre educação dos censos demográficos brasileiros experimentaram constante evolução, em razão não apenas das mudanças advindas das diversas Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, mas também do acompanhamento das novas realidades que surgiam como a grande participação da escola pública nos cursos do nível Básico ou o crescimento do número de escolas de nível Superior da rede particular, para citar apenas dois exemplos. No entanto, as correspondências entre as séries e os graus de ensino dos diversos anos são identificáveis. O atual nível Básico pode ser construído com a agregação dos níveis Elementar e Médio 1 o Ciclo, ou Primário mais Ginasial, o que corresponde ao Ensino Fundamental. Da mesma forma, o Ensino Médio atual equivale ao Ensino Médio 2 o Ciclo, Clássico ou Científico. No entanto, nem sempre é tarefa fácil fazer uma compatibilização das séries nos diversos anos em casos como Exame de Admissão ou 5 a ou 6 a séries, para citarmos dois exemplos. Tal compatibilização exigiria mais do que uma simples correspondência de anos de estudos, como uma comparação de aspectos didáticos e cognitivos. No entanto, o maior problema diz respeito aos cursos não-seriados. Percebese, até mesmo pela crescente incorporação dos quesitos censitários referentes a esses tipos de cursos ao longo do tempo, que a participação dos cursos nãoseriados tem adquirido cada vez mais importância no país. Isso é verdadeiro especialmente a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação de Daí a inclusão de opções como ensinos Fundamental e Médio não-seriados no Censo Demográfico de 2000.

16 142 Variáveis de educação dos Censos demográficos brasileiros de 1960 a 2000 Referências bibliográficas CARNEIRO, M. A. LDB fácil: leitura crítico-compreensiva artigo a artigo. Petrópolis: Vozes, p. IBGE. Manual do recenseador Censo Demográfico de Rio de Janeiro: IBGE.. Manual do recenseador Censo Demográfico de Rio de Janeiro: IBGE.. Dicionário de dados: Censo Demográfico de Rio de Janeiro: IBGE.. Censo Demográfico de 1970: Documentação do arquivo Amostra de 25%. Rio de Janeiro: IBGE.. Censo Demográfico de 1980: Documentação do arquivo. Rio de Janeiro: IBGE.. Censo Demográfico de 1991: Documentação dos microdados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, Tabulação avançada. Questionário da amostra (Censo Demográfico de 2000). Rio de Janeiro: IBGE.. Questionário da amostra do Censo Demográfico de Disponível em: <www.ibge.gov.br>. ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, p.

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Parte II Bases de dados educacionais

Parte II Bases de dados educacionais Parte II Bases de dados educacionais Capítulo 1 As bases de dados do INEP e os indicadores educacionais: conceitos e aplicações José Irineu Rangel Rigotti e Cézar Augusto Cerqueira Capítulo 2 Indicadores

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

NÍVEIS DE ENSINO DICIONÁRIO

NÍVEIS DE ENSINO DICIONÁRIO NÍVEIS DE ENSINO Estruturas verticais hierárquicas que compõem a educação escolar. Atualmente, a educação escolar brasileira está organizada em dois níveis de ensino: a educação básica e a educação superior.

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Comparação entre o Sistema de Educação em vigor e o Sistema de Educação a implementar

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Comparação entre o Sistema de Educação em vigor e o Sistema de Educação a implementar INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comparação entre o Sistema de Educação em vigor e o Sistema de Educação a implementar Da comparação entre o organigrama do Sistema de Educação actual, em

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Parte II Bases de dados educacionais

Parte II Bases de dados educacionais Parte II Bases de dados educacionais Capítulo 1 As bases de dados do INEP e os indicadores educacionais: conceitos e aplicações José Irineu Rangel Rigotti e Cézar Augusto Cerqueira Capítulo 2 Indicadores

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA

SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR 2006 Presidente da República Federativa do Brasil Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim

Leia mais

ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Associação de Ensino Novo Ateneu UF: PR ASSUNTO: Consulta sobre a oferta de cursos de Educação de Jovens e

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS VERSÃO PRELIMINAR PME / 2015 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. BASE LEGAL 2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS 2.1. FLORIANÓPOLIS ASPECTOS HISTÓRICOS, GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS 2.2. EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola.

2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola. 1 Histórico 2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola. No Brasil - Acesso, permanência, aprendizagem e conclusão da educação básica na idade certa com Campanha Nacional

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Diretrizes do Programa Vilmar Faria em Análise Quantitativa e Políticas Públicas PVF CAPES e Universidade do Texas, Austin. Edital CGCI n.

Diretrizes do Programa Vilmar Faria em Análise Quantitativa e Políticas Públicas PVF CAPES e Universidade do Texas, Austin. Edital CGCI n. Diretrizes do Programa Vilmar Faria em Análise Quantitativa e Políticas Públicas PVF CAPES e Universidade do Texas, Austin Edital CGCI n. 017 /2005 1. Do Programa 1.1 O Programa Vilmar Faria em Análise

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

Estabelece, ainda, excepcionalmente, em seu artigo 4.º que:

Estabelece, ainda, excepcionalmente, em seu artigo 4.º que: INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Apreciação de Exposição de Motivos para o não cumprimento, em caráter excepcional, da Resolução n. 010/2010-CME/MANAUS RELATOR: Paulo Sérgio

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - 2015 Á 2025

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - 2015 Á 2025 PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - 2015 Á 2025 Profº Esmeria de Lourdes Saveli Secretária Municipal de Educação 1. CONCEITO O Plano Municipal de Educação é um orientador da ação do município na política educacional.

Leia mais

Questões fundamentadas Lei 9.394/96 - LDB

Questões fundamentadas Lei 9.394/96 - LDB Para adquirir apostila digital de 500 Questões Fundamentadas da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Lei 9.394/96 (LDB) acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br OBS.: ESSA APOSTILA DIGITAL SERÁ

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas BASE LEGAL A legislação básica sobre o sistema educacional brasileiro consiste na Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, também chamada de Lei Darcy

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino Disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Mococa e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Relatório explicativo dos Organigramas do Sistema de Educação (Elaborados com base na Lei 13/01 de 31 de Dezembro) Cada Organigrama apresentado (tanto a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais.

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. SIC 01 /05 - CEE/MG Belo Horizonte, 25 de maio de 2005. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. Estabelece normas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação básicab Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Ementa da Disciplina Os caminhos da educação brasileira. A estrutura e organização do ensino no

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 SEMINÁRIO NACIONAL CURRÍCULO E AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 Secretaria

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 2015 Professor João Medeiros de Sá Filho Conferência Municipal de Educação CEMUR 27/04-14h Lei 13.005, de 25 de junho de 2014 que aprova o Plano nacional de Educação O PNE -

Leia mais

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO do Município de Duque de Caxias, no uso de suas atribuições legais e considerando:

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO do Município de Duque de Caxias, no uso de suas atribuições legais e considerando: PORTARIA Nº 36/SME/2012 Define parâmetros comuns à execução do Programa de Matrícula Sem Fila/ 2013, para a Educação Infantil (Creche e Pré- Escola), Educação Especial Ensino Fundamental e Educação de

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO ROSSETTO, Alessandra Colombo Educação: História, Política, Sociedade - PUC/SP E-mail: alessandra.acr@uol.com.br Modalidade de trabalho: Pôster Eixo

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora da Cidade do Rio de Janeiro Dezembro de 2010 1. Argumento Ao longo dos últimos anos, um amplo espectro de políticas públicas foi implantado em

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 2008-2020 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA BRASÍLIA / DF 2009 Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 Reg ECONOMIA.indd 2 6/9/2010 17:04:48 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

EMENTA: Regulamenta a implantação do Ensino Fundamental de 09 anos no Sistema Estadual de Ensino de Alagoas e dá outras providências

EMENTA: Regulamenta a implantação do Ensino Fundamental de 09 anos no Sistema Estadual de Ensino de Alagoas e dá outras providências RESOLUÇÃO Nº. 08/2007 CEB/CEE-AL EMENTA: Regulamenta a implantação do Ensino Fundamental de 09 anos no Sistema Estadual de Ensino de Alagoas e dá outras providências O Conselho Estadual de Educação de

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Pais e Mestres do Colégio

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL NOS MUNICÍPIOS DE CORUMBÁ-MS E LADÁRIO-MS

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL NOS MUNICÍPIOS DE CORUMBÁ-MS E LADÁRIO-MS O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL NOS MUNICÍPIOS DE CORUMBÁ-MS E LADÁRIO-MS Rafael Verão Françozo PPGE UFMS/CPAN 1 Vânia Lima de Almeida PPGE UFMS/CPAN 2 RESUMO:

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Reexaminado pelo Parecer CNE/CEB nº 7/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Reexaminado pelo Parecer CNE/CEB nº 7/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Reexaminado pelo Parecer CNE/CEB nº 7/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Subsecretaria de Assuntos Administrativos/Coordenação-Geral de Gestão

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

A Educação Básica no Sistema Estadual de Ensino de Sergipe. II Encontro Estadual dos Conselhos de Educação

A Educação Básica no Sistema Estadual de Ensino de Sergipe. II Encontro Estadual dos Conselhos de Educação A Básica no Sistema Estadual de Ensino de Sergipe 1 LDB - Da organização Art. 8º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão, em regime de colaboração, os respectivos sistemas de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº 253 /2000 Fixa normas para matrícula de alunos na Educação

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INTEGRAL I - META 6 DO PNE: Oferecer Educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, 25% dos(as) alunos(as) da Educação Básica. II - ANÁLISE

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES DO TUTOR

GUIA DE ORIENTAÇÕES DO TUTOR GUIA DE ORIENTAÇÕES DO TUTOR Curso Normal Superior FAÇA PARTE DESSE GRUPO GUIA DE ORIENTAÇÕES DO TUTOR Curso Normal Superior EAD Facinter EAD Facinter Este material foi elaborado para auxiliar os tutores

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

MATEMÁTICA INCLUSIVA. Kelen Berra de Mello 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Palavras-chave: educação matemática, inclusão, deficientes visuais.

MATEMÁTICA INCLUSIVA. Kelen Berra de Mello 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Palavras-chave: educação matemática, inclusão, deficientes visuais. MATEMÁTICA INCLUSIVA Área Temática: Educação Kelen Berra de Mello 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Carla Fabiane Bonatto, Fernanda Rogéria Noronha dos Santos, Melina Trentin Rosa 2 Palavras-chave: educação

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

RESOLUÇÃO SME N 08/2015

RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Prefeitura de São José do Rio Preto, 13 de Agosto de 2015. Ano XII n 3511 - DHOJE RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Dispõe sobre o processo de cadastramento de alunos, coleta de vagas, compatibilização demanda/vaga

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Encontro Nacional da Uncme Outubro/2013 (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

GLOSSÁRIO COSINE/GOTERP

GLOSSÁRIO COSINE/GOTERP GLOSSÁRIO COSINE/GOTERP Sumário 1. SOBRE MATRÍCULAS EM GERAL:... 3 2. SOBRE FREQUÊNCIA ESCOLAR:... 3 3. SOBRE O TERMO RAÇA :... 3 4. SOBRE A PARTE DIVERSIFICADA DO CURRÍCULO:... 4 5. SOBRE AVANÇO DE ESTUDOS:...

Leia mais

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação Planejando a Próxima Década Alinhando os Planos de Educação EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Art. 4º O caput do art. 214 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação,

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais