Transformações nos saberes sobre arte e seu ensino 1. (Trans)Formação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transformações nos saberes sobre arte e seu ensino 1. (Trans)Formação"

Transcrição

1 Transformações nos saberes sobre arte e seu ensino 1 Dra. Susana Rangel Vieira da Cunha 2 (Trans)Formação Meu trabalho como professora e pesquisadora tem como proposta desestabilizar conceitos fixos sobre arte, provocar dúvidas e curiosidade neste campo e buscar alternativas nos modos ensinar arte. Procuro tecer fios com as alunas, mesclando o pensamento sensível e conceitual, uma vez que não existe processo de conhecimento em arte numa perspectiva apenas teórica/reflexiva ou experiencial. O conhecimento neste campo necessita da mediação entre os dois. É conhecendo e pensando sobre a produção simbólica, vivenciando e entendendo os seus processos expressivos que as pessoas ampliarão suas visões sobre a arte em sua dimensão histórica, social, individual, expressiva, conceitual, cultural, simbólica e técnica. Vasculhar o processo de expressão do adulto é resgatar suas marcas, sua identidade, seu estar no mundo. É um processo de (re)conhecimento das imagens internas e externas que se inicia com a desestabilização das crenças essencialistas e imutáveis sobre a arte. O ensino da arte em qualquer nível deveria abranger tanto a construção da linguagem visual quanto contribuir para que as crianças realizem leituras cognoscentes, conscientes e sensíveis de outras tantas imagens que estão aí sendo consumidas passivamente. Segundo FUSARI e FERRAZ(1992, p. 74): Uma educação do ver, do observar, significa desvelar as nuances e características do próprio cotidiano e ir além, propondo rupturas com o instituído, com aquilo que é oferecido pelas imagens veiculadas pelos meios 1 Artigo publicado na Revista de Educação Projeto: Artes Plásticas, v.3,n.5, 2001 e na.revista Imaginar da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual., Lisboa:v.38, p.04-10, Professora e pesquisadora da Faculdade de Educação da UFRGS, organizadora e autora de vários livros, entre eles: Cor, som e movimento: a expressão plástica, dramática e sonora da criança)

2 midiáticos como representações verdadeiras e únicas sobre o mundo. O ensino de arte poderia ser uma das vias de questionar o que está estabelecido, aguçando os sentidos, aglutinando expressão/vida, a fim de produzir propostas no campo da visualidade que possibilitem indagações sobre a própria vida. Uma das funções do ensino da arte seria o de anexá-la a outras formas de atividades sociais, incorporá-la na textura de um padrão de vida específico (GEERTZ, p.146) e não isolá-la como um fenômeno mágico e inexplicável. Diante desses pressupostos foi concebida a presente pesquisa com contornos de investigação-ação a partir de uma abordagem auto-biográfica. O trabalho iniciou em março de 1997 (oficialmente foi concluída em 2000, mas até hoje continua em andamento) junto às alunas que freqüentaram semanalmente e por um semestre a disciplina Arte na Educação Infantil que integra o currículo do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. As participantes da pesquisa tiveram o papel simultâneo de "objetos" e de sujeitos da investigação (NÓVOA, p. 22.) ora como fonte de informações, ora como direcionadoras do processo da pesquisa. Foi um movimento de ir e vir entre teoria e prática, um refazer-se a cada situação de desvendamento sobre o conhecimento das alunas que passava a estruturar outros caminhos de investigação e intervenção no próprio conhecimento produzido entre professora e alunas. Com isso, a análise de dados percorreu todas as etapas de uma forma interligada e analítica, refazendo o conhecimento e os procedimentos durante todo o processo. O projeto de pesquisa percorreu vários caminhos, às vezes paralelos, entrecruzados ou circulares, no sentido de entender como os processos expressivos individuais das alunas e crianças se constituem historicamente, culturalmente e socialmente e por isso os procedimentos metodológicos foram se constituindo pelas transformações das etapas tendo em vista a multiplicidade dos

3 olhares e ações nas abordagens metodológicas que foram se configurando na relação teoria/prática em situações de sala de aula. Embora tendo um plano flexível e aberto, havia um desenho básico de procedimentos composto de: entrevistas, leituras e discussões de textos sobre arte, história da arte-educação e a linguagem expressiva infantil, depoimentos analíticos enfocando as histórias de vida das alunas; sessões de resgate do processo expressivo; observações e análises do trabalho pedagógico em arte em contextos escolares. Os procedimentos foram estruturados de forma que as alunas tivessem possibilidade de refletir durante o processo de pesquisa, participando de maneira ativa, produzindo uma reflexão autoformadora durante todo o processo investigativo. A investigação buscou: apreender a interação dos fatores de várias ordens que concorrem para a configuração das concepções de arte e ensino de arte da alunas; ampliar as concepções de arte e seu ensino levando em conta os saberes trazidos pelas alunas; identificar os princípios constitutivos do processo de criação buscando estabelecer relações entre estes e a prática docente com vistas a um redimensionamento do fazer pedagógico fundamentado na relação arte e educação. Do pensar ao fazer Do fazer ao pensar Inicialmente foram utilizados questionários que procuravam desvelar as concepções sobre arte e ensino de arte na Educação Infantil. A maioria das respostas referia-se à arte como algo que transmite mensagens, como um meio de comunicação, como uma produção expressiva do interior de cada um procurando reproduzir alguma coisa externa ou interna, como uma forma de expressar sentimentos, medos, incertezas para outros indivíduos, tudo que é feito artesanalmante, formas de expressão espontânea, como algo bonito e ao mesmo tempo difícil das pessoas copiarem, vem de um dom, pode ser manifestada através da linguagem do desenho, da argila, pintura, do

4 corpo, pode ser assistida, como a dança, pintura, cinema, exposição de trabalhos, algo vinculado ao olhar, seja como forma de observação ou admiração, aquilo que pode ser apreciado por outras pessoas. Essas afirmativas revelavam que os saberes trazidos pelas alunas estavam ancorados em uma visão de arte centrada exclusivamente na autonomia das obras, que por sua vez são belas, encantam nossos sentidos e são portadoras de narrativas subjetivas e visões particulares de mundo. Atribuem às obras um sentido mágico de contemplação, segundo Canclini, (s/d.p.8.) essa forma de encarar a arte não oferece explicações racionais acerca do processo de recepção da arte; apenas se interessa pela obra como objeto fetichizado. A arte, a que as alunas se referem, é um conjunto específico da produção simbólica, aquela que foi institucionalizada como arte pelos discursos e locais de exibição, aquela que está posta de maneira incontestável como produção artística. Ao elegerem um determinado tipo de produção como sendo a artística deixam de perceber outras manifestações produzidas por outros grupos sociais ou as colocam como produções menores, pitorescas ou folclóricas. Mesmo dentro do universo da arte com A maiúsculo, a produção artística referida estava restrita ao realismo, aos materiais e modalidades convencionais das artes visuais. Colada a essa visão, o artista é visto como um ser de exceção, como alguém que tem um dom natural para criar obras extraordinárias, realistas, narrativas, bem feitas tecnicamente que serão admiradas por espectadores passivos. Após o mapeamento das concepções, que davam conta de respostas conceituais sobre o campo da arte, foi elaborado um estudo reflexivo baseado em leituras de diferentes autores (Coli: 1992; Ostrower:1983; Camargo:1994; Canclini: s/d) a fim de discutirmos e ampliarmos as idéias contidas nos questionários. Durante as reflexões sobre como alguns meios - livros, programas escolares, mídia, etc -legitimam certas produções simbólicas, as alunas lembraram que os locais de exibição - galerias, museus, centro culturais, feiras de rua indicam atitudes frente à arte e modos de validar e classificar os objetos como artísticos. Segundo

5 elas, os museus nos ensinam a ver os objetos dentro de uma hierarquia de valores. As alunas diziam: quando entro num museu já sei que aquilo é ARTE, não posso duvidar do que está ali, mesmo que eu não entenda eu sei que é algo valioso... ;...quando fui a Bienal do Mercosul achei esquisita a maioria dos trabalhos: sala com luzinhas de celulares, outra com uma cama, objetos que pareciam brinquedos e que a gente podia mexer...e mesmo achando estranho sabia que aquilo tudo era arte ; quando fui ao museu era a mesma coisa do que estar numa igreja, tinha que andar devagar, em silêncio, olhar os quadros vagarosamente ;...quando vejo os trabalhos dos índios na rua nunca penso que aquilo pode ser arte. Considero essas colocações como indicadores de uma grande mudança no modo inicial em como elas percebiam a arte: se antes a arte era tida como uma produção desvinculada de contextos sócioculturais, agora começavam a vê-la a partir dos significados produzidos culturalmente em torno dos objetos artísticos. Os depoimentos serviram para explorarmos as seguintes questões emergentes: Existe algo nos objetos que dizem que ele é artístico, ou o artístico está relacionado ao aparato de discursos produzidos em nossa cultura? Existe autonomia para o espectador decidir o que é artístico? Será que em nossas práticas cotidianas em sala de aula não elegemos também modelos do que seja arte e trabalhamos a partir deles? A partir de quais referenciais estruturamos um planejamento em arte? Concomitante às reflexões sobre arte, que permearam todo o desenvolvimento da pesquisa, foi proposta a montagem de um Museu Imaginário (adaptação que fiz das idéias de André Malraux) a partir de um acervo de objetos considerados artísticos por nós para que discutíssemos sobre os critérios que direcionavam nossas escolhas por determinados objetos. Minha intenção com o museu imaginário era fazer com que as alunas se perguntassem sobre as idéias essencialistas sobre arte, como por exemplo, a capacidade dos objetos artísticos terem uma imanência, ou uma aura que lhes confeririam um significado independente das circunstâncias que os

6 geravam, um valor em si inscrito na materialidade do próprio objeto que lhe dava o estatuto de objeto artístico. O acervo do nosso museu possibilitou pensarmos concretamente em cima dos objetos, das suas formas, história, materialidade, técnicas construtivas e os significados e valores que nós e os outros atribuímos a eles. De certo modo, manusear os objetos, vê-los, compará-los, colocá-los lado a lado fez com que as alunas reformulassem suas concepções iniciais sobre arte de um modo mais aguçado e sensível do que aquelas realizadas no campo teórico. Acredito que isso se deva ao fato de que o conhecimento sobre a arte se faz tanto no campo conceitual quanto no campo sensorial, ou seja, ao lermos sobre pintura temos um entendimento, ao passo que o ato de pintar possibilita outra forma de conhecê-la. Assim, o contato com a materialidade dos objetos exemplificou e ampliou outros pontos importantes que não haviam aparecido nas discussões a partir dos textos. Os objetos do Museu Imaginário tinham a ver com os saberes sobre arte já enunciados nos questionários (caráter narrativo, figurativo, artesanal, estético, etc) e em sua maioria consistiam de objetos que habitam nosso cotidiano. Em sua maioria, eram peças decorativas como reproduções de obras de arte consagradas, peças de cerâmica, porcelanas pintadas à mão, esculturas ou montagens tridimensionais produzidas por familiares ou artesãos, azulejos pintados, produções infantis, souvenir de viagem (industrializados ou artesanais) ou objetos utilitários como panos de pratos bordados ou pintados, almofadas de crochê, brinquedos antigos, bandejas, copos, etc. Os critérios classificatórios elaborados foram muitas vezes contraditórios, contudo conviviam pacificamente, como por exemplo, o caráter artesanal e industrializado, ou a peça única e a produção em série. Ao constatarem que haviam contradições nos critérios, as alunas se davam conta do caráter mutável que nós podemos dar aos objetos, ou seja, os objetos por si só não têm marcas em si que os elevam à categoria do artístico. Nós é que atribuímos significados a eles conforme nossos referenciais sócio-culturais. Assim, o caráter fixo com que

7 qualificavam os objetos como artísticos foram relativizados e outros critérios foram elaborados. A etapa posterior ao museu imaginário teve dois enfoques simultâneos: as histórias de vida das alunas (depoimentos autobiográficos enfocando as experiências familiares e escolares no campo da arte) e as vivências expressivas. Os depoimentos tinham como finalidade o entendimento das alunas sobre seus processos educativos no campo da arte, uma vez que elas se viam como naturalmente incapazes para apropriarem-se da linguagem visual. Ao verem-se dentro de uma história educacional ora tecnicista, ora essencialista, elas percebiam que a incapacidade para as artes era em conseqüência dos modos como elas haviam sido ensinadas e não uma deficiência nata. Alguns depoimentos resumem o quanto as pedagogias em arte formataram a idéia de que eram incompetentes para as artes : lembro-me que certa vez, tive que copiar uma gravura na qual havia um desenho de um urso comendo mel. Tive muitas dificuldades em acertar o desenho, visto que não conseguia demonstrar o mel escorrendo. De tanto apagar e tentar desenhar o mel, minha folha rasgou. O resultado foi que minha professora me xingou e me obrigou a fazer outro desenho durante o recreio. A livre expressão foi propiciada durante boa parte da minha escolarização. A professora, a partir da concepção do livre-fazer banalizava a criação dos alunos, deixando-nos completamente soltos, sem perspectivas, sem exercer o seu papel de mediadora. Apesar de pouquíssimas recordações lembrome que fazíamos trabalhos de arte de forma mecânica, onde o sentimento era muito pouco usado como forma de expressão. Era tudo determinado pela professora, tínhamos que fazer do jeito que ela achava certo. Até hoje tenho dificuldade em me expressar. Tínhamos também um caderno de desenho com sugestões de desenhos para colorir, desenho para completar e copiar igual, desenhos em perspectiva este eu tinha verdadeira aversão ao realizar pois não conseguia fazer igualzinho ao desenho original. A professora trazia o modelo que era copiado por todos. Os melhores trabalhos, cópias perfeitas dos modelos, eram expostos. Nós não tínhamos condições de expressarmos nossa criatividade ou imaginação.

8 No processo de entendimento de como elas foram se constituindo nesta área do conhecimento, elas se davam conta gradativamente que os modelos pedagógicos vivenciados haviam produzido registros no modo delas se expressarem e no modo em como elas ensinariam arte. A esse respeito Nòvoa diz que as concepções e práticas pedagógicas resultam da escolarização dos estudantes e que há uma estreita relação entre a maneira de como aprendemos e o modo como ensinamos. Mesmo reconhecendo que tais modelos haviam negado o conhecimento, a expressão, imaginação e experimentação, estes eram os únicos modelos de ensino de arte que as alunas conheciam. Ao se darem conta de que aqueles modelos não tinham sentido, elas começavam a se perguntar se haveriam outras possibilidades para ensinar arte. Como seria possível elaborarem outras propostas pedagógicas que contemplassem o conhecimento e vivências no campo da arte com algum sentido para elas e para as crianças? Para esclarecermos estas questões, estudamos autores de diferentes enfoques teóricos como por exemplo: Luis Camargo (Arte-educação: da pré-escola à universidade); Zélia Cavalcanti (Arte na sala de aula); Analice Dutra Pillar (Desenho e construção do conhecimento na criança); Ana Angélica Moreira (O espaço do desenho: a educação do educador); Sandra Richter e Susana Vieira da Cunha (Cor, som e movimento: A expressão plástica, musical e dramática no cotidiano da criança) e Edith Derdyk (Formas de pensar o desenho) que propõem caminhos teórico-metodológicos diferenciadas daqueles vivenciados pelas alunas durante suas escolarizações. Minha intenção com as leituras não era a de substituir os modelos pedagógicos formadores vividos pelas alunas por outros modelos, mas sim de dar visibilidade a outras propostas pedagógicas para que elas ampliassem suas referências e pudessem compor outras possibilidades no modo de ensinar arte. Paralelamente às histórias de vida, iniciei um trabalho que também buscava, de um outro modo, trazer à tona fragmentos da história expressiva das alunas a fim de que elas compreendessem como esses processos foram se configurando. A primeira grande barreira a romper era a idéia do não sei desenhar que a maioria

9 verbalizava antes de iniciarmos os trabalhos de resgate da linguagem gráfico-plástica. Elas diziam não sei desenhar e quando penso que nesta aula teremos que fazer alguma coisa quase desisto. Nunca fiz nenhum desenho que gostasse. Nas aulas de artes sempre pediam para que eu desenhasse um modelo que a professora colocava lá na frente e eu nunca conseguia fazer parecido. Nunca gostei de artes. Quando me pedem um desenho faço sempre a mesma coisa: uma casinha, árvore com maças, nuvens e o sol. Parece desenho de criança. Diante destas afirmativas procurei fazer com que elas percebessem, através de vários desafios expressivos, que a linguagem gráfico-plástica depende de um conhecimento específico e que como conhecimento deve ser aprendido de uma maneira prazerosa e significativa. Pretendia que aprendessem a construir um olhar que capturasse as sutilezas, percebendo que cada vermelho é um mundo e há o mundo do vermelho entre as cores (CHAUÍ, 1988, p.58). Queria que aprendessem que um olhar curioso poderá criar repertórios singulares para outras configurações representativas e que este olhar diferenciado buscará uma forma, um material e modos de pensar através de imagens. Queria que elas se dessem conta de que lidar com formas, cores, espaços, volumes, materiais não é um dom com que alguns poucos nascem, mas sim uma aprendizagem que parte de um olhar ativo, analítico, sensível e poético sobre o mundo visível e invisível. As propostas expressivas vivenciadas nessa etapa foram trabalhadas na perspectiva de desvelar e ampliar os repertórios das alunas, pois segundo Miriam Martins (1998, p162): Quanto mais o aprendiz tiver oportunidade de ressignificar o mundo por meio da especificidade da linguagem da arte, mais poder de percepção sensivel, memória significativa e imaginação criadora ele terá para formar consciência de si mesmo e do mundo. Desvelar/ampliar, como termos interligados, são ações que se auto-impulsionam, como pólos instigadores para poetizar, fruir, conceituar e conhecer arte elaborando sempre novas relações com o já sabido. As primeiras experiências gráficas tinham o intuito de trazer os repertórios sem uma intervenção pedagógica mais contundente. Além disso, pretendia que elas revivessem seus antigos processos de uma forma reflexiva e prazerosa. Solicitava a elas que

10 desenhassem paisagens, pessoas, coisas que gostavam, que haviam vivido, etc. Os desenhos realizados eram muito semelhantes no que diz respeito à temática (árvores com maçãs, casinha, nuvem e sol, figura humana de palito) às formas simplificadas e sem detalhes e à pouca exploração dos materiais. Após esses registros, analisávamos quais os motivos que as impediam de elaborarem outros desenhos e as justificativas eram de que não tinham habilidade, na escola sempre faziam o mesmo tipo de desenhos, não tinham outras idéias além daquelas. Sobre tais afirmação realizávamos uma reflexão na tentativa de entenderem que não existe uma habilidade nata para o desenho ou para a imaginação, mas que formas, temáticas mais elaboradas e uso exploratório dos materiais dependiam em muito do desafio imposto pelo mediador da proposta. No caso foram indicadas algumas temáticas, mas sem haver a intenção de problematizá-las para que elas vasculhassem livremente seus repertórios imagéticos. Também nessa atividade nos reportamos em como as crianças reagem quando solicitamos temas ou deixamos que elas criem sem interferência da professora. Depois dos primeiros registros, as propostas seguiam vários percursos que envolviam a observação, imaginação, criação, leitura de imagens e exploração de materiais. Uma das propostas enfocando a observação foi a seguinte: solicitei às alunas que desenhassem cabelos e coloquei vários materiais gráficos à disposição (lápis de cor e aquarelado, giz de cera, canetinhas, lápis 6b), Não fiz nenhuma intervenção enquanto desenhavam. Quando finalizaram os trabalhos perceberam que haviam desenhado cabelos muito semelhantes e com poucos recursos expressivos: linhas da mesma espessura, cores sem tonalidades, poucas soluções nos tipos de cabelos, etc. Depois propus que brincassem de cabeleireiras umas com as outras, explorando penteados inusitados. Disponibilizei pentes, escovas, presilhas de cabelos, bico de patos, rolos, grampos, prendedores, fitas, elásticos e outros adereços. Junto com a brincadeira salientava que observassem como são os fios do

11 cabelo no seu conjunto, nos diversos locais da cabeça, o peso, consistência, cor, textura, volume, etc. Quando concluíram os penteados incentivei que os desenhassem a partir da observação e do conhecimento físicosensorial que experienciaram durante a confecção dos penteados. Durante a realização dos desenhos pedia que elas explorassem as possibilidades do carvão e do suporte (papel kraft) e que descobrissem como elas poderiam transpor o observado para o representado, não de um modo fotográfico, mas que tentassem entender o cabelo como um volume com características próprias que deveria ser expresso num plano bidimensional. Brincando de Cabelereira: O cabelo como suporte para imaginação/criação Desenhando cabelos: o referente como suporte para criação

12 Ao concluírem o segundo desenho, as alunas ficaram Desenhos de cabelos satisfeitas e surpresas com suas produções e exclamavam: Nunca em minha vida havia feito um desenho que gostasse!!! Não sabia que eu conseguiria desenhar algo tão legal. Perguntava a elas: o que havia mudado do primeiro para o segundo desenho? O que havia acontecido naquele pequeno espaço de tempo, uma habilidade manual tinha sido adquirida, ou outros processos haviam sido desencadeados? Segundo os depoimentos, elas diziam: O que eu descobri com esta atividade é que o nosso primeiro desenho, que foi livre, é mais estereotipado. O segundo é mais livre e aberto, pois a arte é uma produção e um conhecimento. Descobri que sou capaz de arriscar e aprender. A partir desta aula vi que tenho condições de criar meus próprios desenhos. Foi de grande valia a comparação entre o 1 º e 2 º desenho pois pude avaliar o meu crescimento, pude analisar os dois tipos de material: lápis/carvão e canson/kraft e isto enriquece muito a nossa prática.

13 Descobri que se pode criar mesmo em um desenho de observação, já que cada um vê aquilo que mais lhe interessa e, sendo assim, nem todos têm a mesma percepção diante de um mesmo objeto. Acredito que, mesmo que todos tivessem tido como modelo o mesmo cabelo, os desenhos sairiam completamente diferentes, pois cada um de nós imprime as suas marcas, as suas aprendizagens e as suas diferentes visões de mundo em tudo que faz. Ao ampliarem seus repertórios iniciais, as alunas passaram a ter confiança em sua capacidade de expressão e perceberam que as mudanças nos desenhos não estavam restritas às habilidades manuais, mas ao modo como elas tinham sido acionadas e sensibilizadas em torno de um objeto de conhecimento. Por outro lado, a crença que devemos deixar as pessoas se expressarem livremente, sem uma estratégia pedagógica, caiu por terra quando elas compararam o desenho livre dos cabelos com o desenho posterior que mostrava avanços em termos de soluções gráficas e criação, mesmo tendo sido realizado a partir de um trabalho direcionado. Nesse sentido, aprenderam que o desenho de observação, necessariamente não precisa ser igual ao observado, mas poderá ser uma interpretação pessoal, uma autoria que é marcada por um modo peculiar de expressão. Após essa breve experiência gráfica, realizamos uma leitura sobre as imagens produzidas. Assim, foi possível desmanchar a idéia de que a representação de algo não precisa coincidir necessariamente com a visão objetiva que temos da realidade. Também foi interessante analisar como as alunas passaram a entender a aprendizagem técnica: se antes os aspectos técnicos eram vistos separados das modalidades expressivas, agora elas percebiam que o domínio técnico da materialidade advém da necessidade expressiva, ou seja, buscamos um manejo matérico uma técnica para configurarmos nossos desejos expressivos. Ao longo do semestre, continuamos com experiências expressivas em diferentes modalidades e materiais, ora enfocando a imaginação, ora a observação/percepção ou a exploração dos materiais, ora aspectos específicos da linguagem visual. Junto ao resgate expressivo começamos a traçar paralelos entre as

14 descobertas individuais e coletivas e em como as crianças pequenas vão constituindo o vocabulário gráfico-plástico. Minha intenção nessa proposta era trabalhar tanto com a percepção das alunas sobre seus próprios processos expressivos quanto direcionar esse novo olhar para a expressão infantil. A esse respeito Ana Angélica Moreira (1984, p.127) reflete dizendo: recuperar o ser poético que é a criança só é possível quando os professores se percebem como pessoas ainda capazes de viver o estranhamento, que é o ser da poesia, quando o professor descobre nele mesmo o prazer da criação. Os estudos sobre a Experiências gestuais com tinta constituição da linguagem visual infantil foram estendidos a observações e análises de atividades em arte nas escolas infantis, pois a meu ver não bastaria compreendermos teoricamente como as crianças passam dos rabiscos iniciais à representação, como vão separando o fundo da forma, como vão das escolhas aleatórias da cor ao uso analógico, sem entendermos como as professoras trabalham as diferentes concepções imagéticas das crianças no cotidiano da sala de aula. Sendo um dos últimos procedimentos, foi possível às alunas analisarem as práticas em arte de um modo muito aguçado e crítico; ao mesmo tempo constatavam que o que está ocorrendo atualmente

15 na Educação Infantil é similar ao que elas viveram em suas escolarizações em outros graus de ensino. Ou seja, independentemente do grau de ensino, da temporalidade e dos contextos educativos, os enfoques no modo de ensinar arte são semelhantes e continuam produzindo um conhecimento superficial no que diz respeito à própria arte, aos processos expressivos, à pesquisa de materiais e principalmente no que se refere à produção dos imaginários infantis. Considerações (semi)finais Os resultados parciais do presente trabalho indicam que as alunas, participantes da pesquisa, formulam suas concepções sobre arte e seu ensino durante o período escolar, anterior à entrada na universidade. As experiências vivenciadas no ensino de arte de 1 º e 2 º graus, ainda centra-se na estética das belas-artes que dá um sentido universal e imutável à produção artística e geram por sua vez metodologias baseadas em abordagens empiristas e/ou inatistas. Com isso, os conceitos de arte e seus modos de ensino formam uma coerência de princípios impermeáveis a outras propostas educacionais. Apesar disto, não é lícito colocar a escola como a única responsável por propagar idéias sobre arte sob pontos de vista pragmáticos ou essencialistas, muito aquém das propostas contemporâneas nos campos da arte e da pedagogia. Entretanto, a escola vai absorvendo e validando as idéias do senso-comum que se refazem historicamente como um corpo organizado de conhecimentos, que pode ser reafirmado, desenvolvido, formalizado, observado e até ensinado. Os discursos sobre arte, como símbolo de distinção social, e os artistas, como seres de exceção, são produzidos por nossa cultura e aceitos nos contextos escolares - da educação infantil ao ensino universitário - sem que haja contestação ou um esforço analítico-crítico que provoque uma mudança significativa em termos de outros conhecimentos sobre arte e seu ensino. Em sua maioria, as alunas tiveram em suas escolarizações, modelos de ensino de arte do passado (Livre-expressão e

16 Tecniscismo) que foram recuperados e adaptados sem uma discussão sobre a validade de tais enfoques na atualidade. Tais modelos produziram registros equivocados no sentido de impossibilitarem a experiência expressiva das alunas. Entretanto, a partir de um conjunto de intenções, procedimentos metodológicos e de propostas que contemplaram a reflexão teórica e experiências sensíveis-expressivas em um processo contínuo de ação-reflexãoação foi possível romper os saberes instituídos. Estes movimentos do fazer ao pensar, geraram deslocamentos, dúvidas, rupturas e flutuações no próprio conhecimento. No processo de recuperação expressiva, as alunas desencadeavam também a transformação do pensamento conceitual e vice e versa. Muitas vezes as descobertas vivenciadas no fazer expressivo e/ou nas discussões de fundo teórico eram estendidas para outras situações e áreas do conhecimento. As formas de pensar a arte e seu ensino possibilitavam uma abertura para a compreensão de saberes mais amplos no campo pedagógico. Outro ponto que considero importante é que as alunas foram extrapolando a idéia de arte e seu ensino centradas em objetos e modalidades convencionais (pintura, desenho, recorte e colagem, etc ) e passaram a entender o ensino de arte como também um modo de decifrar a cultura visual. Elas foram se dando conta que as imagens de um modo geral ensinam modos de ser e de estar no mundo, constituindo uma pedagogia visual que atua como qualquer outra estratégia de ensino. Se antes as imagens eram vistas apenas como representações inocentes do mundo, agora passaram a serem vistas como uma força educativa atuante no cotidiano e que devemos criar modos de intervenção para esta força educativa não determine os significados existenciais das crianças. Considero essa forma de encarar o ensino de arte na Educação Infantil como um avanço muito grande em relação ao que está ocorrendo ainda hoje nas salas de aula, quando o trabalho em artes ainda é o momento do deixar fazer" ou o momento de desenvolver habilidades motoras.

17 Creio que ao longo do trabalho houve mudanças significativas tanto nas concepções sobre arte quanto nas possibilidades de viabilizar propostas prazerosas, críticas e contextualizadas no ensino da arte. Segundo os depoimentos das alunas, pode-se constatar o modo como elas passaram a entender o ensino de arte: Pude perceber o quanto a arte amplia a consciência da gente sobre o mundo e sobre nós mesmos. È uma visão a partir de outros referenciais que não limita e padroniza os comportamentos, mas que respeita e valoriza a diferença e a forma de expressão de cada pessoa. Com este trabalho revi muito do que fui enquanto aluna nas aulas de Educ. Artística e percebi o quanto é importante o educador ver as várias possibilidades dessa área, não a vendo apenas como acessível para aqueles que têm um dom. Todos podemos melhorar nossos desenhos, traços, porém é preciso que cada um reencontre o seu traço perdido naquelas aulas de artes... Nós professoras transmitimos a visão de arte que temos aos nossos alunos. Se acreditamos que não somos capazes de desenhar ou que só é possível desenhar estereótipos, estaremos permitindo que nossos alunos também pensem assim. Penso que as leituras e as atividades práticas foram muito importantes pois através delas tive a oportunidade de resgatar a criança que fui e verificar o quanto fui moldada, censurada, limitada em minha expressão, e pude perceber a influência do professor no processo expressivo. Saliento que minha intenção com este trabalho não foi de construir um modelo de ensino de arte a ser seguido nos cursos de formação de professoras mas dar visibilidade ao modo como venho estruturando algumas propostas pedagógicas em que são possíveis outras leituras sobre a arte e seu ensino. Como foi visto anteriormente, a situação em que se encontra o ensino de arte na Educação Infantil, e também em outros níveis de ensino, não está contribuindo para que as crianças possam elaborar sua linguagem expressiva entendida aqui como uma forma de ler e representar suas relações singulares com o mundo. Dessa forma é necessário que nos cursos de formação de professoras sejam repensadas as formas de ensinar arte, para que os velhos modelos não sejam transpostos para as salas de aula de hoje.

18 Referências Bibliográficas: ANDRÉ, Marli E. A pesquisa no cotidiano escolar. In I. Fazenda (org). Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo, Cortez, CHAUÍ, Marilena. Janela da alma, espelho do mundo. In A Novaes (org) O olhar. São Paulo, Companhia das Letras, 1988, p.58. FUSARI, Maria F. de R. e FERRAZ, Maria Heloisa de T. Arte na Educação Escolar. São Paulo, Cortez, GEERTZ, Clifford. O saber Local. Trad. Vera Mello Joscelyne. Petropólis, RJ, Vozes, NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In A. Nòvoa, Vida de professores. Porto, Porto Editora, s.d, 2 ª ed CANCLINI, Nèstor. A socialização da arte. São Paulo, Cultrix, s/d. MARTINS, Mirian C. Didática do ensino de artes: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo, FTD, MOREIRA, Ana Angélica. O espaço do desenho: a educação do educador. São Paulo, Ed. Loyola, 1984.

O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1

O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1 1 O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1 Aline Aparecida Silva * Helenice Maria Tavares ** RESUMO O presente artigo tem por objetivo levar aos educadores a repensar sobre sua prática,

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS CONSULTORIA PEDAGÓGICA: Prof. Dr. Lutiere Dalla Valle Professor da Universidade Federal de Santa Maria atua na formação de professores de artes visuais e artistas

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Palavras-chave: Artes Visuais. Educação Infantil. Professor Mediador.

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Palavras-chave: Artes Visuais. Educação Infantil. Professor Mediador. ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Adriana Maria dos Santos * Maria Helena Dias Fratari ** De que vale olhar sem ver? (Goethe) Resumo O objetivo deste artigo é mostrar a importância que a arte tem na

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores COMPREENSÕES DE PROFESSORES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Paula

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte 1 CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte Este texto refere-se às reflexões iniciais sobre a temática de pesquisa no Doutorado do Programa

Leia mais

EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA

EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA PRINCÍPIOS ORIENTADORES A manipulação e experiência com os materiais, com as formas e com as cores permite que, a partir de descobertas sensoriais, as crianças desenvolvam

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

OS SIGNIFICADOS DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL OS SIGNIFICADOS DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gilvânia Maurício Dias de Pontes Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil O trabalho dos professores de Educação Infantil envolve estar atento a construção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann

QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann 1 A discussão da avaliação na Educação Infantil inicia pela reflexão sobre o papel das instituições voltadas à educação

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ARTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES ÀS PRÁTICAS DOCENTES. Relato de Experiência. Resumo

PROJETO FAZENDO ARTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES ÀS PRÁTICAS DOCENTES. Relato de Experiência. Resumo PROJETO FAZENDO ARTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES ÀS PRÁTICAS DOCENTES Rochele Karine Marques Garibaldi Escola de Educação Básica (ESEBA/UFU) rochelegaribaldi@gmail.com Camila Lopes Fernandes Pedagogia/UFU

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Palavras-Chaves: Autorretratos, Educação Infantil, diversidade

Palavras-Chaves: Autorretratos, Educação Infantil, diversidade AUTORRETRATOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL TALITA PEREIRA DA SILVA (UNINOVE) talita.professoradoconde@gmail.com RESUMO: Este relato de experiência refere-se a um trabalho desenvolvido no ano de 2011. O projeto

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA: ALÉM DA FOLHA DE OFICIO Andréa Rossi 1

PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA: ALÉM DA FOLHA DE OFICIO Andréa Rossi 1 PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA: ALÉM DA FOLHA DE OFICIO Andréa Rossi 1 Eu quero desaprender para aprender de novo. Raspar as tintas com que me pintaram. Desencaixotar emoções, recuperar sentidos. Rubem

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG Esta apresentação foi organizada com o intuito de oferecer subsídios para a construção

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PESQUISA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS DO PIBID E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

PESQUISA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS DO PIBID E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PESQUISA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS DO PIBID E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Edna Neves Pereira (1); Dacielle Antunes Santos (1); Sandra Alves de Oliveira

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Planejamento Anual 2014 Religião 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I. Reconhecer-se como ser único e especial.

Planejamento Anual 2014 Religião 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I. Reconhecer-se como ser único e especial. Religião 1º período 1- Ser humano (único e especial). 2- A identidade do ser humano. 3- Qualidades próprias do ser humano. 4- Caracterização do ser humano (sentimentos, vontades, liberdade e capacidade

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL:CONCEPÇÕES E AÇÒES PEDAGÓGICAS

ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL:CONCEPÇÕES E AÇÒES PEDAGÓGICAS 1 ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL:CONCEPÇÕES E AÇÒES PEDAGÓGICAS Susana Rangel Vieira da Cunha Prof. Assistente da Faculdade de Educacão UFRGS Palavras-chaves: Formacão de professores, educação-arte, educacão

Leia mais

ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA

ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) CULTURA ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA BASTIANI, Ana Claudia 1 ANDRADE JÚNIOR, Anselmo Rodrigues de 2 PAZ, Wilton 3 RESUMO Com o objetivo

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) O Desfile a fantasia. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O desfile a

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais