Camila Valois. Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Camila Valois. Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina - UNIFESP"

Transcrição

1 Camila Valois Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

2 A via de eleição para a administração de alimentos, mesmo para pacientes criticamente doentes, é a digestiva. A alimentação enteral é considerada um meio bem estabelecido de nutrição para adultos e crianças que são incapazes de consumir alimentos por via oral ou que precisam de apoio para manter uma nutrição adequada por uma variedade de razões, agudas ou crônicas. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

3 Histórico: A primeira alimentação enteral documentada foi realizada em 1598 através de um tubo introduzido no esôfago e utilizando-se a bexiga de uma animal como reservatório. DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

4 Alimentação enteral: Mais fisiológica; Promove trofismo da mucosa; Mantém a barreira imunológica- reduz translocação e sepse. Menor custo e complicações que a nutrição parenteral. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

5 Pacientes com o trato digestório funcionante devem fazer uso da via oral preferencialmente. Na impossibilidade, deve ser usado o trato digestório através de sondas, com dietas infundidas no estômago ou intestino. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

6 Os primeiros tubos construídos de borracha tornavam -se quebradiços e causavam irritação da pele. Os tubos modernos são feitos de silicone e poliuretano. Os tubos de poliuretano tem se demonstrado mais resistentes a degradação e deteriorização que os de silicone. DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

7 Em crianças, as indicações mais comuns são as doenças crônicas: Cardiopatia congênita; Fibrose cística; DRGE com aspiração crônica; Disfunção neurológica (PC; encefalopatia); Síndromes genéticas; Distúrbio de deglutição secundário a anormalidades congênitas de orofaringe, hipofaringe, esôfago e vias aéreas. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

8 Causas menos comuns incluem: Falência intestinal - intestino curto; Atresia de esôfago; Hérnia diafragmática; Defeitos de parede abdominal. Causas agudas como IOT. A via enteral é bem tolerada nos pacientes com recusa alimentar e desordens psiquiátricas. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

9 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp.

10 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

11 Indicações: Escolha para curto período 8 a 12 semanas; Pacientes em que o procedimento cirúrgico ou anestésico para a realização de enterostomia não é possível; Crianças com uso superior a 12 semanas, porém limitado. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

12 Contraindicação: Quando a passagem da sonda pela cavidade nasal ou esôfago não é possível. Alto risco de perfuração ou de posicionamento incorreto. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

13 Vantagens Fácil colocação e retirada Desvantagens Pode ser removida acidentalmente com facilidade Uso imediato Mantém integridade da pele, aproveitando orifício natural Acúmulo de secreção na luz Incapacidade de esconder a sonda Complicações locais: sinusite, otite, irritação pele e congestão Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

14 Indicações: Sonda nasogástrica Trato funcionante com impossibilidade de alimentação VO Necessidade de gotejamento contínuo em decorrência de Sd. Má absorção Anorexia Estado hipermetabólico (complementação a ingesta VO) Sonda pós pilórica Risco comprovado de aspiração Retardo do esvaziamento gástrico Refluxo gastroesofágico importante Vômitos por outras causas Cirurgias ou complicações cirúrgicas no esôfago ou estômago Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012

15 Dar preferência a via gástrica devido a função digestiva e protetora do estômago. Para proteção de refluxo gastroesofágico e redução do risco de pneumonia aspirativa, a sonda deve ser locada no jejuno. A SNG pode não ser tolerada em pacientes criticamente enfermos pela ventilação mecânica, redução da motilidade gástrica devido ao uso de medicações e alta taxa de resíduos. Estudos demonstram maior aporte calórico e protéico pela sonda pós pilórica. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Zamberlan P, Delgado AF, Leone C, Feferbaum R, Okay TS. Nutrition Therapy in a Pediatric Intensive Care Unit:Indications, Monitoring, and Complication. J Parenter Enteral Nutr. 2011; 35: ). Hsu CW, Sun SF, Lin SL, Kang SP et al. Duodenal versus gastric feeding in medical intensive care unit patientes: A prospective, randomized, clinical study. Crit Care Med. 2009; 37(6):

16 DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

17 Recomendada quando existe: Alto risco de aspiração broncopulmonar, DRGE grave com aspiração, Fístula esofágica ou gástrica, Dismotilidade gástrica, Pancreatite aguda, Alimentação precoce em cirurgia gastrointestinal - recuperação rápida da motilidade do jejuno, contribuindo para a barreira funcional, evitando a translocação bacteriana. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): Canadian Paediatric Society, Nutrition and Gastroenterology Commitee. Nutrition in neurologically impaire children. Paediatr Child Health. 2009; 14(6):

18 Dar preferência às sondas radiopacas; A criança deve ser comunicada quando possível, sendo solicitada a colaboração e redução da ansiedade. Medir a distância entre a narina - pavilhão auricular - apêndice xifóide para a sonda gástrica. Distância entre a narina pavilhão auricular - cicatriz umbilical para a sonda pós pilórica. Distância nariz cicatriz umbilical; no caso da sonda nasojejunal acrescer de 15a 20 cm.

19 SNG Lubrificar, passar pela narina mais permeável, inclinar o paciente entre 45-90º, manter o pescoço levemente fletido e introduzir a sonda solicitando para o paciente deglutí-la. Pós pilórica Diversas técnicas descritas, tais como mudanças posturais, uso de drogas procinéticas, insulflação do estômago com ar, infusão de líquido contínuo. Em pacientes estáveis passagem espontânea em 50% em 48 h e em pacientes graves 20%. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

20 Pós pilórica Pode-se locar a sonda com o auxílio da endoscopia através de 2 técnicas: Passagem de fio guia pelo intestino, retirada do endoscópio e passagem da sonda pelo fio-guia; Colocação de alça com fio de sutura na extremidade da sonda e posicionamento com o auxílio da pinça endoscópica. Auxílio da fluoroscopia. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012

21 É essencial verificar a localização da sonda. Observar sinais de que a sonda possa estar na árvore respiratória; Pode-se, em pacientes com perda de consciência, insuflar o ar e auscultar o abdome e o tórax, ou colocar a extremidade em selo d água. Padrão ouro é a radiografia de tórax. Para verificar se está pós pilórica pode-se utilizar a medida do ph. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

22 Métodos: Endoscópica Fluoroscópica Laparoscópica Gauderer e Ponsky descreveram a gastrostomia percutânea endoscópica em A realização pela radiologia foi descrita por Preshaw em A gastrostomia laparoscópica iniciou a ser realizada em Todos esses métodos tem taxas de sucesso altas e semelhantes, sendo que há consideravelmente menores riscos e custos com a realização endoscópica e fluoroscópica. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7): Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9: The role of endoscopy in enteral feeding. Gastrointestinal Endoscopy. 2011; 74(1): 7-12.

23 Indicação: Necessidade de utilização de sonda por mais 8 a 12 semanas, por incapacidade de consumir nutrientes suficientes. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. Elisa Carvalho, Luciana Rodrigues Silva, Cristina Targa Ferreira Barueri, SP: Manole, 2012 Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

24 Contra indicações absolutas (variam de acordo com cada autor): Coagulopatia intratável; Ascite intratável; Patologia da parede gástrica. Contra indicações relativas: Shunt ventriculoperitonial; ou cateter de diálise peritonial; Problemas cardiorespiratórios graves; Variações anatômicas; Gastrosquise, hérnia diafragmática, onfalocele Escoliose Esplenomegalia; Colon transverso ou intestino delgado situado anterior ao estômago. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

25 Preparação: Avaliação nutricional; Avaliação de imagem com EED avaliação da permeabilidade do esôfago e patologias esofágicas, posição do estômago em relação ao rebordo costal, presença de má rotação. Em alguns casos são necessários: phmetria, endoscopia. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

26 Preparação: Plaquetas > ; RNI<1,4 é aceitável; Warfarina deve ser descontinuada de 3 a 5 dias; Agentes antiagregantes plaquetários devem ser suspensos de 7 a 10 dias; Administrar Heparina de baixo peso molecular 8 horas antes. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

27 Preparação: Uso de antibiótico: Nijs, 2010: 24 horas antes procedimento; Fang, 2007: uso recomendado, não usado rotineiramente no método fluoroscópico. Fortunato, 2009: cefalosporina imediatamente antes e 2 doses após. Consenso, 2011: uso de ATB indicado. Guideline Americano de endoscopia gastrointestinal, 2011: cefazolina 30 minutos antes. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9: FortunatoJE, troy AL, Cuffari C, Davis JE et al. Outcame after Percutaneous Endoscopyc Gastrostomy in Children na Young Adults. JPGN. 2010; 50(4): The role of endoscopy in enteral feeding. Gastrointestinal Endoscopy. 2011; 74(1): 7-12.

28 Uso de antibiótico profilaxia: 10 estudos, pacientes Foi encontrada diferença estatística com menor taxa de infecção nos pacientes que receberam antibióticoprofilaxia. Necessidade de tratar 5.8 pacientes para prevenir 1. Lipp A, LusardiG. A systematic review of prophulatic antimicrobials in PEG placement. Journal of Clinical Nursing. 2008; 18.

29 Uso de antibiótico profilaxia: O uso é justificado Não houve diferença estatística entre a profilaxia com penicilina (amoxicilina + clavulanato ou piperacilina +tazobactam) em relação às cefalosporinas (cefuroxima, ceftriaxone e cefazolina). Jafri NS, Mahid SS, Minor KS, Idstein AR, et al. Meta analysis: antibiotic prophylaxis to prevent periostomal infection following percutaneous endoscopic gastrostomy. Aliment Pharmacol Ther

30 Uso de antibiótico profilaxia: Antibióticoprofilaxia com sulfametoxazol+trimetoprim pela sonda previne infecção de forma semelhante à cefuroxima utilizada antes do procedimento. Blomber J, Lagergren P, Martin L, Mattsson F, Lagergren J. Novel approach to antibiotic prophylaxis in percutaneous endoscopic gastrostomy (PEG): randomised controlled trial. BMJ. 2010; 340.

31 Técnicas: 1- Ponsky ou técnica de tração; 2 Sacks Vine ou pulsão; 3- Percutânea direta; 4- Gastropexia.

32 Insufla-se o estômago e determina-se o local da punção pela transiluminação da parede gástrica/abdominal e da compressão externa da parede gástrica de maneira simultânea. Realizar a assepsia, anestesiar a parede abdominal e o peritônio com injeção de lidocaína. Realizar pequena incisão e passagem de trocater. Pelo trocater é colocado um fio guia, que através de uma pinça de biópsia ou alça é trazido até a boca.

33

34

35

36

37 Técnica anterógrada: (mais utilizada em crianças) Passagem de fio guia, após a localização do fígado e do baço por USG. O local da punção é determinado após insuflar o estômago com ar. Sonda é passada pelo fio guia, após o fio ser trazido até a boca por uma alça que o traciona. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

38 Técnica Retrógrada. Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

39 As taxas de sucesso e complicação são semelhantes; PEG é mais comumente realizada; PEG pode ser diagnóstica e terapêutica; Retirada acidental é mais difícil com a sonda com cogumelo utilizada na PEG e a PEG permite sonda mais calibrosa. Complicação como fístula gastrocolocutânea ocorre apenas na PEG, pois a interposição do cólon transverso é visualizada na técnica radiológica; PRG boa opção em pacientes com patologias como obstrução boca, faringe e esôfago. Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

40 Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

41 Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

42 PEG varia de 4,9% a 10,3% Complicações graves de 1 a 4 % Aspiração Sangramento, Perfuração de outros órgãos Buried bumper syndrome, na qual o anteparo interno da sonda da gastrostomia migra e fica alojado na parede gástrica e/ou abdominal. Íleo; Infecção da parede e fasceíte necrotizante. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: The role of endoscopy in enteral feeding. Gastrointestinal Endoscopy. 2011; 74(1): Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

43 Complicações menores próximo a 6% Obstrução da cânula; Dor periostomal; Vazamento periostomal.

44 John Hopkins Children s Center a procedimentos, 28 com complicações; Infecção (19), pneumoperitonio (4), necrose cutânea (2) inabilidade técnica para PEG (2). FortunatoJE, troy AL, Cuffari C, Davis JE et al. Outcame after Percutaneous Endoscopyc Gastrostomy in Children na Young Adults. JPGN. 2010; 50(4):

45 Nijs, 2010: 8 horas Guideline Americano de endoscopia gastrointestinal, 2011: Metanálise demonstrou não haver diferença entre introdução precoce menor que 4 horas e postergar em 24h. Corkins, 2010: Boa tolerância após 3 h de procedimento comparada com 6 horas, sem aumento de complicações Início com TRO. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: The role of endoscopy in enteral feeding. Gastrointestinal Endoscopy. 2011; 74(1): Corkins MR, Fitzgerald JF, Gupta SK. Feeding After Percutaneous Endoscopic Gastrostomy in Children: Early Feeding Trial. JPGN. 2010; 50(6).

46 Sem evidências convincentes que demonstrem que a PEG precipite ou agrave a DRGE. A maioria das evidências são de baixa qualidade. Não existem evidencias suficientes para suportar ou refutar de que a PEG agrave ou promove a DRGE. Noble LJ, Dalzell AM, El-Matary W. The relationship between percutaneous endoscopic gastrostomy and gastro-oesophageal reflux disease in children: a systematic review. Surg Endoscop. 2012

47 Indicada nas crianças que já tem indicação de fundoplicatura ou outra cirurgia no abdome. É recomendada em pacientes, tais como: alterações esofágicas importantes, trauma orofacial ou faringe na qual a passagem do endoscópio não é possível: escoliose, ascite e DVP. A técnica laparoscópica é recomendada em pacientes de alto risco cirúrgico. Consensus on paediatric enteral nutrition access: a document approved by SENPE/SEGHNP/ANECIPN/SECP. Nutr Hosp. 2011; 26(1): 1-15.

48 Wragg RC, Slminen H, Pachl M, Singh M, et al. Gastrostomy insertion in the 21st century:peg or laparoscopic? Report from a large single-center series. Pediatr Surg Int

49 LAPEG: técnica com a combinação de PEG e laparoscopia. Utiliza o endoscópio e a óptica da laparoscopia para verificar se há alguma estrutura entre a parede do estômago e a parede abdominal. Wragg RC, Slminen H, Pachl M, Singh M, et al. Gastrostomy insertion in the 21st century:peg or laparoscopic? Report from a large singlecenter series. Pediatr Surg Int

50 DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

51 Indicações: Gastroparesia ou dismotilidade gástrica. DRGE com risco grave de aspiração; Ressecção gástrica; Intolerância à alimentação gástrica; Obstrução da saída gástrica. Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9: Ginsberg GG. Direct Percutaneous Endoscopy Jejunostomy. Techniques in Gastrointestinal Edoscopy. 2001: 3(1): Direct percutaneous endoscopic jejunostomy: a case series in pediatric patients. Gastrointestinal endoscopy. 2008; 67(6).

52 Pode ser utilizada na gastroparesia, pancreatite, necessidade de descompressão gástrica. Utiliza-se o ponto da gastrostomia, passando um fio guia pelo enteroscópio e posteriormente é passada a sonda pelo fio guia. Não diminui o risco de aspiração quando comparada à gastrostomia Tem complicações semelhantes à gastrostomia acrescidas de migração do tubo, obstrução. Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

53 Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

54 Método endoscópico é semelhante ao método de tração da PEG, porém maior dificuldade técnica. Sucesso em 68 a 100% Método fluoroscópico: utiliza-se USG ou fluoroscópio. Utiliza-se salina na sonda para distender a alça do jejuno, punção guiada pela fluoroscopia e dilatação com a passagem da sonda. Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

55 Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

56 Não existem estudos que comparam as duas técnicas. Na DPEJ é mais difícil de ocorrer o deslocamento da sonda. Possui mais durabilidade e menor risco de reintervenção que a PEGJ. As complicações são semelhantes as da gastrostomia. Os tubos de jejunostomia direta podem causar volvo e perfuração intestinal. Fang, JC. Percutaneous Acess for Enteral Nutrition. Techniques in Gastrointestinal Endoscopy. 2007; 9:

57 Sondas devem ser trocadas a cada 3 meses.

58 Obstrução da sonda: Problema comum, deve ser evitado lavando-se a sonda antes e após a administração da dieta e dos medicamentos. Dar preferência a medicações líquidas. Pode-se utilizar suco de abacaxi, papaína dissolvida, bicarbonato de cálcio para desobstrução. DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7): Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33:

59 Deslocamento: É apropriado repassar a sonda pois o risco de falso trajeto é mínimo; Passar tubo de mesmo tamanho; Se o trato não está maduro (< 6 semanas do procedimento) deve-se verificar com exame de imagem pois pode ter sido formado falso trajeto. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: ] DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

60 Vazamento: É frequentemente visto em pacientes desnutridos, que tiveram perda de peso importante ou imunocomprometidos; Causa desconforto e lesões cutâneas. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: ] DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

61 Na investigação inicial deve-se: Revisar as medicações e o cuidado com a pele e avaliar se há indícios de infecção local, Presença de granuloma, Problemas na fixação da sonda como esvaziamento do balão interno ou problemas com o fixador externo permitindo a entrada e a saída da sonda. Fixação muito apertada - Buried bumper syndrome, na qual o anteparo interno da sonda de gastrostomia migra e fica alojado na parede gástrica e/ou abdominal. Torção lateral que pode causar ulceração do trato digestivo. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: ] DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

62 A prevenção pode ser realizada incentivando a higienização e a monitoração, evitando o uso de substâncias que possam promover quebra da barreira da pele e degradação do tubo, A troca por um tubo maior pode melhorar em alguns casos, mas não é aconselhável, Utilizar medicações inibidores de bomba de próton, Utilizar cuidados locais com protetores da pele, Pode-se colocar disco de proteção ou realizar a troca por botom. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: ] DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

63 Infecção local: É mais comum nas primeira semanas após a colocação e em imunocomprometidos, Ocorre em ¼ dos pacientes, Apresenta-se com hiperemia, enduração, descarga purulenta, dor e febre, A alteração pode ser química ou por infecção secundária, Utilizar antibiótico sistêmico e local, e caso não haja melhora colher cultura.

64 Tecido de granulação: É uma resposta natural na cicatrização de algumas crianças, Pode sangrar e liberar secreção serossanguinolenta, Importante diferenciar do prolapso da mucosa gástrica revisão cirúrgica, Tratamento com bastão de nitrato de prata. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: ] DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

65 Vômitos Biliosos: Podem ocorrer nas gastrojejunostomias realizadas em crianças menores. Os tubos podem manter o piloro aberto, causando refluxo biliar e gastrite. Passagem de tubo com parte distal menos calibrosa.

66

67 Intussuscepção : Em caso de vômitos biliares => descartar uma possível obstrução distal, como intussuscepção pouco comum. Fatores de risco incluem: sexo masculino e lactentes jovens. Pode ser assintomática, mas normalmente apresentam vômitos biliosos, distensão abdominal e intolerância alimentar. Nijs ELF, Cahill NA. Pediatric Enteric Feeding Techiques: Insertion, Mainenance, and Management of Problems. Cardiovasc Intervent Radiol. 2010; 33: ] DiBaise, Decker A. Enteral Acess Options and Management in the Patient With Inestinal Failure. J Clin Gastroenterol. 2007; 41(7):

68 O diagnóstico pode ser estabelecido por injeção de contraste no tubo, demonstrando uma aparência em espiral ou mola. No USG é vista a imagem de alvo. Se uma intussuscepção é confirmada, o ar ou o contraste podem ser utilizados para desfazer a intussuscepção; Retirada do tubo ou da utilização de um fio-guia rígido através do tubo pode reduzir a intussuscepção, ou o tubo da gastrojejunostomia pode ser substituido por um tubo mais curto. Pediatric Enteric Feeding Techniques: Insertion, Maintenance and Amnagement of Problems. Nijs. ELF, Cahill AM. Cardiovasc Intervent Radiol, :

69 Buried bumper syndrome O anteparo interno da sonda da gastrostomia migra e fica alojado na parede gástrica e/ou abdominal. O fator de risco mais comum é a tração excessiva conduzindo à necrose isquêmica dos tecidos intervenientes. É importante verificar regularmente os tubos para evitar esta complicação. Outros fatores predisponentes a esta síndrome são: desnutrição grave e má cicatrização das feridas. Pediatric Enteric Feeding Techniques: Insertion, Maintenance and Amnagement of Problems. Nijs. ELF, Cahill AM. Cardiovasc Intervent Radiol, :

70 Os procedimentos não devem ser realizados sem um consentimento informado após a orientação do paciente e responsáveis; A autonomia do paciente tem precedência sobre a beneficência; A decisão de colocar o tubo de alimentação deve ser baseada na presunção de que ele irá fornecer benefício e que os benefícios superam o risco do próprio processo; Tomada de decisão clínica entre o paciente, a família, e o médico deve ser consistente com os requisitos legais e princípios éticos; A família deve ter expectativas reais dos benefícios e saber da morbidade. A sensibilidade para perceber as necessidades do paciente e também seus desejos irá assegurar adequada utilização deste processo. Verificar as condições familiares. DeLegge, MH, McClave SA, DiSario JA, Baskin WN, Brown RD, et al. Ethical and medicolegal aspects of PEGtube placement and provision of artificial nutritional therapy. ASGE Task Force on Enteral Nutrition

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 O surgimento de diarréia durante internação hospitalar é evento comum,

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SISTEMA DIGESTÓRIO Formado pelo tubo digestivo e as glândulas anexas; Subdividido em: -cavidade oral - esôfago - estômago - intestino

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação da equipe de enfermagem em Terapia Nutricional, a fim de assegurar uma assistência

Leia mais

CATETERISMO SONDA NASOGÁSTRICA. Introdução

CATETERISMO SONDA NASOGÁSTRICA. Introdução CATETERISMO SONDA NASOGÁSTRICA Introdução A sonda é um instrumento para ser introduzido em um canal ou cavidade para fins propedêuticos (determinar a presença de estenose, corpo estranho ou uma outra situação

Leia mais

OSTOMIAS DE ALIMENTAÇÃO

OSTOMIAS DE ALIMENTAÇÃO Consensos & Estratégias 2014 Linhas de Consenso OSTOMIAS DE ALIMENTAÇÃO Linhas de Consenso Enfermagem para uma melhor Intervenção Prefácio nnn O interesse da avaliação do estado nutricional do doente tem

Leia mais

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária.

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária. PROCESSO CONSULTA 00009/2011 INTERESSADO: Dr. Marcelo Luiz Feitosa Ferrari CRM/RO 1.366 ASSUNTO: Solicitação de parecer sobre repassagem de Sonda de Gastrostomia. Relatora: Cons. Inês Motta de Morais Senhor

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Trinta anos de gastrostomia endoscópica percutânea: uma revisão da literatura

Trinta anos de gastrostomia endoscópica percutânea: uma revisão da literatura Artigo de revisão Trinta anos de gastrostomia endoscópica percutânea: uma revisão da literatura Thirty years of percutaneous endoscopic gastrostomy: A review of literature José Andrade Franco Neto 1, Alexandre

Leia mais

Transplante Intestinal: indicações e manejo

Transplante Intestinal: indicações e manejo Transplante Intestinal: indicações e manejo Marcio Miasato Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 018 / 2009 Assunto: Utilização do teste do copo para confirmar posicionamento de sonda nasogátrica 1. Do fato Enfermeiro solicita informações sobre checagem de posicionamento de

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Sondagens Gastro Gastro-intestinal Vesical Retal Priscilla Roberta Rocha Enfermeira - Especialista em Clínica Médica DEFINIÇÕES SONDA - Tubo que se introduz no organismo em canal natural ou não, para reconhecer-

Leia mais

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Sabrina Bortolin Nery Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução Atualmente, o exame complementar mais utilizado no diagnóstico

Leia mais

Manual de orientação nutricional enteral em domicílio.

Manual de orientação nutricional enteral em domicílio. Manual de orientação nutricional enteral em domicílio. Índice 01. Introdução 02. Alimentação enteral: o que é? 03. Tipos de nutrição enteral 04. Vias de administração da alimentação enteral 05. Tipos de

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Enteral Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Enteral Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO SERVIÇO DE TERAPIA NUTRICIONAL SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Enteral Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 1. Tomografia computadorizada do abdômen, nível andar superior, após a injeção intravenosa de meio de contraste iodado hidrossolúvel, tendo havido ingestão

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO!

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO! PROGRAMA DE PERDA DE PESO Agenda O método holístico de Perda de Peso Apresentação do corpo clínico Diferentes programas de perda de peso Unidades de saúde O Método holístico de Perda de Peso The importance

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A opção pela Gastroenterologia 23 Sociedades Federadas Regionais 54 Serviços de Gastroenterologia reconhecidos e aprovadas pelo MEC 1986 Sede do VI Congresso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 045/2012 CT PRCI n 99.499 Ticket n 279.078, 279.817, 281.302, 281.514, 283.646, 284.651, 288.728, 290.405, 291.400, 291.410, 297.784, 300.285 Ementa: Troca de sonda de Gastrostomia, Jejunostomia.

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Sondagem é a introdução de sondas/catéteres nos orifícios naturais do organismo ou através de

Sondagem é a introdução de sondas/catéteres nos orifícios naturais do organismo ou através de Sondagem é a introdução de sondas/catéteres nos orifícios naturais do organismo ou através de abertura. Sua função é determinada de acordo com a necessidade do paciente, podendo ser tanto para introdução

Leia mais

Preparo de Exames Endoscópicos. Isabel Fonseca Santos R1 2014

Preparo de Exames Endoscópicos. Isabel Fonseca Santos R1 2014 Preparo de Exames Endoscópicos Isabel Fonseca Santos R1 2014 Etapas para a realização de exames endoscópicos: 1. Orientações no agendamento 2. Avaliação médica 3. Consentimento informado 4. Jejum 5. Preparo

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens.

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. Cirurgia Bariátrica obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. (Appolinário JC, Abuchaim ALG, Coutinho W et al. Transtornos alimentares

Leia mais

Cápsula Endoscópica e Enteroscopia

Cápsula Endoscópica e Enteroscopia Cápsula Endoscópica e Enteroscopia Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Introdução O intestino delgado tem sido historicamente

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO:

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO: EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 2010 Pelo presente edital, o CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW ENDOSCOPIA DIGESTIVA EM ONCOLOGIA

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW ENDOSCOPIA DIGESTIVA EM ONCOLOGIA PROCESSO SELETIVO 02/2014 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW INCA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS

ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS ENDOSCOPIA NAS VARIZES ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS OBJETIVOS DA ENDOSCOPIA Prevenção do 1 sangramento varicoso Tratar o sangramento varicoso agudo Prevenir sangramento recorrente TRATAMENTO DAS VARIZES

Leia mais

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola Outras dimensões Nutrição Diana e Silva, Marta Rola Hospital Pediátrico Integrado/ Centro Hospitalar São João Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Suporte Nutricional

Leia mais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo V Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Intestinal stomas (Ileostomy and Colostomy) and intestinal anastomosis

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

ENDOSCOPIA. ENDOSCOPIA- Histórico. ENDOSCOPIA Conceito: História da endoscopia. ENDOSCOPIA- Histórico

ENDOSCOPIA. ENDOSCOPIA- Histórico. ENDOSCOPIA Conceito: História da endoscopia. ENDOSCOPIA- Histórico Tópicos em clínica médica de pequenos animais GASTROENTEROLOGIA ENDOSCOPIA ENDOSCOPIA NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS DO TRATO GASTROINTESTINAL Endo interior Skopien olhar ou observar com um fim Franz Naoki

Leia mais

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura Serviço de Cirurgia Pediátrica IPPMG/UFRJ Douglas

Leia mais

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA PROFILXI D INFECÇÃO D FERID CIRÚRGIC E TRUM INDICÇÕES 1. Cirurgia limpa-contaminada 2. Cirurgia limpa: a. Com prótese vascular b. Com prótese intra-articular c. Em que a infecção do local cirúrgico se

Leia mais

de A a Z SÍNDROME DE RETT Alterações de humor Aerofagia

de A a Z SÍNDROME DE RETT Alterações de humor Aerofagia SÍNDROME DE RETT de A a Z Os sintomas descritos a seguir são muito característicos da Síndrome de Rett (SR). No entanto, nem todos esses sintomas estão presentes em todas as pessoas com a SR, e também

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM SODA VESICAL E NASO ENTERAL Prof: Elton Chaves. DÉBITO URINÁRIO Anúria diurese inferior a 100ml Oligúria diurese inferior a 400ml Poliúria- diurese superior a 2.500ml 1 DÉBITO

Leia mais

Mariana Reis Liparizi

Mariana Reis Liparizi Mariana Reis Liparizi Atinge principalmente a população infantil, vítima de ingestão acidental, e os adolescentes e adultos, devido tentativa de auto-extermínio. Nos adultos, as lesões são frequentemente

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Conduta dietética na intolerância à lactose

Conduta dietética na intolerância à lactose UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA Conduta dietética na intolerância à lactose Karina Akemi Yamasaki Nutricionista Especializanda Disciplina

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA Coordenador: Arnaldo de Jesus Dominici Adalgisa de Sousa Paiva Ferreira INTRODUÇÃO A Residência Médica é uma modalidade de ensino de

Leia mais

ENDOSCOPIA DIGESTIVA

ENDOSCOPIA DIGESTIVA ENDOSCOPIA DIGESTIVA 01. Podemos afirmar que a mortalidade por sangramento digestivo: a) permanece em torno de 10%. b) reduziu devido a melhores equipamentos. c) não se alterou conforme a faixa etária.

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável _, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

ANOMALIAS GASTROINTESTINAIS

ANOMALIAS GASTROINTESTINAIS ANOMALIAS GASTROINTESTINAIS Atresia de esôfago Obstrução duodenal congênita (ODC) Atresia de delgado Megacolon congênito (doença de HirshSprung) Anomalia ano-retal ATRESIA DE ESOFAGO (desenvolvimento incompleto

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia. Imagem: Radiografia simples tóraco-abdominal em incidência ântero-posterior

Imagem da Semana: Radiografia. Imagem: Radiografia simples tóraco-abdominal em incidência ântero-posterior Imagem da Semana: Radiografia Imagem: Radiografia simples tóraco-abdominal em incidência ântero-posterior Imagem: Radiografia contrastada de esôfago, estômago e duodeno (REED) em incidência ântero-posterior.

Leia mais

CIRURGIA DO ESTÔMAGO. Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos

CIRURGIA DO ESTÔMAGO. Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos CIRURGIA DO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos CIRURGIA DO CUIDADOS ESPECIAIS Presença de vômito desidratação, desequilíbrio eletrolítico e ácido-básico Hematemese ulceração ou úlcera gástrica Pneumonia

Leia mais

Módulo:Princípios de Farmacologia

Módulo:Princípios de Farmacologia Módulo:Princípios de Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Prof. Dr. Ronaldo A. Ribeiro! "! # ",-( $% & ' ADMINIS TRAÇÃO COM ABSORÇÃO ABSORÇÃO ADMINIS TRAÇÃO SEM ABS ORÇÃO Memb rana Tecidos: gordura,

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais