UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 Grupo B: Pré-Requisito: Cirurgia Geral Especialidades: Cancerologia Cirúrgica, Cirurgia Cardiovascular, Cirurgia do Trauma, Cirurgia Geral Avançada, Cirurgia Pediátrica, Urologia BOLETIM DE QUESTÕES LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1. Este boletim de questões é constituído de: - 50 questões objetivas. 2. Confira se, além desse boletim de questões, você recebeu o cartão-resposta destinado à marcação das respostas das 50 questões objetivas. 3. No CARTÃO-RESPOSTA a) Confira seu nome e número de inscrição e especialidade que você se inscreveu na parte superior do CARTÃO-RESPOSTA que você recebeu. b) No caso de não coincidir seu nome e número de inscrição, devolva-o ao fiscal e peça-lhe o seu. Se o seu cartão não for encontrado, solicite um cartão virgem, o que não prejudicará a correção de sua prova. c) Verifique se o Boletim de Questões, está legível e com o número de páginas correto. Em caso de divergência, comunique ao fiscal de sua sala para que este providencie a troca do Boletim de Questões. Confira, também, na Capa do Boletim de Questões e no rodapé das páginas internas, o nome do pré requisito para a especialidade pleiteada. d) Após a conferência, assine seu nome no espaço correspondente do CARTÃO-RESPOSTA, do mesmo modo como foi assinado no seu documento de identidade, utilizando caneta esferográfica de tinta preta ou azul. e) Para cada uma das questões existem 5 (cinco) alternativas, classificadas com as letras a, b, c, d, e. Só uma responde corretamente ao quesito proposto. Você deve marcar no Cartão-Resposta apenas uma letra. Marcando mais de uma, você anulará a questão, mesmo que uma das marcadas corresponda à alternativa correta. f) O CARTÃO-RESPOSTA não pode ser dobrado, nem amassado, nem rasgado. PROGRAD Pró-Reitoria de Graduação DAA Diretoria de Acesso e Avaliação LEMBRE-SE 4. A duração desta prova é de 4 (quatro) horas, iniciando às 8 (oito) horas e terminando às 12 (doze) horas. 5. É terminantemente proibida a comunicação entre candidatos. ATENÇÃO 6. Quando for marcar o Cartão-Resposta, proceda da seguinte maneira: a) Faça uma revisão das alternativas marcadas no Boletim de Questões. b) Assinale, inicialmente, no Boletim de Questões, a alternativa que julgar correta, para depois marcá-la no Cartão-Resposta definitivamente. c) Marque o Cartão-Resposta, usando caneta esferográfica com tinta azul ou preta, preenchendo completamente o círculo correspondente à alternativa escolhida para cada questão. d) Ao marcar a alternativa do Cartão-Resposta, faça-o com cuidado, evitando rasgá-lo ou furá-lo, tendo atenção para não ultrapassar os limites do círculo. Marque certo o seu cartão como indicado: CERTO e) Além de sua resposta e assinatura, nos locais indicados, não marque nem escreva mais nada no Cartão-Resposta. 7. Releia estas instruções antes de entregar a prova. 8. Assine na lista de presença, na linha correspondente, o seu nome, do mesmo modo como foi assinado no seu documento de identidade. BOA PROVA Belém Pará Dezembro de 2014

2 1. Motociclista sem capacete sofre colisão com automóvel e é levado ao Hospital onde você se encontra de plantão, chegando duas horas após o trauma com os seguintes parâmetros: atende aos comandos verbais simples, está com uso de colar cervical, frequência respiratória de 16 ciclos por minuto, pressão arterial de 120 por 60 mmhg, frequência cardíaca de 90 batimentos por minuto, Glasgow 14 e equimoses e escoriações por todo o corpo. Após a reanimação inicial os exames que deverão ser solicitados para afastar possíveis lesões são: AP: incidência ântero posterior e PA: incidência póstero anterior a radiografias de tórax em ortostase, de bacia em AP e cervical em AP. b radiografias de tórax em AP, de bacia em AP e cervical em AP. c radiografias de tórax em AP, de bacia em PA e cervical em perfil. d radiografias de tórax em AP, de bacia em AP e cervical em perfil. e radiografias de tórax em ortostase, de bacia em AP e cervical em perfil. 2. Motorista de carro sem cinto de segurança sofre colisão com outro automóvel e é ejetado. Levado pelo SAMU até o Hospital onde você se encontra de plantão, chegando 30 minutos após o trauma com os seguintes parâmetros: respiração ruidosa, está sem colar cervical, frequência respiratória de 20 ciclos por minuto, pressão arterial de 80 por 40 mmhg, frequência cardíaca de 120 batimentos por minuto, Glasgow 7 e ferimentos sangrantes em membros superiores e couro cabeludo. A primeira conduta a ser tomada deverá ser: a acionar o cirurgião geral para laparotomia devido a choque hipovolêmico de origem abdominal. b oferecer oxigênio suplementar sob máscara com reservatório a 12 litros/minuto. c promover via aérea definitiva e instalar colar cervical. d colocar colar cervical e promover manobras de retificação das vias aéreas. e conter o sangramento e instalar hidratação adequada através de dois acessos periféricos calibrosos. 3. São indicações de gastroplastia redutora tipo by pass gástrico as seguintes situações clínicas: a pacientes com IMC maior que 40kg/m² e pacientes com IMC maior que 30kg/m² com comorbidades. b pacientes com IMC maior que 35kg/m² e pacientes obesos com diabetes mellitus. c pacientes com IMC maior que 35kg/m² em pacientes com apnéia do sono e pacientes com IMC maior que 40kg/m². d obesos mórbidos com distúrbios psiquiátricos graves e pacientes com IMC maior que 40kg/m². e obesos mórbidos com colelitíase e pacientes com IMC maior que 35kg/m². 4. Paciente de 45 anos apresenta protrusão dolorosa, valsalva positivo em região inguinal direita. Sobre a hérnia inguinal e seu tratamento é a a hérnia inguinal bilateral tem contra indicação absoluta do tratamento por via laparoscópica devido a dificuldade de alocação dos trocárteres durante o ato cirúrgico. b a técnica de Liechtenstein é considerada uma técnica com tensão por haver o uso da prótese. c todas as técnicas de reparo anterior são consideradas livres de tensão. d Stoppa desenvolveu uma técnica sem tensão para o tratamento de hérnias bilaterais. e hérnias recidivadas não devem ser tratadas por laparoscopia devido às aderências que dificultam muito o procedimento. 5. Sobre o megaesôfago é a são encontradas espessamento da parede esofágica por hipertrofia da musculatura estriada e aumento do tecido conjuntivo. b segundo Mascarenhas et al. (1958) um megaesôfago Grau III teria de 6 a 9 cm de diâmetro no estudo contrastado do mesmo. c atualmente o tratamento efetivo do megaesôfago é clínico através da utilização da toxina botulínica. d a cardiomiotomia realizada deve ser ampla com 3 cm de largura com o cuidado de ressecar a mesma distância acima e abaixo da transição esofagogástrica. e complicações como pneumotórax, lesão de mucosa esofagiana e lesão esplênica estão associadas ao tratamento cirúrgico do megaesôfago. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 2

3 6. Sobre a doença do refluxo gastro esofágico (DRGE), assinale a alternativa correta. a A phmetria de 24 horas é o padrão ouro para diagnóstico de DRGE sem esofagite comprovada por endoscopia alta. b Pirose, plenitude gástrica e tosse crônica são sintomas típicos da DRGE. c A infecção pelo H. pylori está envolvida na fisiopatologia da DRGE. d A secreção ácida isolada é responsável por toda a alteração da mucosa esofágica. e A lesão da mucosa esofagiana ocorre com ph abaixo de Sobre o tratamento da doença do refluxo gastro esofágico (DRGE), é a pacientes com refluxo em posição supina e refluxo biliar tem resposta boa à terapêutica medicamentosa. b pacientes jovens e com refluxo predominantemente noturno tem melhor resposta ao tratamento clínico. c os altos custos da cirurgia laparoscópica salientam a necessidade do tratamento medicamentoso prolongado em detrimento do tratamento cirúrgico. d pacientes com esofagite erosiva e epitélio esofágico colunar na apresentação inicial têm indicação de tratamento cirúrgico como 1 opção. e roupas apertadas e balas de hortelã não têm relação com os sintomas da DRGE. 9. Há 40 anos o tratamento do Câncer esofágico era praticamente sem esperanças. Atualmente há alternativas melhores apesar da realidade ainda não ser das mais animadoras. Sobre o câncer de esôfago é a o carcinoma epidermóide representa a quase totalidade dos casos. b Brasil, França e Canadá estão entre as maiores taxas da atualidade. c as mulheres são mais acometidas em uma proporção de 3:1. d sua maior prevalência encontra-se entre a quarta e quinta décadas de vida. e a localização preferencial do câncer esofágico é no terço superior do esôfago torácico. 10. Sobre a patogenia do câncer de esôfago assinale a alternativa correta. a A ingesta de bebidas quentes como o Tacacá e o Chimarrão não têm relação com o aparecimento da doença. b Epitélio colunar em esôfago distal tem relação direta com o Câncer de Esôfago. c A presença da proteína cmyb mrna indica maior probabilidade de carcinoma epidermóide oculto em esôfago de Barret. d A disseminação hematogênica da doença ocorre precocemente. e Macroscopicamente os tumores de esôfago se apresentam como vegetantes, exofíticos e necróticos. 8. Um paciente realiza uma colonoscopia para avaliação de um hematoquezia onde foram achados cerca de 800 pólipos (sésseis, pediculados e subpediculados). Baseados nesse achado é a provavelemente trata-se de uma polipose colônica adenomatosa atenuada. b provavelmente trata-se de um caso de pólipos múltiplos. c é um caso provável de polipose adenomatosa familiar. d o número de pólipos é insuficiente para classificarmos a doença polipoide. e trata-se provavelmente de uma polipose simples. 11. Sobre os tumores malignos do estômago é a nos Estados Unidos a incidência do Câncer Gástrico aumentou nos últimos 50 anos. b a alta incidência de Câncer gástrico no Japão está relacionada somente ao fato das campanhas de rastreamento da doença. c vários estudos indicam que o ácido acetil salicílico tem um papel protetor do estômago contra o Câncer Gástrico. d o grupo sanguíneo O é mais frequente em pacientes com carcinoma gástrico. e a polipose adenomatosa familiar não tem relação com o desenvolvimento de Câncer Gástrico. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 3

4 12. Um paciente realiza uma endoscopia digestiva alta cujo achado foi de uma lesão polipoide cuja histologia revelou profusa infiltração de células inflamatórias. De acordo com a endoscopia é a macroscopicamente a endoscopia revela uma lesão Borrmann II. b a lesão do tipo intestinal tem um prognóstico pior que o do tipo difuso. c na classificação de Borrmann o tipo II é subdividido em IIa, IIb e IIc. d trata-se de um carcinoma gástrico precoce. e trata-se de uma lesão do tipo intestinal de Lauren. 13. Baseado nas diferenças clínicas, endoscópicas e histológicas das doenças inflamatórias intestinais assinale a alternativa correta. a As estenoses na colite ulcerativa são raras. b A inflamação da Doença de Crohn acomete a mucosa e submucosa. c O acometimento anal na Colite ulcerativa é comum. d A serosa na Doença de Crohn evidencia-se normal. e A distribuição da Colite ulcerativa é segmentar e descontínua. 14. Paciente de 18 anos chega ao pronto atendimento com quadro clínico de dor em quadrante inferior direito de localização inicial em região epigástrica e sinal de Dumphy positivo. Solicitado hemograma que demonstrou leucocitose de e tomografia que demonstrou um apêndice de 8mm. O provável diagnóstico deste paciente é: a Diverticulite b Chilaidite c Apendicite aguda d Colecistite aguda e Isquemia mesentérica 15. A etiologia do câncer de cólon envolve fatores ambientais, genéticos e dietéticos. Sabendo disso é a a mutação no protooncogene K-ras está relacionada com inibição do Câncer de Cólon. b a doença de Crohn tem efeito protetor da mucosa contra o Câncer de Cólon. c as N-nitrosaminas são produtos de degradação protetores da carcinogênese. d a polipose adenomatosa familiar não tem relação com o Câncer de Cólon. e o selênio tem efeito inibidor da carcinogênese do Câncer de Cólon. 16. Um paciente de 60 anos realizou uma colonoscopia que evidenciou uma lesão em cólon esquerdo cujo histopatológico demonstrou um tumor invadindo até a muscular própria. Segundo AJCC/UICC, em relação ao tumor primário, o estadio correto é: a T0 b Tis c T1 d T2 e T4 17. Algumas características clínico laboratoriais auxiliam no diagnóstico do Câncer de Cólon. Levando em consideração essa patologia é a um valor muito elevado do CEA (antígeno carcinoembriônico) diagnostica o Câncer de Cólon. b os tumores de Cólon esquerdo estão mais relacionados à forma oclusiva. c a anemia é mais frequente nos tumores do Cólon esquerdo. d observam-se elevações do CEA (antígeno carcinoembriônico) precocemente no Câncer de Cólon. e a forma hemorrágica está mais presente nos tumores de cólon direito. 18. Paciente chega ao consultório com queixa de dor anal. Ao exame foi evidenciado prolapso das veias hemorroidárias que retornavam somente com manobras digitais. Baseado nesse achado é correto classificar a doença hemorroidária em: a Grau I b Grau II c Grau III d Grau IV e Grau V 19. Em relação aos abscessos anais é correto a a faixa etária de maior incidência situa-se entre os 30 e 50 anos. b o tratamento ideal do abscesso consiste em antibioticoterapia e banhos de assento. c a bactéria mais frequentemente relacionada ao abscesso é o Bacterioides fragilis. d o abscesso mais comum é o Isquiorretal. e em todos os pacientes com abscesso ocorre a formação de fístula anal. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 4

5 20. Icterícia é a cor amarelada da pele e mucosas em virtude da hiperbilirrubinemia. A partir de seus conhecimentos sobre icterícia, assinale a alternativa correta. a Existem três fases no metabolismo da bilirrubina: formação, conjugação e excreção. b O baço é o único órgão que remove a bilirrubina do plasma e a conjuga. c As icterícias podem ser causadas basicamente por dois fatores: produção aumentada e defeitos na excreção da bilirrubina. d A principal fonte de produção da bilirrubina são os eritrócitos senescentes. e Na síndrome de Gilbert a captação da bilirrubina está aumentada. 21. A palavra ascite é procedente da língua grega, e na Medicina significa uma condição patológica de acúmulo de fluido na cavidade abdominal. Sobre a ascite é a uma contagem de polimorfonucleares acima de 150 células/mm³ no líquido ascético significa peritonite bacteriana espontânea. b recomenda-se que todo paciente com ascite de início recente realize uma toracocentese diagnóstica. c a coloração opalescente ou leitosa do líquido ascítico geralmente é associada a neoplasias ou cirrose hepática. d na ascite quilosa a dosagem de triglicerídeos costuma ser acima de 50mg/dL. e a perda ponderal de 200mg/dia corresponde à uma resposta terapêutica eficaz no monitoramento da ascite. 22. O interesse pela litíase biliar iniciou-se há mais de 1500 anos. O primeiro tratamento cirúrgico bem sucedido remonta de Hoje o padrão ouro de tratamento da Colelitíase é a colecistectomia por via laparoscópica. Assinale abaixo a alternativa que demostra uma indicação de colecistectomia em um paciente com colelitíase ASSINTOMÁTICA. a Colelitíase em pacientes cirróticos. b Colelitíase em pacientes com anemia falciforme. c Colelitíase em pacientes submetidos à laparotomia exploradora de urgência. d Colelitíase em pacientes que necessitam de nutrição enteral definitiva. e Colelitíase em pacientes acima de 80 anos pelo risco de evolução para carcinoma de vesícula. 23. Colangite é uma infecção bacteriana dos ductos biliares originalmente descrita em Sobre a colangite é a a tríade de Charcot é composta por febre, calafrio e dor em hipocôndrio direito. b sexo masculino e bilirrubina acima de 2mg/dL são fatores preditivos de prognóstico ruim na colangite aguda. c o microorganismo mais frequentemente associado à colangite é a Klebsiella. d a causa mais comum de colangite é a doença de Caroli. e a tríade de Charcot acompanhada de hipotensão e confusão mental caracteriza a pêntade de Reynolds. 24. Seguindo a classificação de Nyhus para as hérnias inguinocrurais, assinale a alternativa correta. a Nyhus III A corresponde à hérnia inguinal indireta. b Nyhus II corresponde à hérnia inguinal indireta com anel inguinal interno normal. c Nyhus IV corresponde à hérnia recidivada. d Nyhus III B corresponde à hérnia femoral. e Nyhus I corresponde à hérnia inguinal direta. 25. A pancreatite aguda foi reconhecida e descrita no século XVII. É uma doença caracterizada por dor abdominal em faixa e elevação de amilase e lipase no sangue. Sobre a pancreatite aguda é a o sinal de Cullen (equimose em flanco) é característico de gravidade. b a principal causa de pancreatite aguda é o uso de azatioprina. c a classificação de Baltazar é baseada nos achados da Colangiorressonância. d o sinal de Gray Turner (equiomose periumbilical) é característico de pancreatite hemorrágica. e são complicações da pancreatite: derrame pleural e hipocalcemia. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 5

6 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ Observe a figura abaixo para responder a questão 26 Fonte: Imagem cedida pelo Dr. Dino Colli Jr. 26. A alternativa que contém uma indicação absoluta para a realização do procedimento apresentado acima é: a Trombose Venosa Profunda (TVP) + Hipertensão arterial sistêmica não controlada b Trombose íleo-femoral extensa c TVP + Tromboembolismo Pulmonar (TEP) d TVP recorrente e TVP + Hematomielia 27. Em relação aos derrames pleurais, é correto a pelo menos 1000 ml são necessários para velamento do ângulo costo-frênico em uma radiografia de tórax em posição ereta. b os derrames transudativos surgem com a perda da integridade da pleura ou dos linfáticos. c se o derrame apresentar uma relação DHL do líquido pleural / DHL sérico maior do que 0,6 é considerado um exsudato. d síndrome nefrótica, embolia pulmonar e cirrose são causas de derrames exsudativos. e no empiema, a fase fibrinopurulenta caracteriza-se pela baixa viscosidade e pela baixa contagem celular. 29. Sobre a Síndrome do desfiladeiro torácico é a na maioria dos casos são relatados sintomas de manifestações arteriais. b o tratamento cirúrgico deve ser indicado precocemente. c o perfil mais comum dos pacientes são homens até a terceira década de vida. d o teste de Halstead provoca um estreitamento do espaço entre os escalenos anterior e médio, causando compressão da artéria subclávia e do plexo braquial. e a primeira porção cervical do canal cervicoaxilar é limitada pelo escaleno anterior à frente, escaleno médio posteriormente e a primeira costela inferiormente. 28. No que diz respeito ao diagnóstico diferencial das Oclusões Arteriais Agudas, classifique os itens abaixo em trombose (T) e embolia (E): I. Claudicação intermitente prévia. I. Pulsos contralaterais normais. III. Fibrilação atrial. IV. Presença de circulação colateral. V. Doença valvar reumática. A sequência correta é: a T/T/E/T/E b E/E/T/T/T c T/E/E/T/E d E/E/E/T/E e T/E/T/T/T 30. Em relação à Hemorragia Digestiva Alta, assinale a alternativa correta. a Segundo a classificação de Forrest para achados endoscópicos, uma lesão IB significa vaso visível não sangrante. b A recorrência na laceração de Mallory-Weiss é frequente. c A lesão de Dieulafoy é encontrada principalmente no antro gástrico. d Em relação aos TIPS (Shunt Porto-Sistêmico Intra-hepático Transjugular) são contraindicações absolutas ao procedimento a insuficiência cardíaca direita e a doença policística hepática. e A probabilidade de um episódio repetido de sangramento nas varizes esofágicas é desprezível. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 6

7 31. Leia as alternativas abaixo e assinale a correta. a O triângulo de Callot é formado pelo duto cístico, duto colédoco e borda inferior do fígado. b Durante a confecção do pneumoperitônio, verifica-se sinal de Jobert negativo. c A lesão de canalículos de Lushka pode ser responsável por coleperitônio no pós operatório. d Pacientes diabéticos e transplantados com colelitíase assintomática não necessitam de cirurgia obrigatoriamente. e A colangiografia intraoperatória não é obrigatória se o paciente tiver história de icterícia. 32. No primeiro atendimento aos pacientes com trauma torácico, a melhor associação entre o diagnóstico e tratamento é: a pneumotórax simples - curativo em "C" b pneumotórax aberto- toracocentese c tamponamento cardíaco - massagem cardíaca d tórax estável-drenagem torácica e hemotórax maciço-toracotomia 33. Sobre as hérnias de parede abdominal, assinale a alternativa correta. a A hérnia de Amyand é a hérnia cujo conteúdo do saco herniário é o cólon sigmóide redundante. b A hérnia NYHUS III C é uma hérnia com saco lateral aos vasos epigástricos. c A técnica de Bassini fixa a tela no ligamento inguinal e no tendão conjunto. d Na técnica laparoscópica totalmente extraperitoneal (TEP) não há violação da cavidade peritoneal e a tela é colocada abaixo dos planos musculares. e A técnica de Lichtenstein é considerada uma técnica com tensão. 34. Você está de plantão no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, referência em trauma na região metropolitana e recebe um paciente de 50 anos, masculino, vítima de acidente de moto (colisão com poste), sem capacete. O mesmo encontra-se com hálito etílico, emite sons incompreensíveis, abre os olhos ao estímulo doloroso e retira o membro à dor. O murmúrio vesicular é presente bilateralmente, FR=10, PA= 180x100, FC= 60, SAT: 90%. Sobre este caso é correto afirmar que: a o paciente está em Glasgow 6. b a hipertensão do paciente deve ser tratada com anti-hipertensivos ainda no atendimento inicial. c a realização da tomografia de crânio deve ser com contraste venoso. d a prioridade do caso é avaliar a reação pupilar e exame neurológico. e o paciente corre o risco de apresentar a tríade de Cushing. 35. Sobre abdome agudo inflamatório, é correto a a apendicite aguda é a principal causa de abdome agudo inflamatório, sendo mais comum em mulheres maiores de 60 anos. b nas apendicites agudas, as infecções são polimicrobianas e cursam com envolvimento de cinco a dez diferentes espécies de bactérias, principalmente B.Fragilis e E.Coli. c a dor parietal das fases iniciais levam a dor epigástrica inespecífica. d na pancreatite aguda, os critérios de Ranson nas primeiras 24 horas da admissão se baseiam a idade, glicemia, choque, sinal de Cullen e doenças associadas. e na tomografia Balthazar C, o pâncreas encontra-se com coleção única extra pancreática. 36. Paciente de 40 anos, feminina, foi submetida a hernioplastia incisional pela técnica de Cattel e evoluiu no primeiro pós operatório com dor abdominal, distensão, taquidispinéia, oligúria. A passar a sonda vesical de três vias, observou-se uma pressão intraabdominal (PIA) de 21 mmhg. sobre esta situação, é correto afirmar que: a está definido o diagnóstico de síndrome compartimental abdominal. b A PIA normal para paciente adultos é de 15 a 29 mmhg. c são propostas para o controle da pressão intraabdominal: a passagem de cateter nasogástrico, enemas, pró-cinéticos, paracentese, laparostomias. d o aumento da PIA leva a diminuição do retorno venoso, aumento do débito cardíaco, aumento do fluxo sanguíneo renal. e a PIA acima de 5 mmhg é considerada perigosa para pacientes idosos ou cardiopatas. 37. Um homem de 25 anos, vítima de ferimento no glúteo direito é levado imediatamente ao HMUE, referência em trauma. No exame físico, seu abdome é normotenso, indolor, pelve estável, hemodinamicamente normal. toque retal com sangue em dedo de luva. Na TC de abdome e pelve, o projétil está alojado no mesoreto distal sem hematomas, sem coleções, sem pneumoperitônio. A melhor conduta a ser adotada é: a alta com antibioticoterapia. b internação para observação 12 horas. c laparotomia exploradora para Sigmoidostomia em alça no caso de lesão extraperitoneal. d antibioticoterapia e drenagem da pelve por radiologia. e laparotomia e colorrafia somente se lesão extraperitoneal. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 7

8 38. Leia as alternativas abaixo e assinale a correta. a São fatores que predispõem as fístulas digestivas: a idade baixa, o uso de fio inabsorvível, o não uso de antibióticos e a alimentação precoce no pós operatório. b O primeiro sinal de fístulas digestivas é a febre nos dois primeiros dias de cirurgia. c A presença de Abcessos adjacentes, corpos estranhos, obstrução distal, desnutrição não influenciam no fechamento das fístulas. d Fístulas de mais de 500 ml são consideradas de alto débito. e O tratamento pode ser conservador mesmo na presença de sepse. 39. Mulher de 32 anos submetida a cirurgia bariátrica há 2 anos dá entrada na emergência com quadro de dor e distensão abdominal que melhora com uso de buscopam, diminuição dos ruídos hidroaéreos e vômitos incoercíveis há um dia. A melhor hipótese diagnóstica e conduta são: a pancreatite aguda. Internar para dieta zero, hidratação e antibioticoterapia, além de suporte nutricional. b colecistite aguda. Alta com orientações de alimentação hipolipídica e realização de exames pré-operatórios para cirurgia eletiva. c apendicite aguda. Internar para apendicictomia laparoscópica. d gastrointerocolite aguda. Hidratação, sintomáticos e antibioticoterapia via oral em domicílio. e hérnia interna. Cirurgia revisional. 40. Sobre as incretinas é a o GLP-1 é a incretina predominate, atua liberando glucagon na corrente sanguínea. b a insulina aumenta mais após dar glicose via oral do que glicose via endovenosa. c o GLP-1 é produzido nas células Beta do pâncreas. d a grelina é produzida no antro gástrico. e o PYY é produzido no intestino proximal. 41. Sobre a classificação do câncer gástrico, é a Bormann III corresponde a tumor ulcerado. b o tipo intestinal de Lauren é mais agressivo que o tipo difuso. c os tumores com células do tipo anel de sinete estão associados a bom prognóstico. d tumores bem diferenciados (G 1) tem pior prognóstico. e o estádio IB corresponde ao tumor in situ. 42. Homem de 70 anos, obeso, hipertenso, diabético, dá entrada na emergência com dor abdominal em quadrante inferior esquerdo, pico febril e constipação intestinal há 5 dias. Sobre esse caso, assinale a alternativa correta. a a colonoscopia deve ser realizada nas primeiras 24 horas de intervenção nesses casos. b o melhor exame neste caso é a rotina radiológica de abdome agudo com Raio X de tórax em pé e abdome em pé. c internar o paciente somente se houver leucocitose. d se a tomografia confirmar diverticulite com pneumoperitônio, o paciente tem indicação de cirurgia. e solicitar exames de sangue, ultrassom de abdome e prescrever manitol, mais Fleet enema. 43. Sobre a importância da drenagem linfática para o tratamento do câncer gástrico, é correto a a via linfática principal está na região do piloro e conta com 10 linfonados. b tumores gástricos próximos ao piloro podem metastizar para linfonodos do hilo hepático em face do grupo linfonodal subplórico drenar para artéria hepática. c os lifonodos do grupo III devem ser retirados na gastrectomia por tumor estádio II. d a linfadenectomia não influencia diretamente na sobrevida. e a curvatura maior apresenta 5 grupos linfonodais. 44. Entre as situações abaixo, a que evolui preferencialmente com icterícia flutuante é: a câncer de cabeça de pâncreas b câncer de vesícula c câncer de colédoco terminal d câncer de duodeno e câncer de papila de Váter 45. Sobre a cirurgia bariátrica, é correto afirmar que: a a Banda gástrica ajustável tem ótimos resultados na resolução do diabetes. b a cirurgia tipo duodenal switch é predominantemente restritiva. c o bypass tipo Fobi Capela é uma cirurgia mista com estômago de 30 a 50 ml. d o sleeve gástrico é o primeiro tempo de cirurgia de Scopinaro. e o balão intragástrico promove perda de até 50% do excesso de peso e pode ficar até três meses no paciente. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 8

9 46. São exemplos de peritonites secundárias, EXCETO: a Peritonite por fungos b Peritonite por úlcera perfurada c Peritonite por apendicite d Peritonite por colecistite e Peritonite por diverticulite 47. Sobre as esplenectomias, é a pode levar à sepse fulminante pelo Staphylococcus áureos. b a plaquetose frequente após esplenectomia indica necessidade de prescrever aspirina profilática se plaquetas acima de /ml. c está contraindicada nos casos de púrpura, trombocitopenica, idiopática e talassemia major. d a ligadura perdida está sempre indicada, independente do grau de esplenomegalia. e a drenagem da cavidade é feita de rotina. 48. Homem de 60 anos chega em seu consultório em bom estado geral com queixa de dor em hipocôndrio direito, náuseas, vômitos a mais ou menos 6 meses quando ingere alimentos gordurosos. Trouxe ultrassom de abdome realizado na semana anterior quando ele procurou a urgência devido a dor com a conclusão de colelitíase com cálculo de 3,0 cm no infudíbulo. Sobre este caso, é correto a o paciente corre o risco de ter síndrome de Mirizzi caso evolua com icterícia. b o paciente tem indicação de fazer colangiorressonância. c o paciente deve fazer CPRE antes da colecistectomia. d deve-se complementar com tomografia de abdome para melhor avaliação. e o ideal é esfriar o processo e fazer tratamento conservador devido a idade avançada do paciente. 49. Leia as alternativas abaixo e assinale a correta. a a tríade de Beck está presente em mais de 50% dos casos nas admissões de traumas penetrantes na zona de Ziedler. b o limite lateral da transição tóraco-abdominal é o sexto espaço intercostal. c o FAST é o ultrassom focado no trauma que procura líquido no espaço pericárdico apenas. d lavado peritoneal é melhor que a tomografia de abdome no trauma abdominal fechado. e evisceração e peritonite são situações que indicam cirurgia de urgência a não ser que o paciente esteja estável hemodinamicamente. 50. Um médico de 40 anos de idade é baleado na saída de um banco no hemitórax esquerdo, região infraclavicular e dá entrada no Pronto Socorro hipocorado sudoreico, FC 130; PA: 80x40, FR= 16, agitado, falando claramente, com ausculta diminuída em base do hemitórax esquerdo. Sobre esse caso, é a o paciente está em choque Grau II e precisa de transfusão de sangue. b há suspeita de hemotórax e deve-se confirmar com Raio X de tórax. c providenciar drenagem torácica em selo d'água no atendimento inicial. d a reposição volêmica deve ser feita inicialmente com soluções coloides conforme Fórmula de Parkland. e o paciente precisa fazer janela pericárdica após a realização da tomografia de tórax com contraste. UEPA Programa de Residência Médica 2015 Cirurgia Geral Pág. 9

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA QUESTÃO 21 A Hemorragia digestiva é uma complicação da Moléstia Diverticular dos Cólons. Assim é ERRADO afirmar: a) O tratamento das enfermidades

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre o Hiperparatireoidismo, EXCETO: a) É mais comum no sexo feminino. b) Os adenomas são a causa mais

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado!

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado! OBESIDADE MÓRBIDA Este documento é original e não pode ser modificado! SENTE-SE SOLITÁRIO? PESO IDEAL E IMC Peso ideal: altura X altura X 25 = Exemplo: 1.72 X 1.72 X 25 = 74 kg Excesso de peso : 89 kg

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens.

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. Cirurgia Bariátrica obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. (Appolinário JC, Abuchaim ALG, Coutinho W et al. Transtornos alimentares

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Hospital. Sala 5. Sala 1. Hospital Figueira da Foz. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Como ultrapassar as dificuldades da técnica

Hospital. Sala 5. Sala 1. Hospital Figueira da Foz. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Como ultrapassar as dificuldades da técnica Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA PROCESSO SELETIVO 02/2015 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW INCA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW

Leia mais

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar Pancreatite Aguda Quadro clínico: dor abdominal súbita epigástrica irradiando para dorso, acompanhada de náusea e vômitos. Amilase 3 nl e US abdome e Rx abd agudo Avaliar gravidade Internar se: o Dor severa

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 61

PROVA ESPECÍFICA Cargo 61 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 61 QUESTÃO 26 São contra-indicações absolutas da Endoscopia Digestiva Alta, EXCETO: a) Gravidez. b) Intolerância do paciente. c) Perfuração de víscera suspeita. d) Perfuração

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre a anatomia colo-reto-anal, EXCETO: a) A fáscia de Denonvilliers não necessita ser removida na excisão

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A opção pela Gastroenterologia 23 Sociedades Federadas Regionais 54 Serviços de Gastroenterologia reconhecidos e aprovadas pelo MEC 1986 Sede do VI Congresso

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos ao risco cirúrgico. Julgue os itens subsequentes, acerca do quilotórax. UnB/CESPE INCA 41 Os elementos para avaliação do risco cirúrgico são

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.942/2010

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.942/2010 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.942/2010 (Publicada no D.O.U. de 12 de fevereiro de 2010, Seção I, p. 72) Altera a Resolução CFM nº 1.766, de 13 de maio de 2005, publicada no Diário Oficial da União em 11 de julho

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Espaço do Trauma CBC - SBAIT 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) Horário Programação 08:00 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 9:55 MESA REDONDA: Trauma

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA ABDOMINAL Leonardo Oliveira Moura Trauma Abdominal Órgãos sólidos: Fígado, baço, pâncreas e rins Órgãos ocos: Esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e bexiga Vasos calibrosos:

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA 01. Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais