Questão 20 ANULADA. d) Todas as alternativas corretas. e) Somente uma alternativa está errada.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questão 20 ANULADA. d) Todas as alternativas corretas. e) Somente uma alternativa está errada."

Transcrição

1 Concurso de Residência Médica da Santa Casa de Goiânia 2011/2012 Prova de Acesso as especialidades com pré-requisito de Cirurgia Geral Assinatura do Candidato: 1-O diagnóstico de atresia do esôfago sem fístula de coto distal se caracteriza por: a) grande distancia entre os cotos b) pequena distancia entre os cotos c) ausência de ar na radiografia de abdômen d) aumento da quantidade de ar normalmente observado na radiografia de abdômen e) apresenta radiografia de abdômen normal. 2- A litotripsia extracorpórea com ondas de choque (LECO) foi descrita por Sauerbruch et al em 1986 e constitui uma alternativa de segunda linha para tratamento da coledocolitíase quando a CPRE com papilotomia e a litotripsia mecânica seguida de extração endoscópica não foi eficaz para clarear a via biliar.esta afirmação é: a) Parcialmente correta; b) Totalmente correta; c) Totalmente incorreta; d) Parcialmente incorreta; e) Nenhuma das alternativas é correta; 3-O uso de solventes pode ser utilizado para dissolução de cálculos por contato,tanto na vesícula biliar como das vias biliares. Das alternativas abaixo qual constitui substância utilizada como solvente: a) Mono-octanoína; b) Éter metil-tert-butil(emtb); c) Ácido tetracético etileno diamino (EDTA); d) Polisorbato; e) Todas as alternativas são corretas; 4-Pacte de 38 anos, masculino deu entrada pelo PS com síndrome colestática há duas semanas com Ultra-som com evidências de colecistite litiásica com dilatação de vias biliares intra e extrahepáticas com colédoco de 2,5cm. Qual conduta cirúrgica definitiva? a) Colecistectomia com colédoco-duodeno anastomose; b) Colecistectomia com drenagem a Kher. c) Colecistectomia com derivação jejunal. d) Colecistectomia seguida de CPRE. e) Nenhuma das alternativas é correta. 1

2 5-Paciente de 21 anos, com sintomas típicos de doença por refluxo gastroesofageano, e com duas endoscopias digestivas alta normais. Neste caso está indicado: a) pedir Phmetria de 24 h. b) repetir endoscopia com biopsia de esôfago terminal. c) indicar cirurgia. d) iniciar tratamento com inibidor da bomba protônica. e) duas acima estão corretas 6-Homem branco de 60 anos, tabagista inveterado, foi submetido à endoscopia digestiva alta por queixa de pirose retroesternal. O resultado da endoscopia digestiva alta mostrou esofagite erosiva, epitélio cilíndrico acima da transição esôfago-gástrica, associado à hérnia hiatal grau II. A biópsia desta área sugestiva de epitélio cilíndrico mostrou metaplasia intestinal com displasia acentuada. Assinale a alternativa correta: a) tratamento com bloqueador H2 é suficiente; b) tratamento com inibidor de bomba protônica é suficiente; c) tratamento cirúrgico e vigilância endoscópica periódica; d) está indicada a esofagectomia distal pelo risco de neoplasia maligna; e) tratamento cirúrgico não deve ser considerado, pois a condição sempre tem evolução benigna. 7-A gastrectomia vertical constitui uma etapa da cirurgia bariátrica conhecida como Duodenal Switch para tratamento da obesidade mórbida, e tem sido usada como procedimento exclusivo em situações especiais com resultados animadores. A base fisiológica deste procedimento para perda de peso é: a) Restrição de volume; b) Redução da grelina; c) Aumento do GLP1; d) Aumento do PYY; e) Todas estão corretas. 8-A pancreatite aguda grave é freqüente com incidência em nosso meio de 15,9casos/ habitantes com mortalidade que varia de 40% a 54% em conseqüência da SIRS e seus desdobramentos. Geralmente após 10 dias inicia-se a segunda fase onde a infecção principalmente da necrose pancreática é determinante e responsável por até 80% dos óbitos tardios. Sobre a pancreatite aguda podemos afirmar: a) A tomografia com presença de gás no retroperitôneo indica infecção da necrose; b) Sua maior causa é o etilismo; c) A aspiração por agulha fina é método mais preciso para determinar infecção; d) Duas alternativas estão corretas; e) Nenhuma das alternativas é correta; 9-No tratamento da hérnia inguinal no adulto, é verdadeiro afirmar: a) Deve-se corrigir toda a parede posterior do canal inguinal, independente do tipo; b) O uso de tela é recomendado em todos os casos, desde que não haja contaminação exagerada; c) A técnica de Lichtenstein pode ser empregada sob anestesia local; d) A técnica de Shouldice, que não usa tela, tem indicação na urgência; e) Todas as anteriores.

3 10-Acerca da hérnia incisional, é verdadeiro afirmar: a) As incisões longitudinais, especialmente a mediana, são consideradas fatores de risco para a sua ocorrência. b) Pode acometer até 1/5 dos pacientes submetidos a uma laparotomia; c) Manifesta-se, tardiamente, após a aparente consolidação da ferida operatória; d) A utilização de fios de sutura absorvíveis, de curta duração, predispõem ao seu aparecimento; e) Todas as anteriores. 11-Paciente de 75 anos, chega ao pronto socorro com quadro de dor abdominal intensa há 2 horas, sem sinais de irritação peritoneal, sopro carotídeo e ausência de pulsos tibiais e claudicação inermitente. Qual provável diagnóstico a investigar? a) Trombose de veia cava inferior supra-hepática. b) Isquemia intestinal aguda. c) Aneurisma de aorta abdominal roto. d) Dissecção da aorta tipo II de DeBakey. e) Nenhuma das respostas acima. 12-Qual dos itens abaixo é o mais crucial no tratamento dos paciente com doença de Buerger? a) Administração de um bloqueador de canais de cálcio. b) Cilostazol. c) Suplementação com óleo de peixe. d) Abstinência do uso de tabaco. e) Anticoagulação. 13-A anastomose por pontos separados se faz necessário quando: a) Envolve vasos de pequeno calibre. b) Requer anastomose mais reforçada. c) Pode permitir o crescimento, sem estenoses, como em suturas em vasos infantis. d) Todas as alternativas corretas. e) Nenhuma alternativa correta. 14-Qual o maior determinante de mortalidade em pacientes com embolia pulmonar crônica? a) Insuficiência de tricúspide; b) Contratilidade ventricular direita; c) Severidade da hipertensão arterial pulmonar; d) Magnitude da embolia pulmonar; e) Abandono no tratamento anticoagulante. 15-Qual o fator determinante da alta mortalidade (cerca de 40 %) nas lesões traumáticas abdominais quando há lesão de veia cava inferior? a) Sangramento de VCI é muitas vezes mais lento e menos traumático em relação a aneurisma de aorta; b) Hematomas retroperitoneais não pulsáteis muitas vezes não devem ser explorados; c) Existe região relativamente inacessível retrohepática; d) Existe uma dificuldade no controle do sangramento proximal e distal devido veias lombares; e) Todas alternativas corretas.

4 16-É verdadeiro afirmar, EXCETO: a) A tromboflebite migratória é, em até 25% dos casos, sintoma inicial da doença de Buerger, assim como dores articulares recorrentes associados à hiperemia local; b) Sinal de Martorell e lesões segmentares principalmente na fase inicial da doença são características da TAO; c) Hiperhidrose palmar e/ou plantar e alterações vasculares funcionais (fenômeno de Raynaud) podem compor o quadro clínico da TAO; d) Exames laboratoriais são patognômicos para diagnóstico da tromboangeíte obliterante, que é uma doença inflamatória arterial oclusiva e artérias de pequeno e médio calibre; e) Comparativamente à doença arterial obstrutiva periférica o prognóstico da TAO em relação ao salvamento do membro é nitidamente pior. 17-Podemos afirmar, exceto: a) Na doença de Churg-strauss a eosinofilia acima de 10%, anormalidades de seios da face e infiltrado pulmonar não fixo são alguns dos critérios p/ classificação; b) Perda ponderal (>4kg), livedo reticular, mialgia e fraqueza nas pernas, aumento de escórias renais infiltrado PMN na biópsia renal são critérios de Poliarterite Nodosa; c) Úlcera oral/nasal, biópsia vascular com granuloma, Rx tóraz com cavitação ou infiltrado fixo (pulmonar) são critérios para Granulomatose de Wegener; d) Cefaléia nova, anormalidade de artéria temporal com biópsia arterial anormal, VHS elevado são característicos da Arterite de Células Gigantes; e) Úlcera orais e genitais recorrentes, lesões de pele, patergia não fazem parte do diagnóstico da doença de Behçet. 18-Quanto às Varizes de Membros Inferiores podemos afirmar, EXCETO: a) Varizes secundárias são conseqüentes a alterações no sistema venoso profundo levando à alterações secundárias de sistema venoso superficial b) A perda do tônus venoso e o aumento da distensibilidade levando à dilatação local e, portanto, à dilatação varicosa é uma das hipóteses de etiopatogenia para varizes c) Hereditariedade, idade, sexo, raça, número de gestações, fumo, obesidade são fatores desencadeantes e/ou agravantes para varizes d) Dor, cansaço, sensação de peso e desconforto de membros inferiores são sintomas habituais, e ardor, prurido, edema, formigamento e cãibras são sintomas ocasionais e) Dentre as formas clínicas, as varizes por incompetência valvar, as da Gravidez e as recidivadas são muito comuns. 19-O nome Insuficiência Venosa Crônica é dado a um conjunto de alterações que ocorrem na pele e no tecido subcutâneo, principalmente de membros inferiores, decorrentes de hipertensão venosa de longa duração. Com relação a IVC, é correto afirmar: I - É causada frequentemente por insuficiência valvular e/ou obstrução venosa. II - As varizes podem ter relação de causa e/ou consequência com a IVC. III- Estão entre as alterações o edema, lipodermatosclerose, hiperpigmentação, eczema, erisipela e as úlceras venosas. IV- A IVC pode ser consequente à tromboflebite profunda, varizes primárias ou essenciais de longa duração, linfedema, hipoplasia ou displasia de veias ou válvulas venosas do sistema venoso profundo. a) Somente I está correta. b) Somente I e III estão corretas. c) Somente II e IV estão corretas.

5 d) Todas as alternativas corretas. e) Somente uma alternativa está errada. Questão 20 ANULADA 20-Com relação à heparina e seu uso, poderíamos afirmar: I - A heparina tem início de ação imediato (qdo usada via endovenosa) por atuar estimulando a ação da antitrombina III, do cofator II da heparina (antitrombina) e de uma alfa2-globulina que tem sua estrutura modificada qdo ligada à heparina; II- A trombocitopenia induzida pela heparina ocorre pela sensibilização do paciente que passa a produzir anticorpo contra o complexo Fator plaquetário 4-heparina que é uma reação dosedependente (início após altas doses); III- vertebral e de costelas também é efeito colateral tempo e dose-dependente da heparina, que podem levar a fraturas espontâneas; IV- Alopécia, principalmente nas têmporas; reações alérgicas com cefaléia, taquicardia, hipotensão e até choque são também relacionados nos efeitos colaterais da heparina. a) Somente a IV está incorreta; b) Somente a III está incorreta; c) Somente a II está incorreta; d) Todas estão corretas; e) Todas estão incorretas. 21-Quanto ao anticoagulante oral ou cumarínicos: I - São também chamados anti-vitamina K por seu mecanismo de ação competitivo na síntese da vitamina K; II- São os fatores II (protrombina), VII, IX e X e as proteínas C e S ao final da sua síntese. hepática que, sem a carboxilação, terão seu efeito (e ação) reduzidos pelo uso dos cumarínicos; III- O uso da heparina associado ao início de tratamento com os cumarínicos seria justificável pelo risco de tromboses disseminadas (efeito pró-coagulante destes últimos pela redução dos níveis de proteínas C e S); IV- Frequentemente se ligam à albumina, e, os que não se ligam tem maior velocidade de excreção; V- A interferência de outros medicamentos na ação dos derivados cumarínicos é desprezível. a) Somente I e III estão incorretas. b) Somente II e V estão incorretas. c) Somente I e V estão incorretas. d) Todas estão corretas. e) Todas estão erradas. 22-A conduta mais adequada para prevenir o excesso de tecido cicatricial em uma ferida consiste em: a) Eliminação de tensão local. b) Beta-terapia no pós operatório. c) Aplicação tópica de triancinolona. d) Uso de fio absorvível no subcutâneo. e) Injeção de esteróide no pré-operatório. 23-A reinervação em pele transplantada oferece melhor sensibilidade em enxertos do tipo: a) Dermoepidérmico.

6 b) De pele total. c) Estampilhado. d) Fino de pele. e) Pediculado. 24-Além da duração do contato, o fator importante na determinação da profundidade, extensão e multiplicidade das lesões por queimadura elétrica é: a) Tipo de corrente. b) Resistência. c) Impedância d) Amperagem. e) Voltagem. 25-Em uma fratura completa de mandíbula ao nível do buraco mentoniano, além do digástrico, os músculos responsáveis pela depressão do segmento ósseo anterior são: a) Temporal e miloióideo. b) Geniióideo e masseter. c) Miloióideo e geniióideo. d) Pterigóideo externo e temporal. e) Masseter e pterigóideo externo. 26-Após trauma de face, a hipótese diagnóstica na presença de equimose de um dos olhos com anestesia homolateral do lábio superior é: a) A secção do nervo infra- orbitário. b) Injúria do espaço retrobulbar. c) Fratura do arco zigomático. d) Hematoma retroorbitário. e) Fratura do zigoma. 27-O tipo de fratura que se apresenta transversalmente na maxila, logo acima do nível dos dentes, é denominada: a) Guérin. b) Natvig. c) Le Fort II. d) Caldwell- Luc. e) Howard Killey. 28-Um paciente de 65 anos apresenta lesão traumática do tendão flexor profundo do dedo mínimo, próximo à articulação interfalangiana distal. A conduta cirúrgica adequada será: a) Tenodese funcional da articulação interfalangiana distal. b) Reparação primária do flexor profundo. c) Ressecção do flexor superficial. d) Enxertia de longo palmar. e) Amputação do dedo mínimo. 29-O fato mais importante a se observar numa laceração palpebral localizada na região cantal interna é a pesquisa de: a) Rotura do canalículo lacrimal inferior. b) Estado da glândula lacrimal.

7 c) Lesão no músculo de Müller. d) Situação da carúncula. e) Fratura nasal. 30-A paralisia motora por lesão do nervo radial apresenta o seguinte quadro: a) Supinação do antebraço. b) Tendência à adução do polegar. c) Ausência da oposição do polegar. d) Perda da flexão voluntária do punho. e) Manutenção da extensão ativa do polegar. 31-Uma mulher de 48 anos com um histórico de distúrbio convulsivo apresenta hematúria macroscópica recorrente e dor no flanco esquerdo. A tomografia computadorizada abdominal apresenta um hematoma perinéfrico associado a um angiomiolipoma renal esquerdo de 3,0 cm. Há vários angiolipomas renais direitos, com tamanhos que variam de 1,5 a 6,5 cm. Qual é o melhor tratamento da lesão renal esquerda? a) Embolização seletiva. b) Nefrectomia radical. c) Observação. d) Nefrectomia parcial. e)exposição laparoscópica e terapia crioablativa renal. 32-Qual das seguintes alternativas representa a melhor técnica de tratamento para as fístulas vesicovaginais? a) Uma drenagem com cateter uretral por tempo prolongado com paralisia da bexiga com anticolinérgicos administrados por via oral. b) Eletrofulguração cistoscópica do sítio da fístula seguido por 2 semanas de drenagem por cateter. c) Sutura sem tensão e não superposta dos tecidos vaginais e vesicais, com interposição de tecido viável. d) Colpoclise. e) Uma técnica de Latzko modificada com linhas de suturas sobrepostas. 33-A causa mais comum de uma fístula arteriovenosa renal adquirida é: a) Trauma renal fechado. b) Carcinoma renal. c) Cirurgia renal. d) Trauma renal penetrante. e) Biópsia renal fechada. 34-Quando diversas tentativas de contornar suavemente uma obstrução uretral são mal sucedidas, o melhor passo a seguir é: a) Uma tentativa mais vigorosa com cateter mais rígido. b) Dilatação com balão sob visão direta. c) Uma incisão da obstrução sob observação direta. d) A colocação de cistostomia percutânea. e) A uretrostomia perineal.

8 35-Durante herniorrafia inguinal em um homem, caso ocorra lesão do nervo ilionguinal no canal, provavelmente ocorrerá: a) Anestesia do dorso do pênis. b) Anestesia no púbis e no escroto, e perda da contração cremastérica. c) Anestesia somente no púbis e escroto anterior. d) Anestesia na coxa anterior e medial. e) Anestesia somente no púbis. 36- A dor causada por um cálculo ureteral obstrutivo: a) É relacionada principalmente à distensão do sistema coletor acima do cálculo. b) É transmitida através dos nervos do oitavo segmento torácico, através do segundo segmento espinhal lombar. c) Pode estar relacionada com a distribuição somática dos nervos subcostal, iliohipogástrico ou ilioinguinal. d) Pode estar relacionada com a distribuição do nervo genito-femoral. e) Todas as anteriores. 37-Em relação à simpatectomia torácica marque a alternativa que determina o nível seccionado da cadeia simpática com melhor resultado no pós-operatório para tratamento da hiperidrose palmar, axilar e crânio-facial : a) palmar: T2, axilar: T3 e T4, crânio-facial: T4. b) palmar: T3, axilar: T2, crânio-facial: T2 e T3. c) palmar: T2, axilar: T4, crânio-facial: T2 e T3. d) palmar: T4, axilar: T3 e T4, crânio-facial: T2. e) palmar: T4, axilar: T2 e T3, crânio-facial: T No tratamento cirúrgico da moléstia de Graves-Basedow contitui complicações possíveis as que se seguem, exceto: a) Alterações na fonação. b) Caquexia estrumipriva ou mixedema. c) Tireotoxicose. d) Crise miastênica. e) Hipocalcemia. 39- Sobre a cirurgia de Serra-Dória podemos afirmar: I- A função da gastrectomia é tratar o refluxo gastro-esofágico ácido; II- O Grondahl consiste na correção da acalasia; III- A confecção do Y de Roux corrige a gastrite alcalina; IV- A vagotomia introduzida por Saul-Goldenberg permitiu uma gastrectomia mais econômica; a) Apenas I,II e III são corretas. b) Todas estão corretas. c) Apenas IV é correta. d) Todas são incorretas.

9 e) Apenas I é incorreta. 40-Nas modalidades de tratamento cirúrgico da obesidade encontramos modelos restritivos, desabsortivos e mistos. Constituem modelos mistos as seguintes técnicas, exceto: a) Fobi-Capella. b) Duodenal Switch. c) Scopinaro. d) Mason. e) Wittgrove. 41-Em um paciente com quadro de hemorragia digestiva alta com vômitos com sangue rutilante com frequência cardiaca de 120, PA 90/60mmHg, palidez e Glasgow de 08, são medidas urgentes, exceto: a) Entubação orotraqueal; b) Endoscopia digestive alta; c) Ressuscitação volêmica; d) Transfusão sanguinea; e) Sondagem nasogástrica; 42-Durante uma colângiografia per-operatória você identifica uma coledocolitíase como achado, sem sintomas ou sinais pré-op, com um colédoco de 1,8 cm qual sua conduta inicial: a) Coledocotomia para retirada do cálculo; b) Coledocostomia a Kher; c) Drenagem transcística; d) Tentativa de clareamento trancistico com Dormia; e) Derivação bileodigestiva; 43-A circulação extracorpórea ou bay-pass cardio pulmonar constituiu um dos maiores avanços da cirurgia cardíaca. Constituem procedimentos em que a CEC, como é conhecida, é indispensável os seguintes exceto: a) Correção de comunicação iteratrial; b) Troca de valva mitral; c) Correção de comunicação interventricular; d) Troca de valva aórtica; e) Persistência do canal arterial; 44- Sobre a distopia testicular podemos afirmar: a) A criptorquidia é bilateral em 40% das vezes; b) O seminoma é o tumor mais comum do testículo críptico; c) O teratoma é o tumor mais comum do testículo críptico; d) No testículo impalpável a ultrassonografia é imprescindível; e) O carcinoma embrionário é o tumor mais comum do testículo críptico; 45-Sobre a fratura de Colles podemos afirmar, exceto: a) Conhecida como fratura em dorso de garfo ; b) Consiste na fratura da extremidade distal do cúbito; c) Tem como fisiopatologia a queda com mão aberta;

10 d) É mais comum em crianças e mulheres acima de 50 anos; e) A fratura do rádio distal caracteriza o quadro;

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Doppler venoso dos membros inferiores Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia g Hospitais da Universidade de Coimbra Filipa Reis Costa Interna complementar de Radiologia Hospital de S.

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO QUESTÃO 21 Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: a) O reforço da parede posterior só estaria indicado em

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA ABDOMINAL Leonardo Oliveira Moura Trauma Abdominal Órgãos sólidos: Fígado, baço, pâncreas e rins Órgãos ocos: Esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e bexiga Vasos calibrosos:

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM 1 ALMEIDA, Pâmela Batista 1 BUDÓ, Maria de Lourdes Denardin 2 SILVEIRA, Celso Leonel 3 ROSA, Adonias Santos 4 SILVA, Silvana Oliveira 5 SILVA, Silvana

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 CREMEPE 15002 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 CREMEPE 15002 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e no CREMEPE

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

MODELOS DE TERMOS DE CONSENTIMENTOS PÓS- INFORMADOS EM UROLOGIA

MODELOS DE TERMOS DE CONSENTIMENTOS PÓS- INFORMADOS EM UROLOGIA MODELOS DE TERMOS DE CONSENTIMENTOS PÓS- INFORMADOS EM UROLOGIA Prezado Colega, Há cerca de 30 anos nos principais países do mundo, têm sido implantado como rotina os Termos de ConsentimentoS Pós-Informados

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Hospital. início em 2/3/2015

Hospital. início em 2/3/2015 Quinta feira, 3 de Março 2016 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Reunião multidisciplinar de casos clínicos Disciplinas: cirurgia, anatomia patológica, oncologia médica, radio oncologia

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.942/2010

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.942/2010 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.942/2010 (Publicada no D.O.U. de 12 de fevereiro de 2010, Seção I, p. 72) Altera a Resolução CFM nº 1.766, de 13 de maio de 2005, publicada no Diário Oficial da União em 11 de julho

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ENDOSCOPIA QUESTÃO 21 A Hemorragia digestiva é uma complicação da Moléstia Diverticular dos Cólons. Assim é ERRADO afirmar: a) O tratamento das enfermidades

Leia mais

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES CONCEITO Veias do Sistema Superficial, dilatadas, tortuosas, e com alterações FUNCIONAIS. VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05

RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114) Estabelece normas seguras para o tratamento cirúrgico da obesidade mórbida, definindo indicações, procedimentos aceitos e equipe.

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS

PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS Protocolo de máxima utilização de sangue. Baseado no histórico transfusional de todos os procedimentos cirúrgicos realizados no HUWC de

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic Mal formações do trato urinário Luciana Cabral Matulevic Refluxo Vésico-Ureteral Fluxo anormal de urina da bexiga para o trato urinário superior Achado isolado ou associado a outras malformações Causas

Leia mais